Marcelo Andrade da Gama Malcher

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcelo Andrade da Gama Malcher"

Transcrição

1 Marcelo Andrade da Gama Malcher Context-Awareness e o projeto Ambient Networks MONOGRAFIA DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO MÓVEL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro Outubro de

2 Índice 1 Introdução Sobre Contexto em Ambient Network (AN) Motivação Cenário Motivador Organização do restante do documento 7 2 Ambient Networks Ambient Control Space Ambient Network Interfaces 11 3 Context Aware em Ambient Networks Gerenciamento de Contexto Contextware 15 4 Conclusões 21 5 Referências 22 2

3 Índice de Figuras Ilustração 1 A idéia da composição de redes em Ambient Networks...5 Ilustração 2 As diversas redes se componto e acessando umas às outras através de interfaces...9 Ilustração 3 Composição de Ambient Network e Control Space...11 Ilustração 4 Arquitetura do Contextware. O fluxo se informações entre as entidades através das interfaces em várias redes compostas Ilustração 5 Principais componentes do contextware

4 1 Introdução O projeto Ambient Networks 1 visa criar soluções de redes para sistemas móveis e sem fios além dos modelos de rede 3G vistos atualmente. Os ambientes serão compostos por inúmeros tipos de dispositivos, redes, operadores de rede, e atores, todos se comunicando com todos de modo direto e irrestrito [1]. Segundo [2], o projeto aborda a criação de um ambiente onde seja possível compor dinamicamente redes. Com isto, o acesso estará garantido a todos os tipos de redes, desde as pessoais até grandes redes corporativas, através de acordos entre as partes estabelecidos no instante da composição. Para atingir as metas propostas, alguns objetivos técnicos foram definidos [1]: Definir e validar uma solução completa e coerente para ambient networking; Assegurar que a solução do projeto irá estabelecer novos padrões para o futuro de áreas de context-aware e redes móveis; Assegurar a viabilidade comercial do projeto; Validar as várias soluções técnicas propostas pelos grupos de pesquisa do projeto. O projeto é sub-dividido em oito grupos de pesquisa que são: 1. Conceitos, arquiteturas e coordenação técnica; 2. Acesso múltiplo via rádio; 3. Conectividade e composição de redes; 4. Mobilidade e Redes Móveis 5. Transporte e roteamento de multimídia inteligentes; 6. Redes sensíveis a contexto (Context-aware); 7. Segurança; 8. Gerenciamento de redes; Esses grupos, que são todos referidos como Workpackages (WP), pretendem estudar detalhadamente e buscar novas soluções em suas respectivas áreas. Neste texto será discutida a importância do contexto no projeto Ambient 1 A sigla de Ambient Networks, AN, será usada no texto em alusão ao projeto e também às redes em si que serão implementadas de acordo com a especificação do projeto. 4

5 Networks, e logo serão tratados os estudos do WP6, que se referem a redes sensíveis a contexto. Na figura abaixo, pode-se ter a idéia do que é a composição instantânea de redes, a principal característica do projeto. Cada rede fornecerá interfaces de acesso às outras redes, garantindo escalabilidade e interoperabilidade [4]. Ilustração 1 A idéia da composição de redes em Ambient Networks [4] É esperado que uma ambient network suporte a heterogeneidade das diferentes redes de tal maneira que a rede pareça homogênea para os usuários finais [2] Sobre Contexto em Ambient Network (AN) A exploração da informação de contexto relacionada às redes pode fazer com que as comunicações entre redes se dêem de maneira mais simples, mais eficiente, e mais poderosa. Os serviços agora podem ser sensíveis a contexto, como por exemplo o gerenciamento móvel, que se beneficia de informações como localidade e direção de uma entidade no meio móvel. Mas o que é contexto? Em [2], diz-se que contexto é qualquer informação que pode ser usada para caracterizar uma situação ou uma entidade, sendo esta uma pessoa, um lugar, ou um objeto que é considerado relevante para a interação entre um usuário e uma aplicação. Um dos principais desafios em ANs é integrar a informação de contexto de modo a providenciar novas aplicações e adaptações de serviços, composição instantânea de redes, e suporte a mobilidade e 5

6 heterogeneidade. Um contexto pode-se referir a aspectos do mundo físico mas também às condições e às atividades no mundo virtual. 1.2.Motivação Com os vários obstáculos que as redes 3G apresentam atualmente, a criação de um padrão de redes que se adapta ao ambiente parece ser realmente o futuro [5]. As maiorias das companhias líderes em pesquisa e tecnologia do mundo estão apoiando o projeto Ambient Networks, e conclui-se que caso o projeto obtenha sucesso, este novo padrão será rapidamente adotado [1]. O estudo e a pesquisa a respeito do projeto são de extrema importância para manter-se atualizado nesta área. Vários grupos de pesquisa ao redor do mundo, já trabalham com a idéia de informação de contexto e assim será com as ambient networks. Pode-se notar que este fator é imprescindível para o sucesso do projeto Exemplo de Cenário Para se ter uma idéia do que seria um ambiente atendendo a essas propostas, aqui vai um cenário exemplo retirado de [8]: Arthur é um estudante que está saindo de sua escola e indo para casa com os amigos. Durante as aulas, a rede sem fio da escola provê os arquivos multimídia que são usados pelos professores nas aulas. A rede móvel presente da escola para a casa, possibilita a Arthur trocar dados via seu dispositivo portátil enquanto caminha para casa. Quando chega em casa, Arthur entra na rede da casa, que por sua vez está conectada com a rede residencial. O seu dispositivo móvel troca dados se com todos os computadores da casa. Arthur agora sabe exatamente onde os outros membros da casa estão. A irmã de Arthur, Marina, não está em seu quarto. Ela exportou seu dever de casa para a casa de sua vizinha, de modo a fazer o dever com a mesma. O fogão informa Arthur via seu dispositivo móvel de que os biscoitos estão prontos, mas que a mãe de Arthur deixou instruções para que ele não coma nada até sua irmã Marina chegue em casa. Durante o dever de casa, Arthur utiliza funções de multimídia da sua televisão, onde apresenta o resumo do que foi estudado, e os exercícios são mandados para o professor via . Arthur sai para jogar futebol, e não é necessário juiz, pois a bola possui sensores exatos da medida do campo e de sua posição atual. Qualquer dúvida, as câmeras de 6

7 segurança do playground automaticamente projetam na televisão mais próxima o replay do lance polêmico. Quando o jantar é servido em casa, seu dispositivo móvel é alertado, e Arthur volta para casa. 1.4.Organização do restante do documento Este documento está dividido da seguinte maneira: Na seção 2 encontram-se uma introdução às Ambient Networks e alguns detalhes importantes da estrutura; Na seção 3 estuda-se a importância, o uso e o gerenciamento do contexto no projeto; É feita uma conclusão na seção 4; Por último, encontra-se a referência bibliográfica. 7

8 2 Ambient Networks O projeto Ambient Networks visa à composição automática de redes heterogêneas, sem necessidade de pré-configuração, nem negociação em offline dos operadores dessas redes envolvidas, ou seja, esta composição é autoconfigurável possibilitando uma rápida adaptação da topologia da rede como requisitado pelas redes móveis [4]. Este processo é feito por demanda e é totalmente transparente aos usuários, habilitando aos mesmos e aos operadores de redes a possibilidade de explorar os recursos e serviços disponíveis após a composição. As principais características das Ambient Networks (ANs) são [4]: Rede All-IP: ANs são baseadas em redes móveis baseadas em IP e podem ser consideradas como o resultado da contínua adoção dos princípios de desenvolvimento da Internet. Heterogeneidade: ANs são baseadas em uma federação (resultado de várias composições) de várias redes de diferentes operadores e tecnologias. Mobilidade: Em arquiteturas de redes compostas dinamicamente, a mobilidade dos grupos de usuários suportaria efetiva comunicação local. Uma solução móvel de uma AN irá trabalhar com sucesso através das fronteiras administrativas e de negócios, que necessitam de soluções para as questões de segurança das operações em um mesmo domínio. Capacidade de composição: Para formar uma nova AN, várias redes são compostas dinamicamente. Essas ANs podem pertencer a diferentes entidades administrativas ou econômicas, portanto, ANs fornecem serviços de maneira cooperativa e também competitiva. Essa cooperação é facilitada pelas Ambient Networks Interfaces (explicadas na seção 2.2). Fornecimento de interfaces de controle bem-definidas para outras ANs e para plataformas de serviços ou aplicações. 8

9 Área Explícita de Controle: Fornecimento do Ambient Control Space (explicado na seção 2.1). Quando ANs e suas funções de controle são compostas, deve-se ter cuidado para que cada função controle exatamente os mesmos recursos que antes. Context Sensitive Communication: Comunicação entre atores no domínio da AN que será sensível às mudanças no contexto atual. Isso permite que os atores respondam a mudanças às situações de contexto. Ilustração 2 As diversas redes se compondo e acessando umas às outras através de interfaces Segundo [3], é necessário a criação de um conjunto de funções de controle padrão, que possam ser (re) configurados dinamicamente e estejam sempre disponíveis. Atualmente, existe o problema da falta de um padrão de funções de controle disponíveis e configuráveis, além da dependência das tecnologias proprietárias de rede. Esses são os maiores obstáculos que o projeto encontra, e para superá-los, serão definidas as funções mencionadas acima. Para alcançar este feito, um framework conceitual é definido, incluindo as funções de controle requeridas para alcançar todas as capacidades necessárias de uma rede. Este framework é baseado nos seguintes princípios [4]: 1. Ambient Networks terá conectividade e funções de rede abertas: Não existirá mais a restrição atual de o quê pode se conectar com o quê. O objetivo é capacitar todos os serviços de rede para todas as redes conectadas. O conceito de AN define um conjunto de funções requeridas para satisfazer as necessidades dos operadores de rede. O desafio aqui é fornecer mecanismos apropriados para permitir qualquer relacionamento. 9

10 2. Ambient Networks são baseadas em autocomposição e autoconfiguração: Essas características vão permitir a rápida inserção de novos serviços para todas as redes conectadas, aumentando assim os negócios dos operadores de rede. 3. Funções de Ambient Networks podem ser adicionadas a redes existentes: Para AN, os níveis de conectividade e de controle são separados logicamente. Em nível de controle, o Ambient Control Space, pode melhorar as tecnologias já existentes utilizando funções de controle distintas que são compatíveis com todos os domínios de uma ambient network. Um cenário é mostrado na figura abaixo. Com os princípios listados acima, Ambient Networks vai fornecer serviços end-to-end para cada composição de redes heterogêneas. Os operadores de redes podem decidir qual nível de suporte eles querem dar aos usuários, baseados em um conjunto de funções de controle e composição, de maneira simples, sem restrições de integração de conectividade. Redes existentes podem ser integradas e além do mais, novas tecnologias podem ser introduzidas de maneira coerente. Usuários finais podem selecionar entre diferentes funções de controle em seus dispositivos ou redes pessoais. Provedores de serviços podem se dirigir a seus usuários sem se preocupar com o acesso dos mesmos ou a capacidade de suas redes [7]. 10

11 Ilustração 3 Composição de Ambient Network e Control Space [4] 2.1. Ambient Control Space O Ambient Control Space (ACS) abrange todas as funções de controle em um certo domínio de rede. O ACS juntamente com a conectividade é chamado de uma Ambient Network. O ACS contém uma série de funções de controle que podem ser opcionais em certas instanciações do espaço de controle da rede. Exemplos dessas funções incluem suporte a redes móveis ou de acesso múltiplo, assim como funções de fornecimento de informações de contexto [4] Ambient Network Interfaces Os usuários se movem dentre os vários domínios de rede e vão explorar a capacidade dos mesmos. Control Spaces (espaços de controle) serão necessários sobre estes domínios. Estes mesmos usuários vão assumir que terão às suas disposições seus serviços pessoais, não importando sua localização nem a conexão que estão utilizando. Para permitir cooperação entre diferentes Ambient Networks, são fornecidas interfaces do tipo Ambient Network Interface (ANI), 11

12 que oferecem meios padrões de conectar as funções de um ACS com funções de outro domínio segundo [3] e [4]. Acessar os serviços de uma ambient network ocorre via as Ambient Service Interfaces (ASI). Mesmo em uma rede composta, as outras entidades enxergam somente um componente homogêneo de controle. Uma aplicação ou um serviço que estejam utilizando as funções do Control Space vão sempre ver o mesmo ambiente sem importar por qual ASI esteja conectado [4]. Segundo [3] e [4], deve ser garantida a escalabilidade dessas interfaces pois elas serão aplicadas desde pequenas redes pessoais a largas redes corporativas. Uma questão relacionada é a universalidade, pois este esquema deve cobrir todos os tipos de redes. A ASI e a ANI têm as seguintes propriedades: Funções similares apesar da natureza da ambient network; Uma conexão simples do estilo Plug-&-Play entre ambient networks; Re-configurabilidade da rede; Uma interface simples para o mundo externo; Suportar redes móveis. 12

13 3 Context Aware em Ambient Networks A busca por um ambiente híbrido, onde homens e recursos computacionais estejam integrados, encontra vários desafios que vão desde o nível de rede até o de aplicação [2]. Para superá-los, deve-se adquirir conhecimento e obter interação com o ambiente. Em [2], classifica-se contexto como o conhecimento, e a interação resultante do uso deste contexto, chama-se de context sensitive communications (tradução livre comunicação sensível ao contexto ). Para alcançar o modelo de ambiente computacional, o objetivo do projeto Ambient Network, as aplicações e a rede devem ser sensíveis ao contexto. Portanto, o termo context-sensitive communication significa um tipo de comunicação, onde o canal de comunicação entre os dispositivos é baseado em alguns contextos específicos [2]. O requisito básico de fornecimento deste tipo de comunicação é que o próprio sistema seja sensível a contexto. Os desafios para isso são: Adaptação sistemática e representação customizada do contexto; Associação do contexto em ações de tempo real; Processamento e disseminação espontânea de contextos adquiridos. Não existem métodos claros de como a informação de contexto deve ser disseminada entre as entidades, ou entre os sistemas que se beneficiariam dessa informação ao executar tarefas espontâneas que não são especificadas explicitamente pelas entidades mas sim inferidas pela situação atual. O projeto visa um novo método de comunicação que será capaz de prover conectividade automática e troca de informações em ambientes sensíveis a contexto. As comunicações nesse ambiente são sensíveis a mudanças e capazes de criar, modificar, adaptar sessões, e manter a persistência das preferências sobre contexto das outras sessões [2]. O protocolo geral deste tipo de comunicação (CSCP Context-sensitive communication protocol) tem características que o tornam essencial para uma computação ambiente, que são: 13

14 1. Mobilidade: o protocolo tem que suportar mobilidade em todos os domínios, internos ou externos. Também deve suportar computação distribuída, ponto-a-ponto, e baseada em eventos. Conectividade persistente e acessibilidade total a todos os recursos devem ser fornecidas. 2. Gerenciamento: CSCP deve suportar gerenciamento de sessões para todos os tipos de aplicações, sejam elas em tempo real ou não. Este gerenciamento inclui fazer handovers sem percepção do usuário entre diferentes domínios, e também abstração de rede para os usuários e aplicações. 3. Transparência de tecnologia: o CSCP deve ser o mais independente possível da tecnologia e dos dispositivos usados, facilitando assim a interoperabilidade e a extensibilidade. 4. Associação: CSCP deve associar serviços a usuários ou projetar a presença do usuário para os outros usuários, capturando de contexto do ambiente ou buscando informações do perfil do usuário da base de conhecimento do sistema. Isto facilita a invocação espontânea de serviços. 5. Personalização: CSCP deve fornecer serviços visando os requisitos do usuário, além de interfaces familiares ao usuário no ambiente. 3.1.Gerenciamento de Contexto A informação do contexto é a chave para conseguir criar ambientes de rede sensíveis a contexto. Dois tipos de informação de contexto são considerados primordiais: a informação de contexto relacionada com o usuário, por exemplo sua identificação, localização, dispositivos usados, preferências, entre outros, e a informação de contexto relacionada à rede, por exemplo à identificação da rede, os recursos disponíveis, QoS, nível de segurança, entre outros. O tipo da informação depende se o cliente desse contexto é um usuário final ou uma Functional Area (FA) 2 do Ambient Control Space. Um cliente de contexto pode ser qualquer processo, aplicação ou serviço que precise dessa embromação para melhorar sua operação [6]. Uma nova abordagem é apresentada, onde as entidades da rede coletam e tem acesso a informações de contexto relevantes e se adaptam a elas. Essa 2 Uma Functional Área, ou área de função, faz parte do ACS e é responsável por 14 alguma funcionalidade do mesmo. O ACS possui várias FAs para gerenciar seus recursos.

15 abordagem oferece um suporte consistente para a rede para gerenciamento de contexto. Lembrando que uma das características de uma ambient network é que ela é extremamente dinâmica. Ao contrário das redes convencionais, a informação que é usada para caracterizar uma situação muda constantemente. Portanto, é de extrema importância vigiar e gerenciar esta informação segundo [5] e [6]. A informação de contexto relacionada às redes é necessária para gerenciar as constantes interações entre as redes heterogêneas que estão formando uma ambient network e gerenciar a adaptação topológica da rede, resultado dessa composição. Com gerenciamento do contexto, a vida do usuário poderá ser facilitada. A informação de contexto pode ser usada para criar redes mais receptivas às necessidades dos usuários Contextware O termo contextware significa o conjunto de elementos da arquitetura de uma ambient network envolvido diretamente no fornecimento das comunicações sensíveis a contexto. A comunicação contextware seria ativada por ações como a re-implantação de um serviço, a (auto/re) configuração e a (auto) otimização de um domínio ou uma rede [5]. 15

16 Ilustração 4 Arquitetura do Contextware. O fluxo de informações entre as entidades através das interfaces em várias redes compostas. As principais características de contextware a respeito de ANs são [5]: Estruturação Dinâmica de AN: Todas as características chave de uma AN, como a autocomposição, re-configuração e autogerenciamento necessitam da informação do contexto para serem possíveis. Contextware providencia este contexto. Comunicação contextware: O tipo de comunicação sensível a contexto (já mencionada Context-sensitive communication) envolve: o Negociação de contexto: contextos das redes podem ser identificados e trocados, o que facilita o processo de gerenciamento de ANs. o Interpretação de contexto: método de transformar um contexto em uma informação para processamento. o Qualidade do contexto: representa a qualidade da informação do contexto para um propósito específico. Context Control Space: um conceito chave para definição de contextware, representa a funcionalidade de controle e gerenciamento do contextware. Quando um contexto é requisitado, 16

17 este componente é responsável por mandar mensagens de controle que são usadas para adaptar serviços via as Ambient Service Interfaces. Fornecimento de Serviços de rede: o papel dado à rede é importante neste ponto. Por um lado ela pode só prover transporte, onde as funções de rede do contextware poderiam ser implantadas e distribuídas em servidores. Por outro lado, pode-se dar um papel mais ativo a rede, onde ela própria se torna o ambiente de execução. Esta última parece ser mais escalável e é baseada nos princípios de autocomposição e gerenciamento. Para criar ambientes com integração irrestrita de informação de contexto para fornecimento de serviços, composição de redes e adaptação de serviços, a funcionalidade do contextware permite tudo isto. Redes contextware permitem a inserção de novas aplicações e serviços em ambientes, e essas aplicações podem reagir positivamente a eventos inesperados. Os cinco principais conceitos para a realização do contextware são [5]: Ilustração 5 Principais componentes do contextware. 17

18 Context Information Base: o CIB, base de informação de contexto, é um dos principais componentes de contextware e representa o repositório onde informação de contexto pode ser extraída. O CIB contém todos os dados de contexto relevantes que pertencem às entidades que estão submetidas ao contextware. O CIB é o componente que é usado para interação com aplicações, dispositivos, e componentes de serviço específicos em uma AN. Este componente tem como objetivo: (i) abranger de modo físico e lógico os produtores e consumidores de contexto e (ii) prover mecanismos de tratamento de contexto para distribuição, manutenção, regras de contexto, formalismos, atualização e agregação de dados de contexto. Cross-Layer Context Handle: faz parte do CIB e é encarregado de coletar, disseminar e gerenciar informações de contexto. Informação de contexto que sejam válidas e atualizadas é o elemento principal para uma utilização de com sucesso em serviços oferecidos pelas ANs. Context Control Plane (CCP): representa o controle e o gerenciamento de funcionalidades de entrega de informação para clientes. O CCP é responsável por mandar as mensagens de controle que são usadas para adaptação de serviços em tempo real via ASI. O CCP abrange várias funcionalidades de contextware como: o Políticas e acordos de contexto em um domínio AN; o Gerenciamento do ciclo de vida de políticas e acordo sobre contexto além mecanismos de resolução de conflitos; o Controle de informação de contexto que visa permitir flexibilidade. o Funções que permitem negociação de contexto através de domínios diferentes; o Funções de registro de contexto; o Funções de agregação que suportam conectar e desconectar composições de contexto entre ANs. Essas funções suportam mobilidade dos usuários, dos serviços e da rede; o Modelo homogêneo de serviços e aplicações, o que providencia uma visão única de qualquer aplicação ou serviço para o uso das funções do CCP. 18

19 Context Level Agreement: a vasta quantidade e qualidade da informação de contexto, como também o fato de nem todos os contextos serem importantes para os usuários e para a rede, fazem com que seja necessário um acordo entre as partes em nível de contexto fornecido. O conceito de context level agreement (CLA) tem as seguintes vantagens: o CLA fornece métodos que ajudam os usuários a especificarem as informações de contexto que precisam, e ajudam os fornecedores de contexto a oferecer serviços de informação de contexto customizados; o Os fornecedores de contexto são protegidos contra quedas inesperadas de performance, já que eles sabem exatamente o que os clientes precisam, e com isso gerenciam seus recursos da melhor maneira. o É usado através dos domínios para prover serviços de contexto em grandes ambientes. o Fornece mecanismos simples para os fornecedores de contexto, para que possam monitorar seus recursos. Existem três modos de CLA: o modo passivo, onde o as especificações de contexto dos usuários são simples e não requerem praticamente nenhuma operação complexa dos fornecedores; o modo ativo, onde as especificações dos usuários são mais complexas requerendo filtros, mesclas, composições e monitorações de contexto; e o modo espontâneo, onde o gerenciamento e a inferência do contexto devem agir de modo a cobrir as incertezas e falta de clareza relacionada a altos níveis de contexto. Neste último modo, a negociação é feita de tal maneira que os fornecedores devem gerenciar os requisitos dos contextos dos usuários [5]. Quality of Context-QoC (qualidade do contexto): a informação de contexto pode não estar correta, pode estar incompleta ou indisponível em alguns momentos. Este conceito se refere à usabilidade e qualidade da informação de contexto em relação a uma operação específica. Logo, o QoC é essencialmente qualquer informação que pode descrever a qualidade da informação de contexto. 19

20 20

21 4 Conclusões Este documento teve como objetivo apresentar o conceito das Ambient Networks e a importância e o uso das informações de contexto para o sucesso do projeto. O desenvolvimento do projeto se dará em quatro (4) fases, e o mesmo ainda se encontra na primeira fase. É de se esperar que novas arquiteturas são necessárias para atender as demandas futuras da comunicação móvel. A arquitetura proposta pelo projeto Ambient Networks requer ainda mais detalhamento e conseqüentemente mais pesquisa, porém pelo que foi estudado parece que o projeto vai obter sucesso. Sobre a parte de contexto, nota-se o quão o tratamento do mesmo é imprescindível para a arquitetura proposta. As funcionalidades que mais representam uma evolução em comunicação de redes utilizam informação de contexto para funcionar. Apesar de ainda existirem grandes dificuldades em saber como tratar estas informações, parece que o caminho já foi encontrado. Basta saber se na prática tudo dará certo como está sendo previsto. Particularmente, acredito realmente que o projeto irá obter grande sucesso e aceitação no mundo todo se tornando o padrão em comunicação de redes, o que não é difícil de constatar visto o andamento do projeto e as inúmeras empresas envolvidas, algumas dessas líderes de setores na indústria. Finalizando, acredito que seja um conceito que ainda vai ganhar força nos anos seguintes com o andamento do projeto, tornando-se realidade. Daqui a alguns anos, cenas que só víamos em filmes serão concretizadas. As pessoas estarão completamente integradas aos artefatos computacionais que as rodeiam, e uma nova gama de serviços serão oferecidos. Resumindo, ambient networks é isso: computação ubíqua visando criar novas oportunidades, e ao mesmo tempo, facilitando e simplificando a comunicação entre redes utilizando informação de contexto. Tudo isto totalmente transparente aos usuários finais. 21

22 5 Referências [1] WWI-AN Ambient Networks Project, WWW Server. Disponível: [2] R. Giaffreda, et al., "Context Aware Communications in Ambient Networks", Proceedings of the 11th Wireless World Research Forum (WWRF), Oslo, Noruega, Junho [3] N. Niebert, H. Flinck, R. Hancock, H. Karl, and C. Prehofer, Ambient Networks Research for Communication Networks Beyond 3G, 13th IST Mobile and Wireless Communications, Summit 2004, Lyon, França, Junho [4] N. Niebert, et al., Ambient Networks: an architecture for communication networks beyond 3G, IEEE Wireless Communication, vol.11, no.2, Abril [5] A. Karmouch, et al., Contextware Research Challenges in Ambient Networks IEEE MATA 04, Florianopolis, Brasil, Outubro Disponível: [6] A. Karmouch, et al., Context Management Architecture for Ambient Networks Disponível: ks.pdf [7] Ville Typpö1, et al., Research Challenges in Mobility and Movving Networks: An Ambient Networks View Disponível: s_an_ambient_networks_view.pdf [8] P. Jacquet Ambient Network Disponível: 22

Seminário de TP525. Projetos de Internet do Futuro. Objetivo Estratégico

Seminário de TP525. Projetos de Internet do Futuro. Objetivo Estratégico Seminário de TP525 Projetos de Internet do Futuro Objetivo Estratégico Aumentar a competitividade da indústria européia de redes e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos europeus criando uma família

Leia mais

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, UFMG Linnyer Beatrys Ruiz linnyer@dcc.ufmg.br Departamento de Engenharia Elétrica, UFMG IEEE 802.11: Wi-Fi Popularização

Leia mais

Redes sem fio e redes móveis. Redes Móveis. Prof. Jó Ueyama SSC0748

Redes sem fio e redes móveis. Redes Móveis. Prof. Jó Ueyama SSC0748 Redes sem fio e redes móveis Redes Móveis Prof. Jó Ueyama 1 Redes sem fio e redes móveis 6.1 Introdução Sem fio 6.2 Enlaces sem fio, características CDMA 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fio ( wi-fi ) 6.4 Acesso

Leia mais

Simuladores para Redes Móveis

Simuladores para Redes Móveis Simuladores para Redes Móveis Universidade de São Paulo USP Instituto de Matemática e Estatística IME Programa de Pós-graduação em Computação Apresentado por Maciel Calebe Vidal calebe@ime.usp.br Computação

Leia mais

UMG MODULAR 300. Aplicações Típicas. Principais Características. Visão Geral USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO

UMG MODULAR 300. Aplicações Típicas. Principais Características. Visão Geral USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO Principais Características Aplicações Típicas Modular, de acordo com o cenário que será utilizado 2 portas Ethernet Giga 10 contas SIP + quantidade máxima

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Caracterização de Sistemas Distribuídos Roteiro Conceitos de Hardware Conceitos de Software Classificação de Flynn Classificação baseada no acesso a memória 2 Conceitos de HW Múltiplas CPUs Diferentes

Leia mais

Introdução à Computação Móvel e Ubíqua

Introdução à Computação Móvel e Ubíqua Introdução à Computação Móvel e Ubíqua Markus Endler Sala 503 RDC endler@inf.puc-rio.br www.inf.puc-rio.br/~endler/courses/mobile Por que estudar Comp. Móvel e Ubíqua? Quantidade de disp. portáteis (smartphones/tablets)

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CUP Disk Memoey CUP Memoey Disk Network CUP Memoey Disk Introdução aos Sistemas Distribuídos 1 Sumário Evolução Problema/Contexto O que é um Sistema Distribuído? Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Manual sobre configuração de VPN para acesso completo dos conteúdos digitais fora da rede da Unisul

Manual sobre configuração de VPN para acesso completo dos conteúdos digitais fora da rede da Unisul Manual sobre configuração de VPN para acesso completo dos conteúdos digitais fora da rede da Unisul Configuração de VPN para os sistemas operacionais: Windows 8 Windows 7 Windows X Mac *Atenção: Em caso

Leia mais

Modelo de Camadas. Redes de Computadores

Modelo de Camadas. Redes de Computadores Modelo de Camadas Redes de Computadores Sumário Visão Geral de uma Rede de Computadores Protocolos Modelo de Camadas Porque utilizar Tipos de Modelos de Referência Modelo de Referência ISO/OSI Histórico

Leia mais

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software AJA Software www.ajasoftware.wordpress.com De Olho na Pista Documento de Arquitetura Confidencial De Olho na Pista, 2013 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Metas e Restrições da Arquitetura 3 3. Padrão da Arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores Prof. Fred Sauer

Redes de Computadores Prof. Fred Sauer Redes de Computadores Prof. Fred Sauer http://www.fredsauer.com.br fsauer@gmail.com Quem sou eu... Prof. Frederico Sauer (Fred) Mestre e Doutor UFRJ com dissertação e tese em Segurança e Gerenciamento

Leia mais

Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos

Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos Estruturas básicas de redes Internet Padronização e Protocolos Universidade Católica de Pelotas Cursos de Engenharia da Computação Disciplina: Rede Computadores I 2 Agenda Estruturas básicas de redes A

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa LISTA DE EXERCÍCIOS GRUPO 1: MÓDULO 1: Caracterização de Sistemas Distribuídos; Internet; Intranets; Computação Móvel e Ubíqua; Compartilhamento de recursos e a web; Serviços

Leia mais

O que Fazer na Internet

O que Fazer na Internet Internet Histórico O que é a Internet O que é a Internet A Internet é uma rede de computadores à escala mundial, destinada à troca de informações. Os computadores são interligados através de linhas comuns

Leia mais

Arquiteturas de Protocolos. Aplicação. Redes. Aplicações cliente-servidor. Aplicações peer-to-peer

Arquiteturas de Protocolos. Aplicação. Redes. Aplicações cliente-servidor. Aplicações peer-to-peer Arquiteturas de Protocolos s Cama de Arquitetura OSI Apresentação Sessão Enlace Físico Arquitetura IEEE LLC MAC Físico Arquitetura Internet Inter-rede Sub- 1 Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA ) Motivação Provedor de Acesso Provedor de Conteúdo 06 de Junho de 2012 Serviços

Leia mais

Desenvolva passo a passo um Sistema Web seguro com C# e Web Services!

Desenvolva passo a passo um Sistema Web seguro com C# e Web Services! Desenvolva passo a passo um Sistema Web seguro com C# e Web Services! Indo além do Desenvolvimento Desktop do módulo anterior, desenvolva nesse curso Aplicações Web de alta performance e agilidade através

Leia mais

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação

Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Funcionalidade e Protocolos da Camada de Aplicação Network Fundamentals Capítulo 3 1 Aplicações A Interface entre usuário e Rede de Dados A Camada de aplicação provê recursos para enviar e receber dados

Leia mais

Unidade 1 Introdução

Unidade 1 Introdução Unidade 1 UFCG/CEEI/DSC Banco de Dados I Prof. Cláudio Baptista, PhD O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades de um BD: Um BD

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Computação Ubíqua Ubicomp

Computação Ubíqua Ubicomp Computação Ubíqua Ubicomp Anubis Graciela de Moraes Rossetto Doutoranda anubisrossetto@gmail.com Computação Ubíqua - Visão Visão de Weiser Computação Ubíqua - Auxiliar usuários de forma que eles mesmos

Leia mais

Firewalls Reginaldo Campos 1

Firewalls Reginaldo Campos 1 Firewalls Reginaldo Campos 1 Roteiro Introdução Características do Firewall Tipo de Firewall Filtro de Pacotes Servidores Proxy Tipos avançados de Firewall Bastion Host Firewalls híbridos 2 Roteiro (cont)

Leia mais

SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING. Vitor Oliveira

SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING. Vitor Oliveira SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING Vitor Oliveira 1 Agenda: 1. OTT SIGNIFICADOS 2. RISCO MORAL 3. DESAFIOS REGULATÓRIOS DO VoD 4. CONVERGÊNCIA E

Leia mais

Endereçamento IPv4. Banda Larga Móvel. Banda Larga Fixa. Trânsito Internet. VPN IP Móvel Fixa IPTV. Alocação na Vivo

Endereçamento IPv4. Banda Larga Móvel. Banda Larga Fixa. Trânsito Internet. VPN IP Móvel Fixa IPTV. Alocação na Vivo IPv6 na Vivo 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos: Banda Larga Fixa Banda Larga Móvel Trânsito

Leia mais

Resolução dos exercícios da lista BD01

Resolução dos exercícios da lista BD01 Resolução dos exercícios da lista BD01 Pedro Losco Takecian Monitor João Eduardo Ferreira Professor 4 de abril de 2006 1. Quando faz sentido utilizar um SGBD ao invés de simplesmente utilizar o sistema

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Hubs. Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Gerência de Redes Visão Geral

Gerência de Redes Visão Geral Gerência de Redes Visão Geral Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Gerenciamento de Redes Evolução do Gerenciamento Áreas Funcionais Elementos do Gerenciamento Plataformas

Leia mais

O computador foi criado para. auxiliar o homem em tarefas

O computador foi criado para. auxiliar o homem em tarefas Introdução O computador foi criado para auxiliar o homem em tarefas repetitivas. REDES DE COMPUTADORES Slide 1 Introdução Teve início como uma máquina de calcular e mais tarde tornou-se um dos instrumentos

Leia mais

Conexão com a rede. Xerox DocuColor

Conexão com a rede. Xerox DocuColor 5 Conexão com a rede Este capítulo discute as etapas básicas da conexão da impressora com a rede, fornece uma visão geral dos requisitos de rede e diagramas de protocolo e descreve como conectar fisicamente

Leia mais

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Curso Presencial de IPv6 Serviços Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA

Leia mais

AULA 2 - INTERNET. Prof. Pedro Braconnot Velloso

AULA 2 - INTERNET. Prof. Pedro Braconnot Velloso AULA 2 - INTERNET Prof. Pedro Braconnot Velloso Começo da Internet Lançamento do Sputnik I Primeiro satélite artificial Russo Reação dos EUA 1958 - Presidente Eisenhower Advanced Research Projects Agency

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software Proj. Desenvolvimento de Software Prof. Cleverton Hentz cleverton.hentz@ifrn.edu.br 8 de junho de 2017 Material Apresentado Sumário de Aula 1 Introdução 2 Estruturação do

Leia mais

de contexto em segurança computacional

de contexto em segurança computacional Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo Uso de informações de contexto em segurança computacional Francisco Gomes Milagres Prof. Dr. Edson dos Santos Moreira São Carlos,

Leia mais

Arquitetura de Software: Introdução

Arquitetura de Software: Introdução Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquitetura de Software: Introdução SSC-121 Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2º semestre de 2012 Conteúdo

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha

BANCO DE DADOS. Introdução. Prof. Marcelo Machado Cunha BANCO DE DADOS Introdução Prof. Marcelo Machado Cunha Profissionais Envolvidos Administrador de Banco de Dados (DBA) responsável por autorizar o acesso ao banco de dados e coordenar e monitorar seu uso;

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I)

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e

Leia mais

Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Estilos Arquiteturais Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros

Leia mais

Design de sites web e software

Design de sites web e software Design de sites web e software para jornalismo digital Apontamentos do Livro Notícias e Mobilidade de João Canavilhas Introdução Explosão Mobile e Web na última década; Novas práticas de consumo e produção

Leia mais

Alexandre Dal Forno Diretor de Produtos

Alexandre Dal Forno Diretor de Produtos Serviços Corporativos Convergentes Alexandre Dal Forno Diretor de Produtos 2 Sumário A Intelig Telecom Portfólio Completo 3 A Intelig Telecom A Rede Intelig Telecom Investimento de R$ 2,8 bilhões em infra-estrutura

Leia mais

Guia do AirPrint. Versão 0 BRA-POR

Guia do AirPrint. Versão 0 BRA-POR Guia do AirPrint Versão 0 BRA-POR Definições das observações Utilizamos o ícone a seguir ao longo deste manual do usuário: Observação Os ícones de Observação ensinam como agir em determinada situação ou

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Tecnologia em Sistemas para Internet Aula04 - Arquiteturas de Objetivos Conhecer as principais arquiteturas de sistemas distribuídos e seu funcionamento; 2 Introdução Sistemas distribuídos muitas vezes

Leia mais

Documento de Projeto Piloto GT em Configurações de Redes. Proposta do Projeto Piloto

Documento de Projeto Piloto GT em Configurações de Redes. Proposta do Projeto Piloto Documento de Projeto Piloto GT em Configurações de Redes Proposta do Projeto Piloto Lisandro Zambenedetti Granville Clarissa Cassales Marquezan Rodrigo Sanger Alves Ricardo Lemos Vianna Augusto Bueno Peixoto

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Rede. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Rede. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Rede Conceitos de Rede Breve história das redes de dados Dispositivos de rede Topologias Protocolos de rede Redes locais Redes de longa distância Redes metropolitanas Redes de área

Leia mais

IPTV. Fundamentos e Sistemas Multimídia. Alex da Costa Castro e Fabiano Rocha Abreu UFF Universidade Federal Fluminense Profª.

IPTV. Fundamentos e Sistemas Multimídia. Alex da Costa Castro e Fabiano Rocha Abreu UFF Universidade Federal Fluminense Profª. IPTV Fundamentos e Sistemas Multimídia Alex da Costa Castro e Fabiano Rocha Abreu UFF Universidade Federal Fluminense Profª.: Débora IPTV Introdução Serviços IPTV Componentes da Infra-estrutura da Rede

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Register ME. Versão 4.0. Guia do administrador

Register ME. Versão 4.0. Guia do administrador Register ME Versão 4.0 Guia do administrador Janeiro de 2016 www.lexmark.com Conteúdo 2 Conteúdo Histórico de alterações... 3 Visão geral... 4 Lista de verificação da prontidão de implementação...5 Configuração

Leia mais

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos Transporte Multimídia em Redes Transporte Multimídia em Redes A transmissão multimídia requer que garantias diversas de Qualidade de Serviço (QoS) sejam estabelecidas e mantidas para que se atendam aos

Leia mais

Enterprise Application Integration (EAI)

Enterprise Application Integration (EAI) Enterprise Application Integration (EAI) Histórico Sistemas de Informação (SI) muito caros As empresas passaram a contar com mais de um SI July Any Rizzo Oswaldo Filho Informações perdidas por falta de

Leia mais

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite

Protocolos e Arquiteturas de Redes. Thiago Leite Protocolos e Arquiteturas de Thiago Leite As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas forma uma pilha A função de cada camada da

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º. Ementa Disciplina: Redes de Computadores Carga Horária: 100h Período: 6º Ementa PLANO DE ENSINO Contexto e aspectos gerais de redes de computadores: hardware e software de rede, modelos de referência. Camada

Leia mais

Comunicação de Dados IV

Comunicação de Dados IV Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Bibliografia Redes de Computadores Andrew S. Tanenbaum Tradução da Quarta Edição Editora Campus Profa. Débora Christina Muchaluat Saade deborams@telecom.uff.br

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

Android I N T R O D U Ç Ã O À P R O G R A M A Ç Ã O P R O F E S S O R L E O N A R D O C. R. S O A R E S - L A R B A C K

Android I N T R O D U Ç Ã O À P R O G R A M A Ç Ã O P R O F E S S O R L E O N A R D O C. R. S O A R E S - L A R B A C K Android I N T R O D U Ç Ã O À P R O G R A M A Ç Ã O P R O F E S S O R L E O N A R D O C. R. S O A R E S - L A R B A C K Introdução O Android é a resposta da Google ao mercado crescente de dispositivos

Leia mais

Software para compartilhamento de arquivos entre celulares usando a tecnologiapeer-to-peer aliada à plataforma JXME

Software para compartilhamento de arquivos entre celulares usando a tecnologiapeer-to-peer aliada à plataforma JXME Software para compartilhamento de arquivos entre celulares usando a tecnologiapeer-to-peer aliada à plataforma JXME Orientador: Francisco Adell Péricas Acadêmico: Roger Robert Kock Roteiro da apresentação

Leia mais

Módulo Operador DotNet

Módulo Operador DotNet Módulo Operador DotNet Surgiu para inovar e agilizar a interação com seu cliente. Além da nova interface dos canais temos outras novidades. Julho/26 Módulo Operador DotNet Interface de acesso 1) 2) 3)

Leia mais

Manual de Compilação/Execução da Aplicação SmartHome

Manual de Compilação/Execução da Aplicação SmartHome Manual de Compilação/Execução da Aplicação SmartHome 1. Pré-Requisitos de Instalação 2. Passos para Executar a Aplicação 3. Instruções de Uso das Funcionalidades 4. Observações 1. Pré-Requisitos de Instalação

Leia mais

Protocolo de Roteamento RPL. 06/04/2016 Jeferson Cotrim

Protocolo de Roteamento RPL. 06/04/2016 Jeferson Cotrim Protocolo de Roteamento RPL 06/04/2016 Jeferson Cotrim Introdução Internet das Coisas Redes de Sensores sem Fio O RPL Mobilidade Internet das Coisas Definição: presença de uma enorme variedade de dispositivos

Leia mais

O Que É VRRP? Índice. Introdução. Pré-requisitos. Como o VPN 3000 Concentrator Implementa o VRRP? Configuração do VRRP. Requisitos

O Que É VRRP? Índice. Introdução. Pré-requisitos. Como o VPN 3000 Concentrator Implementa o VRRP? Configuração do VRRP. Requisitos O Que É VRRP? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Como o VPN 3000 Concentrator Implementa o VRRP? Configuração do VRRP Sincronização das Configurações Introdução

Leia mais

Redes Móveis. Redes sem fio e redes móveis Introdução. Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC

Redes Móveis. Redes sem fio e redes móveis Introdução. Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC Redes Móveis Redes sem fio e redes móveis Introdução Prof. Jó Ueyama Agosto/2010 SSC0548 2010 1 Baseado no Capítulo 6 do 6.1 Introdução Redes Sem fio 6.2 Enlaces sem fio, características 6.3 IEEE 802.11

Leia mais

Linguagens de Domínio Específico

Linguagens de Domínio Específico Linguagens de Domínio Específico Fabio Mascarenhas 2017.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/dsl Por que DSLs? Melhorar a produtividade dos programadores input =~ /\d{3}-\d{3}-\d{4}/ Facilitar a escrita e

Leia mais

VOIP. Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis

VOIP. Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis Beatriz Vieira VOIP Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis VOIP Surgiu ainda no início da década de 1990 Se tornou

Leia mais

BITDEFENDER GRAVITYZONE. Diogo Calazans Diretor Comercial

BITDEFENDER GRAVITYZONE. Diogo Calazans Diretor Comercial BITDEFENDER GRAVITYZONE Diogo Calazans Diretor Comercial QUEM É A BITDEFENDER Fundação / Lançamento da Linha Varejo Inicio das Parcerias OEM Lançamento da Linha Corporativa 1ª Vez como Melhor Taxa de Detecção

Leia mais

Aula 1 Conceitos Básicos

Aula 1 Conceitos Básicos Aula 1 Conceitos Básicos Redes e Comunicação de Dados Prof. Mayk Choji UniSALESIANO Araçatuba 6 de agosto de 2016 Sumário 1. Usos de Redes de Computadores 2. O que é a Internet? 3. A Borda da Rede 4. O

Leia mais

Usando e Construindo Aplicações Internet: iniciando com aplicações e escrevendo programas que se comunicam através da Internet

Usando e Construindo Aplicações Internet: iniciando com aplicações e escrevendo programas que se comunicam através da Internet Usando e Construindo Aplicações Internet: iniciando com aplicações e escrevendo programas que se comunicam através da Internet Sumário do Capítulo 1.1 Crescimento das Redes de Computadores 33 1.2 Complexidade

Leia mais

Lojamundi Tecnologia Sem Limites br

Lojamundi Tecnologia Sem Limites  br Dicas Voxmundi Olá pessoal, neste tutorial vamos mostrar algumas dicas para você aplicar em seu Voxmundi ou até mesmo tirar algumas dúvidas. 1-O gateway possui duas portas de rede RJ45(10/100 Mbps), ETH1

Leia mais

Introdução INTRODUÇÃO AO SWEBOK. Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Introdução a Computação e Engenharia de Software

Introdução INTRODUÇÃO AO SWEBOK. Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Introdução a Computação e Engenharia de Software INTRODUÇÃO AO SWEBOK Introdução a Computação e Engenharia de Software Profa. Cynthia Pinheiro Introdução Origens do corpo de conhecimentos da Engenharia de Software: Engenharia da Computação Ciência da

Leia mais

CPE Roteamento em Redes de Computadores

CPE Roteamento em Redes de Computadores Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Universidade Federal do Rio de Janeiro Por Tiago Azevedo 1 - Especificação ZigBee

Leia mais

Matéria: Redes de Computadores/ Telemática REDES SEM FIO. Prof. Esp. Patricia Peixoto. 2 Bimestre

Matéria: Redes de Computadores/ Telemática REDES SEM FIO. Prof. Esp. Patricia Peixoto. 2 Bimestre Matéria: Redes de Computadores/ Telemática REDES SEM FIO Prof. Esp. Patricia Peixoto 2 Bimestre WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação

Leia mais

PARCERIA. Melhor do Marketing

PARCERIA. Melhor do Marketing PARCERIA Melhor do Marketing Entender que ninguém faz sucesso sozinho é um grande passo para o sucesso de qualquer empresa. O velho ditado nenhum homem é uma ilha é a mais pura verdade, uma prova disso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER 20462 - ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Estrutura de tópicos do curso Módulo 1: Introdução à administração de banco de dados do SQL Server 2014 Este módulo

Leia mais

Ambientes de Execução

Ambientes de Execução KERNEL Conceitos Conceitos POSIX Portable Operating System Interface for UNIX. Um conjunto de padrões da IEEE e ISO que definem como programas e sistemas operacionais de interface com os outros. Sistemas

Leia mais

FRAMEWORK CELEPAR MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DE JVM EM POCKET PC

FRAMEWORK CELEPAR MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DE JVM EM POCKET PC FRAMEWORK CELEPAR MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DE JVM EM POCKET PC Outubro 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Relatório Título do Documento: MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO

Leia mais

arquiteturas estruturadas

arquiteturas estruturadas arquiteturas estruturadas roteamento baseado em endereço/ identificador de nó conteúdo: arquivos armazenados em nós com identificador próximo ao seu útil para busca por nome exato exemplo busca estruturada

Leia mais

Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle

Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle Recurso Benefícios Multiplataforma Executa em qualquer plataforma que possua o Java (JDK) da Oracle Utiliza base de dados Oracle, Microsoft SQL ou MySql Utiliza os principais bancos de dados de mercado

Leia mais

Guia de Instalação SMX

Guia de Instalação SMX Guia de Instalação SMX 1 O conteúdo deste material é de propriedade intelectual BLOCKBIT : é proibida sua utilização, manipulação ou reprodução, por pessoas estranhas e desvinculadas de suas atividades

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Competências: SOP 1. Compreender as abstrações de um sistema operacional e operar um sistema operacional Unix/Linux como

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web Prof. Marcelo Roberto Zorzan História do Java Origem Linguagem desenvolvida pela Sun Microsystems Sintaxe similar ao C++ Inicialmente chamada

Leia mais

Simulador de um Ambiente Virtual Distribuído Multiusuário para Batalhas de Tanques 3D com Inteligência Baseada em Agentes BDI

Simulador de um Ambiente Virtual Distribuído Multiusuário para Batalhas de Tanques 3D com Inteligência Baseada em Agentes BDI Simulador de um Ambiente Virtual Distribuído Multiusuário para Batalhas de Tanques 3D com Inteligência Baseada em Agentes BDI Acadêmico: Germano Fronza gfronza@inf.furb.br Orientador: Dalton Solano dos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Acesso sem fio Existem diversos tipos de acesso sem fio [1], dependendo do tipo de aplicação implementada. Sistemas sem fios podem ser usados de forma a permitir mobilidade ao

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada 4 Camada de Transporte Objetivo Conhecer o funcionamento da camada de transporte; Apresentar os protocolos UDP e TCP; Aprender

Leia mais

SO: SISTEMAS OPERACIONAIS Curso: Sistemas de Informação

SO: SISTEMAS OPERACIONAIS Curso: Sistemas de Informação SO: SISTEMAS OPERACIONAIS Curso: Sistemas de Informação - Definições - Ementa - Objetivos - Unidades de Ensino - Bibliografia - Processo de Avaliação Paulo César do Amaral Pereira SISTEMA COMPUTACIONAL

Leia mais

Informática. Transferência de Arquivos e Dados. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Transferência de Arquivos e Dados. Professor Márcio Hunecke. Informática Transferência de Arquivos e Dados Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS E DADOS Upload e Download Em tecnologia, os termos download e

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR DLINK DIR-615

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR DLINK DIR-615 MANUAL DE CONFIGURAÇÃO ROTEADOR DLINK DIR-615 AVISO IMPORTANTE 2 CARO CLIENTE, A NAXI FIBRA disponibiliza em sua residência/empresa, por padrão, dois equipamentos: ONU (Modem Óptico / Dispositivo Branco);

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012

INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012 20410 - INSTALANDO E CONFIGURANDO O WINDOWS SERVER 2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1: Implantando e gerenciando o Windows Server 2012 Este módulo apresenta aos estudantes as edições do Windows Server

Leia mais

Aplicações Multimídia sobre Redes

Aplicações Multimídia sobre Redes Redes Multimídia 2016.2 Aplicações Multimídia sobre Redes Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis Modelo Geral de Comunicação Modelo em camadas As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis A maioria das redes são organizadas como uma série

Leia mais

Banco de Dados Relacionais. Eduardo Ribeiro Felipe

Banco de Dados Relacionais. Eduardo Ribeiro Felipe Banco de Dados Relacionais Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Bancos de dados relacionais Este é ainda o conceito mais usado em toda a implementação computacional relacionada a banco de dados.

Leia mais

Redes de computadores. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT

Redes de computadores. Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT Redes de computadores Douglas Wildgrube Bertol DEE - Engenharia Elétrica CCT AS1RAI1 Redes para Automação Industrial JOINVILLE 23/02/2017 Introdução contextualização Como conectar dois equipamentos fisicamente

Leia mais

Exercício 2 ibgp. 1. Primeiro, crie uma interface de loopback em cada roteador que será utilizada para estabelecer as sessões ibgp.

Exercício 2 ibgp. 1. Primeiro, crie uma interface de loopback em cada roteador que será utilizada para estabelecer as sessões ibgp. Exercício 2 ibgp Objetivo: Configurar as sessões ibgp com o intuito de repassar as rotas aprendidas externamente para todos os roteadores do AS e também para divulgar as rotas para as redes dos clientes.

Leia mais

Configurar endereçamento de IHM e testar conexões TCP/IP em redes industrias usando os comandos Ping.

Configurar endereçamento de IHM e testar conexões TCP/IP em redes industrias usando os comandos Ping. 1 Configurar endereçamento de IHM e testar conexões TCP/IP em redes industrias usando os comandos Ping. Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como testar a conectividade de uma rede

Leia mais

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento Grupo 11 1. Em um SID a segurança é de grande importância, ela deve garantir que apenas usuários autorizados acessem recursos e garantir que a informação transmitida pela rede somente possa ser alcançada

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

Ambiente NetLogo e suas aplicações em Simulação Social

Ambiente NetLogo e suas aplicações em Simulação Social Ambiente NetLogo e suas aplicações em Simulação Social Antônio Carlos da Rocha Costa Centro de Ciências Computacionais - FURG Programa de Pós-graduação em Modelagem Computacional - FURG Sumário Simulação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 3-12/09/2007 1 Objetivo da disciplina O objetivo dessa disciplina é dar ao aluno noções básicas de computação. Serão apresentados

Leia mais

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa INTRODUÇÃO Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO.

CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO. SOLUÇÕES CODE.DOC SIMPLIFIQUE A GESTÃO DE TODO O CONTÉUDO DA SUA ORGANIZAÇÃO. A Solução CODE.DOC da SINGLECODE realiza processos de captura, gestão, perservação e armazenamento dos seus contéudos, fazendo

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Perguntinhas básicas J n O que é rotear? n O que é uma rota? n Porque rotear? n Como sua requisição chega no facebook? Conceitos n Roteamento

Leia mais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link E1, com 30 canais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link E1, com 30 canais USER MEDIA GATEWAY COM 4 ETHERNET GIGA Principais Características Aplicações Típicas 4 portas de redes Ethernet Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz 1 link, com 30 canais por rede IP.

Leia mais