O CLUBE DE CIENTISTAS. Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CLUBE DE CIENTISTAS. Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática."

Transcrição

1 Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática. 1 Motivação Realização de visita a um dos seguintes locais (ver Lista de Contactos):. Centros de Ciência Viva (Lagos, Tavira ou Vila do Conde). Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva - Lisboa. Oceanário de Lisboa. Instituto de Meteorologia. Museu da Água - EPAL 2 Definição do Tema Sugestão de questões a abordar: 1. Qual a diferença entre tempo e clima? 2. Quais os critérios da bandeira azul? 3. Como se determina a qualidade de água? 1

2 Tema: O Clube dos Cientistas 3 Planificação 3.1. Objectivos. Construir equipamentos de uma Estação Meteorológica. Conhecer alguns parâmetros que são utilizados para determinar a qualidade da água 3.2. Materiais Os materiais necessários para cada uma das actividades propostas encontram-se descritos no ponto Informação de Apoio As estações meteorológicas são locais equipados com instrumentos de medição para o registo de dados de várias variáveis meteorológicas. As variáveis estudadas, para uma eficaz previsão do tempo, são: precipitação, temperatura do ar, pressão atmosférica, humidade relativa do ar, radiação e direcção e velocidade do vento. A estação meteorológica que se propõe construir nesta actividade é composta por três instrumentos:. Termómetro Digital mede a temperatura atmosférica;. Catavento (a construir) indica a direcção do vento;. Pluviómetro (a construir) mede a pluviosidade (ou precipitação). 23

3 Informação adicional sobre estações meteorológicas pode ser encontrada em:. (observação e interpretação do tempo e informação sobre clima e tempo). (exemplo de construção de catavento). (dados em tempo real sobre temperatura, humidade relativa e direcção e velocidade do vento). ( dados em tempo real sobre precipitação) A água não é apenas um líquido incolor, inodoro e sem sabor, é na realidade um químico muito activo cujas reacções são essenciais à vida. A qualidade da água dos mares, rios, lagos e lagoas influencia o uso que fazemos dessa água. A qualidade da água é definida pelos seus parâmetros físicos, químicos e biológicos. A qualidade das águas balneares é definida de acordo com os valores exigidos na directiva 76/160/CE que corresponde aos vlaores limite fixados na legislação portuguesa, Decreto-Lei nº 236/98 de 1 de Agosto (ver Anexo). Informação adicional sobre a qualidade da água das praias pode ser encontrada em:. (informação geral dirigida a crianças e jovens sobre a qualidade das praias) 3

4 3.4. Preparação Actividade 1 - Estação Meteorológica. Recolha bibliográfica sobre a actividade proposta, leitura e interpretação dos textos/imagens/material de apoio sugeridos. Formação de grupos de trabalho. Recolha do material necessário para efectuar as experiências propostas nas actividades. Actividade 2 - Determinação do grau de poluição da água. Recolha bibliográfica sobre a actividade escolhida, leitura da informação de apoio sugerida. Formação de grupos de trabalho. Escolha dos tipos de água a amostrar. Preparação da amostragem (escolha dos locais e recolha de material para a amostragem). 4 Desenvolvimento Propostas de Actividades 1. Estação Meteorológica Objectivos específicos. Indicar pelo menos três variáveis meteorológicas sem errar;. Distinguir, enunciando, os diferentes instrumentos que compõem uma estação meteorológica;. Compreender as relações existentes entre as diferentes variáveis meteorológicas. 45

5 Materiais para a Estação Meteorológica. Bússola. Termómetro Digital Catavento. 4 Pionés. Régua de 30 cm. Lima. Tesoura. Canivete. Serra manual. 2 Canetas esferográficas sem carga. Caneta de acetato. 2 Copos de iogurte (de plástico). Martelo. Cabo de vassoura. 2 Elásticos. Prego pequeno. 2 Pregos compridos (ver Figura 4). Quadrado de madeira (1 cm de espessura, 6 cm de lado). Peça de madeira (15cmx10 cmx0.3cm) Pluviómetro. Garrafas de plástico transparentes (grandes). Fitas adesivas à prova de água. Caneta de acetato Catavento Procedimento 1. Cortar com a serra 30cm do cabo de vassoura e limar as partes serradas. 2. Marcar com a caneta duas linhas paralelas numa das extremidades do cabo serrado (ver Figura 1.a) 5

6 3. Com o auxílio da serra, fazer uma ranhura de 1cm na extremidade do cabo marcado (ver Figura 1.b). Adaptado Revista de ensino de ciências Traçar duas diagonais no quadrado de madeira a lápis (ver Figura 2). 5. Colocar o tubo da caneta no centro do quadrado e marcar um círculo a lápis (ver Figura 2). Adaptado Revista de ensino de ciências Furar a madeira no círculo marcado com auxílio do canivete de modo a fixar o tubo da caneta. 7. Serrar 2.5cm de tubo de caneta e encaixar a peça no orifício criado no quadrado de madeira, de modo a aparecer tubo dos dois lados do quadrado de madeira. 67

7 8. Retirar o fundo dos copos de iogurte e cortar o cilindro em 4 partes iguais. 9. Fixar com pioneses as 4 partes iguais obtidas ao quadrado de madeira, ao longo das diagonais (pás). NOTA: Fixar cada ¼ de copo de iogurte pelo mesmo canto. (ver Figura 3). Adaptado Revista de ensino de ciências Cortar um círculo, no outro copo de iogurte, com diâmetro igual ao cabo de vassoura do outro copo de iogurte. 11. Na outra extremidade do cabo de vassoura, colocar o círculo de plástico, o quadrado de madeira com as pás e tubo e o prego grande (Figura 4). Martelar o prego de modo a fixar as peças ao cabo da vassoura. Verificar se a madeira com pás roda livremente. 12. Traçar a lápis na peça de madeira o esquema da Figura 5. Serrar a peça e limar as superfícies serradas. 13. Fixar a peça à ranhura da outra extremidade do cabo de vassoura (ver Figura 3) com um prego pequeno 7

8 (ver Figura 6). 14. Procurar o ponto de equilíbrio horizontal do catavento (Figura 7) e marcar com a caneta esse ponto. Adaptado Revista de ensino de ciências Pregar um prego grande nesse ponto. 16. Prender, com elásticos, o outro tubo da caneta ao cabo de vassoura que sobrou deixando parte do tubo acima do cabo (ver Figura 8). 17. Encaixar o prego central do catavento no tubo da caneta (ver Figura 9). Verificar se o catavento roda livremente. Adaptado Revista de ensino de ciências

9 Pluviómetro Procedimento 1. Cortar a garrafa grande em duas partes, utilizar a parte do gargalo como funil e colocá-la dentro da base (ver Figura 1). 2. Prender o funil à outra parte com a fita adesiva à prova de água (ver Figura 2). 3. Medir a quantidade máxima de água que o pluviómetro poderá receber (capacidade de precipitação). 4. Fazer uma escala de leitura do aparelho, fazendo marcações com a fita adesiva e deixando 1cm entre cada marcação (ver Figura 3). 5. Colocar o aparelho no exterior, evitando locais como: debaixo de alpendres, debaixo de árvores ou outros locais protegidos. Adaptado Revista de ensino de ciências Recolha de dados Ao longo de vários dias, observar, medir e registar: a) A direcção e sentido do vento usando o catavento; b) A altura da água acumulada no pluviómetro (e, de seguida, esvaziar o aparelho); 9

10 c) O valor da temperatura com o termómetro digital; este registo deve ocorrer, preferencialmente, sempre à mesma hora. Alternativamente, podem efectuar-se dois registos de temperatura: um de manhã cedo (cerca das 09h00) e outro cerca das 14h00. Tratamento de dados Compilar numa tabela todos os dados registados. Fazer gráficos para cada uma das variáveis medidas em função do tempo. Analisar/determinar/discutir a relação entre as grandezas medidas. Apresentar os resultados e toda a informação recolhida em posters. 2. Determinação do grau de poluição da água Objectivos específicos Os alunos deverão ser capazes de determinar parâmetros físico-químicos da água, assim como detectar se esta está ou não poluída com matéria orgânica

11 Materiais para a Determinação do grau de poluição da água. Caderno de registo. Lápis. Frascos de plástico com tampa (de preferência esterilizados) com capacidade de 500ml. Frascos de plástico com tampa (de preferência esterilizados) com capacidade de 250ml. Conta-gotas. Termómetro. Fitas de ph. Fitas de determinação de nitratos. Sabão azul e branco. Colher. Solução de permanganato de potássio 1%. Luvas de látex Procedimento 1. Recolher amostras de água de diferentes origens (e.g., água destilada, água da torneira, água da chuva, água de um poço, água do rio, água do mar). Por questões de segurança, coloque luvas de látex. Para uma correcta representatividade da amostra, devem ser recolhidas pelo menos três amostras de cada origem de água. Catalogar cada um dos frascos com uma etiqueta onde deverá escrever a data, origem da água e o número da amostra. 2. No caso da amostragem se realizar em rios ou no mar, pegar no recipiente pela base, mergulhar com o bocal para cima até ele ficar com água (a recolha deve ser 11

12 feita a cerca de 30cm de profundidade). Catalogar cada um dos frascos com uma etiqueta, onde deverá escrever a data, a origem da água e o número da amostra. 3. Colocar cerca de 200ml de água de cada uma das amostras recolhidas, em dois frascos diferentes (um será utilizado na determinação de matéria orgânica e o outro na determinação da dureza da água; a restante amostra será utilizada na determinação do ph e dos nitratos). Catalogar cada um dos frascos com uma etiqueta onde deverá escrever a data, origem da água, o número da amostra e o tipo de análise. Procedimento: Determinação da matéria orgânica 4. Adicionar a cada frasco a solução de permanganato de potássio, gota a gota, mexendo a água com a colher, após adicionar cada uma das gotas. 5. Contar o número de gotas necessárias para que a água mantenha a coloração rosa durante 20 minutos. 6. Registar os resultados. 7. Comparar o número de gotas necessárias nas diferentes amostras. Nota: Quanto mais elevado for o número de gotas de permanganato de potássio necessárias para manter a água com a coloração rosa durante 20 minutos, mais poluída está a água. O permanganato reage com a matéria orgânica existente na água, oxidando-a. Trata-se de um método limitativo, pois detecta apenas a poluição devido à presença de matéria orgânica

13 Procedimento: Determinação do ph 4. Retirar, unicamente, o número de fitas de ph necessárias para o teste e fechar imediatamente a embalagem que as contém. 5. Com o auxílio do conta gotas deitar várias gotas da amostra de água no papel indicador de ph, aguardar uns segundos e verificar com que cor ficou o indicador (não deve tocar com os dedos na zona do teste). 6. Determinar, com base na escala de cores do indicador universal o ph e anotar no caderno de campo os resultados obtidos. Procedimento: Determinação de Nitratos 4. Retirar a quantidade exacta de fitas de determinação de nitratos para o teste e fechar novamente a embalagem que as contém. 5. Deitar várias gotas de água na fita e aguarde cerca de um segundo. 6. Observar as zonas de teste da fita após um minuto. 7. Com base na cor obtida, tirar conclusões e anotar no caderno de campo os resultados obtidos. Nota: Na presença de iões nitrato o extremo da fita fica roxo-violeta, enquanto que a parte superior da fita, na presença de nitrito, fica também roxo-violeta. As fitas de teste não devem ser expostas à luz do sol nem à humidade. A sua conservação deve ser feita num local seco e frio (menos de 30ºC). 13

14 Procedimento: Determinação da Dureza da Água 4. Com uma lâmina raspe o sabão azul e branco para dentro do copo, agite e verifique se o sabão produziu espuma. 5. Tirar conclusões, sabendo que a água dura não forma espuma com sabão, mas sim um precipitado viscoso, e anotar no caderno de campo. Compilar os dados obtidos para os diferentes tipos de águas. Elaborar uma tabela com os dados das diferentes águas. Comparar os resultados com auxílio de gráficos. Organizar os dados e informação obtida em cada etapa. Elaborar os conteúdos para os posters finais. ANEXO 1 5 Sugestões de Produto Final. Posters com os resultados das actividades realizadas.. Organização de um Dia da Ciência para a exposição das actividades experimentais e dos trabalhos realizados ao longo destas actividades.. Divulgação da actividade no jornal/site da escola. 6 Avaliação Preenchimento das fichas de auto e hetero-avaliação (ver Fichas de Avaliação). Discussão/Debate sobre o projecto

15 Bibliografia Instituto da Água, Qualidade das águas balneares. Aplicação da directiva 76/160/CEE e da directiva 2006/7/CE. Relatório anual MAOTDR. Miranda, P.M.A Meteorologia e Ambiente. Universidade Aberta. Val Maddini, M.A Construa sua própria estação meteorológica. Revista de Ensino de Ciências, 6:

16 ANEXO O CLUBE DE CIENTISTAS In

17 17

18 18 19

19 19

20 20 21

21 21

22 22

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água?

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? 16 Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? E16-1 o que necessitas coador holofote com uma potência de 500 w filtros de café frasco com água salgada (do mar ou de qualquer compartimento da

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

Beja com Ciência Relatório 1. Beja com Ciência

Beja com Ciência Relatório 1. Beja com Ciência Relatório Tema: Iniciação à ciência Atividade Data Horas despendidas 27/0/4 2 28/0/4 3 Regras básicas de comportamento em laboratório. 29/0/4 Saber ler e identificar os rótulos presentes em 30/0/4 5 laboratório

Leia mais

Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas

Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Plano de Aula 24 De Março 2009 Sumário: Actividade Laboratorial 1.3: Capacidade Térmica Mássica. A aula iniciar-se á com uma breve revisão sobre o conceito de capacidade

Leia mais

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS Nome do aluno: Data:.. OBJECTIVO: - Conhecer a existência de nanomateriais naturais - Interacção da luz com os colóides -

Leia mais

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS Nota vestibular. O estudo de edifícios e de instalações, visando determinar a situação existente em relação à produção de aerossóis contaminados com legionelas, deverá

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Principal material de laboratório e a sua função Balão de Erlenmeyer/matrás Gobelé/copo Balão de fundo plano Proveta Balão volumétrico Caixa de Petri Kitasato Balão de destilação Vidro de relógio Tubos

Leia mais

1 Motivação. 2 Definição do Tema. . Visita a uma loja de vestuário de carnaval VAMOS VESTIR O MAR

1 Motivação. 2 Definição do Tema. . Visita a uma loja de vestuário de carnaval VAMOS VESTIR O MAR Disciplinas intervenientes Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa, Ciências da Natureza e História. 1 Motivação. Visita a uma loja de vestuário de carnaval ou. Visita ao Oceanário de Lisboa ou

Leia mais

Estação meteorológica artesanal: uma atividade interdisciplinar

Estação meteorológica artesanal: uma atividade interdisciplinar TÍTULO DO PROGRAMA Quanto pesa uma nuvem? SINOPSE DO PROGRAMA Uma das ciências mais comentadas no dia a dia, a Meteorologia é uma área do conhecimento que envolve a análise de dados atmosféricos, geográficos,

Leia mais

7 fornos solares ÍNDICE

7 fornos solares ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 materiais -3 orientação do forno -4 concentração da radiação e armazenamento de calor -5 avaliação de desempenho -6 experiência 1 - experiência 2-8 experiência 3-9 para

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 2º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 2º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA Luz Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online 2º CEB Introdução O Explora é uma verdadeira floresta de fenómenos naturais.

Leia mais

Sequência (Níveis) na medida de área

Sequência (Níveis) na medida de área Sequência (Níveis) na medida de área Comparação A: Decalques da mão Rectângulo e triângulo Sobreposição das mãos Unidades não Estandardizadas Unidades Estandardizadas Concreto Representacional Símbólico

Leia mais

Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura pode ser subjectivo.

Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura pode ser subjectivo. Estudo do Meio Físico-Natural I P06 - Termodinâmica 1 Objectivo Realizar várias experiências relacionadas com termodinâmica. 2 Quente ou frio? Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica 1.Que significa dizer que a capacidade térmica mássica do alumínio é 900 Jkg 1 K 1? 2.Se fornecermos a mesma quantidade de energia

Leia mais

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES TM WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES Por favor leia todo o manual de instruções antes de começar o seu projecto. O Kit Básico de Impressão por Transferência de Água: 1 x Removedor de Silicone

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

Física. CURSO Física. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

Física. CURSO Física. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2006/1 Física CURSO Física Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão ser respondidas

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Relógio de Sol. Foto do relógio solar em Alverca

Relógio de Sol. Foto do relógio solar em Alverca Relógio de Sol A ideia da construção de um relógio solar foi uma proposta que desde logo nos despertou muito interesse e curiosidade. Todos estávamos curiosos em saber se as horas solares coincidiriam

Leia mais

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso!

Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo... e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as folhas do jardim ou as plantas secas do quintal ganham vida nova através de um processo

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água?

Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água? 8 Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água? E8-1 o que necessitas sal de cozinha areia ou pedaços de calcário ou cacos pequenos de louças, de tijolos, etc. água da torneira dois copos iguais

Leia mais

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave

Como funciona uma autoclave. Introdução. Materiais Necessários. A autoclave Intro 01 Introdução A autoclave A autoclave é um aparelho muito utilizado em laboratórios de pesquisas e hospitais para a esterilização de materiais. O processo de autoclavagem consiste em manter o material

Leia mais

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas)

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas) A localização do nível do lençol freático e o conhecimento da sua variação devido às precipitações e outros agentes naturais é de extrema importância para entender a distribuição e abundancia de espécies.

Leia mais

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas.

Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. Obrigado por escolher um aparelho da gama KRUPS exclusivamente previsto para a preparação de alimentos e para uma utilização doméstica apenas. DESCRIÇÃO a Bloco motor a1 Selector electrónico de velocidade

Leia mais

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio

Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Oficina: O que acontece com as substâncias quando elas se transformam? Ciências da Natureza II/Ensino Médio Nesta oficina, abordaremos as reações químicas, com foco nas evidências de uma transformação.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION. (tradução da versão inglesa)

MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION. (tradução da versão inglesa) MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION (tradução da versão inglesa) ÍNDICE 1. Sobre este manual 2. A Almofada Starlock a. Avisos b. Componentes Importantes da Starlock c. Utilização i. A quantidade certa

Leia mais

Pequenos Ateliês de reciclagem

Pequenos Ateliês de reciclagem Av. Julius Nyerere, 6865, parcela 956, Hulene, Maputo T: (+258) 82 57 89 767 84 46 177 64. amor.mocambique@gmail.com - www.amor.co.mz Pequenos Ateliês de reciclagem Descrição: Manual de formação para ateliês

Leia mais

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Objectivo - Determinação da condutividade térmica de 5 diferentes materiais de construção. 1. Introdução O calor pode ser transferido

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO OFICINA DE FORMAÇÃO: TRABALHO PRÁTICO NA PERSPECTIVA DOS NOVOS PROGRAMAS DE FÍSICA, MATEMÁTICA E BIOLOGIA. UMA ABORDAGEM À EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores

Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase. Prova Experimental para alunos de 1 o ano. Experimento Vetores realização apoio Olimpíada Brasileira de Física 2003-3 a Fase Prova Experimental para alunos de 1 o ano Experimento Vetores Leia atentamente as instruções abaixo antes de iniciar a prova 1 Esta prova destina-se

Leia mais

OFI F C I IN I A A D E E M Ú M SI S C I A A N A A E D E UCAÇÃO I N I FA F NTI T L

OFI F C I IN I A A D E E M Ú M SI S C I A A N A A E D E UCAÇÃO I N I FA F NTI T L OFICINA DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL O som está envolto do ser humano desde a sua vida uterina. Sendo que no percurso do desenvolvimento infantil, a criança relaciona-se com o cotidiano através do sentir,

Leia mais

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Licenciatura em Fotografia, 2º ano, 2008-2009 Departamento de Fotografia Luis Pavão Escola Superior

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Engenharia Ambiental Laboratório de Física II PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Grupo Engenhetes : Amanda Pereira Beatriz Stadler Franchini Oliveira Maria Julia Battaglini Mariana Cássia Maio/2014

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO 1/5 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO Caro Cliente, Agradecemos a sua preferência pelo nosso Pavimento Par-ky com folha de madeira natural. É essencial que leia estas instruções cuidadosamente antes de iniciar

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR. João e o pé de feijão. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR. João e o pé de feijão. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR João e o pé de feijão Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Era uma vez João e o Pé de Feijão Enquadramento Curricular Preparação da visita 1ºCiclo Estudo

Leia mais

LeYa Leituras Projeto de Leitura

LeYa Leituras Projeto de Leitura LeYa Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: O ciclo da água Autoras: Cristina Quental e Mariana Magalhães Currículo das autoras: Cristina Quental é educadora infantil e alterna o trabalho na escola

Leia mais

LISTA DE MATERIAL - 2014 Ensino Fundamental I 1º ano

LISTA DE MATERIAL - 2014 Ensino Fundamental I 1º ano LISTA DE MATERIAL - 2014 Ensino Fundamental I 1º ano 01 caderno de capa dura brochura pequeno -100 folhas (para português/matemática) 01 caderno de capa dura brochura pequeno 100 folhas (para atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET ORGANIZAÇÃO: Antes de começar a trabalhar é necessário um mínimo de organização. Pode-se nomear uma comissão para coordenar os trabalhos, distribuir

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

IMPRESSA J7 Resumo das informações mais importantes

IMPRESSA J7 Resumo das informações mais importantes IMPRSSA J7 Resumo das informações mais importantes O Manual de instruções IMPRSSA J7, em conjunto com este manual breve IMPRSSA J7 Resumo das informações mais importantes, recebeu a aprovação do instituto

Leia mais

Como os seres vivos modificam o ambiente?

Como os seres vivos modificam o ambiente? Como os seres vivos modificam o ambiente? O ar e a água possibilitam a integração dos seres vivos na dinâmica planetária. Por que a parede do copo com água fria fica molhada? Será? Toda matéria é constituída

Leia mais

Termómetro de Máxima e de Mínima

Termómetro de Máxima e de Mínima Abrigo O Abrigo da estação Agro-meteorológica da Escola Secundária de Cinfães encontrase a uma altura de 1,5 metros e é construído por ripas de madeira branca, que permitem uma ventilação natural e ao

Leia mais

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011

1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 1 Alteração das imagens do aparelho Kaue 11-08-2011 2 Alteração na capacidade do reservat rio, de 1600ml para 1400ml Kaue 20-09-2011 07/11 719-09-05 775788 REV.2 Vapor Tapete Clean 719-09-05 2 Parabéns

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

4. PALAVRAS-CHAVE Tempo;,relógio, horas, construção, amizade, cooperação.

4. PALAVRAS-CHAVE Tempo;,relógio, horas, construção, amizade, cooperação. DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO TRABALHADO O Relógio 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Alguns animais que são amigos brincam juntos e, nessas

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro Tópico: A água Objetivos: i) identificação dos diferentes tipos de uso dos recursos hídricos e seu impacto ambiental, econômico e social ii) Ciclo

Leia mais

Unidade 2 Água: substância vital

Unidade 2 Água: substância vital Sugestões de atividades Unidade 2 Água: substância vital 6 CIÊNCIAS Estados físicos da água 1. Como ocorre o processo de formação das nuvens? 2. A água pode ser encontrada nos diferentes estados físicos

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 03/2010

Recomendação ERSAR n.º 03/2010 Recomendação ERSAR n.º 03/2010 PROCEDIMENTO PARA A COLHEITA DE AMOSTRAS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO (Substitui a Recomendação IRAR n.º 08/2005) Considerando que: O procedimento

Leia mais

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano Geometria Sólidos geométricos e volumes Prisma, pirâmide, cilindro, cone e esfera Planificação e construção de modelos de sólidos geométricos Volume do cubo, do paralelepípedo e do cilindro Unidades de

Leia mais

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de:

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 3 Água como solvente Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar as propriedades físicas da água. Descrever a composição química da água. Material de apoio

Leia mais

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4 TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Relações entre unidades de energia W = F r 1 TEP = 4,18 10 10 J Energia P= t 1 kw.h = 3,6 10 6 J Q = mc θ P = U i

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

Cal Altamente Expansivo para Demolições. O que é

Cal Altamente Expansivo para Demolições. O que é Cal Altamente Expansivo para Demolições O que é O DEMOX é uma argamassa muito expansiva para demolição, corte de rochas e concreto. O DEMOX age em função da dilatação de seu volume, exercendo nas paredes

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A MÁQUINA DE LAVAR LOIÇA/LIGAÇÕES CUIDADOS E SUGESTÕES GERAIS COMO ENCHER O DEPÓSITO DO SAL COMO ENCHER O DISTRIBUIDOR DO ABRILHANTADOR COMO ENCHER O DISTRIBUIDOR

Leia mais

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded.

Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em cortiça WRT; UV; PU Pre finished and sanded. Regras para instalação de pavimentos colados WICANDERS com a base em PVC HPS and Vinilcomfort.

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores.

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores. Disco de Newton As ondas de luz colorida misturam-se para produzir a luz branca. Cartolina Tesoura Régua Marcadores Motor de um brinquedo ou palito de espetadas Suporte universal Recorta um círculo de

Leia mais

IMPRESSA Z5 Generation II Resumo das informações mais importantes

IMPRESSA Z5 Generation II Resumo das informações mais importantes IMPRSSA Z5 Generation II Resumo das informações mais importantes O»Manual da IMPRSSA«, em conjunto com este manual breve»imprssa Z5 resumo das informações mais importantes«, recebeu a aprovação do instituto

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

GO solar 30 Experiências com Energia Solar

GO solar 30 Experiências com Energia Solar GO solar 30 Experiências com Energia Solar 1ª Que quantidade de calor recebes no teu quarto através do sol? - termómetro - espelho - cartão Nota: o espelho que vem no kit é protegido com uma fina cobertura

Leia mais

COLÉGIO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS EDUCAR É SAGRADO. Avenida Vila Rica nº 587 - Bairro: Inconfidentes Contagem MG www.colegiosagradocoracao.

COLÉGIO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS EDUCAR É SAGRADO. Avenida Vila Rica nº 587 - Bairro: Inconfidentes Contagem MG www.colegiosagradocoracao. 1º ANO 08 CADERNOS GRANDES CAPA DURA, COM PAUTA (NUMERADO E MARGEADO 1/2/3) PARA AS DISCIPLINAS PORTUGUÊS, MATEMÁTICA, CIÊNCIAS, HISTÓRIA/GEOGRAFIA, GRUPOS ORTOGRÁFICOS, INGLÊS/CIDADANIA, PRODUÇÃO DE TEXTOS/BIBLIOTECA

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Kit de Montagem de Mastro

Kit de Montagem de Mastro Parabéns pela aquisição do seu novo kit de montagem de mastro! Kit de Montagem de Mastro Manual de Instalação Este kit de montagem de mastro foi concebido para postes com 48 milímetros de diâmetro externo

Leia mais

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto.

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto. Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.209 Versão nº 1 SikaFuko Eco-1 Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição do produto Tubo de

Leia mais

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.)

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) O microscópio ótico composto (M.O.C.) é um instrumento usado para ampliar, com uma série de lentes, estruturas pequenas impossíveis de visualizar a olho

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Química SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 27/11/2003 Objectivo do Trabalho O objectivo

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão Estações do Ano Procedimentos com ArteVerão Faixas de Verão (3º Dia) Leia o livro da turma No Verão. Discuta brevemente as coisas que acontecem no verão. Depois distribua folhas de papel branco para que

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios.

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. OBJETIVOS Verificar a existência de larvas do mexilhão-dourado na água. Verificar a presença de mexilhões-dourados adultos

Leia mais

Unidade de disco rígido (com suporte de montagem) Manual de Instruções

Unidade de disco rígido (com suporte de montagem) Manual de Instruções Unidade de disco rígido (com suporte de montagem) Manual de Instruções CECH-ZHD1 7020228 Hardware compativel Sistema PlayStation 3 (série CECH-400x) Advertência Para garantir a utilização segura deste

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 e 4 Material utilizado e procedimentos efectuados nas experiências

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Projecto Ciências Experimentais 2

Projecto Ciências Experimentais 2 Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que as rodeia. Cabe à escola valorizar, reforçar, ampliar e iniciar a sistematização

Leia mais

LISTA DE MATERIAL (2 e 3 ANOS)

LISTA DE MATERIAL (2 e 3 ANOS) LISTA DE MATERIAL (2 e 3 ANOS) PAPELARIA 50 Folhas de sulfite A3 2 folhas de papel Paraná 1 Pacote de bexiga nº 7 1 Bloco de canson A4 branco 2 Folhas de papel de presente (tema infantil) 1 Rolo de fitilho

Leia mais