ÁREA DE LINGUAGENS E CÓDIGOS / LITERATURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA DE LINGUAGENS E CÓDIGOS / LITERATURA"

Transcrição

1 PERÍODO COLONIAL b) Mercantilismo QUINHENTISMO MAR PORTUGUÊS c) Reforma Protestante Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. I. SITUAÇÃO HISTÓRICA a) Auge do Renascimento II. LITERATURA DE INFORMAÇÃO Ao longo do século VI foi sendo produzida na colônia uma literatura que visava a fornecer à metrópole o perfil da nova descoberta. Eram relatórios, tratados, históricas, diários ou discussão de problemas de catequização produzidos pelos portugueses, jesuítas ou leigos, que de alguma forma aqui aportaram. Esta literatura de informação ou de expansão registrou, dentre tantas outras coisas, o choque cultural entre colonizados e colonizadores. Não há por parte dos escritores da época apego mais profundo à terra conquistada, concebida como uma espécie de extensão da metrópole, um Portugal nos Trópicos. O comentário da estudiosa Samyra Campedelli é bastante esclarecedor: As produções informativas sobre os primórdios do Brasil constituem a primeira visão da terra virgem, intocada pela civilização estranha que começaria a desfigurá-la e a destruí-la de imediato... Esse é motivo de o Novo Mundo ter sido posto à altura da lenda do paraíso perdido. Surgiu e se delineou um gosto pela terra o Nativismo, encontrado ao longo de todos os textos relacionados à colônia. Trata-se de um sentimento que se tornou cada vez mais intenso à medida que o apego à terra foi se sobrepondo à ótica do colonizador. A reação dos portugueses geralmente era de espanto, pois tudo era diferente, exuberante e peculiar. 1

2 TRAÇOS MARCANTES DA LITERATURA DE IN- FORMAÇÃO 1 A Descoberta concede ao europeu resposta para o mítico sonho de um MUNDO NOVO. 2 Escritos de grande admiração. 5 Ali andavam entre eles três ou quatro moças, muito novas e muito gentis, com cabelos muito pretos e compridos, caídos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas e tão cerradinhas e tão sem cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. Ali, por essa ocasião, não houve mais fala nem entendimento com eles, pois a algazarra era tamanhamente bárbara que ninguém mais se podia entender acenamo-lhes que fossem embora. 3 Textos descritivos 5 IN Silvio Castro. A Carta de Pêro Vaz de Caminha, Porto Alegro: I-.t P.M, 1996.) COSTUMES Quanto ao parto, eis o que presenciei. Pernoitando com outro francês em uma aldeia, certa ocasião, ouvimos, quase à meia-noite, gritos de mulher, e pensamos que estivesse sendo atacada pelo jaguar, essa fera carniceira que já descrevi. Acudimos imediatamente e verificamos que se tratava apenas de uma mulher em horas de parto. (GÂNDAVO, Pêro de Magalhães. 1575) 4 Textos repletos de fantasias e moldados pela visão medieval. O Novo Mundo é fértil, os nativos são inocentes (lembre-se da nudez!), o clima é ameno, a vida promete ser longa... Trata-se de uma visão medieval da natureza: a beleza com que se deparam e manifestação divina. IV. AUTORES 1 Pêro Vaz de Caminha A CARTA E SUAS CARACTERÍSTICAS A) QUANTO AO CONTEÚDO Assim, sintetizando diríamos que a Carta de Pêro Vaz de Caminha a certidão de nascimento do Brasil apresenta valor literário relativo e inequívoco valor histórico, sendo dotada das seguintes características: DESCRIÇÃO DA NATUREZA a riqueza da terra descoberta, a beleza da sua flora, da sua fauna, a bondade da terra, a pureza ao ar, o clima propício, tudo faz do Brasil um paraíso gerando um assombro diante desse mundo novo. DESCRIÇÃO DO ÍNDIO Ali andavam entre eles três ou quatro moças, muito novas e muito gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse as suas as vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Muitos deles ou a maioria dos que estavam ali traziam aqueles bicos de osso nos lábios. E alguns que deles eram desprovidos, tinham os lábios furados e nos buracos uns espelhos de pau, que precisam espelho de borracha; outros traziam três daqueles bicos, um no meio e os dois outros nos lados da boca. Emprego constante de adjetivo o alto teor descritivo que Caminha imprimiu ao seu relato advém da forte adjetivação empregada. O PENSAMENTO MERCANTILISTA E O IDEAL DE PROPAGAÇÃO DA FÉ CRISTÃ Ao lado de um entusiasmo do homem europeu diante de uma exuberante paisagem e diante dos costumes indígenas, a carta, através de Pêro Vaz de Caminha, deixa transparecer que dois eram os objetivos dos portugueses: a possibilidade de descobrir riquezas materiais e a conquista espiritual através da ampliação do Cristianismo, mais tarde tarefa dos Jesuítas conforme os princípios da Contra-Reforma. 2. Pêro de Magalhães Gândavo Tivemos a primeira tentativa sistematizadora de descrição da terra, acentuando o enfoque comparativo com as coisas distantes de além-mar e também o primeiro esboço da história do Brasil-Colônia, do descobrimento ao Governo Geral. Com ele, o índio não é mais visto com a simpatia dos autores anteriores, e se põe em dúvida o programa da cristianização. Observe outras obras importantes e seus autores: a) Diário de Navegação ( ), de Pedro Lopes de Sousa Documento histórico sobre o Brasil da primeira metade do século VI, descreve minuciosamente a aparência, os usos e costumes dos indígenas brasileiros e seus contatos com os brancos. b) Tratado descritivo do Brasil (1587), de Gabriel Soares de Sousa De caráter enciclopédico, constitui uma das mais expressivas obras da literatura informativa do século VI. Apesar do exagero nativista, registra observações sobre a paisagem e as riquezas brasileiras, o homem (branco, negro e índio) e sobre a colonização portuguesa. c) Diálogos das grandezas do Brasil (1618), de Ambrósio Fernandes Brandão Consta de seis diálogos de inestimável valor para a Cultura e Historiografia brasileiras, pelas descrições precisas da sociedade colonial, das riquezas brasileiras e possibilidades da terra. Estilisticamente, associa-se ao Barroco e ao espírito do século VII. V. LITERATURA DOS JESUÍTAS Os primeiros jesuítas (eram sete!) chegaram em 1549 ao Brasil. A obra jesuítica, como um todo, documenta e 2

3 esclarece objetivos e realizações precípuos da Companhia de Jesus no Brasil: a catequese do gentio e o ensino. Logo na primeira carta de Manuel da Nóbrega (1549) podemos observar um precioso documento sobre o caos moral e espiritual de Salvador por ocasião da chegada do primeiro Governo Geral. VI. TRAÇOS MARCANTES 1. Textos com intenção pedagógica e moralizante. 2. Tem como objetivo catequizar os índios, formar novos cristãos. 3. Contribui para a edificação de cidades: Salvador, Rio; fundação de São Paulo, colégios, abertura de vias de comunicação, procurando estreitar o relacionamento com os índios. 4. Tradicionalismo medieval representaram autos nas grandes festas como o Natal. 5. Utilizaram o folclore local. 6. Traços antecipadores do Barroco VII. AUTORES 1. Padre Manoel da Nóbrega ( ) Cartas e Diálogos sobre a Conversão do Gentio. 2. Padre José de Anchieta Chegou com Duarte da Costa, em Personalidade literária completa. Síntese do século VI. Fez o primeiro trabalho dramático escrito no Brasil: O auto bilíngüe da Pregação Universal (Piratininga, futura São Paulo). Sua obra poética, aparentemente ingênua, feita para o canto coral de almas simples, é no entanto marcada pela melancolia e o desengano barroco. Grande humanista. Obra apoiada na cultura latina e na tradição literária proveniente da Idade Média, do Humanismo à Contra- Reforma. Pressupunha simplicidade de linguagem e de estrutura, acessibilidade à compreensão. Preocupação didática e moralizante. PROSA Arte de Gramática da língua mais usada na costa do Brasil (1595). Vocabulário da Língua Tupi. Cartas, Sermões, fragmentos histórico-informativos. POESIA E TEATRO De Beata Virgine Dei Matre Maria (poema da Bem-Aventurada Virgem Maria, publicado em 1672). Poesias. Autos (Quando, no Espírito Santo, se recebeu uma relíquia das Onze Mil Virgens; Dia da Assunção; Auto da Festa de São Lourenço; Auto da Vila de Vitória; Auto da Visitação de Santa Isabel). O poema da Virgem consta de versos e conta a vida de Maria, mãe de Jesus, Divide-se em cinco livros ou cantos: I) Infância de Maria; II) A encarnação do Verbo; III) Maternidade de Jesus; IV) Infância de Jesus; V) Paixão e glória do filho e da mãe. I SÍNTESE GRÁFICA BARROCO 1. Antigüidade Clássica Idade Média Classicismo Barroco Do séc. V ao séc. V Século VI Ideais medievais Ideais renascentistas Teocentrismo Antropocentrismo Teocentrismo Antropocentrismo Religiosidade Racionalismo Religiosidade Racionalismo Do século I a.c. ao século IV. Desprezo ao homem Valorização do humano Vida mística Vida mundana Valorização do sagrado Clareza, serenidade, equilíbrio Espiritualismo Terrenalismo Arte obscura Valorização do clássico greco-latino Esquecimento do clássico greco-latino 3

4 2. A ARTE DO CONFLITO BASES IDEOLÓGICAS CLASSICISMO HUMANISTA E UNIVERSALISTA MEDIEVALISMO TEOCÊNTRICO E INDIVIDUALISTA TRIBUNAL DA SANTA INQUISIÇÃO O CONCÍLIO DE TRENTO CONTRA-REFORMA ÍNDE CHOQUE DE VISÕES IDEOLÓGICAS ANTROPOCENTRISMO - RAZÃO TEOCENTRISMO - FÉ VALORES DEFENDIDOS PELA MENTALIDADE CLÁSSICA EPANSIONISTA VALORES DEFENDIDOS PELO CLERO E PELA NOBREZA DESEQUILÍBRIO SENSO DO CORPO, PRAZERES E PAIÕES MUNDANAS ALMA, CÉU, DEUS, ETERNIDADE SÍNTESE RAZÃO EMOÇÃO LINGUAGEM CULTISMO / GONGORISMO CONCEPTISMO / QUEVEDISMO II SITUAÇÃO HISTÓRICA A LINHA DE TEMPO a) O homem do século VII vive sob o influxo de uma herança contraditória. De um lado, a Contra-Reforma católica faz ressurgir o espírito da Idade Média, com sua religiosidade e a censura dos sentidos. De outro lado, o Renascimento ensina-o a abrir os olhos para a natureza e desperta-lhe os sentidos que funcionam para registrar o mundo que o rodeia. Um duelo entre corpo e alma, céu e terra, sobrenatural e natural fazem do homem barroco um ser contraditório, dual; isto reflete-se em sua arte e sua literatura. b) MUNDIAL Portugal sob o domínio espanhol. Atuação da Companhia de Jesus Católicos Protestantes Absolutismo c) BRASILEIRO Ciclo da cana-de-açúcar Invasões holandesas Centros econômicos e culturais: Bahia e Pernambuco Início 1601 Publicação de Prosopopéia, de Bento Teixeira. Término 1768 Publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa. III TRAÇOS MARCANTES 1. CONCEITOS Releia o contexto apresentado no início do seu módulo, por Jayme Barros. a) HOMEM O homem é um ser que vive uma tensão gerada por dualismos e conflitos: terrenalismo sobrenaturalismo. sensualismo espiritualismo. apelos do mundo busca de Deus. apego às coisas terrenas consciência da efemeridade de tudo. busca do prazer consciência do pecado. apego ao pecado medo da condenação eterna arrependimento. 4

5 Visão trágica da existência. Posturas contraditórias que vão do hedonismo ao pessimismo, do platonismo ao erotismo até mesmo pornográfico, do misticismo à irreverência e blasfêmia contra Deus. A busca da felicidade eterna (vida pós-morte): a consciência do prazer terreno como pecado, mas a impossibilidade de desvincular-se deste prazer. Daí a angústia existencial. b) MUNDO O mundo essencial é o invisível, aquele em que o homem viverá eternamente após-morte. O morrer em estado de graça ou em estado de pecado levará o homem ao mundo de infinita beleza (o céu) ou de terríveis tormentos (o inferno). O mundo visível é fonte de prazer e de angústia, de riqueza e de miséria. A busca do prazer se torna angustiosa, à medida que o homem tem consciência da transitoriedade de tudo. Aprofunda essa angústia a consciência de que o prazer terreno e o apego aos bens materiais são pecados. Por outro lado, mesmo consciente do pecado, o homem se sente fortemente atraído pelos prazeres terrenos e pelos bens materiais. c) ARTE Arte: expressão dos estados contraditórios do homem. Daí as contradições da arte barroca. O Barroco = arte das paixões, a assimetria, o desequilíbrio, o fusionismo (a tentativa de unir pólos opostos). Como manifestação dos ideais da Contra-Reforma, a arte é usada como instrumento didático e moralizador : a necessidade de atingir o homem sensual da época através de impressões sensoriais torna a arte barroca, a arte do espanto, do deslumbramento: a riqueza, o ornamentalismo, o gosto do detalhe, os temas que impressionam (morte, túmulo, inferno etc.). Em síntese: busca de formas e temas que impressionam os sentidos, através dos quais se procura transmitir os valores religiosos. 2. CULTO DO CONTRASTE, FUSIONISMO TETO Anjo no nome, Angélica na cara! Que por seu Deus o não idolatrara? Se pois como Anjos sois dos meus altares, Fordes o meu Custódio, e a minha guarda Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo, que por bela, e por galharda, Posto que os Anjos nunca dão pesares. Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. (Gregório de Matos) 3. CONSCIÊNCIA DA BREVIDADE DA VIDA E BUSCA DO PERDÃO DIVINO TETO Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado, Da vossa piedade me despido, Porque quanto mais tenho delinquido, Vos tenho a perdoar mais empenhado. Se basta a vos irar tanto um pecado, A abrandar-vos sobeja um só gemido, Que a mesma culpa, que vos há ofendido, Vos tem para o perdão lisonjeado. Se uma ovelha perdida, e já cobrada Glória tal, e prazer tão repentino vos deu, como afirmais na Sacra História: Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada Cobrai-a, e não queirais, Pastor divino, Perder na vossa ovelha a vossa glória. (Gregório de Matos) despido (despeço) forma regular de despedir-se apartar-se, afastar-se; renunciar; delinqüir cometer delito; pecar; empenhar forçar, obrigar, compelir; sobejar ser por demais; ser mais que suficiente; cobrada recobrada, recuperada. Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Ser Angélica flor, e Anjo florente, Em quem, senão em vós, se uniformara? Quem varia uma tal flor, que na não cortara, Do verde pé, da rama florescente? E quem um Anjo vira tão luzente, 5

6 SE LIGUE! Influência do conceptismo de Quevedo Ele tenta convencer Deus de que merece o seu perdão CONCEPTISMO OU QUEVEDISMO O JOGO DE IDÉIAS argumentação sutil raciocínios complicados dialética, conceitos opostos associações inesperadas silogismo sofismas contrastes, paradoxos (bem x mal, vida x morte) O pecador diz que não desiste da piedade divina porque quanto mais ele peca, mais Deus fica obrigado a perdoá-lo. Observe de outra forma o que os versos 5 e 6 dizem. Observe que o soneto começa com uma sincera confissão de culpa: Pequei, Senhor! Mas esse tom de humildade, próprio de quem se arrepende, é logo substituído pela frieza do raciocínio, pela esperteza de uma argumentação que tenta provar o direito ao perdão. Observe este outro comentário de Emília Amaral e os demais co-autores: Não podíamos encontrar melhor exemplo das contradições do espírito barroco em que convivem a humildade e pequenez do homem diante de Deus, num ato de contrição (o teocentrismo contra-reformista), unidos, paradoxalmente, ao orgulho e à altivez da inteligência (antropocentrismo). Observe que a autoconfiança do eu-lírico chega ao ponto do desafio na última estrofe. ATENÇÃO! CULTISMO OU GONGORISMO O JOGO DE PALAVRAS rebuscamento da forma vocabulário precioso, erudito, latinista inversão da ordem direta da frase (hipérbato) imitação da sintaxe do latim clássico valorização do pormenor abuso no emprego de figuras de linguagem valorização dos sentidos (cor, forma, contorno, volume) 4. USO ECESSIVO DE FIGURAS DE LINGUAGEM HÁ NOS TETOS BARROCOS UMA HIPERTROFIA FORMAL Os escritores barrocos enfocam bastante a irregularidade, em contraposição à simetria e à regularidade do classicismo. Ela é a marca do novo estilo, expressando o pessimismo, o conflito, o desequilíbrio entre a razão e a emoção. Literariamente: 1 Metáfora revelando a tendência à alusão e à descrição indireta. 2 Antítese e paradoxo exprimindo a coexistência angustiada de ideias e sentimentos opostos e contraditórios. 3 Hipérbole expressão da perplexidade diante do mundo e da vida. 4 Hipérbato refletindo na inversão da frase as contorções da alma. AUTORES 1 GREGÓRIO DE MATOS Gregório de Mattos e Guerra ( ) é um exemplo de duração histórica e literária no contexto da língua portuguesa. Mais conhecido, reconhecido, estudado e festejado no Brasil, com uma fortuna crítica de grande importância, é um poeta que não publicou livro em vida, nem os poemas líricos e sacros (os bem comportados), como fez o seu contemporâneo Manuel Botelho de Oliveira. A sua poesia, o corpus gregoriano, permaneceu guardada em códices manuscritos apógrafos, em sua maioria do século VIII, um autêntico tesouro barroco, existentes em arquivos e bibliotecas portuguesas, brasileiras e U.S.A, quando houve a soa exumação no século I, com poemas publicados, pela primeira vez, em antologias Florilégio e Parnasos até, a edição da Academia Brasileira de Letras ( ), em 6 volumes, coordenada, censurada e expurgada por Afrânio Peixoto, e a edição de 1968, incluindo toda a satírica, erótica e escatológica, impublicável no início do século, está agora organizada por James Amado, em 7 volumes, e novamente editada em 2 volumes. Obra Poética, Rio, Record, DIVISÃO DA OBRA Poesia lírica Poesia satírica religiosa amorosa filosófica Ele também escreveu poesia burlesca, fescenina, economiástica e laudatória. 6

7 TETO A CRISTO N.S. CRUCIFICADO ESTANDO O POETA NA ÚLTIMA HORA DE SUA VIDA Meu Deus. que estais pendente de um madeiro, Em cuja lei protesto de viver, Em cuja santa lei hei de morrer, Animoso, constante, firme e inteiro: Neste lance, por ser o derradeiro, Pois vejo a minha vida anoitecer, É, meu Jesus, a hora de se ver A brandura de um Pai, manso Cordeiro. Mui grande é o vosso amor e o meu delito; Porém pode ter fim todo o pecar, E não o vosso amor, que é infinito. Esta razão me obriga a confiar, Que, por mais que peguei, neste conflito Espero em vosso amor de me salvar. SE LIGUE! Poesia lírico-religiosa expressa a culpa e o arrependimento. O texto enfoca a insignificância do homem perante Deus, a consciência nítida do pecado e a busca do perdão. Nas duas primeiras estrofes, o poeta expressa a contrição religiosa e a crença no amor infinito de Cristo, para manifestar, no final, a certeza do perdão. O soneto encobre uma formulação silogística, que se pode expressar dessa maneira: o amor de Cristo é infinito (verso 11); o meu pecado, por maior que seja, é finito, e menor que amor de Jesus (versos 9 e 10). Logo, por maior que seja o meu pecado, eu espero salvar-me (versos 13 e 14). Na sua poesia religiosa percebemos os seguintes temas: o sentimento de culpa a volta para Deus (depois de ter pecado muito!) a consciência do pecado o desejo de salvação TETOS SATÍRICOS Soneto Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: Com sua língua ao nobre o vil decepa: O Velhaco maior sempre tem capa. Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa, Quem menos falar pode, mais increpa: Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. A flor baixa se inculca por Tulipa: Bengala hoje na mão, ontem gariopa:* Mais isento se mostra, o que mais chupa, Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a Musa topa Em apa. epa, ipa, opa, upa. (In. DIMAS, Antonio (org.). Gregório de Matos, São Paulo, Abril-Educação, Coleção Literatura Comentada) 7

8 ATENÇÃO! Na poesia satírica, o Boca do Inferno faz a crítica aos costumes de seu tempo ( rindo, castiga os costumes ). Essa sua poesia é um excelente material sociológico. Como bem afirma o querido amigo Nelson Souza, no aspecto formal, traz uma inovação de linguagem, uma vez que ela é popular, onde são frequentes os termos de baixo calão. Traços da sátira linguagem livre, espontânea; tom bastante agressivo, ferino; crítica aos costumes da sociedade baiana; satiriza o clero, os negros, os mulatos; denuncia a incompetência dos políticos da época. PADRE ANTÔNIO VIEIRA Um verdadeiro arquiteto de sonhos. Sua obra está marcada pela constante inquietação de seu espírito em relação às principais questões de caráter social, político e econômico. escravos Defendeu: judeus índios Incomodou muitas pessoas importantes da época. 8

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE LITERATURA PARA EXAME FINAL 2014 Conteúdo: QUINHENTISMO/ BARROCO PROFESSORA ROSANA 1 ANO

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE LITERATURA PARA EXAME FINAL 2014 Conteúdo: QUINHENTISMO/ BARROCO PROFESSORA ROSANA 1 ANO 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE LITERATURA PARA EXAME FINAL 2014 Conteúdo: QUINHENTISMO/ BARROCO PROFESSORA ROSANA 1 ANO 01 Qual a importância da Literatura de Informação? 02 Qual a obra que marca o início da

Leia mais

quinhentismo história da literatura

quinhentismo história da literatura CONTEXTO HISTÓRICO.: A Europa, no século XVI, está no auge do Renascimento, numa época na qual as grandes navegações consolidam o capitalismo mercantil, com o desenvolvimento da manufatura e do comércio

Leia mais

IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Programa de Recuperação Final. 3ª Etapa 2010 Professor (a): Carlos Kalani

IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Programa de Recuperação Final. 3ª Etapa 2010 Professor (a): Carlos Kalani IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Programa de Recuperação Final Disciplina: 3ª Etapa 2010 Professor (a): Carlos Kalani Aluno (a): Valor: 10 pontos Ano:3 Turma: 3ºAD-FG Nota: Caro aluno, você está recebendo o

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

BARROCO. Vaidade, de Domenico Piola

BARROCO. Vaidade, de Domenico Piola BARROCO Vaidade, de Domenico Piola. HISTORICAMENTE - Realização do Concílio de Trento, entre os anos de 1545 e 1563; - Estabelecimento da divisão da cristandade entre protestantes e católicos; - Reforma

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Tema ASCENSÃO DO SENHOR

Tema ASCENSÃO DO SENHOR Encontro n. 6 ema ASCENSÃO DO SENHOR I. ACOLHIDA Ambiente: Lenço branco sobre a mesa, como sinal de despeida; uma cadeira vazia ou um banco próximo ao altar. Bíblia sobre o altar, vela acesa, com flores.

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Tens Palavras de Vida Eterna

Tens Palavras de Vida Eterna Catequese 40ano Tens Palavras de Vida Eterna Agenda da Palavra de Deus pela minha vida fora ANO A Durante as férias, mantenho-me em contato! CONTATOS DA PARÓQUIA Morada: Telefone: Correio eletrónico: Sítio:

Leia mais

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus.

O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. 2 1 O Espiritismo é a Luz do Cristo Jesus. Ele era manso como os cordeiros e a sua palavra tinha a doçura de uma brisa num dia quente. Nada queria dos humanos, tudo prometia e dava a humanidade. Sua palavra

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

AULA 06 LITERATURA BARROCO NO BRASIL

AULA 06 LITERATURA BARROCO NO BRASIL AULA 06 LITERATURA PROFª Edna Prado BARROCO NO BRASIL 1. DIVISÃO DA LITERATURA BRASILEIRA Como já vimos em outras aulas, as manifestações literárias são dividas didaticamente, em grandes eras e em períodos

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Natividade de Nossa Senhora

Natividade de Nossa Senhora Rita de Sá Freire Natividade de Nossa Senhora 8 de setembro Na Igreja católica celebramos numerosas festas de santos. Entretanto, não se celebra a data de nascimento do santo, mas sim a de sua morte, correspondendo

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

O NASCIMENTO DE JESUS

O NASCIMENTO DE JESUS Bíblia para crianças apresenta O NASCIMENTO DE JESUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot Adaptado por: E. Frischbutter; Sarah S. O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa Recapitulando: quaresma um tempo de preparação para a Páscoa um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho Recapitulando: o caminho de Jerusalém Lc 9.51 Lc 19.41 perigos e distrações: esquecer o foco

Leia mais

Rosarium Virginis Mariae

Rosarium Virginis Mariae EDITORA AVE-MARIA Introdução O Rosário da Virgem Maria, que ao sopro do Espírito Santo de Deus se foi formando gradualmente no segundo milênio, é oração amada por numerosos santos e estimulada pelo magistério.

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

MENTALIDADE QUE AMPARA O ESPIRITUAL

MENTALIDADE QUE AMPARA O ESPIRITUAL 1 MENTALIDADE QUE AMPARA O ESPIRITUAL OBJETIVO. E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, Romanos

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

DISCURSO SOBRE OS 90 ANOS. Senhor Presidente, Confrades e Amigos, Minhas Senhoras e Meus. Serei breve. Quando se chega aos 90 anos, pouco há o que

DISCURSO SOBRE OS 90 ANOS. Senhor Presidente, Confrades e Amigos, Minhas Senhoras e Meus. Serei breve. Quando se chega aos 90 anos, pouco há o que DISCURSO SOBRE OS 90 ANOS Senhor Presidente, Confrades e Amigos, Minhas Senhoras e Meus Senhores, Serei breve. Quando se chega aos 90 anos, pouco há o que dizer, tudo já foi dito. Assim mesmo há sempre

Leia mais

O Arrebatamento da Igreja

O Arrebatamento da Igreja Texto Base: 1Ts 4.13-18 O Arrebatamento da Igreja "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

A Bíblia realmente afirma que Jesus

A Bíblia realmente afirma que Jesus 1 de 7 29/06/2015 11:32 esbocandoideias.com A Bíblia realmente afirma que Jesus Cristo é Deus? Presbítero André Sanchez Postado por em: #VocêPergunta Muitas pessoas se confundem a respeito de quem é Jesus

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Contexto Histórico. Temas frequentes na Literatura Barroca. - fugacidade da vida e instabilidade das coisas;

Contexto Histórico. Temas frequentes na Literatura Barroca. - fugacidade da vida e instabilidade das coisas; Contexto Histórico Após o Concílio de Trento, realizado entre os anos de 1545 e 1563 e que teve como consequência uma grande reformulação do Catolicismo, em resposta à Reforma protestante, a disciplina

Leia mais

O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?"

Oquefazerquandoocoraçãosedesespera? O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" mas"aqueles"que" esperam"no"senhor" renovam"as"suas"forças." Voam"alto"como"águias;"

Leia mais

Padre Antônio Vieira (1608-1697)

Padre Antônio Vieira (1608-1697) Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda (Igreja de Nossa Senhora da Ajuda Bahia 1640) Padre Antônio Vieira (1608-1697) Neste sermão, Vieira traça um paralelo entre a situação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA A IMPORTÂNCIA DAS OBRAS DE FÉ William Soto Santiago Cayey Porto Rico 16 de Março de 2011 Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br E-mail:

Leia mais

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS 0 3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS Este material tem sido usado em quase todo mundo e traduzido em diversas línguas por ter sido comprovado por sua eficácia por todos que o usam. Muitos são os seus benefícios,

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras.

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras. A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em um encontro querigmático, tem a finalidade de levar o participante ao conhecimento do Deus Trino, que por amor cria o mundo e os homens. Ao mesmo tempo,

Leia mais

O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus

O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus detalhes sobre sua Paixão antes da crucificação. Recebe o

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

O QUE E A IGREJA ESQUECEU

O QUE E A IGREJA ESQUECEU 51. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52. E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano para lhe

Leia mais

oda ALEGRIA da nossa vocação

oda ALEGRIA da nossa vocação oda ALEGRIA da nossa vocação Ao chamar-vos, Deus diz-vos: És importante para mim, Eu amote; conto contigo. (Papa Francisco) Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi. (Jo 15, 16) Acreditamos

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

Arte em Movimento...

Arte em Movimento... Leonardo Koury Martins Arte em Movimento... Arte em Movimento... Sabemos que por mais que queremos as coisas certas, todas no lugar, fáceis de tocar ou de compreender tudo estará em constante transformação.

Leia mais

QUINHENTISMO NO BRASIL LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

QUINHENTISMO NO BRASIL LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO QUINHENTISMO NO BRASIL LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Prof. Weverson Dadalto O problema das origens da nossa literatura não pode formular-se em termos de Europa, onde foi a maturação das grandes nações modernas

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais