INCLUSÃO DIGITAL E COMUNIDADES INDÍGENAS: A INTERNET COMO PARCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO DIGITAL E COMUNIDADES INDÍGENAS: A INTERNET COMO PARCEIRA"

Transcrição

1 INCLUSÃO DIGITAL E COMUNIDADES INDÍGENAS: A INTERNET COMO PARCEIRA Alex Barbosa dos Santos Acadêmico do Curso de História Universidade Federal de Roraima UFRR BOA VISTA-RR

2 INCLUSAO DIGITAL E COMUNIDADES INDIGENAS: A INTERNET COMO PARCEIRA A existência de tecnologias no mundo tem revolucionado a comunicação entre as partes distantes do planeta. Os povos indígenas não estão fora dessas formas de comunicação, se aliaram a elas para buscar novas formas de vida, assim como buscar meio para beneficiar para seus povos. Longe de ser mero hobbie, o uso da internet nas comunidades passou a ser um objeto de luta, uma ferramenta para competir com os meios de comunicação, para unir povos de vários lugares do Brasil e do mundo. As redes sociais, blogs e portais passaram a ser um movimento social em prol das comunidades indígenas. Nesse mesmo aspecto a o ensino superior passa a estar inserido dentro das comunidades, por meio de Universidades a distancia. Neste trabalho abordarei a intercultural idade no sentido de inclusão digital no Estado de Roraima. De uma forma em que os povos indígenas se apropriam dos meios de instrumentos tecnológicos, em especial a internet, para buscar meios que venham beneficiar suas comunidades, seu povo, assim como a si próprio. Darei ênfase aqui, aos trabalhos desenvolvidos pelo GESAC, programa de inclusão digital do Governo Federal junto às comunidades indígenas. Assim como também às Universidades a Distância, que implantaram laboratório de Informática em várias comunidades Indígenas. Saber coincidir, os modos de vidas tradicionais com o uso de tecnologias inovadoras, foi e é uma das maiores dificuldades enfrentadas pelas comunidades tradicionais. O uso da internet entre os povos indígenas, embora hoje muito comum, ainda há certos empecilhos internos e externos. Não posso deixar aqui falar dos impactos causados dentro das comunidades, gerada muitas das vezes pelo mau uso dessas novas tecnologias. Como á uma moeda, a entrada das tecnologias nas aldeias indígenas também tem seus dois lados. Um deles é o fato de se igualar a sociedade externa, em meio ás manifestações, comunicações, divulgação eletrônica e a implementação do Ensino Superior nas comunidades. O segundo lado, causados por uma parte de pessoas, que com a chegada da internet, deixaram de lado a forma de vida tradicional e caíram em um vício eletrônico, deixando os afazeres comunitários em um segundo plano, ou mesmo caindo em um erro repetino de pensar que a comunidade deve mudar conforme

3 manda a sociedade em volta. Essa avaliação é precisa uma vez que, não havendo coincidência entre Internet x modo de vida comunitária, muda completamente o sentido do uso intercultural da nova tecnologia, como afirma professor José Francisco Sarmento da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em uma entrevista cedida a IHU online: Acredito e tenho percebido que nas comunidades onde desenvolvemos projetos com este foco, em especial na nação Kaiowá, a relação está próxima das comunidades urbanas. A mudança está na percepção do acesso à informação. E digo percepção, porque a internet permite se ter uma informação rapidamente, mas nem sempre com um conteúdo bom, completo. Para se ter uma idéia dessa problemática informacional cibernética, o maior ou o mais popular buscador de informações, o Google, possui apenas 10% das informações disponíveis na rede. Logo, esse jovem, conectado com este universo, imagina que tem todas as informações do mundo e na verdade não as tem. As comunidades devem se preparar para discutir o que querem desses espaços virtuais, como podem aproveitar de maneira melhor do que fez e faz a nossa sociedade. Tenho ouvido relatos maduros a esse respeito entre professores indígenas. Em relação à interação das diferentes gerações, tenho percebido que há um distanciamento dialógico a respeito desses assuntos, pois o que se tem observado é que esses acessos de um modo geral acontecem na maioria das vezes no ambiente escolar. Para um melhor entendimento, este trabalho está divido em cinco partes: primeira, a Inserção da Internet nas comunidades Indígenas de Roraima; Segunda, Povos Indígenas e Redes Sociais; Terceira: Povos indígenas e o uso da Internet para Movimento Social; Quarta, Povos indígenas e Ensino Técnico/Superior; na Quinta parte, farei Uma crítica a inserção da internet nas comunidades pelos programas do governo. Para assim poder fazer uma avaliação dos meios tecnológicos eletrônicos em meio aos povos indígenas. A INSERÇÃO DA INTERNET NAS COMUNIDADES INDÍGENAS DE RORAIMA O conhecimento sobre a internet, em relação aos povos indígenas do estado de Roraima, a principio tratava- se de casos isolados. Eram poucos indivíduos que sabiam manusear um computador, o acesso era raro. Poucos que tinha acesso a essa tecnologia, eram mais os indígenas que se deslocavam para a cidade para trabalhar, para receber

4 algum beneficio Social, ou para morar, como ocorre em muitos casos. Esses aprendiam em escolas e lan house. Embora muitos dos indígenas que tinham acesso a cidade, retornassem as comunidades de origem, era improvável passar o conhecimento para os outros membros das comunidades, uma vez que o local de origem não dispusesse de tais tecnologias. No final dos anos 90, vários indígenas estavam indo morar na cidade de Boa Vista, para concluir o ensino Médio, pois nas comunidades só tinha até a 8ª Série, e estes tinham acesso com mais freqüência a internet, e foram se adaptando na Cidade com esse meio de comunicação. No inicio do milênio em que vivemos, algumas comunidades indígenas dotaram-se de meios eletrônicos, para guardar os relatórios, atas, e registros de eventos que aconteciam com freqüências entre os povos Indígenas. Tratava-se de comunidades onde se encontravam os centros de Formação ou Internatos, que pertenciam a Igreja Católica ou mesmo aproximadas à cidade de Boa Vista. Em um período não muito distante, por meio de programas de governo, Local ou Nacional, em algumas comunidades foram implantadas as Antenas de Internet, entre esses programas está em destaque o GESAC, que por meio da Universidade Virtual de Roraima- UNIVIRR matem ainda vários pontos de internet nas comunidades Indígenas. A luta contínua dos povos indígenas na Raposa Serra do Sol, chamou atenção dos órgãos governamentais não só para questão da Terra, como também para os Programas Sociais, entre eles o de Inclusão Digital. De acordo com o site idbrasil, foram capacitadas mais de pessoas em curso de informática básica até o ano de 2007, e a UNIVIRR também oferece cursos para multiplicadores, desse do qual participei, no mesmo ano, que foi oferecido na área urbana de Pacaraima, foi em especial para os alunos que estavam concluindo o Ensino Médio na Escola Indígena Padre José de Anchieta, na Região de Surumú, onde se localiza a porta de entrada da T.I Raposa Serra do Sol. No ano de 2008, várias comunidades de Roraima receberam Atenas de Internet, por meio do GESAC, e essa expansão possibilitou não só a Raposa Serra do sol, como também comunidades da Terra Indígenas Araçá, Taba Lascada, Malacacheta, e outras que puderam desfrutar do uso da internet dentro das escolas. POVOS INDÍGENAS E REDES SOCIAIS: UM CONTEXTO NACIONAL Em meios a tantas ingenuidades da internet, surge como parceiro dos povos indígenas as redes sociais. Em um contexto, em que os povos tradicionais se encontravam aflitos

5 pela questão da Terra, onde em todo Brasil, esses povos passam sérias dificuldades, inclusive sendo massacrados pela Mídia Nacional, e Locais. Os povos indígenas passaram a usar as redes sociais como Orkut, facebook, badoo, MSN, Sonico e outros para fazer uma ponte intercultural. Nesse sentido cria-se uma rede de integração entre os povos indígenas. Entre as redes sociais, surgem o que a no meio eletrônico e virtual o que chamamos de Comunidades e Campanhas, muitas das vezes feitas para dar voz aos indígenas assim como em outras vezes para dar visibilidade aos mesmos, como por exemplo, as comunidades feitas no Orkut: Contra a Discriminação Indígena, que é seguida pela descrição Lei n de 05/01/1989,Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor...lei n de 20/12/1985 Inclui, entre as contravenções penais, a prática de atos resultantes de preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil, dando nova redação à lei n 1.390, de 3 de julho de Lei n ,de25/05/2003. Cria a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, da Presidência da República e dá outras providências. Decreto n de 08/12/1969 Promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial. É importante destacar que os donos dessas comunidades são índios, e os seguidores na maioria também são índios e pessoas que se sensibilizam com a causa indígena. Nesse mesmo contexto, as redes sociais serviram como movimento de articulação para os povos indígenas, em formas campanhas, como o exemplo Raposa Serra do Sol que era um movimento que unia vários indígenas e não indígenas em busca de um ideal: a homologação da demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. Um caso bem recente, que prejudica os povos indígenas e que também, criou-se um movimento prócausa indígenas, foi sobre a Hidrelétrica Belo Monte, que ao ser autorizada pela Presidenta Dilma, causou revolta não só aos povos tradicionais daquela região como também a de várias outras partes do País, Nesse caso é importante, que não se tratou apenas de um movimento social em prol dos povos indígenas, como ganhou visibilidade Internacional. Nessas além de comunidades e campanhas no Orkut, teve um auto índice de observação e divulgação também no facebook e outras redes sociais. Entre as redes sociais podemos citar várias temáticas que são repetidas, como por exemplo, Denúncia: As redes sócias são usadas nessa temática, para denunciar principalmente os órgãos públicos; Eventos: é compartilhado por meio das redes

6 sociais, eventos de interesse indígenas, Assembléias, Atos, Reuniões, Conferências, Educação e outros; Outros ainda se preocupam em divulgar a cultura, e tradição para que estes não caiam no esquecimento. As redes sociais, além de serem como o próprio nome diz sociais, passaram a ser para os povos movimento de resistências e de divulgação. Elas têm aumentado muitos nos últimos anos devido a principalmente, a desassistência do Governo junto aos povos indígenas. SOCIAL POVOS INDÍGENAS E O USO DA INTERNET PARA O MOVIMENTO Desde as décadas de 70, os povos indígenas começaram a se organizar politicamente. Desde então começa a surgir às organizações indígenas Locais, Estaduais e Nacionais. Essas organizações vêm crescendo e se estruturando com o passar do tempo. Passaram a se apropriar do uso da internet para concretizar o movimento indígena a um patamar mais elevado, passaram a criar e manter ativos portais, sites e blogs. Entre como exemplo cito o Conselho Indígena de Roraima- CIR, que utiliza como meio informativo o site (www.cir.org.br), assim como forma de denuncia, de liberdade expressão, e também como arquivo, assim como temos outras organizações que se apropriaram da Internet, para facilitar o trabalho e construir um movimento mais longo e mais expressivo, como o caso da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (www.coiab.com.br), a Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas gerais e Espírito Santo (www.apoime.org.br). Além desses sites de organizações que compões movimentos sociais, quero colocar neste trabalho, dois sites que independentes de qualquer organização concretiza-se um movimento social. Primeiro o portal índios on line (www.indiosonline.org.br), e segundo o site da Ação dos Jovens Indígenas-AJI (www.ajindo.blogspot.com) e (www.jovensindigenas.org.br). O portal índios on line surgiu em 2004, e dele participavam apenas sete nações indígenas do nordeste do Brasil, em anos seguintes passou a ser um ponto de Cultura. Esta rede faz uso da internet como um instrumento ou ferramenta de empoderamento político-cultural, pois permite diminuir as distâncias, encurtar os tempos de comunicação e a difusão de conteúdos dos mesmos indígenas. Contudo outras

7 tecnologias de informação e comunicação foram integradas como é a radio digital, celulares digitais, etc. Segundo a Ana América Ávila Paz, O Ponto de Cultura Índios On Line, através do portal gerou a Rede de Articulação Indígena Índios On Line, que é uma rede autônoma, que divulga e agrega várias realizações do movimento indígena, se constituindo em um espaço de luta política por seus direitos. È importante destacar aqui que dentre os objetivos da Rede estão: Facilitar o acesso à informação e comunicação para diferentes nações indígenas, estimular o dialogo intercultural. Promover aos próprios índios pesquisarem e estudarem as culturas indígenas. Resgatar, preservar, atualizar, valorizar e projetar as culturas indígenas. Promover o respeito pelas diferenças. Conhecer e refletir sobre o índio de hoje. Salvaguardar os bens imateriais mais antigos desta terra Brasil. Disponibilizar na internet arquivos (textos, fotos, vídeos) sobre os índios nordestinos para Brasil e o Mundo. Complementar e enriquecer os processos de educação escolar diferenciada multicultural indígena. Qualificar índios de diferentes etnias para garantir melhor seus direitos. A princípio o portal índios on line, era acessado por pontos de cultura índios on line, então para era considerado um índio on line, o indivíduo se conectava de sua aldeia, ou de um ponto de cultura e era gerenciada por um indígena que tinha o papel de coordenador. Depois com o crescimento da rede os índios on line optaram por uma gestão compartilhada da rede, conforme disse Graciela Guarani, em uma entrevista virtual cedida a Xenya de Aguiar Bucchioni, Antes como era apenas um coordenador, quase tudo era direcionado a ele, e isso meio que o sobrecarregava, dificultando assim muitas ações, pois o mesmo não tinha pernas para resolver tudo, segundo porque, este modelo de um coordenador é muito na linha do não índio, e não é assim que queremos trabalhar, pois queremos que tudo seje partilhado, então decidimos acabar com este modelo de um coordenador só, e criar um modelo mais compartilhado de coordenação. (Entrevista realizada por em com Graciela Guarani, para Xenya de Aguiar Bucchioni ). Ao contrário do que aconteceu no início do projeto, a gestão compartilhada mudou o portal índios on line, e a parti de então se torna um verdadeiro movimento indígena, pois nele são feitas campanhas, petições on line e outras formas de

8 manifestações. Com isso observa-se que ser um índio on line, era ser um índio conectado na aldeia, atualmente com a gestão compartilhada ser índio on line, é está conectado em escolas, em lan houses, em laboratórios de universidades. O que concretiza o portal índios on line como um movimento social, é o fato de nele ser expostas manifestações feitas pelos próprios povos indígenas, e solidariza com vários outros povos, que recebe apoio e outras formas de manifestação. O segundo site da qual me retenho aqui, é o da AJI, criado em 2009, trata-se de um portal que tem um diferencial do anterior, é que no índio on line, segundo Xenya de Aguiar Bucchi os temas centrais são: Cultura meio Ambiente e Educação. Já o portal e o blog da AJI entram um tem bem mais relevante para a atual questão indígena: TERRA acredita-se que pelo fato de os administradores do portal sejam de um estado onde, a demarcação e o registro das Terras Indígenas sejam muito dificultosos. Segundo Indianara Ramires, em uma entrevista cedida por , o portal saiu para contrapor os jornais, que em geral são bancados por fazendeiros, observa-se ai a preocupação de o indígena ocupar os meios de comunicação, no caso a internet, para ter voz, em nome de seu povo. Para a mesma, o fato de o próprio índio estar ali postando matérias e conteúdos, lhe dar certas autonomias: Acredito que o blog e o site é uma forma de expressão nossa, do nosso jeito, é índio falando de Índio, isso que é o bacana, somos reportes, jornalistas etc.. Considerar o simples fato de o índio ter internet, não caracteriza um movimento Social, mas no momento em que começa usar, para um bem de seu povo, para lhe da voz, para competir com a mídia, isso sim lhe dar caracteres de um movimento social. O que observamos com relação aos movimentos sociais, é que os povos indígenas têm se apossados da internet para divulgar, denunciar, e promover a inclusão social, a integração e a socialização entre eles de vários conteúdos e assuntos. POVOS INDÍGENAS E ENSINO TÉCNICO/SUPERIOR Um dos grandes empecilhos para as comunidades indígenas sempre foi a inserção de seus membros no Ensino superior. Atualmente várias universidades abriram as portas para indígenas por meio de cotas, ou por meio de ações afirmativas para inserir os indígenas no Ensino superior, entre elas há ainda aquelas que abriram cursos específicos para indígenas, como o caso dos Cursos Licenciatura Intercultural indígena (UFRR), Gestão Territorial Indígena (UFRR), Licenciatura Indígena (UFGD), Licenciatura Indígena (UFMG), Instituto Federal da Bahia (IFBA) e outras que também

9 merecem destaques, outras optaram a oferecer vagas em cursos. Os problemas maiores enfrentados pelos acadêmicos indígenas são a permanência e o sucesso na formação. Mais o destaque aqui nesse trabalho é o Ensino Superior por meio do ensino a Distancia, por meio de Universidade que oferecem cursos, ou pro meio de universidades que trabalham apenas com os cursos a distancia. Quando pensamos em universidades, pensamos em campus, que muitas das vezes se localiza nos grandes centros urbanos. Algo que nos remete sair da comunidade e ir até as cidades. Nesta parte quero expor a importância que a internet e outros meios de comunicação possibilitaram para as comunidades indígenas, quebra de vez esses tabus. Vejamos o seguinte, a parti do momento em que as universidades passam a oferecer cursos à distância, começa a beneficiar os povos indígenas. Em um exemplo bem mais prático, em Roraima a Universidade Virtual de Roraima, em parceria com o Instituto Federal do Pará, oferecem curso de Licenciatura plena em matemática para vários indígenas macuxi da Região do Surumu, na Terra Indígena raposa Serra do Sol. A parti dessa iniciativa as universidades particulares passaram também a oferecer curso de Bacharéis á principalmente em teologia, e licenciaturas em pedagogia. Observa-se então o crescimento de indígenas no ensino superior em Roraima. Partindo do princípio onde a demanda maior das comunidades indígenas era formar professores, com a chegada de computadores, e torres de internet, abre-se as portas para a demanda de forma médicos, advogados, e outros. A inclusão digital foi à principal porta de entrada para aqueles que viviam isolados cursarem Ensino superior ou técnico. O importante é que a educação a distancia não se restringe a uma instituição de apenas um estado da federação, e a ele fechado. Para se ter idéia, em 2008, duzentos e quarentas profissionais da aérea de saúde, de seis municípios do Amazonas (Manacapuru, Maués e Lábrea), do Mato Grosso (São Felix do Araguaia e Juruá) e Tocantins (Palmas), realizaram curso em especialização em saúde indígena. A parti dessa analise, observa-se que a formação para o melhoramento das comunidades indígenas vem de duas formas, primeira a inclusão do indígena no Ensino superior ou técnico, e em segundo lugar, a formação de quem trabalha nas comunidades indígenas. Não há equivoco em dizer que beneficiar alguém que trabalha na causa indígena é beneficiar os povos indígenas. Observa-se que após as formações práticas in locus, nos grandes centros urbanos qualificou os professores que hoje formam os alunos

10 do ensino Médio e fundamental nas comunidades indígenas. Com profissionais formados na área de educação, as comunidades puderam desfrutar de interesses jovens, para se formar em diversas aeras paralela ou não a educação indígena. Esses interesses foram impulsionados pelas universidades e instituto de formação técnico/superior e concretizados pelas universidades a distância, ao colocar o esses graus de formação dentro das comunidades indígenas. UMA CRÍTICA A INSERÇÃO DA INTERNET NAS COMUINIDADES INDÍGENAS Como neste trabalho já abordei os benefícios trazidos pelo programa do governo federal de inclusão digital, o GESAC, aqui pretendo fazer uma critica a esse programa. Para efetuar essa critica temos que pensar em três fases de programa: a inserção, a manutenção e a permanências desses meios dentro das comunidades indígenas. O que seria uma comunidade que sofre a exclusão digital?, Segundo Sorj (2003), pra que possa acontecer a exclusão digital depende se cinco situação da qual a comunidade, aqui no caso, não detêm: Existência de infra-estruturas físicas de transmissão; Disponibilidade de equipamento / conexão de acesso; Treinamento para uso dos instrumentos do computador e Internet; Capacitação intelectual e inserção social do usuário, produto da profissão, do nível educacional e intelectual e de sua rede social, que determina o aproveitamento efetivo da informação e das necessidades de comunicação pela Internet; Produção e uso de conteúdos específicos adequados às necessidades dos diversos segmentos da população. Partindo desse principio, observa-se que o programa aqui discutido, não se completa em termos de inclusão, pois em muitos casos, e em partes atende uma demanda que não supri as reais necessidades das comunidades indígenas. Em um exemplo claro, os prêmios sociais, projetos, e outros programas sociais do governo que são atendidos pelo GESAC, não se complementam, ou são abandonados pelas instituições financiadoras, no caso o Governo federal por meio dos Ministérios. Para isso vamos citar aqui o projeto índios on line (www.indiosonline.org.br) que inicialmente teve computadores e acesso a internet pagos pelo governo em algumas comunidades, seguido pelo ganho do premio ponto de cultura, também assistencializado pelo governo, que atendeu outras comunidades e hoje, esse projeto sofre com as dificuldades para manter esses pontos ativos, a falta de equipamento, pois uma vez inseridos nas comunidades, aumenta a demanda dos usuários, e o sucateamento dos mesmos. Atualmente o projeto atende comunidades que quase todos os estados da

11 federação brasileira, que para manter o portal atualizado, recorrem a lan houses, laboratórios de escolas e universidades. Com esse exemplo, agora é fácil afirmar que a inclusão digital feita pelo programa do governo federal, ainda tem lacunas a serem preenchidas, pois para que se conclua essa inclusão, além da formação e capacitação para que os indígenas possam repassar aos outros membros das comunidades, é preciso adicionar o tempero da ampliação e manutenção de equipamentos. Caso contrário, aumenta a demandas das comunidades indígenas, e diminui a assistência do governo, deixando a desejar o conhecimento tecnológico para outros membros das comunidades. Para concluir esse trabalho, busquei informações com membros da rede índios on line, da qual hoje sou administrador, como também com a AJI, na pessoa de Indianara Ramires, e em outros sites e comunidades no Orkut. Além de informações não formais, com alunos da Universidade Virtual de Roraima, e de gestão Territorial indígena, do instituto Insikiran, que utilizam o facebook, badoo, e outras redes sociais para se manterem conectados e informados. O uso da internet, nas comunidades indígenas, ou em parte delas, é tão preciso como os materiais de trabalhos tradicionais, pois assim, ocorrerá o processo intercultural: conhecimento tradicional+ conhecimento adquirido= Interculturalidade.

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BUCCHIONI, Xenia de Aguiar. Blog Diários: reflexões sobre a identidade indígena na virtualidade, Bauru GERLIC, Sebastian. Apresentação do case índios On Line/ ONG Thydewas. Outubro de PAZ, Ana America Magalhães Ávila.Relatório Final Ponto de Cultura indios on line, avaliacao externa 2004 a Os jovens Indígenas e a Inclusão Digital. Acessado em 22 de junho de Gesac promove capacitação tecnológica em comunidades indígenas no Nordeste. Acessado em 06 de agosto de 2008

Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional.

Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional. O que é o GESAC? Programa do Governo Federal, voltado a promover inclusão digital e social em todo território nacional. Plataforma com diversas facilidades que possibilitam apoiar outras iniciativas no

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS DIAGNOSTICO SOCIO-ECONOMICO DA COMUNIDADE SÃO JORGE/RR: UMA EXPERIENCIA ACADEMICA Trabalho

Leia mais

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA Reserva com 210 famílias Escola com 280 alunos Todos os professores são formados ou estão se formando no ensino superior Há alunos do Município de Faxinal que estudam

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho SALA DE AULA INTERATIVA Profa.Barbara Coelho INTERATIVIDADE O termo surgiu na França em déc. 1980. Trata-se da relação homem-máquina e homem-homem. Tem a ver com: Diálogo, comunicação, troca (entre) H-H

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA.

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. Informações do curso O Ministério da Educação, por intermédio da Secretaria de Educação Básica, convida você para conhecer o Programa Nacional

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA Salvador, Bahia Brasil, 19 e 20 de novembro de 2009 Mobilização Mundial Conferências

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

V ENCONTRO DOS ACADÊMICOS INDÍGENAS DE MATO GROSSO DO SUL O INDÍGENA NO ENSINO SUPERIOR: FORMAÇÃO, APOIO E PROFISSIONALIZAÇÃO

V ENCONTRO DOS ACADÊMICOS INDÍGENAS DE MATO GROSSO DO SUL O INDÍGENA NO ENSINO SUPERIOR: FORMAÇÃO, APOIO E PROFISSIONALIZAÇÃO V ENCONTRO DOS ACADÊMICOS INDÍGENAS DE MATO GROSSO DO SUL O INDÍGENA NO ENSINO SUPERIOR: FORMAÇÃO, APOIO E PROFISSIONALIZAÇÃO Comissão Organizadora Algemiro de Souza (Guarani/UEMS) Ana Lúcia da Silva (Terena/UFMS)

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO Funasa Funasa

APRESENTAÇÃO Funasa Funasa APRESENTAÇÃO Apresentamos às comunidades indígenas a publicação Cartilha do Controle Social, esse trabalho é uma introdução simples de um tema da maior importância para a saúde dos povos indígenas. A revista

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Buscando construir orientações e diretrizes nas ações de acolhida a migrantes e refugiados, a Cáritas Brasileira realizou nos dias 19 e 20 de outubro

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Sumário Objetivos do Blog... 2 Log-in... 3 Esqueci minha senha... 4 Utilizando o Blog... 5 Encontrando seu Blog... 5 Conhecendo o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações Desafios para a melhoria da infraestrutura: Ampliação das comunicações móveis Diagnóstico Fonte: Cetic.br Tic Domicílios Diagnóstico Fonte: Cetic.br Tic Domicílios Diagnóstico

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 INTRODUÇÃO Olá amigos tudo bem? Deixa eu me apresentar meu nome é Rodrigo Alves, sou empreendedor digital com foco em marketing de afiliados e também

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação.

1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação. 1º de Dezembro Dia Mundial de Lutra Contra a Aids. Una-se a esta causa! Diga não ao preconceito e a discriminação. Estaremos vivendo e aprendendo com a Aids, afastando a diferença, entendendo que a epidemia

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Mídia Kit Conteúdo Digit@l. www.recriativi.com.br - www.facebook.com/recriativi - Curta!

Mídia Kit Conteúdo Digit@l. www.recriativi.com.br - www.facebook.com/recriativi - Curta! A Mídia Kit www.recriativi.com.br - www.facebook.com/recriativi - Curta! A Mídia Kit Inovação A Recriativi inovou e está trazendo um veículo de mídia que vai atrair mais pessoas para conhecer o seu negócio:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Telecom Social. Responsabilidade Social Corporativa: Inclusão Social pela Inclusão Digital

Telecom Social. Responsabilidade Social Corporativa: Inclusão Social pela Inclusão Digital Responsabilidade Social Corporativa: Inclusão Social pela Inclusão Digital Sérgio E. Mindlin Diretor Presidente Brasília 04/05/2005 Telecom Social Responsabilidade Social Empresarial (RSE) Partes interessadas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais