PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Arquitetura MEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Arquitetura MEC"

Transcrição

1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau PROCEDIMENTOS 1 Recomendações Técnicas EDIFICAÇÕES Elaboração de Projetos de Arquitetura Brasília 1997

2 PROJETO DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA A REGIÃO DO NORDESTE Coordenação de Instalações Escolares Projeto de Educação Básica para o Nordeste Via N1 - Leste Pavilhão das Metas Brasília, DF Brasil Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida sem autorização do Projeto de Educação Básica para o Nordeste - /BIRD Série: Edificações e Equipamentos Escolares de 1 o Grau. COORDENAÇÃO GERAL Arquiteto José Maria de Araújo Souza ELABORAÇÃO Arquiteto João Honorio de Mello Filho Consultor 2 COLABORAÇÃO Arquiteta Maria Marluce Farias de Oliveira Engenheira Karla Motta Kiffer Engenheira Maria Ieda Costa Diniz Engenheiro Erinaldo Vitório Engenheiro Mário Ferreira Araújo Professora Nelcinéa Cairo do Amparo EDIÇÃO GRÁFICA Revisão de Texto: Josué Lima Projeto Gráfico: Madalena Faccio & Lucia Lopes Editoração Eletrônica: Madalena Faccio & Lúcia Lopes Edificações. Elaboração de projetos de arquitetura/recomendações técnicas: E23 João Honorio /coordenação geral: José Maria de Araújo Souza; elaboração: de Mello Filho. Brasília: Programa de Educação Básica para a Região Nordeste, p.il. (Edificações e equipamentos escolares 1 o grau) 1. Edificação escolar 2. Projeto arquitetônico 3. Normas I. Souza, José Maria de Araújo II. Mello Filho, João Honorio III. Programa de Educação Básica para a Região do Nordeste IV. Série Impresso no Brasil (1997) Esta obra foi editada e publicada para atender aos objetivos do Projeto Educação Básica para o Nordeste, em conformidade com os Acordos de Empréstimo Números 3604BR e 3663BR com o Banco Mundial.

3 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES 3. INTRODUÇÃO 4. GLOSSÁRIO 5. RECOMENDAÇÕES GERAIS 6. RECOMENDAÇÕES ESPECIAIS 7. AVALIAÇÃO TÉCNICA BIBLIOGRAFIA ILUSTRAÇÕES A: Exemplo de fluxograma de blocos para projeto de edificação. Arquitetura. B: Exemplo de cronograma de barras, físico e financeiro, para projeto de edificação. Arquitetura. 3 Resumo Recomendações Técnicas fixando aplicáveis à elaboração de projetos de arquitetura para edificações escolares do primeiro grau. Os organismos responsáveis pelas redes físicas estaduais e municipais podem usá-las na determinação das exigências mais adequadas aos propósitos e às condições locais. Abstract Technical Advices in order to propose properly Procedures to architectural projects for primary school buildings. The regional organizations, responsible for the school networks, can use the booklet while determining the adequate needs for their local purposes and conditions. Résumé Recommendations Téchniques avec Procedés applicables à l élaboration des projects d architecture pour les bâtiments scolaires du prémier dégré. Les organismes responsables pour les réseaux physiques des provinces et des municipalités, peuvent en faire l usage pour la détérmination des éxigences plus adequates aux propos et aux conditions locales.

4 4 1. Objetivo Estas Recomendações Técnicas (RT) fixam aplicáveis e exigíveis para a ELA- BORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA para edificações escolares do 1º Grau 2. Informações complementares Na aplicação desta RT é interessante consultar os seguintes documentos: Normas Técnicas ABNT: NBR Elaboração de Projetos de Edificações. Atividades Técnicas. Procedimento NBR Elaboração de Projetos de Edificações. Arquitetura. Procedimento RT do. : Edificações. Apresentação de Projetos. Desenhos Edificações. Apresentação de Projetos. Textos Edificações. Atividades Técnicas de Projeto Edificações. Elaboração de Projetos de Estruturas e Fundações Edificações. Elaboração de Projetos de Iluminação Edificações. Elaboração de Projetos de Instalações Elétricas Edificações. Elaboração de Projetos de Instalações Hidráulico-Sanitárias Edificações. Elaboração de Projetos de Instalações Mecânicas Edificações. Elaboração de Projetos para Comunicação Visual Edificações. Elaboração de Projetos para Paisagismo Edificações. Orçamentação de Serviços de Obra Edificações. Programação Físico - Financeira de Obra Edificações. Quantificação de Serviços de Obra Equipamentos. Elaboração de Projetos para Distribuição e Instalação Terrenos. Execução de Levantamento Topográfico e Cadastral Terrenos. Execução de Sondagens de Simples Reconhecimento do Solo RT do. Especificações: Edificações Terrenos Cadernos Técnicos do : (A editar) Legislação Federal: Decreto Nº , de 10 de dezembro de 1985: Estabelece condições básicas para a construção, conservação e demolição de edifícios públicos a cargo dos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Serviços Gerais SISG, e dá outras providências (Práticas SEDAP) Legislações estaduais: Legislações municipais: Instituições normativas mais importantes: ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas; AFNOR Association Française de Normalization; ASTM American Society for Testing Materials; BSI British Standards Institution; CIB Conseil International du Bâtiment CNM Comitê Mercosul de Normalização COPANT Comissión Panamericana de Normas Técnicas; DIN Deutsches Institut für Normung; INMETRO Instituto Nacional de Normalização, Metrologia e Qualidade Industrial; ISO International Organization for Standardization 3. Introdução A existência de RT sugerindo procedimentos formalizados para a elaboração de projetos para construção e recuperação possibilita a indispensável disciplina na condução e na articulação das atividades de concepção, com expectativa de bons reflexos em todas as demais fases da produção e, também, do uso e da manutenção das edificações escolares. Cabe aos organismos responsáveis pelas redes físicas escolares dos Estados e dos municípios a seleção e a dosagem criteriosa das exigências mais adequadas, visando à solução de alguns dos mais sérios problemas de qualidade, como se apresentam, considerando as necessidades e as disponibilidades locais. 4. Glossário Para os efeitos destas RT é adotada a seguinte noção: projeto de arquitetura: determinação e representação prévia, em desenhos, em textos e em outros meios, da configuração arquitetônica de edificação, concebida mediante a coordenação e a orientação geral dos projetos (especificações) dos elementos da edificação, das instalações prediais, dos componentes construtivos e dos materiais de construção. 5. Recomendações gerais Informações técnicas do projeto de arquitetura As informações do Projeto de Arquitetura devem registrar, onde couber, a caracterização completa de seus objetos, quais sejam: edificação (ambientes interiores e exteriores); elementos da edificação e dos seus componentes construtivos; instalações prediais e dos seus componentes

5 construtivos; materiais de construção. Para isto, devem ser determinados os atributos funcionais, formais e técnicos que forem estabelecidos para cada objeto, contendo as exigências prescritivas e de desempenho, mediante: identificação; descrição; condições ambientais, de localização e de utilização; exigências prescritivas e de desempenho no uso; aplicações; condições do canteiro de obras; uso, operação e manutenção; condições de aquisição; condições de suprimento; assistência e serviços técnicos; referências, exemplos. A elaboração do Projeto de Arquitetura deve ser organizada, em todas as suas etapas, por: informações de referência a utilizar (dados); informações técnicas a produzir (conteúdo da proposta). As informações técnicas a produzir em cada uma das etapas de elaboração do Projeto de Arquitetura deve ser apresentada mediante documentos técnicos (originais e/ou cópias) em conformidade com as RT pertinentes ao assunto, podendo ser incluídos os seguintes meios de representação: desenhos; textos (memoriais, relatórios, relações, listas); planilhas, tabelas; diagramas, fluxogramas, cronogramas; fotografias, fotomontagens; maquetes; outros meios. Coordenação do projeto de arquitetura As determinações do Projeto de Arquitetura, em todas as suas etapas de desenvolvimento, devem ser estabelecidas objetivando a coordenação e a conformidade das demais atividades técnicas que compõem o projeto completo da edificação, quais sejam: comunicação visual; estruturas e fundações; iluminação; instalações elétricas; instalações hidráulico-sanitárias; instalações mecânicas; paisagismo; outras. Programação das etapas do projeto de arquitetura As etapas do Projeto de Arquitetura devem ser definidas de modo a possibilitar a subseqüente articulação com as etapas das demais atividades técnicas que compõem o projeto completo da edificação escolar, em conformidade com as RT pertinentes ao assunto: LV: Levantamento de Dados; PN: Programa de Necessidades; EV: Estudo de Viabilidade; EP: Estudo Preliminar; AP: Anteprojeto; PL: Projeto Legal; PE: Projeto para Execução. Para a programação de todas as etapas, articulando-as com as correspondentes demais atividades técnicas, podem ser utilizadas preliminarmente, a título de sugestão: Ilustração A: Exemplo de fluxograma de blocos para projeto de edificação. Arquitetura. Ilustração B: Exemplo de cronograma de barras, físico e financeiro, para projeto de edificação. Arquitetura. Execução das etapas do projeto de arquitetura A execução de todas as etapas do Projeto de Arquitetura pode ser determinada em função dos problemas técnicos de cada edificação escolar específica. São sugeridos, no entanto, para os efeitos destas RT, os procedimentos correntemente adotados nos casos mais complexos. Levantamento de dados (LV-ARQ): levantamento topográfico; levantamento cadastral; leis federais: leis estaduais: código sanitário; proteção contra incêndio; leis municipais: plano diretor de desenvolvimento municipal; zoneamento; código de obras; normas das companhias concessionárias de: abastecimento de água potável; fornecimento de energia elétrica; fornecimento de gás combustível; telecomunicações; registros de vistorias ou inspeções no local; verificação e correção das informações de referência: diferenças e alterações ocorridas após os levantamentos: construções clandestinas; movimentos de terra; mudanças de percurso de rios, córregos e linhas de drenagem; postes; torres de linhas de transmissão; vias públicas (perfis, pavimentações); orientação norte-sul; características climáticas: intensidade pluviométrica; 5

6 6 temperatura; umidade; ventos predominantes; fontes poluidoras: esgoto a céu aberto; fumaça; gases; odores; poeira; ruídos; vibrações; serviços públicos: água potável; coleta de lixo; energia elétrica em alta ou baixa-tensão; escoamento de água pluvial, esgotos sanitários; gás combustível; iluminação pública; pavimentação (passeios e calçamentos); telefonia; transportes coletivos; vegetação: características; porte; edificações existentes no terreno (a demolir ou não): área de construção; características arquitetônicas; características construtivas; número de pavimentos; uso atual; restrições legais: coeficiente de construção permitido; gabaritos; recuos mínimos obrigatórios; taxa de ocupação permitida; características da vizinhança do terreno; zona urbana ou rural; porcentagem de ocupação; usos do solo no entorno; desenhos: cadastrais; texto: relatório de vistorias, inspeções e verificações; fotografias: coloridas, com indicação dos pontos de vista em planta; outros meios de representação: vídeos, maquetes. Programa de Necessidades (PN-ARQ): Levantamento de Dados para Arquitetura (LV- ARQ); Plano educacional; Mapeamento educacional; Metas e padrões educacionais; devem ser as necessárias à concepção arquitetônica da edificação; considerar: nome, número, dimensões e características dos ambientes e dos conjuntos funcionais em que se inserem, quais sejam: de administração; de direção; de serviços gerais; de vivência; pedagógico; outros. exigências (prescrições e desempenhos) quanto aos conjuntos funcionais: contato necessário ao desempenho das atividades; emissão de ruídos e vibrações; facilidade de controle e supervisão; fluxo de pessoas; fluxo de suprimentos; produção de fumaça; proximidade física; outros; exigências (prescrições e desempenhos) quanto aos ambientes: funcionais: atividades capacidades; fluxos; movimentos; ocupação; períodos de uso; usuários; outros; físicas: acústica (necessidade de silêncio, geração de ruídos); iluminação natural e artificial; ventilação; construtivas: estruturas e fundações; pé-direito mínimo; revestimentos de paredes e pisos; vão livre das portas; vão livre do ambiente; das instalações: elétricas; hidráulico-sanitárias; mecânicas; telefônicas outros; dos equipamentos: aparelhos; componentes incorporados; máquinas; mobiliário; outros. desenhos: organograma funcional; esquemas básicos; textos: memorial de recomendações gerais; tabelas: relação entre os ambientes, os usuários, as atividades, os equipamentos, incluindo características, exigências, dimensões e quanti-

7 dades. Estudo de Viabilidade (EV-ARQ) Levantamento de Dados para Arquitetura (LV- ARQ); Programa de Necessidades para Arquitetura (PN-ARQ); Levantamentos de dados obtidos pelas demais atividades técnicas; soluções alternativas: econômicas; financeiras; físicas; jurídicas; legais; conclusões e recomendações; desenhos: esquemas gráficos, diagramas, cronogramas, histogramas; textos: relatório; tabelas; outros meios de representação. Estudo Preliminar (EP-ARQ): Levantamento Topográfico e Cadastral (LV-TOP); Levantamento de Dados para Arquitetura (LV- ARQ); Programa de Necessidades para Arquitetura (PN-ARQ); Estudo de Viabilidade de Arquitetura (EV-ARQ); levantamentos de dados obtidos pelas demais atividades técnicas; devem ser sucintas e suficientes para a caracterização geral da concepção arquitetônica adotada, incluindo indicações das funções, dos usos, das formas, das dimensões e das localizações dos ambientes bem como de quaisquer outras exigências (prescritivas, desempenho); devem ser sucintas e suficientes para a caracterização específica dos elementos e instalações e dos seus componentes principais incluindo indicações das técnicas recomendadas; relativas às soluções alternativas gerais e especiais, suas vantagens e desvantagens, de modo a facilitar a seleção de uma delas; considerar: terreno: sistema viário: acessos; circulação de veículos; estacionamentos; pátios de manobra; circulação de pedestres: acessos; caminhos; passarelas; escadas; rampas; pátios, praças, pistas, quadras; hortas, jardins; bermas, taludes; edificação: conjuntos funcionais; unidades funcionais; ambientes; circulações horizontais e verticais; elementos da edificação e componentes construtivos (relevantes); instalações da edificação e componentes construtivos (relevantes); desenhos: planta geral de implantação; plantas dos pavimentos; planta da cobertura; cortes (longitudinais e transversais); elevações (fachadas); detalhes construtivos (quando necessário); perspectivas:(opcionais) (interiores ou exteriores, parciais ou gerais); texto: memorial justificativo (opcional); maquetes: (opcionais) (interior, exterior); fotografias, diapositivos, montagens (opcionais); recursos audiovisuais (opcionais) (filmes, fitas de vídeo, disquetes). Anteprojeto (AP-ARQ): Estudo Preliminar de Arquitetura (EP-ARQ); Levantamento Topográfico e Cadastral (LV-TOP); Sondagens de Simples Reconhecimento do Solo (LV-SDG); Parecer Técnico de Fundações; informações produzidos por outras atividades técnicas; devem ser as relativas à edificação (ambientes interiores e exteriores) e todos os elementos e instalações da edificação, e seus componentes construtivos, considerados relevantes nesta etapa; devem ser as necessárias para a elaboração de estimativas de custos e de prazos para construção; considerar: terreno: abrigos: de medição de gás combustível; para botijões de GLP; para cavalete e hidrômetro de alimentação de água; para quadro de entrada de força; bermas, taludes; componentes: bancos; canaletas de águas pluviais; fechamentos de divisas; mastros de bandeiras; pontos de luz; cortes, aterros; fossa séptica e sumidouros; 7

8 8 reservatórios de água fria; edificação: ambientes; circulações horizontais e verticais; reservatórios de água fria; elementos da edificação e componentes: coberturas: forro; madeiramento; telhado; esquadrias: grades; janelas; portas; portinholas; estrutura: juntas de dilatação; lajes; muros de arrimo e/ou cortinas; pilares; vigas; paredes: divisórias; fachadas; revestimentos (impermeabilizações e proteções): paredes; pisos; tetos; instalações da edificação e componentes (especialmente quanto aos aspectos relacionados com a especificação dos abrigos, dos pontos de utilização e dos controles ou comandos): hidráulico-sanitárias: água fria: abrigo de bombas de recalque, pontos de utilização; drenagem de águas pluviais: calhas e condutores; esgotos sanitários: ventilação, pontos de utilização; gás combustível: pontos de utilização; prevenção e combate a incêndios: reservatório, abrigos para hidrantes sob comando e hidrantes de recalque; elétricas: energia: quadro geral, quadros de distribuição; pontos de utilização; iluminação: pontos de luz, comandos; proteção contra descargas atmosféricas: pára-raios, hastes, cordoalha; sinalização: campainhas, sirenes, avisos luminosos, sinaleiros de entrada; telefonia: pontos de utilização; desenhos: planta geral de implantação; planta de terraplenagem; cortes de terraplenagem; plantas dos pavimentos; plantas das coberturas; cortes (longitudinais e transversais); elevações (fachadas); detalhes (de elementos da edificação e de seus componentes construtivos); textos: memorial descritivo da edificação; memorial descritivo dos elementos da edificação, dos componentes construtivos e dos materiais de construção. Projeto Legal (PL-ARQ): Anteprojeto de Arquitetura (AP-ARQ) Anteprojetos produzidos por outras atividades técnicas, se necessário Levantamento Topográfico e Cadastral (LV-TOP) Legislação Municipal, Estadual e Federal pertinentes Normas Técnicas (INMETRO e ABNT); necessárias e suficientes ao atendimento das exigências legais para os procedimentos de análise e de aprovação do projeto legal e da construção incluindo os órgãos públicos e as companhias concessionárias; desenhos e textos exigidos em leis, decretos, portarias ou normas e relativos aos diversos órgãos públicos ou companhias concessionárias de serviços aos quais o projeto legal deva ser submetido para análise e aprovação. Projeto para Execução (PE-ARQ) Anteprojeto de Arquitetura (AP-ARQ) Anteprojetos produzidos por outras atividades técnicas; outras informações; devem ser as relativas ao terreno, à edificação (ambientes internos e externos), a todos os elementos da edificação e seus componentes construtivos; deve fornecer, de forma definitiva, o traçado, o dimensionamento e o detalhamento completo, além das discriminadas para as etapas anteriores; àquelas, devem ainda ser acrescentadas informações sobre os seguintes elementos e componentes: coberturas: complementos e acessórios para fixação; componentes de forro; rufos; telhas; esquadrias: chapas de vidro; corrimãos; ferragens; folhas; grades de proteção; gradis; marcos; quebra-sóis; instalações elétricas: lâmpadas;

9 luminárias; instalações hidráulico-sanitárias: aparelhos sanitários e peças de utilização (louças e metais); esgotos: sifões, ralos, caixas de inspeção, caixas de gordura, caixas de passagem; drenagem de águas pluviais: ralos hemisféricos e planos, caixas de areia; prevenção e combate a incêndios: extintores manuais; revestimentos (impermeabilizações e proteções): pisos: lastros e contrapisos; impermeabilização: fundações, calhas, lajes de cobertura, reservatórios de água, paredes, áreas molhadas, subsolos; desenhos: planta geral de implantação; planta de terraplenagem; cortes de terraplenagem; plantas dos pavimentos; plantas das coberturas; cortes (longitudinais e transversais); elevações (fachadas) frontais posteriores e laterais; plantas, cortes e elevações de ambientes especiais (oficinas, laboratórios, banheiros, cozinhas, lavatórios, lavanderias, vestiários); detalhes (plantas, cortes, elevações, perspectivas), de elementos da edificação e de seus componentes construtivos (esquadrias, paredes, estruturas, coberturas, revestimentos); das instalações elétricas, hidráulico-sanitárias, de iluminação e mecânicas, quanto aos aspectos relacionados com a especificação dos pontos de utilização e dos controles ou comandos); perspectivas (opcionais) (interiores ou exteriores, parciais ou gerais) textos: memorial descritivo da edificação; memorial descritivos dos elementos da edificação, das instalações prediais (aspectos arquitetônicos), dos componentes construtivos e dos materiais de construção; memorial quantitativo dos componentes construtivos e dos materiais de construção; maquetes (opcionais) (interior, exterior); fotografias, diapositivos, montagens, (opcionais); recursos áudio visuais (opcionais) (filmes, fitas de vídeo, disquete). 6. Recomendações especiais A critério dos órgãos responsáveis pelas redes físicas escolares dos sistemas municipais ou estaduais, estas RT devem ser interpretadas e adaptadas em função das necessidades e das disponibilidades locais. A aplicabilidade integral ou parcial das condições exigíveis expressas nestas RT deve ser previamente estabelecida para cada Projeto de Arquitetura específico, com base nas características e complexidade da edificação, dos elementos da edificação, das instalações prediais, dos componentes construtivos e/ou dos materiais para construção, assim como na disponibilidade dos recursos humanos, técnicos e materiais necessários à sua produção. 7. Avaliações técnicas A qualidade dos serviços depende do esforço conjugado das equipes técnicas e administrativas dos organismos responsáveis pelas redes físicas escolares durante as atividades dos procedimentos de elaboração de Projeto de Arquitetura. Portanto, estas equipes devem estar conscientes do que fazer e de como fazer, assim como do seu próprio desempenho, em ambiente de autocontrole com participação, criatividade e responsabilidade. Não bastam os controles realizados ao final dos processos, com base nas inspeções e nas amostragens em bases estatísticas, que não produzem qualidade diretamente e que encontram apenas defeitos que já não podem ser suprimidos, corrigidos ou rejeitados. Os documentos técnicos (desenhos, textos, maquetes), produzidos em cada etapa de elaboração do Projeto de Arquitetura, devem ser submetidos à avaliação do organismo responsável pela rede física escolar nas ocasiões preestabelecidas em programação específica, conforme fluxograma e cronograma Físico e financeiro sugeridos nas RT pertinentes ao assunto. Bibliografia CEDATE. Elaboração e apresentação de projetos para construção e recuperação. Arquitetura. Procedimento técnico. Projeto Monhangara. Educação básica nas regiões Norte e Centro-Oeste. Brasília, CEDATE: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E APOIO TÉCNICO À EDUCAÇÃO / INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. para apresentação de projetos de arquitetura. Brasília: IPT/CEDATE p.il. CENTRO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÕES E EQUIPAMEN- TOS ESCOLARES. CEBRACE. Critérios para elaboração, aprovação e avaliação de projetos de construções escolares. Rio de Janeiro: CEBRACE, CONESP. Arquitetura. para apresentação de projetos de edificações escolares de primeiro grau. São Paulo: CONESP, p.il. CONESP. Edificação e seus elementos construtivos. Especificações da edificação escolar de primeiro grau. São Paulo: CONESP, p.il. IPT- INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Critérios para elaboração, avaliação e aprovação de projetos de construções escolares. Relatório n São Paulo: IPT,

10 10 Ilustação A Exemplo de fluxograma de blocos para projeto de edificação. Arquitetura.

11 Ilustração B Exemplo de Cronograma de Barras Físico e Financeiro para Projeto de Edificação - Arquitetura Cronograma Físico e Financeiro para Projeto de Edificação - Arquitetura Atividades Etapas Valor das Tempo trasncorrido técnicas de etapas em de projeto projeto % do contrato Topografia LV - TOP Sondagem LV - SON Arquitetura LV - ARQ PN - ARQ EV - ARQ EP - ARQ AP - ARQ PL - ARQ PE - ARQ Estruturas LV - EST e fundações PN - EST AP - EST PE - EST Instalações LV - ELE elétricas PN - ELE AP - ELE PE - ELE Iluminação LV -ILM PN - ILM AP - ILM PE - ILM Instalações LV - mecânicas PN - AP - PE - Instalações LV - HID hidro- PN - HID sanitária AP - HID PE - HID Paisagismo LV - PSG PN - PSG AP - PSG PE - PSG Comunicação LV - CMV visual PN - CMV AP - CMV PE - CMV Equipamento LV - EQP PN - EQP AP - EQP PE - EQP Orçamento da obra PE - ORC Cronograma da obra PE -CRO PERÍODO DE INTERRUPÇÃO PARA APROVAÇÃO DO PROJETO LEGAL LEGENDAS ATIVIDADES TÉCNICAS DE PROJETO ETAPAS DO PROJETO Tempo efetivo (azul) Avaliação contratante (cinza) TOP SDG ARQ ELE Topografia Sondagem Estrutura Instalações elétricas ILM EQP HID Iluminação Instalações mecânicas Equipamentos Instalações hidraúlicas e sanitárias 11 PSG CMV ORC CRO Paisagismo Comunicação visual Orçamento da obra Cronograma da obra LV PN EV EP Levantamentos Programa de necessidades Estudo de viabilidade Estudo preliminar AP PL PE Ante projeto Projeto legal Projeto para execução

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA Curso: Engenharia Civil Profª. Raquel Portes ETAPAS DO PROJETO DE ARQUITETURA

Leia mais

PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Estruturas e de Fundações MEC

PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Estruturas e de Fundações MEC República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau PROCEDIMENTOS 1 Recomendações Técnicas EDIFICAÇÕES Elaboração de projetos de estruturas

Leia mais

PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Instalações Elétricas MEC

PROCEDIMENTOS. Recomendações Técnicas: EDIFICAÇÕES - Elaboração de Projetos de Instalações Elétricas MEC República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau PROCEDIMENTOS 1 Recomendações Técnicas EDIFICAÇÕES Elaboração de Projetos de Instalações

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau

República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau República Federativa do Brasil Ministério da Educação e do Desporto Edificações e Equipamentos Escolares - 1 o Grau PROCEDIMENTOS 1 Recomendações Técnicas EDIFICAÇÕES Elaboração de Projetos de Instalações

Leia mais

TERRENOS PROCEDIMENTOS 9. Execução de Levantamento Topográfico Cadastral

TERRENOS PROCEDIMENTOS 9. Execução de Levantamento Topográfico Cadastral Ministério da Ministério Educação da e do Educação Desporto FUNDESCOLA Projeto de Educação Básica para o Nordeste Coordenação de Instalações e Projetos Escolares Coordenação de Instalações Escolares PROCEDIMENTOS

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Orçamento Projeto de Arquitetura

Orçamento Projeto de Arquitetura São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Orçamento Projeto de Arquitetura Cliente Empreendimento De Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar São Paulo, SP Alphaville Bauru Arq. Márton Gyuricza

Leia mais

APRESENTAÇÃO. MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos

APRESENTAÇÃO. MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos APRESENTAÇÃO MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos Esta minuta foi elaborada pelo Grupo de Trabalho de apoio à Comissão de Exercício Profissional, sob

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal Cliente Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar 05425-070 Pinheiros São Paulo, SP Empreendimento

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO 1. O PROJETO Projeto básico e executivo para construção do prédio das Promotorias de Justiça de Parauapebas. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos

MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos APRESENTA Ç ÃO MÓDULO I - Modelo de Contrato de prestação de serviços profissionais relativos a projetos Esta minuta foi elaborada pelo Grupo de Trabalho de apoio à Comissão de Exercício Profissional,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Memorial Descritivo de Cliente

Memorial Descritivo de Cliente 1. DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO O empreendimento Residencial Peres será construído em um terreno situado na Av. Comendador Pedro Facchini, Centro, Lindóia. Será composto por 26 casas residenciais, sendo

Leia mais

NORMAS E RELATÓRIOS HIDRÁULICA

NORMAS E RELATÓRIOS HIDRÁULICA NORMAS E RELATÓRIOS HIDRÁULICA instalações s, drenagem, gás e segurança contra incêndio sumário REFERÊNCIAS PARA PROJETO 3 Normas 3 Legislação 4 Documentos de referência 5 OBRA NOVA 6 RELATÓRIO DE VISTORIA

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS Endereço do Empreendimento Rua Gonçalves Dias, N 1075 Menino Deus - Porto Alegre RS Composição do Apartamento Tipo 03 Dormitórios

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 19 TOMADA DE PREÇOS Nº 02/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 DO OBJETO Contratação de Escritório Técnico para elaboração e desenvolvimento dos projetos do edifício que irá abrigar a futura sede da,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração 1. INTRODUÇÃO: Prefeitura Municipal de Bom Despacho Anexo V Laudo de Vistoria Predial Terminal Rodoviário de Passageiros de Bom Despacho O presente Laudo Técnico de Vistoria Predial foi solicitado pela

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO.

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO. TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 PROJETO Assunto MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA Item: Contratação de consultoria PJ especializada para realização

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: Porto Oceânico Rua "C", Lote 13, Quadra 28, Lot. Cidade Balneária de Itaipu, Itaipu,

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SEDE SESC-DF CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SUMÁRIO 1. OBJETIVO...03 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA: GRAFICAÇÃO EM AUTO-CAD 2013...03 3. OBSERVAÇÕES

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818112605155

Leia mais

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153 CADERNO TÉCNICO COMPLEXO Previsão Torres Residenciais Previsão Torre Comercial Fase 2 Torre Comercial Fase 1 Shopping IGUATEMI Previsão Hotel BR 153 Marginal BR 153 Imagem preliminar do complexo Iguatemi

Leia mais

LUÍS OTÁVIO CAMPOS REFERÊNCIAS DO PROJETO ARQUITETO E URBANISTA CNPJ: 10723648000573

LUÍS OTÁVIO CAMPOS REFERÊNCIAS DO PROJETO ARQUITETO E URBANISTA CNPJ: 10723648000573 REFERÊNCIAS DO PROJETO Obra: Guarita do IFET Instituto federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Proprietário: IFET Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. CNPJ: 10723648000573 Endereço:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NORMAS E DIRETRIZES PARA EXECUÇÃO DO OBJETO; e CADERNO TÉCNICO (Arquivo em Corel Draw) Normas e Diretrizes Execução Objeto.doc - Página 1/19 - JSilva NORMAS E DIRETRIZES PARA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Manual de Escopo de Projetos e Serviços de Instalações Prediais - Elétrica

Manual de Escopo de Projetos e Serviços de Instalações Prediais - Elétrica RELAÇÃO DE MANUAIS DE ESCOPO DE PROJETOS E SERVIÇOS Esperamos que estes Manuais, propicie um novo ciclo de aprimoramento entre projetistas, contratantes, órgãos de fomento da construção, e construtores

Leia mais

Projeto de Engenharia TC045 Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Sergio Scheer

Projeto de Engenharia TC045 Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Sergio Scheer 25/março/2014 Projeto de Engenharia TC045 Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Sergio Scheer Projeto Projeto é a essência da Engenharia. Visa a elaboração de: um novo produto, sistema ou processo, ou a

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

D E C R E T A: Art. 1 - Ficam estabelecidas os procedimentos e valores relativos ao PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ de que trata a Lei Municipal 58/2013.

D E C R E T A: Art. 1 - Ficam estabelecidas os procedimentos e valores relativos ao PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ de que trata a Lei Municipal 58/2013. DECRETO MUNICIPAL Nº. 05/2014 SUMULA: Regulamenta a doação de material de construção e o fornecimento de mão-de-obra a famílias carentes de natureza habitacional na forma do PROGRAMA HABITAR MAMBORÊ disposto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO 1. Projeto Arquitetônico (estudo preliminar, anteprojeto, projeto definitivo): O projeto arquitetônico compõe-se dos seguintes dados concepcionais suscetíveis

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818110508155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818110508155

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JK ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento é composto por 01 (um) bloco com 01 (um) elevador e 08 (oito) pavimentos, sendo o 1º pavimento

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Construção Institucional Sede Administrativa Proprietário: FENACLUBES Federação Nacional dos Clubes Esportivos Endereço da Obra: Rua Açaí 540 Jardim

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a

E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a M a n u a l d e E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a C o o r d e n a ç ã o d e P r o j e t o s FASE Direitos DIREITOS autorais AUTORAIS reservados RESERVADOS Todos os direitos desta edição, reprodução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA DE ESPORTES A:

MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA DE ESPORTES A: DISPOSIÇÕES GERAIS O presente caderno tem por objetivo estabelecer as normas e encargos que presidirão o desenvolvimento da construção de um Quadra de Esportes em terreno de propriedade do Município de

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS PASEO COPACABANA AVENIDA COPACABANA, Nº 953 PORTO ALEGRE - RS

MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS PASEO COPACABANA AVENIDA COPACABANA, Nº 953 PORTO ALEGRE - RS MEMORIAL DESCRITIVO DOS ACABAMENTOS PASEO COPACABANA AVENIDA COPACABANA, Nº 953 PORTO ALEGRE - RS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. O PROJETO 2.1 Localização 2.2 O empreendimento 3. ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE ARQUITETURA DA EDIFICAÇÃO

ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE ARQUITETURA DA EDIFICAÇÃO ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE ARQUITETURA DA EDIFICAÇÃO SUMÁRIO 1. Introdução... 5 2. Objetivo do Documento... 5 3. Conteúdo e Abrangências... 5 3.1. Serviços incluídos... 5 3.2. Serviços

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Hall de Acesso: Piso: pedra natural do tipo granito, mármore ou similar; Rodapé: cerâmico e/ou pedra natural;

MEMORIAL DESCRITIVO. Hall de Acesso: Piso: pedra natural do tipo granito, mármore ou similar; Rodapé: cerâmico e/ou pedra natural; MEMORIAL DESCRITIVO A seguir sucintamente descreveremos os materiais de acabamento de cada dependência de uso privativo e de uso comum do Edifício Comercial a ser construído na Rua Dr. Valle, 553, bairro

Leia mais

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP COMUNICADO Nº 02 Segue respostas de esclarecimentos feitos por diversas empresas NOTA: TODOS OS COMUNICADOS FAZEM INTEGRAM O EDITA IIRS Nº 002/09 - TP 1 - Pergunta: Não

Leia mais

NORMAS E RELATÓRIOS ELÉTRICA

NORMAS E RELATÓRIOS ELÉTRICA NORMAS E RELATÓRIOS ELÉTRICA Atualizado em agosto 2011 sumário sumário referências para projeto 2 introdução 2 normas e documentos complementares 2 obra nova 4 relatório de vistoria 4 anteprojeto 4 produtos

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

UNIDADE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL TIPOLOGIA 3. ARQUITETOS : Silvana Lamas CREA : 35.717/D MG

UNIDADE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL TIPOLOGIA 3. ARQUITETOS : Silvana Lamas CREA : 35.717/D MG UNIDADE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL TIPOLOGIA 3 MEMORIAL DESCRITIVO: U.M.E.I. TIPOLOGIA 3 ARQUITETOS : Silvana Lamas CREA : 35.717/D MG Marcelo Amorim CREA : 35.635/D MG COORDENADOR NEPE-EI: Marcelo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTADO DE SANTA CATARINA BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 0 ESTADO DE SANTA CATARINA BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS MÍNIMOS DE PROJETOS...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ Sumário A. DESCRIÇÃO DO PROJETO... 4 1. DO OBJETO... 4 1.1. PROJETO ARQUITETÔNICO... 4 1.2.

Leia mais