DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA"

Transcrição

1 Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera Tângari O Módulo 3 se divide em 3 exercícios: EXERCÍCIO 1: Estudos de implantação volumétrica, a partir de referências projetuais EXERCÍCIO 2: Estudo Preliminar EXERCÍCIO 3: Estudo Preliminar Desenvolvido EXERCÍCIO 1: ESTUDOS DE IMPLANTAÇÃO VOLUMÉTRICA Exercício de experimentação, segundo diferentes conceitos e critérios, de possibilidades de implantação do conjunto de edificações de uso institucional no terreno selecionado. Os estudos de implantação devem usar recursos como croquis a mão-livre e maquetes de estudos. A base para o desenvolvimento dos estudos de implantação será a maquete do entorno, plantas, mapas, os outros exercícios realizados anteriormente. Além disso, o programa de necessidades, prédimensionado, servirá de referência para estimar as áreas e volumes a serem ocupados pela futura edificação. Os três estudos a serem apresentados por cada aluno devem ser diferentes entre si, buscando explorar diferentes modelos de plantas (bi-dimensionalmente) e diferentes volumetrias. 1. Modelos de configuração de planta ou implantação (bi-dimensional) Os modelos de configuração de planta ou implantação descrevem as disposições relativas às partes, sendo úteis para a concepção do projeto e para a organização de grupos de ambientes (setores) e podem ser classificados como (CLARK & PAUSE 1987): linear seqüência linear de espaços repetidos: (a) pelo uso - organização linear dos setores e ambientes com circulação direta entre os ambientes; (b) pela circulação - configuração linear definida por uma circulação separada dos setores e ambientes por ela articulados; central núcleo central e dominante, em torno do qual se agrupam setores ou ambientes secundários: (a) pelo uso - configurações onde o núcleo central é o mais importante complementado por uma circulação envolvente; (b) pela circulação - núcleo central destinado à circulação e à organização dos setores e ambientes; radial núcleo central extendido radialmente segundo organizações lineares; agrupado setores ou ambientes reunidos sem atender a nenhum modelo definido; dupla centralidade dois núcleos de igual importância situados ou não em um mesmo ambiente; trama setores e ambientes organizados por uma trama ou malha bi-dimensional Modelos de configuração tridimensional (volume): Modelos de configuração por planos verticais destinados a fechar e/ou definir setores ou ambientes: (a) elementos lineares verticais; (b) plano vertical isolado; (c) planos em "L" [dois planos perpendiculares com uma aresta comum]; 1

2 (d) planos paralelos [corredor]; UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (e) planos em "U" [três planos perpendiculares]; (f) fechamento completo [quatro planos] Modelos de configuração por volumes: (a) formas regulares que se relacionam entre si segundo vínculo firme e ordenado, geralmente são estáveis e suas formas simétricas em relação a um ou mais eixo; (b) formas irregulares cujas partes são desiguais e não apresentam vínculos firmes que as unam entre si; geralmente são assimétricas e mais dinâmicas do que as regulares; podem apresentar-se como formas regulares das quais se extraem elementos irregulares ou como uma composição irregular de formas regulares; (c) transformações da forma podem ser dimensionais (por compressão até adotar uma forma plana ou por alongamento até adotar uma forma linear); subtrativas (por subtração de parte do volume de uma forma); aditivas (por adição de elementos a seu volume inicial). 2. OBJETIVOS Estudar diferentes implantações possíveis para o terreno; Refletir acerca da interferência de diferentes fatores morfológicos, históricos, culturais, climáticos, etc... na decisão da implantação a ser adotada no conjunto de edificações de uso institucional; Estudar as relações entre o entorno existente e o conjunto proposto; Analisar a influência da orientação solar e dos ventos dominantes na configuração dos modelos e as possíveis implicações de cada modelo/estudo no entorno urbano; Relacionar os modelos/estudos com o sistema de fluxos e acessos do entorno urbano; Estimular o raciocínio bi e tri-dimensional. 3. PROCEDIMENTOS Cada grupo deve apresentar, para o mesmo terreno, três estudos de possibilidades de implantação do conjunto de edificações de uso institucional. Com base nos conceitos e nos dados resultantes dos exercícios dos Módulos anteriores, os alunos devem trabalhar conceitos e configurações para a implantação do conjunto de edificações de uso institucional. Os estudos de implantação devem ser individuais. a partir do conjunto de estudos e modelos realizados a turma escolherá, em conjunto com cada grupo, aquele que considera mais adequado, que deve ser complementado por pranchas de papel manteiga ou sulfite branco, formato A2 contendo croquis, esquemas gráficos e comentários complementares; os estudos devem considerar: (a) volumetria e massa edificada, (b) partido estrutural, (c) orientação solar e dos ventos dominantes, (d) estudos dos acessos e fluxos do terreno, do edifício, (e) setorização dos principais usos e (f) graus de privacidade; durante o Seminário o grupo deve fazer uma exposição oral das suas três propostas de implantação diante da turma e dos professores, quando deverá enfatizar os pontos fortes e fracos de proposta, assim como as dificuldades encontradas no processo; na apresentação das três propostas de cada aluno, a turma deverá debater conteúdos considerados necessários ao desenvolvimento do projeto, tais como: entorno urbano, conceito de lugar, paisagismo de áreas públicas, metodologia de projeto, tipologias, modulação, conforto ambiental, etc.; 2

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO a avaliação dos trabalhos pelo conjunto da turma será considerada para avaliação da nota do módulo, assim como a participação ativa das análises e observações dos estudos de implantação e modelos elaborados, buscando uma avaliação mais aberta e colaborativa na solução do problema; a análise dos modelos/estudos deverá ser realizada a partir de sua inserção na maquete de entorno (Módulo 1). 4. PRODUTOS estudos de implantação para cada uma das três soluções, em prancha A2, contendo: (a) Implantação escala 1: 250 ou 1:500, com definição dos setores edificados, denominação de ruas e praças limítrofes, acessos e estacionamentos de público e funcionários, áreas para carga e descarga e utilização de áreas de lazer externas (jardins, espelhos d água, etc.), níveis, indicação do norte e de curvas de nível, implantação do(s) edifício(s), áreas de circulação, estacionamento e jardins; escala gráfica e orientação; (b) cortes esquemáticos, escala 1/250 ou 1:500, indicando a relação da massa com o entorno; (c) maquete, escala 1/250 ou 1:500. O resultado dessa etapa deverá ser apresentado em pranchas de formato A2, DESENHADAS À MÃO. NÃO será admitido o uso de programas gráficos como, por exemplo, o AUTOCAD. 5. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA A exemplo dos exercícios do módulo 1, os deste módulo também devem ser avaliados com a intenção de verificar quais pré-requisitos necessários, conhecimentos e habilidades, e se os alunos evidenciam seu domínio. Os critérios devem ser previamente apresentados e discutidos com a turma: Além dos critérios indicados no plano, serão adotados os Critérios Específicos de cada Proposta/Partido de Implantação: Uso do Terreno - critérios relevantes à implantação do edifício na localidade específica; Tipologias Formais, Volumétricas e Espaciais - adequação ao tema e à proposta/filosofia pedagógica, inovação, geração de impactos visuais, etc.; Funcionalidade - setorização (distribuição dos diversos setores em relação aos pontos de acesso considerando as relações de dependência entre setores), estudo de acessos e fluxos (acessos de alunos, funcionários, público, carga); Sistemas Construtivos - materiais (soluções estruturais em concreto e/ou aço), elementos e sistemas construtivos (embasamento, estrutura, cobertura, vedações, esquadrias, divisões internas) e prediais (instalações hidrosanitárias, segurança, incêndio, telecomunicações, automação); Conforto Ambiental - atendimento às recomendações para configuração e implantação do edifício e dos seus principais elementos, privilegiando a ventilação natural e o controle da radiação solar (tipo, dimensionamento, posição e proteção das aberturas, paredes, pisos e cobertura) e do ruído urbano. 3

4 Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera Tângari. EXERCÍCIO 2: ESTUDO PRELIMINAR Corresponde ao Estudo Preliminar de de implantação do conjunto de edificações de uso institucional, abrangendo a configuração inicial da proposta, que deve atender às principais exigências contidas no programa, de modo a possibilitar a clara compreensão de sua argumentação conceitual (conjunto edificado x entorno físico e social x contexto histórico). Deve ser apresentado COM nível suficiente de informações que possibilitem o pleno entendimento da solução proposta, bem como sua aprovação/revisão/correção previamente ao seu desenvolvimento e detalhamento no exercício final do módulo. O Estudo Preliminar deve ser desenvolvido pelos alunos A PARTIR DAS REFERÊNCIAS PROJETUAIS E DA SOLUÇÃO SELECIONADA NO EXERCÍCIO ANTERIOR e conter desenhos da implantação e da relação com o entorno, bem como do conjunto edificado e dos espaços livres internos ao conjunto, nas escalas compatíveis com os diferentes tipos de informações, a serem previamente definidas em sala. O produto dever ser apresentado em desenhos e textos em formato compatível e em maquetes, conforme descrito a seguir: 1. MEMORIAL JUSTIFICATIVO (a ser incluído nas pranchas gerais): Justificativa da solução de implantação volumétrica adotada, explicitando as idéias e os conceitos que orientaram a concepção do projeto. Explicitar também como a conceituação apóia-se nas pesquisas realizadas nos Módulos anteriores.; O memorial deve também conter a descrição e pré-dimensionamento do Programa de Necessidades, Ressaltar a relação do estudo da edificação com o entorno físico e social; Descrição preliminar da solução de sistema estrutural e processo construtivo selecionados em consonância com o partido de implantação volumétrica adotado; Na elaboração do memorial poderão ser utilizados, além dos textos, imagens, fotografias, croquis, diagramas, esquemas e desenhos diversos. IMPORTANTE: Estimula-se o uso farto de esquemas e croquis para ilustrar o memorial justificativo. 2. ESTUDO PRELIMINAR EM PRANCHAS a) Planta de situação (escala 1:250) Implantação do projeto no terreno indicando em especial, acessos, posição e orientação da(s) edificação(ões) principais elementos arquitetônicos e paisagísticos, recuos e afastamentos, cotas gerais do terreno, da edificação e os níveis principais; Indicar a taxa de ocupação aplicada (igual ou inferior a 50%) e os índices de permeabilidade do solo usado para o espaço não edificado (mínimo de 20%). b) Plantas baixas dos pavimentos e planta de cobertura (escala 1/250) 4

5 Solução espacial em plantas baixas do conjunto devem ser apresentadas em seus diversos níveis (térreo, pavimentos superiores, cobertura) com sua localização na quadra, devendo ser indicados os acessos, níveis, relação com o entorno, a localização, inter-relacionamento e dimensões de ambientes, acessos e circulações (horizontais e verticais); A planta baixa do nível térreo deverá incorporar as soluções de tratamento urbanístico e paisagístico dos espaços livres com a indicação de áreas pavimentadas e áreas não pavimentadas (canteiros e outros). c) Partido estrutural (escala 1:250) Solução espacial esquemática do partido estrutural selecionado para o conjunto de edificações tendo em vista a soluções arquitetônicas e os processos construtivos adotados, devendo ser indicados a localização dos elementos componentes do sistema estrutural e suas interferências com a arquitetura. d) Cortes gerais (escala 1/250) Mínimo de dois cortes, mostrando o volume da obra arquitetônica e suas relações com o do espaço livre e entorno, indicando os níveis, cotas, a localização dos ambientes, acessos e circulações, nos diversos pavimentos. e) Fachadas gerais (escala 1/250) Mínimo de duas fachadas, mostrando o tratamento externo das edificações indicando seus principais elementos, em especial o estudo esquemático dos vãos e das esquadrias. (f) Perspectivas gerais mostrando os aspectos gerais mais relevantes segundo os critérios do aluno. 3. MAQUETES VOLUMÉTRICAS: Na escala 1/500: maquete relativa ao conjunto edificado com indicação de aberturas, elementos externos e cobertura (inclusive reservatórios de água) e ao tratamento paisagístico adotado. Nesta etapa as maquetes devem ser usadas como recurso de concepção, ou seja, elas devem ser construídas e analisadas ao longo do desenvolvimento da etapa, complementadas por fotos digitais a serem inseridas no memorial. 5

6 Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera Tângari MÓDULO 3 EXERCÍCIO 3: ESTUDO PRELIMINAR DESENVOLVIDO A etapa 3 corresponde ao desenvolvimento pormenorizado do Estudo Preliminar de conjunto de edificações de uso institucional, de modo a possibilitar a compreensão da sua argumentação conceitual (conjunto edificado x entorno físico x contexto social), da sua adequação programática e da sua viabilidade construtiva, nas escalas compatíveis com os diferentes tipos de informações. O Estudo Preliminar revisado do projeto apresentado na etapa anterior deve incorporar a definição dos acessos, estacionamentos e tratamento paisagístico das áreas externas em escalas compatíveis. As pranchas devem ser elaboradas para apresentação e exposição final. Os desenhos da edificação, abrangendo a definição de partido e dos sistemas de estrutura e infra-estrutura, estudos de fachada, lay-outs internos, tratamento das áreas externas, etc..., deverão ser elaborados em formatos compatíveis com os dimensionamentos, de forma a tornar claras as representações do projeto. As pranchas desta etapa serão entregues escalas compatíveis e devem conter, minimamente: 1. MEMORIAL: justificando e descrevendo a solução global do projeto (arquitetura, sistema estrutural, sistema construtivo e paisagismo) relacionando-a com o Programa de Arquitetura, as características do terreno, as condições ambientais locais, a legislação edilícia, paisagística e urbanística pertinente e a outros fatores determinantes na definição do partido adotado (materiais e acabamentos dos revestimentos de pisos paredes e tetos, etc.). Deve ressaltar a relação do projeto com o entorno físico e social e reforçar a vinculação entre o partido e as referências projetuais adotadas, as visitas e revisitas a edificações de uso institucional existentes. O texto do memorial deve incluir também comentários sobre a escolha justificada do partido estrutural e processo construtivo adotados. Observação: na elaboração desta prancha podem ser utilizados textos escritos, imagens, fotografias, croquis, diagramas, esquemas e desenhos diversos. 2. SITUAÇÃO (escala 1/500): representando a posição do terreno no quarteirão e/ou no contexto urbano, indicando os nomes das ruas adjacentes, as cotas dos limites do terreno, a distância do terreno em relação à esquina mais próxima, e os principais marcos e elementos urbanos. 3. IMPLANTAÇÃO (escala 1/250): representando a implantação do conjunto e sua localização no terreno, indicando escala gráfica, acessos, posição e orientação da(s) edificação(ões), direção dos ventos dominantes e os principais elementos arquitetônicos e paisagísticos, recuos e afastamentos, cotas gerais do terreno, da edificação e os níveis principais. 4. PLANTAS BAIXAS DOS PAVIMENTOS (escala 1/125): representando a escala gráfica, a distribuição dos ambientes nos edifícios, designação e pré-dimensionamento dos ambientes, acessos e circulações (horizontais e verticais com indicação do sentido de subida), elementos de vedação (paredes, divisórias e esquadrias), níveis, pisos laváveis, equipamento fixo (sanitários, lavatórios mictórios, bancadas, armários e estantes), shafts e locais técnicos, soleiras, indicação de cortes e de visadas de perspectivas; indicação de vegetação arbustiva e arborização; mobiliário e equipamento urbano (bancos, lixeiras, floreiras, caixa de coleta de lixo e de correio, postes, telefones públicos, etc.). A planta deve ter as principais cotas, nomenclatura e as áreas dos compartimentos. 6

7 5. PLANTA DE COBERTURA (escala 1/125) representando a escala gráfica, os limites e superfícies de telhados/terraços, cumeeiras, rufos, calhas, gárgulas e buzinotes, caimentos, beirais e platibandas, elementos complementares (reservatórios de água, antenas, birutas, pára-raios, etc.), acessos, indicação de cortes. 6. ESQUEMA ESTRUTURAL (escala 1/125) demonstrando localização de elementos estruturais (pilares e paredes portantes), assim como marcação das vigas e definições estruturais de sustentação da cobertura. 7. CORTES GERAIS (escala 1/125) representando o volume da obra arquitetônica e suas relações com o projeto do espaço livre, indicando escala gráfica, níveis dos pisos, elementos estruturais (fundações, vigamento, lajes e pilares), vedações (paredes, divisórias e esquadrias), elementos da cobertura (telhado, pontaletes/tesouras, terças, caibros, calhas e rufos). 8. FACHADAS GERAIS (escala 1/125) representando a configuração externa da obra arquitetônica e indicando seus principais elementos, em especial o esquema das esquadrias e o acabamento e tratamento das superfícies (materiais, texturas e cores). 9. PRANCHA DE DETALHAMENTO: Detalhar um ambiente ou elemento construtivo a ser negociado pelo aluno com o professor, além de detalhes construtivos de cobertura e esquadrias 10. LAY OUT: Indicação de algumas possibilidades de arranjos (lay-out) das salas de aula (1:50) 11. PERSPECTIVAS GERAIS E PARCIAIS, INTERNAS E EXTERNAS, ressaltando os aspectos gerais e particulares mais relevantes segundo os critérios do aluno. 12. MAQUETE DETALHADA (escala 1/250): de arquitetura e paisagismo com indicação de cores e dos principais elementos externos, a ser inserida na maquete da área/entorno de uso geral da turma. 7

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007 Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: Cristiane

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (5,0 pontos)

Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (5,0 pontos) Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (5,0 pontos) Está sendo apresentado, abaixo, um estudo para uma residência unifamiliar (planta baixa, planta de situação e cobertura, além de perspectiva).

Leia mais

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 Aula 1 Componentes de uma PBA Apresentação da turma Introdução

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio.

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio. MEMORIAL DESCRITIVO O anteprojeto em questão, referente à instalação da Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia da Paraíba em Campina Grande, surge no contexto atual das

Leia mais

CASA VARANDA. Implantação e Partido Formal

CASA VARANDA. Implantação e Partido Formal CASA VARANDA Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2008 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura Autoras: Cristina Piccoli e Natasha Oltramari Implantação e Partido Formal A Casa Varanda é um refúgio de 140,40

Leia mais

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 14/05/2015 1 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015 Avaliação: o Conceitos de projeto (I: 50%, II: 50% e para Exame: 30%) o Representação gráfica

Leia mais

Residência Rua Vicente Racioppi. Arquiteto Joel Campolina

Residência Rua Vicente Racioppi. Arquiteto Joel Campolina Residência Rua Vicente Racioppi Arquiteto Joel Campolina Depoimento do Arquiteto Primeiros croquis e estudos Evolução até o anteprojeto aprovado Interfaces com os projetos complementares A evolução até

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 2 MUNICIPIO: DATA DA VISITA: DIA MÊS ANO HORA 00:00 3 4. LOTE LOJA 4 4.1 RESPONSAVEL: TIPO DE LOCALIZAÇÃO SITUAÇÃO INSERIR O NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO GALPÃO LOJA EM SHOPPING ENDEREÇO INSERIR ENDEREÇO

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Oficina Temática de Habitação Verticalizada CÓDIGO: PRJ 061 CLASSIFICAÇÃO: Optativa PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Projeto Paisagísti PLANO DE AULAS, CRONOGRAMA, ENTREGAS e EXERCÍCIOS 2º S Projeto Paisagístico 1

Projeto Paisagísti PLANO DE AULAS, CRONOGRAMA, ENTREGAS e EXERCÍCIOS 2º S Projeto Paisagístico 1 Projeto Paisagísti PLANO DE AULAS, CRONOGRAMA, ENTREGAS e EXERCÍCIOS 2º S Projeto Paisagístico 1 PLANO DE AULAS, CRONOGRAMA, ENTREGA E EXERCÍCIOS 2º semestre de 2008 [1] PP1 Projeto Paisagístico 1 PLANO

Leia mais

OS SENTIDOS. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G.

OS SENTIDOS. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G. Universidade de Caxias do Sul Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina de Projeto Arquitetônico IV Professor Julio Ariel G. Norro PARTIDO GERAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL OS SENTIDOS Acadêmicas: Laura Sirianni

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR Questão 1: O desenho possibilita a representação dos objetos. Por meio dos desenhos temos a construção de ideias. No caso da arquitetura, o desenho consiste: a) na representação exata da planta alta e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ Sumário A. DESCRIÇÃO DO PROJETO... 4 1. DO OBJETO... 4 1.1. PROJETO ARQUITETÔNICO... 4 1.2.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte.

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte. 52.(UEAP/FGV/2014) Segundo Neves (1989), as informações básicas conceituais são o embasamento sobre o qual se assentam todas as ideias do partido arquitetônico e podem ser sintetizadas em cinco tópicos,

Leia mais

SEM CONCORRÊNCIA. VOCÊ NO TOPO.

SEM CONCORRÊNCIA. VOCÊ NO TOPO. IMAGENS ILUSTRATIVAS SEM CONCORRÊNCIA. VOCÊ NO TOPO. Sabe aquela sensação de conquista? Aquele gostinho da vitória? Sentimentos como esses são inesquecíveis. O reconhecimento é algo realmente especial.

Leia mais

RESIDÊNCIA MDT. Implantação e Partido Formal

RESIDÊNCIA MDT. Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA MDT Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Jacobsen Arquitetura Autores: Rafael Susin Baumann, Cristina Piccoli e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal Casa MDT está localizada no

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional : Técnica

Leia mais

(A) I, III e IV. (B) II, III e IV. (C) I e IV. (D) I, II e III. (E) I, II, III e IV.

(A) I, III e IV. (B) II, III e IV. (C) I e IV. (D) I, II e III. (E) I, II, III e IV. Técnico de Laboratório / Área: Engenharia Civil/Projetos ==Questão 26==================== Analise a perspectiva isométrica apresentada abaixo: Assinale a alternativa que contém as vistas ortográficas correspondentes:

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

Leia mais

ESCOLAS: Estratégias de Projeto

ESCOLAS: Estratégias de Projeto ESCOLAS: Estratégias de Projeto ESTRUTURA FUNCIONAL DO EDIFÍCIO TIPOLOGIAS USUAIS LINEAR Espaços organizados a partir de um grande eixo de circulação. Facilidade de ampliação e orientação frente à radiação

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO 283 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EM PROJETOS DA PAISAGEM: A REABILITAÇÃO ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA DO PARQUE FIGUEIRAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO Priscila Oyan Sotto, Hélio Hirao, Neide Faccio Barrocá. Curso

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ Sumário A. DESCRIÇÃO DO PROJETO... 4 1. DO OBJETO...

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

maxplaza O novo destino de Canoas.

maxplaza O novo destino de Canoas. visite o plantão de vendas e o apto. decorado Av. Getúlio Vargas, 4.831 - Canoas. Incorporação e construção: maxplaza O novo destino de Canoas. As unidades serão comercializadas apenas após o registro

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES DESENHO DE ARQUITETURA CORTES CORTES são representações de vistas ortográficas seccionais do tipo corte, obtidas quando passamos por uma construção um plano de corte e projeção VERTICAL, normalmente paralelo

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO

INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO Vivian Delatorre 1, Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Este artigo trata do tema integração entre

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: PROJETO II Código: ARQ020 Pré-requisito: PROJETO II Período

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO CONT 05 A 08_10_11_14 A 19 e CT 10 CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO/MÓDULO HABITACIONAL

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 05 (CINCO) ANOS LETIVOS MÍNIMO: 05 (CINCO) ANOS LETIVOS A) TEMPO TOTAL:

Leia mais

31/10/2013. - De superfícies planas. - De superfícies curvas. A forma dos telhados está relacionada com o número de águas que o mesmo possui...

31/10/2013. - De superfícies planas. - De superfícies curvas. A forma dos telhados está relacionada com o número de águas que o mesmo possui... 1 2 COBERTURAS A cobertura é a parte superior da construção que serve de proteção contra o sol, a chuva, os ventos etc. São classificadas segundo os sistemas construtivos e materiais utilizados. TELHADO.

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE

ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO. Formulário para obtenção do QUALIVERDE ANEXO II PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO Formulário para obtenção do QUALIVERDE Local da obra Nome do proprietário ou requerente RA Nome do autor do projeto (PRPA)

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS J u n 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este documento normatiza a apresentação de projetos técnicos, em suas diferentes especializações e etapas com objetivo de gerar documentos completos necessários à contratação

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

Lendo o Manual de Diretrizes de projeto e olhando as imagens do google, me deparei com algumas duvidas iniciais.

Lendo o Manual de Diretrizes de projeto e olhando as imagens do google, me deparei com algumas duvidas iniciais. CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ARQUITETURA PROJETO DE ARQUITETURA DE ADAPTAÇÃO DO EDIFÍCIO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP PRIMEIRO BLOCO DE CONSULTAS CONSULTA 01 Lendo

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

Parque do Engenho Central e Mirante 2002

Parque do Engenho Central e Mirante 2002 Anexo 1.34 Parque do Engenho Central e Mirante 2002 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Maurice Allain, 454, Vila Rezende, Piracicaba SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: final da década

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

nada é referência por acaso. corporate&offices

nada é referência por acaso. corporate&offices lançamento Um produto Melnick Even corporate&offices nada é referência por acaso. A Melnick Even usou toda sua expertise para trazer à rua Anita Garibaldi um empreendimento comercial pensado cuidadosamente

Leia mais

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Construção Institucional Sede Administrativa Proprietário: FENACLUBES Federação Nacional dos Clubes Esportivos Endereço da Obra: Rua Açaí 540 Jardim

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 20140818112605155 Projeto: REVITALIZAÇÃO DA SEDE E FORTALECIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO A VISITAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO, EM SANTA MARIA MADALENA. Protocolo nº: 20140818112605155

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO O objeto desta licitação é a recuperação, requalificação e manutenção da área, hoje degradada, na Avenida Rio de Janeiro, sob o viaduto Elevado de conexão da Via Perimetral

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo

Metodologia. Etapas do Projeto de Paisagismo Metodologia Etapas do Projeto de Paisagismo Etapa de Levantamentos, Análise e Diagnóstico Aspectos históricos Morfologia do sítio Relações urbanas Aspectos climáticos Caracterização demográfica Elementos

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2010 PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União

Leia mais

Seminário de Tecnologia da Construção & Arquitetura

Seminário de Tecnologia da Construção & Arquitetura CONCURSO PÚBLICO DE ESTUDANTES BAHIA: PROJETO DE EDIFICAÇÃO PARA O PMCMV - SELO CASA AZUL TECNOLOGIAS DA CONSTRUÇÃO E ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA Agosto 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETO 2.1 Terreno

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO. IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró

EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO. IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO CONCURSO DE IDEIAS InovAÇÃO: Concurso Fachada da UnP do Campus Mossoró IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró 1. APRESENTAÇÃO A Universidade

Leia mais

Palácio da Inconfidência: Projeto original perspectiva externa. Palácio da Inconfidência: croqui sistema estrutural Fonte: Revista Acrópole nº 283

Palácio da Inconfidência: Projeto original perspectiva externa. Palácio da Inconfidência: croqui sistema estrutural Fonte: Revista Acrópole nº 283 O grande hall interno pretendia dar continuidade à praça externa para o visitante que seguia para o plenário. No memorial do projeto publicado pela Revista Acrópole nº 283, os arquitetos afirmaram que

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SEDE SESC-DF CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SUMÁRIO 1. OBJETIVO...03 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA: GRAFICAÇÃO EM AUTO-CAD 2013...03 3. OBSERVAÇÕES

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho

É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho chalés Refugiado na mata É neste pequeno e muito charmoso chalé abraçado pela natureza que o proprietário descansa e recarrega as energias para voltar ao trabalho Texto: Daniella Grinbergas Fotos: Pedro

Leia mais

Cronograma das Aulas do Curso Revit Structure (260h):

Cronograma das Aulas do Curso Revit Structure (260h): Para adquirir esse Combo agora e garantir seus estudos, acesse o site abaixo: http://www.escoladesoftware.com.br/combo-cursos-revitarquitetura-revit-structure-robot Cronograma das Aulas do Curso Revit

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

HOTEL PAINEIRAS Paineiras Hotel Rio de Janeiro - RJ - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br

HOTEL PAINEIRAS Paineiras Hotel Rio de Janeiro - RJ - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br HOTEL PAINEIRAS Paineiras Hotel Rio de Janeiro - RJ - 2009 11 3159 1970 MEMORIAL Um novo corpo: uma restauração também significa dar uma nova imagem ao edificio. Eduardo Souto de Moura A privilegiada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES PAX_PERDIZES é composto por 1 torre residencial com 8 pavimentos com 4 unidades cada. As vagas de estacionamento estão distribuídas em 2 subsolos. O acesso ao Empreendimento

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

O que é ter mais vida no trabalho?

O que é ter mais vida no trabalho? O que é ter mais vida no trabalho? breve lançamento é investir para realizar. parque avenida - negócios & convivência. Parque avenida negócios & convivência. complexo comercial de lojas E salas com vagas

Leia mais

UNIFEOB. Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIFEOB. Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIFEOB Centro Universitário da Fundação de Ensino Octávio Bastos PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSOR MARINA APARECIDA DE MELO ANDRADE SÃO JOÃO

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

Foto da Praça Pôr do Sol. Você entre os 10.

Foto da Praça Pôr do Sol. Você entre os 10. Foto da Praça Pôr do Sol Você entre os 10. Imagem ilustrativa O Belavistta Reserva da Praça é um lugar único e certamente se tornará referência em toda a cidade. Com apenas 10 apartamentos, em um dos últimos

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo Teoria do Urbanismo II Professora Nirce Saffer Medvedovski RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO. Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales

IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO. Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales 1 INTRODUÇÃO: COMPETITIVIDADE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO crescimento da concorrência entre

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

MMBB CASA E ESTÚDIO NA VILA ROMANA

MMBB CASA E ESTÚDIO NA VILA ROMANA CASA E ESTÚDIO NA VILA ROMANA MMBB Esse projeto foi desenvolvido para um artista plástico com um duplo programa: casa e estúdio, a serem resolvidos espacialmente juntos e funcionalmente separados. Foi

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

ATELIÊ DE ARQUITETURA II PROJETO DE ESCOLA. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

ATELIÊ DE ARQUITETURA II PROJETO DE ESCOLA. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com CARACTERIZAÇÃO DA DISCIPLINA: AdisciplinadeProjeto de ArquiteturaII dácontinuidade aoprocesso deaprendizado iniciado em Projeto de Arquitetura I, caracterizando o Projeto de Arquitetura como um processo

Leia mais