BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Relatório e Contas 2012 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO - EUROPA, S.A. Relatório e Contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Relatório e Contas 2012 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO - EUROPA, S.A. Relatório e Contas"

Transcrição

1 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. BANCO PRIVADO ATLÂNTICO - EUROPA, S.A. Relatório e Contas 2012

2 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 PRINCIPAIS INDICADORES... 4 MENSAGEM DO PRESIDENTE EXECUTIVO... 6 ÓRGÃOS SOCIAIS... 7 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 8 Economia Internacional... 8 Mercado Accionista Mercado de Taxas de Juro Mercado de Commodities MODELO DE NEGÓCIO BANCA DE INVESTIMENTO BANCA RELACIONAL E CORPORATE RISCO E CONTROLO INTERNO HIGHLIGHTS Principais Acontecimentos de BANCA DE INVESTIMENTO Private Equity BANCA RELACIONAL E CORPORATE Banca Corporate Segmento Private Segmento ATLANTICO FUNÇÕES DE CONTROLO E SUPORTE AUDITORIA BANCA TRANSACCIONAL CAPITAL HUMANO Compliance Contabilidade e Controlo de Gestão Investor Relations Jurídico Mercados Financeiros Produtos e Research Sistemas de Informação Património, Aprovisionamento e Serviços ANÁLISE FINANCEIRA ANÁLISE DE RESULTADOS ANÁLISE DO BALANÇO GESTÃO DE RISCO DECLARAÇÃO SOBRE A POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DO BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A INFORMAÇÃO QUANTITATIVA SOBRE REMUNERAÇÕES PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

3 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. BANCO PRIVADO ATLÂNTICO - EUROPA, S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO

4 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Principais Indicadores Variação Absoluta (m Euros) Var. % 12/ 11 Activo Liquido Total ,2% Volume de Negócios (65.102) -21,5% Crédito a clientes ,0% Recursos de Clientes On Balance ( ) -41,9% Recursos de Clientes Off Balance ,3% Garantias ,9% Crédito documentário n.a. Volume de Negócios por Colaborador (2.800) -46,2% Rácio de Transformação 43,6% 26,6% 10,0% 34,1% Rácio Crédito Vendido /Crédito a clientes 0% 0% 0% 0% Rácio Provisões/Crédito a clientes 0,7% 0,5% 1,7% 1,6% Produto Bancário ,4% Dos quais: Margem Financeira ,5% Comissões Op Bancarias e Interm. Fin (362) -30,7% Comissões Banca de Investimento ,5% Ganhos e perdas de Operações Financeiras ,5% Produto Bancário por Colaborador ,3% Resultado do Exercicio (1.175) (1.495) (1.403) ,0% Cost to Income (2) 176,6% 133,6% 114,1% 81,5% Situação Liquida ,5% Fundos Próprios Base (780) -1,7% Requisitos para Fundos Próprios ,2% RWA ,2% Rácio de Solvabilidade 134,1% 107,5% 36,9% 33,2% ROA -3,4% -2,2% -0,5% 0,2% ROE -6,5% -7,7% -3,1% 1,5% Número de Clientes ,1% Número de Colaboradores ,0% 1) para o período desde o inicio de actividade, a 22 de Junho, até 31 de Dezembro 2) Custos Operacionais / Proveitos Operacionais 4

5 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Volume de Negócios (m Euros) Produto Bancário (m Euros) Recursos de Clientes On Balance Crédito a clientes e garantias Recursos de Clientes Off Balance Margem Financeira Comissões Banca de Investimento Comissões Op Bancarias e Interm. Fin. Ganhos e perdas de Operações Financeiras Resultados antes de impostos Rácio de Transformação (m Euros) 34,1% ,6% 10,0% (1.930) (1.676) Rácio de Transformação Resultado Antes de Impostos Colaboradores vs Custos Colaboradores 73,85 76, , Custo com pessoal por Colaborador (m Euros) Colaborabores Colaboradores em formação Colaboradores Banco 5

6 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Mensagem do Presidente Executivo Apesar do enquadramento macroeconómico adverso em Portugal, o ATLANTICO Europa demonstrou de forma efectiva a sua consistência estratégica e os benefícios da diversificação geográfica do negócio, ao apresentar pela primeira vez desde a sua criação em 2009, resultados líquidos positivos em todos os trimestres do ano, fechando o exercício com um lucro líquido de 701 mil EUR. Esta performance traduziu a confiança dos clientes e accionistas no posicionamento da instituição, que se consubstanciou num forte crescimento do número de clientes e dos resultados operacionais, a par da manutenção em patamares conservadores, dos indicadores de solidez financeira. Numa dinâmica de alinhamento com os principais parceiros estratégicos, o ATLANTICO Europa continuou a reforçar a actividade de apoio e promoção das relações económicas e empresariais entre Angola e as suas contrapartes internacionais, através do acompanhamento e suporte dos fluxos comerciais e financeiros. O ATLANTICO Europa continuou também a alargar a oferta de produtos e serviços potenciando significativamente a sua capacidade de resposta às necessidades da crescente base de clientes. Com a construção de relacionamentos no continente africano, americano, europeu e asiático, o ATLANTICO Europa em 2012 aproximou a actividade económica e os fluxos financeiros de Angola com o mundo de forma efectiva foi igualmente o ano de adopção da plataforma SAP, por si evidência de um determinado nível de massa critica. O ATLANTICO Europa investe e continuará a investir em permanência na formação de jovens quadros Angolanos, através de acções de formação internas e programas de apoio à obtenção de graus académicos. Em 2012 foi lançado o programa de formação de quadros juniores, extenso e estruturado, composto por sessões ministradas em sala e on the job, com duração aproximada de 6 meses. A mudança de instalações da sede para um edifício situado no coração de Lisboa, na Avenida da Liberdade, veio reforçar o compromisso do Grupo Atlântico com a sua estratégia de internacionalização de vir a estar presente nas praças financeiras internacionais que mais impactam com a economia angolana. A mudança permitiu também a abertura do primeiro Centro ATLANTICO, de atendimento ao público, a par da criação de espaços amplos e simultaneamente reservados, direccionados para o atendimento aos clientes private e empresariais auspicia ser mais um ano de forte crescimento, em virtude de um enquadramento macroeconómico favorável para a economia angolana e do novo posicionamento estratégico do Grupo de captação de novos clientes do segmento affluent e emerging affluent. Será com certeza mais um ano de consolidação do posicionamento da Instituição nos segmentos de mercado em que opera. Por fim, uma expressão de agradecimento a todos os accionistas, clientes, colaboradores e parceiros do ATLANTICO Europa, sem os quais não seria possível construir uma estratégia de geração de valor e crescimento sustentável. André Navarro Presidente da Comissão Executiva 6

7 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Órgãos Sociais Conselho de Administração Presidente Carlos José da Silva Revisor Oficial de Contas Revisor DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC, S.A. representada por Luís Augusto Gonçalves Magalhães Vice-Presidente Baptista Muhongo Sumbe Suplente Carlos Luís Oliveira de Melo Loureiro Presidente Executivo André Navarro Assembleia Geral Administradores Executivos Augusto Costa Ramiro Baptista Maria da Conceição Mota Soares de Oliveira Callé Lucas (renunciou ao cargo em 27/02/2012) Maria da Graça Ferreira Proença de Carvalho Isménio Coelho Macedo Conselho Fiscal Presidente Mário Jorge Carvalho de Almeida Vogais Efectivos Mário Jorge de Faria da Cruz João Maria Francisco Wanassi Vogal Suplente Nuno Pedro da Silva do Carmo Vaz (nomeado por deliberação da Assembleia Geral de 31/05/2012) Presidente Paulo Manuel da Conceição Marques Vice-Presidente António Assis de Almeida Secretário Rute Susana Martins dos Santos Secretário da Sociedade Efectivo Rute Susana Martins dos Santos Suplente Vanessa Pinto Rodrigues Santos Ferreira (renunciou ao cargo com efeitos a 31/07/2012) Manuel Maria Cota Dias da Silveira Botelho (nomeado por deliberação do Conselho de Administração de 20/09/2012) 7

8 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Enquadramento Macroeconómico Economia Internacional O ano de 2012 foi pautado por um fraco desempenho económico em vários pontos do globo, acentuando-se o período de desaceleração observado no ano anterior. As previsões de crescimento económico apresentadas no início do ano foram sendo sucessivamente revistas em baixa pelos principais organismos internacionais, reflectindo a crescente incerteza que a turbulência financeira em algumas economias foi propagando às restantes geografias. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia mundial terá apresentado um crescimento de 3,2% em 2012, abaixo dos 3,9% observados em Este desempenho débil da economia mundial reflectiu, fundamentalmente, a acentuada quebra de ritmo das principais economias desenvolvidas, que, de acordo com o FMI, terão apresentado um crescimento de apenas 1,3% (vs 1,6% no ano anterior). As economias emergentes revelaram-se mais dinâmicas, com um ritmo de crescimento médio de 5,1%, mas também neste caso abaixo do verificado em 2011, altura em que este bloco apresentou uma expansão de 6,3%. Assim, o ano de 2012 veio mostrar que as principais economias emergentes não ficaram imunes aos processos recessivos observados nas principais economias que servem de vector ao crescimento mundial. Por trás deste desempenho desfavorável, surge como principal explicação a crise da Zona Euro, que conheceu ao longo de 2012 um conjunto de desenvolvimentos, que culminaram em políticas orçamentais ultrarestritivas, provocaram instabilidade política, colocaram em causa a sustentabilidade do próprio projecto da moeda única europeia e contaminaram a confiança dos agentes económicos. Este clima de turbulência político-financeira na Zona Euro resultou num forte arrefecimento da actividade económica nos países intervencionados, mas também nos países do núcleo europeu, cuja actividade acusou as consequências da redução abrupta do consumo imposta pelas medidas de austeridade nos países parceiros. Importa porém realçar que esta crise não se confinou às fronteiras europeias, tendo retardado a consolidação do processo de recuperação em curso nos Estados Unidos da América, bem como afectado os restantes principais blocos económicos. Em 2012, o volume de comércio internacional apresentou um crescimento de 2,8%, que compara com um ritmo de expansão de 5,9% no ano anterior. As importações por parte dos países desenvolvidos aumentaram apenas 1,2%, face a 4,6% no ano anterior. Em contrapartida, as exportações dos países emergentes (motor de crescimento de países como a China) desaceleraram para 3,6%, face aos 6,6% do ano anterior. Ainda assim, é o forte desempenho deste bloco que impede que o movimento de desaceleração global seja mais acentuado. No último Economic Outlook (Janeiro de 2013), o FMI mantém-se cauteloso relativamente ao desempenho económico global. Apesar das perspectivas de crescimento para 2013 serem mais positivas, continuam a ser revistas em baixa e o FMI defende agora que o processo de recuperação que iremos observar no decorrer do ano, tenderá a ser mais moderado do que o previsto inicialmente. Em 2013, o FMI prevê um crescimento económico mundial de 3,5%, com as economias desenvolvidas a crescerem 1,4% e as economias emergentes a crescerem 5,5%. Os EUA apresentaram um crescimento de 2,3% em 2012, de acordo com o FMI. De facto, 2012 foi um ano de consolidação do processo de recuperação da actividade económica, 8

9 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. assente numa evolução favorável do consumo privado, fazendo-se sentir os efeitos de políticas monetária e fiscal ultraexpansionistas. No decorrer de 2012, surgiram sinais de recuperação do mercado de trabalho e do mercado imobiliário, bem como se observou um desempenho positivo dos mercados de acções, o que suscitou o aumento do rendimento disponível que suportou a procura doméstica. O final do ano ficou marcado pelo clima de instabilidade suscitado pela discussão em torno do episódio do precipício fiscal, que previa o término automático de um conjunto de medidas de estímulo fiscal, com consequências imprevisíveis no consumo, constituindo um factor de risco para a actividade económica. Porém, esta discussão foi adiada para o primeiro trimestre de A economia da Zona Euro apresentou uma contracção de 0,4% em 2012, depois de um crescimento de 1,4% em As duas principais economias da região, a Alemanha e a França, apresentaram crescimentos de 0,9% e 0,2%, respectivamente; a Itália e a Espanha, as duas economias seguintes no ranking europeu, apresentaram taxas de crescimento negativas, de -1,4% e -2,1%, respectivamente. O fraco desempenho da região reflecte directamente o efeito contraccionista das medidas de forte austeridade orçamental impostas aos países periféricos sob programas de ajuda externa, designadamente a Grécia, Portugal e a Irlanda. Reflecte igualmente as políticas de restrição orçamental implementadas em outros países que, não estando directamente sob programas de auxílio externo, viram a degradação das suas condições de financiamento obrigar a planos de contenção orçamental, com efeitos recessivos nas suas economias domésticas, como é o caso da Espanha e da Itália. o processo de ajustamento em curso. Também a Espanha assistiu a uma deterioração da sua situação económica, particularmente ao nível da sustentabilidade do sistema financeiro, o que durante alguns meses alimentou a especulação em torno da possibilidade de um resgate por parte das instituições internacionais, materializado sob a forma de pacote de ajuda ao sistema bancário. O sentimento de instabilidade propagou-se a outros países intervencionados, colocando pressão sobre as instituições europeias, que tardaram em apresentar uma solução contundente para a instabilidade na região. No segundo semestre, as repetidas afirmações de apoio dos dirigentes europeus ao projecto da moeda única europeia e a intervenção do Banco Central Europeu no sentido de apoiar o regresso aos mercados dos países intervencionados, veio contribuir para restabelecer a confiança dos agentes económicos. Porém, o ano terminou ainda sob o clima de incerteza relativamente ao desfecho da crise das dívidas públicas nos países periféricos. Em Portugal, o ano de 2012 foi marcado por uma acentuada degradação da actividade económica, sendo que o PIB português terá caído cerca de 3.0% em termos reais, de acordo com o FMI. Este desempenho tem subjacente um comportamento melhor do que o esperado da procura externa líquida, conduzindo a um ajustamento mais rápido do que o antecipado e uma contracção da procura interna, em todas as suas vertentes - consumo privado, investimento privado e investimento público. O impacto da adopção de medidas de austeridade no âmbito do programa de ajuda financeira externa tem-se revelado severo, tendo como contrapartida uma subida muito acentuada da taxa de desemprego, para patamares acima dos 16%. O início de 2012 ficou marcado pelo reacender de preocupações na Grécia, com a crise política a subir de tom, conduzindo a eleições antecipadas, cuja incerteza colocou em causa A economia portuguesa está a acusar os desequilíbrios verificados ao nível da política orçamental, bem como a ausência de um paradigma que crie condições propícias ao 9

10 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. crescimento económico. O sector externo tem sido o principal motor da economia, e registase como factor positivo em 2012 o desempenho favorável das contas externas, o que reflecte não só uma diminuição das importações fruto da quebra do consumo, mas também um aumento das exportações, o que se deve à capacidade de diversificação de mercados de destino para além das fronteiras europeias, nomeadamente para África e América Latina. Porém, estando a economia a operar no máximo da sua capacidade instalada, o potencial exportador afigura-se limitado enquanto motor de crescimento no futuro próximo. No âmbito do programa de ajustamento em curso, Portugal está a implementar um conjunto de reformas estruturais que terão como finalidade corrigir os desequilíbrios e reganhar a confiança dos investidores internacionais, desta forma procurando voltar ao financiamento autónomo em mercado primário de dívida pública. O Japão terá crescido 2,0% em 2012, depois de um desempenho negativo no ano anterior (-0,2%). O ano ficou marcado pela recuperação do país após o desaire que decorreu do acidente sísmico de Fukushima. Mas o ano ficou também marcado pelo regresso ao poder do partido conservador, que veio introduzir alterações no cenário económico do país. O governo nipónico é defensor de uma política monetária e uma política fiscal ultra-acomodatícias, pelo que foi anunciado um aumento do pacote fiscal, com vista a promover a reconstrução de infraestruturas e o crescimento económico. As economias emergentes apresentaram conjuntamente um desempenho mais forte que as economias desenvolvidas, com uma taxa de expansão do PIB de 5,1%, porém abaixo dos 6,3% observados no ano anterior. As economias emergentes não ficaram imunes à deterioração das condições económicas nos principais blocos, ainda que as diferentes regiões tenham sido afectadas de forma diferente. O bloco emergente asiático foi o que apresentou um desempenho mais sólido, revelando um crescimento de 6,6%, beneficiando de uma expansão de 7,8% da China. A região da África Subsariana apresentou um crescimento de 4.8%, desacelerando face aos 5.3% registados no ano anterior. Finalmente, refira-se que a América Latina cresceu 3%, depois de 4,5% no ano anterior, reflectindo uma desaceleração do ritmo de crescimento brasileiro para apenas 1%, face aos 2,7% de Num contexto de desaceleração da actividade económica mundial, juntamente com riscos geopolíticos em vários pontos do mundo, os preços das commodities mantiveram um desempenho moderado ao longo de 2012, sendo um dos veículos de contágio às economias emergentes exportadoras destes bens. Além disso, o sentimento de maior aversão ao risco manifestado entre os investidores internacionais traduziu-se numa menor propensão ao investimento, tanto em termos directos como em termos de carteira de títulos, penalizando estas economias. Neste contexto, destaca-se a China, com o mais forte ritmo de crescimento mundial (7,8%). Porém, não estando imune ao contágio proveniente dos blocos ocidentais, o primeiro semestre ficou marcado por indicadores de actividade que confirmaram uma economia em desaceleração, nomeadamente ao nível do sector manufactureiro (suporte das exportações, principal pilar de crescimento chinês). Assim, as autoridades chinesas adoptaram medidas de política monetária, no sentido de disponibilizar maior liquidez à economia (ex. redução do rácio de constituição de reservas). O governo chinês reviu em baixa o objectivo oficial de crescimento económico em 2012, para 7.5%. Esta revisão ocorre após a manutenção do objectivo de crescimento em 8% desde 2005, patamar que neste período as autoridades chinesas consideraram consentâneo com a 10

11 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. sustentabilidade do modelo de crescimento e gerador de emprego. 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% -1% -2% -3% -4% -0,5% 2,4% -2,1% -2,6% -2,5% 5,0% 2,9% Fonte: FMI, Bloomberg, MinFin 20% 16% 12% 8% 4% 0% -4% Fonte: FMI, Bloomberg, MinFin EVOLUÇÃO DO PIB 2,0% 4,5% 1,4% 3,9% 1,8% 1,4% 3,7% 3,7% 3,2% -1,9% 2,3% -0,4% (E) Global EUA Zona Euro Angola Portugal 2,7% 0,9% 14,0% 1,9% -0,1% EVOLUÇÃO DA INFLAÇÃO 15,3% 11,4% 4,6% 4,1% 3,0% 3,5% 2,2% 2,5% 2,5% 2,2% 1,5% 9,0% EUA Zona Euro Angola China Portugal -3,0% 2,5% 2,1% EUA, os principais índices chegaram mesmo a atingir níveis máximos dos últimos anos: o índice Nasdaq atingiu o máximo desde 2000 e o DJI atingiu o máximo desde Na Europa, a preferência dos investidores recaiu sobre os títulos alemães (economia de refúgio na Zona Euro), sendo que neste caso o Dax atingiu o nível máximo desde Entre os índices bolsistas dos países periféricos, o saldo foi genericamente negativo. O índice MSCI World apresentou um ganho de 5,3% no ano, invertendo a desaceleração do ano anterior. De referir ainda que as praças emergentes, tipicamente mais voláteis, foram relativamente mais penalizadas pelo sentimento de aversão ao risco. O índice MSCI Emerging Markets apresentou um ganho de 1,3% em EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES ACCIONISTAS GLOBAIS 80% 62,8% 60% 40% 22,8% 20% 14,4% 7,8% 4,2% 5,3% 1,3% 0% -20% -23,5% -40% Mercado Accionista MSCI World MSCI Emerging Markets 2012 foi um ano de valorização dos mercados bolsistas, ditado por um sentimento de maior optimismo relativamente às perspectivas de recuperação económica. O ano iniciou-se com um sentimento positivo, particularmente nos EUA, onde os indicadores foram confirmando um movimento de retoma da actividade económica e as empresas foram progressivamente apresentando resultados trimestrais mais favoráveis. Simultaneamente, a deterioração da situação político-financeira na Europa, deu lugar a uma preferência dos investidores por activos de menor risco, canalizando recursos para fora do bloco europeu e dando preferência aos activos norte-americanos. Neste sentido, os principais índices norte-americanos lideraram os movimentos de ganhos, seguidos de alguns índices europeus e asiáticos. De facto, nos Fonte: FMI, Bloomberg. Mercado de Taxas de Juro As taxas de juro de referência dos principais blocos económicos mantiveram-se em patamares historicamente baixos em 2012, num contexto de depressão da actividade económica e ausência de pressões inflacionistas. A disfuncionalidade dos mecanismos de transmissão de estímulos à economia, agravada pela desconfiança patente nos mercados quanto ao desfecho da crise da dívida na Zona Euro, impediu a dinamização do mercado de crédito e o fomento à actividade económica. Na Zona Euro, o Banco Central Europeu (BCE) estendeu o ciclo de corte da taxa de 11

12 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. referência, colocando-a em 0,75%. Para além disso, prosseguiu com outras medidas de cedência de liquidez e de compra de dívida pública em mercado secundário, no âmbito de uma política que visa restabelecer o bom funcionamento do sistema interbancário e a confiança dos agentes económicos. Mário Draghi assumiu um posicionamento mais próactivo face à rápida deterioração das condições financeiras na Zona Euro. Nos EUA, a Reserva Federal deu indicações claras de que a taxa dos fed-funds irá manter-se nos actuais mínimos por um horizonte temporal alargado e prossegui a sua política de quantitative easing. Neste contexto, as taxas de juro Libor e Euribor apresentaram uma trajectória descendente, mantendo-se em patamares mínimos em termos históricos, face às expectativas de que as políticas monetárias dos principais bancos centrais continuariam ultra-expansionistas. No mercado de dívida pública, o ambiente de incerteza e aversão ao risco beneficiou os títulos refúgio, nomeadamente a dívida pública americana e alemã, que neste contexto apresentaram descidas das respectivas yields. Em contrapartida, nos países europeus da periferia, as yields dos títulos de dívida pública atingiram níveis máximos recorde na generalidade dos países afectados, com destaque para a Grécia, Portugal e Irlanda, mas também Espanha, Itália e França. Mercado Cambial O último ano foi marcado por uma ausência de definição da tendência do EUR/USD: a primeira metade do ano foi dominada por uma desvalorização da moeda única europeia face ao dólar e o inverso verificou-se na segunda metade do ano. Nos primeiros seis meses, a implosão do euro era considerada provável, num contexto de adensamento da crise das dívidas soberanas; porém, na segunda metade do ano, vários factores contribuíram para dissipar tais receios e dar suporte à moeda, designadamente: a introdução do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que passou a assegurar a estabilidade monetária e cambial da região; a Grécia obteve o segundo resgate; a Espanha obteve ajuda para o seu sistema financeiro; verificaram-se avanços na União Bancária, com a introdução do supervisor único; o Banco Central Europeu anunciou o programa OMT (Outright Monetary Transactions), possibilitando a compra de dívida soberana dos países intervencionados mediante determinadas condições. No último trimestre, também contribui para a valorização do euro e penalização do dólar, o facto de os EUA se debaterem para evitar o chamado precipício fiscal, ao mesmo tempo que o tecto máximo da dívida foi alcançado, colocando desafios à administração norteamericana. Neste contexto, a cotação EUR/USD terminou o ano com um ganho de 1,99% em termos nominais no ano. De referir também o desempenho do USD/JPY, cujo movimento foi muito determinado no último trimestre pelo regresso ao poder de um governo apostado em manter as políticas ultra-expansionistas e defendendo a desvalorização da moeda como factor de competitividade do sector exportador. Nos países emergentes, o ano de 2012 foi marcado por uma valorização das principais moedas. A normalização económica, suportada em políticas fiscais e monetárias dirigidas para o crescimento, bem como o sentimento de menor incerteza, levaram a que 12

13 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. os investidores voltassem a preferir activos de países com maiores ritmos de crescimento, em busca de maiores taxas de rendibilidade. A excepção foi a moeda brasileira, o Real, na medida em que as autoridades locais têm vindo a tomar medidas para impedir a apreciação excessiva da sua moeda, desta forma protegendo a competitividade do seu sector exportador, num momento de arrefecimento da economia. O Kwanza angolano manteve um desempenho relativamente estável face à divisa norteamericana, tendo registado uma desvalorização ligeira de 1.9%, beneficiando de uma política cambial que procura promover a estabilidade da moeda. EVOLUÇÃO DE DIVISAS VS USD 10% 5% 4,7% 4,6% 1,8% 2,6% 1,8% 0% -5% -1,9% -10% -9,1% -11,3% -15% Yen (Japão) Dólar Australiano (Austrália) Rand (Africa do Sul) Franco Suiço (Suiça) Real (Brasil) Libra (Reino Unido) Kwanza (Angola) Euro (Zona Euro) Fonte: Bloomberg Mercado de Commodities O ano de 2012 foi marcado por uma grande oscilação da generalidade dos preços das commodities. Avaliando o índice CRB (Commodity Research Bureau), que resume de forma abrangente este mercado, verifica-se uma perda de 4,8%. No que respeita aos preços das commodities energéticas, há a assinalar a evolução do preço do petróleo, cuja análise difere conforme observemos o desempenho do preço do West Texas Intermediate (WTI) ou do Brent. O ano iniciou-se com a decisão dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia de embargo às exportações de petróleo do Irão, no âmbito da tensão geopolítica que marcou os últimos meses, resultante do desenvolvimento do programa nuclear do Irão. O contexto de agitação geopolítica contribuiu para manter o preço suportado na primeira metade do ano. Porém, num contexto de sucessivas revisões em baixa das perspectivas de crescimento económico internacional e perante os sinais de desaceleração da procura nas principais economias emergentes (com destaque para a China), o preço desta commodity foi perdendo vigor. Assim, o ano terminou com uma perda de 8% do valor do petróleo avaliado pelo WTI, embora avaliado pelo Brent se tenha verificado um aumento de 2,5%. O gás natural foi a commodity energética com um desempenho mais forte no último ano, com uma valorização de 12%. Os preços dos metais preciosos reflectiram a evolução cíclica do nível de aversão ao risco. Tendo sido um ano marcado por forte volatilidade destes preços, verificaram-se valorizações anuais do ouro (4,7%) e da prata (7,7%), mas ainda assim mantendo-se abaixo dos patamares máximos históricos atingidos em As commodities alimentares estão entre as que apresentaram maiores oscilações de preço, sendo que em alguns casos chegaramse a observar valorizações na casa dos 50%. Este encarecimento, particularmente do milho, reflecte a meteorologia adversa (seca extrema) observada em alguns países produtores, nomeadamente os EUA, que prejudicaram a produção. O facto de este produto ser uma matéria-prima para a produção de biocombustíveis, também fomentou os movimentos especulativos. A subida dos preços dos cereais nos mercados internacionais voltou a colocar sob alerta a estabilidade de preços em alguns países africanos, importadores líquidos de alimentos e onde esta componente tem um peso acentuado nos respectivos índices de inflação. Evolução das Matérias-Primas Índice TR/Jefferies CRB -3,4% Petróleo (Crude WTI) -7,9% Gás Natural 12,0% Ouro 4,7% Prata 7,7% Cobre 3,5% Algodão -0,1% Milho 6,0% Fonte: Bloomberg 13

14 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Modelo de Negócio O Banco Privado Atlântico - Europa, S.A. (Banco ou ATLANTICO Europa) foi constituído em Junho de 2009, com um capital social de 18 milhões EUR. É um Banco de direito português regulado pelo Banco de Portugal e pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O ATLANTICO Europa é detido a 100% pela Atlântico Europa S.G.P.S., S.A., que tem como accionistas: (i) com 10%, o Banco Privado Atlântico S.A. (ATLANTICO), (ii) com 20%, a Sonangol, (iii) com 65%, a GLOBAL PACTUM Gestão de Activos, S.A., e (iv) com 5%, quadros do Banco. Partindo de uma oferta integrada de produtos de banca de investimento e banca relacional, o ATLANTICO pretende ser o melhor banco de Angola no mundo e ser no mundo, o banco que melhor conhece Angola. Tendo como centro o mercado geográfico de Angola, e com o objectivo de apoiar a internacionalização dos clientes locais e desenvolver os negócios e interesses em Angola, dos clientes internacionais, O ATLANTICO Europa foi o primeiro passo da estratégia de internacionalização do Grupo e tem como missão ser uma instituição reconhecida por um serviço de excelência, através da participação activa na promoção do desenvolvimento socioeconómico de Angola e dos mercados em que está presente, da geração de valor para os clientes e accionistas e do crescimento profissional dos colaboradores. O ATLANTICO Europa tem como objectivo dinamizar a estrutura empresarial portuguesa e angolana, bem como as suas respectivas parcerias através da prestação de serviços de banca de investimento e banca relacional sempre suportado pelos pilares da segurança nas operações, rigor, sigilo e inovação. O ATLANTICO é o parceiro credível e conhecedor que, lado a lado e do princípio ao fim, ajuda os projectos a crescer e proporciona, com exigência e profissionalismo, o acesso a novos mercados, sectores e competências aos clientes angolanos e o acesso a Angola e respectivos agentes, projectos e sectores aos clientes internacionais. Estrategicamente posicionado para dotar a economia angolana de serviços de excelência que canalizem a poupança para o investimento produtivo, o ATLANTICO em 2012 introduziu na sua estratégia novos segmentos de cliente alvo affluent e emerging affluent passando a focar-se num mercado de dimensão superior, com elevado potencial, o que veio a traduzir-se num forte crescimento no número de clientes, e na dimensão do balanço e resultado. Banca de Investimento A direcção de Banca de Investimento é a unidade responsável pela execução de serviços de assessoria financeira, estruturação de crédito especializado e produtos financeiros, tais como acções, obrigações e outros títulos. O ATLANTICO assume-se como um banco com um enfoque estratégico na área de Banca de Investimento, colocando um grande ênfase nesta área de negócio. O seu compromisso estende-se à firme intenção de ser um agente com contribuição relevante para o processo de desenvolvimento de Angola. Contando já com alguns anos de presença no mercado, a equipa do ATLANTICO Europa é hoje uma referência pela sua experiência, serviços oferecidos e transacções 14

15 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. completadas. Sendo uma equipa multigeográfica, o que lhe confere meios para cobrir qualquer geografia em termos de execução de mandatos. A estruturação da área de Banca de Investimento segue as melhores práticas internacionais, reunindo profissionais com experiência quer no mercado angolano quer em outros mercados. A segmentação de serviço tem em conta as necessidades do mercado e as exigências da base de clientes, procurando estes soluções inovadoras e especializadas. A unidade de Banca de Investimento disponibiliza os seguintes serviços: Corporate Finance: - Fusões e aquisições; - Restruturações; - Privatizações; - Financial advisory. Structured Finance: - Project finance e PPPs; - Real estate finance; - Leverage & aquisition finance; - Asset backed finance; - Syndication desk. Personal financial services: - Business plans; - Estruturação de negócios; - Apoio no lançamento de negócios. Mercado de capitais: - Equity; - Renda Fixa; - Sovereign and public finance. O firme compromisso com o mercado angolano, a utilização de best-practices internacionais de Banca de Investimento e a experiência dos profissionais permite a oferta de uma proposta única de valor e de excelência em serviços de Banca de Investimento. Banca Relacional e Corporate Com uma equipa de gestores especializada, o ATLANTICO Europa presta o apoio necessário à materialização das necessidades e objectivos financeiros dos clientes, através de uma oferta de produtos e serviços individualizada para particulares e empresas. A Segurança das Operações, o Rigor com que procura a solução adequada aos objectivos do cliente, a capacidade de encontrar novos produtos e soluções e o Sigilo com que executa as operações são os princípios base de construção da relação. O ATLANTICO Europa coloca ao dispor dos clientes uma oferta integrada de serviços financeiros, que incluem a gestão de activos e passivos, e a planificação patrimonial com soluções de investimento à medida de cada um. Com o apoio das áreas de Banca de Investimento e Corporate, tem ao seu dispor uma oferta que cobre também os interesses empresariais do cliente, com serviços de assessoria financeira e reestruturações, fusões e aquisições, colocações de capital, identificação de sócios e parceiros, entre outros. O ATLANTICO Europa aposta numa relação de grande proximidade com o cliente, apoiando-o na obtenção de alguns serviços não financeiros que possam satisfazer outras áreas de interesse. No segmento Corporate o ATLANTICO Europa pretende dar resposta às necessidades de empresas angolanas fora do seu mercado de origem, bem como actuar como Banco de apoio de empresas europeias que mantenham fluxos comerciais com Angola e/ou planos estratégicos de investimento no País. 15

16 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. O ATLANTICO Europa pretende construir relações sólidas e de confiança com os seus Clientes, desenvolvendo um conhecimento profundo dos seus negócios de forma a poder estruturar soluções adequadas às necessidades específicas de cada um, como: - Soluções de Banca Transaccional - Soluções de Investimento - Financiamento da actividade corrente da Empresa - Financiamentos Estruturados - Assessoria Financeira - Soluções de cobertura dos diversos riscos em balanço Risco e Controlo Interno O Conselho de Administração do ATLANTICO Europa é responsável por definir, implementar e rever periodicamente um sistema de controlo interno adequado à natureza, dimensão e complexidade da sua actividade, devidamente alinhado com o seu perfil de risco, tendo por objectivos assegurar: a continuidade do negócio e a sobrevivência da instituição através de uma eficiente afectação de recursos e execução das operações, da efectiva monitorização e controlo dos riscos, da prudente avaliação de activos e responsabilidades, e da segurança e controlo de acessos nos sistemas de informação e comunicação; a existência de informação, contabilística e de gestão, de natureza financeira e não financeira, completa, fiável e tempestiva, que suporte a tomada de decisão e os processos de controlo; o cumprimento das disposições legais, das directrizes internas e das regras deontológicas e de conduta no relacionamento com os clientes, as contrapartes das operações, os accionistas e os supervisores. As funções chave do sistema de controlo interno gestão do risco, compliance e auditoria interna encontram-se dotadas de meios humanos e materiais suficientes para o cumprimento da sua missão, apresentando a independência, estatuto e efectividade necessárias ao correcto exercício da actividade. A Direcção de Risco representa a função de gestão de risco do Banco, sendo responsável pela identificação, avaliação, acompanhamento, controlo e reporte das diversas categorias de riscos relevantes para a actividade desenvolvida pela instituição, com o objectivo de obter uma compreensão fundamentada da sua natureza e magnitude. A Direcção de Risco tem reporte hierárquico directo ao órgão de administração, sendo exercida com independência face às áreas de tomada de risco. Tem participação activa na gestão dos limites e nas decisões que significativamente alterem o perfil de risco da Instituição, sendo-lhe assegurado pleno acesso a todas as actividades, documentos, informações e controlos considerados relevantes para o exercício das suas funções. Na categorização e classificação dos riscos inerentes à actividade, o ATLANTICO Europa adopta uma classificação em linha com a recomendada pelo Banco de Portugal no documento Modelo de Avaliação de Riscos (MAR). 16

17 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Highlights foi um ano de consolidação das operações, de reforço da notoriedade da marca e de continuação da criação das bases para a expansão futura do negócio. O ATLANTICO Europa beneficiou da sua estratégia de nicho de mercado permanecendo bastante isolado do enquadramento macroeconómico adverso de Portugal. Adicionalmente, e em linha com o posicionamento do Grupo, o ATLANTICO Europa introduziu na estratégia novos segmentos de cliente alvo affluent e emerging affluent passando a focar-se num mercado de dimensão superior, com elevado potencial. Assim, o ano foi marcado pelo forte crescimento da concessão de crédito que passou de 24.7 mn EUR em 2011 para 49.4 mn EUR em Não obstante, o ATLANTICO Europa manteve uma abordagem conservadora ao risco, e uma criteriosa alocação de recursos, pelo que os níveis de crédito vencido situaram-se abaixo de 0.5%. A prudente e eficiente gestão de tesouraria permitiu multiplicar por 2 a margem financeira. O lançamento de novos produtos e serviços dirigidos a clientes particulares e empresas a par de uma gestão de liquidez equilibrada e pautada pelas melhores práticas de gestão de risco estão na base desta evolução positiva. Ao nível operacional, 2012 destaca-se pela continuação da consolidação dos mecanismos de controlo interno e compliance, de gestão de risco e da plataforma tecnológica. O ATLANTICO Europa mudou a sede para um edifício situado numa das zonas mais privilegiadas de Lisboa, a Avenida da Liberdade. Em termos de infra-estrutura logística, as novas instalações permitiram a abertura do primeiro Centro ATLANTICO para atendimento dos clientes do segmento affluent e empresas. Adicionalmente o novo edifício é dotado de salas de reunião adequadas ao atendimento de clientes do segmento private e corporate bem como ao desenvolvimento de sessões de formação. Principais Acontecimentos de 2012 Março ATLANTICO Europa adopta o SAP e adere ao sistema de créditos SEPA. Abril ATLANTICO Europa adere ao Siteme Central de Valores do Banco de Portugal Junho Início da oferta de Trade Finance Agosto Mudança para a nova sede sita na Avenida da Liberdade 259. Setembro Liquidação da primeira operação em mercado de capitais em Angola, organizada, e estruturada pelo ATLANTICO Europa e colocada pelo ATLANTICO em Angola. Trata-se de uma emissão de obrigações subordinadas. 17

18 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Novembro Conclusão do processo de assessoria financeira e financiamento do projecto Baia de Luanda. Abertura do primeiro Centro ATLANTICO. Dezembro A margem financeira do ATLANTICO Europa passa a barreira dos 6 mn EUR e o Banco fecha o ano com um lucro de cerca de 700 mil EUR, correspondente a resultados líquidos positivos de forma recorrente em todos os trimestres do ano. 18

19 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. Banca de Investimento A Banca de Investimento, sendo uma área de cariz transversal no ATLANTICO, actua de forma estratégica e conjunta, através das suas duas geografias, Europa e Angola, com o objectivo de oferecer aos seus clientes um serviço de excelência. ano diversos mandatos, em distintos sectores de actividade e nas diversas especializações de serviço: Corporate Finance, Structured Finance e Capital Markets. Relativamente a operações fechadas, contase com a concretização de duas operações muito estruturantes e inovadoras em Angola: Através da plataforma de Portugal, o ATLANTICO Europa, tem um papel crucial em operações cross-border, actuando como elo de ligação para os clientes do ATLANTICO, que pretendem diversificar geograficamente a sua carteira de investimento. Em 2012, o ATLANTICO Europa, através do serviço integrado e abrangente, acompanhou clientes, num conjunto de investimentos estratégicos no mercado português, com o objectivo de criar sinergias futuras em ambas as geografias. Projecto de Parceria Público-Privada Baía de Luanda Financiamento Estruturado Sindicato Bancário USD Mandate Lead Arrangers Co-Líderes Assessores Financeiros Participante A Banca de Investimento, através do seu profundo conhecimento dos mercados onde se posiciona, tem como missão, contribuir activamente para diversificação da economia angolana e suportar o empreendedorismo nacional. O ano de 2012 foi um ano muito importante para a unidade de Banca de Investimento do ATLANTICO Europa. Assistiu-se a um importante reforço da equipa, tendo não só crescido em dimensão, como nas suas competências nas diversas especializações de serviço. Adicionalmente, foram criadas plataformas organizativas importantes, que permitem hoje uma fluidez de processos e eficiência ao nível de operações mais significativas. Foi também um ano relevante no esforço de desenvolvimento comercial da unidade de negócio. Foram desenvolvidos ao longo do - AGOSTO No âmbito de assessoria financeira à Sociedade Baía de Luanda, S.A., em parceria com o Banco Millennium BCP, o ATLANTICO Europa participou na estruturação, montagem e colocação de um sindicato bancário, no valor de USD 250M, para o financiamento das obras de infraestruturas públicas desenvolvidas na Baía de Luanda. Esta operação de Structured Finance, desenvolvida em base nonrecourse (sem recurso a nível de garantias aos accionistas da sociedade mutuária), contou com a participação de cinco bancos da praça nacional: Banco Privado Atlântico, Banco Millennium Angola e Banco Angolano de Investimento, na qualidade de Mandate Lead Arrangers, Banco SOL e Banco Caixa Geral Totta de Angola, na qualidade de Co- Líders, e Banco Keve, na qualidade de Participante. 19

20 BANCO PRIVADO ATLÂNTICO EUROPA, S.A. O ATLANTICO Europa assessorou ainda o Banco Keve, S.A., na estruturação, montagem da primeira emissão de um empréstimo obrigacionista subordinado em Angola. A emissão, no valor de USD 20M, foi concluída em Setembro de 2012, e foi alvo de uma colocação integral junto de subscritores institucionais angolanos, tendo a procura superado a oferta. O prazo foi de cinco anos e meio e a taxa de cupão anual de 11%. Obrigações subordinadas Keve 2018 Angola encontra-se numa fase de rápida transição, fazendo-se notar o impacto desta tendência em todos os mercados e sectores de actividade, com relevância não só para o ATLANTICO como para a equipa de Banca de Investimento USD 20,000,000 Estruturação, Organização e Colocação 2012 ATLANTICO CAPITAL MARKETS Torna-se naturalmente um desafio a concretização de transacções seguindo as melhores práticas internacionais, num mercado que ainda se encontra em maturação em alguns domínios. A inexistência de mercados regulados de capitais é também um factor estrutural com algum impacto nas opções que a Banca de Investimento pode disponibilizar para as empresas e investidores em Angola. Por fim, as restrições que o actual quadro regulatório impõe ao nível de fluxos de capitais com o estrangeiro, levantam também algumas limitações ao acesso que as empresas angolanas poderiam ter na obtenção de financiamento e investimento em praças internacionais. As oportunidades em 2012 fizeram-se também sentir, em particular no sector privado. O sector público, fruto do período eleitoral que o país viveu, restringiu naturalmente as decisões a nível de políticas e empreendimento de projectos, os quais ficaram condicionados à entrada e tomada de posse do novo Governo. Foi contudo visível o dinamismo do sector petrolífero, assim como das áreas imobiliárias, distribuição e saúde. O ano de 2013 perspectiva-se como um ano intenso, no seguimento da implementação do programa de Governo no país para o período de 2013 a O sector público propõe-se a desenvolver ou a promover o desenvolvimento de importantes projectos em diferentes áreas da actividade económica, onde a Banca de Investimento pretende ter um papel muito activo, designadamente: Agricultura e Pescas ao nível da instalação de Pólos Agro-Industriais e no desenvolvimento de portos e terminais pesqueiros, Geologia e Minas na promoção e reactivação de projectos de prospecção mineira, Indústria Transformadora na promoção de Pólos Industriais nas diversas províncias, Hotelaria e Turismo na expansão da rede hoteleira nacional e por último no sector dos Transportes, no desenvolvimento dos terminais marítimos, terrestres e aéreos do país. Também do lado do sector privado, é expectável um crescente aumento dos níveis de investimento e de actividade económica em Angola. Esta tendência verificar-se-á não só em entidades internacionais como entidades 20

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

Resultados Consolidados. Exercício de 2007

Resultados Consolidados. Exercício de 2007 Resultados Consolidados Exercício de 2007 21 de Abril de 2008 Sumário Overview 2007 Highlights Resultados Consolidados Evolução por Área de Negócio 21 de Abril de 2008 2 Overview 2007 Decréscimo do crescimento

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS Relatório e Contas FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS 2008 Exercício 2008 Considerações Gerais 1. Enquadramento Macroeconómico 1.1. Conjuntura Internacional O ano de 2008 caracterizou-se pelo

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais