REPRESENTAÇÕES DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA NA VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTAÇÕES DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA NA VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET"

Transcrição

1 1 REPRESENTAÇÕES DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA NA VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET Emilia Maria Ferreira da Silva UEFS Resumo: Este artigo tem como objetivo refletir sobre como a Família Real Portuguesa foi representada na Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, de Jean Baptiste Debret. Pretendemos identificar, a partir de três imagens iconográficas e trechos de suas respectivas descrições textuais elaboradas pelo autor, o olhar do viajante sobre a presença da corte no Brasil e a aceitação desta pela sociedade brasileira. Acreditamos que o pintor revelar seu comprometimento com o Estado português colocando muitas das suas estampas a serviço da imagem que o império buscava divulgar e cristalizar, qual seja, a de um país civilizado. É corrente que a Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, de Jean Baptiste Debret, é uma importante fonte e objeto de estudo para a produção historiográfica. Esse artigo tem como objetivo, refletir sobre representações da Família Real Portuguesa Portuguesa presentes na Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, de Jean Baptiste Debret 1. Esta obra foi publicada pela primeira vez na França, entre 1841 e 1839, como resultado das informações coletadas de pessoas e outros autores e de observações feitas em primeira mão pelo autor, durante o período em que esteve no Brasil, de 1816 á A obra é constituída de 156 pranchas, acompanhadas de textos descritivos para que, como afirma Debret, pena e pincel suprissem reciprocamente sua insuficiência mútua. 2 Buscamos identificar, a partir da iconografia e das descrições textuais que acompanham as estampas, o olhar do viajante sobre a Família Real Portuguesa, não tendo a preocupação central de realizar uma verificação da fidelidade do artista em relação a um suposto real, mas de perceber essas imagens e textos prioritariamente enquanto construções discursivas 3. O conceito de representação que utilizamos é formulado por Roger Chartier como modos como uma determinada realidade é pensada, construída, dada a ler. Para falarmos da Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil é imprescindível considerar alguns elementos da biografia de Debret e da chegada da Missão Artística Francesa em terras brasileira, que contribuíram na elaboração da obra. Na primeira metade do século XIX configura-se na Europa o império napoleônico,que teve uma influência determinante sobre todos os setores e segmentos sociais, não ficando a produção artística de fora desse processo. Ao lado do barroco estilo 1 DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Millet / apresentação de Lygia da Fonseca F. da Cunha. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia Limitada; São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, (Coleção Reconquista do Brasil. 3ª Série especial vols. 10, 11 e 12). 2 DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica..., 1989, tomo I, p CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel 1988, p. 23.

2 2 que predominou na Europa desde o século XVII até o final do século XVIII, foi destacando-se progressivamente o neoclássico e consolidando-se como arte oficial francesa quando Napoleão Bonaparte assumiu o poder no início do século XIX, expressando-se na construção dos templos, arcos e nas encomendas, aos pintores, de quadros que registrassem os feitos políticos e guerreiros do imperador. O estilo que se impunha primava entre outras características, pelo predomínio da cor e do tema histórico, entendido como os feitos políticos e guerreiros do imperador. Sugerindo ser esse o estilo que retratava a ética da Revolução como uma nova interpretação e significado, entendido como um classicismo revolucionário. A arte segundo Arnold Hauser passa a ser concebida como uma profissão de fé política,voltada para ser mais um meio de sustentação das estruturas sociais. 4 É bem conhecido que, com a expansão napoleônica, ocorreu a invasão de Portugal pelas tropas francesas, levando o monarca português D. João VI a refugiar-se na colônia brasileira. Enquanto D. João VI permaneceu no Brasil ( ) várias foram as medidas que apontam para a tentativa de adequar a colônia aos padrões europeus 5. Entre elas, estava o incentivo e ações políticas no sentido de selecionar e contratar profissionais capazes de fundar uma escola ou instituto teórico-prático de aprendizagem artística e técnico-profissional, a Imperial Academia de Belas Artes, que foi fundada em É nesse contexto desse esforço que chegou ao Brasil a Missão Artística Francesa composta pelos irmãos Taunay, um paisagista e outro estatuário; Jean B.Debret, pintor de história, Grandyean de Montigny, arquiteto; Simão de Pradier, abridor; Francisco Ovide, professor de mecânica; Joaquim Lebreton, literato e membro do Instituto da França dentre outros, no total cerca de quarenta pessoas considerando as famílias que acompanhavam os profissionais 7. Com a derrota de Napoleão em 1815 e a volta ao poder dos Bourbons, a situação dos artistas neoclássicos ligados ao ex-imperador ficou extremamente ameaçada. David exila-se na Bélgica, um exílio de acordo com Naves inevitável uma vez que... participara ativamente da revolução, tendo inclusive votado a execução de Luís XVI... 8 ; Debret, Grandjean de Montigny e outros, a convite de Joaquim Lebreton, aceitam compor a Missão Artística Francesa. Além da insegurança de permanecer na França após a queda de 4 HAUSER, Arnold. História Social da Literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, tomo II, , p SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. A fundação de uma Europa possível. In: Anais do Seminário Internacional D. João VI: Um Rei Aclamado na América. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística de Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1983, p SCHWARCZ, Lilia Mortiz. O Sol do Brasil: Nicolas-AntoineTaunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p NAVES, Rodrigo. A Forma Difícil: ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Editora Ática,1996, p. 58.

3 3 Napoleão, a morte o único filho de Debret teria sido a outra grande razão da sua saída do país. É importante situar ainda que brevemente, os fatores que favoreceram às origens e a vinda da Missão. Com base no estudo de Naves, sua organização oi resultante de uma combinação de fatores, sendo a princípio iniciativa dos artistas franceses isolados no novo governo, e contando posteriormente com a aceitação das autoridades portuguesas. Embora o governo português no Brasil tenha demonstrado todo interesse em acolher os viajantes, até a a paz européia de 1815, com a derrota de Napoleão foi desenvolvida, através da Intendência Geral da Polícia, uma política rigorosa de intolerância em relação à literatura francesa e aos franceses, para impedir a penetração, em terras brasileiras, os princípios do século das luzes. 9 Segundo Taunay, o Marquês de Marialva, embaixador extraordinário de Portugal junto à Corte de Luís XVIII e Estreiro-mor, ao ser comunicado por Lebreton, em agosto de 1815, que artistas desejavam estabelecer-se no Brasil, respondeu que... seriam todos bem acolhidos; e alcançariam terras de sesmarias. Não estava, porém, autorizado a lhes pagar a passagem Ainda segundo esse autor, em ofício datado de 27 de dezembro de 1815, o Marquês de Aguiar, encarregado de negócios, respondeu a Lebreton sobre o projeto que S.A.R. o príncipe regente viu o projeto referente aos artistas e artífices com especial agrado 11. Quanto ao governo francês, Taunay aponta que o governo de Luís XVIII não se envolveu no caso. Entretanto, segundo esse autor, o Cônsul-Geral Maler, representante da França no Brasil, teria perseguido Lebreton sem tréguas, oficiando ao Duque de Richelieu a chegada da Missão e suas impressões sobre a recepção por parte do governo português. Em resposta a um dos ofícios enviados por Maler respondeu Richelieu, ministro de Estrangeiros da Restauração:... durante a sua estada no Rio, deveis, Sr., considerá-los como franceses e conceder-lhes toda a assistência a que tem direito qualquer súdito de sua Majestade Debret afirma que a missão foi organizada por solicitação do governo português, não se referindo em nenhum momento à situação política da França Sobre a ingerência do governo de D. João VI na entrada de estrangeiros ver, entre outros estudos, NEVES, Lúcia Maria Bastos P. O privado e o público nas relações culturais do Brasil com a França e Espanha no governo Joanino ( ).IN: Anais do Seminário Internacional D. João VI: Um Rei Aclamado na América. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, 2000, p TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística de Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1983, p TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística..., 1983, p TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística..., 1983, p DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica...,1989, tomo I, p. 23.

4 4 Antes de apresentarmos três representações iconográficas e trechos textuais sobre a Família Real Portuguesa 14, elaboradas por Debret, consideramos relevante pontuar alguns aspectos da sua biografia que sugerem seu comprometimento artístico político. Filho de um escrivão do parlamento francês e primo de David, o famoso chefe da escola neoclássica, Debret sempre esteve ligado ao Estado Francês, não só em decorrência de sua filiação, mas sobretudo devido a sua formação artística, que lhe proporcionava realizar trabalhos voltados a homenagear a nação e a corte francesa, considerados por Rodrigo Naves, de excelente qualidade para o estilo da época. 15 É lícita a afirmativa de Iara Lis Carvalho, de que Debret bem sabia que a arte poderia enobrecer a política. Afinal, ele tinha trabalhado e convivido com David na produção de quadros históricos do império napoleônico, sem contar que um de seus melhores amigos, Nicolas Antoine Taunay, produziu cinqüenta quadros napoleônicos e revolucionários 16. Quando a Missão Artística chegou ao Brasil, ficou estabelecido por decreto real que os membros receberiam pensão anual pelos serviços prestados, sendo a de Debret de oitocentos mil réis, que correspondiam a cinco mil francos pelo câmbio da época. Ou seja, equivalia a aproximadamente o preço de uma pipa de aguardente (62$000réis) principal mercadoria para escambo; ou ainda metade do valor de uma mulher escrava com ofício em Salvador, no período de 1811 a 1830 (145$110 réis). 17 Como já afirmamos, enquanto esteve na França Debret passou boa parte de sua vida fazendo trabalhos sob encomenda para o governo napoleônico. No Brasil, Debret continuou a ser um pintor ligado ao governo. Sua principal meta, sua missão era fundar a Academia, considerada como importante meio de civilizar um povo considerado pelo o autor... ainda na infância. 18 A própria organização da obra aponta para uma visão evolucionista e eurocentrica de Debret, assim como para a divulgação e defesa do Estado, quando afirma na introdução do tomo III que após ter descrito no tomo I a situação dos índios brasileiros e no tomo II 14 Como já afirmamos anteriormente a obra é composta de aproximadamente 156 pranchas. No tomo III, composto basicamente de 53 estampas de natureza política e religiosa., 25 destas são de caráter político, ou seja, 43% do total. 15 NAVES, Rodrigo. A Forma Difícil: ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Editora Ática,1996, p SOUZA, IARA Lis Carvalho. Pátria Coroada. O Brasil como corpo político autônomo São Paulo:Fundação Editora da UNESP,1999, p FLORENTINO, Manolo. Em costas negras. Uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1997,p ANDRANDE, Maria José de Souza. A mão de obra escrava em Salvador ( ). São Paulo: Corrupio, Brasília, DF: CNPQ, 1988,p DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo I, p.24.

5 5... detalhes mais raros e quase ignorados da atividade do povo civilizado do Brasil, sujeito ao jugo português ; se ocupará finalmente da... história política e religiosa sujeita ao reflexo das combinações diplomáticas da Europa, continuamente agitada desde 89, constitui um quadro interessante, rico de episódios colhidos in loco e cujo encadeamento contribuirá para estabelecer os traços já quase apagados dos primeiros passos que trouxeram à civilização esse povo recémregenerado 20. Curioso que a reflexão de Debret a respeito da regeneração do povo constitui-se em um paradoxo se pensarmos na França pós Napoleão, com o retorno dos Bourbons e como já apontamos a complicada e perigosa situação dos artistas neoclássicos. Para ele com a sua chegada o rei de Portugal... acordou o brasileiro depois de três séculos de apatia, quando fugindo da Europa, veio erguer seu trono à sombra tranqüila das palmeiras, embora abandonasse mais tarde essa obra de regeneração, inspirada pela necessidade. Mas a civilização germinara, e o Brasil, compreendendo seu futuro, conservou o filho primogênito do inconstante protetor, transformando-o em imperador independente cuja autoridade soberana anulou definitivamente as pretensões de Portugal sobre as antigas colônias da América É possível perceber um Debret redefinindo e reelaborando o estilo e a profissão, pintor de história para a nova realidade. Como observa Carelli, É indubitável que o choque da nova realidade transfigurou a produção de Debret De acordo com Naves, Jean Baptiste Debret foi o primeiro pintor estrangeiro a se dar conta do que havia de postiço e enganoso em simplesmente aplicar um sistema formal preestabelecido o neoclassicismo, por exemplo- à realidade brasileira 23. Além da pensão paga pelo governo outro meio de sobrevivência de Debret foram as encomendas e aulas particulares e principalmente os trabalhos que fez sob encomenda para a família real portuguesa. Como o Retrato do Rei D. João VI e do Imperador Dom Pedro I (Prancha 9), em tamanho natural e em trajes majestáticos. 19 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p CARELLI, M. Culturas Cruzadas: intercâmbios entre França e Brasil. Tradução Nicia Adan Bonatti. Campinas, São Paulo: Papirus, NAVES, Rodrigo. A Forma Difícil:.., 1996, p.44.

6 6 Prancha 9: Retrato do Rei Dom João VI e do Imperador Dom Pedro I, Viagem Pitoresca e Histórica, tomo III. É interessante algumas trechos da descrição da prancha, primeiro referindo à Dom João VI e depois à D. Pedro I onde a descrição das características físicas dos soberanos quase que remetem às suas prováveis competências como governantes.não devemos nos esquecer que o que foi encomendado foram os quadros e não as descrições dos mesmos. O que efetivamente, o que é mais curioso ainda, só foi feito em solo francês. Esse soberano só usou o seu uniforme real de gala no dia da aclamação, ainda assim sem a coroa, em virtude do costume estabelecido desde a morte do Rei Dom Sebastião, na África, em Dom Sebastião,dizem, foi levado ao céu com a coroa à cabeça e deve trazê-la novamente a Lisboa. O rei, bom cavaleiro na mocidade, tornando-se obeso o no Brasil, abandonou a equitação. Era de temperamento sanguíneo e de pequena estatura; tinha as coxas e as pernas extremamente gordas e as mãos e os pés muitos pequenos. 24 Quanto a D. Pedro Debret afirma que: 24 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p.152.

7 7 O imperador usava seu grande uniforme anualmente na abertura das Câmaras, e, de acordo com o cerimonial adotado, pronunciava seus discursos com a coroa na cabeça; tanto na entrada como na saída comportavam certo aparato. Criou a Ordem do Cruzeiro no dia da sua coroação; mais tarde, a do Dragão, unicamente usada por sua família, e, por ocasião de seu segundo casamento, a da Rosa, que mal teve tempo de ser posta em vigor. Dom Pedro I, forte e de grande estatura, era de um temperamento bilioso e sanguíneo; já em fins de sua estada no Brasil começava a engordar excessivamente, principalmente nas coxas e nas pernas, espécie de deformidade comum aos descendentes da família da casa de Bragança. Mas, sempre espartilhado com arte, era de aparência nobre e extraordinariamente asseado. (...) Deu o exemplo das privações durante a sua regência e no começo de seu reinado, tempo difíceis em que revelou todas a s qualidades dignas de um soberano regenerador, conservando todavia uma paixão marcada pelo fausto exterior do trono Um outro quadro sob encomenda da corte que escolhemos para este trabalho é a Aclamação do Rei Dom João VI (Prancha 37), representando a união das províncias do Brasil ao reino Portugal. Prancha 37: Aclamação do Rei Dom João VI, Viagem Pitoresca e Histórica, tomo III. 25 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p. 153.

8 8 Na descrição de Debret e na representação iconográfica é possível perceber que o autor destina o espaço privado prioritariamente para a elite, nobreza e o clero (grupos sociais dominantes na sociedade da época) como o lugar adequado para que estes grupos manifestassem o apoio e reconhecimento ao novo soberano e a nova condição da então colônia. Escolhi o momento em que o primeiro-ministro terminou a leitura do voto formulado pelas províncias do Brasil, chamando ao trono do novo reino unido o príncipe regente de Portugal. O rei acaba de responder: Aceito, e o entusiasmo geral dos espectadores se manifesta pela aclamação Viva el-rei, nosso senhor e o gesto português de agitar o lenço.(...) Tal foi a cerimônia que consagrou a resolução real transportando para o Brasil a sede da realeza portuguesa E na tentativa de salvar do esquecimento feito tão solene, Debret representou a possível aceitação dos brasileiros, do povo ao novo rei e a nova condição do Brasil, no espaço público através da prancha Vista do Largo do Palácio no dia da aclamação de Dom João VI (Prancha 38). 26 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p.231.

9 9 Prancha 38: Vista do Largo do Palácio no dia da aclamação de Dom João VI, Viagem Pitoresca e Histórica, tomo III. O momento escolhido é do da partida do rei, em que aparece ao balcão central do edifício para mostrar-se ao povo e receber as primeiras homenagens, antes de descer para a Capela Real a fim de assistir ao Te Deum com que termina a cerimônia da aclamação Ao retratar tanto representações do espaço privado quanto do espaço público da aclamação do novo rei, simbolicamente Debret sugere portanto, a aceitação e exaltação da sociedade civil, política e religiosa à casa dos Braganças. É relevante ressaltar que esses quadros encomendados pela família real, funcionavam como divulgadores da imagem que o império queira imortalizar ou cristalizar 28. Para finalizar gostaríamos de destacar que já é corrente a utilização dos relatos de viagens enquanto fonte. E como todo e qualquer fonte muito ainda se tem a investigar nas obras dos viajantes e em especial na Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, de Jean B. Debret. Diversos aspectos da sociedade brasileira do período foram contemplados pelo autor: festa, hábitos alimentares, religião, vestuário, atividades econômicas, entre outras. Referências bibliográficas: ANDRANDE, Maria José de Souza. A mão de obra escrava em Salvador ( ). São Paulo: Corrupio, Brasília, DF: CNPQ, CARELLI, M. Culturas Cruzadas: intercâmbios entre França e Brasil. Tradução Nicia Adan Bonatti. Campinas, São Paulo: Papirus, CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa, Difel DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Millet. Apresentação de Lygia da Fonseca F. da Cunha. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia 27 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil..., 1989, tomo III, p A respeito da construção da imagem do império são importantes, entre outros estudos, SCHWRACZ, Lilia Mortiz. As barbas do imperador. D. Pedro II, um monarca no trópicos.são Paulo: Companhia das Letras,1999; MALERBA, Jurandir. A Corte no exílio. Civilização e poder no Brasil às vésperas da independência (1808 a 1821). São Paulo: Companhia das Letras, 2000; e SANTOS, Afonso Carlos Marques dos Santos. A fundação de uma Europa possível In: Anais Seminário Internacional D.João VI: Um rei na América. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, 2000, p

10 10 Limitada; São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, (Coleção Reconquista do Brasil. 3ª Série especial vols. 10, 11 e 12). FLORENTINO, Manolo. Em costas negras. Uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, HAUSER, Arnold. História Social da Literatura e da arte. São Paulo: Editora Mestre Jou, tomo II, MALERBA, Jurandir. A Corte no exílio. Civilização e poder no Brasil às vésperas da independência (1808 a 1821). São Paulo: Companhia das Letras, NAVES, Rodrigo. A Forma Difícil: ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Editora Ática,1996. NEVES, Lúcia Maria Bastos P. O privado e o público nas relações culturais do Brasil com a França e Espanha no governo Joanino ( ). Em: Anais do Seminário Internacional D. João VI: Um Rei Aclamado na América. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, 2000, p SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. A fundação de uma Europa possível. Em: Anais do Seminário Internacional D. João VI: Um Rei Aclamado na América. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, SANTOS, Afonso Carlos Marques dos Santos. A fundação de uma Europa possível. Em: Anais Seminário Internacional D. João VI: Um rei na América. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2000, p SCHWARCZ, Lilia Mortiz. O Sol do Brasil: Nicolas-AntoineTaunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, SCHWRACZ, Lilia Mortiz. As barbas do imperador. D. Pedro II, um monarca no trópicos.são Paulo: Companhia das Letras,1999. SOUZA, IARA Lis Carvalho. Pátria Coroada. O Brasil como corpo político autônomo São Paulo:Fundação Editora da UNESP,1999. TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística de Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1983

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

Ricardo Morais SCATENA

Ricardo Morais SCATENA SCHWARCZ, Lilia Moritz. O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. Ricardo Morais SCATENA Professora titular

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Família Real no Brasil. A Arte nesse período

Família Real no Brasil. A Arte nesse período Família Real no Brasil A Arte nesse período A FORMAÇÃO DO SISTEMA DE ARTE NO BRASIL Fatos e datas Importantes: 1804 França faz o bloqueio continental, que impedia todos os países Europeus a negociar com

Leia mais

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: / /2012 Nota: Professora: Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 65 pontos Orientações

Leia mais

TH-3. Prof. Ana Paula Zimmermann. Turma C01 2015/1

TH-3. Prof. Ana Paula Zimmermann. Turma C01 2015/1 TH-3 Prof. Ana Paula Zimmermann Turma C01 2015/1 Arquitetura Brasileira Descoberto em 1500 pelo Reino de Portugal, o Brasil manteve-se na qualidade de colônia até o século XIX. Durante este período podemos

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Missão Artística Francesa: Influências Neo-Clássicas e Acadêmicas. Apoio pedagógico: www.artevisualensino.com.br

HISTÓRIA DA ARTE. Missão Artística Francesa: Influências Neo-Clássicas e Acadêmicas. Apoio pedagógico: www.artevisualensino.com.br HISTÓRIA DA ARTE Missão Artística Francesa: Influências Neo-Clássicas e Acadêmicas 1 Apoio pedagógico: www.artevisualensino.com.br A queda de Napoleão Bonaparte, em 1815, e a decadência de seu império

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS Danielle Virginie Santos Guimarães Universidade Federal de Sergipe danielle.virginie@yahoo.com.br Palavras

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período.

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. A Arquitetura Brasileira do século XIX A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. Prof. Dr. Carlos Augusto Mattei Faggin Denis de Souza e

Leia mais

FAMÍLIA REAL PORTUGUESA

FAMÍLIA REAL PORTUGUESA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA casada D Maria I a louca Filho D. João casado Príncipe Regente D. Miguel Seus filhos D Pedro I, Casado Proclamou a independência do Brasil D. Leopoldina A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS POLÍTICO-CULTURAIS DE DOM JOÃO VI NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XIX: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS PINTORES VIAJANTES.

AS ESTRATÉGIAS POLÍTICO-CULTURAIS DE DOM JOÃO VI NO PRINCÍPIO DO SÉCULO XIX: UM ESTUDO DE CASO SOBRE OS PINTORES VIAJANTES. Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 AS ESTRATÉGIAS POLÍTICO-CULTURAIS DE DOM JOÃO

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil A Corte no Brasil? Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América.

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX HISTÓRIA DA ARTE II Século XIX O Neoclassicismo na Europa Contexto Histórico - Século XVIII: Idade das Luzes - Descoberta de Herculano (1713) e Pompéia (1748) - Na Europa: guerras (esgotamento das riquezas)

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL 7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL A HISTÓRIA... A Independência do Brasil éum dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política.

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

ARTE BRASILEIRA NO SÉCULO XIX: O NEOCLASSICISMO

ARTE BRASILEIRA NO SÉCULO XIX: O NEOCLASSICISMO ARTE BRASILEIRA NO SÉCULO XIX: O NEOCLASSICISMO Por Danilo Sá de Moura RESUMO O Brasil no século XIX passa por suas mudanças mais profundas. No império, o estilo neoclássico contribui para divulgar de

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca UMA VELHA AFEIÇÃO DE FAMÍLIA DISCURSO

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DE NARRATIVAS VISUAIS DO BRASIL OITOCENTISTA NO COTIDIANO ESCOLAR: PROPOSIÇÕES DE UM ESTUDO EM CONSTRUÇÃO

A APROPRIAÇÃO DE NARRATIVAS VISUAIS DO BRASIL OITOCENTISTA NO COTIDIANO ESCOLAR: PROPOSIÇÕES DE UM ESTUDO EM CONSTRUÇÃO A APROPRIAÇÃO DE NARRATIVAS VISUAIS DO BRASIL OITOCENTISTA NO COTIDIANO ESCOLAR: PROPOSIÇÕES DE UM ESTUDO EM CONSTRUÇÃO Alessandra Chaves Zen - UCS Resumo: Este artigo resulta de uma investigação que se

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR)

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) 1 Exposição concebida pelo Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) e parceiros, no âmbito do evento Terra Justa 2015 grandes Causas e Valores da Humanidade, para os quais a Religião assume um papel

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Almeida Santos, Antonio Cesar Absolutismo,

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho 19 de novembro Hino à Bandeira Música de Francisco Braga Letra de Olavo Bilac Apresentado pela primeira vez em 15 de agosto de 1906 (Extraído do livro Bandeira

Leia mais

1. Portugal no século XIV tempo de crise

1. Portugal no século XIV tempo de crise 1. Portugal no século XIV tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso: Crise agrária os Invernos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA

EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA EVOLUÇÃO DA CULINÁRIA FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO GASTRONÔMICA BRASILEIRA Introdução A França é tradicionalmente o país que dá maior importância à sua gastronomia, e os franceses há muitas gerações

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades A sociedade brasileira Índios, nossos primeiros habitantes Página 10 Para atender à causa desses povos, existem leis que garantem o direito à terra, delimitando espaços para reservas

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Docente(s) Paulo Augusto Castagna Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60

Leia mais

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII O Urbanismo Clássico Séculos XVII e XVIII Urbanismo Clássico Realizações Legislação Prá?ca administra?va Filósofos, arquitetos e médicos Urbanismo Clássico Recusa do Gigan?smo Urbano Paris 500 mil habitantes

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

Duarte Ribeiro de Macedo

Duarte Ribeiro de Macedo BIBLIOTECA DIPLOMÁTICA - Série Ana Maria Homem Leal de Faria A 398608 Duarte Ribeiro de Macedo Um diplomata moderno 1618-1680 Ministério dos Negócios Estrangeiros ÍNDICE Siglas e Abreviaturas 15 Preâmbulo

Leia mais

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O caso Francês Em França, as concepções renascentistas permaneceram até mais tarde, pois houve uma grande resistência ao Barroco por parte das academias. Quando

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi

A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi AH i s t ó r i ad a Qu i n t ad oan j i n h o A Quinta do Anjinho faz parte de uma história que ainda poucos conhecem. O imóvel que é actualmente a sede da Escola Nacional de Bombeiros foi outrora o refúgio

Leia mais

Período Joanino 1808-1821

Período Joanino 1808-1821 Período Joanino 1808-1821 Bloqueio Continental - 1806 Tratado de Fontainebleau - 1807 Guerras Napoleônicas Fatores Motivadores Invasão das tropas Napoleônicas - Espanha Invasão das tropas Napoleônicas

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

Sumário. Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18

Sumário. Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18 Sumário Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18 Preâmbulo A memória de um destino singular 21 PARTE I 0 VENTUROSO Toledo, 29 de Abril de

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES HISTÓRIA Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS As fontes históricas Patrimônios históricos Da extração à plantação do pau-brasil

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

O Foral e a Organização Municipal Torriense

O Foral e a Organização Municipal Torriense O Foral e a Organização Municipal Torriense Foral Medieval de Torres Vedras, 1250 In O Foral Medieval da vila de Torres Vedras: 15 de Agosto de 1250. VICENTE, António Balcão, [et al.] - O foral medieval

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

IMPEACHMENT INGLÊS 1

IMPEACHMENT INGLÊS 1 IMPEACHMENT INGLÊS 1 Maurício Silva de Góes mau.1988@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar O impeachment no direito inglês era julgado pela Câmara dos Altos 2, ou seja, os

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa Conteúdos do 3º bimestre No 3º bimestre de 2015 estudaremos alguns povos que viveram na Ásia, na África e na Europa entre os séculos VII e XVI. Vamos conhecer um pouco como era a vida dos árabes, malinquês

Leia mais

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos.

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. As importações da Holanda I O Azul e Branco A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. Concebidos por pintores

Leia mais