TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO de Julho de TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/ Versão.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/9 3.0. Versão."

Transcrição

1 1/9 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009

2 2/9 Índice 1 ÂMBITO SEGURANÇA COMPATIBILIDADE ILIDADE ELECTROMAGNÉTICA (EMC) CARACTERÍSTICAS FÍSICAS INTERFACES ELÉCTRICAS - CONECTORES INTERFACES ÓPTICAS CONECTORES CARACTERÍSTICAS ELÉCTRICAS CARACTERÍSTICAS ÓPTICAS... 6 INTERFACES GIGABIT ETHERNET ABREVIATURAS REFERÊNCIAS HISTÓRICO DE VERSÕES... 9

3 3/9 1 Âmbito Este documento descreve as características técnicas das interfaces de cliente disponibilizadas como suporte aos serviços Ethernet da PT Prime. As interfaces Ethernet disponibilizadas são: Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet. A interface Ethernet é sempre do tipo eléctrica, 10BaseT, e está de acordo com a rec. IEEE secção 1 [1]. A interface Fast Ethernet também é eléctrica, 100BaseT, e está de acordo com a rec. IEEE secção 2 [1]. A interface Gigabit Ethernet pode ser eléctrica, 1000BaseT ou óptica monomodo, 1000BaseLX, e estão de acordo com a rec. IEEE secção 3 [1]. As interfaces definem a fronteira entre o Equipamento Terminal de Rede (DCE) e o Equipamento Terminal de Cliente (DTE), a que se dá o nome de Ponto de Terminação de Rede, como ilustrado na figura 1. Fig 1 Este documento respeita a norma ETSI TR [2]. 2 Segurança As interfaces descritas neste documento respeitam as normas de segurança EN [3].

4 4/9 3 Compatibilidade Electromagnética (EMC) A compatibilidade destas interfaces em relação à Emissão Electromagnética está de acordo com as normas EN [4]. No que refere à Imunidade Electromagnética as interfaces Ethernet estão de acordo com as normas EN [5] e EN [6]. 4 Características Físicas Os parágrafos seguintes descrevem os requisitos e as funcionalidades do ATU-R e do ATU-C no sentido de se estabelecer uma ligação sobre uma interface ADSL2+ Anexo A. 4.1 Interfaces Eléctricas - Conectores As interfaces eléctricas Ethernet 10BaseT, Fast Ethernet 100BaseT e Gigabit Ethernet são disponibilizadas através de conectores RJ Interfaces Ópticas Conectores As interfaces ópticas Gigabit Ethernet monomodo 1000BaseLX são disponibilizadas através de SFP do tipo LC, com um alcance máximo de 10Km. Cada interface óptica é disponibilizada através de duas fibras, uma para emissor e outra para receptor. 5 Características Eléctricas As interfaces Ethernet 10BaseT, 100Base T e 1000BaseT são disponibilizadas em cabo UTP categoria 5. O pin-out da ficha RJ45 deverá estar de acordo com o indicado na figura 1. A utilização do pin-out direito ou cruzado depende do tipo de equipamento utilizado do lado DTE.

5 5/9 Pin-Out 10/100Mbit/s Pin-Out 1000Mbit/s Ethernet RJ45 Socket Figura 1 Pin-out das interfaces eléctricas Ethernet O código de cores utilizado nos cabos UTP5 está indicado na tabela 1, e encontra-se de acordo com a rec. IEA_568B [7]. Pino Código de cores 1 Verde + Branco 2 Verde 3 Laranja + Branco 4 Azul 5 Azul + Branco 6 Laranja 7 Castanho + Branco 8 Castanho Tabela 1 Código de cores.

6 6/9 6 Características Ópticas Interfaces Gigabit Ethernet As características ópticas dos SFP utilizados nas interfaces Gigabit Ethernet do tipo monomodo são as indicadas na tabela 3: Output Pwr (dbm) Rec. Sensi. (dbm) Budget (db) Range* Referência F.O. λ (nm) Min. Typ. Máx. Min. Typ. Min. Typ. (Km) DD SFP-GD-LX monomodo Yes Tabela 3 Características das interfaces Gigabit Ethernet monomodo. Características de segurança do Laser de acordo com a norma Class 1 Laser da IEC [8].

7 7/9 7 Abreviaturas DCE: Communication Equipment DTE: Terminal Equipment EN: European Norm ETSI: European Telecommunications Standards Institute IEEE: Institute of Electrical and Electronics Engineers SFP: Small Form-factor Pluggable UTP: Unshielded Twisted Pair

8 8/9 8 Referências [1] IEEE , IEEE Standard for Information technology--telecommunications communications and information exchange between systems-local and metropolitan area networks--specific requirements--part 3: Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection (CSMA/CD) Access Method and Physical Layer Specifications. [2] ETSI TR Publication of interface specification under Directive 1999/5/EC. [3] EN Safety of information technology equipment, including electrical business equipment [4] EN Information technology equipment Radio disturbance characteristics Limits and methods of measurement [5] EN Electromagnetic Compatibility Generic Immunity Standard; Generic Standard Class: Domestic, Commercial and Light Industry. [6] EN Information technology equipment Immunity characteristics Limits and methods of measurement [7] ANSI/TIA/EIA-568-B - Commercial Building Telecommunications Cabling Standard [8] IEC Class 1 Laser Safety Standards

9 9/9 9 Histórico de Versões v Primeira v Segunda v Terceira

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2014-12-30 Página 1 / 6 Versão: 4.0 MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente -Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 26 de agosto de 2015

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificações técnicas dos interfaces de rede da PT Comunicações Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2004.01.20 Página

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Roberto Menna Barreto QEMC Engenharia, Qualidade e Compatibilidade Eletromagnética Ltda. www.qemc.com.br Resumo A área da Compatibilidade

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Gigabit Ethernet media Converter 10/100/1000M-TP a 1000M-SFP Manual do usuário

Gigabit Ethernet media Converter 10/100/1000M-TP a 1000M-SFP Manual do usuário Gigabit Ethernet media Converter 10/100/1000M-TP a 1000M-SFP Manual do usuário 1. Visão Geral O Gigabit Ethernet Media Converter cumpre com IEEE802.3 Normas. O conversor é projetado para converter sinais

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Classificação quanto ao meio de transmissão

Classificação quanto ao meio de transmissão Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e o ar (mais propriamente, as ondas de luz, infravermelhos e outras) que transportam os sinais que, por sua vez,

Leia mais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais

Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais Norma TIA/EIA 568-A Um Guia de Referência sobre as Normas de Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais #175675 4M 3/96 1996, Anixter Inc. ÍNDICE A Anixter atua como uma provedora de valor

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

TIA/EIA TSB72, Centralized Optical Fiber Cabling (Cabeamento Centralizado de Fibra Óptica).

TIA/EIA TSB72, Centralized Optical Fiber Cabling (Cabeamento Centralizado de Fibra Óptica). NORMAS DO SETOR Atualização de Normas Nos últimos tempos estamos vendo uma rápida atualização de normas quando falamos de cabeamento estruturado. A maioria das pessoas que estão vivem o dia-a-dia com estas

Leia mais

REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS

REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS As normas e os códigos a seguir contêm condições que, através da referência neste texto, constituem as mesmas do presente Manual de Treinamento. As edições indicadas eram válidas na época da

Leia mais

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos Agenda Redes atuais para 40 Gbit/s Ethernet Next Generation Cabling: 40GBASE-T Category 8 - Cabos e Conectores

Leia mais

7.1 Redes Locais IEEE 802 Camada Física. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.1 Redes Locais IEEE 802 Camada Física. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.1 Redes Locais IEEE 802 Camada Física Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Modelo IEEE 802 Camada Física Aplicação Apresentação Sessão Transporte Codificação Meios

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

Redes de Computadores. Cablagem

Redes de Computadores. Cablagem Redes de Computadores Cablagem Meios físicos de transmissão guiados! Cabos coaxiais! Cabos de pares entrançados! Cabos de fibra óptica 2 Cabo coaxial Malha de cobre Condutor de cobre Revestimento externo

Leia mais

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN Especificações Técnicas da Interface Utilizador-Rede Versão: v2.0 Data: abril/2009 Este documento não é parte de nenhum contrato

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é uma Rede de Computadores? Conjunto de módulos de processamento interconectados

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 2 Mbit/s Especificação Técnica do interface Cliente-Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 30 de dezembro de 2014 Data: 2014-12-30 Página

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de computadores. Cabeamento Estruturado Redes de computadores Cabeamento Estruturado Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Ethernet. Fast Ethernet

Ethernet. Fast Ethernet Ethernet Desenho feito por Robert Metcalfe em 1973 no centro de pesquisas da Xerox. Fast Ethernet Padrão IEEE 802.3u 1995 Switches com função: Full duplex / Controle de Fluxo (802.3x) Virtual LAN (VLAN)

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

António Lopes Paulo Matos

António Lopes Paulo Matos António Lopes Paulo Matos ÍNDICE 1 REDES- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2 2 LAN - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012

II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012 II Seminário de Compatibilidade Eletromagnética e Avaliação da Confomidade Cientec Set 2012 2011 Underwriters Laboratories Inc. Visão do Organismo de Certificação Histórico EMC - Brasil Portaria nº 170

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Autores: Messias B. Figueiredo André Oliveira Silveira Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Com o crescimento do uso das redes locais de

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo I

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo I Faculdades NDA Sistemas de Informação Questionário de apoio ao Módulo I 1) Cite alguns exemplos de aplicações de redes de computadores. 2) Cite alguns serviços que usam as redes de computadores como para

Leia mais

Padrão IEEE 802 e Ethernet

Padrão IEEE 802 e Ethernet Padrão IEEE 802 e Ethernet UTP - UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Arquitetura de Redes de Computadores II Prof. André Luiz Padrão IEEE 802 802.1 LLC MAC 802.2 802.3 802.4 802.5 802.6 802.1 Padrão IEEE 802

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas:

P R E F Á C I O. Direitos Autorais: Marcas: P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

ET IDS1 - Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048Kbit/s e 2048 KHz

ET IDS1 - Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048Kbit/s e 2048 KHz 1/18 E IDS1 Interface de Acesso ao Sinal de Relógio a 2048 Kbit/s e 2048 KHz - Especificação do interface Cliente-Rede AUORIA DEI APROVAÇÃO Por P Comunicações Data 2001/10/25 Nº DE FOLHAS DO DOCUMENO 18

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 3. Interfaces Físicas Interfaces Não Balanceadas e Balanceadas; Interfaces de Alto Débito Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Interfaces Físicas Interfaces para

Leia mais

Planeamento e Projecto de Redes. Capítulo 6. Breves Considerações sobre Redes Ethernet

Planeamento e Projecto de Redes. Capítulo 6. Breves Considerações sobre Redes Ethernet Planeamento e Projecto de Redes Capítulo 6 Breves Considerações sobre Redes Ethernet João Pires Planeamento e Projecto de Redes (11/12) 297 Introdução A Ethernet foi inventada em 1973 tendo como objectivo

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Qualidade de Energia no Brasil

Qualidade de Energia no Brasil Qualidade de Energia no Brasil "Qualquer problema de energia manifestado na tensão, corrente ou nas variações de freqüência que resulte em falha ou má operação de equipamentos de consumidores". Distúrbio

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Redes Locais de Computadores. Redes Locais de Computadores. Redes Locais

Redes Locais de Computadores. Redes Locais de Computadores. Redes Locais Redes Locais Conteúdo 1. Arquitetura IEEE 802 2. Ethernet 3. Fast Ethernet 4. Gigabit Ethernet 5. 10 Gigabit Ethernet 6. Cabeamento Estruturado 7. Wireless - Wlan 802.11 a/b/g 8. Wireless - Blue Tooth

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

Acesso Aleatório (Random Access) CSMA CSMA/CD

Acesso Aleatório (Random Access) CSMA CSMA/CD Acesso Aleatório (Random Access) CSMA CSMA/CD Estefania e Tiago AGENDA - Histórico - O que é? - Como é implementado? - Como funciona? Histórico Ethernet was originally based on the idea of computers communicating

Leia mais

Ethernet. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

Ethernet. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Ethernet Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Ethernet... 1 Por que rede?... 2 Ethernet... 2 A subcamada MAC... 3 Frame... 4 Endereçamento... 4 Camada Física... 4 Pesquise... 5 Temas

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 1 Evolução do Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Evolução do Cabeamento 1 Conteúdo Cabo Coaxial Cabo de Par Trançado Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação -

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015

REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015 REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015 DADOS DO ÓRGÃO GERENCIADOR DA ATA Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL - MG Código UASG: 153028 CNPJ: 17.879.859/0001-15 Endereço: Rua Gabriel

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP

GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP 01. OBJETIVOS Discrimina-se abaixo os objetivos principais deste laboratório: confeccionar Cabo UTP (corte do cabo; alinhamento dos

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

Unidade de Transmissão de Fibra Óptica das Séries LTC 46xx e LTC 47xx

Unidade de Transmissão de Fibra Óptica das Séries LTC 46xx e LTC 47xx CCTV Unidade de Transmissão de Fibra Óptica das Séries LTC 46xx e LTC 47xx Unidade de Transmissão de Fibra Óptica das Séries LTC 46xx e LTC 47xx Modelos de transmissão de vídeo e dados disponíveis Ajustes

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/46 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Introdução 2/46 Camada física do modelo Topologias OSI de ligação Tipos de comunicação SIMPLEX

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais