DESVENDANDO A FAPEPI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESVENDANDO A FAPEPI"

Transcrição

1 Teresina, Piauí, abril de 2015 Ano 1 Nº 1 Edição trimestral DESVENDANDO A FAPEPI Em 2015 a Fapepi completa 22 anos de existência, dos quais 11 anos como financiadora de pesquisa e única agência de fomento ao desenvolvimento em ciência, tecnologia e inovação do Estado. Mas, para entender a importância deste órgão para o Piauí é preciso reforçar alguns conceitos. Fapepi é a sigla para Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí. É uma instituição batizada com o nome Professor Afonso Sena Gonçalves que foi instituída pela Lei Nº 4.664, de 20 de dezembro de 1993, dotada de personalidade jurídica de direito público, duração indeterminada, com sede e foro na capital do estado do Piauí. Tem como missão promover o desenvolvimento científico, tecnológico e a inovação do Estado, através do fomento à formação e capacitação de recursos humanos, de pesquisa, de difusão de informação, tecnologias e inovações. Está vinculada, institucionalmente, à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet), conforme Lei Complementar Nº 042, de 02 de agosto de A atuação da Fapepi tem base nas atribuições conferidas pela Constituição do estado do Piauí e nos fundamentos preceituados em seu Estatuto, Decreto Nº 9.240, de 17 de novembro de Tais informações estão disponíveis aos cidadãos e cidadãs na sede da Fapepi em Teresina ou no site Incentivar e fomentar: Financiamento de pesquisa científica, tecnológica e de inovação; Concessão de bolsa à pesquisa científica, tecnológica e de inovação; Apoio à capacitação em ciência, tecnologia e inovação; Apoio à instalação de infraestrutura científica, tecnológica e de inovação; Apoio à realização de evento científico, tecnológico e de inovação; Divulgação em ciência, tecnologia e inovação e auxílio financeiro a pesquisadores. Custeia total ou parcialmente projetos de pesquisas individuais ou institucionais, oficiais ou particulares; Fiscaliza a aplicação correta dos auxílios liberados; Mantém o cadastro de pessoal e infraestrutura das unidades de pesquisa existentes no Estado; Mantém o cadastro das pesquisas no Estado do Piauí; Promove estudos sobre os campos que devam receber prioridade de fomento; Promove o intercâmbio de pesquisadores através da concessão de bolsas de estudos ou de pesquisa, no País e no exterior; Promove e subvenciona a publicação e divulgação dos resultados das pesquisas; Apoia a realização de eventos técnico-científicos e de inovação no Estado. Todos com sede no estado do Piauí Equipes de pesquisadores de instituições sediadas no Piauí; Institutos de pesquisa estaduais e federais, universidades e instituições de ensino superior federais, estaduais, municipais, públicas e privadas, sem fins lucrativos, que executem atividades de pesquisa em ciência, tecnologia e inovação; Órgãos públicos que desenvolvam projetos de pesquisa em ciência, tecnologia e inovação; Entidades associativas voltadas para a promoção do desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação; Setores produtivos, em especial, a pequena e média empresa, a fim de fomentar a pesquisa em ciência, tecnologia e inovação, além de estimular e participar de programas especiais, associada a outras instituições financiadoras.

2 DESVENDANDO A FAPEPI FAPEPI: 22 ANOS DE CONQUISTAS Em 22 anos de atuação, os programas desenvolvidos pela Fapepi contribuíram tanto para a capacitação profissional de professores e alunos, como para o financiamento de pesquisas e melhoria da infraestrutura necessária ao desenvolvimento técnico e científico no Piauí. O valor dos investimentos de recursos do Tesouro Estadual aplicados em ciência, tecnologia e inovação saltaram de R$ ,00 para ,00 em pouco mais de uma década. Da mesma forma, os recursos federais investidos no Piauí saíram de R$ ,00 para ,00. Em 2015, a Fapepi está executando projetos que tiveram recursos garantidos e planeja um novo orçamento para novos programas. O conhecimento sobre o funcionamento destes programas é vital para os pesquisadores que possuem um projeto de pesquisa a ser desenvolvido. Execução de programas pela Fapepi em 2015 Programa de Infraestrutura para Jovens Pesquisadores / Programa Primeiros Projetos (PPP) Objetivo: apoiar a instalação ou recuperação da infraestrutura de pesquisa científica e tecnológica nas instituições públicas de ensino superior e/ou pesquisa. Além disso, contribui para a fixação de jovens doutores (os que concluíram doutorado nos últimos cinco anos) em qualquer área do conhecimento. O PPP foi implantado no Piauí em 2003, com a execução técnica sendo realizada em Até 2011 foram investidos R$ ,00 oriundos do CNPq com R$ ,00 de contrapartida do Governo do Estado. Em 2014 foi garantido um novo convênio com o CNPq no valor global de R$ ,00 com contrapartida de R$ ,00. Junto aos anos anteriores, o total soma 139 projetos aprovados em 61 áreas do conhecimento com destaque para Química, Farmacologia, Ciências Agrárias, Ciências Biológicas, Agronomia, Física e Ciências Exatas e da Terra/Química. 2 Projeto de Pesquisa para o Sistema Único de Saúde do Piauí: gestão compartilhada em saúde (PPSUS) Objetivo: apoiar projetos de pesquisa que visem ao desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação em áreas consideradas prioritárias ao SUS, no Piauí. O programa foi implantado em 2001, sendo o Piauí um dos Estados pioneiros, através de cinco projetos. Em 2004, o PPSUS foi modificado para desenvolver pesquisas específicas ao SUS. Até 2012, no Piauí, através de um convênio entre Fapepi e CNPq com recursos da Secretaria Estadual de Saúde e Ministério da Saúde, foram investidos R$ ,00 sendo R$ como contrapartida do Governo do Estado. No total, 60 projetos foram contemplados, dos quais 26 estão em execução desde A distribuição dos projetos ocorreu em 19 áreas de pesquisa, destacando-se Promoção de Saúde, Vigilância e Atenção em Saúde, Violência, Acidentes e Traumas e Doenças Negligenciadas. Além da capital, há pesquisas em Parnaíba, Picos, Campo Maior e Floriano. Programa de Desenvolvimento Científico Regional (DCR) Objetivo: estimular a fixação de recursos humanos com experiência em ciência, tecnologia e inovação e/ ou reconhecida competência profissional em instituições de ensino superior e pesquisa, institutos de pesquisa, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, empresas privadas e microempresas que atuem em investigação científica e tecnológica. São priorizadas as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste (exceto Brasília) e em microrregiões de baixo desenvolvimento científico e tecnológico do país de acordo com o CNPq. Convênio firmado entre Fapepi e CNPq que destinou R$ ,00, de 2004 a 2012, autorizou a implantação de 62 bolsas. Desse número, 51 bolsas DCR vinculadas a projetos de pesquisa foram implantados efetivamente junto à Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Estadual do Piauí (Uespi) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Um novo acordo firmado em 2013 destina R$ ,00 para

3 DESVENDANDO A FAPEPI RECURSOS PARA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Todas as áreas do conhecimento são fontes de pesquisas, de desenvolvimento e de inovação tecnológica que objetivam trazer algum benefício ao país na saúde, na educação, na cultura e em todos os segmentos sociais. No caso do Brasil, há órgãos federais como o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), dentre outros, com recursos específicos para pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica. Tais investimentos são destinados principalmente às FAPs estaduais, que os utilizam na forma de programas e também captam os advindos de outras fontes como os Ministérios e as Secretarias de Estado, além de empresas públicas e privadas. Isso é o que define a Fapepi e mostra o que ela representa para o Estado do Piauí, uma instituição que beneficiou estudantes, professores e pesquisadores ao longo de uma década com diversos outros programas. A história da Fapepi continua a ser contada na próxima edição da revista Sapiência. uma cota de 28 bolsas, das quais, 15 já foram implantadas. Atualmente, a Fapepi objetiva implantar as últimas 13 bolsas com uma contrapartida de R$ ,00, para financiamentos dos projetos de pesquisa, custeados pelo Tesouro Estadual. Programa de Apoio a Núcleo de Excelência (Pronex) Objetivo: estimular pesquisadores de alta competência e tradição em suas áreas de atuação (níveis 1 e 2 do CNPq) para desenvolver pesquisas de relevância ao desenvolvimento do Estado e do país. Sendo executado pela primeira vez no Piauí, o Pronex destina R$ ,00 em recursos garantidos pelo convênio Fapepi/CNPq, com contrapartida do Tesouro Estadual de R$ ,00, para quatro projetos de pesquisas científicas de núcleos de pesquisa do Piauí, constituídos por pesquisadores bolsistas com capacidade de produção reconhecida pelo CNPq. Programa de Apoio a Núcleos Emergentes (Pronem) Objetivo: consolidar linhas de pesquisa prioritárias, através da indução da formação de novos núcleos de ex- celência no Estado, ampliar e consolidar a capacidade científica e tecnológica instalada no Piauí, incentivar a formação e capacitação de recursos humanos de alta qualificação, fortalecer a infraestrutura de pesquisa das ICTIs e o Sistema Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). O convênio firmado entre Fapepi e CNPq garante recursos no valor de R$ ,00, sendo a contrapartida do governo de R$ ,00, para as propostas selecionadas através do primeiro edital a ser lançado em Acordo para Cooperação Técnica e Acadêmica Fapepi/CAPES Objetivo: apoiar os programas de Pós-Graduação strictu sensu do Estado do Piauí, ampliando a formação de recursos humanos de alto nível em áreas estratégicas do Estado. O acordo foi implantado no Piauí em 2006 com o intuito de conceder bolsas de pós-graduação aos programas de mestrado e doutorado sediados no Estado. Na época, os recursos oriundos da CAPES foram de R$ ,00 com contrapartida do governo de R$ Em 2012, uma nova versão do acordo garantiu também recursos para bolsas de pós- -graduação destinadas aos programas de pós-graduação do Piauí e aos docentes efetivos das instituições públicas de ensino superior do Piauí, inscritos em programas de doutorado fora do Estado. Os recursos somam R$ ,00 do convênio Fapepi/ CAPES, sendo R$ ,00 a contrapartida do governo. Essas bolsas foram concedidas através de quatro editais de 2012 a Execução Técnico-Financeira do Programa de Auxílio Financeiro a Pesquisadores Objetivo: apoiar atividades desenvolvidas por pesquisadores do Piauí, afim de propiciar o intercâmbio do conhecimento científico e/ou tecnológico, como participação em eventos científicos e tecnológicos, publicação e divulgação científica e realização de eventos científicos e tecnológicos. Somente em 2014 foram lançados três editais que investiram R$ ,00 com recursos do Tesouro Estadual em quatro publicações científicas, 29 participações de pesquisadores em eventos científicos e 14 realizações de eventos científicos no Piauí. As instituições beneficiadas foram UFPI, IFPI, Uespi e Embrapa. Para 2015, a Fapepi planeja investir R$ ,00 em cada segmento do Programa de Auxílio a Pesquisadores. 3

4 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E FOTO: MARCELO CARDOSO Francisco Guedes é engenheiro agrônomo pela UFPI, mestre em Botânica pela UFRPE, especialista em Desenvolvimento Regional Sustentável pela Embrapa e em Tecnologias para a Agropecuária do Semiárido pela ESAM Desde que assumiu a presidência da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi), em janeiro de 2015, Francisco Guedes Alcoforado Filho tem buscado fomentar investimentos e parcerias para estimular a pesquisa e levar o desenvolvimento científico, tecnológico e inovação para todo o Estado. Para o presidente, é fundamental que o governo se aproxime das instituições de pesquisa, do setor produtivo e da academia, e que esta se aproxime cada vez mais das necessidades da população. Em entrevista ao Fapepi Informa, ele destaca as metas e a atuação da Fundação para o seu mandato. Quais são as metas do senhor para Fapepi no ano de 2015? Nós vamos intensificar o apoio para os nossos pesquisadores, buscando um maior entrosamento da academia com o governo e o setor produtivo, para que as pesquisas sejam de interesse da população e seus resultados sejam aplicados no Estado. E vamos procurar inovar, ter mais soluções criativas, para incluir mais pessoas no processo de desenvolvimento do Piauí. Nós estamos trabalhando para proporcionar as condições necessárias para que nossa comunidade científica possa desenvolver cada vez mais projetos de pesquisa. Para isso, vamos buscar mais recursos, com o apoio do governador Wellington Dias, com as secretarias do Estado e com o governo federal e instituições de fomento como o Escritório Técnico de Estudos 4 Econômicos do Nordeste (ETENE) do Banco do Nordeste, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf). De que forma a Fapepi vem contribuindo para o desenvolvimento da área da ciência, tecnologia e inovação aqui no Piauí? A Fapepi vem desenvolvendo um grande trabalho, especialmente de 2003 pra cá, sob a liderança do Prof. Dr. Acácio Veras, e que seguiu com a Profa. Dra. Bárbara Melo. Nós vamos dar continuidade a esse trabalho, ampliando a oferta de bolsas, para fortalecer a qualificação profissional do nosso povo. Vamos buscar os nossos núcleos de excelência, temos no interior do Estado vários campi que estão desenvolvendo pesquisas e nós precisamos apoiá-los para os nossos doutores permanecerem no Piauí. Já temos em Bom Jesus um núcleo de excelência muito grande, assim como em Parnaíba, São Raimundo Nonato, Floriano e também em Picos, onde a Universidade Estadual está agora com uma construção belíssima. Precisamos incentivar a criação do mestrado em Desenvolvimento Sustentável do Semiárido e fomentar a criação do Instituto da Caatinga, para atender mais e melhor as necessidades daquela população. A Fapepi atua não só no fomento à pesquisa, mas também na difusão e na popularização da ciência. Como é feito esse trabalho? Vamos melhorar cada vez mais a Sapiência, nossa revista científica. A

5 ENTREVISTA COM O PRESIDENTE M BENEFÍCIO DA POPULAÇÃO nossa equipe de assessoria de comunicação já está produzindo um encarte da Sapiência voltado para crianças, para desenvolver o interesse delas pela ciência. Estamos lançando este boletim informativo para as ações do governo na área de ciência, tecnologia e inovação. Além disso, nós estamos buscando os recursos necessários para divulgar os resultados e a aplicabilidade das pesquisas desenvolvidas no Piauí para a comunidade em geral, tanto no rádio como na televisão. A Fapepi tem uma atuação importante por meio das parcerias. Como elas são feitas? A Fapepi é uma agência de fomento à pesquisa, à difusão da tecnologia e à inovação. Então, nós estamos articulando diversas parcerias, como por exemplo, com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), para que dessa forma possamos ampliar o conhecimento em todos os municípios piauienses, levando o ensino à distância e a inclusão de pessoas com deficiência no processo de aprendizagem. Queremos que as aulas dos cursos à distância tenham a tradução para libras, para atender as pessoas com deficiência auditiva. Nós também estamos trabalhando muito com a Universidade Estadual do Piauí (Uespi) na consolidação de alguns centros de pesquisa, como o Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), cuja sede fica localizada no Rio de Janeiro, e tem uma filial no Piauí, na Uespi. Estamos indo com o governador e o reitor da Uespi ao Rio de Janeiro, com o intuito de viabilizar editais para a contratação de pesquisadores piauienses e também estimular a vinda de recursos humanos de outros Estados, para desenvolver estudos no setor mineral do Piauí, que é muito promissor, do semiárido à região norte do Estado há muito mineral no subsolo piauiense. Temos também parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), com o professor Francisco Marcelino, que desenvolveu com estudantes de ensino médio uma bengala eletrônica para auxiliar pessoas com deficiência visual. Com a colaboração da Seduc, da Seid e da Apae, vamos testá-la, verificar as adaptações e buscar investidores para a fabricação do produto de baixo custo. Outra parceira nossa é a Embrapa, que tem uma proposta de vitrine tecnológica de convivência com o semiárido, que precisamos fortalecer. E mais, vamos fomentar a instalação de unidades do Sisteminha Embrapa, projeto que beneficia e gera renda para os agricultores familiares. Nós precisamos fortalecer todas essas parcerias para o desenvolvimento do Estado. Como está o Piauí no campo de inovação tecnológica? O Piauí precisa avançar muito nessa área. É preciso mais investimentos em ciência, tecnologia e inovação, para que os nossos pesquisadores possam desenvolver mais pesquisas. Estamos buscando parcerias com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e Tecnólogico (Sedet), com a Secretaria Estadual da Mineração, Petróleo e Energias Renováveis e com a área estratégica do governo na atração de investimentos, como o caso da energia solar aplicável à agricultura e à irrigação. Nós queremos criar um piloto de ginásio poliesportivo solar, em um assentamento de reforma agrária, em São João do Piauí. Queremos também fomentar a construção de uma escola que seja iluminada com energia solar, que tenha uma horta comunitária abastecida por água de cisterna, com a aplicação das várias tecnologias sociais, desenvolvidas no Brasil e no mundo, para beneficiar mais gente. E tudo isso pode ser aplicado em sala de aula, como o estudo da geografia da água no mundo ou o funcionamento das placas solares. Nós vamos atrás dos recursos necessários para dotar o Piauí de unidades-piloto para demonstrar a viabilidade das tecnologias geradas. E assim caminhar, cada vez mais, para a excelência no Estado também na área da inovação. Recentemente o Congresso Nacional promulgou a Emenda Constitucional nº 85, que altera o tratamento da ciência, tecnologia e inovação na Constituição Federal. Como o senhor recebe essa mudança legislativa? Com muita alegria, porque vai atrair mais recursos financeiros para a pesquisa. É uma aproximação do governo com a academia e com o setor produtivo. Através das (PPPs), das parcerias público-privadas, as empresas vão poder investir mais em ciência, tecnologia e inovação, para que o próprio setor produtivo se beneficie, e, como consequência, possa beneficiar mais pessoas. É o chamado inovar para incluir. Nós precisamos inovar cada vez mais para incluir mais pessoas no processo de desenvolvimento do Estado e do país. 5

6 NOTÍCIAS IFPI É DESTAQUE NO CAMPO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Laboratório desenvolve projetos utilizando realidade virtual e tecnologias assistivas FOTO: FRANCISCO LEAL Modelo de óculos de realidade virtual utilizando materiais acessíveis Desmistificar a tecnologia. Com essa missão, o Laboratório de Robótica, Automação e Sistemas Inteligentes (Labiras), localizado no campus Teresina Central do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), vem desenvolvendo projetos nas áreas de realidade virtual, games e robótica, que estão inserindo pouco a pouco o estado no mapa da inovação tecnológica do país. Foi o que aconteceu com a luva ultrassônica e a bengala eletrônica, projetos desenvolvidos pelo Labiras sob a coordenação do professor Francisco Marcelino, dentro do conceito de tecnologia assistiva, que é aquela pensada para pessoas com algum tipo de deficiência, e que estiveram entre os vinte melhores projetos da Mostra Nacional de Robótica nos anos de 2012 e 2013, respectivamente. A luva, criada por estudantes do ensino médio técnico do IFPI, possui sensores que vibram quando encontram algum obstáculo, alertando o usuário para que diminua a velocidade, evitando acidentes domésticos. Já a bengala eletrônica, também desenvolvida por alunos do ensino médio, foi planejada para auxiliar pessoas com deficiência visual em ambientes abertos, pois identificam obstáculos aéreos. Além das tecnologias assistivas, o Labiras, que conta com mais de 40 pesquisadores, entre alunos do ensino médio, graduação, mestrado e doutorado, empreende estudos na área da realidade virtual. Os óculos necessários para esse tipo de experiência, que imerge o indivíduo em um ambiente virtual, são caros, e o laboratório pretende chegar a um produto final que seja mais acessível à população. Apesar de mais comum na área de games, os óculos de realidade virtual podem ser utilizados em diversos campos. O Labiras desenvolve estudos aplicando essa tecnologia ao tratamento de fobias e, mais recentemente, ao setor imobiliário. Assim, uma pessoa interessada em comprar um imóvel na planta poderá, com o auxílio dos óculos, ter a experiência de ver a casa por dentro, em um ambiente 3D que simula a realidade. É dessa forma que, mostrando que as pesquisas de inovação tecnológica podem ser aplicadas no cotidiano para a solução de problemas sociais, o Labiras aproxima a ciência da sociedade. A gente começa a desmistificar [a tecnologia] na sociedade, fazendo pesquisas de ponta no Piauí, mas sempre tentando aproximar com a sociedade, finaliza Marcelino. FAPEPI AUXILIA A CONSOLIDAÇÃO DA FIOCRUZ NO PIAUÍ No Piauí, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é uma das parceiras da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) e desenvolve um trabalho voltado para o estudo de doenças ligadas a nossa região, assim como a capacitação de profissionais que possam contribuir de forma efetiva para o conhecimento e combate das mesmas. O professor Regis Gomes, pesquisador em saúde pública da Fiocruz Piauí, e pós-doutor nos Estados Unidos pelo National Institutes of Health (N.I.H), ressaltou a importância da parceria com a Fapepi: apesar de ainda estarmos no início do trabalho, com essa parceria entre Fapepi, Universidade Federal e Estadual do Piauí, já estamos solidificando algumas ações. É preciso ressaltar, por exemplo, que o mestrado em Medicina Tropical está sendo oferecido pela primeira vez fora do Rio de Janeiro, além do mestrado profissional em Epidemiologia, que visa à capacitação de profissionais na área de saúde. Em relação a projetos futuros da instituição, Regis destacou possíveis áreas 6 Instituição é referência em pesquisas na área da saúde FOTO: MARCELO CARDOSO Parte da equipe da Fiocruz Piauí reunida na sede da Fapepi de atuação da Fiocruz. O projeto que será concretizado no futuro é desenvolver pesquisas em doenças infecciosas, saúde do trabalhador, saúde materno infantil, e sempre percebendo a vocação do Estado. Francisco Guedes, presidente da Fapepi, destacou expectativas sobre a consolidação da Fiocruz em nosso Estado. Uma das prioridades do Governo do Estado por meio da Fapepi e da Secretaria da Saúde juntamente com a Universidade Federal do Piauí (UFPI) é buscar as parcerias necessárias com os deputados federais e senadores do Estado para a construção da sede da Fiocruz no Piauí. O presidente da Fapepi e o reitor da UFPI, professor Dr. José Armatéia, vão acompanhar, ainda neste mês de abril, o governador Wellington Dias em uma audiência no Rio de Janeiro com o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, com o objetivo de agilizar o processo de construção da sede da Fiocruz no Piauí, dentro do terreno de 13 hectares cedido pela UFPI.

7 BOLSAS PARA PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO SÃO IMPLEMENTADAS EM 2015 O objetivo é investir na qualificação de recursos humanos e fomentar novas pesquisas no Estado Uma das missões da Fundação de Amparo à Pesquisa do estado do Piauí (Fapepi) é o incentivo à produção científica e o financiamento de pesquisas que possam contribuir nos campos da ciência e inovação tecnológica em nosso Estado, através de parcerias para o financiamento de programas que contribuam com a formação científica de nossos pesquisadores. Em 2015, a Fapepi iniciou o processo de implementação de 145 bolsas de mestrado que estiveram disponíveis para instituições públicas federais e estaduais pelo edital 007/2014, para os programas de Pós-Graduação sediados no estado do Piauí. Para o desenvolvimento dos projetos, serão destinados recursos da ordem de R$ ,00, sendo que R$ ,00 oriundos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e R$ ,00 de investimento do Governo do estado do Piauí. Outra modalidade de bolsas que começa a ser implantada é a do programa de Desenvolvimento Científico Regional DCR/Piauí. As bolsas DCR serão concedidas em cooperação da Fapepi com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), neste ano, 13 bolsas serão implantadas com investimento de R$ ,00 do CNPq e como contrapartida, R$ ,00 por ano, disponibilizados do tesouro estadual durante os 36 meses de duração dos projetos. O diretor técnico-científico da Fapepi, professor doutor Evaldo Hipólito, destacou a relevância das bolsas DCR para o Piauí. Segundo o diretor, as bolsas de desenvolvimento científico regional são importantes, pois fortalecem grupos de pesquisa dentro FOTO: ALLAN CAMPÊLO Diretor técnico-científico da Fapepi, professor Evaldo Hipólito fala sobre os programas em 2015 de nossas instituições, além de que pesquisadores doutores de outros estados virão para auxiliar e coordenar NOTÍCIAS pesquisas com claro retorno para o Piauí. A ideia é fomentar cada vez mais esses projetos e fazer com que nossas especificidades se tornem objeto de estudo. O primeiro edital a entrar em vigência em 2015 visa contemplar docentes da Universidade Estadual do Piauí UESPI, como meio de qualificação do ensino superior do Estado pelo programa de bolsas de Pós-Graduação. Com oito bolsas de doutorado e duas de mestrado, a Fapepi disponibilizará recursos financeiros oriundos do tesouro estadual com investimento mensal de R$ ,00. Contribuir para a capacitação de professores é possibilitar um melhor ensino para o nosso Estado e incentivar o surgimento de novas pesquisas, finaliza o professor Hipólito. 7

8 FAPEPI LANÇARÁ UM NOVO CANAL DE COMUNICAÇÃO DEDICADO ÀS CRIANÇAS A revista Sapiência é pioneira no que tange as publicações científicas do Piauí. Seguindo o seu destino de desbravadora e inovadora, a publicação científica da Fapepi está pronta para dar à luz o seu filho, o Sapiência Jr. O suplemento infantil será parte integrante da Sapiência e visa mostrar que a área da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) também é de interesse das crianças. O primeiro número do Sapiência Jr. será lançado juntamente com a edição nª 38 da Revista. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) por meio desse novo canal de comunicação pretende difundir a produção científica e tecnológica feita por crianças, pré-adolescentes e professores das escolas públicas do estado do Piauí; divulgar pesquisas e experiências no âmbito da CT&I, de interesse internacional, nacional, regional e local e desmistificar a ideia de que fazer ciência é um bicho de sete cabeças. EDIÇÃO Nº 38 MARCA 11 ANOS DA REVISTA SAPIÊNCIA A revista Sapiência, pioneira na divulgação científica no estado, é uma publicação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi), nascida em junho de 2004, conta atualmente com 37 edições lançadas. Com entrevistas, resumos de artigos, dicas de livros e matérias que mostram as pesquisas realizadas no Piauí, a revista Sapiência é um dos principais canais da Fapepi para popularizar a ciência em nosso Estado. A 38º edição da Sapiência fará um dossiê sobre o Programa de Apoio a Núcleo de Excelência (Pronex), destacando sua atuação no estado e as pesquisas desenvolvidas. Coordenadora de Jornalismo: Editora-chefe: Redação: Publicitária: Fotos: Diagramação: Impressão: Tiragem: EXPEDIENTE: Michelly Samia Vanessa Soromo DRT: 1576 PI Afonso Rodrigues, Allan Campêlo, Mário David e Vanessa Soromo Patrícia Carvalho Allan Campêlo, Francisco Leal e Marcelo Cardoso Luiz Carlos Editora e Gráfica São João 10 mil exemplares

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES A COLABORAÇÃO DA FAPEPI NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO PIAUÍ Dra. BÁRBARA OLIMPIA RAMOS DE MELO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

Tema 4. Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão. Maria Zaíra Turchi

Tema 4. Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão. Maria Zaíra Turchi Tema 4 Legislação educacional e gestão acadêmica para a qualidade do Ensino, Pesquisa e Extensão Maria Zaíra Turchi Profª Drª Maria Zaíra Turchi Presidente da FAPEG A FAPEG E O FOMENTO À PESQUISA NO ESTADO

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Mais ciência e inovação para Todos nós

Mais ciência e inovação para Todos nós Mais ciência e inovação para Todos nós FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO SECRETARIA DA FAPEMA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Para construir a FAPEMA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq Publicações Matrículas no Ensino Superior Docentes com Doutorado Orçamento - MCTI Orçamento - CNPq Orçamento - Capes Orçamento

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal

Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI. Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal Avanços Tecnológicos no mundo da Universidade apoiados pelos NIT: o caso da UFPI Prof. Dr. Sérgio Henrique B. de S. Leal São Luis, 09 de julho de 2010 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Processo de aprendizagem contínuo

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II TERMO DE REFERÊNCIA BOLSA No. 009/2013/Fiocruz/ProbioII APOIO CIENTÍFICO B VALOR MENSAL: R$ 4.000,00 (Quatro

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIVISÃO DE PESQUISA EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

DAS BOLSAS DE INCENTIVO A QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU

DAS BOLSAS DE INCENTIVO A QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO (PROQUALIS) BOLSAS EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPITULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º Os objetivos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 05/2015 Cria a Superintendência de Comunicação Social (SCS) da UFPB, Órgão Auxiliar vinculado à Reitoria da UFPB

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização.

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. O primeiro deles se refere aos eixos norteadores da política. Este nível compreende os

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV $'0,1,675$d 2 Aprovação junto ao CCEPE da Resolução no. 01/2000 que regulamenta o sistema de Pós-Graduação ODWRVHQVX da UFPE,

Leia mais

PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 1 - APRESENTAÇÃO Com o objetivo de estimular e promover o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação, compete à Pró - Reitoria

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

ASSESSORIA ADJUNTA DE. Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação

ASSESSORIA ADJUNTA DE. Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação ASSESSORIA ADJUNTA DE INOVAÇÃO Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação Estruturar o ambiente de inovação - Como ampliar o papel das universidades (instituições de pesquisa) no desenvolvimento

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Evento Comemorativo dos 10 Anos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais

Evento Comemorativo dos 10 Anos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais Evento Comemorativo dos 10 Anos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais Eduardo Costa Diretor-Presidente da FAPESPA Andréa Coelho Diretoria de Pesquisas e Estudos Ambientais A agenda científica

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO - PIQ

EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO - PIQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 24/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 APROVA O PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E INOVAÇÃO DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE O DIRETOR GERAL DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE, no uso de

Leia mais

As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG. Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA

As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG. Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA A FAPEMIG O que é? A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG é a agência de

Leia mais

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID EDITAL PIBID-FUNEC SELEÇÃO DE PROFESSORES SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID A FUNEC Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul, através

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33. Editais curto prazo

2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33. Editais curto prazo 2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33 NACIONAL Editais curto prazo Orgao CNPq Edital Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia Termino 23/2/2015 Direcionado a Reconhecer e premiar os melhores trabalhos de

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

CCS CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 24/ 2015. Processo Seletivo para BOLSISTA PARA APOIO A FORMAÇÃO EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - MARANHÃO

CCS CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 24/ 2015. Processo Seletivo para BOLSISTA PARA APOIO A FORMAÇÃO EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL - MARANHÃO 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 24/ 2015 Processo Seletivo para BOLSISTA PARA APOIO A FORMAÇÃO EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Tema: Política de Estado para Ciência, Tecnologia e Inovação com vistas ao Desenvolvimento Sustentável 26 a 28 de maio de 2010 Brasília - DF

Tema: Política de Estado para Ciência, Tecnologia e Inovação com vistas ao Desenvolvimento Sustentável 26 a 28 de maio de 2010 Brasília - DF Tema: Política de Estado para Ciência, Tecnologia e Inovação com vistas ao Desenvolvimento Sustentável 26 a 28 de maio de 2010 Brasília - DF DATA: 10 e 11 de março de 2010 LOCAL: Auditório do SEBRAE/TO

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2014-2018

PLANO DE GESTÃO 2014-2018 PLANO DE GESTÃO 2014-2018 INCONFIDENTES - 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. PROPOSTAS DE TRABALHO... 2 2.1 ENSINO... 2 2.2 PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO... 2 2.3 EXTENSÃO E INOVAÇÃO... 3 2.4 ATIVIDADES ESPORTIVAS

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais