Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica"

Transcrição

1 Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Unidade curricular: Projeto FEUP Supervisores: Alexandre Leite Feliciano Rodrigues Jorge Carvalho Monitores: Trabalho realizado por: Alexandra Oliveira Brígida Alves João Azevedo João Sá Ricardo Araújo Miguel Mendanha José Pedro Gomes

2 Índice Índice de tabelas... 2 Índice de Figuras... 2 Resumo... 3 Introdução... 4 Objetivo... 5 Enquadramento Teórico... 6 Resistividade... 6 Método geofísico da resistividade eléctrica (método de Schlumberger)... 8 Soluções Eletrolíticas Trabalho de Campo Procedimento Resultados Conclusão Bibliografia Bibliografia de imagem e tabelas

3 Índice de tabelas Tabela 1. Tabela de Resistividade de Rochas ou Solo (www.if.ufrgs.br)... 6 Tabela 2. Tabelas de Resistividade de Metais (Fernandes, 1984)... 6 Tabela 3. Tabela dos valores obtidos nas medições de campo Índice de Figuras Figura 1. Variação da profundidade relativa com o afastamento dos elétrodos Figura 2. Reação oxidação-redução Figura 3. Pilhas Duracell.10 Figura 4. Referencial usado nas medições Figura 5. Resistivimetro Figura 6. Isolinhas Figura 7. Gráfico 3D

4 Resumo Através deste trabalho, realizado no âmbito da unidade curricular Projeto FEUP, pretende-se mapear o campo experimental de geofísica (CEG) da FEUP, através do método da resistividade eléctrica (neste caso, método de Schlumberger). Como tal foi realizado um trabalho de campo, cujo resultado final esperado seria um mapa 3D do CEG. 3

5 Introdução Com este trabalho, e com a aplicação do método de Schlumberger, pretendemos saber qual a resistividade do campo de Geofísica. A resistividade consiste no quanto o material se opõe à passagem da corrente elétrica. Com isto chegamos à conclusão de que, quanto menor for o valor da resistividade de um material, melhor condutor ele será, e mais facilmente permitirá a passagem da corrente elétrica. 4

6 Objetivo O objectivo deste trabalho versa, pelo mapeamento do campo experimental de Geofísica (CEG) da FEUP através do método de prospecção geofísica da resistividade eléctrica, neste caso o método de Schlumberger. 5

7 Enquadramento Teórico Resistividade A resistividade elétrica é uma medida da oposição de um material ao fluxo de corrente eléctrica. Quanto mais baixa for a resistividade mais facilmente o material permite a passagem de uma carga eléctrica. A unidade SI da resistividade é o ohm metro (Ωm). (Fernandes 1984) A resistividade elétrica depende de vários fatores. Exemplo disso é o facto de a rocha ser porosa ou não. As rochas porosas podem armazenar ou facilitar a circulação de água dentro delas que por sua vez pode conter sais diminuindo, por isso, a resistividade. Devido a este fator é normal encontrar uma resistividade maior em rochas cristalinas (pouco porosas).... a presença de minerais condutivos faz baixar o valor da resistividade. No entanto, esta mudança só se faz notar quando a quantidade de minerais condutivos excede 10% do volume da rocha (Fernandes, 1984). (moodle.fct.unl.pt) ROCHA OU SOLO Resistividade (ohm.m) Granito de 3x10 2 a > 10³ Diabásio de 20 a 2x10 4 Sienito de 10 2 a 10 5 Folhelho de 10 a 10 4 Calcário de 50 a 5x10 5 Areia de 1 a 5x10 3 Silte de 20 a 1,5x10 3 Argila de 5 a 1,5x10 3 Tabela 1. Tabela de Resistividade de Rochas ou Solo (www.if.ufrgs.br). Tabela 2. Tabelas de Resistividade de Metais (Fernandes, 1984) 6

8 Os campos elétricos estudados em prospeção geofísica tem várias aplicações sendo algumas delas relacionadas com mapeamentos geológicos, mineração, engenharia civil e meio ambiente sendo um método de baixo custo. Ao medir a resistividade vamos encontrar um problema óbvio que é o facto de o solo não ser completamente homogêneo. Mesmo medindo numa mesma camada é possível encontrar impureza (algo que tenha sido enterrado propositadamente). Por isso a medida da resistividade não será a resistividade de uma rocha ou camada e sim uma resistividade média do pacote de rochas (incluindo o solo) (Fernandes, 1984) denominando-se resistividade aparente. 7

9 Método geofísico da resistividade eléctrica (método de Schlumberger) Existem dois métodos principais para determinar a resistividade do solo. Um deles é o método de Wenner o outro é o método de Schlumberger, embora o primeiro seja mais popular entre a comunidade científica, o segundo usa-se para fazer as medições no terreno devido a ser mais pratico quando as medições tem de ser feitas a varias profundidades como era o caso. (Fernandes 1984) O método de Schlumberger consiste em colocar quatro eléctrodos no terreno sendo que dois deles estão à mesma distância de um ponto fixo e os outros dois vão-se afastando do ponto. Este tem como objetivo avaliar a variação da resitividade de vários pontos no solo (na mesma área) que estão a profundidades idênticas (admitindo que a superfície do solo, que, neste caso, é inclinada, tem profundidade 0). (Fernandes, 1984) Para adquirir a resistividade usamos o resistivimetro. É a neste aparelho onde ligamos os eletródos sendo que dois deles (AB fig.1) é responsável por enviar a corrente para o solo e os outros (P1 e P2 fig1) é usado para medir a diferença de potencial entre eles (valor dado pelo resistivimetro). Quando mais profundo for a aquisição de dados mais afastados terão de estar os eléctrodos exteriores como ilustrado na seguinte fig 1: Figura 1. Variação da profundidade relativa com o afastamento dos elétrodos. Adaptado de 8

10 Após lido o valor da voltagem e sabendo a intensidade da corrente usada (que o próprio utilizador indica ao resistivimetro) para conseguirmos a resistividade aparente (ρ) temos de nos guiar pela seguinte fórmula: Depois de calcular esse valor compara-se com valores tabelados e permite assim qual o material que esta no subsolo. (Fernandes 1984) 9

11 Soluções Eletrolíticas Soluções eletrolíticas são soluções aquosas que são boas condutoras de energia elétrica. Como exemplo podemos considerar soluções de NaCl, KL, NAOH, HCL, etc. Estes compostos libertam iões na água, o que torna este tipo de soluções em excelentes condutores de energia eléctrica. A presença de metais livres no solo é rara, mas o mesmo já não se pode dizer das soluções electrolíticas. Com isto conclui-se que muita da corrente elétrica detetável no subsolo justifica-se pela presença destas soluções. (Rodrigues 2013/2014) Figura 2. Reação oxidação-redução. Figura 3. Pilhas Duracell. Para perceber melhor a capacidade de criar corrente deste tipo de soluções basta olhar para as pilhas que usamos no nosso dia-a-dia (Fig 3). À esquerda temos uma eletrólise facilitada pela condutividade de uma solução eletrolítica. Este processo baseia-se na passagem de uma corrente elétrica através de um sistema líquido que tenha iões presentes, gerando assim reações químicas (neste caso oxidação redução). 10

12 Trabalho de Campo Para realizarmos o trabalho de campo necessitamos de alguns materiais e seguimos um procedimento planeado para facilitar as medições e as rentabilizar. Material: 1-Estacas; 2-Elásticos; 3-Elétrodos; 4-Resistivítimetro; 5-Fita-métrica; 6-Martelo; 7-Mira; 8-Combustível e luvas 9-Cortador de relva Retirado de 11

13 Procedimento 1º Inicialmente o terreno estava impróprio para a mediação devido á relva alta por isso tivemos que a cortar 12

14 2º Usamos a mira para marcar o comprimento e a largura da área do campo que iria ser trabalhada e de seguida colocamos as estacas em vários pontos do campo orientados por um referencial, que definimos antes da experiencia. Aplicamos os elásticos nas estacas que constituem linhas onde cruzamento define um ponto de medição Figura 4. Referencial usado nas medições. 13

15 Nota 1: Para a mira ficar alinhada de acordo com a nossa linha do referencial imaginário tivemos que centrar o pendulo no ponto (0,0) (ponto do campo escolhido ao acaso) onde colocamos a primeira estaca e equilibrámos a mira. A figura do canto inferior direito mostra-nos um nível de bolha de ar onde, ao certificarmo-nos que a bolha estava centralizada após os ajustamentos, víamos que a mira não estava inclinada. 2 metros 2 metros Nota 2: O auxílio da mira teve como objectivo aumentar o rigor do alinhamento das estacas; 14

16 3º Medição com o resistivimetro. Figura 5. Resistivimetro. Retirado de 15

17 Resultados Resultados obtidos nas medições de campo. Coordenadas (x) Coordenadas (y) Resistividade Resistividade Aparente ,78 104, ,63 103, , ,8 140, ,3 113, ,5 126, ,3 131, ,74 92, ,94 111, ,36 96, ,5 126, ,4 120, ,22 89, ,6 127, ,06 106, ,63 103, ,1 124, ,9 134, ,85 52, ,85 87, ,8 151, , ,41 102, ,3 119, ,6 133, ,5 161, ,33 107, ,73 92, ,93 93, ,52 103, ,86 63, ,4 126, ,3 125, ,53 91, ,67 115, ,17 95, ,95 111, ,75 98, ,45 108, ,7 139,

18 ,5 126, ,8 128, ,16 101, ,2 136, ,1 118, ,94 111, ,05 106, ,55 91, ,5 126, ,6 115, ,4 96, ,4 126, ,4 120, , ,7 216, ,4 184, , ,4 131, ,9 129, ,5 97, ,74 104, ,63 103, ,8 122, ,7 145, ,9 140, , Tabela 3. Tabela dos valores obtidos nas medições de campo. 17

19 Gráficos obtidos através dos das medições de campo. Figura 6. Isolinhas. Figura 7. Gráfico 3D. Coordenadas (14,2) Existe uma depressão no gráfico que representa um decréscimo de resistividade, o que significa que existe um material bom condutor ou uma solução electrolítica. (6,4), (20,8), (10,8), (2,10) Existe um pico de resistividade, o que significa que pode existir um material mau condutor naquele ponto. 18

20 Conclusão Com a realização deste trabalho concluímos que quanto maior resistividade tiver o material, pior condutor este será. O método geofísico da resistividade elétrica, ou simplesmente, método de Schlumberger, consiste na colocação de quatro elétrodos no terreno, em que dois deles estão a mesma distância de um ponto fixo e os outros dois vão-se afastando progressivamente do ponto. Com a aplicação deste método, e com os resultados obtidos, deduzimos que o solo não é homogéneo, isto é, o material que constitui o solo é diferente. A utilização deste método tem vantagens para a sociedade, para além de ser um método de baixo custo, têm aplicações em várias áreas importantes para o bem-estar da população. 19

21 Bibliografia Fernandes, C. E. de M. Fundamentos de Prospecção Geofísica Rodrigues, Professor Feliciano. PROJECTO FEUP LCEEMG + MIEMM. Breve nota sobre mobilização de iões em águas superficiais e subsuperficiais. 2013/2014. Bibliografia de imagem e tabelas s.d. (acedido em 19 de Outubro de 2013). s.d. (acedido em 19 de Outubro de 2013). s.d. (acedido em 19 de Outubro de 2013). s.d. (acedido em 3 de Novembro de 2013). s.d. Novembro 2013) 20

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA RESISTIIDADE ELÉCTRICA A resistência eléctrica de um material é expressa pela sua resistividade eléctrica. Se a resistência entre as faces opostas de um corpo condutor de comprimento L e secção uniforme

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------ - Modelos de células de condutância. Procedimento Experimental

------------------------------------------------------------------------------ - Modelos de células de condutância. Procedimento Experimental QMC5351 Química Analítica Instrumental CONDUTIMETRIA A condutimetria é um método de análise que se fundamenta na medida da condutividade elétrica de uma solução eletrolítica. A condução da eletricidade

Leia mais

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda Título do Vídeo: Redox Fotogénica Nome dos participantes: João Ribeiro,12CT3 João Paulo Fernandes, 12CT3 Pedro Faria,12CT3 Sandra Durães,12CT3 Sara Neves, 12CT3 Professor responsável: Fátima Sarmento,

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa.

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Professor responsável: Michel Andrade Félix Pimenta Escola: Básica

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino

GERÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE PLANALTINA CENTRO DE ENSINO FUNDAMENTAL 02 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - 2013. Plano de Ensino Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS Turma: A / B / C / D /E SÉRIE/ANO: 8ª / 9º Turno: MATUTINO Bimestral: 1º / 2º / 3º / 4º Anual: 2013 Professor: MÁRIO CÉSAR CASTRO E-mail:

Leia mais

Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h

Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h TÍTULO: Recarregando a energia MOTIVAÇÃO 1: Figura 1: Disponível em: http://3.bp.blogspot.com/-a3v8ofbk0k0/tyxbs6h5l8i/ AAAAAAAAAGo/eEZ-PJDZJlg/s1600/Charge.jpg acesso em 20/10/2014 ás 19:00 h MOTIVAÇÃO

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 1. Implantação A implantação de pontos ou quaisquer outros detalhes consiste na materialização

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013

1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 1 st Workshop fromthecreationproject in Research LinesofExcellence Covilhã, 18 de Novembro de 2013 Pedro Serra Sabrina Guia António Espírito Santo António Albuquerque 1 st Workshop fromthecreationproject

Leia mais

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor.

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor. MEDIDOR DIGITAL DE RESISTÊNCIA DE TERRA MODELO: ST-5300 / ST-5300A O comprovador digital de resistência de terra vem mudar o gerador de mão convencional usado actualmente para fazer estas verificações.

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE

CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA TERRA CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE CONTAMINAÇÃO NUMA ANTIGA LIXEIRA COM O MÉTODO DE RESISTIVIDADE ELÉCTRICA João

Leia mais

Sistematização da atividade das empresas da Área de atividade II Inspeções e ensaios

Sistematização da atividade das empresas da Área de atividade II Inspeções e ensaios A sistematização da atividade das empresas da Área de atividade II Inspeções e ensaios é determinada pelos princípios ou disciplinas em que se baseiam as técnicas utilizadas, Quadro 1. Quadro 1- Princípios

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

Relatório da campanha de sondagens de 2003 na imediata periferia da zona do casco do navio do século XV Ria de Aveiro A

Relatório da campanha de sondagens de 2003 na imediata periferia da zona do casco do navio do século XV Ria de Aveiro A 15 TRABALHOS DO CNANS Relatório da campanha de sondagens de 2003 na imediata periferia da zona do casco do navio do século XV Ria de Aveiro A João Gachet Alves Foto: Francisco Alves Lisboa, Janeiro 2004

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Resistividade de Materiais Condutores

Resistividade de Materiais Condutores Roteiro Experimental n 2 da disciplina de Materiais Elétricos vidade de Materiais Condutores COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Estimar a resistividade do material a partir das suas dimensões;

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos 3. Níquel Hidreto Metálico (NiMH) Ânodo: composto intermetálico capaz de se ligar ao H. Cátodo: NiOOH. Electrólito alcalino, li geralmente KOH. Pode ter 2 a 3

Leia mais

Resistência elétrica e lei de Ohm. Maria do Anjo Albuquerque

Resistência elétrica e lei de Ohm. Maria do Anjo Albuquerque Resistência elétrica e lei de Ohm O que é a resistência elétrica? É uma grandeza física que caracteriza os condutores elétricos; Representa-se pela letra R; Traduz a oposição que um condutor oferece à

Leia mais

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA Um substrato para "hidroponia" é o suporte para o desenvolvimento das raízes, limitado fisicamente no seu volume, isolado do solo, capaz de proporcionar à planta

Leia mais

3. Métodos eléctricos

3. Métodos eléctricos 3. Métodos eléctricos Existem vários métodos de prospecção eléctrica. Uns usam os campos naturais da Terra, enquanto que outros se servem da introdução de campos artificiais (correntes eléctricas) no solo.

Leia mais

A Química do SAL. p Ver video online

A Química do SAL. p Ver video online A Desvendar a Química do dia-a-dia A Química do SAL p Ver video online Quando pensamos nos compostos químicos que contribuem para o bem-estar da humanidade, raramente nos lembramos do cloreto de sódio

Leia mais

Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos

Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos Unidade Curricular de Química Geral e Inorgânica Relatório do Trabalho Laboratorial n.º 6 Reacções e Estrutura de Sólidos Inorgânicos Elaborado por: Diana Patrícia Reis Cunha Jéssica Lopes Figueiredo Turma

Leia mais

Medição da solubilidade de gases em líquidos iónicos com microbalança de cristais de quartzo

Medição da solubilidade de gases em líquidos iónicos com microbalança de cristais de quartzo Mestrado em Métodos Instrumentais e Controlo da Qualidade Analítica Medição da solubilidade de gases em líquidos iónicos com microbalança de cristais de quartzo Maria Jorge Pratas de Melo Pinto Orientador:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - FEEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EA-097 - Técnicas Experimentais em Engenharia Biomédica (Preparado

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. LOCALIZAÇÃO DOS ENSAIOS GEOFÍSICOS... 2 3. EQUIPE...

Leia mais

PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO

PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO Pág: 9 Área: 22,57 x 29,17 cm² Corte: 1 de 5 PORTUGAL PRECISA DE DESENVOLVER UMA ESTRATÉGIA PARA O HIDROGÉNIO Em Portugal, os especialistas consideram que o hidrogénio poderá ser uma solução para a mobilidade

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO 1 Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMIC E CORROSÃO SOLUÇÕES ELECTROLÍTICS 1. Condução da corrente eléctrica propriedade de transporte em que carga eléctrica (transportada por electrões ou iões) se move

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

Baterias NiMH Influência da intensidade de descarga na capacidade das baterias

Baterias NiMH Influência da intensidade de descarga na capacidade das baterias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Baterias NiMH Influência da intensidade de descarga na capacidade das baterias Armando Sousa Projeto FEUP 2014/2015 -- MIEEC: José Fidalgo Supervisor: Paulo

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PILHAS E BATERIAS Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis 1MIEEC01_04 André Galiza (201403181) Daniel Gonçalves (201402775) Isa Almeida (201403568) Mário Carvalho (201402929) Tiago Pereira

Leia mais

Como se faz uma bicicleta?

Como se faz uma bicicleta? Como se faz uma bicicleta? Como se faz o quadro de uma bicicleta? João Fernandes João Ferraz José Felgueiras José Reis Relatório do Projeto FEUP do grupo 1M8_02 Supervisor: Prof. António Baptista Monitor:

Leia mais

ATERRAMENTO EM ELEVADORES

ATERRAMENTO EM ELEVADORES ATERRAMENTO EM ELEVADORES Rodrigo D Carlo Bessa Rodrigues¹ Eduardo Henrique Gonçalves² RESUMO: O trabalho em questão trata o tema aterramento de sistemas elétricos, sendo realizado um estudo geral sobre

Leia mais

ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA

ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA ELETROQUÍMICA, AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS COM AUXÍLIO DE MATERIAL ALTERNATIVO EM SALA DE AULA 1 Gicelia Moreira 2 Morgana de Vasconcelos Araújo 1 Universidade Federal de Campina Grande/UFCG: gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0007 MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE

Leia mais

Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização.

Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização. Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização. Vítor Gonçalves Instituto Politécnico de Castelo Branco vitor@esart.ipcb.pt Paulo Dias IEETA / DETI paulo.dias@ua.pt Fernando

Leia mais

Princípios e Medidas Práticas para a Obtenção de Aterramentos Seguros e Confiáveis por meio de Eletrodos Cravados

Princípios e Medidas Práticas para a Obtenção de Aterramentos Seguros e Confiáveis por meio de Eletrodos Cravados Princípios e Medidas Práticas para a Obtenção de Aterramentos Seguros e Confiáveis por meio de Eletrodos Cravados Departamento de Engenharia e Produto e Mercado - Grupo Intelli Palavras-chaves Haste de

Leia mais

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 -

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 - TOTAL Outras Atividades Tema B: Terra em Transformação Tema A: Terra no Espaço Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO 7º Ano de Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2011 / 2012

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Transmissão de Dados Digitais Comunicação em rede 1 Transmissão de dados Objetivo: transportar informação mesmo que fosse usado um meio de transporte clássico seria

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 SONDAGENS GEOFÍSICAS Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 Sondagens Geofísicas - estudo das propriedades físicas dos solos e rochas: - condutividade elétrica - densidade -velocidade das ondas elásticas -

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

DATAÇÃO. 2. Contaminação: nenhuma quantidade de isótopos-pai ou isótopos-filho entrou ou saiu da amostra.

DATAÇÃO. 2. Contaminação: nenhuma quantidade de isótopos-pai ou isótopos-filho entrou ou saiu da amostra. DATAÇÃO Vários estudos mostram que 14C tem sido detectado em amostras que não deveriam conter nenhuma quantidade detectável deste elemento, devido às idades atribuídas por outros métodos de datação Dr.

Leia mais

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS Professores responsáveis: Prof. Dr. Adriana Vitorino Rossi Prof. Márcia Zanchetta

Leia mais

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A.

Química experimental - Unidade mestra para química geral e eletroquímica - Volume 2 - Físico-química - EQ102A. Autores: Luiz Antonio Macedo Ramos e Rosane Bittencourt Wirth. - Revisor: Leandro dos Santos Silveira - Direitos autorais reservados Índice Remissivo... 4 9999.994... 6 Instruções para o professor....6

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

Medidas elétricas, Lei de Ohm, Lei de Kirchhoff, capacitores e circuitos RC

Medidas elétricas, Lei de Ohm, Lei de Kirchhoff, capacitores e circuitos RC 1 Experimental - Eletricidade e Magnetismo Prof. Paulo Sérgio Moscon Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil Outubro 13/10/2010 Parte I Medidas elétricas, Lei de Ohm, Lei de Kirchhoff, capacitores

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Marcelly da Silva Sampaio RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

Escola de Ciência e Tecnologia da Universidade de Évora e ICAAM - Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas

Escola de Ciência e Tecnologia da Universidade de Évora e ICAAM - Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas Título: Hidrologia Agrícola Editores: Shakib Shahidian Rita Cabral Guimarães Carlos Miranda Rodrigues Primeira Edição ISBN: 978-989-97060-4-0 Depósito Legal: 353505/13 Uma edição conjunta: Escola de Ciência

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Química SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 27/11/2003 Objectivo do Trabalho O objectivo

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

3 Resistores Lei de ohms

3 Resistores Lei de ohms Resistores 3 Lei de ohms O resistor é um componente eletrônico usado para oferecer resistência a passagem dos elétrons em um circuito. Os resistores mais comuns são os resistores de carbono também chamados

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

Condensadores (capacitores)

Condensadores (capacitores) es (capacitores) O condensador (capacitor) é um componente de circuito que armazena cargas eléctricas. O parâmetro capacidade eléctrica (C) relaciona a tensão aos terminais com a respectiva carga armazenada.

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

Resistores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Resistores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez esistores Prof. Ernesto F. F. amírez Sumário 1. ntrodução 2. esistores 3. Classificações de resistores 4. Especificação de resistores 5. Associação de resistores 6. Exercícios cios propostos Slide 2 1.

Leia mais

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Proteção Catódica em Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Definição Proteção Catódica (PC) é um método de proteção contra a corrosão de estruturas enterradas ou submersas baseado no princípio

Leia mais

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Fernanda Almeida Executiva de Contas Janaína Gattermann Pereira Geóloga José Luis Ando Geólogo Agenda - O que é Geoquímica? - Geociências e Exploração

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

*Capacitores. Prof. Jener Toscano Lins e Silva

*Capacitores. Prof. Jener Toscano Lins e Silva Capacitores Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É um dispositivo usado para filtrar ruídos ou armazenar cargas elétricas. *É constituído por dois condutores (ou placas) paralelos separados por um isolante

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS ACTA DA REUNIÃO Nº 1 Data: 27/01/2011 10:00 Ordem de trabalhos: Ponto um: Enquadramento do trabalho a desenvolver neste grupo Ponto dois: Definição do âmbito da política de

Leia mais

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Business Process Management A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Quais são os desafios típicos das empresas na Gestão de Processos? > Criar e manter a informação associada aos

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Green Synthetic Fuel / Luís Guerra Conteúdos Conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE PESQUISA LAUDO E PROJETO DE RESISTÊNCIA DE TERRA E NECESSIDADE DE SPDA Orientador: Tibiriçá Krüger Moreira Orientandos: Fabrício

Leia mais

Corrosão e Protecção

Corrosão e Protecção Corrosão e Protecção Capítulo 1.2 Fundamentos Docente: João Salvador Fernandes Lab. de Tecnologia lectroquímica Pavilhão de Minas, 2º Andar xt. 1964 Princípios de lectroquímica Quando se imerge uma placa

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais