Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução:"

Transcrição

1 Ao Colendo Plenário A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Dispõe sobre a instituição e regulamentação de Programa de Capacitação aos servidores da Câmara Municipal de Canoas e dá outras providências. JUSTIFICATIVA Este programa objetiva a ampliação do conhecimento e o aprimoramento dos servidores de quadro efetivo integrantes da Câmara Municipal de Canoas, em áreas de interesse autorizadas pela Mesa Diretora, visando a excelência dos serviços prestados por esta Instituição.

2 Projeto de Resolução nº /11 Dispõe sobre a instituição e regulamentação de Programa de Capacitação aos servidores da Câmara Municipal de Canoas e dá outras providências. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído o Programa de Capacitação dos Servidores da Câmara Municipal de Canoas, ocupantes de cargos de provimento efetivo, nos termos desta Resolução, objetivando a ampliação do conhecimento e o aprimoramento dos servidores através da disponibilização de bolsas de capacitação, em cursos de educação continuada, visando a excelência dos serviços prestados pela Câmara Municipal. Art. 3º A bolsa de capacitação aplica-se aos servidores que queiram prosseguir seus estudos em áreas de interesse da Câmara Municipal de Canoas e consiste na subvenção financeira no pagamento do estudo diponibilizado ao servidor, paga pela Câmara Municipal diretamente à instituição responsável pela formação do servidor. CAPÍTULO II DA CONCESSÃO DAS BOLSAS Art. 4º A bolsa de capacitação será concedida para realização de cursos de ensino médio técnico, graduação, especialização, mestrado e doutorado, presenciais e à distância, em áreas consideradas de interesse da Câmara Municipal, a critério da Administração. 1º Apenas serão autorizados bolsas para cursos em entidades que sejam reconhecidas pelo Ministério da Educação. 2º Não serão aceitos, para concessão de bolsa, cursos combinados com preparatórios para concursos públicos. 3º O curso escolhido e contemplado com a bolsa de estudos deverá ser cursado em horário que não coincida com a jornada de trabalho do servidor. Art. 5º O número de bolsas que serão disponibilizadas será definido pela Administração, observada a disponibilidade orçamentária-financeira, garantida a disponibilização anual de vagas. Parágrafo único. Havendo disponibilidade orçamentária poderá ser realizado mais de um processo seletivo para concessão de bolsas de capacitação no ano.

3 Art. 6º Serão concedidas bolsas de capacitação, que correspondem a cem por cento (100%) do valor do curso, apenas aos servidores dos quadros da Câmara Municipal de Canoas, efetivos e estáveis, que não tenham sofrido nenhuma penalidade administrativa nos últimos 03 (três) anos e que tenha sido habilitados em processo seletivo para a obtenção da bolsa. 1º A bolsa de capacitação inclui tão somente os valores das taxas de matrícula e mensalidade do curso, excluídas as passagens, diárias e aquisição de material didático. 2º A bolsa de capacitação não é concedida com efeito retroativo. CAPÍTULO III DO PROCESSO SELETIVO Art. 7º A Mesa Diretora da Casa abrirá anualmente inscrições para o Programa de Capacitação dos Servidores da Câmara Municipal de Canoas definindo o período de inscrições e a quantidade de vagas disponibilizadas. Art. 8º Para inscrição no processo seletivo o servidor deverá apresentar: I- Requerimento de Inscrição no Programa justificado; II - Termo de Compromisso assinado; III - Termo de Autorização de Publicação e Divulgação do Trabalho de Conclusão de Curso; IV- Currículo; V - Declaração atualizada, folder ou proposta técnico-financeira a ser fornecida pela Instituição de Ensino, contendo informações oficiais do curso, tais como início e prazo máximo para término do curso, local e horário de realização, carga horária, conteúdo programático, valores e formas de pagamento; V- Documento que comprove que a Instituição é reconhecida pelo Ministério da Educação; VII - Declaração de Compatibilidade de Horário; VIII - Declaração de participação ou não-participação no Programa de Capacitação dos Servidores. Parágrafo único. Após a divulgação do resultado final será exigida a entrega do contrato de prestação de serviços educacionais assinado e carimbado pelas partes, sob pena de cancelamento da bolsa. a seleção: Art. 9º Serão observados pela Mesa Diretora os seguintes requisitos para I- correlação do tema abordado com as atribuições institucionais; II - interesse da Administração e necessidade de serviço; III- análise da conveniência e evidência do interesse público.

4 1º Em caso de empate na seleção será escolhido o servidor com mais tempo de serviço. 2º Os servidores ainda não contemplados, que cumpram com os requisitos desta Resolução, terão prioridade sobre os já contemplados em caso de insuficiência de vagas para todos inscritos. CAPÍTULO IV DOS DEVERES DO BOLSISTA Art. 10. São deveres dos participantes do Programa de Capacitação: I ao final de cada semestre letivo, apresentar declaração de freqüência da instituição de ensino e relatório de acompanhamento; II ao final do curso, apresentar cópia dos seguintes documentos: a) dissertação, tese, monografia ou artigo científico relativo ao curso; b) diploma ou certificado de conclusão do curso; c) histórico escolar. 1º O servidor deverá informar à Unidade de Recursos Humanos, a ocorrência de alteração da data de início e da conclusão do curso, constantes do contrato, apresentando documentação comprobatória em até 60 (sessenta) dias a contar da referida alteração, sob pena de cancelamento da bolsa. 2º Os documentos constantes no inciso II, deverão ser entregues no prazo máximo de 06 (seis) meses, contado da data de conclusão do curso, sob pena de ressarcimento do valor integral da bolsa. Art. 11. O trabalho final de curso deverá, preferencialmente, ser desenvolvido com foco nas atividades da Instituição, e/ou nas atividades desenvolvidas na área de lotação ou comissão administrativa da qual faça parte o servidor. Parágrafo único. Na confecção dos trabalhos finais poderão ser realizadas pesquisas de campo nas dependências da Câmara Municipal, mediante anuência da Presidência. CAPÍTULO V DO CANCELAMENTO DA BOLSA E DO RESSARCIMENTO AO ERÁRIO curso, em caso de : Art. 12. Será cancelada a bolsa de capacitação, durante a realização do I descumprimento das disposições desta Resolução; II insuficiência acadêmica; III desistência do curso; IV trancamento do curso sem a anuência da autoridade competente; V aposentadoria; VI exoneração; VII vacância; VIII demissão;

5 IX licença para tratar de interesses particulares; X cessão do servidor para outro órgão. Art. 13. Nos casos previstos nos incisos I a X do artigo 12, ressalvados os casos excepcionais ou de força maior, devidamente comprovados e aceitos pela autoridade competente, deverão ser devolvidas as despesas efetuadas pela Câmara Municipal de Canoas, em consonância com a legislação em vigor. Art. 14. A bolsa de capacitação não contemplará a repetição de disciplinas por falta de aproveitamento, seja por motivo de faltas ou por nota insuficiente. 1º O servidor-aluno que tiver aproveitamento inferior a 50% (cinquenta por cento) das disciplinas cursadas no semestre, ou aproveitamento inferior a 70% (setenta por cento) no curso, perderá o direito à bolsa de capacitação, devendo efetuar o ressarcimento integral do período já cursado aos cofres públicos. 2º O servidor-aluno deverá entregar cópia do boletim de desempenho a Unidade de Recursos Humanos da Câmara Municipal de Canoas, quando do término de cada semestre. Caso existam disciplinas sem aproveitamento, estas serão abatidas do valor pago no próximo semestre. Caso seja o último semestre, o valor correspondente deverá ser reembolsado pelo servidor. Art. 15. Após a conclusão oficial do curso o servidor-aluno deverá permanecer nos quadros da Câmara Municipal pelo mesmo período de duração do curso realizado, doravante denominado Período de Compromisso. Parágrafo único. O Período de Compromisso terá a mesma carga horária do curso realizado, contando para o cumprimento do prazo de compromisso o horário de expediente do servidor, excluindo-se da contagem qualquer horário extraordinário. Art. 16. O servidor contemplado com Bolsa de Capacitação que for exonerado da Câmara Municipal de Canoas, desligado ou afastado por qualquer outro motivo, após a conclusão do curso, deverá ressarcir aos cofres públicos o valor proporcionalmente despendido pela Câmara Municipal, salvo se já decorrido o Período de Compromisso. Parágrafo único. O valor proporcional, referido no caput do Art. 16, a ser ressarcido à Câmara Municipal, se refere às horas faltantes para a conclusão do Período de Compromisso. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 17. Os casos omissos serão dirimidos pela Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas. Art. 18. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

6 ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO A Câmara Municipal de Canoas, representado neste ato pelo seu Presidente e o servidor (a) público (a), matrícula, nomeado (a) no cargo de, acordam nos termos da Resolução nº de, a concessão de Bolsa de Capacitação para o curso de. Tomei conhecimento do regulamento da Bolsa de Capacitação e declaro aceitar as condições definidas. Servidor(a) Canoas, de de. Vereador Presidente da Câmara Municipal de Canoas

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 EMENTA: Dispõe sobre a participação de servidores ocupantes de cargos

Leia mais

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 32/2009 Dispõe sobre a concessão de Bolsa de Estudo de cursos de pós-graduação lato e strito sensu, na forma de reembolso parcial, para magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

PORTARIA CNMP/PRESI Nº 48, DE 07 DE MAIO DE 2012.

PORTARIA CNMP/PRESI Nº 48, DE 07 DE MAIO DE 2012. PORTARIA CNMP/PRESI Nº 48, DE 07 DE MAIO DE 2012. Regulamenta o Programa de Pós-Graduação no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o Plano de Incentivo ao Estudo de Idioma Estrangeiro - PLI, do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado.

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado. RESOLUÇÃO N o 014, de 23 de dezembro de 2009. Regulamenta o Programa de Incentivo à Formação dos Servidores (PROSER) da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

Controlador Geral do Município

Controlador Geral do Município RESOLUÇÃO CGM Nº 534, DE 30 DE ABRIL DE 2004. REGULAMENTA AS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O CONTROLADOR GERAL DO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Secretaria de Gestão com Pessoas SEGESPE

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Secretaria de Gestão com Pessoas SEGESPE PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA AUXILIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (Lato Sensu e Stricto Sensu), EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.091 DE 12 DE JANEIRO DE 2005 E DECRETO 5.707 DE 23 DE FEVEREIRO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP.

EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP. EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP. PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO.

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMARA DE MONITORIA NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Complementar a formação acadêmica do aluno, na área de seu

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

PORTARIA PRE-DGA N 065/2008

PORTARIA PRE-DGA N 065/2008 PORTARIA PRE-DGA N 065/2008 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região em cursos de pós-graduação lato e stricto sensu. O Juiz Presidente do Tribunal Regional

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2007

PROVIMENTO Nº 29/2007 PROVIMENTO Nº 29/2007 Cria o Programa de Treinamento e Desenvolvimento Funcional dos servidores do Ministério Público do Estado do Ceará e estabelece normas para o seu funcionamento. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Regulamento Específico do Curso de Especialização em Homeopatia Veterinária CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

FACULDADE GUANAMBI RESOLUÇÃO N.º 002/2011 FG

FACULDADE GUANAMBI RESOLUÇÃO N.º 002/2011 FG FACULDADE GUANAMBI RESOLUÇÃO N.º 002/2011 FG RESOLUÇÃO N.º 002/2011 - FG Aprova a Norma Geral do Programa de Concessão de Bolsas-Auxílio para Mestrado e Doutorado. O DIRETOR GERAL DA FACULDADE GUANAMBI,

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009-DPPG

EDITAL Nº 01/2009-DPPG EDITAL Nº 01/2009-DPPG A Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivo à Participação de Servidores do Tribunal Superior do Trabalho em

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC

FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DO PROGRAMA DE BOLSAS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS)

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) UNIVERSIDADE TIRADENTES Pró-Reitoria Acadêmica Pró-Reitoria Adjunta de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) Março de 2006 REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PARA BOLSA-AUXÍLIO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO (Lato Sensu e Stricto Sensu), EM CONFORMIDADE COM A LEI 11.091 DE 12 DE JANEIRO DE 2005 E DECRETO 5.707 DE 23 DE FEVEREIRO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO. Das Definições e Finalidades CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO AO TRABALHO Das Definições e Finalidades Art. 1º. O Programa de Bolsa de Trabalho do Centro Federal

Leia mais

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - EDITAL Nº 292/IFC//2015 Torna pública a abertura do processo seletivo de servidores técnico-administrativos para as vagas de afastamento integral para pós-graduação stricto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

considerando a necessidade de conceder incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos da Anvisa, resolve:

considerando a necessidade de conceder incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos da Anvisa, resolve: Nº21 29/04/2013 Boletim de Serviço 19/164 PORTARIA Nº 763/ANVISA, DE 29 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre limites e procedimentos para concessão de bolsa de estudo de idioma estrangeiro aos servidores ativos

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Resolução nº. 047/13-COPPG Curitiba, 06 de dezembro de 2013 O CONSELHO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA

Leia mais

Boletim de Serviço Edição nº 11 - EXTRAORDINÁRIO

Boletim de Serviço Edição nº 11 - EXTRAORDINÁRIO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DILMA ROUSSEFF Boletim de serviço - PROPA MINISTRO DA EDUCAÇÃO RENATO JANINE RIBEIRO REITOR NAOMAR MONTEIRO DE ALMEIDA FILHO VICE-REITORA JOANA ANGÉLICA GUIMARÂES PRÓ-REITOR DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 40/2012, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a regulamentação do programa institucional

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

CAPÍTULO II DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO

CAPÍTULO II DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA E INTEGRAÇÃO ESTUDANTIL EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PROGRAMA DE ACESSO A CURSOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS EDITAL N 04 /2014/PROEX

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação REGULAMENTO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES DA UTFPR PARA A REALIZAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Aprovada pela resolução 139/12-COPPG de 19 de Dezembro de 2012. REGULAMENTO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES

Leia mais

PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012

PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a renovação da matrícula de Auxílio Educação destinado ao custeio de cursos de inglês pelo PREVI-RIO. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 Dispõe sobre as formas de ingresso e sobre o Processo Seletivo para admissão de alunos nos cursos de graduação, na Faculdade de Música do Espírito Santo Maurício de Oliveira. RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 O

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 021/2014

ATO NORMATIVO Nº 021/2014 ATO NORMATIVO Nº 021/2014 Altera o Ato Normativo nº 003/2011 que regulamenta a Lei nº 8.966/2003, com alterações decorrentes das Leis n os 10.703/2007, 11.171/2008 e 12.607/2012 que dispõem sobre o Plano

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi)

RESOLUÇÃO nº 07/2014. Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) Regulamenta o Programa Institucional De Descontos Financeiros - PIDF da Faculdade Fucapi (Instituto de Ensino Superior Fucapi) O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições regimentais, artigo 8 inciso

Leia mais

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar Page 1 of 11 Voltar Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." LEI Nº 11.374 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Ver também: Decreto 14.488 de 23 de maio de 2013 - Regulamenta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TRINDADE CEP: 88040-900 FLORIANÓPOLIS SC TELEFONES: (48) 3721-9522 - 3721-4916 FAX: (48)

Leia mais

EDITAL DE ESTÁGIO NÃO REMUNERADO

EDITAL DE ESTÁGIO NÃO REMUNERADO EDITAL DE ESTÁGIO NÃO REMUNERADO O Eixo de Controle e Processos Industriais vem através deste edital divulgar vaga de estágio não remunerado conforme itens a seguir: 1. DO OBJETO 1.1. O presente Edital

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 005/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 005/2012 Aprovada pela RESOLUÇÃO CONSUNI/Nº 017/2012, Publicada no DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DO TO, Nº 3.670,no dia 13 de julho de 2012. Normatiza, no âmbito da

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Faculdade da Saúde e Ecologia Humana

Faculdade da Saúde e Ecologia Humana RESOLUÇÃO Nº. 03/2014 COLEGIADO FASEH DE 30 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre nova redação nas Normas do Programa de Monitoria da FASEH. O Presidente do Colegiado de Coordenadores de Curso da Faculdade da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010 RESOLUÇÃO Nº 40/2010 Institui o Programa de Apoio à Qualificação Graduação e Pós- Graduação Stricto Sensu mediante de Bolsas para Servidores Técnico- Administrativos em Educação e Docentes efetivos da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO Termo de Compromisso que entre si celebram e o(a) (Pessoa Jurídica)... e o(a) estudante... com a interveniência da Universidade

Leia mais

Edição nº 35/2016 Brasília - DF, quinta-feira, 3 de março de 2016. Diretoria Geral INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 1_DE_MARÇO_DE 2016

Edição nº 35/2016 Brasília - DF, quinta-feira, 3 de março de 2016. Diretoria Geral INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 1_DE_MARÇO_DE 2016 Diretoria Geral INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 1_DE_MARÇO_DE 2016 Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de pós-graduação no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O DIRETOR-GERAL DO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

Art. 3º. A concessão de diárias fica condicionada a existência de disponibilidade orçamentária e financeira.

Art. 3º. A concessão de diárias fica condicionada a existência de disponibilidade orçamentária e financeira. LEI Nº 3466/2014, DE 08 DE ABRIL DE 2014. DISPÕE SOBRE AS VIAGENS OFICIAIS E A CONCESSÃO DE DIÁRIAS AOS VEREADORES E SERVIDORES DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Processos Seletivos 2015 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 26 de setembro de 2014

Processos Seletivos 2015 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 26 de setembro de 2014 Processos Seletivos 2015 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 26 de setembro de 2014 Aditamento nº 13 Define as normas específicas do Vestibular TOP RN julho 2015.2 (Aprovado pela Resolução nº

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a concessão e o pagamento de diárias no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público, do Ministério Público da União e dos Estados e dá outras Providências.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOS SERVIDORES/2015

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOS SERVIDORES/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOS SERVIDORES/2015 A Secretaria de Gestão de Pessoas comunica a todos os servidores que, a partir de 23/3/2015, serão abertas as inscrições

Leia mais

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 Programa de Incentivo para Qualificação em Cursos de Pós-Graduação dos

Leia mais

EDITAL N 034/2014/GAB, de 18 de agosto de 2014

EDITAL N 034/2014/GAB, de 18 de agosto de 2014 EDITAL N 034/2014/GAB, de 18 de agosto de 2014 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (PIQP) DOS SERVIDORES DO IF CATARINENSE - CAMPUS RIO DO SUL

Leia mais

Os requisitos são estabelecidos pela Resolução do Conselho Universitário n.º 001/2013:

Os requisitos são estabelecidos pela Resolução do Conselho Universitário n.º 001/2013: PROGRAMA PROGRAMA DE INCENTIVO À EXTENSÃO PIEX/FSA E D I T A L N.º 02/2013 A Fundação Santo André torna público o Edital N.º 02/2013 referente à abertura de 02 vagas para atuar junto ao REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

DAS BOLSAS DE INCENTIVO A QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU

DAS BOLSAS DE INCENTIVO A QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO (PROQUALIS) BOLSAS EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPITULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º Os objetivos

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco Resolução CEPE N XXX/200 Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CEPE,

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/1 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/1 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDO INGRESSO 2014/1 DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DO PROGRAMA Art. 1º. O presente Regulamento disciplina o processo de seleção, concessão, manutenção e acompanhamento

Leia mais

FACULDADE SÃO SALVADOR EDITAL N 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2014/2015)

FACULDADE SÃO SALVADOR EDITAL N 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2014/2015) FACULDADE SÃO SALVADOR EDITAL N 001/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2014/2015) A Direção Geral da Faculdade São Salvador no uso de suas atribuições realiza no presente ano

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007 * Atualizada com as alterações introduzidas pelas Resoluções TRE/SP n. os 193/2008 e 207/2009 Dispõe sobre a concessão de Auxílio-Bolsa

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação

Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação PROCESSO Nº. 150/11-COPPG CAMPUS PROPONENTE: PROPPG Data de entrada:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG EDITAL Nº 066/2015 PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG O Instituto Federal de Minas Gerais IFMG, por meio da Diretoria de Gestão de Pessoas, comunica a abertura

Leia mais

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins.

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins. EDITAL NRCA-SJP N.º 09/2015 DISPÕE SOBRE OS PROCESSOS DE INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADOR DE DIPLOMA AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Coordenador do Núcleo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

EDITAL Nº 004/DG/CRFI/IFB, DE 20 DE MARÇO DE 2015

EDITAL Nº 004/DG/CRFI/IFB, DE 20 DE MARÇO DE 2015 EDITAL Nº 004/DG/CRFI/IFB, DE 20 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO SELETIVO PARA DESLOCAMENTO INTERNO DE SERVIDOR EFETIVO PARA A COORDENAÇÃO DE REGISTRO ACADÊMICO DO CAMPUS RIACHO FUNDO O DIRETOR GERAL DO CAMPUS

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

EXTRATO DO EDITAL Nº 99/2012-UEPA PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

EXTRATO DO EDITAL Nº 99/2012-UEPA PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EXTRATO DO EDITAL Nº 99/2012-UEPA PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA A Universidade do Estado do Pará UEPA, através do Centro de Ciências Sociais e da Educação,

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

1. Do Programa Institucional de Qualificação de servidores do Instituto Federal Catarinense - PIQIFC:

1. Do Programa Institucional de Qualificação de servidores do Instituto Federal Catarinense - PIQIFC: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Câmpus Rio do Sul EDITAL N 016/2015/GAB, de 02 de julho de 2015. PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES Edital Praça das Nº 1-2015 Seleção de Bolsistas e Voluntários -2016 Aos estudantes dos Cursos de Graduação da UFCG: A Unidade Suplementar Praça das, desta Universidade, nos termos das disposições normativas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria, no âmbito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Regulamenta o processo de remoção de Servidores Técnico-Administrativos,

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais