NND Desminagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NND 09.10. Desminagem"

Transcrição

1 NND Normas Nacionais de Desminagem Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: /8; ; Fax:

2 Índice 1. Introdução Âmbito Referências Normativas Termos e Definições Requisitos de Desminagem Preparação do Contrato Definição de Tarefa Requisítos Gerais Requisitos de Qualidade... 6 Registo de Emendas

3 Desminagem 1. Introdução O processo de libertação de terras consiste em três actividades principais, pesquisa não-técnica, pesquisa técnica e desminagem. O objectivo de desminagem em Moçambique é a identificação, remoção ou destruição de todos os riscos de minas e explosivos remanescentes de guerra (ERW) de uma área determinada a uma profundidade especificada, de forma segura, eficaz e eficiente. Os beneficiários da terra através da desminagem devem estar confiantes de que a área libertada encontra-se segura para o uso e aproveitamento, facto que exige sistemas de gestão e procedimentos de desminagem apropriados, eficazes, eficientes e seguros. A comunidade local deve também ser envolvida nos trabalhos regulares das operações de desminagem, como medida para produzir confiança. A coordenação com a comunidade é uma parte integrante do processo de libertação de terras e deverá constituir procedimento regular de todas as organizações de desminagem em Moçambique. 2. Âmbito Esta norma especifica os requisitos de desminagem como parte do processo de libertação de terras em Moçambique. Todas as organizações de desminagem deverão observar os princípios de acção previstos nesta norma de forma a assegurar a remoção segura e eficiente de minas/erw. 3. Referências Normativas Os termos, definições e abreviaturas usadas nas NND encontram-se de acordo com os termos e definições usados no IMAS. Para uma lista completa de glossário de todos os termos e definições usados nas NND e IMAS veja a versão mais recente de IMAS em Alguns termos relevantes para estas normas são abaixo indicados. a) NND Acreditação de Organizações de Desminagem b) NND Monitoria de Organizações de Desminagem c) NND Gestão de Informação d) NND Processo de Libertação de Terras - Land Release e) MMAS entrega de terra liberada f) Manual de Procedimentos de Controlo e Garantia de Qualidade para Operações de Desminagem em Moçambique g) IMAS Glossário de Termos e Definições h) IMAS Requisitos de Desminagem i) IMAS Sistema de Marcação j) IMAS EOD k) IMAS 10 série sobre questões de Segurança e Saúde no Trabalho 4. Termos e Definições Os termos, definições e abreviaturas usadas nas NND encontram-se de acordo com os termos e definições usados no IMAS. Para uma lista completa de glossário de todos os termos e definições usados nas NND e IMAS veja a versão mais recente de IMAS em 5. Requisitos de Desminagem O IND deverá aceitar uma determinada extensão de terra como 'limpa' quando a organização de desminagem tenha assegurado a remoção e/ou destruição de todos os riscos de minas e de explosivos remanescentes de guerra na referida área à uma profundidade especificada. 3

4 A área a ser clarificada deverá ter sido determinada por uma pesquisa não-técnica e ou pesquisa técnica, ou por outra informação de confiança que fixe a extensão do risco de minas/erw. A profundidade especificada de desminagem deverá igualmente ser determinada por uma pesquisa não-técnica e/ou pesquisa técnica, ou de outra informação de confiança que fixe a profundidade dos riscos de minas/erw. Uma tarefa pode exigir que certas partes da área sejam repartidas em especificações diferentes, e esses requisitos deverão estar detalhados no plano de trabalhos e ou no contrato. Quando o IND é incapaz de determinar qual será o uso final da terra, ou na ausência de informação fidedigna, a profundidade pré-definida para desminagem de minas/erw em Moçambique deverá ser de 13 cm. Este número baseia-se na profundidade de detecção eficaz para a maioria dos detectores de metal. Se a pesquisa técnica identificar que as minas estão localizadas a profundidades acima do normal, essa informação deverá ser tomada em consideração no processo de planificação das operações de desminagem, incluindo os requisitos de segurança apropriados à situação específica. A determinação das profundidades de desminagem dependerá também do uso final da terra, o provável risco de minas/erw na área a ser clarificada, e outros factores ambientais, como por exemplo: As minas/erw podem estar visíveis no solo. Nestes casos, normalmente exige-se a remoção e ou destruição somente dos riscos de minas/ ERW na superfície da área contaminada. Desminagem em áreas urbanas pode exigir a remoção de muitos metros de resíduos sólidos como parte do processo de clarificação. Em áreas contaminadas por bombas de elevado calibre e munições, a profundidade de desminagem pode de ser vários metros. Se o nível do solo tiver sofrido alterações desde o período em que as minas foram implantadas, a definição da tarefa deverá ser de forma a assegurar que não haja equívocos sobre a profundidade de desminagem requerida. A profundidade de desminagem pode ser ajustada à medida do progresso das operações no terreno, devendo tais alterações ser reportadas e acordadas entre o IND e a organização de desminagem. O processo deve ser repetido se houver uma alteração no uso da terra. 6. Preparação do Contrato A definição da tarefa deve estar detalhada no contrato ou em outro tipo de acordo formal. No caso de empresas comerciais um contrato sempre será usado. Veja NND para a gestão de contratos de acção contra minas. ONG s humanitárias da acção contra minas recebem tarefas do IND para levarem a cabo pesquisas e desminagem em localizações claramente especificadas mas sem a formalidade de um contrato. 7. Definição de Tarefa O IND é a autoridade para a acção contra minas no país, tendo responsabilidade pela regulamentação, gestão, coordenação e monitoria de todas as actividades de acção contra minas em Moçambique. O IND deverá desenvolver procedimentos de definição de tarefas para as organizações de desminagem. 4

5 O IND deverá alocar áreas de operações às diferentes organizações humanitárias de desminagem em Moçambique. O plano anual deverá incluir tarefas a nível distrital. Tarefas que tenham sido reportadas pela pesquisa de base, avaliações do IND e novas áreas suspeitas identificadas durante o processo de libertação de terras, abordado nas NND O plano de trabalho deverá ser actualizado trimestralmente e quaisquer novas tarefas notificadas ao IND deverão ser incorporadas. Sempre que possível durante a alocação de tarefas, ou quando as tarefas sejam entregues entre organizações de desminagem, um briefing no-local deverá ser providenciado. Representantes das comunidades afectadas deverão ser convidadas para participar nestas actividades, como parte do processo de avaliação e validação dos resultados de desminagem. O IND deverá incluir especificações e requisitos para tarefas alocadas à organizações comerciais de desminagem num contrato. A informação a ser providenciada para operações de desminagem deve ser apresentada numa pasta de tarefas, que será mantida pela organização responsável pela sua execução, durante o período de duração dos trabalhos. Um duplicado da pasta de tarefas deverá também ser mantido pelo IND. Quando uma organização de desminagem completa uma tarefa, deve devolver a pasta de tarefas ao IND com toda a informação relevante incluída. A pasta de tarefas, no mínimo, deverá incluir mapas e esquemas dos locais de risco, e relatórios de pesquisa não-técnica e técnica. A alocação de tarefas deverá indicar a área especificada a ser clarificada e a profundidade de desminagem a ser obedecida pela organização de desminagem. Deve igualmente incluir: a) Quaisquer actividades adicionais requeridas, ex.: marcação. b) Os recursos de desminagem a serem usados. c) Tempo de execução da tarefa pela organização de desminagem. d) Quaisquer requisitos de qualidade de desminagem adicionais. e) Os requisitos de monitoria e inspecção. 8. Requisítos Gerais A desminagem deverá ser realizada por pessoal com qualificações apropriadas, usando os procedimentos de desminagem aprovados. As operações de EOD deverão ser conduzidas em conformidade com o IMAS O sistema de marcação de riscos de minas/erw nas áreas perigosas deverá ser de acordo com IMAS Procedimentos para manutenção de um espaço de trabalho seguro, e distâncias de segurança deverão estar em conformidade com o IMAS Equipamento Protector Pessoal (PPE) deverá ser proporcionado de acordo com o IMAS Apoio médico às operações de desminagem deverá estar em conformidade com o IMAS Armazenamento, manuseamento e transporte de explosivos deverá estar de acordo com o IMAS Relatórios e investigação de incidentes de desminagem observar as indicações do IMAS Documentação da desminagem e entrega de áreas desminadas deverão estar de acordo com as NND e IMAS O meio ambiente deverá ser respeitado de acordo com o IMAS

6 Relatórios de progresso e de conclusão deverão ser submetidos de acordo com os requisitos de relatório do IND. Veja NND Requisitos de Qualidade A remoção e/ou destruição de todos os riscos de minas/erw numa determinada área à profundidade especiíica deverá ser assegurado por meio de: a) Uso de organizações de desminagem acreditadas com capacidades operacionais reconhecidas. b) Uso de práticas de gestão apropriadas, e aplicação de procedimentos operacionais seguros e eficazes. c) Monitoria das organizações de desminagem e as suas sub-unidades. d) Condução de um processo de inspecção pós-desminagem quando exigido. As organizações humanitárias de desminagem deverão conduzir controlo interno de qualidade, com inspecções regulares de garantia de qualidade do IND. Para as organizações comerciais de desminagem, o IND poderá contratar um agente para levar a cabo a monitoria externa de qualidade. Tais agentes deverão ser acreditados pelo IND e terem as instalações exigidas, pessoal qualificado, e sistemas de gestão necessários para monitoria e amostragem adequadas. 6

7 Gestão de Emendas das NND Registo de Emendas As NND estão sujeitas à revisão formal numa base de três anos, contudo, isto não exclui emendas que possam ser feitas dentro desses períodos de três anos por razões de segurança operacional e eficiência ou por propósitos editoriais. À medida que as emendas forem feitas a estas NND, será atribuído um número, a data e os detalhes gerais da emenda apresentada na tabela abaixo. A emenda será também apresentada na página de rosto das NND pela inclusão sob a data de edição da expressão incorporação do(s) número(s) da emenda 1 etc. À medida que as revisões formais de cada NND estejam completas novas edições podem ser emitidas. Emendas até à data da nova edição serão incorporadas na nova edição e a tabela de registo de emendas limpa. Registos de emendas irão então iniciar novamente até que uma revisão adicional seja levada a cabo. As NND emendadas mais recentemente serão as versões colocadas no website do IND em Número Data Detalhes da Emenda 7

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 02.10 Normas Nacionais de Desminagem Acreditação de Organizações de Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax:

Leia mais

NND 05.10. Gestão de Informação

NND 05.10. Gestão de Informação NND 05.10 Normas Nacionais de Desminagem Gestão de Informação Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax: +258 1 418577 Email:

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Organizações de Manutenção Aprovadas

Organizações de Manutenção Aprovadas Normativo Técnico 5 Organizações de Manutenção Aprovadas PARTE A: GENERALIDADES... 3 5.001 APLICABILIDADE... 3 5.003 DEFINIÇÕES... 3 5.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADO AMO... 5 5.010 APLICABILIDADE...

Leia mais

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES

DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES DIRECTIVA SOBRE LIMPEZA DE AERONAVES Instrução sobre Página 1 de 19 1. OBJECTIVO A presente directiva visa definir as medidas e os procedimentos a serem adoptados pelos operadores aéreos e pelas empresas

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014 Republica de Moçambique Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Instituto Nacional de Desminagem PLANO NACIONAL DE ACÇÃO CONTRA MINAS 2008-2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1. ANÁLISE DA SITUAÇÃO...

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS)

Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS) Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS) 10ª Reunião do GT de Risco Operacional DITEC/CGSOA/COARI/DIRIS Etapas para a implementação do BDPOS Controles de Captura e Classificação

Leia mais

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽 Regras Suplementares Grupos de Ensino Básico e Secundário Função operacional do dispositivo: Ser capaz de parar em posição pré-definida. Materiais: Não existe limitação a materiais excepto dispositivos

Leia mais

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade Elaborado: 2006-01-11 Validado: 2006-01-11 Pág. 1 de 5 Aprovado: 2006-01-11 Documento: Título: Código: Produzido por: Aprovado por: Descrição Sumária: Gestão dos Dispositivos PE-QL-14 (Data de Aprovação)

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 503 Edição 3.0-2014-09 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques NORMAS ISO Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Antes do aparecimento das normas ISO,

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

Manual de abertura de ano. Gestão Administrativa 2 e 3

Manual de abertura de ano. Gestão Administrativa 2 e 3 Manual de abertura de ano Gestão Administrativa 2 e 3 Introdução Este manual tem como principal objectivo ajudar o utilizador a realizar a abertura de uma nova sigla de trabalho no software Gestão Administrativa

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

AVISO URGENTE: RA2012-014

AVISO URGENTE: RA2012-014 AVISO URGENTE: RA2012-014 Prezado cliente, Descrição: COMBINAÇÃO FRESA E BROCA N.º de Catálogo: 704005-10; 704005; 704006; 990263 Código de Lote: consulte tabela abaixo. Em anexo encontra detalhes de uma

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001 4 Sistemas de gestão da qualidade 4.1 Requisitos gerais A organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 521 Edição 1.0, 2015-02 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

5.1 A produção deve ser realizada e supervisionada por pessoas competentes.

5.1 A produção deve ser realizada e supervisionada por pessoas competentes. CAPÍTULO 5 PRODUÇÃO Princípio As operações de produção devem obedecer a procedimentos claramente definidos; devem cumprir os princípios das Boas Práticas de Fabrico, de modo a obter produtos da qualidade

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

EM SÍNTESE O PROCESSO SEGUNDO ISO 14010

EM SÍNTESE O PROCESSO SEGUNDO ISO 14010 LEVANTAMENTOS, DIAGNÓSTICOS E AUDITORIAS AMBIENTAIS por SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 003/004 por por Levantamentos Ambientais, Diagnósticos, Auditorias. Processo 4 00 e Tipologias de Auditorias. Motivação,

Leia mais

Procedimento Corporativo GESTÃO E CONTROLO DE DOCUMENTOS CONFIDENCIAIS

Procedimento Corporativo GESTÃO E CONTROLO DE DOCUMENTOS CONFIDENCIAIS GESTÃO E CONTROLO DE DOCUMENTOS CONFIDENCIAIS 1. Índice 1. Índice... 1 2. Objectivo... 1 3. Âmbito... 1 4. Definições... 1 5. Siglas / Abreviaturas... 1 6. Referências... 1 7. Introdução... 2 8. Medidas

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs

POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS 1 Com o objectivo de criar visibilidade para os produtos Amway, para a Oportunidade de Negócio Amway e para apoiar os EAs e Clientes Vip na construção do seu negócio,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA.

Documentação significa as especificações, a documentação do usuário, os manuais e os guias técnicos entregues com o software da CA. Política e Termos de Suporte da CA 1. Visão Geral O Suporte para softwares da CA consiste em assistência operacional e suporte técnico oferecidos pela CA, a seu critério razoável, durante o prazo estabelecido

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO Princípio Uma boa documentação constitui parte essencial do sistema de garantia de qualidade. Documentos redigidos com clareza impedem erros resultantes da comunicação verbal e

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS. Decreto n.º 13/2005 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha sobre Protecção Mútua de Matérias Classificadas, assinado em Lisboa em 22 de Dezembro de 2004 Atendendo ao desenvolvimento

Leia mais

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único Gestão Pessoal Relatório Único Manual preparação do software para o relatório único Wincode, 30 Março de 2011 Introdução Este manual tem como principal objectivo ajudar o utilizador a preparar o software

Leia mais

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Esteja Preparado. NTT Communications IntelliSecurity TM AVALIAR: NÓS ENCONTRAREMOS SUAS VULNERABILIDADES DE SEGURANÇA

Esteja Preparado. NTT Communications IntelliSecurity TM AVALIAR: NÓS ENCONTRAREMOS SUAS VULNERABILIDADES DE SEGURANÇA Esteja Preparado No mundo digital de hoje, seu negócio está suscetível a uma ordem de ameaças de segurança. Não há nenhuma questão sobre isso. Mas essas ameaças freqüentemente são preveníveis e não há

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P.

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO MAPUTO 2013 AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. CERRO DE DOCUMEIRAÇÃO E INFORMAÇÃO Entrada do Documento:PI'«oce,5a,w) *1.~, la Edição PLANO DE

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão,qwurgxomrj(qj GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir as noções requisitos de sistema e processo

Leia mais

LAR O SEU NEGÓCIO O SEU NEGÓCIO LAR O SEU NEGÓCIO LAR. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs BEM- ESTAR

LAR O SEU NEGÓCIO O SEU NEGÓCIO LAR O SEU NEGÓCIO LAR. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs BEM- ESTAR BEM- ESTAR BEM- ESTAR POLÍTICA DE PRIVACIDADE BEM- ESTAR PARA SITES DE EAs POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs Com o objectivo de criar visibilidade para os produtos Amway, para a Oportunidade de

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE o Clarificar critérios de elegibilidade o Informar sobre segunda fase: Proposta completa o Responder

Leia mais

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1

Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. MDL Conselho Executivo Relatório da 32 a reunião do Conselho Executivo Anexo 38 página 1 página 1 Orientação sobre o registro de atividades de projetos no âmbito de um programa de atividades como uma única atividade de projeto do MDL (Versão 2.1) A Conferência das Partes na qualidade de reunião

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão

Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão N.º 03/2008 Data: 2008/12/12 Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão Elaborada por: Unidade de Apoio à Gestão Institucional e Unidade de Sistemas de Informação

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS Página 1 of 7 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 LIMPEZA DAS FOSSAS ESTANQUES... 3 5.2 LIMPEZA

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais