Condomínio Online. Especificação de um sistema de gestão condominial. UFRGS Instituto de Informática Engenharia de Software Condomínio Online

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Condomínio Online. Especificação de um sistema de gestão condominial. UFRGS Instituto de Informática Engenharia de Software Condomínio Online"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA Page 1 Especificação de um sistema de gestão condominial Gabriel Roleto, Matheus Jullien, Pedro Krieger, Pedro Dusso 09/12/2010

2 CONTEÚDO Introdução... 5 Metodologia... 6 Participantes... 7 Cliente... 7 Analistas... 7 Glossário... 8 Cronograma... 9 Escopo do Sistema Tabela Hierárquica de Funções Casos de Uso Descrição dos Casos de Uso Casos de Uso: Gerenciar Apartamentos Casos de Uso: ManterEventos Casos de Uso: Definir Eventos Públicos Casos de Uso: ManterNotícias Casos de Uso: ManterClassificados Casos de Uso: AlterarProblema Casos de Uso: JustificarProblema Casos de Uso: ManterFuncionários Casos de Uso: Definir Horário Funcionário Casos de Uso: ManterTerceiros Casos de Uso: Definir Acesso de Terceiros Casos de Uso: Cria Contas-Padrão Casos de Uso: Manter Proprietários Casos de Uso: Manter Morador Casos de Uso: Definir Proprietário para Apartamento Casos de Uso: Definir Morador para Apartamento Caso de Uso: Manter modelo de documento Caso de Uso: Elaborar Modelo de Documento Caso de Uso: Gerar Documento Caso de Uso: Publicar Documento Caso de Uso: Gerenciar Despesas Page 2

3 1.22. Caso de Uso: Gerenciar Receitas Caso de Uso: Demonstrativo de Resultados Caso de uso: Complementar Apartamento Caso de Uso: Publicar Apartamento Caso de Uso: Alterar Morador da Conta Padrão Caso de Uso: ManterMoradores Caso de Uso: Manter Eventos Caso de Uso: ManterCalendário Caso de Uso: Gerenciar Minhas Contas Caso de Uso: Manter Notícias Morador Caso de Uso: Manter Classificados Moradores Caso de Uso: Gerenciar Meus Problemas Diagramas de Casos de Uso Modelo Conceitual Diagramas de Interação Diagramas de Sequencia de Sistema Gerenciar Apartamentos Manter Eventos Definir Eventos Públicos Manter Notícias Manter Classificados Alterar Problema Justificar Problema Manter Funcionários Definir Horário Funcionário Manter Terceiros Definir Acesso de Terceiros Criar Contas Padrão Definir Proprietário para Apartamento Manter Moradores Definir Proprietário para Apartamento Definir Morador para Apartamento Manter Modelo-Documento Elaborar Modelo de Documento Page 3

4 1.19 Gerar Documento Publicar Documento Gerenciar Despesas Gerenciar Receitas Demonstrativo de Resultados Diagrama de Classes Estimativa de Prazos e Custos Cálculo do UAW Cálculo do UUCW Cálculo do Tfactor Cálculo do Efactor Cálculo de Pontos por caso de Uso Cálculo do Tempo de Trabalho Cálculo dos Custos de Desenvolvimento Ferramentas CASE utilizadas Microsoft Visual Studio Conclusão Apêndice A Atas de Reunião Primeira Reunião Segunda Reunião Terceira Reunião Quarta Reunião Page 4

5 INTRODUÇÃO Como trabalho prático da disciplina de Engenharia de Software, ministrada pelo ilustríssimo Prof. Dr. Sérgio Felipe Zirbes, desenvolveremos a especificação de um sistema para gestão administrativa, financeira e social de um condomínio. Page 5 O objetivo principal desse trabalho é compreender todas as etapas envolvidas na especificação de sistemas computacionais, utilizando todos os conhecimentos adquiridos em aula. O vem a ser um portal web no qual moradores e síndicos acessam uma comunidade virtual, no caso o seu condomínio. Dentro dessa comunidade, eles podem trocar informações, notícias, classificados, problemas, novidades, etc. O síndico pode gerar documentos, gerenciar as finanças ou praticar outras atividades competentes ao síndico, de forma mais transparente e pública. Esse trabalho segue da seguinte forma: primeiro, serão apresentadas as funções do sistema; então os casos de uso elaborados a partir delas e o diagrama de conceitos resultante. Depois disso, são apresentados os diagramas de interação referentes ao casos de uso e por fim o diagrama de classes, diretamente derivado do diagrama de conceitos acrescido das operações dos diagramas de sequencia de sistema.

6 METODOLOGIA engenharia en.ge.nha.ri.a sf (engenho+aria) 1 Arte de aplicar os conhecimentos científicos à invenção, aperfeiçoamento ou utilização da técnica industrial em todas as suas determinações. Page 6 software sof.twa.re (sóft-uér) sm (ingl) Inform 1 Qualquer programa ou grupo de programas que instrui o hardware sobre a maneira como ele deve executar uma tarefa, inclusive sistemas operacionais, processadores de texto e programas de aplicação. Engenharia de software é uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software aplicando tecnologias e práticas de gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando organização, produtividade e qualidade. Atualmente, essas tecnologias e práticas englobam linguagens de programação, banco de dados, ferramentas, plataformas, bibliotecas, padrões, processos e a questão da Qualidade de Software. Dentre as metodologias de Engenharia de Software, utilizamos a APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Focamos principalmente na análise de requisitos, redação dos casos de uso, elaboração de diagramas UML (do inglês, Linguagem de Modelagem Unificada), estimativas de custo e prazo do projeto. Note que procedemos apenas com as atividades de análise do sistema, deixando para um segundo momento o desenvolvimento e os testes, previstos pela metodologia.

7 PARTICIPANTES CLIENTE Nosso cliente foi a senhora Cláudia Maria Abreu de Couto, graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Graduada em Licenciatura em Ciências, com habilitação em Matemática, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atualmente exerce a profissão de advogada além de ser síndica do Conjunto Residencial Monte Belo, 1096, condomínio com mais de 400 apartamentos e 1200 moradores. Page 7 ANALISTAS Os analistas do sistema são Gabriel Roleto, Matheus Jullien, Pedro Krieger Vieira e Pedro Martins Dusso, alunos matriculados na disciplina de Engenharia de Computação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no segundo semestre de Esse trabalho não é o primeiro contato dos alunos com uma metodologia de especificação de sistemas, tendo eles trabalhado em projetos tanto do setor acadêmico quanto na indústria. Entretanto, muito conhecimento disperso sobre como certas entidades devem ser organizadas foi solidificado ao longo da disciplina.

8 GLOSSÁRIO Condômino: Entidade abstrata que pode ser um morador, um proprietário ou ambos. Sindico: Responsável pela gestão administrativa do condomínio. Morador: Pessoa que mora num apartamento (inquilino). Page 8 Proprietário: Dono de um apartamento (não necessariamente habita o apartamento). Contrato: Parceria firmada entre o condomínio e uma empresa ou terceiro. Empresa: Entidade prestadora de serviços interessantes ao condomínio. Pode ceder funcionários ou executar um serviço diretamente. Funcionário: Pessoa que trabalha para o condomínio diretamente ou indiretamente (terceirizado). Empregado: Funcionário diretamente contratada pelo condomínio para a prestação de serviços. Terceiro: Funcionário contratado indiretamente através de uma empresa para prestar algum serviço ao condomínio (serviço terceirizado). Mural: Local onde serão postados recados dos condôminos (classificados) e para os condôminos (notícias). Classificado: Anúncio oferecendo um produto/serviço. Noticia: Aviso sobre algo importante que está acontecendo ou acontecerá envolvendo o condomínio. Evento: Locação de um espaço público do condomínio (salão de festas, churrasqueira) por um morador. Problema: Falha ou defeito físico do condomínio registrado por um condômino no sistema. Documentos: Atas de reunião, contratos, avisos, propagandas, etc. que o condomínio pode necessitar. Modelo de Documentos: Modelo utilizado pelo síndico para gerar diferentes documentos similares. Publicação: Meio no qual os documentos podem ser publicados: mala-direta, , panfletos, cartazes, entre outros. Assinatura Digital: Forma de validar legalmente documentos.

9 CRONOGRAMA A tabela abaixo apresenta os prazos para a conclusão de cada uma das etapas do projeto. Escolha do assunto e identificação do cliente 19 de agosto Definição do escopo (THF) 02 de setembro Diagramas e Especificação dos Casos de Uso 30 de setembro Modelo Conceitual 14 de outubro Diagramas de Interação 11 de novembro Modelo de Classes/Objetos 25 de novembro Apresentação do trabalho 30 de nov. e 02 de dez. Page 9

10 ESCOPO DO SISTEMA Como previamente introduzido, o visa melhorar a organização e a convivência dentro de um conjunto habitacional. Para que isso se torne verdade, algumas premissas devem ser satisfeitas, entre elas: I. A organização virtual do condomínio, seguindo sua organização real de apartamentos por prédios, prédios por condomínio; II. A criação e alocação de contas de usuário respectivas a cada condômino seja de proprietário ou morador; III. A manutenção de eventos sociais como festas, eleições, feiras, etc. no espaço público do condomínio; IV. A manutenção de um mural de notícias e classificados para uso coletivo dos condôminos; V. A identificação, manutenção e correção de problemas do condomínio; VI. A organização dos funcionários do condomínio sejam eles terceiros ou empregados diretos; VII. A organização dos contratos com empresas; VIII. O controle das despesas e receitas assim como a geração de balanços financeiros respectivos a elas; IX. A geração de documentos, de cunho legal ou não, que podem ser de interesse tanto do condomínio quando dos condôminos; X. A manutenção, individual a cada apartamento, de uma página com suas características. Page 10

11 TABELA HIERÁRQUICA DE FUNÇÕES A tabela hierárquica de funções (THF) segue diretamente da análise das informações acerca do sistema. Ela possui as funcionalidades do sistema de forma bem definidas e separadas por área de contexto. Page Sindico 1.1. Gerenciar Apartamentos Definir número de apartamentos Evidente Definir organização de apartamentos Evidente Definir características dos apartamentos Evidente Exibir todos os apartamentos Evidente Exibir apartamentos sem proprietários Evidente Exibir apartamentos sem moradores Evidente 1.2. Gerenciar Eventos Manter Eventos Evidente Definir controle dos eventos Evidente Visualizar todos os eventos Evidente 1.3. Gerenciar Mural Notícias Manter notícias Evidente Visualizar notícias Evidente Classificados Manter classificados Evidente Visualizar classificados Evidente 1.4. Gerenciar Problemas Visualizar problemas existentes Evidente Alterar propriedades do problema Evidente Justificar problema Evidente 1.5. Gerenciar Pessoas Gerenciar Funcionários Manter funcionários Evidente Definir horário de trabalho do funcionário Evidente Exibir funcionários Evidente Gerenciar Terceiros Manter terceiros Evidente Definir acesso de terceiros ao portal Evidente Exibir terceiros Evidente Gerenciar Condôminos Criar contas padrão Evidente

12 Definir contas para apartamentos Oculto Exibir Condôminos Evidente Manter proprietários Evidente Manter moradores Evidente Associar proprietário para apartamento Evidente Associar morador para apartamento Evidente Verificar proprietários Oculta Verificar Pagamentos do Condômino Oculta 1.6. Gerencia Jurídica Manter documentos Evidente Exibir documentos Evidente Exibir modelos de documentos Evidente Assinar documento digitalmente Evidente Exibir modos de publicação de documento Evidente 1.7. Gerenciar Finanças Despesas Registrar custo de água/luz/telefone Evidente Registrar custo de materiais Evidente Registrar custo de obras Evidente Registrar custo de comunicação Evidente Calcular pagamento de terceiros Oculta Calcular pagamento de funcionários Oculta Exibir total de despesas Receitas Registrar taxa mensal de manutenção Evidente Registrar taxa de melhorias Evidente Registrar aluguel de garagens Evidente Registar aluguel de espaços públicos Evidente Exibir total de receitas Calcular Fluxo de Balanço Oculto Exibir Balanço Financeiro Evidente 2. Condôminos 2.1. Gerenciar Meu Apartamento Visualizar características Evidente Complementar dados Opcional Publicar Meu Apartamento Opcional Gerar página publica Opcional 2.2. Gerenciar Minha Família Solicitar alteração de conta padrão Opcional Manter Moradores Evidente Page 12

13 Exibir Moradores Atuais Evidente 2.3. Gerenciar Meus Eventos Manter Eventos Evidente Visualizar meu calendário Opcional Visualizar calendário do condomínio Evidente Sincronizar calendário Oculto 2.4. Gerenciar Minhas Contas Visualizar contas pendentes Evidente Visualizar histórico de contas Opcional 2.5. Gerenciar Meu Mural Notícias Manter notícias Opcional Visualizar notícias Evidente Classificados Manter classificados Opcional Visualizar classificados Evidente 2.6. Gerenciar Meus Problemas Manter Problemas Opcional Visualizar problemas existentes Evidente Page 13

14 CASOS DE USO A partir da THF, pudemos escrever os casos de uso, que exprimem o relacionamento entre as funções definidas e esclarecem as possíveis ações do usuário no sistema. Os casos de uso passam a ser imprescindíveis no momento que representam as possíveis interações dos usuários, mostrando a relação entre as funcionalidades e fornecendo uma noção global do sistema. Por serem narrativos, puderam ser apresentados para o cliente de forma amigável, o qual pode avaliar se eles atendiam as suas expectativas. Page 14 A seguir, apresentamos os Casos de Uso e o Diagrama de Casos de Uso. DESCRIÇÃO DOS CASOS DE USO 1.1. CASOS DE USO: GERENCIAR APARTAMENTOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Organizar e caracterizar cada Apartamento Descrição: O sindico deve ter controle sobre a organização dos apartamentos dentro do condomínio além de ter controle das sobre as características de cada um dos apartamentos. Referência 1.1.1, 1.1.2, 1.1.3, SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar 2. O sistema solicita o número de Apartamentos. apartamentos e de prédios a serem criados. 4. O sistema criar o respectivo número de prédios. 3. O Síndico informa o número de apartamentos. 5. O Síndico informa o número de prédios. 6. O sistema cria o respectivo número de apartamentos. 7. Sistema retorna a tela com uma organização parcial dos apartamentos. 8. O Síndico organiza os apartamentos conforme a disposição do condomínio. 10. O Sindico determina as características de cada apartamento. 9. O Sistema agrupa os apartamentos para os prédios na ordem solicitada e exibe uma tela para definir as características de cada apartamento. 11. O Sistema confirma as alterações realizadas e exibe uma tela com a organização final dos apartamentos juntamente com as características de cada um CASOS DE USO: MANTEREVENTOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, buscar, atualizar ou remover um Evento

15 Descrição: O Sindico deve ter controle sobre os eventos do condomínio. Referência SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Eventos. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer 3. Sistema retorna a tela da opção escolhida. realizar, neste caso podem ser Criar, Atualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da 5. O Sistema realiza a opção escolhida opção escolhida e confirma a ação exibindo uma nova tela que confirme que escolhida. a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca. Page CASOS DE USO: DEFINIR EVENTOS PÚBLICOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Definir o acesso dos moradores aos eventos. Descrição: O Sindico determina os tipos de eventos que os moradores poderão criar. Após um evento ser criado, o Sindico escolhe quais deles serão públicos para os moradores. Referência 1.2.2, SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Eventos. 2. O sindico escolhe a opção de definir 3. Sistema exibe todos os tipos de eventos Eventos. cadastrados. 4. O Síndico seleciona os eventos que serão 5. O Sistema torna publico todos os eventos públicos e confirma sua escolha. selecionas e salva as alterações realizadas CASOS DE USO: MANTERNOTÍCIAS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, buscar, atualizar ou remover uma Noticia do mural. Descrição: O Sindico deve ter controle sobre as noticias do condomínio. Referência , SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Mural. 2. O Sindico escolhe o mural das 3. O Sistema exibe as noticias existentes. Noticias. 4. O Síndico escolhe qual ação ele quer 5. Sistema retorna a tela da opção escolhida. realizar, neste caso podem ser Criar,

16 Atualizar, Buscar ou Remover. 6. O Síndico da entrada com os dados da opção escolhida e confirma a ação escolhida 7. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo uma nova tela que confirme que a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca. Page CASOS DE USO: MANTERCLASSIFICADOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, buscar, atualizar ou remover um Classificado do mural. Descrição: O Sindico deve ter controle sobre os classificados do condomínio. Referência , SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Mural. 2. O Sindico escolhe o mural dos 3. O Sistema exibe os classificados existentes. Classificados. 4. O Síndico escolhe qual ação ele quer 5. Sistema retorna a tela da opção escolhida. realizar, neste caso podem ser Criar, Atualizar, Buscar ou Remover. 6. O Síndico da entrada com os dados 7. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo da opção escolhida e confirma a ação uma nova tela que confirme que a operação foi escolhida realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca CASOS DE USO: ALTERARPROBLEMA Atores: Síndico, Sistema Propósito: Alterar as propriedades de um Problema. Descrição: O Sindico deve ter controle sobre os problemas para poder fazer alterações nas propriedades. Referência 1.4.1, SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Problemas. 2. O Sindico escolhe a opção de Alterar 3. O Sistema exibe todos os problemas Problema. existentes, com exceção dos fechados. 4. O Síndico escolhe um problema. 5. Sistema exibe as propriedades do 6. O Síndico altera as propriedades que achar necessário. problema escolhida. 7. O Sistema atualiza o problema com as alterações realizadas.

17 1.7. CASOS DE USO: JUSTIFICARPROBLEMA Atores: Síndico, Sistema Propósito: Justificar o encerramento de um Problema. Descrição: O Sindico deve ter controle sobre os problemas para dar uma justificativa sobre o seu encerramento. Referência 1.4.1, SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Problemas. 2. O Sindico escolhe a opção de Justificar 3. O Sistema exibe todos os problemas Problema. existentes, com exceção dos fechados. 4. O Síndico escolhe um problema. 5. O Síndico justifica o encerramento do problema: com sucesso ou não. 6. O Sistema atualiza o problema e o salva como fechado. Page CASOS DE USO: MANTERFUNCIONÁRIOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, atualizar, buscar ou remover um Funcionário. Descrição: O síndico deve ter controle sobre os Funcionários. Referência , SeqüênciaTípica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Funcionários. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer 3. Sistema retorna a tela da opção escolhida. realizar, neste caso podem ser Criar, Atualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da 5. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo opção escolhida e confirma a ação uma nova tela que confirme que a operação foi escolhida realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca CASOS DE USO: DEFINIR HORÁRIO FUNCIONÁRIO Atores: Síndico, Sistema Propósito: Definir em quais horários um Funcionário deve trabalhar. Descrição: Após um Funcionário ser criado, o sindico deve definir em quais horários o funcionário deve trabalhar, sendo que cada Funcionário tem seus horários definidos de acordo com sua função. Referência , SeqüênciaTípica de Eventos

18 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Funcionários. 2. O Síndico escolhe a opção de definir horário Funcionário. 4. O Síndico escolhe a opção desejada. Caso escolha Buscar, deverá dar entrada com os dados necessários para fazer a busca. 6. O Sindico seleciona o funcionário desejado. 8. O Sindico defini os horários do funcionário e confirma as alterações. 3. Sistema exibe uma tela com duas opções: Buscar ou Exibir Todos. 5. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo uma nova tela. Caso tenha sido feito uma busca, a tela exibida conterá uma lista de funcionários de acordo com os dados fornecidos pelo sindico. Caso tenha sido escolhida a opção de exibir todos, o sistema exibe na tela todos os funcionários cadastrados. 7. O Sistema carrega os horários do funcionário e os exibe na tela. 9. O Sistema realiza as definições e atualiza as alterações realizadas. Page CASOS DE USO: MANTERTERCEIROS Atores: Sindico, Sistema Propósito: Criar, atualizar, buscar ou remover um usuário definido como Terceiro. Descrição: O síndico deve ter controle sobre as contas que permitem o acesso ao portalpara aqueles usuários cadastrados como Terceiros. Referência Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Terceiros. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer 3. Sistema retorna a tela da opção escolhida. realizar, neste caso podem ser Criar, Atualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da 5. O Sistema realiza a opção escolhida opção escolhida e confirma a ação exibindo uma nova tela que confirme que escolhida a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca CASOS DE USO: DEFINIR ACESSO DE TERCEIROS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Definir a quais funcionalidades um Terceiro tem acesso. Descrição: Após ter criado um Terceiro, o síndico deve definir quais funcionalidades do portal podem ser utilizadas por esse usuário, sendo que cada Terceiro recebe certos tipos de funcionalidades, variando de usuário para usuário. Referência

19 Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Terceiros. 2. O Síndico escolhe a opção de definir 3. O Sistema exibe todos os Terceiros acesso de Terceiros. cadastrados. 4. O Síndico escolhe o Terceiro desejado. 5. O Sistema carregado os dados do Terceiro selecionado e os exibe na tela. 6. O Sistema exibe as funcionalidades atualmente acessíveis ao Terceiro. 7. O Síndico seleciona quais funcionalidades devem ficar disponíveis ao Terceiro e confirma sua escolha. 8. O Sistema efetua as trocas e salva as alterações realizadas. Page CASOS DE USO: CRIA CONTAS-PADRÃO Atores: Síndico, Sistema. Propósito: Cria conta de condômino. Descrição: Cada apartamento deve ter uma conta referente ao mesmo, de modo que em cada uma dessas contas estão especificados campos como Proprietário e Morador. No primeiro acesso ao sistema são criadas contas-padrão para cada apartamento. Referência , , Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Condôminos. 2. O Síndico escolhe a opção de Criar um 3. O sistema retorna todos os apartamentos. novo Condômino. 4. O Síndico seleciona um apartamento sem conta. 5. O Síndico da entrada com os dados 6. O Sistema cria a conta e ela é associada ao necessários para a conta e confirma a ação apartamento selecionado. escolhida. 7. O Sistema salva a conta criada CASOS DE USO: MANTER PROPRIETÁRIOS Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, atualizar, buscar ou remover um usuário definido como proprietário. Descrição: O síndico deve ter o controle sobre as contas que permitem o acesso ao portal para aqueles usuários cadastrados como Proprietários dos apartamentos. Referência Sequencia Típica de Eventos

20 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Proprietários. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer realizar, neste caso podem ser Criar, Atualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da opção escolhida e confirma a ação escolhida. 3. O Sistema retorna a tela da opção escolhida. 5. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo uma nova tela que confirme que a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca. Page CASOS DE USO: MANTER MORADOR Atores: Síndico, Sistema Propósito: Criar, atualizar, buscar ou remover um usuário definido como Morador. Descrição: O síndico deve ter o controle sobre as contas que permitem o acesso ao portal para aqueles usuários cadastrados como Moradores dos apartamentos. Referência Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Moradores. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer 3. O Sistema retorna a tela da opção realizar, neste caso podem ser Criar, escolhida. Atualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da opção escolhida e confirma a ação escolhida. 5. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo uma nova tela que confirme que a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisa no caso da Busca CASOS DE USO: DEFINIR PROPRIETÁRIO PARA APARTAMENTO Atores: Síndico, Sistema Propósito: Definir proprietário para apartamento. Descrição: O síndico seleciona um proprietário que irá associar a um Condômino de modo que tal operação só pode ser concluída caso o Proprietário em questão não tenha nenhuma pendência Financeira. Referência , Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Condôminos. 2. O Síndico escolhe a opção de definir um 3. O Sistema exibe todos os Apartamentos. Proprietário para um Apartamento. 4. O Sistema exibe todos os Proprietários. 5. O Síndico associa um Condômino a um 6. O Sistema verifica se o Proprietário

21 Apartamento. selecionado não apresenta pendências financeiras. 7. As alterações são salvas e uma mensagem é exibida avisando o sucesso da operação. Sequencia Alternativa de Eventos 7.1*. Caso haja um problema de pendência financeira, exibe mensagem de erro retorna ao menu Gerenciar Condôminos. Page CASOS DE USO: DEFINIR MORADOR PARA APARTAMENTO Atores: Síndico, Sistema Propósito: Definir morador para apartamento. Descrição: O síndico seleciona um Morador que irá associar a um Condômino de modo que tal operação só pode ser concluída caso o Morador em questão não tenha nenhuma pendência financeira. Referência , Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerenciar Condôminos. 2. O Síndico escolhe a opção de definir um 3. O Sistema exibe todos os Condôminos. Morador para um Apartamento. 4. O Sistema exibe todos os Moradores cadastrados. 5. O Síndico associa um Condômino a um 6. O Sistema verifica se o Morador Morador. selecionado não apresenta pendências financeiras. 7. As alterações são salvas e uma mensagem é exibida avisando o sucesso da operação. Sequencia Alternativa de Eventos 7.1*. Caso haja um problema de pendência financeira, exibe mensagem de erro retorna ao menu Gerenciar Condôminos CASO DE USO: MANTER MODELO DE DOCUMENTO Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Atualizar, buscar e remover modelos de documentos. Descrição: O síndico deve ter controle sobre os diversos tipos de documentos que o condomínio pode gerar. Referência 1.6.1, Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerência Jurídica. 2. O Síndico escolhe qual ação ele quer 3. O sistema retorna a tela da opção

22 realizar,neste caso podem seratualizar, Buscar ou Remover. 4. O Síndico da entrada com os dados da opçãoescolhida e confirma a ação escolhida. escolhida. 5. O Sistema realiza a opção escolhida exibindo uma nova tela que confirme que a operação foi realizada com sucesso ou exibindo a pesquisano caso da Busca. Page CASO DE USO: ELABORAR MODELO DE DOCUMENTO Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Elaborar um modelo de documento. Descrição: O síndico deve poder elaborar inúmeros modelos de documentos conforme a necessidadejurídica e civil do condomínio. Referência 1.6.3, Sequencia Típica de Eventos 1. O Síndico acessa a área de Gerência Jurídica. 2. O Síndico escolhe a opção de elaborar um 3. O sistema exibe todos os modelos de modelo de documento. documentos existentes. 4. O síndico deseja criar um modelo 5. O sistema abre a tela de criação de totalmente novo modelo de documentos. 6. O síndico edita e salva o novo modelo de 7. O sistema salva o novo modelo de documento. documento. Sequencia Alternativa de Eventos 4.1*. O síndico decide usar um modelo préexistente para criar um novo modelo. modelo de documentos. 5.1*. O sistema abre a tela de criação de 5.2*. O sistema carrega o layout do modelo pré-existente na tela de criação CASO DE USO: GERAR DOCUMENTO Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Gerar um documento assinado digitalmente. Descrição: O síndico, a partir dos modelos de documentos pré-existentes, gera um documento caso possua uma assinatura digital. Referência 1.6.2, 1.6.3, Sequencia Típica de Eventos 1. O síndico acessa a área de Gerência Jurídica. 2. O Síndico escolhe a opção de gerar um documento. 4. O Síndico escolhe o modelo de documento do qual ele quer gerar seu documento. 5. O síndico entra com os dados necessários do documento. 3. O sistema exibe todos os modelos de documentos existentes. 6. O sistema valida os dados inseridos contra o modelo do documento.

23 7. O síndico assina digitalmente o 8. O sistema valida a assinatura digital do documento. síndico. 9. O sistema gera o documento. Sequencia Alternativa de Eventos 6.1*. O sistema encontra erros na validação dos dados do documento. 6.2*. O sistema solicita que o síndico corrija os dados inválidos. 8.1*. O sistema encontra erros na validação da assinatura digital do documento. 8.2*. O sistema salva um rascunho do documento. 8.3*. O sistema não gera o documento CASO DE USO: PUBLICAR DOCUMENTO Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Escolher de que forma um documento será publicado por , mala direta, folders, etc. Descrição: O síndico seleciona um dos documentos gerados. Escolhe então a forma como o documento deve ser publicado. Referência 1.6.2, Sequencia Típica de Eventos 1. O síndico acessa a área de Gerência Jurídica. 2. O Síndico escolhe a opção de publicar um 3. O sistema exibe todos os documentos documento. gerados. 4. O síndico escolhe o documento o qual ele 5. O sistema exibe todas as opções de deseja publicar. 6. O síndico escolhe o meio no qual ele deseja publicar o documento. publicação de documentos. 7. O sistema publica o documento. Page CASO DE USO: GERENCIAR DESPESAS Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Registrar todos os gastos do condomínio. Descrição: O síndico entra com os diversos gastos (água, luz, materiais, obras, etc.) e o sistema processa dependendo da categoria. Referência , , , , , Sequencia Típica de Eventos 1. O síndico acessa a área de Gerencia Financeira. 2. O síndico escolhe a opção de gerenciar as despesas. 3. O síndico registra os gastos do 4. O sistema calcula o pagamento dos condomínio. terceiros.

24 5. O sistema calcula o pagamento dos funcionários. 6. O sistema exibe o total das despesas CASO DE USO: GERENCIAR RECEITAS Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Registras todas as receitas do condomínio. Descrição: O síndico entra com os dados das diversas fontes de receitas (aluguéis, taxas, etc.) e o sistema processa dependendo da categoria. Referência , , , Sequencia Típica de Eventos 1. O síndico acessa a área de Gerencia Financeira. 2. O síndico escolhe a opção de gerenciar as receitas. 3. O síndico registra as receitas do 4. O sistema calcula o total de receitas condomínio. obtidas. Page CASO DE USO: DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Atores: Síndico (iniciador), Sistema Propósito: Apresentar, de forma sucinta, para o síndico, o balanço financeiro do condomínio. Descrição: O síndico acessa a gerência financeira e solicita o balanço no prazo escolhido. O sistema busca os dados do intervalo de tempo solicitado e apresenta para o síndico. Referência , , 1.7.3, Sequencia Típica de Eventos 1. O síndico acessa a área de Gerencia Financeira. 2. O síndico entra com o prazo que deseja visualizar o demonstrativo. 3. O síndico escolhe a opção de balanço 4. O sistema calcula o balanço financeiro. financeiro. 5. O sistema exibe o balanço financeiro. 2.1 CASO DE USO: COMPLEMENTAR APARTAMENTO Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Gerenciar e atualizar dados sobre apartamentos do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos usuários, na área Meu Apartamento, e atualiza e gerencia os dados sobre o seu apartamento. Referência: 2.1,2.1.1,2.1.2 SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de

25 Gerenciar Meu Apartamento 2. O Condomínio acessa a opção de Completar Apartamento 4. O Condomínio escolhe complementar os dados do apartamento. 6. O Condomínio entra com as novas informações. 3. O sistema disponibiliza as informações atuais do apartamento. 5. O sistema exibe o formulário para aquela operação. 7. O Sistema salva os novos dados do apartamento. Page CASO DE USO: PUBLICAR APARTAMENTO. Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Tornar publica as informações do apartamento. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos usuários, na área de Meu Apartamento, e deixa pública as informações sobre seu apartamento. Referência: 2.1, 2.1.1, 2.1.3, SequenciaTípica de Eventos O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de Meu 3. O sistema disponibiliza as informações atuais do Apartamento apartamento. 4. O sistema exibe opções de gerenciar 5. O Condomínio escolhe publicar o seu Apartamento. Apartamento. 6. O sistema gera uma página publica. 7. O sistema retorna o endereço para o condomínio. 2.3 CASO DE USO: ALTERAR MORADOR DA CONTA PADRÃO Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Alterar o morador da conta padrão de um apartamento. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos usuários, na área Minha Família, e lá solicita a alteração do Morador da Conta Padrão. Referência: 2.2, 2.2.1, SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de 3. O sistema exibe os moradores atuais do Minha Família. Apartamento. 4. O Morador da Conta Padrão atual solicita a alteração de conta padrão para outro morador. 6. O Morador escolhe um dos moradores atuais do apartamento segundo as regras do condomínio. 5. O sistema solicita qual morador tornar-se-á o morador com conta padrão. 7. O sistema salva a solicitação.

26 8. O sistema encaminha a solicitação para a alteração. 2.4 CASO DE USO: MANTERMORADORES Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Manter os moradores do Apartamento. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos usuários, na área Minha Família, e lá mantém os moradores do Apartamento. Referência: 2.2, 2.2.2, SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de 3. O sistema exibe os moradores atuais do Minha Família Apartamento. 4. O condomínio acessa a opção manter moradores. 5. O sistema exibe as opções Criar, Buscar, 6. O Condomínio escolhe a operações desejadas. 8. O Condomínio entra com as informações desejadas. 9. O Condomínio seleciona a opção enviar. Atualizar e Remover Moradores. 7. O sistema exibe o formulário para aquela operação. 10. O sistema realiza as atualizações. Page CASO DE USO: MANTER EVENTOS Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Manter os eventos do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na área Meus Eventos, e lá mantém os eventos do condomínio. Referência: 2.3, 2.3.1, SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de Meus 3. O sistema exibe as opções Criar, Buscar, Eventos. Atualizar, Remover e Sincronizar eventos. 4. O condomínio escolhe a opção 5. O sistema exibe os eventos atuais. desejada. 6. O Condomínio escolhe a operações desejadas e entra com as informações.

27 7. O Condomínio seleciona a opção enviar. 8. O sistema realiza as atualizações. 2.6 CASO DE USO: MANTERCALENDÁRIO Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Sincronizar os eventos do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na área Meus Eventos, e lá sincroniza e organiza os eventos do condomínio. Referência: 2.3, 2.3.2, 2.3.3,2.3.4 SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de Meus 3. O sistema exibe as opções de exibir calendário Calendarios. do morador e calendário do condomínio. 4. O condomínio escolhe qual 5. O sistema exibe o calendário escolhido. calendário deseja que seja exibido. 6. O condomínio mantém os eventos desejados. 7. O Condomínio seleciona a opção 8. O sistema realiza as atualizações. enviar. Page CASO DE USO: GERENCIAR MINHAS CONTAS Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Visualizar o histórico de contas do morador. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na área Minhas Contas, e lá visualiza as suas contas pendentes ou o histórico de contas. Referência: 2.4, 2.4.1, SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de 3. O sistema exibe as opções de exibir contas Minhas Contas. pendentes ou o histórico de contas. 4. O condomínio escolhe qual o tipo de 5. O sistema exibe a opção desejada. contas que deseja visualizar. 2.8 CASO DE USO: MANTER NOTÍCIAS MORADOR Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Gerenciar a área de notícias do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na área Mural, e lá mantém as noticias do condomínio.

28 Referência: 2.5, 2.5.1, , SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de 3. O sistema exibe as opções de Notícias ou Mural. 4. O condomínio escolhe a opção Notícias. 7. O Condomínio escolhe a opção desejada. 9. O Condomínio entra com os dados. 10. O Condomínio escolhe enviar os dados. Classificados. 5. O sistema exibe as Notícias existentes. 6. O Sistema exibe as opções Criar, Buscar, Atualizar e Remover Notícias. 8. O sistema exibe o formulário para aquela opção. 11. O sistema realiza a operação desejada. Page CASO DE USO: MANTER CLASSIFICADOS MORADORES Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Gerenciar a área de classificados do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na área Mural, e lá mantém os classificados do condomínio. Referência: 2.5, 2.5.2, , SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O Condomínio acessa a área de 3. O sistema exibe as opções de Notícias ou Mural. Classificados. 4. O condomínio escolhe a opção 5. O sistema exibe os Classificados existentes. Classificados. 6. O Sistema exibe as opções Criar, Buscar, Atualizar e Remover Classificados. 7. O Condomínio escolhe a opção 8. O sistema exibe o formulário para aquela opção. desejada. 9. O Condomínio entra com os dados. 10. O Condomínio escolhe enviar os 11. O sistema realiza a operação desejada. dados CASO DE USO: GERENCIAR MEUS PROBLEMAS Atores: Condomínio, Sistema Propósito: Gerenciar a área de Meus Problemas do condomínio. Descrição: O Condomínio acessa a parte de administração dos moradores, na Meus Problemas, e lá mantém os Problemas do condomínio.

29 Referência: 2.6, 2.6.1, SequenciaTípica de Eventos 1. O Condomínio acessa a área de moradores do sistema. 2. O condomínio escolhe a opção Meus 3. O sistema exibe os Problemas existentes. Problemas. 4. O Sistema exibe as opções Criar, Buscar, Atualizar e Remover Classificados. 5. O Condomínio escolhe a opção 6. O sistema exibe o formulário para aquela opção. desejada. 7. O Condomínio entra com os dados. 8. O Condomínio escolhe enviar os 9. O sistema realiza a operação desejada. dados. Page 29 DIAGRAMAS DE CASOS DE USO

30 Page 30

31 Page 31

32 MODELO CONCEITUAL O modelo conceitual é resultante da especificação dos Casos de Uso. Ele representa a primeira noção de conceitos da especificação, e será a base para a definição dos diagramas de classes, apresentados mais adiante. Em um primeiro momento, os conceitos são definidos através da identificação dos substantivos referenciados nos casos de uso. Em seguida, analisamos os conceitos criados e os refinamos com base nos nossos conhecimentos do sistema. Além disso, definimos quais os principais atributos de cada conceito, ou seja, os dados que vamos armazenar de cada entidade. Finalmente, estabelecemos os relacionamentos entre os conceitos, baseados nas interações que ocorrem nos casos de uso. Page 32

33 DIAGRAMAS DE INTERAÇÃO Embora haja dois tipos de diagramas de interação os de sequencia e os de comunicação optamos por representar as interações apenar no primeiro. Embora eles sejam semanticamente equivalentes, o grupo julgou melhor a representação da interação entre os diferentes conceitos no diagrama de sequencia de sistema. Page 33 Para cada caso de uso, mostramos as funções realizadas pelo usuário. Este interage única e exclusivamente com a interface do sistema; as requisições que ele realiza, muito embora, são propagadas por diversos níveis de conceitos até serem atendidas. Dessa forma, o diagrama apresenta as relações entre os conceitos e as funções que provocam essas interações. DIAGRAMAS DE SEQUENCIA DE SISTEMA 1.1 GERENCIAR APARTAMENTOS

34 1.2 MANTER EVENTOS Page DEFINIR EVENTOS PÚBLICOS

35 Page MANTER NOTÍCIAS

36 Page 36

37 1.5 MANTER CLASSIFICADOS Page 37

38 1.6 ALTERAR PROBLEMA Page 38

39 1.7 JUSTIFICAR PROBLEMA Page 39

40 1.8 MANTER FUNCIONÁRIOS Page 40

41 1.9 DEFINIR HORÁRIO FUNCIONÁRIO Page 41

42 1.10 MANTER TERCEIROS Page 42

43 1.11 DEFINIR ACESSO DE TERCEIROS Page 43

44 1.12 CRIAR CONTAS PADRÃO Page 44

45 1.13 DEFINIR PROPRIETÁRIO PARA APARTAMENTO Page 45

46 1.14 MANTER MORADORES Page 46

47 1.15 DEFINIR PROPRIETÁRIO PARA APARTAMENTO Page DEFINIR MORADOR PARA APARTAMENTO

48 1.17 MANTER MODELO-DOCUMENTO Page 48

49 1.18 ELABORAR MODELO DE DOCUMENTO Page 49

50 1.19 GERAR DOCUMENTO Page 50

51 1.20 PUBLICAR DOCUMENTO Page 51

52 1.21 GERENCIAR DESPESAS Page 52

53 1.22 GERENCIAR RECEITAS Page 53

54 1.23 DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Page 54

55 DIAGRAMA DE CLASSES O diagrama de classes será o último diagrama da especificação, mas não da APOO sendo possível, a partir dele, criar os diagramas de comunicação e de estados. Esse diagrama apresenta todas as classes, seus atributos, suas operações e associações com outras classes, permitindo uma visão completa do sistema e uma ideia clara de seu funcionamento. Page 55 Conforme comentamos anteriormente, as classes e seus atributos são baseados no diagrama de conceitos e os métodos baseados nas mensagens dos diagramas de sequência de casos de uso. Esse diagrama foi essencial para a compreensão por parte do cliente do sistema como um todo.

56 ESTIMATIVA DE PRAZOS E CUSTOS Existem diversas metodologias para realizar estimativas de prazos e custos. Duas das mais famosas são a de Pontos por Função (PPF) e Pontos por Caso de Uso (PCU). A vantagem da técnica PPF sobre a PCU é que a PPF requer apenas a THF para estimar os custos e os prazos do projeto, enquanto que a técnica PCU exige que ao menos que os casos de uso já tenham sido especificados. Page 56 Entretanto, para nós que ainda não temos experiência suficiente em gerencia de projetos, utilizar a técnica PPF pode ser perigosa, no sentido de realizarmos uma estimativa errônea. Ao ter especificado ao menos os casos de uso, já temos muito mais conhecimento sobre a complexidade do nosso futuro software. Esse conhecimento extra foi fundamental para avaliar a qualidade das nossas estimativas, que no fim acreditamos estar de acordo com a realidade do mercado. CÁLCULO DO UAW O fator UAW (Unadjusted Actor Weight) é calculado de forma a considerar os atores do sistema. Como pode ser visto no diagrama de Casos de Uso, existem três atores principais no nosso projeto: o próprio sistema, o síndico, e outro ator representando os moradores. Dessa forma: Tipo de Ator Peso Nº de Atores Resultado Ator simples Ator médio Ator complexo Total UAW 7 CÁLCULO DO UUCW Para determinar o peso UUCW (Unadjusted Use Case Weight), precisamos atribuir pesos para cada caso de uso especificado anteriormente. Eles serão divididos em três grupos, de acordo com seu nível de complexidade: simples para os casos de uso com até três transações, envolvendo até cinco entidades; médio para casos de uso com quatro a sete transações ou de cinco a dez entidades; e complexo, para casos de uso com acima de sete transações ou mais de dez entidades. Desta análise obtêm-se: Tipo de Caso de Uso Peso Nº de Casos de Uso Resultado Simples Médio Complexo Total UUCW 215 CÁLCULO DO TFACTOR O Tfactor é um fator de ajuste que considera os aspectos técnicos envolvidos com a realização do projeto. Desta forma, devemos analisar uma série de requisitos funcionais do sistema, compreendidos na tabela a seguir:

57 Fator Requisito Peso Influência Resultado T1 Sistema distribuído T2 Tempo de resposta T3 Eficiência T4 Processamento complexo T5 Código reusável T6 Facilidade de instalação 0,5 2 1 T7 Facilidade de uso 0,5 5 2,5 T8 Portabilidade T9 Facilidade de mudança T10 Concorrência T11 Recursos de segurança T12 Acessível por terceiros T13 Requer treinamento especial Tfactor 28,5 Page 57 CÁLCULO DO EFACTOR O Efactor, de maneira similar ao fator visto acima, é utilizado para realizar um ajuste dos valores calculados no UAW e no UUCW. Este fator considera os requisitos não funcionais associados ao processo de desenvolvimento. Seu cálculo é ilustrado na tabela que segue: Fator Descrição Peso Influência Resultado E1 Familiaridade com RUP ou outro processo formal 1,5 3 4,5 E2 Experiência com a aplicação em desenvolvimento 0,5 1 0,5 E3 Experiência em Orientação a Objetos E4 Presença de analista experiente 0,5 3 1,5 E5 Motivação E6 Requisitos estáveis E7 Desenvolvedores em meio-expediente E8 Linguagem de programação difícil Efactor 16,5 CÁLCULO DE PONTOS POR CASO DE USO A partir dos valores encontrados para UAW, UUCW, Tfactor e Efactor nos passos anteriores, podemos prosseguir com o restante dos cálculos que permitirão encontrar o custo do projeto especificado. Primeiramente, realizamos o cálculo do UUCP (Unadjusted Use Case Points). = + = = 222 A seguir, calcularemos o TCF (Technical Complexity Factor), a partir do Tfactor, e o ECF (Environmental Complexity Factor), a partir do Efactor. = 0,6 + (0,01 ) = (0,01 28,5) = 0,885

58 = 1,4 + ( 0,03 ) = 1,4 + ( 0,03 16,5) = 0,905 Finalmente, calculamos os pontos de casos de uso do projeto (UCP Use Case Points). = = 222 0,885 0,905 = 177,80 CÁLCULO DO TEMPO DE TRABALHO Para o cálculo do tempo necessário para o desenvolvimento do projeto, é necessário conhecer a média de tempo que um caso de uso demora a ser desenvolvido. Este valor varia de acordo com a empresa que realiza o desenvolvimento. Para fins de cálculo, assumiremos uma média de 20 horas por ponto de caso de uso. Dessa forma, obtemos: Page 58 = = 3560 h h Considerando uma equipe de quatro desenvolvedores, com carga horária de 40 horas/semana, podemos estimar um prazo de cinco meses e meio para o desenvolvimento do projeto especificado. CÁLCULO DOS CUSTOS DE DESENVOLVIMENTO O cálculo do custo do desenvolvimento é realizado a partir do tempo de trabalho despendido na sua execução. Assumiremos que o trabalho de análise tome 10% do tempo, e os analistas recebam R$ 100,00/hora; que o trabalho de projeto de software tome mais 20% do tempo, e os projetistas recebem R$ 80,00/hora e o do tempo possa ser utilizado para desenvolvimento, teste e entrega, com programadores e afins recebendo R$ 50,00/hora. = á = =215000

59 FERRAMENTAS CASE UTILIZADAS Um momento importante no desenvolvimento de projetos de grande porte, utilizando tecnologias modernas como UML 2.0 e APOO, é a escolha da ferramenta CASE (Computer Aided Software Design) que será utilizada. Com o aumento da complexidade dos projetos e as possíveis modificações nas especificações que eles podem e devem sofrer durante o ciclo inicial de desenvolvimento, é fundamental o suporte de ferramentas que permitam replicar estas alterações para os modelos construídos sem a necessidade de reconstruir todos os diagramas. Page 59 MICROSOFT VISUAL STUDIO 2010 O Visual Studio é uma IDE da Microsoft para desenvolvimento de software com mais de 10 anos de desenvolvimento. Hoje em dia, embora seja especialmente dedicado ao framework.net e às linguagens Visual Basic (VB), C, C++, C# (C Sharp) e J# (J Sharp), também é um grande produto de desenvolvimento na área web, usando a plataforma do ASP.NET. A partir da versão 2010 foram integradas ferramentas de modelagem de software, com suporte a UML 2.0. Dessa forma, o Visual Studio passa a ser uma solução end to end no que se refere a desenvolvimento de software moderno. Preocupada com os futuros formadores de opinião do ramo de software industrial, a Microsoft tem um programa chamado Microsoft Developer Network (MSDN) Academic Alliance, o qual fornece softwares de ultima geração empresarial a estudantes de cursos de tecnologia. A versão utilizada nesse trabalho foi uma parceria da Microsoft com o Instituto de Informática da UFRGS.

Estima de pontos de caso de uso Trabalho substitutivo ao Projeto Integrador

Estima de pontos de caso de uso Trabalho substitutivo ao Projeto Integrador Estima de pontos de caso de uso Trabalho substitutivo ao Projeto Integrador Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Gerencia de Projetos Professor: Elias Batista Ferreira Aluna: Kaysmier

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Especificação de Requisitos do Software Sistema de Gerenciamento de Restaurantes IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Equipe: Jacinto Filipe -

Leia mais

Utilizando métricas para dimensionar um software.

Utilizando métricas para dimensionar um software. Utilizando métricas para dimensionar um software. Entenda como funcionam as Métricas de Software, como e quando devem ser utilizadas, e qual a real necessidade do uso desta técnica da Engenharia de Software.

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho Documento de Casos de Uso MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho 1. Índice 2. Introdução 3 3. Descrição dos atores 3 4. Diagrama de caso de uso 4 5. 5.1 5.2

Leia mais

UNICAMP Especialização em Engenharia de Software INF-322 Gerenciamento de Projetos de Software: Conceitos e Práticas. Equipe 9

UNICAMP Especialização em Engenharia de Software INF-322 Gerenciamento de Projetos de Software: Conceitos e Práticas. Equipe 9 UNICAMP Especialização em Engenharia de Software INF-322 Gerenciamento de Projetos de Software: Conceitos e Práticas Equipe 9 Antônio Schwartz Edmon da Silva Marcelo Uchimura Paulo Ormenese Raphael Guimenes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Sistema para Administração de Condomínio www.condominiomais.com.br SUMÁRIO

Sistema para Administração de Condomínio www.condominiomais.com.br SUMÁRIO SUMÁRIO I. MENU... 2 II. CONSULTA / ALTERAÇÃO / ESTORNO... 4 III. MENSAGEM... 5 IV. MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA... 6 CONSULTA... 6 LANÇAMENTO... 7 V. BOLETO... 8 VI. RELATÓRIO... 10 VII. RESERVA... 11 VIII.

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica

Pontifícia Universidade Católica Pontifícia Universidade Católica Curso de Professor Rodrigues Neto Trabalho de Modelagem 2003.3 Turma A (Centro) Gerenciamento das Atividades da Pet Shop Boys Grupo: Evaldo Porto evaldoporto@ig.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor Sistema de Gerenciamento de Loja - SIGEL Documento de Visão Versão 1.0.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 13/01/2011 0.1 Versão preliminar do levantamento de requisitos funcionais e não

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO

ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO ESPECIFICAÇÕES DE CASOS DE USO CASO DE USO: INCLUIR CLIENTE Sumário: este caso de uso se inicia quando o usuário precisa incluir um cliente no sistema. Atores: Atendente Pré-condições: Documentação do

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Estimativa de Software Baseada em Ponto de Caso de Uso

Estimativa de Software Baseada em Ponto de Caso de Uso Estimativa de Software Baseada em Ponto de Caso de Uso Apresentação Fabio Pinheiro Abreu Bacharel em Ciência da Computação Mestre em Informática Aplicada Certificado PMP Implementador Oficial MPS.BR Consultor

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Manual de usuário do Ocomon. Sistemas de Gerenciamento De Chamados

Manual de usuário do Ocomon. Sistemas de Gerenciamento De Chamados Manual de usuário do Ocomon Sistemas de Gerenciamento De Chamados Podemos acessar o sistema por meio do portal do e-doc no menu Chamados onde o endereço é o http://www.edocsergipe.se.gov.br Home Início

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Tutorial: Gestão da Central de Serviços

Tutorial: Gestão da Central de Serviços Tutorial: Gestão da Central de Serviços Orientação para acesso e edição de conteúdos de ofertas de serviços da Central de Serviços da UFABC Novembro de 2014 Autor: Nilson José Zoccaratto Versão 2 Conteúdo

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA

MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA MANUAL DO ALUNO PARA NAVEGAR NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - AVA MANUAL DO ALUNO PARA ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Conteúdo Tela de acesso... 4 Dados de Cadastro... 5 Dados cadastrais...

Leia mais

SISTEMA DE E-LEARNING. efaculdade MANUAL DO ALUNO

SISTEMA DE E-LEARNING. efaculdade MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE E-LEARNING efaculdade MANUAL DO ALUNO Conteúdo Tela de acesso... 2 Dados de Cadastro... 3 Dados cadastrais... 3 Alterar meu email... 4 Alterar minha senha... 4 Minha agenda... 5 Lista de cursos...

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA Introdução ao Visual Studio VB.Net Programação Estruturada 1 Nesse momento inicial não iremos programar em VB.Net, usando o Visual Studio, mas conhecer alguns comandos e variáveis usadas em uma linguagem

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB

Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB 1- NOVA ATIVIDADE - Entrar no sistema PROEXWEB no endereço

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Recursos de análise de requisitos

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Recursos de análise de requisitos Nesta parte, Alex, nosso analista, executa uma análise de requisitos para o pedido da melhoria de compra imediata. É uma maneira de garantir que todos os elementos do aplicativo, incluindo etapas de teste

Leia mais

Manual do Sistema "Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida em Mão - Controle Financeiro Para PALM" Editorial Brazil Informatica I Vida em Mãos - Controle Financeiro para PALM Conteúdo Part I Introdução 2 1 Fala Comigo -... Sistema de Atendimento

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Treinamento Sistema Condominium Módulo II

Treinamento Sistema Condominium Módulo II CONDOMINIUM - Módulo II GERAÇÃO DE EMISSÕES RATEIO Neste módulo o aprendizado será a emissão dos boletos bancários. O sistema disponibiliza algumas maneiras para facilitar o seu dia-a-dia: Sequencia para

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU Perguntas Frequentes Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Sistema de Seleção Unificada - SISU 1 - O que é o Sistema de Seleção Unificada

Leia mais

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Um caso de uso descreve o que seu sistema faz para atingir determinado objetivo

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

MANUAL DO PVP SUMÁRIO

MANUAL DO PVP SUMÁRIO Manual PVP - Professores SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 ACESSANDO O PVP... 8 3 TELA PRINCIPAL... 10 3.1 USUÁRIO... 10 3.2 INICIAL/PARAR... 10 3.3 RELATÓRIO... 10 3.4 INSTITUIÇÕES... 11 3.5 CONFIGURAR... 11

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional

Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional Cartilha do Gestor de Frota de Unidade / Base Operacional SGTA Sistema de Gestão Total de Abastecimento do Governo do Estado de Minas Gerais REV DATA ALTERAÇÃO CRIAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO 01 13/01/14 Versão

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE Manual de Utilização do MSDN-AA Software Center Aracaju/SE 2009 Sumário Apresentação... 3 1. Solicitando ativação no MSDN-AA... 3 2. Acessando o Portal

Leia mais

TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL

TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL TIPOS DE USUÁRIOS DO PORTAL - login Estrutura que representa os usuários do portal TIPO DE USUÁRIO PERMISSÕES 114 PASSO A PASSO EFETUANDO O LOGIN Tela inicial do Portal da Escola RECURSOS PARA O ADMINISTRADOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Manual Cadastro Completo

Manual Cadastro Completo Manual Cadastro Completo Índice 1. Objetivo... 3 2. O Projeto e-suprir... 3 3. Fluxo do Processo de Cadastro... 3 4. Cadastro Simples... 4 5. Recebendo Usuário e Senha... 7 6. Cadastro Completo... 7 7.

Leia mais

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Material de Apoio SEB - Contas a Pagar Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Conteúdo CONFIGURAÇÃO... 3 Cadastro de Fornecedores... 3 Métodos de Pagamento...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

Especificações de Casos de Uso UC04 Cadastro de Funcionários

Especificações de Casos de Uso UC04 Cadastro de Funcionários Especificações de Casos de Uso UC04 Cadastro de Funcionários Sistema Gerenciador de Locadora Documento de Caso de Uso UC04 Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles UC04 Cadastro de Funcionários Página 1 de

Leia mais

Documento de Especificação de Casos de Uso ERP do PECE Módulo Estratégico

Documento de Especificação de Casos de Uso ERP do PECE Módulo Estratégico Documento de Especificação de Casos de Uso ERP do PECE Módulo Estratégico Autores: Celso Vital Crivelaro Diego Casarin Fernando Alves Rodrigo Rodrigues da Silva Revisor: Rodrigo Rodrigues da Silva Data

Leia mais

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais Objetivos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introduzir os conceitos do usuário e do Descrever requisitos funcionais e nãofuncionais (domínio) Apresentar um esqueleto de documento e notas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais

Documento de Diagrama de Classes. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

Documento de Diagrama de Classes. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho Documento de Diagrama de Classes MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho 1. Índice 2. Introdução 3 3. Diagrama de casos de uso simplificado 3 4. Dicionário

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

INICIAÇÃO DO PROJETO PLANEJAMENTO PRELIMINAR. Engenharia de Software INE 5622. Planejamento de projetos de SW. O Planejamento de projetos de SW

INICIAÇÃO DO PROJETO PLANEJAMENTO PRELIMINAR. Engenharia de Software INE 5622. Planejamento de projetos de SW. O Planejamento de projetos de SW Engenharia de Software INE 5622 O Planejamento de projetos de SW Walter de Abreu Cybis Outubro, 2006 Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário versão do manual: 1 1 Apresentação A evolução da tecnologia vem provocando uma revolução no ensino. O acesso à Internet e a disseminação do uso do computador vêm mudando a forma de produzir, armazenar

Leia mais

Treinamento Sistema Condominium Módulo V

Treinamento Sistema Condominium Módulo V Módulo V Prestação de Contas Condomínio> Prestação de Contas Em Prestação de Contas Serão impressos todos os relatórios que irão compor sua Pasta mensal. Estão disponíveis diversos modelos para balancete,

Leia mais

Faturamento Eletrônico - CASSEMS

Faturamento Eletrônico - CASSEMS 1 Conteúdo 1. Informações Iniciais... 3 1.1. Sobre o documento... 3 1.2. Organização deste Documento... 3 2. Orientações Básicas... 3 2.1. Sobre o Faturamento Digital... 3 3. Instalação do Sistema... 4

Leia mais

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes

Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas. Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Documentação de visão: Sistema de Controle de ponto eletrônico para empresas Documentados por: Halison Miguel e Edvan Pontes Versão do documento: 1.4 Data de atualização: 04 de Fevereiro de 2012 Histórico

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS Autodesk 360 é a nuvem da Autodesk, podendo ser acessada pela sua conta da Autodesk Education Community (estudantes) ou Autodesk Academic Resource

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos.

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. 1 1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Brasília, 14 de maio de 2010. A LTDA. vem, por meio deste documento,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: ADMINISTRATIVO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 08/01/2013 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 3 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais