Superior Tribunal de Justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Superior Tribunal de Justiça"

Transcrição

1 RECURSO ESPECIAL Nº PR (2011/ ) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : LEONILDO ISIDORO CHIARADIA ADVOGADO : ELISABETE KLAJN E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROCURADOR : CARLOS DOS SANTOS DOYLE E OUTRO(S) EMENTA AMBIENTAL. LIMITAÇÃO ADMINISTRATIVA. FUNÇÃO ECOLÓGICA DA PROPRIEDADE. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. MÍNIMO ECOLÓGICO. DEVER DE REFLORESTAMENTO. OBRIGAÇÃO PROPTER REM. ART. 18, 1º, DO CÓDIGO FLORESTAL de REGRA DE TRANSIÇÃO. 1. Inexiste direito ilimitado ou absoluto de utilização das potencialidades econômicas de imóvel, pois antes até "da promulgação da Constituição vigente, o legislador já cuidava de impor algumas restrições ao uso da propriedade com o escopo de preservar o meio ambiente" (EREsp /SP, Rel. Min. Eliana Calmon, Primeira Seção, DJe ), tarefa essa que, no regime constitucional de 1988, fundamenta-se na função ecológica do domínio e posse. 2. Pressupostos internos do direito de propriedade no Brasil, as Áreas de Preservação Permanente e a Reserva Legal visam a assegurar o mínimo ecológico do imóvel, sob o manto da inafastável garantia constitucional dos processos ecológicos essenciais e da diversidade biológica. Componentes genéticos e inafastáveis, por se fundirem com o texto da Constituição, exteriorizam-se na forma de limitação administrativa, técnica jurídica de intervenção estatal, em favor do interesse público, nas atividades humanas, na propriedade e na ordem econômica, com o intuito de discipliná-las, organizá-las, circunscrevê-las, adequá-las, condicioná-las, controlá-las e fiscalizá-las. Sem configurar desapossamento ou desapropriação indireta, a limitação administrativa opera por meio da imposição de obrigações de não fazer (non facere), de fazer (facere) e de suportar (pati), e caracteriza-se, normalmente, pela generalidade da previsão primária, interesse público, imperatividade, unilateralidade e gratuidade. Precedentes do STJ. 3. "A obrigação de reparação dos danos ambientais é propter rem" (REsp /SP, Rel. Min. Luiz Fux, Primeira Turma, DJe ), sem prejuízo da solidariedade entre os vários causadores do dano, descabendo falar em direito adquirido à degradação. O novo proprietário assume o ônus de manter a preservação, tornando-se responsável pela reposição, mesmo que não tenha contribuído para o desmatamento. Precedentes" (REsp /MG, Rel. Min. Castro Meira, Segunda Turma, DJ ; em igual sentido, entre outros, REsp /PR, Rel. Min. Franciulli Netto, Segunda Turma, DJ ; REsp /PR, Rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, DJ ; EDcl no Ag /SP, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, DJe ; AgRg no REsp /SP, Rel. Min. Humberto Martins, Segunda Turma, DJe ; AgRg nos EDcl no Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 1 de 29

2 REsp /SP, Rel. Min. Hamilton Carvalhido, Primeira Turma, DJe ). Logo, a obrigação de reflorestamento com espécies nativas pode "ser imediatamente exigível do proprietário atual, independentemente de qualquer indagação a respeito de boa-fé do adquirente ou de outro nexo causal que não o que se estabelece pela titularidade do domínio" (REsp /SP, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, DJe ). 4. "O 1º do art. 18 do Código Florestal quando dispôs que, 'se tais áreas estiverem sendo utilizadas com culturas, de seu valor deverá ser indenizado o proprietário', apenas criou uma regra de transição para proprietários ou possuidores que, à época da criação da limitação administrativa, ainda possuíam culturas nessas áreas" (REsp /PR, Rel. Min. Humberto Martins, Segunda Turma, DJe ). 5. Recurso Especial não provido. ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça: "A Turma, por unanimidade, negou provimento ao recurso, nos termos do voto do Sr. Ministro-Relator, sem destaque." Os Srs. Ministros Mauro Campbell Marques, Castro Meira e Humberto Martins votaram com o Sr. Ministro Relator. Não participou, justificadamente, do julgamento o Sr. Ministro Cesar Asfor Rocha. Brasília, 28 de junho de 2011(data do julgamento). MINISTRO HERMAN BENJAMIN Relator Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 2 de 29

3 RECURSO ESPECIAL Nº PR (2011/ ) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : LEONILDO ISIDORO CHIARADIA : ELISABETE KLAJN E OUTRO(S) : INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA : CARLOS DOS SANTOS DOYLE E OUTRO(S) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO HERMAN BENJAMIN (Relator): Trata-se de Recurso Especial interposto, com fundamento no art. 105, III, "a" e "c", da Constituição da República, contra acórdão assim ementado (fls , e-stj): ADMINISTRATIVO. AMBIENTAL. DANO AMBIENTAL. MULTAS. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP). RIO SANTO ANTÔNIO. LIMITAÇÃO DE USO, E NÃO DESAPROPRIAÇÃO INDIRETA. CÓDIGO FLORESTAL (LEI 4.771/65). FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE. PREQUESTIONAMENTO. 1. O recorrente intenta enquadrar a situação em comento na figura administrativa da desapropriação indireta, argumentando ser devida, por isso, a indenização pleiteada. No caso em exame, entretanto, o apelante não foi desapossado de sua propriedade, senão que apenas lhe é limitada a utilização econômica em razão da proteção ambiental. 2. O termo inicial à prescrição do pedido indenizatório não pode ser a data da cominação da multa administrativa, mas sim o fato que teria eventual ensejado a redução do proveito econômico da propriedade do apelante. Tal fato seria a entrada em vigor do Código Florestal, o qual teria, supostamente, acarretado uma desapropriação indireta (o que, como se mostrou acima, não o fez). O prazo de 5 (cinco) anos, a contar da aplicação da multa, seria referente ao prazo para o particular contestar a própria multa, e não para requerer indenização por desapropriação indireta. 3. O direito de uso da propriedade não é ilimitado, encontrando limites, inclusive, constitucionais. Deste modo, a propriedade deve atender a sua função social, conforme dispõe a Carta Magna do país, função esta que constitui direito fundamental, princípio da ordem econômica e, principalmente, critério constitucional de política agrícola, esta última revelando a função sócio-ambiental da propriedade. 4. O venire contra factum proprium não pode ser aplicado a atos genéricos, mas apenas quando da existência da contradição de dois atos específicos, realizados pelo mesmo sujeito e separados no tempo. Assim, deveria ter sido comprovado, por exemplo, um ato específico de formento, o que inexiste nos autos. Ademais, é infactível a aplicação da teoria do venire Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 3 de 29

4 contra factum proprium às modificações legislativas realizadas por um Estado, argumentando que a mudança legislativa estatal viola a moralidade administrativa. Evidentemente, é descabida a argumentação de que não é dado ao Estado proibir a degradação ambiental de hoje, caso tivesse incentivado a exploração agrícola da região há mais de meio século atrás. 5. O artigo 18, parágrafo 1º do Código Florestal de 1965 não se aplica à situação em exame. O caso não é de reflorestamento em propriedade particular, mas de desmatamento por parte de particular (imposição de sanção por uso ilícito de área de preservação permanente). Não há qualquer correlação entre a legislação invocada e a hipótese em comento, o que afasta a suposta violação à legalidade. 6. É jurisprudência pacífica nesta Egrégia Corte, inclusive nesta Colenda Turma, a possibilidade de compensação dos honorários sucumbenciais mesmo que uma das partes litigue sob o pálio da justiça gratuita. 7. Não cabe afastar a multa cominada simplesmente porque foi aplicada ao autor - o qual, teoricamente, teria maior interesse no deslinde do feito. Deve-se, isto sim, verificar apenas se os embargos foram evidentemente infundados - e, na hipótese dos autos, o fora. Segundo afirma o próprio autor, seus embargos não teriam intuito protelatório, mas sim a função de prequestionar o juízo acerca de certas matérias, consabido que o prequestionamento em primeiro grau é evidentemente infundado e, segundo o Código de Processo Civil, reputa-se litigante de má-fé precisamente aquele que provoca incidentes manifestamente infundados. 8. A existência comprovada de ilícito ambiental - perpetrado pelo proprietário particular o desmatar áreas de preservação permanente sem autorização, o que constitui violação ao artigo 4º do Código Florestal - realiza a hipótese legal à imposição de multa, certo que aquele que perpetua o ilícito ambiental também comete dano ao meio ambiente. 9. Solucionada a lide com espeque no direito aplicável, tem-se por afastada a incidência da legislação em confronto, senão pela total abstração, com as adequações de mister, resultando, assim, prequestionada, sem que isso importe sua violação. O acórdão recorrido acolheu o parecer do Procurador Regional da República Carlos Eduardo Copetti Leite, no sentido de que a situação fática não evidencia desapropriação indireta, mas mera limitação administrativa de uso trazida com o Código Florestal. Além do descabimento de indenização, ficou asseverada a prescrição do pleito. Confiram-se os seguintes excertos do voto-condutor (fls ): No caso em exame, entretanto, o apelante não foi desapossado de 'sua propriedade, senão que apenas lhe é limitada a utilização econômica em Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 4 de 29

5 razão da proteção ambiental. Da mesma sorte, não foi dada qualquer destinação pública à área do recorrente, como a torná-ia reserva ecológica ou parque ambiental. Por conseguinte, não há que se falar em "irreversibilidade do apossamento", visto que não houve apossamento algum. Mesmo que se queira considerar o caso em comento como desapropriação indireta, de qualquer forma, deveria haver, ao menos, o ato de desapropriação de fato, isto é, tornar-se o bem do particular em bem público. Tal ato, contudo, sequer ocorreu. Ao contrário, o que há, no caso presente, é apenas uma efetiva limitação de uso, a qual se, configura, justamente, pela restrição gratuita da utilização econômica do direito de usar a propriedade em função de imposição geral e de ordem pública, o que, no caso dos autos, se configura na função sócio-ambiental da propriedade consubstanciada na proibição constante no art. 4º do Código Florestal. Eis o que explana a doutrina acerca das limitações feitas pela Administração: (...) Assim, por tratar-se de limitação de ordem geral (evidenciada pela edição do Código Florestal), e não ato de desapossamento da propriedade específica do apelante, impossível tratar-se de outra coisa senão de limitação administrativa, sendo inconcebível pensar em desapropriação indireta sem um ato de desapropriação. Destarte, a limitação de uso não enseja indenização, sendo a gratuidade caraterística pertinente ao instituto. (...) Evidentemente, o termo inicial do pedido indenizatório não pode ser a data da cominação da multa administrativa, mas sim o fato que teria eventualmente ensejado a redução do proveito econômico da propriedade do apelante. Tal fato seria a entrada em vigor do Código Florestal, o qual teria, supostamente, acarretado uma desapropriação indireta (o que, como se mostrou acima, não o fez). O prazo de 5 (cinco) anos, a contar da aplicação da multa, seria referente ao prazo para o particular contestar,a própria multa, e não para requerer indenização por desapropriação indireta. A tese do direito adquirido à exploração da APP, invocada pelo proprietário, foi rechaçada nos seguintes termos (fl. 380): Argumenta o recorrente que seu pedido se fundamenta não no direito adquirido a degradar o meio ambiente, mas sim no direito ao uso da propriedade. Porém, não é convincente a argumentação. Cabe lembrar que o direito de uso da propriedade não é ilimitado, encontrando limites, inclusive, constitucionais. Deste modo, a propriedade deve atender a sua função social, conforme dispõe a Carta Magna do país, função esta que constitui direito fundamental, princípio da ordem econômicas e, principalmente, critério constitucional de política agrícola, esta última revelando a função sócio-ambiental da propriedade. Destarte, conclui-se que não pode ser considerado o direito constitucional de propriedade na utilização desta em confronto com o critério Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 5 de 29

6 consignou (fl. 381): sócio-ambiental estabelecido pela própria Constituição, qual seja: utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente. Do mesmo modo, não é mais convincente o argumento do direito adquirido de uso da propriedade, pois que este deve-se pautar, em tudo o mais, pelos preceitos acima delineados. Enfim, com relação ao art. 18, 1º, da Lei 4.771/1995, o Tribunal a quo Ocorre que, sucintamente, o dispositivo invocado não se aplica à situação em exame. O caso não é de reflorestamento em propriedade particular, mas de desmatamento por parte de particular (imposição de sanção por uso ilícito de área de preservação permanente). Não há qualquer correlação entre a legislação invocada e a hipótese em comento, o que afasta a suposta violação à legalidade. O recorrente suscita divergência jurisprudencial e violação dos arts. 2º, 8º e 18 da Lei 4.771/1965, além do art. 1º do Decreto (fls ). Em síntese, defende que: a) a APP situada em sua propriedade foi desmatada antes da entrada em vigor do Código Florestal, razão pela qual o reflorestamento enseja a indenização prevista no art. 18, 1º; b) a pretensão indenizatória não está prescrita, pois o prazo quinquenal começou a correr somente com a autuação do Ibama, ocorrida em julho/2008. (fls ). Contrarrazões às fls Parecer do Ministério Público Federal pelo não conhecimento do apelo É o relatório. Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 6 de 29

7 RECURSO ESPECIAL Nº PR (2011/ ) VOTO O EXMO. SR. MINISTRO HERMAN BENJAMIN (Relator): Cuida-se, na origem, de Ação Ordinária movida por Leonildo Isidoro Chiaradia contra o Ibama, objetivando a nulidade de auto de infração ambiental e o pagamento de indenização pelo reflorestamento da Área de Preservação Permanente app contida em sua propriedade, situada à margem do Rio Santo Antônio. O Juízo de 1º grau julgou o pedido procedente em parte apenas para afastar a multa de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) imposta com a autuação. Ambas as partes recorreram. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em acórdão relatado pelo eminente Desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, negou provimento à Apelação do autor e proveu o recurso do Ibama para, com isso, julgar totalmente improcedentes os pedidos (fls ). No Recurso Especial, o recorrente sustenta fazer jus à indenização prevista no mencionado art. 18, 1º, do Código Florestal, ao argumento de que sua propriedade já havia sido desmatada antes da sua vigência. Não lhe assiste razão. A controvérsia refere-se à Área de Preservação Permanente APP em terreno marginal de rio, que decorre diretamente da Lei 4.771/1965 (art. 2º, "a"). Conforme consta no acórdão recorrido e nas próprias razões recursais, a área qualificada como APP foi desmatada e, até a autuação engendrada pelo Ibama, em julho/2008, vinha sendo explorada economicamente. Tal situação denota a ilicitude da conduta do recorrente e, em contraposição, a legitimidade do poder de polícia ambiental questionado nos autos, não havendo falar, muito menos, em direito à indenização. 1. Propriedade e meio ambiente Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 7 de 29

8 Segundo o acórdão recorrido, "o direito de uso da propriedade não é ilimitado, encontrando limites, inclusive, constitucionais". Está corretíssimo. Em várias oportunidades, o STJ vem afastando a existência de um hipotético gozo absoluto e total do imóvel rural ou urbano, pois, antes mesmo "da promulgação da Constituição vigente, o legislador já cuidava de impor algumas restrições ao uso da propriedade com o escopo de preservar o meio ambiente" (EREsp /SP, Rel. Min. Eliana Calmon, Primeira Seção, DJe ), tarefa essa que, no regime constitucional de 1988, abaixo veremos, fundamenta-se na função ecológica do domínio e posse, que regra, na raiz, o ius utendi, fruendi, abutendi e aedificandi. Nunca é demasiado relembrar que o domínio privado jamais (exceto no período feudal, quando fraco o controle central do monarca) foi um direito absoluto, no sentido de insulá-lo e cobri-lo com o manto da intocabilidade, sobretudo em relação a limites destinados a compatibilizá-lo com o interesse da coletividade, mormente porque "o proprietário não está só no mundo (Joseph Charmont, Les Transformations du Droit Civil, Paris, Librairie Armand Colin, 1912, p. 202). Muito ao contrário, as limitações estão por toda parte, afirmava Henri Hayem aluno aplicado de Léon Duguit e ele próprio precursor da visão social da propriedade, o que, ainda na primeira década do Século XX e bem antes do surgimento do Welfare State, permitia-lhe concluir, categoricamente, que atualmente existe um direito de propriedade cercado por restrições inumeráveis, nele se devendo enxergar, pois, um direito essencialmente relativo (Henri Hayem, Essai sur le Droit de Propriété et sés Limites, Paris, Arthur Rousseau, éditeur, 1910, pp e 402, grifo no original; cf. também Rafael Bielsa, Derecho Administrativo, sexta edición, Tomo IV, Buenos Aires, La Ley, 1965, p. 371; Carlos Alberto Dabus Maluf, Limitações ao Direito de Propriedade, 2ª ed., São Paulo, RT, 2005, p. 152; Cristiane Derani, A propriedade na Constituição de 1988 e o conteúdo da função social, in Revista de Direito Ambiental, vol. 27, jul./set. 2002, p. 62). Além disso, se é o legislador que confere e assegura o direito de propriedade afinal, não se trata de concessão divina, como se defendia antigamente, compete-lhe associar ao desenho do instituto não só um conjunto de direitos, Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 8 de 29

9 prerrogativas e faculdades, como igualmente um leque, cada vez mais extenso, de pressupostos, obrigações e responsabilidades. Nessa linha de entendimento e acompanhado da mais abalizada doutrina brasileira e estrangeira, ensina Sérgio de Andréa Ferreira que a propriedade, por estar protegida na Constituição, não pode ser transformada em tábula rasa, mas seu "conteúdo não é único cabendo à lei, dentro do que a Constituição Federal dispõe, definir tal conteúdo, regular seu exercício, estabelecendo os respectivos limites", pois a situação do titular de um direito, posta nesses termos, é estatutária, regulamentar, e, assim, modificável por lei que substitua a anterior. Não há, pois, imutabilidade em questão de poderes, de faculdades (O Direito de Propriedade e as Limitações e Ingerências Administrativas, São Paulo, Revista dos Tribunais, 1980, pp. 5 e 7-8, grifos no original). Incontáveis e multifacetárias mostram-se essas limitações, uma obra permanente de reescrever o direito de propriedade, que, ao oposto do que ainda pensam alguns, nada tem de novo nos sistemas jurídicos, acima indicamos. Na lição de Cunha Gonçalves, seria impossível mencionar todas as restrições da propriedade baseadas no interesse público; e a lista ficaria sempre incompleta, porque o número e a qualidade destas restrições vai sempre aumentando, mercê da incessante e multiforme intervenção do Estado nas atividades econômicas particulares, por efeito das crises dos nossos tempos" (Tratado de Direito Civil, vol. XI, Coimbra, Coimbra Editora, 1936, p. 218). Logo, ao juiz contemporâneo não devem impressionar as reclamações saudosistas dos que ainda insistem em defender uma visão extremada do direito de propriedade, posição que, no Brasil, qualquer estudante de Direito afirmará ultrapassada desde, pelo menos, a Constituição de 1934 e, com maior ênfase, a de Prevalece hoje a postura de que o dono só é senhor da terra na medida do respeito às aspirações estabelecidas em favor de toda a coletividade e das gerações futuras, entre as quais ganha crescente realce a proteção do meio ambiente. Uma espécie de contrato socioecológico coletivo e intergeracional, como novo marco do direito de propriedade, o único compatível com o paradigma ambiental, que, nota o Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 9 de 29

10 magistral Ricardo Luis Lorenzetti, representa, para os indivíduos, um sistema em que predominam os deveres e limites a direitos em razão da proteção que demanda o bem coletivo (Teoria Del Derecho Ambiental, Buenos Aires, La Ley, 2008, p. 11, grifei). Na época atual, por conseguinte, já não há espaço, nem desculpa, para o Judiciário se omitir, dificultar ou obstar a implementação da legislação ambiental, acima de tudo a florestal; a um, porque os danos causados e a serem causados são, amiúde, de natureza irreversível e, não raro, catastróficos (como demonstram, nas grandes cidades brasileiras, enchentes e deslizamentos recorrentes, com lastimável perda de vidas humanas e incalculáveis prejuízos materiais); a dois, porque o conhecimento acerca do valor da biodiversidade e do seu desaparecimento é copioso e inquestionável; a três, porque aí estão tecnologias e métodos capazes de conferir índole sustentável à exploração dos recursos naturais; finalmente, porque o juiz brasileiro do Século XXI é convocado a aplicar não um conjunto de diplomas exóticos, desatualizados, funambulescos e sem apoio nas referências histórico-culturais do País, mas um microssistema legal coerente, de origem e índole constitucional, que vocaliza, de modo impositivo, a transição de um Direito de danos para um Direito de riscos (sobre os pilares dos princípios da prevenção, precaução e in dubio pro natura) e da propriedade-especulação para a propriedade-função, tomando de empréstimo a terminologia tão antiga quanto atual de Léon Duguit (Les Transformations Générales du Droit Privé Depuis le Code Napoléo n, Paris, Librairie Félix Alcan, 1920, p. 150), função essa que, consoante a Constituição de 1988, além de social, é igualmente ecológica. A legislação ambiental, inspirada e autenticada assim pela função ecológica da propriedade (derivação técnica e ampliação ética da função social), refreia o costume ou a pretensão do máximo e ilimitado aproveitamento do solo, prática herdada do laissez-faire e legitimada, mais de fato do que de direito, pela passividade histórica, quando não conivência contra legem, das autoridades públicas, aí incluindo-se o Judiciário. No microssistema jurídico-ambiental, preocupou-se, pois, o legislador em dar um basta naquilo que Helita Barreira Custódio descreveu como "delinqüência generalizada sob alegações de direito absoluto, exclusivo ou Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 10 de 29

11 especulatório da propriedade" (Limitações à propriedade revestida de vegetação, in Revista de Direito Civil, Ano 7, jul./set. 1983, p. 107). Os benefícios advindos da tutela ambiental são, realmente, de todos e para todos, favorecendo, inclusive e amiúde, direta ou indiretamente, os que se dizem vítimas da intervenção do legislador e administrador. De fato, nem mesmo o proprietário ou possuidor rural mais relapso, retrógrado ou insensível negará ser imperioso buscar compatibilizar a legítima atividade econômica (agropecuária, florestal, de silvicultura, imobiliária, minerária, turística, etc.) com a conservação dos recursos naturais, particularmente em época de mudanças climáticas, de desaparecimento veloz e abrangente de espécies da flora e da fauna, de erosão e degradação do solo, e de esgotamento quantitativo ou qualitativo dos recursos hídricos. Sob esse enfoque, no ordenamento jurídico brasileiro pós 1988, o ius utendi, o ius fruendi, o ius abutendi, o ius aedificandi e a desinente prerrogativa de desmatamento da vegetação nativa dividem o núcleo duro ou imanente do direito de propriedade com outros valores e interesses de índole coletiva e solidarista, constitucional e legalmente salvaguardados. Aqueles, extirpados de sua essência (ou aparência) de intocabilidade, compõem agora uma zona de potencialidades-reserva do direito de propriedade, expectativas deste derivadas, é certo, mas que, para virarem elas próprias direitos-plenos, dependem de manifestação, expressa e complementar, do legislador ou do administrador, tanto na maneira e tempo do seu exercício, como nos cuidados reclamados e condicionantes ordenados. Como já observado em outra oportunidade (REsp /SC, DJe ), nos atuais regimes jurídicos, os imóveis - rurais ou urbanos - transportam finalidades múltiplas (privadas e públicas, inclusive ecológicas), o que faz com que sua utilidade econômica não se esgote em um único uso, no melhor uso e, muito menos, no mais lucrativo uso. Conforme a ordem constitucional-legal brasileira, não se garante ao proprietário e ao empresário o máximo retorno financeiro possível dos bens privados e das atividades exercidas. A admitir-se a hipótese inversa, ilícito seria, no campo urbanístico, preceituar recuo dos prédios, vedar usos, limitar a altura acima Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 11 de 29

12 de um dado gabarito, prescrever a limpeza e conservação da fachada das casas, determinar a disposição adequada das águas paradas, impor a observância de certas características ou padrões arquitetônicos nos edifícios, exigir a construção de escada de incêndio. Limite, em tal ótica da máxima exploração e irrestrito benefício econômico da propriedade, só o do céu, da engenharia, da lei da gravidade e da vontade do titular. Tudo isso significa, como magnificamente indicado por Henri Heyem, atrás referido, que existe uma propriedade social, que pesa sobre a propriedade privada como o domínio eminente pesa sobre o domínio útil, ou seja, um patrimônio social colocado a disposição de cada um e de todos, e acumulado pelas gerações anteriores, para o maior bem das gerações futuras (Ob. Cit., pp. 402 e 423, grifos no original). Especificamente a respeito da flora, o próprio Código Florestal de 1965 se encarrega de dizer que "As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se os direitos de propriedade, com as limitações que a legislação em geral e especialmente esta Lei estabelecem" (art. 1, caput, grifei). Aí está um dos exemplos mais expressivos de densificação, no ordenamento brasileiro, da função ecológica da propriedade e do princípio da solidariedade intra e intergeracional. 2. Natureza jurídica das Áreas de Preservação Permanente (APP) e da Reserva Legal Nas Áreas de Preservação Permanente (APPs) e na Reserva Legal afigura-se uma genuína limitação administrativo-ambiental ao direito de propriedade (cf., p. ex., Nicolao Dino, ao dizer que se cuida de "limitação administrativa de caráter compulsório", Proteção Jurídica do Meio Ambiente I - Florestas, Belo Horizonte, Del Rey, 2003, p. 215; com idêntico ponto de vista, cf., dentre outros, Ana Maria de Oliveira Nusdeo, A compensação de Reserva Legal através de contrato de arrendamento e os incentivos à proteção florestal, in Revista de Direito Ambiental, n. Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 12 de 29

13 48, 2007, p. 31; Guilherme José Purvin de Figueiredo, A Propriedade no Direito Ambiental, 2ª ed., Rio de Janeiro, ADCOAS, 2005, p. 212). Pela ótica dos instrumentos de Direito Ambiental, os dois institutos incluem-se na categoria dos "espaços territoriais especialmente protegidos em sentido amplo ou lato sensu", na exata terminologia proposta por Édis Milaré (Direito do Ambiente: A Gestão Ambiental em Foco, São Paulo, RT, 2007, p. 690). É próxima e inseparável a vinculação entre limitações de interesse público e função social da propriedade, não obstante os doutrinadores do Direito Público muito terem procurado acentuar que esta última não deveria ser confundida ou equiparada àquelas. Na verdade, tem-se aí um autêntico continuum de incidência sobre o direito de propriedade, dois institutos que, no fundo, se encontram, dogmática e pragmaticamente, na generalidade de incidência e na finalidade de interesse público, valores comuns que os fundamentam e os legitimam. Em tal ótica, é como prius político-metodológico, além de ético-jurídico, que a função social dialoga com as limitações ambientais ao direito de propriedade. A função social (e a ecológica) fortalece e satisfaz o paradigma das limitações ao uso e gozo do direito de propriedade, de origem civilista, agregando às imposições negativas classicamente a elas atreladas todo um arcabouço de deveres positivos, dirigidos a conformar o domínio aos interesses da coletividade. Daí que, em vez de incompatibilidade entre os dois institutos, funcionam eles ou devem funcionar de forma coordenada. Esse casamento recente prática e metodologicamente forçoso consolida-se no momento em que o Código Civil brasileiro, autodeclarado guardião das limitações privadas ou públicas ao exercício do direito de propriedade (a velha fórmula do direito de construir, repetida no atual Código Civil, salvo o direito dos vizinhos e os regulamentos administrativos, art ), incorpora, sem reservas, a função social da propriedade ( O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais, art , 1º). A caracterização das APPs e Reserva Legal como limitação administrativa deve ser apreendida em duplo sentido. Entende-se por limitação administrativa a) os controles prescritos (isto é, instituídos ou densificados) pelo Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 13 de 29

14 administrador, bem como b) aqueles que, embora minuciosamente prescritos e descritos pelo legislador, inclusive o constitucional, são executados, implementados ou fiscalizados por órgãos do Poder Executivo. No terreno ambiental, exemplo daquela modalidade de limitação administrativa são as APPs do art. 3º do Código Florestal de 1965 ("quando assim declaradas por ato do Poder Público ", grifei, ato esse que cabe não apenas ao administrador singular, mas igualmente a órgãos colegiados, como o Conama e os Consemas), bem assim a Reserva Legal decretada em percentual superior ao mínimo legalmente reclamado (acima de 20% ou 80%, conforme a região do País); da última, cabe citar a Reserva Legal em seu percentual mínimo e APPs do tipo da Mata Ciliar e das encostas com inclinação acima de 45 graus, disciplinadas no art. 2º da mesma lei. Naquela primeira hipótese, administrativa mostra-se, simultaneamente, a prescrição concreta (com base em parâmetros gerais ou abertos, dispostos na Constituição ou leis) e a execução específica do instrumento; na segunda, diversamente, a qualificação administrativa faz referência tão só à implementação, aplicação ou fiscalização (= execução) dos limites, quando à Administração reserva-se a tarefa de efetivar e reclamar os padrões mínimos, precisa e vinculativamente assentados pelo legislador; aqui o administrador, em verdade, não inova, no sentido amplo da expressão, na ordem jurídica, pois seu controle administrativo circunscreve-se à cobrança do cumprimento, pelo particular, da pré-conformação proferida ex lege. Diante dessas limitações preordenadas, de maneira fechada, pelo legislador, à Administração basta aplicá-las, fiscalizá-las e cobrá-las, administrativa ou judicialmente. São casos em que, para usar a precisa lição de Celso Antonio Bandeira de Mello, "a limitação já vem assinalada de modo inarredável na lei" (Curso de Direito Administrativo, 21ª ed., São Paulo, Malheiros, 2006, p. 778). É, em síntese, limitação que de administrativa só apresenta o fato de operar na ponta final do processo de regulação do uso da propriedade e do controle da atividade econômica (= execução). No presente, muito do que se encontra no conteúdo dos instrumentos de Direito Ambiental aplicável ao domínio privado (a Reserva Legal e as APPs, mas Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 14 de 29

15 também certas categorias de Unidades de Conservação, como a APA Área de Proteção Ambiental e até mesmo o licenciamento ambiental) deriva de acertamento que se faz, em maior ou menor medida, não no plano do exercício da função administrativa, estritamente falando, mas, sim, em pré-arranjos instituídos na lei e, mais valioso até, na Constituição. Vale dizer, à luz desses pré-arranjos, no universo das limitações ambientais, ao paradigma da legalidade agregou-se o paradigma da constitucionalidade, esteado na função ecológica da propriedade e na garantia do mínimo ecológico. O resultado é que ao administrador agora incumbe, como dever-poder, a proteção ambiental em bases mais sólidas, ricas e complexas. Sua atuação deixa de constituir simples e insegura derivação da cláusula constitucional/legal difusa de atribuição a ele de um poder de polícia genérico para zelar pela "ordem pública", inclusive pelos recursos naturais, caminho que se lhe facultava trilhar, quando assim entendesse apropriado, ao limitar o exercício do direito de propriedade urbana e rural. Tamanha a contaminação, com licença da palavra, do ordenamento pelo paradigma da função ecológica da propriedade que a nova civilística, editada sob a influência do constitucionalismo do Estado Social, a abraça expressamente. Confira-se, a propósito, o Código Civil de 2002 (art , 1, grifei): O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. De todo o dito, fica o seguinte: no regime da Constituição de 1988, limitação administrativa e função social (e ecológica) não mais convivem em mundos dogmáticos à parte, separadas uma da outra, atrás referimos. São clientes de uma mesma fonte a norma constitucional de desenho da propriedade e da ordem econômica e apoiam-se em único macroargumento ético-político, a persecução do interesse público das presentes e futuras gerações, vale dizer, a realização dos objetivos maiores e supraindividuais da comunidade, sob o fundamento da dignidade Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 15 de 29

16 da pessoa humana (art. 1º, III) e o amparo do princípio da solidariedade (art. 3º, I). Agora aprisionadas num programa constitucional renovado e minucioso de introdução do solidarismo intra e intergeracional nas relações entre proprietários, posseiros, a sociedade e os nossos descendentes, as limitações administrativas passam a incorporar, preservadas a roupagem e a terminologia antigas, um novo papel, de porta-voz pontual e concreto de função social ou ecológica diluída, expressão de um pacto ético-jurídico sustentado não mais em doutrina ou dispositivos esparsos do Código Civil, mas na própria Constituição nacional. É a função social que se exterioriza nas limitações administrativas e são, simultaneamente, as limitações administrativas que se interiorizam na função social. 3. Modalidades de limitações administrativas no Direito Ambiental Limitação administrativa é a técnica jurídica de intervenção estatal, em favor do interesse público, nas atividades humanas, na propriedade e na ordem econômica, com o intuito de discipliná-las, organizá-las, circunscrevê-las, adequá-las, condicioná-las, controlá-las e fiscalizá-las. Sem configurar desapossamento ou desapropriação indireta, a limitação administrativa opera por meio da imposição de obrigações de não fazer (= non facere), de fazer (facere) e de suportar (pati), e caracteriza-se, normalmente, pela abstração da previsão primária (= aplicabilidade genérica aos que se encontrem numa determinada situação ou posição jurídica), utilidade pública (= benefícios uti universi, isto é, a toda a coletividade ou a parte significativa dela), imperatividade (= cumprimento obrigatório), unilateralidade (= dispensa de anuência do regulado e de reciprocidade de deveres, diferentemente do que se dá com as limitações de vizinhança) e gratuidade (= inindenizabilidade da constrição, resultado da falta de acréscimo material nos bens do Estado, ou da utilidade econômica que lhe é prestada como tal, não se protegendo, em via imediata, interesse individualizado de pessoa física ou jurídica, visto que de ordem social os benefícios de sua realização Esses aspectos não passaram despercebidos por Hely Lopes Meirelles, Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 16 de 29

17 para quem limitação administrativa é toda imposição geral, gratuita, unilateral e de ordem pública condicionadora do exercício de direitos ou de atividades particulares às exigências do bem-estar social (Direito Administrativo Brasileiro, 18ª edição, atualizada por Eurico de Andrade Azevedo, Délcio Balestero Aleixo e José Emmanuel Burle Filho, São Paulo, Malheiros, 1993, p. 537). Note-se que, na definição acima, os dois núcleos das limitações administrativas, anteriormente indicados, vêm bem discriminados a prescrição e a execução de controles das atividades humanas e direitos a elas associados, aspectos que melhor serão analisados adiante. Nela ainda se realça o fato de que o mecanismo incide por igual sobre a atividade do próprio Estado, que, no campo ambiental, é multifacetária. Para ficar em uns poucos exemplos colhidos da jurisprudência, cite-se a construção de estradas, portos, hidrelétricas, aeroportos, conjuntos habitacionais, presídios, equipamentos de saneamento e outros empreendimentos públicos, mormente os de infraestrutura. Releva ainda acentuar que, no Direito Ambiental, não se espere encontrar limitações administrativas ajustáveis plena e perfeitamente ao molde ou matriz tradicional, inaptidão essa que se observa igualmente no empréstimo que a disciplina faz de outros institutos do Direito Administrativo, como as licenças e autorizações. Se, já consignamos, as limitações administrativas imobiliárias normalmente se apresentam, no regime constitucional de 1988, como exteriorização ou concretização de pressupostos intrínsecos do direito de propriedade e da posse, no caldo da função social e ecológica, parece óbvio que seu perfil teórico-dogmático se afasta, como concepção jurídica, do modelo sob o qual se desenvolveu, ou seja, o Estado liberal ou do laissez-faire. Como acima indicado, forçoso, pois que seja por amor à clareza do raciocínio jurídico, separar, de um lado, o estabelecimento administrativo de limitação ao direito de propriedade ou à atividade econômica, e, do outro, a execução administrativa de limitação legal ao direito de propriedade ou à atividade econômica. Naquela situação, o legislador se atém a dar a hipótese genérica e deixa ao Poder Público a possibilidade de ajustá-la, em juízo ad hoc, conforme as circunstâncias, Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 17 de 29

18 necessidades e peculiaridades do fato concreto, diante de contingências comuns à mutabilidade e à complexidade do interesse público, o que pode levá-lo a ampliar o grau de intervenção na atividade econômica (pense-se, mais uma vez, nas APPs do art. 3º do Código Florestal de 1965, e na Reserva Legal exigida administrativamente acima do mínimo legal). Já na limitação administrativa ambiental de execução, atrás citado, ao administrador, tecnicamente falando, não se conferem, como se fora atribuição da obra ao seu criador, poderes amplos naquilo que já é, anteriormente, desenhado ponto a ponto pelo legislador. Melhor dito, não se limita - nem precisa limitar-se - administrativamente o que já está constitucional ou legalmente limitado; aí, o que se requer é execução (= implementação e fiscalização) dos controles estabelecidos pelo legislador. E se do administrador não se espera função prescritiva, limitação administrativa, na acepção mais ampla do termo, não é. Administrativo aqui não se reporta à gênese ou à fonte direta da limitação, mas à autoridade que a executa. A limitação, nesses casos, também poderá ser denominada de administrativa (e, corriqueiramente, o é), mas não por autoria do desenho, tão só por controle externo, circulação individualizada e implementação concreta do marco preestabelecido alhures. Nesse contexto, bem recorda Maria Sylvia Zanella di Pietro que, "embora muitas das normas legais limitadoras de direitos individuais sejam de caráter constitucional, penal, eleitoral, é à Administração Pública que cabe o exercício dessa atividade de restrição ao domínio privado, por meio do poder de polícia fundado na supremacia do interesse público sobre o particular" (Direito Administrativo, 20ª ed., São Paulo, Atlas, 2007, p. 117, grifei). Se assim é, pode-se afirmar, em síntese, que, no nosso Direito Ambiental (para não dizer no Direito Administrativo como um todo), encontramos limitações administrativas de prescrição e limitações administrativas de execução. Naquelas, a Administração atua para densificar controles normativos genéricos da explorabilidade e dos usos da propriedade, ou de organização das atividades humanas. Nestas, a limitação só é administrativa no "controle do controle", por assim dizer, ou seja, na implementação e fiscalização de parâmetros rígidos e fechados assinalados na lei, que, Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 18 de 29

19 de maneira prévia e inequívoca, instrui e delimita o direito de propriedade e o exercício das atividades humanas. Em tais casos, cumpre à Administração, na observação de Celso Antonio Bandeira de Mello, "o poder-dever de assegurar-lhe o respeito, fiscalizando sua observância e impedindo-lhe a transgressão" (Ob. Cit., p. 778). Ou, na lição de Odete Medauar, exercer o poder de polícia pelo "controle da observância das prescrições e a imposição de sanções em caso de desatendimento" (Direito Administrativo Moderno, 11ª ed., São Paulo, RT, 2007, p. 334). A limitação administrativa de prescrição, no Direito Ambiental, como não poderia deixar de ser, deriva remotamente dos pressupostos intrínsecos do direito de propriedade e da posse, trazidos a lume ex vi legis no bojo do "direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado" assegurado a todos, do princípio da "defesa do meio ambiente" a ser observado pela "ordem econômica", da garantia do mínimo ecológico afiançador da diversidade biológica, e da "função ecológica da propriedade", sofisticação pós-moderna da função social do domínio e de seus consectários (arts. 225, 170, VI, e 186, II, da Constituição Federal, respectivamente). Assim, a função social e a função ecológica da propriedade servem de sustentáculo à limitação administrativa de prescrição (= estabelecimento pelo administrador de limitação ao direito de propriedade ou à atividade econômica), pois delas deflui, em última análise, a competência legítima para o Poder Público identificar e concretizar a configuração interna minimamente estabelecida pelo legislador para o direito ou atividade, respeitados, sempre, os princípios da legalidade, da razoabilidade e da proporcionalidade. Com razão, pois, Guilherme José Purvin de Figueiredo quando, de maneira certeira, abandona as amarras do modelo tradicional e aponta que "o princípio da função social da propriedade assegura a legitimidade das intervenções administrativas de caráter ambiental que resultam na limitação do exercício pleno do direito de propriedade" (Ob. Cit., p. 92, grifei). Desse quadro próprio do nosso Direito Ambiental derivam pelo menos três consequências inafastáveis. Primeiro, nas limitações administrativas ambientais, não se está diante de mera atuação exclusiva sobre as condições de exercício do direito de propriedade, aí se encontrando similitude com outras situações em que, como Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 19 de 29

20 lembram Eduardo García de Enterría e Tomás-Ramón Fernández, define-se "a extensão do conteúdo normal do direito, com o que são algo mais que uma verdadeira limitação ou compressão de seu exercício" (Curso de Derecho Administrativo, vol. II, Madrid, Thompson/Civitas, 2004, p. 108). Segundo, sob o influxo e convergência da função social (art. 5, XXIII) e da função ecológica (Constituição Federal, arts. 170, VI, e 186, II) da propriedade e da atividade econômica, nas limitações administrativas ambientais se observa a presença de deveres tanto de abstenção como de atuação e de suportar. Um direito de propriedade com contraprestações do titular, individuais (direitos de vizinhança) e coletivas, em favor das presentes e futuras gerações. E, finalmente, a essas limitações administrativas e aos ônus ambientais em geral se atribui a natureza de obrigação propter rem, isto é, daquelas que aderem ao título de domínio ou posse, questão que mais à frente melhor se analisará. administrativa ambiental 4. Generalidade da previsão e dos beneficiários da limitação As Áreas de Preservação Permanente e a Reserva Legal, nos termos da legislação, são limitação ambiental que se aplica a todos os sujeitos que se encontram em uma dada posição jurídica: proprietários e posseiros de terras. Portanto, a norma que a estatui objetiva alcançar imóveis (e pessoas) indeterminados, mesmo que determináveis. Por isso se diz que se trata de referência legal de cunho abstrato ou geral - como a própria lei e normas administrativas o são -, embora sua aplicabilidade se dê, no caso concreto, com as variações determinadas pelo status ecológico do imóvel (p. ex., o administrador pode concluir que, havendo no terreno espécie ameaçada de extinção, a Reserva Legal não ficará restrita ao seu mínimo legal). Esse o primeiro ângulo da generalidade. Um outro significado de generalidade desperta o instituto, além do fato de os destinatários do ônus não se acharem pré-identificados com nome e sobrenome. Os benefícios também se dirigem a sujeitos indeterminados, uti universi, ou seja, Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 20 de 29

21 encerram propósito de ordem geral ou interesse comum. Aspecto que não passou despercebido ao legislador constitucional, quando previu que o "dever" de proteger e defender o meio ambiente ecologicamente equilibrado é exercido em favor das "presentes e futuras gerações" (art. 225, caput). Logo, não se cuida de vantagens individuais ou estatais, nem mesmo puramente coletivas. Levadas às últimas consequências, isto é, na perspectiva planetária, são universais ou da humanidade, intra (gerações presentes) e intergeracionais (gerações futuras). Interesse mais geral ou público, impossível. O próprio Código Florestal de 1965 se encarrega de esclarecer que "As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se os direitos de propriedade, com as limitações que a legislação em geral e especialmente esta Lei estabelecem" (art. 1, grifei), dispositivo anterior à Constituição de 1988, mas com ela em notável sintonia, no qual essa generalidade dos beneficiários é, de maneira pleonástica, duplamente ressaltada, primeiro com o "interesse comum" e, em seguida, com a expressão "a todos habitantes do País" (Helita Barreira Custódio, Art. Cit., p. 102). A questão se põe também no Direito comparado. Na mesma trilha teórica, Michel Prieur anota que "um mesmo espaço florestal é patrimônio de toda uma série de titulares diferentes" (Ob. Cit., p. 320). Mesmo que de domínio privado, as florestas e vegetação nativa interessam à universalidade dos brasileiros e, percebidas no seu conjunto como megabiomas (pense-se no gigantismo da Amazônia), também beneficiam cada habitante do Planeta, tendo em vista que vários serviços ecológicos globais delas dependem - o clima e a biodiversidade mundiais, p. ex., para ficar naqueles que mais despertam a atenção. Em síntese, a própria lei se encarrega de marcar, no seio do universo dos bens reconhecidos pelo Direito, uma identidade peculiar para as florestas e demais formas de vegetação, o que lhes confere natureza jurídica especial e, em consequência, as submete a regime dominial sui generis, suficiente para distingui-las da propriedade do solo, das águas, do subsolo e da fauna. Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 21 de 29

22 5. Reflorestamento obrigatório das APPs Importa salientar que, ao passo que conceituou e delimitou as APPs, o Código Florestal de 1965 estabeleceu o dever do proprietário de proceder ao florestamento ou reflorestamento das áreas correspondentes, com a possibilidade de intervenção do Poder Público na hipótese de sua inércia (art. 18). In verbis: Art. 18. Nas terras de propriedade privada, onde seja necessário o florestamento ou o reflorestamento de preservação permanente, o Poder Público Federal poderá fazê-lo sem desapropriá-las, se não o fizer o proprietário. 1 Se tais áreas estiverem sendo utilizadas com culturas, de seu valor deverá ser indenizado o proprietário. 2º As áreas assim utilizadas pelo Poder Público Federal ficam isentas de tributação. O 1º acima transcrito, invocado pelo recorrente, previu a indenização do proprietário apenas quando as áreas estivessem sendo cultivadas no momento da entrada em vigor da limitação administrativa trazida pelo Código Florestal, em 1965, sem embargo do dever de recuperação ambiental. Tal norma de transição não afasta a ilicitude da exploração da área a partir de então, tampouco confere suporte à pretensão do recorrente, de ser indenizado pela redução do aproveitamento econômico de sua propriedade em virtude da legislação ambiental. Nesse sentido, cito precedente da Segunda Turma do STJ: AMBIENTAL E PROCESSUAL CIVIL. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. POSSIBILIDADE DE REFLORESTAMENTO POR PARTE DO PODER PÚBLICO SEM DESAPROPRIAÇÃO. TRANSFERÊNCIA DOS CUSTOS AO PROPRIETÁRIO. OBRIGAÇÃO PROPTER REM. INDENIZAÇÃO DO ART. 18, 1º, DO CÓDIGO FLORESTAL. REGRA DE TRANSIÇÃO. CULTIVOS APÓS A CRIAÇÃO DA APP. CONDUTA ILÍCITA NÃO INDENIZÁVEL. DISCUSSÃO SOBRE A PRESCRIÇÃO PREJUDICADA. 1. O Código Florestal, em seu art. 18, determina que, nas terras de propriedade privada onde seja necessário o florestamento ou o reflorestamento de preservação permanente, o Poder Público Federal poderá Documento: Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJe: 11/09/2012 Página 22 de 29

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0372.09.046531-4/001 Númeração 0465314- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Peixoto Henriques Des.(a) Peixoto Henriques 11/06/2013 14/06/2013 EMENTA:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.258 - PR (2009/0008836-2) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA : VALDEZ ADRIANI

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.453 - MT (2010/0118311-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : VIVO S/A ADVOGADO : SACHA CALMON NAVARRO COELHO RECORRIDO : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.371.922 - SP (2013/0060257-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : DENISE FERREIRA DE OLIVEIRA CHEID E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.423.457 - PR (2013/0400739-4) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : ZR IMPORTAÇÕES LTDA ADVOGADOS : CRISTIANO LISBOA YAZBEK E OUTRO(S) FERNANDO SOLÁ SOARES TAILANE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO EXERCIDO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS. COMPROVAÇÃO POR MEIO DE FORMULÁRIO PRÓPRIO. POSSIBILIDADE ATÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 716.939- RN(2005/0005605-5) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECORRIDO : SIBRA EMPREENDIMENTOS S/A ADVOGADO : RAULINO SALES SOBRINHO E OUTRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 908.764 - MG (2006/0268169-1) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : MUNICÍPIO DE SANTA LUZIA ADVOGADO : JOSÉ RUBENS COSTA E OUTRO(S) RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.046.929 - RS (2008/0077453-0) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS EMBARGANTE : CRISTAL FORM INDUSTRIA E COMERCIO DE EMBALAGENS LTDA ADVOGADO : EDISON FREITAS DE SIQUEIRA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 919.527 - SP (2007/0014498-9) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL REPDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS AGRAVADO : TRANS-TERRALHEIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 426.242 - RS (2013/0370295-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. COFINS. EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS. MAJORAÇÃO DA ALÍQUOTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 106.421 - SP (2009/0126372-1) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA : MARCO ANTÔNIO OLIVA AGRAVADO : CAIO CÉSAR FERRACIOLI FERREIRA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.255.823 - PB (2011/0129469-7) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : DESTILARIA MIRIRI S/A

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 897.205 - DF (2006/0235733-6) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : VOLKSWAGEN LEASING S/A - ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : VINICIUS OLLIVER DOMINGUES MARCONDES E OUTROS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.191.881 - RJ (2010/0080549-7) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : RECOMEX REPRESENTAÇÃO E COMÉRCIO EXTERIOR LTDA ADVOGADO : ALBERTO DAUDT DE OLIVEIRA E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.079.644 - SP (2008/0172654-7) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON RECORRENTE : VELLOZA GIROTTO E LINDENBJOM ADVOGADOS ASSOCIADOS S/C ADVOGADO : LUIZ EDUARDO DE CASTILHO GIROTTO E OUTRO(S)

Leia mais

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES EMENTÁRIO DE TEMAS: Direitos Reais: direitos reais x direitos pessoais; obrigações propter rem LEITURA OBRIGATÓRIA CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 575.590 - RS (2003/0130567-7) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADOR : LUCIANA MABILIA MARTINS E OUTROS RECORRIDO : BANCO DO BRASIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 468.333 - MS (2002/0108270-6) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : GILBERTO EIFLER MORAES E OUTRO(S) RECORRIDO : LEODARCY DA SILVA ANGELIERI

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 403.750 - SP (2013/0327430-1) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO OG FERNANDES : COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO - SABESP

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 750.290 - MG (2015/0180435-4) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE : LÍDER TÁXI AÉREO S/A - AIR BRASIL ADVOGADOS : ANDRÉIA SANGLARD ANDRADE RESENDE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.064.596 - SP (2008/0122681-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO LTDA AGRAVANTE : FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO AGRAVADO :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : ONDREPSB LIMPEZA E SERVIÇOS ESPECIAIS LTDA ADVOGADO : IVAR LUIZ NUNES PIAZZETA E OUTRO(S) AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : ANGELA T GOBBI ESTRELLA

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009) OJN PFE-IBAMA 20/2010 - suspensa

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009) OJN PFE-IBAMA 20/2010 - suspensa PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Legislação aplicável Lei 12.651/12 Decreto 7.830/12 IN MMA 02/2014 (CAR) IN IBAMA 12/2014 (6 de Agosto) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.284.145 - RS (2011/0227462-5) RELATORA : MINISTRA DIVA MALERBI (DESEMBARGADORA CONVOCADA TRF 3a. REGIÃO) RECORRENTE : JAIME ODACI HEMMING ADVOGADO : DANIEL FERNANDO NARDÃO E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.340.604 - RJ (2012/0141690-8) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : ESTADO DO RIO DE JANEIRO : ALEX CORDEIRO BERTOLUCCI E OUTRO(S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.353.891 - RJ (2012/0109074-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : FUNDAÇÃO REDE FERROVIÁRIA DE SEGURIDADE SOCIAL - REFER ADVOGADO : ANDRÉA PICCOLO BRANDÃO E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 89.695 - RS (2011/0212549-1) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ISS. BASE DE CÁLCULO. SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO RECORRIDO : MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : WALDNER F DA SILVA INTERES. : MANOEL ALVES FERRASOL : MARCO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 37.688 - MG (2012/0080829-7) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : JOEL JORGE DAMASCENO ALVES E OUTRO ADVOGADO : HÉLIO SILVA DA COSTA E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça : UNIMED DE ARAÇATUBA - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO EMENTA PLANO DE SAÚDE. INADIMPLÊNCIA DO SEGURADO SUPERIOR A 60 (SESSENTA) DIAS. NOTIFICAÇÃO PRÉVIA. RESCISÃO UNILATERAL. POSSIBILIDADE. 1. A rescisão

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.847 - RJ (2008/0099222-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : TEREZINHA FUNKLER : LÍDIA MARIA SCHIMMELS E OUTRO(S) : BANCO

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : SIAM ALIMENTOS LTDA E OUTRO : MARCELO DE LIMA CASTRO DINIZ E OUTRO(S) EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 627.970 - RJ (2004/0015047-6) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - ICMS - IMPORTAÇÃO - DESEMBARAÇO ADUANEIRO - COMPROVANTE DE RECOLHIMENTO, ISENÇÃO OU NÃO-INCIDÊNCIA

Leia mais

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS.

DECISÕES» ISS. 3. Recurso especial conhecido e provido, para o fim de reconhecer legal a tributação do ISS. DECISÕES» ISS INTEIRO TEOR. EMENTA. TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS. EXISTÊNCIA DE DOIS CONTRATOS: O DE COMPRA E VENDA E O DE EMPREITADA. CARACTERIZAÇÃO DE FATO GERADOR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 893.145 - PB (2006/0218478-3) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON PROCURADORES : MARIA CLÁUDIA GONDIM CAMPELLO E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO - IMPOSTO SOBRE A RENDA - REDUÇÃO DE 50% DO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.094.735 - PR (2008/0223408-4) RELATOR : MINISTRO FRANCISCO FALCÃO RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : ADELSON BARBOSA DOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 976.125 - SP (2007/0182780-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito civil. Lei 9.656/98. Demissão, sem justa causa, de aposentado que participou, por mais de dez anos, de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.189.173 - AC (2010/0066643-5) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE RIO BRANCO PROCURADOR : JOSENEY CORDEIRO DA COSTA E OUTRO(S) RECORRIDO : IMOBILIÁRIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.111.189 - SP (2009/0030752-0) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : THEREZA SANTOS GALO E OUTROS ADVOGADO : LEONARDO ARRUDA MUNHOZ E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 777.906 - BA (2005/0144695-7) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO JOSÉ DELGADO : ADALTRO FERRERA DE SOUZA : YOLANDA SANTOS DE SANTANA E OUTROS : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.293 - RS (2011/0252417-2) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL PROCURADOR : LARISSA RAYMUNDI E OUTRO(S) RECORRIDO : ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

Jurisprudência/STJ - Acórdãos Processo. Relator(a) Órgão Julgador. Data do Julgamento. Data da Publicação/Fonte. Ementa

Jurisprudência/STJ - Acórdãos Processo. Relator(a) Órgão Julgador. Data do Julgamento. Data da Publicação/Fonte. Ementa Processo REsp 1188289 / SP RECURSO ESPECIAL 2010/0058499-2 Relator(a) Ministro HERMAN BENJAMIN (1132) Órgão Julgador T2 - SEGUNDA TURMA Data do Julgamento 14/08/2012 Data da Publicação/Fonte DJe 13/12/2013

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 467.878 - RJ (2002/0127403-7) RELATOR : MINISTRO RUY ROSADO DE AGUIAR EMENTA RESPONSABILIDADE CIVIL. Hospital. Santa Casa. Consentimento informado. A Santa Casa, apesar de ser instituição

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A criação de área de proteção ambiental e o dever estatal de indenizar Bruno Quiquinato Ribeiro* A partir de um exemplo prático de intervenção estatal na propriedade, qual seja a

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.039.784 - RS (2008/0055814-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : CORCEL CORRETORA DE SEGUROS LTDA ADVOGADO : JOSÉ FRANCISCO SASSONE EDOM RECORRIDO : FAZENDA NACIONAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.420.880 - PE (2011/0125824-8) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL AGRAVADO : ACUMULADORES

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR. 1. Como e quais são os requisitos para a instituição de uma unidade de conservação?

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR. 1. Como e quais são os requisitos para a instituição de uma unidade de conservação? RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Aula nº 01 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR Questões dissertativas AGU/Procurador Federal 2ª Fase/2010 (*) Unidades de Conservação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.291.738 - RS (2011/0116562-4) RECORRENTE RECORRIDO : JORGE FERNANDES FLOR : ANDRÉ FERNANDES ESTEVEZ E OUTRO(S) : BRASIL TELECOM S/A : CAROLINA DUARTE VENDRUSCOLO E OUTRO(S) RELATÓRIO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 996.613 - ES (2007/0244394-3) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PROCURADOR : RAFAEL INDUZZI DREWS E OUTRO(S) RECORRIDO : COLATINA DIESEL LTDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 817.534 - MG (2006/0025288-1) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : EMPRESA DE TRANSPORTE E TRÂNSITO DE BELO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 628.046 - MG (2004/0007362-1) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA RECORRENTE : TASK SOFTWARE LTDA ADVOGADO : JOSÉ FRANCISCO DE OLIVEIRA SANTOS E OUTROS RECORRIDO : ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 342.463 - SC (2014/0101370-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : IPB CORRETORA DE SEGUROS LTDA : RAPHAEL DOS SANTOS BIGATON

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.144.840 - SP (2009/0184212-1) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ISABEL MARTINS FAVERO E OUTRO : EDILSON PEDROSO TEIXEIRA : ASSOCIACAO AUXILIADORA DAS CLASSES

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0)

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : PATRÍCIA VARGAS LOPES E OUTROS RECORRIDO : OSTRA OBRAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.451.602 - PR (2014/0100898-3) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : MTD COMÉRCIO LTDA ADVOGADOS : CHRISTIANO MARCELO BALDASONI CRISTIANO CEZAR SANFELICE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.536.854 - PR (2015/0134414-8) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : PHILIP MORRIS BRASIL S/A ADVOGADOS : MARCELO REINECKEN DE ARAUJO FÁBIO BASSO BARICHELLO RAFAEL DE PAULA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.190.426 - SP (2010/0068750-3) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA : JOÃO FERNANDO ALVES

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.282.124 - RJ (2011/0171614-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : UNIÃO : GERSON DA CONCEIÇÃO : GERSON DA CONCEIÇÃO (EM CAUSA PRÓPRIA) E OUTROS DECISÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.434.491 - MG (2012/0121695-4) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : LAPA INCORPORAÇÕES EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS E SERVIÇOS S/A ADVOGADO : RAIMUNDO FREITAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 97.253 - MT (2011/0227337-3) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE CUIABÁ PROCURADOR : JOSÉ ADELAR DAL PISSOL E OUTRO(S) AGRAVADO : VEGA CONTABILIDADE

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO Nº 1.095.369 - SP (2010/0052887-7) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : BANCO ITABANCO S/A ADVOGADO : LUIZ EDUARDO DE CASTILHO GIROTTO E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento.

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento. A intimação do contribuinte por edital e o protesto da dívida tributária à luz da A constituição da dívida ativa tributária e não tributária do Município pressupõe a inscrição do crédito tributário e não

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO IMPOSTO DE RENDA SOBRE VERBAS INDENIZATÓRIAS TRÂNSITO EM JULGADO FAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE LEVANTAMENTO DE DEPÓSITO POSSIBILIDADE. 1. Reconhecida, por

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. INDISPONIBILIDADE DE BENS E DIREITOS DO DEVEDOR. ARTIGO 185-A DO CTN. NECESSIDADE DE ESGOTAMENTO DE DILIGÊNCIAS PARA LOCALIZAÇÃO DE BENS DO DEVEDOR.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI PROCURADORES : CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO DEYSI CRISTINA DA 'ROLT E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. DECLARAÇÃO DO DÉBITO PELO CONTRIBUINTE (DCTF).

Leia mais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei Federal Processo nº: 2006.72.95.000841-0 Origem: Seção Judiciária de Santa Catarina Requerente: Paulo Luiz Kleinert e Outros Advogado: Edson Flavio Cardoso

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.194.905 - PR (2010/0090634-1) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA RECURSO ESPECIAL MATRÍCULA EM ESTABELECIMENTO PÚBLICO DE ENSINO CRITÉRIO DE GEORREFERENCIAMENTO PONDERAÇÃO INTERPRETAÇÃO

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO JORGE SCARTEZZINI EMENTA PROCESSO CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - NEGATIVA DE PROVIMENTO - AGRAVO REGIMENTAL - SEGURO - ALEGAÇÃO DE DOENÇA PRÉ-EXISTENTE - MÁ-FÉ - REEXAME DE PROVA SÚMULA

Leia mais