Escola SENAI Felício Lanzara Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica PROPOSTA PEDAGÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola SENAI Felício Lanzara Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica PROPOSTA PEDAGÓGICA"

Transcrição

1 Theobaldo De Nigris Felício Lanzara Faculdade de Tecnologia Gráfica PROPOSTA PEDAGÓGICA Versão 10 Revisada em maio de INTRODUÇÃO As aceleradas transformações econômicas, tecnológicas, políticas e sociais pelas quais o mundo vem passando exigem das instituições de ensino a adequação dos seus objetivos e métodos, visando capacitar os educandos ao exercício consciente da cidadania e aos novos paradigmas do trabalho. No caso de uma escola profissionalizante, um posicionamento quanto a propostas educacionais tem que partir, em primeiro lugar, do reconhecimento do perfil necessário ao novo trabalhador: o avanço tecnológico em todos os segmentos de produção e a evolução nas formas de organização do trabalho exigem dos profissionais competências para o desenvolvimento de raciocínios lógicos que levem a novas soluções e novas aplicações; exigem, também, a capacidade de lidar com sistemas informatizados, ler e compreender manuais mais complexos, manipular parâmetros numéricos para controle dos processos e de compreender e aplicar normas técnicas; o aluno deve ser capaz de compreender os processos de produção como um sistema, ser criativo e agir com iniciativa para propor, e implementar, melhorias nos processos dentro de programas de aumento constante de qualidade e produtividade; o estudante deve, ainda, aprender a gerir seu próprio desenvolvimento, buscando atualizar-se a adquirir novas competências.

2 Esta Proposta Pedagógica foi elaborada e revista pelos docentes, funcionários, membros da comunidade, empresários, ex-alunos, pais e alunos, a partir das reflexões e debates sobre como formar pessoas que saibam pensar, entendam o que lêem, que escrevam bem, lidem com quantidades, resolvam problemas, encaminhem soluções, tomem decisões e que saibam buscar informações necessárias ao desempenho pleno da sua atividade profissional. Sua validade é de três anos quando deverá ser revista novamente e, se necessário, atualizada. No entanto, independentemente desse prazo, todos os agentes do processo educacional serão estimulados a, quotidianamente, discutir e refletir sobre as atividades pedagógicas desenvolvidas na escola. 2. HISTÓRICO O - é uma entidade privada, de âmbito nacional, dedicada a contribuir para o fortalecimento da indústria e o desenvolvimento pleno e sustentável do país, promovendo a educação para o trabalho e a cidadania, a assistência técnica e tecnológica, a produção e disseminação de informação e a adequação, geração e difusão de tecnologia. Criado em 22 de janeiro de 1942 pelo Decreto-Lei 4048, é mantido e administrado pela indústria, com recursos das empresas industriais, de transportes ferroviários e metroviários, das comunicações e da pesca. O Sistema é formado por órgãos normativos Conselho Nacional e Conselhos Regionais, ambos formados por representantes dos diversos segmentos industriais e dos Ministérios da Educação e do Trabalho - e por órgãos executivos o Departamento Nacional e os Departamentos Regionais. Cabe ao Departamento Nacional a coordenação das políticas e diretrizes estabelecidas pelo Conselho Nacional, a assessoria técnica aos Departamentos Regionais e a representação legal da instituição. Os Departamentos Regionais são responsáveis pelas decisões relacionadas à operacionalização do sistema em cada Estado. A primeira escola de Artes Gráficas do foi instalada em 1945 no bairro do Belém, na capital de São Paulo, e era destinada à formação de aprendizes para atender a demanda do segmento que, já naquela época, empregava cerca de trabalhadores. Nos anos seguintes o paulista intensificou a oferta de cursos e treinamentos e, em 1951, transferiu a Escola de Artes Gráficas para um novo edifício, no bairro do Cambuci que, em 1962, passou a denominar-se Felício Lanzara, em homenagem ao importante líder do setor gráfico.

3 Nove anos depois, em 1971, graças a cooperação técnica da Associação de Construtores Industriais de Máquinas Gráficas e Afins (ACIMGA), da Itália, o - SP inaugurou o Colégio de Artes Gráficas (atual Theobaldo De Nigris), no bairro da Mooca, onde passou a oferecer o Curso Técnico em Artes Gráficas. Com o intuito de otimizar recursos humanos e instalações, o -SP unificou, em 1978, as escolas Theobaldo De Nigris (de ensino técnico) e Felício Lanzara (de formação de aprendizes) na Mooca. Em 1998, com a implantação do curso para formação de tecnólogos, transformou-se na primeira instituição da América Latina a oferecer um Curso Superior de Tecnologia Gráfica. Em abril de 2002, o curso superior passou por processo de reconhecimento pelo MEC e foi avaliado com menção final A (máxima). Em 2005 deu início, também de forma pioneira, à oferta de cursos de pós-graduação lato sensu voltados para o segmento gráfico. As Escolas Theobaldo De Nigris e Felício Lanzara e a Faculdade de Tecnologia Gráfica, integradas, concentram-se na formação profissional para a cadeia produtiva da mídia impressa. Esse Centro de Formação Profissional constitui-se, hoje, na mais importante instituição de ensino profissionalizante nas áreas de celulose, papel e tecnologia gráfica, no hemisfério sul e é uma das três mais importantes do mundo. Trata-se, ainda, da única instituição no mundo que ensina desde a fabricação da celulose até o acabamento final dos mais variados tipos de impressos além de técnicas de conservação e restauro de documentação gráfica. Nenhuma outra instituição de formação profissional tem esse grau de abrangência. 3. POLÍTICA E OBJETIVOS DA QUALIDADE Política O -SP, no cumprimento da sua missão, promove o contínuo aprimoramento dos serviços educacionais e tecnológicos, direcionando esforços para: Atendimento à legislação aplicável aos seus processos e serviços; Preservação do meio ambiente por meio da prevenção à poluição e do uso consciente de recursos; Manutenção de ambientes de trabalho adequados e seguros; Atendimento às necessidades e expectativas dos clientes; Desenvolvimento contínuo dos recursos humanos.

4 Objetivos e metas para Qualidade e Meio Ambiente /2011 I. Melhoria Contínua Melhorar continuamente a performance do processo educacional com base nas variáveis de controle estabelecidas. Meta corporativa: Obter, anualmente, taxa de crescimento, no mínimo, em 80% das variáveis de controle estabelecidas. II. Controle da Poluição e Destinação de Resíduos Controlar o volume de resíduos gerados no -SP. Meta corporativa: Controlar e promover melhorias nos programas para redução de resíduos: Programa 1: para redução do volume dos resíduos perigosos gerados. Programa 2: para redução do consumo ou substituição de produtos com substâncias restritivas, por materiais alternativos. Programa 3: para coleta seletiva, reciclagem e destino adequado. III. Controle do Consumo de Recursos Naturais Reduzir o uso de recursos naturais em níveis compatíveis aos processos da organização. Meta corporativa: Manter e aprimorar programa para o controle e a redução do consumo de recursos naturais (água, energia e papel). IV. Prevenção de Acidentes no Trabalho Reduzir o número de acidentes do trabalho, com afastamento, envolvendo funcionários, alunos e terceiros. Metas corporativas: Reduzir em 10%, em relação ao ano anterior, o número de acidentes do trabalho, com afastamento. No ano vigente, realizar no mínimo 20% das ações previstas no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA. V. Foco no Cliente Melhorar continuamente o atendimento ao cliente. Metas corporativas: Manter o índice médio de satisfação do cliente acima de 90%. Tratar 100% das reclamações de clientes.

5 VI. Desenvolvimento de Recursos Humanos Promover a capacitação e atualização dos funcionários em atendimento ao Programa de Desenvolvimento de Pessoal. Meta corporativa: Obter, até dezembro de 2011, um índice médio de capacitação de recursos humanos superior a 40 horas por funcionário treinado. 4. OBJETIVOS EDUCACIONAIS Oferecer cursos profissionalizantes e prestação de serviços especializados em Celulose, Papel e Artes Gráficas. Promover atividades educacionais, com ênfase em situações-problemas, visando a formação integral do aluno de modo a propiciar a formação de um profissional responsável, crítico, ético e com iniciativa. Promover a pesquisa aplicada. Divulgar informações técnicas e tecnológicas. Promover o intercâmbio tecnológico e cultural com outros centros de educação profissionalizante e com indústrias das áreas gráficas e de celulose e papel. Promover a integração, o aprimoramento técnico e atualização constante de alunos e docentes. Gerar e disseminar conhecimentos na área técnica e tecnológica. Desenvolver aptidões para a vida produtiva e social. Possibilitar o aproveitamento contínuo e articulado dos estudos. 5. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ATUAÇÃO A educação para o trabalho deve favorecer o desenvolvimento de atitudes adequadas aos novos tempos e não, apenas, encarar o aluno como repositório de conhecimentos transmitidos em uma única via. Os estudantes, sejam eles iniciantes na vida profissional ou trabalhadores já experientes, que precisam ser atualizados, devem ter a oportunidade de aprender como construir seu conhecimento e aplicá-lo para a melhoria efetiva do desempenho da empresa e para seu próprio desenvolvimento como profissionais e cidadãos.

6 O bom profissional será aquele capaz de aprender a aprender, aprender a pensar, aprender a criar e que tenha coragem de crescer e inovar. Em poucas palavras: que tenha autonomia. Além disso, entende-se que o comportamento ético e a prática consciente da cidadania são fatores fundamentais para a formação de um bom profissional e de um bom ser humano. Coerente com esse perfil desejado, o docente deve deixar de ser o centro irradiador de informações para ser o principal agente facilitador do processo de aprendizagem. No desempenho das nossas atividades, são considerados os seguintes princípios norteadores e valores éticos: contribuir para o fortalecimento da democracia no Brasil; contribuir para o desenvolvimento da economia e dos mercados; promover a participação social, cultural e política dos membros da escola na vida comunitária; promover a participação da comunidade na vida escolar, diretamente ou por meio de entidades representativas de diferentes segmentos; combater aos preconceitos; promover o respeito e a proteção ao meio-ambiente; promover a honestidade e a integridade; promover o respeito à diversidade; promover o pensamento independente; valorizar as relações sociais saudáveis visando ao bem-estar da comunidade; flexibilizar as formas de atuação, de modo a aumentar o nível de empregabilidade dos alunos; valorizar o trabalho em equipe, as relações inter e intra-pessoais, e o sentimento de empatia.

7 Estratégias que a escola tem desenvolvido no sentido de estimular esses valores: AAPM: por orientação do -SP a escola implantou a Associação de Alunos, Ex-Alunos, Pais e Mestres. A instituição tem sido gerida no sentido de aumentar a participação efetiva dos estudantes. Diversas ações têm sido implementadas que beneficiam diretamente o corpo discente. A intenção é que os estudantes possam exercitar a capacidade de promover a melhoria da comunidade onde vivem por meio do associativismo. Diretório Acadêmico: a escola apóia e incentiva a participação dos alunos do curso superior nesse seu órgão representativo. Coleta seletiva: por iniciativa de professores e alunos, a escola implantou sistema de coleta seletiva, inclusive com monitoramento do destino final dos resíduos. A implantação foi custeada pelo SINDIGRAF Sindicato da Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo entidade com a qual a escola mantém convênio. As receitas oriundas da venda do material coletado são revertidas em favor da AAPM e de instituições filantrópicas. Gerenciamento de resíduos: a escola vem aperfeiçoando constantemente seus processos visando reduzir a produção de resíduos que causem impacto nocivo ao meio ambiente. O destino dos resíduos produzidos é monitorado. Equipe de Qualidade Ambiental EQA: a escola instituiu um grupo de funcionários e alunos dedicados a desenvolver projetos de melhoria da sua gestão do meio ambiente. Revista Tecnologia Gráfica : a escola edita, em parceria com a Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica, uma das mais importantes revistas técnicas do segmento gráfico, com espaço para publicação de artigos de professores e alunos e divulgação de notícias sobre a atuação do -SP nessa área. Projetos Sociais: os alunos são instados a idealizar e realizar projetos de apoio à comunidade como estratégia para desenvolverem competências de planejamento e gestão de projetos e recursos. Ao mesmo tempo a escola pretende que esses projetos permitam aos estudantes exercitarem valores éticos e de cidadania. Parcerias: a escola mantém diversos convênios de cooperação com empresas e associações representativas do setor, com o objetivo de facilitar a atualização tecnológica das suas oficinas mas, também, com a finalidade de promover um ambiente motivador e estimulante. Diversos eventos do segmento gráfico, inclusive internacionais, acontecem regularmente na escola.

8 Serviço de coordenação de estágios: a escola mantém três profissionais (docentes) dedicados a intermediar a contratação dos alunos como estagiários. Os coordenadores de estágio também são responsáveis pelo acompanhamento dos processos de estágio e pela sua avaliação. Serviço social: a escola mantém uma profissional assistente social dedicada a apoiar os estudantes nas suas dificuldades de fundo socio-econômico. Gráficos da Alegria: a escola realiza gratuitamente - dentro das suas possibilidades - a prestação de serviços gráficos para instituições filantrópicas. O propósito é motivar os estudantes e promover um ambiente de ensino marcado pela solidariedade e pela preocupação com a melhoria das nossas comunidades. Incentivo à participação em eventos culturais: a escola promove a participação de alunos, professores e demais funcionários em eventos culturais, por meio de divulgação, orientação pelos docentes e organização de atividades extracurriculares. 6. PRODUTOS E SERVIÇOS A "Theobaldo De Nigris" atua em todo o país recebendo, freqüentemente, estudantes de outros estados e mesmo de outros países da América Latina. Atende também empresas privadas e públicas, associações empresariais e de trabalhadores e instituições de ensino em todo o território nacional, inclusive outras escolas da rede. Pela sua característica única no país, a Theobaldo De Nigris tem como clientes todos os segmentos relacionados com o negócio da comunicação impressa incluindo: gráficas e seus fornecedores, agências de propaganda e de criação, indústrias de celulose e papel e seus fornecedores e a comunidade em geral. A escola atua em quatro vertentes de prestação de serviços: Educação Profissional, Assessoria Técnica e Tecnológica, Pesquisa Aplicada e Informação Tecnológica e oferece programas em todos os níveis de formação profissional. Essas diferentes linhas de atuação, longe de serem incongruentes, integram-se de modo a contribuírem para o aprimoramento da principal atividade da instituição a educação profissional. A seguir um breve resumo dos produtos e serviços oferecidos pela escola: Curso - Impressor offset (CAI) Curso para formação profissional pós ensino fundamental, com duração de quatro semestres, em meio período. Tem por objetivo preparar operadores para processos gráficos com ênfase em impressão offset. Destinado, prioritariamente, a jovens entre 18 a 22 anos - encaminhados por empresas industriais para contratação como aprendizes.

9 Carga horária: horas (4 semestres). Período vespertino. Gratuito. Cursos Técnicos Gráficos em: Pré-Impressão, Offset, Rotogravura/Flexografia. Formação profissional pós ensino médio. Preparam profissionais para atuar diretamente nos processos de produção e, também, em funções intermediárias entre os níveis de gerência e de produção, ajudando a controlar e administrar processos produtivos e a qualidade de matérias primas e produtos, prestando assessoria técnica e outras atividades afins. Carga horária: horas mais 400 horas de estágio supervisionado. Períodos da manhã (4 semestres), tarde (4 semestres), noite (5 semestres) e integral (2 semestres). Gratuito. Curso Técnico em Celulose e Papel: Formação profissional pós-ensino médio. Prepara profissionais para atuar diretamente nos processos de produção e, também, em funções intermediárias entre os níveis de gerência e de produção, ajudando a controlar e administrar processos produtivos e a qualidade de matérias-primas e produtos, prestando assessoria técnica e outras atividades afins. O Curso Técnico em Celulose e Papel é oferecido sob demanda para empresas e pode ser configurado de acordo com necessidades específicas. Carga horária: horas mais 400 horas de estágio supervisionado. Ressarcido. Curso Superior de Tecnologia Gráfica. Curso de graduação em nível superior que visa à capacitação de profissionais para atuar na gerência e supervisão de processos produtivos nas indústrias gráficas e afins, promover análises e pesquisas de processos e produtos gráficos, realizar ações de consultoria, perícia e assessoria tecnológica e planejar e gerir instalações industriais gráficas. Carga horária: horas sendo que dessas, 400 horas são desenvolvidas a distância. Dessa maneira a fase escolar é realizada em seis semestres. Faz parte do currículo período de estágio supervisionado de 400 horas. Período noturno. Ressarcido. Pós-graduação Lato Sensu. Programas dirigidos a graduados em áreas tecnológicas, de ciências exatas ou outras afins com o segmento da comunicação impressa. Têm como objetivo aperfeiçoar competências específicas de profissionais que já atuam no mercado ou preparar estudantes graduados para desenvolver carreira em níveis de gestão. Carga horária: 360 horas (3 semestres). Aos sábados, em período integral. Ressarcido.

10 Formação Inicial e Continuada São cursos realizados na própria unidade (FC) ou nas empresas (FE). Neste segundo caso os programas podem ser desenvolvidos e organizados de modo a atender a necessidades específicas. Podem ser de iniciação profissional, qualificação, especialização ou aperfeiçoamento. Os requisitos de entrada variam conforme a natureza do curso. Ressarcidos. Assessoria Técnica e Tecnológica Esse serviço cobre, entre outras coisas: Diagnóstico de setores de produção quanto à qualidade e produtividade; Controle de processos; Implantação de programas de qualidade; Implantação de novos processos de produção; Orientação sobre técnicas de produção, uso correto de equipamentos e ferramentas, escolha e especificação de insumos; Elaboração de lay-outs de instalações industriais; Estudo de viabilidade técnica e econômica de novos processos e/ou produtos; Desenvolvimento de novos processos, produtos, insumos, sistemas; Consultoria na elaboração de programas de treinamento; Testes laboratoriais de tintas e papéis; Treinamentos sob demanda. Pesquisa aplicada Tem por objetivo o desenvolvimento de novos processos e produtos, com base na experimentação. A pesquisa aplicada é vista como uma atividade com alto valor educacional e, por isso, a "Theobaldo De Nigris" tem priorizado realizá-la com forte interação entre alunos e docentes. Para a realização de pesquisa aplicada a escola conta, além dos laboratórios, com as oficinas de processos gráficos que permitem executar uma enorme gama de testes em condições reais de trabalho. Informação Tecnológica O intercâmbio e a difusão de informações tecnológicas são realizados por todos os departamentos da escola e centralizados na biblioteca, que conta com cerca de volumes e terminais para conexão com internet. A escola está em contato permanente com as mais conceituadas associações de tecnologia do Brasil e do mundo. A escola mantém estreita parceria com a Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica - ABTG com a qual o publica a revista Tecnologia Gráfica, além de promover inúmeras outras atividades para captação e difusão do conhecimento tecnológico.

11 7. GESTÃO EDUCACIONAL 7.1. Acompanhamento do Ensino Para realizar o acompanhamento do ensino a escola adota o documento elaborado pelo denominado: Planejamento do Ensino e Avaliação do Rendimento Escolar DITEC-008, como elemento orientador de suas ações. Esse documento apresenta proposta para o planejamento das atividades docentes, fundamentada em técnicas didático-pedagógicas das mais avançadas e eficazes. Cada componente curricular possui seu conteúdo programático, elaborado com vistas ao perfil ocupacional e a partir do qual os docentes elaboram o seu plano de ensino. Para preparar o plano, o docente analisa os conteúdos e os distribui em unidades de ensino. Cada unidade possui o seu plano de ensino. Esse plano é constituído de objetivo geral, objetivos específicos, descrição dos conteúdos, estratégias de ensino, estratégias e instrumentos de avaliação e critérios de avaliação. O plano de ensino é elaborado pelo docente, sob orientação da coordenação pedagógica ou técnica e é constantemente revisto e atualizado. Para supervisionar as atividades docentes, os coordenadores elaboram plano de acompanhamento da ação docente que tem, como objetivos, o aperfeiçoamento contínuo do processo ensino-aprendizagem e a coleta de informações para realimentação do processo. Ainda com vistas à melhoria constante do processo, são aplicadas pesquisas de satisfação dos alunos quanto às atividades desenvolvidas pela escola. São previstas ainda reuniões pedagógicas e reuniões de acompanhamento do processo de ensino e de aprendizagem Avaliação A avaliação da aprendizagem, entendida como um processo contínuo de informações, análise e interpretação da ação educativa, deverá subsidiar as ações de orientação ao educando, visando a melhoria de seu desempenho. A avaliação deverá permitir sempre a melhoria da educação. Sua função segue o descrito no regimento comum das unidades escolares e as orientações sobre Planejamento de Ensino e Avaliação do Rendimento Escolar PEARE, constantes no procedimento DITEC-008 do Sistema de Gestão da Qualidade do -SP. A avaliação deverá, preferencialmente, refletir situações-problema reais. A avaliação deverá ser um processo de interação contínua que permita a reflexão e a análise.

12 Conforme diretrizes do -SP, as avaliações devem refletir - numericamente - o percentual de alcance dos objetivos definidos nos Planos de Ensino Recuperação O processo de ensino e aprendizagem desenvolvido pelo -SP pressupõe que sejam criadas condições para o desenvolvimento pleno, pelos estudantes, das competências previstas nos perfis de conclusão. Assim, a escola garante a todos os alunos a possibilidade de recuperar desempenhos abaixo do esperado, por meio de novas estratégias que visem o alcance dos objetivos definidos nos planos de ensino e não atingidos no processo normal. Essas atividades são chamadas de recuperação. E são desenvolvidas ao longo de todo o curso, paralelamente ao desenvolvimento das unidades de ensino e periodicamente. O processo de recuperação da aprendizagem obedece às seguintes diretrizes: Será desenvolvida, preferencialmente, fora das aulas normais, ou seja paralelamente. Poderá ser desenvolvida dentro da programação normal de aulas desde que prevista no planejamento, sem prejuízo do cumprimento do plano de ensino e de forma que alunos que não necessitem de recuperação possam também aproveitar as atividades como reforço de conhecimentos. Os alunos não podem deixar de desenvolver outras atividades de ensino, planejadas dentro dos horários normais de aulas, com o pretexto de submeter-se a processo de recuperação em outro componente curricular. Deverão ser utilizadas estratégias variadas e flexíveis para as atividades de recuperação. As estratégias e os horários para realização de atividades de recuperação devem ser claramente divulgados para os estudantes. A recuperação é de responsabilidade do docente, que pode valer-se de monitoria de alunos (sob sua supervisão) com maior conhecimento no Componente Curricular objeto de recuperação. Cabe aos estudantes a iniciativa de, dentro das estratégias e horários disponibilizados, procurar o docente e organizar-se para desenvolver as atividades de recuperação.

13 Os estudantes que, por omissão, deixarem de programar-se para as atividades de recuperação oferecidas, não terão direito a novas oportunidades, salvo justificativa que pode ou não ser aceita pelo docente. Da decisão do docente cabe recurso ao coordenador da área. Os dois procedimentos anteriores não têm função punitiva, muito pelo contrário, são ações que visam promover a educação dos estudantes favorecendo o desenvolvimento de qualidades como iniciativa e responsabilidade. Esse aspecto é ressaltado quando os alunos são orientados sobre recuperação paralela. O estudante que deixar de se submeter à avaliação, sem apresentar justificativas aceitáveis para isso, não tem porque passar por processo de recuperação, uma vez que não se recupera o que não foi avaliado. A justificativa por deixar de realizar atividades de avaliação deve ser apresentada ao docente e pode ser aceita ou não, cabendo recurso ao coordenador pedagógico e, em última instância, ao diretor da escola Promoção Será considerado promovido ou concluinte de estudos o aluno que, ao final do período letivo, obtiver em cada componente curricular objeto de avaliação, freqüência mínima de 75% e Nota Final (NF) igual ou superior a 50 numa escala de 0 a 100, nota esta obtida da média aritmética das notas, de 0 a 100, de todas as unidades de ensino do componente curricular. No caso do curso superior grade de oito semestres a nota final é obtida pela média aritmética das notas síntese do primeiro e segundo períodos de avaliação Retenção Será considerado retido ao término de cada período letivo, ou módulo, o educando que não obtiver, em cada componente curricular objeto de avaliação, nota final (NF) igual ou superior a 50- numa escala de 0 a 100 e freqüência mínima de 75%. O educando dos cursos técnicos e de aprendizagem industrial retido no último período letivo do curso, em até três componentes curriculares, poderá cumprir apenas os componentes curriculares objetos da retenção.

14 Os alunos do curso superior, retidos em até duas disciplinas por aproveitamento insuficiente (nota), poderão cursá-las em regime de dependência, respeitando-se a grade curricular e a estrutura de pré-requisitos. Nos casos de reprovação, em três ou mais disciplinas, motivada por falta de aproveitamento (nota) ou por freqüência insuficiente (faltas), em qualquer uma das disciplinas cursadas, o aluno será retido no semestre, podendo solicitar, nos dois casos, aproveitamento de estudos daquelas nas quais obteve aprovação Compensação de ausências O aluno fará jus à compensação de ausências mediante justificativa, se esta demonstrar, de forma incontestável, motivo grave e de força maior. No entanto a compensação não será garantida se não houver condições operacionais para realizá-la. A solicitação de compensação de ausências deverá ser feita diretamente ao docente. Se este julgar que é possível realizá-la, encaminhará o aluno à coordenação pedagógica para deferimento ou não do pedido. A solicitação de compensação, bem como a justificação da ausência, deverão ser feitas imediatamente ao retorno do aluno às aulas. A freqüência será registrada diariamente, a cada aula, no diário de classe, pelo docente. Não há compensação de ausências para alunos matriculados no Curso Superior Aproveitamento de estudos O aproveitamento de estudos deverá ser solicitado em formulário próprio pelo educando, respeitados os prazos estipulados. Ao pleitear o aproveitamento, o aluno deverá apresentar documentos comprobatórios de estudos realizados regularmente. As solicitações e os documentos anexados serão apreciados por uma Comissão Técnico-Pedagógica, designada pelo Diretor da Unidade Escolar, nos termos da legislação e atendidos os critérios definidos pela equipe escolar. O aluno que concluiu um dos cursos técnico gráficos e deseja retornar para realizar outro curso técnico, também gráfico, deverá submeter-se ao processo seletivo e, respeitada a ordem de classificação, poderá matricular-se nas vagas disponíveis no semestre compatível com o aproveitamento de estudos deferido pela Comissão Técnico- Pedagógica.

15 O aluno que trancou matricula no curso técnico e deseja retornar, poderá fazê-lo desde que haja vagas disponíveis no semestre em questão. Se as vagas disponíveis não forem suficientes para atender a todas as solicitações, serão preenchidas conforme classificação com base no aproveitamento escolar obtido no último semestre cursado. Se preferir, o candidato poderá submeter-se a novo processo seletivo. O atendimento às solicitações será conforme a disponibilidade de vagas. A classificação será única entre os alunos oriundos do curso, Curso Técnico e aqueles que trancaram a matricula nos Cursos Técnicos. A transferência de um curso técnico gráfico para outro, será permitida somente após a conclusão do primeiro semestre ou período equivalente no caso de cursos em período integral. Os alunos deverão requerer a transferência por escrito, sendo atendidos conforme disponibilidade de vagas e segundo classificação com base no aproveitamento escolar obtido no primeiro semestre Conselho de classe O Conselho de Classe é formado pelo Coordenador Pedagógico, Coordenadores Técnicos, Coordenador de Estágios, Assistente Social, Agente de Apoio ao Ensino, Professores, Técnicos de Ensino e Instrutores, sob a presidência do Diretor da Unidade Escolar ou por funcionário por ele designado. O Conselho reúne-se no meio de cada semestre, durante a Reunião de Acompanhamento e no Encerramento do Período de Avaliação, em datas previstas no Calendário Escolar, com a finalidade de analisar o desempenho das classes, no geral, e de cada aluno em particular, sugerindo medidas que possibilitem o aprimoramento e, conseqüentemente, a melhoria do desempenho dos alunos com dificuldade de aprendizagem. Ao final do semestre letivo, o Conselho de Classe poderá retificar ou ratificar os resultados obtidos pelos alunos. Como instância de avaliação, poderá decidir pela promoção de educandos cuja nota final foi inferior a 50, desde que com freqüência igual ou superior a 75%. Essa decisão deve ser resultado da análise aprofundada das causas que levaram à retenção do estudante e deve buscar garantir ao aluno as melhores oportunidades para seu desenvolvimento.

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Capacitação profissional para o segmento gráfico

Capacitação profissional para o segmento gráfico Capacitação profissional para o segmento gráfico Aprendizagem industrial Cursos regulares Técnico Superior Pós-graduação Cursos de formação continuada Comunidade Local: Escola Empresa Local: escola e/ou

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual do Estágio Supervisionado Santa Rita do Sapucaí-MG Janeiro/2011 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública MAP Pós Graduação Stricto Sensu FGV/EBAPE REGULAMENTO TÍTULO

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO ESTRATÉGICA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II Presidente Prudente 2009 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS Art. 1. o - O Trabalho de Conclusão

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX CAPÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - AGEX Aprovado no CONSEPE na 30ª sessão realizada em 16 de abril de 2012 e homologado na 140ª sessão

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Art. 1. Os estágios supervisionados específicos, obrigatórios e não-obrigatórios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais