Artigo Original. Fábio Luiz de Menezes Montenegro 2. Gustavo Fernandes Ferreira 3. Delmar Muniz Lourenço Jr. 3. Regina Matsunaga Martin 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo Original. Fábio Luiz de Menezes Montenegro 2. Gustavo Fernandes Ferreira 3. Delmar Muniz Lourenço Jr. 3. Regina Matsunaga Martin 1"

Transcrição

1 Artigo Original Decréscimo transitório da função renal no pós-operatório imediato de paratireoidectomia: uma observação clínica indicativa da ação hemodinâmica renal do hormônio da paratireóide? Transitory decrease of renal function after parathyroidectomy: a clinical observation indicating the renal hemodynamic effect of parathyroid hormone? 1 Fábio Luiz de Menezes Montenegro 2 Gustavo Fernandes Ferreira Delmar Muniz Lourenço Jr. Regina Matsunaga Martin 1 Sérgio Samir Arap Pedro Henrique Correa 4 Anói Castro Cordeiro 5 Luiz Estevan Ianhez RESUMO ABSTRACT Introdução: a hipocalcemia recebe grande atenção após paratireoidectomia no tratamento do hiperparatireoidismo (HPT). Há evidência de decréscimo da função renal após paratireoidectomia em transplantados renais. Essa alteração é pouco estudada após o tratamento do HPT primário. Objetivo: avaliar a variação da creatinina no pós-operatório de diferentes modalidades de operações em Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Casuística e Método: estudo retrospectivo de 1997 a 2007 da variação da creatinina após operações em doentes com HPT primário, HPT após transplante renal bem sucedido, ressecção de tumores de cabeça e pescoço em transplantados renais, tireoidectomia e ressecção de neoplasias em cabeça e pescoço. Analisaram-se a creatinina pré-operatória e as medidas pós-operatórias próximas. Calculou-se a diferença percentual do valor pós-operatório em relação ao pré, pela diferença pós e pré, dividida pelo valor préoperatório. Resultados: Houve elevação da creatinina pósoperatória superior a 10% em 77 de 105 casos de HPT primário, em 2 de 8 doentes transplantados renais após paratireoidectomia, em um de sete transplantados renais operados por outros tumores, em 11 de 22 indivíduos submetidos à tireoidectomia total e em três casos de 18 portadores de câncer de mucosa ou pele de cabeça e pescoço. As médias de variação percentual foram de +0,8%, +9,5%, -2,7%, +18,7% e -6,4%, respectivamente, nos grupos citados. Não houve diferença significativa entre os transplantados renais com HPT, os tireoidectomizados e portadores de HPT primário. Houve diferença significativa entre os transplantados renais entre si (p<0,05, Kruskal-Wallis) e entre os portadores de HPT primário e os tratados por câncer de cabeça e pescoço (p<0,001, Kruskal-Wallis). Quando os tireoidectomizados foram estratificados de acordo com a ocorrência de hipocalcemia pósoperatória (possível hipoparatireoidismo), houve diferença significativa, com média de elevação da creatinina média 28,5% nos hipocalcêmicos e de 1,2% nos não hipocalcêmicos (p=0,02, Teste t não pareado). Conclusão: Em operações com redução aguda do nível de paratormônio há elevação do nível de creatinina também de modo agudo. Essa observação é compatível com estudos em animais que mostraram diminuição da função renal após paratireoidectomia em ratos. Descritores: Paratireoidectomia; hiperparatireoidismo; creatinina; tireoidectomia; insuficiência renal aguda; hormônio paratireóideo. Introduction: hypocalcemia is the major concern after parathyroid operations. Notwithstanding, there are some reports of decreased renal function after parathyroidectomy after renal transplantation. Little attention was given to creatinine levels after primary hyperparathyroidism operation. Objective: to evaluate the creatinine levels after the surgical treatment of different head and neck patients groups. Patients and methods: retrospective analysis of creatinine levels of patients operated on from 1997 to 2007 for primary hyperparathyroidism, hyperparathyroidism after successful renal transplantation, head and neck neoplasms in both renal transplant and non transplant patients and thyroid disorders. Creatinine values before and close after surgical treatment were evaluated. Percent creatinine variation was calculated by subtracting preoperative from postoperative value and dividing this result by the preoperative level. Results: More than 10% creatinine elevation occurred in 77 of 105 patients with primary hyperparathyroidism, in 2 of 8 cases of parathyroidectomy after renal transplantation, in 1 of 7 renal transplant patients with other head and tumors, in 11 of 22 individuals after thyroidectomy and in of 18 submitted to major head and neck surgery for cancer. Mean percent variations of creatinine were +0.8%, +9.5%, -2.7%, +18.7% e - 6.4%, respectively for those groups. No significant differences were observed between hyperparathyroidism transplant renal cases, thyroid patients and primary hyperparathyroidism individuals. Significant difference occurred between transplant patients with and without hyperparathyroidism (p<0.05, Kruskal-Wallis), and among those with primary hyperparathyroidism and head and neck neoplasms (p<0.001, Kruskal-Wallis). When thyroidectomy patients were stratified according to the postoperative hypocalcemia and presumed hypoparathyroidism, a significant difference was observed. Mean creatinine increase was of 28.5% for those with hypocalcemia and only 1.2% on the other group (p=0.02, non paired t test). Conclusion: Acute elevation of creatinine was observed in operations with acute reduction of parathyroid hormone. This clinical observation is in accordance with previous animals studies showing renal function reduction after parathyroidectomy. Key words: parathyroidectomy; hyperparathyroidism; creatinine; thyroidectomy; renal insufficiency, acute; parathyroid hormone. 1) Médico Assistente-Doutor da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. 2) Médico pós-graduando da Disciplina de Nefrologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. ) Médico Assistente-Doutor da Disciplina de Endocrinologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. 4) Professor Associado da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. 5) Professor Livre-Docente, Chefe Clínico da Unidade de Transplante Renal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. Instituição: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, HCFMUSP. Correspondência: Rua Apeninos, 1118 apto 62 Paraíso São Paulo SP CEP Recebido em: 20/08/2007; aceito para publicação em: 25/09/2007; publicado on line em: 10/11/ Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 6, nº 4, p , outubro / novembro / dezembro 2007

2 INTRODUÇÃO O hiperparatireoidismo (HPT) é uma doença comum, mas ainda não bem compreendida. Embora uma grande parte dos casos apresente quadros clínicos bem definidos, outros pacientes têm quadros atípicos. O tratamento cirúrgico do HPT é de grande importância, quer seja o HPT primário, secundário ou terciário. O pós-operatório desses pacientes também é variável e não totalmente previsível. No período imediato após a paratireoidectomia, dedica-se muita atenção à variação da calcemia, considerado o risco de hipocalcemia severa. Essa hipocalcemia pode ocorrer pelo hipoparatireoidismo pós-operatório. Outra causa é a recuperação do tecido ósseo, que retira grandes quantidades de cálcio da circulação, para promover a remineralização das áreas ósseas espoliadas. Mesmo autores experientes não fazem menção à alteração da função renal durante esse período. Referem que muitos pacientes recebem alta hospitalar no dia 1 seguinte à operação ou até no mesmo dia do procedimento. Há alguns anos, o Dr. Luiz Estevan Ianhez, nefrologista da Unidade de Transplante Renal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), comentava a elevação da creatinina de alguns de seus doentes transplantados renais após a paratireoidectomia. Em uma de suas publicações, nos casos analisados por aquele autor, no pré-operatório, a creatinina variou entre 0,9 e 1,7mg/dL (média de 1,15mg/dL), enquanto, no pós-operatório, 2 observou variação entre 1,0 e,1mg/dl (média de 1,27mg/dL). Além dessa observação clínica, a perda de diurese residual em doentes dialíticos submetidos a paratireoidectomia era também discutida. A Dra. Maria Odete Ribeiro Leite, endocrinologista do HCFMUSP, observava com freqüência que, após paratireoidectomia, alguns portadores de HPT primário apresentavam edema generalizado leve, que se resolvia em alguns dias. (comunicação pessoal). Embora pouco comum, houve a observação da piora aguda da função renal em alguns pacientes submetidos à paratireoidectomia por HPT primário. Nesses casos, atribuiu-se a variação às possíveis variações pressóricas do ato anestésico, mas não de forma conclusiva, pois a revisão da ficha anestésica não mostrava hipotensão durante o procedimento. Recentemente, no acompanhamento dos transplantados renais, após paratireoidectomia, Schwacz et al. mostraram 4 redução pós-operatória da função renal. A elevação da creatinina após paratireoidectomia em transplantados renais já 5,6 havia sido mencionada por outros autores. Em pacientes com HPT primário, a redução da função renal foi uma observação 7 colateral em um estudo há mais de 20 anos. Em outro estudo, observaram-se elevação não significativa da creatinina, elevação significativa da uréia, redução significativa da depuração de creatinina de 24 horas em portadores de HPT primário submetidos a paratireoidectomia, porém, sem 51 redução da filtração glomerular medida pela depuração de Cr- 8 EDTA. Essas observações levaram os presentes autores a questionarem a incidência de variações da função renal em transplantados renais submetidos à paratireoidectomia por HPT persistente. Essa variação ocorreria em transplantados renais submetidos a outras operações na região da cabeça e do pescoço? Caso estivesse relacionada somente aos submetidos à paratireoidectomia, haveria alguma relação com o HPT? Se há relação com o HPT, essa alteração da função renal também deveria ser observada em pacientes com HPT primário? O objetivo deste trabalho é avaliar a possível alteração da função renal após paratireoidectomia. Em análise retrospectiva, pretende-se responder qual é a incidência de alteração da função renal entre diversos grupos, assim relacionados: doentes operados por HPT primário, por HPT persistente após transplante renal, por afecções da cabeça e do pescoço não relacionadas ao HPT em transplantados renais ou não transplantados (câncer de boca, laringe, faringe, tireóide, glândulas salivares ou bócio). CASUÍSTICA E MÉTODO Foi realizada análise retrospectiva de pacientes portadores de HPT primário de diversas etiologias e de HPT após transplante renal bem sucedido (HPT terciário), tratados por paratireoidectomia, no HCFMUSP, desde 1997 até abril de Os pacientes foram operados pelo Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Em relação ao grupo de HPT terciário, constitui-se um grupo controle de pacientes transplantados renais sem HPT, submetidos a tratamento cirúrgico de tumores na especialidade de Cabeça e Pescoço, sob anestesia geral. Em relação ao HPT primário foram pesquisados os dados disponíveis de pacientes submetidos a tratamento de bócio, câncer da tireóide ou outras neoplasias malignas da região da cabeça e do pescoço, selecionados de forma aleatória. Os dados disponíveis da dosagem creatinina pré-operatória e das dosagens pós-operatórias foram coletados do registro em prontuário, das anotações cirúrgicas do primeiro autor, do sistema informatizado da Divisão de Laboratório Central do Hospital das Clínicas e da Unidade de Transplante Renal do HCFMUSP. Foi analisada a medida da creatinina pré-operatória mais recente disponível, em relação à maior medida observada no pós-operatório. Essa variação foi calculada pela subtração do valor no pós-operatório pelo valor pré-operatório. Essa diferença foi dividida pelo valor pré-operatório. O resultado indica de modo indireto a variação da função renal. Um resultado negativo indica decréscimo da creatinina e possível aumento da função renal. Ao contrário, um resultado positivo denota aumento pós-operatório da creatinina e conseqüente piora da função renal. Após a paratireoidectomia, a alteração da função renal foi valorizada se a taxa de variação fosse superior a 10%. Essa delimitação buscou evitar a valorização de alterações compatíveis com limitações de mensuração, considerado o coeficiente de variação da cretinina sérica de estudos prévios em torno de 9 4%. Em caso de decréscimo da função renal, ele foi estratificado para verificar a magnitude dessa variação. Considerou-se que houve alteração significativa da função renal se ocorreu elevação da creatinina sérica maior que 0% em relação à estimativa pré-operatória. Quando o decréscimo foi superior a 5% do valor de base, mas inferior a 0%, denominou-se 6 alteração menor da função renal. Houve dois métodos empregados na mensuração da creatinina. Nos períodos mais antigos, utilizou-se o método colorimétrico automatizado no soro (valor de referência de 0,6 a 1,4mg/dL). Posteriormente, o método empregado no Laboratório Central do HCFMUSP foi o cinético automatizado (referência de 0,4 a 0,9mg/dL para mulheres e de 0,7 a 1,2 para homens). Entretanto, para cada doente empregou-se sempre o mesmo método. Análise Estatística A análise estatística envolveu o cálculo das medidas descritivas de média, mediana, desvio-padrão e erro padrão da amostra, consideradas as variáveis numéricas discretas ou contínuas. Para a inferência estatística, realizou-se o Teste de Normalidade para as diferentes distribuições, adotando-se testes paramétricos e não-paramétricos conforme esse resultado. Utilizou-se o teste do qui-quadrado para identificar a diferença entre os grupos na contagem através da medida dicotômica de variação até 10% e superior a 10%. Na comparação dos valores individuais de variação percentual calculados para cada indivíduo dos grupos, utilizou-se o Teste 197

3 de Kruskal-Wallis. Para a comparação de cada um desses grupos em pares, empregou-se o Teste de Comparação Múltipla de Dunn. Empregou-se o Teste de Mann-Whitney para comparação entre duas distribuições, quando pelo uma delas não se apresentava normal. Quando ambas passavam o teste de normalidade, utilizou-se o Teste t não pareado. O nível descritivo calculado (p) foi considerado significativo quando o seu resultado foi inferior a 5%. Tabela 2 Estimativa da Função Renal Pós-operatória nos diferentes grupos. RESULTADOS No período estabelecido de aproximadamente dez anos, contabilizaram-se 168 casos de HPT primário tratados na Instituição. A técnica cirúrgica empregada foi constante no período, com exploração bilateral das paratireóides. Desses casos, havia dados disponíveis adequados para a presente análise da creatinina em 105, que constituíram o grupo com HPT primário. Em relação aos transplantados renais, foi possível a coleta de dados de 8 pacientes operados por HPT, desenvolvido ou persistente após o transplante renal bem sucedido e em sete transplantados renais submetidos a tratamento de neoplasias na região da cabeça e do pescoço sob anestesia geral. Foram obtidos dados satisfatórios de 25 pacientes submetidos à tireoidectomia. Desses, apenas três foram submetidos a lobectomias. Um paciente tireoidectomizado no passado foi submetido a esvaziamento do compartimento central. Os demais foram submetidos à tireoidectomia total ou totalização de tireoidectomia. Em sete desses casos, houve associação com esvaziamento do compartimento central do pescoço. A tabela 1 mostra a contagem de casos com elevação da creatinina acima de 10% ou não, de acordo com grupo avaliado. Tabela Valores da variação da creatinina nos diferentes grupos. Tabela 1 Contagem de elevação da creatinina acima de 10%. Através do teste do qui-quadrado, obteve-se p<0,001 na comparação entre os diversos grupos da Tabela 1. Na verdade, houve predomínio de redução da creatinina nos doentes tratados por carcinoma espinocelular e nos transplantados renais não submetidos à paratireoidectomia. A tabela 2 mostra os detalhes dos diferentes resultados observados nos grupos de acordo com a alteração da função renal estimada de acordo com o percentual de elevação da creatinina. Nela não estão expostas as lobectomias em cujo dois casos foi observada redução da creatinina e em um, elevação de 8,4%. A tabela indica os dados da estatística descritiva referentes aos percentuais de variação da creatinina dos pacientes, calculados a partir de suas medidas. A comparação dos múltiplos grupos mostrou haver diferença significativa entre eles quanto à elevação da creatinina (p<0,0001, Teste de Kruskal-Wallis). A comparação entre os grupos aos pares, através do teste de Comparações Múltiplas de Dunn, mostrou haver diferença significativa entre o grupo de transplantados renais com HPT em relação ao grupo de transplantados operados por outro motivo (p<0,05) (Gráfico 1), entre os transplantados com HPT e os operados por outras neoplasias malignas de cabeça e pescoço (p<0,001) e os portadores de HPT primário e este último grupo (p <0,001). Gráfico 1 Distribuição da variação da creatinina em transplantados renais (Tx) submetidos à paratireoidectomia (PTX) ou não. O Gráfico 2 mostra não haver diferença significativa na distribuição da variação da creatinina entre indivíduos com HPT primário e após transplante renal, quando submetidos a paratireoidectomia. 198

4 operatória, agregaram-se os indivíduos submetidos à lobectomia apenas e não apresentaram hipocalcemia. Quando os tireoidectomizados foram estratificados de acordo com a ocorrência de hipocalcemia pós-operatória, houve diferença significativa, com média de elevação da creatinina 28,5% (EPM 9%) nos hipocalcêmicos e de 1,2% (EPM 5%) nos não hipocalcêmicos. Nessa comparação houve significativa diferença entre os grupos (p=0,02, Teste t não pareado), conforme evidenciado no gráfico 5. Gráfico 2 Variação da creatinina no pós-operatório de indivíduos com HPT. A diferença entre as distribuições do grupo operado por HPT primário e aqueles operados por neoplasias outras da cabeça e do pescoço, excetuadas às da glândula tireóide são mostradas no gráfico. Gráfico 4 Comparação do pós-operatório em tireoidectomias e paratireoidectomias. Gráfico Distribuição da alteração da creatinina após tratamento cirúrgico. Gráfico 5 Comparação após tireoidectomia com presumida redução de PTH. Essas observações motivaram duas outras comparações. A primeira entre indivíduos submetidos a paratireoidectomia por HPT primário e aqueles submetidos a tireoidectomia total com ou sem esvaziamento, mas que apresentaram hipocalcemia ou redução demonstrada do PTH no pós-operatório. Não houve diferença entre esses grupos (p=0,97, Teste de MannWhitney), conforme mostra o gráfico 4. Para responder à questão se haveria diferença entre os indivíduos tireoidectomizados com ou sem hipocalcemia pós- A melhora clínica é geralmente rápida, na maioria dos doentes. O gráfico 6 mostra o pós-operatório de uma doente tireoidectomizada em que houve duas coletas de PTH no pós-operatório, com os respectivos níveis de creatinina. Observa-se que não há nítida relação da calcemia com a variação da creatinina. 199

5 Gráfico 6 Evolução da creatinina, da calcemia, com diferentes níveis de PTH. DISCUSSÃO Os resultados apresentados indicam haver uma rápida alteração da função renal após intervenções cirúrgicas que possam interferir com a função paratireóidea. A variação é expressiva em alguns pacientes, mas da mesma forma parece ser fugaz, melhorando poucos dias após a operação (dados completos não apresentados). Inicialmente percebida nos indivíduos hiperparatireóideos tratados, a observação levou à hipótese de que os possíveis receptores de PTH existentes nas células que regulam o fluxo glomerular estivessem menos expressos, frente ao elevado nível de PTH circulante. A redução drástica desse nível com a paratireoidectomia poderia levar às alterações descritas, até a nova expressão do receptor e conseqüente normalização. Entretanto, a observação do mesmo fenômeno em indivíduos sem HPT aparente prévio, com possível hipoparatireoidismo pós-cirúrgico, enfraquece a hipótese de receptores menos expressos no HPT. Outro questionamento possível seria a relação da creatinina apenas pela variação da calcemia. Entretanto, muitos doentes não apresentaram hipocalcemia após paratireoidectomia na amostragem simultânea para a creatinina (dados não apresentados), que torna menos plausível essa suposição. O presente estudo parece demonstrar através da observação clínica a compatibilidade com estudos experimentais em ratos, onde a queda da filtração glomerular foi observada após paratireoidectomia, decorrente de ação hemodinâmica do PTH 10,11 no rim. Esses animais não tinham PTH elevado no préoperatório, mas apresentaram aspectos semelhantes aos observados nesses pacientes. Atribuir a variação da creatinina às possíveis flutuações hemodinâmicas da anestesia parece inadequado, pois os doentes com carcinoma espinocelular têm operações mais longas e com maior perda volêmica. A maioria desses doentes apresentou melhora da creatinina, ao invés de piora. Avaliar a função renal pela medida da creatinina pode ser bastante questionável, mas ainda é utilizada na prática 12 clínica. As possíveis interferências, como o uso de antibióticos 1 cefalosporínicos ou elevação da bilirrubina parecem menos prováveis nesses casos. Há a observação de que a depuração de creatinina estaria superestimada em alguns doentes com 8 HPT, sugerindo que a elevação da creatinina não representasse real alteração na função renal. Entretanto, como justificar a elevação desta em tireoidectomizados com aparente hipoparatireoidismo, sem HPT prévio? A natureza retrospectiva dessa avaliação deixa muitas dúvidas e esses resultados devem ser vistos com cautela. Sem dúvida, essas questões poderiam ser melhor respondidas através de estudo prospectivo, com utilização de outros marcadores, como a cistatina C. Além disso, a própria mensuração da bilirrubina seria justificada, uma vez que há evidência 14 experimental de que o PTH interfira com o fluxo hepático. Ainda assim, há evidências de que a doença renal crônica seja um problema mundial de saúde pública e afete de 5% a 10% da população mundial, com perda progressiva da 15 função renal, doença cardiovascular e morte precoce. O reconhecimento de agentes farmacológicos nefrotóxicos como antiinflamatórios, certos antibióticos e contrates radiológicos permite seu uso seletivo e com medidas que diminuem o risco de complicações renais. Reconhecer que método terapêutico cirúrgico de ressecção das glândulas paratireóides pode determinar per se importante alteração na função renal é de suma importância clínica. Além de poder orientar seu paciente sobre os possíveis eventos pós-operatórios, as suposições levantadas fundamentam que o doente com HPT deve ter avaliação minuciosa de sua função renal no pré-operatório. Esse cuidado deve estender-se ao pós-operatório, uma vez que os presentes autores observaram alguns poucos pacientes com perda mantida ou progressiva da função renal após a paratireoidectomia. De fato, Edvall demonstrou haver 16 alterações renais induzidas pelo HPT. Algumas são funcionais revertem após remoção do tecido hiperativo. Entretanto, em alguns casos, o HPT parece determinar lesão orgânica tubular renal que é irreversível. Em casos avançados, a paratireoidectomia pode representar a perda do 16 mecanismo compensatório. Especial atenção é requerida pelos pacientes com rim único, por aqueles com prejuízo prévio da função renal ou que pertençam a grupos de risco, como hipertensos e diabéticos. REFERÊNCIAS 1. Wells Jr SA, Doherty GM. The surgical management of hyperparathyroidism. In: Bilezikian JP, Marcus R, Levine MA, eds. The nd Parathyroids. 2 ed. San Diego: Academic Press; p Ianhez LE. Transplante Renal. Seguimento a longo prazo. São Paulo: Lemos Editorial; p.7.. Tzanakis I, Alifieris E, Kagia S, Spantidakis V, Girousis N, Galis A, Kallivretakis N. Does parathyroidectomy affect residual diuresis in hemodialysis patients? Nephron. 2000;86(): Schwarz A, Rustien G, Merkel S, Radermacher J, Haller H. Decreased renal transplant function after parathyroidectomy. Nephrol Dial Transplant. 2007;22(2): Evenepoel P, Claes K, Kuypers D, Maes B, Vanrenterghem Y. Impact of parathyroidectomy on renal graft function, blood pressure and serum lipids in kidney transplant recipients: a single centre study. Nephrol Dial Transplant. 2005;20(8): Rostaing L, Moreau-Gaudry X, Baron E, Cisterne JM, Bernadet- Monrozies P, Durand D. Changes in blood pressure and renal function after subtotal parathyroidectomy in renal transplant patients presenting persistent hypercalcemic hyperparathyroidism. Transplant Proc. 1997;29(1-2): Jones DB, Jones JH, Lloyd HJ, Lucas PA, Wilkins WE, Walker DA. Changes in blood pressure and renal function after parathyroidectomy in primary hyperparathyroidism. Postgrad Med J. 198;59(692): Salahudeen AK, Thomas TH, Sellars L, Tapster S, Keavey P, Farndon JR, Johnston ID, Wilkinson R. Hypertension and renal dysfunction in primary hyperparathyroidism: effect of parathyroidectomy. Clin Sci (Lond). 1989;76(): Myers GL, Miller WG, Coresh J, Fleming J, Greenberg N, Greene T, Hostetter T, Levey AS, Panteghini M, Welch M, Eckfeldt JH; National Kidney Disease Education Program Laboratory Working Group. Recommendations for improving creatinine serum measurement: a report from the Laboratory Working Group of the National Kidney Education Program. Clin Chem. 2006;52(1): Zaladek-Gil F, Costa-Silva VL, Malnic G. Effects of parathyroid hormone on urinary acidification in the rat. Braz J Med Biol Res. 1991;24(10): Zaladek Gil F, Nascimento Gomes G, Cavanal MF, Cesar KR, 200

6 Magaldi AJ. Influence of parathyroidectomy and calcium on rat renal function. Nephron. 1999;8(1): Pecoits-Filho R. Diagnóstico de doença renal crônica: avaliação da função renal. J Bras Nefrol. 2004;26(Supl.1): Weber JA, van Zanten AP. Interferences in current methods for measurements of creatinine. Clin Chem. 1991;7(5): Charbon GA, Hulstaert PF. Augmentation of arterial hepatic and renal flow by extracted and synthetic parathyroid hormone. Endocrinology. 1974;96(2): Moe SM, Drüeke T, Lameire N, Eknoyan G. Chronic kidney diseasemineral-bone disorder: a new paradigm. Adv Chronic Kidney Dis. 2007;14(1): Edvall CA. Renal function in hyperparathyroidism: a clinical study of 0 cases with special reference to selective renal clearance and renal vein catheterization. Acta Chirur Scand Suppl. 1958;114(Suppl 229):

TEMA: Uso de Calcitriol no hipoparatireoidismo após cirurgia de tireóide

TEMA: Uso de Calcitriol no hipoparatireoidismo após cirurgia de tireóide NT 27/2012 Solicitante: Dra. Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 29/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face

22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face 22ª Imagem da Semana: Fotografia e radiografia da face Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos. Diagnóstico de glomerulonefrite aos 12 anos de idade, em tratamento de substituição hemodialitica há

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. Jair Oliveira Rodrigues; Matheus Gonçalves de Sousa; Mithally Suanne Ribeiro Rocha; Rodrigo da Silva Santos Instituto de Ciências da

Leia mais

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Brasília 2014 Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia

Leia mais

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA NT53/2013 Solicitante: Ilmo DR FLÁVIO BARROS MOREIRA - juiz de Direito da 1ª Vara Cível de Passos Numeração: 0115064-25.2012 Data: 23/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: CINACALCETE

Leia mais

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA APÓS O TRANSPLANTE Prof. Dr. José O Medina Pestana Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo FUNÇÃO RETARDADA DO ENXERTO RENAL

Leia mais

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Área temática: Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido. TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Ana Elza O. Mendonça 1 ; Izaura Luzia Silvério Freire 2 ; Gilson de Vasconcelos Torres

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Kamila Karoliny Ramos de Lima 1, Josimar dos Santos Medeiros 2. Resumo Entre as principais doenças de evolução

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%)

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) 99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) Livre ionizada (50-60%) Anion inorgânico (5-10%) Valor

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas

Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas Câncer Anaplásico de Tireóide INTRODUÇÃO Prognóstico => 6 meses após diagnóstico 1,7% dos cânceres da tireóide Incidência caindo:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Lucas Linhares de Lócio 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Sarah Pereira Lins 3 ; Sabrina

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center

Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center I Simpósio de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center Implantação do Serviço de Farmácia Clínica na UTI do A.C.Camargo Cancer Center Regina Attiê Farmacêutica Coordenadora de Farmácia A.C.Camargo Cancer Center

Leia mais

ABSTRACT. Key words: Parathyroid Glands; Thymectomy; Thyroidectomy.

ABSTRACT. Key words: Parathyroid Glands; Thymectomy; Thyroidectomy. Artigo Original Paratireoidectomia total: contribuição da abordagem da tireoide e do esvaziamento cervical do nível VI com timectomia Total parathyreoidectomy: the contribution of hemithyroidectomy and

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

Carcinoma de Paratireóide

Carcinoma de Paratireóide Relato de Caso Carcinoma de Paratireóide Parathyroid Carcinoma José Raphael de Moura Campos Montoro*, Antonio Sergio Fava**, Andre Luis Sartini***, Leandro Ricardo Mattiola****, Arthur Jorge Padilha de

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Tromboembolismo venoso em Cirurgia Plástica: protocolo

Tromboembolismo venoso em Cirurgia Plástica: protocolo ARTIGO ORIGINAL Tromboembolismo Vendramin Franco venoso T FS et em al. et Cirurgia al. Plástica Tromboembolismo venoso em Cirurgia Plástica: protocolo Venous thromboembolism in Plastic Surgery: prevention

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA TRANSPLANTE DE RIM ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE SEQ RESIDÊNCIA

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Oftalmologia - Vol. 38: pp.7- Artigo Original Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Mónica Franco, Cristina Pereira, Luisa Colaço, Raquel Seldon 2, Ana Vide Escada 2, Gabriela Varandas 3, Maria

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Invasiva. Preliminary Results of the Minimally Invasive Video assisted Thyroidectomy. Rogério Aparecido Dedivitis, André Vicente Guimarães

Invasiva. Preliminary Results of the Minimally Invasive Video assisted Thyroidectomy. Rogério Aparecido Dedivitis, André Vicente Guimarães Comunicação Preliminar 21 Artigo Original Resultados Preliminares da Tireoidectomia Minimamente Invasiva Vídeo ídeo-assistida Preliminary Results of the Minimally Invasive Video assisted Thyroidectomy

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO Page 1 of 6 CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO A cirurgia torácica em pequenos animais não tem sido realizada com rotina na prática

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal:

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Roteiro 1. Fisiologia 2. Fisiopatologia (doença renal crônica) 3. Teorias 4. Diagnóstico precoce 5. Terapia Cálcio Fósforo Cálcio T.G.I. Fósforo

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 196 201 DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA COSTA, Cláudia de Almeida¹; CANDIDO, Kézia de Jesus¹;

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

Renal problems in black South African children

Renal problems in black South African children Renal problems in black South African children Peter D. Thomson Division of Pediatric Nephrology, University of the Witwatersrand, South Africa Pediatric Nephrology-1997, 508-512 Objetivo Descrever características

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Tumores malignos da Tiroide

Tumores malignos da Tiroide Experiência de um Serviço de Cirurgia Geral T.Pignatelli,N.Pignatelli,C.Santos, V.Geraldes,N.Pinheiro Serviço de Cirurgia II ( Dr. E. Barroso) Congresso da Soc. Portuguesa de Cirurgia/Junho de 2002 Introdução:

Leia mais

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço Responsável:

Leia mais

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010 Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/ Data-base - junho de 2010 O VCMH/ é uma medida da variação das despesas médico-hospitalares per capita das operadoras de planos e seguros de saúde. Mede-se

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 AUSÊNCIA DE ALTERAÇÕES CLÍNICAS EM BOVINOS APÓS A ADMINISTRAÇÃO PELA VIA SUBCUTÂNEA DE UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE IVERMECTINA E SULFÓXIDO DE ALBENDAZOL CARNEIRO, R. 1*, NASCIMENTO, G. A. M. 1, MARTINS, V.

Leia mais

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3

Jordana Bernardi Daltrozo 1, Alice Spillere 2, Cassiana Mazon Fraga 3 12 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 4, de 2010 0004-2773/10/39-04/12 Arquivos Catarinenses de Medicina Avaliação do estado nutricional e do perfil clínicoepidemiológico dos pacientes em

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

A PTHi PODE PREVER AS VARIAÇÕES DO CÁLCIO APÓS TIROIDECTOMIA TOTAL?

A PTHi PODE PREVER AS VARIAÇÕES DO CÁLCIO APÓS TIROIDECTOMIA TOTAL? A PTHi PODE PREVER AS VARIAÇÕES DO CÁLCIO APÓS TIROIDECTOMIA TOTAL? Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Unidade de Cabeça e Pescoço Responsável: Dr. Pedro Koch Sónia

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN 11 março de 2010 Chronic Kidney Disease Course Levey et al, KI 2005 Chronic Kidney Disease Definition

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Sarah Pereira Lins 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Lucas Linhares Lócio 3 ; Diego

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise

Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise Estudo dos fatores que influenciam no tempo até o transplante renal nos pacientes em tratamento de Hemodiálise Carolina Ferreira Barroso 1 Graziela Dutra Rocha Gouvêa 2 1. Introdução A análise de sobrevivência

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012 Science in Health jan-abr 2014; 5(1): 6-11 CUSTO DO TRATAMENTO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGIO TERMINAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2012. COST OF TREATMENT

Leia mais

Provas de Função Tireoidiana

Provas de Função Tireoidiana Provas de Função Tireoidiana imunologia 1. INTRODUÇÃO Nos últimos 40 anos, ocorreu uma melhora substancial na sensibilidade e especificidade dos testes tireoidianos principalmente com o desenvolvimentos

Leia mais

TRATAMENTO DO CÂNCER DE BOCA Conduta CCP UNIFESP/EPM

TRATAMENTO DO CÂNCER DE BOCA Conduta CCP UNIFESP/EPM MARCELLO DEBONI TRATAMENTO DO CÂNCER DE BOCA Conduta CCP UNIFESP/EPM Reunião do Departamento de ORL e CCP Disciplina de Cirurgia de Cabeça a e Pescoço UNIFESP-EPM EPM Prof. Dr. Marcio Abrahão Prof. Dr.

Leia mais

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar do Porto Director de Serviço Dr. Humberto Machado Março de 2014 ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

Leia mais

Prevalência do uso de anti-inflamatórios não esteroides entre pacientes nefropatas crônicos em seguimento ambulatorial

Prevalência do uso de anti-inflamatórios não esteroides entre pacientes nefropatas crônicos em seguimento ambulatorial Prevalência do uso de anti-inflamatórios não esteroides entre pacientes nefropatas crônicos em seguimento ambulatorial Larissa del Bianco Alves e Fábio Humberto Ribeiro Paes Ferraz DOI - 10.14242/2236-5117.2015v51n2a257p123

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA 1) Um histograma construído a partir de informações amostrais de uma variável

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais