Marcelo Andrade da Gama Malcher

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcelo Andrade da Gama Malcher"

Transcrição

1 Marcelo Andrade da Gama Malcher Context-Awareness e o projeto Ambient Networks MONOGRAFIA DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO MÓVEL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro Outubro de

2 Índice 1 Introdução Sobre Contexto em Ambient Network (AN) Motivação Cenário Motivador Organização do restante do documento 7 2 Ambient Networks Ambient Control Space Ambient Network Interfaces 11 3 Context Aware em Ambient Networks Gerenciamento de Contexto Contextware 15 4 Conclusões 21 5 Referências 22 2

3 Índice de Figuras Ilustração 1 A idéia da composição de redes em Ambient Networks...5 Ilustração 2 As diversas redes se componto e acessando umas às outras através de interfaces...9 Ilustração 3 Composição de Ambient Network e Control Space...11 Ilustração 4 Arquitetura do Contextware. O fluxo se informações entre as entidades através das interfaces em várias redes compostas Ilustração 5 Principais componentes do contextware

4 1 Introdução O projeto Ambient Networks 1 visa criar soluções de redes para sistemas móveis e sem fios além dos modelos de rede 3G vistos atualmente. Os ambientes serão compostos por inúmeros tipos de dispositivos, redes, operadores de rede, e atores, todos se comunicando com todos de modo direto e irrestrito [1]. Segundo [2], o projeto aborda a criação de um ambiente onde seja possível compor dinamicamente redes. Com isto, o acesso estará garantido a todos os tipos de redes, desde as pessoais até grandes redes corporativas, através de acordos entre as partes estabelecidos no instante da composição. Para atingir as metas propostas, alguns objetivos técnicos foram definidos [1]: Definir e validar uma solução completa e coerente para ambient networking; Assegurar que a solução do projeto irá estabelecer novos padrões para o futuro de áreas de context-aware e redes móveis; Assegurar a viabilidade comercial do projeto; Validar as várias soluções técnicas propostas pelos grupos de pesquisa do projeto. O projeto é sub-dividido em oito grupos de pesquisa que são: 1. Conceitos, arquiteturas e coordenação técnica; 2. Acesso múltiplo via rádio; 3. Conectividade e composição de redes; 4. Mobilidade e Redes Móveis 5. Transporte e roteamento de multimídia inteligentes; 6. Redes sensíveis a contexto (Context-aware); 7. Segurança; 8. Gerenciamento de redes; Esses grupos, que são todos referidos como Workpackages (WP), pretendem estudar detalhadamente e buscar novas soluções em suas respectivas áreas. Neste texto será discutida a importância do contexto no projeto Ambient 1 A sigla de Ambient Networks, AN, será usada no texto em alusão ao projeto e também às redes em si que serão implementadas de acordo com a especificação do projeto. 4

5 Networks, e logo serão tratados os estudos do WP6, que se referem a redes sensíveis a contexto. Na figura abaixo, pode-se ter a idéia do que é a composição instantânea de redes, a principal característica do projeto. Cada rede fornecerá interfaces de acesso às outras redes, garantindo escalabilidade e interoperabilidade [4]. Ilustração 1 A idéia da composição de redes em Ambient Networks [4] É esperado que uma ambient network suporte a heterogeneidade das diferentes redes de tal maneira que a rede pareça homogênea para os usuários finais [2] Sobre Contexto em Ambient Network (AN) A exploração da informação de contexto relacionada às redes pode fazer com que as comunicações entre redes se dêem de maneira mais simples, mais eficiente, e mais poderosa. Os serviços agora podem ser sensíveis a contexto, como por exemplo o gerenciamento móvel, que se beneficia de informações como localidade e direção de uma entidade no meio móvel. Mas o que é contexto? Em [2], diz-se que contexto é qualquer informação que pode ser usada para caracterizar uma situação ou uma entidade, sendo esta uma pessoa, um lugar, ou um objeto que é considerado relevante para a interação entre um usuário e uma aplicação. Um dos principais desafios em ANs é integrar a informação de contexto de modo a providenciar novas aplicações e adaptações de serviços, composição instantânea de redes, e suporte a mobilidade e 5

6 heterogeneidade. Um contexto pode-se referir a aspectos do mundo físico mas também às condições e às atividades no mundo virtual. 1.2.Motivação Com os vários obstáculos que as redes 3G apresentam atualmente, a criação de um padrão de redes que se adapta ao ambiente parece ser realmente o futuro [5]. As maiorias das companhias líderes em pesquisa e tecnologia do mundo estão apoiando o projeto Ambient Networks, e conclui-se que caso o projeto obtenha sucesso, este novo padrão será rapidamente adotado [1]. O estudo e a pesquisa a respeito do projeto são de extrema importância para manter-se atualizado nesta área. Vários grupos de pesquisa ao redor do mundo, já trabalham com a idéia de informação de contexto e assim será com as ambient networks. Pode-se notar que este fator é imprescindível para o sucesso do projeto Exemplo de Cenário Para se ter uma idéia do que seria um ambiente atendendo a essas propostas, aqui vai um cenário exemplo retirado de [8]: Arthur é um estudante que está saindo de sua escola e indo para casa com os amigos. Durante as aulas, a rede sem fio da escola provê os arquivos multimídia que são usados pelos professores nas aulas. A rede móvel presente da escola para a casa, possibilita a Arthur trocar dados via seu dispositivo portátil enquanto caminha para casa. Quando chega em casa, Arthur entra na rede da casa, que por sua vez está conectada com a rede residencial. O seu dispositivo móvel troca dados se com todos os computadores da casa. Arthur agora sabe exatamente onde os outros membros da casa estão. A irmã de Arthur, Marina, não está em seu quarto. Ela exportou seu dever de casa para a casa de sua vizinha, de modo a fazer o dever com a mesma. O fogão informa Arthur via seu dispositivo móvel de que os biscoitos estão prontos, mas que a mãe de Arthur deixou instruções para que ele não coma nada até sua irmã Marina chegue em casa. Durante o dever de casa, Arthur utiliza funções de multimídia da sua televisão, onde apresenta o resumo do que foi estudado, e os exercícios são mandados para o professor via . Arthur sai para jogar futebol, e não é necessário juiz, pois a bola possui sensores exatos da medida do campo e de sua posição atual. Qualquer dúvida, as câmeras de 6

7 segurança do playground automaticamente projetam na televisão mais próxima o replay do lance polêmico. Quando o jantar é servido em casa, seu dispositivo móvel é alertado, e Arthur volta para casa. 1.4.Organização do restante do documento Este documento está dividido da seguinte maneira: Na seção 2 encontram-se uma introdução às Ambient Networks e alguns detalhes importantes da estrutura; Na seção 3 estuda-se a importância, o uso e o gerenciamento do contexto no projeto; É feita uma conclusão na seção 4; Por último, encontra-se a referência bibliográfica. 7

8 2 Ambient Networks O projeto Ambient Networks visa à composição automática de redes heterogêneas, sem necessidade de pré-configuração, nem negociação em offline dos operadores dessas redes envolvidas, ou seja, esta composição é autoconfigurável possibilitando uma rápida adaptação da topologia da rede como requisitado pelas redes móveis [4]. Este processo é feito por demanda e é totalmente transparente aos usuários, habilitando aos mesmos e aos operadores de redes a possibilidade de explorar os recursos e serviços disponíveis após a composição. As principais características das Ambient Networks (ANs) são [4]: Rede All-IP: ANs são baseadas em redes móveis baseadas em IP e podem ser consideradas como o resultado da contínua adoção dos princípios de desenvolvimento da Internet. Heterogeneidade: ANs são baseadas em uma federação (resultado de várias composições) de várias redes de diferentes operadores e tecnologias. Mobilidade: Em arquiteturas de redes compostas dinamicamente, a mobilidade dos grupos de usuários suportaria efetiva comunicação local. Uma solução móvel de uma AN irá trabalhar com sucesso através das fronteiras administrativas e de negócios, que necessitam de soluções para as questões de segurança das operações em um mesmo domínio. Capacidade de composição: Para formar uma nova AN, várias redes são compostas dinamicamente. Essas ANs podem pertencer a diferentes entidades administrativas ou econômicas, portanto, ANs fornecem serviços de maneira cooperativa e também competitiva. Essa cooperação é facilitada pelas Ambient Networks Interfaces (explicadas na seção 2.2). Fornecimento de interfaces de controle bem-definidas para outras ANs e para plataformas de serviços ou aplicações. 8

9 Área Explícita de Controle: Fornecimento do Ambient Control Space (explicado na seção 2.1). Quando ANs e suas funções de controle são compostas, deve-se ter cuidado para que cada função controle exatamente os mesmos recursos que antes. Context Sensitive Communication: Comunicação entre atores no domínio da AN que será sensível às mudanças no contexto atual. Isso permite que os atores respondam a mudanças às situações de contexto. Ilustração 2 As diversas redes se compondo e acessando umas às outras através de interfaces Segundo [3], é necessário a criação de um conjunto de funções de controle padrão, que possam ser (re) configurados dinamicamente e estejam sempre disponíveis. Atualmente, existe o problema da falta de um padrão de funções de controle disponíveis e configuráveis, além da dependência das tecnologias proprietárias de rede. Esses são os maiores obstáculos que o projeto encontra, e para superá-los, serão definidas as funções mencionadas acima. Para alcançar este feito, um framework conceitual é definido, incluindo as funções de controle requeridas para alcançar todas as capacidades necessárias de uma rede. Este framework é baseado nos seguintes princípios [4]: 1. Ambient Networks terá conectividade e funções de rede abertas: Não existirá mais a restrição atual de o quê pode se conectar com o quê. O objetivo é capacitar todos os serviços de rede para todas as redes conectadas. O conceito de AN define um conjunto de funções requeridas para satisfazer as necessidades dos operadores de rede. O desafio aqui é fornecer mecanismos apropriados para permitir qualquer relacionamento. 9

10 2. Ambient Networks são baseadas em autocomposição e autoconfiguração: Essas características vão permitir a rápida inserção de novos serviços para todas as redes conectadas, aumentando assim os negócios dos operadores de rede. 3. Funções de Ambient Networks podem ser adicionadas a redes existentes: Para AN, os níveis de conectividade e de controle são separados logicamente. Em nível de controle, o Ambient Control Space, pode melhorar as tecnologias já existentes utilizando funções de controle distintas que são compatíveis com todos os domínios de uma ambient network. Um cenário é mostrado na figura abaixo. Com os princípios listados acima, Ambient Networks vai fornecer serviços end-to-end para cada composição de redes heterogêneas. Os operadores de redes podem decidir qual nível de suporte eles querem dar aos usuários, baseados em um conjunto de funções de controle e composição, de maneira simples, sem restrições de integração de conectividade. Redes existentes podem ser integradas e além do mais, novas tecnologias podem ser introduzidas de maneira coerente. Usuários finais podem selecionar entre diferentes funções de controle em seus dispositivos ou redes pessoais. Provedores de serviços podem se dirigir a seus usuários sem se preocupar com o acesso dos mesmos ou a capacidade de suas redes [7]. 10

11 Ilustração 3 Composição de Ambient Network e Control Space [4] 2.1. Ambient Control Space O Ambient Control Space (ACS) abrange todas as funções de controle em um certo domínio de rede. O ACS juntamente com a conectividade é chamado de uma Ambient Network. O ACS contém uma série de funções de controle que podem ser opcionais em certas instanciações do espaço de controle da rede. Exemplos dessas funções incluem suporte a redes móveis ou de acesso múltiplo, assim como funções de fornecimento de informações de contexto [4] Ambient Network Interfaces Os usuários se movem dentre os vários domínios de rede e vão explorar a capacidade dos mesmos. Control Spaces (espaços de controle) serão necessários sobre estes domínios. Estes mesmos usuários vão assumir que terão às suas disposições seus serviços pessoais, não importando sua localização nem a conexão que estão utilizando. Para permitir cooperação entre diferentes Ambient Networks, são fornecidas interfaces do tipo Ambient Network Interface (ANI), 11

12 que oferecem meios padrões de conectar as funções de um ACS com funções de outro domínio segundo [3] e [4]. Acessar os serviços de uma ambient network ocorre via as Ambient Service Interfaces (ASI). Mesmo em uma rede composta, as outras entidades enxergam somente um componente homogêneo de controle. Uma aplicação ou um serviço que estejam utilizando as funções do Control Space vão sempre ver o mesmo ambiente sem importar por qual ASI esteja conectado [4]. Segundo [3] e [4], deve ser garantida a escalabilidade dessas interfaces pois elas serão aplicadas desde pequenas redes pessoais a largas redes corporativas. Uma questão relacionada é a universalidade, pois este esquema deve cobrir todos os tipos de redes. A ASI e a ANI têm as seguintes propriedades: Funções similares apesar da natureza da ambient network; Uma conexão simples do estilo Plug-&-Play entre ambient networks; Re-configurabilidade da rede; Uma interface simples para o mundo externo; Suportar redes móveis. 12

13 3 Context Aware em Ambient Networks A busca por um ambiente híbrido, onde homens e recursos computacionais estejam integrados, encontra vários desafios que vão desde o nível de rede até o de aplicação [2]. Para superá-los, deve-se adquirir conhecimento e obter interação com o ambiente. Em [2], classifica-se contexto como o conhecimento, e a interação resultante do uso deste contexto, chama-se de context sensitive communications (tradução livre comunicação sensível ao contexto ). Para alcançar o modelo de ambiente computacional, o objetivo do projeto Ambient Network, as aplicações e a rede devem ser sensíveis ao contexto. Portanto, o termo context-sensitive communication significa um tipo de comunicação, onde o canal de comunicação entre os dispositivos é baseado em alguns contextos específicos [2]. O requisito básico de fornecimento deste tipo de comunicação é que o próprio sistema seja sensível a contexto. Os desafios para isso são: Adaptação sistemática e representação customizada do contexto; Associação do contexto em ações de tempo real; Processamento e disseminação espontânea de contextos adquiridos. Não existem métodos claros de como a informação de contexto deve ser disseminada entre as entidades, ou entre os sistemas que se beneficiariam dessa informação ao executar tarefas espontâneas que não são especificadas explicitamente pelas entidades mas sim inferidas pela situação atual. O projeto visa um novo método de comunicação que será capaz de prover conectividade automática e troca de informações em ambientes sensíveis a contexto. As comunicações nesse ambiente são sensíveis a mudanças e capazes de criar, modificar, adaptar sessões, e manter a persistência das preferências sobre contexto das outras sessões [2]. O protocolo geral deste tipo de comunicação (CSCP Context-sensitive communication protocol) tem características que o tornam essencial para uma computação ambiente, que são: 13

14 1. Mobilidade: o protocolo tem que suportar mobilidade em todos os domínios, internos ou externos. Também deve suportar computação distribuída, ponto-a-ponto, e baseada em eventos. Conectividade persistente e acessibilidade total a todos os recursos devem ser fornecidas. 2. Gerenciamento: CSCP deve suportar gerenciamento de sessões para todos os tipos de aplicações, sejam elas em tempo real ou não. Este gerenciamento inclui fazer handovers sem percepção do usuário entre diferentes domínios, e também abstração de rede para os usuários e aplicações. 3. Transparência de tecnologia: o CSCP deve ser o mais independente possível da tecnologia e dos dispositivos usados, facilitando assim a interoperabilidade e a extensibilidade. 4. Associação: CSCP deve associar serviços a usuários ou projetar a presença do usuário para os outros usuários, capturando de contexto do ambiente ou buscando informações do perfil do usuário da base de conhecimento do sistema. Isto facilita a invocação espontânea de serviços. 5. Personalização: CSCP deve fornecer serviços visando os requisitos do usuário, além de interfaces familiares ao usuário no ambiente. 3.1.Gerenciamento de Contexto A informação do contexto é a chave para conseguir criar ambientes de rede sensíveis a contexto. Dois tipos de informação de contexto são considerados primordiais: a informação de contexto relacionada com o usuário, por exemplo sua identificação, localização, dispositivos usados, preferências, entre outros, e a informação de contexto relacionada à rede, por exemplo à identificação da rede, os recursos disponíveis, QoS, nível de segurança, entre outros. O tipo da informação depende se o cliente desse contexto é um usuário final ou uma Functional Area (FA) 2 do Ambient Control Space. Um cliente de contexto pode ser qualquer processo, aplicação ou serviço que precise dessa embromação para melhorar sua operação [6]. Uma nova abordagem é apresentada, onde as entidades da rede coletam e tem acesso a informações de contexto relevantes e se adaptam a elas. Essa 2 Uma Functional Área, ou área de função, faz parte do ACS e é responsável por 14 alguma funcionalidade do mesmo. O ACS possui várias FAs para gerenciar seus recursos.

15 abordagem oferece um suporte consistente para a rede para gerenciamento de contexto. Lembrando que uma das características de uma ambient network é que ela é extremamente dinâmica. Ao contrário das redes convencionais, a informação que é usada para caracterizar uma situação muda constantemente. Portanto, é de extrema importância vigiar e gerenciar esta informação segundo [5] e [6]. A informação de contexto relacionada às redes é necessária para gerenciar as constantes interações entre as redes heterogêneas que estão formando uma ambient network e gerenciar a adaptação topológica da rede, resultado dessa composição. Com gerenciamento do contexto, a vida do usuário poderá ser facilitada. A informação de contexto pode ser usada para criar redes mais receptivas às necessidades dos usuários Contextware O termo contextware significa o conjunto de elementos da arquitetura de uma ambient network envolvido diretamente no fornecimento das comunicações sensíveis a contexto. A comunicação contextware seria ativada por ações como a re-implantação de um serviço, a (auto/re) configuração e a (auto) otimização de um domínio ou uma rede [5]. 15

16 Ilustração 4 Arquitetura do Contextware. O fluxo de informações entre as entidades através das interfaces em várias redes compostas. As principais características de contextware a respeito de ANs são [5]: Estruturação Dinâmica de AN: Todas as características chave de uma AN, como a autocomposição, re-configuração e autogerenciamento necessitam da informação do contexto para serem possíveis. Contextware providencia este contexto. Comunicação contextware: O tipo de comunicação sensível a contexto (já mencionada Context-sensitive communication) envolve: o Negociação de contexto: contextos das redes podem ser identificados e trocados, o que facilita o processo de gerenciamento de ANs. o Interpretação de contexto: método de transformar um contexto em uma informação para processamento. o Qualidade do contexto: representa a qualidade da informação do contexto para um propósito específico. Context Control Space: um conceito chave para definição de contextware, representa a funcionalidade de controle e gerenciamento do contextware. Quando um contexto é requisitado, 16

17 este componente é responsável por mandar mensagens de controle que são usadas para adaptar serviços via as Ambient Service Interfaces. Fornecimento de Serviços de rede: o papel dado à rede é importante neste ponto. Por um lado ela pode só prover transporte, onde as funções de rede do contextware poderiam ser implantadas e distribuídas em servidores. Por outro lado, pode-se dar um papel mais ativo a rede, onde ela própria se torna o ambiente de execução. Esta última parece ser mais escalável e é baseada nos princípios de autocomposição e gerenciamento. Para criar ambientes com integração irrestrita de informação de contexto para fornecimento de serviços, composição de redes e adaptação de serviços, a funcionalidade do contextware permite tudo isto. Redes contextware permitem a inserção de novas aplicações e serviços em ambientes, e essas aplicações podem reagir positivamente a eventos inesperados. Os cinco principais conceitos para a realização do contextware são [5]: Ilustração 5 Principais componentes do contextware. 17

18 Context Information Base: o CIB, base de informação de contexto, é um dos principais componentes de contextware e representa o repositório onde informação de contexto pode ser extraída. O CIB contém todos os dados de contexto relevantes que pertencem às entidades que estão submetidas ao contextware. O CIB é o componente que é usado para interação com aplicações, dispositivos, e componentes de serviço específicos em uma AN. Este componente tem como objetivo: (i) abranger de modo físico e lógico os produtores e consumidores de contexto e (ii) prover mecanismos de tratamento de contexto para distribuição, manutenção, regras de contexto, formalismos, atualização e agregação de dados de contexto. Cross-Layer Context Handle: faz parte do CIB e é encarregado de coletar, disseminar e gerenciar informações de contexto. Informação de contexto que sejam válidas e atualizadas é o elemento principal para uma utilização de com sucesso em serviços oferecidos pelas ANs. Context Control Plane (CCP): representa o controle e o gerenciamento de funcionalidades de entrega de informação para clientes. O CCP é responsável por mandar as mensagens de controle que são usadas para adaptação de serviços em tempo real via ASI. O CCP abrange várias funcionalidades de contextware como: o Políticas e acordos de contexto em um domínio AN; o Gerenciamento do ciclo de vida de políticas e acordo sobre contexto além mecanismos de resolução de conflitos; o Controle de informação de contexto que visa permitir flexibilidade. o Funções que permitem negociação de contexto através de domínios diferentes; o Funções de registro de contexto; o Funções de agregação que suportam conectar e desconectar composições de contexto entre ANs. Essas funções suportam mobilidade dos usuários, dos serviços e da rede; o Modelo homogêneo de serviços e aplicações, o que providencia uma visão única de qualquer aplicação ou serviço para o uso das funções do CCP. 18

19 Context Level Agreement: a vasta quantidade e qualidade da informação de contexto, como também o fato de nem todos os contextos serem importantes para os usuários e para a rede, fazem com que seja necessário um acordo entre as partes em nível de contexto fornecido. O conceito de context level agreement (CLA) tem as seguintes vantagens: o CLA fornece métodos que ajudam os usuários a especificarem as informações de contexto que precisam, e ajudam os fornecedores de contexto a oferecer serviços de informação de contexto customizados; o Os fornecedores de contexto são protegidos contra quedas inesperadas de performance, já que eles sabem exatamente o que os clientes precisam, e com isso gerenciam seus recursos da melhor maneira. o É usado através dos domínios para prover serviços de contexto em grandes ambientes. o Fornece mecanismos simples para os fornecedores de contexto, para que possam monitorar seus recursos. Existem três modos de CLA: o modo passivo, onde o as especificações de contexto dos usuários são simples e não requerem praticamente nenhuma operação complexa dos fornecedores; o modo ativo, onde as especificações dos usuários são mais complexas requerendo filtros, mesclas, composições e monitorações de contexto; e o modo espontâneo, onde o gerenciamento e a inferência do contexto devem agir de modo a cobrir as incertezas e falta de clareza relacionada a altos níveis de contexto. Neste último modo, a negociação é feita de tal maneira que os fornecedores devem gerenciar os requisitos dos contextos dos usuários [5]. Quality of Context-QoC (qualidade do contexto): a informação de contexto pode não estar correta, pode estar incompleta ou indisponível em alguns momentos. Este conceito se refere à usabilidade e qualidade da informação de contexto em relação a uma operação específica. Logo, o QoC é essencialmente qualquer informação que pode descrever a qualidade da informação de contexto. 19

20 20

21 4 Conclusões Este documento teve como objetivo apresentar o conceito das Ambient Networks e a importância e o uso das informações de contexto para o sucesso do projeto. O desenvolvimento do projeto se dará em quatro (4) fases, e o mesmo ainda se encontra na primeira fase. É de se esperar que novas arquiteturas são necessárias para atender as demandas futuras da comunicação móvel. A arquitetura proposta pelo projeto Ambient Networks requer ainda mais detalhamento e conseqüentemente mais pesquisa, porém pelo que foi estudado parece que o projeto vai obter sucesso. Sobre a parte de contexto, nota-se o quão o tratamento do mesmo é imprescindível para a arquitetura proposta. As funcionalidades que mais representam uma evolução em comunicação de redes utilizam informação de contexto para funcionar. Apesar de ainda existirem grandes dificuldades em saber como tratar estas informações, parece que o caminho já foi encontrado. Basta saber se na prática tudo dará certo como está sendo previsto. Particularmente, acredito realmente que o projeto irá obter grande sucesso e aceitação no mundo todo se tornando o padrão em comunicação de redes, o que não é difícil de constatar visto o andamento do projeto e as inúmeras empresas envolvidas, algumas dessas líderes de setores na indústria. Finalizando, acredito que seja um conceito que ainda vai ganhar força nos anos seguintes com o andamento do projeto, tornando-se realidade. Daqui a alguns anos, cenas que só víamos em filmes serão concretizadas. As pessoas estarão completamente integradas aos artefatos computacionais que as rodeiam, e uma nova gama de serviços serão oferecidos. Resumindo, ambient networks é isso: computação ubíqua visando criar novas oportunidades, e ao mesmo tempo, facilitando e simplificando a comunicação entre redes utilizando informação de contexto. Tudo isto totalmente transparente aos usuários finais. 21

22 5 Referências [1] WWI-AN Ambient Networks Project, WWW Server. Disponível: [2] R. Giaffreda, et al., "Context Aware Communications in Ambient Networks", Proceedings of the 11th Wireless World Research Forum (WWRF), Oslo, Noruega, Junho [3] N. Niebert, H. Flinck, R. Hancock, H. Karl, and C. Prehofer, Ambient Networks Research for Communication Networks Beyond 3G, 13th IST Mobile and Wireless Communications, Summit 2004, Lyon, França, Junho [4] N. Niebert, et al., Ambient Networks: an architecture for communication networks beyond 3G, IEEE Wireless Communication, vol.11, no.2, Abril [5] A. Karmouch, et al., Contextware Research Challenges in Ambient Networks IEEE MATA 04, Florianopolis, Brasil, Outubro Disponível: [6] A. Karmouch, et al., Context Management Architecture for Ambient Networks Disponível: ks.pdf [7] Ville Typpö1, et al., Research Challenges in Mobility and Movving Networks: An Ambient Networks View Disponível: s_an_ambient_networks_view.pdf [8] P. Jacquet Ambient Network Disponível: 22

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço.

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Título: PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA SOBRE-APROVISIONAMENTO DE RECURSOS SOBRE CAMINHOS HETEROGÊNEOS EM REDES SENSÍVEIS

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE

INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE Murilo Nunes Elias 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina(UFSC) Caixa Postal 475 88.040 900 Florianópolis

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações TERMINAL OPEN TRADE A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações Soluções Completas e Diferenciadas O assistente perfeito para ambientes de negociações O Open Trade é

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas (Policy-Based Networking) Ademir José de Carvalho Junior Recife, Fevereiro de 2007 Resumo: A complexidade das redes baseadas em IP atualmente segue crescendo

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e PING: Segmentação Interconexão Segurança Meios de acesso Organização e intercâmbio de informações

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage

Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage Serviços HP CarePack Dados técnicos A configuração correta de hardware de armazenamento é crucial para ajudar a melhorar a eficácia dos

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS

SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS ALAVANCANDO A BASE DE PROJETOS DE ENGENHARIA DURANTE TODO O CICLO DE VIDA DA PLANTA BUSINESS CASE OWNER OPERATORS se deparam, atualmente, com uma incrível demanda

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

INVGATE IT MANAGEMENT

INVGATE IT MANAGEMENT INVGATE IT MANAGEMENT Liderando la vanguardia IT Falar da origem da InvGate é falar das necessidades do mercado IT. Porque uma organização especializada em desenvolver IT Management Software é uma organização

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC Lara Pessanha e Vanessa Saavedra A utilização de indicadores de desempenho é uma prática benéfica para todo e qualquer tipo

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

A velocidade dos negócios

A velocidade dos negócios A velocidade dos negócios Índice Obstáculos para a velocidade nas empresas...... 2 Construindo blocos para na velocidade nas empresas... 3 Implementação de serviços 27 vezes mais rápida... 3 Avançando

Leia mais

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto Boletim Técnico de Produto InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento As aplicações de água e processo geram ou afetam diretamente grandes quantidades de dados operacionais, que podem ser de natureza

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

D-18911-2010. Ao seu lado na área de emergência

D-18911-2010. Ao seu lado na área de emergência D-18911-2010 Ao seu lado na área de emergência 2 Em um caso de emergência, cada segundo conta. D-18913-2010 D-18914-2010 Lidando com o inesperado Na emergência, você nunca sabe o que esperar. Na Dräger,

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Visão Geral do Mercado Embora o uso dos produtos da Web 2.0 esteja crescendo rapidamente, seu impacto integral sobre

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO CASES DE EDUCAÇÃO Case Cisco UNIVATES CLIENTE - Centro Universitário Univates - Número total de alunos: 13.235 - Número total de professores contratados: 537 SEGMENTO - Educação privada superior e profissionalizante

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O Mobile Voice System ( MVS) foi projetado para unificar os recursos do telefone fixo aos smartphones e às redes

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais