REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUXÍLIO FUNERAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUXÍLIO FUNERAL"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUXÍLIO FUNERAL CAPÍTULO I ART. 1º - Denomina-se Programa de Auxílio Funeral o programa que garante ao (s) beneficiário (s) o pagamento de uma indenização em caso de falecimento do segurado, e/ou beneficiários. Ë um programa de caráter social, sem fins lucrativos, com participação financeira dos sócios optantes, visando atendimento eficiente no sentido de minimizar a dor pela perda de um ente querido colocando a disposição da família, um representante para liberar a realização do funeral. PARÁGRAFO ÚNICO Os atendimentos realizados em outros estados da federação ficam sujeitos aos critérios operacionais das entidades credenciadas para prestação dos serviços. CAPÍTULO II DOS PROGRAMAS ESPECIAIS ART. 2º - Observadas as disponibilidades financeiras, poderá a administração autorizar a implementação de programas especiais. PARÁGRAFO ÚNICO Entende-se por Programas Especiais serviços diretamente relacionados com os objetivos do programa CAPÍTULO III DA ADMINISTRAÇÃO ART. 3º - O programa Auxílio Funeral é administrado diretamente pela ASCADE e tem autonomia administrativa e controle financeiro específico. PARÁGRAFO ÚNICO A Diretoria da ASCADE poderá assinar convênios com outras entidades afins, através de integração Associativa, destinadas ao fortalecimento do Programa. ART. 4º - O Programa de Auxílio Funeral obedecerá os seguintes critérios: Administração financeira própria, independente dos demais trabalhos da Ascade. II) Apresentação de controles e demonstrativos financeiros ao Conselho Fiscal para análise e parecer. III) Elaboração pela diretoria da ASCADE da programação anual, com os respectivos demonstrativos de usos e fontes. ART. 5º - A Administração do Programa Auxílio Funeral -PAF será executada da seguinte forma: As atividades deliberativas de planejamento de avaliação e de controle serão exercidas pela Diretoria Executiva da ASCADE. As atividades de fiscalização serão exercidas pelo Conselho Fiscal.

2 CAPÍTULO IV DOS SÓCIOS E SEUS DEPENDENTES ART. 6º- São beneficiários diretos do Programa de Auxílio Funeral, desde que inscritos como sócios da ASCADE, os servidores ativos, inativos e pensionistas do quadro permanente e secretariado Parlamentar da Câmara dos Deputados, os servidores da ASCADE enquanto mantiveram o vínculo empregatício, bem como, os associados das entidades que para esse fim se conveniarem com a ASCADE, assim como seus respectivos dependentes qualificados a seguir: I DEPENDENTES DIRETOS a) Cônjuge b) Companheiro (a) com coabitação por tempo superior a dois anos ou existência de filhos em comum; c) Os filhos ou enteados, independentemente de idade desde que devidamente qualificados. d) Pai e Mãe. ART. 7º - O sócio titular contribuirá para o Programa Auxílio Funeral com uma taxa mensal de R$ 5,00 (cinco reais) ART. 8º - Os empregados da ASCADE e seus dependentes poderão utilizar os mesmos serviços assegurados aos demais Associados. PARÁGRAFO ÚNICO: O acatamento de inscrição de funcionários da ASCADE, na qualidade de titular, dependerá de prévia autorização da Diretoria, desde que obedecidas as normas em vigor. ART. 9º- As inscrições de dependentes somente serão promovidas mediante pedido do titular com apresentação de documentação comprobatória, (certidão de nascimento, casamento etc.) ART. l0º - Não poderão ser inscritos como dependentes, concomitantemente, esposa e a companheira ou o esposo e o companheiro. CAPÍTULO V DA INSCRIÇÃO, DO DESLIGAMENTO E DA READMISSÃO. ART. l.º - A utilização dos serviços proporcionados pelo programa Auxílio Funeral da ascade, implica a aceitação por parte do associado, das condições estabelecidas neste regulamento e atos complementares. ART. l2º - A inscrição dos Associados no Programa dar-se-á por adesão, observando o período de carência conforme disposto no art.33 deste regulamento. ART. 13º- Perdem a condição de beneficiários direto do Programa:

3 a) Os titulares efetivos que por qualquer razão perderem o vínculo empregatício que lhes assegure o direito de associados, b) Os titulares pensionistas, pela extinção do benefício; c) Os dependentes, por morte do titular, ficando assegurado o direito ao benefício aos dependentes por um período de 03 (três) meses após a morte do titular. d) O cônjuge, pelo desquite, separação judicial, ou divórcio e pela anulação do casamento. e) Companheiro (a) por solicitação inscrita do titular, que se responsabilizará integralmente pelas conseqüências advindas deste ato; f) Quando não forem cumpridas as condições exigidas neste regulamento. ART Será excluído do Programa Auxilio Funeral o sócio que: a) Injuriar e/ou caluniar e/ou cometer falta grave contra o programa. b) Deixar de cumprir propositalmente seus deveres e/ou obrigações para com o Programa de Auxílio Funeral. c) Fizer uso irregular ou fora das normas previstas neste regulamento em benefícios de terceiros. PARÁGRAFO 1º - É considerada falta grave do sócio deixar descoberto os seus eventuais débitos, por um período de 90 ( noventa ) dias seguidos. PARÁGRAFO 2º - As exclusões de que tratam o caput deste artigo serão propostas pelos setores competentes do programa e encaminhados para exame da Diretoria. PARÁGRAFO 3º - O Associado que por qualquer motivo for excluído do programa fica obrigado a devolver toda a documentação em seu poder, sob pena de ressarcir o programa das despesas referentes ao uso indevido. PARÁGRAFO 4º - O Associado que já tiver utilizado os serviços do Programa de Auxílio Funeral, só poderá se desligar do mesmo, quando o montante de suas contribuições atingir um valor total das despesas realizadas no funeral. PARÁGRAFO 5º - No caso de solicitação de exclusão por interesse do sócio, esta somente se dará no mês subsequente. PARÁGRAFO 6º - O cancelamento da inscrição do Associado no programa não lhe garante a devolução de mensalidades já recolhidas. ART O Associado poderá solicitar sua readmissão ao programa que, caso seja aceita, se sujeitará aos prazos de carência previstos. CAPÍTULO VI DOS RECURSOS FINANCEIROS E CUSTEIO DO PROGRAMA ART A receita do programa se constituirá de: a) Mensalidade destinada a sua manutenção; b) Doações e transferências recebidas; c) Renda de capitais; d) Rendas eventuais;

4 PARÁGRAFO 1º - A contribuição de que trata a alínea a deste artigo será recolhida ao programa na data do crédito das folhas de pagamento. PARÁGRAFO 2º - Os recursos do programa poderão ser aplicados em gastos que, direto ou indiretamente, visem a manutenção e preservação do programa. CAPÍTULO VII DA CARÊNCIA E DO FUNDO DE RESERVA ASSISTÊNCIAL. ART. 17- Os usuários que aderirem ao programa cumprirão um período de carência de 03 ( três ) meses. ART Será instituído um Fundo de Reserva Assistencial do Programa, em conta separada das demais movimentadas pela ascade que será utilizada na manutenção do Programa e em benefício dos Associados. CAPÍTULO VIII DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ART Os serviços serão prestados diretamente aos Associados optantes e seus dependentes, através de Convênios com empresas especializadas em todo Território Nacional, cabendo ao programa Auxílio Funeral a responsabilidade imediata pelo pagamento das despesas até o valor máximo de R$ 2.000,00 (Dois mil reais). As despesas que excederem esse valor serão cobertas pelo Associado, podendo o PAF, existindo disponibilidade financeira, financiar ao associado em até 03 (três) vezes, o valor excedente. Será concedido uma ajuda de custo no valor de R$ 1.000,00 ( Hum Mil Reais ), a qual será somente efetuada em caso de morte do titular. ART Os serviços contemplados pelo programa Auxilio Funeral serão os seguintes: a) Registro de óbito b) Taxa de sepultamento ou cremação. c) Urna/caixão (transporte) d) Carro funerário e) Local do velório f) Aparelho de ozona g) Mesa de condolências h) Véu i) 01 ( um ) enfeite floral j) 01 ( uma ) coroa k) Paramentos l) Velas m) ornamentação n) Guia de sepultamento

5 o) embalsamento p) Livro de presença q) campa individual, compreendendo: sepultamento; cruz; arrendamento, capela; inumação e carneiro individual. PARÁGRAFO ÚNICO - Este benefício não contempla a aquisição de jazigo. ART. 21- Para solicitação dos serviços Funerários e de Assistência, a família deverá comunicar à ASCADE através de telefone ou assistência 24 horas, contidos no verso de seu cartão de associado. Recebida a comunicação o programa auxílio funeral tomará as seguintes providências: PARÁGRAFO 1º - Falecimento e Sepultamento do Associado e/ou dependente no município e residência no Brasil. a) Comparecerá a residência/hospital etc. e recepcionará todos os documentos necessários para os trâmites legais; b) Tomará as providências necessárias para realização do Funeral. c) Retornará a família, entregando toda a documentação e posicionado-a sobre as providências tomadas, cessando neste momento os serviços. PARÁGRAFO 2º - Falecimento do Associado no município de Residência no Brasil, com sepultamento fora deste município. a) Tomará todas as providências de forma idêntica às discriminadas no parágrafo 1º deste artigo. PARÁGRAFO 3º - Falecimento do Associado e/ou dependente fora do município de residência no Brasil ou no Exterior, e sepultamento fora do município de residência. a) Tomará todas as providências quanto ao traslado do corpo do local óbito até o município de moradia habitual no Brasil e mais aquelas contidas no parágrafo 1º deste artigo. ART RECEBIMENTO DOS BENEFÍCIOS: O Cônjuge ou beneficiário indicado receberá diretamente do programa a indenização do valor contratado, bem como a ajuda de custo no valor de R$ 1.000,00 ( Hum Mil Reais ), no caso de morte do titular. PARÁGRAFO ÚNICO - Só terá direito aos benefícios do programa Auxílio Funeral o Associado que estiver rigorosamente em dia com suas mensalidades. ART Os benefícios garantidos pelo Programa Auxílio Funeral estarão imediatamente suspensos, bem como os membros deixarão de ser considerados Associados sempre que: a) Deixar de pagar a mensalidade; b) Houver manifestação por escrito, de não mais participar do Programa. c) Em nenhuma hipótese, haverá restituição das mensalidades pagas.

6 ART Não estão garantidas, por qualquer benefício deste programa, as conseqüências diretas ou indiretas das seguintes ocorrências: a) Guerra, rebelião, insurreição, revolução, confusão, tumultos, greves e quaisquer outras perturbações de ordem pública, bem como de atos de Forças Armadas e de Segurança em tempos de Paz. b) Furacão, erupção vulcânica, terremotos, movimentos sísmicos e qualquer outro fenômeno atmosférico, meteorológico, sísmico ou geológico de caráter extraordinário. c) A cremação, em município que não disponha desse serviço, ficando vedada a indicação de novo domicílio para esta finalidade. d) Atos reconhecidamente perigosos praticados pelo Associado e/ou dependentes, que não sejam justificados. CAPÍTULO IX DOS CREDENCIAMENTOS ART O credenciamento de empresas especializadas será feito pela ASCADE, programa Auxílio Funeral, desde que atendidas as seguintes exigências: a) Habilitação técnica inerente à especialidade b) Mesmo padrão de atendimento dispensado aos clientes particulares c) Disponibilidade de atendimentos, com capacidade compatível. ART As empresas credenciadas deverão comprometer-se a aceitar as normas e os procedimentos do programa. ART Deverão apresentar tabelas de preços atualizadas ao programa, discriminando todos os serviços para cada ato com respectivo valor. ART É vedada a Empresa credenciada cobrar dos beneficiários quaisquer quantias a título de diferença sobre as tabelas de preços apresentados ao programa, sob qualquer pretexto. ART A Diretoria fará inclusão ou exclusão de procedimento para utilização das tabelas de preço, bem como negociará índice e datas de reajustes, levando em conta as condições de mercado, peculiaridades regionais e normas estabelecidas neste regulamento. ART A Diretoria poderá, a qualquer tempo, proceder ao descredenciamento de Empresas credenciadas por solicitação dos mesmos ou por conveniência administrativa. CAPÍTULO X DOS DEVERES ART É dever do sócio titular cumprir e fazer cumprir as normas regulamentares e Estatutárias.

7 ART É dever do sócio titular comunicar ao programa de Auxílio Funeral, de imediato, qualquer alteração que implique na atualização dos dados cadastrais próprio ou de seus dependentes, bem como outras ocorrências que determinem perda da condição de beneficiados, arcando com as conseqüências advindas de omissão, de acordo com os dispositivos deste regulamento. CAPÍTULO XI DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ART O início da utilização dos serviços pelos usuários dar-se-á após o pagamento ininterrupto da terceira mensalidade. CAPÚTULO XII DISPOSOÇÕES GERAIS ART O uso imediato do programa pelo beneficiário sujeita-o ao pagamento integral das despesas que efetuar, acrescido de multa de 40% ( quarenta por cento ) e sanções disciplinares, inclusive com suspensão ou cancelamento da inscrição junto ao programa, além das penalidades previstas em lei: ART A Administração do programa reserva-se o direito de efetuar acertos, a débitos ou a créditos do titular, através de folha de pagamento ou conta corrente, relativos as despesas pagas ou reembolsadas em desacordo com o regulamento do programa. ART Fazem parte integrante deste regulamento, as tabelas dos programas contendo os procedimentos assistenciais, instruções gerais e preços apresentados pelas empresas conveniadas. ART Caberá a Administração do programa, por iniciativa própria ou por proposta escrita de qualquer beneficiário titular promover as alterações que julgar necessárias ao aperfeiçoamento da assistência prestada ou ao seu equilíbrio financeiro, para melhor desempenho deste regulamento. ART A Administração poderá efetuar a contratação de serviços especializados visando garantir sua eficiência e qualidade. ART Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Administração do programa em conjunto com a Diretoria Executiva da ASCADE. ART A admissão de sócios residentes ou domiciliados fora do Distrito Federal fica condicionada a adesão automática mediante o pagamento da taxa de R$ 5,00 ( cinco reais ) consideradas para esta finalidade.

O QUE É O PORTO SEGURO ASSISTÊNCIA FUNERAL? É uma assistência que consiste em amparar a família quando ocorre o óbito do Segurado, se não optado pelo

O QUE É O PORTO SEGURO ASSISTÊNCIA FUNERAL? É uma assistência que consiste em amparar a família quando ocorre o óbito do Segurado, se não optado pelo Índice O que é o Porto Seguro Assistência Funeral?...3 Âmbito Territorial de Cobertura...3 Segurados...4 Garantias da Assistência...4 Exclusões e Limitações aos Serviços de Assistência...10 Obrigações

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO

SEGURO DE VIDA EM GRUPO SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Especiais Processo SUSEP 10.005463/99-80 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE AUXÍLIO FUNERAL AF Conteúdo 1. OBJETO DO SEGURO 3 2. DEFINIÇÕES 3 3. GARANTIAS DO SEGURO 3 4. RISCOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar 1. OBJETIVO 1.1 Prestar o serviço de assistência funeral em caso de morte do participante/segurado, por causas naturais ou acidentais, de

Leia mais

SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL

SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. COMO UTILIZAR OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Os serviços descritos neste Anexo visam liberar a família do usuário dos transtornos de ordem burocrática, tomando as

Leia mais

Assistência Funeral Individual. Condições Gerais. Capítulo I OBJETIVO

Assistência Funeral Individual. Condições Gerais. Capítulo I OBJETIVO Assistência Funeral Individual Condições Gerais Capítulo I OBJETIVO Cláusula 1ª. O Serviço de Assistência Funeral tem como objetivo, a prestação do Serviço de Funeral do Segurado bem como o custeio das

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL

MANUAL DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL MANUAL DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização de algum dos

Leia mais

Âmbito Territorial: designa a abrangência territorial em que os serviços, em suas várias modalidades, serão prestados.

Âmbito Territorial: designa a abrangência territorial em que os serviços, em suas várias modalidades, serão prestados. ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. DEFINIÇÕES Âmbito Territorial: designa a abrangência territorial em que os serviços, em suas várias modalidades, serão prestados. Assistência: é o serviço de apoio ao Segurado, obedecendo-se

Leia mais

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015)

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa

Leia mais

Condições Gerais Assistência Funeral

Condições Gerais Assistência Funeral Condições Gerais Assistência Funeral Informações 0800-772-7511 1. Definições e Objetivos 1.1 Definições 1.1.1 Usuário: entende-se por Usuário, a pessoa natural, devidamente cadastrada junto à Central de

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE AUXÍLIO DE FUNERAL AF 1. OBJETO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. GARANTIAS DO

Leia mais

ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. OBJETIVO

ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. OBJETIVO ASSISTÊNCIA FUNERAL 1. OBJETIVO Garantir aos Usuários Assistidos os serviços de Assistência Funeral, 24 horas por dia, durante todo o ano, na ocorrência de sua morte natural ou acidental, conforme a presente

Leia mais

Condições Gerais Assistência Funeral

Condições Gerais Assistência Funeral Condições Gerais Assistência Funeral 1. DEFINIÇÕES E OBJETIVO 1.1 DEFINIÇÕES 1.1.1 USUÁRIO Entende-se por Usuário, a pessoa natural, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência, com no máximo

Leia mais

GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS TOKIO MARINE SIMPLES EMPRESA VIDA EM GRUPO

GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS TOKIO MARINE SIMPLES EMPRESA VIDA EM GRUPO GUIA DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS TOKIO MARINE SIMPLES EMPRESA VIDA EM GRUPO CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Simples Empresa Vida em Grupo, este é o Guia de Serviços da Assistência Funeral.

Leia mais

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A REGULAMENTOS DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL ÍNDICE Padrão de até R$ 1.500,00 Plano Individual...pág. 02 até 04 Plano Familiar...pág. 05 até 07 Padrão de até R$ 2.000,00 Plano Individual...pág. 08

Leia mais

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A REGULAMENTOS DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL ÍNDICE Padrão de até R$ 1.500,00 Plano Individual...pág. 02 até 04 Plano Familiar...pág. 05 até 07 Padrão de até R$ 2.000,00 Plano Individual...pág. 08

Leia mais

Assistências do Produto Santander Proteção Sob Medida

Assistências do Produto Santander Proteção Sob Medida Assistências do Produto Santander Proteção Sob Medida ASSISTÊNCIA FUNERAL O Auxílio Funeral é uma cobertura que garante o reembolso das despesas gastas com o sepultamento ou cremação, limitado ao capital

Leia mais

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

Regulamento do Serviço de Assistência Funeral Página 1 de 31 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A REGULAMENTOS DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL ÍNDICE Padrão de até R$ 1.500,00 Plano Individual...pág. 02 até 04 Plano Familiar...pág. 05 até 07 Padrão de até R$ 2.000,00 Plano Individual...pág. 08

Leia mais

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes.

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes. PORTARIA TRT Nº. 4.896, de 17 de novembro de 2005. Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa de Assistência Médica Hospitalar e Ambulatorial. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde:

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde: ESTIPULANTE: VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, inscrita no CNPJ nº 12.149.094/0001-44, com sede à Rua Dom Jaime Câmara, 66, salas 603 e 604, Centro, Florianópolis (SC), SUB-ESTIPULANTE: SINDICATO DOS

Leia mais

ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL

ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL 1. SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL 1.1. DEFINIÇÕES 1.1.1. Usuário: Pessoa física, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência, com no máximo 69 (sessenta e nove)

Leia mais

Os serviços de atendimento da Assistência Funeral serão prestados no Brasil e o exterior.

Os serviços de atendimento da Assistência Funeral serão prestados no Brasil e o exterior. ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL Condições Gerais 1. OBJETIVO A Assistência Funeral tem por objetivo liberar a família de transtornos de ordem burocrática, tomando todas as providências necessárias para

Leia mais

2. PARTICIPANTES/ SEGURADOS 2.1 O plano individual prevê a prestação de serviços para o participante/segurado titular.

2. PARTICIPANTES/ SEGURADOS 2.1 O plano individual prevê a prestação de serviços para o participante/segurado titular. REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Padrão de até R$ 2.000,00 Plano Individual 1. OBJETIVO 1.1 Prestar o Serviço de Assistência Funeral em caso de morte do participante/segurado, por causas naturais

Leia mais

O conjunto dos serviços e itens garantidos estará limitado ao valor máximo de despesas de R$ 2.000,00 (dois mil reais), Planos Familiar e Sênior.

O conjunto dos serviços e itens garantidos estará limitado ao valor máximo de despesas de R$ 2.000,00 (dois mil reais), Planos Familiar e Sênior. Serviços do seguro Assistência Funeral Em caso de óbito do Segurado, a Central de Assistência prestará os serviços abaixo mencionados até o limite de cobertura por Segurado, conforme o plano contratado.

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Plano Familiar 1. OBJETIVO 1.1 Prestar o serviço de assistência funeral em caso de morte do participante/segurado, por causas naturais ou acidentais, de acordo

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para o ressarcimento, mediante auxílio

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA

CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA CONDIÇÕES GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO PRODUTO PROTEÇÃO ESTENDIDA Produto Proteção Familiar ASSISTÊNCIA FUNERAL* Serviços Limites Evento Atendimento Social - Suporte ao usuário e acionamento da funerária mais

Leia mais

NOSSOS BENEFÍCIOS FUNERAL (INDIVIDUAL, FAMILIAR E MULTI-FAMILIAR)

NOSSOS BENEFÍCIOS FUNERAL (INDIVIDUAL, FAMILIAR E MULTI-FAMILIAR) NOSSOS BENEFÍCIOS FUNERAL (INDIVIDUAL, FAMILIAR E MULTI-FAMILIAR) NOSSOS BENEFÍCIOS FUNERAL 1. DEFINIÇÕES USUÁRIO: é a pessoa física com até 65 anos na contratação, contratante ou beneficiária do plano

Leia mais

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO A Caixa de Assistência dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo é pessoa jurídica de direito privado, constituída em Assembleia Geral

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES:

CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES: CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES: É um autoprograma de saúde que possui uma rede de profissionais credenciados para indicação de serviços nas áreas de saúde, bem-estar e qualidade de vida.

Leia mais

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social PÁGINA 1 SUMÁRIO PÁGINA TÍTULO I Dos Planos de Previdência Complementar...04

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES

MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES MANUAL DO SEGURADO VIDA SIMPLES ÍNDICE Manual do Segurado Vida Simples 1. OBJETIVO...3 2. REDE DE DESCONTO EM FARMÁCIAS...3 3. CARTÃO CESTA BÁSICA...4 4. ASSISTÊNCIA FUNERAL...5 4.1 ASSISTÊNCIA FUNERAL

Leia mais

Unimed Garantia Funeral - Manual de Assistência

Unimed Garantia Funeral - Manual de Assistência Seguro Decessos Unimed Garantia Funeral - Manual de Assistência Toda a assistência que você precisa para superar um momento difícil. Você agora conta com os serviços do Unimed Garantia Funeral, um seguro

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

1.1. Segurado (Plano Individual): é a pessoa física, que está mantida no seguro de vida em Grupo contratado pela empresa;

1.1. Segurado (Plano Individual): é a pessoa física, que está mantida no seguro de vida em Grupo contratado pela empresa; Assistência Funeral Individual A Aliança do Brasil apresenta a seguir as Condições Gerais que estão contempladas na proposta DITEC/GESPE n.º 00000/00.00.00/C000BB, referente aos Serviços de Assistência

Leia mais

MANUAL DE ASSISTÊNCIA SEGURO AMPARO FAMILIAR

MANUAL DE ASSISTÊNCIA SEGURO AMPARO FAMILIAR MANUAL DE ASSISTÊNCIA SEGURO AMPARO FAMILIAR OS SERVIÇOS DE AUXÍLIO CARTÃO ALIMENTAÇÃO E ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 OS SERVIÇOS DE AUXÍLIO

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

ASSISTÊNCIA BB SEGURO AMPARO FAMILIAR

ASSISTÊNCIA BB SEGURO AMPARO FAMILIAR ASSISTÊNCIA OS SERVIÇOS DE AUXÍLIO CARTÃO ALIMENTAÇÃO E ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 OS SERVIÇOS DE AUXÍLIO FUNERAL, TRANSPORTE DE FAMILIARES

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA ASSISTÊNCIA FUNERAL BIT SEGUROS Nº 133C - 1

CONDIÇÕES GERAIS DA ASSISTÊNCIA FUNERAL BIT SEGUROS Nº 133C - 1 CONDIÇÕES GERAIS DA Nº 133C - 1 2 Caro Cliente, A Bit Seguros apresenta a você mais uma solução de conforto, tranquilidade e economia, a Assistência Funeral. Um conjunto de serviços desenvolvido sob medida

Leia mais

ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI-FAMILIAR. 1.1.1. Usuário: entende-se por Usuário, a pessoa natural, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência ;

ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI-FAMILIAR. 1.1.1. Usuário: entende-se por Usuário, a pessoa natural, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência ; ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI-FAMILIAR 1. SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL 1.1. DEFINIÇÕES 1.1.1. Usuário: entende-se por Usuário, a pessoa natural, devidamente cadastrada junto à Central de Assistência ; 1.1.2.

Leia mais

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI FAMILIAR. Sumário SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL... 4 DEFINIÇÕES... 4 OBJETIVO DO PROGRAMA...

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI FAMILIAR. Sumário SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL... 4 DEFINIÇÕES... 4 OBJETIVO DO PROGRAMA... Sumário SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FUNERAL... 4 DEFINIÇÕES... 4 OBJETIVO DO PROGRAMA... 5 MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA FUNERAL MULTI FAMILIAR ÂMBITO TERRITORIAL... 5 GARANTIAS E LIMITES... 5 ASSISTÊNCIA

Leia mais

Condições Gerais dos Serviços de Assistência Funeral

Condições Gerais dos Serviços de Assistência Funeral Condições Gerais dos Serviços de Assistência Funeral ÍNDICE - CONDIÇÕES GERAIS DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA FUNERAL Glossário de Termos Técnicos... 3 Cláusula 1 Âmbito Territorial e Duração... 3 Cláusula

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

PROGRAMA PÓS-VIDA 2015

PROGRAMA PÓS-VIDA 2015 PROGRAMA PÓS-VIDA 2015 1) PROGRAMA PÓS-VIDA: É um produto que oferece o serviço de assistência funeral, desenvolvido pela AMBEP TurSeguros para a AMBEP Associação, operado, em todo o Brasil, pela SulAmérica

Leia mais

PROGRAMA PÓS-VIDA 2015

PROGRAMA PÓS-VIDA 2015 PROGRAMA PÓS-VIDA 2015 1) PROGRAMA PÓS-VIDA: É um produto que oferece o serviço de assistência funeral, desenvolvido pela AMBEP TurSeguros para a AMBEP Associação, operado, em todo o Brasil, pela SulAmérica

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS Art. 1 - Todo empregado ativo inclusive diretores e assessores que ocupem cargo

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N. 02/2014 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS Para que todos os empregados possam ter suas dúvidas esclarecidas, os questionamentos recebidos pela Comissão Saúde serão respondidos

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 38/15 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 38/15 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 38/15 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. Especificação do Serviço 1.1 Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de Seguro de Vida em Grupo e de Auxílio Funeral para

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Manual. O que é o CISNE Finan? Como funciona o CISNE Finan? Qual a abrangência do crédito? Quais os benefícios do CISNE Finan?

Manual. O que é o CISNE Finan? Como funciona o CISNE Finan? Qual a abrangência do crédito? Quais os benefícios do CISNE Finan? Manual O que é o CISNE Finan? É um crédito rotativo estudantil financiado por verbas orçamentárias próprias da CISNE que possibilita ao aluno regularmente matriculado pagar 50% da mensalidade durante seus

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO OBJETIVO Assegurar aos participantes da SIAS, que aderiram ao seguro, uma indenização aos próprios ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), em caso de falecimento ou invalidez, bem como propiciar a utilização

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL 1. Condição Geral: A Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, daqui por diante designada FUNDAÇÃO, poderá conceder Bolsas de Estudos a alunos regularmente matriculados

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

CredIES IESB: a melhor alternativa para você. REGULAMENTO CRÉDITO ESTUDANTIL VIE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (PRESENCIAIS) CONVÊNIO IESB - FUNDAPLUB

CredIES IESB: a melhor alternativa para você. REGULAMENTO CRÉDITO ESTUDANTIL VIE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (PRESENCIAIS) CONVÊNIO IESB - FUNDAPLUB CredIES IESB: a melhor alternativa para você. REGULAMENTO CRÉDITO ESTUDANTIL VIE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (PRESENCIAIS) CONVÊNIO IESB - FUNDAPLUB Art.1º - O Centro de Educação Superior de Brasília, entidade

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO)

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) Publicação: DODF nº 192 de 5/10/2000 PÁG.01 e 02. Regulamentada pelo Decreto nº 21.933, de 31/01/2001 DODF nº 23,

Leia mais

MANUAL do SEGURAdo AcidENtES pessoais

MANUAL do SEGURAdo AcidENtES pessoais MANUAL do SEGURadO Acidentes pessoais ÍNDICE Manual do Segurado Acidentes Pessoais 1. Objetivo...3 2. Assistência Funeral Individual...3 3. Canais de Atendimento...7 2 Manual do Segurado (SulAmérica Acidentes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA

PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA PROTEÇÃO ACIDENTES PESSOAIS SOB MEDIDA Í N D I C E 1. ACIONAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.... 2 2. INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA ASSISTÊNCIA 24 HORAS.... 2 3. ASSISTÊNCIA FUNERAL INDIVIDUAL. (LIMITADO

Leia mais

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Previdência

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS PLANOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR E DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATADOS PELA ASTCERJ A utilização dos Planos de Assistência Médico-Hospitalar e de Assistência Odontológica

Leia mais

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1 Objetivos: Art. 1º O FATES, fundo previsto na lei 5764/71 art. 28, inciso II, destina-se à prestação de assistência técnica, educacional e social aos cooperados e cônjuges ou companheiro (a) em união estável,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 12.507, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Altera dispositivos do Decreto nº. 4.067, de 15 de setembro de 1976 do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (IPAM) e dá outras providências. JOSÉ

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 665, de 30 de dezembro de 2014 Quadro comparativo da 1 Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990 Art. 3º Terá direito à percepção do segurodesemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: I - ter recebido salários de pessoa

Leia mais

PLANO FÊNIX DE ASSISTÊNCIA FAMILIAR REGULAMENTO GERAL

PLANO FÊNIX DE ASSISTÊNCIA FAMILIAR REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS... 02 CAPÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES... 03 CAPÍTULO III - ADESÃO AO PLANO, COBERTURAS, VIGÊNCIAS E RISCOS EXCLUÍDOS... 04 CAPÍTULO IV - DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS ASSOCIADOS...

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as regras de portabilidade

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

RESUMO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DA ASSISTÊNCIA TRAIL ASSISTÊNCIA TOTAL

RESUMO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DA ASSISTÊNCIA TRAIL ASSISTÊNCIA TOTAL RESUMO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DA ASSISTÊNCIA TRAIL ASSISTÊNCIA TOTAL VIGÊNCIA O produto TRAIL ASSISTÊNCIA TOTAL tem vigência de 01 (um) ano, e terá início a partir das 24h (vinte e quatro horas) do dia

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais