O termo foi adotado pela primeira vez em um fórum organizado pela UNESCO - The Impact of Open Courseware for

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O termo foi adotado pela primeira vez em um fórum organizado pela UNESCO - The Impact of Open Courseware for"

Transcrição

1 No presente artigo pretendemos discorrer sobre os Recursos Educacionais Abertos (REA), um tema relativamente recente que tem revolucionado a condição e status da informação e do conhecimento. Os REA são comumente representados por uma imagem que simula um jogo de quebra-cabeças incompleto. Neste, pequenas peças, com formas diferentes, se encaixam formando uma nova peça, agora maior, porém inacabada. Esta construção de imagens estabelece um paralelo entre o jogo e o conceito, nos ressaltando a faceta fragmentada, inacabada e plástica do conhecimento em si. Imagem esta que nos sugere, ainda, que a partir do acesso ao fragmento, ou melhor dizer, às pequenas porções de conhecimento, se pode construir uma nova forma e, portanto, um novo conhecimento. A parte ausente de forma, banguela, nos remete ao movimento do conhecimento e da ciência propriamente dita, de que, quase que obedecendo a uma lei natural, segue um eterno porvir. Na atual sociedade em rede a informação adquiriu papel protagonista e agora, os esforços, ou pelo menos as discussões, estão centradas na forma como estes conteúdos são disponibilizados. A preocupação pela sistematização e difusão da informação e do conhecimento, obviamente precede o desenvolvimento da internet e da sociedade estruturada em rede, como por exemplo, demonstram as iniciativas de Paul Otlet ( ) e Henri La Fontaine ( ), em classificar e registrar toda a produção intelectual do mundo. A saber, Otlet, juntamente com o Nobel da paz Henri La Fontaine, intencionava a construção de um repositório central que contivesse sistematicamente todo o conhecimento publicado no mundo. Para tanto empreenderam, com apoio do governo Belga, a construção do Instituto Internacional de Bibliografia (IIB) e mais tarde o Mundaneaum. Sem dúvida Paul Otlet, visionário para sua época, deixou muitas contribuições no que diz respeito à organização do conhecimento como, por exemplo, a Classificação Decimal Universal (CDU) e o esquema das fichas padronizadas, que foram amplamente difundidas por toda Europa, através de uma de suas obras mais conhecidas - Traité de Documentation: le livre sur le livre: théorie et pratique, de E, posteriormente, no livro - Monde: Essai d'universalisme connaissance du monde, sentiment du monde, action organisée et plan du monde, (1935) Otlet chega a expor suas idéias sobre dispositivos e processos de teleleitura e teleinscrição, através dos quais as pessoas poderiam acessar, de onde estivessem, la salle teleg des grandes bibliothèques. Para isso, propôs um modelo onde convergia as tecnologias disponíveis a época, tais como telefone e o telescópio elétrico (PEREIRA, 1995). Ademais, o sonho de Otlet e de La Fontaine não se restringia a fins puramente tecnicistas ou metodológicos, em seus intentos vanguardistas eram impulsionados por princípios universalistas e pacifistas fundados na ideia de que o conhecimento solidariza os homens e as sociedades (SANTOS, 2006). "Notre temps, parmi tous les autres, se caractcrise par ces tendances generales: organisation et rationalisation des methodes et procedes, machinisme, cooperation, internationalisation, developpement considerable des sciences et des techniques, preoccupation d 'en appliquer les donnees au progres des societes, extension de l'instruction a tous les degres, aspiration et volonte latente de donner a toute la civilization de plus larges assises intellectuelles, de l'orienter par des plans. (OTLET, 1934)." Quase um século depois, o sonho do homem que queria classificar o mundo, como hoje é referenciado Otlet, é mais do que mera possibilidade (de ser) é, pois, expressão do real. Com infinitamente mais recursos tecnológicos do que na sua época, decidir por dispor, compartilhar e permitir o acesso a todo o conhecimento do mundo depende, agora, mais de compromissos e vontades políticas do que propriamente de tecnologias. Nas palavras de Pereira: "A configuração de uma nova tecnologia intelectual propiciada pelo surgimento da Internet, da qual passam a se beneficiar milhares de instituições com seus milhões de usuários, abre um novo campo de possibilidade à cultura. Seus efeitos, inimagináveis e imprevisíveis, dependem, porém, da associação dos atores que a exploram em redes humanas e não-humanas (máquinas, dispositivos eletrônicos etc.) fundadas no engenho, no talento e na paixão, a exemplo do que fez o esquecido Paul Otlet, quando projetou e realizou, parcialmente, um centro mundial o Mundaneum para prover interfaces, em papel e em microfilme, que possibilitassem o acesso a todo o conhecimento concebido, explorado, descoberto e inventado pela espécie humana em milhares de anos. (PEREIRA, 1995)." A partir da década de 90, vem ocorrendo uma série de Conferências Mundiais, no intuito de discutir sobre a necessidade de compartilhar informação e conhecimento, e estabelecer diretrizes para políticas públicas. Segundo Rossini (GPOPAI, 2009), a Declaração de Educação Aberta da cidade do Cabo, fruto da Conferência realizada na Cidade do Cabo em 2007, estabeleceu diretrizes fundamentais na definição de educação aberta, tais como: encorajar a larga participação social na criação, utilização, adaptação e melhoria dos recursos educacionais abertos, abraçar práticas educativas em torno da colaboração, da descoberta e da criação de conhecimento; buscar a interoperabilidade legal e técnica dos recursos desenvolvidos. Determinando que os recursos educacionais abertos devem ser livremente compartilhados por meio de licenças livres que facilitam o uso, revisão, tradução, melhoria e compartilhamento por qualquer um. [...]; [...] governos, conselhos escolares, faculdades e universidades devem fazer da Educação Aberta uma lata prioridade. Idealmente, recursos educacionais financiados pelos contribuintes devem ser abertos. [...]. (GPOPAI, 2009)

2 As declarações de Budapeste (2002), Bathesda (2003) e de Berlim (2003), anteriores à Declaração da Cidade do Cabo, são porém, resultado de conferências também realizadas nesta última década, e proporcionam suporte aos diversos movimentos, pelo livre acesso a informação e ao conhecimento. Dentre estes movimentos podemos destacar: Open Standard; Open Source Journalism; Open Source; Cultura Livre; Software Livre; Free Acess; Free Documentation License; Open Knowledge; Open educational resources; Open Archives; entre outros. A Declaração de Budapeste, resultado da Budapest Open Acess Initiative (BOAI) organizada pelo Open Society Institute, em 2001, é considerada um dos documentos mais importantes do movimento de acesso livre. Em seu texto introdutório atribui à internet e às novas tecnologias a possibilidade de tornar a literatura científica um bem público sem precedente (DECLARAÇÃO DE BUDAPESTE, 2003). O auto-arquivamento em repositórios e a publicação em periódicos de acesso livre são apontados como estratégias para a transição ao modelo de acesso livre e publicações economicamente sustentáveis (SARMENTO et al, 2005). No ano de 2003 reuniram-se cientistas, editores, pesquisadores, bibliotecários entre outros profissionais relacionados, com o objetivo de discutir, junto à comunidade de pesquisa biomédica, formas de promover o acesso livre à produção Científica, resultando na Declaração de Bethesda (idem, 2005). Nos termos dessa Declaração é considerada uma publicação de Acesso Livre, quando: O autor e detentor de direito autoral garante a todos os usuário, um livre, irrevogável, mundial e perpétuo direito de acesso, e uma licença para copiar, utilizar, distribuir, transmitir e exibir o trabalho publicamente e realizar e distribuir trabalhos derivados, em qualquer meio digital para qualquer propósito responsável, desde que sujeito à correta atribuição da autoria, bem como o direito de fazer um pequeno número de cópias impressas para uso pessoal. (DECLARAÇÃO DE BETHESDA, 2003, tradução nossa). Uma versão completa da obra e todos os materiais suplementares, incluindo uma cópia de licença como indicado acima, em um formato padrão eletrônico é depositada imediatamente após a publicação inicial, em pelo menos um repositório online, suportado por uma instituição acadêmica, sociedade científica, agência governamental ou outra organização estabelecida, que pretenda promover o acesso aberto, distribuição irrestrita, interoperabilidade e arquivamento de longo prazo (para as ciências biomédicas, PubMed Central é um desses repositórios. (DECLARAÇÃO DE BETHESDA, 2003, tradução nossa). A Declaração de Berlim sobre Acesso Livre ao Conhecimento nas Ciências e Humanidades, fruto do congresso organizado pela Sociedade Max Planck e pelo Patrimônio Cultural Europeu Online (ECHO), em 2003, reconhece a transformação exercida pela internet nas realidades práticas e econômicas da produção e difusão do conhecimento científico global e do pensamento humano, bem como define o paradigma do acesso livre, via internet, como fonte universal deste conhecimento global e do patrimônio cultural (DECLARAÇÃO DE BERLIM, 2003). "Para concretizar esta visão de uma representação global e acessível do conhecimento, a web do futuro tem de ser sustentável, interativa e transparente. Conteúdos e ferramentas de software devem ser livremente acessíveis e compatíveis. (DECLARAÇÃO DE BERLIM, 2003)." Bem como reafirma, com algumas alterações, a Declaração de Bethesda a respeito das condições para que uma obra seja considerada de acesso livre. Ambas as declarações estão em pleno acordo com a de Budapeste, mas a complementam ao inserir as condições mencionadas acima e explicitar a necessidade de publicar material revisado pelos pares, no intuito de garantir a qualidade das publicações (SARMENTO et al, 2005). No Brasil, o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), é referência em iniciativas a favor do acesso livre ao conhecimento, lançando em 2005 o Manifesto Brasileiro de apoio ao Open Access, com o objetivo de tornar acessível à sociedade informações e resultados de pesquisas científicas financiadas com recursos públicos (KURAMOTO, 2008). Ao que dissemos anteriormente, estas declarações são importantes marcos para a promoção e fortalecimento de iniciativas a favor da democratização do conhecimento, seja ele científico ou não. Além disso, temos que a difusão, o compartilhamento e o acesso a conteúdos e ferramentas, contribuem para uma troca generalizada de saberes, base para o desenvolvimento humano, social e econômico (LEVY, 1999). Ademais, a educação é um bem assegurado desde a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), como um direito que deve ser proporcionado, de forma gratuita e acessível, pelo menos nos graus elementares e fundamentais de ensino. E, apesar de terem se passado mais de 60 anos, esta é uma meta que boa parte dos países ainda não conseguiu alcançar (UNESCO, 2009). Para tanto, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), agência pertencente à Organização das Nações Unidas, vem apoiando iniciativas que colaboram para a erradicação do analfabetismo e o desenvolvimento dos países através da educação, ciência e cultura. Em grande medida, reconhecem nos recursos e conteúdos abertos grandes aliados para o alcance destes propósitos. A UNESCO tem sistematicamente difundido entre seus Estados-Membros o potencial dos REA, bem como capacitado e apoiado a adoção de ações que estimulem seu desenvolvimento junto aos mesmos (UNESCO, 2005). "It is to be hoped that, with time, all countries will participate in the OER movement in ways that suit their education and training strategies, and their citizens needs, as they evolve in time into not only knowledge societies, but societies of shared knowledge (UNESCO, 2005)." Recursos Educacionais Abertos (REA), conhecidos internacionalmente como Open Educational Resources (OER), são um fenômeno relativamente novo, que acompanha as filosofias e movimentos a favor da abertura do conhecimento, tais como as que citamos acima: Open Source Software (OSS), Open Access (OA), Open Content (OC), entre outros (HILEN, 2006). O termo foi adotado pela primeira vez em um fórum organizado pela UNESCO - The Impact of Open Courseware for

3 Higher Education in Developing Countries (2002), cujos participantes expressavam o intento de desenvolver um recurso educacional universal que estivesse disponível para toda a humanidade. Na ocasião, REA foi definido como, provisão aberta de recursos educacionais, habilitado pelas tecnologias da informação e comunicação, e sujeitos à consulta, utilização e adaptação pela comunidade de usuários, para propostas não comerciais (UNESCO, 2009). E, atualmente, adota-se uma definição mais completa compreendendo REA como: materiais educacionais digitais oferecidos livre e abertamente para educadores, estudantes e autodidatas que os utilizam e reutilizam para o ensino, aprendizagem e pesquisa (HILEN, 2006, tradução nossa). Desta maneira, REA englobam não somente conteúdos de aprendizagem, mas também outros componentes como, sistemas de gerenciamento de busca, softwares e licenças. Trata-se de recursos voltados para o ensino, pesquisa e aprendizagem em geral, disponibilizados de forma aberta e com liberações para o uso, estudo, adaptação, aprimoramento e redistribuição destes materiais. Conteúdos abertos de aprendizagem São considerados conteúdos abertos de aprendizagem materiais utilizáveis em processos de ensino-aprendizagem que, contudo, estão disponíveis na web sob licenças específicas. Na Declaração da Cidade do Cabo sobre Educação Aberta, estes conteúdos incluem: artigos, cursos, aulas, livros didáticos, imagens, vídeos, materiais de áudio etc. Software Livre São considerados softwares livres, aqueles softwares que mantêm o código-fonte aberto e disponível aos usuários, permitindo a sua utilização, alteração e distribuição, sem a necessidade de autorização do fornecedor. Isso significa que o software pode ser modificado para adequar-se melhor a determinada realidade, atividade ou trabalho, sem que haja necessidade do usuário comunicar, justificar ou solicitar autorização do desenvolvedor do programa. Além do que, este mesmo usuário pode compartilhar suas versões modificadas em rede e, com isso, beneficiar toda a sociedade com seu conhecimento. O software livre é desenvolvido a partir de um modelo coletivo e cooperativo, auxiliado pelas tecnologias da informação e comunicação. Em contraponto ao software proprietário, que comumente é desenvolvido por grupos restritos e sob sigilo industrial, o software livre permite, desde a sua criação, a participação voluntária de diversos colaboradores que enriquecem o processo e, por conseguinte, o produto final (ZANAGA, 2006). Ademais, por razões óbvias, este modelo colaborativo poupa esforços e evita o trabalho duplicado, vindo a possibilitar a redução dos custos no seu desenvolvimento. A própria terminologia software livre, muitas vezes ocasiona certa confusão com o que se entende por livre. Neste caso específico, livre não significa gratuito, ou que não possa ter uso, desenvolvimento ou distribuição comercial, mas sim que oferece certas liberdades de expressão. Conforme definição da Free Software Foundation um software livre dispõem de quatro liberdades essenciais aos seus usuários, sendo elas: liberdade de executar o programa, para qualquer propósito; liberdade de estudar como o programa funciona e alterá-lo para ele fazer o que quiser; liberdade de redistribuir cópias, de modo que você possa ajudar ao seu próximo; liberdade de distribuir cópias de suas versões modificadas para os outros. Segundo Lemos (2005), no caso de um software em regime livre a violação ao direito do autor acontece quando se impõe algum obstáculo à realização de uma dessas liberdades e, principalmente, se impede o acesso ao código fonte. Essas liberdades devem, pois, ser irrevogáveis. Licenças Assim como qualquer outro material, ou mesmo softwares, os conteúdos educacionais abertos também requerem o suporte de licenças que resguardam o direito de autor e determinam as possibilidades de uso. No entanto, no contexto dos REA as licenças utilizadas são mais flexíveis que as leis nacionais e internacionais dos direitos autorais e constituem-se alternativa legítima para o autor ou detentor dos direitos indicarem como pretendem que suas obras sejam utilizadas, referenciadas e até mesmo modificadas. Desta maneira, transcende-se o modelo tradicional de propriedade intelectual e direito autoral onde todos os direitos estão reservados ao autor, para um modelo onde apenas alguns direitos estão reservados. Pode-se assim dizer que estas licenças contribuem para tornar os conteúdos gerados, bens públicos e acessíveis (ZANAGA, 2006). A Open Content License e Open Publication License são licenças, desenvolvidas por David Wiley, pesquisador de desenvolvimento de objetos de aprendizagem, inspiradas nas referências do software livre, porém direcionadas a disponibilização e compartilhamento de conteúdos educacionais digitais. Atualmente estas licenças caíram em desuso e tem-se destacado a GNU Free Documentation License e, sobretudo, a Creative Commons License (DUTRA e TAROUCO, 2007). A Creative Commons é uma organização não-governamental com representações em vários países, inclusive o Brasil, que dispõe de uma série de licenças que permitem ao próprio autor estabelecer as condições de uso de sua obra, a partir da combinação de cláusulas específicas que garantem determinadas liberdades relacionadas principalmente a: exigência do reconhecimento da autoria; permissão de cópias sem consulta prévia ao autor da obra, ou portador do direito autoral; permissão, ou não, de uso comercial da obra.

4 Iniciativas de Acesso Aberto Segundo Rossini (2010), o conhecimento como bem público da humanidade, conforme postulam as filosofias dos REA e do Acesso Aberto, não vai emergir organicamente das TIC, pois depende de escolhas políticas de indivíduos, instituições e governos. Neste sentido que, instituições e universidades, em consonância com as declarações citadas acima, têm estruturado novas formas para compartilhar os conhecimentos produzidos, que não através de senhas ou sistemas proprietário. Cursos abertos, repositórios, sistemas online de pesquisa, bibliotecas e revistas digitais, são exemplos de novos projetos que atendem a estes propósitos e vêm se proliferando na última década. O MIT foi pioneiro na disponibilização de materiais e conteúdos didáticos na web, através de uma iniciativa que ficou mundialmente conhecida por OpenCourseWare (OCW). O Consórcio OpenCourseWare, hoje com mais de 200 instituições envolvidas - inclusive brasileiras, objetiva a promoção da educação global e capacitação nas diversas áreas do saber, através de materiais educacionais de alta qualidade, organizados em cursos abertos e gratuitos. O Laboratório Nacional de Los Alamos, EUA, desenvolveu experimentalmente um repositório digital (e-prints) como alternativa ao tradicional sistema de comunicação científica das áreas da ciência da computação, física e matemática, que apresentavam entrave ao acesso, dando origem ao modelo Open Archives. Este modelo foi, mais tarde, revisto na Convenção de Santa Fé e, a partir de então, foram definidas especificações técnicas e princípios administrativos para o estabelecimento de uma estrutura de publicação científica aberta A Open Archives Initiative (Kuramoto, 2006). O sucesso dessa experiência motivou o desenvolvimento de repositórios de acesso livre a objetos de aprendizagem nos mais diversos países. Conforme dados disponíveis no site Registry of Open Access Repositories (ROAR), há 1738 repositórios cadastrados, sendo os EUA, Reino Unido, Japão, Alemanha e Brasil lideres no ranking desses registros*, conforme gráfico abaixo: Repositories (ROAR). Fonte: Registry of Open Access No âmbito da produção científica brasileira, vale à pena o destaque para os projetos: Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) e o Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER), iniciativas do já citado Ibict, Ministério da ciência e Tecnologia e parceiros. A BDTD é um projeto concebido para integrar os sistemas de informação de teses e dissertações existentes nas instituições de ensino e pesquisa brasileiras, bem como, estimular o registro e publicação em meio eletrônico aberto. Utiliza as tecnologias do modelo Open Archives Initiative e os padrões de interoperabilidade, consolidando uma rede distribuída de bibliotecas digitais de teses e dissertações. Essa rede é composta por um provedor de dados (data providers), que administra o depósito e publicação, expondo os metadados para a coleta automática (harvesting). São exemplos de provedor de dados: as instituições de ensino superior mantenedoras de programas de pós-graduação (IES); provedor de serviços (service providers) que fornecem serviços de informação com base nos metadados coletados junto aos provedores de dados. Neste caso, o Ibict atua como provedor de serviço fornecendo, de maneira integrada ao país e ao mundo, o acesso às teses e dissertações relacionadas neste repositório; e um terceiro elemento denominado agregador (aggregator), que desempenha ao mesmo tempo a função de provedor de serviços e provedor de dados, à medida que fornece os metadados para outros provedores de serviços, como por exemplo, a Networked Digital Library of Theses and Dissertation** (SITE BDTD e KURAMOTO, 2006). Kuramoto (2008) sublinha que graças a este projeto, teses e dissertações das 90 instituições de Ensino Superior associadas estão sendo divulgadas mundo a fora, proporcionando maior visibilidade a produção científica nacional. O Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER) é outra iniciativa significativa do Ibict que atende à filosofia do Open Access. Trata-se da tradução e customização de um modelo de software desenvolvido pelo Public Knowledge Project (Open Journal Systems), da Universidade British Columbia, para a construção de periódicos eletrônicos na web. O SEER disponibiliza essa tecnologia à comunidade de editores científicos nacionais, com vistas a melhoria do padrão editorial. Ainda no contexto da produção científica Kuramoto (2006) elenca dez modelos de negócios de acesso livre, identificados

5 e classificados por John Willinsky, em Access Principle. Segundo Kuramoto estes modelos podem, entre outras coisas, significar menor dependência das publicações científicas comerciais; economia nos investimentos públicos em ciência e maior visibilidade da produção científica. Confira o quadro abaixo: Título Descrição Exemplo Home Page E-print archive Taxa de autor (Author fee) Subsidiado (Subsidized) Modo dual (Dual mode) Postergado (Delayed) Parcial Per capita Indexação Cooperativo Faculdades ou Departamentos de universidade mantêm home page para membros individuais da faculdade, na qual eles colocam os seus papers, tornando-os livremente disponíveis. Uma instituição, sociedade ou associação científica hospeda e mantém um repositório, facilitando aos seus membros o autoarquivamento de material publicado e não-publicado. Esse modelo permite o imediato e completo acesso a uma revista de acesso livre (ou, em alguns casos, a artigos individuais para os quais as taxas foram pagas), mediante o pagamento da taxa de autor. Essas taxas são cobertas, normalmente, por instituições ou sociedades às quais esses autores são filiados. Sociedades científicas, instituições de governo ou fundações disponibilizam, por meio de subsídio, o acesso livre a revistas. Nesse modelo as assinaturas são coletadas para a versão impressa e utilizada para sustentar a edição impressa e a edição em linha com acesso livre. As assinaturas são coletadas para a edição impressa e imediato acesso em linha, com o acesso livre fornecido após um período de tempo (por exemplo: 6 ou 12 meses) O acesso livre é permitido a uma pequena seleção de artigos da revista servindo como um mecanismo de marketing visto que o acesso ao restante da publicação requer uma assinatura. O acesso livre é oferecido a estudantes e pós-graduandos em países em desenvolvimento como uma contribuição de caridade, com despesa limitada para registro de instituições em um sistema de gestão de acesso. O acesso livre a informações bibliográficas e resumos é fornecido como um serviço Governamental, ou, por editores, um mecanismo de marketing, sempre com links, pay-per-view, para o texto integral do artigo. Instituições como bibliotecas e associações científicas contribuem para o suporte do acesso livre a revistas e o desenvolvimento de recursos de publicação Considerações Finais Na atual sociedade em rede, onde enormes quantidades de informação e conhecimento são geradas a cada dia, as discussões estão centradas na forma como estes conteúdos e conhecimentos estão sendo disponibilizados à humanidade. Como resposta, tem emergido movimentos e filosofias a favor do acesso aberto, que estabelecem novas diretrizes para a produção, distribuição e disponibilização do conhecimento em geral. Observa-se o desenvolvimento de conteúdos, sistemas de busca e softwares que mantêm o acesso aberto ao código fonte e, com isso, permitem que sejam adaptados a diferentes realidades e demandas. Licenças mais flexíveis, como as fornecidas pelo Creative Commons, tem conquistado a confiança dos autores, pois ao mesmo tempo em que garantem a autoria da obra, flexibilizam outros direitos sancionados pelas leis tradicionais de propriedade intelectual e direito autoral, que normalmente engessam a re-utilização desses materiais. A construção de repositórios e revistas digitais de acesso aberto ao conhecimento científico e tecnológico tem se multiplicado na última década e, como vimos, representam uma boa economia nos recursos públicos; maior visibilidade e compartilhamento da produção científica e redução das desigualdades. Organizações internacionais tem sistematicamente, fomentado e apoiado ações em prol do acesso livre junto aos seus países-membros, pois reconhecem as contribuições destes modelos de acesso livre digital para o desenvolvimento sócio-econômico, cultural, educacional e cidadão de um país. Indubitavelmente, as Tecnologias de Informação e Comunicação hoje disponíveis, assim como a internet, são grandes aliadas na concretização deste ideal porém, mais do que tecnologias, é necessário vontade política e implantação de políticas públicas que promovam a interlocução entre os diversos projetos existentes.

6 Bibliografia BETHESDA STATEMENT ON OPEN ACCESS PUBLISHING Disponível em: Acesso em: 12/01/2011. BUDAPESTE OPEN ACCESS INITIATIVE Disponível em: Acesso em: 10/02/2011. BDTD Disponível em: Acesso em: 15/02/2011. CREATIVE COMMONS. Disponível em: Acesso em: 15/02/2011. DECLARAÇÃO DE BERLIM SOBRE ACESSO LIVRE AO CONHECIMENTO NAS CIÊNCIAS E HUMANIDADES DISPONÍVEL EM: https://repositorium.sdum.uminho.pt/about/declaracaoberlim.htm. Acesso em 12/01/2011. DUTRA, Renato; TAROUCO, Liane. Recursos Educacionais Abertos (Open Educational Resources. Revista Novas Tecnologias na Educação RENOTE, v. 5 nº 1, Julho, Disponível em: Acesso em: 10/01/2011. GPOPAI. Entrevista GPOPAI com Carolina Rossini, Disponível em: Acesso em: 18/01/2011. KURAMOTO, Hélio. Informação científica: proposta de um novo modelo para o Brasil In Ciência da Informação. IBICT. KURAMOTO, Hélio. Réplica acesso livre: Caminho para maximizar a visibilidade da pesquisa. rac, Curitiba, v. 12, n. 3, p , Jul./set Disponível em: Acesso em: 28/01/2011. LEMOS, Ronaldo. Direito, tecnologia e cultura. Rio de Janeiro: Editora FGV, Dísponivel em: Acesso em 04/02/11. LEVY. Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, OTLET, Paul. Traité de Documentation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelles: Ed. Mundaneum, PEREIRA, Maria de Nazaré Freitas. Bibliotecas virtuais: realidade, possibilidade ou alvo de sonho. Ciência da Informação v. 24, número 1, ROSSINI, Carolina. Aprendizagem digital, recursos educacionais abertos e cidadania Disponível em: Acesso em: 12/01/2010. SARMENTO, F; MIRANDA, A; BAPTISTA, A.A; RAMOS, I. Algumas considerações sobre as principais declarações que suportam o movimento Acesso Livre Disponível em: A3o+Final.pdf. Acesso em: 15/01/2011. ZANAGA, Mariângela Pisoni. Z15c Conteúdos abertos na educação: motivações e visão de autoria /Campinas, SP: [s.n.], Orientador: Hans Kurt Edmund Liesenberg. Tese (doutorado) Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. São Paulo, 18 de fevereiro de 2011.

7 Equipe CTAE *Não pretendemos entrar aqui no mérito da qualidade das informações e publicações disponíveis nestes repositórios e, se estes repositórios dispõem de um sistema de revisão por pares. **A Networked Digital Library of Thesis and Dissertation (NDLTD) é uma iniciativa mundial de teses e dissertações, portanto um provedor de serviços em relação a diversos provedores de dados espalhados pelo mundo (KURAMOTO, 2006).

Open Archives e Open Access

Open Archives e Open Access Mesa redonda: Tecnologias de Informação Open Archives e Open Access Sumário Cenário Mundial da Comunicação Científica O modelo Open Archives O movimento do acesso livre Ações do Ibict em direção ao acesso

Leia mais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais

Open Archives. um marco na história das Bibliotecas Digitais Open Archives um marco na história das Bibliotecas Digitais Motivação Pontiac G6 Preço igual (EUA) USD $17,000 Motivação Dificuldades encontradas pelos pesquisadores no ciclo da comunicação científica

Leia mais

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Oficina Recursos Educacionais Abertos REA Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Objetivos do Encontro Criar uma sólida compreensão dos REA, dos direitos de autor e das licenças abertas

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

Tiago Rodrigo Marçal Murakami

Tiago Rodrigo Marçal Murakami Tiago Rodrigo Marçal Murakami Bacharel em Biblioteconomia pela USP Estudante de Administração Pública na UFOP Editor do Blog Bibliotecários sem Fronteiras - BSF Responsável pelo RABCI Estrutura e objetivo

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial A CONTRIBUIÇÃO DO SOFTWARE LIVRE PARA O FOMENTO À EDUCAÇÃO Brener Fidelis de Seixas Belo Horizonte Junho/2011

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO. www.diadorim.ibict.br. Brasília 2012 1. Financiadora:

DOCUMENTO DE APOIO. www.diadorim.ibict.br. Brasília 2012 1. Financiadora: www.diadorim.ibict.br DOCUMENTO DE APOIO Brasília 2012 1 Financiadora: 1 Esta é a segunda versão do Documento de Apoio ao diretório Diadorim, publicado em 2011. SUMÁRIO Introdução... 1 Contatos... 3 Acesso

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

MOTIVAÇÕES E DESAFIOS PARA A CRIAÇÃO DO REPOSITÓRIO RIO DIGITAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

MOTIVAÇÕES E DESAFIOS PARA A CRIAÇÃO DO REPOSITÓRIO RIO DIGITAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MOTIVAÇÕES E DESAFIOS PARA A CRIAÇÃO DO REPOSITÓRIO RIO DIGITAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Caterina Groposo Pavão, Janise Silva Borges da Costa, Manuela Klanovicz Ferreira, Zaida Horowitz

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Fórum sobre Administração de Portais Colaborativos, com base no movimento mundial pelo Software Livre e Acesso Aberto

Fórum sobre Administração de Portais Colaborativos, com base no movimento mundial pelo Software Livre e Acesso Aberto Fórum sobre Administração de Portais Colaborativos, com base no movimento mundial pelo Software Livre e Acesso Aberto Software Livre, Acesso Aberto, Educação Aberta e trabalho colaborativo Semana Universitária

Leia mais

A experiência da USP e o repositório do CRUESP

A experiência da USP e o repositório do CRUESP A experiência da USP e o repositório do CRUESP Profa. Dra. Sueli Mara S. P. Ferreira Seminário VIABILIZANDO O ACESSO ABERTO AO CONHECIMENTO NA FIOCRUZ Rio de Janeiro - 30 de maio de 2014 Estrutura - Composição

Leia mais

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital Questões para hoje e amanhã Florianópolis 1.000.000 a.c - 2009 d.c Evolução da prática científica O compartilhamento dos dados das pesquisas mudou para práticas

Leia mais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Seminário Repositórios Institucionais e de Objetos Virtuais de Aprendizagem Florianópolis, Novembro - 2009 Anna Christina

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Janise Silva Borges da Costa, Beatriz Helena de Souza Cestari, Carla Metzler

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA

IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA SOB A ÓTICA DO CONHECIMENTO ABERTO Lillian Alvares, Kira Tarapanoff

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS PLÁGIO Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Política de Acesso Aberto e de Direitos Autorais do Repositório do Conhecimento do Ipea (RCIpea): Licença Padrão

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

Portaria da Presidência

Portaria da Presidência 1 10 O Presidente da, no Uso de suas atribuições e da competência que lhe foi delegada pela Portaria do MS/n o 938, de 22.07.99, RESOLVE: 1.0 PROPÓSITO Instituir a Política de Acesso Aberto ao Conhecimento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PORTAL DE PERIÓDICOS DA UFPA POLÍTICA DE GESTÃO BELÉM PORTAL DE PERIÓDICOS DA UFPA Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson Informática I Aula 26 Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 26-17/07/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

Carla Morais e João Paiva. Software Educativo 2009/2010

Carla Morais e João Paiva. Software Educativo 2009/2010 Carla Morais e João Paiva Software Educativo 2009/2010 Os conceitos: Software livre e Open Source O conceito de Software livre (Free Software, no original), anterior ao de Open source, foi cunhado por

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

POLÍTICA DE REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL

POLÍTICA DE REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL 1. PROPÓSITO A Fundação Bahiana para Desenvolvimento das Ciências (FBDC), mantenedora da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP), vem instituir a Política de Repositório Institucional - RI,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC. Rodrigo Moreira Garcia garcia.rodrigo@usp.br

O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC. Rodrigo Moreira Garcia garcia.rodrigo@usp.br Mesa: O papel das Tic s para a Democratização da Informação Publica O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC Rodrigo Moreira Garcia garcia.rodrigo@usp.br Bibliotecário da Escola de Comunicações e

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict

Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict SERVIÇOS DE REFERÊNCIA: NAS TRILHAS DA WEB Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict No processo

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

DSpace como repositório eletrônico de monografias da Universidade Estadual da Paraíba

DSpace como repositório eletrônico de monografias da Universidade Estadual da Paraíba de Andrade, Camille; Santos da Silva Medeiros, Irenilda DSpace como repositório eletrônico de monografias da Universidade Estadual da Paraíba III Jornadas de Intercambio y Reflexión acerca de la Investigación

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord CRIMES DE PIRATARIA DE SOFTWARE Prática ilícita caracterizada

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

Curso Desmistificando SOA Arquitetura Orientada a Serviços

Curso Desmistificando SOA Arquitetura Orientada a Serviços Curso Desmistificando SOA Arquitetura Orientada a Serviços Service-oriented architecture (SOA), ou em português arquitetura orientada a serviços é uma visão conceitual de negócios onde as funcionalidades,ou

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio TERMOS DE USO Gestão eficiente do seu negócio SEJA BEM-VINDO AO SUASVENDAS! Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo SuasVendas, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/PIBITI - 2014/15 RODRIGO FREESE GONZATTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais