Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s"

Transcrição

1 Especificações técnicas dos interfaces de rede da PT Comunicações Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificação do interface Cliente-Rede Data: Página 1 / 9 Versão: 1.1

2 ÍNDICE 1 Introdução 3 2 Definições 3 3 Especificação Técnica Interface V Geral Características físicas Características eléctricas Interface X Geral Características físicas Características eléctricas Interface G Geral Características físicas Características eléctricas Características funcionais 7 4 Condições Ambientais e Compatibilidade Electromagnética 7 Abreviaturas 8 Referências 9 Data: Página 2 / 9 Versão: 1.1

3 1 Introdução Este documento especifica as características técnicas, físicas e eléctricas, do interface entre o equipamento terminal de cliente (DTE) e o equipamento terminal de rede (DCE), designado por Ponto Terminal de Rede e indicado na figura 1, e que deverá ser utilizado nos Circuitos Dedicados de Dados a 64Kbit/s e Nx64 Kbit/s com interfaces do tipo V.35 [5], X.21 [6] e G.703 [9]. DTE DCE Rede de Telecomunica ções Ponto de Terminação de Rede Esta especificação deverá assegurar que o DTE não interfere com outros serviços nem danifica a rede em si. 2 Definições Circuitos Dedicados: Circuito com um interface digital reservado para uso exclusivo de cliente e que normalmente não é ligado à PSTN. Esta especificação trata exclusivamente dos circuitos de dados a 64 kbit/s ou Nx64 Kbit/s, onde N poderá ser qualquer inteiro de 1 a 31 (64 a 1984 Kbit/s). Ponto de Terminação de Rede: Interface entre o equipamento terminal de cliente (DTE) e o equipamento terminal de rede (DCE), ou seja, elemento físico onde termina a rede de acesso a circuitos e se liga a rede interior de Cliente. 3 Especificação Técnica A oferta de Circuitos Dedicados a 64 kbit/s e Nx64 Kbit/s apresenta 3 opções para o interface do Ponto de Terminação de Rede: V.35 [5], X.21 [6] e G.703 [9]. No entanto, o interface V.35 só é oferecido para casos pontuais, uma vez que é um interface considerado obsoleto pelo ITU-T não sendo recomendado para novas aplicações. Data: Página 3 / 9 Versão: 1.1

4 3.1 Interface V Geral Este interface está de acordo com a Rec. V.35 do ITU-T [5] que apresenta os requisitos eléctricos e quais os sinais (interchange circuits) a serem utilizados. Os circuitos de dados e timing são balanceados de acordo com a Rec. V.35 [5] enquanto que os circuitos de controlo são não balanceados de acordo com a Rec. V.24/V.28 [3]/[4]. Nota: A opinião do ITU-T é de que a Rec. V.35 [5] está obsoleta. Este interface não é recomendado para novas aplicações Características físicas O conector de interface está de acordo com a ISO 2593 [11]. Um conector fêmea de 34 pinos é usado no DCE Características eléctricas As características eléctricas estão de acordo com o Apêndice II da Rec. V.35 do ITU-T [5] para os circuitos 103, 104, 113, 114 e 115 (Ver Rec. V.24 [3]) em conjunto com a Rec. V.28 [4] para todos os outros circuitos. Apresenta-se a seguir um resumo dos níveis de sinal e impedâncias: A Impedância de entrada para o equipamento ligado ao interface deverá ser 100Ω±10Ω. A impedância da fonte deverá estar na gama de 50Ω a 150Ω. A resistência entre terminais em curto-circuito e circuito102 (Ver Rec. V.24[3]) deverá ser 150Ω±15Ω. Um curto-circuito entre qualquer circuito não deverá danificar nem o DCE nem o DTE. O seguinte aplica-se aos circuitos de dados: 1 se A<B A e B refere-se às tensões 0 se A>B nos pares de fios. A tensão entre os dois fios deverá ser 0.55V±20%. A média aritmética da tensão de offset em relação ao circuito 102 (Ver Rec. V.24[3]) não deverá exceder 0.6V. A sinalização nos circuitos de controlo é feita por níveis de tensão positivos e negativos em relação ao circuito 102 (Ver Rec. V.24[3]). De acordo com a Rec. V.28 [4], aplica-se aos circuitos de controlo o seguinte: OFF para níveis de tensão na gama 25 a 3V ON para níveis de tensão na gama +25 a +3V A tensão, a uma resistência de carga normal, deverá ser menor que 15V em magnitude. O cabo de interface deverá ter impedância característica entre 80 e 120Ω. Data: Página 4 / 9 Versão: 1.1

5 3.2 Interface X Geral A Rec. X.21 do ITU-T [6] descreve um interface balanceado, e define as características físicas e procedimentos de controle de chamadas para um interface entre o equipamento terminal de cliente (DTE) e o equipamento terminal de rede (DCE), empregando transmissão síncrona numa rede pública de dados baseado em comutação de linha. Devido à complexidade de implementação da Rec. X.21 [6], esta não é implementada na prática para circuitos dedicados que não necessitem de marcação, apenas as partes relativas ao interface físico são necessárias para comunicações digitais fixas ponto-a-ponto. Um par de fios é usado para cada um dos circuitos de dados e timing, e para os circuitos de controlo. A Rec. X.24 [7] do ITU-T define os diferentes sinais (interchange circuits) e a sua utilização entre o DCE e o DTE Características físicas O conector de interface está de acordo com a ISO 4903 [12]. Um conector fêmea de 15 pinos é usado no DTE Características eléctricas As características eléctricas dos diferentes sinais (interchange circuits), em ambos os lados da interface DCE/DTE, estão de acordo com a Rec. X.27 [8] com ou sem implementação da terminação do cabo na carga. A Rec. V.11 [2] apresenta os níveis de sinal e impedâncias usadas no interface X.21, no entanto para a activação de loops de teste aplica-se a Rec. V.10 [1]. A magnitude da tensão de circuito aberto do gerador não deverá exceder os 6V. A impedância da fonte deverá estar na gama de 50Ω a 100Ω. A impedância de entrada para o equipamento ligado ao interface deverá ser > 100Ω. Um curto-circuito entre qualquer circuito não deverá danificar nem o DTE nem o DCE. Data: Página 5 / 9 Versão: 1.1

6 3.3 Interface G Geral A cláusula 1 da Rec. G.703 do ITU-T [9] descreve um interface balanceado (120Ω) para circuitos a 64 kbit/s e um interface não balanceado (75Ω) para circuitos a N x 64 Kbit/s. Para o débito de 64 Kbit/s não está disponível, no cliente, a entrega em G.703 codireccional (interface a 4 fios específico para este débito). Por isso, a entrega de circuitos 64 Kbps G703 apenas está disponível em trama estruturada (G703/G704), desde que o circuito em causa não seja único dentro do agregado. A Rec do ETS [13] define o interface de rede que deve ser apresentado pelo operador de circuitos dedicados digitais a 64 kbit/s e Nx64 kbit/s em termos de características físicas, mecânicas e eléctricas, e especifica os testes para o tipo de equipamento que providencia a apresentação do interface G Características físicas O interface balanceado (120Ω) é disponibilizado através de um conector externo RJ45 com a seguinte alocação de Pins de acordo com a Rec do ETS [13]: 1 Tx 5 Rx 2 Tx 6 Ponto de Referência 3 Ponto de Referência 7 Vago 4 Rx 8 Vago No entanto, no caso de circuitos cujo equipamento terminal (DCE) utilizado é o NTU8A (Rede Megabit) propriedade da GPT-Marconi, o interface balanceado (120Ω), que é disponibilizado também através de um conector externo RJ45, tem uma alocação de Pins diferente: 1 Vago 5 Rx 2 Vago 6 Rx 3 Vago 7 Tx 4 Vago 8 Tx Porém, a diferença existente entre o Pin-out da GPT-Marconi e o Pin-out da Rec do ETS [13], não impede que a especificação do interface cliente-rede da PT Comunicações para acesso a circuitos dedicados digitais deixe de estar em conformidade com a norma, uma vez que é possível, no momento da instalação, fazer uma troca de fios no Ponto de Terminação de Rede. O interface não balanceado (75Ω) é disponibilizado através de um conector BNC fêmea Características eléctricas As características eléctricas deste interface estão de acordo com a Rec. G.703 do ITU-T [9]. Data: Página 6 / 9 Versão: 1.1

7 3.3.4 Características funcionais A entrega de Nx64 kbit/s estruturada (em agregado), está de acordo com a Rec. G.703 e Rec. G.704 do ITU-T [9]/[10]. A estrutura de trama oferecida pelo interface G.703 está de acordo com a Secção 5 da Rec. G.704 do ITU-T [10]. De acordo com a Rec do ETS [13], é o serviço de circuitos dedicados digitais que deve providenciar o timing do equipamento terminal. 4 Condições Ambientais e Compatibilidade Electromagnética Para circuitos dedicados digitais a 64 Kbit/s e Nx64 kbit/s não existem especificações concretas de requerimentos de compatibilidade electromagnética de acordo com a Rec do ETS [13]. No entanto, é recomendado que os requerimentos de interface, no local onde o equipamento providenciando o Ponto de Terminação de Rede está colocado, não excedam os limites definidos na norma EN [14]. Data: Página 7 / 9 Versão: 1.1

8 Abreviaturas DTE Data Terminal Equipment DCE Data Communication Equipment PSTN Public Switching Telephony Network ITU-T International Telecommunication Union Telecommunication Sector ISO International Standardisation Organisation HDB3 High Density Bipolar Nº3 CENELEC Comité Europeu de Normalização Eléctrica EMC Electromagnetic Compatibility ETS ETSI Technical Specification EN European Norm Data: Página 8 / 9 Versão: 1.1

9 Referências [1] ITU-T V.10 Electrical Characteristics for Unbalanced Double Current Interchange Circuits for General use with Integrated Circuit Equipment in the field of Data Communications. [2] ITU-T V.11 Electrical Characteristics for Balanced Double Current Interchange Circuits for General use with Integrated Circuit Equipment in the field of Data Communications. [3] ITU-T V.24 List of Definitions for Interchange Circuits between Data Terminal Equipment (DTE) and Data Circuit-Terminating Equipment (DCE). [4] ITU-T V.28 Electrical Characteristics for Unbalanced Double Current Interchange Circuits. [5] ITU-T V.35 Data Transmission at 48 Kbit/s using khz Group Band Circuits. [6] ITU-T X.21 Interface between Data Terminal Equipment (DTE) and Data Circuit-Terminating Equipment (DCE) for Synchronous Operation on Public Data Networks. [7] ITU-T X.24 List of Definitions for Interchange Circuits between Data Terminal Equipment (DTE) and Data Circuit-Terminating Equipment (DCE) on Public Data Networks. [8] ITU-T X.27 Electrical Characteristics for Balanced Double-Current Interchange Circuits for General use with Integrated Circuit Equipment in the Field of Data Communications. [9] ITU-T G.703 Physical/Electrical Characteristics of Hierarchical Digital Interfaces. [10] ITU-T G.704 Synchronous Frame Structures used at 1544, 6312, 2048, 8488 e Kbit/s Hierarchical Levels. [11] ISO 2593 Data Communication - 34 pin DTE/DCE Interface Connector and Pin Assignment. [12] ISO 4903 Data Communication - 15 pin DTE/DCE Interface Connector and Pin Assignments. [13] ETS Business Telecommunications (BTC); 64 kbit/s Digital Unrestricted Leased Line with Octet Integrity (D64U) Network Interface Presentation [14] EN Electromagnetic Compatibility Generic Immunity Standard; Generic Standard Class: Domestic, Commercial and Light Industry. Data: Página 9 / 9 Versão: 1.1

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2014-12-30 Página 1 / 6 Versão: 4.0 MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente -Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 26 de agosto de 2015

Leia mais

TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/9 3.0. Versão.

TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/9 3.0. Versão. 1/9 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 2/9 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 SEGURANÇA... 3 3 COMPATIBILIDADE ILIDADE ELECTROMAGNÉTICA (EMC)... 4 4 CARACTERÍSTICAS FÍSICAS... 4 4.1

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Especificação Técnica do interface Cliente-Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 30 de dezembro de 2014 Data: 2014-12-30 Página

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Acessos Básicos e Primários

Acessos Básicos e Primários PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital Características Técnicas dos Interfaces Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores.

Leia mais

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN Especificações Técnicas da Interface Utilizador-Rede Versão: v2.0 Data: abril/2009 Este documento não é parte de nenhum contrato

Leia mais

ET IDS1 - Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048Kbit/s e 2048 KHz

ET IDS1 - Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048Kbit/s e 2048 KHz 1/18 E IDS1 Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048 Kbit/s e 2048 KHz - Especificação do interface Cliente-Rede AUORIA DEI APROVAÇÃO Por P Comunicações Data 2001/10/25 Nº DE FOLHAS DO DOCUMENO 18

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

Linha de Rede Analógica

Linha de Rede Analógica PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE Características Técnicas dos Interfaces Versão: v2.0 Data: abril/2009 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores. Os utilizadores deste

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica DIRECÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LIGAÇÃO À REDE TELECOMUNICAÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica 2012-03-19 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. ESTRUTURA DO

Leia mais

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada I NTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) 2.0 Página 1/5 Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada Interface de RDIS Primário (2Mb/s) Autor: DEV Aprovação: DIR Data: 2005-09-13

Leia mais

ET IDX4 - Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 140Mbit/s. Especificação do interface Cliente-Rede

ET IDX4 - Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 140Mbit/s. Especificação do interface Cliente-Rede ET IDX4 - Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 140Mbit/s Especificação do interface Cliente-Rede 1. Introdução... 3 2. Definições... 3 3. Símbolos e abreviações... 3 4. Descrição do Serviço...

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

smar web: www.smar.com.br

smar web: www.smar.com.br D F 8 M P smar web: www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Para atualizações mais recentes veja o site da smar acima. BRASIL Smar Equipamentos Ind.

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 2 de dezembro de 2016

Leia mais

INTERFACE DE ACESSO REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA. IA-RTPC xxxx. Edição nº: Data: / /

INTERFACE DE ACESSO REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA. IA-RTPC xxxx. Edição nº: Data: / / INTERFACE DE ACESSO À REDE TELEFÓNICA PÚBLICA COMUTADA IA-RTPC xxxx Edição nº: Data: / / 0. Índice (deverá conter um índice sobre o conteúdo da publicação sobre as interfaces) 1. Âmbito (deverá estar claro

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 MARÇO 2009 ÍNDICE ESPECIFICAÇÕES DAS INTERFACES DA REDE... 1 FIA DA SONAECOM SERVIÇOS DE... 1 COMUNICAÇÕES, SA...

Leia mais

RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador

RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador RS-232 para RS-485 Manual do Utilizador DA-70161 I. Resumo De modo a estabelecer a comunicação digital entre os computadores com a instalação de vários interfaces de série standard ou com instrumentos

Leia mais

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados DC2 Regras e esquemas de ligações de equipamentos de medição e contagem em pontos de ligação à RNT Data de Publicação: Abril

Leia mais

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda.

Asterisk, usando R2/MFC. DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Asterisk, usando R2/MFC DigiVoice Tecnologia em Eletrônica Ltda. Por que R2/MFC? Não é uma opção, mas a sinalização predominante para troncos digitais E1 nas centrais telefônicas no Brasil. É uma evolução

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE TELECOMUNICAÇÔES Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Introdução às Sumário Evolução das telecomunicações Estrutura das redes Tipos

Leia mais

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Roberto Menna Barreto QEMC Engenharia, Qualidade e Compatibilidade Eletromagnética Ltda. www.qemc.com.br Resumo A área da Compatibilidade

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

3 Camada de ligação de dados

3 Camada de ligação de dados 3 Camada de ligação de dados Interfaces e transmissão de dados 3 Camada de ligação de dados 1/28 3.1 Sincronismo detecção e cor recção de err os Interfaces e transmissão de dados 3.1 Sincronismo, Detecção

Leia mais

Analisador de Linhas TN-10E

Analisador de Linhas TN-10E Analisador de Linhas TN-10E O Analisador de Linhas TN-10E é um instrumento compacto com capacidade de realizar medições digitais e analógicas para testes e ensaios em linhas de transmissão de dados que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF01154 - Redes de Computadores N Transmissão de sinais no nível físico e de enlace do Modelo de

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

RS-485 - Especificação e Utilização

RS-485 - Especificação e Utilização RS-485 - e Prof. Vitor Leão Universidade Federal da Bahia LaPO - Laboratório de Propriedade Ópticas 10 de Dezembro de 2007 1 2 Características Elétricas 3 Montagem da Rede Protocolo ModBus 4 O que é RS-485

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Unidade Remota CANopen RUW-04 Guia de Instalação, Configuração e Operação Idioma: Português Documento: 10002081798 / 00 ÍNDICE 1 INSTRUÇÕES

Leia mais

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg.

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg. Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Análise teórica de transmissão de dados

Leia mais

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313.

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313. O protocolo I2C 1 - Introdução O protocolo I2C ou I 2 C, também chamado IIC, foi criado para possibilitar a comunicação entre circuitos integrados com um número reduzido de fios, reduzindo o número de

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE

PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE Serviço Data SDH Fevereiro 2009 Versão PICC - 1.1 Assunto Características Técnicas dos Interfaces Notas Este documento não é parte integrante de nenhum contrato com

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

O CAOS NAS MEDIDAS...

O CAOS NAS MEDIDAS... O CAOS NAS MEDIDAS... Estamos mesmo a medir o que queremos? por Antonio J. de Oliveira http://ajoliveira.org Audio Engineering Society http://aes.org http://aes.org.pt Acutron Electroacústica http://acutron.net

Leia mais

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Redes de Computadores Carlos Eduardo Pereira Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Rede de Computadores hosts IMPs IMP= Interface Message Processor 1 DTE/DCE/DSE Tarefas a serem realizadas pelas

Leia mais

Manual do Usuário - NKPROX

Manual do Usuário - NKPROX Manual do Usuário NKPROX Manual do Usuário - NKPROX Neokoros TI - Biometric Technology Índice 1 - Apresentação e Características Gerais...3 2 - Placa BMC - Especificações...4 2.1 - Conectores (pinagem

Leia mais

Rede Autónoma Wireless Owlet Controlador de Luminária LuCo-AD 1-10V/DALI Ficha Técnica

Rede Autónoma Wireless Owlet Controlador de Luminária LuCo-AD 1-10V/DALI Ficha Técnica Descrição O LuCo-AD é um controlador inteligente e autónomo preparado para ser instalado numa luminária de exterior com aplicação residencial, viária e urbana. LuCo-AD controla o Driver/Balastro através

Leia mais

Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008

Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008 Descritivo Funcional MFB600-EAB Interface para Encoder Absoluto Referência: PDF.102600-EAB Revisão: 1 Arquivo : PDF10260005.doc Atualizado em: 07/07/2008 Índice 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. Definições...2

Leia mais

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Segurança e Integridade de Redes e Serviços Workshop ANACOM itsmf Portugal: Normalização de TI técnicas de segurança Manuel Pedrosa

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Largura: 142 a 216 mm/comprimento: 148 a 356 mm. Voltado para baixo: 250 folhas de 80 g/m 2 (papel bond)

Largura: 142 a 216 mm/comprimento: 148 a 356 mm. Voltado para baixo: 250 folhas de 80 g/m 2 (papel bond) Especificações Este capítulo descreve as especificações desta máquina, entre as quais várias funções. Este capítulo inclui: Especificações gerais Especificações da impressora Especificações do scanner

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Sumário: Novas Técnicas aplicadas na Ethernet Full-duplex na Ethernet Controlo de

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 CL-10 Sistema de Gerenciamento de Externa Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 SELECT MODE PORTUGUÊS TALK RETURN CL-10 Line Communication System INSTALAÇÃO! A Billy Broadcasting comunica

Leia mais

Circuitos Digitais PDH (2 Mbps, 34 Mbps e 140 Mbps) Circuitos Digitais SDH STM-N

Circuitos Digitais PDH (2 Mbps, 34 Mbps e 140 Mbps) Circuitos Digitais SDH STM-N PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE PDH (2 Mbps, 34 Mbps e 140 Mbps) SDH STM-N (com N=1, 4 ou 16) Características Técnicas dos Interfaces Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Unidade Remota ANopen RUW-01 Guia de Instalação, onfiguração e Operação ÍNE 1 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 2 INFORMAÇÕES GERAIS...4 3

Leia mais

Instruções para a realização dos trabalhos práticos

Instruções para a realização dos trabalhos práticos Instruções para a realização dos trabalhos práticos 1- Material e instruções para montagem Circuitos integrados ESTV-ESI-Sistemas Digitais-Instruções para os Trabalhos Práticos 1/7 Os circuitos integrados

Leia mais

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET ValveConnectionSystem Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET P20.PT.R0a O SISTEMA V.C.S. O sistema VCS é um conjunto

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

SM213, SM214 Módulo ethernet JBUS/MODBUS para SM103E Módulo ethernet + RS485 para SM103E. Instruções de instalação

SM213, SM214 Módulo ethernet JBUS/MODBUS para SM103E Módulo ethernet + RS485 para SM103E. Instruções de instalação SM213, SM214 Módulo ethernet JBUS/MODBUS para SM103E Módulo ethernet + RS485 para SM103E Instruções de instalação Indice Operacoes preliminares... 1 Informações gerais... 1 Instalação... 3 Diagnóstico

Leia mais

A Interface Serial e o Padrão RS-232

A Interface Serial e o Padrão RS-232 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FEN-DETEL - DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E TELECOMUNICAÇÕES A Interface Serial e o Padrão RS-232 Prof. 1 A Interface Serial e o Padrão RS-232 Objetivo: apresentar

Leia mais

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z KOBO-pH transmissor de ph APM-Z LINHA COMPACTA Range de medição ph da -1 a 14 Comutável de ph a ORP Display p/ valor de ph, mv/orp (Potencial de redução e oxidação) e temperatura Simples programação e

Leia mais

1 Conforme ponto D 31 da deliberação. 2 E passando a instalação de 750 euros para 500 euros.

1 Conforme ponto D 31 da deliberação. 2 E passando a instalação de 750 euros para 500 euros. INCUMPRIMENTO PELA PT COMUNICAÇÕES, S.A. DA DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO ICP-ANACOM DE 14 DE JUNHO DE 2012 SOBRE ALTERAÇÕES À ORCA E À ORCE 1. Antecedentes 1.1. A deliberação do ICP-ANACOM

Leia mais

INFORMAÇÕES ORIUNDAS DOS ESTADOS-MEMBROS

INFORMAÇÕES ORIUNDAS DOS ESTADOS-MEMBROS 25.9.2007 PT Jornal Oficial da União Europeia C 225/1 IV (Informações) INFORMAÇÕES ORIUNDAS DOS ESTADOS-MEMBROS Comunicação da Comissão no âmbito da aplicação da Directiva 2004/108/CE do Parlamento Europeu

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008

Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008 Descritivo Funcional MFB600-FQG - Módulo Gerador de Pulso e Freqüência Programável Referência: PDF.102600-FQG Revisão: 1 Arquivo : PDF10260002.doc Atualizado em: 07/07/2008 Índice 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

Apostila de Física 30 Geradores Elétricos

Apostila de Física 30 Geradores Elétricos Apostila de Física 30 Geradores Elétricos 1.0 Definições Gerador elétrico Aparelho que transforma qualquer forma de energia em energia elétrica. Exemplos: Usinas hidrelétricas Geradores mecânicos. Pilhas

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D. P302-PT-R4a

VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D. P302-PT-R4a VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D P02-PT-R4a Série 608 / 609 REGULAÇÃO DA PRESSÃO SENTRONIC D: Uma nova geração de reguladores electrónicos de pressão, de controlo

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

QUASAR LIGHT. Apresentação, Instalação, Operação & Instruções de Programação

QUASAR LIGHT. Apresentação, Instalação, Operação & Instruções de Programação Os micro-sinalizadores de LED de alta intensidade QuasarLight dispõe da mais alta tecnologia que permite criar micro-sinalizadores em tamanho reduzido em um ampla variedade de formas, disponíveis nos modelos

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais