A REDE SOCIAL E O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A (RE) CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS AMEAÇADOS OU VIOLADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REDE SOCIAL E O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A (RE) CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS AMEAÇADOS OU VIOLADOS"

Transcrição

1 A REDE SOCIAL E O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A (RE) CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS AMEAÇADOS OU VIOLADOS SOCIAL NETWORKING AND THE CHILDREN AND ADOLESCENT INSTITUTIONAL SHELTERING: (RE)CONSTRUCTION OF THE THREATENED OR VIOLATED RIGHTS Cláudia Helena Julião 1 Fernanda Aguiar Pizeta 2 RESUMO: A temática da ameaça ou violação de direitos de crianças e adolescentes se revestiu de importância na realidade brasileira diante à instituição do Estatuto da Criança e do Adolescente. Dentre as medidas de proteção à infância e juventude, destaca-se o acolhimento institucional, que, por sua natureza, deve ser aplicado excepcionalmente e em situações nas quais a permanência da criança ou adolescente na família em que se encontra é condição de risco ao seu desenvolvimento bio-psico-social. Nas últimas décadas, as diversas esferas governamentais e da sociedade civil organizada vêm priorizando a construção de um modelo de acolhimento que se contraponha aos antigos orfanatos e internatos e que garanta o direito da criança e do adolescente à convivência familiar e comunitária. A experiência como profissionais do Setor Técnico (Assistente Social e Psicólogo) do Poder Judiciário na Comarca de Batatais-SP, o contato com as instituições de acolhimento bem como com as crianças e adolescentes acolhidos e suas famílias, durante cerca de quatro anos, nos despertou o interesse pelo tema e a necessidade de maior conhecimento e reflexão sobre o mesmo. Dessa forma, o presente trabalho se constitui no resultado de pesquisa bibliográfica realizada sobre tão polêmica problemática e da experiência vivenciada pelas autoras no município de Batatais na construção da rede social voltada para oferecer suporte às famílias cujos filhos foram acolhidos institucionalmente. Evidenciou-se imprescindível para a avaliação, encaminhamento e acompanhamento às famílias atendidas pelo Judiciário, com história ou demanda de acolhimento institucional, a identificação e a articulação eficaz da rede de apoio social e comunitária disponível para estas famílias, de forma que estas possam assumir os cuidados com seus membros, mediante a potencialização de seus recursos internos bem como a efetividade dos recursos externos. Palavras-chave: Família. Acolhimento Institucional. Criança. Adolescente. Rede Social. 1 Profa. Adjunto da UFTM- Curso de Serviço Social. End: Avenida Getúlio Guaritá, 159 Abadia- Uberaba-MG - tel: (34) Psicóloga Judiciária- Comarca de Batatais-SP. End: Praça Doutor José Arantes Junqueira, s/n.. Batatais-SP tel: (16)

2 ABSTRACT: The theme of threat or violation of children and adolescents rights has been considered important in the Brazilian reality before de institution of the Child and Adolescent Statute. Among the measures to protect children and youth, there is the institutional sheltering, which by its nature, must be applied in exceptional circumstances and situations in which the permanence of the child or adolescent in the family where they are in a condition of risk to their bio-psycho-social development. In recent decades, the various spheres of government and the organized civil society have prioritized the construction of a model of sheltering that goes against the old orphanages and boarding schools and that ensure the right of children and adolescents to family and community live. The experience as professionals Technical Sector (Social Worker and Psychologist) of the Judiciary in the County of Batatais-SP, and the contact with host institutions as well as with children and adolescents sheltered and their families, for about four years, woke us up interest in the topic and aroused our need for greater knowledge and reflection on it. Thus, the present work is the result of research literature on such controversial issues and of the experience lived by the authors in the municipality of Batatais in building the social network dedicated to support families whose children were sheltered institutionally. It was proven indispensable to the evaluation, referral and follow-up to families assisted by the Judiciary, with a history or demand for institutional sheltering, the identification and effective coordination of the social and community support network available to these families so that they can take care for its members by leveraging their internal resources and the effectiveness of external resources. Keywords: family. Institutional Sheltering. Child. Adolescent. Social Networking 14

3 INFÂNCIA E JUVENTUDE: ASPECTOS LEGAIS E HISTÓRICOS O olhar sobre a infância e a juventude no Brasil nos revela que o tratamento dispensado às crianças e adolescentes passou por diversas modificações no decorrer da história. Tivemos desde ações repressivas e discriminatórias, até o enfoque de proteção integral, preconizado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e por suas reformulações mais atuais. Foi um longo caminho no qual tivemos a transição de ações assistencialistas e filantrópicas voltadas para crianças e adolescentes, considerados inicialmente como menores, abandonados, carentes, até a efetiva consolidação de uma política social voltada à infância e juventude. Destacaremos, a seguir, alguns aspectos da trajetória da legislação e das políticas de atendimento à criança e ao adolescente em nosso país, relevantes para a compreensão dessa transição e do lugar que este segmento ocupa na sociedade. Assim, se faz importante, além de conhecer tal legislação, analisar as suas consequências para a sociedade e, de modo especial, para as crianças e adolescentes. Nas primeiras décadas da colonização brasileira, destacam-se ações incipientes de proteção à infância, cuja tônica estava diretamente voltada para o recolhimento de crianças. Em 1551, surge a primeira casa de recolhimento de crianças no Brasil, com a finalidade de acolher crianças índias e negras que foram separadas de seus pais como forma de isolá-las da influência dos costumes e tradições de seus antepassados e facilitar a assimilação da cultura e da religião dos portugueses. Nessas casas de recolhimento, as crianças recebiam, além de evangelização, castigos severos, acreditando-se que o trabalho árduo poderia garantir-lhes o céu. Assim, a igreja dá início a ações de recolhimento de crianças desvalidas, ações estas que irão acompanhar por muito tempo sua trajetória. Durante o período colonial, a legislação referente à infância mantém a preocupação com o recolhimento de crianças órfãs e expostas pautada na ideologia cristã. Instituições de cunho religioso e assistencial e o governo estabelecem, então, alianças com o objetivo de garantir proteção aos denominados expostos. Na primeira metade do século XX, a criação de instituições distintas para menores abandonados e para os delinqüentes evidencia a preocupação dos juristas e do governo da época com questões como o aumento da criminalidade infanto- 15

4 juvenil, a regulamentação da idade penal e os dispositivos para suspensão, perda ou devolução do pátrio poder 3, resultando na regulamentação de uma legislação relativa à infância e juventude a partir da década de Em 1927, foi aprovado o primeiro Código de Menores, que regula a situação da infância abandonada e delinquente, trazendo como conteúdo básico a questão do controle da autoridade judiciária sobre as crianças abandonadas e delinquentes. Esta lei procurou resolver o problema dos menores, prevendo todos os possíveis detalhes e exercendo firme controle sobre os menores, por meio de mecanismos de tutela, guarda, vigilância, reeducação, reabilitação, preservação, reforma e educação (RIZZINI, 2000, p. 28). Durante o período de vigência da referida Lei ( ), as políticas de atenção a crianças e adolescentes pautaram-se na concepção de tutela e coerção e, neste sentido, a internação em instituições para menores era uma prática corrente. A existência de uma legislação e de serviços específicos para proporcionar assistência social aos menores abandonados e infratores pode ser considerada marco importante na história social da infância e juventude no Brasil, pois significaram o reconhecimento do Estado e da sociedade do problema do menor como questão social. O processo de reformulação do Código de Menores foi longo e sofreu influência dos debates que ocorreram internacionalmente, como, por exemplo, a Declaração Universal dos Direitos da Criança, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Somente em 1979, o novo Código de Menores foi aprovado, ampliando os poderes do Juiz de Menores. A partir das reformulações trazidas pelo novo Código de Menores, o sistema de atendimento ao menor passou a ser questionado. A nova legislação não impediu, porém, que crianças e adolescentes continuassem a ser privados de condições essenciais a sua subsistência e considerados em situação irregular. As políticas voltadas para a infância e juventude mantinham o caráter assistencialista, compensatório, centralizado e sem articulação com as demais políticas sociais. 3 O Código Civil Brasileiro, em vigor desde 11 de janeiro de 2001, altera o nome pátrio poder para poder familiar, superando o uso de uma expressão que evoca o poder paterno em detrimento do materno. De acordo com o referido Código, o exercício do poder familiar compete ao pai e à mãe em igualdade de condições. O projeto de Lei nº 674, denominado Estatuto das Famílias, propõe nova alteração a essa terminologia, referindo-se à autoridade parental que reconhece a autoridade exercida pelos pais, porém estabelece limites a este exercício com destaque ao predomínio dos interesses do filho. 16

5 Dessa forma, o próprio Código de Menores e as políticas de atendimento a crianças e adolescentes foram alvos de severas críticas nos anos 1980, período em que identificamos profundas transformações na sociedade brasileira e também nas instituições públicas. O processo de redemocratização que atingiu o país na referida década e a intensificação das mobilizações sociais e políticas relacionadas à questão da infância e da juventude trouxeram resultados positivos: a partir da nova Constituição (1988), o tratamento que o Estado dispensava às crianças e aos adolescentes sofreu mudanças substanciais, com a conquista de direitos e a regulamentação dos artigos 227 e 228 da Constituição através da aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, em A Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA (1990) representam uma vitória no reconhecimento dos direitos básicos e fundamentais da infância e da juventude. As referidas leis marcam o início de um novo modelo de atendimento a crianças e adolescentes que passam a ser significados enquanto sujeitos de direitos, em situação peculiar de desenvolvimento. A família, o Estado e a sociedade são convocados a assumirem conjuntamente a responsabilidade pela garantia dos direitos da criança e do adolescente. Para tanto, os recursos institucionais de atenção voltados para crianças e adolescentes em situação de abandono, bem como para suas famílias, passaram a se configurar como medidas de proteção. A principal novidade desse modelo diz respeito ao caráter provisório da medida de acolhimento institucional, bem como a preocupação com a reinserção familiar, garantindo-se assim o direito à convivência familiar, conforme previsto no parágrafo único do artigo 101 do ECA: o abrigo é medida provisória e excepcional, utilizável como forma para a colocação em família substituta, não implicando privação de liberdade. Instrumentos legais, como a Constituição Federal, o Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária e a Lei nº , aprovada em 03 de agosto de 2009, conhecida como Nova Lei de Adoção, asseguram à criança e ao adolescente o direito de serem criados e educados por sua família e, excepcionalmente, em família substituta. Sabemos, porém, que não bastam alterações na legislação para que a sociedade também modifique sua forma de olhar e desenvolver ações em prol da 17

6 criança e do adolescente. Prova disto é que apesar de 20 anos de existência do ECA, suas prescrições ainda não foram totalmente absorvidas pela sociedade, encontrando assim inúmeras dificuldades para sua efetiva implantação. Trataremos, no tópico a seguir, questões relacionadas a uma das inovações da legislação vigente referente à infância e juventude, a saber: o direito à convivência familiar e comunitária. O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA A família é o principal núcleo de socialização humana. Desde o nascimento, é na família que o indivíduo encontra os aportes necessários para sua sobrevivência e desenvolvimento, sendo os primeiros anos de vida da criança marcados pela dependência dos adultos, sejam eles os pais ou outras pessoas que se responsabilizem por seus cuidados. É também nesse período que a criança irá fazer aquisições importantes para o desenvolvimento de sua autonomia, socialização, coordenação motora, linguagem, afetividade, pensamento cognitivo e tantas outras habilidades fundamentais para sua formação pessoal e social. Além da família, o contexto social é outro elemento que irá influenciar continuamente o desenvolvimento da criança e do adolescente. A relação com os pares, os professores, os vizinhos e outras famílias possibilita ao indivíduo a interação e a formação de seus próprios grupos de relacionamento. Nessa relação com a comunidade, a criança e o adolescente se deparam com o coletivo e expressam sua individualidade. Podemos ainda ressaltar que a convivência comunitária também contribui para o fortalecimento dos vínculos familiares e a inserção social da família, conforme aponta o Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (2006, p.32). Dessa forma, a família e a comunidade são responsáveis por preparar a criança para a vida em sociedade, mediando sua relação com o mundo e auxiliandoa a respeitar e introjetar regras, limites e normas necessárias para a vida em sociedade. Diante desse papel essencial desempenhado pela família e pelo contexto social no crescimento e formação dos indivíduos, a convivência familiar e 18

7 comunitária é reconhecida como um direito fundamental da criança e do adolescente. Entretanto, é sabido que, nem sempre, a família representa um espaço de proteção para crianças e adolescentes, podendo se configurar como um contexto adverso e um lugar de violação de direitos. Essa incapacidade da família para desempenhar plenamente suas responsabilidades e funções protetivas está diretamente relacionada ao acesso a alguns serviços como saúde, educação e assistência social, que compõe parte da rede de suporte social da família. Nesse sentido, consideramos importante a existência de estratégias de atendimento que possibilitem à família receber proteção da sociedade e do Estado, visando o resgate de sua capacidade protetiva e a preservação dos vínculos familiares. A prioridade de tais estratégias deve ser garantir à criança e ao adolescente a permanência em sua família natural, definida pelo artigo 25 do ECA como a comunidade formada pelos pais ou qualquer deles e seus descendentes. Contudo, destaca-se que inúmeros obstáculos podem impedir a permanência da criança e adolescente em sua família natural, depois de esgotadas todas as possibilidades de apoio à mesma. Nessas situações, nas quais as limitações das políticas públicas e/ou das próprias famílias não permitem a reinserção da criança e do adolescente em suas famílias naturais, a colocação em família substituta deve ser buscada como forma de garantir o direito à convivência familiar e comunitária, conforme preceitua o ECA: Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes (artigo 19 do ECA). A efetivação da proteção às famílias para que estas possam assegurar aos seus filhos o direito à convivência familiar exige a articulação e a integração de diferentes políticas públicas. Além disso, se faz necessário o fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos para que a família, a comunidade e o Estado assegurem, de fato, os direitos à criança e ao adolescente previstos na Constituição e no ECA, entre eles a convivência familiar e comunitária. No Brasil, temos instrumentos legais, como a Constituição, o ECA e a Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) que reconhecem a família como merecedora 19

8 de proteção. A existência de um projeto de lei (Projeto nº Estatuto das Famílias) indica a relevância que se tem dado ao tema, sendo a família instituída como um direito fundamental, ampliando os perfis de entidades familiares que devem ser protegidas pelo Estado. Ao nos referirmos à proteção especial do Estado, não podemos deixar de ressaltar as funções das políticas sociais. Essas, assim como as famílias, visam dar conta da reprodução e da proteção social dos grupos que estão sob sua tutela (CARVALHO, 2005, p. 267). Ao longo da história, encontramos momentos em que a família assumia quase exclusivamente essa função, enquanto na contemporaneidade compartilha com o Estado, através das políticas públicas, a tarefa de proteger seus membros, principalmente em situações de risco e vulnerabilidade. Entretanto, sabemos que apesar da centralidade da família nas políticas públicas, nem sempre as famílias conseguem receber a proteção necessária para garantir a sobrevivência e o bem estar de seus membros ou por vezes a recebem apenas depois de instalado o prejuízo os seus membros. Inúmeras situações vividas cotidianamente, como desemprego, pobreza, desigualdade, exclusão social, contexto de violência, contribuem para que as famílias e seus membros sejam expostos a situações de vulnerabilidade e risco, inclusive aquelas em que crianças e adolescentes são afastados de suas famílias naturais e encaminhados para instituições de acolhimento. A preocupação com a qualidade dos serviços de acolhimento a crianças e adolescentes fomentou a elaboração do Guia de Orientações Técnicas para os Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes, desenvolvido em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, a Secretaria de Direitos Humanos, o CONANDA e o CNAS, que identificou/definiu as modalidades de atendimento a crianças e adolescentes que versam sobre a proteção dessa clientela e sobre os parâmetros de funcionamento de tais serviços, visando regulamentá-los, tal como foi previsto no Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Nossa experiência profissional no Poder Judiciário nos colocou em contato com ações judiciais iniciadas em razão do acolhimento institucional de crianças e adolescentes, sendo tal medida aplicada sob a justificativa da 20

9 necessidade de proteção à sua integridade física, psíquica e/ou social. Diante dessa realidade, se apresenta a nós um grande desafio: viabilizar o direito à convivência familiar seja em família de origem ou através da colocação em família substituta. Para enfrentar tal desafio, é imprescindível que a rede de apoio social e comunitária disponível para as famílias dessas crianças e adolescentes seja acionada, tendo em vista que a proteção integral e a busca de garantia de direitos podem perpassar o Poder Judiciário, mas se efetivam nas políticas públicas de atendimento a esta clientela e nos recursos da comunidade. Dessa forma, destacase a relevância de que as Varas da Infância e da Juventude, enquanto instrumentos dessa realidade, se entrelacem aos demais serviços e atores sociais envolvidos, a fim de se aproximar e de integrar tais recursos e minimizar dificuldades. A superação desse desafio foi o que nos motivou a compartilhar nossa experiência, através da qual buscamos reiteradamente construir uma rede social na perspectiva de garantir direitos a crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional. Além de apresentarmos tal experiência, trazemos também reflexões e questionamentos sobre o acolhimento institucional como medida de (des)proteção a crianças e adolescentes que tiveram seus diretos ameaçados e/ou violados. AS INSTITUIÇÕES DE ACOLHIMENTO E A CONSTRUÇÃO DA REDE SOCIAL EM BATATAIS-SP O Município de Batatais está localizado na região nordeste do interior Estado de São Paulo, possui uma população de pouco mais habitantes, conforme censo realizado em 2010, e um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal de 0.825, medido em Batatais é a Comarca Sede da 39ª Circunscrição, local onde desenvolvemos atividade profissional. No Município, não existem políticas de atendimento nas modalidades casa-lar, famílias acolhedoras e república, havendo duas instituições destinadas ao acolhimento de crianças e adolescentes, a saber: - Casa Abrigo Moysés de Oliveira - acolhe crianças e adolescentes do sexo feminino e crianças do sexo masculino, com capacidade para acolher 25 pessoas. 21

10 - Casa Abrigo Hernani Albuquerque Parente - atende adolescentes do sexo masculino, com disponibilidade para 12 vagas. O encaminhamento de crianças e adolescentes às referidas instituições se dá após intervenção do Conselho Tutelar, em caráter excepcional, ou, quando há solicitação/indicação do representante do Ministério Público, por determinação do Juiz da Infância e Juventude, o qual também é informado da aplicação das medidas de acolhimento realizada pelo Conselho devendo ratificar tal conduta e/ou determinar outras providências, o que desencadeia a instauração de ações de acolhimento institucional quando tal medida é mantida. O trâmite usual nas mencionadas ações, que tramitam na Seção da Infância e Juventude, é o encaminhamento do caso ao Setor Técnico do Judiciário com a determinação de realização do estudo técnico, o qual subsidia a decisão judicial em relação ao caso. Consideramos que as situações de acolhimento institucional exigem a intervenção dos profissionais tanto do Serviço Social quanto da Psicologia, visto que envolvem questões de ambas as áreas do saber. Na realização do estudo psicossocial, os profissionais utilizam diversos instrumentais técnicos, tais como: leitura dos Autos, observação, entrevistas, sessões lúdicas, visitas domiciliares e na instituição onde a criança/adolescente encontra-se acolhido e contatos com recursos da comunidade, buscando conhecimentos das condições objetivas e subjetivas da situação. Sistematicamente, o Setor Técnica realiza reunião interprofissional com técnicos das instituições de acolhimento, do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), bem como com os Conselheiros Tutelares, de forma a se avaliar aprofundadamente o caso. Assim, procura-se conhecer a organização/dinâmica familiar da criança/adolescente acolhido, avaliando seus recursos protetivos, as adversidades vivenciadas, os aspectos que deram origem ao acolhimento institucional, bem como se identifica a rede social existente e utilizada pela família e aquela que poderá ser acionada no intuito de fortalecer os recursos da própria família. Os estudos realizados caso a caso pelos técnicos do Judiciário indicavam que em muitas situações os acolhimentos institucionais eram efetuados já na primeira situação de denúncia de ameaça ou violação de direitos, sem que houvesse 22

11 qualquer outra ação, menos drástica e que trouxesse menor sofrimento para a criança/adolescente. Assim, a realização do estudo psicossocial apontava para uma primeira vertente desta problemática: tendo em vista que a medida de proteção denominada acolhimento institucional é excepcional e de urgência, sendo consignado que sua aplicação será o último recurso de proteção ou aquele em situação extrema. Consideramos que o acolhimento institucional de algumas crianças e adolescentes poderia ter sido evitado diante de políticas públicas consistentes e articuladas, que compreendessem e intervissem adequadamente na realidade das famílias que vivenciam situações adversas para as quais não encontram recursos internos de enfrentamento. Cabe ressaltar que o sistema de garantias de direitos de Batatais-SP, cidade foco deste estudo, conta com serviços de promoção para assegurar os direitos de crianças e adolescentes, bem como com serviços de proteção especial, desenvolvidos diante da ameaça e/ou comprovação de violação de direitos. Destacamos, assim, a existência no referido município de: creches e escolas (ensino infantil, fundamental, técnico e médio), serviços médicos de atenção primária, secundária e terciária, programas pedagógicos desenvolvidos pela Prefeitura e por ONGs, programas de esporte e lazer, programa de geração de renda para adolescentes e adultos, CRASs Centros de Referência da Assistência Social, Conselho Tutelar, serviço ambulatorial de atendimento psicológico, CREAS Centro de Referência Especializado em Assistência Social, instituições de acolhimento, serviços para execução de medidas sócio-educativas (prestação de serviço à comunidade, liberdade assistida e unidade de semi-liberdade), Delegacia de Defesa da Mulher, Vara da Infância e da Juventude e Promotoria da Infância e Juventude. Por outro lado, uma ausência identificada no município se refere aos serviços públicos especializados no atendimento a adolescentes com dependência química e na saúde mental de crianças e adolescentes, com destaque para a inexistência no Município de psiquiatra infantil. Tal realidade evidencia que o município de Batatais-SP vem se estruturando ao longo das últimas duas décadas, no sentido de implementar ações e parcerias a fim de proporcionar aos munícipes políticas de atendimento a crianças e adolescentes, bem como suas famílias, de acordo com o estabelecido no ECA. 23

12 Um dos pressupostos para a busca de garantias dos direitos de crianças e adolescentes é a implementação de políticas públicas. O artigo 87 do ECA ressalta que as linhas de ação da política de atendimento a crianças e adolescentes incluem: (a) as políticas sociais básicas, (b) as políticas e programas de assistência social, (c) os serviços especiais de prevenção e atendimento médico e psicossocial às vítimas de negligência, maus tratos, exploração, abuso, crueldade e opressão, (d) os serviços de localização de pais, responsáveis, crianças e adolescentes desaparecidos e (e) os serviços de proteção jurídico-social. Tal implementação deve ser desenvolvida de forma integrada, de modo a se preservar as particularidades e competências de cada serviço. Ressaltamos que a implementação, no cotidiano de trabalho dos diversos atores sociais das diretrizes da Nova Lei de Adoção propiciou um novo ordenamento e fluxo de atendimento à infância e juventude em Batatais, na medida em que as intervenções de busca e garantia de direitos das crianças e adolescentes estão ocorrendo de forma mais articulada entre os órgãos e serviços. Com isso, o Judiciário local passou a atuar exclusivamente nos casos em que há de fato a necessidade de intervenção desta autoridade. Ainda assim, o Poder Judiciário, em especial a Vara da Infância e da Juventude, é constantemente acionado pelos serviços e órgãos de atenção à criança e ao adolescente, principalmente pelo Conselho Tutelar e Ministério Público, como forma de garantir a proteção desta parcela da população. Nessa tarefa, o Assistente Social e o Psicólogo Judiciários têm um papel de significativa importância, pois é através do trabalho desses profissionais que a autoridade judiciária irá conhecer a realidade de crianças e adolescentes cujos direitos foram ameaçados e/ou violados e, a partir daí, determinar as medidas necessárias para que a proteção a essa clientela seja restituída. Nos estudos técnicos elaborados pelos profissionais da Vara da Infância e Juventude, observa-se que as pessoas envolvidas nas diferentes ações que tramitam nesta Vara, e em especial as situações de acolhimento institucional, estão inseridas em um ambiente familiar e em uma comunidade atendida pelos diversos serviços governamentais e não governamentais apontados anteriormente. Assim, identificamos no Município de Batatais a presença de recursos externos às famílias, contudo, o fato de que, no passado, se buscava sistematicamente a intervenção do 24

13 Poder Judiciário pode indicar que tais serviços falhavam ou não eram devidamente acionados para proteger as crianças e os adolescentes e suas respectivas famílias. Diante dessa realidade, é imprescindível que juntamente com a implementação das diretrizes da Nova Lei de Adoção se defina a competência de cada órgão/instituição que compõe a rede de apoio social e comunitária disponíveis, tendo em vista que as intervenções sistemáticas nas áreas de assistência social, saúde, educação, etc, são executadas pela referida rede. Quando se soma a tal contexto a questão do acolhimento institucional, destacamos que o atendimento em rede deve se instalar o quanto antes a fim de garantir proteção à criança e ao adolescente, oferecendo-lhe condições para desenvolver suas potencialidades e auxílio diante das dificuldades e limitações mediante atendimento individualizado. Esse atendimento deve estar previsto no PIA Plano Individualizado de Atendimento e poderá contar com recursos da saúde (incluindo a saúde mental), da educação formal, de programas sociais governamentais ou não-governamentais na tentativa de restabelecer ou favorecer seu desenvolvimento. Além disso, Winnicott aponta para a necessidade de oferecimento à criança e ao adolescente de relações interpessoais que resgatem sua confiança básica, afirmando que é necessário que se edifique, no interior de cada criança, a crença em algo que não seja apenas bom, mas seja confiável e durável, ou capaz de recuperar-se depois de se ter machucado ou mesmo perecido (2001, p. 44), sendo tais considerações importantes de serem levadas em conta também na situação de acolhimento institucional. Com a aplicação de tal medida protetiva, a reinserção familiar passa a ser alvo da atenção de todos aqueles envolvidos com a situação da criança/adolescente acolhido institucionalmente, quais sejam: profissionais do Poder Judiciário, das instituições de acolhimento, do Conselho Tutelar, bem como de toda a rede de atenção à família, que devem unir esforços para que esta seja potencializada a resgatar sua capacidade protetiva, de modo a acolher novamente a criança/adolescente. Assim, na tentativa de acionar e fortalecer a rede social de proteção a essas crianças, adolescentes e suas famílias, adotou-se a sistemática das reuniões mensais referidas, nas quais são definidas estratégias para cada caso, de forma que 25

14 as famílias possam receber o apoio/suporte necessário para resgatar sua capacidade protetiva, bem como são traçadas as expectativas de ação das próprias famílias, que são explicitadas aos familiares para reflexão e para que se tenha um compromisso de todos os envolvidos. Assim, identificam-se, coletivamente, as necessidades de cada família, criança e adolescente, e se acionam os serviços responsáveis por tais demandas. Além disso, diante da possibilidade de retorno da criança e adolescente à sua família de origem, é definida a responsabilidade de cada serviço quanto ao acompanhamento do referido grupo familiar após o desligamento da instituição de acolhimento. Tal medida visa evitar atendimentos sobrepostos, desarticulações e incongruências, bem como possíveis falhas na política de proteção social. NOSSAS REFLEXÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS As mudanças na legislação e no discurso dos atores sociais referentes à infância e à juventude vêm sendo absorvidas gradativamente, contudo ainda não de forma integral pelas práticas de atendimento a estes cidadãos, de modo que as políticas de atendimento e a articulação entre elas carecem de uma organização e sistematização que seja reflexo dos ideais para essa clientela. A prática profissional no Poder Judiciário, de modo especial mediante a realização de estudos psicossociais e do acompanhamento aos casos de crianças/adolescentes que estão acolhidos institucionamente, nos leva a refletir sobre algumas questões presentes no contexto do acolhimento institucional. Após o acolhimento institucional, o foco central dos profissionais envolvidos com a questão, sem dúvida alguma, é a reinserção familiar. Entretanto, nota-se que a própria situação de vulnerabilidade a que a família estava exposta anteriormente à aplicação da medida protetiva, associada à ausência de políticas públicas capazes de atender de forma articulada as demandas destas famílias, representa tanto uma condição que favorece o acolhimento instituicional quanto uma dificuldade para viabilizar a reinserção da criança e do adolescente em sua família de origem. Soma-se a isso a existência de concepções preconceituosas que consideram o acolhimento institucional a primeira e única medida de proteção a ser 26

15 utilizada em situação de crianças e adolescentes que tiveram seus direitos ameaçados ou violados, sem levar em conta que o próprio acolhimento pode também representar a violação ao direito à convivência familiar. As limitações relativas às dificuldades das políticas públicas de proteção à criança, ao adolescente e à família de trabalho articulado, de ações de promoção da saúde mental e de diagnóstico precoce das situações de vulnerabilidade e risco parecem contribuir de forma relevante para o prolongamento da medida, dificultando a garantia de sua provisoriedade e excepcionalidade. Nesse sentido, consideramos necessário o incremento de ações públicas e privadas, envolvendo o Estado e a sociedade, de maneira coerente, complementar e articulada, na busca pelo fortalecimento das famílias e da conviência familiar. Tal convivência é pensada prioritariamente no seio da família biológica, sendo a adoção o último recurso de proteção a ser utilizado visando a garantia do direito à convivência familiar. Ainda existem diversos questionamentos sobre o quanto se deve investir nas famílias biológicas para que acolham seus filhos e quando é o momento de direcionar as ações no sentido de inserção em família adotiva, evidenciando um contexto que precisa de delimitações mais claras ou que contemplem as particularidades de cada situação. Destacamos, pois, a necessidade de mudanças relevantes no processo de proteção a crianças e adolescentes acolhidos institucionalmente. Tais mudanças precisam passar necessariamente pela reflexão sistemática, organizada e despida de preconceitos quanto à realidade dessa parcela da população, o que será possível desde que haja engajamento e o compromisso dos vários atores sociais que se entrelaçam nesta rede composta pelo poder público, pela sociedade civil e pela iniciativa privada. 27

16 REFERÊNCIAS ACOSTA, Ana Rojas, VITALER, Maria Amália Faller (org). Família: redes, laços e políticas públicas. São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais-PUC/SP, BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal n º 8069/90. Ministério da Justiça, Brasília, DF, BRASIL. Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome- Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2006 BRASIL. Orientações técnicas para os serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Conanda/ CNAS, Brasília, DF, BRASIL. Lei Federal n / 09. Brasília, DF, CARVALHO, Denise B. B. de. Políticas Sociais setoriais e por segmento - Criança e Adolescente. In: Programa de capacitação em Serviço Social e Política Social - módulo 3. Brasília: UNB-CEAD, ELKIND, D. The child yesterday, today and tomorrow. Young Children, 42(4), 1987, p FUNDAÇÃO ABRINQ. O Abrigo como possibilidade. São Paulo: Instituto Camargo e Corrêa, OLIVEIRA, Rita C.S. (coord.) Quero voltar para casa: o trabalho em rede e a garantia do direito à convivência familiar e comunitário para crianças e adolescentes que vivem em abrigos. São Paulo: AASPTJ-SP, ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Cnas/Conanda, Arquivo disponível em Acesso em: 24 maio PEIXOTO, Maria Amélia B; CARNEIRO, Rosa. Reflexões sobre o 3 º censo da população infantojuvenil abrigada no Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: pdf. Acesso em: 03 maio RIZZINI, Irene. A criança e a lei no Brasil: revisitando a história ( ). Brasília: UNICEF; Rio de Janeiro: USU Universitária, SILVA, Alexandre Pereira da; SILVA, Eliana Beserra da; AZEVEDO, Simone Mendes de. O direito à convivência familiar: reflexões a partir da inserção do assistente social na vara da infância, da juventude e do idoso. In: CD-R Anais da 19ª Conferência Mundial de Serviço Social. Salvador,

17 SLUZKI, Carlos E. A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, VICENTE, C.M. O direito à convivência familiar e comunitária: uma política de manutenção do vínculo. In: KALOUSTIAN, Sílvio M. (org). Família brasileira: a base de tudo. São Paulo: Cortez, WALSH, F. Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca, 2005 WINNICOTT, D.W. A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes,

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES

A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES A BUSCA PELA BREVE E EXCEPCIONAL PERMANÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM INSTITUIÇÕES Idenilse Maria Moreira 1 RESUMO O estudo foca o papel da rede de proteção à infância e juventude frente ao direito

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social.

8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias em situação de vulnerabilidade, risco pessoal e social. C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O 433 8. SUAS: Desafio histórico de construção da Rede de Proteção Social para famílias

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP

RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 1 DE 2010 CMDCA E COMAS SP Regulamenta e Normatiza os Programas de Acolhimento Institucional e Familiar no Município de São Paulo visando atingir a adequação destes serviços aos princípios,

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 15 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL

REVISTA SABER ACADÊMICO N 15 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL 80 Artigo original ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo: Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido em: 26/03/2013 Aceito em: 10/05/2013 Correio eletrônico:

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

Implantação e trajetória de um Programa de Acolhimento Familiar. Débora Nogueira Tomás Universidade Federal de Uberlândia deb_nog@yahoo.com.

Implantação e trajetória de um Programa de Acolhimento Familiar. Débora Nogueira Tomás Universidade Federal de Uberlândia deb_nog@yahoo.com. Implantação e trajetória de um Programa de Acolhimento Familiar Débora Nogueira Tomás Universidade Federal de Uberlândia deb_nog@yahoo.com.br Este trabalho apresenta a implantação e o desenvolvimento de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO 171 FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO Denise Jesuína Faria (UNESP Franca) 1 Neide Aparecida de Souza Lehfeld (UNESP Franca) 2 Vanessa de Oliveira

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva (ECA, Art. 101), em função

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: MUDANÇAS NA HISTÓRIA BRASILEIRA

ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: MUDANÇAS NA HISTÓRIA BRASILEIRA 1 ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: MUDANÇAS NA HISTÓRIA BRASILEIRA Ana Maria Augusta dos Santos 1 RESUMO Esse artigo apresenta um estudo bibliográfico e uma reflexão sobre a institucionalização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS RESIDENTES EM ABRIGOS

A EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS RESIDENTES EM ABRIGOS A EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS RESIDENTES EM ABRIGOS TORRES, Diana de Farias Dianafarias_83@hotmail.com Faculdade das Américas Resumo: Através de estudos bibliográficos busca-se neste artigo compreender como se

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas.

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. Carolina M. M. de Albuquerque Edilene F. Queiroz A iniciativa de adotar pode ser explicada como uma tentativa

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada. (Cecília

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO

PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO Reordenamento e implantação dos serviços de acolhimento para crianças e adolescentes PISO DE ALTA COMPLEXIDAD E I CRITÉRIOS DE PACTUAÇÃO História dos abrigos no Brasil Cultura de institucionalização: está

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução Conjunta 002/2013 CMAS/ de 12/06/2013 Dispõe sobre os parâmetros para o funcionamento das Entidades de acolhimento institucional e familiar da Criança e do Adolescente do município de Divinópolis

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, na pessoa de seu Excelentíssimo Senhor Presidente, Ministro

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO

VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO VIOLÊNCIA SEXUAL E ABRIGAMENTO Mônica Barcellos Café Psicóloga na Aldeia Juvenil PUC Goiás Movimento de Meninos e Meninas de Rua de Goiás VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Todo ato ou omissão praticado

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Gestão do SUAS

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ATUAÇÃO DO

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

Caderno de Prova Serviço Social

Caderno de Prova Serviço Social Caderno de Prova Serviço Social 1- Nas décadas de 60/70 iniciaram-se a ampliação da rede de serviços sociais como também a demanda do trabalho do Assistente Social. Nesse contexto, a intervenção do Serviço

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Ato Infracional: é tudo o que para um adulto seria crime ou contravenção penal. Se praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas. Se for cometido

Leia mais

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SP Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Acolhimento

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem

Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem Um Estudo realizado junto ao Serviço Sentinela de Florianópolis/SC

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL ALMEIDA, Mayara Rodrigues 1 ARAÚJO, Sâmela Keren de Carvalho 2 CARVALHO, Sherryl Cristina

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos

ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO TUTELAR (ARTIGOS. 95 E 136 DO ECA) 1ª Atribuição: Atender crianças e adolescentes... Ouvir queixas e reclamações sobre situações de crianças (pessoa até doze anos incompletos) e

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO ESTADO DE ALAGOAS Resumo Este estudo é parte da pesquisa O Mercado de Trabalho do Serviço Social na Sociedade Contemporânea:

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

OS ABRIGOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES E O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

OS ABRIGOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES E O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA OS ABRIGOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES E O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Enid Rocha Andrade da Silva* Luseni Maria Cordeiro de Aquino* Abrigos ou orfanatos, educandários e casas-lares são

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino:

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino: Rua do Atendimento Protetivo Municipalino: Esta é a Rua do Atendimento Protetivo. Esta rua tem como missão fundamental resgatar os direitos das crianças e dos adolescentes que foram violados ou ameaçados

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

ORQUESTRA INFANTOJUVENIL DA COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ORQUESTRA INFANTOJUVENIL DA COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ORQUESTRA INFANTOJUVENIL DA COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Projeto enviado por Wagner Wilson Ferreira - Desembargador Superintendente da Coordenadoria

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

PROGRAMA RETORNO AO LAR. Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar

PROGRAMA RETORNO AO LAR. Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar PROGRAMA RETORNO AO LAR Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar Agosto 2005 1 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária Artigo 19 ECA toda criança ou adolescente tem direito

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes Programa 2062 - Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Número de Ações 6 Tipo: Projeto 14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e

Leia mais