José Humberto Costa, Leonardo Márcio Vilela Ribeiro e Ricardo Brant Pinheiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Humberto Costa, Leonardo Márcio Vilela Ribeiro e Ricardo Brant Pinheiro"

Transcrição

1 ESTUDO DE EXPANSÃO DO PARQUE GERADOR ELÉTRICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PARA O PERÍODO , CONSIDERANDO A PRESENÇA DE USINAS A GÁS NATURAL E USINAS NUCLEARES José Humberto Costa, Leonardo Márcio Vilela Ribeiro e Ricardo Brant Pinheiro Escola de Engenharia da UFMG Departamento de Energia Nuclear - DEN Curso de Ciências e Técnicas Nucleares - CCTN Av. Antônio Carlos, 6627 Prédio da Escola de Engenharia PCA Belo Horizonte, MG, Brasil RESUMO A proposta deste estudo foi de analisar o desempenho do modelo computacional ENPEP Energy and Power Evaluation Program, mais especificamente dos módulos BALANCE e WASP Wien Automated System Planning Package distribuído, para diversos países, pela AIEA - Agência Internacional de Energia Atômica. Teve como finalidade básica identificar as necessidades de energia elétrica do Estado de Minas Gerais e propor um plano de expansão que atenda aos requisitos de energia elétrica, considerando o uso da tecnologia nuclear e do gás natural para a geração de energia elétrica. Keywords: Minas Gerais State s expansion plan, ENPEP, WASP, nuclear and natural gas power plants. I. INTRODUÇÃO A Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG obteve da Agência Internacional de Energia Atômica - AIEA, por meio da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, uma licença para utilização do modelo computacional ENPEP que pode ser utilizado para identificar as necessidades energéticas futuras de um determinado país ou de uma região, no nosso caso, o Estado de Minas Gerais, além de determinar um plano de expansão otimizado do parque gerador do setor elétrico estadual. Além do fornecimento do software, a AIEA prestou consultoria com técnicos vindos do Argonne National Laboratory - ANL, dos Estados Unidos, para o desenvolvimento de um projeto o qual intitulou-se "Planejamento Energético do Estado de Minas Gerais" [1], do qual participaram técnicos da CEMIG, do CDTN Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear e professores estudantes do CCTN Curso de Ciências e Técnicas Nucleares da UFMG Universidade Federal de Minas Gerais. Com o objetivo de realizar treinamento e avaliar o desempenho dessa ferramenta computacional, foram elaborados alguns cenários econômicos e energéticos, quais sejam: cenário de crescimento econômico baixo, cenário de crescimento econômico básico que é tratado como o cenário de referência, cenário de crescimento econômico alto, cenário de conservação de energia e cenário de oferta ilimitada de gás natural. Deste último, originou-se o tema deste estudo em que se considerou um suprimento ilimitado de gás natural para atendimento de todos os requisitos das usinas térmicas a gás natural candidatas solicitadas nos três planos de expansão do parque gerador do setor elétrico estadual referentes aos três cenários construídos. Além destas usinas térmicas a gás natural, considerou-se como candidatas, usinas térmicas a carvão, usinas nucleares e, obviamente, as usinas hidráulicas. Escolheu-se como ano base deste estudo o ano de 1995 e um horizonte de estudo até o ano Considerou-se que a CEMIG atenderia a todos os requisitos de energia elétrica do Estado, embora esta concessionária não atenda a totalidade dos consumidores estaduais. II. WASP WIEN AUTOMATED SYSTEM PLANNING PACKAGE O módulo WASP é parte integrante do ENPEP que é um modelo computacional que tem como objetivo converter-se em uma ferramenta de planejamento energético integrado, possibilitando a análise e compreensão do sistema energético de uma determinada região e, a partir disto, realizar estudos prospectivos de oferta e demanda de energia, identificando as necessidades de recursos energéticos e os impactos ambientais decorrentes da utilização dos mesmos [1, 2]. O WASP é utilizado para a elaboração de um plano de expansão do parque gerador de energia elétrica

2 que atenda as necessidades do mercado consumidor de eletricidade tendo como premissas básicas um custo de produção minimizado e a garantia de atendimento dos requisitos de energia elétrica [2, 3, 4, 5]. Este módulo usa simulação probabilística para estimar os custos de produção do parque gerador e programação dinâmica para determinar um plano de expansão economicamente otimizado. Utilizou-se, também neste estudo o módulo BALANCE que gerou informações sobre os requisitos de energia elétrica dos diversos setores sócio-econômicos do Estado para o horizonte até o ano A Figura 1 identifica os módulos que compõem o ENPEP e a maneira com a qual eles se relacionam. MACRO DEMAND BALANCE IMPACTS PLANDATA MAED LDC Figura 1. Modelo Computacional ENPEP. III. BASE DE DADOS WASP ICARUS da CEMIG. A CEMIG caracterizase por ter um parque gerador notadamente hidráulico, em que a capacidade instalada de suas usinas hidrelétricas representava, em 1995, 97,5% de um total de MW. A UTE Igarapé, a UTE Formoso e a usina eólica do Morro do Camelinho respondem pelos 2,5% restantes. A Tabela 1 ilustra estes dados. A UHE São Simão é a principal usina da CEMIG com uma capacidade instalada equivalente a 32,5% do total da empresa, no ano de Gerou, naquele ano, 44,4% da produção de energia elétrica da concessionária. A UTE Igarapé com uma capacidade de 125 MW respondeu por apenas 2,5% do total da geração, mas tem um papel relevante no sistema energético da CEMIG, pois encontrase localizada na região de maior carga do Estado. O fator de capacidade do parque gerador hidráulico, no ano de 1995, foi de 63%, considerando a geração efetiva no ano e a capacidade instalada hidráulica de MW. Além deste parque gerador já instalado e em operação, Minas Gerais tem um grande potencial para instalação de novas usinas hidráulicas. Foi inventariado um potencial de MW para ser explorado. Obviamente, estes aproveitamentos serão estudados criteriosamente para se determinar se são viáveis economicamente e se respeitam os critérios de preservação ambiental. TABELA 1. das Usinas da CEMIG em 1995 Usina Usina Hidráulicas Pandeiros 4,2 São Simão Paraúna 4,3 Emborcação Paciência 4,1 Nova Ponte 510 Marmelos 4,0 Jaguara 425 M. Mineiro 3,0 Três Marias 387 D. Rita 2,4 V. Grande 380 S. de Morais 2,4 S. Grande 104 Sumidouro 2,1 Itutinga 48 Anil 2,1 Camargos 45 Xicão 1,8 Piau 18 Santa Marta 1,5 Gafanhoto 12,8 Jacutinga 0,7 Peti 9,4 Poções 0,6 Rio Pedras 9,3 B. J. Galho 0,4 Poço Fundo 9,2 Térmicas 125,4 Tronqueiras 8,4 Igarapé 125 Joasal 8,0 Formoso 0,4 Martins 7,7 Eólica 1,0 Cajuru 7,2 Camelinho 1,0 S. Bernardo 6,9 Total 4962,4 Fonte: CEMIG - Boletim Estatístico 1995 [6]. A CEMIG supriu, em 1995, 92% do total do consumo estadual de energia elétrica, além de atender 96% do território do Estado. O sistema CEMIG teve naquele ano e continua tendo uma forte participação de usinas hidráulicas. Usinas Hidráulicas Candidatas ao Plano de Expansão. Neste estudo, as informações sobre as usinas hidráulicas candidatas foram obtidas a partir dos bancos de dados da Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, contemplando as usinas potencialmente factíveis de serem construídas. Com respeito às usinas termoelétricas, adotouse como candidatas as usinas consumidoras de carvão, de gás natural e as nucleares, sendo que o dimensionamento, as características operativas e os custos de investimento e de operação de cada tipo foram obtidos de bibliografia especializada e de considerações sobre o dimensionamento dos recursos energéticos e das capacidades de transporte dos mesmos [7, 8, 9]. Foi considerada a disponibilidade de 60 unidades hidráulicas candidatas, ordenadas de acordo com os resultados do Modelo de Determinação da Expansão do Sistema Elétrico a Longo Prazo DESELP [10]. Esse modelo computacional, que foi desenvolvido pela ELETROBRAS, define qual a seqüência ótima de construção dos aproveitamentos de geração e dos reforços (ou construção de troncos) de interligações regionais, de forma que o mercado de energia e ponta seja integralmente atendido ao mínimo custo. Atualmente, foi substituído pelo Modelo de Expansão de Longo Prazo MELP

3 desenvolvido pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Energia Elétrica CEPEL [11]. O Estado possui um grande número de aproveitamentos hidráulicos e que não podem ser individualmente considerados no módulo, devido ao número limite igual a 60 usinas que podem ser consideradas como candidatas. Este conjunto de 60 usinas perfaz um total de MW, enquanto o potencial hidráulico do Estado é de MW, ou seja, 45,3% do total foi considerado neste plano de expansão [12]. A Tabela 2 apresenta o conjunto de usinas hidráulicas agrupadas por capacidade instalada, mostrando o custo de capital médio. TABELA 2. Usinas Hidráulicas Candidatas Número de Unidades Candidatas Acumulada Custo de Capital Médio (US$/kW) Obs.: No custo de capital estão incluídos os juros durante a construção. Fonte: CEMIG Usinas Térmicas Candidatas ao Plano de Expansão. As usinas térmicas candidatas consideradas no plano de expansão e suas principais características são apresentadas na Tabela 3. Restrições na capacidade de transporte de carvão importado por ferrovias determinaram como cinco o número máximo de unidades de usinas térmicas consumidoras deste energético, as denominadas CVC. Considerou-se a utilização de equipamentos de dessulfuração para minimizar os problemas ambientais decorrentes do uso do carvão. Para as usinas térmicas a gás natural que utilizam o ciclo simples (turbinas a gás) CTU - e o ciclo combinado CC - não foram impostos um número máximo de unidades de cada tipo, uma vez que um dos objetivos deste estudo é encontrar os potenciais de consumo de gás natural em Minas Gerais independentemente de restrições no suprimento e transporte deste energético. As turbinas a gás convertem cerca de 30% da energia contida no combustível em eletricidade. Em um ciclo combinado a eficiência é maior, podendo chegar a cerca de 50-60%, porque, além da turbina a gás, está presente uma turbina a vapor, onde passa o vapor produzido na caldeira de recuperação de calor, incrementando a geração de energia elétrica. TABELA 3. Usinas Térmicas a Carvão e a Gás Natural Candidatas Carvão Ciclo Simples CTU Ciclo Combinado CC CVC Potência Número de unidades 5 ilimitado ilimitado Heat Rate (kcal/kwh) Taxa de Saídas Forçadas (%) 19, Manut. Programada (dias/ano) Custo de Capital (US$/kW) Custo de O&M fixo (US$/kW/ano) 29,.30 8,70 8,50 Custo de O&M variável 2,444 0,158 0,60 (US$/MWh) Custo de Combustível (cents/gcal) 870, Tempo de Construção (anos) Fonte: Review of Guidebook Cost Data, Ontario-Hydro International, USCEA [13], GTW Handbook [9]. Quanto às usinas nucleares, considerou-se que seriam implantadas usinas do tipo Advanced Passive 600 MW Nuclear Power Plant AP600, da Westinghouse, que utilizam uma tecnologia avançada, mas ainda não disponível. O projeto da usina AP600 recebeu, em 1999, a certificação junto ao órgão licenciador dos Estados Unidos, a US Nuclear Regulatory Commission NRC. Os parâmetros técnicos e econômicos apresentados são aqueles equivalentes aos das usinas convencionais. Em função do aprimoramento da tecnologia da usina nuclear AP600 que, de acordo com informações divulgadas na 9ª Conferência Internacional de Engenharia Nuclear, realizada na França no ano de 2001, o custo de capital foi reduzido para cerca de US$1.300/kW e o tempo de construção para 3 anos. Estes novos valores de custo de capital e tempo de construção do AP600 também foram considerados, caracterizando uma nova usina candidata [14, 15]. Por falta de dados, todos os outros parâmetros técnicos foram mantidos idênticos ao do AP600 (PWR alternativa 1). A Tabela 4 mostra as características para as duas alternativas de AP600.

4 TABELA 4. Usinas Nucleares Candidatas AP600 (1) (PWR) AP600 (2) (PWR) Potência Número de unidades ilimitado ilimitado Heat Rate (kcal/kwh) Taxa de Saídas Forçadas (%) 21,7 21,7 Manut. Programada (dias/ano) Custo de Capital (US$/kW) Custo de O&M fixo (US$/kW/ano) 65,70 65,70 Custo de O&M variável (US$/MWh) 0,70 0,70 Custo de Combustível (cents/gcal) 310,8 310,8 Tempo de Construção (anos) 6 3 Fonte: Ontario-Hydro International, Winters [14] e Cummins [15]. IV. RESULTADOS OBTIDOS A análise dos resultados obtidos após o processamento do módulo WASP, mostrou que somente no cenário alto de crescimento da economia do Estado de Minas Gerais e considerando a alternativa 2 do AP600, o plano de expansão proposto contemplaria a entrada em operação de usinas térmicas nucleares nos anos 2011 e 2015, mostrando que com o custo de capital e o tempo de construção menores, esta usina passou a ser competitiva. Com os índices de indisponibildades forçadas e programadas adotados, as usinas funcionarão com fatores de capacidade baixos. A Figura 2 ilustra de forma gráfica a capacidade instalada necessária para atender a todos os requisitos de carga definidos pelo módulo BALANCE no ano de 2015, comparando-a com a do ano A Tabela 5 apresenta o cronograma de entrada em operação das usinas candidatas hidráulicas, das usinas a gás natural e das usinas nucleares. Nenhuma usina candidata foi solicitada até o ano de Percebe-se, também, que nenhuma usina a carvão foi solicitada no horizonte de estudo. TABELA 5. Minas Gerais Cronograma de Expansão do Parque Gerador Ano CC CTU AP600 Hidro Total O WASP determina quais usinas candidatas serão incorporadas ao parque gerador e, além disso, informa qual deverá ser a geração das usinas hidráulicas, das térmicas a gás natural e a das usinas nucleares e os fatores de capacidade encontrados. A Tabela 6 informa e a Figura 3 ilustra estes valores, para o ano de 2015, no caso do cenário alto. MW Hidro Existente Hidro Expansão Térmicas Gás Nat Itaipu Nuclear AP600 Total Cenário Alto TABELA 6. Minas Gerais Gerações de Energia Elétrica em 2015 PWR (Alternativa 2) Geração (GWh) Fator de (%) Hidro CTU CC AP600 Total ,3 21,4 78,1 65,0 - Figura 2. Plano de Expansão do Setor Elétrico 2015.

5 GWh Nuclear AP600 Térmicas a Gás Hidro Novas Hidro Existentes Cenário Alto das vazões afluentes ao seu reservatório, dessa forma, produzindo uma quantidade de energia elétrica que pode fazer com que a cota da CEMIG seja superior ou inferior, em termos de energia, àquela considerada no estudo. c) A definição de um plano de expansão sem considerar que o sistema elétrico do Estado de Minas Gerais está inserido num contexto maior, o Sistema Interligado Nacional SIN, e que a operação deste sistema é feita de forma integrada. A entrada em operação de uma usina da CEMIG pode ser adiada em função da disponibilidade de uma outra usina localizada fora do Estado, cujo custo de instalação seja inferior ao da primeira. Figura 3. Gerações de Energia Elétrica em 2015 PWR (Alternativa 2). A geração do AP600 (PWR alternativa 2), em 2011, ano da sua entrada em operação, embora não apresentada na Tabela 6, será de GWh com um fator de capacidade de 62,4%. As duas unidades AP600 gerarão, em 2015, GWh com um fator de capacidade de cerca de 65,0%. Espera-se que o fator de capacidade de usinas nucleares situe-se em torno de 80%. A Tabela 6 mostra um fator de capacidade de 65% para o AP600, porém no cálculo deste fator de capacidade foi considerado o período de indisponibilidade da usina durante todo o ano, mostrado na Tabela 4, que, assim como outros parâmetros deverão ser atualizados. V. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES O módulo WASP mostra-se bastante adequado para sistemas elétricos com predominância de um parque gerador térmico. Portanto, algumas restrições para a sua utilização em sistema elétricos com uma predominância de usinas hidráulicas são evidentes. Dessa forma, torna-se necessária a utilização de um modelo computacional auxiliar que melhor represente um parque gerador com um grande número de usinas hidráulicas, como o do Estado de Minas Gerais. Este modelo auxiliar poderá ser o VALORAGUA, desenvolvido pela EDP Eletricidade de Portugal e adquirido pela AIEA - Agência Internacional de Energia Atômica. Ele trabalha com o conceito de Valor da Água, ou seja, dá-se um custo para a utilização da água para produção de energia elétrica em função da disponibilidade hidrológica atual e das projeções desta disponibilidade no futuro. Dessa forma, pode-se decidir pelo despacho das térmicas, dependendo do custo de produção de cada uma delas, ou utilizar mais amplamente as disponibilidades de energia dos reservatórios das usinas hidroelétricas [16]. Além disso, outras restrições podem ser relatadas: a) A representação da energia comprada de Itaipu como um valor constante durante todo o período considerado. As disponibilidades da UHE Itaipu podem variar em função d) As dificuldades de representação da co-geração nas usinas de açúcar e álcool, devido à sazonalidade da safra. e) Todas as características das usinas hidráulicas e térmicas candidatas são estáticas no tempo, portanto a alteração de qualquer característica implica a retirada da unidade e a inserção de uma outra. f) As curvas de carga construídas, a partir da curva de carga verificada no ano base 1995, possuem o mesmo formato para todos os anos do horizonte de estudo. Isto é, somente a área da curva se altera ano a ano, de acordo com o crescimento do consumo anual de energia elétrica. O ideal seria a representação das curvas de carga anuais com formatos diferentes, isto é, identificando as alterações nos consumos nos patamares de carga leve, média e pesada (ponta). Quanto aos resultados obtidos, conclui-se que: a) Para o fator de capacidade das usinas térmicas e nucleares que foram agregadas ao parque gerador encontram-se valores considerados baixos, principalmente, para as usinas a gás natural com ciclo simples (CTUs). Exemplificando, em 2015, as CTUs funcionarão, em média, com um fator de capacidade muito baixo, cerca de 20%, atendendo basicamente aos requisitos da ponta do sistema. É sabido que essas usinas deverão obedecer aos contratos de compra de gás natural ( take or pay ) que pressupõem o pagamento das faturas independentemente do consumo da usina. Da mesma forma, o fator de capacidade das usinas nucleares ficarão em torno de 65%, valor baixo se compararmos com o fator de capacidade de uma usina como Angra 2. b) A atualização do plano de expansão é necessária, independentemente do modelo computacional que se está utilizando. Portanto, todas as hipóteses devem ser revisadas e os dados de entrada checados, principalmente aqueles referentes aos fatores de indisponibildade das usinas nucleares. c) Todas as usinas hidráulicas candidatas entrariam em operação. Apesar das grandes áreas inundadas pelos reservatórios destas usinas e de outros aspectos ambientais

6 que deverão ser analisados, o modelo mostrou que a utilização de fontes geradoras de energia elétrica, a partir de aproveitamentos hidráulicos, deverá ser continuada em função dos preços ainda atrativos de implantação destas unidades. Além disso, estes aproveitamentos representam uma garantia de suprimento de energia elétrica, uma vez que, não se dependeria de um energético importado, como o gás natural, e não se estaria susceptível às variações de preço de um energético importado em função da questão cambial d) Finalizando, os resultados do modelo indicaram a necessidade de um trabalho incessante das autoridades governamentais e lideranças empresariais para garantir o atendimento aos requisitos de energia elétrica no horizonte considerado. Para o Estado de Minas Gerais será de fundamental importância o acesso ao gás natural oriundo da Bolívia e o aumento dos investimentos para a ampliação do parque gerador de energia elétrica. Tudo isso, baseado em políticas de desenvolvimento que contemplem os anseios da sociedade e a preservação do meio ambiente. REFERÊNCIAS [1] HAMILTON, Bruce, CIRILLO, Richard. ENPEP - briefing and demonstration. In: ENPEP Training Course, fev. 1995, Belo Horizonte : International Agency Energy Atomic AIEA e Argonne National Laboratory ANL. [2] ARGONNE NATIONAL LABORATORY. ENPEP - Energy and Power Evaluation Program documentation and user's manual, U.S. Departament of Energy, Illinois, [3] INTERNATIONAL ATOMIC ENERGY AGENCY. WASP - Wien Automatic System Planning - a computer for power generating system planning - version WASP- III Plus - user's manual, v. 1, Vienna, [4] INTERNATIONAL ATOMIC ENERGY AGENCY. WASP - Wien Automatic System Planning - a computer for power generating system planning - version WASP- III Plus - user's manual, v. 2, Vienna, [5] HAMILTON, Bruce et al.. Expansion planning for electrical generation systems Technical Report Series n. 241, International Atomic Energy Agency AIEA, Vienna, [6] COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. Boletim estatístico do ano de 1995, Departamento de Integração do Mercado e do Planejamento da Expansão, Belo Horizonte, [7] BUEHRING, William et al.. Expansion planning for electrical generating systems - a guidebook. International Atomic Energy Agency IAEA, Vienna, [8] CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR. Contribution to the CEMIG/ONTARIO HYDRO integrated demand/supply study phase 2: options study, Belo Horizonte, [9] FARMER, Robert. Turnkey budget prices for small combined cycle plants. Gas Turbine World, GTW Handbook, p , v. 26, n. 3, May/June, Southport USA, [10] PINHEIRO, Solange F. Instruções para utilização do programa DESELP modelo de expansão do sistema elétrico a longo prazo, ELETROBRAS, Rio de Janeiro, [11] BINATO, Sílvio. Planejamento da expansão de geração sob incertezas. Palestra proferida enfocando o modelo de expansão de longo prazo MELP desenvolvido pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Energia Elétrica CEPEL, Brasília, Março [12] COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. Potencialidades Energéticas do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, [13] USCEA. Advanced design nuclear power plants: competitive, economical electricity Analysis of the cost of electricity from coal, gas and nuclear power plants USA, [14] WINTERS, James W. Et al. AP1000 constrution and operating costs. In: 9 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON NUCLEAR ENGINEERING, april 2001, Nice France. [15] CUMMINS, W.E. et al. AP1000 status overview. In: 9 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON NUCLEAR ENGINEERING, april 2001, Nice France. [16] INTERNATIONAL ATOMIC ENERGY AGENCY. VALORAGUA a model for the optimal operating strategy of mixed hydrothermal generating systems - user's manual, Vienna, ABSTRACT The objective of this study is to analyse the performance of the ENPEP - Energy and Power Evaluation Program and its modules BALANCE and WASP - Wien Automated System Planning Package that IAEA International Atomic Energy Agency has been sharing with many countries. Besides, this study it has as its main purpose to identify the electric energy requirements of the State Minas Gerais and to build an expansion plan that can supply this demand, considering nuclear technologies and the natural gas potential for electric generation.

OTIMIZAÇÃO DAS TAXAS DE MANUTENÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS NUCLEARES E CONVENCIONAIS

OTIMIZAÇÃO DAS TAXAS DE MANUTENÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS NUCLEARES E CONVENCIONAIS Grupo: (Sistemas de Energia) OTIMIZAÇÃO DAS TAXAS DE MANUTENÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS NUCLEARES E CONVENCIONAIS Vinícius Verna M. Ferreira 1,2, Ivan Dionysio Aronne 2 Centro de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Carlos Henrique Mariz Seminário Tecnologia Tropical - Energia Pernambuco PE Brasil 31 de agosto de 2012 Energia Elétrica - Visão do Mundo 15 Maiores geradores

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Assembléia Legislativa de Santa Catarina Florianópolis/SC - 09

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

Queda da capacidade de geração de. energia elétrica no Brasil

Queda da capacidade de geração de. energia elétrica no Brasil Queda da capacidade de geração de energia elétrica no Brasil Luan Maximiano de Oliveira da Costa 1,2 Resumo: Energias renováveis representam em média 18% da energia consumida no mundo. Devido à necessidade

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Análise da Viabilidade Econômica e Socioambiental na Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fontes Renováveis

Análise da Viabilidade Econômica e Socioambiental na Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fontes Renováveis Energia 2030: Desafios para uma nova Matriz Energética 08 a 10 de setembro de 2010 São Paulo - SP Análise da Viabilidade Econômica e Socioambiental na Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Avaliação Econômica da Inserção do Gás Natural da Amazônia na Matriz Elétrica da Cidade de Manaus, Estado do Amazonas

Avaliação Econômica da Inserção do Gás Natural da Amazônia na Matriz Elétrica da Cidade de Manaus, Estado do Amazonas 1 Avaliação Econômica da Inserção do Gás Natural da Amazônia na Matriz Elétrica da Cidade de Manaus, Estado do Amazonas Willamy M. Frota, Whylker M. Frota, José A. S. Sá, Arthur C. Almeida, Brígida R.

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Uso da Biomassa na Geração de Energia

Uso da Biomassa na Geração de Energia Uso da Biomassa na Geração de Energia Rui Guilherme Altieri Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração SRG/ANEEL 01/07/2011 Brasília-DF 1. Potencial Energético 2. Aspectos Tecnológicos

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR

A AMAZÔNIA E O NUCLEAR A AMAZÔNIA E O NUCLEAR Witold Lepecki * 1. AMAZÔNIA: CASA DE FORÇA DO BRASIL Segundo o Plano Nacional de Energia até 2030, elaborado pela Empresa de Planejamento Energético (EPE) do MME No cenário de referência,

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/96 N 1 O Risco de Déficit de Energia Elétrica no Brasil O setor elétrico brasileiro, que se constituiu no passado em importante vetor

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS IMPACTO DA QUALIDADE EXERGÉTICA DA ENERGIA FINAL NO CONSUMO DE ENERGIA PRIMÁRIA: CASO GÁS NATURAL Alexandre Betinardi Strapasson 1, Murilo Tadeu Werneck

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Importância do. e a Importância do Planejamento

Importância do. e a Importância do Planejamento Importância do Planejamento. Mercado de Energia Elétrica: a Crise e a Importância do Planejamento SINERCONSULT Fernando Amaral de Almeida Prado Jr. Sinerconsult Consultoria Treinamento e Participações

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA Revista Brasileira de Energia, Vol. 17, N o. 1, 1 o Sem. 2011, pp. 73-81 73 POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA André Luiz Zanette 1 RESUMO

Leia mais

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS.

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 379 PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. Jorge Antonio Villar Alé, Alexandre

Leia mais

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias

AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL. Marcio Soares Dias AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL Marcio Soares Dias Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear- CNEN Tel. (031) 3499

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Segurança energética, energia renovável e geração termelétrica: o caso do suprimento às capitais sede da Copa de 2014 Marina Seelig 1, Lauren Anne Botelho 2, Paulo Smith Schneider 3 1 Grupo de Estudos

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Brasília, 14 junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Geração Termonuclear Roteiro Observações iniciais Energia nuclear no mundo Energia nuclear

Leia mais

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL ANA PAULA ANDERSON 1 e GILNEI CARVALHO OCÁCIA 2 1- SUMESA Sulina de Metais S/A 2- ULBRA/CANOAS Departamento de Engenharia

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais