FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM BIOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM BIOLOGIA"

Transcrição

1 FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM BIOLOGIA DROGAS NO ÂMBITO ESCOLAR NA REGIÃO DE SEBASTIÃO LARANJEIRAS-BA ANGELA MARIA RODRIGUES Fortaleza CE 2008

2 2 ANGELA MARIA RODRIGUES DROGAS NO AMBITO ESCOLAR NA REGIAO DE SEBASTIAO LARANJEIRAS-BA Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciado em Biologia, do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes em Biologia da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Orientador: RICKARDO LÉO RAMOS GOMES Fortaleza CE 2008

3 3 Monografia submetida ao Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes em Biologia, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Licenciado em Biologia, outorgado pela Faculdade Integrada da Grande Fortaleza- FGF. ANGELA MARIA RODRIGUES Aluno RICKARDO LÉO RAMOS GOMES Prof. orientador Nota obtida: Monografia aprovada em: / /

4 4 A minha família, que é o marco de sustentação aos meus ideais (em especial, ao meu namorado Agnelo Márcio e meus filhos Angel Aracelly e José Gabriel).

5 5 AGRADECIMENTOS Prioritariamente à Deus que é meu porto seguro,iluminando e me dando forças pra que eu possa seguir sempre em frente na busca dos meus ideais. Aos colegas de curso que estiveram juntos partilhando diversas informações Enfim, a todos aqueles que direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho.

6 6 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar e investigar o uso de drogas nas escolas na região de Sebastião laranjeiras, pequena cidade localizada no sudoeste do Estado da Bahia e justifica-se o tema, por tratar-se de um grave problema que, até alguns anos atrás, acreditava-se existir apenas nos grandes centros, mas que está ocorrendo em Âmbito nacional tanto nas grandes cidades como nas pequenas cidades interioranas como neste caso em questão, tanto fora como dentro das escolas. O elevado número de incidentes com alunos sob efeito de substâncias psicotrópicas trouxe-nos a Prevenção de Drogas como um dos temas transversais a ser trabalhado nas escolas e, percebe-se realmente dessa necessidade, pois, os adolescentes que cursam o ensino médio, são os principais alvos desse tipo de atividade. Desde os tempos mais remotos, o homem tem se utilizado de substâncias químicas, encontradas em plantas ou, mais recentemente, sintéticas, para provocar alterações no seu estado mental. Algumas vezes associadas a cultos religiosos, ritos espirituais ou práticas de iniciação, as drogas sempre fascinaram a humanidade, por serem capazes de alterar profundamente a personalidade e interesses humanos, algumas drogas, com o passar dos anos, se tornaram ilícitas. Outras, entretanto, como o álcool, a nicotina e a cafeína, continuam legais, fazendo com que determinados grupos na sociedade se enriqueçam cada vez mais, a despeito dos males conseqüentes do uso deliberado destas drogas. Sabemos que o uso de drogas é muito grave porque atingem a saúde, as atividades sociais, morais e intelectuais do indivíduo e, em vista disso, como trabalhamos com adolescentes, essa é uma preocupação que não nos sai da cabeça e, que me levou a desenvolver este trabalho baseado no conhecimento prévio da realidade do ensino e no desenvolvimento cultural dessa região que também é acometida desse tipo de agressão social que invade disfarçadamente o mundo das escolas não permitindo que o adolescente se perceba como um sujeito transformador, capaz de exercer a cidadania e o protagonismo juvenil na escola e na sociedade. Palavras chaves: Drogas; Escola; Prevenção; adolescentes; Atividades sociais.

7 7 SUMMARY The present work has as show at analyze and to investigate the use of drugs in the schools in the region of Sebastião Laranjeiras, small city located in the southwest of the State of the Bahia and justifies the subject, for being about a serious problem that, until some years behind, was given credit to exist only in the great centers, but that it is occurring in national Scope in such a way in the great cities as in the small provincial cities as in this case in question, in such a way it are as inside of the schools. The raised number of incidents with pupils under hallucinogenic substance effect bring-in the a Prevention of Drugs as one of the transversal subjects to be worked in the schools and, is really perceived of this necessity, therefore, the adolescents who attend a course average education, are the main targets of this type of activity. Since the times most remote, the man if has used of substances chemical, found in plants or, more recently, synthetic, to provoke alterations in its mental state. Some times associates the religious cults, rites practical spirituals or of initiation, the drugs had always fascinated the humanity,for being capable to modify the human personality and interests, some drugs deeply, with passing of the years, if they had become illicit. Others, however, as the alcohol, the nicotine and the caffeine, continue legal, making with that determined groups in the society if they enrich each time more, the consequent spite of males of the deliberate use of these drugs. We know that the use of drugs is very serious because they reach the social, moral and intellectual health, activities of the individual and, in sight of this, as we work with adolescents, this is a concern that in does not leave them the head and, that it took me to develop this work basing me in the previous knowledge of the reality of education and in the cultural development of our region that also is attack of this type of social aggression that in a subtle way invades the world of the schools not allowing that the adolescent if perceives as a transforming, capable citizen of exerting the citizenship and youthful protagonism in the school and in the society. Words - keys: Drugs; School; Prevention; Social activities

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa 10 2 A ESCOLA E O ALUNO DEPENDENTE A Ação Pedagógica 15 3 OS TIPOS DE DROGAS NA REGIÃO As Drogas Mais Usadas 18 4 O PERFIL DO ALUNO CONSUMIDOR DE DROGAS Os danos pessoais e sociais O Aluno e as Drogas 22 5 MUDANÇAS DE MÉTODO NO COMBATE ÀS DROGAS As Drogas Como uma Preocupação Constante 25 6 MATERIAIS E MÉTODOS Objetos de Pesquisa Materiais e Métodos Metodologia 29 7 CONCLUSÃO 31 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 33

9 9 1 INTRODUÇÃO Sempre que abordamos questões relacionadas às drogas ou substâncias que causam dependência química, o assunto torna-se polêmico ou constrangedor para muitas pessoas, principalmente porque diz respeito a realidades próximas, não muitas vezes aceitáveis ou encaradas. Hoje nos deparamos com esse problema no nosso dia-a-dia, num local onde seria impensável, há algum tempo atrás, encontrar esse tipo de problema: A escola. Sabe-se que, a realidade de alunos dependentes é visível e de conhecimentos de todos, inclusive da família. No entanto, a escola parece arcar com todas as responsabilidades, procurando, com o seu trabalho pedagógico, livrar o seu aluno desse caminho ao mundo do crime e da perversão. O presente trabalho procura fazer uma abordagem da realidade do aluno da escola pública no Ensino Médio na Cidade de Sebastião Laranjeiras BA em relação às drogas. A cidade conta hoje com 28 escolas sendo que, apenas 02 atendem a alunos do ensino médio. Essa abordagem se deu pelo fato de que, a faixa etária do aluno desse período, fundamentalmente se caracteriza pela adolescência, que significa período de curiosidade, descobertas, de riscos e de acompanhamento mais sério por parte dos adultos. Daí o fato de que o objetivo geral é o de mostrar os tipos de drogas mais usuais por alunos das escolas dessa região que, sem recursos, tenta driblar a ação de agentes mal-intencionados através da conscientização dos seus alunos dependentes de drogas e, sem um acompanhamento familiar, tem que procurar reaver este aluno para a sala de aula, sem prejuízos para os demais alunos que integram o corpo discente. Procuramos neste trabalho enfocar os tipos de drogas existentes e predominantes nessa região, assim como a preocupação da escola para com os alunos dependentes, mostrando as reais dimensões do aluno dependente, os problemas relacionados à realidade do aluno fora da escola no meio familiar, os meios de prevenção e combate às drogas encontrando nos autores que tratam essas questões formulações que mostrem como proceder com alunos que

10 10 apresentam essa dificuldade. Para isso, foi realizada uma pesquisa de campo envolvendo alunos na faixa etária de 12 a 18 anos do Colégio Estadual D.Pedro I e mais 04 escolas da rede estadual e municipal de ensino através de um questionário envolvendo um total de 146 alunos que dispuseram a participar deste trabalho. Esta pesquisa foi realizada em regime de total discrição sendo o questionário respondido anonimamente a fim de preservar a integridade e privacidade dos alunos. O reconhecimento do aluno dependente se manifesta pelo seu próprio perfil, onde a falta de atenção, o desinteresse a agressividade contribuem para que o rendimento escolar caia assustadoramente, preocupando todos os profissionais da educação, bem como o fator de segurança na escola, que se torna arriscado. Significa dizer que um aluno drogado põe em risco toda a escola e também a comunidade que cerca a escola. Foi exposto ainda neste trabalho, o combate às drogas, numa maneira de que o próprio dependente deve ser conscientizado a trabalhar para sua saída dessa condição, viabilizando canais de testemunho para aqueles que não estão nessa condição. A prevenção é a melhor forma de evitar que um jovem ingresse nesse submundo e aliando-se o amor e compreensão da família, a conscientização do dependente e a orientação pedagógica, se tornará mais fácil combater e reduzir a incidência de usuários dentro dos estabelecimentos escolares,tornando assim a escola um local privilegiado com o seu verdadeiro sentido para busca de conhecimento e cultura.

11 Justificativa Levando em consideração o fato de ser um assunto que atinge toda uma sociedade levantando polêmica, pois atinge diretamente tanto a escola quanto as famílias dos alunos usuários. Diante disso, houve o interesse em pesquisar e analisar os dados obtidos e verificar os tipos de ações preventivas utilizadas no intuito de reduzir essa infiltração de substâncias pscotrópicas no meio estudantil e o entendimento da realidade dos alunos na vida extra-escolar, como fator fundamental no combate às drogas.

12 12 2 A ESCOLA E O ALUNO DEPENDENTE As maneiras para o tratamento do tema relacionado ao consumo de drogas fazem com que seja necessário enfocá-lo diferencialmente, e as dificuldades em lidar com o assunto, levam as famílias e toda a sociedade a colocar a esperança nos educadores e muita expectativa nas instituições de ensino. A escola sem dúvida é um local ideal para que seja tratado um assunto tão polêmico e delicado, porque o discernimento no uso de drogas está diretamente relacionado à formação e às vivências afetivas e sociais de educandos no âmbito escolar. Essa vulnerabilidade do aluno adolescente deve-se fato de ser esta, a fase da vida na qual ocorrem as descobertas dos prazeres do mundo e é muito grande a influência de componentes grupais sobre as escolhas individuais. Com isso, a escola se torna local para o estabelecimento de muitos dos vínculos para a formação das condutas dos alunos diante dos riscos decorrentes do consumo de drogas. No combate ao uso de drogas por alunos do Nível Médio, é necessária participação e auxílio da família e de toda a sociedade, pois, somente a escola isoladamente, não condições de desenvolver um trabalho preventivo e eficaz contra um inimigo tão poderoso. Precisam, portanto, ser considerados, o reconhecimento dos fatos e mitos a respeito do assunto, da Situação real de uso e abuso de drogas em diferentes realidades, assim como as idéias e sentimentos dos alunos, da comunidade escolar e dos pais sobre o assunto. Daí se enfocar a escola como o local prioritário de onde se deve tratar a integridade do aluno, enfatizando os riscos decorrentes do consumidor de drogas. A preocupação com o aluno que consome drogas deve ser constante e não se pode deixar de lado essa questão, por mais complexa que seja.

13 13 Mesmo sabendo que o uso de drogas não é algo novo para a humanidade e não existem evidências de que deixará de acontecer, a prevenção deve ser algo constante porque evita do ingresso de muitos alunos adolescentes nesta vida tão arriscada e cruel. Na verdade, a propagação do uso de drogas é algo de responsabilidade da mídia que com constantes incentivos, levam os jovens a acreditarem na sua eficácia, até mesmo como forma de vencer as dificuldades, principalmente aquelas ligadas a fatores comportamentais, tais como timidez, insucesso e auto-estima. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998, p.271) quando a isso se referem expõem o seguinte: O consumo de diferentes substâncias psicoativas no trabalho, no lazer ou em rituais e festas, como papel agregador de comunidades, é comum a todas as culturas, e o uso social e religioso de drogas prazerosa, capazes de modificar o humor, as percepções e sensações, tem sido uma constante ao longo da história humana. Como prova desta realidade, está o fato de sempre ter presente o uso de bebidas em ambientes sociais numa forma de despertar ao adolescente ingerir tipos variados de bebidas. A droga sempre rodeia a vida social do adolescente e marca seus acontecimentos como figura indispensável. Por isso que, no tratamento de questões sociais, da perspectiva adotada pela educação, aprender e formular questões a respeito da realidade e das relações que a compõem apresenta-se como fundamental. A compreensão das questões sociais, o pensar sobre elas, analisá-las, fazer proposições e avaliar e avaliar alternativas exige a capacidade de representar informações e relacioná-las. As temáticas sociais, além de atitudes e procedimentos, propõem também conteúdos de natureza conceitual. O aluno dependente tende a esquecer de toda a realidade que o cerca a custo do consumo progressivo de drogas e afins. Nesse sentido, a sua dimensão se

14 14 estreita pelo uso de dependentes que escravizam e reduzem a visão de mundo. Esta, completamente alterada, reduz-se a simples mecanismos de satisfação pessoal. Freire (1996, p.59) testemunha bem essa condição, falando do poder da liberdade humana: Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o ser determinado. A diferença entre o inacabado que não se sabe como tal e o inacabado que histórica e socialmente alcançou a possibilidade de saber-se inacabado. O autor fala, portanto, da necessidade da pessoa tornar-se a sentir-se gente, preocupado com a sua posição no mundo e com o seu agir no mundo. E o aluno dependente de drogas não consegue enxergar essa realidade porque está voltado, de maneira geral, para o consumo desordenado de tóxicos. Na escola, o aluno dependente, facilmente é identificado pelos seus comportamentos e pela falta de motivação aos conteúdos ministrados na escola e quando, também, as atitudes violentas atestam à falta de drogas e recursos escassos de aquisição da mesma. Eis o fato de que o acesso a diferentes drogas vem fugindo cada vez mais ao controle da coletividade, tendo passado a caracterizar-se, também, como um problema de ordem social ligado à saúde. Esse acesso se dá em função de inúmeros fatores, entre eles o aumento considerável da oferta como resultado da produção em massa, os crescentes graus de consumo e dependência, as condições psicossociais desagregadoras que geram e ampliam o uso das drogas. Os PCNs (1998, p.273) emitem um relatório que comprova como se inicia o consumo de drogas por adolescentes, e que abaixo, está transcrito a abordagem relativa ao estudo aqui enfocado: [...] a iniciação no consumo de diferentes drogas psicotrópicas vêm se intensificando entre crianças e jovens. Relatório apresentado pela Organização Pan-Americana de Saúde aponta que o hábito de fumar, considerado pela entidade uma epidemia internacional, tem início, em 90% dos casos, na adolescência [...]. Esta é também a fase em que a sociedade estimula o

15 15 adolescente para o consumo, eventualmente abusivo, de álcool, como indicador simbólico de que se atravessou a linha divisória entre a infância e a vida adulta. Como se vê, há um interesse pelo ingresso do adolescente ao mundo das drogas legais, já que os ambientes por ele freqüentado dispõem de bebidas, fumos e outros modelos de dependentes banais. O que se constata é que, o aluno adolescente dependente que se inclui no quadro de aluno da rede oficial de ensino é desprovido de uma orientação e facilmente cai em ciladas armadas para ele, tornando-o mais um integrante deste mundo de violência e temor. A escola fica sem instrumentos para auxiliar este aluno que se torna dependente de drogas, principalmente porque a infra-estrutura não permite que haja um acompanhamento mais concreto e significativo para este aluno. Mesmo havendo uma busca para que a educação atinja a todos, há empecilhos graves nesse sentido. Caporaline (1991, p.31) esclarece: O momento atual da democratização do país está reabrindo um número ilimitado de questionamentos sobre o papel da escola no processo de democratização do conhecimento. A busca por uma concretização de uma escola democrática faz com que todos os segmentos da sociedade se preocupem por intensificar uma qualidade no aspecto educativo. Com isso, pode se constatar que a educação não deve ser uma preocupação tão-somente da escola como instituição formal, mas da família e da sociedade, que, em parceria, trabalham juntos. Portanto, as reais dimensões de um aluno dependente são mais do que as que a escola espera, já que os efeitos dessa droga estão ligados ao estilo do consumidor e às suas formas de aquisição. Assim, torna-se uma tarefa difícil, sabendo que o processo ensino-aprendizagem fica comprometido em decorrência desse tipo de aluno que não se preocupa em aprender, mas de freqüentar a escola.

16 A ação pedagógica A escola tem possui uma forte influência na sociedade através de suas ações e dos temas que são desenvolvidos. Esses temas têm uma referência direta com a sua ação na sociedade, de maneira que atuam como uma orientação direta para o seu alunado. Por isso que a importância didática dos temas deve ser abordada de forma que ganhem importância, levando em consideração as experiências e necessidades sentidas e expressas pelos próprios alunos. Quando a escola dá um tratamento didático a assuntos relevantes, eles ganham significado e potencialidade de aplicação. No entanto, a escola luta contra uma cultura que viabiliza o consumo de drogas e, dessa maneira, todo o trabalho desenvolvido pela escola, muitas vezes, acaba em nada quando não há uma parceria que procure erradicar os fatores de uma cultura do consumo de drogas e afins. Os motivos que levam os alunos a experimentarem drogas são os mais variados, dentre eles; problemas familiares, auto-afirmação, curiosidade, frustração, indução e outros. O uso experimental de drogas passa a criar dependente e, numa cultura que propaga idéias errôneas, esse consumo aumenta gradativamente. Sanchez (1982, p.10) assim explana: O uso experimental de drogas é fortemente influenciado pelos padrões culturais. é fato bem estabelecido que o desejo de experimentar um tóxico seja ele o álcool, o tabaco ou a maconha, surja com freqüência, de uma necessidade de imitação de padrões de comportamento do grupo ou de pessoas afetivamente significativas.a imitação é um fator determinante para quem inicia o processo de consumo de alguma droga. Geralmente, o adolescente se impressiona com alguém que, consome algum tipo de droga e lhe indica tal procedimento. Esse fato está muito ligado aos padrões culturais e, portanto, tão levado em consideração. De acordo com a pesquisa realizada entre os alunos, tivemos nesta região os seguintes dados sobre experiências com drogas:

17 17 Na tabela a seguir, vemos o número de alunos em % que já tiveram contato com os tipos de drogas relacionados. Tipos de drogas Homens Mulheres cigarro álcool maconha 19 7 cocaína 3 1 crack 6 - outros 2 - Como se pode observar na tabela, o maior índice de uso de substâncias químicas ocorre entre os alunos do sexo masculino e a maior incidência de consumo é o álcool seguido do tabagismo e logo depois a maconha. A pressão a que está submetido um jovem de hoje para que venha a experimentar maconha ou anfetaminas é grande e, talvez, semelhante à forma como os jovens de uma ou duas gerações atrás (pelo menos do sexo masculino) eram induzidos a experimentar cigarros ou bebidas alcoólicas. A verdade é que o aluno é continuamente induzido a experimentar drogas e, na escola de ensino público essa realidade torna-se mais evidente pelo próprio nível do educando que, em casa, não apresenta nenhum acompanhamento neste sentido e muitas vezes são influenciados por alguém da família ou por problemas junto a ela. Atualmente, o que se pretende é um trabalho pedagógico no qual, as condições que se fazem necessárias para a saúde, sua valorização e a realização de procedimentos que a favorecem sejam o foco principal. Os conteúdos e sua abordagem se aprofundam em conceituação ao longo de etapas de ensino para permitir a ampliação dos temas de análise e de formulação de alternativas que aumentem a conscientização dos educandos.

18 18 Os PCNs (1998, p.274) explicam como é importante um tratamento didático do assunto em pauta aqui neste trabalho, levando a crer que, uma inserção na realidade é a melhor forma de combater essa dificuldade enfrentada pelo aluno. O texto assim estabelece: A realização de estudos de reconhecimento da região em que se insere a escola e das concepções e necessidades de saúde que lhe são características é um instrumento essencial para montar e desenvolver o projeto educativo. A fluidez das relações entre a escola, a família e demais instituições, grupos organizados e entidades cujas ações repercutem sobre a saúde, é condição para contextualizar a educação para a saúde e, ao mesmo tempo, um componente amplificador da ação educativa. Dessa maneira, o enfoque temático permite um esclarecimento maior, de forma que o educando reconhece os prejuízos advindos do consumo de drogas e da decadência a que irá submeter-se, perdendo tudo em sua vida e com suas projeções futuras. Uma das metas do tratamento didático para com assuntos de cunho social é a de permitir as transformações próprias do crescimento e desenvolvimento e promova o desenvolvimento da consciência crítica em relação aos fatores que intervém positiva ou negativamente. Quando há um enfoque acerca do consumo de drogas, a escola deve se preocupar em mostrar tópicos como a construção da identidade e da auto-estima, o cuidado com o corpo, a nutrição, a valorização dos vínculos afetivos e a negociação de comportamentos para o convívio social. Muitos são os enfoques dados aos estudos de combate às drogas e muitos deles perdem-se pela sua explicação. Como explica o Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis AIDS-PN DST/AIDS (1995, p.39): A questão das drogas, decorre do modo injusto e desequilibrado de organização, distribuição e valorização produzidas pela própria sociedade e situa-se, exatamente no centro dela, e não pode ser encarado como um problema gerado pelos subúrbios e periferias.

19 19 Na escola, há uma diversidade muito grande das realidades dos alunos dependentes, daí a necessidade de se conhecer a realidade extra-escolar do aluno através de uma maior participação da família para que se faça uma análise de como melhor proceder com cada caso em questão.

20 20 3 OS TIPOS DE DROGAS NA REGIÃO 3.1 As Drogas Mais Usadas Segundo pesquisa realizada, a região pelo fato de ter um poder aquisitivo relativamente baixo, pois a maioria das famílias sobrevive à base da agricultura de subsistência e de um pequeno rebanho pecuário, além disso, a renda do pequeno comércio local depende basicamente da população aposentada, prefeitura e dos poucos funcionários da rede estadual como os professores, são fatores que de certa forma limitam o acesso a determinados tipos de drogas predominando os de custos mais baixos como o álcool, fumo e a maconha. Desses três tipos de drogas, o mais usual é o álcool, pois na região, há muitos alambiques ou pequenas fabriquetas de cachaça o que torna o produto de fácil aquisição, é comum ver em determinadas casas na zona rural e até mesmo na cidade o comércio da chamada pinga solta, ou seja, aquela artesanal que não passou por um processo industrializado sendo negociada de qualquer forma. Essa facilidade de acesso ao álcool, aliado à falta de opções para diversão, aos problemas pessoais e familiares, contribuem para o alto consumo de álcool. O cigarro é muito utilizado e é normal ver crianças e adolescentes principalmente nas festas populares, fumando e ingerindo bebidas alcoólicas. Já a maconha tem poucos usuários, devido ao preço e também pela dificuldade em adquirir, mas que também aparece em terceiro lugar como uma das mais consumidas conforme já visto na tabela no cap.2 e a incidência de outros tipos de drogas, somente ocorre quando alguém traz de outra cidade circunvizinha esporadicamente.

21 21 4 O PERFIL DO ALUNO CONSUMIDOR DE DROGAS 4.1 Os Danos Pessoais e Sociais O aluno dependente de drogas causa distúrbio não somente para si mesmo, mas para o seu grupo social, visto que os comportamentos são uma ameaça, já que não há nenhuma responsabilidade. O contexto da escola que tem em suas salas alunos nessas condições é de intranqüilidade, pois a qualquer momento pode ocorrer algum transtorno ou fato que demonstre o grau de periculosidade. A seguir, são apresentados alguns tópicos para se vencer a violência, principalmente em casa. Quando esse local se torna saudável, dificilmente transfere para a escola esses distúrbios. São essas as orientações para os pais: v Estabeleça tarefas dentro de casa e supervisione para que elas sejam cumpridas; v Ensine seu filho a esperar. Não satisfaça todas as suas vontades na hora que eles querem e a qualquer preço; v Dê ordens que possam ser cumpridas e não se esqueça de cobri-las; v Fique atento ao comportamento de seu filho. Mudanças bruscas e mau desempenho escolar podem ser indícios de consumo de drogas; v Ensine a seu filho que sempre haverá divergências de opinião e conflitos e que existem formas civilizadas de resolvê-los; v Preste atenção nas atitudes agressivas do seu filho e investigue o que há por trás delas. O mais importante no combate Ás drogas é a presença dos pais na vida dos filhos, num clima de parceria e de troca de experiências pelo diálogo. O filho que encontra um ambiente saudável em casa dificilmente recorrerá a fugas para enfrentar os problemas.

22 22 Na verdade, o tratamento para com o aluno que consome drogas deve estar em parceria com a casa do educando e a escola deve procurar reconhecer o ambiente familiar, detectando problemas que são decorrentes de falta de diálogo e de compromisso. A escola deve intensificar uma prática que leve o aluno a buscar alternativas se apresentando, atualmente, como um local e espaço social de construção de significados éticos necessários e constitutivos de toda e qualquer ação de cidadania. Desta maneira, a escola não mais se restringe a um espaço detentor de saber e conhecimento, mas também um local em que haja busca de equilíbrio social. A educação, nesse sentido, deve ser a de construir cidadãos profissionais que se insiram no mercado de trabalho de maneira competente. O aluno do nível médio de ensino já deve ser orientado nesse sentido, como diz claramente os PCNs (1997, p.34): Não basta visar à capacitação dos estudantes para futuras habilidades em termos das especializações tradicionais, mas antes, trata-se de ter em vista a formação dos estudantes em termos de sua capacitação para a aquisição e o desenvolvimento de novas competências, em função de novos saberes que se produzem e demandam um novo tipo de profissional, preparado para poder lidar com novas tecnologias e linguagens, capaz de responder a novos ritmos e processos. Preparando o educando para o mercado profissional, procurando-o fazer deixar para trás toda uma realidade cruel, certamente os efeitos serão satisfatórios, principalmente porque há uma busca de identidade social, ou seja, ser útil para a comunidade. Assim, enquanto o indivíduo deve buscar manter-se sempre em condições psíquicas compatíveis com a possibilidade de assumir a responsabilidade por seus atos e suas conseqüências, caberá à sociedade o dever de estimular e difundir práticas que levem ao resguardo da saúde de seus cidadãos. Desta maneira, nunca se deve esquecer que o bem-estar dos alunos transcende meras questões sanitárias e que a sociedade não pode ser concebida em seu todo, nos moldes de uma realidade repressiva, mas que o cidadão tem o seu lugar na vida social.

23 O Aluno e as Drogas São muitas as causas que levam o jovem a ingressar no mundo das drogas. No entanto, um dos fatores que levam o jovem a experimentar as drogas se liga principalmente a fatores familiares. Por isso que MURAD (1987, p. 30) explica: Quando as crianças crescem com amor e segurança, quando podem expressar suas idéias e pensamentos livremente, quando são realistas e otimistas em relação as suas habilidades e, sobretudo, quando podem tomar decisões sadias, provavelmente não se tornarão dependentes de drogas. Assim, cabe aos pais procurar se relacionar melhor com os filhos, cultivando um relacionamento mais alegre, mais divertido, simples e afetivo. Devem olhar os filhos como alguém que necessita de fraternalmente de carinho, amor e compreensão. E fazer sempre com seus filhos programas divertidos. No entanto, a conquista de um espaço no interior dos filhos é necessária a todos os pais, como ainda a relação de sinceridade, honestidade, franqueza e o sentimento de auto-estima. A droga não é somente um produto ilegal, mas muitas vezes, substância socialmente aceita que vem sendo consumidas de forma abusiva e comercializadas livremente, como o éter, acetona, cola de sapateiro e outros. Não podemos deixar de mencionar o álcool e o tabaco, que não sofrem nenhuma restrição por parte da sociedade. Ao contrário, há uma passividade por parte de autoridades. As drogas atingem principalmente os jovens por estarem numa fase de transição ou auto-afirmação e pelas contradições que estariam vivendo. Geralmente eles levam a uma fragilidade e insegurança, o que faz com que o poder do grupo seja um fator preponderante. A idade inicial se passa por volta dos 11 aos 14 anos de idade. Este é o período em que o jovem está mais vulnerável e por isso mais aberto às

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA.

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. Luciano Blasius 1 lucianoblasius@yahoo.com.br Araci Asinelli-Luz 2 asinelli@ufpr.br

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO (BOARDED SUBJECTS IN THE PHYSICAL EDUCATION FOR HIGH SCHOOL) Andreia Cristina Metzner 1 ; Juliana da Silva 2 1 Bebedouro SP acmetzner@hotmail.com

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO BANDEIRANTES MS SETEMBRO/2012 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PREVENÇÃO E QUALIDADE DE VIDA - ALCOOLISMO DIRETOR: AFONSO

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo?

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? A Coleção Verdeamarelo é composta por material institucional de apoio pedagógico, elaborado na forma de HQ Histórias em Quadrinhos coloridos, para serem

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: AUTORA: , mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA : INTRODUÇÃO OBJETIVOS uso da droga

TÍTULO: AUTORA: , mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA : INTRODUÇÃO OBJETIVOS uso da droga TÍTULO:TEMAS TRANSVERSAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AUTORA: MINTZA IDESIS JÁCOME, mintza@bol.com.br INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ÁREA TEMÁTICA : SAÚDE INTRODUÇÃO: Eleger

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa Capa ツVivo Feliz Sem Drogas Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo o uso indevido de drogas Capa fim MUNICIPIO DE ITAPEVA SP Secretaria Municipal de Defesa Social Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ivone Aparecida Borges (1) Coordenadora de projetos, professora de Biologia e Educadora Ambiental no Centro Operacional de

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul.

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. APRESENTAÇÃO Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. Foi testado no município de Guaporé, em uma parceria da Promotoria

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO

SEMANA DA SAÚDE INTRODUÇÃO SEMANA DA SAÚDE Sandra Rosabel Pereira 1 ; Maria Angelica de Moraes Assumpção Pimenta 2 ; Maria Goreti Aléssio Crispim 3 ; Nelza de Moura 4 ; Neusa Denise Marques de Oliveira 5 ; Eliana Maria Fabiano de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PROJETO RESGATE: buscando novas soluções para velhos problemas

PROJETO RESGATE: buscando novas soluções para velhos problemas PROJETO RESGATE: buscando novas soluções para velhos problemas Olíria Sandim de Andrade Zuque Diretora do CEI Nossa Senhora Aparecida Rede Municipal de Ensino de Três Lagoas/MS oliriazuque@hotmail.com

Leia mais

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE Thaiane Pimenta (Centro Pedagógico Bolsista Prograd-UFMG) Elaine França (Centro Pedagógico da UFMG) INTRODUÇÃO A escola desempenha um papel

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais