Investir na população rural de Angola. Pobreza rural em Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investir na população rural de Angola. Pobreza rural em Angola"

Transcrição

1 FIDA/G. Pirozzi Investir na população rural de Angola Pobreza rural em Angola Angola é um dos países mais ricos da África em recursos naturais. É o segundo maior produtor de petróleo da África Subsaariana e o quarto maior produtor mundial de diamantes (em valor). O país também é rico em outros recursos, inclusive minerais, água, florestas e recursos pesqueiros. A população é estimada entre 16 e 18 milhões de habitantes (o último censo foi realizado em 1970), dos quais cerca de 41 por cento vivem em áreas rurais. Em 1975, após 14 anos de luta armada, Angola tornou-se independente de Portugal, mas o país foi imediatamente envolvido numa das guerras civis mais longas de África. Após quase quatro décadas de guerra, grande parte da economia do país tinha colapsado, as infraestruturas destruídas, as instituições públicas enfraquecidas, a sociedade polarizada, com cerca de 4 milhões de deslocados de guerra, a pobreza generalizada e o recente processo político fragilizado. Nos 13 anos decorridos desde que o último acordo de paz foi assinado, o governo e seus parceiros nacionais e internacionais têm feito um progresso substancial no restabelecimento das bases necessárias para abordar muitos dos problemas acima mencionados. Essas medidas têm resultado no

2 desenvolvimento e implementação de programas destinados a restaurar a ordem e a segurança, revitalizar a economia, restabelecer os serviços sociais básicos e reabilitar as infraestruturas de base. O planalto central foi a região mais afectada pela guerra e é hoje em dia uma das áreas mais vulneráveis à insegurança alimentar. As províncias de Huambo, norte de Huíla e partes de Bié estiveram no centro do conflicto e a maior parte dos combatentes de ambos os lados provinham destas províncias. A região está sujeita a uma intensa pressão demográfica, estimando-se que dois terços da população do país se concentrem nela, sendo que a maior parte vive em condições de extrema pobreza. Como consequência, a região é afetada por um rápido declínio ambiental. Solos depauperados, más práticas agrícolas e disputa pelas terras destinadas à agricultura contribuem para a diminuição da productividade e agravam a insegurança alimentar. Angola experimentou uma rápida expansão económica no período de 2003 a 2008 com uma taxa média de crescimento do produto interno bruto (PIB) de cerca de 12 por centos, devido principalmente aos altos preços mundiais do petróleo e ao aumento da produção do mesmo recurso no país. Após uma redução acentuada do PIB devido à crise económica global no período , o país experimentou um retorno ao crescimento económico, impulsionado mais uma vez pelo aumento nos preços do petróleo e pelo programa de investimento público direcionado à sectores não petrolíferos. Projecta-se que o crescimento do PIB nos próximos cinco anos oscile entre os 6,4 e 6,9 por centos. Nos últimos anos, apesar da forte expansão dos sectores não petrolíferos, que beneficiaram de programas de investimento público, o petróleo ainda representa 95 por centos de todas as exportações e 79,5 por cento da receita fiscal. A rede rodoviária do país encontra-se em fase de reabilitação, enquanto que a rede ferroviária é deficiente, e a distribuição de eletricidade é limitada e sujeita a interupções. Os serviços de água e saneamento são deficientes ou inexistentes, particularmente nas áreas rurais mais pobres. A capacidade institucional permanece baixa, em particular fora das áreas urbanas, o que impede a realização de muitos dos objetivos sociais do governo. Agricultura e pesca Antes da independência, Angola era auto-suficiente em todos os principais géneros alimentares (excepto na produção do trigo) e exportava vários productos agrícolas, em particular café e açúcar. A guerra e a falta de investimento tiveram um forte impacto no sector agroalimentar e desde 1990 o país depende da importação de alimentos e da ajuda alimentar. Apenas 10 por cento das terras aráveis do país são cultivadas e a productividade por acre é uma das mais baixas da África Subsaariana. A contribuição combinada da agricultura, pecuária, silvicultura e pesca ao PIB entre 2001 e 2003 foi de cerca de 8 por centos. Essa cifra aumentou para 12 por cento em 2011, devido principalmente aos programas de investimento público. Embora esse crescimento do sector agrícola tenha contribuído para uma redução da fome, teve um impacto menor na redução da pobreza. Além disso, a maior parte do crescimento deveu-se à expansão das terras cultivadas e não a um aumento da productividade. Apesar da agricultura ter sido identificada como área prioritária na estratégia de redução da pobreza, as dotações orçamentais para o sector continuam baixas. Cerca de dois terços da população depende da agricultura para a alimentação, renda e emprego, sendo que as mulheres constituem a maior parte da força de trabalho. Estima-se que 80 por cento dos camponeses praticam a agricultura de subsistência, geralmente produzindo pouco ou nenhum excedente, com productividade muito baixa. A falta de acesso a insumos agrícolas por parte dos agricultores é um grande obstáculo à produção. A guerra provocou um êxodo maciço da população desde muitas áreas rurais para as zonas urbanas. No fim da guerra cerca de 4 milhões de pessoas (cerca de um terço da população) haviam sido deslocadas internamente.no mesmo período, quase refugiados angolanos encontravam-se em países vizinhos. A economia rural praticamente entrou em colapso. As minas e bombas não explodidas nos campos representam ainda um perigo para os que querem voltar e cultivar a terra, bem como um obstáculo à recuperação económica e 2

3 social. As infraestruturas sociais e foram foi muito danificadas e negligenciadas durante o periodo da guerra. Em particular, a falta de estradas e pontes, que permitiriam aos camponeses o acesso aos mercados, é um grande obstáculo ao comércio. Os camponeses tampouco dispõem de acesso a insumos agrícolas e outros bens necessários para recomeçar a produção. Precisam de sementes, ferramentas adequadas para trabalhar a terra, animais para tração e fertilizantes para áreas como o planalto central, onde a fertilidade do solo se esgotou. O peixe representa a principal fonte de proteína animal em Angola, com um consumo anual per capita estimado em 18,7 quilos. Contudo, a pesca marinha ao longo dos quilômetros do litoral diminuiu consideravelmente, uma tendência atribuída à pesca em grande escala por barcos estrangeiros e fraca capacidade das autoridades para supervisionar e interceptar a pesca ilegal e aplicar os limites das quotas. No entanto, considera-se que a pesca marinha tenha um bom potencial de desenvolvimento privado, com perspectivas para os mercados interno e externo. Pobreza Com base nas últimas cifras disponíveis (2012), Angola encontra-se no 148º lugar entre os 186 países incluídos no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). A pobreza é ainda prevalente em grande parte do país. Estima-se que 68 por cento da população vivem abaixo da linha de pobreza e 15 por cento das famílias vive em condições de extrema pobreza. A pobreza é mais generalizada nas áreas rurais, onde 94 por cento das famílias são classificadas como pobres. Outros indicadores que reflectem as condições actuais incluem: 38 por cento da população não tem acesso à água potável; somente 30 por cento dos habitantes têm acesso a instalações públicas de saúde; a esperança de vida ao nascer é estimada em 47 anos (2010) entre as mais baixas do mundo; somente 54 por cento das crianças matriculadas concluem o ensino primário. Angola ocupava a 106ª posição (entre 134 países) no Índice de Desigualdade de Gênero no ano Embora tenham sido envidados esforços para obter a paridade de gênero no acesso à escola primária, as meninas continuam a ter menos acesso à educação secundária em relação aos meninos. Nas áreas rurais, o índice de analfabetismo é mais alto entre as mulheres (73,6 por cento) do que entre os homens (34,6 por cento). Além disso, o acesso limitado à qualificação formal e a oportunidades de ensino superior justificam os níveis reduzidos de renda das mulheres e a sua forte presença na agricultura de subsistência e comércio informal. As mulheres e os homens participam em termos desiguais na gestão e controle dos activos e na tomada de decisões, tanto na família como na comunidade. Mais de 23 por cento das famílias são chefiadas por mulheres. Os jovens nas áreas rurais enfrentam o desafio de querer explorar outras oportunidades além da agricultura de subsistência ou pesca artesanal, mas têm pouca capacitação formal para ingressar no mercado de trabalho. Os índices de conclusão dos estudos diminuem após o nível primário e caem progressivamente ao longo da trajetória educacional. A pobreza é menor entre o grupo de anos do que nos outros grupos. A maioria das famílias é chefiada por jovens, e o número de membros da família tende a aumentar com o avançar da idade. Mulheres e homens entre 20 e 24 anos têm maior risco de contrair VIH/SIDA. Contudo, esse grupo é o que tem o maior conhecimento sobre a doença. 3

4 Erradicar a pobreza rural em Angola O governo continua a destinar mais de 30 por cento do orçamento anual para a melhoria das condições sociais, cifra que deverá aumentar nos próximos cinco anos. As principais metas da estratégia de redução da pobreza (2004) são reduzir pela metade o nível de pobreza do país até 2015 e consolidar a paz e a unidade nacional mediante um aumento sustentável do padrão de vida de todos os angolanos. Nesse contexto, a reabilitação do sector agrícola é uma prioridade. A segurança alimentar e o desenvolvimento rural constituem um dos dez objetivos específicos da estratégia de redução da pobreza, para minimizar o risco de fome, satisfazer as necessidades internas de alimentos e revitalizar a economia rural. Para atingir essa meta, a estratégia do governo consiste em desenvolver a agricultura familiar mediante participação comunitária e planeamento local. Programas e projectos: 4 Custo total: USD 78,8 milhões Empréstimos aprovados pelo FIDA: USD 36,1 milhões Beneficiários diretos: famílias Estratégia do FIDA em Angola O primeiro projecto do FIDA em Angola, o Projecto de Reabilitação do Sector de Agricultura Familiar de Malanje, teve início em 1991, mas foi suspenso em 1992, quando o conflito eclodiu novamente e tornou-se impossível manter a presença na área do projecto. O FIDA formulou dois novos projectos depois que o Acordo de Paz de Lusaka foi assinado em novembro de O Projecto de Desenvolvimento das Culturas Alimentares da Região Norte (PRODECA) foi iniciado em 1997 e o Programa de Desenvolvimento das Comunidades Piscatórias da Região Norte (PESNORTE) em Ambas as operações foram interrompidas pela guerra no fim de 1998 e retomadas após o fim do conflito em 2002, quando as áreas do projecto e do programa ficaram novamente acessíveis. Actualmente, o Projecto de Agricultura Familiar Orientado para o Mercado (MOSAP) é o único projecto em curso financiado pelo FIDA em Angola. Em Dezembro de 2007 o FIDA aprovou um empréstimo no valor de USD 8,2 milhões, com cofinanciamento do Banco Mundial e Japão. O empréstimo do FIDA foi assinado em abril de 2008 e entrou em vigor em novembro de O empréstimo do Banco Mundial, que è a instituição cooperante, entrou em vigor em setembro de Um novo projecto na área das pescas é em fase de elaboração. A meta do projecto é contribuir para a redução da pobreza entre os pescadores artesanais de águas interiores e famílias dedicadas à piscicultura em comunidades selecionadas. O objectivo do projecto é o,melhoramento da segurança alimentar e da nutrição ao interno das mesmas comunidades. Os principais objetivos do FIDA em Angola são garantir a segurança alimentar e ajudar a aumentar a renda das populações rurais, particularmente para as pessoas que vivem nas áreas mais pobres do planalto central. Os programas e projectos da organização abordam grupos vulneráveis, como mulheres e famílias chefiadas por mulheres, bem como jovens, soldados desmobilizados e pessoas deslocadas. As actividades de desenvolvimento visam a: aumentar a produção de géneros alimentares básicos por parte dos pequenos productores; fortalecer as organizações rurais e representantes de grupos vulneráveis; assegurar acesso a serviços e infraestruturas, como escolas, centros de saúde e poços para os grupos mais desfavorecidos; promover políticas em prol das populações mais pobres baseadas num conhecimento profundo das necessidades das populações rurais em localidades específicas. A estratégia do FIDA para reconstruir os meios de subsistência da população pobre rural em Angola baseia-se no conhecimento local das suas condições de vida e necessidades mais básicas. Todas as operações seguem os três princípios da estratégia regional do FIDA para a África Oriental e Austral: focalização planificada das actividades; capacitação das populações rurais; ajuda às organizações rurais para influenciar as instituições locais e nacionais. 4 No período pós-conflito, as operações do FIDA têm contribuído para reconstruir comunidades, melhorar os meios de subsistência e assegurar estabilidade nas áreas rurais. Milhões de angolanos refugiados foram reinstalados áreas rurais. A provisão de infraestruturas sociais básicas foram importantes para motivar as populações a retornarem a essas áreas, conforme demonstra o aumento da população em zonas ao redor de novos escolas e centros de saúde. Avaliações dos investimentos do Belgian Survival Fund em Angola mostram que a construção e a reabilitação de infraestrutura nas áreas rurais podem ter um rápido impacto positivo na vida das populações mais pobres.

5 Operações em curso Luanda Projecto de Agricultura Familiar Orientada para o Mercado Projecto de Agricultura Familiar Orientada para o Mercado O objetivo do projecto é aumentar a produção dos pequenos agricultores das áreas rurais nas províncias de Bié, Huambo e Malanje. As 25 comunas e municípios seleccionados pelo projecto são extremamente pobres e a maioria dos domicílios é formada por populações que tinham sido deslocadas internamente durante a guerra e que praticam a agricultura como meio de subsistência. A dimensão média das áreas cultivadas por cada família é de 1 a 2 hectares, mas em algumas aldeias um número significativo de pessoas têm acesso a menos de 1 hectare. A área do projecto abriga cerca de 80 por cento da população de Angola afecta pela insegurança alimentar e 68 por cento das populações mais vulneráveis. A área tem um potencial de desenvolvimento sustentável ao longo prazo. O projecto visa aumentar a productividade agrícola fortalecendo a capacidade dos agricultores, apoiando a multiplicação de sementes e criação de animais, e apoiando e fortalecendo serviços de extensão que respondam às necessidades das comunidades. Trabalha com grupos de agricultores e comerciantes para melhorar a comercialização dos produtos agrícolas, armazenamento e acesso aos mercados locais. Custo total: USD 39,4 milhões Empréstimo do FIDA: USD 8,2 milhões Duração: Beneficiários diretos: famílias Cofinanciamento: Japão (USD 4,0 milhões); Banco Mundial: IDA (USD 20,0 milhões) Projectos em fase preparatória Projecto de Aquacultura e Pesca Artesanal O projecto tem com meta principal a reduçao da pobreza dos pescadores artesanais e famílias dedicadas à piscicultura em comunidades seleccionadas mediante aumento da segurança alimentar e melhoramento da nutrição. O projecto divide-se em três componentes: desenvolvimento da pesca artesanal em águas interiores; desenvolvimento da aquicultura de pequena escala; gestão do projecto. Custo total: USD 10,4 milhões Empréstimo do FIDA: USD 9,1 milhões Duração: a ser decidida Área geográfica: Províncias de Bengo, Kwanza, Malanje e Luanda. Beneficiários diretos: agricultores Cofinanciamento: a ser decidido Além desses componentes, o projecto incorpora várias actividades que abordarão os efeitos da mudança climática sobre a pesca e aquicultura nas duas componentes técnicas do projecto. 5

6 Principais factos sobre a região da África Oriental e Austral A região da África Oriental e Austral provavelmente tem a maior concentração de populações pobres do mundo. Três em cada quatro pessoas da região (cerca de 260 milhões de habitantes) vivem em áreas rurais, sendo mais da metade em condições de extrema pobreza. Cerca de 85 por cento dessas pessoas extremamente pobres dependem da agricultura, particularmente aquela familiar, para a sua subsistência. Mas o desenvolvimento agrícola encontra-se em estagnação. A região sofreu um declínio geral na assistência ao desenvolvimento e uma enorme queda do investimento em agricultura. Com uma abundância de recursos humanos e naturais, as áreas rurais da região tem um enorme potencial de crescimento, que beneficiaria não só as populações pobres rurais, mas também as economias nacionais. O potencial de melhoramento da agricultura familiar oferece a mais imediata oportunidade prática de reduzir a pobreza rural e estimular o crescimento abrangente. Em 2012 o PIB aumentou em média 4,9 por cento na África Oriental e 4,3 por cento na África Austral. Alguns dos melhores desempenhos foram registrados em Angola, com um aumento de 7,9 por cento, Moçambique, Ruanda e Zâmbia. Nos próximos dois anos o PIB aumentará de 5,6 por cento e 4,6 por cento na África Oriental e Austral, respectivamente. No mesmo período, aproximadamente 70 por cento dos investimentos estrangeiros na região vão se dirigir ao sector mineiro, com grandes investimentos em Angola, Moçambique e África do Sul. Em termos absolutos, na África Oriental e Austral a despesa dos governos na agricultura tem aumentado nos últimos 20 anos, mas a despesa na agricultura como percentagem de todas as despesas dos governos diminuiu. Na África Oriental e Austral, a percentagem da contribuição da agricultura ao PIB é muito mais baixa do que a percentagem de pessoas que se dedicam à agricultura, refletindo a baixa produtividade agrícola. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) estima que nos países de renda baixa e média, os agricultores investem quatro vezes mais na agricultura do que os próprios governos, doadores e investidores estrangeiros combinados. Nos 21 países da África Oriental e Austral, em média 60 por cento da população activa se dedica à agricultura, mas a variação é ampla, refletindo a presença ou ausência de oportunidades econômicas diversificadas. 65 por cento do trabalho agrícola na região é feito manualmente, 25 por cento por tração animal e 10 por cento por tractores, bombas e outros instrumentos mecanizados. A forte dependência na força humana para a agricultura na África Subsaariana é talvez o maior obstáculo ao desenvolvimento económico e social nas áreas rurais. É altamente ineficiente, consumindo em média 60 homens-dias por hectare para preparação do solo, sementeira, capina e colheita e limitando muito a quantidade de terra que uma família pode cultivar. O valor das exportações Africanas triplicou nos últimos 14 anos, chegando a USD 582 bilhões, como resultado dos elevados preços dos bens de consumo e aumento da demanda de petróleo e minerais, principalmente por parte da China. Contudo, o comércio entre os países africanos estagnou-se, representando somente 12 por cento do volume do comércio total. Estabelecido em 2003 como parte do NEPAD, o Programa de Desenvolvimento da Agricultura Africana (CAADP) tem o objetivo de melhorar e promover a agricultura em toda a África. Como objetivo de médio prazo para 2015, os governos africanos esperam impulsionar o comércio agrícola seja ao interno de cada país, que entre os mesmos países africanos, aumentar a participação dos agricultores na economia, aumentar a produção agrícola e melhorar a gestão sustentável de recursos naturais no continente. Nesse sentido, os principais blocos económicos regionais (SADC, COMESA) estão desempenhando um papel importante. Na África Oriental e Austral, 11 países assinaram o compacto CAADP, um instrumento que identifica as principais áreas para investimento e mostra o compromisso dos governos com a implementação dos pilares do CAADP. Os outros países iniciaram a implementação do CAADP e se preparam para assinar o compacto. Estratégia do FIDA para redução da pobreza rural na África Oriental e Austral 6 Desde que iniciou suas operações em 1978, o FIDA já financiou 177 programas e projectos de investimento na região, no total de USD 2,9 bilhões. O FIDA é uma das principais fontes de assistência ao desenvolvimento para redução da pobreza rural na região. O programa regional do FIDA toma como ponto de partida o potencial de crescimento dos pequenos agricultores. Concentra-se em novas oportunidades e desafios associados à transição económica incompleta da região, resultado do ajustamento estrutural que modificou as políticas e instituições económicas. Além disso, atribui prioridade ao apoio às mulheres. As mulheres são as pessoas que têm menos poder nas comunidades rurais, mas podem dar uma contribuição importante para a redução da pobreza.

7 Trabalhando com governos, doadores, populações pobres rurais e organizações comunitárias, o FIDA explora oportunidades criadas pelos governos mediante abertura política, descentralização e liberalização económica. Apoia uma ampla gama de actividades mediante as quais os pequenos agricultores desenvolvem novas relações com o sector privado e serviços públicos e uma nova estratégia de gestão de recursos. O objetivo da estratégia é assegurar que as actividades possam ser replicadas e ampliadas para reduzir a pobreza. Nove países da África Oriental e Austral, inclusive Angola, são Países de Renda Média (PRM). O modelo de projecto do FIDA nem sempre oferece as opções de design e financiamento que os PRM desejam de acordo com o ambiente global de assistência ao desenvolvimento em constante mudança. Os PRM, que têm acesso a fontes alternativas de financiamento, consideram que os custos não financeiros e a rigidez associada aos empréstimos são maiores do que os benefícios decorrentes da participação do FIDA. Por outro lado, o sector agrícola dos PRM representa uma parcela bem menor do PIB do que em outros países. As estratégias agrícolas dos Governos se concentram principalmente no aumento da produção mediante apoio às grandes agroempresas; e como tal, existe uma certa desarticulação entre os objetivos sectoriais dos governos e o foco do FIDA na agricultura familiar e redução da pobreza. O apoio a políticas efetivas dos governos para capacitar os grupos mais marginalizados e melhorar o seu acesso aos activos productivos básicos é um importante nicho para o FIDA nos PRM. Ao elaborar e implementar programas e projectos que refletem o seu mandato de ajudar os pobres rurais a superar a pobreza, o FIDA: assegura uma focalização cuidadosa, concentrando-se nas populações pobres rurais em áreas de potencial médio a alto, sem excluir áreas mais marginais; investe na capacitação de mulheres e homens pobres nas áreas rurais para fortalecer sua produtividade e ativos e habilitá-los a exercer influência sobre o governo e o sector privado; apoia a formulação de políticas de redução da pobreza rural e o estabelecimento de instituições que ajudem as populações pobres a decidir o seu futuro. As operações do FIDA na África Oriental e Austral concentram-se particularmente em: promoção de conexões eficientes e equitativas com o mercado; desenvolvimento de sistemas de financiamento rural; melhoramento do acesso e gestão dos solos e água; criação de um melhor sistema de conhecimento, informação e tecnologia. A criação de resiliência à crises como a epidemia de VIH/SIDA e aos conflitos civis é um elemento essencial da estratégia do FIDA. A região é o epicentro da epidemia e os índices de prevalência em adultos estão entre os mais altos do mundo. A maioria dos que sofrem o impacto da epidemia são extremamente pobres que vivem nas áreas rurais. A resposta do FIDA consiste em divulgar o conhecimento sobre VIH/SIDA nas comunidades para apoiar a prevenção e estabelecer opções de subsistência para os pobres fora das actividades de alto risco. Novo modelo operacional para descentralização A Divisão da África Oriental e Austral introduziu um novo modelo de gestão de projectos, substituindo o gerente de país por uma equipe de gestão do país. Nesse novo modelo, um grupo de programas é gerido por uma Unidade de Gestão do País, que promove conexões e apoio entre países, na qual estes são agrupados por um claro conjunto de critérios, sendo o mais importante a acessibilidade para dar mais valor ao comércio sub-regional e a abertura para além das fronteiras. Esse modelo também permite aproveitar a combinação de habilidades e competências entre os funcionários dos escritórios nos países e compartilhar as experiências locais. Um papel crucial do novo modelo consiste em estimular a acção proativa e capacitação em cada país e na região, permitindo uma avaliação contínua dos riscos e problemas para obter uma implementação bem-sucedida e sustentabilidade, bem como o monitoramento das mudanças na implementação que exigem ajustes no projecto original ou no quadro de resultados. 7

8 Operações concluídas Programa de Desenvolvimento de Comunidades Piscatórias Custo total: USD 9,3 milhões Empréstimo do FIDA: USD 7,3 milhões Duração: Beneficiários diretos: famílias Projecto de Desenvolvimento das Culturas Alimentares da Região Norte Custo total: USD 18,8 milhões Empréstimo do FIDA: USD 10,0 milhões Empréstimo do SPA: USD 3,4 milhões Duração: Beneficiários diretos: famílias Projecto de Reabilitação da Agricultura Familiar de Malanje Custo total: USD 12,0 milhões Empréstimo do SPA: USD 7,2 milhões Duração: Beneficiários diretos: famílias Construindo um mundo sem pobreza O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) trabalha com as populações pobres nas áreas rurais para habilitá-las a cultivar e vender mais alimentos, elevar sua renda e determinar a direção de suas próprias vidas. Desde 1978, o FIDA investiu cerca de US$15,6 bilhões em doações e empréstimos a juros baixos para países em desenvolvimento mediante projectos que beneficiaram aproximadamente 420 milhões de pessoas e ajudaram a criar comunidades rurais vibrantes. O FIDA é uma instituição financeira internacional e agência especializada das Nações Unidas sediada em Roma o centro das Nações Unidas para alimentação e agricultura. Seus 173 membros formam uma parceria singular entre países em desenvolvimento, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Contacto Périn Saint Ange Gerente do Programa de País a.i., Angola FIDA Via Paolo di Dono, Roma, Itália Tel: Fax: Para obter mais informações sobre a pobreza rural em Angola,visite o Portal da Pobreza Rural: FIDA/G. Pirozzi Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola Via Paolo di Dono, Roma, Itália Tel: Fax: ifad-un.blogspot.com instagram.com/ifadnews Fevereiro de 2014

Habilitar os pobres rurais a superar a pobreza em Moçambique

Habilitar os pobres rurais a superar a pobreza em Moçambique FIDA/A. Webb Habilitar os pobres rurais a superar a pobreza em Moçambique Pobreza rural em Moçambique Moçambique é um dos países mais pobres do mundo. Apesar das impressionantes taxas de crescimento econômico

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

Políticas Agrárias e a Mulher

Políticas Agrárias e a Mulher República de Moçambique Ministério da Agricultura Direcção deeconomia REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Actualização do Regulamento Proposta da LFFB de Revisão do Regulamento da Lei de

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural

Proteção social e agricultura. rompendo o ciclo da pobreza rural Proteção social e agricultura Sasint/Dollar Photo Club rompendo o ciclo da pobreza rural 16 de outubro de 2015 Dia Mundial da Alimentação Cerca de 1000 milhões de pessoas vivem na extrema pobreza nos países

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Bilene, Manica e Mogovolas

Bilene, Manica e Mogovolas CONTRIBUIÇÃO DO FDD NO FOMENTO DO EMPREGO RURAL- Criando Postos de Trabalho Através do Empreendedorismo A experiência dos Distritos de Bilene, Manica e Mogovolas Apresentado por André Calengo (Lexterra,

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

Ary Nunda Director Geral. Desafios ao Desenvolvimento da Actividade Económica Produtiva Experiências como Cliente do BDA

Ary Nunda Director Geral. Desafios ao Desenvolvimento da Actividade Económica Produtiva Experiências como Cliente do BDA Ary Nunda Director Geral Desafios ao Desenvolvimento da Actividade Económica Produtiva Experiências como Cliente do BDA Natureza do projecto Macro Services, Lda (MS, Lda) é uma empresa de direito Angolano

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP

Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Introduzindo o Programa Compreensivo para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP) PARCEIROS DE APOIO DO CAADP Agricultura e o CAADP: Uma Nova Visão para a África Se quisermos fazer com que a

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique República de Moçambique Ministério da Educação Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique Senhor Augusto Jone Ministro da Educação Vamos

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL,

DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE E A ORGANIZAÇÃO DAS

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Chave para Negócios. em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo

Chave para Negócios. em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo Case study SOFID: Chave para Negócios em Moçambique por Diogo Gomes de Araújo Business Roundtable: Moçambique Lisboa, 1 de Abril de 2011 1. O que é a SOFID? 2. O que oferece? 3. Onde actua? 4. Para quê?

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC

Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC Mateus Bortolini e Giovane Chaves 7ºC O QUE ÉFOME? Quando a pessoa não ingere alimentos em quantidade suficiente para suas necessidades aponto de afetar seu crescimento ou atividades.quem tem menos que

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR Nyéléni, Selingue, Malí Quarta-feira 28 de fevereiro de 2007 Nós, mais de 500 representantes de mais de 80 paises, de organizações camponesas,

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga 11 Outubro Dia Internacional da Rapariga As meninas enfrentam discriminação, violência e abuso todos os dias, em todo o mundo. Esta realidade alarmante justifica o Dia Internacional das Meninas, uma nova

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal?

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal? Boletim do FMI ENTREVISTA SOBRE PORTUGAL FMI delineia plano conjunto de apoio com UE para Portugal Boletim digital do FMI 6 de Maio de 2011 Café no Bairro Alto, em Lisboa. A criação de novos empregos,

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais