RELATÓRIO DE EXPERIENCIA PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE EXPERIENCIA PROFISSIONAL"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EXPERIENCIA PROFISSIONAL DOUGLAS ALEXANDRE RODRIGUES DE SOUZA Setembro / 2010

2 Dados gerais do aluno e da empresa Identificação do aluno: Douglas Alexandre Rodrigues de Souza Matricula: Rua Osni João Vieira, 527 AP 402 Campinas São José SC. CEP.: Telefone: (48) Curso: Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações Data de formatura: 24 de setembro de Identificação da empresa: Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Rua José Lino Kretzer, 608 Praia Comprida São José SC. CEP.: Telefone: (48) Coordenadoria de Informática Período Trabalhado: 20/07/1995 a 31/07/1997

3 Sumário 1 Introdução A Empresa Redes de Computadores Introdução a Redes Protocolos de Comunicação IPX/SPX TCP/IP Windows NT Características Técnicas Compartilhamento de Recursos de Rede Sistema de Arquivos Instalação do Windows NT Server Administração de Usuários Grupos de Usuários Políticas de Segurança Gerenciamento de Domínios Permissões de Arquivos Clientes do Windows NT Server Trabalhos Executados Considerações Finais Desenvolvimento de Sistemas Linguagem de Programação dbase Clipper Banco de Dados dbase Utilitário DBU Sistema Acadêmico SISACA Código Fonte e Menus... 36

4 4.3.2 Estrutura do Banco de Dados Trabalhos Executados Considerações Finais Processamento de Dados Exame de Classificação Trabalhos Executados Considerações Finais Conclusão Referências Anexos... 47

5 Lista de Figuras 3.1 Janela do User Manager Janela para a Criação de Novo Usuário Janela do Gerenciamento de Domínio Tela do Utilitário DBU Tela do SISACA Relacionamento Entre as Tabelas... 40

6 Lista de Tabelas 3.1 Permissões de Arquivos Permissões de Diretórios Tipos de Dados dbase... 34

7 1 Introdução O objetivo deste relatório é descrever o desenvolvimento das atividades no período que compreende 20/07/1995 até 31/07/1997 no setor de informática do então CEFETSC - Unidade de São José. As atividades estabelecidas foram desenvolvidas de forma seqüenciada, e no tocante a administração da rede, desenvolvimento de sistemas e o processamento de dados dos exames de classificação, estes ocorreram paralelamente às outras atividades. No início das atividades foi proposto o treinamento em redes de computadores, curso esse, fornecido pelo próprio IF-SC. Depois, veio o estudo da atual rede interna e a implantação da rede do Windows NT. Junto a isso, trabalhei no sistema acadêmico conhecido como SISACA, dando manutenção e continuando seu desenvolvimento. Nas ocasiões de exame de classificação, fiquei responsável pelo processamento das informações desde a inscrição até a nominata dos alunos aprovados. O relatório foi dividido de forma que no capitulo 2, apresentarei um breve histórico da Unidade de São José, agora Campus São José. No capitulo 3 vou apresentar os fundamentos teóricos e descrever as atividades desenvolvidas no planejamento, implantação e administração da rede padrão Windows NT. Na seqüência, capítulo 4, apresentarei os fundamentos da linguagem de programação e banco de dados utilizados no sistema acadêmico e no processamento de dados dos exames de classificação. No capítulo 5 apresentarei as conclusões para esse relatório. E por fim em anexo, toda a documentação requerida para efetivação do estágio além de outros documentos referenciados no texto. 7

8 2 A Empresa Minhas atividades no IF-SC iniciaram em Maio/1994. Como programador de computadores comecei a trabalhar junto à coordenadoria de informática do Campus São José e hoje estou lotado na coordenadoria de registro escolar do mesmo Campus. O Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José, teve suas atividades iniciadas, em caráter provisório, no ano de 1988, em um casarão tombado pelo patrimônio histórico, no bairro Praia Comprida, município de São José. Enquanto isso, suas atuais instalações eram concluídas. Em 1989, mesmo em obras, o novo prédio passou a abrigar a então Unidade de Ensino Descentralizada de São José (UNED) da até então conhecida Escola Técnica Federal de Santa Catarina (ETFSC). Os cursos inicialmente oferecidos foram os integrados ao ensino médio na área de Telecomunicações e de Refrigeração e Ar Condicionado com duração de 4 anos. Mais tarde, a ETFSC-UNED-SJ se transformou em Centro Federal de Educação Tecnológica Unidade de São José e agora, Instituto Federal de Educação Tecnológica chamado então de IFSC Campus São José que passou a abrigar entre outros cursos, o Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações e o curso Superior de Licenciatura em Química. No período que compreende as atividades executadas, a Coordenação de Informática da UNED-SJ tinha como sua responsabilidade, a gerência da rede, a manutenção dos computadores, a manutenção do sistema acadêmico e o processamento dos dados do exame de classificação. 8

9 3 Redes de Computadores Neste capítulo vou apresentar os fundamentos teóricos necessários à compreensão dos trabalhos que foram executados em termos da rede de computadores da Unidade de São José, a descrição detalhada dos trabalhos e o resultado final da atividade. O objetivo geral desse capítulo é o de apresentar as atividades referentes: ao treinamento em Windows NT Server; ao estudo da rede implantada; ao planejamento da nova rede; a implantação e administração da rede Windows NT da Unidade. Inicialmente, comecei os trabalhos com o estudo da tecnologia de redes Windows NT, através de um curso fornecido pelo próprio CEFET-SC na Unidade de Florianópolis. O curso teve a duração aproximada de 3 meses e capacitou seus freqüentadores a executar entre outras tarefas, a instalação de servidores, a implantação de sistemas, a definições de políticas de grupos e usuários e a administração de servidores Windows NT. Aproveito para fazer um resgate teórico sobre redes de computadores e protocolos de comunicações até então utilizados, passando especificamente pelas redes Windows NT. 3.1 Introdução a Redes Uma rede de computadores é a ligação entre dois ou mais computadores de forma a permitir o compartilhamento e a troca de informações entre os elementos envolvidos. O maior exemplo de rede de computadores atualmente é a Internet. Numa pequena rede em casa ou no escritório, interligando poucos computadores, podemos exemplificar a utilização de recursos de compartilhamento de impressoras, arquivos e Internet entre os computadores que compõe a rede. A conectividade dos computadores em rede pode ocorrer de várias formas. A rede mais simples consiste em dois ou mais computadores conectados por um par metálico, cabo coaxial ou UTP (Unshielded Twisted Pair). Essa conexão é chamada de enlace de comunicação e os computadores chamados de nós. Os enlaces podem ser ponto a ponto ligando dois computadores e multiponto formando um barramento de múltiplo acesso utilizando uma tecnologia de rede local chamada LAN (Local Área Network). 9

10 O objetivo básico de uma rede é garantir que todos os recursos disponíveis sejam compartilhados com segurança, confiabilidade e velocidade. Para que isso aconteça, uma rede de computadores deve possuir regras e mecanismos necessários para garantir o transporte de informações entre seus elementos constituintes. Toda rede deve ser capaz de determinar o destino das informações para seus computadores e estes para com a rede. Isso ocorre com adoção de protocolos padronizados de comunicação. 3.2 Protocolos de Comunicação Antes de falar sobre os protocolos de comunicação, vale lembrar que esse relatório remete-se a meados da década de 90, portanto, existe aqui, um resgate dos protocolos utilizados a época, sendo a idéia principal deste relatório, a de levantar quais os protocolos eram utilizados na UNED-SJ e o aparecimento e de novos protocolos de comunicação adaptados às novas tecnologias que envolvem as redes de computadores IPX/SPX O protocolo IPX/SPX é um protocolo proprietário da Novell. O IPX/SPX ou Internetwork Packet Exchange/Sequenced Packet Exchange é um variante do protocolo Xerox Network Systems (XNS). O IPX é o protocolo nativo do Netware - sistema operacional cliente-servidor que fornece aos clientes serviços de compartilhamento de arquivos, impressão, comunicação, fax, segurança, funções de correio eletrônico, etc. O IPX/SPX tornou-se proeminente durante o início dos anos 80 como uma parte integrante do Netware, da Novell. O Netware tornou-se um padrão de fato para o Sistema Operativo de Rede (SOR), da primeira geração de Redes Locais. A diferença principal entre o IPX e o XNS está no uso de diferentes formatos de encapsulamento Ethernet. A segunda diferença está no uso pelo IPX do Service Advertisement Protocol (SAP), protocolo proprietário da Novell. O endereço IPX completo é composto de 12 bytes, representado por 24 dígitos hexadecimais. Por exemplo: [AAAAAAAA 00001B1EA1A1 0451]. O IPX não é orientado a conexão. 10

11 Por sua vez, o SPX é um módulo do Netware DOS Requester que incrementa o protocolo IPX mediante a supervisão do envio de dados através da rede. O SPX é orientado a conexão e opera na camada de transporte. Ainda, o SPX verifica e reconhece a efetivação da entrega dos pacotes a qualquer nó da rede pela troca de mensagens de verificação entre os nós de origem e de destino. A verificação do SPX inclui um valor que é calculado a partir dos dados antes de transmiti-los e que é recalculado após a recepção, devendo ser reproduzido exatamente na ausência de erros de transmissão. O protocolo SPX é capaz de supervisionar transmissões de dados compostas por uma sucessão de pacotes separados. Se um pedido de confirmação não for respondido dentro de um tempo especificado, o SPX retransmite o pacote envolvido. Se um número razoável de retransmissões falhar, o SPX assume que a conexão foi interrompida e avisa o operador. O IPX/SPX é um protocolo relativamente pequeno e veloz em uma LAN e suporta roteamento TCP/IP O TCP/IP é um conjunto de protocolos de comunicação entre computadores em rede. Seu nome vem de dois protocolos: o TCP (Transmission Control Protocol), protocolo de controle de transmissão e o IP (Internet Protocol), protocolo de interconexão. O conjunto de protocolos pode ser visto como um modelo de camadas, onde cada camada é responsável por um grupo de tarefas, fornecendo um conjunto de serviços bem definidos para o protocolo da camada superior. As camadas mais altas estão logicamente mais perto do usuário (chamada camada de aplicação) e lidam com dados mais abstratos, confiando em protocolos de camadas mais baixas para tarefas de menor nível de abstração. O TCP/IP compõe o grupo de protocolos de comunicação que implementam a pilha de protocolos sobre a qual a Internet e a maioria das redes comerciais funcionam. Eles são algumas vezes chamados de protocolos TCP/IP, já que os dois protocolos: o TCP e o IP foram os primeiros a serem definidos. O modelo inicial do TCP/IP é baseado em 4 níveis: Host/rede; Inter-rede; Transporte; e Aplicação. Surgiu, então, um modelo híbrido, melhorando o modelo TCP/IP: Física; Enlace; Rede; Transporte; e Aplicação. 11

12 Camada de aplicação: é a camada que a maioria dos programas de rede usa de forma a se comunicar através de uma rede com outros programas. Processos que rodam nessa camada são específicos da aplicação; o dado é passado do programa de rede, no formato usado internamente por essa aplicação, e é codificado dentro do padrão de um protocolo. Esses programas e seus correspondentes protocolos incluem o HTTP (navegação na World Wide Web), FTP (transporte de arquivos), SMTP (envio de ), SSH (login remoto seguro), DNS (pesquisas nomes) e outros. Uma vez que o dado de uma aplicação foi codificado dentro de um padrão de um protocolo da camada de aplicação ele será passado para a próxima camada da pilha IP. O pacote relacionado à camada de aplicação é chamado Mensagem. Camada de transporte: os protocolos dessa camada podem resolver problemas como confiabilidade e integridade. No conjunto de protocolos TCP/IP os protocolos de transporte também determinam para qual aplicação um dado qualquer é destinado. Um dos protocolos comumente utilizado nesta camada é o UDP (User Datagram Protocol). É um protocolo de datagrama sem conexão, também definido por ser um protocolo de melhor esforço ou não confiável. Não porque ele não é particularmente confiável, mas porque ele não verifica se os pacotes alcançaram seu destino, e não dá qualquer garantia que eles irão chegar na ordem. Se uma aplicação requer estas características, então ela mesma terá que provê-las ou usar o protocolo TCP. O UDP é tipicamente usado por aplicações como as de mídia de streaming (áudio, vídeo etc), onde a chegada na hora é mais importante do que confiabilidade, ou para aplicações de simples requisição/resposta como pesquisas de DNS, onde o overhead de configurar uma conexão confiável é desproporcionalmente largo. Tanto o TCP quanto o UDP são usados para transmitir um número de aplicações de alto nível. As aplicações em qualquer endereço de rede são distinguidas por seus endereços de porta TCP ou UDP. Por convenção, certas portas bem conhecidas estão associadas com aplicações específicas. O pacote da camada de transporte é chamado Segmento. Camada de rede: resolve o problema de obter pacotes através de uma rede simples. Com o advento da Internet novas funcionalidades foram adicionadas nesta camada, especialmente para a obtenção de dados da rede de origem e da rede de destino. Isso geralmente envolve rotear o pacote através de redes distintas que se relacionam através da Internet. No conjunto de protocolos para a Internet, o IP executa a tarefa básica de levar pacotes de dados da origem para o destino. O protocolo IP pode transmitir dados para 12

13 diferentes protocolos de níveis mais altos, esses protocolos são identificados por um único número de protocolo IP. Alguns dos protocolos transmitidos por IP, como o ICMP (usado para transmitir informação de diagnóstico sobre a transmissão IP) e o IGMP (usado para gerenciar dados multicast) são colocados acima do IP mas executam funções da camada Internet. Todos os protocolos de routing, como o BGP, o OSPF e o RIP são também parte da camada de Internet, muito embora eles possam ser vistos como pertencentes a camadas mais altas na pilha. O pacote da camada de rede é geralmente conhecido como Datagrama. Camada de enlace: não é realmente parte do modelo TCP/IP, mas é o método usado para passar quadros da camada de rede de um dispositivo para a camada de Internet de outro. Esse processo pode ser controlado tanto em software (device driver) para a placa de rede quanto em firmware ou chipsets especializados. Esses irão executar as funções da camada de enlace de dados como adicionar um header de pacote para prepará-lo para transmissão, então de fato transmitir o quadro através da camada física. Do outro lado, a camada de enlace irá receber quadros de dados, retirar os headers adicionados e encaminhar os pacotes recebidos para a camada de Internet. Essa camada é a primeira normatizada do modelo, é responsável pelo endereçamento, roteamento e controle de envio e recepção. Ela não é orientada à conexão, se comunica pelos datagramas (pacotes de dados). O pacote da camada de enlace é conhecido como Quadro. Camada física: trata das características elétricas e mecânicas do meio, como tipos de conectores e cabos utilizados para estabelecer uma comunicação. Os computadores que fazem uso do protocolo TCP/IP, têm associados a ele um endereço chamado de IP. É um endereço que indica o local de um determinado equipamento (normalmente computadores) em uma rede privada ou pública. O endereço IP é um número de 32 bits escrito com 4 octetos representados no formato decimal (exemplo: ). A primeira parte do endereço identifica uma rede específica na inter-rede, a segunda parte identifica um host dentro dessa rede. O endereço IP não identifica uma máquina individual, mas uma conexão à inter-rede. Assim, um gateway conectando à n redes tem n endereços IP diferentes, um para cada conexão. Os endereços IP podem ser usados tanto para nos referir a redes quanto a um host individual. O IP utiliza três classes diferentes de endereços. A definição de tipo de endereço e classes de endereços deve-se ao tamanho das redes que compõem a inter-rede variar muito, 13

14 indo desde redes locais de computadores de pequeno porte, até redes públicas interligando milhares de hosts. 3.3 Windows NT O Windows NT (New Tecnology) é uma evolução do Windows 3.1 e 3.11, e sua última versão é a 4.0. É um produto da empresa Microsoft e é comercializado através de dois produtos: Windows NT Workstation: é um sistema operacional de 32 bits. Possui todas as principais características do Windows for Workgroups e do Windows 95 e um novo conjunto de recursos que aumentam sua eficiência, flexibilidade, segurança, velocidade de processamento e acesso ao disco. Pode ser utilizado isoladamente em uma estação de trabalho ou em rede, compartilhando recursos com um grupo de trabalho. Além do Netbeui, estão disponíveis no NT Workstation vários outros protocolos de rede, entre eles, o TCP/IP e o IPX/SPX. O NT Workstation utiliza a interface do Windows 95. Windows NT Server: possui todas as características do Windows NT Workstation mais um poderoso conjunto de recurso para o gerenciamento de redes e de usuários, através de definição de domínios (domains). Entre outros recursos, permite administração centralizada da rede para um número ilimitado de usuários locais e 256 usuários remotos, serviços de acesso remoto, tolerância a falhas em disco, gerenciamento de arquivos e impressoras compartilhadas em nível de usuário e operação. Possui todos os recursos de um servidor LAN Maneger ou Netware. É um sistema operacional indicado para redes corporativas. A partir da versão 4.0, utiliza a interface do Windows Características Técnicas Entre as principais características técnicas do projeto do Windows NT estão a modularidade (vários módulos de software podem ser adicionados ao núcleo do Windows NT, tornando-o flexível e escalonável), a robustez e a confiabilidade, a capacidade de 14

15 processamento de multitarefa, o multiprocessamento simétrico e a conectividade (os serviços de rede pertencem ao sistema operacional). Além disso, várias outras características, o torna indicado para implantação de redes corporativas: Portabilidade: Todo o código do NT é escrito em C e C++ (linguagem de programação), tornando-o portável para vários tipos de equipamentos. Segurança: Para ter acesso a uma estação Windows NT, o usuário tem que possuir uma identificação e uma senha, o que permite ao NT identificar usuários e executar auditoria. O controle de acesso é discriminado, permitindo que o dono de um recurso especifique que usuários ou grupos de usuários possam ter acesso a esse recurso e com que permissões (leitura, escrita, exclusão, etc.). O Windows NT pode auditar ações dos usuários. Compartilhamento: O Windows NT é compatível com o software aplicativos desenvolvidos para os seguintes sistemas operacionais: MS-DOS, Windows (3.1 a 95), POSIX (Unix) e OS2 (Apple). Multiprocessamento: O NT tem a capacidade de multiprocessamento simétrico, podendo utilizar, na sua versão básica, de 1 a 4 processadores. Memória: No Windows NT, a memória é administrada usando 32 bits de endereçamento Flat. Os 32 bits de endereço podem dar acesso até 4 GB de memória. Quando uma aplicação solicita memória, especifica diretamente um endereço de 32 bits. Este esquema de endereçamento ajuda a compatibilizar o NT com o endereçamento dos processadores R4000 e DEC Alpha AXP, que também utilizam endereçamento Flat. A memória virtual pagina dados para o disco e aumenta a quantidade de memória disponível para uma ampliação. O termo virtual é usado porque o gerenciamento de memória executa o swapping de um modo transparente para a aplicação, de forma a parecer que o computador possui mais memória física do que tem realmente Compartilhamento de Recursos de Rede A rede do Windows NT é do tipo ponto a ponto (peer-to-peer), semelhante à do Windows 95. Numa rede Windows 95 ou superior, todos os computadores funcionam como clientes e servidores de recursos, possuindo sua própria base de dados de usuários (relação dos usuários da estação); não há administração centralizada. Os usuários logados em uma estação podem ter acesso a recursos de outras estações usando o par usuário-senha (logado localmente) para validação do acesso. Isto implica em cadastrar o mesmo usuário em todas as 15

16 máquinas a que ele precise ter acesso. Entretanto esse modelo só funciona bem em redes com poucos usuários (redes par a par). Conforme o número de usuários cresce, a necessidade de uma administração centralizada e mais segura aumenta muito. Neste caso, é aconselhável a utilização de conceitos de domínios, implementado no Windows NT Server. Domínios: É uma unidade básica de segurança e administração de rede. Em um domínio pode haver diversos servidores de recursos, que podem ser administrados como uma unidade, simplificando as tarefas de gerenciamento de rede. Para administrar uma rede através de domínios, é necessário no mínimo um computador servidor com o Windows NT Server instalado. O limite de contas de usuários em um domínio do NT Server é de Há três tipos de servidores numa rede com domínios gerenciados pelo Windows NT Server: Controlador Primário do Domínio ou PDC (Primary Domain Controller); Controlador Backup do Domínio ou BDC (Backup Domain Controller); Servidor Comum ou Server. Cada domínio possui um servidor que é o controlador primário do domínio ou PDC. Ele deve ser primeiro servidor instalado na rede, e é responsável pelo banco de dados das contas de todos os usuários cadastrados. Os demais servidores podem agir como servidores de backup de cadastro de usuários BDC ou apenas como servidores isolados, denominados apenas de Servers. Os servidores de backup (BDC) têm basicamente as mesmas funções do servidor primário (PDC). A diferença é que eles recebem do servidor primário uma cópia ou backup da base de dados de usuários cadastrados no domínio. Também podem, portanto validar logon de usuários na rede. Os servidores comuns (tipo Servers) não fazem validação do logon dos usuários e não recebem cópia da base de dados de usuários do servidor primário, isto é, a base de dados de usuários deste servidor é totalmente diferente das existentes nos servidores primários e de backup. Quando um usuário realiza logon num domínio, passa a ter acesso a todos os servidores daquele domínio, ou seja, o servidor primário e todos os servidores backup que participam do domínio. A base de dados dos usuários do domínio fica centralizada no primeiro servidor controlador de domínio (PDC). Este servidor faz cópias periódicas das atualizações ocorridas nesta base de dados para os servidores backup (BDC). Portanto, tanto o servidor primário 16

17 quanto os servidores backup podem validar um logon de usuário na rede, pois possuem a base de dados de usuários do domínio para tal. Em geral, o logon do usuário é validado pelo servidor que está mais disponível no momento, e o usuário ganha acesso a todos os recursos existentes no domínio (para os quais o administrador da rede forneceu direito de acesso). Utilizando o Windows NT Server, em vez de criar contas de usuários para cada máquina no domínio, o administrador da rede cria apenas uma conta, que fica na base de dados centralizada no controlador primário de domínio. Tanto o servidor primário (PDC) como os servidores backup (BDC) compartilham cópias desta base, que contém informações sobre usuários, grupos de usuários e políticas de segurança e acesso aos recursos compartilhados da rede Sistema de Arquivos Os sistemas de arquivos suportados pelo Windows NT são: FAT: sistema de arquivos padrão do MS-DOS e do Windows 95. O tamanho do nome dos arquivos pode ser até 255 caracteres; cada arquivo ou cada partição do disco pode ter até 2GB; é eficiente para partições menores que 100MB. Os arquivos possuem atributos elementares: r (somente leitura), h (oculto), s (sistema) e a (arquivado). HPFS: sistema de arquivos padrão do OS2 ou superior. O tamanho do nome dos arquivos podem ter até 254 caracteres; cada arquivo pode ter até 4GB e cada partição do disco pode ter até 2 TB; é eficiente para partições entre 100 e 200 MB. Os arquivos possuem atributos estendidos. NTFS: sistema de arquivos padrão do Windows NT. O tamanho do nome dos arquivos podem ter até 255 caracteres; cada arquivo ou cada partição do disco pode ter até 16EB (2 64 bytes, ou seja, pouco mais que um bilhão de GB); é eficiente para partições maiores que 200 MB. Os arquivos possuem atributos mais estendidos. Os sistemas de arquivos NTFS e HPFS são compatíveis com o sistema FAT (MS- DOS), pois aceitam e usam nomes de arquivos no padrão 8.3 (oito caracteres para nome de arquivo e três para extensão, separados por ponto). Quando se utiliza um nome longo, com mais de oitos caracteres, NTFS e o FAT estendido do Windows 95 adicionam 17

18 automaticamente um nome no formato 8.3 aos arquivos, mantendo a compatibilidade com o MS-DOS. Tanto o NTFS como o FAT estendido não faz distinção entre maiúsculas e minúsculas para nomes de arquivos MS-DOS, mas salvam as maiúsculas e minúsculas, o que é importante para manter a compatibilidade com os arquivos do padrão POSIX. As principais vantagens do sistema de arquivos NTFS do Windows NT são: Permissões: os atributos dos arquivos determinam de que modo um usuário pode ter acesso a um arquivo ou diretório. Auditoria: o Windows NT pode gravar em um arquivo de LOG dos eventos relacionados a segurança. Posse: os donos ou criadores dos arquivos possuem controle total sobre seus arquivos e diretórios, incluindo a capacidade de trocar permissões Instalação do Windows NT Server Os requisitos mínimos de Hardware são: PC Intel 386DX 33 Mhz; 16 MB de memória RAM; 85 MB de espaço em disco disponíveis; Drive para disquetes 3 ½ ; Drive de CD-ROM. Durante a instalação do Windows NT Server, devem ser realizadas as seguintes configurações iniciais, fundamentais para a utilização do sistema: 1) Definição do nome do DOMÍNIO e de uma senha para o usuário administrador, que é criado automaticamente com o nome de ADMINISTRATOR. O usuário administrador pode ser renomeado, mas nunca apagado. 2) Configuração da placa de rede: endereço e interrupção. 3) Definição do papel do servidor que está sendo instalado: PDC, BDC ou Server. 4) Definição do tipo de sistema de arquivos a ser utilizado: NTFS (recomendado), HPFS ou FAT. 5) Definição de como será feito o particionamento do disco rígido. Pode-se optar por diversas partições, quando for necessário utilizar mais de um tipo de sistema de arquivos, sendo um por partição. No caso do se desejar efetuar carga (boot) com 18

19 outro sistema operacional, a partição primária deve ter um sistema de arquivos compatível com ambos. Por exemplo: para efetuar boot com o MS-DOS ou Windows 95 e com o Windows NT, a partição primária deve ser do tipo FAT. 6) Definição do arquivo de memória virtual (Page File): localização e tamanho, que pode ser feita automaticamente pelo Windows NT Administração de Usuários Após a instalação, o Windows NT Server cria um ambiente de trabalho (interface gráfica e recursos) praticamente idêntico ao do Windows 95. Entretanto, é criado um grupo de ferramentas administrativas (Administrative Tools), que não existe nos outros sistemas operacionais. Este conjunto de ferramentas gráficas permite o gerenciamento do Windows NT Server. Manutenção de usuários: Para realizar a manutenção de contas de usuários no Windows NT, você deve executar os seguintes passos (versão em Inglês): 1) Execute o logon no sistema como administrador; 2) Clique o botão Startup e escolha as opções Programs Administrative Tool User Maneger. Figura 3.1 Janela do User Manager. 19

20 A Figura 3.1 mostra a janela do User Manager. O menu User da janela do Administrador de Usuários é composto pelas seguintes opções: New: permite a criação de novos usuários; Rename: permite renomear uma conta de usuário. Apenas uma conta pode ser renomeada por vez. Contas renomeadas mantêm suas propriedades; Delete: permite excluir contas de usuários. Os identificadores de segurança (SID) são apagados quando uma conta é removida. Uma conta criada com o mesmo nome de usuário de uma conta removida recebe um SID diferente; não possuirá, portanto, os privilégios da conta anterior; Copy: permite copiar usuários e grupos em uma nova conta; Proprieties: mostra as características da conta selecionada para alteração. Criação de Usuários: Para criar contas de novos usuários no Windows NT Server, você deve no menu User da janela do Administrador de usuário (v. Figura 3.1, p. 19), escolher a opção New User e preencha as opções para a criação de um novo usuário. Figura 3.2 Janela para a Criação de Novo Usuário. 20

21 A janela para criação de usuário pode ser vista na Figura 3.2. Você deve definir um nome para o usuário se conectar (logar) na rede (Username), e o nome completo do usuário (Full Name), uma descrição para o usuário (Description) e uma senha de acesso (Password), que deve ser digitada duas vezes para confirmação. Em relação ao acesso do usuário na rede algumas opções também devem ser definidas: Se o usuário deve trocar a senha de acesso definida na sua criação, no seu primeiro logon na rede; Se o usuário não pode trocar a senha definida pelo administrador da rede; Se a senha definida pelo administrador da rede nunca expira; Se a conta do usuário está desabilitada. Além disso, o conjunto de botões da janela de criação de usuários permite a definição de parâmetros importantes para a administração da rede: Botão Groups: permite cadastrar o usuário em um ou mais grupos de usuários predefinidos. Cada grupo deve possuir determinadas permissões de acesso ao sistema. Botão Profile: permite criar um arquivo de profile para o usuário, personalizando o ambiente de trabalho do sistema para ele. Botão Hours: permite especificar os dias e horas da semana nos quais o usuário terá acesso aos recursos dos servidores NT de um determinado domínio. Botão Logon To: permite especificar o nome das estações da rede a partir das quais o usuário poderá ter acesso aos recursos dos servidores NT que fazem parte do domínio. Botão Account: permite definir outras informações relacionadas à conta do usuário: quando a conta expira e se é uma conta global ou local Grupos de Usuários O administrador da rede pode criar vários tipos de contas ou grupos de usuários. Com isso poderá administrar melhor o sistema, fornecendo diferentes níveis de segurança, limitando os acessos dos usuários aos recursos do sistema e fornecendo a cada usuário os direitos mínimos necessários a realização de suas tarefas. Dois tipos de usuários ou grupos são padrão no Windows NT Server o Administrador e Convidado. Administrador (Administrator): possui controle completo sobre a operação do sistema. Se a senha do administrator for perdida e não houver outros usuários com poderes de administrador, só poderá ser restaurada se existir backup do registy do NT; ou então, a partir 21

WINDOWS NT SERVER 4.0

WINDOWS NT SERVER 4.0 Características WINDOWS NT SERVER 4.0 O NT Server suporta redes maiores organizadas em torno de servidores e domínios. É um sistema operacional para organizações que necessitem implementar aplicações críticas,

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Bem-vindo

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Bem-vindo Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Bem-vindo 2005 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Sistemas Operacionais Redes de Computadores Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2013 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador,

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

2 de maio de 2014. Remote Scan

2 de maio de 2014. Remote Scan 2 de maio de 2014 Remote Scan 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. Conteúdo 3 Conteúdo...5 Acesso ao...5

Leia mais

Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede

Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede Xerox WorkCentre M118/M118i Guia de Configuração Rápida de Conexão da Rede 701P42689 Este guia contém instruções para: Navegação pelas telas do visor na página 2 Configuração da rede usando o servidor

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE PASSO FUNDO 3. Controle de Acesso Permissões de Compartilhamento e Permissões NTFS Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse capitulo vamos estudar algumas opções do

Leia mais

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft.

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. WINDOWS O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. Área de Trabalho Ligada a máquina e concluída a etapa de inicialização, aparecerá uma tela, cujo plano de fundo

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Redes de Computadores. Revisões

Redes de Computadores. Revisões Redes de Computadores Revisões Classifique, com V ou F, as afirmações seguintes! A comunicação entre sistemas (ex: computadores), tendo em vista a execução de aplicações telemáticas, só é possível se existir

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Guia do usuário do Seagate Dashboard

Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard 2013 Seagate Technology LLC. Todos os direitos reservados. Seagate, Seagate Technology, o logotipo Wave e FreeAgent são marcas

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Como instalar Windows XP

Como instalar Windows XP Como instalar Windows XP 1 Como instalar Windows XP Existem 2 opções para instalar XP: Opção A: para micro novo sem Sistema Operacional instalado (Exemplo de sistema operacional:windows 98, Windows 2000,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Tutorial de Active Directory Parte 3

Tutorial de Active Directory Parte 3 Tutorial de Active Directory Parte 3 Introdução Prezados leitores, esta é a terceira parte de uma série de tutoriais sobre o Active Directory. O Active Directory foi a grande novidade introduzida no Windows

Leia mais

NetWare 6.5. Novell. Instalação e upgrade REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA REQUISITOS DE SISTEMA RECOMENDADOS. www.novell.

NetWare 6.5. Novell. Instalação e upgrade REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA REQUISITOS DE SISTEMA RECOMENDADOS. www.novell. Novell NetWare 6.5 www.novell.com INÍCIO RÁPIDO Instalação e upgrade Esta Introdução rápida fornece informações básicas sobre a instalação e o upgrade para um servidor NetWare 6.5. Para obter instruções

Leia mais

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande velocidade

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Instalando o Windows NT Server 4.0

Instalando o Windows NT Server 4.0 Instalando o Windows NT Server 4.0 Tópicos Considerações Pré-Instalação Hardware Necessário Tipos de Servidores Sistema de Arquivos Formas de Instalação Configuração de hardware Plataforma INTEL Processador

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012. Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados.

Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012. Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados. Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012 Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida,

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Documento Gerado por: Amir Bavar Criado em: 18/10/2006 Última modificação: 27/09/2008 Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

Leia antes de instalar Mac OS X

Leia antes de instalar Mac OS X Leia antes de instalar Mac OS X Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações sobre os computadores compatíveis, requisitos do sistema e como instalar o Mac OS X. Para obter

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida Para obter uma descrição completa das funções do programa, consulte o guia do usuário do ProRAE Guardian (incluso no CD de software). SUMÁRIO 1. Principais

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações importantes sobre como instalar o Mac OS X. Requisitos do sistema Para

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais