INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROF. FERNANDO FIGUEIRA IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL CURSO DE MESTRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROF. FERNANDO FIGUEIRA IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL CURSO DE MESTRADO"

Transcrição

1 INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROF. FERNANDO FIGUEIRA IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL CURSO DE MESTRADO COMPLICAÇÕES INFECCIOSAS DA DIÁLISE PERITONEAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES: SÉRIE DE CASOS CLÉCIA CRISTIANE DA SILVA SALES RECIFE 2009

2 CLÉCIA CRISTIANE DA SILVA SALES COMPLICAÇÕES INFECCIOSAS DA DIÁLISE PERITONEAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES: UMA SÉRIE DE CASOS Linha de pesquisa: Estudos clínicos e epidemiológicos de doenças infecciosas na infância e adolescência. Dissertação apresentada ao Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Saúde Materno Infantil do IMIP como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Saúde Materno-Infantil. Orientador: Jailson de Barros Correia Co-orientadores: José Pacheco M.R. Neto Eliane Mendes Germano Júlia Mello RECIFE 2009

3 Catalogação na fonte Biblioteca do Instituto de Medicina Integral Profº. Fernando Figueira IMIP S163c Sales, Clécia Cristiane da Silva Complicações infecciosas da diálise peritoneal em crianças e adolescentes: uma série de casos / Clécia Cristiane da Silva Sales. -- Recife: C. C. S. Sales, f.: il. Dissertação (mestrado) Programa de Pós-Graduação em Saúde Materno Infantil Instituto de Medicina Integral Profº. Fernando Figueira, IMIP. Linha de pesquisa: Estudos clínicos e epidemiológicos de doenças infecciosas na infância e adolescência. Orientador: Jailson de Barros Correia Co-orientadores: José Pacheco Martins Ribeiro Neto, Eliane M. Germano e Júlia Mello. 1. Peritonite. 2. Diálise Peritoneal. 3. Infecção. 4. Saúde da Criança. 5. Saúde do Adolescente. I. Correia, Jailson de Barros, orientador. II. Ribeiro Neto, José Pacheco Martins. III. Germano, Eliane M. IV. Mello, Júlia, co-orientadores. Título. NLM W4

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Francisco Severino Sales, Teresinha da Silva Sales e avó Gercina Lira da Silva pela estrutura, amor e carinho que tem dedicado durante a minha vida, aos meus irmãos e cunhadas pela compreensão e carinho durante as horas estressantes. Ao meu namorado Carlos Lacerda dos Santos, pela paciência, companheirismo amor e estímulo que vem dedicando ao longo desses dois anos de trabalho e durante as horas de incertezas. A Eliane Germano pelo apoio, carinho, exemplo de paciência, e incentivo nas horas de fraqueza. Contribuição fundamental para inicio da minha carreira docente. A José Pacheco M. Ribeiro Neto pelo exemplo de profissional: seguro, competente e justo que fez enriquecer a minha carreira profissional e pessoal compartilhado os seus conhecimentos. Muito obrigado. A Jailson Correia por partilhar seus conhecimentos e pela paciência mesmo diante de todas as atribulações. A todos os pacientes da Unidade renal que transmite com um sorriso toda pureza da vida, mesmo diante do sofrimento.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus onipotente e onipresente que me guiou para chegar ao final de mais uma etapa da minha vida. A minha família, principalmente aos meus pais que com gestos de carinho e amor contribuíram para o meu progresso. Ao IMIP pelas oportunidades oferecidas para o meu crescimento profissional. Aos meus orientadores: Jailson Correia, Eliane Germano e José Pacheco pela paciência e dedicação, mesmo diante de todas as responsabilidades atribuídas. A Lanuze Gomes e Cristina Figueira pelo incentivo e conforto nas horas de cansaço e estresse. A todos os professores do mestrado pelo compartilhamento dos seus conhecimentos. Aos funcionários da unidade renal que de alguma forma contribuíram para a conclusão deste trabalho em especial a Ângela Kátia Melo da Silva pelo apóio dedicado ao serviço durante a minha ausência. A todos que de alguma forma contribuíram para construção deste trabalho.

6 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS IRC TFG IRCT KDOQ TRS NAPRTCS GESF HD IRA IR SUS CAPD USRDS Insuficiência renal crônica Taxa de filtração glomerular Insuficiência renal terminal Kidney Disease Outcomes Quality Tratamento Renal Substitutivo Estudo Colaborativo norte-americano transplante renais pediátricos Glomeruesclerose Segmentar e Focal Hemodiálise Insuficiência renal aguda Insuficiência renal Sistema Único de Saúde Diálise peritoneal ambulatorial contínua US Renal Data System

7 LISTA DE TABELAS Página Tabela Tabela Tabela Tabela 4. 30

8 RESUMO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO: A complicação infecciosa na diálise peritoneal é um dos fatores mais preocupantes na população infantil, visto que estas crianças necessitam de um acesso mais prolongado para a espera de um transplante. OBJETIVOS: Descrever características sócio-econômicas, clínicas e complicações infecciosas em pacientes (0 a 18 anos) submetidos à diálise peritoneal (DP) ambulatorial contínua e/ou diálise peritoneal automatizada. MÉTODOS: Estudo tipo corte transversal, retrospectivo, descritivo dos pacientes no programa de DP na Unidade Renal Pediátrica do IMIP, no período de 1996 a Considerou-se peritonite o líquido peritoneal turvo com 100 ou mais células. Dupla digitação e análise dos dados realizadas no programa EpiInfo v.3.3. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa. RESULTADOS: A mediana da idade dos 67 pacientes na admissão no programa foi 9 anos, 57% eram do sexo feminino, 87% eram provenientes do interior de Pernambuco, 94% tinham quartos de trocas de diálise em alvenaria, 51% renda familiar de até um salário mínimo e 63% das genitoras até 3 anos de estudos. Verificou-se que 39% iniciaram tratamento por hemodiálise, mas apenas 6% tiveram break-in de 7 dias. Observou-se 150 episódios infecciosos em 57 pacientes com 116 peritonites (média 2,1 peritonites/paciente) com queixas de dor abdominal (96%) e febre (29%). Isolou-se 52 microrganismos no líquido peritoneal: estafilococos coagulase negativa (23,1%), Klebsiella sp (17,3%), igual freqüência de Pseudomonas e S. aureus (13,5%) e 3,8% de fungos. O cateter de Tenckhoff foi trocado e/ou reposicionado em aproximadamente 2/3 dos pacientes. Cerca de 36% dos que apresentaram complicações infecciosas fizeram temporariamente hemodiálise.

9 CONCLUSÕES: A alta prevalência de peritonite no programa pediátrico de DP necessita pesquisas que determinem os fatores de risco possibilitando objetivar medidas preventivas e evitar a migração destas crianças para hemodiálise. Palavras-chave: Peritonite, diálise peritoneal, infecção, saúde da criança e do adolescente.

10 ABSTRACT INTRODUCTION: Cronic renal failure (CRF) is related to a high morbidity and mortality. The incidence of teminal CRF has been icreasing in Brazil and in the rest of the world, and peritoneal dialysis is one the core alternatives for renal replacement therapy. The main complications inherent to peritoneal dialysis are infectious and can be represented by peritonitis, which are associated with high cost due to admissions for antibiotic therapy. OBJECTIVES: Describe the socioeconomic and clinical characteristics and infectious complications in patients aged 0 to 18 years submitted to continuous ambulatory peritoneal dialysis (PD) and/or automated peritoneal dialysis. METHODS: A descriptive, retrospective, cross-sectional study was carried out involving patients in the PD program of the Pediatric Renal Unit at IMIP Hospital (Recife, Brazil) between 1996 and Cloudy peritoneal fluid with 100 or more cells was considered peritonitis. Double entry and data analysis were carried out on the EpiInfo v.3.3 program. The study received approval from the Ethics Committee. RESULTS: Median age of the 67 patients upon admission to the program was nine years; 57% were female; 87% were residents in the interior of the state of Pernambuco; 94% had four dialysis exchanges in an adequate brick masonry room; 51% had a family income less than the minimum wage; and 63% of mothers had less than three years of schooling. A total of 39% began treatment with dialysis, but only 6% had a break-in period (7 days). There were 150 episodes of infection in 57 patients, with 116 cases of peritonitis (mean of 2.1 episodes/patient), with complaints of abdominal pain (96%) and fever (29%). Fifty-two microorganisms were isolated from the peritoneal fluid: coagulase-negative staphylococcus (23.1%), Klebsiella sp (17.3%), an equal frequency of Pseudomonas and S. aureus (13.5%) and fungi (3.8%). The Tenckhoff

11 catheter was changed and/or repositioned in approximately 2/3 of the patients. Approximately one in every three patients with infectious complications temporarily underwent dialysis. CONCLUSIONS: The high prevalence of peritonitis in the pediatric PD program reveals a need for research to determine risk factors in order to establish preventive measures and avoid the need for these children to undergo dialysis. Keywords: Peritonitis, peritoneal dialysis, infection, child health

12 SUMÁRIO DEDICATÓRIA AGRADECIMENTOS LISTA DE ABREVIATURAS LISTA DE TABELAS RESUMO ABSTRACT I II III IV V VI I. INTRODUÇÃO 1 II. JUSTIFICATIVA 9 III. OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos 10 IV. MÉTODOS Local do estudo Desenho do Estudo População do Estudo Amostra Período do estudo Critérios e procedimentos para seleção dos sujeitos Critérios de Inclusão Critérios de Exclusão Procedimentos para seleção dos sujeitos Variáveis de análise 15

13 4.7.1 Variáveis independentes Variáveis dependentes Definições de termos e variáveis Termos Variáveis Procedimentos para coleta de dados Período da coleta de dados 22 V. LIMITAÇÕES METODOLÓGICAS 23 VI. PROCEDIMENTO E ANÁLISE DOS DADOS Processamento dos Dados Análises dos Dados 24 VII. ASPÉCTOS ÉTICOS 25 VIII. RESULTADOS 26 IX. DISCUSSÃO 31 XI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 39 APÊNDICES 43 ANEXOS 49

14 I INTRODUÇÃO 1.1 Insuficiência renal crônica. A insuficiência renal crônica (IRC) é uma doença de elevada morbidade e mortalidade 1. Em janeiro de 2006 no censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia foi identificada uma prevalência de 38,3 pacientes em diálise por habitantes, havendo um aumento médio do número absoluto de pacientes de aproximadamente 9% nos últimos anos. As taxas de prevalência no Brasil de Insuficiência Renal Crônica Terminal (IRCT) tratada são cerca de 4 vezes menor que a dos EUA e Japão, e metade das taxas da Itália, França e Alemanha². A insuficiência renal crônica é definida como a perda progressiva e irreversível da função renal, levando a um desequilíbrio na homeostasia do organismo em sua fase final, quando o paciente necessita de terapia renal substutiva (hemodiálise, diálise peritoneal e/ou transplante renal)². De acordo com o Kidney Disease Outcomes Quality (KDOQ) doença renal crônica corresponde a uma alteração renal, quer seja uma alteração anatômica isolada, alteração radiológica, bioquímica ou anormalidade urinaria persistente por mais de três meses³. A doença renal crônica é classificada em cinco estágios de acordo com a taxa de filtração glomerular (TFG): Estágio I: quando a taxa de filtração glomerular é 90. Estágio II: caracteriza-se no qual o valor TFG está entre Estágio III: TFG é de

15 Estágio IV: diminuição grave da TFG entre Muito embora os pacientes possam apresentar sinais e sintomas de uremia, o paciente mantém-se clinicamente bem, porém a TFG está alterada com valores entre 30 e 59 ml/min/1.73m².³ Estágio V: paciente apresenta sinais e sintomas marcados de uremia tais como anemia, hipertensão arterial, edema, fraqueza e mal estar. Os sintomas digestivos (náuseas e vômitos) aparecem quando a TFG encontra-se entre 15 a 29 ml/min/1.73m. 4 A doença renal crônica em estágio final é a etapa em que os rins não conseguem controlar a homeostasia, tornando-se esta bastante alterada para ser compatível com a vida, o paciente apresenta-se bastante sintomático e só resta a terapia de substituição renal, visto que sua TFG esta inferior a 15 ml/min/1.73m³ ³. Deve-se estar atento particularmente quanto ao período de transição do estágio IV para o estágio V da doença renal crônica com o objetivo de prevenir complicações no inicio do tratamento dialítico (acesso vascular adequado, boa resposta ao tratamento da anemia e osteodistrofia renal) proporcionando qualidade de vida a estes pacientes². A aceitação da doença e o encaminhamento tardio dos pacientes portadores de IRC continuam sendo os fatores mais complicante para um diagnóstico precoce. As principais causas do encaminhamento tardio são: O fato da doença ser frequentemente assintomática, resistência dos pacientes ao tratamento, tendenciosidade dos clínicos gerais ao não encaminhamento adequado dos pacientes ao especialista, seleção de pacientes com menos comorbidade, estrutura deficiente do sistema de saúde e falta de acesso ao tratamento. Além destes problemas existe o custo elevado para manutenção destes pacientes em tratamento renal substitutivo 4 Conforme os dados analisados pelo Ministério da Saúde, dos 88 mil pacientes que realizaram diálise crônica de 1997 até 2000, a sobrevida foi de 80% ao final de um ano de Tratamento Renal Substitutivo (TRS). Não houve diferença de sobrevida em relação ao sexo e ao

16 tipo de diálise. Entre os diversos fatores de risco para mortalidade, idade, presença de diabetes e número de comorbidades associadas são os mais importantes 5. As causas das doenças renais variam com a idade, área geográfica, fatores genéticos entre outros, conforme inquéritos realizados pela Sociedade Brasileira de Nefrologia em 1996/97 as principais causas da insuficiência renal crônica terminal (IRCT) são hipertensão arterial, glomerulonefrite e diabetes mellitus. A prevalência da hipertensão arterial na população adulta em nosso meio é superior a 25% 6. Na faixa etária pediátrica, a incidência e prevalência da IRC variam de acordo com as características raciais e condições sócio-econômicas dos países, sendo difíceis de serem estabelecidos com rigor devido à escassez de informações oriundas dos centros de diálise e transplante. Em 2003 o Jornal Brasileiro de Nefrologia relatou que na Europa e Estados Unidos, a incidência de IRC varia entre 0,4 a 0,7 por crianças com idade inferior a 15 anos. A prevalência de IRC pré-terminal é menos definida, sendo estimada entre 1,8 a 2,6 por criançasl 6 Segundo Estudo Colaborativo norte-americano transplante renais pediátricos/ (NAPRTCS), uma análise com 6405 crianças portadoras de IRC em 2006 as doenças causadores mais comuns foram: uropatia obstrutivas 1385 crianças, aplasia/displasia renal 1125 e Glomeruesclerose Segmentar e focal (GESF) com 557 do total dos casos 7. De acordo com estudo realizado na Índia com 305 crianças com a idade entre 0 a 18 anos, observou-se que as patologias de maior incidência foram Glomerulonefrite crônica (27.5%) e uropatia obstrutiva (31,8%) 8. Em um estudo retrospectivo realizado com 161 prontuários da Unidade Renal do IMIP com dados de 1993 a 2006 concluiu-se que nesta população as doenças de maior incidência

17 foram: as glomerulopatias que representaram a primeira causa com 53,4% dos casos seguida má formações do trato urinário. Do total de crianças estudadas, 59,2% foram admitidas com IRCT Modalidades de tratamento da Insuficiência Renal Crônica Hemodiálise. A hemodiálise (HD) é uma das modalidades mais freqüentes de terapia renal substitutiva. Cerca de três quartos dessas crianças são tratadas no centro de hemodiálise, enquanto se aguardam transplante renal 10. A hemodiálise consiste no transporte bidirecional de água e solutos entre meios de composição diversa, (sangue e solução de diálise) através de uma membrana artificial semipermeável (membrana do dializador) Transplante renal O transplante renal é a melhor forma de tratamento da doença renal terminal na infância, salientando que não se trata de cura, pois o paciente continua utilizando imunossupressores para sobrevida do enxerto. Estudo realizado em 1995 com crianças mostraram uma sobrevida do enxerto de 3 anos de 83% em transplante renal com doador vivo e 66% com doador cadáver. Com estes resultados esta forma de tratamento vem sendo estimulada mesmo em crianças pequenas a partir da idade de 6 a 8 meses de vida e/ou peso de 7 8kg 12. A progressiva melhora na sobrevida dos transplantes de órgãos tem levado a um número cada vez maior de pacientes aguardando o transplante como opção para tratamento de doença terminal. /a lista de espera desde os anos 70 vem crescendo. O inadequado número de órgãos não é atribuído somente a falta de doadores, mas também a dificuldade de transformar potenciais doadores cadáveres em doadores reais. Em países com programa de transplante já bem

18 estabelecidos a maioria dos potenciais doadores é efetivada como doadores, enquanto no Brasil apenas 10 a 20% tornam-se doadores efetivos, sendo a falta de identificação do potencial doador o principal motivo Diálise peritoneal O peritônio é uma membrana serosa que reveste a cavidade peritoneal e está dividida em duas porções: O peritônio visceral que é menos vascularizado e reveste o intestino, correspondendo a 80% da área da superfície total e o peritônio parietal que reveste as paredes da cavidade abdominal ocupando os 20% restante da área total. Por ser mais vascularizado o peritônio parietal é utilizado para realização da diálise peritoneal onde ocorre a filtração 9. A indicação do início do tratamento dialítico ocorre por uma combinação de dados laboratoriais e clínicos, devendo-se observar sinais de uremia como sangramento, encefalopatia urêmica entre outros. Além desses sinais clínicos, deve-se realizar uma avaliação nutricional da criança, isto devido à adequação da oferta calórica para a manutenção da homeostase do organismo e crescimento e desenvolvimento do paciente. A escolha do tipo do tratamento dialítico é uma decisão na qual se avalia a condição clinica e socioeconômica destas crianças, visto que a diálise peritoneal requer um cuidado exclusivo, exigindo condições mínimas de educação, higiene e moradia para que esses pacientes possam manter-se em tratamento dialítico 14. Atualmente existem três tipos de modalidade de diálise peritoneal: diálise periotneal intermitente (DPI), diálise peritoneal automatizada (DPA) e diálise peritoneal ambulatorial contínua (CAPD). A DPI é realizada no próprio hospital, uma ou duas vezes por semana durante doze a vinte quatro horas por sessão de tratamento, em média. O CAPD e a DPA são tratamento realizado na própria residência continuamente. A DPA é uma variação do CAPD, em que o

19 paciente, com auxilio de uma máquina cicladora, só faz a diálise em um período do dia, diariamente Complicações da diálise peritoneal A principal complicação inerente ao tratamento de diálise peritoneal é a infecção, sendo a peritonite uma das mais preocupantes, quer seja pela morbidade e mortalidade associada, quer seja pelos elevados custos de internamentos e antibioticoterapia 16. O S. aureus é considerado o agente causal mais freqüente das peritonites em CAPD, seguido pelo Staphylococcus epidermidis pelos bastonetes Gram negativos. No Brasil, taxas de aproximadamente 20% de culturas são de culturas negativas. A incidência de peritonite em adultos vai depender de uma série de fatores que incluem existência do diabetes, a modalidade e as técnicas de implante e das trocas do CAPD além da presença de Staphylococcus aureus nasal 17. O surgimento de peritonite em pacientes em diálise peritoneal ocorre aproximadamente entre 30 e 60% dos casos. A porta de entrada está associada às infecções de orifícios de saída do cateter, de túnel e as falhas de técnicas. As vias em potencial de infecção são: 1. Intraluminal: Este tipo de contaminação ocorre quando há uma quebra do equipo de transferência na conexão com a bolsa ou no cateter. Isto permite a entrada de bactérias na cavidade peritoneal pela luz do cateter. 2. Periluminal: A bactéria está presente sobre a superfície da pele e pode entrar na cavidade peritoneal pelo trato do cateter peritoneal. 3. Transmural: quando a bactéria tem origem intestinal e entra na cavidade peritoneal migrando pela parede do intestino 18. Para diagnosticar a peritonite deve estar presente pelo menos duas das três condições:

20 1- Sintomas e sinais de inflamação peritoneal que corresponde a irritação da membrana peritoneal acarretando dores abdominais, febre, vômitos e ou diarréias. 2- Líquido peritoneal turvo observado durante a troca do líquido através da técnica de Diálise peritoneal ambulatorial contínua (CAPD) ou diálise peritoneal automatizada (DPA), ou seja, citologia do líquido com uma contagem de células elevada (mais de 100 células/µl) e predominância de neutrófilos (mais de 50%). 3 Demonstração de bactérias no efluente peritoneal quando se realiza a cultura ou pelo Gram. Alguns casos de peritonite são assintomáticos, sendo só detectados pelo aspecto do efluente, os sintomas incluem dor abdominal (70 a 80% dos pacientes), febre (35 a 60%), náuseas (30 a 35%) e vômitos (25 a 30%) 21. Diversos protocolos foram elaborados para tratamento de peritonites associadas à diálise peritoneal, porém a Sociedade Internacional de Diálise Peritoneal desenvolveu um extenso roteiro para o tratamento de peritonite, que inclui o tratamento para as bactérias gram-positivas e gram-negativas utilizando antibióticos de amplo espectro. Uma vez que os microrganismos e a sua sensibilidade são identificados, são utilizados os antibióticos intraperitonealmente durante 2 semanas, porém se a cultura continuar positiva e os sintomas permanecerem a indicação são a remoção do cateter peritoneal. Neste intervalo de tempo é colocado um cateter de duplo lúmen em uma veia de grosso calibre para a realização da hemodiálise, enquanto ocorre o tratamento do peritônio para realização de um novo implante de cateter de Tenckhoff e inicio da diálise peritoneal 17. A peritonite é uma das principais complicações infecciosas da diálise peritoneal, desta forma a infecção de orifício de saída e de túnel exerce um efeito deletério sobre o programa de diálise peritoneal, visto que pode evoluir para peritonite.

21 A lavagem correta das mãos, a fixação adequada do cateter e o uso de mupirocina tópica no orifício de saída do cateter nos pacientes portadores de S. aureus no swab nasal diminuem a infecção do orifício de saída do cateter de Tenckhoff 18. O custo elevado para manter pacientes em tratamento renal substitutivo tem sido motivo de grande preocupação por parte de órgãos governamentais. Estima-se que no Brasil no ano de 2002 foram gastos R$ 1,4 bilhões no tratamento de pacientes em diálise e transplante renal¹.

22 II JUSTIFICATIVA A peritonite é uma infecção freqüente nos pacientes submetidos ao tratamento por diálise peritoneal, sendo as crianças e adolescentes particularmente vulneráveis. O diagnóstico precoce da peritonite pode contribuir para a redução da morbidade e da perda deste acesso para diálise. Vários fatores de risco têm sido identificados para o desenvolvimento da peritonite dentre eles a infecção de orifício e túnel da inserção do cateter. A vigilância e observação dos sinais e sintomas locais é de grande importância para o diagnóstico de peritonite que é complementado pela análise citobioquímica e pela cultura do liquido peritoneal. A identificação dos agentes etiológicos é importante pelo aspecto de monitoramento epidemiológico dessas infecções, bem como no manejo individual das peritonites, norteando o emprego de antibióticos específicos e evitando os elevados custos do tratamento empírico de amplo espectro. Existem poucos estudos na literatura demonstrando a ocorrência e o seguimento de crianças em diálise peritoneal que desenvolvem peritonite/infecções no decorrer do tratamento.

23 III OBJETIVOS 3.1 Objetivo Geral Descrever as complicações infecciosas relacionadas à diálise peritoneal em crianças e adolescentes de 0 a 18 anos de idade submetidos à diálise peritoneal ambulatorial continua (CAPD) e / ou automatizada (DPA) na Unidade Renal do IMIP no período de 1996 a Objetivos Específicos Em pacientes do programa de diálise peritoneal ambulatorial contínua e / ou diálise peritoneal automatizada na Unidade Renal do IMIP no período de janeiro de 1996 a dezembro de 2006: 1. Descrever algumas características biológicas, demográficas e clínicas; 2. Descrever a ocorrência das principais complicações infecciosas associadas com a diálise peritoneal (peritonite, infecção do orifício e infecção do túnel); 3. Descrever os achados laboratoriais do líquido peritoneal em crianças e adolescentes com suspeita de peritonite; 4. Relacionar os sintomas clínicos de peritonite com a positividade de cultura e citologia do líquido peritoneal; 5. Descrever os microrganismos isolados nas culturas de líquido peritoneal em pacientes com peritonite;

24 IV MÉTODO 4.1. Local do Estudo O presente estudo foi realizado na Unidade Renal do IMIP, centro terciário de referência em saúde materno-infantil, credenciado como hospital-escola com residência médica em Nefrologia Pediátrica. O departamento de Nefrologia Infantil, posteriormente denominado Unidade Renal foi uma das primeiras clínicas especializadas do IMIP, é o principal centro de tratamento de doenças renais pediátricas do Norte-Nordeste. O IMIP é o único centro da região credenciado pelo Ministério da Saúde para a realização de transplantes renais. Dispõe também dos serviços de diálise peritoneal ambulatorial contínua (CAPD), hemodiálise e diálise peritoneal intermitente (DPI) Desenho do Estudo Estudo descritivo, tipo série de casos, retrospectivo para verificação das complicações infecciosas / peritonite nos pacientes do programa de diálise peritoneal do IMIP no período de 1996 a População do Estudo Foram incluídos todos os pacientes que realizaram diálise peritoneal ambulatorial na Unidade Renal do IMIP em 1996 a 2006, com diagnóstico de infecção de orifício, túnel e peritonite em qualquer momento durante o tratamento dialitico.

25 4.4. Amostra Pacientes com idade entre 1dia a 18 anos de idade completos, que realizaram diálise peritoneal no serviço de nefrologia pediátrica do IMIP com diagnóstico de infecção de orifício, túnel e peritonite no período de janeiro de 1996 a dezembro Período do estudo O estudo compreendeu o período entre janeiro de 1996 a dezembro de Critérios e procedimentos para seleção dos sujeitos Os prontuários foram solicitados ao arquivo e à unidade renal e os critérios de eligibilidade avaliados conforme lista de checagem (apêndice 1), sendo que os dados foram coletados pela pesquisadora e uma ajudante de pesquisa em formulário próprio (apêndice 1). Os responsáveis pelas crianças que ainda estavam em acompanhamento no IMIP assinaram termo de consentimento livre e esclarecido (apêndice 5). Todos os prontuários dos pacientes renais crônicos que realizaram diálise peritoneal no IMIP foram investigados e coletados os dados necessários para a pesquisa.

26 Critérios de inclusão Crianças e adolescentes com idade entre 0 e 18 anos, cadastradas na Unidade Renal do IMIP e que realizaram diálise peritoneal no período de janeiro de 1996 a dezembro de 2006; Pacientes que apresentaram diagnóstico suspeito ou confirmado de peritonite, infecção de orifício ou infecção de túnel durante o período em que estavam sob tratamento dialítico Critérios de exclusão Pacientes que não apresentaram peritonite, infecção de orifício ou infecção de túnel no período do estudo. Crianças que realizaram apenas diálise aguda.

27 Fluxograma para coleta de dados. ARQUIVO DO SETOR DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA DO IMIP REVISÃO DE TODOS OS PRONTUÁRIOS CADASTRADOS ATÉ DEZEMBRO 2006 N= 120 CRITÉRIOS DE ELIGIBILIDADE ELEGÍVEIS N = 67 INELEGÍVEIS N = 53* * Trinta pacientes iniciaram o tratamento dialítico antes de Janeiro de 1996 e outros 23 após Dezembro de 2006.

28 4.7. VARIÁVEIS DE ANÁLISE Variáveis independentes a) Características biológicas Idade Sexo Estado nutricional b) Características sócio-demográficas Procedência Escolaridade materna Renda familiar Procedência Tipo de habitação Quarto de troca Número de pessoas na residência Variável dependente Tipo de tratamento inicial Tipo de tratamento Resultados laboratoriais Tempo que passou fora de diálise Retorno para hemodiálise Mudança de CAPD para DPA Break-in

29 Troca de cateter de Tenckhoff Reposicionamento de cateter de Tenckhoff Presença de secreção de orifício Presença de drenagem de túnel Peritonite Citobioquimica Culturas Sintomatologia Bactéria

30 4.8. DEFINIÇÃO DE TERMOS E VARIÁVEIS Termos Tipo de tratamento inicial: Caracterizada pela opção inicial do tratamento após diagnóstico na IRCT entre hemodiálise e diálise peritoneal. Tipo de tratamento: Variável nominal dicotômica definida em Diálise Peritoneal Ambulatorial Continua (DPAC) e Diálise Peritoneal Automatizada (DPA). Potássio: Resultado laboratorial do potássio na data do diagnóstico da IRCT. Variável quantitativa continua em meq/l, categorizada para analise em menor que 5,5 e maior que 5,5 meq/l. Hemátocrito: Variável quantitativa em g/dl, categorizada por maiores ou menores que 30g/dl. Hemoglobina: Variável quantitativa em g/dl, categorizada por maiores ou menores que 8g/dl. Uréia: Variável quantitativa em mg/dl, categorizada para analise menor e maior que 70 e 100 mg/dl. Depuração de creatinina: Variável quantitativa em ml/min/1,73m² categorizada por menor que 10 ml/min/1,73m², ml/min/1,73m² e ml/min/1,73m².

31 Tempo que passou fora da diálise: Caracterizada pelo somatório total em numero de dias que as crianças ficam fora do tratamento da diálise peritoneal. Retorno para hemodiálise: Variável caracterizada pelo retorno da criança para hemodiálise após impossibilidade do uso do peritônio por motivo de infecção. Mudança de CAPD para DPA: Variável caracterizada pela mudança de diálise manual (CAPD) para diálise automatizada (DPA). Break-in: Variável nominal caracterizada pelo tempo de inicio da diálise peritoneal após o primeiro implante do cateter de Tenckhoff. Troca de cateter de Tenckhoff: Definida pela troca de cateter de Tenckhoff por motivo de obstrução e danificação. Reposicionamento do cateter de Tenckhoff: Caracterizada pelo reposicionamento do cateter de Tenckhoff por motivo de dificuldade de drenagem ou mau posicionamento. Presença de secreção de orifício: Variável numérica definida como número de episódio de inflamação no local do orifício do cateter de Tenckhoff, caracterizada pela presença de drenagem purulenta a partir do óstio e por eritema em volta do óstio.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários.

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012 Science in Health jan-abr 2014; 5(1): 6-11 CUSTO DO TRATAMENTO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGIO TERMINAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2012. COST OF TREATMENT

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEFROLOGIA 2) Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

Renal problems in black South African children

Renal problems in black South African children Renal problems in black South African children Peter D. Thomson Division of Pediatric Nephrology, University of the Witwatersrand, South Africa Pediatric Nephrology-1997, 508-512 Objetivo Descrever características

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Perfil das infecções do trato urinário nos Campos Gerais: Uma revisão da literatura.

Perfil das infecções do trato urinário nos Campos Gerais: Uma revisão da literatura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE Patrícia Keiko Saito 1 Roger Haruki Yamakawa 1 Sueli Donizete Borelli 2 O objetivo

Leia mais

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 NOME DO AGRAVO CID-10: DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome clínica de diversas etiologias (bactérias, vírus e parasitos) que se caracteriza por alterações

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Diretrizes Assistenciais Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Versão eletrônica atualizada em jan/2012 Agentes Descrições Definição Critérios de admissão, alta e transferência para pacientes

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES ESCOLARES E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE DOS ALUNOS

CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES ESCOLARES E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE DOS ALUNOS 2.00.00.00-6 Ciências biológicas 2.12.00.00-9 Microbiologia CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES ESCOLARES E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE DOS ALUNOS LILIAN MARTINS CASTELLÃO SANTANA Curso de Ciências

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais