ANUÁRIO BRAZTOA 2015 Patrocínio: Apoio: Realização:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANUÁRIO BRAZTOA 2015 Patrocínio: Apoio: Realização:"

Transcrição

1 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 Patrocínio: Apoio: Realização:

2

3 4. EDITORIAL 5. DIRETORIA 6. A BRAZTOA 11. ASSOCIADOS 13. O AMBIENTE DO TURISMO EM O MERCADO EM NÚMEROS RELATÓRIO DESCRITIVO DOS RESULTADOS DA PESQUISA BRAZTOA FATURAMENTO DAS EMPRESAS ASSOCIADAS O SETOR DE TURISMO NO BRASIL EM 2014 O IMPACTO DAS OPERADORAS NA CADEIA PRODUTIVA DO TURISMO DOMÉSTICO EM 2014 PRINCIPAIS DESTINOS DAS VIAGENS COMERCIALIZADAS DESTINOS DOMÉSTICOS EMISSIVO INTERNACIONAL TIPO DE PRODUTO COMERCIALIZADO DIÁRIAS EM HOTÉIS CRUZEIROS MARÍTIMOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 41. TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS DOS TURISTAS 46. RELAÇÃO DE ASSOCIADOS 55. AGRADECIMENTOS 3

4 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 EDITORIAL Sabe-se bem que os desafios nos fazem crescer, aguçam nossas percepções e exigem mais da criatividade de cada um. O ano de 2014 foi desafiador e, por isso mesmo, muito rico para todos nós do turismo e de outras áreas também. Começamos esse período trabalhando com os holofotes voltados para o Brasil por conta da Copa do Mundo e das eleições, mas, junto disso, nos deparamos com um consumidor com comportamento atípico, retraído, por conta da incerteza política e instabilidade econômica. Usamos nosso know how e feeling de mercado para atrair o turista inibido e mostramos que existiam, sim, excelentes oportunidades de se viajar em períodos ainda não explorados por eles. Começamos 2015 confirmando que mesmo em tempos de crise, o consumidor não deixa de viajar. O que muda, na verdade, é o perfil da viagem, que acontecerá dentro das possibilidades de cada um. A alta do Dólar que começou em 2014 e se estende aos dias atuais é um grande exemplo disso. Muitos turistas que tradicionalmente vão ao exterior, optaram por explorar melhor as belezas nacionais. Outros, mudaram seu roteiro e passaram a priorizar a, que conta com o Euro estável e favorável em comparação à moeda americana. Com tantas manobras, fechamos 2014 em crescimento maior que o PIB nacional, que ascendeu em 0,1%. Em resumo, todo esse cenário leva a um 2015 onde as operadoras não pouparão esforços em busca da inovação, criatividade, aproximação cada vez maior com a rede de distribuição, o consumidor e, consequentemente, resultados positivos para todos os envolvidos na cadeia produtiva do setor. Superação, mão na massa e otimismo são as palavras de ordem. JOSÉ ZUQUIM MAGDA NASSAR EDUARDO BARBOSA PLÍNIO NASCIMENTO VICE-PRESIDENTE VICE-PRESIDENTE VICE-PRESIDENTE VICE-PRESIDENTE 4

5 DIRETORIA A cada dois anos, a BRAZTOA elege, dentre os seus associados, sua diretoria, que pode ser reeleita para mais um mandato. DIRETORIA PARA A GESTÃO : PRESIDÊNCIA EM EXERCÍCIO: 1º Vice-Presidente: José Zuquim (Ambiental) 2º Vice-Presidente: Magda Nassar (Soft Travel) 3º Vice-Presidente: José Eduardo S. Barbosa (Flot) 4º Vice-Presidente: Plínio Augusto V. Nascimento (Nascimento) DIRETORIAS: Financeira: Celso Luiz dos Santos Garcia (CI) Administrativa: Manuel Nogueira (JVS) Técnica: Maria Estela Rama Farina (Velle) Comunicação: Ana Carina Homa (Landscape) ASSESSORIAS DA PRESIDÊNCIA: Incentivo: Aldo Leone Filho (Agaxtur) Assistência de Viagem: Celso Guelfi (Brazilian Assist - GTA) Nacional e Rodoviário: Salomão Barros Costa (Pomptur) Tributação e Legislação: Elton Flávio Silva de Oliveira (CVC) Receptivo : Cláudio Del Bianco (Del Bianco) Socioambiental: Andrea Leone Bastos (Agaxtur) Relacionamento com Associados: José Roberto da Silva (Sanchat Tour) Tecnologia: Roberto Haro Nedelciu (Raidho) Representantes & Colaboradores: Danielle Clouzet Roman (Interamerican) Novos Negócios: Nicanor Cordeiro de Abreu Filho (Trade Tours) Capacitação: Olga Sasaki Arima (Designer Tours) ASSESSORIAS REGIONAIS: Sudeste: Edson Rodrigues Ruy (Intercontinental) Nordeste: Afrânio Lages Filho (Aerop) Centro-Oeste: Carlos Alberto de Sá (Voetur) Sul: Abrahão Finkelstein (Mercatur) CONSELHO FISCAL: Titular Roberto Roman (Travel Ace) Titular Marcelo Cusnir (New Age) Titular Carlos Frederico Marx Ulhôa Levy (Interpoint) Suplente Jorge Watanabe ( Total) Suplente Roberto Vertemati (CVC) CONSELHO DE ADMISSÃO E ÉTICA: Titular Fausto Adriano (Soft Travel) Titular Deusa Maria Rodrigues (Designer) Titular Roberto Sanovicz (ADVtour) CONSELHO CONSULTIVO: Eduardo Vampré do Nascimento (Nascimento) José Zuquim (Ambiental) José Eduardo Sampaio Barbosa (Flot) 5

6 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 A BRAZTOA 6

7 A BRAZTOA Fundada em 1989, consolidou-se como uma das mais importantes e representativas entidades do turismo brasileiro, afiliada a OMT, com 91 associadas, sendo 76 operadoras de turismo doméstico, emissivo e receptivo internacional, 12 colaboradoras e empresas de representação de produtos e destinos, e 3 Convidados. Visão Ser reconhecida pelos associados, parceiros e setor turístico, nacional e internacional, como referência de competência e vanguarda na promoção de ações e parcerias para o setor empresarial. Missão Promover ações e parcerias que valorizem as atividades empresariais dos associados, apoiando o desenvolvimento do mercado turístico de forma sustentável. Valores Buscar a responsabilidade econômica, social e ambiental; a flexibilidade; a inovação e a criatividade; a melhoria contínua; a ética e o profissionalismo; a valorização das relações humanas; e o comprometimento com o desenvolvimento do setor turístico. 7

8 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 A BRAZTOA Entre os objetivos da entidade, está o de valorizar a atuação de seus associados em regime de mercado organizado, liberdade de iniciativa e lealdade de concorrência. Dessa forma, atua desenvolvendo ações institucionais, de fomento e de promoção e apoio à comercialização. A MAIOR PROMOÇÃO DE VIAGENS DO BRASIL A Turismo Week é uma ação integrada entre os associados, fornecedores (hotéis, companhias aéreas, empresas de receptivo e atrativos, dentre outros) e destinos, para oferecer ao mercado, por um período determinado, vendas de viagens pelo Brasil e pelo mundo, com preços promocionais. A campanha ocorre duas vezes ao ano. Além do período de venda de viagens para multidestinos, as semanas temáticas garantem a promoção para destinos específicos, com exclusividade. Conta com o site para publicação das ofertas, uma rede no Facebook com aproximadamente 50 mil seguidores e uma campanha publicitária para o trade e consumidor final. A BRAZTOA é pioneira na disseminação da cultura de sustentabilidade junto às operadoras e à cadeia produtiva do turismo de lazer. Aplica o conceito nas suas atividades e projetos, realiza capacitações, oficinas e publicações de referência demonstrando às empresas quais são os benefícios e como podem incorporar a sustentabilidade à sua gestão e, através do maior prêmio de turismo sustentável do país, reconhece e dá visibilidade às melhores iniciativas, de todo o setor. O Programa Braztoa de Sustentabilidade tem uma parceria com a Travelife (sistema de certificação em sustentabilidade, cujos requisitos europeus foram customizados para operadoras de turismo e para a realidade brasileira) e tem a chancela da Global Partnership for Sustainable Tourism (Aliança Global para o Turismo Sustentável), uma organização internacional membro da ONU-Organização das Nações Unidas. 8

9 Ganhadores do 3o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade (2014) TOP Sustentabilidade: HOTEL FAZENDA PARQUE DOS SONHOS Associadas Braztoa: 1o CVC BRASIL 2o AMBIENTAL 3o MGM OPERADORA 2o ATIVA RAFTING E AVENTURA 3o MAIOBA TURISMO 2o SOFITEL GUARUJÁ JEQUITIMAR 3o MABU THERMAS GRAND RESORT 2o CHÃ DE JARDIM 3o AOKA 2o SEBRAE PIAUÍ 3o PREFEITURA DE CAIRU Agência de Viagem: 1o VENTO SUL TURISMO Meios de Hospedagem: 1o HOTEL FAZENDA PARQUE DOS SONHOS Parceiros do Trade: 1o PARQUE AVENTURAS Parceiros Institucionais: 1o COSTAS DOS CORAIS CONVENTION & VISITORS BUREAU 9

10 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 A BRAZTOA As ações do Programa Braztoa de Sustentabilidade são possíveis graças a importantes parceiros, que reconheceram a importância da sustentabilidade para a sociedade e acreditaram no comprometimento e capacidade de realização da BRAZTOA e seus associados. PATROCINADOR PARCEIROS INSTITUCIONAIS MÍDIA CONSULTORIA Consultoria em Sustentabilidade APOIO APOIADORES LOCAIS DO 3º PRÊMIO BRAZTOA DE SUSTENTABILIDADE A BRAZTOA desde 1990 realiza eventos 100% focados em negócios, capacitação e tendências para o agente de viagem. São atividades indispensáveis aos profissionais do setor. Os dois de maior porte ocorrem em São Paulo, com abrangência internacional: no primeiro semestre, em parceria com a WTM Latin America e no segundo, em parceria com a ABAV. Realiza dois outros encontros em âmbito regional: ECB Rio de Janeiro e ECB Porto Alegre. São viagens de negócios em que a BRAZTOA conecta seus associados a destinos e fornecedores estratégicos no mundo todo, com o objetivo de ampliar, diversificar e aprimorar a cesta de ofertas de viagens. Já foram realizados encontros em: Portugal, Argentina, Canadá, Las Vegas, Catalunha, Uruguai, Bélgica e Londres. 10

11 ASSOCIADOS A entidade conta com 91 associados, crescendo de forma constante e buscando sempre ser representativa nos diferentes mercados do país. São oferecidos pacotes para todos os continentes, com produtos segmentados conforme a atividade turística ou o tipo do público atendido. Quanto às operações, 56 operadoras estão envolvidas com o turismo doméstico, 76 com o turismo emissivo internacional e 29 com o turismo receptivo internacional. GRÁFICO SEDE ASSOCIADOS 91 ASSOCIADOS ACRE AMAZONAS RONDÔNIA RORAIMA AMAPÁ P A R Á MARANHÃO PIAUÍ TOCANTINS CEARÁ PERNAMBUCO ALAGOAS SERGIPE RIO GRANDE DO NORTE PARAÍBA BAHIA 69% 64 SEDE SP MATO GROSSO GOIÁS MINAS GERAIS DISTRITO FEDERAL 12% 10 SEDE RJ MATO GROSSO DO SUL PARANÁ SÃO PAULO ESPÍRITO SANTO RIO DE JANEIRO 19% 17 OUTROS ESTADOS RIO GRANDE DO SUL SANTA CATARINA GRÁFICO TIPOS DE OPERAÇÃO GRÁFICO PORTE DAS EMPRESAS OPERADORAS DE TURISMO DOMÉSTICO 56 operadoras OPERADORAS DE EMISSIVO INTERNACIONAL 76 operadoras OPERADORAS DE RECEPTIVO INTERNACIONAL 29 operadoras GRANDE mais de 100 colaboradores MÉDIO de 50 a 99 colaboradores PEQUENO de 10 a 49 colaboradores % 100% 37% MICRO de 1 a 9 colaboradores 5 11

12 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 ASSOCIADOS A BRAZTOA tem associados nas categorias: Operadoras de Turismo, Representantes e Colaboradores e Convidados. Em operadoras enquadram-se as empresas especializadas na prestação de serviços de operações de viagens, tal como excursões e passeios, organização e execução de programas, roteiros, itinerários, receptivo, transferência e assistência ao viajante. Representantes são pessoas jurídicas sediadas e legalmente constituídas no Brasil para atuarem como representantes de empresas de serviços turísticos no exterior; e colaboradores são empresas que promovem e/ou comercializam produtos e serviços turísticos. A categoria convidados é a mais nova, que congrega parceiros de diversos setores do trade turístico que poderão ser indicadas por associados. CADEIA PRODUTIVA DO TURISMO DE LAZER A cadeia produtiva do turismo é bastante complexa e segundo a Organização Mundial do Turismo, impacta e é impactada por 52 setores da economia. Esta é uma engrenagem composta por uma sucessão de operações integradas, realizadas entre as empresas desses diferentes setores, com níveis elevados de dependência entre as partes, tendo por objetivo comum atender e fomentar a atividade turística doméstica e internacional. O papel central das Operadoras de Turismo na cadeia produtiva As operadoras desempenham o papel central na cadeia produtiva do turismo, por realizar ações básicas para a movimentação e direcionamento de toda a cadeia; seja pela relação com a REDE DE FORNECEDORES, para a formatação das viagens; ou para viabilizar a DISTRIBUIÇÃO destas, por intermédio das agências de viagens ou outros canais. GESTÃO DO FORNECIMENTO DAS VIAGENS GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO DAS VIAGENS Destinos Governos Consumidor Operadoras internacionais Meios de hospedagem Agências de incentivo Agências próprias Parques, shows, museus... OPERADORA Agências de receptivo, guias Organizadora de eventos OPERADORA Agências multimarcas Cartões de assistência Locadoras de veículos Cruzeiros Meios de transporte aéreo, terrestre... GDS Empresas Representantes e Filiais Franquias Sites de compra, last minute, online 12

13 O AMBIENTE DO TURISMO EM

14 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO E O SETOR DE TURISMO EM O Cenário Econômico e as Viagens de Turismo. O quadro econômico global efetivado no ano em análise determinou os fluxos monetários e de mercadorias entre as nações e influenciou o mercado das viagens e turismo. O gráfico 1 resume os resultados e as expectativas dos principais blocos econômicos globais, no qual fica exposto um aumento de 3,3% da riqueza mundial. Os países emergentes despontam com um crescimento vigoroso de 4,4% 1 e a China, com 7,4%. Os Estados Unidos da América alavancaram o bloco dos países desenvolvidos, cuja performance foi estimada em 1,8% pelo Fundo Monetário. GRÁFICO 1 ECONOMIA MUNDIAL CRESCIMENTO DA ECONOMIA MUNDIAL - REGIÕES E PAÍSES SELECIONADOS - PIB PREVISÃO PARA 2014 E VARIAÇÃO ANUAL (%) 8 7,4 7,1 7 VARIAÇÃO ANUAL (%) ,3 3,8 Mundo 1,8 2,3 Economias Desenvolvidas 0,8 1,3 Área do Euro 2,2 3,1 Estados Unidos 4,4 5,0 Emergentes e em Desenvolvimento 0,3 1,4 Brasil China Fonte: FMI Nesse contexto, vale alertar para os seguintes aspectos que permearam o comportamento da economia mundial 2 : a continuação da recuperação da economia americana em 2014; o crescimento a passos curtos do comércio mundial, apesar da queda dos preços do petróleo e das commodities desequilibrando a balança de pagamentos a favor dos países industrializados; o risco de deflação nos países desenvolvidos permaneceu, enquanto a inflação avançou moderadamente nos países em desenvolvimento; o desaquecimento da economia chinesa permaneceu e a consequente redução da demanda por bens e serviços mundiais; a lenta recuperação da economia da zona do euro manteve-se e o enfraquecimento da moeda frente ao dólar americano, e, aumentaram os conflitos no Oriente Médio e no Leste Europeu, afetando o comércio mundial. 1 Exceto o Brasil, que cresceu apenas 0,1% naquele ano. 2 World Economic Situation and Prospect 2015, United Nations,New York,

15 A relação estreita entre a dinâmica das economias e o mercado de viagens é evidente, principalmente, no segmento do lazer, que depende, sobremaneira, do emprego e do nível de renda disponível das famílias para gastar em viagens. Por sua vez, as viagens internacionais, no mesmo período, continuaram seu ritmo de crescimento, segundo dados da UNWTO 3. As chegadas de turistas internacionais atingiram a marca de milhão em 2014, um aumento de 4,7% em relação ao ano anterior, de acordo com o barômetro da instituição. GRÁFICO 2 TURISMO RECEPTIVO GLOBAL POR REGIÃO EUROPA MILHÕES ÁSIA E PACÍFICO AMÉRICAS ÁFRICA ORIENTE MÉDIO Fonte: UNWTO, Em relação ao segmento de passageiros transportados via aérea em 2014, a IATA Associação de Transporte Aéreo, anunciou recentemente que o petróleo negociado a preços baixos e a existência de mais rotas à disposição beneficiaram os consumidores com tarifas aéreas modestas e impulsionaram o crescimento do setor. 4 3 United Nations World Travel Organization. 4 Economic performance of the airline industry, IATA JAN

16 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO E O SETOR DE TURISMO EM 2014 Os resultados econômicos informados pelos associados da IATA para o ano em questão encontram-se no quadro 1. QUADRO 1 INDICADORES ECONÔMICOS DO TRANSPORTE AÉREO MUNDIAL INDÚSTRIA MUNDIAL DE TRANSPORTE AÉREO TIPO (%) GASTO EM TRANSPORTE AÉREO (US$ BILHÕES) PASSAGEM DE IDA E VOLTA (US$/PAX.) TOTAL DE PASSAGEIROS (MILHÕES) RPK (REVENUE PASSENGER KILOMETERS)(BILHÕES) CRESCIMENTO DO MERCADO DE VIAGENS ,70% ,00% 4,78-3,01 5,49 5,75 11,11 Fonte: IATA, RPK: É a soma da multiplicação do número de passageiros pagantes pela distância de cada voo. A Associação de Transporte Aéreo reforça a ideia de que o desenvolvimento econômico no mundo está tendo um impulso significativo do transporte aéreo, uma vez que uma maior conexão entre as cidades permite que o fluxo de mercadorias, pessoas, capital, tecnologia e ideias gere benefício econômico de forma mais ampla e reduza os custos do transporte aéreo. Além disso, para os economistas do turismo, o comportamento conjuntural da economia influencia as decisões de viagens, principalmente das famílias 5 (demanda elástica), mas também das empresas públicas e privadas, que tomam suas decisões baseadas em investimentos necessários à sua atividade econômica ou na prestação de serviços às suas demandas específicas (clientes). Na ótica doméstica, o ano de 2014 foi marcado por dois eventos de grande importância para o cenário sócio, político e econômico do Brasil. Em primeiro lugar, por termos sido a sede da Copa do Mundo, fato que gerou muitas expectativas para todos os 5 Em tempos de crise as viagens podem ser adiadas. agentes econômicos. Em segundo lugar, pela realização das eleições federal e estaduais no país, momento de grande debate e de incertezas políticas e econômicas sobre o futuro da conjuntura nacional. No plano esportivo, o resultado da organização do evento foi positivo, ou seja, os jogos e a movimentação de torcedores nacionais e estrangeiros abrilhantaram a festa. As viagens por transporte aéreo pelo território nacional durante o período (junho e julho/2014) obtiveram um crescimento de 3,22% em suas receitas por quilômetros voados, enquanto que, no mercado internacional, esse percentual foi de 5,26%. A média ponderada final do período da Copa do Mundo resultou no crescimento da demanda pelo transporte aéreo em 3,69%. Para os operadores BRAZTOA, segundo dados parciais coletados pelo Datatur, o primeiro semestre foi muito promissor em termos de vendas e superou as expectativas para o ano em estudo. Entretanto, durante o período do certame mundial, as viagens nacionais e internacionais a lazer mantiveram-se em ritmo lento se comparadas ao ano imediatamente anterior. 16

17 A sondagem da Fundação Getúlio Vargas, referente ao primeiro semestre de 2014, demonstrou que o faturamento das empresas de turismo situou-se em 11,1% de aumento em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para os meios de hospedagem, turismo receptivo, transporte aéreo, bem como parques e atrações. As operadoras de turismo frustraram-se, principalmente, de abril a junho de 2014, quanto às previsões de elevação do faturamento, bem como a redução da demanda por destinos nacionais e a estabilidade da demanda por destinos internacionais induziu ao setor a redução do quadro de funcionários em relação ao primeiro trimestre do ano corrente. Na versão da sondagem realizada pela FGV em julho daquele ano, os investimentos já realizados pelas empresas, o fortalecimento da demanda internacional e a taxa de câmbio favorável foram considerados os mais relevantes fatores que contribuíram para a expansão do faturamento. Por outro lado, a compra de serviços diretamente pela internet, a majoração dos custos financeiros e o excesso de burocracia foram julgados como importantes razões que desestimularam o aquecimento dos negócios (BDET, JUL 2014). 6 6 BDET, Julho de 2014, Fundação Getúlio Vargas e MTUR. 17

18 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO E O SETOR DE TURISMO EM 2014 GRÁFICO 3 EVOLUÇÃO DO FATURAMENTO DAS OPERADORAS DE TURISMO 1º TRIMESTRE DE 2009 AO 2º TRIMESTRE DE 2014 FATURAMENTO X PREÇO COMPARAÇÃO COM TRIMESTRE IMEDIATAMENTE ANTERIOR SALDO DE RESPOSTAS (%) ÁREA DE ESTABILIDADE o º trim/09 2º trim/09 3º trim/09 4º trim/09 1º trim/10 2º trim/10 3º trim/10 4º trim/10 1º trim/11 2º trim/11 3º trim/11 4º trim/11 1º trim/12 2º trim/12 3º trim/12 4º trim/12 1º trim/13 2º trim/13 3º trim/13 4º trim/13 1º trim/14 2º trim/14 Fontes: FGV e MTur FATURAMENTO PREÇO Do ponto de vista da economia, as taxas de crescimento acumulado no ano, do PIB brasileiro foram de 2,7% e 0,7% no primeiro e no segundo trimestre, respectivamente, e, apesar de positivas, já apontavam para um recuo na atividade econômica. Os investimentos das empresas (formação bruta de capital fixo) despencaram de 3% para (-) 2,6% no mesmo período. Em conjunto, a demanda agregada (consumo das famílias, gastos do governo, investimento das empresas e exportações das empresas) recuou 2,16% naquele semestre 7. O segundo recorte temporal em análise, representado pelo período de julho a dezembro de 2014, foi marcado pela acirrada disputa presidencial e, também, pela eleição dos demais cargos majoritários (Governadores, Senadores, Deputados Federais e Estaduais). Apesar da derrota sofrida pela Seleção 7 Indicadores Econômicos, Fundação IBGE, Brasileira no certame mundial no primeiro semestre, alimentava-se a esperança de uma recuperação econômica nos últimos meses do ano efetivando-se um crescimento positivo, ainda que reduzido. A pesquisa FOCUS do Banco Central, divulgada em 27 de julho daquele ano, apontava uma expectativa de crescimento anual do PIB em 0,9% e uma taxa de câmbio de R$ 2,35 para US$ 1,00, além de uma taxa de juros (SELIC) de 11,00% ao ano e uma taxa de inflação estimada de 6,41%, muito próximo da meta do Governo Federal. Esse cenário não se consolidou completamente, ou seja, a pressão sobre os preços administrados aumentou e o câmbio disparou no segundo semestre, atingindo ao final do ano o valor de R$ 2,65 para US$ 1,00, pressionando os custos para a parcela de viajantes que buscavam o destino internacional. Por outro lado, o câmbio elevado estimulou a demanda por viagens domésticas. 18

19 O gráfico 4 apresenta a tendência econométrica da taxa de câmbio e a escalada de desvalorização do Real, fato que comprovamos no início deste ano. Sabemos que o estimulo às exportações por um lado e os custos operacionais das impor- tações de máquinas e equipamentos, além de outros bens essenciais à produção do país, devem-se equilibrar, de maneira a evitar um desequilíbrio na balança em transações correntes e no balanço de pagamentos. GRÁFICO 4 EVOLUÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO 2º SEMESTRE DE TENDÊNCIA DO CÂMBIO 2º SEMESTRE 2O14 3,0000 2,5000 v = 0,0044x + 2,207 R 2 = 0,91864 TAXA DE CÂMBIO 2,0000 1,5000 1,0000 0,5000 0, JULHO A DEZEMBRO 2014 Fonte: BDET- Julho 2014 Fundação Getúlio Vargas. Nesse mesmo período, o fluxo aéreo de passageiros entre julho e dezembro de 2014 apresentou um crescimento de 7,08% em relação ao ano anterior, apesar da retração da demanda por viagens a lazer no período (estimada em 5,13%), afetando sobremaneira os negócios das operadoras de turismo. A demanda por lazer é o foco principal desse segmento da oferta de serviços turísticos, segundo os entrevistados na pesquisa qualitativa realizada em janeiro do ano corrente. (FGV) A explicação, da FGV, para o crescimento do fluxo aéreo está correlacionada ao desempenho de outros agentes, tais como, a demanda corporativa privada e pública (ambas cresceram 9,2% e 27% respectivamente), além da demanda receptiva estrangeira que utiliza os serviços das companhias aéreas nacionais com deslocamentos domésticos. O cenário do enfraquecimento econômico no período também colaborou para a redução dos fluxos 8 Média do período. 9 Outubro de de viajantes a lazer no segundo semestre. A queda de salário real (corroído pela inflação); a elevação dos juros, principalmente do crédito ao consumidor (cartão de crédito e cheque especial) e o parco desempenho dos setores de atividade econômica ameaçando o emprego e a renda, influenciaram as decisões de viagens pelos brasileiros. Em 2013, a intenção de viagem dos brasileiros, no período em questão, era de 32,5% 8, enquanto que, em 2014, passou para 31,8%. O Boletim de Desempenho Econômico do Turismo, publicado pela FGV 9, revelou que o faturamento apurado no terceiro trimestre de 2014, em comparação ao mesmo trimestre de 2013, registrou variação média de 3,7% para os serviços turísticos. Os mais elevados aumentos percentuais do faturamento foram apurados nos ramos meios de hospedagem e turismo receptivo, enquanto que os menores foram computados nos segmentos de parques e atrações turísticas e operadores de turismo, cuja variação foi de 0,5%. 19

20 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO E O SETOR DE TURISMO EM 2014 GRÁFICO 5 COMPARAÇÃO DO FATURAMENTO: 3º TRI 2014 COM 3º TRI DE ,2 6,6 3,7 5,0 2,1 1,9 0,8 0,5 CONSOLIDADO MEIOS DE HOSPEDAGEM TURISMO RECEPTIVO AGÊNCIAS DE VIAGENS TRANSPORTE AÉREO ORGANIZADORAS DE EVENTOS PARQUE E ATRAÇÕES OPERADORAS DE TURISMO Fonte: FGV e MTur A sondagem revelou, ainda, que apenas 24,5% dos empresários ligados ao setor de operadoras turísticas tiveram 2014 como um ano positivo e de expansão dos negócios. Os investimentos já realizados pelas empresas, o fortalecimento da demanda internacional e a maior divulgação dos atrativos e roteiros turísticos foram considerados os fatores que mais contribuíram para o aquecimento dos negócios das operadoras. Por outro lado, a elevação dos custos financeiros foi apontada como importante razão que desestimulou a expansão do faturamento. Encerramos o ano em análise, com o PIB brasileiro atingindo a cifra de R$ 5,52 trilhões em termos nominais e um crescimento real de 0,1%, segundo a Fundação IBGE (Gráfico 6). A partir de 2011, é possível notar a tendência de retração nesses indicadores comprovando o esgotamento do modelo de financiamento do consumo interno das famílias (por meio de juros baixos e isenção fiscal) para assegurar a produção das empresas e o crescimento da riqueza nacional. 20

21 GRÁFICO 6 EVOLUÇÃO DO PIB E DO PIB PER CAPITA 2000 A , ,4 5,7 4,3 4,0 6,0 4,8 5,0 3,9 6,5 3,9 3 2,8 3,1 3,1 2,8 2,8 2, ,3-0,1 1, ,1 1,9-0,2-1,3 1,8 0,8 1,8 0,1-0, PIB PIB per capita Os resultados econômicos obtidos naquele ano resultaram da variação positiva de 0,2% do valor adicionado e do recuo nos impostos (-0,3%). Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (-1,2%). O PIB per capita ficou em R$ , com queda (-0,7%), em volume, em relação a 2013 (Fundação IBGE). A taxa de investimento em relação ao PIB foi de 19,7% e a de poupança 15,8% corroborando com a afirmação de que 2014 configurou-se como um momento conjuntural de grande fragilidade econômica. Embora o reduzido crescimento da economia brasileira possa ter influenciado aos agentes econômicos (famílias, empresas e governo) em suas decisões estratégicas e de reposicionamento no mercado, os seguintes resultados refletem a sustentação moderada do mercado de viagens e turismo, quais sejam: a demanda agregada monetária por viagens do setor privado (empresas) cresceu 9,2%; o setor público gastou 25,88% a mais com passagens e diárias; o turismo receptivo internacional ampliou seus gastos em 29,79%; e as famílias reduziram seus dispêndios com viagens aéreas em 14,35% resultando em um índice ponderado tipo Laspeyre de 1,1126 para as viagens e turismo no Brasil em O olhar econômico indica, também, que o aumento de preços, do câmbio e dos juros, além da desconfiança dos empresários e do consumidor nas políticas econômicas adotadas até o segundo semestre do ano passado, atuaram como obstáculos a um maior crescimento das vendas no mercado de bens e serviços, dentre os quais, destacamos o de viagens e turismo no Brasil. 21

22 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O MERCADO EM NÚMEROS Relatório Descritivo dos Resultados da Pesquisa BRAZTOA. Os resultados aqui apresentados 10 são decorrentes do Grupo Focal realizado em março de 2015, junto a representantes dos associados BRAZTOA, em complementação aos dados coletados através de questionários do Datatur, estudo de coleta quantitativa de números. Vale lembrar que as informações são projetadas para representar o universo dos associados, não o mercado de operadoras, e a participação na pesquisa é voluntária, portanto, não é um estudo amostral com amostra probabilística 11. Os dados do receptivo internacional estão consolidados junto com o emissivo doméstico. 10 As variações apresentadas nas tabelas referem-se ao comparativo entre 2014 e Comentários do Consultor Fabrizio Caritatos, coordenador da pesquisa DATATUR. 22

23 1. FATURAMENTO DAS EMPRESAS ASSOCIADAS O faturamento bruto das empresas associadas BRAZTOA em 2014 foi de R$ 11,87 bilhões representando 6,01 milhões de embarques. O aumento nominal do faturamento foi de 6,65% e do volume de embarques de 1,86%. TABELA 1 FATURAMENTO E PASSAGEIROS TRANSPORTADOS 2014 TIPO/ANO (VARIAÇÃO %)* FATURAMENTO (R$ BI) 10,70 11,13 11,87 6,65 PASSAGEIROS (MILHÕES) 5,70 5,90 6,01 1,86 Fonte: BRAZTOA, Projeto Datatur edição 2014.(*) Comparativo entre 2014 e A variação positiva do mercado ficou um pouco abaixo do que foi projetado com base no primeiro semestre. O entendimento é que o resultado do segundo semestre foi pior do que o primeiro. Justamente no segundo semestre que tem um peso maior para o segmento internacional em que a maioria das operadoras associadas atua, comenta o consultor Fabrizio Caritatos. Os eventos Copa do Mundo e Eleições Majoritárias, somados ao reduzido número de feriados ao longo de 2014, surgiram como fatores inibidores das viagens, contrariando as expectativas dos analistas. Levando-se em conta o faturamento por categoria de associado, os operadores de turismo ampliaram suas receitas em 6,54%, enquanto os representantes e colaboradores alcançaram 10,63%. TABELA 2 FATURAMENTO POR CATEGORIA 2014 TIPO/ANO (VARIAÇÃO %)* OPERADORES , , ,00 6,54 COLABORADORES , , ,00 10,63 Fonte: BRAZTOA, Projeto Datatur edição 2014.(*) Comparativo entre 2014 e

24 ANUÁRIO BRAZTOA 2015 O MERCADO EM NÚMEROS O setor de turismo no Brasil em 2014 Segundo a World Travel&TourismCouncil (WTTC), considerando toda a cadeia produtiva do setor turístico, o Brasil ocupa a sexta posição entre as maiores economias de turismo do mundo, movimentando aproximadamente US$ 209,2 bilhões em 2014, cerca de 9,2% do Produto Interno Bruto (PIB). O ranking é liderado pelos Estados Unidos (U$$ 1,4 trilhões), seguido pela China (US$ 850,1 bilhões). CONTRIBUIÇÃO TOTAL DO TURISMO NA ECONOMIA BRASILEIRA EM US$ BILHÕES ,9 216,3 203,9 207,4 209, ,6 73,2 91,7 112,0 126,4 146,7 149, Ao analisar apenas a contribuição direta do turismo, a cifra atinge US$ 77,4 bilhões, cerca de 3,7% do PIB, e o setor emprega diretamente algo em torno de 3 milhões de pessoas nas áreas de hotelaria, companhias aéreas, agências de turismo, outros tipos de transporte de passageiros, restaurantes e lazer. A expectativa é que, em 2023, o setor seja responsável por 10,6 milhões de empregos diretos e indiretos, o que representará 9,5% do total de empregos. Fonte: Assessoria econômica do Ministério do Turismo 24

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Realização. Patrocínio

Realização. Patrocínio Patrocínio Realização 4. EDITORIAL 5. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DIRETORIAS 7. A BRAZTOA 13. ASSOCIADOS 15. CENÁRIO ECONÔMICO E PERSPECTIVAS PARA O SETOR DE TURISMO 26. O MERCADO EM NÚMEROS FATURAMENTO

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

4. EDITORIAL 5. DIRETORIA 7. A BRAZTOA 11. ASSOCIADOS 15. O AMBIENTE DO TURISMO EM 2013 22. O MERCADO EM NÚMEROS

4. EDITORIAL 5. DIRETORIA 7. A BRAZTOA 11. ASSOCIADOS 15. O AMBIENTE DO TURISMO EM 2013 22. O MERCADO EM NÚMEROS Patrocínio: Apoio: Realização: 4. EDITORIAL 5. DIRETORIA 7. A BRAZTOA 11. ASSOCIADOS 15. O AMBIENTE DO TURISMO EM 2013 22. O MERCADO EM NÚMEROS O QUE É O DATATUR A REPRESENTATIVIDADE DAS EMPRESAS ASSOCIADAS

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO SUMÁRIO EXECUTIVO JANEIRO 2006 ANO III No. 9 O Boletim de Desempenho Econômico do Turismo é uma publicação trimestral que leva ao público o resultado de uma análise

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Capacitación en turismo ecológico Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Hospitalidade: Rede de Valores REDE HOTELEIRA PRESTADORES DE SERVIÇOS VINÍCOLAS

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

Patrocínio: Co-Patrocínio: Co-Realização: Realização:

Patrocínio: Co-Patrocínio: Co-Realização: Realização: Patrocínio: Co-Patrocínio: Co-Realização: Realização: 4. Senac são paulo e braztoa: a aliança entre o mercado e a academia 5. EDITORIAL 6. DIRETORIA 9. A BRAZTOA 16. ASSOCIADOS 23. O CENÁRIO ECONÔMICO

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL

TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL US$ bilhões O TURISMO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL 3,500 Exportações worldwide Mundiais 3,000 2,500 Turismo 6% do total de exportações 30% das exportações de serviços US$

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Panorama Econômico Agosto de 2015

Panorama Econômico Agosto de 2015 1 Panorama Econômico Agosto de 2015 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO Ministério do Turismo MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES 2012 MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES maio - 2013 Lagoa Azul, Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA Mais Turismo

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL São Paulo Janeiro/2014 1 Associação de Apoio à Pesquisa ALAGEV Associação Latino Americana de Gestores

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais