III Consolidação de Contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Consolidação de Contas"

Transcrição

1 R ELATÓRIO E CONTA DE GERÊNCIA III Consolidação de Contas

2

3

4

5

6 Índice Índice Índice... 1 Introdução... 3 Eliminação das Operações Internas... 7 Métodos de Consolidação... 9 Análise do Perímetro de Consolidação Balanço Consolidado Demonstração de Resultados Consolidada Fluxos de Caixa Consolidados Análise Económico Financeira Mapa Justificativo das Correções de Consolidação Notas Justificativas das Correções de Consolidação (Balanço e Demonstração de Resultados) Notas Justificativas das Correções de Consolidação (Fluxos de Caixa)) Notas ao Balanço e Demonstração de Resultados Consolidados

7 2

8 Introdução Introdução Está previsto na Lei das Finanças Locais, no artigo 46º, a obrigatoriedade de os Municípios elaborarem, em determinadas circunstâncias, contas consolidadas, sendo ainda referido que os procedimentos contabilísticos para a consolidação são os definidos no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais. Foi, entretanto, publicada a Portaria nº474/2010, de 15 de junho, através da qual foi aprovada a Orientação nº1/2010, intitulada de Orientação Genérica relativa á consolidação de contas no âmbito do setor público, cujo âmbito de aplicação inclui os Municípios. Como tal, foram consideradas no Perímetro de Consolidação as empresas Municipais cuja percentagem de capital detida pela Câmara Municipal de Oeiras corresponde a 100% e os Serviços Municipalizados de Oeiras e Amadora que prevê nos seus Estatutos que os mesmos pertencem ao Município de Oeiras pelo que foi integrado a 100% na consolidação, de acordo com o definido nas instruções do SATAPOCAL para a Consolidação de Contas. Entidades incluídas no perímetro de consolidação Denominação Sede Percentagem capital detido Nº médio de funcionários Município de Oeiras Largo Marquês de Pombal, Oeiras Oeiras Viva Gestão de Equipamentos Culturais e Desportivos, EEM Rua Mestre de Avis, Oeiras, Oeiras 100% 74 Parques Tejo Parqueamento de Oeiras, EEM Avenida das Tulipas, n.º 6,10 D/E Edíficio Miraflores Algés Oeiras 100% 41 SMAS de Oeiras e Amadora Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 19, Urb. Moinho das Antas, Oeiras 50% 410 3

9 Entidades participadas excluídas do perímetro de consolidação Denominação Sede Percentagem capital detido SATU Oeiras Sistema automático de Transporte Urbano, E.M. Lagoas Park Edíficio Porto 51% Municípia Empresa de Cartografia e Sistemas de informação, EM, S.A. Taguspark Av. Prof. Dr. Cavaco Silva, Edifício Ciência II, 11 3º B Porto Salvo 52,86% Habitágua Serviços Domiciliários, Lda. Rua das Fontaínhas, 33º C, Amadora 51% LEMO Laboratório de Ensaios de Materiais de Obras, EIM. S.A. Estrada de Paço de Arcos, , Porto Salvo 80% AMTRES Associação de Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra para o Tratamento de Resíduos Sólidos Av. 5 de Junho Trajouce, São Domingos de Rana 20% ISQ-Centro de Incubação de Empresas, S.A. Taguspark Av. Prof. Dr. Cavaco Silva, , Porto Salvo 16,50% Oeiras Expo, S.A. Largo Marquês de Pombal, Edíficio dos Paços do Município, Oeiras 49% Oeiras Primus, S.A. Largo Marquês de Pombal, Edíficio dos Paços do Município, Oeiras 49% Taguspark, S.A. Taguspark, Núcleo Central, Oeiras 18,01% E.I.A. Ensino e Investigação e Administração, S.A. Antiga Fábrica da Pólvora de Barcarena, , Barcarena 41,31% 4

10 Entidades participadas excluídas do perímetro de consolidação (continuação) Denominação OEINERGE Agência Municipal de Energia e Ambiente de Oeiras Sede Estrada de Paço de Arcos, n.º 60 Edíficio Paço de Arcos, sala , Oeiras Percentagem capital detido 72,46% AITEC Oeiras Associação para a Internacionalização, Promoção, e Desenvolvimento Empresarial e das Tecnologias de Oeiras Estrada da Fundição de Oeiras, Edíficio CMO, , Oeiras 50% SANEST Saneamento da Costa do Estoril, S.A. Rua Flor da Murta, Terrugem, Paço de Arcos 12,25% AMEM Associação de Municípios para o Ensaio de Materiais Estrada Nacional 249-3, a norte da zona industrial de Paço de Arcos, no gaveto da Estrada Nacional 249-3, com a Estrada Municipal ,66% Sendo este o primeiro exercício em que são apresentadas contas consolidadas, não são apresentados valores comparativos do exercício anterior. Como tal, não é possível realizar uma análise da evolução do grupo. Relativamente ao processo prévio à consolidação, as entidades integrantes do perímetro de consolidação que aplicam o Sistema de Normalização Contabilística, SNC (Oeiras Viva e Parques Tejo) asseguraram a conversão das suas contas para o POCAL, de acordo com os critérios estabelecidos no Manual de Consolidação. Em seguida procedeu-se à homogeneização e à eliminação das operações internas das entidades que integram o grupo municipal. Depois desse processo, procedeu-se à agregação dos dados, o que permitiu obter uma imagem verdadeira, fiel e apropriada da posição financeira, dos resultados e da execução orçamental do grupo. Para uma análise mais circunstanciada das demonstrações financeiras incluídas na consolidação, tecem-se algumas considerações às entidades incluídas na consolidação. 5

11 6

12 Eliminação das Operações Internas Eliminação das Operações Internas As demonstrações financeiras consolidadas apresentam os ativos, os passivos, os fundos próprios/capital próprio, os resultados e, as receitas e despesas de natureza orçamental das entidades incluídas na consolidação, como se se tratasse de uma única entidade, tendo sido eliminadas as seguintes operações internas: Os créditos/dívidas entre as entidades; Os custos e perdas, assim como os proveitos e ganhos relativos às operações efetuadas entre as entidades; As operações de transferências e subsídios entre as entidades; Os resultados provenientes das operações efetuadas entre as entidades quando incluídos nos valores contabilísticos dos ativos; No caso do mapa de Fluxos de Caixa Consolidados de Operações Orçamentais também as despesas e receitas orçamentais relativas a operações efetuadas entre as entidades. 7

13 8

14 Métodos de Consolidação Métodos de Consolidação Quanto aos métodos de consolidação a adotados e as situações em que se aplicam são os seguintes: Método da simples agregação - Quando, na ausência de qualquer participação no capital das entidades consolidadas, se verifica um efetivo controlo administrativo por parte da entidade consolidante como é o caso, no perímetro de consolidação definido, para os Serviços Municipalizados de Oeiras e Amadora; Este método traduz-se na soma algébrica dos balanços, das demonstrações dos resultados e dos mapas de execução orçamental das entidades pertencentes ao grupo municipal, tendo sido feita a obrigatória eliminação dos saldos, das transações, das transferências e subsídios e dos resultados incorporados em ativos relativos a operações efetuadas entre as entidades, e sem prejuízo de terem efetuado as necessárias eliminações recíprocas. Método de consolidação integral - Nos casos em que existe uma participação social/estatutária numa entidade de natureza empresarial e consiste na integração no balanço, na demonstração dos resultados e, sendo caso disso, no mapa de execução orçamental da entidade consolidante dos elementos respetivos dos balanços, das demonstrações dos resultados e dos mapas de execução orçamental das entidades consolidadas; Método de Equivalência Patrimonial - No futuro, admite-se a elaboração de contas consolidadas abrangendo um perímetro mais alargado, caso se conclua que inclusão de outras entidades comprovadamente controladas pelo Município conferirá uma imagem mais verdadeira e apropriada do grupo municipal e influenciará a tomada de decisão por parte dos utentes das demonstrações financeiras; Neste caso, poder-se-á aplicar o Método de Equivalência Patrimonial que consiste na substituição no balanço da entidade consolidante do valor contabilístico das partes de capital por ela detida pelo valor que proporcionalmente lhe corresponde nos capitais próprios da entidade participada, adotando-se para efeitos de aplicação deste método o previsto na Norma Contabilística e de Relato Financeiro 13,com as necessárias adaptações. 9

15 10

16 Análise do Perímetro de Consolidação Análise do Perímetro de Consolidação Oeiras Viva Gestão de Equipamentos Culturais e Desportivos, E.E.M A Oeiras Viva foi constituída em O Capital Social da Oeiras Viva é de ,57, sendo a Câmara Municipal de Oeiras (CMO) acionista com uma participação de 100%. O Objeto Social da Oeiras Viva EEM é: A gestão de espaços e equipamentos culturais, desportivos e de lazer que integram ou venham a integrar o património da CMO ou aqueles que a qualquer título estejam confiados ao município para desenvolvimento daquelas atividades, bem como promover as ações necessárias à manutenção, reabilitação ou reequipamento desses espaços; A prestação de serviços de apoio às atuações municipais ou de outras entidades públicas ou privadas, no domínio da promoção de atividades socioculturais e desportivas. A Oeiras Viva tem os seguintes objetivos: Assegurar um serviço público qualificado e acessível, em áreas como a atividade física, o desporto e o lazer, importantes para o bem-estar e a qualidade de vida dos cidadãos; Observar os princípios de rigor e transparência que vinculam quem exerce a responsabilidade de administrar uma entidade pública; Garantir níveis de eficácia e economia, bem como maior autonomia e poder de resposta ao nível da gestão dos equipamentos e da prestação de serviços. 11

17 O presente relatório carateriza a atividade geral mais relevante desenvolvida pela Oeiras Viva ao longo do ano de 2011, bem como a das suas unidades estratégicas de negócio: 1 Auditório Municipal; 7 Pavilhões desportivos; 1 Porto de Recreio; 1 Piscina Municipal de Barcarena; 1 Piscina Municipal de Linda-a-Velha; 1 Piscina Municipal da Outurela; 1 Piscina Oceânica; 1 Parque Desportivo Carlos Queiroz. Durante o ano de 2011 assistiu-se a uma significativa redução do consumo de bens e serviços de lazer, no segmento cultural e desportivo de atividade da empresa. Essa redução, com reflexo nos proveitos foi compensada com uma redução ao nível das despesas mas, perante a conjuntura económica atual, estima-se que o quadro recessivo se irá manter. Todas as rubricas quer de proveitos quer de custos (com exceção das mercadorias vendidas) apresentam uma diminuição em relação ao ano anterior (2010). Apesar disso o exercício fecha com um resultado positivo de ,00, representando 2,9% sobre os proveitos operacionais contra 3,3% do ano anterior. A redução dos proveitos tem o seu valor mais expressivo nos resultados alcançados em dois equipamentos, a saber, a Piscina Oceânica e o Porto de Recreio, cerca de 13,5% (valor geral 14,5%). Na Piscina Oceânica, para além das condições climatéricas adversas, sucede a alteração do Iva, a tributação de IVA passa a 23% sobre o tarifário praticado, o que significou um aumento de 17% sobre o mesmo. De modo a não onerar mais os clientes, a empresa não repercutiu este aumento no tarifário, o que afetou os resultados alcançados. Com uma redução de custos de 10%, os proveitos sofreram uma quebra de 31%, dos quais 17% são explicados pelo aumento do Iva. 12

18 No Porto de Recreio a redução dos proveitos em 6% (em contrapartida da redução dos custos em 10%), representou sobretudo uma redução das operações complementares do Porto, ou seja, uma menor dinâmica de funcionamento das embarcações que estagiam ou frequentam o equipamento e não tanto uma redução dos indicadores de amarração e ocupação (manteve-se nos níveis elevados dos anos anteriores). O subsídio á exploração recebido pelo acionista sofreu também uma redução na ordem dos 16,8%. Os custos com pessoal registam uma quebra de mais de ,00, cerca de 12%, o que permitiu manter o seu peso relativo na estrutura de custos da empresa. Durante o ano de 2011 houve um acréscimo dos encargos de financiamento de mais de ,00, passando da expressão relativa de 0,5% para 1%. Os Fornecimentos e Serviços Externos, que em 2010 representaram 41,3%, sofreram uma redução proporcionalmente maior que os proveitos, fechando o exercício de 2011 com 40,09%. O total do investimento da empresa diminuiu ,00 devido á mudança de critério em determinadas classificações com reflexo na análise evolutiva da situação patrimonial, isto é, os subsídios ao investimento eram diferidos no balanço como se se tratasse de uma responsabilidade perante terceiros, não afetando a situação liquida. Atualmente esses subsídios são componente do capital social. Resumidamente, os resultados alcançados evidenciam que á contração de proveitos a empresa respondeu com a proporcional contenção de custos minimizadora dos respetivos danos, permitindo alcançar resultados positivos. Em 2011 o grau de satisfação dos clientes que usufruem dos equipamentos registou uma evolução positiva face ao valor meta. Verificou-se um pequeno desvio, face á meta definida, na taxa de ocupação da Piscina de Outurela e Barcarena, devido ao fato de ter ocorrido uma ligeira redução no número de utentes ativos, reduzindo o numero de direitos de entrada vendidos. 13

19 Os preços praticados pela empresa em 2011 refletem um acréscimo induzido pelo aumento das taxas de Iva, ditadas no Orçamento de Estado de A pratica de atividades físicas e desportivas passam a estar sujeitas a uma taxa de Iva de 23% ao invés da anterior taxa de 6%. O Porto de Recreio é o centro de custo que contribuiu com maior participação (36%), para o cômputo dos rendimentos, seguindo-se a Piscina de Barcarena (14%) e a Piscina Oceânica (12%) e das restantes Piscinas Municipais (11%), Pavilhões Desportivos (7%) e o Auditório Municipal (2%). o Porto de Recreio foi também o que mais contribuiu para o total dos gastos (24%), seguindo-se a Sede(18%), cada uma das Piscinas Municipais (10%), a Piscina Oceânica (8%) e com uma menor percentagem os pavilhões desportivos, o Auditório e a manutenção. Todos os equipamentos geridos pela empresa registaram uma evolução positiva relativamente à taxa média de indisponibilidade no ano de 2011, face ao ano anterior, exceto o Auditório Ruy de Carvalho que esteve encerrado em Outubro e Novembro para obras. 14

20 Parques Tejo, E.E.M A Parques Tejo, E.E.M. iniciou a sua atividade em Maio de O Capital Social da empresa é ,00, sendo a Câmara Municipal de Oeiras acionista com uma participação de 100%. Para a prossecução da sua atividade disciplinadora e fiscalizadora de estacionamento, dentro as zonas que lhe são cometidas pelo acionista, foi reconhecida como Entidade Autuante em Março de 2001, sendo os seus fiscais equiparados a Agentes da Autoridade. O Objeto da Parques Tejo é: Dotar o Concelho com Zonas de Estacionamento de Duração Limitada e Parques de Estacionamento, dotados de equipamentos com uma qualidade de excelência e geridos de acordo com as melhores praticas e com uma criteriosa aplicação dos recursos disponíveis. A Parques Tejo tem seguido o seguinte objetivo de garantir a satisfação das necessidades, expetativas e aspirações dos munícipes de Oeiras e de todos os que visitam e trabalham no Concelho. A empresa tem atualmente 761 lugares em 6 parques de Estacionamento Públicos distribuídos pelas Freguesias de Algés, Carnaxide, Queijas e Oeiras. Tem também 11 Zonas de Estacionamento de Duração Limitada (ZEDL s) que são as vias e espaços públicos, assim classificados, em que o estacionamento é pago e de duração limitada, ocorrendo á superfície, dentro de um espaço demarcado através de sinalização vertical, complementada por sinalização horizontal, na via pública ou em parque, com identificação do respetivo regime de utilização e cuja duração é registada por um dispositivo mecânico ou eletrónico, previa e obrigatoriamente acionado pelo utente, não podendo exceder um determinado período de tempo (Algés, Dafundo, Miraflores, Linda-a-Velha, Carnaxide, Queijas, Caxias, Paço de Arcos, Porto Salvo, Oeiras e Oeiras- Zona Ribeirinha). 15

21 O ano de 2011 decorreu num enquadramento macroeconómico desfavorável, consequência do decréscimo de atividade económica que se tem verificado desde 2008, com especial incidência a partir de Maio 2011, como resultado da implementação das medidas restritivas impostas, tendo originado uma acentuada redução na procura de estacionamento. Foi desenvolvido o Plano Estratégico para o Estacionamento Municipal, com a colaboração do Acionista. Em Setembro foi dado inicio á emissão de autos eletrónicos no escritório e, em Dezembro, na via pública, representando um passo em frente na modernização dos equipamentos e processos. Procederam á aquisição de software de contabilidade e recursos humanos com o objetivo de implementar internamente a contabilidade. Adquiriram também relógios de ponto e o respetivo software, o que permitirá uma maior facilidade e automatização no controlo do ponto, ferias e faltas. Relativamente ao apuramento dos gastos, independentemente da inflação verificada, conseguiram uma ligeira redução de 5,5%. Em 2011 a Parques Tejo incrementou o seu ativo em 16,9%, resultando num capital próprio de ,54, ou seja, num incremento de 19% quando o seu capital estatutário se mantém em ,00. O total do Passivo, no montante de ,40 registou um aumento de 8,3%, em relação ao ano de Por outro lado aumentou os seus resultados antes de impostos em 161,9%, comparativamente com 2010 e 125,5% em relação ao orçamentado. Durante o ano de 2011 a empresa prosseguiu o objetivo de ordenamento e disciplina do estacionamento á superfície, potenciando as zonas já existentes, através do incremento das condições em termos de sinalização vertical e horizontal, não se procedendo a qualquer alargamento ou implementação das zonas existentes. Nas áreas de forte implantação empresarial, e nas zonas de interface com transportes públicos, visou-se proporcionar estacionamento a preço reduzido, através da tarifa social, económica, mensal e de interface. 16

22 Os resultados da unidade de dísticos de residente estão diretamente relacionados com o número de dísticos atribuídos em 2009 e renovados em 2011, e com a abertura de novas zonas. As freguesias de Algés e Carnaxide continuam a ser as que têm mais residentes e, consequentemente mais dísticos registados, sendo as freguesias de Queijas e Dafundo as que registam um menor número. A empresa, como entidade autuante executa o levantamento de autos de contra ordenação referentes ao estacionamento indevido em zonas de estacionamento de duração limitada no Concelho. Esta tarefa é pautada pela organização e pela metodologia de tarefas para alcançar o seu fim ideal, ou seja, a emissão, envio e gestão de todos os autos de contra ordenação emitidos, de modo a que a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária possa dar seguimento aos processos. Em 2001 forma levantados autos de contra ordenações, representando uma diminuição em 8% em relação a De referir ainda que, em Dezembro de 2011, com a introdução das contra ordenações eletrónicas na via pública, a introdução de dados passou a ser automática, libertando colaboradores para outras tarefas. O número de notificações de autos registados em 2011 foi sensivelmente o mesmo do ano anterior. Já nos bloqueios verificou-se um decréscimo de 14% e, nos reboques, um decréscimo de 17%. Em 2011 a empresa realizou também a constituição do direito de superfície para a Praça 25 de Abril em Algés, para a construção do parque de estacionamento e lançou um Concurso Público para a realização do Projeto para o Parque de Estacionamento Pirâmide, no Largo da Pirâmide, em Linda-a-Velha. Verificou-se em 2011 um aumento de 9% do volume de negócios da Parques Tejo, E.E.M. com a consequente variação positiva dos indicadores EBITDA (+48%), EBIT (+138%), Resultado Liquido (+161%) e Cash Flow Liquido (+45%) em relação ao ano de O peso dos Custos com Pessoal na estrutura de custos da empresa diminuiu 7% e o peso dos Custos com FSE aumentou 16%, comparativamente com o ano anterior. A Liquidez Geral e a Liquidez Reduzida aumentaram 20% e a Autonomia Financeira registou um aumento de 3%, enquanto que a Solvabilidade registou uma variação positiva de 19%. 17

23 O Resultado Operacional obtido foi de ,51, correspondendo a um aumento de 149,3%, comparando com o valor de Este valor resulta do aumento dos Rendimentos ( ,08 ) em 8,7% e, da diminuição dos Gastos ( ,14 ) em 5,5%. O Resultado Líquido obtido ascendeu a ,90, o que corresponde a um aumento de 161,9%, quando comparado com o do ano anterior. O Passivo total da empresa atingiu um valor de ,40 em 2011, registando um aumento de 8,3% em relação a

24 Serviços Municipalizados de Oeiras e Amadora Os Serviços Municipalizados de Oeiras e Amadora (SMAS), foram criados em Junho de 1927, tendo sido aprovado o primeiro regulamento para o abastecimento de água em Dezembro de Em 1956 foi criado o serviço de Saneamento de Oeiras, visando dar respostas aos problemas da poluição gerados pelo aumento da população e pelo crescimento das atividades industriais. O objeto dos SMAS é: A captação, adução, tratamento e distribuição de água potável; A receção e drenagem de esgotos, podendo incluir o seu tratamento; A construção, ampliação e conservação da rede de esgotos, estações elevatórias e estações de tratamentos de águas residuais. O objetivo que tem vido a ser seguido pelos SMAS é garantir o abastecimento de água e a prestação de serviços de saneamento básico às populações residentes nos Concelhos de Oeiras e Amadora, cumprindo elevados padrões de qualidade nos serviços disponibilizados e na relação com a comunidade. O cumprimento deste objetivo assenta na promoção de um modelo organizacional de gestão, que pensa e age estrategicamente num contexto organizacional focalizado na performance, valorizando os recursos humanos e tecnológicos, de forma a incrementar valor acrescentado para os clientes e Municípios. A rede de água no concelho de Oeiras tem uma extensão de 674,22 km e da Amadora 381,24 km, cumprindo com uma elevada eficiência o abastecimento às populações. No decorrer de 2011 foram lançados concursos públicos de onde resultaram a execução de Remodelações/Ampliações de redes em extensões consideráveis. No concelho de Oeiras foram instalados 15,38 km, distribuídos essencialmente pelas freguesias de Paço de Arcos, Carnaxide, Porto Salvo, Algés e Caxias, com incremento de 2,15 km de novas redes, foram executados/ remodelados 276 ramais, incluindo 30 de jardins. 19

25 No concelho da Amadora, foram instalados 7,22 km distribuídos essencialmente pelas freguesias de Venteira, Alfornelos, Venda Nova e Brandoa, com um incremento de 0,48 km de novas redes, foram executados/remodelados 258 ramais. No que se refere a estudos fundamentais, foi adjudicado a revisão dos Planos Diretores de Abastecimento de Água no Concelho de Oeiras e no Concelho da Amadora. No início de 2011, a par de ter sido publicada a nova orgânica dos SMAS, foram implementadas algumas alterações na estrutura da Divisão do Laboratório de Análises. Desta forma resultou uma revisão de toda a documentação do sistema de gestão implementado na DLA. Relativamente á análise orçamental, a Receita Total verifica um grau de execução de 80,30%, dividido em Receita Corrente ( ,12 ) e de Capital ( ,09 ). Esta percentagem tem um aumento significativo de 9,89% ( ,44 ) face a Em 2011 o total da Receita Corrente aumentou ,73, tendo apresentado um grau de execução de 90,60%, em resultado de um acréscimo em várias cobranças, nomeadamente a Tarifa de Ligação, a Tarifa de Utilização, a Quota de Disponibilidade de Serviço de Água e Bancos e outras Instituições Financeiras. Acresce a estes valores a cobrança da T.R.H, assim como o acréscimo na cobrança dos Trabalhos por Conta de Particulares de Água. Há também que contabilizar o decréscimo da Tarifa de Água, Tarifa de Conservação e dos Juros de Mora. A Tarifa de Conservação tem um ligeiro decréscimo no peso da Receita Corrente, face ao ano de 2010, tendo a sua justificação na introdução da Quota de Disponibilidade de Saneamento. A Tarifa de Ligação apresenta um peso na Receita Corrente de 5,51% ( ,58 ), sendo superior á do ano de Na Receita de Capital o grau de execução é de 58,83%. O acréscimo deste valor resulta das comparticipações das famílias para obras gerais, com um peso de 66,66% no valor total. O Total da Despesa apresenta um grau de execução de 82% ( ,00 ) o que significa uma redução ( ,93 ) em relação a

26 A Despesa Corrente ascendeu a ,07 e a Despesa de Capital a ,93. O grau de execução da Despesa Corrente foi de 84,57%, revelando um aumento face a 2010 de 1,61%. Em 2011 registou-se uma ligeira diminuição nas rubricas de pessoal no valor de ,83 em relação ao ano anterior. Registou-se também um aumento na compra de Água no valor de ,70, e também em combustíveis e lubrificantes, no valor de ,99. Tal aumento deve-se ao aumento dos combustíveis. Também a rubrica das Aquisições de Serviços regista um ligeiro aumento de ,87, resultando essencialmente do aumento do valor pago á SIMTEJO. A Despesa Corrente registou uma diminuição de ,36 que advém essencialmente da rubrica de Transferências Correntes, cujo valor foi de ,00, muito inferior ao registado no ano anterior. O Total das Despesas de Capital foi de ,93, sendo a rubrica com mais execução a de Captação e Distribuição de Água. O Saldo da Gerência de 2011 é de ,79, dos quais ,90 são de Fundos Próprios. Em 2011 verificou-se um aumento do Total do Ativo Líquido, resultante principalmente do acréscimo feito na conta das Imobilizações Corpóreas, no valor de ,36, que diz respeito ao investimento efetuado na rede de distribuição de água e nas redes de drenagem de águas residuais. Desta análise os principais pontos a salientar são: Decréscimo no valor dos proveitos de Venda de Água; Acréscimo na Prestação de Serviços decorrente principalmente da Tarifa de Utilização e Ligação; Diminuição da Compra de Água; Diminuição dos Custos com Pessoal; Diminuição dos Fornecimentos e Serviços Externos. O Resultado Líquido em 2011 atingiu um valor de ,76. 21

27 22

28 Balanço Consolidado Balanço Consolidado 23

29 24

30 BALANÇO - ACTIVO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 POCAL 2011 AB AP AL Activo Bens do domínio público Bens e recursos naturais Terrenos e recursos naturais Edifícios Outras construções e infra-estruturas Bens do património histórico, artístico e cultural Outros bens de domínio público Imobilização em curso Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação Despesas de investigação e de desenvolvimento Propriedade industrial e outros direitos Imobilizações corpóreas: Terrenos e recursos naturais Edifícios e outras construções Equipamento Básico Equipamento de transporte Ferramentas e utensílios Equipamento administrativo Taras e vasilhame Outras imobilizações corpóreas Imobilizações em curso Adiantamentos por conta de imobilizações corpóreas Investimentos financeiros: Partes de capital Imobilizações em curso Circulante: Existências: Mercadorias Dívidas de terceiros - Curto prazo: Empréstimos concedidos Clientes, c/c Contribuintes, c/c 0 0 Utentes, c/c Clientes, contribuintes e utentes de cobrança duvidosa Devedores pela execução do orçamento Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a fornecedores de imobilizado 0 0 Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros devedores Depósitos em instituições financeiras e caixa: Depósitos em instituições financeiras Caixa Acréscimos e diferimentos: Acréscimos de proveitos Custos diferidos Total de amortizações Total de provisões Total do activo

31 BALANÇO - FUNDOS PRÓPRIOS E PASSIVO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Unidade: Euro) POCAL 2011 Fundos próprios e passivo Fundos próprios: Património Reservas de reavaliação Reservas: Reservas legais Reservas estatuárias Reservas livres Doações Reservas decorrentes de transferência de activos Resultados transitados Resultado líquido do exercício Passivo Provisões para riscos e encargos Dívidas a terceiros - Médio e longo prazo Empréstimos de m/l prazo Fornecedores de imobilizado Dívidas a terceiros - Curto prazo: Empréstimos de curto prazo Fornecedores, c/c Fornecedores - Facturas em recepção e conferência Adiantamentos de clientes, contribuintes e utentes Fornecedores de imobilizado, c/c Estado e outros entes públicos Administração autárquica Outros credores Acréscimos e diferimentos: Acréscimos de custos Proveitos diferidos Total do passivo Total dos fundos próprios e do passivo

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados (ponto 8.2 e 8.3 do Dec-Lei 54-A/99 de 22 de fevereiro) 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais e devidamente fundamentados

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 MUNICÍPIO DE VISEU Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas,

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Ano financeiro de 2014

Ano financeiro de 2014 9. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 9.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Relatório e Contas Consolidado. Município da Amadora. Exercício de 2013

Relatório e Contas Consolidado. Município da Amadora. Exercício de 2013 Exercício de 2013 1 Índice I. RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO DO MUNICÍPIO DA AMADORA DO EXERCÍCIO DE 2013... 3 3 1. Introdução... 4 4 2. Perímetro de consolidação... 5 5 3. Caraterização das entidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 1 2 ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO... 5 BALANÇO CONSOLIDADO... 23 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA... 26 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS... 28 I. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Câmara Municipal de Cascais 31-12-2011 Divisão de Contabilidade e Gestão de Disponibilidades DMAS/DGF Cascais, Fevereiro de 2012 Nota Introdutória As

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTARÉM

MUNICÍPIO DE SANTARÉM Contas Consolidadas do Município de Santarém RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO DO MUNICÍPIO DE SANTARÉM Relatório de Gestão Consolidado do Município de Santarém do ano de Página 1 O Relatório de Gestão Consolidado

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE MUNICÍPIO DE GUIMARÃES GERÊNCIA 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS.

Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS. Antes de imprimir ou fotocopiar este documento, por favor confirme que é verdadeiramente necessário. O MEIO AMBIENTE É DE TODOS. Índice Introdução... 4 A Relatório de Gestão... 6 A.1. Organigrama do Grupo

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados 6 3 Plano plurianual de investimentos - aprovado por deliberação de 3/12/2009 7.1 4 Orçamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

MANUAL DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE GUIMARÃES. Índice

MANUAL DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE GUIMARÃES. Índice Índice 1 Objetivo da Consolidação... 5 2 Definições... 5 2.1. Empresa Mãe ou consolidante... 5 2.2. Subsidiária... 5 2.3. Perímetro de Consolidação... 5 2.4. Diferença de Consolidação... 6 3 Organigrama

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais.

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas

Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS MUNICÍPIO DE ODIVELAS. Prestação de Contas 2013. estação de Contas Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2011 MUNICÍPIO DE ODIVELAS Prestação de Contas 2013 MUNICÍPIO DE ODIVELAS estação de Contas prestação de contas 2013 08.2 NOTAS AO BALANÇO

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Notas Explicativas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Notas Explicativas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. NOTAS EXPLICATIVAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1. O Balanço e a Demonstração de Resultados, foram elaborados de acordo com as normas estabelecidas no Ponto n.º 13 do POCAL Plano

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã 2. Notas ao Balanço e Demonstrações de Resultados 2.1 - As contas do município derrogaram o ponto 2.8.3 do POCAL que institui a obrigatoriedade da utilização da contabilidade de custos. Tal facto ficou

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º.

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º. 1 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS Art.º 1º. Lei habilitante O presente regulamento é elaborado no uso das competências

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO EXERCÍCIO DO ANO 2011 INTRODUÇÃO A crescente utilização pelos municípios de formas organizacionais de diversa natureza (nomeadamente empresarial),

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL)

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL) Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados (Ponto 8.2. do POCAL) 1. O Balanço e a Demonstração de Resultados foram elaborados de acordo com os Princípios Contabilísticos definidos no Plano Oficial

Leia mais

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7

ÍNDICE. 2.1.1. PROVEITOS 6 2.1.1.1. Estrutura de proveitos 6 2.1.1.2. Evolução dos proveitos 7 ÍNDICE I. RELATÓRIO GESTÃO CONSOLIDADO 3 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 4 1.1. REGRAS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 4 1.2. ELEMENTOS DA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 5 2. ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 6 2.1. ANÁLISE ECONÓMICA

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães Página 1 de 7 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais