ANEXO 3 - TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 3 - TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2012"

Transcrição

1 1 ANEXO 3 - TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2012 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO QUALITATIVO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. 1) OBJETO Contratação de pessoa jurídica para realizar estudo qualitativo sobre a implantação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER) a partir da vigência da Lei /2010 (Lei de ATER) e seus instrumentos instituídos.. 2) JUSTIFICATIVA 2.1. Contextualização A Lei de janeiro de 2010, que institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (PNATER) promoveu a institucionalização da assistência técnica e extensão rural como política pública de Estado gratuita e continuada, com vistas a garantir a prestação de serviços qualificados para o público da agricultura familiar e da reforma agrária, atribuídos ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), e com o objetivo maior de universalizar o atendimento no meio rural. A oferta da ATER pública e gratuita de caráter continuado se insere na estratégia que orienta a ação do MDA, pautada pela perspectiva do desenvolvimento territorial rural sustentável. Além disso, a Lei está estruturada de forma a contemplar os interesses dos diferentes grupos que compõem a agricultura familiar, e prevê a constituição de programas setoriais de atendimento a essa diversidade. A fim de garantir o atendimento dos serviços de ATER de acordo com as diversas necessidades dos distintos grupos da agricultura familiar, o Estado passou a implementar políticas setoriais, como a ATER para mulheres, ATER Quilombola, ATER Indígena e ATER nos assentamentos de Reforma Agrária. Neste contexto, a partir de 2010, o Ministério do Desenvolvimento Agrário e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) vêm realizando Chamamentos Púbicos de Projetos para execução dos serviços de ATER com vistas à implementação da Lei No MDA, esta política está sob responsabilidade da Secretaria de Agricultura

2 Familiar (SAF) para contratação de serviços de ATER mista e da Diretoria de Políticas para Mulheres Rurais (DPMR) para contratação de serviços de ATER especializada para mulheres. As chamadas do INCRA são realizadas pelas Superintendências Regionais descentralizadas nos estados e beneficiam homens e mulheres. A Diretoria de Políticas para Mulheres Rurais (DPMR/MDA) desenvolve a Ater Especializada para Mulheres desde 2006, com vistas a fortalecer a organização produtiva, promover a agroecologia e a produção de base ecológica, ampliar o acesso às políticas públicas, especialmente aquelas voltadas para a produção, comercialização e fortalecimento dos empreendimentos econômicos, e apoiar a articulação dos atores e atrizes envolvidos nesta política em redes. Esta política apóia-se numa pedagogia de promoção da igualdade entre homens e mulheres, por meio da: a) adoção de metodologias que reconheçam e estimulem a participação e o protagonismo das mulheres na elaboração de projetos de desenvolvimento e nos processos produtivos, através do fortalecimento da participação delas na gestão coletiva e da desconstrução da noção do trabalho das mulheres como ajuda; b) valorização e aprimoramento dos conhecimentos existentes que permita a diversificação dos serviços e das atividades produtivas de base familiar e coletiva, tendo em vista a realização de atividades agrícolas e não agrícolas sustentáveis econômica e ambientalmente e que promova inovações tecnológicas quando esta for uma necessidade identificada pelas próprias mulheres. A consolidação da transversalidade pretendida nas políticas públicas de ATER para Mulheres exige que todos os processos de decisões e formulações estejam orientados para a construção da igualdade, e que as mulheres estejam presentes de forma real e concreta em todos estes os espaços, sendo sujeitos de ação nessa construção. Considerando as premissas acima, as chamadas de ATER para mulheres prevêem que os serviços devem se basear em metodologias que promovam a igualdade entre homens e mulheres por meio de instrumentos que dialoguem com a valorização dos seus conhecimentos e com o estímulo a sua participação nos processos produtivos. A inclusão de conteúdos e instrumentos pedagógicos deve permear todo o processo de prestação de assistência técnica, abarcando os instrumentos de coleta de informações e diagnósticos; composição de horário das atividades coletivas; disponibilização de estrutura de recreação infantil para socializar o trabalho do cuidado dos/as filhos/as e garantir a participação ativa das mulheres nos espaços de discussão e decisão da extensão rural no âmbito da família, grupo produtivo, comunidade, território, entre outros. Para tanto, é necessário adotar métodos de formação que sejam capazes de demonstrar a desigualdade de gênero estabelecida pela divisão sexual do trabalho e destacar a contribuição das mulheres na economia rural. No que se refere às ações de inclusão produtiva, a assistência técnica deve considerar o passivo histórico da exclusão das mulheres na esfera econômica, que se materializa na invisibilidade, no menor conhecimento sobre as políticas de geração de renda e na pouca trajetória de organização produtiva. Estes elementos devem orientar a pedagogia a ser utilizada e a busca de mecanismos, políticas e serviços públicos que possam corrigir ou minimizar as distorções que impedem a construção da autonomia econômica das mulheres rurais. O maior envolvimento das mulheres nas atividades e ações propostas pela extensão rural está diretamente ligado ao grau de pertencimento e reconhecimento construído no âmbito da valorização dos seus conhecimentos, cultura local, saberes tradicionais, manejo ambiental, relações sociais, entre outros. Para tanto, a compreensão das mulheres rurais como 2

3 protagonistas do processo de assistência técnica em detrimento da tradicional concepção de beneficiárias passivas consiste em grande potencial para promover a sua inclusão produtiva. Buscando atender a diversidade de mulheres da agricultura familiar, as chamadas públicas da DPMR/MDA beneficiam exclusivamente mulheres agricultoras familiares, extrativistas, quilombolas, pescadoras artesanais e/ou indígenas. Recomendam que a equipe técnica seja composta por homens e mulheres, e como critério de maior pontuação está a existência de composição majoritária de mulheres no corpo técnico das entidades proponentes. Cabe destacar também a criação do Sistema Brasileiro Descentralizado de Assistência Técnica e Extensão Rural (Sibrater) e das Redes Temáticas de Ater. O Sibrater tem como objetivo organizar a prestação de serviços públicos de Ater sob a orientação da PNATER. A gestão social do Sibrater é realizada por meio do Comitê Nacional de Ater, Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf), Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CEDRS) e suas Câmaras de Ater, e das Redes de Ater, formadas por organizações governamentais e não governamentais que prestam serviços aos agricultores familiares no país. As Redes Temáticas de Ater promovem a articulação entre os/as agentes, organizações de assistência técnica e extensão rural e a pesquisa agropecuária. Também buscam realizar intercâmbios e troca de experiências, facilitar o conhecimento das políticas públicas e a formação dos/as agentes, organizar e disponibilizar conteúdos e propostas tecnológicas para agentes e agricultores/as familiares. Em 2008, foi constituída a Rede Temática de Ater para Mulheres, que é um espaço para aprimorar a reflexão sobre as diretrizes e orientações da PNATER, além de servir como um suporte metodológico para qualificação das práticas de assistência técnica e extensão rural voltadas para as mulheres rurais. A Rede conta com a participação de 35 mulheres, representantes de 20 órgãos oficiais de ATER e 15 organizações da sociedade civil. No chamamento público realizado em 2010, a DPMR/MDA contratou 26 projetos com abrangência em 25 Territórios da Cidadania em 11 unidades federativas, beneficiando agricultoras. A Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) publicou 4 tipos de chamamentos públicos, sendo: 122 para Territórios da Cidadania, 9 do Programa Nacional de Crédito Fundiário, 6 do Arco Verde e 8 do Semi-árido, gerando 142 contratos em 2010 e 58 em As Chamadas Públicas da SAF orientam que a metodologia utilizada pelas entidades executoras de ATER contratadas deverá procurar identificar, refletir e agir sobre as relações de desigualdade entre os atores sociais no meio rural, oportunizando e potencializando o desenvolvimento sócio-ambiental e econômico na promoção da igualdade de gênero, geração, raça e etnia na sua totalidade. Há também a recomendação de que as especificidades sociais, de gênero e geração deverão ser consideradas nas atividades de diagnóstico, planejamento e visita técnica. Além disso, nos critérios objetivos para seleção das entidades executoras dos serviços de ATER, consta o de demonstrar capacidade de atendimento aos princípios instituídos na PNATER, entre os quais a promoção da igualdade de gênero, geração, raça e etnia. As Superintendências Regionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (SRs/INCRA) também lançaram chamadas públicas para contratação de serviços de ATER para a reforma agrária a partir da Lei As chamadas do INCRA estabelecem o alcance de metas específicas no cumprimento do objeto que envolve atividades de caráter individual, coletivas e complementares. Entre estas, destaca-se a meta específica de realização de 3

4 4 reunião com grupo de mulheres, em que devem estar previstas ações de fomento a implantação e/ou criação de associações, e ações de fomento produtivo por meio do acesso ao crédito (Apoio Mulher e Pronaf Mulher) e de espaços de comercialização (feiras e compras públicas). Outras metas prevêem a participação de pelo menos 20% de mulheres nas atividades de planejamento, avaliação, mutirões, reuniões e troca de experiências. Como critérios para contratação das entidades executoras de ATER, há a recomendação de que a equipe técnica tenha composição mista, com a participação de homens e mulheres, bem como de que a entidade deverá ter experiência em elaboração de projetos como o Pronaf Mulher e Apoio Mulher, e ter desenvolvido curso de organização econômica de grupos coletivos de mulheres. No contexto de mudanças na execução da assistência técnica e a partir da instituição da Lei /2010, a análise da execução dos serviços de ATER constitui uma importante ferramenta para qualificar as políticas públicas e avaliar a sua eficiência. Nesse sentido, a partir da realização de uma análise qualitativa e complementar aos estudos já realizados anteriormente sobre a implementação da PNATER, a pesquisa deverá analisar a execução da PNATER para as mulheres rurais nos chamamentos públicos da Ater Especializada para Mulheres (DPMR/MDA) e da Ater mista no âmbito da SAF/MDA e do INCRA Enquadramento da consultoria O Projeto FAO UTF BRA/083/BRA Nova Organização Produtiva e Social da Agricultura Familiar Brasileira Uma Necessidade, acolhe tal iniciativa no Objetivo 1: Fortalecer o papel estratégico da agricultura familiar no desenvolvimento rural e nacional, atuando em suas quatro funções básicas segurança alimentar; meio ambiente; viabilidade econômica e função social. Resultado 1.1. Variáveis relevantes que impedem o desenvolvimento da agricultura familiar identificadas. Atividade ) OBJETIVO GERAL Realizar estudo qualitativo sobre a implantação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER) a partir da vigência da Lei /2010 (Lei de ATER) e seus instrumentos instituídos, com vistas a analisar a prestação de serviços de ATER para mulheres rurais no âmbito dos contratos e convênios gerados a partir das Chamadas Públicas da Diretoria de Política para Mulheres Rurais (DPMR/MDA), da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF/MDA) e das Superintendências Regionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (SR/INCRA) no período de 2010 a ) OBJETIVOS ESPECÍFICOS Para consecução do objetivo geral, alinham-se os seguintes objetivos específicos: Analisar os projetos contratados pelas Chamadas Públicas de ATER; Analisar a percepção dos/as coordenadores/as, gestores/as e técnicos/as envolvidos na elaboração e implementação da PNATER no âmbito do MDA e do INCRA no que se refere à gestão da PNATER e da ATER setorial para mulheres a partir da Lei /2010;

5 5 Analisar a percepção dos/as coordenadores/as e dos/as agentes extensionistas das entidades prestadoras de ATER contratadas/conveniadas no que se refere à implementação e resultados da PNATER e à eficácia e eficiência dos serviços prestados para mulheres rurais a partir da Lei /2010; Analisar a percepção das mulheres beneficiárias no que se refere à implementação e resultados da PNATER e à eficácia e eficiência dos serviços recebidos; Analisar a percepção de representantes de órgãos governamentais e movimentos de mulheres que compõem a Rede de Ater para Mulheres, Comitê Nacional de Ater do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (CONDRAF), Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural e Comitês Territoriais de Mulheres,. 5) ASPECTOS TÉCNICOS E METODOLOGIA DE TRABALHO Análise documental A coleta, organização e sistematização das informações referentes às Chamadas Públicas de ATER deverão ser feitas a partir da análise das Chamadas publicadas pela DPMR, SAF e Superintendências Regionais do INCRA. Para tanto, os instrumentos que compuseram os chamamentos públicos serão disponibilizados pelo MDA/INCRA e suas áreas técnicas correlatas. Dessa forma, deverão ser analisados: Documentos, estudos e relatórios técnicos disponíveis sobre a PNATER e Ater para Mulheres; As Chamadas Públicas de ATER disponibilizadas pela SAF, DPMR e INCRA; O processo de análise e aprovação dos projetos; A documentação das entidades proponentes (estatutos, regimentos e outros); Os Projetos Técnicos elaborados pelas entidades; Os Contratos e Termos Aditivos; Os relatórios de Atividades apresentados pelas entidades; Os relatórios de Monitoramento do MDA. A análise dos projetos contratados pelas Chamadas de Ater deverá ser feita a partir da geração de relatórios do Sistema Informatizado de Ater (SIATER), utilizado para gerenciamento e fiscalização dos contratos firmados. Na análise dos contratos de ATER deve-se considerar os seguintes elementos: a) Observância dos princípios, diretrizes e recomendações da PNATER para a apresentação dos projetos de prestação de serviços de ATER, com enfoque na abordagem das relações sociais de gênero; b) Concepções, estratégias e metodologias presentes nas propostas de prestação de serviços da PNATER e a incorporação de metodologias participativas nos processos de formação, capacitação e assistência técnica; c) A incorporação de metas obrigatórias e/ou orientação de incorporação das mulheres em atividades específicas e o número de mulheres beneficiárias pelo projeto; d) A incorporação do enfoque de gênero, com ações afirmativas que tenham estratégias e metas, claramente definidas que facilitem a participação das mulheres em espaços públicos e que potencialize a sua contribuição no campo produtivo e econômico;

6 6 e) Adequações ou inovações propostas pelas entidades proponentes para incorporação da abordagem de gênero; f) Composição do corpo técnico das instituições para a execução dos projetos, observando o número de homens e mulheres, e a formação profissional de seus membros; g) A observância da existência de parceria com movimentos de mulheres, organizações feministas ou entidades de assessoria com especificidade em trabalho com mulheres; h) A abordagem de gênero na missão, objetivos e/ ou diretrizes das instituições proponentes; i) A observância da participação e o envolvimento das mulheres na matriz metodológica dos conteúdos das atividades de caráter formativo de forma continuada e sistemática Entrevistas Para a realização das entrevistas com gestores/as, técnicos/as e coordenadores/as do MDA/ INCRA, representantes e agentes das entidades prestadoras de Ater e representantes das instâncias participativas (Conselhos, Comitês, etc), sugere-se que a elaboração de roteiros de entrevista abordem, entre outras questões que se fizerem necessárias, a efetividade dos projetos de ATER no acesso das mulheres às tecnologias e ao conhecimento no campo produtivo, e sua contribuição para a superação das desigualdades sociais de gênero; as formas pelas quais as atividades formativas contribuem para aumentar o nível de participação das mulheres nos processos coletivos e seu poder de decisão; a participação das mulheres no processo de gestão e controle social da PNATER; a garantia de uma compreensão sobre as relações sociais de gênero e estratégias de formação e capacitação de extensionistas e assessores/as técnicos/as que possam promover o fortalecimento da organização produtiva, a agroecologia e a produção de base ecológica, o acesso às políticas públicas e a articulação de atores e atrizes envolvidos na PNATER em rede. No que se refere ao roteiro para realização das entrevistas com as beneficiárias, propõese a abordagem de questões como as formas pelas quais as mulheres percebem e avaliam os serviços de ATER recebidos no que se refere aos tipos de atividades das quais participaram, as dificuldades e os impactos favorecidos pelos projetos no que se refere à construção de sua autonomia econômica e às possíveis transformações na divisão sexual do trabalho no âmbito das unidades de produção familiar, comunidades e territórios. 5.3 Análise Sugere-se que a análise dos documentos e das entrevistas com gestores/as, técnicos/as, coordenadores/as do MDA, INCRA, as entidades prestadoras de Ater e representantes das instâncias participativas (Conselhos, Comitês, etc) tenham como eixos condutores: a promoção da autonomia e participação econômica das mulheres nos espaços produtivos; a reflexão sobre a divisão sexual do trabalho como referência para uma transformação nas relações de gênero nas atividades de ATER e nas ações governamentais; os processos de transição agroecológica e as metodologias participativas para a superação das desigualdades de gênero. Na análise das entrevistas realizadas com as mulheres beneficiárias, apontamos algumas questões que poderão ser apreciadas: as formas de abordagem com as mulheres,

7 7 considerando as necessidades e opiniões dos diferentes membros da família; a adequação das atividades aos horários das mulheres, o acesso a serviços e equipamentos sociais (creches, escolas de educação infantil, transporte escolar regular, lavanderias e cozinhas comunitárias, etc.); a participação das mulheres na produção familiar e a informação sobre o volume e o valor da sua produção, bem como sobre os principais meios de comercialização e acesso ao crédito; as possíveis mudanças no poder de decisão das mulheres no interior das famílias, comunidades e espaço participativos a partir do acesso das mulheres aos serviços de ATER. É igualmente importante considerar as especificidades das mulheres, uma vez que o universo do estudo será composto pelo público beneficiário definido pela PNATER, como as mulheres assentadas, agricultoras familiares, extrativistas, pescadoras artesanais, quilombolas e indígenas. Nesse sentido, sugere-se que os roteiros para as entrevistas estejam estruturados de acordo com as particularidades de cada grupo de mulheres que serão entrevistadas. 5.4 Contribuições para a qualificação dos serviços de ATER Após o processo de análise documental e das entrevistas, espera-se que a pesquisa seja capaz de apontar contribuições para a qualificação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural no que se refere à implementação desta política por meio dos serviços de ATER direcionados para mulheres rurais, bem como da ATER especializada para Mulheres. Propõe-se que a pesquisa possibilite identificar, além das dificuldades e desafios propostos, elementos inovadores na metodologia e abordagem das ações de ATER para mulheres. 5.5 Reuniões de Acompanhamento Serão realizadas 3 (três) reuniões técnicas entre a/o pesquisadora/o e a DPMR para nivelamento de informações e construção de recomendações junto às diferentes áreas do MDA/INCRA, sendo a previsão de 1 (uma) reunião por quadrimestre. 6) PRODUTOS Os resultados do estudo deverão ser viabilizados de acordo com as etapas descritas nos seguintes Produtos: Produto 1 - Documento técnico contendo plano de trabalho, cronograma de execução e revisão bibliográfica sobre os temas gênero e assistência técnica e extensão rural. O produto será aprovado após reunião com a coordenação da pesquisa, equipe de campo e Diretoria de Políticas para Mulheres Rurais para nivelamento metodológicos. Produto 2 - Documento técnico contendo sistematização da análise dos contratos efetivados pelas chamadas Públicas de ATER 2010 e 2011 no âmbito da DPMR/MDA, SAF/MDA e INCRA. O produto deve abranger informações sobre metodologias e práticas utilizadas pelas entidades contratadas para atender as demandas das mulheres observando a dimensão das relações de gênero.

8 8 Produto 3 - Documento Técnico contendo avaliação dos projetos contratados pelas Chamadas Públicas de ATER 2010 e 2011, observando se: contribui para participação das mulheres; valoriza seus conhecimentos de práticas de produção; se as atividades realizadas qualificam a produção; se os resultados e metas são compatíveis; se as demandas das mulheres de acesso às políticas de crédito e comercialização. Produto 4 - Documento técnico de síntese da percepção dos atores e atrizes envolvidos/as na PNATER. Será considerada nesta análise a percepção de coordenadores/as, técnicos/as e gestores/as do MDA/INCRA, coordenadores/as e extensionistas das entidades prestadoras de ATER, movimentos de mulheres e representantes do CONDRAF, Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural e Comitês Territoriais de Mulheres de Comitês Territoriais de Mulheres e das beneficiárias. Produto 5 Documento técnico contendo contribuições para a qualificação dos instrumentos de implementação da PNATER e dos serviços de ATER prestados às mulheres beneficiárias, bem como para qualificação da ATER Setorial para Mulheres. 7) PRAZO DE EXECUÇÃO O prazo para realização e conclusão da pesquisa é de até 12 (doze) meses. Um cronograma detalhado de todas as fases da pesquisa deverá ser apresentado na proposta técnica. 8) ABRANGÊNCIA DA PESQUISA A Pesquisa terá abrangência em 68 (sessenta e oito) Territórios da Cidadania, conforme tabela abaixo. Regiões, Ufs e Territórios da Cidadania das Chamadas de Ater - DPMR/INCRA/SAF com participação obrigatória de mulheres nas atividades coletivas Região UF Territórios BA Do Sisal Irecê Sertão do São Francisco Velho Chico Vale do Curu e Aracatiaçu Nordeste Sertão Central CE Sertões de Canindé Inhamuns Crateús Cariri Campo e Lagos MA Vale do Itapecuru Cocais

9 9 Norte Sudeste PE PB PI RN AL SE PA - Marabá PA - Belém AC RO Amapá AM PA - Santarém MG MG Baixo Parnaíba Mata Sul Sertão Do Pajeú Sertão do Araripe Borborema Curimataú Médio Sertão Cariri Ocidental Vale dos Guaribas Planície Litorânea Cocais Entre Rios Vale do Sambito Serra da Capivara Vale dos Rios Piauí e Itaueira Tabuleiro do Alto Parnaíba Chapada das Mangabeiras Carnaubais Potengi Mato Grande Seridó Sertão do Apodi Açu-Mossoro Alto Oeste Agreste Alto Sertão Sertão Ocidental Sul Sergipano Sudeste Paraense Nordeste Paraense Baixo Tocantins Alto Acre e Capixaba Vale do Juruá Central Madeira Mamoré Vale do Jamari Dos Lagos, Sul do Amapá Baixo Amazonas Baixo Amazonas Alto Rio Pardo Baixo Jequitinhonha

10 10 Centro Oeste Sul MG MG MG SP MS DF E ENTORNO SC PR Serra Geral Médio Jequitinhonha Serra Geral Pontal do Paranapanema, Andradina Cone Sul Grande Dourados Reforma Chapada dos Veadeiros Vale do Paranã Das Águas Emendadas Noroeste Mineiro Planalto Norte Paraná Centro Norte Pioneiro Cantuquiriguaçu 9) RESPONSABILIDADE PELO ACOMPANHAMENTO DA CONSULTORIA Caberá à entidade executora nacional) do Projeto de Cooperação Técnica PCT UTF/BRA/083/BRA Nova organização produtiva e social da agricultura familiar brasileira uma necessidade, o Ministério de Desenvolvimento Agrário MDA/NEAD a responsabilidade pelo acompanhamento de todas as etapas das atividades realizadas pela Consultoria contratada, bem como a obtenção de quaisquer esclarecimentos julgados necessários relativos à execução dos trabalhos. A FAO fará a supervisão geral dos trabalhos com base na informação da contratada e da Direção do Projeto. 10) PROPRIEDADE INTELECTUAL A FAO e o MDA acordarão quanto à reprodução, publicação e divulgação dos trabalhos e outros produtos de cooperação técnica originados do presente Programa Executivo, devendo ser observado o devido crédito conforme a participação de cada uma das Partes Contratantes. Todos os produtos derivados deste Programa Executivo que, eventualmente, venham apresentar elementos de propriedade intelectual pertencerão ao Governo brasileiro, habilitando-se o seu uso pela FAO livremente, a título gratuito. Fica terminantemente proibida a inclusão, ou de qualquer forma fazer constar, na reprodução, publicação e distribuição das ações e atividades realizadas ao amparo deste Programa Executivo e dos trabalhos e produtos derivados do mesmo, nomes, marcas, símbolos, logotipos, logomarcas, combinações de cores ou de sinais ou imagens que caracterizem ou possam caracterizar promoção de cunho individual ou de apropriação privada com fins lucrativos.

11 11 11) CRONOGRAMA DE ENTREGA DOS PRODUTOS Os serviços deverão estar consolidados, disponibilizados e aprovados, no prazo de até 12 meses: Produto 1. Produto 2 Produto 3 Produto 4 Produto 5 Até 45 dias após assinatura do contrato Até 90 dias após assinatura do contrato Até 120 dias após assinatura do contrato Até 240 dias após assinatura do contrato Até 360 dias após assinatura do contrato 12) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PRODUTOS Os produtos desenvolvidos (desde base de dados, mapas, relatórios, vídeos etc) deverão ser entregues em 3 (três) vias impressas em papel timbrando, encadernados adequadamente, e 3 (três) vias formato digital (CD ou DVD), formatos PDF e Word. Tabelas, quadros, gráficos e mapas deverão obedecer às normas de apresentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e normas de representação tabular do IBGE. Eles deverão estar enumerados, conter títulos completos e auto-explicativos (sempre fora da figura), bem como as respectivas fontes. Além de estarem no corpo do texto, os mesmos devem ser enviados separadamente em formato digital e compatíveis com a estrutura de tecnologia da informação do MDA Critérios de Avaliação dos Produtos A instituição contratada deverá apresentar em consonância com o cronograma de entrega dos produtos (item 11) e especificações técnicas definidas neste termo de referência. Os produtos entregues serão submetidos à avaliação do NEAD/MDA e da FAO quanto à tempestividade de sua remessa; à correção ortográfica e gramatical e ao cumprimento das diretrizes metodológicas e do detalhamento dos produtos estabelecidos neste termo de referência. No caso de solicitação de correção ou modificação de algum produto, o pagamento da parcela corresponde somente será efetuado após sua reavaliação e aprovação. Considerando que o pagamento está vinculado à entrega dos produtos, a instituição contratada deverá enviar juntamente com os produtos, as notas fiscais correspondentes. O pagamento das faturas pertinentes somente será efetuado após aprovação dos produtos pelo NEAD/MDA e pela FAO.

12 12 13) FORMA DE PAGAMENTO O prazo de execução, incluindo a entrega de todos os produtos especificados é de 12 (doze) meses, a contar da assinatura do contrato e o pagamento será efetuado em 5 (cinco) parcelas, de acordo com o cronograma abaixo. Os pagamentos serão realizados em até 15 (quinze) dias corridos contados a partir da entrega do produto e da Nota Fiscal correspondente, devidamente atestado pelo Coordenador Nacional do Projeto ou pelo Diretor Nacional do Projeto (MDA/NEAD) e após a aprovação da FAO, desde que não haja exigência de complementação e ou correção dos produtos. Parcela Primeira Segunda Terceira Quarta Quinta Produto e condições Produto 1 - Documento técnico contendo plano de trabalho, cronograma de execução e revisão bibliográfica sobre os temas gênero e assistência técnica e extensão rural. O produto será aprovado após reunião com a coordenação da pesquisa, equipe de campo e Diretoria de Políticas para Mulheres Rurais para nivelamento metodológicos. Produto 2 - Documento técnico contendo sistematização da análise dos contratos efetivados pelas Chamadas Públicas de ATER de 2010 e 2011 no âmbito da DPMR/MDA, SAF/MDA e INCRA. O produto deve abranger informações sobre metodologias e práticas utilizadas pelas entidades contratadas para atender as demandas das mulheres observando a dimensão das relações de gênero. Produto 3 - Documento Técnico contendo avaliação dos projetos contratados pelas Chamadas Públicas de ATER 2010 e 2011, observando se: contribui para participação das mulheres; valoriza seus conhecimentos de práticas de produção; se as atividades realizadas qualificam a produção; se os resultados e metas são compatíveis; se as demandas das mulheres de acesso às políticas de crédito e comercialização. Produto 4 - Documento técnico de síntese da percepção dos atores e atrizes envolvidos/as na PNATER. Será considerada nesta análise a percepção de coordenadores/as, técnicos/as e gestores/as do MDA/INCRA, coordenadores/as e extensionistas das entidades prestadoras de ATER, movimentos de mulheres e representantes do CONDRAF, Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural e Comitês Territoriais de Mulheres de Comitês Territoriais de Mulheres e das beneficiárias. Produto 5 - Documento técnico contendo contribuições para a qualificação dos instrumentos de implementação da PNATER e dos serviços de ATER prestados às mulheres beneficiárias, bem como para qualificação da ATER Setorial para Mulheres. % do Valor do Contrato 15% 20% 20% 20% 25%

13 13 14) INFORMAÇÕES SOBRE O COORDENADOR GERAL DO PROJETO. i) O Projeto deverá ter um/a Coordenador/a-Geral, que será responsável pela organização e desenvolvimento dos trabalhos e a quem caberá liderar as discussões e entendimentos junto ao NEAD/MDA. ii) O/a Coordenador/a-Geral deverá ser um/a técnico/a indicado/a pela instituição vencedora, que possua compromisso com esta, firmado por meio de documento legalmente reconhecido, carteira de trabalho, por contrato de trabalho independente da forma ou sob qualquer outra forma legal de compromisso. iii) O(a) Coordenador(a) Geral será responsável pela organização e desenvolvimento dos trabalhos de pesquisa, tal como agendamentos de reuniões com equipes de pesquisadores e distribuição de responsabilidades, organização da pesquisa de campo, coordenação da elaboração dos produtos para envio a Contratante, observação do cumprimento dos prazos assumidos pela equipe de pesquisadores, bem como dos demais compromissos perante a Contratante.

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações 1 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013 Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS

CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS PRONATEC CAMPO FORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E O DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM BASES TERRITORIAIS E AGROECOLÓGICAS PRONATEC CAMPO O PRONATEC O Programa Nacional

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO Produto Articulação e Gestão Territorial TR_21_2015_PDHC Sertão do Pajeú - PE Parecer

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_08_2015_PDHC Produto Tecnologia da Informação Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_16_2015_PDHC Produto Sistematização de Experiências Inovadoras Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO Produto Planejamento Territorial TR_02_2015_PDHC Participativo Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Projeto Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Nutritivo para alimentação escolar Nutrição como Sustento e Sustentabilidade Nutrimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

Manual Operacional do PROINF 2015

Manual Operacional do PROINF 2015 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DEPARTAMENTO DE INCLUSÃO PRODUTIVA Manual Operacional do PROINF 2015 Ação Orçamentária de Apoio a Infraestrutura em Territórios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATTURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROJETO FLORESTA EM PÉ TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 TÍTULO DO SERVIÇO A SER PRESTADO: Assessoria de natureza financeira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS para MULHERES RURAIS no BRASIL

POLÍTICAS PÚBLICAS para MULHERES RURAIS no BRASIL POLÍTICAS PÚBLICAS para MULHERES RURAIS no BRASIL O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) reconhece a importante contribuição das mulheres do campo, das florestas e das águas para a produção de alimentos

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Antecedentes Questões relevantes (últimas décadas) Esgotamento do modelo de desenvolvimento

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

22 a 23/11/2007 Silvânia GOIAS Médio Araguaia - GO. 19 a 20/11/2007 Iporá Vale do Paranã - GO Vale Do Rio Vermelho - GO

22 a 23/11/2007 Silvânia GOIAS Médio Araguaia - GO. 19 a 20/11/2007 Iporá Vale do Paranã - GO Vale Do Rio Vermelho - GO DISTRITO FEDERAL Das Águas Emendadas - DF/GO/MG Chapada dos Veadeiros - GO 29 a 30/11/2007 São João da Aliança Das Águas Emendadas - DF/GO/MG 26 a 27/11/2007 Valparaíso de Goiás Estrada De Ferro - GO 22

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Gênero, Raça e Etnia Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Consultoria por produto SSA 5 meses

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO Produto Produção Sustentável Irrigada TR_09_2015_PDHC no Semiárido Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Orientações para formalização de parceria com Governos Estaduais

Orientações para formalização de parceria com Governos Estaduais Diretoria de Políticas para as Mulheres Rurais Ministério do Desenvolvimento Agrário Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural Programa de Organização Produtiva das Mulheres Rurais Orientações

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais

TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA

TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA I - Identificação:(Título/Objeto da Despesa 1.1. Título do projeto: Fortalecimento do Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural nos Territórios da Cidadania

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

06 de outubro de 2014

06 de outubro de 2014 06 de outubro de 2014 OBJETIVO Promover e acelerar a superação da pobreza e das desigualdades sociais no meio rural, inclusive as de gênero, raça e etnia, por meio da estratégia de desenvolvimento territorial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO GERÊNCIA DE AGROEXTRATIVISMO PROGRAMA DE APOIO AO AGROEXTRATIVISMO - PNUD BRA/08/012

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Territórios da Cidadania Brasil 2008

Territórios da Cidadania Brasil 2008 Territórios da Cidadania Brasil 2008 www.territoriosdacidadania.gov.br INTEGRAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REDUZIR DESIGUALDADES O Brasil encontrou o caminho para o crescimento econômico com a redução

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

Consultor/a Local Políticas de descentralização para autonomia econômica das mulheres

Consultor/a Local Políticas de descentralização para autonomia econômica das mulheres PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil 8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil Ednaldo Michellon Professor, Pesquisador e Extensionista da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO Em decorrência da reestruturação organizacional o INCRA tomou-se iniciativas voltadas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais