Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO de Julho de TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3."

Transcrição

1 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO MODELOS DE REFERÊNCIA INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5

2 2/ PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE CAPACIDADE DE TRANSPORTE CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS DO ATU-C CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS DO ATU-R OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO INICIALIZAÇÃO ADAPTAÇÃO ON-LINE E RECONFIGURAÇÃO REQUISITOS DE DESEMPENHO SUPORTE A MULTIMODO DÉBITO ADSL EM LINHA ATM VPI / VCI ACESSO AO SERVIÇO DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS REFERÊNCIAS HISTÓRICO DE VERSÕES... 10

3 3/10 1 Âmbito Este documento estabelece as especificações técnicas da Interface entre o Utilizador e a Rede (User To Network Interface UNI) para equipamento ADSL PT Prime a serem interligados à oferta grossista Rede ADSL PT da PT Comunicações. Este documento refere-se à disponibilização de ADSL sobre o mesmo lacete de cobre em que são disponibilizados serviços de banda estreita da Rede Digital com Integração de Serviços RDIS, ou ISDN, conformes com a especificação ET ID2 Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada (Interface de Linha RDIS 2 fios) [1]. A especificação da interface UNI para os acessos ADSL sobre ISDN, mencionados neste documento é baseada nas especificações internacionais relevantes para ADSL sobre ISDN, nomeadamente: ETSI TS V1.3.1 ( ) [2] ITU-T T G Recommendation [3] 1 ITU-T T G Recommendation [4] 2 1 A norma ITU-T T G para ADSLoISDN é por vezes referida como G Annex B ou G.dmt Annex B 2 A norma ITU-T T G é por vezes referida como G.handshake

4 4/10 2 Modelos de Referência UR funcionais relevantes. DSLAM ATU-C Lacete O serviço de transporte ADSL sobre ISDN é considerado apenas numa variante, não sendo possível a instalação com recurso a Microfiltros. O Modelo de Referência considerado é ilustrado na Fig. 2.1, sendo evidenciados os blocos ANT Splitter CO ADSLo ISDN / Splitter CPE ADSLoISDN LPF HPF (1) HPF DNT ATU-R U ON PWR S1 S2 ISDN NT Central PT Rede ATM Rede PSTN (1) Opcional Instalações do utilizador Fig. 2.1 ADSL sobre ISDN com recurso a Splitter CPE centralizado

5 5/10 3 Interface UNI User to Network A interface U-R interliga o DNT ao DSLAM através da Rede de Acesso em Cobre da PT Comunicações. Nesta interligação é usada uma Linha de Rede ISDN conforme com a especificação ET ID2 - Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada (Interface de Linha RDIS 2 fios). Os parágrafos seguintes descrevem os requisitos e as funcionalidades do ATU-R e do ATU-C no sentido de se estabelecer uma ligação ADSL. 3.1 Ponto de Terminação da Rede A interface ADSL é terminada no site do Utilizador através de uma tomada telefónica do tipo RJ 11, com a seguinte atribuição de pin: Tabela 1. Número Pin Sinal 1 Não usado 2 Não usado 3 ADSL 4 ADSL 5 Não usado 6 Não usado 3.2 Capacidade de Transporte A capacidade de transporte do ATU-C está de acordo com a Secção 6 da Recomendação G do ITU. Suporta transmissão (sentido downstream) de todos os múltiplos de 32 Kbit/s até um máximo de 6144 Kbit/s, e a recepção (sentido upstream) de todos os múltiplos de 32 Kbit/s até um máximo de 640 Kbit/s. Consequentemente, a capacidade de transporte do ATU-R interligado deve estar de acordo com a secção 6 da G do ITU e deve suportar a recepção (sentido downstream) de todos os múltiplos de 32Kbps até um máximo de 6144Kbps e a transmissão (sentido upstream) de todos os múltiplos de 32 Kbit/s até um máximo de 640 Kbit/s. 3.3 Características funcionais do ATU-C As características funcionais do ATU-C estão de acordo com a secção 7 e Anexo B.1 da Recomendação G do ITU, com as modificações especificadas na secção 4.2 da Recomendação ETSI TS O ATU-C está de acordo com o diagrama de estados do Anexo D da Recomendação G do ITU.

6 6/ Características funcionais do ATU-R As características funcionais do ATU-R devem estar de acordo com a secção 7 e Anexo B.1 da Recomendação G do ITU, com as modificações especificadas na Secção 4.2 da Recomendação ETSI TS Operação e Manutenção No que diz respeito a Operação e Manutenção o ATU-C está de acordo com a Secção 9 da Recomendação G do ITU. Desta forma o ATU-R deve estar conforme com a Secção 9 da Recomendação G do ITU. 3.6 Inicialização O ATU-C é conforme com a sequência de inicialização descrita na Secção 10 e no Anexo B.3 da Recomendação G do ITU. O ATU-R deve estar conforme com a sequência de inicialização descrita na Secção 10 e no Anexo B.3 da Recomendação G do ITU. 3.7 Adaptação On-Line e Reconfiguração No que diz respeito a adaptação On-Line e reconfiguração, o ATU-C está de acordo com a secção 11 da Recomendação G do ITU. O ATU-R deve estar de acordo com a secção 11 da Recomendação G do ITU. 3.8 Requisitos de desempenho O ATU-R deve atingir os requisitos de desempenho indicados nas Secções e da Recomendação ETSI TS Suporte a multimodo O ATU-C suporta apenas o procedimento de inicialização da Especificação G.994.1, sendo compatível apenas com um ATU-R de acordo com a Especificação G do ITU 3.10 Débito ADSL em linha O débito ADSL em linha é configurado pela Rede ADSL PT, e depende dos requisitos subscritos pelo Utilizador de acordo com a Rede ADSL PT Descrição de Serviço [5] ATM VPI / VCI O serviço disponibiliza um circuito virtual ATM entre o Utilizador final e o Operador. A interface do Utilizador final é apresentada com um VP com o VPI 0. O canal de dados no VP é apresentado num VCI de acordo com o requisito subscrito pelo Utilizador (Rede ADSL PT Descrição de Serviço [5]).

7 7/ Acesso ao Serviço No sentido do utilizador final aceder ao serviço, a Rede ADSL PT suporta os seguintes protocolos: Estabelecer uma sessão PPP de acordo com a RFC 1661; Protocolo de encapsulamento Bridge Ethernet de acordo com a RFC 2684; Protocolo de encapsulamento PPPoA de acordo com a RFC 2364; Protocolo de encapsulamento PPPoE de acordo com a RFC 2516; Protocolo de autenticação PAP de acordo com a RFC 1334; Protocolo de autenticação CHAP de acordo com a FRC 1994; Obter um endereço IP da Rede;

8 8/10 4 Definições e Abreviaturas ADSL: : Asymmetric Digital Subscriber Line ANT (ATM Network Terminal): Bloco funcional responsável pela interface entre o ATU-C e a Rede ATM. ATU-C (ADSL Transceiver Unit Central): Modem ADSL de Central ATU-R (ADSL Transceiver Unit Remote): Modem ADSL remoto de utilizador DNT (ADSL Network Terminal Equipment): Equipamento Terminal ADSL do utilizador. É formado pelo ATU-R e pelo HPF. CO (Central Office): Lado da Central PT, oposto ao lado de utilizador ADSL CPE (Customer Premisses Equipment): Lado do utilizador ADSL, oposto ao lado de central Downstream: : Sentido de comunicação da central para o utilizador remoto. DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer): Conjunto formado pelo Splitter CO, pelo ATU-C e pela ANT. ETSI: : European Telecommunications Standards Institute HPF (High Pass Filter): Filtro Passa Alto ISDN (Integrated Services Digital Network): Acesso Básico RDIS ISDN-NT (Integrated Services Digital Network Network Terminal): NT RDIS ITU-T: International Telecommunication Union Telecom Standardization LPF (Low Pass Filter): Filtro Passa Baixo. Microfiltro CPE: : constituído por um LPF Splitter CO ADSLoISDN: : Equipamento terminal bidireccional ireccional constituído por uma entrada (saída) e duas saídas (entradas). Este equipamento é responsável por multiplexar e desmultiplexar as componentes espectrais dos sinais associados aos serviços de banda estreita (ISDN) e de banda larga (ADSL). Este equipamento deve ainda, por um lado, isolar a entrada de banda estreita (ISDN) das interferências dos sinais provenientes da entrada de lacete e de banda larga (ADSL) e, por outro, isolar a entrada de banda larga de interferências provenientes da entrada de banda estreita (ISDN). Splitter CPE ADSLoISDN: : Equivalente do Splitter CO para o lado CPE Upstream: : Sentido de comunicação do utilizador remoto para a central.

9 9/10 5 Referências [1] PT Comunicações - ET ID2 Interface de Acesso à Rede Telefónica Pública Comutada (Interface de Linha RDIS 2 fios) [2] ETSI TS V1.3.1 ( ) 05) Transmission and Multiplexing (TM);Access transmission systems on metallic access cables; Asymmetric Digital Subscriber Line (ADSL) - European specific requirements [ITU-T Recommendation G modified] [3] ITU-T T Recommendation G.992.1, Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL) Transceivers. [4] ITU-T T Recommendation G Handshake Procedures for Asymmetrical Digital Subscriber Line (ADSL) Transceivers. [5] PT Comunicações Rede ADSL PT Descrição de Serviço

10 10/10 6 Histórico de Versões v Primeira v Publicação de acordo com a norma ETSI TR v1.1.1 ( ) v Actualização de logótipos PT

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN

ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE ACESSO ADSL sobre POTS e sobre ISDN Especificações Técnicas da Interface Utilizador-Rede Versão: v2.0 Data: abril/2009 Este documento não é parte de nenhum contrato

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s

Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificações técnicas dos interfaces de rede da PT Comunicações Interface de Acesso a Circuitos Dedicados Digitais a 64Kbit/s e Nx64Kbit/s Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2004.01.20 Página

Leia mais

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL um cap tulo capítulo visão geral 3 5 6 14 Índice visão geral informações sobre a tecnologia ADSL seleção de protocolo e de driver recursos instalação do modem ECI USB ADSL instalação do drive ADSL USB

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta Como funciona o sinal DSL INTRODUÇÃO: A Linha Digital de Assinante, conhecida por DSL, do inglês Digital Subscriber Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/9 3.0. Versão.

TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO Ethernet - Interface Utilizador-Rede 1/9 3.0. Versão. 1/9 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 2/9 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 SEGURANÇA... 3 3 COMPATIBILIDADE ILIDADE ELECTROMAGNÉTICA (EMC)... 4 4 CARACTERÍSTICAS FÍSICAS... 4 4.1

Leia mais

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores Conexão ADSL/VDSL Redes de Computadores O que é DSL? Digital Subscriber Line é uma família de tecnologias que fornecem um meio de transmissão aproveitando a própria rede de telefonia que chega na maioria

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. COMUTAÇÃO DIGITAL / COMUTAÇÃO E CONTROLE CCC

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. INSTALAÇÃO PERMANENTE NORMA

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES GABRIELA KOCHANOWSKI DE MÉO VECTORING TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica DIRECÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LIGAÇÃO À REDE TELECOMUNICAÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica 2012-03-19 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. ESTRUTURA DO

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I ADSL Alexandre Martini Fernando Boettcher Julio Cezar Kronbauer Santa

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server

Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server Tornado 830 Annex A Tornado 831 Annex B 1 1.1 Arrancar e iniciar sessão Active o

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local Acesso telefónico analógico Transmissão digital no lacete local Acesso por modem da banda de voz Acesso G.703 - E1 Acesso básico RDIS Acesso DSL Digital Subscriber Line Mário Jorge Leitão 2 Intencionalmente

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL Este tutorial apresenta as tecnologias ADSL2 e ADSL2+ (Asymetric Digital Subscriber Line), desenvolvidas para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais

Leia mais

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line TÓPICOS INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS APLICAÇÕES O FUTURO CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Ter que aguardar por vários dias o término

Leia mais

Acessos Básicos e Primários

Acessos Básicos e Primários PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital Características Técnicas dos Interfaces Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores.

Leia mais

Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+

Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ Guia de Instalação Rápida Modem Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ (Windows XP) Funcionalidades Transmissão de dados em alta velocidade assimétrica sobre pares de cobre

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

Rede ADSL PT. Descrição de Serviço. MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 21 de maio de 2015. Data: 2015-05-21 Página 1 / 165 Versão: 38.

Rede ADSL PT. Descrição de Serviço. MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 21 de maio de 2015. Data: 2015-05-21 Página 1 / 165 Versão: 38. Rede ADSL PT Descrição de Serviço MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 21 de maio de 2015 Data: 2015-05-21 Página 1 / 165 Versão: 38.2 Conteúdo 1. Introdução... 4 2. A Internet e a Sociedade

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal Data de publicação 22.9.2008 Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal A disponibilidade das ofertas de banda larga depende da existência de centrais da rede telefónica pública comutada nas

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido MODEM ADSL 2+ Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias para a

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO 3º ANO / 2º SEMESTRE 2014 INFORMÁTICA avumo@up.ac.mz Ambrósio Patricio Vumo Computer Networks & Distribution System Group PPP - Point to Point Protocol Os acessos à Internet têm

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e 10Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente -Rede MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A. 26 de agosto de 2015

Leia mais

O CD-ROM possui um software de configuração passo a passo para o D810R.

O CD-ROM possui um software de configuração passo a passo para o D810R. GUIA DE CONFIGURAÇÃO Instalação de hardware 1. Conecte o adaptador de energia (incluso) na entrada PWR do modem e ligue-o na tomada de energia. 2. Utilize o cabo Ethernet RJ45 (incluso) para conectar a

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS 1 II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO Podemos definir ADSL como uma nova tecnologia de modems que converte os atuais pares de fios de cobre usados em telefonia, em caminhos de acesso em banda larga para

Leia mais

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada I NTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) 2.0 Página 1/5 Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada Interface de RDIS Primário (2Mb/s) Autor: DEV Aprovação: DIR Data: 2005-09-13

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

Mecanismos de tunneling PPPoE, PPPoA RFC 2516 - A Method for Transmitting PPP Over Ethernet (PPPoE) RFC 2364 - PPP Over AAL5

Mecanismos de tunneling PPPoE, PPPoA RFC 2516 - A Method for Transmitting PPP Over Ethernet (PPPoE) RFC 2364 - PPP Over AAL5 Mecanismos de tunneling PPPoE, PPPoA RFC 2516 - A Method for Transmitting PPP Over Ethernet (PPPoE) RFC 2364 - PPP Over AAL5 Segurança em Redes de Computadores Redes de Comunicação Porquê PPPoE? As formas

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet

Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Interface de Acesso a Circuitos Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet Especificação do interface Cliente-Rede Data: 2014-12-30 Página 1 / 6 Versão: 4.0 MEO Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.

Leia mais

Mecanismos de Rastreabilidade de Acessos à Internet (Junho 2008)

Mecanismos de Rastreabilidade de Acessos à Internet (Junho 2008) 87 1 Mecanismos de Rastreabilidade de Acessos à Internet (Junho 2008) Stéphanas Schaden, Gilson Marques da Silva, UNIMINAS Resumo Este artigo apresenta os mecanismos tecnológicos existentes para garantir

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1

Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 Especificações das Interfaces da Rede Fixa da Sonaecom Serviços de Comunicações, SA V1.1 MARÇO 2009 ÍNDICE ESPECIFICAÇÕES DAS INTERFACES DA REDE... 1 FIA DA SONAECOM SERVIÇOS DE... 1 COMUNICAÇÕES, SA...

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos,

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem. Márcio Luiz Soares Vidal. Uberlândia, Dezembro/2001.

Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem. Márcio Luiz Soares Vidal. Uberlândia, Dezembro/2001. Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem Márcio Luiz Soares Vidal Uberlândia, Dezembro/2001. Comunicação de alta velocidade entre computadores ADSL x Cable Modem Márcio Luiz

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso -

Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Rede Telefónica Pública Comutada - Estrutura geral: rede local ou de acesso - Uma grande parte da rede local é constituída pela infra-estrutura de cobre [fios de cobre entrelaçados (cooper twisted pair)

Leia mais

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313.

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313. O protocolo I2C 1 - Introdução O protocolo I2C ou I 2 C, também chamado IIC, foi criado para possibilitar a comunicação entre circuitos integrados com um número reduzido de fios, reduzindo o número de

Leia mais

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO Documento Metodológico Preliminar 19-08-09 1 1. Introdução No âmbito da participação do Instituto Nacional de Estatística (INE), no Grupo de Trabalho do Eurostat sobre

Leia mais

Rede ADSL PT. Descrição de Serviço. PT Comunicações. Direcção de Wholesale (DWH) 18 de Março de 2009. Rede ADSL PT - Descrição de Serviço

Rede ADSL PT. Descrição de Serviço. PT Comunicações. Direcção de Wholesale (DWH) 18 de Março de 2009. Rede ADSL PT - Descrição de Serviço Rede ADSL PT Descrição de Serviço PT Comunicações Direcção de Wholesale (DWH) 18 de Março de 2009 Data: 2009-03-18 Página 1 / 230 Versão: 29.4 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...4 2. A INTERNET E A SOCIEDADE DA

Leia mais

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis

O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis VoIP Coimbra, 16 de Setembro 2005 O VoIP como enabler do desenvolvimento da Rede de Voz da Novis Índice A rede da Novis Transmissão Rede Multi-Serviços O VoIP como tecnologia de Transporte o enabler do

Leia mais

Modelo e arquitectura do TCP/IP

Modelo e arquitectura do TCP/IP Modelo e arquitectura do / 3ª aula prática de Engenharia de Redes Resumo Introdução a protocolos de rede Protocolos comuns Introdução ao / Análise protocolar Introdução a protocolos de rede Tipos de protocolos

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Roteador ADSL Sem Fio N

Roteador ADSL Sem Fio N Roteador ADSL Sem Fio N Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

FIGURA 3.1 Transporte de dados através da tecnologia MIMO

FIGURA 3.1 Transporte de dados através da tecnologia MIMO COMUNICAÇÃO SEM FIOS 43 65 Mbps e os 600 Mbps, posicionando-se assim como a solução wireless para distribuição de conteúdos multimédia. Através do sistema MIMO (Multiple Input, Multiple Output), a área

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

IceData500. Manual do utilizador. Agosto 2004 Versão 1.1

IceData500. Manual do utilizador. Agosto 2004 Versão 1.1 IceData500 Manual do utilizador Agosto 2004 Versão 1.1 Índice Instalação dos Microfiltros... 3 Microfiltro simples...3 Microfiltro duplo...3 Instalação do Modem em Windows... 4 Estado do ícone DSL...5

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675

Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675 Perguntas mais freqüentes sobre o Cisco 675 Perguntas Introdução Como eu conecto meu PC ao Cisco 675 através da porta de gerenciamento? Como eu faço um cabo de gerenciamento para o Customer Premises Equipment

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

ção Multimidia - UniSanta

ção Multimidia - UniSanta Sistemas de Comunicaçã ção Multimidia - UniSanta xdsl X - Digital - Subscriber - Line Prof. Hugo Santana Lima 1 AGENDA Rede Pública Comutada Modem Histórico RDSI-FE HDSL SDSL ADSL VDSL Fatores Limitantes

Leia mais

Exemplos de configuração para agregação de banda larga do Cisco 7200

Exemplos de configuração para agregação de banda larga do Cisco 7200 Exemplos de configuração para agregação de banda larga do Cisco 7200 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Terminação de sessão PPPoA: xdsl para 7200

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Internet. Internet

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Internet. Internet Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar. Encontra-se disponível na página web do autor no link Publications ao abrigo da seguinte licença:

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais