MONITORAMENTO E CONTROLE DE VENDING MACHINES UTILIZANDO UMA REDE DE TELEFONIA CELULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO E CONTROLE DE VENDING MACHINES UTILIZANDO UMA REDE DE TELEFONIA CELULAR"

Transcrição

1 Centro Universitário Positivo UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Eduardo Gaspar Franchetto Pereira MONITORAMENTO E CONTROLE DE VENDING MACHINES UTILIZANDO UMA REDE DE TELEFONIA CELULAR Curitiba 2004

2 Centro Universitário Positivo UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Eduardo Gaspar Franchetto Pereira MONITORAMENTO E CONTROLE DE VENDING MACHINES UTILIZANDO UMA REDE DE TELEFONIA CELULAR Monografia apresentada à disciplina de Projeto Final, como requisito parcial à conclusão do curso de Engenharia da Computação. Orientador: Marcelo Mikosz Gonçalves. Curitiba

3 Folha de Aprovação Membros da Comissão Julgadora da Monografia do Projeto Final de Graduação de Eduardo Gaspar Franchetto Pereira, apresentada ao Curso de Engenharia da Computação, do Centro Universitário Positivo, em 13/12/2004. Comissão Julgadora: Edson Pedro Ferlin / Centro Unicersitário Positivo Alessandro Zimmer / Centro Universitário Positivo Marcelo Mikosz / Centro Universitário Positivo 3

4 Agradecimentos Agradeço a todos que estiveram próximos e deram uma força para este projeto iniciar e realizar-se. Vocês sabem quem são. 4

5 Sumário 1. Introdução Descrição Sensores Sensor de violação do compartimento de carga Sensor de temperatura Sensores de controle de estoque na máquina Controlador: Microcontrolador Conexão do 8051 via porta serial RS-232 ao aparelho celular Ambiente de Desenvolvimento / Programação Comandos AT História dos comandos AT AT+CMGD Delete SMS message AT+CMGF Select SMS message format AT+CMGL List SMS messages from preferred store AT+CMGR Read SMS message AT+CMGS Send SMS message AT+CPMS Preferred SMS message storage AT+CSCA SMS service centre address AT+CSMS Select Message Service O Modo PDU (Packet Data Unit) Ambiente de Teste do Modo PDU A Central de Monitoramento e Controle Recepção dos dados na central de monitoramento e controle Envio de Informações da central para a estação móvel Software de Monitoração e Controle Linguagem Utilizada Banco de Dados Características Funcionais Diagramas de Casos de Uso O Protótipo Especificação da validação do Projeto Análise de Viabilidade Resultados e Discussão Conclusões Referências Bibliográficas Anexos Diagramas esquemáticos dos circuitos: Implementação do Banco de Dados Cronograma do Projeto

6 Lista de Figuras Figura 1 - Diagrama Geral do Projeto Figura 2 - Diagrama de Blocos representando o funcionamento do sistema Figura 3 - Diagrama dos sensores instalados na vending machine Figura 4 - Diagrama esquemático do sensor de violação ativado Figura 5 - Diagrama esquemático do sensor de violação desativado Figura 6 - Sensor de violação do tipo switch de contato com alavanca Figura 7 - Diagrama esquemático do circuito do sensor de temperatura Figura 8 - Diagrama esquemático do sensor de estoque Figura 9 - Cabo Siemens DCA-500 para comunicação serial Tabela 1 - Parâmetros da string que forma o Modo PDU Figura 10 - Diagrama de comunicação da Central de Controle e Monitoramento Figura 12 - Diagrama em Blocos do Software de Monitoramento e Controle Figura 13 - Diagrama de casos de uso para construção do software Figura 14 - Diagrama de casos de uso para construção do software (continuação).3634 Figura 15 - Tela de controle e status da vending machine Figura 16 - Tela de cadastro de operadores do sistema Figura 17 - Cadastro dos responsáveis pela manutenção das vending machines Figura 18 - Seqüência de fotos do Protótipo de vending machine construído Figura 19 - Gráfico de crescimento do uso de SMS no mercado Europeu

7 Lista de Siglas SMS Short Mesage Service (Serviço de Mensagens Curtas) PC Personal Computer (Computador Pessoal) PDU Packet Data Unit (Unidade de Pacote de Dados) GSM Global System for Mobile 7

8 Resumo Atualmente existem muitas vending machines espalhadas em diversos pontos de venda pela cidade; todas possuem um sistema de abastecimento periódico, mas seus estoques e seu estado de funcionamento não são controlados à distância. O projeto consiste na monitoração de vending machines utilizando sensores de temperatura, violação e controle de estoque. A monitoração é feita por um módulo microcontrolado instalado no interior da máquina, realizando uma comparação entre valores parametrizados previamente e as informações obtidas dos sensores e se necessário envia uma mensagem SMS através de um telefone celular controlado pela porta serial do microcontrolador. A mensagem SMS é enviada para uma central e recebida por um computador que irá realizar o registro das informações em uma base de dados e enviar uma outra mensagem SMS para o responsável pela manutenção e abastecimento da máquina. Futuramente pretende-se realizar operações de telemetria na máquina, controlando algumas funções diretamente da central através de mensagens SMS. 8

9 Abstract Nowadays we have a lot of vending machines disposed in many selling points; all of them have an periodic refilling system, but the stock and the machine state aren t remote controlled. The project consist in monitoring vending machines using temperature, violation and stock control sensors. This monitoring is done by a microcontroled module installed inside the machine, that makes an comparison between previously parametrized values and the information obtained from the sensors and, if necessary, sends a SMS message through a cell phone controlled by the microcontroler s serial port. This SMS message is transmitted to an central and received in a computer. This computer will acquire and register the information in a database and send another SMS message to the vending machine s support responsible. In the future we intend to make telemetry operations with the machine, controlling some functions directly from the central using SMS messages. 9

10 1. Introdução As primeiras vending machines ou máquinas de venda começaram a ser largamente usadas na Europa por volta de A primeira máquina comercial operada com moedas foi introduzida na Inglaterra e vendia cartões postais. Na mesma época surgiu uma máquina similar que vendia livros, inventada por um editor de livros. Entretanto, as vending machines só se tornaram populares quando foram introduzidas nos Estados Unidos no final de 1800 e início de Em 1888 já se iniciava a venda de goma de mascar. Em 1897 iniciou-se a adição de figuras animadas as vending machines para chamar maior atenção do público. Com o grande crescimento em popularidade, as máquinas passaram a vender cigarros, doces, cafés, lanches, cartões postais e selos. Em 1902, surgiu um novo conceito do uso das vending machines, um restaurante completamente operado por moedas na Philadelphia. Mas, devido a grande explosão do mercado de fast-food, operaram até Hoje temos muita variedade no que diz respeito a produtos vendidos nestas máquinas, a forma de compra também sofreu melhorias, surgindo máquinas com o reconhecimento de cédulas de dinheiro, além das moedas. Apesar de muitos avanços, a forma de abastecimento e controle continuou sendo feita manualmente. Em outras áreas como no controle dos serviços de distribuição de energia existem projetos de controle aplicando Telemetria. Ferline (2003) demonstra que as redes sem fio utilizando bluetooth permitem um controle ágil à distância de variáveis anteriormente controladas manualmente. Atualmente, as vending machines que estão em utilização em nossa cidade não são automatizadas. As máquinas são reabastecidas dentro de um determinado período que varia de acordo com o consumo de refrigerante. O reabastecimento não leva em conta se a quantidade de refrigerante disponível naquele período foi suficiente ou excedente através de um monitoramento constante, mas sim através da prática e da larga experiência de mercado adquirida ao longo do tempo. Além disto, estas vending machines não informam de maneira automática se por um pico de energia elétrica, ou qualquer outro motivo a máquina parou. Não há como identificar, a não ser através de uma inspeção periódica (na maioria das vezes 10

11 dispendiosa), se o refrigerador dos refrigerantes está funcionando corretamente. Também não podemos saber se a máquina foi violada. Com a tecnologia de comunicação remota, transmissão de dados via rede sem fio, monitoramento por sensores e controle via microcontrolador podemos ter um maior controle sobre estas máquinas, além da economia de tempo, antes gasto para realizar o monitoramento e controle manualmente, pode-se agora inserir estes dados no celular dos responsáveis pelo gerenciamento das máquinas. A utilização de celulares para controle remoto de dispositivos (telemetria) tem se mostrado emergente em outros países. A agência de notícias Reuters informou no dia 18 de março que a polícia espanhola está trabalhando com a hipótese de que celulares detonaram os explosivos em três estações de trem de Madri, no atentado do dia 11 de março de São Paulo - As autoridades espanholas estão trabalhando com a hipótese de que os terroristas usaram celulares para detonar os explosivos em três estações de trem de Madri. Experts em atentados dizem que o Exército Republicano Irlandês (IRA) e o Hamas já usaram celulares para acionar bombas à distância. O fato é que os celulares estão se transformando em arma mortal não só para os terroristas mas também para os serviços de contra-espionagem. A necessidade de criar regras comuns sobre o armazenamento dos dados sobre telefones foi um assunto de destaque no encontro realizado nesta semana por ministros do Interior dos países-membro da União Européia (UE), que tentam melhorar a cooperação de seus serviços de segurança depois dos atentados deste mês em Madri (capital da Espanha). [Reuters, 20/03/2004] Este projeto tem como maior objetivo realizar a comunicação remota de uma vending machine com uma central de monitoramento e controle que recebe os dados da máquina e encaminha para o responsável direto pela manutenção. Também se objetiva formar uma base de dados nesta central de monitoramento e controle contendo as informações trafegadas que chegaram ao responsável. Nesta central pretende-se desenvolver um programa que gerencia um certo número de máquinas que estão espalhadas nos pontos de venda, identificando as diferentes freqüências de saída do produto para cada máquina. Pretendemos reduzir o tempo gasto com a manutenção ou inspeção preventiva nestas máquinas. 11

12 2. Descrição O Sistema implementado é demonstrado na figura 1 e consiste em um conjunto de sensores que monitoram diversas variáveis de controle de uma vending machine, dentre eles temos o sensor de temperatura, o sensor de estoque e o sensor de violação. A cada alteração o microcontrolador verifica se é necessário informar a central fazendo verificações de limites pré-estabelecidos. Uma vez atingidos os limites, o módulo controlador instalado na vending machine envia através de SMS (short message services) as informações relacionadas ao controle da máquina através um aparelho celular. A ligação do microcontrolador é feita via porta serial (RS-232) através de um cabo de conexão específico demonstrado no decorrer deste trabalho. A central de monitoramento e controle é composta por um microcomputador que contém um software de controle que fica monitorando os SMS recebidos das vending machines. Conforme a origem do SMS o software registra as informações provenientes da vending machine e avisa o responsável pela manutenção das máquinas também através de SMS controlando um aparelho celular (estação móvel) através de um computador pela porta serial (RS-232). É possível através do software saber que cada vending machine é identificada por um único número de celular e cada operador é atrelado a uma máquina específica podendo ter um número de celular único. 12

13 Sensor de temperatura Vending Machine Celular GSM Sensores de estoque Central de controle e monitoramento Sensor de violação Rede de Telefonia Celular 8031/51 Estação Móvel do responsável pela manutenção / reabastecimento Figura 1 - Diagrama Geral do Projeto Este sistema consiste em uma maneira de se obter informações remotamente de um equipamento de vendas (vending machine) de modo a facilitar a manutenção e reposição de produto. E segue a tendência de automação englobando telefonia, cuja tendência leva até aplicações de telemetria (controle a distância) e domótica (automação residencial). A figura 2, ilustra o fluxo das informações no sistema. No canto esquerdo da figura vemos um conjunto de sensores que ficam enviando constantemente as informações ao microcontrolador 8031, o qual faz uma análise dos dados para o envio das mensagens por comandos AT via porta serial. Os conceitos de comandos AT serão explicados posteriormente no decorrer deste trabalho. Esta mensagem chega para outro celular GSM localizado na central de monitoramento e controle e está ligado a um microcomputador com o software de controle instalado como explicado anteriormente. O Computador da central de monitoramento é responsável pelo envio de SMS para os técnicos responsáveis pela manutenção e reabastecimento das vending machines e geralmente se encontram em trânsito, sendo alcançados via telefone 13

14 celular através destas SMS enviadas também através de comandos AT com um aparelho celular conectado na porta serial deste microcomputador. S E N S O R E S ANÁLISE RS-232 DADOS 8031 COMANDOS AT PC PC CELULAR GSM CELULAR GSM SMS SMS RS-232 RESP. MANUTENÇÃO Figura 2 - Diagrama de Blocos representando o funcionamento do sistema 14

15 3. Sensores Os sensores presentes no sistema têm a função de aquisição de dados. Selecionamos algumas variáveis que consideramos importantes para o monitoramento do correto funcionamento da máquina e variáveis que são importantes para o controle e manutenção da máquina pelo agente externo responsável. Os componentes utilizados serão os mais comuns encontrados no mercado e de baixo custo, salvo necessidades de maior precisão e desempenho, que serão detectáveis no decorrer dos testes de implementação. A figura 3 mostra os três sensores implementados neste projeto: o sensor de temperatura, sensor de violação e sensor de estoque. Nos itens subseqüentes faremos a descrição detalhada de cada um deles. Sens. Temperatura Sens. Violação Sens. Estoque DADOS D A D O S DADOS Microcontrolador 8031 Figura 3 - Diagrama dos sensores instalados na vending machine. 15

16 3.1 Sensor de violação do compartimento de carga Para este sensor utilizamos um circuito de contato com uma chave normalmente fechada ligado a uma entrada do módulo controlador instalado dentro da máquina, como ilustrado nas figuras 4 e 5. Figura 4 - Diagrama esquemático do sensor de violação ativado Figura 5 - Diagrama esquemático do sensor de violação desativado Para o sensor chave foi utilizado um sensor de contato tipo switch de alavanca colocada diretamente na porta de abertura do protótipo utilizado para simular a vending machine, o sensor é como ilustrado na figura 6. 16

17 Figura 6 - Sensor de violação do tipo switch de contato com alavanca 3.2 Sensor de temperatura Segundo Werneck (1996), os sensores de temperatura devem estar adaptados de modo que o range escolhido tenha uma tolerância de alguns graus tanto no limite inferior quanto no limite superior a serem medidos para garantir o bom funcionamento do sensor de aquisição. O sensor de temperatura tem como objetivo verificar se o refrigerador da máquina está funcionando corretamente. O monitoramento da temperatura se refere ao compartimento de carga, verificando se o produto se encontra em temperatura adequada. Ao atingir o limite pré-estabelecido, o circuito do sensor de temperatura ativar uma interrupção do microcontrolador instalado na máquina. O sensor utilizado é o LM35 da National Semicondutor. Este sensor possui como características importantes o fato de ser calibrado diretamente em graus Celsius e ter fator de escala de 10mV/ºC, além de ser aplicável para um range de temperatura de -55ºC até +150ºC. Sensor de Temperatura VCC U8 1 VS+ VOUT 2 3 GND LM35/TO R R1 1 LF353 U6A Ganho do amplificador: A = 1+(R1/R2) VCC U3 IN0 IN1 IN2 IN3 IN4 IN5 IN6 IN7 REF+ REF- CLK OE EOC ADC0808 D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 A0 A1 A2 START ALE pF 33pF U11 A1 A2 A3 A4 A5 A6 A7 A8 G DIR +5V 74LS245 B1 B2 B3 B4 B5 B6 B7 B8 8K2Ohm Mhz 10uF U1 EA/VP X1 X2 RESET INT0 INT1 T0 T1 P1.0 P1.1 P1.2 P1.3 P1.4 P1.5 P1.6 P P0.0 P0.1 P0.2 P0.3 P0.4 P0.5 P0.6 P0.7 P2.0 P2.1 P2.2 P2.3 P2.4 P2.5 P2.6 P2.7 RD WR PSEN ALE/P TXD RXD Figura 7 - Diagrama esquemático do circuito do sensor de temperatura 17

18 No circuito do sensor de temperatura foi utilizado um amplificador operacional modelo LF353, configurado de modo a se obter um ganho de 21. A saída do sensor de temperatura LM35 está na ordem de milivolts, o que não é suficiente para a conversão do sinal pelo conversor analógico-digital ADC0808. Para isso foi usada a configuração do amplificador operacional de não inversor e com R1 equivalente a 200KO (dois resistores de 100KO ligados em série) e R2 equivalente a 10KO. Assim, utilizando a fórmula do ganho para esta configuração A=1+(R1/R2) obtemos ganho de 21 (Pertence, 1996). Além disso, foi utilizado um conversor analógico-digital de 8 bits, o ADC0808, que converte a saída do amplificador operacional para 8 bits. O ajuste feito para a conversão do sinal foi para em 0ºC a saída do amplificador operacional apresentar a tensão de 0V e em 30ºC apresentar +5V, sendo convertido em 0 e 255 com 8 bits respectivamente. 3.3 Sensores de controle de estoque na máquina Os sensores de controle de estoque são utilizados para monitorar a quantidade mínima de estoque do produto no interior da máquina. Quando a luz que incide no transdutor é interrompida, um pulso de corrente se produz, podendo ativar um contador. Há três tipos básicos de transdutor fotoelétrico: fotoemissor, fotocondutor, fotovoltaico. (Werneck: 1996, p.37) No caso deste sensor utilizaremos o sensor fotoemissor. Em um transdutor fotoemissor, uma luz incide sobre uma superfície fotosensível, forçando-a a emitir elétrons, que são então atraídos a um eletrodo carregado positivamente, fazendo fluir uma corrente. A interrupção da incidência de luz sobre a superfície a ela sensível origina uma mudança na corrente. (Werneck: 1996, p.38) Quando o estoque atingir a quantidade mínima previamente estabelecida o sensor fotoelétrico detecta a falta do produto e informa diretamente o microcontrolador, conforme ilustrado na figura 8. 18

19 VCC VCC VCC Fotoemissor 22ohm Lata de refrigerante Fotoreceptor 2 89Kohm 1 3 BC558B 1Kohm Saída Figura 8 - Diagrama esquemático do sensor de estoque No projeto o teste foi feito com uma lata de refrigerante supondo-se que ela estaria na posição predeterminada da coluna de refrigerantes e sendo a última a ocupar esta posição. Ao sair desta posição o sensor é ativado, indicando que é necessária uma reposição de estoque. Segundo técnicos da Coca-Cola (representada em Curitiba pela empresa Spaipa, localizada no Centenário), a quantidade ideal para um técnico ser avisado seria quando o estoque interno da máquina tiver 5 latas. 19

20 4. Controlador: Microcontrolador 8051 Todos os sensores estarão ligados a um microcontrolador o qual monitora as respostas destes sensores e envia comandos para a porta serial (RS-232), na qual está ligado um aparelho celular que envia as mensagens SMS contendo as informações dos sensores para a central de monitoramento e controle. 4.1 Conexão do 8051 via porta serial RS-232 ao aparelho celular O Microcontrolador executa comandos no celular através de conexão serial. Foi utilizado um celular GSM da Siemens modelo C60 para esta conexão, juntamente com o cabo para conexão serial obtido também com a Siemens e específico para este e mais alguns modelos de aparelho celular GSM. O modelo do cabo é DCA-500 e está ilustrado na figura 9. Para a utilização da porta serial do microcontrolador foi configurado conforme indica Gimenez (2002) de modo a obter-se 4800 bps como taxa de transmissão. Este cabo (figura 9) permite executar comandos AT no aparelho celular e enviar mensagens SMS controlando o aparelho pela porta serial do microcontrolador Figura 9 - Cabo Siemens DCA-500 para comunicação serial 20

21 4.2 Ambiente de Desenvolvimento / Programação O ambiente de desenvolvimento do código em assembly com ferramentas de programação assembly utilizando-se o Read51 da Rigel Corporation. 21

22 5. Comandos AT Segundo Montoro (1990), os comandos AT são expressões que seguem uma sintaxe definida e são codificados em firmware de modems para o controle da comunicação destes dispositivos. Para controlar o celular através da interface serial (RS-232), foram utilizados comandos AT específicos para o modelo de celular que estamos utilizando. Baseandonos em documentação da Siemens para celulares GSM, pudemos encontrar as sintaxes necessárias e os parâmetros para este controle. 5.1 História dos comandos AT Na década de 80 uma companhia chamada Hayes começou a fabricar o Hayes Smartmodem Pouco depois, ela foi forçada a realizar rapidamente o Smartmodem 2400, porque o mercado para modems de 1200 baud/bps sumiu rapidamente. Devido a pressa para colocar o produto no mercado a Hayes não teve tempo para ou otimizar os modems, uma tendência que continuou por muito tempo. Os modems Smartmodem 1200 and Smartmodem 2400 eram considerados modems smart porque podiam discar os números de telefone por eles mesmos, de modo diferente de alguém discando os números para os modems num telefone anexado ao equipamento e quando escutar o sinal de resposta remota apertar o botão start e colocar o telefone no gancho permitindo aos dois modems estabelecerem conexão. Este tipo de modem era comum para os modems que trabalhavam com linhas do tipo POTS/PSTN (Plain Old Telephone Service/Public Switched Telephone Network) na década de 80. Os modems de discagem automática eram muito caros, por exemplo, em 1983 o Radio Shack 1200baud/bps DC-1200, custava U$699,00 e o módulo de auto-discagem custava adicionais U$150,00, permitindo apenas discagens de pulso. Após mais alguns anos os Smartmodems Hayes suportavam muitas aplicações como a habilidade de transmitir código morse, trabalhar com RTTY e trabalhar com repetidores de rádio amador, mas para as pessoas que queriam fazer conexões de dados nada disso era interessante e nenhum modem posteriormente utilizou-se desses suportes extras. 22

23 Era prática comum após o lançamento de um modem no mercado esperar algum tempo pelas atualizações dos drivers que continham os comandos AT para funcionar corretamente com os provedores de serviço existentes. A partir de que os modems Hayes se tornaram praticamente uma forma de padrão, passaram a ser seguidos por outros fabricantes de modems, que nomeavam os seus produtos como compatíveis com Hayes, o que levou a Hayes a proibir o uso do nome nos outros produtos. O que posteriormente levaria os outros fabricantes a intitular-se AT Command Set compatíveis. A partir de 1986 nenhum modem foi feito para o consumidor sem que fosse compatível com os comandos AT. Anos mais tarde, TIA/EIA introduziu um padrão chamado "Data Transmission Systems and Equipment - Serial Asynchronous Automatic Dialing and Control", conhecido como TIA/EIA-602. Este padrão é quase idêntico ao padrão Hayes. Os novos modems suportam velocidades muito maiores e temos muitos outros fabricantes no mercado. Para a época quem começou a aparecer após a Hayes foi a Rockwel, mas sem seguir o padrão de alta velocidade da Hayes, o que acabou gerando muitas incompatibilidades. 5.2 AT+CMGD Delete SMS message Este comando ao ser enviado para a serial do computador e recebido por um celular compatível provoca a deleção de uma mensagem SMS que está na memória preferencial. 5.3 AT+CMGF Select SMS message format Este comando seleciona o modo de operação de envio das mensagens SMS para os módulos GSM, se este parâmetro for selecionado em modo 0 o celular opera em modo PDU, se for selecionado modo 1 o celular opera em modo texto. 5.4 AT+CMGL List SMS messages from preferred store Este comando lista as mensagens SMS existentes na memória preferencial do celular e para indicar qual o tipo de mensagem queremos ver devemos indicar os parâmetros segundo a seguinte definição: 23

24 0 Mensagens recebidas não lidas (padrão); 1 Mensagens recebidas lidas; 2 Mensagens não enviadas salvas; 3 Mensagens enviadas salvas; 4 Todas as mensagens; 5.5 AT+CMGR Read SMS message Da mesma forma que o comando para listar as mensagens o comando para leitura de mensagens exige um parâmetro que identifica quais mensagens estão sendo lidas. O comando também apresenta como resposta além do modo PDU um índice da mensagem. Este comando também segue a definição dos seguintes parâmetros: 0 Mensagens recebidas não lidas (padrão); 1 Mensagens recebidas lidas; 2 Mensagens não enviadas salvas; 3 Mensagens enviadas salvas; 5.6 AT+CMGS Send SMS message Este comando serve para enviar uma mensagem SMS, ele exige como parâmetros o comprimento da string da mensagem e a string do modo PDU. 5.7 AT+CPMS Preferred SMS message storage Com este comando selecionamos qual a memória default que iremos acessar, ou seja, o próprio aparelho ou o SIM card ou ainda a soma das duas memórias. Os parâmetros do comando seguem a lista a seguir: SM SIM message storage (SIM Card); ME Mobile Equipment message storage (Celular); MT Sum of ME and SM storages (As duas memórias); 24

25 5.8 AT+CSCA SMS service centre address Este comando seleciona como o centro de serviço será obtido. O Centro de Serviço é um número de celular que funciona como um gateway SMS que a operadora fornece para que a transmissão de mensagens ocorra de forma correta. Muitas vezes, com a codificação em modo PDU, é necessário inserir este número do Centro de Serviço juntamente com a mensagem, tratando este número como um parâmetro. Existe também a possibilidade de selecionar o Centro de Serviço obtido automaticamente de acordo com as regras da operadora, para isso não é necessário colocar nenhum parâmetro após o comando. 5.9 AT+CSMS Select message service Este comando selecionado com valor 0 torna o tipo de mensagem compatível para ser utilizado com o padrão da ETSI (The European Telecommunications Standards Institute) que é o GSM e 03.41, ou seja a sintaxe é compatível com os comandos AT especificados no documento GSM Phase 2 versão que pode ser encontrado no site da ETSI. 25

26 6. O Modo PDU (Packet Data Unit) O Modo PDU (Packet Data Unit), é o formato em que as mensagens SMS são transmitidas através da rede GSM. Este é um formato específico padronizado pela ETSI (The European Telecommunications Standards Institute) que é o GSM e 03.41, ou seja a sintaxe é compatível com os comandos AT especificados no documento GSM Phase 2 vesão que pode ser encontrado no site da ETSI além do modo PDU que é uma parte específica dentro dos comandos AT e que serve para o envio de mensagens de texto. Tabela 1: Parâmetros da string que forma o Modo PDU Valor Enviado Descrição 07 Comprimento da informação de SMSC (em octetos deste caso 7). 91 Tipo do endereço SMSC (formato internacional do número de telefone) F5 Número da central de serviços de SMS representada no formato de semi-octetos. O comprimento do número de telefone é impar (11), assim um F foi adicionado aos octetos apropriados do formulário. O número de telefone deste centro de serviço é " ". 04 Primeiro octeto do envio de mensagem SMS. 0B Comprimento do número do remetente (hex 0B = dec 11). Número do remetente (semi-octetos decimais), com um F adicionado F1 " ". 00 TP-PID. Identificador de Protocolo. 00 TP-DCS. Esquema de codificação dos dados A TP-SCTS. Ano, mês, dia, hora, minuto, segundo e timezon representado no formato de semioctetos. Comprimento da Mensagem E8329BFD4697D9EC37 Mensagem "hellohello". Formato octetos 8-bit, que representam os dados 7-bit. Tabela 1 - Parâmetros da string que forma o Modo PDU. Na tabela 1 podemos ver como escrever uma mensagem utilizando o modo PDU. A mensagem escrita é transformada da representação de 7-bits para o formato octetos 8-bits. Cada caractere é representado por um valor em código ASCII. Este valor é representado em 7-bits, mas este valor é convertido para o formato octeto 8-bits. No exemplo a seguir estão demonstradas as mensagens SMS e a conversão das mensagens para o modo PDU e em seguida para Hexadecimal pronta para ser enviada pela porta serial. 26

27 Para enviar a mensagem Sensor de violacao ativado primeiramente precisamos enviar para o aparelho celular a seguinte seqüência de comandos AT codificada neste caso em caracteres ASCII: A T + C M G F = 0 <ENTER> A T + C S M S = 0 <ENTER> A T + C M G S = 3 6 <ENTER> Estes comandos são enviados pelo firmware contido na memória ROM do microcontrolador. Para o firmware enviar para a porta serial foi utilizado a codificação hexadecimal e os mesmos comandos se apresentariam desta forma: B 43 4D D 30 0D B D 53 3D 30 0D B 43 4D D D Após estes comandos deve-se enviar a string codificada em Modo PDU para o celular, mostrada neste caso codificada em ASCII: > C A D 3 B 2 7 B F E C D F D C 7 E C 4 F D B C 3 E <CTRL+Z> Para o firmware enviar esta string pela porta serial do microcontrolador ela deve ser codificada em hexadecimal, como demonstrado a seguir: > A Para enviar a mensagem Sensor de estoque ativado primeiramente precisamos enviar para o aparelho celular a seguinte seqüência de comandos AT codificada neste caso em caracteres ASCII: A T + C M G F = 0 <ENTER> A T + C S M S = 0 <ENTER> A T + C M G S = 3 5 <ENTER> Estes comandos são enviados pelo firmware contido na memória ROM do microcontrolador. Para o firmware enviar para a porta serial foi utilizado a codificação hexadecimal e os mesmos comandos se apresentariam desta forma: B 43 4D D 30 0D B D 53 3D 30 0D B 43 4D D D 27

Visualizador de Mensagens

Visualizador de Mensagens PROJECTO DE AUTOMAÇÃO Visualizador de Mensagens Pretende-se com este projecto desenvolver a interface de comunicação série com um telemóvel, de forma a permitir o controlo e monitorização de sistemas à

Leia mais

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM.

Utilizando Modems GSM Guia Prático. Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Utilizando Modems GSM Guia Prático Esse artigo mostra de maneira simples e objetiva os conceitos fundamentais para utilização de um modem GSM. Luiz Henrique Corrêa Bernardes Cada vez mais estamos envolvidos

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados AVL s (Automatic Vehicle Location), nos veículos das empresas que realizam

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES

RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES RECEPTOR SERIAL COM DECODIFICADOR 128 BITS PARA ACIONAMENTO/DESACIONAMENTO REMOTO DE CONSUMIDORES Cristiane G. Langner (1,2), Juliano João Bazzo (1,3), Ivan J. Chueiri (1,2) (1)LACTEC Instituto de Tecnologia

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETO FINAL REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER CURITIBA 2011 GUSTAVO MURILO SCHMITT MASSANEIRO CURVE TRACER Documentação apresentada

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Manual Operacional SAT TS-1000

Manual Operacional SAT TS-1000 Manual Operacional SAT TS-1000 APRESENTAÇÃO O TS-1000 é o equipamento SAT da Tanca destinado a emissão de Cupons Fiscais Eletrônicos. Equipado com o que há de mais moderno em Tecnologia de Processamento

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Aula 02 - DAC / ADC Heitor Medeiros Florencio 1 heitorm@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Computação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.0 / Revisão 0 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE CURITIBA 2011 2 ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN

Leia mais

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Manual do Usuário [Ver.V4] Página 1 SUMARIO 1- Identificação e suas FUNCIONALIDADES:... 3 2- Características... 5 3- Cadastrando 1 ou mais números na discadora...

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO PROTECTED CURITIBA 2009 EDUARDO REBELO LOPES ELTON FOGGIATTO PROJETO PROTECTED Este

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS

Zelio Logic & Zelio Alarm. Exemplo de configuração GSM/SMS Zelio Logic & Zelio Alarm Exemplo de configuração GSM/SMS Comunicação Zelio Logic I. Introdução Zelio Logic e ZelioCom II. Configurações de Hardware III. Configurações de Software IV. Zelio Alarm 2 Comunicação

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura.

O protocolo MODBUS define também o tipo diálogo entre os equipamentos, define por exemplo quem pode enviar dados e em que altura. Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Informática Industrial 2010/2011 5 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO MODBUS 5.1 Protocolo de comunicação MODBUS Este protocolo foi proposto em 1979 pela

Leia mais

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado INTERFACE E AMBIENTE Versão - 09/2007 OBJETIVO OBJETIVO O Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado foi elaborado para apoiar a integração de Aplicativos

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

DISCADORA PHONE CELL

DISCADORA PHONE CELL DISCADORA PHONE CELL - Caro Usuário A interface celular Phone Cell foi desenvolvida com o objetivo de unir segurança e conectividade em um só aparelho. O produto realiza e recebe ligações telefônicas através

Leia mais

BuscaPreço Gertec V3.0

BuscaPreço Gertec V3.0 BuscaPreço Gertec V3.0 Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário 1 DESCRIÇÃO... 3 RECONHECENDO O TERMINAL... 4 INSTALAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURANDO PELO TECLADO...

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada - Para acessar o módulo deve-se ir ao menu FERRAMENTAS, sub-menu INTELIGÊNCIA EMBARCADA. O menu, ilustrado abaixo, contém as seguintes opções: Configurando

Leia mais

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS O Watchdog é um equipamento complexo e realiza muitas funções. A função de comunicações é considerada uma função de baixa prioridade e por conta disso,

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

TC505 Gertec V3.0. Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário

TC505 Gertec V3.0. Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário TC505 Gertec V3.0 Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário 1 DESCRIÇÃO... 3 RECONHECENDO O TERMINAL... 4 INSTALAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURANDO PELO TECLADO... 5

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Data Logger utilizando o ZAP-900. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Data Logger utilizando o ZAP-900 HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00057 Versão 1.00 novembro-2013 HI Tecnologia Data Logger utilizando o ZAP-900 Apresentação Esta nota de

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware

Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Integração Software Hardware Manual de Uso e Configuração do Terminal Serial GPRS TSG Introdução O TSG (Terminal Serial GPRS) é uma solução para telemetria

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos Manual Software de Monitoração NHS 3.0 1 Software de Monitoração NHS 3.0 Versão 3.0.30 Manual Software de Monitoração NHS 3.0 2 Sumário 1 Introdução...3 2 Iniciando a Monitoração do Nobreak...4 2.1 Instalando

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Multi vínculo MINI Estação Receptora. RX USB Link

Multi vínculo MINI Estação Receptora. RX USB Link ADVERTÊNCIA Este manual contem informação muito importante sobre o uso e funcionamento do produto e informações sobre garantia e responsabilidade do fabricante. Todo o manual deve ser lido cuidadosamente.

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1 Software de monitoramento 21.15.001 REV 04.doc 1 Tópicos da Ajuda 01. 03 02. INSTALAÇÃO 03 03. DESINSTALAÇÃO 05 04. INICIANDO O 08 05. CONFIGURAÇÃO DO TIPO DE COMUNICAÇÃO 09 06. E-MAIL 12 07. MENSAGENS

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior.

Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior. Controle de Nível Automatizado Através da Pressão no Recalque em Elevatórias com Reservatório Superior. Tema 1: Abastecimento de Água Autores: Jean Carlos Esser, técnico em eletrônica pelo CEDUP-Blumenau,

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Plataforma Móvel Geoposicionada

Plataforma Móvel Geoposicionada Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Thiago Felipe Plataforma Móvel Geoposicionada Curitiba 2006 Centro Universitário Positivo

Leia mais

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO TEF DISCADO Módulo American Express

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO TEF DISCADO Módulo American Express ROTEIRO DE INSTALAÇÃO TEF DISCADO Módulo American Express Versão 2.0 07/2003 1 I Instalação do Gerenciador Padrão O procedimento aqui descrito somente precisa ser executado se o Gerenciador Padrão ainda

Leia mais

Registrador FieldLogger

Registrador FieldLogger Registrador FieldLogger REGISTRADOR ELETRÔNICO - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.2x INTRODUÇÃO Este é um equipamento de aquisição e registro de variáveis analógicas. Opera como um Registrador Eletrônico de dados,

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas 3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas O presente capítulo descreve como a tecnologia RFID é associada às tecnologias de redes de telecomunicações, de forma a ser utilizada na avaliação

Leia mais

Equipe AUTOMATRON de Robótica. Sensores para Aplicação no Robô Coyote (Robô Tipo A.G.V. Seguidor de linhas)

Equipe AUTOMATRON de Robótica. Sensores para Aplicação no Robô Coyote (Robô Tipo A.G.V. Seguidor de linhas) Equipe AUTOMATRON de Robótica Sensores para Aplicação no Robô Coyote (Robô Tipo A.G.V. Seguidor de linhas) Araraquara 16 de outubro de 2009 1 Sumário 1 Introdução... 4 1.1 Introdução aos Sensores... 4

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais