Redes de computadores. Cabeamento Estruturado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de computadores. Cabeamento Estruturado"

Transcrição

1 Redes de computadores Cabeamento Estruturado

2 Cabeamento Não-estruturado Dutos super-lotados Cabos dobrados Dificuldade de Manutenção Foto: Rodrigo Cabelo

3 CABEAMENTO NÃO-ESTRUTURADO Mais exemplos... Outros Pontos da Rede

4

5 AUSÊNCIA DE ESTRUTURA Consequências Inflexibilidade para mudanças Rápida saturação de dutos, canaletas e outros suportes de cabeamento Cabeamento não aproveitável com novas tecnologias Suporte técnico dependente de fabricantes Custos altos em uma possível mudança

6 Cabeamento Estruturado Sistema que obedece a padrões e normas para garantir: Organização Flexibilidade Desempenho Escalabilidade Simplificação do Uso Simplificação da Manutenção

7 CABEAMENTO ESTRUTURADO Objetivos Integrar em um único projeto múltiplas aplicações como: Vídeo Dados Controles de Segurança, Acesso, Iluminação, Ventilação etc Sensores de Incêndio, Temperatura e Presença

8 Cabeamento estruturado Tendências Tecnológicas: Um sistema de cabeamento estruturado deve, se possível, suportar altas taxas transmissão e deve ser implementado como uma estrela hierárquica. Uso crescente de fibras ópticas. Utiliza um conjunto de subsistemas de cabeamento para criar uma infra-estrutura hierárquica capaz de se adaptar às mudanças de tecnologia e de ambiente e, ainda, facilitar a detecção e correção de falhas e manutenção. Normas EIA/TIA 568B / 569B / 606A / 607A. Norma brasileira NBR

9 Cabeamento estruturado Subsistemas de Cabeamento Estruturado Um projeto de cabeamento estruturado deve: Dividir a área a ser coberta em subsistemas (ou áreas de cabeamento). Especificar os pontos de transição entre esses subsistemas. Estes subsistemas podem ser implementados por etapas ou como uma solução completa.

10

11

12

13

14

15

16

17 Órgãos Normativos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. É responsável pela nova norma brasileira de cabeamento estruturado, recentemente lançada, a NBR A norma encontra-se à venda no site. EIA Electronics Industries Association Órgão americano responsável por grande parte das normas de cabeamento estruturado em uso, a EIA é um orgão americano que, normalmente em associação com a TIA, determina características dos sistemas de cabeamento estruturado. FCC Federal Committee for Communication Órgão federal americano responsável pelo controle e fiscalização de produtos e serviços de telecomunicações. Tem poder de polícia, e garante o atendimento das normas que impedem a geração e/ou aceite de interferência de sistemas de telecomunicação.

18 Órgãos Normativos IEC International Eletrotechnical Commission Órgão americano, define padrões de teste muito adotados em sistemas de cabeamento estruturado. IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers Órgão americano responsável por normas importantes, indiretamente relacionadas aos sistemas de cabeamento estruturado, como a norma para redes ethernet, por exemplo (IEEE802.2). ISO International Standards Organization Órgão internacional com sede em Genebra, Suíça, é responsável, entre outras normas, pela norma de interconexão de sistemas abertos (OSI).

19 Órgãos Normativos ITU International Telecommunication Union Órgão internacional com sede em Genebra, Suíça, é responsável por centenas de normas associadas a Telecomunicações. Era conhecido até algum tempo atrás como CCITT. TIA Telecommunications Industry Association Órgão americano responsável por grande parte das normas de cabeamento estruturado em uso, a TIA é um orgão americano que, normalmente em associação com a EIA, determina características dos sistemas de cabeamento estruturado. UL Underwriters Laboratories Inc Instituição privada responsável por testes e ensaios de equipamentos e materiais, garantindo o atendimento às normas associadas aos mesmos. Os fabricantes submetem lotes de seus produtos para testes e certificação. Caso os testes tenham sucesso, o produto recebe um carimbo de certificação, que é reconhecido pelas organizações de todo o mundo.

20 Os subsistemas

21 Exemplo de um Sistema de Cabeamento Estruturado

22 Área 1: Área de Trabalho Área de trabalho: Cabeamento entre os dispositivos e as tomadas de parede. Cada tomada deve possuir, no mínimo, dois tipos de acesso: dados e voz. Deve existir no mínimo uma tomada para cada área de trabalho de 10 m 2. Comprimento máximo para cabo par trançado: 5m.

23 Tipos de cabo Cabo UTP de 100 ohms com 4 pares (24 AWG). Cabo ScTP/FTP de 100 ohms com 4 pares. Atenção cabo STP 120 ohms 2 pares está fora da norma. Fibra óptica. O mais empregado atualmente é o cabo UTP CAT categorias 5E ou 6 com conector Mv8 (RJ-45 8 pinos). RJ-45 Cabo UTP

24 Área de Trabalho No mínimo 1 WA a cada 10 m2 de acordo com a Norma 568-A

25 Área de Trabalho No mínimo 2 Tomadas por WA conforme EIA/TIA568-A

26 Área 2: Cabeamento Horizontal ou Rede Secundária Sistema de distribuição horizontal: Estende-se do Centro de Fios onde estão instalados os blocos de distribuição e equipamentos de rede, até a área de trabalho. Normalmente, cobre apenas um andar e os cabos são terminados em conector ou tomada de parede na interface com a Área 1 e em blocos (patch panel) no lado do Centro de Fios.

27 Cabeamento por Zona Método Tradicional Múltiplos Cabos de 4 pares Patch Panel Armário de Telecomunicações x Zone Wiring Ponto Intermediário Cabo de 25 Pares Patch Panel Armário de Telecomunicações Consolidation Point

28 Área 2: Rede Secundária (Horizontal) Área 4: Rede Primária (Vertical) Tipos de Instalação: Embutido no piso. Piso elevado. Forro. Canaletas. Deve seguir as recomendações da Norma TIA/EIA 569-B.

29 Área 2: Rede Secundária (Horizontal) Área 4: Rede Primária (Vertical) Instalação embutida no piso

30 Área 2: Rede Secundária (Horizontal) Área 4: Rede Primária (Vertical) Instalação em piso elevado

31 Área 2: Rede Secundária (Horizontal) Área 4: Rede Primária (Vertical) Instalação no forro

32 Área 2: Rede Secundária (Horizontal) Área 4: Rede Primária (Vertical) Instalação em canaletas

33 Área 4: Rede Primária (Vertical) Cabeamento vertical dentro de edifícios usado na interconexão dos andares. Conecta a SET (Sala de Entrada de Telecomunicações) à SEQ (Sala de Equipamentos). Uso prioritário de cabos de fibra óptica, mas cabos de par trançado também são normatizados e limitados a 90 metros. Comprimento máximo do cabo da rede primária é de 3000 m se estiver usando fibra óptica, podendo haver um quadro intermediário a 500 m. SALA DE TELECOMUNICAÇÕES PRINCIPAL DO PRÉDIO

34 Área 3: Armário de Telecomunicações (AT) Deve ser projetada de acordo com a Norma TIA/EIA-569-A. Interliga os ativos aos equipamentos de ponta (área de trabalho). Deve existir uma sala de telecomunicações para cada 1000m 2 de área atendida. Dimensão das sala de telecomunicações: Área Atendida m Dimensão da Sala mxm 3x2,20 3x2,80 3x3,40

35 Área 3: Armário de Telecomunicações As conexões dos equipamentos podem ser feitas em dois esquemas: CROSS -CONNECTION INTERCONNECTION

36 Área 3 e 5: Armário de Telecomunicações e Patch Panels Para montagem em rack padrão 19. De sobrepor. patch panel fixo 48 portas patch panel modular 12 portas

37 Área 5: Sala de Equipamentos (SEQ) A Sala de Equipamentos abriga equipamentos, a transição entre o rede secundária e o de backbone de um prédio (rede primária), através de patch de distribuição. Cabos empregados: Fibra óptica monomodo e multimodo. Cabo UTP categorias 5E e 6. Cabo ScTP e FTP categorias 5E e 6.

38 Área 5: Sala de Equipamentos Deve ser projetada de acordo com a Norma TIA/EIA-569-B. Características: Dimensão mínima: 14 metros quadrados. Climatizada 24 horas por dia 7 dias por semana. Concentração de equipamentos servidores e comutadores da empresa (exceto os switches eventualmente instalados nos armários de telecomunicações).

39 Área 5: Sala de Equipamentos Bloco IDC 110 Uma alternativa ao uso de patch panels (mais utilizado para conectar pontos de voz).

40 Setor de Entrada de Telecomunicações SET Recebe os cabos oriundos de fora do prédio: Local onde termina a responsabilidade da concessionária (quando o caso) e inicia a responsabilidade do administrador da rede. Fazem parte do SET: As transições dos cabos externos da concessionária de voz ou de dados (banda larga), para a rede principal. Transições entre os cabos de fibra óptica externos (revestido de gel de petróleo para proteger da umidade) para os cabos de fibra óptica internos (anti-propagante a chama). Transições dos equipamentos de CATV e Segurança, quando provenientes de outras construções.

41 Cabo de Interligação Externo Cabeamento entre edifícios. Fibra óptica multimodo degrau ou gradual ou monomodo. Comprimento máximo de 2000 m.

42 As categorias mais comuns Categoria MHz; É a mais comum hoje em dia; Suporte a ethernet, token-ring, fast-ethernet (parcial). Categoria 5E 155 MHz; É a mais implantada; Suporta todas as aplicações da Cat.5, mais fast-ethernet, alguns padrões de Gigabit ethernet, ATM até 155 MHz, alguns padrões de ATM 622 MHz Categoria MHz; Suporta todos os padrões atuais; Categoria 6A Novidade, começam a aparecer os produtos mais novos; Suporta 10Gbps em cabos de par trançado.

43 Conectorização: cabo patch direto (1:1) Existem padrões de conectorização TIA/EIA: 568A 568B. VD-B R VD LJ-BR AZ AZ-BR LJ MR-B R MR 8 1 LJ-BR LJ VD-B R AZ AZ-BR VD MR-B R MR

44 Conectorização: Cabo patch cruzado (Cross) Existem 2 maneiras de interconectar os equipamentos entre si: Cabo Direto Cabo Cruzado ( crossed ou cross ). VD-B R VD LJ-BR AZ AZ-BR LJ MR-B R MR LJ-BR LJ VD-B R AZ AZ-BR VD 8 MR-B R 1 MR

45 Conector e Alicate para RJ 45

46 Alicate de Crimpagem Alicate multiuso utilizado para crimpar cabo par trançado de redes de computadores. O termo crimpar significa preparar um cabo de par trançado para conectar dispositivos em uma rede.

47 Punch Down Alicate fixador muito útil que conecta cabos de redes em RJ-45 fêmea.

48 Testador de Cabos Efetua testes de transmissão e recepção de sinal desde o ponto do usuário até hub/switch ou rack. Verifica também se conectados de forma polarizarão. Um visor aponta se apresentar algum erro. os cabos estão correta e a sua o cabo testado

49 Testador de Cabos

50 Decapador de Cabo

51 Componentes para UTP O alicate Um conector RJ-45 O cabo UTP

52 O cabo UTP Se o cabo for de marca deve ter escrito nele o seguinte texto: UTP Unshielded Twisted Pair (Par entrançado não blindado) Temos 4 pares de fios (8 CAT1 e 2: Voz e dados até 4Mbps fios) coloridos. Embora numa rede Ethernet a 10Mbps só CAT3: dados até 16Mbps se usarem 2 pares (Laranja e Verde) (em desuso) CAT4: dados até 20 Mbps CAT5: dados até os 155Mbps A Fast Ethernet (a 100Mbps) já precisa dos 4 pares! CAT 6: dados até os 200MHz (recente) CAT 7: dados até os 600MHz (em estudo)

53 Passo-a-passo para Cabo Direto TIA/EIA-568B (1/3) Passo 1: Descascar o cabo (2 cm) - O alicate tem um batente que serve de medida para descascar o cabo - use-o! mas com cautela pois pode cortar um dos pares se pressionar com força. Passo 2: Separar os pares trançados de modo que o par VERDE passe para o lado esquerdo (1) e (2) e o par MARROM passe para o lado direito (7) e (8)... Passo 3: Ajeitar: par AZUL fica no meio mas trocado (5) e (4). E o par LARANJA vai abraçar o par azul (3) e (6)...

54 Passo-a-passo para Cabo Direto TIA/EIA-568B (2/3) Alinhe os 8 fios lado a lado e corte com o alicate para ficarem certos Coloque-os alinhados no interior do conector RJ-45, na posição indicada na imagem (o pino 1 está do lado esquerdo). Garanta que a parte cinza (ou azul) de proteção dos fios entra no conector até alcançar uma trava Verifique se os 8 fios atingem o fim do conector (topo do conector). Olhe de lado e de perfil.

55 Norma EIA/TIA 568 Racks Tem a função de acomodar os Hubs, Patch Panels e Ring Runs. Pode ser aberto ou fechado

56 Um Sistema de Cabeamento Estruturado é formado pelo seguintes sub-sistemas: Área de Trabalho

57 Entrada do Edifício Área de Trabalho

58 Entrada do Edifício Sala de Equipamentos Área de Trabalho

59 Entrada do Edifício Sala de Equipamentos Cabeamento Backbone Área de Trabalho

60 Entrada do Edifício Sala de Equipamentos Cabeamento Backbone Armário de Telecomunicações

61 Entrada do Edifício Sala de Equipamentos Cabeamento Backbone Área de Trabalho Armário de Telecomunicações Cabeamento Horizontal

62 Entrada do Edifício Sala de Equipamentos Cabeamento Backbone Área de Trabalho Armário de Telecomunicações Cabeamento Horizontal Área de Trabalho

63 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Entrada do Edifício Ponto de interface entre o cabeamento externo e o cabeamento interno do prédio. (...) Consiste de equipamentos necessários à conexão. Regida pela norma EIA/TIA 569.

64 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Sala de Equipamentos Local dentro do edifício onde está instalado o distribuidor principal de telecomunicações: liga os cabos do armário de telecomunicações, com os equipamentos de rede, servidores e os equipamentos de voz (PABX).

65 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento Backbone Interligar todos os armários de telecomunicação instalados: nos andares de um edifício comercial (backbone cabling) ou vários edifícios comerciais (campus backbone), onde também serão interligadas as facilidades de entrada (entrance facilities).

66 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Armário de Telecomunicações Os cabos do cabeamento horizontal são instalados em cada área de trabalho e na outra ponta, no hardware de conexão escolhido. Para que este hardware de conexão seja protegido contra o manuseio indevido, instala-se todos os hardwares de conexão, suas armações, racks, e outros equipamentos em uma sala destinada para esta função locada em cada andar. Esta sala é chamada de armário de telecomunicação (telecommunication closet).

67 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento Horizontal Estende-se da tomada de telecomunicação instalada na área de trabalho até o armário de telecomunicação É a parte do sistema de cabeamento estrutura que contém a maior quantidade de cabos instalados É chamado de horizontal devido aos cabos correrem no piso, suspensos ou não, em dutos ou canaletas

68 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Área de Trabalho Local onde o usuário começa a interagir com o sistema de cabeamento estruturado Neste local estão situados seus equipamentos de trabalho, como: Computador Telefone Sistema de armazenamento de dados Impressoras Sistema de controle

69 Recapitulando... Armário de Telecomunicação Cabeamento Vertical Área de Trabalho Cabeamento Horizontal Sala de Equipamentos

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 4 Propriedades desejadas de um sistema de cabeamento estruturado: Máxima independência na tecnologia de acessos a redes. Maior adequação à

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 01 Introdução ao Cabeamento Estruturado Professor Marco Antônio Chaves Câmara

Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 01 Introdução ao Cabeamento Estruturado Professor Marco Antônio Chaves Câmara Tópicos Especiais em Informática / Redes APOSTILA 01 Introdução ao Cabeamento Estruturado Professor Marco Antônio Chaves Câmara 1. Características Básicas Um sistema de cabeamento estruturado é uma estrutura

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Módulo II: Infra-Estrutura Física

Módulo II: Infra-Estrutura Física Módulo II: Infra-Estrutura Física 1 Visão Geral Cabeamento de rede, a mídia física: Cabos utilizados em rede Introdução as fibras ópticas Cabeamento estruturado. Infra-estrutura elétrica: Visão geral de

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom);

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade. DG Distribuidor Geral (Quadro de Entrada da Empresa de Telecom); ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; ANSI American National Standards Institute; CSA Canadian Standards Association; ISO - International Standard Organization; ITU International

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Para debater... O que vimos na aula anterior? Montar uma rede doméstica é diferente de montar uma rede local de uns 100 PCs? Na aula anterior trabalhamos com a combinação

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP

GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP GBC066 Arquitetura de Redes TCP/IP Lab. 01 Crimpagem de Cabos UTP/STP 01. OBJETIVOS Discrimina-se abaixo os objetivos principais deste laboratório: confeccionar Cabo UTP (corte do cabo; alinhamento dos

Leia mais

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801

Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Autores: Messias B. Figueiredo André Oliveira Silveira Sistemas de Cabeação Estruturada EIA/TIA 568 e ISOC/IEC 11801 Com o crescimento do uso das redes locais de

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para cancelar as interferências eletromagnéticas (EMI). Foi

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação

Pós-Graduação em Segurança da Informação Pós-Graduação em Segurança da Informação Projeto de Infraestrutura para Redes de Computadores Faculdade Area1 Professor Marco Antônio C. Câmara! Eng. Eletricista - UFBA 87! Mestrando em Redes de Computadores!

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 2 CABEAMENTO DE REDES Prof. José Wagner Bungart MEIOS DE TRANSMISSÃO Os meios de transmissão em uma comunicação de dados são qualquer tipo de mídia que seja

Leia mais

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO O gabinete de fiação é um ponto muito importante para um sistema de cabeamento de rede, apesar de muitas redes bem sucedidas não o utilizarem. Um gabinete de fiação pode ser do

Leia mais

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática Prof. George Silva FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA CABEAMENTO ESTRUTURADO AULA 02 Objetivo Compreender e entender como crimpar um

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Norma EIA/TIA 568... 2 1.2.1 568A... 2 1.2.2 568B... 3 1.3 Teste dos cabos... 4 1.4 Categoria de Cabos... 5 1.5 Conectores...

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET CRIMPAGEM Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com TECNOLOGIA ETHERNET Crimpagem diz respeito

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

27/02/2010 REDES DE COMPUTADORES

27/02/2010 REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profa. Delfa M. Huatuco Zuasnábar 2010 Camada mais baixa da hierarquia do modelo de referência híbrido Define: Interfaces mecânicas Interfaces elétricas Interfaces de sincronização

Leia mais

Cabeamento Estruturado (CBE)

Cabeamento Estruturado (CBE) Cabeamento Estruturado (CBE) Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José tisemp@sj.ifsc.edu.br 09 de Março de 2010 Prof. Tiago (IFSC) Cabeamento

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto"

Tutorial: Como criar cabo crossover e cabo direto Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto" Introdução Se você tem dois ou três computadores em casa ou em seu escritório, certamente tem interesse em conectá-los em rede para compartilhar impressoras,

Leia mais

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento

Prof. Airton Ribeiro. Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Prof. Airton Ribeiro Meios Físicos para Redes Fundamentos de Cabeamento Visão Geral Cabos de cobre são usados em quase todas as redes locais. Estão disponíveis diferentes tipos de cabos de cobre, cada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Montando a rede. Cabeamento estruturado: cabo par trançado. Prof. Eduardo

Montando a rede. Cabeamento estruturado: cabo par trançado. Prof. Eduardo Montando a rede Cabeamento estruturado: cabo par trançado Prof. Eduardo Par trançado Podem ser crimpados rapidamente (no local, ferramentas simples etc). Em redes maiores crimpar o próprio cabo é necessário

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 2 Padrões de Cabeamento Meios Físicos de Comunicação - Padrões de Cabeamento 1 Conteúdo Padrões de Crimpagem Montagem e Organização Teste Tomadas e Emendas Recomendações

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 3. CABEAMENTO ESTRUTURADO-PARTE 1 Os primeiros projetos de cabeamento estruturado foram desenvolvidos para sistemas telefônicos comerciais,

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I 8. O SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 8.1. Introdução Neste capítulo será visto, mais detalhadamente, os seis elementos que compõem o cabeamento estruturado. É necessário o entendimento destes elementos

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Cabo coaxial Cabo par trançado Fibra óptica IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Foi um dos primeiros tipos de cabo utilizados nas redes de computadores Malha de cobre

Leia mais

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado - Norma EIA/TIA 568A e 568B Padrões T 568A e T 568B -568B.1 Requisitos gerais - EIA/TIA 568B (julho/2001) -568B.2 Cabeamento de par trançado de 100 ohms -568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica

Leia mais

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 2 Volnys

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Tecnologias e Componentes de Redes

Tecnologias e Componentes de Redes Tecnologias e Componentes de Redes Material de apoio Cabeamento Estruturado Cap.11 19/01/2012 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS

PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS PROJETO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ LEVANTAMENTO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDES LOCAIS Este relatório se baseia nos registros fotográficos e na aplicação dos formulários do

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado 7º Período / Carga Horária: 72 horas EMENTA: Componentes e equipamentos de um sistema de cabeamento. Normas internacionais

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3 Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 O procedimento de conectorizar o UTP categoria 5 com o conector RJ-45,

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Estruturado www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Cabeamento Estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Cabeamento Estruturado e Projeto de Redes. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 52p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Thálisson de Oliveira Lopes Graduação em Tecnologia em Processamento de Dados (2007), Especialista em Gestão de Tecnologia da Informação (2008 e 2010) e Mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia

Leia mais