CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3"

Transcrição

1 PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E MUNDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA COMPONENTE II Compreensão da base de recursos naturais da bacia do Rio Amazonas Subprojeto II.1 Pesquisa focalizada Atividade II.1.3 Caracterização da Carga de Sedimentos dos Rios Madeira e Solimões/Amazonas Relatório Parcial CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3 Manaus Brasil

2 PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E A MUDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA Atividade II.1.3 Caracterização da Carga de Sedimentos dos Rios Madeira e Solimões/Amazonas Relatório do Produto CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3. Coordenação da Atividade Norbert Fenzl Consultor Naziano P. Filizola Jr. Novembro 2014

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA GERADO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ETAPA 1: Sistematização dos dados de campanhas e séries históricas Gráficos: cota, vazão e sedimentos em suspensão Figuras: medição de vazão Mapas: qualidade da água (PENDENTE) ETAPA 2: Compilação dos dados e montagem de um modelo de base RESULTADOS GRÁFICOS MEDIÇÃO DE VAZÃO COM ADCP CONSIDERAÇÕES... 14

4 CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II INTRODUÇÃO O presente documento constitui-se no PRODUTO 1 no escopo dentre aqueles programados para a construção e apresentação da base de dados da Atividade II.1.3. Caracterização da Carga de Sedimentos dos Rios Madeira e Solimões/Amazonas, no escopo da Componente II: Compreensão da base de recursos naturais da bacia do Rio Amazonas, do Subprojeto II.1 Pesquisa focalizada, do PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E MUNDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA. De acordo com os documentos já produzidos sobre as campanhas realizadas nos dois grandes sistemas fluviais objetos de estudo da atividade em pauta, ou seja: Solimões/Amazonas e Madeira/Amazonas se faz necessário sistematizar em uma única base de dados os resultados já produzidos. Os dois sistemas fluviais foram amostrados através de campanhas de campo realizadas de carro e/ou de barco. Nestas campanhas foram realizadas medições de vazão com um Perfilador de Corrente Doppler-Acústico (ADCP) e coleta de água e sedimentos utilizando sempre que possível amostradores para coleta em superfície e em profundidade. Estes procedimentos exigem em sua etapa complementar um sistema para arquivamento eletrônico de dados que possibilite em ambiente computacional processar e analisar os dados resultantes dos procedimentos de coleta e análise de água e sedimentos. 2. OBJETIVO Confeccionar uma base de dados em Software especialista e em plataforma de Sistema de Informações Geográficas (SIG) ou assemelhada no contexto do Projeto Gerenciamento Integrado e Sustentável dos Recursos Hídricos Transfronteiriços na Bacia Hidrográfica Amazônica Considerando a Variabilidade e a Mudança climática (OTCA/GEF/UNEP GEFAM) - Subprojeto/Atividade de Caracterização da Carga de Sedimentos dos Rios Madeira e Solimões/Amazonas, bem como possibilitar a consulta por outros especialistas que participem do mesmo projeto. 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA GERADO O referido sistema irá possibilitar a realização de análises espaciais, estatísticas e de visualização 1D e 2D. Assim serão possíveis obter saídas gráficas e em mapa, bem como em forma de tabelas. Os produtos gerados por esta base servirão à construção de mapas temáticos em ambiente de computador visando o desenvolvimento das tarefas que são partes dos produtos previstos na atividade em pauta.

5 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A confecção da base de dados foi divida em três momentos, sendo que as etapas 1 e 2 já se encontram finalizadas, exceto para as representações de qualidade da água. Na Etapa 01 foi realizado uma reunião dos dados coletados nas campanhas (Solimões-Amazonas e Madeira-Amazonas) e dados de referências pré-existentes em montagem da base de metadados. Na Etapa 02 foi feito a compilação dos dados e montagem de um modelo da base a ser utilizada (HYDRACCESS e SIG). Por último, na Etapa 03 será preparado o sistema para recepção dos dados e inserção destes na base. O desenvolvimento das atividades está representado no fluxograma abaixo (Figura 01). Figura 1 Fluxograma do processo de confecção da Base de Dados. 4.1 ETAPA 1: Sistematização dos dados de campanhas e séries históricas A Atividade II.1.3 realizou duas campanhas. A primeira de fevereiro a abril de 2013 no Rio Solimões-Amazonas no trecho que compreende as estações de Tabatinga à Santarém. A segunda em outubro de 2013 nos Rios Madeira e Amazonas no trecho das estações de Porto Velho à Santarém. Ao todo foram 12 estações visitadas na primeira campanha e 10 estações na segunda. Foram coletados dados de cota, vazão líquida (ADCP), sedimentos em suspensão e qualidade da água. Para o conjunto de dados foi produzido um pacote de gráficos, figuras e mapas para compor o banco de dados e representar os valores de forma estatística e especial Gráficos: cota, vazão e sedimentos em suspensão Para cada estação visitada foi resgatada sua série histórica no período de 30 anos ou no máximo de tempo coletado para cada parâmetro analisado. Os dados históricos foram extraídos do banco de dados da Agência Nacional de Água (hidroweb.ana.gov.br/) e do Observatório HYBAM (

6 É importante lembrar que nem todas as estações possuem dados históricos para todos os parâmetros analisados. Além disso, os parâmetros de qualidade da água não possuem, em nenhuma estação, uma séria histórica passível de realização de médias diárias ou mensais como pode ser feito com os demais dados, por isso sua ausência nos registros. PARÂMETROS COTA VAZÃO SEDIMENTOS EM SUSPENSÃO ESTAÇÕES PERIODO DE COLETA NÚMERO DE DADOS Tabatinga São Paulo de Olivença Santo Antônio do Iça Fonte Boa Tefé Itapeuá Manacapuru Careiro Jatuarana Itacoatiara Óbidos Santarém Porto Velho Humaitá Manicoré Fazenda Vista Alegre Borba Tabatinga São Paulo de Olivença Santo Antônio do Iça Itapeuá Manacapuru Careiro Jatuarana Itacoatiara Óbidos Porto Velho Humaitá Manicoré Fazenda Vista Alegre Tabatinga Manacapuru Óbidos Porto Velho Fazenda Vista Alegre UNIDADE Quadro 1 Quantitativo de dados de séria histórica reunidos para as estações estudadas por período de tempo e número de dados. DIA DIA MÊS

7 A quadro acima sintetiza o conjunto de resultados adquiridos nessa etapa tendo 17 estações com dados de cota, 12 estações com dados de vazão e 5 estações com dados de sedimentos em suspensão no total foram produzidos 34 gráficos Figuras: medição de vazão Os dados de medição de vazão foram processados pelo software WinRiver II, onde foi escolhido a melhor medição para cada estação e unido em uma única figura os gráficos de velocidade da água, retorno do eco e deslocamento da embarcação. Apenas a estação de Santarém não possui esse dado, pois não foi realizado medições de vazão em nenhum das duas campanhas (Figura 02). Figura 2 Software WinRiver II. A figura 02 mostra o processo de seleção das medições, a que apresentar menor ruindo e a melhor conformidade na representação dos dados é selecionada. O quadro abaixo sintetiza o número de medições realizadas por campanha para cada estação. Foram feitas 69 medições na campanha Solimões-Amazonas e 67 na campanha Madeira-Amazonas totalizando 136 medições com ADCP. CAMPANHA ESTAÇÃO N o. DE MEDIÇÕES SUBTOTAL TOTAL Tabatinga 13 São Paulo de Olivença 06 Santo Antônio do Iça 04 Fonte Boa 06 Solimões-Amazonas Tefé Itapeuá 04 Manacapuru 04 Careiro 04 Jatuarana 04

8 Itacoatiara 06 Óbidos 14 Porto Velho 03 Humaitá 06 Manicoré 07 Madeira-Amazonas Fazenda Vista Alegre Borba 02 Itacoatiara 05 Óbidos 39 Quadro 2 Quantitativo de medições de vazão com ADCP realizadas nas duas campanhas Mapas: qualidade da água (PENDENTE) Os dados de qualidade da água como dito anteriormente não possuem, em nenhuma estação, uma séria histórica passível de realização de médias diárias ou mensais como pode ser feito com os demais dados. Deste modo, a representação escolhida foi à espacialização dos dados das campanhas em mapas temáticos divididos pelos grupos analisados. Ao todo serão 8 mapas para a campanha Solimões-Amazonas e 7 para a campanha Madeira-Amazonas, totalizando 15 mapas. PARÂMETRO AMOSTRAS DE ÁGUA SOLIMÕES- AMAZONAS MADEIRA- AMAZONAS SEDIMENTO DE FUNDO SOLIMÕES- AMAZONAS MADEIRA- AMAZONAS Condutividade Elétrica X X - - ph X X - - Turbidez X X - - DQO X X - - Sedimentos em X X - - Suspensão - TSS Anions NA X - - Metais X NA X NA Quadro 3 Demonstrativo de existência ou não dos parâmetros analisados por campanha e por tipo de amostra. Sendo (X) parâmetro analisado, (NA) parâmetro não analisado e (-) parâmetro não incluído na lista de elementos a serem analisados por sedimento de fundo de leito. O quadro 03 apresenta o demonstrativo dos parâmetros que serão espacializados em mapas temáticos. Vale ressaltar que esses não foram os únicos dados coletados quanto à qualidade da água. Exceto profundidade e temperatura que possuíam dados e não serão incluídos na análise os demais parâmetros tanto aqueles analisados por amostra de água quanto por sedimento de fundo de leito apresentaram valores abaixo do limite de detecção (<LD) ou não foram analisados (NA) tanto na campanha Solimões-Amazonas quanto na campanha Madeira-Amazonas, cenário esse que também se repetirá para os parâmetros que serão espacializados.

9 4.1 ETAPA 2: Compilação dos dados e montagem de um modelo de base Após concluída a etapa de sistematização dos dados coletados nas campanhas e series históricas das estações estudadas os arquivos foram armazenados no software Hydraccess 4.5. Esse sistema foi desenvolvido pelo instituto francês IRD e pode ser feito download do seu arquivo de instalação pelo site o ORE-HYBAM. Sua vantagem se dá pelo fato de ser gratuito e por armazenar dados hidrológicos nos padrões utilizados internacionalmente o que garante a fácil consulta por outros especialistas. Ele funciona como uma biblioteca onde o usuário alimenta os dados que lhe tem interesse, nesse caso foi criado um arquivo onde estão gravados todos os metadados utilizados no trabalho, exceto arquivos shape. Figura 3 Hydraccess, demonstrativo de arquivos de cota. A figura 03 mostra o armazenamento dos dados de cota no Hydraccess tendo como exemplo a estação de Óbidos. Em destaque (cor verde) está o valor de cota no dia em que foi realizado atividades na estação durante a campanha Solimões-Amazonas (04/04/2013). Figura 4 Hydraccess, demonstrativo de sistemas de donwload de arquivos.

10 A figura 04, tendo também como exemplo os valores de cota para estação de Óbidos demonstra as possibilidades de download dos arquivos armazenados no Hydraccess. O sistema identifica o período existente de dados para a estação e dá possibilidade de personalizar um período de saída do arquivo igual ou melhor do que a séria histórica armazenada assim como escolher o mês de inicio do ano. Além disso, é possível escolher como será representado os dados (diários, mensais, anuais). Figura 5 Planilha de saída do Hydraccess dos arquivos de cota diárias interanuais. A figura 05 é a planilha em formato xls com os dados diárias interanuais de cotas da estação de Óbidos, em destaque (em amarelo) está o valor de cota no dia em que foi realizado atividades na estação durante a campanha Solimões-Amazonas (04/04/2013). 5. RESULTADOS Após a sistematização dos dados na plataforma Hydracess foi produzido os gráficos de cota, vazão e vazão e sedimentos em suspensão, além dos gráficos de medição de vazão com ACDP. Esse conjunto de imagens será visualizado em uma plataforma Google Earth a ser produzida. 5.1 GRÁFICOS Os gráficos de cota foram produzidos para todas as estações estudadas nas campanhas Solimões-Amazonas e Madeira-Amazonas. As cotas são médias diárias interanuais com valores de máximas (linha verde), médias (linha amarela) e mínimas (linha vermelha) e os valores das cotas no dia (pontos azul e vermelho) em que foram coletados os dados nas duas campanhas (no caso das estações de Itacoatiara, Óbidos e Santarém que tiveram dados coletados nas duas campanhas).

11 A exemplo do gráfico da estação de Óbidos (Figura 08) a estrutura está estabelecida da seguinte maneira: No título é indicado o nome da estação com seu código de identificação nacional, o dado representado, no caso cota e o período de análise dos dados. Buscou-se trabalhar com uma análise temporal de 30 anos ( ), contudo nem todas as estações possuem uma série história com esse período de tempo, sendo utilizado o período máximo que havia de registro. Além disso, há estações que não possuem dados registrados na ANA ou no ORE-HYBAM para o ano de 2013, sendo utilizado o período de tempo de 30 anos que havia disponível. No eixo x estão os dias do ano iniciando em 01 de janeiro e finalizado em 31 de dezembro. No eixo y os valores da cota em centímetros, lembrando que estes valores são de referencial arbitrário e não uma elevação quanto ao nível do mar. Na legenda além de indicar a campanha no qual o ponto esta representado é informado também os dias em que foram realizadas as atividades na estação. Figura 6 Gráfico de cotas médias diárias interanuais da estação de Óbidos com médias, máximas e mínimas e os valores indicados para os dias em que foram coletados dados nas duas campanhas. O gráfico de vazão líquida apresenta valores diários médios interanuais (linha verde) e o valor de vazão para o dia em que foi coletado os dados das campanhas (pontos azul e vermelho). A exemplo da estação de São Paulo de Olivença (Figura 09) a estrutura está estabelecida da seguinte maneira. No título é indicado o nome da estação com seu código de identificação nacional, o dado representado, no caso vazão, e o período de coleta dos dados. Assim, como com os valores de cota buscou-se uma série temporal de 30 anos, nos casos em que não foi possível foi utilizado o período máximo de registro. No eixo x estão os dias do ano iniciando em 01 de janeiro e finalizando em 31 de dezembro. No eixo y os valores de vazão em m 3 s -1. Na legenda além de indicar a campanha

12 no qual ponto está representando é informado também o dia em que foram realizadas as atividades na estação. Figura 7 Gráfico de vazão média diária interanual da estação de São Paulo de Olivença com o valor registrado para o dia em que foram realizadas coletas de dados na campanha Solimões-Amazoans. Nas estações de Tabatinga, Manacapuru, Óbidos, Porto Velho e Fazenda Vista Alegre foi feito um gráfico conjunto unindo os valores de vazão (linha azul) e sedimentos em suspensão/tss (linha amarela). A exemplo da estação de Manacapuru (Figura 10) a estrutura está estabelecida da seguinte maneira. No título é indicado o nome da estação com seu código de identificação nacional, dados representados, no caso vazão e sedimentos em suspensão (TSS). Nos dados de vazão buscou-se uma séria histórica de 30 anos e como nessas estações os dados de sedimentos em suspensão não possuem esse período de tempo foi utilizado o período máximo de registro. No eixo x estão os meses do ano iniciando em janeiro e finalizando em dezembro. No eixo y à direita os valores de sedimentos em suspensão em mg/l e à esquerda os valores de vazão em m 3s-1. Na legenda além de indicar a campanha no qual o ponto está representando é informado também o dia em que foram realizadas as atividades na estação.

13 Figura 8 Gráfico de vazão média mensal interanual e sedimentos em suspensão (TSS) média mensal interanual da estação de Manacapuru com valor registrado de vazão e TSS para o dia em que foram realizadas coletas de dados na campanha Solimões-Amazonas. 5.2 MEDIÇÃO DE VAZÃO COM ADCP Para cada estação foram realiadas em média 6 medições de vazão com ADCP, destas foi selecionada a melhor medição para representar os valores da estação. Somente a estação de Santarém não teve medições e assim como os demais dados as estações de Itacoatiara e Óbidos possuem medições para as duas campanhas. A exemplo da estação de Óbidos (Figura 11) a estrutura está estabelecida da seguinte maneira. No título é indicado o nome da estação com seu código de identificação nacional, dado representado, no cado medição de vazão por ADCP e a qual campanha se refere a medição. Foram selecionados três gráficos para compôr o conjunto de informações por estação. O primeiro é a velocidade da água em m/s tendo como eixo x o número de vertices e o eixo y a profundidade do canal em metros. O segundo é o retorno do eco em db tendo como eixo x o númeor de vertices e o eixo y a profundidade do canal em metros. O terceiro é o deslocamento da embarcação tendo como eixo x é a distância leste em metros e o eixo y a distância norte em metros.

14 Figura 9 Gráficos de velocidade, retorno do eco e deslocamento do barco da medição de vazão da estação de Óbidos da campanha Madeira-Amazonas. 6. CONSIDERAÇÕES O presente relatório constitui o produto 1 da atividade em pauta e relata a sistematização e inserção dos dados na plataforma Hydraccess e a produção de gráficos e imagens que serão visualizados em uma plataforma Google Earth a ser produzida. As etapas seguintes serão: (I) criação e alimentação dessa plataforma; (II) armazenamento em nuvem de todo o banco de dados por meio do Google Drive e Google Fotos; (III) produção dos mapas de qualidade da água e (IV) criação de animações para representações dos dados de vazão nas duas bacias para dois anos extremos um de cheia e outro de seca. Manaus, 10 de outubro de Thiago Pimentel Marinho Consultor

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Hidrologia e Geoquímica da Bacia Amazônica EXPERIÊNCIA DA COOPERAÇÃO FRANÇA BRASIL NA PESQUISA HIDROLÓGICA DA BACIA AMAZÔNICA (RETROSPECTIVA 33 ANOS)

Hidrologia e Geoquímica da Bacia Amazônica EXPERIÊNCIA DA COOPERAÇÃO FRANÇA BRASIL NA PESQUISA HIDROLÓGICA DA BACIA AMAZÔNICA (RETROSPECTIVA 33 ANOS) Hidrologia e Geoquímica da Bacia Amazônica EXPERIÊNCIA DA COOPERAÇÃO FRANÇA BRASIL NA PESQUISA HIDROLÓGICA DA BACIA AMAZÔNICA (RETROSPECTIVA 33 ANOS) DNAEE ORSTON HIDROLOGIA S/A CNEC Hidrologia e Geoquímica

Leia mais

Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR

Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR DNAEE - CGRH / CNPq ORSTOM HiBAm : Hidrologia da Bacia Amazônica Campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) no rio Paraná em Foz de Iguaçu - PR Abril de 1995 Foto Rio Paraná em Foz de Iguaçu (Estação

Leia mais

MEG-HIBAM - Ferramentas

MEG-HIBAM - Ferramentas MEG-HIBAM - Ferramentas Qualidade da água GETMODIS : gerenciamento de uma base de dados de imagens MODIS para os locais estudados e das máscaras de extração da reflectância, um autômato atualiza a base

Leia mais

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007 Projeto 155 : Recuperação do pavimento BR-364, BR-317 e BR-319 E6 Rodoviária LOCALIZAÇÃO*: Humaitá - AM a Sena Madureira - AC INTERVENÇÃO: Adequação Categoria: Recuperação do Pavimento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

PROJETO MONITORAMENTO ESPACIAL HIDROLÓGICO EM GRANDE BACIAS MEG-HIBAM. Fase II : 2012-2015

PROJETO MONITORAMENTO ESPACIAL HIDROLÓGICO EM GRANDE BACIAS MEG-HIBAM. Fase II : 2012-2015 PROJETO MONITORAMENTO ESPACIAL HIDROLÓGICO EM GRANDE BACIAS MEG-HIBAM Fase II : 2012-2015 Contexto O alto custo envolvido na instalação e na manutenção de redes hidrométricas dificulta um nível de monitoramento

Leia mais

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite HidroSat João Carlos Carvalho Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Brasília, 18/08/2015 Estrutura da Apresentação Introdução Arquitetura

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA

MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA Monitoramento Telemétrico Hidrológico www.grupoconstruserv.eng.br (44) 3026 6844 GUIA DO SISTEMA DE MONITORAMENTO Acesso Para acessar o sistema é fácil: basta ter acesso à

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1 Página 1 Sismar Software O SISMAR, sistema de monitoramento de manobras de navios com dados ambientais integrados, tem objetivo de monitorar os processos de atracação, desatracação e ainda fornecer informações

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados

Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados Tópicos de Estatística Espacial Visualização de Dados Anderson Castro Soares de Oliveira Visualização de Dados Espaciais Visualizar os dados é uma primeira ferramenta descritiva para gerar hipóteses ao

Leia mais

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios Introdução Geral Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações Relatórios Deslocamentos e paradas Velocidade Telemetria Acessos Falhas de comunicação Cadastro Cliente Subcliente

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2015 Boletim Nº. 31 14/08/2015 Boletim de acompanhamento - 2015 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a figura 01 e as tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (IG-UnB): parceiro do projeto desde 1997, para estudos de Geoquímica e de Sensoreamento Remoto;

Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (IG-UnB): parceiro do projeto desde 1997, para estudos de Geoquímica e de Sensoreamento Remoto; Relatório de Missão dos pesquisadores franceses do Programa HiBAm Campanha de medição nos rios Madeira e Amazonas 24/02/2002 17/03/2002 (Manaus Manacapuru - Porto Velho Itacoatiara - Obidos) Pascal Kosuth

Leia mais

LIVRO ILUSTRADO PROJETO PIAVA

LIVRO ILUSTRADO PROJETO PIAVA LIVRO ILUSTRADO COM RESULTADOS DO PROJETO PIAVA PROPOSTA EDITORIAL O livro vai apresentar um balanço dos dois anos de atividades do Projeto Piava - construção de uma política sustentável de uso da água

Leia mais

Modelos. Agronave 30. Agronave 31. Agronave 32. O software de salvamento de área pode ser instalado em qualquer Agronave de tela colorida.

Modelos. Agronave 30. Agronave 31. Agronave 32. O software de salvamento de área pode ser instalado em qualquer Agronave de tela colorida. Salvamento de Área Modelos O software de salvamento de área pode ser instalado em qualquer Agronave de tela colorida. Agronave 30 GPS Agronave 31 GPS Controle de Seção Agronave 32 GPS Controle de Seção

Leia mais

HiBAm Hidrologia da Bacia Amazônica

HiBAm Hidrologia da Bacia Amazônica DNAEE - CGRH PEGI Grands bassins fluviaux ORSTOM HiBAm Hidrologia da Bacia Amazônica Segunda campanha de medições de vazão (com uso do ADCP) e amostragem de água e sedimentos nos rios Negro e Amazonas

Leia mais

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/ IPEAMAPAS Disponibilização de forma espacializada dos dados publicados pelo IPEA; Permite interatividade com outros dados disponíveis (infraestrutura, assistência social, saúde, educação, cultura e dados

Leia mais

Manual do usuário. Mobile View - ios

Manual do usuário. Mobile View - ios Manual do usuário Mobile View - ios Mobile View - ios Versão 1.0 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a instalação,

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos

Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos ANA - Agência Nacional de Águas SGI Superintendência de Gestão da Informação Maurício Cezar Rebello Cordeiro Objetivos do SNIRH (Lei 9433/97) Reunir,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Novo site Internet do ORE-HYBAM

Novo site Internet do ORE-HYBAM Nuevo sitio web del ORE-HYBAM Gérard Cochonneau (LMTG/ANA Brasilia) Situação atual : Situación actual: -site do projeto HYBAM www.mpl.ird.fr/hybam (conteúdo parcialmente desatualizado); sitio del ORE HYBAM

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Player

Manual do usuário. Mobile Player Manual do usuário Mobile Player Mobile Player Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação e traz

Leia mais

Manual Site do ObservaPOA

Manual Site do ObservaPOA Manual Site do ObservaPOA Este manual tem como finalidade auxiliar no manuseio do site do Observatório da Cidade de Porto Alegre. O site disponibiliza informações sobre a cidade de Porto Alegre privilegiando

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL

MANUAL DE ACESSO AO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL MANUAL DE ACESSO AO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL Segunda versão: 29 de maio de 2015 Elaboração INSTITUTO PRISTINO institutopristino.org.br Apoio 1- SOBRE O MANUAL Este manual foi elaborado pela equipe técnica

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

CPRM Serviço Geológico do Brasil

CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Ministério de Minas e Energia MISSÃO Gerar e difundir o conhecimento geológico e hidrológico básico para o desenvolvimento

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

ATIVIDADES DE CAMPO PARA COLETA DE DADOS

ATIVIDADES DE CAMPO PARA COLETA DE DADOS Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN Paulo Jarbas Camurça 1, Robson Franklin Vieira Silva 2, Mosefran Barbosa Macedo Firmino 2, 3, Eduardo Sávio Passos Rodrigues Martins

Leia mais

Portal do Documento Eletrônico Seguro

Portal do Documento Eletrônico Seguro Página1 s-doc Portal do Documento Eletrônico Seguro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é s-doc... 03 2. Instalação Plugin Assinatura... 04 3. Instalação Silverlight...

Leia mais

Módulo SAC Atendimento ao Cliente

Módulo SAC Atendimento ao Cliente Módulo SAC Atendimento ao Cliente Objetivo O Módulo SAC ou Serviço de Atendimento ao Cliente é uma ferramenta que gerencia, cria e administra informações num canal de comunicação informatizado entre a

Leia mais

O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br

O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br Manual do Usuário - SIPIRAHIBA Acessando o SIPIRAHIBA O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br Visando o melhor aproveitamento da tecnologia

Leia mais

Guia de usuário Auvo @

Guia de usuário Auvo @ Guia de usuário Auvo @ Sobre a Auvo O Auvo é um serviço gratuito que comunica todas as pessoas de sua empresa em todas as plataformas (desktop, web e mobile) de maneira muito fácil. Além disso nós ajudamos

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Nilzo Renê Fumes 1 ; Carlos Toshio Wada 2 Resumo - O desenvolvimento do visualizador do Sistema de Suporte a Decisões da Sabesp

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Agência Nacional de Águas e as redes sociais

Agência Nacional de Águas e as redes sociais Agência Nacional de Águas e as redes sociais Sobre a ANA A Agência Nacional de Águas (ANA) foi criada em 17 de julho de 2000 para ser a instituição federal de implementação da Política Nacional de Recursos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica Tutorial de Aplicações do geoprocessamento em Sistema de Informação Geográfica livre Elaborado por: ¹Loide Angelini Sobrinha; ²Leandro Guimarães Bais Martins; ³João Luiz Boccia Brandão ¹ ²Engenheiro(a)

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES COMMUNICATIONS MANAGEMENT PLAN Preparado por Tarcísio Viana Tavares Membro do time Versão 2 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do

Leia mais

TUTORIAL TRACKER PIBID Walfredo v1-2.docx

TUTORIAL TRACKER PIBID Walfredo v1-2.docx TUTORIAL TRACKER O Tracker é um software gratuito que nos auxilia a analisar conceitos da Física através do vídeo. Esse programa confecciona rapidamente gráficos a partir de dados obtidos nos vídeos e

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Programa HiBAm / Relatorio da Campanha Solimões-Amazonas Nov-Dez 2001. Relatorio de Missão dos pesquisadores francêses do Programa HiBAm

Programa HiBAm / Relatorio da Campanha Solimões-Amazonas Nov-Dez 2001. Relatorio de Missão dos pesquisadores francêses do Programa HiBAm Relatorio de Missão dos pesquisadores francêses do Programa HiBAm Campanha de medição no rio Amazonas 14/11/2001 12/12/2001 (Tabatinga Manacapuru Manaus - Vista Alegre Obidos - Santarem) Pascal Kosuth,

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Este artigo apresenta os primeiros resultados do desenvolvimento

Leia mais

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil O Controle Digital da Geometria dos Cordões de Solda é a mais moderna e eficaz maneira de avaliar a qualidade

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Manual Completo Acesso Via Nuvem 7204/7208/7216C

Manual Completo Acesso Via Nuvem 7204/7208/7216C Manual Completo Acesso Via Nuvem 7204/7208/7216C 1 1º Passo Preparando o DVR Para isso vamos colocar o DVR na rede para ter acesso a Internet, com isso plug o cabo de rede no equipamento e verifique se

Leia mais

SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1

SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1 SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1 SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 SIGA-CEIVAP... 3 2. FUNCIONALIDADES COMUNS AOS USUÁRIOS... 3 2.1 ACESSO AO SISTEMA... 3 2.1.1 ACESSANDO

Leia mais

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo Projeto P&D Alerta Raios Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE Coelce Companhia Energética do Ceará USP Universidade de São Paulo 1. Página inicial A página inicial apresenta um cabeçalho contendo

Leia mais

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3

Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Manual de Usuário da Impressora Sethi3D AiP A3 Versão 1.00 Sumário Geral... 3 Características da Impressora:... 3 Características técnicas:... 3 Suporte do rolo de filamento... 4 Colocando o filamento

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

X PAD para Android O primeiro, o mais avançado.

X PAD para Android O primeiro, o mais avançado. Designed and developed by: X PAD para Android apresenta uma nova forma de trabalhar, baseada na mais evoluída e avançada plataforma para dispositivos móveis. Pela primeira vez o software projetado para

Leia mais

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014 Utilizando o gvsig para Transformação de Chuva em Vazão na Sub- Bacia do Rio Pariquera-Açu, Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, Brasil/São Paulo. O Sig-Rb vem continuamente agregando novas informações

Leia mais

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras.

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras. São Paulo em Números 3.100.000 Contribuintes 2.000.000 Lotes 25 Secretarias 1.530 km 2 Área Municipal 96 Distritos 31 Subprefeituras 34 Autarquias, Empresas e outros 11.253.503 Habitantes 60.000 Quadras

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth

Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Sistema de Rastreamento WEB. Manual do usuário AVANÇADO. para. empresas

Sistema de Rastreamento WEB. Manual do usuário AVANÇADO. para. empresas Sistema de Rastreamento WEB Manual do usuário AVANÇADO para empresas INTERFACE... 3 SUAS FUNCIONALIDADES... 3 GERAL... 4 Aba Sumário... 4 Aba Localização... 4 Aba Trajeto... 5 Aba Últimos Registros...

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica

Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Faculdade de Engenharia Naval Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica Fevereiro 2012 Identificar

Leia mais

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov. Curso de Economia para Jornalistas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.br IpeaMapas Roteiro Missão do Ipea Objetivos principais Principais

Leia mais

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO JANEIRO/ 2012 ANEXO V METAS E INDICADORES DE DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 3. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS... 2 4. SERVIÇOS... 2 5. TAREFAS...

Leia mais

Terceira campanha de medições de vazão e amostragem de água e sedimentos na bacia do rio Madeira e no rio Amazonas

Terceira campanha de medições de vazão e amostragem de água e sedimentos na bacia do rio Madeira e no rio Amazonas DNAEE - CGRH / CNPq PEGI-GBF / ORSTOM HiBAm : Hidrologia da Bacia Amazônica Terceira campanha de medições de vazão e amostragem de água e sedimentos na bacia do rio Madeira e no rio Amazonas La Paz Porto

Leia mais

Opções de Imageamento para a área do Reservatório da UHE Santo Antônio, Cidade de Porto Velho e trecho a jusante até Humaitá

Opções de Imageamento para a área do Reservatório da UHE Santo Antônio, Cidade de Porto Velho e trecho a jusante até Humaitá Avaliacao_Imageamento_SAE_Ano-Hidro-2010-2011 Relatório simplificado Opções de Imageamento para a área do Reservatório da UHE Santo Antônio, Cidade de Porto Velho e trecho a jusante até Humaitá Cliente:

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Introdução... 2 Sistemática de utilização do pacote SGIE... 2 Projeto de inspeção... 2 Instalação do projeto

Leia mais

Votam na Urna (01) FCF/Museu Amazônico/Arquivo Central/Centro de Artes. Discentes

Votam na Urna (01) FCF/Museu Amazônico/Arquivo Central/Centro de Artes. Discentes Votam na Urna (01) FCF/Museu Amazônico/Arquivo Central/Centro de Artes DOUTORADO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS FS01 FARMÁCIA MESTRADO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL MESTRADO EM CIÊNCIA

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais