ANÁLISE DE REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI HILTON ALEXANDRE DE OLIVEIRA RENATA VANUCI MELLI WILLIAN CABRAL DE MELLO ANÁLISE DE REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA SÃO PAULO 2010

2 HILTON ALEXANDRE DE OLIVEIRA RENATA VANUCI MELLI WILLIAN CABRAL DE MELLO ANÁLISE DE REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professor MSc. José Carlos de Melo Bernardino SÃO PAULO

3 HILTON ALEXANDRE DE OLIVEIRA RENATA VANUCI MELLI WILLIAN CABRAL DE MELLO ANÁLISE DE REABILITAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO HIDRÁULICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho de conclusão de curso em de de Professor MSc. José Carlos de Melo Bernardino Nome do Professor da banca Comentários: 3

4 Para todos aqueles que de alguma forma contribuíram ao longo desta trajetória: meus pais, mestres e amigos. H.A.O. Para meus pais e irmãos cujo apoio e confiança sempre foram essenciais. Aos amigos e Mestres. R.V.M. A Deus, único socorro nos momentos difíceis. Para minha Mãe, meu exemplo de vida, perseverança e amor em todos os momentos da minha vida. Para minha Irmã, minha eterna amiga e companheira. Para Gi, pela paciência infinita e compreensão imensurável. W.C.M. 4

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos ao excelentíssimo mestre e amigo, Professor MSc. José Carlos de Melo Bernardino pelo apoio, estímulo e orientação, sem as quais essa empreitada se tornaria impossível. Ao Professor Dr. Kamel Zahed Filho, aos funcionários da Sabesp e a Pezzi Consultoria e Projetos pelo compartilhamento de suas experiências profissionais e presteza pelo esclarecimento de todos os questionamentos que surgiram ao longo deste trabalho, assim como pela disponibilização do objeto usado no desenvolvimento do estudo de caso proposto. Aos professores da Universidade Anhembi Morumbi por todo o conhecimento transmitido. 5

6 RESUMO O abastecimento de água nos centros urbanos tem sido uma das maiores preocupações da administração pública e das concessionárias responsáveis por sua distribuição. Este rápido desenvolvimento das cidades gerou a necessidade de suprimento de regiões cada vez mais distantes e, este rápido prolongamento das redes de distribuição sem nenhum planejamento e com o decorrer dos anos, depende cada vez mais de manutenção imediata em locais de difícil intervenção. A proposta deste trabalho é a de utilizar a simulação hidráulica como instrumento de planejamento, utilizando a avaliação das características operacionais da rede de distribuição como metodologia para definição de critérios de seleção e priorização adequadas a reabilitação das redes e para a otimização operacional da região. Palavras-chave: abastecimento de água, reabilitação, otimização operacional 6

7 ABSTRACT The water supply in urban centers has been a major concern of public administration and utilities responsible for distribution. This rapid development of cities created a need to supply more distant regions, and this rapid extension of distribution networks without any planning and with the years, increasingly depends on the immediate maintenance in hardintervention. The objective is to use the hydraulic simulation as a planning tool through the evaluation of the operational characteristics of the distribution network, creating a methodology for defining the rules for the selection and prioritization of rehabilitation appropriate for the network optimization operating in the region. Keywords: water supply, rehabilitation, operational optimization 7

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 5.1 ESQUEMA DE REDE DE ABASTECIMENTO FIGURA 5.2 ESQUEMA DE TRATAMENTO FIGURA 5.3 DIFERENTES TIPOS DE RESERVATÓRIOS FIGURA 5.4 SETOR DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA FIGURA 5.5 ÍNDICES DE PERDAS DE ÁGUA FIGURA 5.6 TUBULAÇÕES COM INCRUSTAÇÃO FIGURA 5.7 ÁGUA DE TUBULAÇÃO EM BOM ESTADO FIGURA 5.8 ÁGUA DE TUBULAÇÃO EM MAU ESTADO FIGURA 5.9 CONCEITOS DE REABILITAÇÃO FIGURA 5.10 TUBULAÇÃO EXISTENTE PRÉ E PÓS REABILITAÇÃO FIGURA 5.11 ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DO PIPECRACKING FIGURA 5.12 DETALHE DO ROMPEDOR FIGURA 5.13 ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DO HIDROBURSTING FIGURA 5.14 MÉTODOS DE RENOVAÇÃO - PIPE RELINING FIGURA 5.15 MÉTODOS DE RENOVAÇÃO COMPACT PIPE FIGURA 5.16 TUBULAÇÃO SENDO PRENSADA PELOS ROLETES ROLLDOWN.. 43 FIGURA 5.17 FURO DIRECIONAL PERFURAÇÃO DO TUBO GUIA FIGURA 5.18 FURO DIRECIONAL FIGURA 5.19 ESQUEMA DE LIMPEZA DE TUBULAÇÃO FIGURA 5.20 RASPADORES E DISCOS DE POLIMENTO FIGURA 5.21 FUNCIONAMENTO DO PIG NAS TUBULAÇÕES FIGURA 5.22 REVESTIMENTO COM ARGAMASSA DE CIMENTO FIGURA 5.23 REVESTIMENTO COM ARGAMASSA EPOXY FIGURA 5.24 DIAGRAMA DE HARDY-CROSS

9 FIGURA 5.25 SIMPLIFICAÇÃO PROPOSTA POR WALSKI FIGURA 5.26 TIPOS DE MODELOS MATEMÁTICOS FIGURA LIMITES DO SETOR DE ABASTECIMENTO SACOMÃ FIGURA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DA EEA SACOMÃ FIGURA VISTA GERAL DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SACOMÃ FIGURA ORTOFOTO DO SETOR DE ABASTECIMENTO SACOMÃ FIGURA DEFINIÇÃO DOS NÓS E EXCLUSÃO DE REDES DESNECESSÁRIAS.. 65 FIGURA CURVA DE BOMBAS ADOTADA NA EEA SACOMÃ FIGURA 6.7 CURVA NEUTRA PROPOSTA POR TSUTIYA (2004) FIGURA 6.8 TOPOGRAFIA LOCAL E PONTO CRÍTICO DE PRESSÃO FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 00H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 06H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 12H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 18 H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 24 H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 00H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 06H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 12H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 18 H FIGURA PERDA DE CARGA (M/M) E PRESSÃO NOS NÓS: 24H

10 LISTA DE TABELAS TABELA COEFICIENTES DE RUGOSIDADE MÉDIA POR IDADE DE REDE TABELA FÓRMULA DE DEMANDAS DE CADA NÓ - ÍNDICE DE PERDAS TABELA TUBOS A SEREM REABILITADOS NO MODELO

11 LISTA DE EQUAÇÕES EQUAÇÃO 5.1 EQUAÇÃO DE BERNOULLI EQUAÇÃO 5.2 FORMULA UNIVERSAL EQUAÇÃO 5.3 FORMULA DE HAZEN-WILLIAMS

12 LISTA DE ABREVIATURAS mh 2 O metros de coluna d água (0,1 kgf/cm 2 ) l / s litros por segundo PVC Cloreto de Polivinila PEAD Polietileno de Alta Densidade FºFº - Ferro Fundido PE Polietileno comum MND Método Não Destrutivo VRP Válvula Reguladora de Pressão 12

13 LISTA DE SIGLAS CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo RMSP Região Metropolitana de São Paulo EEA Estação Elevatória de Água ETA Estação de Tratamento de Água IWA International Water Association ISO International Organization for Standardization NBR Denominação de norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas NTS Norma Técnica SABESP 13

14 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Sistemas de Abastecimento de Água Componentes do sistema de abastecimento de água A Rede de Distribuição de Água A questão das Perdas A Reabilitação das Redes de Distribuição Modelagem Matemática ESTUDO DE CASO O Setor Sacomã Aspectos hidráulicos do Setor Modelagem hidráulica do Setor ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÃO CONTRIBUIÇÃO PARA FUTUROS TRABALHOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA SITES VISITADOS

15 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que água é um bem finito e de volume aproximadamente constante no decorrer da história da terra, e que devido a grande diversidade de relevo e climas não possui uma distribuição equilibrada no planeta. De todo o volume disponível (1,35 milhões de quilômetros cúbicos) apenas 0,007% é composto por águas doces e de fácil acesso ao consumo humano. Desse total 13,7% está em território brasileiro sendo que 80% estão presentes na bacia Amazônica (in SABESP, 2010). Comparando os fatores acima explicitados, tem-se um cenário inevitável de escassez ocasionando conflitos desde as primeiras civilizações que, sabendo da necessidade desse recurso fundamental a existência e ao desenvolvimento, procuraram estabelecer-se nas proximidades de grandes fontes, muitas vezes batalhando violentamente pelo controle das mesmas. Atualmente esse problema tem se agravado principalmente pela desigualdade social, pela falta de manejo sustentável dos recursos naturais, ao aumento populacional e a crescente poluição dos mananciais, tornando difícil e custoso o acesso aos recursos hídricos disponíveis principalmente nos grandes centros urbanos (in CETESB, 2010). Caso não sejam implementadas políticas para o uso sustentável dos recursos hídricos, estima-se que, em 2025, dois terços da população global - 5,5 bilhões de pessoas - poderão ter dificuldade de acesso à água potável; em 2050, cerca de 80% da humanidade. Em face de todas as dificuldades relacionadas à obtenção de água potável nas grandes cidades, a redução dos atuais volumes de água perdidos durante sua distribuição tem sido uma das grandes preocupações das empresas de saneamento. Esta questão não está somente relacionada à perda de um bem com valor econômico, mas também a possíveis alterações do comportamento hidráulico da rede em situações aparentemente não mensuráveis, como o de desgaste do complexo hidráulico. Tais fatores culminam em alterações de qualidade, maiores custos de operação e principalmente pela confiança do 15

16 cliente na empresa concessionária, comprometendo suas chances de sobrevivência diante de possíveis concorrentes. Os principais meios geradores de perdas de águas são os vazamentos que ocorrem durante o transporte, nas redes de distribuição e nas ligações desta aos imóveis, os denominados ramais. Muitos estudos, conforme será explorado no decorrer do trabalho, se aprofundaram em relação ao controle destes volumes perdidos através de muitos meios e, entre eles, a reabilitação de sistemas de distribuição de água, onde espera-se devolver às instalações suas características originais, desgastadas pelo tempo de uso. Para a análise dos resultados, o comportamento hidráulico do sistema pode ser reproduzido através de equações hidráulicas sob o formato de algoritmos, tendo estes resultados confirmados e corrigidos, se necessário, através de ensaios de campo. A comparação deste e de possíveis alternativas permitirá a escolha, assim como a possibilidade de expansão ou maior controle sobre o conjunto. 16

17 2 OBJETIVOS Este trabalho tem o objetivo de avaliar os resultados da reabilitação de redes de água por meio de simulações computacionais a fim de buscar a otimização operacional das redes de distribuição. 2.1 Objetivo Geral Este trabalho visa apresentar os métodos e os resultados obtidos na forma de diagnóstico, simulação e escolha de alternativas, bem como as conseqüências das técnicas focadas na reabilitação das redes de um determinado sistema de distribuição de água, contribuindo assim para otimização do planejamento, manutenção e operação dos sistemas existentes. 2.2 Objetivo Específico Usando simulação hidráulica aplicada às redes de distribuição existentes num setor de abastecimento, serão apontados os efeitos mais significativos da reabilitação das redes, dentre as alternativas tecnicamente viáveis, de forma a avaliar sua eficiência entre as demais opções. 17

18 3 MÉTODO DE TRABALHO A metodologia adotada para este trabalho consiste na utilização de um modelo de simulação computacional que represente um sistema de abastecimento de água real através da conceituação de suas principais variáveis hidráulicas e de rotina operacional, permitindo assim avaliar representativamente o impacto da técnica de reabilitação das redes de água. Para tanto, pretende-se utilizar informações oriundas da concessionária de serviços de distribuição de água, ferramentas de geo processamento e, dispondo de informações técnicas, comerciais e de uma primeira simulação de caracterização, avaliando possível viabilidade do uso da técnica de reabilitação como meio de otimização operacional de sistemas de abastecimento. Desta forma, espera-se avaliar o impacto gerado por desgaste em razão do tempo de uso das redes de água, sua relação com a variação das pressões atuantes em cada trecho de tubulação e o impacto da recuperação das características hidráulicas originais perdidas desde o início das operações do setor. 18

19 4 JUSTIFICATIVA Este trabalho é de suma importância como estudo e disseminação das medidas mitigadoras das perdas nos sistemas de abastecimento. A água, sendo um recurso básico a sobrevivência a todas as espécies presentes no planeta, finito e passível de escassez não pode ser desperdiçada de forma indiscriminada e irracional. Atualmente a elevada taxa de crescimento dos centros urbanos demanda cada vez mais de soluções arrojadas para promover o abastecimento da população. A maioria dessas soluções implica em elevados custos de implantação, operação e manutenção visto que a disponibilidade de recursos mananciais de qualidade nas proximidades é insuficiente ou mesmo inexistente, cabendo novas iniciativas. Os fatores supracitados aliados à falta de tratamento e destinação apropriada aos efluentes gerados pelas atividades humanas, que cada vez mais contaminam e poluem os corpos d água restantes, torna a maximização dos recursos disponíveis uma prioridade de todas as companhias concessionárias e da sociedade como um todo. O desenvolvimento de simuladores hidráulicos computacionais a partir de algoritmos matemáticos, até então complexos e restritos a consultores e especialistas, possuem na atualidade características amigáveis a qualquer usuário que apresente conhecimentos de dimensionamento de redes de distribuição. Tais softwares são utilizados com bons resultados em outros segmentos da hidráulica. A reabilitação de redes mostra-se necessária devido à grande expansão dos centros urbanos e a crescente dificuldade de intervenção nos sistemas instalados. A simples troca nem sempre se mostra como boa opção cabendo o desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias de recuperação estrutural minimizando assim o tempo dispensado e os impactos no entorno do local da obra. Essas ações de controle aliadas à intensificação das políticas educacionais e conscientizadoras, certamente são os caminhos que levarão a sustentação e manutenção do estilo de vida sem prejuízos excessivos ao meio-ambiente. 19

20 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 5.1 Sistemas de Abastecimento de Água O conceito de abastecimento de água, se insere no conceito mais amplo de saneamento, entendido, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), como o controle de todos os fatores do meio físico do homem, que exercem ou podem exercer efeitos deletérios sobre seu bem estar físico, mental ou social Heller, 2006 Define-se sistema de abastecimento de água como o conjunto de obras, equipamentos e serviços destinados ao abastecimento de água potável a uma comunidade, para fins de abastecimento doméstico, serviços públicos, consumo industrial e outros usos Azevedo Netto et al., 1991 Os sistemas de abastecimento são concebidos como solução de gestão, quando o número de habitantes e a complexidade do meio urbano ultrapassam um determinado limite, quer seja por expansão demográfica que inviabiliza as captações individuais, quer seja o acréscimo de outros tipos de entidades urbanas como grandes indústrias ou zonas comerciais. Outra vantagem é a facilidade no controle e monitoramento das unidades constituintes do sistema, já que se reduz o número de dispositivos independentes, sejam eles reservatórios, bombas ou o próprio manancial em si. Como toda boa obra de engenharia, sua implantação prevê uma série de estudos que atendam aos critérios de melhor solução técnica aliada aos menores custos de implantação, operação e manutenção. Tem-se como passo inicial para que isso ocorra, o estudo de concepção, que trará as diretrizes, parâmetros e definições necessárias para a caracterização do sistema, identificando todas as interferências ao sistema, situação atual do mesmo, propostas e 20

21 escolhas das alternativas usando avaliações técnico-econômicas e o prédimensionamento da solução escolhida. Após essa fase segue o projeto básico e o projeto executivo, seguindo as determinações e especificações propostas na Lei federal brasileira nº de 21 de junho de Componentes do sistema de abastecimento de água Um sistema de abastecimento pode ser dividido nas seguintes unidades ilustradas pela Figura 5.1 e pela rede de distribuição e seus componentes diretos, tratada independentemente no item 5.3: Manancial; Captação; Adução; Sistemas elevatórios; Tratamento; Reservação; Figura 5.1 Esquema de rede de abastecimento (SABESP, 2010) 21

22 5.2.1 Manancial São todas as fontes de água, superficiais ou subterrâneas, que podem ser usadas para o abastecimento público, como rios, lagos, represas e lençóis subterrâneos. Essa água deve atender minimamente aos padrões sanitários em volume suficiente para atender aos consumos requeridos no período de projeto (HAMMER, 1979). Os mananciais podem ser superficiais, quando a água está acumulada sobre a superfície terrestre, geralmente em locais de fácil acesso como em rios, lagos, açudes, represas e etc. Os mananciais subterrâneos também conhecidos como lençóis (freático quando a massa hídrica esta submetida à pressão igual à atmosférica dentro da camada impermeável ou cativo quando a pressão é superior à atmosférica) apresentam cerca de 23% da quantidade total de água doce disponível no planeta para consumo humano Captação Captação pode ser compreendida como um conjunto de equipamentos, processos e instalações determinadas a retirar a massa hídrica de um determinado manancial e redirecioná-la ao sistema de abastecimento (HAMMER, 1979) Adução São chamadas de adutoras as redes que permitem unicamente a interligação de grandes instalações do sistema de abastecimento, transportando água bruta ou água tratada por gravidade ou através de recalque (pressurizada por estação elevatória), possuindo geralmente grandes diâmetros e extensões (VENTURINI E BARBOSA, 1987). São tubulações de extrema importância para todo o sistema, já que, transportam grandes vazões e qualquer interrupção de fluxo nessas linhas pode causar diversos transtornos aos usuários. É dotada de válvulas e ventosas de forma a garantir a operacionalidade e 22

23 proteção mínima quanto a ondas de depressão e sobrepressão (golpes de aríete) que podem gerar consequências catastróficas. Essas estruturas devem estar sempre em perfeito estado de conservação e as empresas concessionárias devem possuir planos de emergência e funcionários treinados para tais situações Sistemas Elevatórios Tratam-se da unidade técnica que compreende o conjunto de edifícios, máquinas e equipamentos necessários a elevação de água, bruta ou tratada, de um ponto para o outro, com pressão e quantidade adequada, a qualquer momento (CETESB, 1975). Podem ser instalados junto a ETAs, reservatórios de distribuição ou diretamente na rede de distribuição. Quando conectada a um trecho da adutora, servindo como estação intermediária de reforço, denomina-se booster. Seus principais componentes são os motores que fornecem energia mecânica ao complexo e as bombas, que as transformam em energia cinética, permitindo a elevação da energia de pressão. Demandam também tubulações específicas de sucção, manobra e recalque e de seus respectivos equipamentos de controle e segurança Tratamento O objetivo do sistema de abastecimento de água é a disponibilização de água aos seus usuários seguindo os padrões pré-estabelecidos pelos órgãos responsáveis pela preservação da saúde humana (no Brasil definida pela Portaria n.º 518/2004 do Ministério da Saúde), em quantidade e pressão suficiente para atender aos seus diversos usos. As unidades responsáveis por realizar essa transformação da água bruta (que na maior parte dos casos apresentam características que destoam dos valores ideais para o consumo humano) são as Estações de Tratamento de Água (ETAs). Através destas instalações, por processos físicos e químicos, são retirados do corpo líquido grande parte 23

24 dos agentes poluidores e contaminantes nocivos à população, prevenindo a propagação de doenças e outros riscos sanitários à população. A Figura 5.2 mostra quais as etapas de tratamento existentes em um sistema de tratamento convencional, com filtração rápida. Figura 5.2 Esquema de tratamento (Fonte SABESP, 2010) Reservação Os reservatórios são dispositivos de acumulação com volume definido em função das vazões requeridas e destinados a estabelecer, dentre outros fatores, a regularização das vazões e pressões a sua montante e jusante. Fornece condição de abastecimento mínima em situações de interrupção de algum dispositivo a montante, suprimento de vazões de emergência, modificar os regimes de consumo de energia das estações elevatórias e aumentar os rendimentos das mesmas (FERNANDES, 2010). Pode ser classificado segundo sua localização estratégica no processo de abastecimento (montante, jusante ou intermediários), quanto à sua localização no terreno em que este se apóia (enterrado, semi-enterrado, apoiado e elevado), pela sua forma (circulares, retangulares, túnel e etc.) e finalmente pelos materiais de que são constituídos (metálicos, em concreto e etc.). 24

25 A Figura 5.3 ilustra de forma esquemática a classificação dos reservatórios segundo o seu posicionamento em relação ao terreno. Figura 5.3 Diferentes tipos de reservatórios (FERNANDES, 2010) 5.3 A Rede de Distribuição de Água As redes de distribuição são compostas por todas as tubulações e dispositivos anexos interligados entre si e localizados nas vias e com função de encaminhar a água aos seus usuários finais em regime contínuo, com pressão adequada e atendendo todos os padrões de consumo necessários - HELLER (2006)...é a unidade do sistema que conduz a água pra os pontos de consumo. É constituída por um conjunto de tubulações e peças especiais dispostas convenientemente a fim de garantir o abastecimento dos consumidores de forma continua nas quantidades e pressões recomendadas AZEVEDO NETTO,

26 As redes de distribuição podem ser classificadas de diversas formas, ressaltando a qualificação segundo sua importância no sistema (primárias ou secundárias), os materiais de que são constituídas (Ferro Fundido, PVC, PEAD, Aço Carbono, Concreto, Cimento Amianto, Cerâmica e outros). As redes primárias são assim denominadas por possuírem maiores diâmetros e alimentarem as redes secundárias, não atendendo diretamente os pontos de consumo. As redes secundárias possuem diâmetros menores, geralmente variando entre 50 e 300 milímetros, abastecendo de forma direta aos pontos de consumo, conforme sugere a Figura 5.4. Figura 5.4 Esquemático de Setor de Abastecimento e Distribuição de Água (Fonte TSUTIYA et al., 2004) Em relação aos materiais utilizados nas tubulações, o Ferro Fundido tem sido empregado desde 1664 (primeira aplicação no Palácio de Versalhes, França) e é usado até os dias atuais devido a sua grande durabilidade, resistência a corrosão e a pressões tanto internas quanto externas (TSUTIYA et al., 2004). Sua fabricação e características fundamentais são regulamentadas pelas normas NBR 7675, NBR 8682, NBR 13747, ISO 2531 e ISO É comercializado geralmente em barras de 6 metros (diâmetros nominais entre 80mm e 600mm) e 7 metros (diâmetros superiores a 600mm até 1200mm), possuindo geralmente revestimento interno em argamassa de cimento, a fim de proteger as tubulações de águas com o ph reduzindo 26

27 assim o fenômeno da incrustação que é a sedimentação de material mineral nas tubulações reduzindo a seção de escoamento e aumentando a rugosidade. (HELLER et al., 2006) Os tubos plásticos (PVC e PE) começaram a ser utilizados em meados de 1920 nos Estados Unidos, mas apenas tiveram larga aplicação depois da década de 60. Atualmente estão entre as tubulações mais utilizadas no mundo devido a sua baixa rugosidade e elevada resistência química e a impactos, propiciando grande durabilidade. Suas conexões podem ser na forma de pontas e bolsas (com e sem anéis de borracha para auxiliar a estanqueidade) ou soldagem entre as partes. São normatizados pelas NBR 5647, NBR 9822, NBR 8417 e ISO 4427 dentre outras. (TSUTIYA et al., 2004). Regulamentadas pela NBR 09797, as tubulações em Aço Carbono são leves e indicadas para grandes pressões, podendo ser fabricadas em diâmetros e extensões diversas, segundo as demandas dos clientes. A junção entre as partes dá-se por meio de rebites, soldas, flanges ou peças especiais como juntas Alvenius ou Dresser, cada uma com uma característica e aplicação especifica. De acordo com Venturini e Barbosa (1987) e Heller (2006), devido à composição dos materiais presentes em sua estrutura molecular as tubulações de aço carbono são relativamente frágeis tanto a corrosão interna (química) quanto externa (galvânica), sendo necessária sua proteção por meio de revestimentos especiais e aterramento (proteção catódica). Os diâmetros comerciais para o saneamento variam entre 300 e 2500 mm. Responsável por aproximadamente 70% do custo inicial de implantação, as redes de distribuição são compostas por todas as tubulações e acessórios interligados entre si, formando uma malha. Tem a função de permitir o transporte, em quantidade e qualidade, de água às suas múltiplas funções, sejam estas para o abastecimento de clientes residenciais, comerciais, industriais, para irrigação ou combate a incêndio (JALAL, 2008). De forma a permitir sua gestão, a extensão da tubulação é divida em partes. Cada uma dessas partes é denominada setor de abastecimento que, preferencialmente, possuem fonte única de alimentação. O setor pode ainda ser subdividido sendo que, tais divisões permitem gerir a totalidade de volumes de entrada e saída. Pode-se ainda subdividir-se 27

28 em zonas de pressão - áreas de regime de pressão comum que demandem controle independente. As zonas de coroa, sujeitas a baixas pressões, são razão de atenção como pontos críticos. O setor ainda pode ser dividido em distritos pitométricos, dependentes de válvulas de controle formando regiões isoladas para o desenvolvimento de projetos piloto ou controle independente sem necessariamente ter caráter piezométrico, justificada por fatores como a necessidade de independência de medição, criticidade de manutenção ou de operação, apesar de ainda sujeita às características originais do setor de abastecimento. A subdivisão da rede em setores maximamente estanques é o principal instrumento de gestão, controle e monitoramento por permitir o acompanhamento pela observação do comportamento do regime de distribuição em sua variação horária com foco nos volumes perdidos através de vazamentos e por rompimento dos componentes de todo o conjunto. Tais volumes não entregues são mensurados através da comparação entre os volumes admitidos e os legitimamente consumidos, mensurados por hidrômetros em cada uma das ligações regulares dentro dos limites do setor. Segundo Heller (HELLER et al., 2006), fatores como a extensão, a variedade de materiais, meios de instalação, conformações abruptas do terreno, falhas de projetos e obras e as variações da pressão interna são itens críticos a serem administrados enquanto se pensa em melhoria operacional. Cabe lembrar a importância da avaliação de fatores que possam provocar - se não o rápido desgaste - o colapso do conjunto como aqueles oriundos de transientes hidráulicos, cavitação das bombas, velocidades inadequadas, admissão de ar e vácuo, condições estas que deverão ser previstas ainda nos estudos de concepção (JALAL, 2008) Válvulas de Controle Segundo Fernandes (2010), válvulas são dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper a descarga de fluidos nos encanamentos tendo como principais funções 28

29 estabelecer pontos de controle e manobra nas instalações, assim como sua segurança operacional. As válvulas são classificadas nos seguintes tipos: De bloqueio; De regulagem; De fluxo único; As válvulas de bloqueio são usadas com o intuito de permitir ou interromper o fluxo, trabalhando abertas ou fechadas, não servindo, para o controle de vazões. Como exemplo desse tipo de válvulas tem-se os registros de gaveta. Válvulas de regulagem são usadas no controle de fluxo, podendo sua abertura ter diversas posições intermediárias entre totalmente aberta e fechada. Nessa categoria estão as válvulas tipo globo, de agulha, de controle, borboleta e diafragma. Válvulas de fluxo único são utilizadas quando se deseja restringir o sentido de escoamento a fim de proteger as tubulações de algum escoamento danoso ao sistema ou sua inversão direcional. Encaixam-se nessa categoria as válvulas de retenção e de pé. As redes de distribuição são dotadas de válvulas que permitem seu fechamento em relação aos demais setores de abastecimento. Desta forma setores de abastecimento são definidos, assim como suas subdivisões, através de áreas de influência. Internamente, além das válvulas de bloqueio que permitem o isolamento local, existem as que permitem controle sobre pressão e vazão atuantes dentro de um determinado limite. Cabe destacar aquelas de que o princípio básico é a manutenção de uma pressão fixa na sua saída. Assim, há três tipos básicos de controle de pressão: Pressão de saída fixa, onde a sua função é limitar a pressão de entrada no setor; Moduladas por tempo, onde são definidos horários e aberturas proporcionais a faixas de consumo; 29

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

X-008 INTERVENÇÃO EM ADUTORAS COM CARGA : UMA RESPOSTA À GARANTIA DE ABASTECIMENTO 100% DO TEMPO

X-008 INTERVENÇÃO EM ADUTORAS COM CARGA : UMA RESPOSTA À GARANTIA DE ABASTECIMENTO 100% DO TEMPO X-008 INTERVENÇÃO EM ADUTORAS COM CARGA : UMA RESPOSTA À GARANTIA DE ABASTECIMENTO 100% DO TEMPO José Francisco de Proença (1) Gerente do Departamento de Manutenção Operacional, da Superintendência de

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDA FISICA

REDUÇÃO DE PERDA FISICA Como Combinar Técnicas Não Destrutivas de Reabilitação de Redes de Água para Significativa Redução de Perdas com Menor Custo de Investimento Eng. Helio Rosas Fev 2008 IMPORTÂNCIA POLÍTICA DE CONTROLE DE

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos

Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos Orientação e Crescimento Ninguém se dá conta O nosso grupo iniciou actividade em 1933 como uma empresa de construção. Começámos por nos especializar

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 Norma Técnica SABESP NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2014 NTS : Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO...1 2 OBJETIVO...1

Leia mais

VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO

VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO Antônio Wilson Martins (1) Engenheiro Eletricista pela Faculdade de Engenharia de Barretos. Especialista em Engenharia Sanitária pela Universidade

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A PLASTUBOS é uma empresa do Grupo Empresarial DVG, especializada na produção de tubos rígidos e conexões de PVC para água e esgoto predial, infra-estrutura, irrigação e eletricidade.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 277

Norma Técnica SABESP NTS 277 Norma Técnica SABESP NTS 277 Critérios para implantação de medição individualizada em condomínios horizontais ou verticais. Procedimento São Paulo Dezembro 2008 - Rev. 1 NTS 277 : 2008 Rev.1 Norma Técnica

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A.

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A. MANUAL DO LOTEADOR Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água... 6 3.2. Distribuição

Leia mais

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 RESERVATÓRIOS Função dos reservatórios. Tipos de Reservatórios. Localização. Aspectos construtivos. Órgãos e Acessórios e Instrumentação. Dimensionamento

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

: Sistemas de Abastecimento de Água

: Sistemas de Abastecimento de Água PROGRAMA DA DISCIPLINA Fls 01 de 05 UNICAMP CÓDIGO: NOME CV641 : Sistemas de Abastecimento de Água T:02 P:01 L:OO0:01 D:01 E:02 HS:07 SL:03 C:04 EX:S EMENTA: Introdução. Previsão populacional. Consumo

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

Métodos Não- Destrutivos TT

Métodos Não- Destrutivos TT Planejamento e instalação de tubulações com Métodos Não- Destrutivos TT O seu parceiro em instalação de tubulações por métodos não-destrutivos TRACTO-TECHNIK GRUNDOMAT- Perfuratriz pneumática (mole) Para

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 031

Norma Técnica Sabesp NTS 031 Norma Técnica Sabesp NTS 031 Revestimento interno com resina epoxídica, para reabilitação de tubulações de ferro fundido destinados a condução de água potável. Especificação São Paulo Março: 2014 Rev.

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais