GLOSSÁRIO DE TERMOS RELACIONADOS COM O ENSINO A DISTÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLOSSÁRIO DE TERMOS RELACIONADOS COM O ENSINO A DISTÂNCIA"

Transcrição

1 Sirje Plaks trabalha para a Associação de Educadores de Adultos da Estónia como coordenadora de projecto. Coordena a Semana dos Aprendentes Adultos na Estónia, centrada na disseminação da ideia da aprendizagem ao longo da vida, que envolve a comunicação com várias organizações e pessoas. A sua experiência anterior como gestora da formação e como fundadora do seu próprio centro de formação representa uma mais-valia para o seu trabalho actual. Licenciou-se pela Universidade de Tartu em Direito Administrativo. Pamela Roccio é coordenadora dos Cuidados Infantis no Centro de Acção Social Edinburgh University Settlement, no programa 2ª Oportunidade para Aprender. O seu background académico inclui psicologia, política social, sociologia, e medicina e ciência forenses. Coordena, ainda, um projecto para colocar online módulos relativos a cuidados infantis. Rachel Savage foi a coordenadora das Competências Básicas no programa 2ª Oportunidade para Aprender do Centro de Acção Social Edinburgh University Settlement. Tem um background nas ciências sociais. Na altura em que participou neste manual era a responsável pela pesquisa e comunicação, tendo a seu cargo o marketing, orçamento e publicidade de todos os projectos desenvolvidos pelo Centro. Rikke Schultz recebeu o grau de mestre em Pedagogia pela Universidade Real Dinamarquesa, em 1998, e obteve a qualificação como leitora em Didáctica em Está envolvida na formação de professores na educação de adultos e na educação em geral, e trabalha no centro de conhecimento da CVU FYN, nas áreas do desenvolvimento de competências e formação em exercício. Anteriormente trabalhou em programas de integração para imigrantes na Dinamarca, na introdução de novas tecnologias para as mulheres e como professora em disciplinas de carácter geral na Universidade Técnica de Odense. É desde 1977 um membro activo da Organização Dinamarquesa para a Cooperação Internacional, conhecida na Dinamarca como MS. É membro activo da direcção da Associação para a Educação Mundial (AWE) na Dinamarca, uma organização que tem estatuto de conselheira na UNESCO. António Moreira Teixeira é licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa, e é mestre e doutor, também em Filosofia, pela mesma Universidade. É professor auxiliar no Departamento de Ciências da Educação da Universidade Aberta, e investigador no Centro de Estudos em Educação e Inovação (CEEI - Universidade Aberta) e no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. Tem estado envolvido no desenho e no desenvolvimento de um sistema de avaliação da qualidade para a avaliação contínua de cursos de ensino a distância desde Tem participado nas comissões de avaliação externas do Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior (CNAVES) desde 1997, sendo responsável pela produção de todos os relatórios relativos aos cursos de Filosofia. Deu, ainda, conferências integradas em workshops de formação para futuros especialistas em avaliação do CNAVES, e é responsável pela disciplina de Avaliação de Sistemas na Universidade Aberta. É autor ou co-autor de mais de trinta publicações científicas. Lone Guldbrandt Tønnesen é conferencista em História e coordenadora do ensino a distância na CVU FYN/Odense Lærerseminarium. Sven Van Elst trabalhou no Centro da Língua e da Fala 69 da Universidade de Antuérpia (Bélgica), de 1994 a Durante este período, esteve sobretudo envolvido na gestão de projectos europeus e no desenvolvimento de materiais de ensino a distância para a aprendizagem de línguas estrangeiras. Presentemente, trabalha como assistente pessoal de um deputado na Câmara de Representantes belga. GLOSSÁRIO DE TERMOS RELACIONADOS COM O ENSINO A DISTÂNCIA Adaptado e editado por Rachel Savage e Pamela Roccio [Reino Unido] Do website da Associação Britânica para a Aprendizagem 70 (que incorpora a Associação Britânica para o Ensino Aberto (BAOL) 71 e o Fórum para a Tecnologia na Formação) 72. Com contribuições do glossário de e-learning do CEDEFOP Training Village: Ralph Johnson Berger e Kam Eva Kaplan-Leiserson Acessibilidade Uma característica da tecnologia que permite a pessoas com deficiência utilizá-la. Por exemplo, os websites com esta característica podem ser utilizados por pessoas com deficiência visual, auditiva, motora ou cognitiva. O desenho da acessibilidade também beneficia as pessoas com software ou hardware mais lento ou mais antigo. Acreditação A acreditação é o reconhecimento formal por um organismo externo e/ou independente (ver Aprendizagem acreditada). Adaptação de materiais Adaptação de materiais de aprendizagem existentes para satisfazer as necessidades de um aprendente ou de um grupo de aprendentes específicos. Por exemplo, os materiais que são adequados a nível nacional podem precisar de algumas adaptações ou modificações para de adequarem às necessidades dos aprendentes a nível local. Ambiente de aprendizagem -Software desenhado como uma solução integrada, tudo-em-um, que pode facilitar a aprendizagem online numa instituição. Os cursos criados dentro do ambiente de aprendizagem podem ser rastreados com as mesmas capacidades que de um Sistema de gestão da aprendizagem (LMS), mas o ambiente de aprendizagem pode não conseguir rastrear os cursos criados fora do seu sistema. A maior parte dos ambientes de aprendizagem também inclui funcionalidades de autoria para criar cursos adicionais. Ambientes centrados no aprendente Refere-se a cenários educativos com um enfoque nos conhecimentos, crenças, competências e atitudes prévios que os aprendentes transportam para o cenário educativo. Assim, estes ambientes enfatizam a adequação e a relevância culturais, prestando atenção às culturas e subculturas dos aprendentes, ao seu modo de ser e às suas idiossincrasias culturais. Ambientes centrados na comunidade Cenários educativos em que os aprendentes desenvolvem um sentido de comunidade, de interdependência, beneficiando das interacções sociais e das normas que valorizam a busca da compreensão. Este tipo de ambiente é semelhante a uma comunidade práticas real, em que existem objectivos comuns e onde todos procuram colaborar na consecução desses objectivos. Ambientes centrados no conhecimento Cenários educativos com um enfoque no tipo de informação e de actividades que ajudam os alunos a desenvolver uma compreensão das matérias e tópicos numa determinada área. 104 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 105

2 Ambiente virtual de aprendizagem (VLE) Um ambiente que pode ser usado para apoiar uma série de contextos de aprendizagem, desde a sala de aula tradicional até ao offline e à aprendizagem a distância e online, através da Internet. Ambientes geridos de aprendizagem (Managed Learning Environments - MLE) Refere-se ao leque de sistemas de informação e de processos de uma instituição, que contribuem directa ou indirectamente para a aprendizagem e para a gestão dessa mesma aprendizagem. Análise de necessidades de formação O processo de recolha e de interpretação da informação para identificar áreas em que é necessário melhorar o desempenho, a nível pessoal ou organizacional. Os dados são coligidos para responder às questões fundamentais na identificação de necessidades de formação, tais como: quem, o quê, quando, porquê e como. Análise SWOT 73 Uma forma de identificar os pontos fortes (o poder e as vantagens) e os pontos fracos da instituição, e de examinar as oportunidades (como conseguir novas oportunidades no mercado) e as ameaças que a instituição enfrenta. Levar a cabo uma análise usando a norma SWOT ajuda a concentrar as actividades da instituição nas áreas em que é forte e em que existem mais oportunidades. Andragogia A arte e a ciência de ajudar os adultos a aprender. A teoria introduzida por Malcolm Knowles realça que os adultos são auto-dirigidos e esperam assumir a responsabilidade pelas decisões. Os programas de ensino de adultos devem adequar-se a este princípio fundamental. Aprendizagem Um processo cumulativo em que os indivíduos interiorizam gradualmente entidades cada vez mais complexas e abstractas (conceitos, categorias e padrões ou modelos de comportamento). Aprendizagem acreditada Programas e cursos que são avaliados de forma independente e reconhecidos, no sentido de garantir que a aprendizagem oferecida tem um certo nível de qualidade. A aprendizagem acreditada leva frequentemente a um diploma ou a uma qualificação reconhecidos. Aprendizagem ao longo da vida Foi recentemente definida num documento do governo do Reino Unido como o desenvolvimento contínuo das competências, dos conhecimentos e da compreensão que são essenciais para a empregabilidade e a realização pessoal. Segundo este conceito, os indivíduos e as empresas acedem à aprendizagem em qualquer lugar, em qualquer altura, usando os métodos mais apropriados para eles. Aprendizagem assíncrona Um programa de aprendizagem que não requer que o aprendente e o professor participem ao mesmo tempo. Os tutoriais online auto-regulados. Aprendizagem em que a interacção entre professores e estudantes ocorre intermitentemente, com desfasamento no tempo. Exemplo deste tipo de aprendizagem são os cursos auto-regulados tirados pela Internet ou em CD-ROM, grupos de discussão online e o correio electrónico. Aprendizagem auto-regulada Na aprendizagem auto-regulada, os conteúdos, as sequências de aprendizagem, o ritmo da aprendizagem e até, possivelmente, os media são determinados pelo aprendente individual. Aprendizagem colaborativa A aprendizagem colaborativa apoiada no computador [CSCL] baseia-se na aprendizagem através de interacções pessoais ou sociais entre os aprendentes. Este modelo ajuda os estudantes a partilhar objectivos, a explorar os materiais de aprendizagem e a atingir níveis mais profundos de compreensão e de conhecimento através da construção social de significados e de conhecimento. Os estudantes trabalham colaborativamente ou cooperativamente em equipa. O processo de aprendizagem é um processo de negociação entre os aprendentes. Aprendizagem construcionista Significa que o aprendente associa novos conhecimentos a conhecimentos existentes, através da combinação de experiências concretas com princípios abstractos. Existe um intercâmbio entre a aprendizagem concreta e a aprendizagem abstracta. A aprendizagem concreta combina elementos do conhecimento existente, criando uma rede, ao passo que o pensamento abstracto é usado para compreender e expandir o conhecimento concreto. A aprendizagem construtiva baseia-se na participação activa do aprendente na resolução de problemas e no pensamento crítico ligados a uma actividade de aprendizagem, que consideram relevante e estimulante. Aprendizagem distribuída Utilização de uma grande variedade de tecnologias da comunicação para oferecer oportunidades de aprendizagem para além dos limites da sala de aula tradicional, incluindo a World Wide Web, o correio electrónico, a videoconferência, o groupware, simulações. newsgroups, listas de distribuição, salas de chat e software instrucional. Um ambiente de aprendizagem distribuída facilita um paradigma educacional centrado no aprendente e promove a aprendizagem activa. A aprendizagem distribuída pode ser implementada de diversas formas e em escalas diferentes. Um modelo instrucional permite que o instrutor, os estudantes e os conteúdos possam estar localizados em sítios diferentes, não centralizados, de modo a que a instrução e a aprendizagem ocorram independentemente do tempo e do lugar. O modelo da aprendizagem distribuída pode ser usado em combinação com cursos tradicionais baseados na sala de aula, com cursos a distância tradicionais, ou pode ser utilizado para criar salas de aula totalmente virtuais. Aprendizagem em rede Aprendizagem em que um aprendente pode ligar-se a outros aprendentes, ao tutor ou ao instrutor, ou em que uma comunidade de aprendizagem pode ligar-se aos seus recursos de aprendizagem através de computadores. A interacção pode ocorrer em tempo real ou em tempos desfasados. Também designada Aprendizagem síncrona. Aprendizagem flexível Caracterizada como envolvendo uma: Progressão não-predefinida Orientação para resolução concreta de problemas Estrutura de aprendizagem modular assente num tema Tradição de aprendizagem baseada na noção de just-in-time Aprendizagem informal A aprendizagem formal acontece numa aula, num seminário, num curso de auto-estudo - todos a reconhecem como aprendizagem. A aprendizagem informal acontece ao pé da máquina de café, no jogo de cartas, no pedir ajuda ao colega do lado, na resolução colaborativa de problemas, na observação de um especialista, ou na partilha de um terminal para e- learning. Mais de metade da aprendizagem em contexto de empresa é informal. Aprendizagem interactiva Envolver os alunos no processo de aprendizagem, dando-lhes um papel activo na forma como aprendem. Isto pode ser conseguido através da utilização das tecnologias, incluindo ecrãs sensíveis ao toque, DVD e vídeo, animação em 3D, whiteboards, CD-ROMs ou a Internet. Aprendizagem móvel (M[obile]-Learning) Aprendizagem através de dispositivos móveis sem fios, como os PDAs (Personal Digital Assistant) e os telemóveis. Aprendizagem não-acreditada Aprendizagem que é informal e não conduz directamente a qualquer forma de acreditação, certificação ou qualificação externas. Aprendizagem online Distribuição da aprendizagem através de computadores em rede, via Internet ou da rede interna de uma empresa. 106 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 107

3 Aprendizagem orientada por um mentor (Mentored Learning) Experiência de aprendizagem em que o aprendente trabalha com um mentor. Este é, regra geral, alguém mais experiente e mais velho do que o aprendente, e que presta apoio, encorajamento e orientação. Neste tipo de aprendizagem, o mentor tipicamente treina, facilita, aconselha e liga em rede o aprendente. Aprendizagem tradicional A aprendizagem tradicional pode caracterizar-se como envolvendo: Uma progressão linear do simples para o complexo Um currículo baseado no conhecimento Uma tradição de aprendizagem que privilegia o conhecimento just-in-case Objectivos definidos em termos da aquisição de conhecimento Aprendizagem/formação baseada no computador Um termo global para designar a utilização dos computadores no ensino e na gestão do processo de ensino-aprendizagem. Os materiais de formação e os conteúdos são veiculados através de aplicações informáticas e correm de um CD-ROM ou são instaladas no computador do aprendente. O ensino assistido por computador (CAI - computer-assisted instruction) e o ensino gerido por computador (CMI - computer-managed instruction) estão incluídos na aprendizagem/ formação baseada no computador (CBT - computer based training). Algumas pessoas usam indistintamente os termos CBT e CAI (Glossário de E-Learning, compilado por Eva Kaplan-Leiserson). Aprendizagem/formação baseada no trabalho Aprendizagem ou formação que tem lugar quando uma pessoa está empregada. Regra geral, baseia-se nas necessidades do empregador e da carreira do indivíduo. A aprendizagem pode ser formal (ver Aprendizagem acreditada) ou informal: por exemplo, um curso de um dia, no local de trabalho, sobre PowerPoint. Aprendizagem/formação vocacional Aprendizagem a que se dá início para auxiliar o trabalho presente ou futuro. Áudio O medium de veicular informação aos aprendentes através do som. Auto-avaliação A avaliação de um aprendente ou de uma instituição levada a cabo pelos próprios. Auto-conhecimento Refere-se à compreensão dos pontos fortes e dos pontos fracos próprios. Autonomia do aprendente A medida em que é o aprendente, e não o professor, a determinar os objectivos, seleccionar as experiências de aprendizagem e escolher a altura adequada para a avaliação. Autoria Quando os conceptores combinam componentes de media para fazer programas, usando ferramentas (software) de autoria. Avaliação Qualquer método sistemático de recolher informação acerca do impacto e da efectividade de uma situação de aprendizagem. Os resultados obtidos podem ser usados para melhorar a oferta de aprendizagem, determinar se os objectivos de aprendizagem foram alcançados, e aferir do valor da situação de aprendizagem para a instituição. A avaliação pode variar desde uma medição restrita do conhecimento factual até a uma apreciação ampla do desenvolvimento total do aprendente. Banda larga O termo comum para ligação à Internet de alta velocidade. Pode transmitir ou descarregar informação até 40 vezes mais depressa do que uma ligação tradicional, baseada no telefone e no modem, e está permanentemente online. Benchmarking Um standard usado para comparar uma instituição com outras, ou com critérios predefinidos, no sentido de ajudar a identificar pontos fortes, pontos fracos e áreas a melhorar. Camadas textuais As camadas textuais compreendem um texto básico com ligações verticais. O texto básico pode ser uma definição, a segunda camada pode ser uma explicação mais desenvolvida, e as terceira e quarta camadas podem ser exemplos. As camadas textuais permitem ao aprendente aceder a mais informação acerca de um tema específico através das ligações entre as camadas. Campus Virtual Parte de uma universidade, i.e. uma faculdade, que oferece funcionalidades educativas a qualquer hora e em qualquer lugar, através da Internet. CD-ROM - Compact Disk Read Only Memory. Um disco que pode armazenar grandes quantidades informação na forma de texto, áudio, vídeo e gráficos, usado geralmente na aprendizagem interactiva. Centros de aprendizagem Uma área designada de um escritório ou de um edifício em que a aprendizagem tem lugar, através da utilização de métodos abertos e flexíveis, para fornecer aprendizagem localizada e apoiar os aprendentes, seja numa empresa, universidade ou comunidade local. Chat Comunicação entre membros de um serviço online através de texto. As mensagens são trocadas em tempo real, como numa conversa, através da digitação de frases breves. Ciclo de vida Uma progressão através de uma série de diferentes estádios de desenvolvimento. Comércio electrónico O processo de comprar e vender produtos através da Internet. Competências Uma lista de conhecimentos, competências e atributos que são requeridos para o desempenho de uma profissão. São usadas como base para orientar a análise das necessidades de formação e a avaliação. Competências básicas A capacidade de ler, escrever e falar a nossa língua, e de usar a matemática a um nível necessário para funcionar e progredir no trabalho e na sociedade. Também conhecidas como competências nucleares. Competências-chave Um leque de competências essenciais necessárias à educação, ao emprego, à aprendizagem ao longo da vida e ao desenvolvimento pessoal, de modo a ter-se um desempenho eficiente no trabalho e na sociedade, i.e. capacidade de comunicar, compreender e usar matemática básica, resolver problemas, usar o computador e as tecnologias da informação, trabalhar de forma efectiva com os outros e melhorar as capacidades de aprendizagem. Ver também Competências básicas. Competências soft (Soft Skills) Competências não relacionadas com as tecnologias da informação, como a de liderar, a de negociar, a de construir um espírito de equipa e a de ouvir. Conceptor/tecnólogo A pessoa que desenvolve os materiais de ensino a distância. Conhecimento metacognitivo Envolve o conhecimento estratégico, o conhecimento de tarefa cognitivas e o auto-conhecimento. Construcionismo A ideia nuclear do construcionismo é um enfoque em teses e em testes. Os métodos favoritos são as simulações (o que está errado, o que pode ser feito), ou como construir... (a LEGO, por exemplo, desenvolveu um sistema em CAD/CAM, em que os modelos feitos de Lego podem ser controlados por programas de computador). O construcionismo também privilegia as tarefas abertas e o feedback directo. 108 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 109

4 Construtivismo Baseia-se na natureza construtiva da criação de conhecimento no contexto de uma situação de aprendizagem. O construtivismo assenta numa abordagem ao ensino que parte do princípio que a aprendizagem é uma mudança de significado construída a partir da experiência do aprendente, i.e. é um processo em que os indivíduos constroem novas ideias com base no conhecimento anterior. As preocupações centrais do construtivismo são a aprendizagem e o processo de construção do conhecimento; este processo é visto como estando sujeito à situação do aprendente. Os métodos mais adequados são a discussão e a colaboração entre aprendentes, centradas em estudos de caso ou trabalho de projecto, tarefas abertas ligadas a objectivos de aprendizagem flexíveis ou tarefas construídas para reflectir condições do mundo real. A abordagem construtivista está geralmente dependente da comunicação entre os aprendentes e do feedback directo dos pares ou do professor. Conteúdos Refere-se aos conteúdos de ensino, tanto os materiais como as matérias. Correio electrónico ( Electronic mail) O intercâmbio de informação de um computador para outro usando uma aplicação informática desenhada para enviar e receber informação. Courseware genérico Produtos e materiais desenvolvidos para satisfazer as necessidades de um público vasto e diversificado, e não uma necessidade específica de uma instituição, relativos, por exemplo, a competências básicas, competências de apresentação, técnicas de entrevista, competências-chave, etc. Também designado como Off-The-Shelf (Pronto a usar). Cultura organizacional Os costumes e crenças gerais de um grupo de pessoas que trabalham juntas num determinado momento, de forma estruturada, tendo em vista a um objectivo comum. Currículo Um currículo é uma descrição global dos conteúdos de um programa de aprendizagem ou de uma situação de aprendizagem. Um currículo descreve as condições prévias do aprendente, os quadros de referência, os objectivos, os conteúdos, o processo de aprendizagem e a avaliação. Curso estruturado Programa com objectivos predefinidos, leituras e outras tarefas de aprendizagem planeadas e comunicadas antecipadamente aos estudantes. Curso não estruturado Programa não completamente estruturado no início: as características e as necessidades dos estudantes podem levar a alterações durante o desenrolar do curso. Isto torna-se possível através do aumento da interacção professor-estudante, e é facilitado pela utilização de uma abordagem baseada em objectos de aprendizagem reutilizáveis (RLO), i.e. desenvolvendo materiais formatados em pequenas unidades para permitir a combinação e a modificação durante o processo de aprendizagem. Declaração de intenções (Mission statement) Uma breve descrição escrita dos objectivos de uma empresa, instituição de caridade, departamento do governo ou instituição pública. Desenho instrucional (Instructional Design) O desenho instrucional é o desenvolvimento sistemático de especificações instrucionais, utilizando as teorias instrucionais e da aprendizagem, para garantir a qualidade da instrução. É todo o processo de análise das necessidades e objectivos da aprendizagem e o desenvolvimento de um sistema de distribuição que satisfaça essas necessidades. Inclui o desenvolvimento de materiais e actividades instrucionais, bem como a experimentação e a avaliação de todas as actividades instrucionais e do aprendente (Berger e Kam) DVD (Digital Versatile Disc) Um disco óptico gravado e lido através de laser, com capacidade para armazenar grandes quantidades de informação. E-book Um e-book é a edição electrónica de um livro. É tipicamente construído em hipertexto e camadas textuais, contendo diferentes tipos de ajudas visuais e boas funcionalidades de pesquisa. Os e-books são um produto emergente, havendo, neste momento, pouco mercado para eles na maior parte dos países. Educação de adultos Ensino-aprendizagem que enfatiza os princípios da aprendizagem de adultos. Também conhecida como andragogia. Educação e formação vocacionais Qualquer programa de formação organizado sistematicamente para desenvolver capacidades e competências ocupacionais, exigidas pelo exercício de uma profissão particular. Educação/Formação contínua Educação/formação que é oferecida a maiores de 21 anos, que querem melhorar a sua educação/formação e adquirir novas competências e qualificações, ou desenvolver as que já possuem. E-Exclusion (Exclusão electrónica) - Ver Info-exclusão. E-Learning (Aprendizagem electrónica) Aprendizagem com a ajuda de ferramentas das tecnologias da informação e da comunicação. Pode incluir múltiplos formatos e metodologias híbridas: a utilização de software, Internet, CD-ROM, aprendizagem online ou quaisquer outros meios electrónicos ou interactivos (Cedefop, 2002). Inclui a distribuição de conteúdos via Internet, rede interna/rede externa 74 (rede de acesso local/rede de acesso alargada 75 ), cassetes áudio e vídeo, transmissão via satélite, televisão interactiva e CD-ROM. O e-learning cobre um vasto conjunto de aplicações e processos, tais como a aprendizagem baseada na web, a aprendizagem baseada no computador, as salas de aula virtuais e a colaboração digital. (Glossário de E-Learning, compilado por Eva Kaplan-Leiserson). Ensino a distância Situação educativa em que o professor/tutor e os estudantes estão separados no tempo, no espaço, ou em ambos. Os cursos são distribuídos através de meios de ensino síncronos ou assíncronos, incluindo a correspondência escrita, textos, gráficos, cassetes áudio e vídeo, CD-ROMs, aprendizagem online, áudio e videoconferência, televisão interactiva e fac-símile. O ensino a distância não exclui a utilização da sala de aula tradicional. A definição de ensino a distância é mais vasta do que a de e-learning, e engloba esta. Ver Ensino aberto e flexível. Ensino aberto e a distância (Open and Distance Learning - ODL) Combina as propriedades do ensino aberto e flexível com as do ensino a distância. Ensino aberto e flexível (Open and Flexible Learning - OFL) Permite aos aprendentes escolherem o local de estudo, os meios de distribuição, o ritmo de estudo, os mecanismos de apoio e os pontos de entrada e de saída na sua aprendizagem. Pode também incluir características do ensino a distância. Ensino gerido por computador (CMI) A utilização de um computador para gerir o processo de aprendizagem, incluindo a testagem e a manutenção de registos. Ver também LMS e LCMS. Ensino misto Uma combinação de formação/aprendizagem baseada em aulas presenciais tradicionais e formas de aprendizagem abertas, flexíveis, a distância e electrónicas. Ensino-Aprendizagem Síncrono - Ver Aprendizagem em rede Uma situação de aprendizagem online em tempo real, orientada por um instrutor, em que todos os participantes estão ligados ao mesmo tempo e comunicam directamente uns com os outros. Neste cenário de sala de aula virtual, o instrutor mantém o controlo da aula, com a capacidade de interpelar/questionar directamente os participantes. Na maioria das plataformas, os estudantes e os professores podem usar 110 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 111

5 um whiteboard para ver o trabalho em progresso e partilhar conhecimentos. A interacção pode também acontecer via áudio ou videoconferência, telefonia via Internet, ou transmissão bidireccional ao vivo. (Glossário de E-Learning, compilado por Eva Kaplan-Leiserson) Espaço de aprendizagem Uma geografia imaginária em que a empresa de aprendizagem floresce. Mapeada por analistas de mercado e cartografada por consultores, este território é uma anexação recente à paisagem do negócio. Estilo de aprendizagem O método que uma pessoa usa para adquirir conhecimento. Cada pessoa aprende à sua maneira única. Um estilo de aprendizagem não é o que a pessoa aprende, mas a forma como aprende, com base nos seus pontos fortes, nos seus pontos fracos e nas suas preferências. Estudos de exequibilidade Usados para definir e avaliar a viabilidade de um novo produto ou serviço, através da análise dos objectivos de desempenho previstos, fornecendo orientação para a sua implementação. Estudos de mercado A recolha e avaliação de dados relativos às preferências dos consumidores no que toca a produtos e serviços. A pesquisa de mercado e a recolha de dados e informações úteis para o trabalho subsequente com um produto. Existem 2 tipos de estudos de mercado: 1) pesquisa primária (trabalho de campo) - recolha de dados até então não disponíveis; 2) pesquisa secundária (trabalho de secretária) - recolha e organização de dados existentes para um novo fim. Facilitador Outro termo para referir o tutor, instrutor ou professor. Na aprendizagem construtivista, o facilitador aconselha o aprendente e estimula e provoca nele o pensamento crítico, a análise e a síntese. Firewall Uma aplicação informática que isola parte de uma rede, i.e. a rede interna de uma empresa, para evitar o seu acesso público. Formação Uma tentativa de impor a aprendizagem, geralmente mais segundo as conveniências do fornecedor do que do aprendente. (Ver Educação e formação vocacionais) Formação baseada na Internet Formação distribuída sobretudo por tecnologias de rede TCP/IP como o correio electrónico, os newsgroups, aplicações proprietárias, e assim por diante. Embora o termo seja frequentemente utilizado como sinónimo de Formação baseada na web, este tipo de formação não é necessariamente distribuído através da web, e pode não utilizar as tecnologias HTTP (HyperText Transfer Protocol) e HTML, que tornam possível a formação baseada na web. Formação baseada na tecnologia (TBT) A distribuição de conteúdos via Internet, rede de acesso local (LAN) ou rede de acesso alargada (WAN) (rede interna ou rede externa), transmissão por satélite, áudio ou videocassetes, televisão interactiva ou CD-ROM. A formação baseada na tecnologia engloba a formação baseada no computador (CBT) e a formação baseada na web (WBT). Formação baseada na web (WBT) Distribuição de conteúdos educacionais via web browser através da Internet, de uma rede interna privada, ou de uma rede externa. A formação baseada na web oferece, frequentemente, ligações para outros recursos de aprendizagem, como sejam referências, correio electrónico, listas de discussão (bulletin boards) e grupos de discussão. Este tipo de formação pode incluir um formador/tutor que forneça orientações do curso, faça a gestão dos fóruns de discussão, dê lições, etc. Quando assim é, a formação baseada na web oferece algumas das vantagens da formação orientada por um instrutor, enquanto mantém as vantagens da formação baseada em computador. (Glossário de E-Learning, compilado por Eva Kaplan-Leiserson) Formação em sala de aula Qualquer formação, ensino ou aprendizagem que ocorre entre o estudante e o professor/tutor em sala de aula. Formação orientada pelo instrutor (Instructor-Led Training) Formação mediada ao vivo por um instrutor (professor/tutor/formador), como acontece na formação em sala de aula ou em aulas ao vivo através de um sistema de conferência baseado na web. Regra geral refere-se à formação tradicional em sala de aula, em que o instrutor dá uma aula para um grupo de estudantes. O termo é usado como sinónimo de formação no local (on-site training) e formação em sala de aula (c-learning) (também Ensino orientado pelo instrutor - Instructor Led Teaching ILT). Frameworks Um framework é um design reutilizável composto por um conjunto de classes abstractas e o modo como as suas instâncias colaboram através de um desenho orientado por objectos. É um design reutilizável para todo um sistema de software, ou para parte dele; um framework do interface do utilizador fornece apenas um design para a interface do utilizador de um sistema (Ralph Johnson). Gestão da crise O acto ou prática de lidar com uma crise quando esta se desenvolve, e a tentativa de limitar o impacto de um problema imprevisto. Gestão da mudança O processo de gerir a mudança de forma efectiva, a nível pessoal e organizacional. Gestão do conhecimento Captação, organização e armazenamento do conhecimento e das experiências de trabalhadores individuais e de grupos no seio de uma instituição, disponibilizando-os a outros na instituição. A informação é armazenada numa base de dados especial chamada base de dados de conhecimento (knowledge base). (Glossário de E-Learning, compilado por Eva Kaplan-Leiserson). Grupo-alvo Um grupo particular de pessoas a quem algo é dirigido, ou a quem se destina. Hipertexto O hipertexto consiste num texto básico com ligações horizontais. O texto básico pode, desta forma, dar uma breve panorâmica do assunto e, seguindo as ligações, o leitor pode aceder a mais informação acerca de temas específicos. HTML (HyperText Markup Language) Uma linguagem (código) utilizada para criar documentos electrónicos, em particular páginas na World Wide Web (WWW), que contêm conexões chamadas hiperligações (hyperlinks). A linguagem HTML diz a um browser (aplicação de software que permite a visualização de páginas web) como mostrar a página que está a receber. (Glossário de elearning da Sun Microsystems) Inclusão digital (E-Inclusion) Superação da info-exclusão através da utilização de sistemas desenvolvidos para minimizar os riscos de exclusão electrónica. Indicadores de desempenho Medidas para avaliar o desempenho. Info-exclusão (Digital Divide) O facto de certas pessoas ou grupos sociais correrem o risco de ser excluídos da Idade da Informação. Também conhecida como E-Exclusion. Instrutivismo A abordagem instrucional que parte do princípio que a aprendizagem é moldada pelas condições do meio e que o ensino passa pela organização das melhores condições externas possíveis, no sentido de promover uma melhoria nas reacções do aprendente. A aprendizagem é vista como uma progressão linear em direcção ao conhecimento: cada nova unidade de informação agrega-se à anterior em pequenos passos. O conhecimento declarativo e o conhecimento processual são apresentados pelo professor através de exemplos e regras, cabendo ao aprendente dominar informação teórica e adquirir rotinas através da prática. Interlocutor Uma das duas pessoas envolvidas numa interacção dialógica. 112 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 113

6 Internet O meio de fornecer acesso à World Wide Web (www). Just-in-case Aprendizagem que se faz para o caso de se vir a precisar mais tarde. Just-in-time Característico do e-learning, em que os aprendentes têm a possibilidade de aceder à informação de que precisam no momento em que precisam dela. Largura de banda A quantidade de dados que pode ser transmitida ao longo de um canal de comunicação durante um determinado período de tempo. Logística O método que estrutura as acções de transferir, distribuir e lidar com bens e produtos desde o produtor até ao cliente final. Materiais de aprendizagem encomendados à medida Materiais desenhados e adaptados segundo as necessidades de aprendizagem e os objectivos específicos de uma instituição. Meta (Goal) É o propósito de um acto. As metas podem ser encontradas no contexto da escola, nas leis nacionais e nos documentos referentes às diversas disciplinas. Existem opiniões diferentes quanto aos valores e aos conhecimentos que as metas devem reflectir. Metadados Dados acerca de dados, que descrevem o conteúdo, a qualidade, as condições e outras características desses dados. Informações acerca do conteúdo dos dados, que permitem o seu armazenamento e a sua recuperação numa base de dados. Metatags Uma tag (etiqueta) de HTML que identifica os conteúdos de um website. A informação mais comum presente nas metatags inclui os direitos de autoria, palavras-chave para motores de busca e descrições relativas à formatação da página. Método de distribuição Descreve o modo como a formação é distribuída aos aprendentes. Pode ser na forma de um manual impresso, em vídeo, em cassetes áudio, em DVD, em CD-ROM, em sala de aula, em jogos/actividades e através da Internet. Modelo da aprendizagem independente Modelo pedagógico centrado na aprendizagem autodirigida, controlada pelo aprendente. Baseia-se no pressuposto de que os estudantes são capazes de se orientar a si próprios de forma autónoma, definindo os seus próprios objectivos com a ajuda das leituras e das tarefas recomendadas pelo professor. Módulo Um curso pode dividir-se em vários módulos. Um módulo pode definir-se como um programa ou um currículo. Motivação Constructo psicológico que descreve um estado ou condição internos, que servem para activar ou alimentar o comportamento e dar-lhe orientação. A maior parte dos psicólogos acredita que existem dois tipos de motivação: intrínseca e extrínseca. A primeira tem a ver com uma actividade levada a cabo por um indivíduo de moto próprio. A segunda depende da aprovação, recompensa ou reforço externos. Multimédia Tecnologias da aprendizagem que integram os diferentes tipos de media - áudio, vídeo, animação, texto, gráficos, etc. - num pacote a que os utilizadores podem aceder ou controlar através do computador. Objectivo de aprendizagem Uma descrição clara e mensurável da aprendizagem em termos de conhecimentos, competências ou desempenhos que se espera de um aprendente, e que pode ser observar-se após a aprendizagem ter tido lugar, no sentido de a considerar bem sucedida. Objectos de aprendizagem reutilizáveis Ver Objectos de aprendizagem Um conjunto de objectos de informação reutilizáveis, panorâmica, resumo e avaliações que suportam um objectivo de aprendizagem específico. Os materiais são formatados em unidades, para permitir a combinação e a modificação durante o processo de aprendizagem. Objectos de aprendizagem Uma unidade de informação reutilizável, independente do medium, usada como um bloco de construção modular para conteúdos de e-learning. Os objectos de aprendizagem são mais efectivos quando organizados num sistema de classificação de metadados e armazenados num repositório de dados, como um LCMS. Também referidos como Objectos de aprendizagem reutilizáveis. Objectos de informação reutilizáveis (RIOs) Conjunto de itens de conteúdo, prática e avaliação montados em torno de um único objectivo de aprendizagem. Estes objectos são construídos a partir de modelos (templates) baseados no objectivo pretendido: comunicar um conceito, um facto, um processo, um princípio ou um procedimento. Pacotes de trabalho Uma forma de organizar os conteúdos de um módulo a distância. Um pacote de trabalho inclui: Especificações com instruções claras, para que o aprendente saiba exactamente como tem que trabalhar com os materiais, e as formas de avaliação. Isto inclui considerações acerca das combinações entre a teoria e a prática, a comunicação e o feedback; Um ou mais objectos de aprendizagem, que contêm materiais e tarefas com que o aprendente irá trabalhar; Materiais suplementares ou referências. Pedagogia O estudo ou a prática dos métodos e das actividades de ensino e de aprendizagem. Plataforma de aprendizagem Sites internos ou externos, frequentemente organizados em torno de tópicos muito restritos, que contêm tecnologias (desde salas de chat a groupware) que permitem aos utilizadores submeter e recuperar informação. Plataforma pedagógica Uma plataforma pedagógica é um modelo que inclui considerações: pedagógicas (como ensinar - metas, objectivos e métodos adequados para o grupo-alvo); tecnológicas (quais os media adequados ao grupo-alvo) e técnicas (qual é o equipamento mais adequado tendo em conta os métodos e os media escolhidos); organizacionais (recursos e planeamento, desenvolvimento, gestão e manutenção do ensino a distância). PMEs Pequenas e médias empresas. Geralmente definidas como empresas empregando menos de 250 pessoas. Portal de aprendizagem Qualquer website que oferece aos aprendentes ou às instituições acesso consolidado a recursos para a aprendizagem e para a formação provenientes de diversas fontes. Os operadores de portais de aprendizagem são também designados como agregadores de conteúdos (content aggregators), distribuidores ou hosts. Presencial Diz-se da comunicação entre o professor e os estudantes num contexto presencial. Processo de acomodação Acontece quando a aprendizagem é baseada no processo de desenvolvimento de nova informação e usa os novos conhecimentos em vez dos já existentes [para rever o conhecimento que os aprendentes possuem]. Processo de assimilação Acontece quando o processo de aprendizagem se baseia na incorporação 114 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 115

7 da nova informação nos conhecimentos existentes [para alargar os conhecimentos que os aprendentes já possuem]. Processo de trabalho Aspectos que o professor e o estudante decidem trabalhar durante o ensino, o background e os argumentos que fundamentam as diversas escolhas feitas. São as considerações gerais e as relativas aos conteúdos a nível didáctico. Produtos prontos a usar (Off-the-Shelf Products) - Ver Courseware genérico Programas de instrução (Instructive programmes) Os programas de instrução são normalmente construídos como aprendizagem auto-regulada, com pouca necessidade de tutoria durante o processo de aprendizagem. O feedback está frequentemente incluído no programa. As abordagens privilegiadas são: Ensino programado Programas de formação Apresentações e testes Publicação integrada Materiais de aprendizagem que são integrados uns com os outros. Por exemplo, um CD-ROM que é complementado por um livro de actividades e um website. Qualidade Define-se como a totalidade dos atributos e características de um produto ou serviço que influenciam a sua capacidade de satisfazer necessidades e expectativas explícitas ou implícitas (ISO 9000:2000). Rede interna (Intranet) Uma rede propriedade de uma instituição, que funciona como a Internet mas está protegida do acesso exterior. É usada para disseminar informação aos funcionários nos seus computadores de trabalho - i.e. programas de indução e módulos de aprendizagem. Resultados da aprendizagem Os resultados que se espera que o aprendente alcance com a experiência de aprendizagem. Inclui a aquisição de competências, compreensão, conhecimento e qualificações, bem como o desenvolvimento de atitudes, valores e identidades relevantes para uma sociedade da aprendizagem. Retorno do investimento Produzir ou render (lucro ou juros) como pagamento de trabalho, investimento ou despesa. SCORM (Sharable Content Object Reference Model) 76 Um conjunto de standards que, quando aplicado aos conteúdos de um curso, produz objectos de aprendizagem pequenos e reutilizáveis. Resultante da iniciativa Aprendizagem distribuída avançada (ADL) 77, do Departamento de Defesa, os elementos de courseware compatíveis com a norma SCORM podem ser facilmente combinados com outros elementos compatíveis, para produzir um repositório de materiais de formação altamente modular. Sistema de autoria ou Ferramenta de autoria Uma aplicação ou programa de software desenhados para permitir a um não-especialista em computadores a criação de produtos de formação/aprendizagem. Um sistema/ferramenta de autoria não exige conhecimentos ou competências de programação para ser utilizado. Permite a não-programadores a criação de programas electrónicos de aprendizagem. Os tipos de ferramentas de autor incluem as ferramentas centradas na instrução, as ferramentas para a web e de programação, as ferramentas baseadas em modelos (templates), sistemas de captação de conhecimento e ferramentas de criação de textos e ficheiros. Sistema de garantia da qualidade Contém as políticas, atitudes, acções e procedimentos necessários para assegurar que a qualidade está a ser mantida e melhorada. Sistema de gestão da aprendizagem (LMS) Permite às empresas planear e rastrear as necessidades de aprendizagem e as realizações dos seus trabalhadores, clientes e parceiros. Podem ligar objectivos organizacionais a funções de trabalho e a competências dos trabalhadores, fornecer um catálogo dos cursos, livros e iniciativas de formação disponíveis (e relevantes), e veicular conteúdos para a aprendizagem baseada em sala de aula ou noutros formatos. O LMS regista os utilizadores, rastreia os cursos num catálogo e grava os dados dos aprendentes, providenciando também relatórios à gestão. Um LMS está tipicamente desenhado para lidar com cursos de vários editores e fornecedores. Geralmente não inclui as suas próprias funcionalidades de autoria; em vez disso, concentra-se na gestão de cursos criados por uma variedade de outras fontes. Sistemas de gestão de conteúdos (CMS - Content Management Systems) Aplicações informáticas que facilitam o processo de desenho, testagem, aprovação e publicação de conteúdos em páginas web. Sistema de gestão de conteúdos para a aprendizagem (Learning Content Management System - LCMS) Um programa de administração baseado na web que facilita a criação, o desenho, a distribuição e a avaliação da formação, dos cursos e de objectos de aprendizagem. Estas aplicações informáticas permitem aos formadores e aos directores de formação gerir tanto as funções administrativas da formação, como as relativas aos conteúdos. Podem ainda fornecer certificação e rastreio para aprendentes que requeiram um conhecimento específico. Um LCMS combina as capacidades de gestão de cursos de um Sistema de gestão da aprendizagem (LMS - Learning Management System) com as capacidades de gestão e de armazenamento de conteúdos de um Sistema de gestão de Conteúdos (CMS - Content management system). Standards Partes de um objectivo de aprendizagem que descrevem o grau de proficiência que se espera do aprendente, i.e. precisão, velocidade e qualidade. Taxas de retenção A proporção de aprendentes que completam o seu curso ou que transitam para a fase seguinte. Tendem a ser calculadas para os programas de aprendizagem que duram, pelo menos, 12 semanas. Tecnologia instrucional A teoria e a prática do desenho, desenvolvimento, utilização, gestão e avaliação dos processos e recursos para a aprendizagem. Tecnologias da informação e da aprendizagem (TIA) Tecnologias que processam a informação para beneficiar os aprendentes e melhorar a aprendizagem. Tecnologias da informação e da comunicação (TIC) O armazenamento, processamento e apresentação da informação através de diversos media. Tutor A pessoa que utiliza materiais de ensino a distância no ensino. Universidade virtual Uma universidade que tem todas as suas funcionalidades educativas na Internet. Verificação Autenticação ou validação, geralmente sob a forma de acreditação de uma instituição ou de parte das suas actividades. Videoconferência Uma situação em que aparelhos de televisão, câmaras e microfones são ligados em conjunto, para permitir que duas ou mais pessoas, em locais diferentes, se vejam, ouçam e falem umas com as outras. XML (Extensible Markup Language) A linguagem de codificação de páginas web de última geração, que permite aos conceptores de sites programar os seus próprios comandos markup, que podem depois ser usados como se fossem comandos HTML standard. 116 Iniciação ao Ensino a Distância Iniciação ao Ensino a Distância 117

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI Apresentação do MOODLE Educação do século XXI Software social e e-learning Talvez seja o momento de fazer algo nas suas disciplinas! O que pretende do seu sistema de aprendizagem on-line? Fácil criação

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação.

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. PLATAFORMA AcademiaWeb Sistema de gerenciamento de escola virtual com gestão de conteúdo, transmissão de web-aula ao vivo e interação online com os participantes.

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Sistema De Entrega Guia Do Usuário

Sistema De Entrega Guia Do Usuário Sistema De Entrega Guia Do Usuário LEONARDO DA VINCI - Transferência de inovação MEDILINGUA - Advancing vocational competences in foreign languages for paramedics MEDILINGUA - Promovendo competências profissionais

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com A plataforma Sistemas de Gestão de Aprendizagem Carlos Nunes csmnunes@gmail.com O que é o Moodle? É um Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e de trabalho colaborativo, acessível através da Internet

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0)

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor Guião de utilização da plataforma moodle para Professor http://elearning.up.ac.mz http://www.ceadup.edu.mz E-mail: up.cead@gmail.com info@ceadup.edu.mz Maputo, 2013 Introdução Há alguns anos atrás, para

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO Ano Letivo 2012/2013 TIC 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS 1 PERÍODO 1 TEMPO- 45 MINUTOS Domínio Duração Objectivos Gerais Objectivos Específicos Estratégias/ Actividades Subdomínio 7ºA 7ºB Informação

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 )

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 ) DISCIPLINA: TIC ANO: 9º TURMAS: A, B e C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Â O A N U A L - T I C UNIDADE DIDÁTICA 1: Tecnologias da Informação e Comunicação AULAS PREVISTAS: 9 x 90 Minutos Rentabilizar

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

Enquadramento institucional Programas

Enquadramento institucional Programas O e-learning na Universidade de Aveiro (1998-2005) Evento de ensino virtual e e-learning UFP@Porto 28 Jan 2005 Helder Caixinha caixinha@cemed.ua.pt UOe-L Unidade Operacional de e-learning Universidade

Leia mais

Senha f. Sinónimo de palavra-chave. ; v.t. Palavra-chave, Username

Senha f. Sinónimo de palavra-chave. ; v.t. Palavra-chave, Username scp m. Abreviatura de soc.culture.portuguese, o grupo de news distribuído internacionalmente, dedicado a Portugal e à cultura portuguesa, no sentido lato. ; v.t. Usenet, News SDH m. Sigla de Synchronous

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO Conteúdos Competências Gerais Competências essenciais (X 45 min) Capacidade de diálogo e de organização. Considerações gerais sobre a disciplina e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

I. Actividade da APAVTForm

I. Actividade da APAVTForm FORMAÇÃO PROFISSIONAL Objectivos I. A actividade da APAVTForm II. O e-learning na Formação dos Profissionais de Turismo III. Projecto Madeira Specialist Email: pmoita@apavtform.pt 1 I. Actividade da APAVTForm

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal Título Programa de formação para voluntários no sistema (SJC). Descrição geral Este curso foi desenhado para combinar sessões presenciais e à distância para voluntários que trabalhem no SJC. Os voluntários

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

indispensáveis para professores Ferramentas

indispensáveis para professores Ferramentas Ferramentas indispensáveis para professores O Microsoft Office oferece aos professores múltiplas formas de tornarem o seu trabalho mais produtivo e colaborativo, através da utilização de versáteis aplicações

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais