Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal"

Transcrição

1 Título Programa de formação para voluntários no sistema (SJC). Descrição geral Este curso foi desenhado para combinar sessões presenciais e à distância para voluntários que trabalhem no SJC. Os voluntários vão ter um período de observação que irá promover a capacidade do voluntário desempenhar as suas tarefas e responsabilidades de forma eficaz. Público-alvo Todos os voluntários que trabalhem no SJC, especificamente os que trabalham com reclusos, ex-reclusos, famílias e/ou vitimas de crime. Palavras-chave (ver glossário para definição das palavras) blended learning; análise das necessidades do cliente; comunidades de práticas; sistema ; formando; aprendizagem baseada em objetos; período de observação; E-learning; voluntário; perfil de voluntário; prontidão do voluntário; formação do voluntário; workshop; trabalho escrito Língua escolhida Língua de cada país (Inglês; Português; Alemão; Holandês; Húngaro; Italiano e Romeno) Forma de organização O curso encontra-se estruturado com base em objetos de aprendizagem, isto é, um portfólio de recursos educativos, planos de sessão e atividades pedagógicas, os quais podem ser adaptados, de acordo com as necessidades dos países ou grupos de formandos. Neste sentido, as entidades promotoras, ou os próprios formadores, podem configurar os cursos de formação, em termos de materiais, recursos, duração das sessões, sessões de E-learning, e componentes de observação. O formando deve realizar as sessões online antes de iniciar as sessões presenciais. As sessões online fornecem os conhecimentos teóricos necessários para o programa de formação, e é esperado que os formandos submetam pelo menos um trabalho escrito por módulo, através da plataforma de e-learning. As sessões presenciais irão: - Desenvolver as capacidades práticas necessárias para se tornar num voluntário dentro do SJC; - Oferecer orientações relativamente ao conhecimento teórico, especificamente no tema do voluntariado no sistema e nos diferentes contextos; - Discutir e prestar esclarecimentos quanto aos trabalhos escritos; - Desenvolver as competências dos voluntários. Objetivos O formando irá: Desenvolver e construir conhecimento e compreensão acerca do SJC; Desenvolver competências para trabalhar eficazmente no SJC; Compreender e aumentar o auto-conhecimento em relação o perfil de voluntário, e às competências necessárias; Desenvolver o conhecimento e competências necessárias para trabalhar com grupos alvo específicos dentro do SJC;

2 Resultados de aprendizagem No final da formação, o formando deverá ser capaz de: Adotar as responsabilidades descritas no perfil de voluntário e tomar medidas para um continuo autodesenvolvimento; Desempenhar as tarefas e responsabilidades necessárias para executar o seu trabalho; Trabalhar com e cooperar com os colegas; Demonstrar empatia para com (ex) reclusos, famílias e /ou vítimas de crime; Usar e adaptar competências interpessoais apropriadas quando se encontrar em situações stressantes; Identificar e responder a necessidades especificas de (ex) reclusos, famílias e /ou vítimas de crime; Reconhecer os riscos inerentes ao papel de voluntário, e as suas limitações. Conteúdos programáticos Módulos Genéricos: Sessão de acolhimento Introdução ao SJC (especifico de cada país) Atitudes e valores para o crime e justiça Introdução ao perfil do voluntário e ferramenta de autoavaliação Papéis e responsabilidades Comunicação Entrevista motivacional Riscos, problemáticas e limites em meio prisional Análise das necessidades do cliente (Ex) reclusos Famílias de (ex) reclusos Vitimas de crime Cooperação interinstitucional Período de Observação Avaliação Módulos específicos 1 : Trabalhar com agressores sexuais Trabalhar com jovens Trabalhar com adolescentes Trabalhar com públicos mais idosos Trabalhar com mulheres Trabalhar com pessoas com problemas mentais 1 Os conteúdos dos módulos específicos são fornecidos de acordo com o contexto no qual o voluntário irá trabalhar, e só serão introduzidos na análise de necessidades dos clientes. A informação disponível (selecionada de cursos existentes) pode ser fornecida a pedido do formando, ou integrada no período de observação.

3 Trabalhar com minorias étnicas Trabalhar com deficiências Trabalhar com LGBT Trabalhar com vítimas Trabalhar com famílias Trabalhar com cidadãos estrangeiros Carga horária O período de experiência decorre em aproximadamente 6 meses 2, e inclui formação formal, um período de observação e avaliação. Sessão de acolhimento: 3H Sessões presenciais: 20H Sessões online: 15 H Período de observação: mínimo 40H Métodos de ensino e aprendizagem Na plataforma de e-learning, o formando poderá localizar materiais de apoio adequados como artigos, apresentações, documentos normativos e de legislação e outras publicações relevantes. Será pedido aos formandos pelo menos um trabalho escrito para avaliar a compreensão geral dos conceitos (quizz). Durante as sessões presenciais, os conceitos relevantes, introduzidos online, serão abordados com exemplos práticos, e os formandos serão encorajados a partilhar as suas experiências. Discussões com base em exemplos práticos serão despoletadas através de estudo de caso, role-plays e outras técnicas pedagógicas. O período de observação pode ser flexível entre os diferentes países. O objetivo é fornecer aos formandos a oportunidade de experienciar situações da vida real e interagir com uma vasta gama de profissionais do SJC. Durante o período de observação, deve ser mantida uma supervisão informal pelo gestor de voluntários, como forma de dar feedback ao formando. Esta supervisão pode incluir tutoria, mentoria, partilha de práticas ou sessões de formação informal com o formador/supervisor. Método de Avaliação Autoavaliação de competências (pré e pós) Observação Trabalhos individuais Atividades e trabalhos de grupo (escrita colaborativa, role-play) Relatório individual do gestor de voluntários Referências Documentos legislativos de cada país Guia de Boas Práticas Código de conduta É pedido que os formandos assistam às sessões regularmente e que sejam pontuais. 2 Por favour, consulte o exemplo de cronograma de formação em anexo. O período de tempo pode ser ser flexível, consoante a disponibilidade das entidades, formadores e formandos, bem como da necessidade de aplicar a formação.

4 A participação em aula é desejada por forma a potenciar a concretização dos resultados de aprendizagem. Os formandos devem completar os trabalhos online a tempo, enquanto parte do programa de formação.

5 Glossário Blended learning Um formato de formação que combina sessões em aula com sessões online. O pacote de conteúdos pretende-se flexível para que as sessões online se adequem à disponibilidade de agenda de cada formando. As sessões em aula serão geralmente grupais, e pretende-se que complementem as aprendizagens feitas nas sessões online. Análise das necessidades do cliente Processo para estabelecer e abordar as necessidades do formando, com base em competências, conhecimentos e experiências anteriores. Um voluntário pode ter necessidade de desenvolvimento dos conhecimentos em campos especializados como trabalho com pessoas idosas, mulheres ou minorias étnicas. Este processo é referido como intensivo e não intensivo, e terá em conta o campo de intervenção do formando (voluntário). Comunidades de práticas Grupos de pessoas que partilham o interesse por algo que fazem, e aprendem a fazê-lo de forma melhor através da interação regular com partilha de informação e experiências. O objetivo é ganhar conhecimento e experiencia relacionada ao voluntariado. Sistema de Justiça Criminal O Sistema de Justiça Criminal é o conjunto de agências e processos estabelecidos pelos governos, e que são dirigidos à prevenção e redução do crime, ou a punir aqueles que violaram as leis, usando penas ou métodos de reabilitação. Formando

6 Pessoa que frequenta o processo de aprendizagem, adquirindo, modificando ou reforçando conhecimentos, comportamentos ou competências existentes, através de estudo, demostração e experiência. Neste programa, os formandos são voluntários do sistema. Aprendizagem baseada em objetos Um método de aprendizagem que usa uma variedade de objetos (recursos pedagógicos), que servem de veículo para o desenvolvimento e compreensão dos conceitos a transmitir. Um objeto de aprendizagem pode ser um documento, vídeo, ou exercício multimédia, e oferece uma nova conceptualização do processo de aprendizagem: em vez das metodologias tradicionais, os objetos oferecem unidades de aprendizagem mais pequenas e reutilizáveis. Período de observação Período de tempo em que os voluntários podem experienciar situações da vida real, com base no papel que desempenham, na parte final do programa de formação. E-learning Método de aprendizagem através de uma plataforma online, na qual é possível colocar conteúdos (apresentações, vídeos, documentos, etc ), acedidos pelo formando à distância. Tem uma componente interativa que facilita a interação do formando com o curso, com o formador e com os outros colegas (fóruns, serviço de mensagens, vídeo conferência e outras ferramentas). Período de experiência Período durante o qual o novo voluntário é avaliado quanto à sua adequação ao papel de voluntário/a. Inclui formação formal e um período de observação. Voluntário Pessoa que está envolvida em atividades altruísticas, por vontade própria e livre iniciativa, sem coerção ou ganho financeiro.

7 Perfil de Voluntário Refere-se à descrição das competências e habilidades requeridas à pessoa que se candidate a ser voluntário/a. Prontidão do voluntário O nível de preparação de um voluntário para conseguir efetivamente executar uma sequência de tarefas e responsabilidades associadas a um papel. A preparação resulta de uma planeamento e formação dos voluntários. Formação dos voluntários Um currículo flexível e estruturado com o objetivo de introduzir e formar os voluntários; pode ser um processo inicial ou contínuo. Sessão de aula Tipo de aprendizagem grupal, em sala, usada para desenvolver conhecimentos, competências e atitudes necessárias aos voluntários no SJC. Trabalho escrito Tipo de aprendizagem, com elementos escritos, que pretende ajudar os formandos a desenvolver as principais competências necessárias à execução efetiva do papel de voluntário. Os trabalhos escritos foram desenvolvidos e são flexíveis o suficiente para se adaptar a diferentes níveis de escolaridade.

DGAJ/DF. Curso em E-learning

DGAJ/DF. Curso em E-learning Curso em E-learning Introdução O que é estudar a distância O estudo à distância é uma forma diferente de aprender. Para que uma pessoa possa estudar à distância, necessita desenvolver algumas habilidades

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ONTEÚDOS drte MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Belo Horizonte Município de Boane, Província de Maputo 2014 MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA INTRODUÇÃO Bem vindo ao curso de mestrado em Supervisão Pedagógica!

Leia mais

Encontros de Monitorização e Partilha de Boas Práticas no âmbito compromissos FNAS

Encontros de Monitorização e Partilha de Boas Práticas no âmbito compromissos FNAS Encontros de Monitorização e Partilha de Boas Práticas no âmbito compromissos FNAS A produção do relatório intermédio é um momento de reflexão para a entidade promotora, no qual é transmitido à comissão

Leia mais

Escola Mangwana. Escolha do local para implementação do Projeto

Escola Mangwana. Escolha do local para implementação do Projeto Escola Mangwana Construção de uma escola comunitária de acesso gratuito, destinada a crianças e jovens desfavorecidos, em Macanda. A escola compreenderá o ensino pré-escolar, primário e secundário completos

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

Versão 1.00 GUIA. FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância

Versão 1.00 GUIA. FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância Versão 1.00 GUIA FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância Edição: Coordenação: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Departamento de Formação e Qualificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

Plataformas de e-learning BlackBoard http://www.aprendernanet.com

Plataformas de e-learning BlackBoard http://www.aprendernanet.com BlackBoard http://www.aprendernanet.com Vitor M. N. Fernandes (5490/M) IST/DEI INESC/IMMI/GELO Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa vmnf@yahoo.com Sumário Este relatório pretende apresentar uma listagem das

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

Módulo E-Mentoring versão compacta

Módulo E-Mentoring versão compacta Módulo E-Mentoring versão compacta Projeto nº: 2013-1-PT1-LEO05-15778 Módulo E-Mentoring versão compacta CRÉDITOS TÍTULO E-Mentoring Module Compact Version COORDENAÇÃO POINT PLC PAGINAÇÃO E EDITORIAL Salto

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES O Programa de Certificação de Formadores busca capacitar profissionais da área da educação como formadores de professores e gestores educacionais. Com esta certificação, os formadores poderão ministrar

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido por Computador. Curso: Engenharia Civil. Docentes: Prof. António Bento Dias (Responsável); Objetivos:

Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido por Computador. Curso: Engenharia Civil. Docentes: Prof. António Bento Dias (Responsável); Objetivos: Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido por Computador Curso: Engenharia Civil Docentes: Prof. António Bento Dias (Responsável); Objetivos: - Introduzir os princípios básicos do Desenho Técnico -

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 021/2015. Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer crie seu negócio de alto impacto

Edital PROEX/IFRS nº 021/2015. Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer crie seu negócio de alto impacto Edital PROEX/IFRS nº 021/2015 Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer crie seu negócio de alto impacto A Pró-reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

Caracterização do Curso de Formação de eformadores

Caracterização do Curso de Formação de eformadores Caracterização do Curso de Formação de eformadores 27 Titulo do Curso Curso de Formação de eformadores Titulo dos Módulos Módulo de Integração Módulo 1: Evolução Histórica e Teorias do Ensino e Formação

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING AMETSIS CONSULTORES, UNIPESSOAL LDA Elaborado: Aprovado: Pg. 1 de 9 ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 3 2.UTILIZAÇÃO ÚNICA E INDIVIDUAL... 3 3.PUBLICITAÇÃO DOS CURSOS... 3 4.INSCRIÇÕES...

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 17/2016. Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto

Edital PROEX/IFRS nº 17/2016. Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto Edital PROEX/IFRS nº 17/2016 Seleção de tutores para atuarem no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto O Pró-reitor de Extensão Substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD.

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD. Dicas para EaD Mapa do Tutorial Ambientação em Educação a Distância Você está aqui! Aula 1 Aula 2 Aula 3 Aula 4 Aula 5 Introdução Educação a Distância Aluno na Modalidade EaD Dicas para EaD Orientações

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD

EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD EDITAL PARA CONTEUDISTA FEAD 1. CONCEPÇÃO Esta nova concepção de educação e aprendizagem tem seu eixo centrado no aluno, no professor e na gestão escolar (Paulo Sérgio). Diante disso, torna-se relevante

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Dra. Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

Questionário para área Operacional

Questionário para área Operacional Questionário para área Operacional Pontualidade Chega no horário e cumpre os horários estipulados pela empresa, além de respeitar o cronograma do setor no atendimento às solicitações de serviços. Zelo

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA 1. INTRODUÇÃO O Centro de Estudos UNILAS atua em várias áreas educacionais e em vários cursos de pós-graduação em nível

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* PREVENÇÃO Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015. ASSUNTO

Leia mais

Unidade 9: Diálogos deliberativos

Unidade 9: Diálogos deliberativos Unidade 9: Diálogos deliberativos Como podemos utilizar as sínteses de evidências? Informar os grupos de interesse Divulgação da síntese de políticas Informações adaptadas derivadas da síntese Meios de

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Razões justificativas da acção e a sua inserção no plano de actividades da entidade proponente A sociedade atual exige que os seus cidadãos desenvolvam novas

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação)

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) OBJECTIVOS: PRETENDE-SE COM ESTA FORMAÇÃO QUE O PARTICIPANTE ADQUIRA COMPETÊNCIAS DE FORMA A: - Facilitar,

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Visão Geral da Metodologia

Visão Geral da Metodologia Ambientes Acolhedores para Crianças e Adolescentes Criando melhores ambientes com e para Crianças, Adolescentes e Famílias Visão Geral da Metodologia Ambientes Acolhedores para Crianças e Adolescentes

Leia mais

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17 Comunidades de aprendizagem e formação on-line Paulo Dias Universidade do Minho pdias@iep.uminho.pt Introdução Comunicar e aprender em rede constituem dois aspectos de uma das mais profundas mudanças em

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Entrevista ao Diretor

Entrevista ao Diretor Dr. João Valsassina Colégio Valsassina - Lisboa Entrevista ao Diretor Dr. João Valsassina, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e, mais geralmente, a abertura que o Colégio Valsassina

Leia mais

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

Eventualmente tutores podem desafiar a coragem e independência de seus pares através de atividades de competição entre todos, mudando de vínculo

Eventualmente tutores podem desafiar a coragem e independência de seus pares através de atividades de competição entre todos, mudando de vínculo Uma experiência com a diversidade: crianças deficientes...crianças eficientes...educadores Uma experiência da inclusão reversa com pares tutores auxiliares de aula Nossa equipe com o primeiro grupo de

Leia mais

Educação Continuada em Enfermagem

Educação Continuada em Enfermagem Administração em Enfermagem II Departamento de Orientação Profissional Educação Continuada em Enfermagem VERA LUCIA MIRA GONÇALVES SUJEITO Organização Objetivos Expectativas Indivíduo Modernização das

Leia mais

Programa do Curso. Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Programa do Curso. Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores Programa do Curso Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores Duração: 90 horas Área de formação: 146 Formação de professores e formadores Objetivos gerais: i) Avaliar o perfil do formador

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS Dados sócio-demográficos: Género: F M Idade:... (anos) Escolaridade: Ensino Secundário Licenciatura Mestrado Doutoramento

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Vitória - ES A Carga de Trabalho dos Professores - Pode ser analisada

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

- Guia do Curso. Contencioso e Processo Administrativo

- Guia do Curso. Contencioso e Processo Administrativo - Guia do Curso Contencioso e Processo Administrativo 1 Guia do Curso O presente guia é um documento que a(o) ajudará na orientação sobre metodologias que serão aplicadas no curso, enunciando objetivos

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Formação Contínua de Formadores

Formação Contínua de Formadores Programa Conjunto: Mais e Melhores empregos nas Províncias de Cabo Delgado e Nampula Formação Contínua de Formadores Formação Contínua de Formadores do INEFP Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional,

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

TUTORIAL PARA O USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL PARA O USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL PARA O USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA A partir deste tutorial, você conhecerá, como e onde serão postadas suas Aulas Virtuais, que o conduzirão para as atividades de ensino e de aprendizagem!

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB Nelson Leal dos Santos Júnior 1 Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFANCIA E JUVENTUDE

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFANCIA E JUVENTUDE 1 1. TÍTULO: Programa de Estágio para Alunos do Ensino Médio nas Promotorias de Justiça do Ministério Público do Estado do Pará. 2. IDENTIFICAÇÃO Ministério Público do Estado do Pará, CNPJ 05054960/0001-58,

Leia mais

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas, campus Muzambinho, disponibiliza

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA EMENTAS A) Eventos de Capacitação do Ambiente Administrativo Aquisição de materiais e serviços Identificar métodos de aquisição de materiais e serviços, utilizando as ferramentas disponíveis no SIPAC.

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA EM PORTADORES DE TDAH CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas. Prof. Augusto Gaspar

Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas. Prof. Augusto Gaspar Aprendizado Organizacional Universidades Corporativas e os novos modelos de educação nas empresas Prof. Augusto Gaspar Aspectos Humanos - Tendências Singularidade e Hiperconectividade Fevereiro 2011 Junho

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados através

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO ENTRE O PLANO DE ESTUDOS EM VIGOR ATÉ AO ANO LETIVO 2014/2015 E O NOVO PLANO Artigo 1º (Âmbito) O presente plano regula o processo de transição

Leia mais

Escola da Ponte PROJETO EDUCATIVO

Escola da Ponte PROJETO EDUCATIVO PROJETO EDUCATIVO PRINCÍPIOS FUNDADORES I - SOBRE OS VALORES MATRICIAIS DO PROJECTO 1- Uma equipa coesa e solidária e uma intencionalidade educativa claramente reconhecida e assumida por todos (alunos,

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias ÍNDICE 2 Introdução Pág. 3 Princípios e Valores Pág. 3 Objetivos Gerais Pág. 4 Objetivos

Leia mais

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 Feedback é um termo da língua inglesa sem um significado preciso em português, usualmente traduzido como realimentação. Inicialmente empregado no campo da mecânica, com

Leia mais

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades de Informática @ 2011-2012 Plano de Atividades Pretende-se com este plano promover o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS EM CAD 3D PARA PROFISSIONAIS DO ENSINO VOCACIONAL DO CALÇADO

TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS EM CAD 3D PARA PROFISSIONAIS DO ENSINO VOCACIONAL DO CALÇADO TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS EM CAD 3D PARA PROFISSIONAIS DO ENSINO VOCACIONAL DO CALÇADO FORMAÇÃO PARA PROFESSORES, FORMADORES E TUTORES DO ENSINO VOCACIONAL E PROFISSIONAL NO SETOR DO CALÇADO Saiba

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE 1 COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE São Paulo - SP 05/2015 Vitória Kachar Unidade de Educação a Distância

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais