Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva"

Transcrição

1 Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva Maria do Carmo Leal Carlos Machado de Freitas (Orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p. ISBN Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>. All the contents of this chapter, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-Non Commercial-ShareAlike 3.0 Unported. Todo o conteúdo deste capítulo, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a licença Creative Commons Atribuição - Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não adaptada. Todo el contenido de este capítulo, excepto donde se indique lo contrario, está bajo licencia de la licencia Creative Commons Reconocimento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.

2 1

3 2

4 CENÁRIOS POSSÍVEIS EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS DO MESTRADO PROFISSIONAL NA SAÚDE COLETIVA 3

5 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Presidente Paulo Marchiori Buss Vice-Presidente de Ensino, Informação e Comunicação Maria do Carmo Leal EDITORA FIOCRUZ Diretora Maria do Carmo Leal Editor Executivo João Carlos Canossa Pereira Mendes Editores Científicos Nísia Trindade Lima e Ricardo Ventura Santos Conselho Editorial Carlos E. A. Coimbra Jr. Gerson Oliveira Penna Gilberto Hochman Lígia Vieira da Silva Maria Cecília de Souza Minayo Maria Elizabeth Lopes Moreira Pedro Lagerblad de Oliveira Ricardo Lourenço de Oliveira 4

6 Maria do Carmo Leal Carlos Machado de Freitas organizadores CENÁRIOS POSSÍVEIS EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS DO MESTRADO PROFISSIONAL NA SAÚDE COLETIVA 5

7 Copyright 2006 dos autores Todos os direitos desta edição reservados à Fundação Oswaldo Cruz/Editora ISBN Capa, projeto gráfico e editoração eletrônica Adriana Carvalho e Carlos Fernando Reis Revisão Irene Ernest Dias Catalogação na fonte Centro de Informação Científica e Tecnológica Biblioteca da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca L435c Leal, Maria do Carmo (org.) Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva. / Organizado por Maria do Carmo Leal e Carlos Machado de Freitas. Rio de Janeiro : Editora FIOCRUZ, p., tab., graf. 1.Educação de pós-graduação. 2.Saúde pública-educação. I.Título. CDD - 20.ed EDITORA FIOCRUZ Av. Brasil, o andar sala 112 Manguinhos Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) e Telefax: (21)

8 AUTORES Carlos Augusto Grabois Gadelha Graduado em ciências econômicas, mestre em economia e doutor em economia da indústria e da tecnologia. Professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública/ Fiocruz, sendo coordenador do Mestrado Profissional em Gestão de Ciência e Tecnologia. Atualmente é secretário de Programas Regionais do Ministério da Integração Nacional. Carlos Machado de Freitas (organizador) Graduado em história, mestre em engenharia de produção, doutor em saúde pública. Pesquisador titular do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Coordenador de curso no Mestrado Profissional em Vigilância em Saúde. Atualmente é coordenador da Pós-Graduação na Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. 5

9 Carmen Fontes de Souza Teixeira Médica, mestre em saúde comunitária, doutora em saúde pública. Professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva. Pesquisadora do Diretório de Planejamento & Gestão em Saúde do ISC-UFBA. Consultora da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador. Célia Regina Pierantoni Médica, mestre em endocrinologia, doutora em saúde coletiva. Professora adjunta do Departamento de Planejamento e Administração em Saúde, Centro Biomédico e Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/ Uerj). Coordenadora do Mestrado Profissional. Consultora da rede Acompanhamento de Sinais de Mercado de Trabalho do Setor Saúde com Foco em Enfermagem (Samets/ Profae/MS), representante da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco) na Comissão Intersetorial de Recursos Humanos do Conselho Nacional de Saúde e coordenadora do Grupo de Trabalho Recursos Humanos e Profissões. Atualmente é diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde. Cristiane Machado Quental Economista, mestre e doutora em administração. Analista em C&T da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz, coordenadora adjunta do Mestrado Profissional em Gestão de Ciência e Tecnologia em Saúde Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Elizabeth Artmann Assistente social, mestre em saúde pública, doutora em saúde coletiva. Pesquisadora adjunta do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública. 6

10 Estela Maria Motta Lima Leão de Aquino Médica, mestre em medicina social, doutora em saúde coletiva. Professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Coordenadora do Musa Programa Integrado de Pesquisa e Cooperação Técnica em Gênero e Saúde. Coordenadora para as regiões Norte-Nordeste do Programa Interinstitucional de Treinamento em Metodologia de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Saúde Reprodutiva. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (UFBA) de 2001 a Integrante do Colegiado de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (UFBA) desde Vice-coordenadora do GT Gênero e Saúde da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco). Francisco Javier Uribe Rivera Médico, mestre em saúde coletiva, doutor em saúde pública. Pesquisador titular do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública. Consultor de planejamento em saúde da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Ilara Hämmerli Sozzi de Moraes Assistente social, mestre e doutora em saúde pública. Pesquisadora titular do Departamento de Ciências Sociais da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Diretora geral do Centro de Informações em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde/RJ e coordenadora da Rede de Centrais de Regulação em Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Coordenadora Nacional da Câmara Técnica de Informação e Informática em Saúde do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e membro da Comissão Intersetorial de Comunicação e Informação em Saúde do Conselho Nacional de Saúde. Coordenadora do Mestrado Profissional de Gestão da Informação e Comunicação em Saúde da Ensp/Fiocruz. 7

11 Inês Dourado Médica, mestre em saúde pública, doutora em epidemiologia. Professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Atual coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Membro de Comitê Assessor do Programa Nacional de DST/Aids e do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Membro de Comitê Assessor para pesquisas em sarampo e rubéola da Organização Mundial da Saúde desde Inês Echenique Mattos Médica, mestre em saúde pública, doutora em medicina preventiva. Pesquisadora adjunta do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Representante da Escola Nacional de Saúde Pública no Grupo Assessor de Capacitação de Recursos Humanos da SVS em Epidemiologia e Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde. Jairnilson Silva Paim Médico, mestre em medicina, doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Lígia Maria Vieira-da-Silva Médica, mestre em saúde comunitária, doutora em medicina preventiva. Professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Maria do Carmo Leal (organizadora) Médica, mestre e doutora em saúde pública. Pesquisadora titular do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/ Fiocruz. Atualmente é vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação/Fiocruz. 8

12 Miguel Murat Vasconcellos Médico, mestre em medicina social, doutor em engenharia biomédica. Pesquisador titular do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Coordenador do curso Educação a Distância Processos de Gestão e Tecnologias de Informação em Saúde, coordenador do curso de Especialização em Informações e Informática em Saúde e do curso de Mestrado Profissional em Gestão da Informação e Comunicação em Saúde. Moisés Goldbaum Médico, mestre e doutor em medicina preventiva. Professor da Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva. Foi presidente da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco) e atualmente é secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde. Naomar Monteiro de Almeida Filho Médico, mestre em saúde coletiva, doutor em epidemiologia - antropologia médica. Professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Reitor da Universidade Federal da Bahia. Presidente do Conselho Universitário, presidente do Conselho de Ensino, presidente do Conselho Deliberativo da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Extensão (Fapex). Consultor de programas de saúde mental. Doctor of science honoris causa pela Mcgill University, Canadá. Paulo Chagas Telles Sabroza Médico, mestre em saúde pública. Pesquisador titular do Departamento de Endemias Samuel Pessoa da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz, coordenador do Centro de Vigilância e Monitoramento de Endemias. 9

13 Ricardo Ventura Santos Graduado em ciências biológicas, mestre e doutor em antropologia. Pesquisador titular e chefe do Departamento de Endemias, Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Professor adjunto IV, 20 horas, do Departamento de Antropologia, Museu Nacional/ UFRJ. Editor científico da Editora Fiocruz. Rita de Cássia Barradas Barata Médica, mestre e doutora em medicina. Professora adjunta do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Foi presidente da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco) e atualmente é coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Silvana Granado Nogueira da Gama Graduada em enfermagem, mestre e doutora em saúde pública. Pesquisadora adjunta do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Integrante do Comitê de Prevenção à Mortalidade Infantil e Fetal do Rio de Janeiro. Coordenadora de curso no Mestrado Profissional em Vigilância em Saúde. Tânia Celeste Matos Nunes Graduada em nutrição, mestre em saúde comunitária, doutora em saúde pública. Tecnologista sênior, aposentada. Foi vice-presidente de Ensino e Recursos Humanos da Fiocruz de janeiro de 2001 a março de Atualmente é coordenadora da Escola de Governo em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. 10

14 Virginia Alonso Hortale Médica, mestre em saúde pública, doutora em saúde pública. Pesquisadora titular do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Atualmente é coordenadora geral da Pós-Graduação da Fiocruz. Zulmira Maria de Araújo Hartz Médica, licenciada em educação, mestre e doutora em saúde comunitária. Pesquisadora titular, aposentada, do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz, onde também exerceu as funções de coordenadora geral de Ensino e vice-diretora. Coordenadora geral de Pós-Graduação da Fundação Oswaldo Cruz de janeiro de 2002 a fevereiro de Atualmente, é pesquisadora e professora convidada do Departamento de Medicina Social e Preventiva da Universidade de Montreal. 11

15 SUMÁRIO Prefácio Apresentação 1 Mestrado Profissionalizante em Saúde Coletiva Moisés Goldbaum 2 Significado Estratégico do Mestrado Profissionalizante na Consolidação do Campo da Saúde Coletiva Carmen Teixeira 3 Formação e Capacitação de Recursos Humanos no Brasil: situação atual, desafios e perspectivas da pós-graduação em saúde coletiva Zulmira Maria de Araújo Hartz Tânia Celeste Matos Nunes 4 Mestrado Profissionalizante em Saúde Pública: um olhar para as experiências internacionais Virginia Alonso Hortale

16 5 A Experiência do Mestrado Profissional do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA, Inês Dourado Carmen Teixeira Estela Aquino Lígia Maria Vieira-da-Silva Jairnilson Silva Paim Naomar de Almeida Filho 6 Formação de Gestores para o Sistema de Saúde: a experiência do Mestrado Profissional do Instituto de Medicina Social da Uerj Célia Regina Pierantoni 7 Mestrado Profissional em Gestão de Ciência e Tecnologia em Saúde: a experiência da Fiocruz Carlos Augusto Grabois Gadelha Cristiane Quental 8 Desafios na Formação de Recursos Humanos para o SUS: a experiência do Mestrado Profissionalizante da Ensp com a SAS-MS Elizabeth Artmann 9 Gestão da Informação e Comunicação em Saúde: desenho e implementação de uma proposta de ensino-aprendizagem Ilara Hämmerli Sozzi de Moraes Miguel Murat Vasconcellos 10 O Mestrado Profissionalizante em Vigilância em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Paulo Sabroza Maria do Carmo Leal Silvana Granado Nogueira da Gama Inês Matos

17 11 Cenários Futuros do Mestrado Profissional da Escola Nacional de Saúde Pública Carlos Machado de Freitas Francisco Javier Uribe Rivera Elizabeth Artmann Ricardo Ventura Santos 12 Avanços e Desafios do Mestrado Profissionalizante Rita Barradas Barata

18 PREFÁCIO Fico muito feliz com a oportunidade de prefaciar este livro que discute a experiência da Fiocruz com o Mestrado Profissional (MP), pois hoje oferecemos nada menos do que cinco programas nesta modalidade de pós-graduação. Tenho a satisfação de ter aberto esta discussão como diretor da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp), alguns anos atrás, em acalorados debates que antecederam a implantação do primeiro programa na Instituição. O Mestrado Profissional é uma inovação educacional lançada em outubro de 1995, por meio da Portaria n. 47 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que vem se firmando no contexto da pós-graduação brasileira, particularmente nos últimos anos. Mesmo assim, segundo a Capes, os mestrados profissionais não passam de 169 (ou 8%) dos cerca de cursos de mestrado recomendados pela instituição em 2005 e têm cerca de alunos matriculados. As estimativas da Capes são de que, em cinco anos, o MP represente cerca de 25% do total de cursos de mestrado reconhecidos. As áreas com maior número de programas são: multidisciplinar, administração, odontologia e saúde coletiva; a maioria dos MP em saúde coletiva do país encontra-se na Fiocruz. Além desses, oferecemos MPs em tecnologia de medicamentos e gestão de ciência e tecnologia em saúde, ambos profundamente relacionados com práticas profissionais próprias da instituição. 17

19 Os profissionais da saúde que desejavam aperfeiçoar-se para o exercício profissional e não para a prática acadêmica tinham, na última metade da década passada, apenas as residências como opção de especialização profissional pós-graduada. As residências foram implantadas no Brasil na década de 1940 e tiveram imenso prestígio por sua qualidade e expansão principalmente na década de 1970, quando foi criada, no Ministério da Educação e Cultura (MEC), a Comissão Nacional de Residência Médica. Minha própria experiência profissional começou em com a residência em pediatria do Hospital dos Servidores do Estado, no Rio de Janeiro, serviço do Prof. Luis Torres Barbosa, um pioneiro, aliás, na introdução da residência médica no Brasil e, justamente, numa instituição que de forma também pioneira albergou esta modalidade de formação de médicos. Em 1979 implantei e fui o primeiro coordenador da Residência em Saúde Pública da Ensp na sua nova fase (pós- TAS Treinamento Avançado em Serviço). O modelo Residência Médica, entretanto, demonstrou seu esgotamento ao longo das décadas de 80 e 90. O que era um projeto de formação muito respeitado e qualificado foi se deformando, passando a ser, em muitos casos, apenas um primeiro emprego mal remunerado, sem qualidades que justificassem investimentos de tempo e dedicação dos médicos recém-formados. A modalidade Residência estendeu-se, no seu período mais tardio, também às demais profissões da saúde. São decorridos trinta anos desde que o Parecer n do Conselho Federal de Educação definiu e fixou as características dos cursos de mestrado e doutorado no Brasil. Para o doutorado o objetivo é proporcionar formação científica ou cultural ampla e aprofundada, desenvolvendo a capacidade de pesquisa e o poder criador nos diferentes ramos do saber, exigindo a defesa de tese que represente trabalho de pesquisa importando em real contribuição para o conhecimento do tema. Já o mestrado foi caracterizado ou como etapa preliminar na obtenção do grau de doutor, ou como grau terminal, devendo a dissertação de mestrado revelar domínio do tema escolhido e capacidade de sistematização. O caráter de terminalidade foi considerado relevante para aqueles que, desejando aprofundar a formação científica ou profissional recebida nos cursos de graduação, não almejassem ou não pudessem dedicar-se à carreira científica. Destacou o parecer a importância de um programa eficiente de estudos pós-graduados para: 1) formar profissionais criadores, capazes de desenvolver novas técnicas e processos tendo em vista a expansão da indústria brasileira e as necessidades do desenvolvimento nacional em todos os setores; 2) transformar a universidade em centro criador e 3) formar professores qualificados para a expansão quantitativa do ensino superior. 18

20 Naquele ato regularizador foi feita também uma clara distinção entre cursos de especialização (destinados a treinamento, formação de atitudes e habilidades, sem abranger o campo total do saber em que se insere a especialidade) e cursos de mestrado, que podem também implicar especialização e operar no setor técnico-profissional, mas sempre no contexto de uma área completa de conhecimento, ou dando ampla fundamentação à aplicação de uma técnica ou ao exercício de uma profissão. Pode-se, portanto, identificar, na norma regularizadora, dois tipos de mestrado, diferenciados pelos seus objetivos centrais. Um deles tem como objetivo a realização de estudos avançados em uma disciplina específica, sem preocupação com suas aplicações. Corresponderia, na nomenclatura norte-americana, aos graus de Master of Arts (MA) e Master of Sciences (MS), sem designação específica da disciplina correspondente. Outro tipo visa à aplicação e extensão de conhecimentos a finalidades profissionais ou vocacionais. Diz respeito a graus como Master of Business Administration, Master of Arts in Education, Master of Engineering e Master of Arts in Teaching, nos Estados Unidos. O desenvolvimento da pós-graduação no Brasil nos últimos trinta anos deu origem a cursos de mestrado que, com raras exceções, caracterizam-se predominantemente como o primeiro degrau para a qualificação acadêmico-científica necessária à carreira universitária. À época, a justificativa para essa ênfase acadêmica, com a exclusão da vertente profissional, era de que ela seria suficiente para assegurar também a formação de pessoal de alta qualificação para atuar nas áreas profissionais, nos institutos tecnológicos e nos laboratórios industriais. Tal situação, dominante até os anos 80, não conseguiu se sustentar diante da intensidade, urgência e variedade das demandas que a sociedade brasileira passa a fazer, desde então, ao sistema universitário. A rápida evolução do conhecimento passou a exigir, dos graduados, formação avançada e atualizada; em paralelo, as organizações governamentais e não-governamentais passaram a exigir constante elevação da qualidade e produtividade dos seus serviços. Em complemento, a abertura de mercado passa a demandar das empresas um nível de competitividade que as leva a buscar profissionais com formação pós-graduada, de preferência mestrado. A evolução do conhecimento, a melhoria do padrão de desempenho e a abertura do mercado induzem, então, à busca de recursos humanos que permitam uma transferência mais rápida dos conhecimentos gerados na universidade e nos institutos de pesquisa para a sociedade. Buscam-se em todo o mundo formas mais diretas de vinculação do aparelho formador com empresas, agências não-governamentais e governo. Para atender a essas novas exigências e, de certa forma, complementar o espectro previsto para a pós-graduação no decreto supramencionado, a Capes lança, em 1995, as bases para a 19

21 regulamentação do mestrado profissional. Segundo a portaria da Capes, esse modelo de mestrado estará voltado para a formação profissional, a fim de melhorar a qualificação de técnicos do governo e de empresas públicas e privadas. Além das atividades de ensino, ele prevê a aplicação das pesquisas e o repasse de tecnologia à sociedade. Com duração mínima de um ano, o MP incentiva a criação de projetos em parceria com os setores produtivo e governamental, assim como a oferta de atividades de extensão. Ao final do curso, o aluno deverá apresentar um trabalho, que pode não ser na forma da tradicional dissertação. No lugar dela, a avaliação pode ser feita, por exemplo, por meio de projetos, análises de casos e desenvolvimento de equipamentos e protótipos. O que diferencia os dois tipos de mestrado são o perfil dos candidatos e o foco de atuação. Enquanto o acadêmico forma pesquisadores e docentes, o profissional qualifica para o mercado de trabalho. Os cursos de MP destinam-se a graduados em cursos superiores, com o objetivo de prepará-los para elaborar novas técnicas e processos ligados à sua atuação profissional, e devem comprovar contribuição inovadora para o desenvolvimento de atividades profissionais. Recentemente a Capes lançou proposta estimulando a criação de MPs em áreas específicas, como: arquitetura e urbanismo, ciência da computação, ciência política, ciências agrárias, ciências biológicas, ciências sociais aplicadas, ecologia e meio ambiente, economia, enfermagem, engenharias, ensino de ciências e matemática, farmácia, fisioterapia/educação física, matemática/probabilidade e estatística, medicina, multidisciplinar, odontologia, planejamento urbano/demografia, saúde coletiva e zootecnia/recursos pesqueiros. Comprometida com o avanço contínuo do Sistema Único de Saúde (SUS), a Fiocruz vislumbrou a oportunidade de contribuir para melhorar a governance deste sistema, por meio de pesquisas direcionadas para este fim, e criar os mestrados profissionais para atender às necessidades da gestão pública. Com isso, surgiram na Fiocruz, nos últimos seis a sete anos, correspondendo ao início do século XXI, os mestrados profissionais, que são objeto da análise e reflexão de muitos coordenadores de programas e professores dos nossos cursos. Da mesma forma, a Presidência da Fiocruz passou a fomentar a investigação aplicada em saúde pública, através do Programa de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde Pública, que visa a desenvolver conhecimentos, instrumentos e mecanismos para o incremento da qualidade do sistema de saúde brasileiro nos seus vários campos de atuação: gestão de sistemas, serviços e organizações; epidemiologia; promoção e educação em saúde; saúde do trabalhador e tantas outras áreas que hoje compõem o sofisticado e abrangente campo de conhecimento e ação da saúde pública brasileira contemporânea. 20

22 Deixo-os com a leitura da nossa experiência, estimando que, ao fazê-lo, todos os leitores sintam-se estimulados a também participar deste enorme esforço nacional em prol da melhoria do nosso sistema de saúde e, por conseqüência, da saúde da nossa população. Paulo Marchiori Buss Presidente da Fundação Oswaldo Cruz 21

23 APRESENTAÇÃO O Mestrado Profissional (MP), como modalidade nova de pós-graduação stricto sensu proposta pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vem, nos últimos anos, recebendo grande acolhida na área da saúde coletiva. Instituições como o Instituto de Saúde Coletiva (ISC-UFBA), o Instituto de Medicina Social (IMS-Uerj), a Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp-Fiocruz) e, mais recentemente, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo identificaram nessa nova modalidade a oportunidade para a formação qualificada dos quadros estratégicos e gestores para o Sistema Único de Saúde (SUS). Este volume resulta desse esforço conjunto, procurando demonstrar, por meio de reflexões e experiências de vários autores, inseridos nas instituições que vêm desenvolvendo essa iniciativa, os desafios encontrados e as perspectivas do mestrado profissional na saúde coletiva. No capítulo de abertura, de Moisés Goldbaum, que serviu de referência inicial para vários autores, encontramos um dos primeiros textos que procuraram sistematizar uma reflexão sobre o significado do mestrado profissional na área da saúde coletiva. Goldbaum, que na época em que escreveu o capítulo era representante da área de saúde coletiva na Capes, apresenta os pressupostos dessa agência para a criação dos cursos de mestrado profissional e chama a atenção para a importância de tal modalidade no provimento de recursos humanos 23

24 atualizados em novos conhecimentos. Recursos humanos estratégicos, capazes tanto de acompanhar e incorporar os processos de inovação e produção de saber quanto de formular respostas para os problemas em suas áreas de atuação, incorporando a avaliação do impacto das intervenções aplicadas. Carmen Teixeira, analisando o significado estratégico do mestrado profissional para a consolidação do campo da saúde coletiva, faz uma revisão do conceito, da demarcação e da política de formação de pessoal na área, identificando na experiência recente da criação dos MP um aspecto importante das relações entre a tendência da situação de saúde da população, a gestão e organização dos sistemas e serviços de saúde e a resposta das instituições de ensino da área da saúde coletiva, em nível de pós-graduação. Zulmira Hartz e Tânia Celeste situam o mestrado profissional como um elemento importante na formação de recursos humanos em saúde coletiva. Estabelecem uma ponte entre o capítulo de Moisés Goldbaum e o de Carmen Teixeira. Sua grande contribuição é situar a emergência do mestrado profissional dentro do contexto das necessárias mudanças na pós-graduação stricto sensu. Como demonstra Virginia Hortale, por meio de um olhar para as experiências internacionais, a idéia do MPl como fundamental para a formação qualificada dos quadros estratégicos e gestores para os sistemas de saúde não é nova e nem circunscrita ao Brasil. A análise da experiência de países da América do Norte, Europa e América Latina demonstra que esses cursos possuem em comum a ampliação da interface com setores não acadêmicos e, com métodos pedagógicos bastante variados, procuram responder às necessidades socialmente definidas de formação de profissionais multidisciplinares com capacidade de resolver problemas na área da saúde pública. Nos capítulos em que são relatadas e discutidas as experiências do ISC, do IMS e da Ensp encontramos a diversidade de interfaces estabelecidas com instituições que integram, direta e indiretamente, o campo da saúde coletiva, no tocante a públicos-alvo, organização dos cursos, estrutura curricular e dinâmica pedagógica. Inês Dourado, Carmen Teixeira, Estela Aquino, Lígia Vieira, Jairnilson Paim e Naomar de Almeida Filho descrevem a experiência do ISC com seus cinco cursos (um em Docência de Saúde da Família, três em Gestão de Sistemas de Saúde e um em Epidemiologia em Serviços de Saúde), situando o mestrado profissional no âmbito da vocação do programa institucional e apresentando-o como uma experiência inovadora que contribui para o aperfeiçoamento das práticas sanitárias, agregando conhecimentos ao campo da saúde coletiva. Os autores enfatizam os desafios relacionados ao tempo de duração, à oferta de conteúdos teóricos de modo condensado e intensivo, à orientação semipresencial e às características particulares dos produtos finais de conclusão. 24

25 Célia Pierantoni apresenta o curso de Mestrado Profissional em Administração de Saúde do IMS como uma formação de gestores para o SUS e identifica a sua origem na experiência acumulada pela instituição com o Curso de Especialização em Administração Hospitalar oferecido desde a segunda metade da década de 70 do século passado. Um curso que inicialmente tinha como público-alvo os médicos e depois passou a incorporar outras formações profissionais, adquirindo um perfil multidisciplinar. Para a autora, o MP responde aos processos de mudança que vêm ocorrendo tanto no mundo do trabalho como no próprio SUS. Em relação à Ensp, sua experiência é apresentada em cinco capítulos, quatro deles referentes aos quatro diferentes cursos de mestrado profissional em andamento, ou já concluídos, e um capítulo que projeta o mestrado profissional nos cenários futuros de reorganização da instituição. O MP em Gestão de Ciência & Tecnologia (C&T), que se destina à formação de gestores em ciência e tecnologia em saúde, é apresentado por seus coordenadores, Carlos Gadelha e Cristiane Quental. Os autores revelam os limites dos cursos tradicionais de pósgraduação nas áreas de administração e gestão no tratamento da interface entre C&T e saúde. Para eles, o setor exige um tipo de formação específica que seja capaz de combinar os universos da C&T, da saúde e da administração pública, provocando uma mudança cultural na instituição em que foram formados os alunos. Na segunda experiência da Ensp, Elizabeth Artmann, além de relatar o caso do MP em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde, apresenta o olhar dos alunos sobre o curso. A percepção dos alunos captada em entrevistas semi-estruturadas aprofunda temas como o alcance dos objetivos do curso, possíveis impactos/resultados atingidos, aspectos relacionados à seleção, avaliação, articulação e adequação dos conteúdos, bem como aos prazos e ao processo pedagógico. A partir do discurso coletivo dos alunos, a autora oferece sugestões para o aperfeiçoamento dos cursos de mestrado profissionalizante. O MP em Gestão da Informação e Comunicação em Saúde, coordenado por Ilara de Moraes e Miguel Murat, trata do desafio de também articular três campos de saberes, a saúde, a informação e a comunicação. A partir desse desafio, os autores demonstram como procuraram superá-los criando uma estrutura curricular e de gestão do curso que permitisse ultrapassar a lógica fragmentadora dominante. Na quarta experiência, Paulo Sabroza, Maria do Carmo Leal, Silvana Granado e Inês Matos descrevem o caso do MP em Vigilância em Saúde. Situam historicamente a vigilância e seus conceitos, de modo a contextualizar o curso e apresentá-lo como parte da necessidade de construção e consolidação de um novo projeto de saúde pública, em que devem se formar técnicas e políticas em saúde, e a contribuir para ampliar a base de inteligência do setor Saúde. 25

Apresentação. Maria do Carmo Leal Carlos Machado de Freitas (Orgs.)

Apresentação. Maria do Carmo Leal Carlos Machado de Freitas (Orgs.) Apresentação Maria do Carmo Leal Carlos Machado de Freitas (Orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado

Leia mais

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Moisés Goldbaum SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-Textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-Textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-Textuais / Páginas Iniciales SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros HARTZ, ZMA., and SILVA, LMV., orgs. Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à pratica na avaliação

Leia mais

Prefácio. Paulo Marchiori Buss

Prefácio. Paulo Marchiori Buss Prefácio Paulo Marchiori Buss SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva [online].

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro:

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros QUEIROZ, MS., and PUNTEL, MA. A endemia hansênica: uma perspectiva multidisciplinar [online]. Rio

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Apresentação. Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.)

Apresentação. Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.) Apresentação Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros PUCCINI, RF., SAMPAIO, LO., and BATISTA, NA., orgs. A formação médica

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Sobre os autores. Maria Couto Cunha (org.)

Sobre os autores. Maria Couto Cunha (org.) Sobre os autores Maria Couto Cunha (org.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CUNHA, MC., org. Gestão Educacional nos Municípios: entraves e perspectivas [online]. Salvador: EDUFBA, 2009. 366

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional A Capes abrirá, nos próximos dias, uma chamada para proposição de cursos de Mestrado Profissional, em várias áreas do conhecimento. Os requisitos

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo

Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Presidente Paulo Marchiori Buss Vice-Presidente de Ensino, Informação e Comunicação Maria do Carmo Leal EDITORA FIOCRUZ Diretora

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Apresentação. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Apresentação. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Apresentação Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz 2º Encontro de Educação a Distância para a Rd Rede de Escolas de Governo A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

Leia mais

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.)

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) Apresentação Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MENEZES, MS., and PASCHOARELLI, LC., orgs. Design e planejamento: aspectos tecnológicos

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde A formação profissional dos trabalhadores em Vigilância Epidemiológica: contribuições de uma abordagem politécnica de educação Mauro de Lima

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO EM INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Responsável: Profª

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Significado estratégico do mestrado profissionalizante na consolidação do campo da saúde coletiva

Significado estratégico do mestrado profissionalizante na consolidação do campo da saúde coletiva Significado estratégico do mestrado profissionalizante na consolidação do campo da saúde coletiva Carmen Teixeira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Conclusão. Patrícia Olga Camargo

Conclusão. Patrícia Olga Camargo Conclusão Patrícia Olga Camargo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CAMARGO, PO. A evolução recente do setor bancário no Brasil [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica,

Leia mais

Apresentação do desenvolvimento da pesquisa: métodos, ambientes e participantes

Apresentação do desenvolvimento da pesquisa: métodos, ambientes e participantes Apresentação do desenvolvimento da pesquisa: métodos, ambientes e participantes Mariângela Spotti Lopes Fujita SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FUJITA, MSL., org., et al. A indexação de livros:

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Fundação Oswaldo Cruz ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Lucia Dupret Coordenação Geral Programa de Educação a Distância Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fundação Oswaldo

Leia mais

Introdução. Maria José de Oliveira Lima

Introdução. Maria José de Oliveira Lima Introdução Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca: um estudo sob a visão do serviço social [online]. São Paulo: Editora

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

CBA. Certification in Business Administration

CBA. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SEREM EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ASSIS, SG. Traçando caminhos em uma sociedade violenta: a vida de jovens infratores e de seus irmãos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais