Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília"

Transcrição

1 Conceitos de Telefonia Celular Trafego Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília

2 Objetivos Mostrar primeiros contatos com teoria de despacho e filas Aprender os rudimentos do dimensionamento de sistemas de despacho Aplicar os conhecimentos aprendidos a sistemas celulares Estudar conceitos de trafego em telefonia fixa e celular

3 Sumario Conceito de Trafego Equações de trafego Distribuições de Probabilidade Chamadas bloqueadas liberadas Calculo do numero de usuários Exemplo: Erlang B Chamadas bloqueadas atrasadas Exemplo: Erlang C Eficiência de despacho Melhorando a capacidade de um sistema celular Projeto: Sistema celular simples Conclusões

4 Conceitos de trafego Estudado por Erlang (circa 1880) Problema: Como um grande numero de usuários podem compartilhar de um pequeno numero de canais? Solução:Permitindo acesso de acordo acordo com a demanda de uma serie de canais disponíveis - disponibilidade de canais de acordo com chamadas

5 Conceitos de Trafego Ao ouvir a palavra tráfego muito possivelmente a primeira idéia é a de carros em uma via Podemos imaginar um sistema (loja, barbearia, etc.)cujo objetivo é atender os usuários A este volume de solicitações que o sistema deve atender é que associamos a idéia de tráfego No caso da telefonia, a chamada ocupa um determinado circuito, por um certo tempo. Durante este tempo, outra chamada não pode ocupar este circuito. Então,TRÁFEGO é a ocupação de um circuito, medido pelo tempo desta ocupação, em segundos, minutos, horas, etc

6 Conceito de Trafego

7 Conceito de Trafego O estudo do tráfego telefônico é importante para se identificar os ofensores dos indicadores, para que se tome providências corretivas ou preventivas. Também permite às operadoras dimensionar e ampliar suas centrais e os meios de transmissão que as interligam Oferecendo um serviço de qualidade Custo baixo

8 Conceitos de Trafego Então, a intensidade do tráfego telefônico é definida a partir da taxa de ocorrência de chamadas e da duração dessas chamadas. Maior a taxa de ocorrência e/ou maior a duração dessas chamadas, maior será a intensidade de tráfego.

9 Conceito de Trafego Para expressar o trabalho (comutação): Volume de tráfego à soma de todos os tempos de duração das chamadas, que ocuparam o circuito, durante um tempo de observação (60 minutos) Por exemplo: Se em um tempo de observação de 60 minutos: 6 chamadas telefônicas com tempo médio de 10 minutos Volume de tráfego = 60 minutos Erlang = volume de tráfego/tempo de observação Neste caso: tráfego = 1 erlang

10 Conceito de Trafego A intensidade de tráfego é uma medida do tráfego oferecido ou escoado. É uma quantidade adimensional, representada pela unidade erlang (usualmente abreviada para Erl) O erlang indica o número médio de troncos ocupados ao mesmo tempo. Um tronco ocupado continuamente corresponde a um tráfego de 1 Erl.

11 Conceitos de trafego Em sistemas celulares Quando usuário requisita o serviço e todos os canais estão ocupados -> O usuário e bloqueado Para projetar sistemas de determinada capacidade com determinada qualidade de serviço Teoria de Trafego Teoria de Filas

12 Conceitos de trafego Cada usuário recebe um canal por chamada. Assim que a chamada termina, o canal torna-se disponível Mesmo principio utilizado em projeto de sistemas celulares Compromisso entre: Circuitos disponíveis Probabilidade de um usuário não encontrar circuitos disponíveis

13 Conceitos de Trafego Outras unidades são usadas para designar a intensidade de tráfego. A Traffic Unit (TU) e a Verkehseinheit (VE), como a erlang, indicam a quantidade média de chamadas simultâneas. As unidades Cent Call Seconds (CCS), Hundred Call Seconds (HCS) e Unit Call (UC) indicam a quantidade média de chamadas por hora, tomando-se como base um tempo médio de chamada de 100 s. Finalmente, as unidades Appels Réduits a L`heure Chargée (ARHC) e Equated Busy Hour Call (EBHC) indicam a quantidade média de chamadas por hora, tendo por base um tempo médio de chamada de 120s

14 Conceitos de Trafego Relações de conversão entre as diversas unidades 1 Erl = 1 TU = 1 VE = 1 CCS = 1HCS = 1 UC = 1 ARFC= 1 EBHC= Erl TU VE CCS HCS UC ARFC EBHC 1/36 1 5/6 1/30 6/5 1

15 Conceitos de Trafego Cada instante de utilização de um equipamento de comutação ou de um tronco se apresenta como sendo uma chamada: independente da sua origem ter sido estabelecida em decorrência de uma conexão entre dois assinantes, ou não

16 Conceitos de Trafego Quanto a ocupação, definem-se: Tempo de ocupação: O período de tempo durante o qual um tronco de saída está ocupado sem interrupções para fins determinados de comutação. Tempo médio de ocupação: O tempo durante o qual os troncos de saída são utilizados em média para uma ligação.

17 Conceitos de Trafego Termos usados na Teoria de Tráfego Assinante Cada um dos terminais telefônicos ligados à central; Órgãos ou circuitos Um equipamento da central telefônica Tempo de ocupação O intervalo de tempo em que um assinante ocupa um órgão ou circuito da central (ou centrais) Volume de tráfego O somatório dos tempos de ocupação dos órgãos ou circuitos

18 Conceitos de Trafego Termos usados na Teoria de Tráfego Período de observação O intervalo de tempo em que se observa o comportamento das ocupações Intensidade de ocupação O número de ocupações que ocorre durante o período de observação; Tempo médio de ocupação (t m ) É definido como a média aritmética dos tempos de ocupação das chamadas, num dado sistema, para um determinado período de observação (T) Intensidade de tráfego (A) A relação entre o volume de tráfego e o período de observação. É a principal entidade da teoria do tráfego telefônico ( erlang).

19 Conceitos de Trafego Hora de Maior Movimento (HMM)

20 Conceitos de Trafego Padroes de chamadas Chegadas regulares Chegadas completamente aleatórias Chegadas agregadas Chegadas a intervalos discretos Chegadas correlacionadas com o sistema

21 Conceitos de trafego Erlang: Intensidade de trafego suportada por um canal que esta completamente ocupado Exemplos: 1 chamada-hora/hora, 1 chamada minuto/minuto, 1 canal que esteja ocupado por trinta minutos dentro de uma hora tem o trafego de 0.5 Erlangs Qualidade de Serviço Medida da habilidade do usuário de acessar o sistema durante sua hora mais ocupada. Hora mais ocupada depende da demanda dos usuários durante a semana, mês ou ano

22 Conceitos de trafego Qualidade de Serviço Padrão usado para definir o desempenho desejado de um sistema dada a especificação da probabilidade desejada que o usuário obtenha acesso a um canal dado um certo numero de canais no sistema. Tipicamente: Probabilidade que uma chamada seja bloqueada ou que uma chamada tenha um atraso maior que um determinado tempo. Seu valor numérico é igual à porcentagem das chamadas oferecidas que são rejeitadas

23 Conceitos de trafego Definições Carga: Intensidade de trafego dos sistema Tempo de retenção: duração media da chamada Taxa de pedidos: numero de pedidos por unidade de tempo

24 Tipos de Trafego Tráfego oferecido Aquele relacionado à entrada do sistema telefônico (central). Caracterizado quanto um assinante retira o fone do gancho para efetuar uma chamada (ou não), ou quando o acesso é feito por outra central. Tráfego cursado ou escoado O tráfego efetivo, ou aquele que a central tem condições de medir. É um dos mais importantes indicadores da Teoria do Tráfego Telefônico

25 Tipos de Trafego Tráfico perdido É aquele oriundo de um desistência do assinante chamador ou de uma demanda não oferecida pela central Tráfego de transbordo É quando há rotas alternativas e a rota principal não está disponível, o tráfego passa a ser escoado por aquela rota, gerando o tráfego de transbordo

26 Tipos de Trafego Tráfego de trânsito Existe apenas quando a central tem função tandem ou trânsito. Demanda de tráfego A expectativa de tráfego, a necessidade que um assinante tem de se comunicar. Não é tráfego, mas é extremamente importante no estudo de tráfego telefônico.

27 Equações de trafego Intensidade de Trafego onde λ e a taxa de pedidos e H e o tempo de retenção Para um sistema com N usuários Trafego total: Em um sistema com C canais (trafego distribuído uniforme) Trafego por canal A = λh u A = NA u A = NA / c u C

28 Distribuições de Probabilidade Dois tipos de sistemas de despacho Erlang B Sem filas para despacho - chamadas bloqueadas liberadas Se não há canais disponíveis: chamada e bloqueada, livre para acesso depois Erlang C Com filas para despacho - chamadas bloqueadas atrasadas Se não há canais disponíveis: chamada e atrasada ate algum canal desocupar

29 Chamadas bloqueadas liberadas Erlang B Distribuição de Poisson para chamadas Numero infinito de usuários Usuários podem requisitar chamadas a qualquer hora Probabilidade do tempo de retenção exponencial decrescente Numero finito de canais disponíveis

30 Chamadas bloqueadas liberadas Probabilidade que uma chamada esteja bloqueada (medida de qualidade) Pr( bloqueio) = C C A C! A k k = 0! Onde C e o numero de canais e A e o trafego total (em Erlangs) k

31 Chamadas bloqueadas liberadas

32 Chamadas bloqueadas liberadas

33 Calculo do numero de usuários Portanto o numero de usuários suportado para uma dada taxa de bloqueio: N = A A = A λh u A e determinado pela taxa de bloqueio desejada

34 Exemplo - Erlang B Para um sistema com 20 Canais e taxa de bloqueio de 1% com chamadas de tempo médio de 2 minutos e 2 chamadas por hora, Qual o numero de usuários possível? Da tabela: A=12.0, λ=2/60 e H=2 N = A A u = 12*60 2*2 = 180

35 Chamadas bloqueadas atrasadas Erlang C Há uma fila para armazenar chamadas bloqueadas Qualidade de serviço medida como probabilidade que uma chamada seja bloqueada depois de esperar determinado tempo na fila Permite determinar atraso médio no sistema

36 Chamadas bloqueadas atrasadas Dado um sistema com C canais e trafego A: [ ] C A C A t Pr( atraso > t) = exp C 1 k C A A H A + C! 1 C k = 0 k! O atraso médio do sistema e dado por: Atraso = A C A C C +! 1 A C A k C 1 k k = 0! H C A

37 Chamadas bloqueadas atrasadas

38 Exemplo - Erlang C Um sistema com probabilidade de 5% de chamada atrasada tem 15 canais com uma carga por usuário de Erlangs com uma taxa de requisição de 1 chamada por hora. Quantos usuários o sistema suporta? A=9 Erlangs, A u = > 310 Usuários Atraso médio:0.05*104.4/(15-9)=0.87 s

39 Eficiência de despacho Medida do numero de usuários que podem ter uma qualidade de serviço definida com uma certa configuração de canais. Em geral 2 operadoras de X canais servem menos trafego que 1 operadora de 2X canais!

40 Eficiência de despacho Caso em estudo, bandas A e B. Duas operadoras oferecem no total 1000 canais em 10 células (100 canais por célula). Tempo médio de chamada de 3 minutos. Qualidade de serviço (chamadas bloqueadas liberadas) 10% 1 Operadora: 2082 chamadas/hora 2 Operadoras: 1984 chamadas/hora 4 Operadoras 1824 chamadas/hora

41 Melhorando a capacidade de um sistema celular Reuso de freqüência (K) Aumenta K vezes o numero de canais do sistema Assintoticamente aumenta K vezes o numero máximo de chamadas por hora Divisão de células Aumenta por N numero de células Se o trafego por célula for o mesmo, o sistema aumenta sua capacidade por um fator de N 2

42 Projeto: Sistema celular simples Através da área de cobertura Sabendo-se a densidade da população Quantos usuários a serem atendidos? Deste numero assume-se que 70% farão chamadas no período de pico Encontra-se o numero de canais para dada taxa de bloqueio Através do numero de canais Encontra-se o numero de usuários para uma dada taxa de bloqueio Sabendo-se a densidade media populacional encontrase a área de cobertura

43 Medicao de Trafego As operadoras dos serviços telefônicos são avaliadas pelo resultado de indicadores. Com os resultados desses indicadores calcula-se o desempenho do sistema telefônico (DST) que é um resumo da qualidade dos serviços oferecidos por cada empresa Existem vários indicadores os quais se dividem em dois grandes grupos: Indicadores do grupo de prestação de serviços em telecomunicações Indicadores do grupo de complemento de chamadas

44 Medicao de Trafego Supondo: o tráfego oferecido seja produzido por um número infinito de fontes de tráfego, corresponde à suposição de que a probabilidade de uma nova chamada seja constante em todos os momentos Mas: O tráfego oferecido é, então, um tráfego puramente aleatório. Sendo o tráfego oferecido originado por um número finito de fontes de tráfego, independentes entre si e de mesma intensidade de chamadas: a probabilidade de novas chamadas diminui com o crescimento do número de chamadas.

45 Medicao de Trafego Portanto, haverá diferença entre os valores do tráfego oferecido A, para um número finito de fontes de tráfego, e os valores correspondentes para um número infinito de fontes de tráfego. Isso ocorre sempre que o número de fontes de tráfego não for muito maior que a quantidade de troncos de saída. Quando a quantidade de fontes de tráfego for igual à quantidade de troncos de saída (M=N), o tráfego será processado sem perdas.

46 Medicao de Trafego Alguns indicadores definidos permitem, por meio da coleta de dados, se obter informações necessárias para o entendimento das causas das anormalidades ocorridas no sistema telefônico. Esses indicadores são obtidos por intermédio dos testes de sistema DDD-X e DDD-Y

47 Medicao de Trafego O DDD-Y é composto por indicadores de desempenho que retratam a qualidade: das chamadas saintes e entrantes da central da qualidade da central bilhetadora, medida por meio das chamadas registradas. O teste DDD-X mostra o funcionamento e andamento da central observada e indica objetivamente as chamadas completadas e as chamadas excluídas de um sistema telefônico. Os indicadores que retratam esse sistema são de controle e de perdas.

48 Teste DDI-Y INDICADORES DE DESEMPENHO Y1 Mede a qualidade de acesso da central local à central de trânsito de bilhetagem Y2 Mede a qualidade de acesso da central de trânsito de bilhetagem a central local Y3 Mede a eficiência do sistema de tarifação Y Relação entre o número de chamadas completadas e o N o de chamadas originadas

49 Teste DDI-Y TESTE DE SISTEMA DDD-Y

50 Teste DDI-X INDICADORES DE CONTROLE E PERDA OK Indica o total de chamadas completadas sem erro. NR Indica o total de chamadas que o assinante de destino não respondeu. LO Indica o total de chamadas que encontraram o assinante de destino na condição de ocupado. CO0 Indica o número de chamadas não completadas devido ao esgotamento de temporização do sinal MFC do receptor.

51 Teste DDI-X INDICADORES DE CONTROLE E PERDA CO1 Indica o número de chamadas não completadas por congestionamento ou defeito na central de origem. CO2 Indica o número de chamadas não completadas por congestionamento ou defeito na central de destino. CO3 Indica o número de chamadas não completadas devido à falha na troca de sinalização multifreqüencial. CO Somatório dos valores CO. OU Indica chamadas não completadas devido a fatores diferentes dos acima citados. PAB Indica a taxa de perda do assinante B, diz respeito às chamadas encaminhadas e não completadas, seja porque o telefone está ocupado (LO) ou não responde (NR).

52 Teste DDI-X Este teste é realizado programando-se a central para recolher os dados durante um determinado período de observação, geralmente uma hora. Assim, esses dados mostram como anda o desempenho da central analisada.

53 Teste DDI-X

54 Teste DDI-X

55 Teste DDI-X

56 Analise de Trafego Para a medição do tráfego é usual escolher todas as centrais tandem e as que possuem uma grande quantidade de assinantes (maior informação sobre o sistema). A medição do tráfego é realizada da seguinte forma. primeiro as centrais são programadas para recolher os dados duas vezes ao dia, de 10:00 às 11:00 e das 20:00 às 21:00 horas, que correspondem ao horário de maior movimento diurno e noturno.

57 Analise de Trafego Podem-se definir os seguintes tipos de tráfego: A 0 é o tráfego originado na central e corresponde às chamadas iniciadas pelos usuários da central A t é o tráfego terminado na central; A s é o tráfego sainte da central para outras centrais;

58 Conclusões Familiarização com termos e conceitos de teoria de despacho e filas Aplicação dos pontos mostrados em telefonia celular Primeiro ponto para ligação entre projeto de sistemas celulares Determinação do numero de usuários Entendimento da taxa de bloqueio Determinação do numero de células

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Troncalização CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva TRONCALIZAÇÃO Troncalização Nos primeiros sistemas de telefonia, um canal era alocado para cada assinante de forma dedicada

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Anexo XIII. São Paulo, 04 de Junho de 2009. Proposta Comercial Serviço 0800 Inteligente. Prezado(a) Sr(a).

Anexo XIII. São Paulo, 04 de Junho de 2009. Proposta Comercial Serviço 0800 Inteligente. Prezado(a) Sr(a). São Paulo, 04 de Junho de 2009. Proposta Comercial Serviço 0800 Inteligente Prezado(a) Sr(a). Apresentamos a seguir a proposta comercial do Serviço 0800 Inteligente destacando as vantagens de se ter os

Leia mais

Teoria das filas. Clientes. Fila

Teoria das filas. Clientes. Fila Teoria das filas 1 - Elementos de uma fila: População Clientes Fila Servidores 1 3 Atendimento Características de uma fila:.1 Clientes e tamanho da população População infinita > Chegadas independentes

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Plano de Sinalização. pag.2. Sinais entre Registradores. MFC p/ Assinante (bina) Sinais de. Sinais de Assinante. Linha. Sinais de

Plano de Sinalização. pag.2. Sinais entre Registradores. MFC p/ Assinante (bina) Sinais de. Sinais de Assinante. Linha. Sinais de MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI D E ED UCÇÃO P ROF ISSIONL E TECNOL ÓGIC INSTITUTO FED ERL D E ED UCÇÃO, CIÊNCI E TECNOL OGI D E SNT CTRIN CMP US SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRD O EM TEL ECOMUNICÇÕES TELEFONI

Leia mais

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso

QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso QoS para VoIP II: Calculador VoIP de Largura de Banda e Atraso Esta série de tutoriais sobre Qualidade de Serviço (QoS) para Voz sobre IP (VoIP) apresentará algumas particularidades relativas à Qualidade

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos O que é Desempenho? Webster s? The manner in which a mechanism performs. Aurélio: Conjunto de características ou de possibilidades

Leia mais

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema Simulação de Sistemas Teoria das Filas 1 2 3 Estrutura do Sistema Capacidade do sistema Canais de Serviço 1 Chegada de Clientes de chegada (tempo entre chegadas) Fila de Clientes Tempo de atendimento 2...

Leia mais

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade Interoperabilidade entre Plataformas de SMS Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade . Índice: ESPECIFICAÇÕES INICIAIS DE PROJETO E REQUISITOS TÉCNICO PARA INTEROPERABILIDADE DE SMS

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 5. Tráfego Telefônico

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 5. Tráfego Telefônico -98 Telefonia rof. Motoyama º Semestre 4 Capítulo 5 Tráfego Telefônico 5. Introdução O objetivo do tráfego telefônico é dimensionar de maneira eficiente os recursos da rede telefônica. Os dimensionamentos

Leia mais

ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas

ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas ADS - Medidas de Desempenho Típicas Desejadas Vazão (Throughput) - é definida como a taxa de clientes total servida pelo sistema por unidade de tempo; Utilização (Utilization) - é medido como a fração

Leia mais

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco.

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco. Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Autores: Paulo César Barreto da Silva e Marcelo Luís Francisco Abbade Dezembro de 2012 Versão 1 1. Como executa-lo O EONSim foi

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

MICRO PABX 4015/6020

MICRO PABX 4015/6020 MICRO PABX 4015/6020 MANUAL DE OPERAÇÃO edição 06 para internet intelbras Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira BR 101, km 210 Área Industrial São José (SC) Brasil - CEP: 88104-800 Fone: 0

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

CENTRAL PABX 141 Digital

CENTRAL PABX 141 Digital CENTRAL PABX 141 Digital Guia do Usuário Versão para internet 0.1/04 intelbras Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira BR 101, Km 210 - Área Industrial São José - Santa Catarina - Brasil - CEP:

Leia mais

ANEXO DEFINIÇÕES BÁSICAS DOS PRODUTOS E SERVIÇOS

ANEXO DEFINIÇÕES BÁSICAS DOS PRODUTOS E SERVIÇOS ANEXO DEFINIÇÕES BÁSICAS DOS PRODUTOS E SERVIÇOS 1 DAS DEFINIÇÕES BÁSICAS DOS PRODUTOS E SERVIÇOS 1.1 - Terminal Fixo Comutado de Telefonia, assim entendido como terminal convencional, linha telefônica

Leia mais

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center)

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) 1 Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Sistemas de Filas: Aula 1 Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Tópicos em Teoria das Filas 9. Introdução a sistemas de filas; lei de Little, M/M/1 10. Filas Markovianas (processo de renovação) 11. Fila

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

PABX (Private Automatic Branch Exchange): Central telefônica privada, que concentra várias linhas tronco (*) e ramais de usuários.

PABX (Private Automatic Branch Exchange): Central telefônica privada, que concentra várias linhas tronco (*) e ramais de usuários. RECURSOS DE REDE Recursos de Voz : PABX (Private Automatic Branch Exchange): Central telefônica privada, que concentra várias linhas tronco (*) e ramais de usuários. (*) Podemos utilizar linhas convencionais

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

Informações importantes para o dimensionamento do call center

Informações importantes para o dimensionamento do call center Informações importantes para o dimensionamento do call center Informações importantes para dimensionamento do call center Este documento tem por objetivo especificar dados e indicadores mais importantes

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU TEORIA DAS FILAS FERNANDO MORI prof.fmori@gmail.com A teoria das filas iniciou com o trabalho de Erlang (1909) na indústria telefônica no inicio do século vinte. Ele fez estudos

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas:

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas: Descrição: A Família TC Voice Net está dividida em 4 modalidades: TC Voice, TC Voice Net, Voice Net + e VPN Voice Net. O TC Intervox está dividido em 2 modalidades: TC Intervox Comercial e TC Intervox

Leia mais

MANUAL PABX FLEX 4 BATIK PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL PABX FLEX 4 BATIK PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL PABX FLEX 4 BATIK PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO FACILIDADES E SERVIÇOS MODO PROGRAMAÇÃO O Modo Programação é o modo de funcionamento do PABX FLEX 4 Batik que permite a execução de comandos de programação

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Condições de oferta dos serviços:

Condições de oferta dos serviços: Condições de oferta dos serviços: Identificação do prestador SIPTELNET - SOLUÇÕES DIGITAIS, UNIPESSOAL LDA., designada pela denominação SIPTEL (marca registada), com sede na Rua do Ganges, nº 6 - R/C A

Leia mais

Plataforma Sentinela

Plataforma Sentinela Plataforma Sentinela A plataforma completa para segurança corporativa A plataforma Sentinela é a mais completa plataforma para monitoramento e interceptação em tempo real, gravação e bilhetagem de chamadas

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS Manual Autonomus 1. Apresentação: A interface celular Pináculo AUTONOMUS dispõe de uma entrada para a conexão de linha telefônica convencional. Por utilizar um módulo celular GSM, ela dispensa o uso de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Sugestões para este manual

Sugestões para este manual CENTRAL CONECTA TABELA DE PROGRAMAÇÕES edição 01 para internet intelbras Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira BR 101, km 210 Área Industrial São José (SC) Brasil - CEP: 88104-800 Fone: 0

Leia mais

MINUTA ANEXO 3 - APÊNDICE A - PROJETO TÉCNICO TELE FIXA - CTBC INDICE. 1. Objetivo. 2. Projeto de interconexão

MINUTA ANEXO 3 - APÊNDICE A - PROJETO TÉCNICO TELE FIXA - CTBC INDICE. 1. Objetivo. 2. Projeto de interconexão MINUTA ANEXO 3 - APÊNDICE A - PROJETO TÉCNICO TELE FIXA - CTBC INDICE 1. Objetivo 2. Projeto de interconexão 2.1. Identificação dos Pontos de Interconexão 2.2.Diagrama de Interconexão 2.3 Identificação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006 O SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS PÚBLICOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso da atribuição que lhe foi conferida

Leia mais

Manual do Usuário de Telefone Analógico. Revisão 1.0 Julho 2010

Manual do Usuário de Telefone Analógico. Revisão 1.0 Julho 2010 Manual do Usuário de Telefone Analógico Revisão 1.0 Julho 2010 DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE A NEC reserva-se o direito de modificar as especificações, funções ou características a qualquer hora e sem

Leia mais

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA

ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA ANEXO 2 APRESENTAÇÃO E FORMA DE PAGAMENTO DO DOCUMENTO DE COBRANÇA 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - PRINCÍPIOS GERAIS 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar os procedimentos para a apresentação do Documento

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX Índice Guia do Usuário EMBRATEL IP VPBX 3 Tipos de Ramais 4 Analógicos 4 IP 4 FACILIDADES DO SERVIÇO 5 Chamadas 5 Mensagens 5 Bloqueio de chamadas 5 Correio de Voz 5 Transferência 6 Consulta e Pêndulo

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02 Sumário 1. Objetivo 02 2. A quem se destina 02 3. Diretrizes 02 4. Uso do celular corporativo 03 5. Mini Modem 04 6. Ligações Particulares 05 7. Responsabilidades e autoridades 8. Anexos Página 1 de 5

Leia mais

Caro Cliente, IMPORTANTE. - Este PABX não poderá ser instalado como subsistema de outro PABX ou Centrex.

Caro Cliente, IMPORTANTE. - Este PABX não poderá ser instalado como subsistema de outro PABX ou Centrex. Caro Cliente, Algumas facilidades deste PABX não estarão disponíveis para alteração de sua programação, ou seja, devem ser utilizadas da forma que sai de fábrica. São elas: - Tabela de Prefixos - nesta

Leia mais

Versão 1.0 09/Set/2013. www.wedocenter.com.br. WeDo Soluções para Contact Center Consultorias

Versão 1.0 09/Set/2013. www.wedocenter.com.br. WeDo Soluções para Contact Center Consultorias Verificação do Modelo de Erlang Ponto de Análise: Processo de chegada de contatos Operações de Contact Center Receptivo Por: Daniel Lima e Juliano Nascimento Versão 1.0 09/Set/2013 Ponto de Análise Processo

Leia mais

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011.

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Cartilha Informativa acerca da Qualidade do SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) Documento publicado em atenção

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Técnicas de comutação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área

Leia mais

TARIFAÇÃO DE CHAMADAS DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL E INTERNACIONAL - A INFORMAÇÃO DA TARIFA NO INÍCIO DA LIGAÇÃO. Claudio Nazareno Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

MICRO PABX 4015/6020

MICRO PABX 4015/6020 MICRO PABX 4015/6020 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO edição 06 para internet intelbras Indústria de Telecomunicação Eletrônica Brasileira BR 101, km 210 Área Industrial São José (SC) Brasil - CEP: 88104-800 Fone:

Leia mais

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO REGULAMENTO Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO Esta Promoção é realizada pela Telecomunicações de São Paulo S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851 - São Paulo - SP, inscrita

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro MONITORAÇÃO DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 2 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing

Leia mais

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO Regras do serviço VIVO GESTÃO Serviço que permite controlar o uso e o gasto do tráfego voz dos celulares da sua Empresa em todo o Brasil. Através do serviço Vivo Gestão, a empresa configura via internet,

Leia mais

Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel

Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel Agência Nacional de Telecomunicações Anatel Brasília/DF 08/2012 Reclamações ARU Anatel Diferença percentual entre a pior

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP PLANO BÁSICO DE SERVIÇO Nome da Prestadora: BRASIL TELECOM CELULAR S/A ÁREA 5 Número: Página 1 de 8 1. Aplicação Este Plano Básico de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

MANUAL PABX 272 BATIK

MANUAL PABX 272 BATIK 1 O QUE É UM PABX? MANUAL PABX 272 BATIK CONHECENDO O PABX 272 BATIK É um aparelho eletrônico que facilita as comunicações telefônicas. O seu PABX 272 Batik funciona ligado até sete ramais, com dois tronco

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 009 - Plano Conta Light Requerimento de Homologação Nº 3556 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária 14 BRASIL

Leia mais

TERMO DE USO. I.1. Para efeito único e exclusivo do presente TERMO DE USO, deverão ser consideradas as seguintes definições:

TERMO DE USO. I.1. Para efeito único e exclusivo do presente TERMO DE USO, deverão ser consideradas as seguintes definições: TERMO DE USO As disposições abaixo regulam a utilização do serviço VIVO TORPEDO RECADO ( Serviço ), comercializado por TELEFONICA BRASIL S/A, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante denominadas

Leia mais

Glossário. Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA.

Glossário. Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA. 1 Glossário Abandono (Abandoned Call) Também chamada de ligação perdida. Os clientes desligam antes de falar com o atendente ou antes do término da URA. 0800 - (Toll-Free Service) Permite aos clientes

Leia mais

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda 5 Trabalho Realizado Na seção 2.3, estabeleceu-se que uma das alternativas sub-ótimas de alocação de conversores de comprimento de onda em redes parciais é fazer uso de simulações para gerar estatísticas

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Caro Cliente, IMPORTANTE. - Este PABX não poderá ser instalado como subsistema de outro PABX ou Centrex.

Caro Cliente, IMPORTANTE. - Este PABX não poderá ser instalado como subsistema de outro PABX ou Centrex. Caro Cliente, Algumas facilidades deste PABX não estarão disponíveis para alteração de sua programação, ou seja, devem ser utilizadas da forma que sai de fábrica. São elas: - Tabela de Prefixos - nesta

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

3UHFLVDPRVGDVXDRSLQLmRQRQRVVRFRQVWDQWHWUDEDOKRGHDGDSWDomRGHVWHPDQXDO. RPDQXDOGRXVXiULR$ILQDOFRQTXLVWDUDVXDVDWLVIDomRpRQRVVRREMHWLYR

3UHFLVDPRVGDVXDRSLQLmRQRQRVVRFRQVWDQWHWUDEDOKRGHDGDSWDomRGHVWHPDQXDO. RPDQXDOGRXVXiULR$ILQDOFRQTXLVWDUDVXDVDWLVIDomRpRQRVVRREMHWLYR &DUR8VXiULR $&HQWUDO IRL GHVHQYROYLGD SDUD DWHQGHU D VHLV OLQKDV H YLQWH UDPDLV FRQILJXUDQGR DVVLP D VXD FDSDFLGDGH Pi[LPD (VWD FHQWUDO WrP XP JUDQGH Q~PHUR GH IDFLOLGDGHV GHVWLQDGDV D YiULRV DSOLFDWLYRV

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento 33 Capítulo 4 Teoria de Filas ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento de sistemas de comunicação de dados. Muita atenção deve ser dada aos processos

Leia mais

TI NKT2165. versão: 02/08

TI NKT2165. versão: 02/08 TI NKT2165 versão: 02/08 Caro usuário Os Terminais Inteligentes (TIs) Intelbras garantem agilidade, conforto e praticidade ao seu dia a dia. São compatíveis com toda a linha de Centrais Impacta (NKMc)

Leia mais

MANUAL PABX 412 BATIK

MANUAL PABX 412 BATIK MANUAL PABX 412 BATIK OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO MODO PROGRAMAÇÃO O Modo Programação é o modo de funcionamento do PABX 412 Batik que permite a execução de comandos de programação protegidos. Todos os comandos

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S.A., com sede na Rua Martiniano de Carvalho, 851 - São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais