CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO"

Transcrição

1 EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO ETERNO SETOR: ABRIGO DE RESÍDUOS INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: 20 / 08 / 2010 ITEM A S N N/A OBS. 1 É um ambiente exclusivo 2 Acesso externo facilitado à coleta 3 É separado para atender recipientes de resíduos do grupo A juntamente com o grupo E 4 Tem ambiente para armazenamento de recipiente do grupo D 5 O abrigo é identificado com símbolo de acordo com o tipo de resíduo 6 É restrito aos funcionários que gerenciam os resíduos 7 Tem fácil acesso para os recipientes de transportes e para os veículos coletores 8 Os recipientes de transporte interno transitam pela via pública externa para terem acesso ao abrigo 9 O piso é revestido de material liso, impermeável, lavável e de fácil higienização 10 O fechamento é constituído de alvenaria revestida de material liso, lavável e de fácil higienização 11 Existem aberturas p/ ventilação de no mínimo 1/20 da área do piso, e tela de proteção contra insetos 12 Nas portas existem proteções contra roedores e vetores 13 A porta tem largura compatível com as dimensões dos recipientes de coleta externa 14 Existem pontos de iluminação e de água, tomada elétrica 15 Existem canaletas de escoamento de água direcionada para a rede de esgoto 16 Existe ralo sifonado com tampa que permita sua vedação 17 O abrigo possui área específica de higienização p/ limpeza e desinfecção dos recipientes coletores 18 A área possui cobertura, e dimensões compatíveis com os equipamentos que serão higienizados 19 A área de higienização possui pisos e paredes lisos, impermeáveis e laváveis 20 A área de higienização possui pontos de iluminação, tomadas, canaletas de escoamento de água 21 A área de higienização possui ralo sifonado provido de tampa de permita sua vedação 22 O trajeto para o traslado de resíduos possui livre acesso dos recipientes coletores de resíduos 23 No trajeto para o traslado de resíduos a superfície é plana, regular, antiderrapante e rampa 24 O pessoal envolvido na higienização, coleta, transporte etc fez exames de acordo com PCMSO Os trabalhadores foram imunizados em conformidade com Programa Nacional de Imunização É realizado controle laboratorial sorológico dos trabalhadores p/ resposta imunológica O pessoal envolvido recebeu capacitação na ocasião da sua admissão e de forma continuada 28 A capacitação aborda importância do uso de epi s (uniforme, luvas, avental, máscara, botas, e óculos) 29 Os profissionais têm conhecimento de segregação, símbolos, expressões, cores, local dos abrigos ELABORAR TREINAMENTOS 30 Existe programa de educação continuada (treinamento) de acordo com a RDC 306/2004 ELABORAR TREINAMENTOS 31 Condição S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL

2 EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO ETERNO SETOR: EM TODO AMBIENTE HOSPITALAR INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: 20 / 08 / 2010 ITEM A S N N/A 1 Existe algum tipo de tratamento dos resíduos do GRUPO A1, antes de deixar a unidade hospitalar 2 É utilizado processo físico ou outros processos p/ redução ou eliminação da carga microbiana 3 O acondicionamento dos resíduos do GRUPO A1 são feitos em saco branco leitoso 4 Os sacos são substituídos quando atingem 2/3 de sua capacidade ou pelo menos 01 vez a cada 24 hs 5 O ambiente laboratorial de pesquisa segue as Diretrizes p/ Trabalho em Contenção c/ Material Biológico 6 Peças anatômicas (membros) do ser humano, quando acondicionados ficam em saco vermelho 7 Os resíduos do GRUPO A4 são acondicionados em saco branco leitoso Resíduos c/ suspeita de contaminação C/ príons são encam. p/ incineração de acordo com RDC 305/2002 Os resíduos do GRUPO A5 são acondicionados em saco vermelho Resíduos químicos no estado sólido, não tratados, são dispostos em aterros de resíduo perigoso Classe I Os resíduos químicos no estado líquido são submetidos a tratamentos específicos 12 Existe encaminhamento dos resíduos químicos em estado líquido para disposição em aterros 13 Os resíduos de subst. Químicas constantes no Apêndice VI são segregados e acondicionados de forma isolada 14 São observadas as compatibilidades químicas dos resíduos Apêndice V de forma a evitar reações químicas 15 Quando destinados `a reciclagem ou reaproveitamento são acondicionados em recipientes individuais 16 Os resíduos sólidos são acondicionados e identificados com símbolo de risco escrito SUBST. QUÍMICA 17 Os resíduos farmacêuticos, sujeitos a controle especificado na Portaria MS 344/98 atendem a Leg. Sanitária 18 Os reveladores são submetidos a processo de neutralização de ph entre 7 e 9 19 Os fixadores são submetidos a processo de recuperação da prata 20 O descarte de pilhas, baterias e acumuladores contendo chumbo (Pb) são feitos de acordo com Conama 257/ O descarte de Cádmo (Cd), Mercúrio (Hg) são feitos de acrdo com a Resolução CONAMA 257/ Os resíduos contendo Mercúrio (Hg) são acondicionados em recipientes sob selo d'água e encaminhados p/ recuperação Condição S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL OBS.

3 EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST MANEJO DOS RSS SITUAÇÃO: RESÍDUO DO GRUPO D e GRUPO E INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: / / ITEM A S N N/A 1 Os resíduos do GRUPO D são acondicionados em sacos impermeáveis, contidos em recipientes e identificados 2 Os recipientes dos resíduos do GRUPO D destinados a reciclagem possuem identificação de acordo com a CONAMA 275/ Os resíduos líquidos provenientes de esgoto e de águas servidas são tratados antes do lançamento na rede de esgoto 4 Os resíduos orgânicos, sobra de alimentos, e outros são encaminhados ao processo de compostagem 5 Os materiais perfurocortantes são descartados separadamente, no local da sua geração e nos recipientes identificados 6 As agulhas são descartadas juntamente com as seringas 7 Existe reencape das agulhas ou processo de retirada manual 8 O volume do recipiente de acondicionamento é compatível com a geração diária deste tipo de resíduo 9 Os recipientes são descartados quando atingem 2/3 da sua capacidade ou no máximo a 5cm da boca do recipiente 10 Existe esvaziamento ou reaproveitamento dos recipientes de perfurocortantes 11 Os recipientes são identificados com símbolo internac. de risco biológico, acrescido da inscrição perfurocortante e os riscos adicionais S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL OBS.

4 1 2 3 Existe local adequado nos setores para armazenamento temporário? Onde? 4 Existe armazenamento temporário com disposição direta de sacos sobre pisos 5 A sala para guarda de recipientes de transporte interno possuem pisos e paredes laváveis e área p/ pelo menos 02 coletores 6 Existe identificação com o dizer: SALA DE RESÍDUOS? 7 Os sacos de resíduos são tirados dos recipientes que ficam dentro das salas 8 Existem resíduos de fácil putrefação e que precisam ser coletados por período superior a 24 horas 9 Nos locais de armazenamento externo, os sacos de resíduos ficam fora dos recipientes ali estacionados 10 A coleta e transporte de resíduos são realizadas de acordo com as normas NBR e NBR da ABNT ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO CHECK - LIST ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO, COLETA E TRANSPORTE ETERNO EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 / 2004 SETOR: EM TODO AMBIENTE HOSPITALAR INSPEÇÃO FEITA POR: ITEM A Condição S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL DATA: / / S N N/A OBS. Expurgo

5 EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 / 2004 CHECK - LIST MANEJO DOS RSS SITUAÇÃO: RESÍDUO DO GRUPO C INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: / / ITEM A S N N/A 1 Os rejeitos radioativos são segregados de acordo com a norma CNEN Os rejeitos radioativos sólidos são acondicionados em recipientes de material rígido, forrado internamente c/ saco plástico 3 Os rejeitos radioativos líquidos são acondicionados em bombonas, acomodados em bandejas de material inquebrável 4 Os materiais perfurocortantes contaminados com radionuclídeos são descartados separadamente 5 Os descartes são feitos imediatamente após o uso, em recipientes estanques, com tampa, devidamente identificado 6 Esses recipientes são esvaziados e/ou reaproveitados 7 As agulhas e as seringas são descartadas juntamente 8 Há reencape das agulhas ou retirada manual das mesmas 9 Os recipientes p/ perfurocortantes contaminados com radionuclídeos possuem inscrição PERFUROCORTANTE e REJEITO RADIOATIVO 10 Os recipientes com rodas de transporte possuem identificação com inscrição, símbolo e cor compatível com resíduo do Grupo C 11 Os recipientes com rodas de transporte possuem válvula de drenagem no fundo 12 Existe alguma sala de decaimento para materiais radioativos 13 A sala de decaimento possui paredes blindadas, ou os recipientes possuem esta blindagem 14 A sala de decaimento de rejeitos radioativos tem acesso controlado 15 A sala de decaimento possui símbolo internacional de presença de radiação ionizante e de área de acesso restrito 16 A eliminação de rejeitos radioativos gasosos na atmosfera são em concentrações inferiores às espec. na Norma CNEN S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL OBS.

6 EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 INSPEÇÃO FEITA POR: Os sacos onde são acondicionados os resíduos sólidos são resistentes a rupturas e vazamentos 4 São respeitados os limites de peso de cada saco DATA: / / S N N/A 5 Existe esvaziamento ou reaproveitamento dos sacos 6 Os sacos ficam em recipientes de material lavável, resistente à punctura, ruptura e vazamento 7 Os recipientes possuem tampa provida de sistema de abertura sem contato manual 8 Os recipientes possuem cantos arredondados e são resistentes ao tombamento 9 Os resíduos líquidos são acondicionados em recipientes resistentes, com tampa rosqueada e vedante IDENTIFICAÇÃO 13 Existe identificação nos sacos de acondicionamentos 14 Existe identificação nos recipientes de coleta interna e externa e de transporte interno e externo 15 Existe identificação nos locais de armazenamento e em local de fácil visualização 16 Utiliza-se símbolos, cores e frases atendendo aos parâmetros da NBR da ABNT 17 Há identificação pelo símbolo de subst. infectante com rótulo de fundo branco, desenhos e contornos pretos p/ o GRUPO A Há símbolo de infectante com rótulo de fundo branco, desenhos pretos e escrito RESÍDUO PERFUROCORTANTE p/ o GRUPO E TRANSPORTE INTERNO 24 Existe roteiro definido e horários que não coincidem com os da distribuição de roupas, alimentos e medicamentos 25 Os horários coincidem com os de visitas ou de maior fluxo de pessoas ou atividades 26 É feito separadamente de acordo com o grupo de resíduos e em recipientes específicos p/ cada GRUPO de resíduos 27 Os recipientes p/ transporte possuem tampa no corpo do equipam. e identif. de acordo com os resíduos neles contidos ACONDICIONAMENTO ITEM A Há identificação de risco associado, com discriminação de substância química e frases de risco p/ o GRUPO B Há símbolo de RI em rótulo de fundo amarelo e contornos pretos acrescido de REJEITOS RADIOATIVOS p/ o GRUPO C Os recipientes com mais de 400 L possuem válvula de dreno de fundo CHECK - LIST MANEJO, SEGREGAÇÃO E ACONDICIONAMENTO Condição S - SIM N - NÃO N/A - NÃO APLICÁVEL SETOR: EM TODO AMBIENTE HOSPITALAR OBS.

7 Check-list diário para conferência da Chefia de Enfermagem e SESMT Setor: C.C. - CENTRO CIRÚRGICO MÊS/ANO: Agosto/10. Item Procedimento inadequado Calçado aberto. 2 Não utilização dos EPIs. 3 Jaleco fora do local de trabalho. 4 Procedimentos com perfurocortantes sem as duas cubas. 5 Manipulação de material biológico sem luvas. 6 Falta de lavagem das mãos. 7 Descarte inadequado dos perfurocortantes. 8 Separação e descarte inadequado dos resíduos. 9 Produtos químicos sem identificação. 10 Uso de adornos. 11 Reencape e desconexão de agulhas. 12 Funcionária com cabelos soltos. 13 Funcionário com lesão na mão. 14 Fumo no local de trabalho. 15 Consumo de alimentos e bebidas no posto de trabalho. 16 Guarda de alimentos em locais inadequados. De 0 a 3 situações inadequadas durante o mês. BOM Observações: De 4 a 8 situações inadequadas durante o mês. RAZOÁVEL - precisa melhorar Igual ou superior a 9 situações inadequadas durante o mês. RUIM - muito abaixo dos padrões, precisa melhorar F:\Usr\Seg\Check List - Supervisão SUPERVISOR(a):

8 Check-list diário para conferência da Chefia de Enfermagem e SESMT Setor: C.T.I - Centro de Tratamento Intensivo. MÊS/ANO: Agosto/10. Item Procedimento inadequado Calçado aberto. 2 Não utilização dos EPIs. 3 Jaleco fora do local de trabalho. 4 Procedimentos com perfurocortantes sem as duas cubas. 5 Manipulação de material biológico sem luvas. 6 Falta de lavagem das mãos. 7 Descarte inadequado dos perfurocortantes. 8 Separação e descarte inadequado dos resíduos. 9 Produtos químicos sem identificação. 10 Uso de adornos. 11 Reencape e desconexão de agulhas. 12 Funcionária com cabelos soltos. 13 Funcionário com lesão na mão. 14 Fumo no local de trabalho. 15 Consumo de alimentos e bebidas no posto de trabalho. 16 Guarda de alimentos em locais inadequados. De 0 a 3 situações inadequadas durante o mês. BOM Observações: De 4 a 8 situações inadequadas durante o mês. RAZOÁVEL - precisa melhorar Igual ou superior a 9 situações inadequadas durante o mês. RUIM - muito abaixo dos padrões, precisa melhorar F:\Usr\Seg\Check List - Supervisão SUPERVISOR(a):

9 Check-list diário para conferência da Chefia de Enfermagem e SESMT Setor: CME - Central de Material Esterilizado. MÊS/ANO: Agosto/10. Item Procedimento inadequado Calçado aberto. 2 Não utilização dos EPIs. 3 Jaleco fora do local de trabalho. 4 Procedimentos com perfurocortantes sem as duas cubas. 5 Manipulação de material biológico sem luvas. 6 Falta de lavagem das mãos. 7 Descarte inadequado dos perfurocortantes. 8 Separação e descarte inadequado dos resíduos. 9 Produtos químicos sem identificação. 10 Uso de adornos. 11 Reencape e desconexão de agulhas. 12 Funcionária com cabelos soltos. 13 Funcionário com lesão na mão. 14 Fumo no local de trabalho. 15 Consumo de alimentos e bebidas no posto de trabalho. 16 Guarda de alimentos em locais inadequados. De 0 a 3 situações inadequadas durante o mês. BOM Observações: De 4 a 8 situações inadequadas durante o mês. RAZOÁVEL - precisa melhorar Igual ou superior a 9 situações inadequadas durante o mês. RUIM - muito abaixo dos padrões, precisa melhorar F:\Usr\Seg\Check List - Supervisão SUPERVISOR(a):

10 Check-list diário para conferência da Chefia de Enfermagem e SESMT Setor: INTERNAÇÃO MÊS/ANO: Agosto/10. Item Procedimento inadequado Calçado aberto. 2 Não utilização dos EPIs. 3 Jaleco fora do local de trabalho. 4 Procedimentos com perfurocortantes sem as duas cubas. 5 Manipulação de material biológico sem luvas. 6 Falta de lavagem das mãos. 7 Descarte inadequado dos perfurocortantes. 8 Separação e descarte inadequado dos resíduos. 9 Produtos químicos sem identificação. 10 Uso de adornos. 11 Reencape e desconexão de agulhas. 12 Funcionária com cabelos soltos. 13 Funcionário com lesão na mão. 14 Fumo no local de trabalho. 15 Consumo de alimentos e bebidas no posto de trabalho. 16 Guarda de alimentos em locais inadequados. De 0 a 3 situações inadequadas durante o mês. BOM Observações: De 4 a 8 situações inadequadas durante o mês. RAZOÁVEL - precisa melhorar Igual ou superior a 9 situações inadequadas durante o mês. RUIM - muito abaixo dos padrões, precisa melhorar F:\Usr\Seg\Check List - Supervisão SUPERVISOR(a):

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar

Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar Procedimento Operacional - Lixo Hospitalar Esta lista de procedimento Operacional foi elaborada pela auditoria fiscal do trabalho, o não cumprimento configura INFRAÇÃO GRAVE, e tem por finalidade a implementação

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - DIRETRIZES GERAIS

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - DIRETRIZES GERAIS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - DIRETRIZES GERAIS CAPÍTULO I - HISTÓRICO O Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, publicado

Leia mais

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014

Transporte Interno. Transporte Interno. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno 17/10/2014 USP Transporte Interno Consiste no traslado dos resíduos dos Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Transporte e Armazenamento interno Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 pontos

Leia mais

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Resíduos O ser humano sempre gerou resíduos, desde a Pré-História até os dias atuais. A diferença

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Page 1 of 25 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004 Publicada no DOU de 10/12/2004

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004 Publicada no DOU de 10/12/2004 Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004 Publicada no DOU de 10/12/2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde A Diretoria

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS MODELO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

título: Resolução RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004

título: Resolução RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004 Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário título: Resolução RDC nº 306, de 07 de dezembro de 2004 ementa:

Leia mais

http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?mode=print...

http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?mode=print... 1 de 28 28/05/2009 22:24 Legislação em Vigilância Sanitária 2 de 28 28/05/2009 22:24 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento

Leia mais

CLÁUDIO MAIEROVITCH PESSANHA HENRIQUES ANEXO

CLÁUDIO MAIEROVITCH PESSANHA HENRIQUES ANEXO RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE RENATO DA SILVA DE ALMEIDA

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia

Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Laboratórios de Análises Clínicas e de Citologia Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE

Leia mais

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada.

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada. GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 17.269, DE 31 DE MARÇO DE 2014. Aprova a Instrução Normativa SSP nº 002/2014 : O Prefeito Municipal de Colatina, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

Definição de Resíduos dos Serviços de Saúde (RSS)... POP CRSS nº 1. Classificação dos Resíduos dos Serviços de Saúde...

Definição de Resíduos dos Serviços de Saúde (RSS)... POP CRSS nº 1. Classificação dos Resíduos dos Serviços de Saúde... Manual de Resíduos dos Serviços de Saúde Aprovado no Conselho Diretor do HU-CAS/UFJF em06/10/2009 ÍNDICE Definição de Resíduos dos Serviços de Saúde (RSS)... POP CRSS nº 1 Classificação dos Resíduos dos

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho Abrangência : A todos os geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Atendimento à saúde humana ou animal Serviços

Leia mais

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas No Brasil, há alguns anos atrás, os resíduos dos serviços de saúde (RSS) eram manejados da mesma forma que os resíduos domiciliares

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Boletim de Pneumologia Sanitária - Vol. 9, Nº2 - jul/dez - 2001 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Hamilton Coelho* Resumo Os resíduos gerados por estabelecimentos e instituições de

Leia mais

Instruções para o Preenchimento do PGRSS

Instruções para o Preenchimento do PGRSS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Instruções para o Preenchimento do PGRSS I Finalidade

Leia mais

Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003

Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003 esolução RDC n de 28 24/11/2008 17:14 Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde A Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Ministério da Justiça CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA - CNPCP RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 CONSIDERANDO a ausência de preocupação com o tratamento dado aos resíduos gerados

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE INTRODUÇÃO A geração de resíduos constitui-se atualmente em um grande desafio a ser enfrentado pelas administrações. O descarte inadequado de resíduos tem

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSSS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS UNESP

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSSS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS UNESP PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSSS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS UNESP 1) INTRODUÇÃO As diversas atividades humanas geram rejeitos conhecidos como

Leia mais

Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003

Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003 Resolução RDC n.º 33, de 25 de fevereiro de 2003 D.O.U de 05/03/2003 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Resíduos de Serviços de Saúde 29/04/2005 CONAMA 358 Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. 07/12/2004 Anvisa RDC 306 Dispõe sobre o

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. Profa. MsC. Valéria Aguiar. Conceito. Bases da Biossegurança 11/05/2015

BIOSSEGURANÇA. Profa. MsC. Valéria Aguiar. Conceito. Bases da Biossegurança 11/05/2015 BIOSSEGURANÇA Profa. MsC. Valéria Aguiar Bases da Biossegurança Conceito Responsabilid ade Social Respeito à Vida Valores Éticos É a ciência voltada para a prevenção, controle, minimização e eliminação

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Art. 1º - São os seguintes os resíduos que apresentam risco potencial

Leia mais

Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul Tainara Casa Nova Silva tainaracasanova@gmail.com Universidade Federal

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 48, de 4 de julho de 2000 D.O. de 5/7/2000 >> Situação: em análise pela Anvisa A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho MATEUS ZART DE ARRUDA

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE.

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE. IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ESTUDO DE CASO CLINICA DE DIALISE. Kelly Dayana Benedet Maas Universidade Federal de Mato Grosso, Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais-UFMT

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn.

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. Verificar legislação e seguir orientação da Vigilância Sanitária Selecionar

Leia mais

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I PGRSS Objetivo: redução, reaproveitamento e destinação final ambientalmente correta dos resíduos. Contempla os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA CONTROLADORIA GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA CONTROLADORIA GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP N 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 068/2014. Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Saúde. I - FINALIDADE: Esta Instrução

Leia mais

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente

Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Experiência: O Serviço de Análises Clínicas em Sintonia com o Meio Ambiente Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Análises Clínicas Responsável: Mônica Evelise Silveira Equipe:

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde

Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Cirlene Meireles da Silva Curso de Ciências Biológicas Belo Horizonte MG 2010 Cirlene Meireles da

Leia mais

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE

E-07/204.019/05 FEEMA - FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE RAZÃO SOCIAL: HOSPITAL DE CLINICAS DE NITEROI LTDA UNIDADE: HOSPITAL ENDEREÇO: RUA LA SALLE, 12 BAIRRO: CENTRO MUNICÍPIO: NITEROI PROCESSO: E-07/204.019/05 1. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE)

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 APLICAÇÃO 4 DEFINIÇÕES 5 RESPONSABILIDADES 6 PROCEDIMENTOS 7 FREQÜÊNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO Raphael de Souza Vale(1) Graduando em Engenharia Ambiental

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos DECRETO Nº 5.940, 25/10/2006 Institui coleta seletiva veronica.schmidt@ufrgs.br LIXO utilizado para designar tudo aquilo que não tem mais utilidade RESÍDUO Sobra (refugo) do beneficiamento

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração:

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração: + Re d Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia Elaboração: Elviscley de Oliveira Silva Email: elviscley@hotmail.com Mariângela Fontes Santiago Email: mariangelafs@gmail.com Bruna Carneiro

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Apostila Eletrônica Curso PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Apostila Eletrônica Curso PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Introdução O Centro Mineiro de Referência em Resíduos CMRR é um programa, pioneiro no Brasil, do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento 1 Cuidados necessários recomendados aos membros do setor e estudantes Conhecer a

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE

PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Campus da Saúde Prof. João Cardoso Nascimento Júnior Rua Cláudio Batista s/n. Bairro Sanatório. Aracaju-SE. CEP 49060-100 Fone: (79) 2105-1879. CNPJ

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental

Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental ISSN 1984-9354 Resíduo Hospitalar: uma questão de saúde pública e ambiental Gabriel Marreiros Ribas Fernandes (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho vem demonstrar a importância do manuseio correto, da coleta

Leia mais

PROPOSTA EM CONSULTA PÚBLICA

PROPOSTA EM CONSULTA PÚBLICA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 20, de 26 de março de 2015 D.O.U de 30/03/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DESTINO DE RESÍDUOS (CODERE) DA UNIFESP, CAMPUS BAIXADA SANTISTA. Capítulo I Da Comissão

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DESTINO DE RESÍDUOS (CODERE) DA UNIFESP, CAMPUS BAIXADA SANTISTA. Capítulo I Da Comissão REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE DESTINO DE RESÍDUOS (CODERE) DA UNIFESP, CAMPUS BAIXADA SANTISTA Capítulo I Da Comissão Artigo 1º - A da Baixada Santista (CODERE) foi criada na Universidade Federal de

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

NORMA CETESB P4.262 (2007)

NORMA CETESB P4.262 (2007) NORMA CETESB P4.262 (2007) (Versão Agosto/2007) Gerenciamento de Resíduos Químicos provenientes de Estabelecimentos de Serviços de Saúde - Procedimento 1 - Objetivo Esta norma estabelece procedimentos

Leia mais

Diretoria do CRMV-RS. Gestão 2011/2014. Presidente Rodrigo Lorenzoni. Vice-presidente José Arthur de Abreu Martins

Diretoria do CRMV-RS. Gestão 2011/2014. Presidente Rodrigo Lorenzoni. Vice-presidente José Arthur de Abreu Martins Diretoria do CRMV-RS Gestão 2011/2014 Presidente Rodrigo Lorenzoni Vice-presidente José Arthur de Abreu Martins Secretária-geral Gloria Jancowski Boff Tesoureiro em exercício Gloria Jancowski Boff Conselheiros

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: IMPERCOTEPRIMER CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NA REGIÃO DA GRANDE VITÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO IVIAN CASALI DUARTE LAISSA CAROLINE GHIZZI RENATA ARANTES SANTANA YASMIN MENDES DAVIES GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS:

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS é documento integrante

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais