CONEXÃO DE PEQUENA CENTRAL TERMOELÉTRICA EM CONFIGURAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA EM DERIVAÇÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONEXÃO DE PEQUENA CENTRAL TERMOELÉTRICA EM CONFIGURAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA EM DERIVAÇÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 CONEXÃO DE PEQUENA CENTAL TEMOELÉTICA EM CONFIGUAÇÃO DE GEAÇÃO DISTIBUÍDA EM DEIVAÇÃO NA EDE DE DISTIBUIÇÃO Sérgio I. Gomes 1, Carlos E.Laurindo 2, Paulo. Paraíso 3, Cid M.G. Andrade 3 1 Engº Eletricista, Mestre em Engª Química, Copel - Companhia Paranaense de Energia, Maringá-P, 2 Engº Eletricista - Companhia Paranaense de Energia, Curitiba-P, 3 Engºs Químicos, Doutores, Prof. DEQ-UEM - Departamento de Engª Química, Universidade Estadual de Maringá - P, s: 4º Congresso Internacional de Bioenergia e Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias enováveis 18 a 21 de agosto de 2009 ExpoUnimed Curitiba e Teatro Positivo Curitiba - P esumo A introdução da geração distribuída no sistema elétrico de potência (SEP) apresenta-se como uma alternativa estratégica para o desenvolvimento do setor energético brasileiro. A adequada localização das fontes de geração distribuída e a configuração de sua conexão são aspectos importantes para majorar as vantagens e minorar os impactos restritivos em sua utilização, já que a filosofia do sistema de distribuição existente foi projetada, para uma única fonte de energia elétrica: a subestação da concessionária. A configuração radial é o método de conexão tradicional adotada para fontes geradoras ao sistema elétrico, mesmo na geração distribuída. Este trabalho refere-se a um projeto piloto para conexão de uma pequena central termoelétrica a biomassa e, apresenta-se como uma experiência nova para avaliação dos impactos na geração distribuída, utilizando um método de conexão alternativa, a de conexão em derivação na rede de distribuição. Abstract Connection of a Small Central Thermoelectric in Distributed Generation System in Tap Derivation in the Distribution Network The inserting of distributive generation in the electric power system (EPS), it is presented as a strategic alternative to the development of Brazil s energetic sector. The convenient localization of the generation sources and the connection configuration are important aspects for improvement the advantages and decrease the restrictive impacts in its utilization, since the idea of the distribution system was projected for just one source of electric energy: the concessionaire s substation. The radial configuration is the traditional connection method assumed for generating sources to electric system, even in the distributive generation. This work refers to the pilot project for connection of a small central thermoelectric from biomass and, that is presented as a new experimentation to the assessment of the impacts in the method of alternative connection, such as the tap connection in the distribution network. INTODUÇÃO: Normalmente a conexão de pequenas centrais termoelétricas (PCTs) a partir da biomassa, em especial àquelas integradas à indústria sucro-alcooleira é realizada radialmente por meio de linhas de transmissão em tensões típicas do sistema de subtransmissão, conforme o nível de potência de geração e das características da rede de distribuição regional existente. O aquecimento global e a iminência da crise pela exaustão dos combustíveis fósseis são desafios reais colocados à humanidade. Essa situação traduz-se também em oportunidade para a conquista de uma matriz energética renovável e, dentro dessa realidade o Brasil diferencia-se dos demais países do planeta, pelo seu potencial, cujas características lhe possibilitam um grande desenvolvimento, no sentido de tornar-se não somente um país capaz de dotar-se de uma matriz energética renovável, mas também que a desenvolva e a aperfeiçoe com práticas sustentáveis, a exemplo da geração distribuída e a melhoria de sua aplicação prática.

2 Nesse sentido a adoção da geração distribuída apresenta-se como uma decisão estratégica dentro do sistema energético brasileiro, que precisa ser aperfeiçoada, pois a filosofia do atual sistema elétrico de potência baseia-se e assim foi estruturada para a conexão de grandes gerações e o sistema de distribuição foi projetado para uma única fonte de geração: a subestação de energia da concessionária. Nesse novo contexto, as concessionárias distribuidoras devem mudar sua postura em relação à auto-geração, eliminando barreiras e restrições existentes, fruto de concepções ultrapassadas do planejamento do setor elétrico para promotoras da implementação de recursos e alternativas tecnológicas de geração distribuída. É com essa visão que a Copel, concessionária de distribuição, desenvolve o presente projeto piloto em parceria com um acessante, gerador independente de energia. A própria regulamentação da geração distribuída, já contou com a colaboração de importantes companhias de energia elétrica, entre as quais a Copel, em projetos anteriores, a exemplo do projeto piloto desenvolvido na Fazenda Columbari em São Miguel do Iguaçu em parceria entre a Itaipu Binacional, a Copel, a Sanepar, o Lactec e a Fundação PTI. Foi também com base em projetos pilotos como esse que, a ANEEL regulamentou a geração distribuída, orientada pelas Leis 10848/2004 e pelo Decreto Lei 5163/2004 com a edição da resolução 247/2006 sobre a contratação da geração distribuída no mercado livre. No projeto piloto de São Miguel do Iguaçu, o objetivo era a conversão de metano em energia elétrica dentro de um programa de eficiência energética da fonte geradora com a venda de excedente de energia à Copel. Além desse objetivo outras pretensões daquele projeto eram: viabilizar a micro-cogeração de energia e romper os limites da geração distribuída, a redução de nutrientes orgânicos, geradores do fenômeno da eutrofização do reservatório de Itaipu, a redução dos gases geradores de efeito estufa, a implantação do conceito de eficiência energética e ambiental nas cadeias produtivas do agronegócio, a recuperação de energia em usos marginais e consolidar critérios de pagamento por serviços ambientais. Os critérios gerais estabelecidos pelo Decreto 5.163, de 30 de julho de 2004, para a geração distribuída, são os seguintes: 1) O instrumento para a contratação é uma chamada pública promovida diretamente pelo agente de distribuição, desde que obedecidos determinados requisitos. 2) Os custos de aquisição de energia elétrica contratados pelo agente de distribuição, a título de geração distribuída, serão repassados aos seus consumidores finais até o limite do V Valor de eferência ($ 69,98/MWh. 3) Considera-se Geração Distribuída, a produção de energia elétrica proveniente de empreendimentos conectados diretamente no sistema elétrico de distribuição do comprador, exceto: hidrelétricas com capacidade instalada superior a 30 MW e termelétricas, inclusive de cogeração, com eficiência energética inferior a 75%. 4) Termelétricas que utilizem biomassa ou resíduos de processo como combustível não estão limitados ao percentual de eficiência energética. O presente trabalho apresenta a implementação de mais um projeto piloto, que deverá contribuir com o aperfeiçoamento da geração distribuída com novos estudos e avaliação de seu sistema de operação da rede de distribuição, quando o assunto é a configuração de conexão de tais fontes de geração distribuída à rede de distribuição, inclusive com um patamar de potência na faixa de unidades ou dezenas de MW. O projeto piloto apresentado consiste na conexão em derivação à rede de distribuição pré-existente, apenas e tão somente, com adequações nos sistemas de proteção, controle, automação e comunicação, sem a construção de novos ativos de conexão. Nesse estudo, retratamos as características da solução implementada, seu sistema de proteção, automação e comunicação utilizados, aspectos energéticos, fonte primária utilizada, as características físicas dos equipamentos utilizados e os cuidados necessários. A pequena central termoelétrica em questão constitui-se numa usina de cogeração de energia, cuja característica principal é oferecer maior rendimento energético por meio do aproveitamento compartilhado entre energia térmica e elétrica. Termoelétricas que operam de forma dedicada à geração de energia elétrica, tem rendimentos energéticos menores que plantas em cogeração. No caso da usina da localidade do projeto, verificava-se o excedente de biomassa, na forma de bagaço de cana, capaz de ser convertido em energia elétrica, que representaria uma geração adicional imediata e permanente

3 durante o período de safra da ordem de 2MW de energia elétrica firme. O potencial nominal de projeto é de 8,0 MW em etapas posteriores. OBJETIVOS: O propósito do presente trabalho é dar ciência do projeto piloto implementado pela Copel em parceria com a Usina Santa Terezinha de Terra ica, Paraná, no sentido do desenvolvimento de um aprendizado novo, qual seja, o da conexão de pequena central termoelétrica em derivação na rede de distribuição de 34,5kV, sem alteração das características da referida rede, apenas e tão somente com a adoção de uma nova sistemática para os sistemas de proteção, automação e comunicação entre peças da rede de distribuição e da fonte de geração distribuída em questão. O segundo, mas não menos importante objetivo, é possibilitar a avaliação desse arranjo tecnológico, de tal forma a propiciar a evolução do conhecimento setorial com novas e interessantes possibilidades de conexão. EVISÃO BIBLIOGÁFICA: Na rede de distribuição, a introdução da geração distribuída gerou estudos e análises, tais como a análise dos impactos da geração distribuída no perfil de tensão de regime permanente de redes de distribuição de energia elétrica [1]. Muitos outros estudos devem ser desenvolvidos e avaliados, a exemplo de análises envolvendo perdas, estabilidade de tensão, estabilidade transitória, níveis de curto-circuito, etc. Segundo o estudo citado, que como ressalta o autor é baseado em um sistema elétrico sustentado em dados reais, os resultados obtidos e apresentados permitem determinar as condições de operação do gerador distribuído para o sistema elétrico analisado. Considerando apenas o perfil de tensão do sistema, a melhor condição de operação se apresentou no estudo, quando o gerador opera controlando a tensão terminal em 1,0 p.u. e fornece potência ativa acima de 7,5 MW, de forma a garantir que o fator de potência se manterá dentro dos limites estabelecidos pela concessionária de energia elétrica. O estudo concluiu também que, quando o gerador distribuído opera controlando a tensão terminal, existe o risco dos limites do fator de potência serem violados, pois o gerador pode fornecer ou absorver potência reativa em excesso. Assim, segundo a referência citada por Vieira Junior [1], os geradores são usualmente operados para manter fator de potência unitário [2], porém, o estudo de Vieira Junior mostrou que é possível operar controlando a tensão terminal e contribuindo para a melhoria do perfil de tensão da rede, sem violar os limites de fator de potência. Com vistas à implantação do projeto piloto por parte da concessionária, foi elaborado um parecer técnico pelo setor de planejamento da distribuição de 34,5kV, ligado ao departamento de planejamento e proteção da engenharia da distribuição [3], que pode ser resumida nas seguintes considerações: Como considerações iniciais, apresentou-se um histórico no qual visualizava-se a conexão radial em 138kV, com a potência de geração informada de 20MW, mas considerava-se uma geração excedente máxima de 8,0 MW. Apresentou-se a configuração do sistema de distribuição existente e da filosofia do sistema de proteção concebido para um sistema radial, ou seja, com apenas uma fonte de contribuição de curto-circuito. Desenvolveu-se uma análise de possibilidades, contendo estudos de aspectos dos níveis de tensão e carregamento das redes, análise da proteção para os aspectos de segurança e continuidade de serviço, realizando análise de perdas, custo das obras e custo total para diversas considerações de configurações para conexão em diferentes arranjos, quais sejam: Paranavaí (alternativa 1), Terra ica (Alternativa 2), derivação da linha Guairaçá-Terra ica com a construção de uma linha expressa de 6,5km (alternativa 3) e, derivação com a configuração pré-existente (alternativa 4). Entre os riscos da concessionária apontados pelo parecer técnico acerca da configuração adotada seria a possibilidade da ocorrência de descoordenações entre os elos fusíveis dos ramais e dos disjuntores de consumidores industriais com os religadores das saídas de subestações, pois o estudo de coordenação dos ajustes dos equipamentos na maioria das vezes não atende as duas condições, com e sem usinas ligadas no alimentador. A concessionária não tem como controlar as operações de entrada e saída do sistema de geração dos acessantes. Isto gera aumento do DEC (duração equivalente dos faltas aos consumidores) e FEC (frequência equivalente das faltas) do alimentador e do conjunto de consumidores com possível incidência de multa pela ANEEL. Todas as configurações foram estudadas apenas na condição de regime permanente e apresentam diferentes naturezas de restrições, tais como violação dos patamares admissíveis para os níveis de tensão, falta de um controle eficiente de tensão de geração, riscos de perdas, entre outros. O parecer final sob o aspecto de tensão e carregamento do parecer técnico foi a de que a alternativa 1 é a mais segura sob vários aspectos. A alternativa 3 é a de menor custo global e, apontava a necessidade de se realizar estudos mais detalhados com relação a transitórios e estabilidade de operação de bancos de reguladores de

4 tensão. Por parte do acessante deverá estar ciente do baixo desempenho do sistema de 34,5 kv, principalmente para as alternativas 2, 3 e 4, e que este desempenho poderá refletir em funcionamento problemático para a operação de sua planta e redução de vida útil do sistema de geração de energia. O estudo não considerou aspectos de automação, o que significaria reflexos em custos adicionais. Como um parecer final, o estudo indicava a alternativa 1, mas admitia a possibilidade de outra alternativa, especialmente em caráter provisório, desde que acrescida a um sistema de controle de entradas e saídas de geradores do alimentador e indicava que não poderia-se aceitar a ausência de um sistema de proteção por transfer trip e que na ausência de sinal de comunicação, o sistema gerador seja desconectado automaticamente. MATEIAL E MÉTODOS: O dimensionamento e definição acerca do incremento na geração distribuída, que gerou um contrato de médio prazo entre a usina e o poder concedente para a faixa de 2MW, baseia-se em dados de rendimentos de biomassa pela área cultivada, que pode ser estimada a partir da média histórica da produtividade e demais características produtivas. O presente projeto foi integralmente implementado com materiais, equipamentos e instalações fornecidos ou executados pela usina proprietária da pequena central termoelétrica tanto em suas próprias instalações quanto nas subestações da concessionária. Todas as alterações ou adequações no sistema de proteção, controle, automação e comunicação foram realizadas para atender o interesse da usina e, portanto, por ela custeadas. Assim, para a execução dessas atividades, a usina contratou empreiteiras habilitadas, responsáveis pela execução das instalações de acordo com um cronograma de obra definido conjuntamente entre concessionária e usina. À concessionária cabe a operação e manutenção das instalações realizadas, conforme estabelecem as regulamentações pertinentes. As equipes de técnicos e engenheiros da concessionária das áreas de operação e manutenção da rede de distribuição são também responsáveis pela realização da recepção e comissionamentos das instalações e equipamentos, bem como pelo acompanhamento da execução das adequações necessárias nos sistemas de proteção e automação à nova filosofia com a geração distribuída. A Figura 1 mostra a malha da rede de distribuição da Copel da região noroeste do estado. As linhas e subestações em vermelho são de 13,8kV e as azuis são instalações em 34,5kV. FFi iigg uur raa 11: :: eeddee ddee ddi iis st ttr ri iibbuu iiççããoo i ddaa reeggi r iiããoo nnoor rooees st ttee ddoo ees st ttaaddoo ddoo PPaar raannáá FFi iigg uur ree 11: :: NNeet ttww oor rkk ddi iis st ttr ri iibbuu tti tiioonn oof f tthhee t nnoor rt tthhwwees st tteer rnn reeggi r iioonn oof f ttee t PPaar raannáá sts ttaat ttee

5 As Figuras 2 e 3 mostram o segmento dessa rede, a qual encontra-se conectada em derivação a usina em questão entre subestações da localidade de Guairaçá e Terra ica na região centro-norte do estado. USINA STA TEEZINHA SE/TEA ICA SE/GUAIAÇÁ FFi iigg uur raas s 22 ee 33: :: ccoonneexxããoo ddaa uus si iinnaa eemm ddeer ri iivvaaççããoo nnaa reeddee r ddee ddi iis st ttr ri iibbuu iiççããoo i FFi iigg uur rees s 22 aanndd 33: :: ccoonnnneecct tti iioonn oof f tthhee t uus si iinn iinn i ttaapp t ddee rir iivvaat tti iioonn iinn i tthhee t ddi iis st ttr ri iibbuu tti tiioonn nneet ttww oor rkk A Figura 4 apresenta esquematicamente, a configuração inicial, em que a subestação Paranavaí, representa a fonte em 138kV (em vermelho) e as subestações Guairaçá e Terra ica, cargas em 34,5kV (em azul). Mostra também a carga representada pela Usina conectada em derivação na linha de distribuição. Verifica-se o sentido unidirecional do fluxo de carga proveniente da fonte para as subestações de carga. A Figura 5 apresenta a mesma configuração com a usina operando como geração distribuída. Verifica-se que foram inseridos nesse diagrama dois religadores, um na derivação do trecho entre Guairaçá e Terra ica e outro na fonte de geração distribuída. O sentido do fluxo de carga já não é mais unilateral da subestação Paranavaí para as subestações de carga. USINA STA TEEZINHA SE/TEA ICA USINA STA TEEZINHA 2 MW SE/TEA ICA SE/GUAIAÇÁ SE/GUAIAÇÁ SE/PAANAVAÍ SE/PAANAVAÍ FFi iigg uur raa 44: :: FFl lluuxxoo ddee ccaar rggaa uunni iiddi iir reecci iioonnaal ll FFi iigg uur ree 44: :: uunni iiddi iir reecct tti iioonnaal ll llooaadd l flf llooww FFi iigg uur raa 55: :: FFl lluuxxoo ddee ccaar rggaa bbi iiddi iir reecci iioonnaal ll FF iigg i uur ree 55: :: bbi iiddi iir reecct tti iioonnaal ll llooaadd l flf lloo ww Com relação à condição inicial da usina, constituída por numa pequena central termoelétrica, que já reunia todas as características para entrar em operação como um gerador distribuído com capacidade para exportar 2,0 MW para comercialização, conforme as normativas do sistema, a mesma operava como carga do ponto de vista do sistema de distribuição. Os religadores utilizados são da marca Cooper modelo tradicional utilizado nos circuitos alimentadores das subestações de distribuição. Na usina foi retirado de operação um quadro de proteção e instalado um novo sistema, que consiste das seguintes proteções:

6 Função de Proteção 78: elé de perda de sincronismo (out-of-step-tripping). Evita a operação do gerador distribuído de forma ilhada (perda de sincronismo com a rede de distribuição). Função de Proteção 27: elé de subtensão. Verifica a falta de tensão. Função de Proteção 59: elé de sobretensão. Previnir contra sobretensão, evitando danos aos equipamentos dos consumidores. Função de Proteção 81: elé de freqüência. Verifica a manutenção da frequência de operação de 60 Hz dentro de uma faixa de variação admissível. Função de Proteção 46: elé de seqüência negativa. Verifica o equilíbrio de fases. Função de Proteção 32: elé diferencial de potência. Verifica a perda de potência. Função de Proteção 50/51: elés de sobrecorrente instantâneo e temporizado. A principal preocupação do projeto é eliminar a possibilidade da operação ilhada do gerador distribuído alimentando cargas sem sincronismo com o sistema interligado. Porisso, qualquer que seja a atuação de proteção em qualquer ponto da rede de distribuição desde a fonte em 138kV (SE/Paranavaí) até a SE/Terra ica, sempre deverá haver a abertura da usina com a retirada em operação por meio de um sistema de comunicação adequada. Para essa finalidade foram instalados conjuntos de TPs (transformadores de potencial) nos seguintes segmentos da rede de distribuição: 1) Saída do alimentador Terra ica na subestação Guairaçá; 2) Saída do alimentador Guairaçá na subestação de Paranavaí; 3) Derivação do trecho entre Guairaçá e Terra ica, local em que encontra-se conectada a usina. 4) Barra de 34,5kV da subestação Guairaçá; Assim, com a monitoração de tensão em quatro pontos da rede de distribuição, qualquer que seja a subtensão observada por algum TP, ocorre o comando de desligamento, chamado transferência de trip para a usina. Outra função de proteção é o envio de um sinal de trip no sentido inverso, ou seja, na eventual falta no gerador distribuído, situação em que deverá ocorrer a abertura do religador na derivação do trecho Guairaçá-Terra ica, deverá ser enviado um sinal por um canal de comunicação no sentido usina-derivação de trecho. Qualquer que seja a situação deve ser monitorada pela operação da concessionária por meio de um sistema de automação e comunicação. As adequações nos sistemas de proteção nas subestações de Paranavaí e Guairaçá incluem os seguintes componentes: Um CLP (controlador lógico programável) para a verificação das condições de estado necessárias para a transferência de trip para usina (presença de tensão de barra 34,5kV e nas saídas dos alimentadores nas subestações, normalidade das condições operativas dos transformadores, entre outras). São utilizados alguns relés de proteção e relés auxiliares e, um sistema de modens para comunicação subestação-usina e usinasubestação. O sistema de comunicação utilizado para a transferência de trip para a usina também diferencia-se dos sistemas de comunicação tradicional por meio da utilização de um canal de comunicação da companhia telefônica (Brasil Telecom). Normalmente o sistema de comunicação utiliza canais dedicados por fibra ótica. Na ocorrência de falta de tensão na saída do alimentador Guairaçá na subestação Paranavaí, haverá o envio de um sinal de trip para a usina. Da mesma maneira, se for observada a falta de tensão na saída do alimentador Terra ica na subestação Guairaçá ou ainda no barramento dessa subestação. Os ajustes desse sistema de proteção foram definidos e executados pela concessionária, dentro de padrões tradicionais, considerando os parâmetros da rede de distribuição. Pelo sistema de automação da concessionária será possível monitorar algumas grandezas do sistema de proteção da usina, tais como as funções de proteção 78, 27, 50, 51, 59, 81 e possível transferência de trip proveniente da PCT. Entre os testes realizados pelas equipes da Copel, constam:

7 A verificação da transferência de trip para a usina nas subestações e na derivação por atuação de todas as condições de proteção em que se verifiquem anormalidades, entre os quais, destacamos: 1) Atuação de proteção dos transformadores na SE/Paranavaí; 2) Subtensão na barra de 34,5kV nas SEs/Paranavaí e Guairaçá; 3) Testes de proteção direcional nas SEs/Paranavaí e Guairaçá; 4) Falta de tensão na linha Guairaçá-Terra ica; 5) Falta de tensão nas saídas dos alimentadores Guairaçá na SE/Paranavaí e Terra ica na SE;Guairaçá. Foi também instalado um sistema de medição de fronteira na usina, conforme padrões adotados e monitorados pelas duas empresas (concessionária e usina), entre as quais foi estabelecido um contrato na forma de Carta- Acordo, que prevê os aspectos operativos e de manutenção. ESULTADOS: O projeto piloto encontra-se em fase de implantação com entrada em operação em paralelo com o sistema da rede de distribuição previsto para o início do mês de agorto de Embora antes da entrada efetiva em operação, seja prematuro listar resultados trazidos pelo projeto, pode-se afirmar que o mesmo poderá contribuir grandemente na análise de grandezas elétricas do sistema da rede de distribuição, tais como a análise nas diversas condições de carga (leve, média e máxima) acerca da estabilidade operativa, impactos na tensão das subestações envolvidas, limites do fator de potência, definição de parâmetros de interesse de política pública para configuração de conexões de geradores distribuídos, etc. CONCLUSÕES: a) O projeto piloto apresentado e implementado é importante para a avaliação operacional e definição de parâmetros diversos acerca da configuração de conexão do gerador distribuído à rede de distribuição. b) A configuração de conexão em derivação na rede de distribuição apresentado pelo projeto piloto apresenta vantagens em relação a configuração tradicional radial, pela simplicidade e economia na execução do projeto. c) O modelo de configuração apresentado, pode também representar em medidas de mitigação de impactos ambientais, pela desnecessidade de construção de redes de distribuição ou de transmissão adicionais, limitando-se a utilizar a própria rede de distribuição pré-existente, sem a construção de novos ativos de conexão. d) Com base nos indicativos e estudos preliminares utilizados para a implementação do projeto piloto, o mesmo mostra-se viável em diversos aspectos e com boas possibilidades de utilização. EFEÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS: [1] José Carlos de Melo Vieira Junior, Sex, 17 de Outubro de 2008, Impacto da Geração Distribuída no Perfil de Tensão de egime Permanente de edes de Distribuição de Energia Elétrica. [2] N. Jenkins,. Allan, P. Crossley, D. Kirschen, e G. Strbac. Embedded Generation. The Institute of Electrical Engineers (IEE), [3] Parecer Técnico Conexão da Usina de Açúcar e Álcool Sta Terezinha Terra ica no Sistema de Subtransmissão em 34,5kV; Copel SED-Superintendência da Engenharia da Distribuição/DPP Departamento de Planejamento e Proteção/SPLA34 Setor de Planejamento da Distribuição 34,5kV,

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL ESTUDOS E REQUISITOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL ESTUDOS E REQUISITOS ELÉTRICOS 1 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL ESTUDOS E REQUISITOS ELÉTRICOS Alternativa: criar mecanismo que motive os proprietários das fontes poluidoras (em propriedades rurais, agroindústria e esgotos

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição

Leia mais

VII CIERTEC QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS

VII CIERTEC QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS Tema: QUALIDADE DA ENERGIA: TECNOLOGIA Autores: ELOI RUFATO JUNIOR Department

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO

LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO LINHA DE RELÉS PEXTRON PARA REDE SUBTERRÂNEA PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO AUTOR Henrique Florido Filho Redes 2012 1 Visão da empresa Empresa Brasileira Fundada em 1968 (45 anos), dedica-se ao projeto, fabricação

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

A Regulação da Conexão ao Sistema

A Regulação da Conexão ao Sistema Painel 2: Aspectos Regulatórios em Pauta para Fontes Alternativas A Regulação da Conexão ao Sistema João Mello - Presidente Fontes Alternativas Conexão A conexão de fontes alternativas possuem características

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e consta dos Anais do VI Congresso de Inovação

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo GE Digital Energy Power Quality Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo 2 Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo Conjuntos de Manobra em Paralelo A ligação em paralelo é uma operação,

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 INTRODUÇÃO: Trata-se de um projeto piloto de geração distribuída com energia solar, no qual a CEB Distribuição

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN Eng. Elves Fernandes da Silva COSERN elves.silva@cosern.com.br

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALESSANDRO FREDERICO SILVESTRI VINÍCIUS GARCIA TAKASAKI ANÁLISE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS)

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) 02.111-OM/EO-159 Superintendência de Engenharia e Coordenação da Operação e Manutenção da Distribuição - OM PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) REQUISITOS OPERACIONAIS

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA Equipe de Proteção e Controle - Garabi DIEGO ROBERTO MORAIS, DR. ENG. CONHECENDO O GRUPO

Leia mais

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA Este boletim aborda o acompanhamento da expansão da oferta de energia elétrica no Brasil, realizado pela equipe de fiscalização dos serviços de geração da ANEEL, e apresenta os principais resultados observados

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA. Lucas Teruo Andrade. Renan Yokogawa. Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA. Lucas Teruo Andrade. Renan Yokogawa. Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA Lucas Teruo Andrade Renan Yokogawa Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura UM ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR NO ESTADO DO PARANÁ TRABALHO DE

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL Consulta Pública 015/2010 A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central geradora distribuída, além da fonte primária

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional

A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional Presented by Juvenor Pereira da Silva Jr O Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Pessoa jurídica de direito privado, sob a

Leia mais

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado 44 Capítulo IV Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado Por Ermínio César Belverdere, Antônio Paulo da Cunha, Plácido

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.003 2ª Folha 1 DE 17 23/10/2008 HISTÓRICO

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais