DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (PID) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA534

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (PID) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA534"

Transcrição

1 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Nome do projeto Região País Setor(es) Instrumento de crédito Número do projeto Mutuário(s) Entidade executora Categoria ambiental DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (PID) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA534 Projeto de Assistência Técnica para Fortalecimento da Gestão do Setor Público no Rio de Janeiro (P127245) AMÉRICA LATINA E CARIBE Brasil Administração do governo subnacional (40%); Ensino fundamental (20%); Saúde (20%), Administração pública Outros serviços sociais (20%) Empréstimo de Assistência Técnica P Município do Rio de Janeiro Secretaria Municipal da Fazenda C Não obrigatória Data de elaboração do PID 20 de novembro de 2012 Data estimada de conclusão da avaliação Data estimada de aprovação pela Diretoria Executiva Decisão Outras decisões I. Contexto do projeto Contexto do país 28 de fevereiro de O Município do Rio de Janeiro (MRJ), com apoio do Banco Mundial por meio do Empréstimo para Políticas de Desenvolvimento (DPL): Consolidação Fiscal para a Eficiência e o Crescimento, implementou várias reformas de política desde 2009 (Caixa 1). Essas reformas habilitaram o município a adotar práticas modernas, como a nota fiscal eletrônica, a gestão baseada em resultados e instalações de saúde administradas com arranjos mais flexíveis. Além disso, o Município implementou algumas medidas inovadoras, como o estabelecimento de clínicas de saúde da família e a adoção das medidas iniciais de um marco de gastos de médio prazo e de um sistema de gestão do investimento público (PIM). 2. Com base naquela operação, este Projeto visa a ajudar o Município do Rio de Janeiro a: i) consolidar as inovações já adotadas; ii) apoiar as próximas medidas da agenda de reforma e iii) abordar os desafios restantes, especialmente os multissetoriais que impedem o melhoramento da gestão fiscal e pública e a prestação de serviços. Embora tenha havido um avanço significativo nos últimos anos, permanece o desafio de promover maior eficiência na alocação de recursos, assim como eficiência operacional. Do mesmo modo, inovações na prestação de serviços, tanto em políticas setoriais (saúde e educação) como mediante o uso de um enfoque territorial (áreas de UPP), melhoraram muito a prestação de serviços e

2 permitiram que o governo beneficiasse partes da população anteriormente excluídas. Contudo, permanecem desafios quanto a uma maior integração e aumento da eficiência dos serviços, bem como ao monitoramento e avaliação do impacto das políticas públicas. Por fim, seguindo o exemplo do DPL, a operação proposta apoiará e explorará complementaridades entre as políticas estaduais e municipais, promovendo a integração e coordenação entre os dois níveis de governo. 3. Este projeto está estruturado em torno de quatro componentes e seis subcomponentes, que compartilham vínculos e uma cadeia de apoio causal. A Figura 1 ilustra os vínculos entre os diversos componentes e subcomponentes. Também ilustra o caráter multissetorial das atividades destinadas a melhorar o monitoramento e avaliação de impacto (M&AI) e a gestão fiscal e do setor público. Essas atividades estão previstas nas áreas de prestação de serviços públicos em saúde e educação, nas áreas das UPPs, bem como em gestão ambiental. O objetivo final é ajudar a consolidar o progresso registrado nos últimos anos na agenda de reformas setoriais (subcomponentes 2.1, 2.2, 3.1, 4.1 e 4.2) e, ao mesmo tempo, aproveitar os benefícios da melhoria da gestão fiscal e do setor público, assim como da maior capacidade de monitoramento e avaliação (Componente 1 e subcomponente 3.2). 4. Em suma, o Projeto ajudaria a melhorar diretamente as políticas setoriais mediante os subcomponentes 2.1, 2.2, 3.1 e 4, e indiretamente mediante melhorias multissetoriais na gestão fiscal e do setor público, bem como na capacidade de monitoramento e avaliação de impacto. Por exemplo, a Secretaria de Educação (SME) avançou bastante na avaliação da aprendizagem, gerando dados cujo potencial ainda não foi plenamente utilizado. O Projeto ajudaria a melhorar a capacidade do Município de analisar esses dados para embasar as decisões sobre a política educacional e o orçamento. O Projeto também apoiaria a avaliação das políticas de saúde, as quais ora são insuficientes, com vistas a melhorar sua formulação e a capacidade de gerar resultados. Do mesmo modo, no caso do programa UPP Social, o subcomponente de M&AI proporcionaria evidências para embasar não só os esforços do município para melhorar a qualidade dos serviços nas favelas pacificadas, mas também a coordenação territorial das políticas setoriais nessas áreas. Caixa 1. Empréstimo para Políticas de Desenvolvimento: Consolidação Fiscal para a Eficiência e o Crescimento (P111665) O objetivo do DPL P era ajudar o Município do Rio de Janeiro a criar espaço fiscal a ser usado para investimentos visando à melhoria da qualidade e eficiência dos serviços públicos, sobretudo nas áreas mais pobres, por meio de programas inovadores nas áreas da saúde, educação e desenvolvimento do setor privado. Outros investimentos fortaleceriam a estrutura institucional para a prestação de serviços eficientes através da implementação de um marco de gastos de médio prazo e da gestão baseada em resultados no setor público, bem como de parcerias público-privadas com o setor privado. O empréstimo apoiou medidas de política nas seguintes áreas: # Criação de espaço fiscal para ampliar os investimentos públicos por meio da melhoria da arrecadação e racionalização das despesas previdenciárias; # Reforma da prestação dos serviços públicos mediante: a) melhoria dos procedimentos do governo para o registro de empresas; b) maior acesso a serviços de saúde familiar e emergenciais de qualidade e c) melhoria do desenvolvimento da primeira infância de crianças pobres, escolas fundamentais de melhor qualidade em áreas de favelas com alto índice de conflitos e avanço dos resultados do aprendizado em todo o sistema educacional; # Fortalecimento da estrutura institucional para a prestação de serviços com eficiência mediante: a) implementação, no setor público, de um cenário fiscal de médio prazo e de ferramentas para a gestão baseada em resultados e b) criação da estrutura institucional para que parcerias público privadas (PPPs) invistam em projetos de infraestrutura e serviços juntamente com o setor privado. 5. Localizada na região Sudeste, a cidade do Rio de Janeiro é a segunda maior do país em população e

3 contribuição para o PIB. A população do Rio era de aproximadamente 6,4 milhões em 2011 e o seu PIB chegava a R$ 175 bilhões (US$ 88 bilhões) em O governo municipal é comparável em tamanho ao de um Estado ou de um país pequeno. A cidade tem o dobro do tamanho do Uruguai em termos de população e PIB, e o seu orçamento é o décimo maior do Brasil. 6. Apesar de seu grande PIB, o Rio é marcado por desigualdades sociais e econômicas. Os pobres compreendem cerca de 10% da população e a desigualdade de renda, medida pelo índice de Gini, é mais alta do que a do país como um todo: 0,5764 contra 0,5486. Embora mais de dois terços dos pobres vivam fora das áreas normalmente caracterizadas como assentamentos informais, as chamadas favelas, é certo que os índices de pobreza são mais elevados e que a cobertura dos serviços básicos é menor nas favelas. Por exemplo, o índice de pobreza é de 15%, enquanto, nas áreas fora das favelas, é de 9,4%. 7. As condições sociais no Rio resultam parcialmente de um longo período de declínio da economia. A transferência da capital do país para Brasília em 1960 eliminou um dos principais motores da economia da cidade. À semelhança de outras regiões do Brasil, o Rio passou então a sofrer com a estagnação econômica iniciada em 1973 com a crise do petróleo, cenário esse que persistiu em virtude da crise da dívida na década de 1980 e dos diferentes percalços da economia interna. Mas o Rio saiu-se pior do que a maioria. Enquanto cidades como São Paulo, Recife e Brasília continuaram a crescer, a economia carioca encolheu a uma taxa anual de 1,1% entre 1985 e Em consequência, os níveis de emprego no setor formal estagnaram e os índices de pobreza não recuaram no mesmo ritmo que no restante do Brasil. 8. As finanças da cidade também sofreram, mas durante a última década buscou-se um ajuste fiscal. Após a incessante deterioração fiscal durante a década de 1990, o Rio de Janeiro envidou um forte esforço de ajuste fiscal na última década. Isso foi feito mediante o cumprimento dos rígidos controles de endividamento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e também devido ao alívio da dívida concedido pelo Governo Federal a todos os municípios em Infelizmente, esse ajuste fiscal foi conseguido à custa da redução dos investimentos. Na verdade, a necessidade de um ajuste fiscal e a considerável rigidez das despesas reduziram a parcela dos investimentos no total dos gastos, de 11% em para 8,3% entre 2004 e Entre 2005 e 2009, a atividade econômica no Rio teve um crescimento significativo, embora a um nível inferior ao notado nas demais capitais brasileiras. O Rio cresceu em média 10,5% em termos nominais, enquanto Fortaleza cresceu 12,2% e Brasília e Belo Horizonte, 11,4%. Esse crescimento foi liderado pelo setor de serviços, uma vez que a indústria cresceu em média 0,7% em termos reais no mesmo período. De fato, as vendas no varejo no município têm aumentado sistematicamente desde 2005, acumulando um crescimento real de 36% de 2005 a As reformas ganharam impulso e o Município do Rio está bem posicionado para consolidar e levar à frente suas políticas. Reformas fiscais e a utilização de parcerias público-privadas (PPP) permitiram ao Governo estimular os investimentos públicos. As políticas educacionais e de saúde já estão se refletindo na melhoria dos resultados das provas e dos indicadores relacionados à saúde. Esse progresso e seu impacto sobre o bem-estar da população criaram as condições para levar à frente a agenda de políticas apoiada. II. Contexto setorial e institucional Gestão fiscal e do investimento público 11. O Rio alcançou certa consolidação fiscal, mas ainda há desafios na frente fiscal. De forma a manter seu programa de gastos e investimentos, o Rio deverá melhorar a qualidade dos gastos e mudar o foco da gestão fiscal do curto para o médio prazo. Ademais, assegurar a eficiência das alocações e operações será

4 crucial para aumentar a eficácia da prestação de serviços. No Brasil, as cidades são os principais prestadores de serviços públicos essenciais, fazendo delas fatores cruciais para o sucesso do país na promoção do crescimento, redução da pobreza e garantia de que todos os cidadãos recebam serviços de boa qualidade. 12. Após implementar medidas restritivas para lidar com os efeitos da crise, o Município do Rio implementou sua estratégia de longo prazo. Logo após o início do seu mandato em 2009, o governo da cidade cortou gastos correntes, congelou temporariamente os investimentos e lançou um esforço para melhorar a administração de impostos e, assim, mitigar os efeitos da crise. Ao mesmo tempo, a cidade formulou uma estratégia de desenvolvimento de longo prazo. A estratégia inclui: a) gerar espaço fiscal para investimentos; b) melhorar a qualidade dos serviços sociais, principalmente em áreas de baixa renda e c) modernizar os processos internos da cidade. Nas áreas de gestão fiscal e do setor público, os principais desafios eram: i) um fraco sistema de planejamento e preparação do orçamento que carecia de foco estratégico nas prioridades; ii) um fraco sistema de gestão que não alocava os gastos públicos com eficiência nem monitorava adequadamente o andamento da implementação dos projetos estratégicos do Município e iii) o fato de que as informações sobre o desempenho no planejamento e orçamento não eram usadas de forma sistemática, o que prejudicou as tentativas de melhorar a qualidade da prestação de serviços. 13. Desde 2009, o Município do Rio vem empreendendo reformas para melhorar as práticas de planejamento, preparação do orçamento e monitoramento, a fim de aumentar a eficiência operacional e na alocação de recursos. A cidade vem desenvolvendo um quadro para aumentar a eficiência da prestação de serviços com a adoção da gestão baseada em resultados e as primeiras medidas rumo à implementação de um Modelo de Gasto de Médio Prazo (MGMP). Contudo, esse processo exigirá um trabalho ao longo dos ciclos orçamentários para consolidar práticas melhores de gestão fiscal e aumentar o foco na gestão fiscal de médio prazo. Com vistas ao futuro, o município decidiu concentrar-se numa melhor coordenação entre os fluxos de informação descendentes e ascendentes: por um lado, restrições macroeconômicas e prioridades do governo; por outro, estimativas dos custos, benefícios e desempenho dos gastos atuais e futuros. Além disso, será dada atenção à seleção de investimentos, fortalecendo os procedimentos introduzidos para a escolha dos projetos e reforçando a capacidade para prepará-los e avaliá-los. Prestação de serviços Saúde 14. Os resultados de saúde no Município do Rio de Janeiro não correspondem ao nível de desenvolvimento econômico da cidade. Sistemas precários de atenção primária e referência levaram ao uso excessivo das salas de emergência dos hospitais, ao congestionamento em instalações públicas e a resultados em termos de saúde mais fracos do que o previsto. Durante muitos anos, a implementação da Estratégia de Saúde Familiar foi lenta, apesar do financiamento e incentivos federais. Contudo, nos últimos anos, o município fez avanços significativos na melhoria do desempenho do sistema de saúde, incorporando um aspecto de gênero. Houve uma rápida expansão das Clínicas de Saúde Familiar, um enfoque inovador à organização da atenção primária à saúde. A cobertura, agora em cerca de 30%, deverá continuar a se expandir nos próximos anos. A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil (SMSDC) também estabeleceu uma série de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que oferecem serviços de atenção primária e secundária e têm como objetivo ampliar o acesso à saúde por parte dos grupos populacionais mal atendidos e reduzir a pressão sobre as emergências dos hospitais. 15. Apesar desses avanços, o município continua a enfrentar desafios significativos. O sistema de atenção primária à saúde, ora em expansão, tem potencial para ampliar de forma considerável o acesso e a coordenação da atenção e reduzir pressões sobre as emergências dos hospitais, melhorando a alocação de recursos por meio da opção de tratamento com a melhor relação custo benefício para cada paciente.

5 Contudo, devido a deficiências no sistema de referência, esse potencial está longe de ser realizado. Além disso, cresce a demanda por informações para que se possa gerir com eficácia um sistema de saúde municipal cada vez mais complexo, e a SMSDC está buscando estabelecer sistemas e procedimentos para consolidar e analisar as informações relacionadas aos recursos e desempenho do sistema, além de fazer estudos para embasar as políticas em áreas estratégicas. Educação 16. O desempenho das escolas do Rio, medido pelo nível de escolaridade dos alunos, repetência e índice de evasão escolar no ensino fundamental, está acima da média dos sistemas educacionais municipais do País. Contudo, o Rio fica atrás de outros grandes sistemas de escolas públicas comparáveis no Sudeste e Sul do Brasil. Contando as instituições de ensino municipais, estaduais e as particulares, existem vagas para todos no ensino fundamental; contudo, a cobertura da pré-escola, responsabilidade exclusiva do Município, é limitada e muitas crianças não conseguem vaga nas creches existentes. 17. O governo fez um abrangente estudo que identificou três desafios centrais para a educação: a) fraco desempenho dos alunos em termos de aprendizado, como comprovaram as notas baixas em português e matemática em exames padronizados; b) dificuldades extraordinárias enfrentadas pelas escolas em áreas com índice de criminalidade elevado e c) demanda não atendida por vagas na pré-escola e em creches. Com base nos resultados do estudo, a Secretaria Municipal de Educação (SME) teve uma atuação impressionante ao formular e implementar novas iniciativas nas três áreas: i) esforços para melhorar os resultados de aprendizado dos alunos foram direcionados para o fortalecimento da alfabetização nas classes iniciais e para o reforço dos alunos mais velhos com rendimento fraco; ii) programas educacionais inovadores foram implementados em áreas de alto risco, levando à redução dos índices de evasão e iii) foi estabelecido um novo modelo de serviços integrados de desenvolvimento infantil e pré-escolas. Finalmente, foram adotados programas de capacitação de professores e um sistema de pagamento conforme o desempenho. Governança social e monitoramento e avaliação Governança social 18. Programa UPP Social: integração das favelas ao resto da cidade. Nos últimos 25 anos, o Rio foi uma cidade dividida entre as favelas, onde a maior parte das organizações criminosas substituiu o Estado, inclusive na prestação de serviços, e o asfalto, onde os cidadãos viviam em bairros com ruas pavimentadas, infraestrutura básica e serviços e a presença normal do Estado. Em dezembro de 2008, o Governo do Estado lançou uma iniciativa para recuperar o controle desses territórios através das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), estabelecendo uma força policial em tempo integral e bem treinada para manter a paz dentro das comunidades após a expulsão dos traficantes. 19. Após conter a ameaça da violência, os governos estadual e municipal priorizaram o fechamento das brechas entre as favelas e o resto da cidade. O UPP Social é o principal programa administrado pelo Município visando a promover essa integração. Ele funciona de forma independente do Programa das UPPs. Seu principal objetivo é facilitar a coordenação territorial e o monitoramento de serviços e programas do governo, setor privado e sociedade civil. Hoje existem 23 UPPs na cidade, todas elas com UPP Social, beneficiando quase pessoas. As UPPs Sociais devem estar presentes em 34 territórios até 2013, chegando a aproximadamente 40 até o fim de 2014, com quase beneficiários. 20. O programa segue um processo de três etapas, as quais se baseiam em uma abordagem participativa e no envolvimento constante com as comunidades locais. A fase de pré-implementação começa após a UPP tomar o território e a UPP Social entrar com um grupo de coordenadores locais para avaliar as necessidades mais prementes. Esse processo é seguido por um exercício de Mapeamento Rápido Participativo, que

6 oferece uma avaliação socioeconômica de cada favela. Com base nesse diagnóstico inicial, uma equipe de coordenadores locais do Programa UPP Social se transforma no mediador entre as comunidades, o governo e os outros prestadores de serviços. Com base em dados concretos, assim como no diagnóstico participativo e na priorização, o UPP Social desenvolve e monitora a implementação de um plano de integração local em cada favela, identificando os compromissos básicos assumidos por cada parte. 21. O programa UPP Social é um exemplo de tentativa, por parte do Rio, de adotar uma abordagem inovadora e integrada à política pública, buscando promover a coordenação entre os governos e as partes interessadas, como a sociedade civil e o setor privado. O sucesso do programa dependerá da capacidade do Instituto Pereira Passos (IPP), o órgão encarregado da sua coordenação. O IPP não é por si só um prestador de serviços públicos, porém, por meio do UPP Social, é responsável por ajudar os encarregados dos serviços municipais a ajustar as suas técnicas de prestação de serviço às áreas das UPP e suprir as suas demandas específicas. Na posição de líder legítimo do processo como um todo, o principal desafio dessa instituição será granjear o apoio de outros atores envolvidos. 22. O Banco pode desempenhar um papel fundamental no fortalecimento desses esforços de articulação e coordenação ao atuar como um convocador neutro. Por exemplo, a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) também conta com equipes locais trabalhando nos territórios e tem uma agenda social de prevenção da criminalidade e da violência voltada, acima de tudo, para os jovens, as mulheres e os direitos humanos. Apesar dos seus diferentes mandatos previstos em lei, há casos de sobreposição dessas intervenções e do trabalho das UPPs Sociais, além de uma falta de coordenação sistemática entre esses dois entes. O Banco está bem posicionado para desempenhar esse papel em virtude do atual envolvimento com o Governo do Estado. A equipe também trabalharia em coordenação com o BID, que está implementando um projeto em apoio às intervenções da SEASDH envolvendo jovens nas favelas pacificadas. Monitoramento e avaliação (M&A) 23. Desde 2009, a cidade vem desenvolvendo um marco para aumentar a eficiência na prestação de serviços no setor público por meio da adoção de ferramentas de gestão baseada em resultados. A adoção desse enfoque foi liderada pela Secretaria da Casa Civil (CVL) com apoio substancial do IPP e abrangeu a definição de prioridades governamentais e importantes indicadores e metas de monitoramento; a introdução de procedimentos de gestão do projeto e a assinatura de acordos de desempenho entre o Prefeito e os Secretários Municipais. Além desse importante esforço de monitoramento e gestão na CVL, várias secretarias municipais vêm fazendo uma série de atividades de avaliação destinadas a gerar dados para embasar as políticas municipais e, assim, fortalecer uma cultura de formulação de políticas com base em evidências. 24. Nos dois últimos anos, cresceu a conscientização sobre a melhoria do monitoramento e avaliação dos programas do governo no Município e aumentou demanda nesse sentido. O IPP assumiu um papel central nesse processo e vem prestando apoio aos setores na melhoria da formulação, implementação e monitoramento de políticas públicas. Como parte desse trabalho, o IPP vem ajudando os setores na identificação e organização dos dados pertinentes. Assumindo um papel de liderança no processo de fortalecimento das atividades de monitoramento, a pedido da CVL, o IPP está planejando desenvolver uma pesquisa a domicílio para coletar dados primários representativos das subdivisões regionais da cidade, de modo a melhorar o monitoramento e avaliação do impacto dos programas do Governo. Como parte da estratégia para proporcionar à cidade um sistema de M&AI eficaz, o IPP também planeja trabalhar com os setores e desenvolver atividades de fortalecimento da capacidade de gestão baseada em resultados e fazer avaliações de impacto.

7 Gestão ambiental 25. A cidade do Rio de Janeiro foi uma das primeiras no Brasil a identificar a necessidade de desenvolver políticas municipais para enfrentar a mudança climática. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC) está liderando a coordenação de uma ampla gama de medidas de mitigação e adaptação à mudança climática. Além dessas iniciativas, o Município se concentrou no estabelecimento de um marco para enfrentar a mudança climática no nível municipal. Em janeiro de 2011, esse enfoque estratégico culminou na aprovação da Política Municipal para a Mudança Climática e Desenvolvimento Sustentável, uma lei que estabelece metas municipais de redução dos gases de efeito estufa (GEE) de 8%, 16% e 20% até 2012, 2016 e 2020, respectivamente, em comparação com o nível de emissões de A lei de mudança climática fornece a base legal para estabelecer estratégias e promover medidas eficazes para assegurar a consecução das metas de redução das emissões. Uma das diretrizes da lei é encorajar atualizações no inventário de emissões a cada quatro anos a fim de avaliar as emissões de GEE da cidade. Isso implica que o município deverá atualizar o inventário do ano-base de 2005 em 2012, 2016 e Além disso, a fim de demonstrar que foram evitadas 20% das emissões com respeito ao ano-base 2005, o Município terá que monitorar e medir as emissões evitadas no caso de cada medida de mitigação implementada e compará-las com as emissões previstas na hipótese de a situação permanecer como está. 27. O Município vem trabalhando em parceria com o Banco, a COPPE-UFRJ e o World Resources Institute (WRI) no desenvolvimento de uma estratégia de monitoramento dos GEE. Os objetivos são: i) estabelecer o banco de dados climáticos do Rio, que será um depósito para os dados sobre GEE da cidade e ii) implementar uma metodologia para compilar e processar dados de emissores de GEE periodicamente, permitindo que o Rio atualize anualmente seu inventário de GEE. Esse banco de dados e a capacidade de coletar e monitorar regularmente as emissões de GEE permitirão que a cidade monitore e informe seu progresso no cumprimento das metas de redução das emissões de GEE, conforme exigido por lei. III. Objetivos de desenvolvimento do projeto O objetivo de desenvolvimento do projeto proposto é apoiar o fortalecimento da capacidade institucional do Município do Rio de Janeiro para ampliar a prestação de serviços públicos, sobretudo em saúde, educação e gestão ambiental. IV. Descrição do projeto Nome do componente Melhoria da gestão fiscal e do investimento público no médio prazo Inovação na prestação de serviços Fortalecimento da governança social e monitoramento e avaliação Inovações na gestão ambiental Contingências V. Financiamento (em milhões de US$) Empréstimos/créditos/outros Mutuário 16,20 Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento 16,20 Montante Total 32,40

8 VI. Implementação 28. O projeto multissetorial proposto envolve como beneficiários e entidades executoras as Secretarias da Fazenda, Educação, Saúde e Meio Ambiente, bem como o Instituto Pereira Passos, que é a instituição de pesquisa e planejamento urbano do Município. Todas as entidades executoras fazem parte da estrutura organizacional do Município. 29. Uma Unidade de Coordenação do Projeto (UCP) sediada na SMF será responsável pela gestão e administração global do projeto no âmbito da operação, bem como pelas atividades fiduciárias, de salvaguardas e de monitoramento e avaliação. A UCP contaria com um mínimo de quatro profissionais, encarregados de oferecer apoio cruzado a todas as demais secretarias envolvidas. Esses profissionais são o coordenador do projeto, um especialista em M&A, um especialista em aquisições e um especialista em gestão financeira da Assessoria de Captação de Recursos Externos. A gestão financeira será feita usando os sistemas centrais existentes do Município supervisionados pelas secretarias centrais. A maior parte das atividades será executada pelos servidores públicos que ocupam cargos com estabilidade no governo e desempenham outras tarefas fora do projeto, embora eles precisem dedicar-se inteiramente ao projeto, sobretudo nas etapas iniciais da implementação e após a avaliação intermediária. A UCP estará subordinada diretamente ao Banco Mundial, em nome do Governo. 30. Os mecanismos de execução também abrangeriam um Comitê de Coordenação do Projeto, formado por pontos focais técnicos de cada uma das entidades executoras. Esse Comitê se reunirá periodicamente e ajudará na supervisão do projeto. Os pontos focais coordenarão o monitoramento e avaliação do andamento do projeto, bem como os aspectos técnicos das atividades de aquisição. O Comitê de Coordenação terá o apoio de uma Equipe de Assessoria em Aquisições. O Anexo 3 do Documento de Avaliação do Projeto descreve em detalhe os mecanismos de execução, contendo, inclusive, uma tabela com as funções e responsabilidades das diversas entidades envolvidas. O Plano de Apoio à Implementação está incluído como Anexo 5. VII. Políticas de salvaguarda (inclusive consultas públicas) Políticas de salvaguarda acionadas pelo projeto Sim Não Avaliação Ambiental (OP/BP 4.01) Hábitats Naturais (OP/BP 4.04) Florestas (OP/BP 4.36) Controle de Pragas (OP 4.09) Recursos Culturais Físicos (OP/BP 4.11) Povos Indígenas (OP/BP 4.10) Reassentamento Involuntário (OP/BP 4.12) Segurança de Represas (OP/BP 4.37) Projetos em Cursos de Águas Internacionais (OP/BP 7.50) Projetos em Zonas de Controvérsia (OP/BP 7.60)

9 VIII. Contatos Banco Mundial Contato: Rafael Chelles Barroso Cargo: Economista Tel.: Mutuário/cliente/beneficiário Nome: Município do Rio de Janeiro Contato: Cargo: Tel.: Entidades executoras Nome: Secretaria Municipal de Finanças Contato: Marco Aurélio Santos Cardoso Cargo: Secretário Tel.: I. Para mais informações, entre em contato com: The InfoShop The World Bank 1818 H Street, NW Washington, D.C Telefone: (+1 202) Fax: (+1 202) Web:

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Nome da Operação Região País Setor

Nome da Operação Região País Setor Nome da Operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DE PROGRAMA (PID) ESTÁGIO DE CONCEITO 7 de novembro de 2013 Relatório N o.: AB7421 (Número do relatório gerado automaticamente pela IDU, e não

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613 Nome do projeto Região País DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA DE AVALIAÇÃO Relatório nº: PIDA613 Projeto de Transporte Sustentável do Estado de São Paulo (P127723) AMÉRICA LATINA E CARIBE

Leia mais

9 de fevereiro de2012. 12 de julho de 2012

9 de fevereiro de2012. 12 de julho de 2012 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO SOBRE PROJETO (PID) FASE DE AVALIAÇÃO Relatório n o. AB6969 Nome

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Benjamin Petit para a AFD. Agence Française de Développement

Benjamin Petit para a AFD. Agence Française de Développement R E S U L T A D O S Benjamin Petit para a AFD Agence Française de Développement Frente aos desafios comuns a todos, promovendo novos modelos de desenvolvimento Em um mundo sempre mais interdependente,

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Construindo governos efetivos

Construindo governos efetivos Construindo governos efetivos Sucessos e desafios da gestão pública para resultados na América Latina e no Caribe Resumo executivo EDITORES Jorge Kaufmann, Mario Sanginés, Mauricio García Moreno Construindo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Nome do projeto Região País DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Desenvolvimento de sistemas para prevenir incêndios florestais e monitorar a cobertura da vegetação

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI) PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MICROBACIAS II ACESSO AO MERCADO SELEÇÃO DE CONSULTORES PELOS

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS 1 MELHORIA DA GESTÃO FISCAL DE MÉDIO PRAZO E DO INVESTIMENTO PÚBLICO 1.1 Diagnóstico e Proposição de Melhorias do Marco de Gasto de Médio Prazo 1.1.0 Não há 1.1.0.0 Não há 1.1.0.0.1 Diagnóstico da metodologia

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3 Índice A Academic drift, 255 Accountability, 222, 278 Agenda social, 2 Aplicativo para a Melhoria de Qualidade (AMQ), 84 Aposentadoria benefícios previdenciários e assistenciais e seu impacto sobre a pobreza,

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana DIAGNÓSTICO A cidade tem hoje mais de um milhão de desempregados e perdeu, entre 1991 e 2000, 570 mil postos de trabalho na indústria Na última década,

Leia mais

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO Evento Tá na Mesa Federasul Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU

Leia mais

PNUD: PROGRAMAÇÃO DO PAÍS E ASSUNTOS RELACIONADOS VERSÃO PRELIMINAR DO DOCUMENTO DO PROGRAMA DO PAÍS PARA O BRASIL

PNUD: PROGRAMAÇÃO DO PAÍS E ASSUNTOS RELACIONADOS VERSÃO PRELIMINAR DO DOCUMENTO DO PROGRAMA DO PAÍS PARA O BRASIL PNUD: PROGRAMAÇÃO DO PAÍS E ASSUNTOS RELACIONADOS VERSÃO PRELIMINAR DO DOCUMENTO DO PROGRAMA DO PAÍS PARA O BRASIL Terceiro Documento do Programa do País para o Brasil (2007-2011) Índice Introdução I.

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

A Economia Angolana nos Últimos Anos

A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia cresceu : Saiu de uma base pequena para uma base muito maior. Deixou os tempos de grandes taxas de crescimento, mas instáveis, para taxas médias mais sustentáveis.

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

FOLHAS DE DADOS INTEGRADAS SOBRE SALVAGUARDAS FASE DE CONCEITOS

FOLHAS DE DADOS INTEGRADAS SOBRE SALVAGUARDAS FASE DE CONCEITOS FOLHAS DE DADOS INTEGRADAS SOBRE SALVAGUARDAS FASE DE CONCEITOS Relatório Nº: 59298 Data de preparação/atualização da ISDS: 26/01/2011 I. INFORMAÇÕES BÁSICAS A. Dados básicos do projeto País Brasil ID

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Plano de Implementação do Projeto Maio de 2008 Março de 2011 Índice Plano de Implementação do Projeto (PIP): i. Sumário Executivo

Leia mais

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Os sistemas de avaliação e monitoramento são, com freqüência, os componentes menos abordados durante a criação e

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local MANUAL do sistema SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local 1 Observação: Recomenda-se a leitura prévia da cartilha do programa Crack, É Possível Vencer, disponível no endereço http://www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer/home/publicacoes/materialinformativo/destaques/cartilha-crack-e-possivel-vencer-compromisso-detodos-1

Leia mais

FOLHA DE DADOS DE SALVAGUARDAS INTEGRADAS (ISDS) ETAPA CONCEITUAL

FOLHA DE DADOS DE SALVAGUARDAS INTEGRADAS (ISDS) ETAPA CONCEITUAL Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized FOLHA DE DADOS DE SALVAGUARDAS INTEGRADAS (ISDS) Data da elaboração/atualização da ISDS

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

IMS UNIBANCO FORMAL EDUCAÇÃO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO AMBIENTAL ACESSO A BENS CULTURAIS VOLUNTARIADO ENSINO MÉDIO REDE CEAS JOVEM APRENDIZ

IMS UNIBANCO FORMAL EDUCAÇÃO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO AMBIENTAL ACESSO A BENS CULTURAIS VOLUNTARIADO ENSINO MÉDIO REDE CEAS JOVEM APRENDIZ Instituto Unibanco Uma visão geral Sustentabilidade UNIBANCO VOLUNTARIADO SOCIAL e HUMANO EDUCAÇÃO FORMAL ENSINO MÉDIO Triple Bottom Line IMS ACESSO A BENS CULTURAIS ECONÔMICO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ)

UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) UNIDADE DE APRENDIZAGEM II: GESTÃO E FINANCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) Autor: Prof. Dr. José Mendes Ribeiro (DCS/ENSP/FIOCRUZ) Gestão do SUS: aspectos atuais A reforma sanitária brasileira,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

Governança de TI no Ministério da Educação

Governança de TI no Ministério da Educação Governança de TI no Ministério da Educação José Henrique Paim Fernandes Secretário Executivo Ministério da Educação Novembro de 2008 Governança de TI no Ministério da Educação Contexto Gestão e Tecnologia

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006

Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 1 Intensificação do Gerenciamento dos Projetos Estratégicos do Governo do Estado de São Paulo 2005-2006 2006 Saulo Pereira Vieira Coordenador de Planejamento e Avaliação Secretaria de Economia e Planejamento

Leia mais

Brasilia, 11 novembro 2008 INTEGRAÇÃ ÇÃO METROPOLITANA: O DESAFIO DAS CIDADES. Fernanda Magalhães

Brasilia, 11 novembro 2008 INTEGRAÇÃ ÇÃO METROPOLITANA: O DESAFIO DAS CIDADES. Fernanda Magalhães INTEGRAÇÃ ÇÃO METROPOLITANA: O DESAFIO DAS CIDADES Fernanda Magalhães Marco de Referência A A maioria dos aglomerados urbanos conforma sistemas em rede com forte dependência ncia funcional regional apresentando

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej

InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej InformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanej amentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformaçãopesquisaplanejamentopraticainformação PesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPraticaInformaçãoPesquisaPlanejamentoPrat

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Revisão das Salvaguardas do Banco Mundial Uma Questão Crucial para a América Latina

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais