MUNICÍPIO DE MARIANA. Monitor de Creche MANHÃ CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 ESTADO DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICÍPIO DE MARIANA. Monitor de Creche MANHÃ CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 ESTADO DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 MUNICÍPIO DE MARIANA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 Monitor de Creche MANHÃ

2 CARGO: MONITOR DE CRECHE Texto A Internet e a Língua Portuguesa O que o futuro reserva para a Língua Portuguesa com o uso do internetês cada vez mais apreciado pelos internautas. Cada vez com mais frequência, veiculadas pela mídia, ouvidas na vida cotidiana, as preocupações com o destino da Língua Portuguesa se fazem presentes diante do uso de palavras cifradas nas salas de bate-papo, nos s, enfim no dia a dia dos navegantes virtuais. Algumas questões se nos apresentam: estaria essa língua do mundo virtual prestes a invadir de vez o mundo real e influenciar o modo de falar de pessoas que sequer se sentaram à frente de um microcomputador? Poderia esse tipo de linguagem acarretar a modificação da norma culta de nosso idioma? Estaríamos a caminho da perda da nossa identidade linguística por causa da Internet? É nesses ambientes cibernéticos que você se transforma em vc, que beijos em bjs, desaparecem os acentos, o til, qualquer sinal que demande tempo maior de digitação. Uma língua nasce da necessidade de comunicação de uma sociedade e é parte da cultura, porque é formada por essa sociedade organizada ao tempo em que guarda toda sua cultura, o que significa que se faz ao longo da história dos povos que a formam: é fruto dos seus encontros, das relações que estabelecem relações de colaboração, de parceria, de domínio, em que há explorados e exploradores. Tudo isso transparece nos idiomas: por que tanto se usam expressões do inglês americano no Brasil? A língua é um organismo vivo, portanto, muda com a história, muda com a cultura. A Internet, criada nestes tempos atuais, é a maior rede de comunicação e informação criada pelo homem, e criou sua variante da língua com o objetivo de comunicação rápida on line. Cada vez mais pessoas estão acessando as chamadas salas de bate-papo e aprendendo o internetês, ou internês como querem outros; o linguajar dos internautas. De acordo com Tatiana Santana Rodrigues, mestranda de Língua Portuguesa, em primeiro lugar, a língua utilizada pelos internautas, salvo algumas exceções, não teria uma utilidade prática no mundo real. A abreviação de certas palavras talvez seja adotada futuramente, em virtude da evolução da língua escrita e da constante busca de agilidade no processo de comunicação pela língua escrita. Quanto ao uso das expressões típicas do mundo virtual, cremos que elas devam ficar restritas ao ambiente do ciberespaço. E continuando acrescenta: Em mais de três anos de Internet no Brasil, pouco ou quase nada influiu a Internet no modo de escrever das pessoas. A língua escrita exige certa precisão. A língua escrita dos internautas não tem essa precisão. Trata-se de uma linguagem hermética, utilizada por uma minoria que sabe o que está fazendo e conhece razoavelmente bem a língua portuguesa em seu nível culto. O uso da Língua em telegramas exigia também abreviações, sem que com isso as palavras fossem simplificadas em todas as formas de uso. Aliás, muito pertinente seria lembrar as Funções da Linguagem e os Níveis de Linguagem presentes em qualquer idioma. Não existe só o nível padrão de uso em uma língua. É óbvio que há influências de parte a parte, e essa nova forma poderia influir nas futuras transformações pelas quais a língua irá passar nos próximos anos. Mas isso, já nos salienta Tatiana, não significa deterioração, mas evolução do idioma. Se, como registra Alexandre Cruz Almeida em seu blog, os adolescentes estão escrevendo coisas como: comentem pq eu to de kra com vcs q ngm mais lembra di mim..., uma ótima oportunidade para os professores de Línguas reforçarem as aulas sobre a formação dos idiomas e suas muitas formas e modalidades de uso. Pode-se abreviar em telegramas e mensagens virtuais e não se pode, não se deve em dissertações, em textos em que se exige a modalidade padrão. (Disponível em: Acesso em: 14/10/2013.) 01 O tema central do texto é A) a influência do internetês no português culto falado. B) a influência do internetês no futuro do português escrito. C) a perda da identidade linguística dos falantes do português. D) o prejuízo para a escrita adolescente com o uso do internetês. E) a contribuição do internetês na evolução da linguagem informal. 02 O internetês ou internês é um código linguístico escrito utilizado pelos usuários da Internet e é considerado um nível de linguagem A) formal. B) padrão. C) técnico. D) regional. E) coloquial

3 03 De acordo com o texto, NÃO é correto afirmar que A) as influências externas sofridas pelo idioma fazem parte do seu processo natural de evolução. B) as pessoas precisam saber distinguir os contextos em que se deve ou não fazer uso do internetês. C) a linguagem utilizada pelos internautas foi criada a partir da necessidade de comunicação rápida na web. D) futuramente, o português incorporará as formas linguísticas características da linguagem dos internautas. E) o internetês é utilizado por um grupo de falantes que domina relativamente bem a norma padrão da língua. 04 No fragmento Trata-se de uma linguagem hermética, utilizada por uma minoria que sabe o que está fazendo (...) (4º ), o termo em destaque significa, no contexto, A) obscura. B) ambígua. C) exclusiva. D) inteligível. E) sofisticada. 05 Em Aliás, muito pertinente seria lembrar as Funções da Linguagem e os Níveis de Linguagem presentes em qualquer idioma. (5º ), o termo destacado tem a função de A) contrapor ideias. D) acrescentar um argumento. B) apresentar uma ressalva. E) introduzir um contra-argumento. C) retificar uma informação. 06 Analise as afirmativas sobre alfabetização e letramento, marque V para as verdadeiras e F para as falsas. ( ) No Brasil, atualmente, o termo letramento substitui a palavra alfabetização. ( ) O discurso da importância de se considerar os usos e funções da escrita com base no desenvolvimento de atividades significativas de leitura e escrita na escola foi incorporado, principalmente a partir da década de 90, a um novo conceito de alfabetização: o de letramento. ( ) A alfabetização centrada em qualquer método sintético ou analítico, como meio de superar o atual contexto de fracasso escolar na alfabetização, é considerar as contribuições das pesquisas que analisam o processo de construção dos sujeitos na aprendizagem da leitura e da escrita e os estudos sobre letramento. ( ) A apropriação da escrita alfabética significa que o sujeito esteja alfabetizado. ( ) Apenas a interação com textos que circulam na sociedade não garante que os alunos se apropriem da escrita alfabética. A sequência está correta em A) V, F, V, V, F. B) V, V, F, F, F. C) F, V, F, F, V. D) F, F, V, F, V. E) V, V, V, V, F. 07 Analise as afirmativas correlatas. Atualmente, ainda convivemos com um alto índice de analfabetos, mas não podemos dizer que essas pessoas são iletradas. PORQUE Sabemos que um sujeito, criança ou adulto, que ainda não se apropriou da escrita alfabética, envolve-se em práticas de leitura e escrita por meio da mediação de uma pessoa que sabe ler e escrever e, nessas práticas, desenvolve conhecimentos sobre os textos que circulam na sociedade. Assinale a alternativa correta. A) As duas afirmativas são falsas. B) A segunda afirmativa contradiz a primeira. C) As duas afirmativas são verdadeiras, mas não estabelecem relação entre si. D) As duas afirmativas são verdadeiras e a primeira é uma justificativa correta da segunda. E) As duas afirmativas são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira

4 08 Como abordado por Leal e Morais (2010), para compreender as propriedades do sistema alfabético, é necessário que o indivíduo se aproprie de uma série de conhecimentos, tais como, EXCETO: A) Todas as sílabas do português contêm uma vogal. B) As letras notam segmentos sonoros menores que as sílabas orais que pronunciamos. C) Todas as letras podem vir juntas de outras e podem ocupar certas posições no interior das palavras. D) As letras notam a pauta sonora e não as características físicas ou funcionais dos referentes que substituem. E) A ordem das letras é definidora da palavra e, juntas, configuram-na, e uma letra pode se repetir no interior de uma palavra e em diferentes palavras. 09 Sobre a apropriação do sistema de escrita alfabética, analise as afirmativas. I. Está diretamente relacionada com a capacidade de se pensar sobre a língua. II. Na prática, a apropriação se dará somente por meio de atividades avaliativas formais, pautadas em conceitos. III. É complexo e possui regras próprias de funcionamento, exigindo de seus usuários conhecimento de sua estrutura; por isso, o ensino precisa ser bem planejado. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) II, apenas. D) I e III, apenas. E) II e III, apenas. 10 Uma das tarefas do professor, quando planeja sua ação didática durante o ciclo de alfabetização, é a escolha dos recursos a serem utilizados. Para isso, é necessário escolher recursos didáticos essenciais para essa etapa, como A) livros que aproximem as crianças do universo literário. B) livros didáticos que agrupam textos e atividades semelhantes. C) materiais que estimulem a memorização das convenções ortográficas. D) livros que sintetizem o contato com diferentes gêneros e espaços sociais. E) materiais que circulam restritamente no contexto escolar, com objetivos informativos. ENSINO DA MATEMÁTICA 11 A partir das concepções de professores e alunos a respeito da disciplina, do tratamento dado aos conteúdos matemáticos na escola e da relação dos alunos com os mesmos sobre a alfabetização matemática, marque o INCORRETO. A) O bom relacionamento que as crianças têm com a matemática antes da escolarização, ainda que não possam assim denominá-la, pode ser comprometido se a escola não souber como trabalhar a sistematização do conhecimento matemático que as crianças carregam consigo. B) A utilidade da linguagem matemática restrita aos exercícios que se propõem, retirando a possibilidade do aluno de ler, escrever e interpretar a linguagem matemática fora do contexto escolar, afasta-o ainda mais deste instrumento fundamental para interpretação, representação e compreensão da realidade. C) A apresentação dos conceitos matemáticos nas salas de aula deve ser feita de forma separada das outras áreas curriculares, pois, assim, se promove a compreensão das ideias, sinais, signos e símbolos que a representam, de forma que o aluno possa compreender e memorizar fórmulas, axiomas e algoritmos por meio de regras e fórmulas de todas essas situações abstratas da matemática. D) A sala de aula deve ser um espaço reservado ao desenvolvimento de uma comunicação interativa, onde os alunos possam interpretar e descrever ideias matemáticas, verbalizar os seus pensamentos e raciocínios, fazer conjecturas, apresentar hipóteses, ouvir as ideias dos outros, argumentar, criticar, negociar o significado das palavras e símbolos usados, reconhecer a importância das definições e assumir a responsabilidade de validar seu próprio pensamento. E) O conhecimento matemático que a criança adquire na vida cotidiana deve ser sistematizado, no entanto, para a criança essa sistematização ocorrerá de maneira gradativa. Nessas circunstâncias, o trabalho com a relação entre as situações concretas e as noções matemáticas resultará na formalização que se deseja alcançar, ou seja, o aluno sentirá a necessidade de uma apresentação formal a partir do próprio ambiente e da impossibilidade de argumentar sobre situações abstratas sem o devido critério

5 12 Sobre a alfabetização matemática, analise. I. Sendo a matemática uma ciência abstrata de linguagem simbólica, pode-se dizer que para ler informações matemáticas não basta conhecer sua linguagem, mas o seu sentido e significado. II. A linguagem matemática consiste apenas em axiomas, definições e teoremas, isto é, na manipulação de sinais escritos e fórmulas de acordo com determinadas regras, que priorizam sua função formal e denotam o caráter restrito dessa linguagem. III. O trabalho com a matemática deve ser pautado em três importantes segmentos: contextualização, historicização e enredamento. Trata-se de dar sentido à aprendizagem situando o conhecimento matemático no contexto de sua aplicação, no contexto histórico de sua construção e de envolver o aluno na construção do conhecimento. IV. O ato de aprender a ler e a escrever a linguagem matemática significa compreender e interpretar os sinais, signos e símbolos que representam as ideias básicas para o domínio da disciplina, bem como se expressar por meio das mesmas. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e II. B) II e III. C) III e IV. D) I, II e IV. E) I, III e IV. 13 Para o ensino da matemática não existe um único e melhor caminho a ser trilhado pelo professor. O importante é o professor conhecer sua turma e desenvolver diversas atividades significativas para aprendizagem de seus alunos. Diante do exposto, analise as afirmativas. I. Ao reproduzir processos pelos quais alguns conceitos matemáticos foram desenvolvidos, a partir de necessidades de diferentes povos e culturas, como, por exemplo, o cálculo de áreas em função da divisão de terras para o cultivo, o professor estimula, nos alunos, a capacidade de dedução e o raciocínio lógico. II. A calculadora, como instrumento de investigação e também para a verificação de resultados, é uma ótima ferramenta na aprendizagem da matemática. Da mesma forma, os computadores, cada vez mais presentes na sociedade moderna, também apresentam recursos que facilitam a aprendizagem. III. A utilização de problemas na matemática deve se dar com o objetivo único de empregar e exercitar o que foi ensinado teoricamente. O ponto de partida deve ser a definição, pois, assim, o aluno obterá a fórmula que resolverá o problema de forma rápida e correta. IV. Quando a criança joga, além de estar aprendendo a conviver e a respeitar seus colegas, ela desenvolve diversas habilidades matemáticas, como observar, comparar, analisar, sintetizar fazer conjecturas, e, ainda, a fixação de conceitos matemáticos. Estão corretas apenas as afirmativas A) I e III. B) II e IV. C) III e IV. D) I, II e IV. E) I, III e IV. 14 Considerando os PCN s, os currículos de matemática estão divididos em quatro grandes áreas para o ensino fundamental que são, EXCETO: A) Tratamento das informações. D) Estudo das grandezas e das medidas. B) Estudo do espaço e das formas. E) Estudo dos números e das operações. C) Estudo da resolução dos problemas. 15 Sobre a etnomatemática, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Enaltece a matemática dos distintos grupos culturais e recomenda uma enfatização maior dos conceitos matemáticos informais desenvolvidos pelos educandos através de seus conhecimentos, fora da conjuntura escolar na vivência do seu cotidiano. ( ) Utiliza da problematização e modelagem matemática, pesquisa, estudo e discussão de problemas que dizem respeito à realidade dos alunos. ( ) A proposta da etnomatemática rejeita a matemática acadêmica. A sequência está correta em A) V, V, F. B) F, V, V. C) F, V, F. D) V, F, V. E) V, F, F

6 16 Numa reflexão sobre o ensino da matemática, é de fundamental importância ao professor, de acordo com os PCN s (Parâmetros Curriculares Nacionais): I. identificar as principais características dessa ciência, de seus métodos, de suas ramificações e aplicações, possibilitando o conhecimento matemático formalizado e teórico aos seus alunos, antes mesmo do conhecimento anterior a bagagem cultural de cada um; II. conhecer a história de vida dos alunos, sua vivência de aprendizagens fundamentais, seus conhecimentos informais sobre um dado assunto, suas condições sociológicas, psicológicas e culturais; III. ter clareza de suas próprias concepções sobre a matemática, uma vez que a prática em sala de aula, as escolhas pedagógicas, a definição de objetivos e conteúdos de ensino e as formas de avaliação que estão intimamente relacionadas a estas concepções. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) I e II, apenas. D) I e III, apenas. E) II e III, apenas. 17 São princípios do recurso matemático da resolução de problemas, EXCETO: A) O ponto de partida da atividade matemática não é a definição, mas o problema. No processo de ensino e aprendizagem, conceitos, ideias e métodos matemáticos devem ser abordados mediante a exploração de definição. B) A resolução de problemas não é uma atividade para ser desenvolvida em paralelo ou como aplicação da aprendizagem, mas uma orientação para a aprendizagem, pois proporciona o contexto em que se pode apreender conceitos, procedimentos e atitudes matemáticas. C) O problema certamente não é um exercício em que o aluno aplica, de forma quase mecânica, uma fórmula ou um processo operatório. Só há problema se o aluno for levado a interpretar o enunciado da questão que lhe é posta e a estruturar a situação que lhe é apresentada. D) O aluno não constrói um conceito em resposta a um problema, mas constrói um campo de conceitos que tomam sentido num campo de problemas. Um conceito matemático se constrói articulado com outros conceitos, por meio de uma série de retificações e generalizações. E) Aproximações sucessivas ao conceito são construídas para resolver um certo tipo de problema; num outro momento, o aluno utiliza o que aprendeu para resolver outros, o que exige transferências, retificações, rupturas, segundo um processo análogo ao que se pode observar na história da matemática. 18 Considerando os conteúdos atitudinais no ensino fundamental, marque o INCORRETO. A) Coleta, organização e descrição de dados. B) Confiança em suas possibilidades para propor e resolver problemas. C) Segurança na defesa de seus argumentos e flexibilidade para modificá-los. D) Interesse na leitura de tabelas e gráficos como forma de obter informações. E) Respeito pelo pensamento do outro, valorização do trabalho cooperativo e do intercâmbio de ideias, como fonte de aprendizagem. 19 A criança que ingressa no ensino fundamental traz na bagagem conhecimentos informais sobre numeração de 1 a 9, como também de 11, 13, 15, que também lhe são bem familiares, e de muitos outros que aparecem no seu cotidiano. Considerando a assertiva anterior analise as atividades, quanto à leitura, escrita, comparação e ordenação de notações numéricas: I. Recortar números de jornais e revistas e leitura destes. II. Trabalhar com o calendário diariamente para identificar e registrar o dia do mês e registrar a data. III. Explicitar, logo no início, as ordens que compõem uma escrita numérica, para que o aluno faça a leitura e a escrita do número com compreensão. IV. Dar oportunidade dos alunos expor suas hipóteses sobre os números e as escritas numéricas. V. Solicitar aos alunos que comparem o número de meninos e meninas que existem na sala de aula. Estão corretas apenas as alternativas A) I e II. B) I e III. C) III e V. D) II, III e IV. E) I, II, IV e V

7 20 A avaliação na prática pedagógica da matemática tem tradicionalmente se centrado em conhecimentos específicos da contagem de erros, quando a avaliação é um julgamento de valor sobre as manifestações relevantes da realidade, tendo em vista uma tomada de decisão, como afirma Luckesi. Essa avaliação é conhecida como A) somativa. B) formativa. C) diagnóstica. D) classificatória. E) desempenho. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21 Segundo a Lei Federal nº 9.394/96, art. 1º, a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. O 2º do referido artigo dispõe que a educação escolar deverá vincular-se A) à família. D) ao meio ambiente. B) às universidades. E) ao mundo do trabalho e à prática social. C) às políticas públicas. 22 O dever do Estado com a educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de A) educação básica ao ensino médio. B) educação infantil, básica e fundamental obrigatória e gratuita. C) educação básica obrigatória e gratuita dos seis aos dezoito anos de idade. D) educação básica obrigatória e gratuita dos quatro aos dezessete anos de idade. E) educação básica e fundamental obrigatória e gratuita dos sete aos quinze anos de idade. 23 A Lei Federal nº 9.394/96 dispõe que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de colaboração, os respectivos sistemas de ensino. De acordo com o art. 11 da referida lei, NÃO é incubência dos municípios: A) Assumir o transporte escolar dos alunos da rede municipal. B) Autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos do seu sistema de ensino. C) Elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e outros Municípios. D) Organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas e planos educacionais da União e dos Estados. E) Oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas e, com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino. 24 A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até cinco anos, em seus aspectos, EXCETO: A) Físico. B) Social. C) Espiritual. D) Intelectual. E) Psicológico. 25 Segundo a Lei nº 8.069/90 Estatuto da Criança e do Adolescente, são direitos fundamentais: I. a vida e a saúde; II. a liberdade, o respeito e a dignidade; III. a convivência familiar e comunitária; IV. a educação, a cultura, o esporte e o lazer; V. a profissionalização e a proteção no trabalho. Estão corretas as alternativas A) I, II, III, IV e V. D) I, II e III, apenas. B) II e IV, apenas. E) I, III e IV, apenas. C) IV e V, apenas

8 26 Acerca das capacidades que as crianças devem desenvolver, segundo a organização da prática da educação infantil, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Criar uma imagem negativa de si, atuando de forma cada vez mais dependente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações. ( ) Descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos de cuidado com a própria saúde e bem-estar. ( ) Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades. ( ) Conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade. ( ) Impedir vínculos afetivos e de troca com adultos e crianças, enfraquecendo sua autoestima e diminuindo gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social. A sequência está correta em A) F, V, V, V, F. B) V, V, F, F, V. C) F, F, V, V, V. D) V, F, V, F, V. E) F, V, F, V, F. 27 O ato de alimentar ou trocar uma criança pequena não se trata apenas de cuidados com a alimentação e higiene, mas de interação afetiva que envolve a situação. Ser carregado ao colo e, ao mesmo tempo, ter o seio ou mamadeira para mamar é uma experiência fundamental para o ser humano. Na relação estabelecida, por exemplo, no momento de tomar a mamadeira, seja com a mãe ou com o professor de educação infantil, o binômio dar e receber possibilita às crianças aprenderem sobre si mesmas e estabelecerem uma confiança básica no outro e em suas próprias competências. Elas começam a perceber que sabem lidar com a realidade, conseguindo respostas positivas, fato que lhes dá segurança e contribui para a A) inclusão social. D) construção de sua identidade. B) vinculação afetiva. E) ampliação do repertório cognitivo. C) emancipação social. 28 O brincar apresenta-se por meio de várias categorias de experiências, diferenciadas pelo uso do material ou dos recursos predominantemente implicados. Essas categorias NÃO inclui(em): A) A relação com os objetos desconhecidos favorecendo a imaginação. B) Os limites definidos pelas regras, constituindo-se em um recurso fundamental para brincar. C) As linguagens oral e gestual que oferecem vários níveis de organização a serem utilizados para brincar. D) O movimento e as mudanças da percepção resultantes essencialmente da mobilidade física das crianças. E) Os conteúdos sociais, como papéis, situações, valores e atitudes, que se referem à forma como o universo social se constrói. 29 O principal desafio da escola é desenvolver uma pedagogia centrada na criança, capaz de educar a todas, sem discriminação, respeitando suas diferenças; uma escola que atenda a diversidade das crianças e ofereça respostas adequadas às suas características e necessidades, solicitando apoio de instituições e especialistas quando isso se fizer necessário. É uma meta a ser perseguida por todos aqueles comprometidos com o fortalecimento de uma sociedade democrática, justa e solidária. Assinale a alternativa que completa corretamente a afirmativa anterior. A) regular B) especial C) inclusiva D) integradora E) segregadora 30 A utilização e a organização do espaço e do tempo refletem a A) característica do professor. B) avaliação do processo ensino-aprendizagem. C) concepção pedagógica, e interferem diretamente na construção da autonomia. D) concepção pedagógica, e interferem indiretamente na construção da autonomia. E) concepção pedagógica, e interferem diretamente na construção da personalidade

9 CONHECIMENTOS GERAIS 31 Uma das medidas para conter a violência nos grandes centros foi a implantação das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPP s) no Rio de Janeiro. Sobre essa medida, analise as afirmativas. I. Abrangem áreas compreendidas por comunidades pobres, com baixa institucionalidade e alto grau de informalidade, em que ocorre a instalação de grupos criminosos ostensivamente armados. II. Foram criadas para a execução de ações especiais relacionadas à pacificação e à preservação da ordem pública, através da aplicação de uma polícia de proximidade nas áreas designadas para sua atuação. III. Têm por objetivo consolidar o controle estatal em comunidades com forte influência da criminalidade e ostensivamente armada, devolvendo à população local a paz e a tranquilidade públicas necessárias ao exercício da cidadania plena, a fim de garantir o desenvolvimento tanto social, quanto econômico da população. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) II, apenas. D) III, apenas. E) II e III, apenas. 32 Um dos desfechos políticos mais comentados em 2013, a não aceitação pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) do registro da legenda partidária Rede, liderada pela ex-senadora Marina Silva, gerou grande expectativa no Brasil quanto ao futuro político de uma das mais significativas lideranças da oposição para as eleições presidenciais de Surpreendendo a todos os brasileiros, Marina Silva anunciou, no dia 05 de outubro de 2013, sua A) adesão ao partido PSB do governador Eduardo Campos. B) candidatura à presidência pelo primeiro partido clandestino do país. C) desistência total da política devido às perseguições que vem sofrendo. D) união com o PSDB, apoiando a candidatura de Aécio Neves para a presidência. E) volta ao PT, assumindo o posto de vice-presidente na chapa liderada por Dilma Rousseff. 33 A, nação que difundiu ao mundo o lema Liberdade, Igualdade e Fraternidade numa histórica revolução do século XVIII, foi responsável nos últimos anos por uma ação que chocou os defensores deste lema e, em especial, os adeptos de uma das maiores comunidades muçulmanas da Europa que se encontra no país, proibindo o uso do(a) em espaços públicos. Assinale a alternativa que completa correta e sequencialmente a afirmativa anterior. A) Espanha / burca D) França / véu integral B) Grécia / turbante E) Grã-Bretanha / túnica C) Alemanha / xador 34 Desde o final da década de 1990, Júlio Jacob Waiselfisz vem realizando estudos a fim de mapear a violência no Brasil. Várias publicações já resultaram destes estudos, entre elas, o Mapa da Violência 2013 Homicídios e Juventude no Brasil. No que diz respeito à violência em nosso país, constata-se, através dos registros expressos neste estudo, que A) existe uma tendência acentuada da queda de homicídios da população de cor preta, enquanto aumenta-se o número de vítimas entre os brancos. B) a ausência de atividades econômicas, a inexistência de indústrias e os altos índices de desemprego resultam no crescimento da violência no interior. C) a maioria absoluta dos homicídios no Brasil tem como vítimas as mulheres, principalmente por violência doméstica praticada por esposos ou companheiros. D) o Brasil vive o processo de interiorização da violência já que os polos vêm se deslocando das capitais e regiões metropolitanas para as cidades do interior. E) enquanto as taxas de homicídios da população total do Brasil vivem um processo de diminuição, aumenta-se significativamente o número de homicídios de jovens

10 CONCURSO PÚBLICO MUNICÍPIO DE MARIANA/MG 35 Observe a fotografia a seguir para responder respond à questão. (Disponível em: -de-julho-de-2013/.) As máscaras apresentadas na fotografia anterior, muito utilizadas nas manifestações populares que tomaram conta do Brasil em 2013 e símbolo do grupo Anonymous, Anonymous são há muitos anos utilizadas e queimadas na Noite das Fogueiras (Bonfire Night), ), evento tradicional inglês, que ocorre em novembro, onde retratam um personagem da história da Grã-Bretanha chamado Guy Fawkes.. Elas ficaram conhecidas internacionalmente ao serem utilizadas no filme, produzido e roteirizado por Andy Wachowski e Lana Wachowski, Wachowski os irmãos que criaram Matrix. Este filme foi denominado A) Vanilla Sky. B) O Máscara. C) V de Vingança. D) O Fantasma da Ópera. E) O Homem da Máscara de Ferro. Ferro 36 A pintura ao lado, que retrata a marquesa italiana Isabella d'este, de Mântua, foi descoberta no porão de uma casa na Suíça, onde ficou esquecida por 500 anos. A notícia foi publicada pelo jornal italiano Corriere della Sera,, que classificou a obra como precursora da Mona Lisa.. Segundo a publicação, este quadro é do mesmo autor de uma das principais obras artísticas de todos os tempos, citada anteriormente, que se encontra no Museu do Louvre,, em Paris. Trata-se Trata de A) Michelangelo. B) Pablo Picasso. C) Sandro Botticelli. D) Vincent van Gogh. E) Leonardo da Vinci. Agência Folha 37 Declaro promulgado o documento da liberdade, da democracia e da justiça social do Brasil, disse há 25 anos o então presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Ulysses Guimarães, ao promulgar a nova Constituição Federal, em vigor até hoje. O Brasil rompia de vez com a Constituição de 1967, elaborada pelo regime militar que governou o país de 1964 até (Agência Brasil. Disponível em: agenciabrasil.ebc.com.br. agenciabrasil.ebc.com.br Acesso em: 04/10/2013.) No momento histórico relatado no trecho anterior o Brasil tinha como presidente da República A) José Sarney. D) Tancredo Neves. B) Itamar Franco. E) Fernando Collor de Mello. Mello C) João Figueiredo. Prova aplicada em 26/01/2014 Disponível no endereço ço e eletrônico a partir do dia 27/01/

11 38 Segundo a Agência Internacional de Energia (IEA, em inglês), os Estados Unidos da América, maior consumidor de energia do planeta, poderiam se tornar autossuficientes em 2035 no que tange ao consumo de energia. A informação, contida no relatório 2012 (World Energy Outlook), chegou a esta conclusão ao analisar as transformações pelas quais a grande potência vem passando desde que uma rocha e um polêmico meio de extração de energia ganharam peso na produção energética americana. Enquanto no final de 2000 essa pedra representava 1% da produção nesta área, em 2010 saltou para 30%. A expectativa é que possa chegar a 50% em Em relação às informações anteriormente apresentadas, é correto afirmar que: I. ecologistas consideram essa fonte de energia não poluente e sustentável; II. não há registro da existência deste recurso natural renovável no Brasil; III. sua produção nos EUA reduziu o preço do insumo e a importação de petróleo; IV. trata-se do gás extraído do xisto pelo método do fraturamento hidráulico. Estão corretas apenas as alternativas A) I e II. B) I e III. C) I e IV. D) II e IV. E) III e IV. 39 A descoberta da primeira substância química capaz de prevenir a morte do tecido cerebral em uma doença que causa degeneração dos neurônios foi aclamada como um momento histórico e empolgante para o esforço científico. Ainda é necessário maior investigação para desenvolver uma droga que possa ser usada por doentes. (G1. Bem estar. Disponível em: Acesso em 10/10/2013.) Mas as expectativas quanto à cura de algumas doenças relacionadas diretamente ao órgão do corpo humano citado anteriormente aumentam, tais como as enfermidades denominadas A) pneumonia, câncer e rinite crônica. B) hipertensão, dermatite e gastroenterite. C) derrame pleural, edema pulmonar e bronquite. D) arritmias cardíacas, osteoporose e hipotiroidismo. E) Alzheimer, mal de Parkinson e doença de Huntington. 40 Analise a tabela a seguir. (SIM/MS: Sistema de Informações de Mortalidade/MS Unodc: United Nations Office on Drugs and Crime Whosis: Sistema de Estatísticas da OMS, tabela )

12 Com base nos dados apresentados, é correto afirmar que: I. entre as três maiores potências econômicas do planeta, a Índia apresenta as maiores taxas de homicídios por 100 mil habitantes; II. o maior país em extensão territorial do planeta, que acumula também a maior população, apresenta números de homicídios inferiores ao Brasil; III. os países da América Latina apresentam números e taxas de homicídios bem elevadas, mesmo não vivenciando períodos de guerra ou grandes conflitos internos. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) A) I, II e III. B) I, apenas. C) II, apenas. D) III, apenas. E) II e III, apenas

13

14

15

16 INSTRUÇÕES 1. Material a ser utilizado: caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Os objetos restantes devem ser colocados em local indicado pelo fiscal da sala, inclusive aparelho celular desligado e devidamente identificado. 2. Não é permitida, durante a realização das provas, a utilização de máquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lápis, borracha, corretivo. Especificamente, não é permitido que o candidato ingresse na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, ipad, ipod, tablet, smartphone, mp3, mp4, receptor, gravador, calculadora, câmera fotográfica, controle de alarme de carro, relógio de qualquer modelo etc. 3. Durante a prova, o candidato não deve levantar-se, comunicar-se com outros candidatos e nem fumar. 4. A duração da prova é de 03 (três) horas, já incluindo o tempo destinado à entrega do Caderno de Provas e à identificação que será feita no decorrer da prova e ao preenchimento do Cartão de Respostas (Gabarito). 5. Somente em caso de urgência pedir ao fiscal para ir ao sanitário, devendo no percurso permanecer absolutamente calado, podendo antes e depois da entrada sofrer revista através de detector de metais. Ao sair da sala no término da prova, o candidato não poderá utilizar o sanitário. Caso ocorra uma emergência, o fiscal deverá ser comunicado. 6. O Caderno de Provas consta de 40 (quarenta) questões de múltipla escolha para os cargos de nível superior, médio técnico, médio e fundamental completo e de 30 (trinta) questões para os cargos de nível fundamental incompleto. Leia-o atentamente. 7. As questões das provas objetivas são do tipo múltipla escolha, com 05 (cinco) alternativas (A a E) e uma única resposta correta. 8. Ao receber o material de realização das provas, o candidato deverá conferir atentamente se o Caderno de Provas corresponde ao cargo a que está concorrendo, bem como se os dados constantes no Cartão de Respostas (Gabarito) que lhe foi fornecido estão corretos. Caso os dados estejam incorretos, ou o material esteja incompleto, ou tenha qualquer imperfeição, o candidato deverá informar tal ocorrência ao fiscal. 9. Os fiscais não estão autorizados a emitir opinião e prestar esclarecimentos sobre o conteúdo das provas. Cabe única e exclusivamente ao candidato interpretar e decidir. 10. O candidato poderá retirar-se do local de provas somente a partir dos 90 (noventa) minutos após o início de sua realização, contudo não poderá levar consigo o Caderno de Provas, sendo permitida essa conduta apenas no decurso dos últimos 30 (trinta) minutos anteriores ao horário previsto para o seu término. 11. Os 3 (três) últimos candidatos de cada sala somente poderão sair juntos. Caso o candidato insista em sair do local de aplicação das provas, deverá assinar um termo desistindo do Concurso Público e, caso se negue, deverá ser lavrado Termo de Ocorrência, testemunhado pelos 2 (dois) outros candidatos, pelo fiscal da sala e pelo coordenador da unidade. RESULTADOS E RECURSOS - As provas aplicadas, assim como os gabaritos preliminares das provas objetivas serão divulgados na Internet, no site a partir das 16h00min do dia subsequente ao da realização das provas. - O candidato que desejar interpor recursos contra os gabaritos oficiais preliminares das provas objetivas disporá de 03 (três) dias úteis, a partir do dia subsequente à divulgação, em requerimento próprio disponibilizado no link correlato ao Concurso Público no site e no anexo IV do Edital. - A interposição de recursos poderá ser feita via Internet, através do Sistema Eletrônico de Interposição de Recursos, com acesso pelo candidato ao fornecer dados referentes à sua inscrição apenas no prazo recursal, ao IDECAN, conforme disposições contidas no site no link correspondente ao Concurso Público; ou via presencial, por meio do formulário contido no Anexo IV do Edital, devendo o candidato recorrente protocolar o formulário, no prazo recursal, na Central de Atendimento ao Candidato, localizada na Praça Juscelino Kubitschek, s/nº, Centro de Convenções Mariana/MG.

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Técnico em Teleinformática

Técnico em Teleinformática MUNICÍPIO DE MARIANA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 Técnico em Teleinformática MANHÃ CARGO: TÉCNICO EM TELEINFORMÁTICA Texto Vínculo de amor independe da genética O direito universal

Leia mais

PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES

PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES 2015.1 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES CURSO DE LETRAS (LICENCIATURA) LÍNGUA PORTUGUESA - EAD Modalidade Tutor a Distância Quadro I

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos.

PROVA UNIJUÍ. Locais de Realização da Prova Câmpus/Polo Ijuí, Câmpus Santa Rosa, Câmpus Panambi e Câmpus Três Passos. PROVA UNIJUÍ Data 08 de fevereiro de 2015 (domingo) Modalidades e Horários Cursos EaD Prova da Unijuí (Redação) Início às 8h30min e término às 11h30min. Cursos Presenciais Prova da Unijuí (Redação e 40

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012. Gari TARDE

MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012. Gari TARDE MUNICÍPIO DE MATIAS CARDOSO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2012 Gari TARDE CARGO: GARI Texto Prevenção e combate ao trabalho infantil De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N

MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N MUNICÍPIO DE I ENA RO CONCUR O P ICO N TARDE CARGO: MECÂNICO GERAL Texto I para responder às questões de 01 a 08. Manifestações no Brasil: quais as razões? O início das manifestações populares no Brasil,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Auxiliar Administrativo

Auxiliar Administrativo MUNICÍPIO DE MARIANA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 Auxiliar Administrativo MANHÃ CARGO: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Texto Vínculo de amor independe da genética O direito universal da

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO

CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO CADERNO DE PROVAS OBJETIVA E REDAÇÃO CURSO: PEDAGOGIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1. Esta prova contém Redação e 20(vinte) questões objetivas. Caso o caderno esteja incompleto e/ou tenha qualquer

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PROVAS No uso das atribuições legais, e mediantes as condições estipuladas nos Editais e Comunicados oficiais publicados no site www.selecao.uneb.br/dpe2012, CONVOCA os Candidatos

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA (PJT IC) ORIENTAÇÕES GERAIS 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 O Programa Bolsa Jovens Talentos para a Ciência (PJT- IC) tem como objetivo proporcionar a formação

Leia mais

Técnico em Enfermagem

Técnico em Enfermagem MUNICÍPIO DE MARIANA ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 Técnico em Enfermagem MANHÃ CARGO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Texto Vínculo de amor independe da genética O direito universal da criança

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 6 DE MARÇO DE

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 6 DE MARÇO DE PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 6 DE MARÇO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 6 DE MARÇO DE 2015 Estabelece as regras do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO A Comissão de Graduação em Nutrição (COMGRAD-NUT) da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no uso

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 8, DE 14 DE MARÇO DE

PORTARIA NORMATIVA Nº 8, DE 14 DE MARÇO DE Ministério da Educação PORTARIA NORMATIVA Nº 8, DE 14 DE MARÇO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Características do segmento Ensino Fundamental: Anos Iniciais compreende do 1º ao 5º ano a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade Fonte: shutterstock.com Material

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO EMPRESARIAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força

REDE DE ENSINO LFG. Leia com atenção as instruções a seguir: A força do Direito deve superar o direito da força REDE DE ENSINO LFG Simulado Exame de Ordem 2010.3 Coordenação Pedagógica OAB Marco Antonio Araujo Junior Darlan Barroso Leia com atenção as instruções a seguir: 1. Você está recebendo do fiscal de sala,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SENAI 02/2013 INTERNO

PROCESSO SELETIVO SENAI 02/2013 INTERNO PROCESSO SELETIVO 02/2013 INTERNO O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional da Paraíba, torna pública a realização do Processo Seletivo Nº 02/2013 INTERNO destinado a selecionar

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016

Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016 0 067300 056335 Prefeitura Municipal de Leopoldina/MG CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2016 Agente de Serviços Auxiliares (Limpeza predial, entrega de documentos e ronda e vigilância das dependências da Prefeitura)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

EDITAL Nº 02/2016 GMPL

EDITAL Nº 02/2016 GMPL a EDITAL Nº 02/2016 GMPL O Instituto Mirim de Pontes e Lacerda MT, através de seu Presidente Caio Henrique Moreira Roman, no uso de suas atribuições e sem discriminação de sexo, raça, credo religioso e

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ATO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO PROCESSO SELETIVO/CONCURSO PÚBLICO PARA CARGOS DE NÍVEIS MÉDIO E SUPERIOR EDITAL N 01/2015 - EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais