Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas"

Transcrição

1 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local. O nº 1 daquele artigo estabelece que Sem prejuízo dos documentos de prestação de contas previsto na lei, as contas dos Municípios que detenham serviços municipalizados ou a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local devem incluir as contas consolidadas, apresentando a consolidação do balanço e da demonstração de resultados com os respectivos anexos explicativos, incluindo, nomeadamente, os saldos e fluxos financeiros entre as entidades alvo de consolidação e o mapa de endividamento consolidado de médio e longos prazos. Acrescenta-se, ainda, no nº 2 que Os procedimentos contabilísticos para a consolidação de balanços dos municípios e das empresas municipais ou intermunicipais são os definidos no POCAL, situação esta que não se verificava até A existência deste vazio legal relativamente a este assunto, constituiu impedimento absoluto para que a Autarquia procede-se à consolidação de contas com a empresa municipal em anos anteriores a Em Junho de 2010 ano foi publicada a Portaria nº 474/2010, de 15 de Junho, através da qual foi aprovada no artigo nº 1 a Orientação nº 1/2010, intitulada de Orientação Genérica relativa à consolidação de contas no âmbito do sector público administrativo. De acordo com os artigos 2º e 3º da referida Portaria, a indicada orientação visa ««( ) estabelecer um conjunto de princípios enquadradores, que devem estar subjacentes à consolidação de contas das entidades integradas no sector público administrativo (SPA), que «( ) são aplicáveis a todos os serviços e organismos da administração ( ) local ( ), designadamente quanto à obrigatoriedade, dispensa e exclusões da consolidação». No artigo 5º (regime transitório) prevê-se que «( ) até à publicação de normas de consolidação de contas previstas nos planos sectoriais ou de uma norma única de consolidação de contas aplicável a todos os serviços e organismos publicas que compõem o sector público administrativo devem ser observados os princípios de consolidação de contas estabelecidos na presente portaria». Assim, em 2010 o Município apresentou pela primeira vez as demonstrações financeiras consolidadas, tendo as mesmas sido preparadas através da conjugação das demonstrações financeiras do Município de Alcácer (entidade mãe) com o da entidade controlada (EMSUAS). O sistema utilizado pelo Município para proceder à consolidação de contas consiste na soma linha a linha dos balanços e das demonstrações dos resultados das entidades pertencentes ao grupo público, adicionando rubricas idênticas de ativos, passivos, fundos próprios/capital próprio, custos, proveitos, pagamentos e recebimentos, eliminada que estejam as operações de transferência e subsídios efectuados entre as entidades, ou seja, a eliminação das operações recíprocas (artigo nº 6.1 da portaria acima mencionada). As Demonstrações Financeiras consolidadas devem ser elaboradas e aprovadas pela Câmara Municipal, de acordo com o estabelecido no artigo 47º da Lei das Finanças Locais, e submetidas a apreciação da Assembleia Municipal conjuntamente com os documentos de prestação de contas do Município, sendo posteriormente publicitadas de harmonia com o previsto no artigo 49º da mesma Lei. Esta ferramenta de gestão tem como objectivo elaborar as demonstrações económicas e financeiras de um conjunto de entidades ligadas entre si, como se de uma única entidade se tratasse, procurando dar uma imagem verdadeira e apropriada da situação financeira e dos resultados do grupo municipal, permitindo, ainda, o estabelecimento de contas únicas representativas da atividade global e da situação do conjunto de entidades ligadas por interesses comuns. Desta forma, além das contas individuais que os Municípios são obrigados a apresentar passaram, também, a ter de apresentar contas consolidadas do grupo municipal em que a autarquia se enquadra. Assim, tendo em consideração que o Capital social da EMSUAS é detido na totalidade pelo Município de Alcácer do Sal, vimos por este meio apresentar as demonstrações financeiras consolidadas, dando cumprimento à Lei das Finanças Locais nos termos legalmente definidos. 1

2 2 - PERIMETRO DE CONSOLIDAÇÃO De acordo com o disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei das Finanças Locais, os Municípios (entidade-mãe) são obrigados a consolidar as suas contas desde que participem na totalidade do capital de entidades do sector empresarial local ou detenham serviços municipalizados. O grupo municipal é definido pelo perímetro de consolidação legalmente obrigatório de cada Município, integrando as entidades de natureza empresarial (independentemente de revestirem formas de direito privado ou serem entidades empresarias locais de direito público) que este participe, de forma direta ou indireta, em 100% do capital, e os serviços municipalizados que detenha, no final do exercício económico a consolidar. Entidades incluídas no perímetro de consolidação: Denominação da Entidade Sede Social Fundamentação de inclusão Município de Alcácer do Sal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos de Alcácer do Sal, E.M. Largo Pedro Nunes Alcácer do Sal Rua da República, nº 68 2ºA Alcácer do Sal Entidade-Mãe, sujeita a elaboração de contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro As contas dos municípios que detenham a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local (SEL) devem incluir as contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro O perímetro de consolidação do Município de Alcácer do Sal engloba apenas a empresa municipal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos, E.M. A EMSUAS é uma empresa municipal e tem como atividade principal a gestão de resíduos e limpeza pública em geral. Possui uma natureza jurídica de EM Empresa Municipal, com o capital social de ,26, com o Município de Alcácer do Sal a assumir uma participação de 100%. 3 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 3.1 Análise ao Balanço O Balanço Consolidado tem como objectivo retratar a estrutura económico-financeira do grupo municipal à data de encerramento do exercício económico de 2012, dando a conhecer o Ativo do Grupo, constituído pelos bens e direitos que representam a aplicação de fundos, ou seja, a sua estrutura económica bem como o Passivo e os Fundos Próprios do Grupo, que representam a sua estrutura financeira, ou seja, a origem de fundos. A estrutura do Ativo reparte-se em Imobilizado ou Ativo Fixo e Ativo Circulante. A estrutura do Passivo reparte-se pelos Fundos Próprios e Passivo. 2

3 Síntese da Estrutura do Balanço Consolidado ATIVO ACTIVO 2012 % 2011 % Variação Imobilizado ,52 92,522% ,83 91,505% 2,078% Bens de Domínio Público ,54 23,320% ,46 21,907% 7,470% Imobilizações Incorpóreas 574,07 0,001% 2.344,15 0,004% -75,511% Imobilizações Corpóreas ,94 67,344% ,51 67,714% 0,403% Investimentos Financeiros ,97 1,857% ,71 1,880% -0,273% Circulante ,45 7,478% ,37 8,495% -11,138% Existências ,09 0,911% ,63 0,969% -5,130% Dívidas de Terceiros Curto Prazo ,92 2,841% ,07 4,854% -40,903% Disponibilidades ,90 2,138% ,07 1,866% 15,653% Acréscimos e Diferimentos ,54 1,587% ,60 0,806% 98,899% Total do Ativo ,97 100,00% ,20 100,00% 0,955% FUNDOS PRÓPRIOS E PASSIVO Fundos Próprios e Passivo 2012 % 2010 % Variação Fundos Próprios ,90 77,912% ,44 78,402% 0,325% Património ,53 69,949% ,58 67,032% 5,349% Diferenças consolidação 0,00 0,000% ,52-0,146% -- Reservas ,36 1,269% ,16 1,265% 1,261% Subsídios ,02 0,687% ,02 0,693% -- Doações 240,00 0,000% 240,00 0,000% -- Resultados Transitados ,18 9,038% ,51 9,221% -1,052% Resultado Liquido do Exercício ,19-3,031% ,69 0,336% -- Passivo ,07 22,088% ,76 21,598% 3,241% Dividas a Terceiros M/longo prazo ,64 1,066% ,07 1,409% -23,612% Dívidas a Terceiros CP ,20 2,722% ,90 4,427% -37,917% Acréscimos e Diferimentos ,23 18,299% ,79 15,763% 17,199% Total dos Fundos Próprios e Passivo ,97 100,000% ,20 100,000% 0,955% ATIVO Pela análise ao Balanço Consolidado, verifica-se um crescimento do Ativo Total em cerca de 0,955%. O Imobilizado (Ativo Fixo), apresenta um crescimento de 2,078%. Este aumento resultou da inclusão no Ativo do Município de Alcácer do Sal de bens do domínio público não inventariados nem valorizados em anos anteriores e no registo de outros bens adquiridos durante o ano de Em contrapartida o Ativo Circulante apresentou um decréscimo de 11,138% face a As dívidas de Terceiros de Curto Prazo, nomeadamente a conta 21 Clientes apresenta um montante líquido de ,92 (contra o valor de 2011 que totalizava ,07 ), correspondente ao total dos documentos para cobrança em 31/12/2012, refletindo um decréscimo de 40,903% face ao ano anterior. O valor de disponibilidades apresentava em 31/12/2011 um valor de ,90. Face ao ano anterior verifica-se um crescimento de 15,653%. Os Acréscimos e diferimentos apresentam um valor de ,54 e incluem os acréscimos de proveitos ( ,66 ) relativos a receitas de 2012 que o município só irá receber em 2013, nomeadamente águas, impostos diretos, etc.. Face a 2011, verifica-se uma variação nesta rubrica de 98,899%. 3

4 PASSIVO Ao nível do Passivo, é de destacar a diminuição dos empréstimos de médio e longo prazo no montante de ,43, representando uma redução de 23,612% face a As dívidas a terceiros a curto prazo, diminuíram 37,917% ( ,70 ) face ao ano passado. Os Acréscimos de Custos, apresentam um valor de ,95 e incluem custos de 2012 cujo pagamento só serão efectuados em 2013 como por exemplo os subsídios de férias a liquidar. Os Proveitos diferidos, que totalizam ,28 são constituídos fundamentalmente pelo registo dos subsídios ao investimento. Esta conta é movimentada a crédito pelo recebimento das comparticipações externas em investimentos do municípios e a débito pelo valor proporcional à amortização do bem financiado, aquando do registo do proveito. 3.2 Análise à Demonstração de Resultados A Demonstração de Resultados tem como objectivo aferir o grau de eficiência económica atingido, de forma a analisar a capacidade do grupo municipal em gerar fluxos de caixa. Os proveitos e ganhos operacionais totais ascendem a ,99 e os custos operacionais a ,14, dando origem a um resultado operacional negativo de ,15. Os Impostos e taxas face ao ano transacto apresentam um decréscimo de 15,703% ( ,21 ). Os custos operacionais ascendem a ,14, sendo as rubricas com maior peso os custos com pessoal e os fornecimentos e serviços externos. Os Resultados Financeiros apresentam um valor ,26, aumentando 42,775% relativamente a Balanço Consolidado Mapa do balanço consta no dossiê dos documentos de prestação de contas 5 - Demonstração de Resultados Consolidada Mapa da demonstração de resultados consta no dossiê dos documentos de prestação de contas 4

5 6 - Anexo ao Balanço Consolidado e à Demonstração de Resultados Consolidados Este anexo foi elaborado de acordo com a Portaria nº 474/2010 de 15 de junho, sendo que nos pontos mencionados na mesma que não são aplicáveis ao exercício estão identificados com a notação Não aplicável/não existe Informações relativas às entidades incluídas no perímetro de consolidação Denominação da Entidade Sede Social Fundamentação de inclusão Município de Alcácer do Sal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos de Alcácer do Sal, E.M. Largo Pedro Nunes Alcácer do Sal Rua da República, nº 68 2ºA Alcácer do Sal Entidade-Mãe, sujeita a elaboração de contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro As contas dos municípios que detenham a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local (SEL) devem incluir as contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro O número de trabalhadores ao serviço durante o exercício de 2012 foram os seguintes: - EMSUAS 98 funcionários - Município de Alcácer do Sal 342 funcionários Assim, o grupo municipal empregou 440 funcionários no exercício económico em análise Informações relativas à imagem verdadeira e apropriada a) Descrição dos casos em que a aplicação das normas de consolidação não seja suficiente para que as demonstrações financeiras consolidadas deem uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira e dos resultados do conjunto das entidades incluídas na consolidação; Não aplicável/não existe b) Identificação das situações relacionadas com o afastamento da aplicação das normas de consolidação, efectuadas para se obter a necessária imagem e apropriada, com indicação das respectivas razões e dos seus efeitos no balanço e demonstração dos resultados consolidados; c) Indicação das alterações ocorridas, no decurso do exercício, na composição do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação, com fundamentação do facto de se tratar ou não de uma alteração significativa; Informações relativas aos procedimentos de consolidação a) Identificação e fundamentação de todos os movimentos extra contabilísticos efectuados para efeitos de consolidação, nomeadamente no que respeita à eliminação dos investimentos financeiros e das operações reciprocas; Os mapas auxiliares de consolidação do Balanço e da Demonstração de Resultados Consolidados, constam do dossier de consolidação; b) Discriminação da rubrica diferenças de consolidação, com indicação dos métodos de cálculo adoptados e explicitação das variações significativas relativamente ao exercício anterior; O sistema utilizado pelo Município para proceder à consolidação de contas consiste na soma linha a linha dos balanços e das demonstrações dos resultados das entidades pertencentes ao grupo público, adicionando rubricas idênticas de ativos, passivos, fundos próprios/capital próprio, custos, proveitos, pagamentos e recebimentos, eliminada que estejam as operações de transferência e subsídios efectuados entre as entidades, ou seja, a eliminação das operações recíprocas (artigo nº 6.1 da portaria acima mencionada). Sendo o valor da participação da entidade mãe igual ao valor da fracção dos capitais próprios da Empresa municipal, não há lugar ao reconhecimento de qualquer diferença de consolidação. 5

6 c) Justificação dos casos excepcionais em que não se tenha adoptado o princípio da consistência na consolidação e avaliação dos seus efeitos no património, na posição financeira e nos resultados do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação;. d) Descrição dos acontecimentos importantes relacionados com o património, a posição financeira e os resultados de uma entidade incluída no perímetro de consolidação que tenham ocorrido entre a data do balanço dessa entidade e a data do balanço consolidado; e) Informações que tornem comparáveis os sucessivos conjuntos de demonstrações financeiras no caso de se alterar significativamente, no decurso do exercício, a composição do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação;. f) Indicação dos montantes dos ajustamentos excepcionais de valor dos ativos feitos exclusivamente para fins fiscais e não eliminados da consolidação, juntamente com as razões que o determinaram;. g) Opção usada pelo conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação quanto à contabilização das participações em entidades de natureza empresarial; Informações relativas ao endividamento de médio e longo prazo: a) - Descrição do endividamento consolidado de médio e longo prazo (artigo 46º, nº1, da LFL), desagregado por rubrica patrimonial, de acordo com o seguinte mapa: Endividamento consolidado de médio e longos prazos Código Dividas a terceiros de médio/longo prazo Eliminação de Grupo Designação das contas Município de Alcácer do Sal EMSUAS, SA Total Créditos / dívidas recíprocos Público consolidado = = ,64 0, ,64 0, ,64 Total ,64 0, ,64 0, ,64 6

7 b) Montante total das dívidas a terceiros apresentadas no balanço consolidado e que se vençam nos quatros anos seguintes à data do balanço, desagregado por rubrica patrimonial. Código Designação das contas Grupo Público consolidado , , , , , , , , , , ,00 Total ,20 7

8 6.5 - Informações sobre saldos e fluxos financeiros: de Saldos e fluxos financeiros entre entidades do grupo público Município de Alcácer do Sal / EMSUAS SA Tipo Obrigações / pagamentos Direitos / recebimentos Obrigações Anulações Direitos Anulações Saldo Pagamentos Saldo Recebimentos Fluxos constituídas no no Saldo final constituídos do Inicial do exercício Inicial do exercício exercício exercício no exercício exercício 6 = (2+3) (4+5) 8 Saldo final 11 = (7+8) - (9+10) Transferências Subsídios 0, ,65 0, ,65 0,00 0, ,65 0, ,65 0,00 Empréstimos Relações Comerciais , ,02 0, , , , ,02 0, ,28 Participações do capital em numerário Participações do capital em espécie outros Total , ,67 0, , , , ,67 0, , , Informações relativas a compromissos: a) Montante global dos compromissos financeiros que não figurem no balanço consolidado, no caso em que a sua indicação seja útil para a apreciação da situação financeira do conjunto das entidades compreendidas no perímetro de consolidação, incluindo, relativamente às entidades que adoptem o POCAL, a discriminação, por agrupamento económico, dos valores que devem ser reflectidos nas contas da classe 0 relativas aos compromissos para exercícios futuros; Não aplicável/ não existem b) Descrição das responsabilidades das entidades incluídas no perímetro de consolidação por garantias prestadas, desdobrando-as de acordo com a sua natureza e mencionado expressamente as garantias reais, com indicação da norma legal habilitante Informações relativas a políticas contabilísticas a) Critérios de valorimetria aplicados às várias rubricas das demonstrações financeiras consolidadas e os métodos utilizados no cálculo dos ajustamentos de valor, designadamente no que diz respeito às amortizações, aos ajustamentos e às provisões:»» Imobilizações Os critérios valorimétricos utilizados pelas entidades do Grupo Municipal, ao nível dos bens do ativo imobilizado, foram o custo de aquisição ou custo de produção; Nos casos em que não é conhecido o valor de aquisição ou produção, procede-se à devida avaliação, segundo os critérios técnicos adequados. O método das quotas constantes foi o método utilizado no cálculo das amortizações. O Município ainda não possui um sistema de contabilidade analítica que permita aferir custos internos a imputar ao imobilizado em curso, sob a forma de trabalhos para a própria autarquia. Os bens em curso são considerados completos com informação da conta final de empreitada.»» Investimentos Financeiros: As participações de capital em Empresas são valorizadas pelo custo de aquisição. 8

9 »» Existências: As existências são valorizadas ao custo de aquisição. O critério valorimétrico utilizado na determinação do custo de saída de existências foi o custo médio ponderado. Não se verificaram factos relevantes para serem constituídas provisões para depreciação de existências»» Dividas de e a terceiros As dívidas de e a terceiros são expressas pelas importâncias constantes dos documentos que as titulam. No que às dívidas a terceiros diz respeito, não se registaram factos patrimoniais relevantes para que se constituíssem provisões para riscos e encargos.»» Provisões As provisões são calculadas de acordo com o princípio da prudência.»» Disponibilidades As disponibilidades em caixa e depósitos em instituições financeiras foram expressas pelos montantes dos meios de pagamento e dos saldos de todas as contas de depósito, respectivamente. O saldo de caixa expresso no balanço corresponde à existência física na tesouraria. Os depósitos em instituições financeiras correspondem aos saldos registados nas contas correntes com instituições de crédito e aos valores expressos no resumo diário de tesouraria. As divergências verificadas entre saldos destas contas e os respectivos extractos bancários, forma devidamente reconciliadas. b) Cotações utilizadas para conversão em euros dos elementos incluídos nas demonstrações financeiras consolidadas que sejam ou tenham sido originariamente expressos em moeda estrangeira diferente. Não aplicável Informações relativas a determinadas rubricas: a) Comentário das rubricas despesas de instalação e despesas de investigação de desenvolvimento. b) Indicação dos custos suportados no exercício e respeitantes a empréstimos obtidos para financiar imobilizações, durante a construção, que tenham sido capitalizados nesse período;. c) Montante dos ajustamentos de valor dos ativos abrangidos na consolidação que tenham sido objecto de amortizações e de provisões extraordinárias, feitas exclusivamente para fins fiscais, indicando os motivos que os justificaram;. d) Indicação global, por categoria de bens, das diferenças materialmente relevantes, entre os custos de elementos do ativo circulante, calculados de acordo com os critérios valorimétricos adaptados, e os respectivos preços de mercado;. e) Fundamentação das circunstâncias especiais que justificaram a atribuição a elementos do ativo circulante de um valor inferior ao mais baixo do custo ou do preço do mercado;. 9

10 f) Indicação e justificação das provisões extraordinárias respeitantes a elementos do ativo circulante relativamente aos quais, face a uma análise comercial razoável, se prevejam descidas estáveis provenientes de flutuações de valor; g) Montante das dívidas a terceiros apresentadas no balanço consolidado, cobertas por garantias reais prestadas pelas entidades incluídas no perímetro de consolidação, com indicação da respectiva natureza, forma e norma habilitante à sua concessão. h) Diferença, quando levada ao ativo, entre importâncias das dividas a pagar e as correspondentes quantias arrecadadas, quando aplicável; i) Repartição do valor liquido consolidado das vendas e das prestações de serviços, por categorias de atividades: j) Diferença entre impostos imputados à demonstração consolidada dos resultados do exercício e dos exercícios anteriores e os impostos já pagos e a pagar relativamente a esses exercícios, desde que essa diferença seja materialmente relevante para a determinação dos impostos futuros; k) Indicação dos diplomas legais em que se baseou a reavaliação de imobilizações corpóreas ou de investimentos financeiros, bem como explicitação dos processos de tratamento da inflação adoptados para o cálculo, no caso de utilização de outros métodos de reavaliação; l) Elaboração de um quadro discriminativo das reavaliações; m) Indicação e comentário das contas do balanço e da demonstração de resultados consolidados cujos conteúdos não sejam comparáveis com os do exercício anterior; n) Demonstração consolidada dos resultados financeiros: DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DOS RESULTADOS FINANCEIROS Cod. Das contas Custos e Perdas Exercícios Cod. Das Exercícios contas Proveitos e Ganhos Juros Suportados , , Juros obtidos 5.840, , Perdas em entidades participadas 0, , Ganhos em entidades participadas 0,00 0, Amortizações de invest.em imóveis 2.940,74 0, Rendimentos de imóveis , ,40 Rendimentos de participação de 684 Provisões para aplicações financeiras 0,00 0, capital 0,00 0, Diferenças de câmbio desfavoráveis 0,00 0, Diferenças de câmbio favoráveis 0,00 0, Perdas na alienação de apl.tesouraria 0,00 0, Descontos pronto pagamento obtidos 0,00 0,00 Ganhos na alienação de 688 Outros custos e perdas financeiros 1.272, , aplic.tesouraria 0,00 0,00 Resultados Financeiros , , Outros proveitos e ganhos financeiros 6.805, , , , , ,30 10

11 o) Demonstração consolidada dos resultados extraordinários; DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DOS RESULTADOS EXTRAORDINÁRIOS Cod. Das contas 691 Exercícios Cod. Das Exercícios Custos e Perdas contas Proveitos e Ganhos Transferências de capital concedidas , , Restituição de impostos 0,00 0, Dívidas incobráveis 0,00 0, Recuperação de dívidas 0,00 0, Perdas em existências 978,17 0, Ganhos em existências , , Perdas em imobilizações , , Ganhos em imobilizações , ,59 Benefícios de penalidades 695 Multas e Penalidades 187, , contratuais , ,69 Aumentos de amortiz. e de Reduções de amortizações e de 696 provisões 0,00 0, provisões , , Correções relativas a exerc. Anteriores 7.535,69-222, Correções relativas a exerc. anteriores , ,63 Outros custos e perdas Outros proveitos e ganhos 698 extraordinárias 1.332, , extraordinários , ,05 Resultados Extraordinários , , , , , ,02 p) Indicação dos bens utilizados no regime de locação financeiro, com menção dos respectivos valores contabilísticos; q) Valor global das dívidas que se encontram tituladas, por rubricas do balanço consolidado, quando nele não estiverem evidenciadas; 7 Informações diversas a) Outras informações exigidas por diplomas legais; Prevê o artigo 4º da Portaria nº 474/2010, de 1 de Julho, e o ponto 5.2 da Orientação nº 1/2010, que é relevante a elaboração de um Mapa de Fluxos de Caixa Consolidado e Operações Orçamentais. No entanto, uma vez que o perímetro de consolidação dos municípios pode abranger entidades de natureza empresarial que não estão legalmente obrigadas a elaborar documentos previsionais e de prestação de contas de natureza orçamental em termos idênticos aos previstos no POCAL, como é o caso da EMSUAS,SA., esta situação dificulta a elaboração do referido mapa de Fluxos de Caixa Consolidado e de Operações Orçamentais, visto a informação da EMSUAS ter de ser especificamente preparada para esta finalidade, situação esta ainda não existente. b) Outras informações consideradas relevantes para uma melhor compreensão da situação financeira e dos resultados do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação. 11

12 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local. O nº 1 daquele artigo estabelece que Sem prejuízo dos documentos de prestação de contas previsto na lei, as contas dos Municípios que detenham serviços municipalizados ou a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local devem incluir as contas consolidadas, apresentando a consolidação do balanço e da demonstração de resultados com os respectivos anexos explicativos, incluindo, nomeadamente, os saldos e fluxos financeiros entre as entidades alvo de consolidação e o mapa de endividamento consolidado de médio e longos prazos. Acrescenta-se, ainda, no nº 2 que Os procedimentos contabilísticos para a consolidação de balanços dos municípios e das empresas municipais ou intermunicipais são os definidos no POCAL, situação esta que não se verificava até A existência deste vazio legal relativamente a este assunto, constituiu impedimento absoluto para que a Autarquia procede-se à consolidação de contas com a empresa municipal em anos anteriores a Em Junho de 2010 ano foi publicada a Portaria nº 474/2010, de 15 de Junho, através da qual foi aprovada no artigo nº 1 a Orientação nº 1/2010, intitulada de Orientação Genérica relativa à consolidação de contas no âmbito do sector público administrativo. De acordo com os artigos 2º e 3º da referida Portaria, a indicada orientação visa ««( ) estabelecer um conjunto de princípios enquadradores, que devem estar subjacentes à consolidação de contas das entidades integradas no sector público administrativo (SPA), que «( ) são aplicáveis a todos os serviços e organismos da administração ( ) local ( ), designadamente quanto à obrigatoriedade, dispensa e exclusões da consolidação». No artigo 5º (regime transitório) prevê-se que «( ) até à publicação de normas de consolidação de contas previstas nos planos sectoriais ou de uma norma única de consolidação de contas aplicável a todos os serviços e organismos publicas que compõem o sector público administrativo devem ser observados os princípios de consolidação de contas estabelecidos na presente portaria». Assim, em 2010 o Município apresentou pela primeira vez as demonstrações financeiras consolidadas, tendo as mesmas sido preparadas através da conjugação das demonstrações financeiras do Município de Alcácer (entidade mãe) com o da entidade controlada (EMSUAS). O sistema utilizado pelo Município para proceder à consolidação de contas consiste na soma linha a linha dos balanços e das demonstrações dos resultados das entidades pertencentes ao grupo público, adicionando rubricas idênticas de ativos, passivos, fundos próprios/capital próprio, custos, proveitos, pagamentos e recebimentos, eliminada que estejam as operações de transferência e subsídios efectuados entre as entidades, ou seja, a eliminação das operações recíprocas (artigo nº 6.1 da portaria acima mencionada). As Demonstrações Financeiras consolidadas devem ser elaboradas e aprovadas pela Câmara Municipal, de acordo com o estabelecido no artigo 47º da Lei das Finanças Locais, e submetidas a apreciação da Assembleia Municipal conjuntamente com os documentos de prestação de contas do Município, sendo posteriormente publicitadas de harmonia com o previsto no artigo 49º da mesma Lei. Esta ferramenta de gestão tem como objectivo elaborar as demonstrações económicas e financeiras de um conjunto de entidades ligadas entre si, como se de uma única entidade se tratasse, procurando dar uma imagem verdadeira e apropriada da situação financeira e dos resultados do grupo municipal, permitindo, ainda, o estabelecimento de contas únicas representativas da atividade global e da situação do conjunto de entidades ligadas por interesses comuns. Desta forma, além das contas individuais que os Municípios são obrigados a apresentar passaram, também, a ter de apresentar contas consolidadas do grupo municipal em que a autarquia se enquadra. Assim, tendo em consideração que o Capital social da EMSUAS é detido na totalidade pelo Município de Alcácer do Sal, vimos por este meio apresentar as demonstrações financeiras consolidadas, dando cumprimento à Lei das Finanças Locais nos termos legalmente definidos. 1

13 2 - PERIMETRO DE CONSOLIDAÇÃO De acordo com o disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei das Finanças Locais, os Municípios (entidade-mãe) são obrigados a consolidar as suas contas desde que participem na totalidade do capital de entidades do sector empresarial local ou detenham serviços municipalizados. O grupo municipal é definido pelo perímetro de consolidação legalmente obrigatório de cada Município, integrando as entidades de natureza empresarial (independentemente de revestirem formas de direito privado ou serem entidades empresarias locais de direito público) que este participe, de forma direta ou indireta, em 100% do capital, e os serviços municipalizados que detenha, no final do exercício económico a consolidar. Entidades incluídas no perímetro de consolidação: Denominação da Entidade Sede Social Fundamentação de inclusão Município de Alcácer do Sal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos de Alcácer do Sal, E.M. Largo Pedro Nunes Alcácer do Sal Rua da República, nº 68 2ºA Alcácer do Sal Entidade-Mãe, sujeita a elaboração de contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro As contas dos municípios que detenham a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local (SEL) devem incluir as contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro O perímetro de consolidação do Município de Alcácer do Sal engloba apenas a empresa municipal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos, E.M. A EMSUAS é uma empresa municipal e tem como atividade principal a gestão de resíduos e limpeza pública em geral. Possui uma natureza jurídica de EM Empresa Municipal, com o capital social de ,26, com o Município de Alcácer do Sal a assumir uma participação de 100%. 3 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 3.1 Análise ao Balanço O Balanço Consolidado tem como objectivo retratar a estrutura económico-financeira do grupo municipal à data de encerramento do exercício económico de 2012, dando a conhecer o Ativo do Grupo, constituído pelos bens e direitos que representam a aplicação de fundos, ou seja, a sua estrutura económica bem como o Passivo e os Fundos Próprios do Grupo, que representam a sua estrutura financeira, ou seja, a origem de fundos. A estrutura do Ativo reparte-se em Imobilizado ou Ativo Fixo e Ativo Circulante. A estrutura do Passivo reparte-se pelos Fundos Próprios e Passivo. 2

14 Síntese da Estrutura do Balanço Consolidado ATIVO ACTIVO 2012 % 2011 % Variação Imobilizado ,52 92,522% ,83 91,505% 2,078% Bens de Domínio Público ,54 23,320% ,46 21,907% 7,470% Imobilizações Incorpóreas 574,07 0,001% 2.344,15 0,004% -75,511% Imobilizações Corpóreas ,94 67,344% ,51 67,714% 0,403% Investimentos Financeiros ,97 1,857% ,71 1,880% -0,273% Circulante ,45 7,478% ,37 8,495% -11,138% Existências ,09 0,911% ,63 0,969% -5,130% Dívidas de Terceiros Curto Prazo ,92 2,841% ,07 4,854% -40,903% Disponibilidades ,90 2,138% ,07 1,866% 15,653% Acréscimos e Diferimentos ,54 1,587% ,60 0,806% 98,899% Total do Ativo ,97 100,00% ,20 100,00% 0,955% FUNDOS PRÓPRIOS E PASSIVO Fundos Próprios e Passivo 2012 % 2010 % Variação Fundos Próprios ,90 77,912% ,44 78,402% 0,325% Património ,53 69,949% ,58 67,032% 5,349% Diferenças consolidação 0,00 0,000% ,52-0,146% -- Reservas ,36 1,269% ,16 1,265% 1,261% Subsídios ,02 0,687% ,02 0,693% -- Doações 240,00 0,000% 240,00 0,000% -- Resultados Transitados ,18 9,038% ,51 9,221% -1,052% Resultado Liquido do Exercício ,19-3,031% ,69 0,336% -- Passivo ,07 22,088% ,76 21,598% 3,241% Dividas a Terceiros M/longo prazo ,64 1,066% ,07 1,409% -23,612% Dívidas a Terceiros CP ,20 2,722% ,90 4,427% -37,917% Acréscimos e Diferimentos ,23 18,299% ,79 15,763% 17,199% Total dos Fundos Próprios e Passivo ,97 100,000% ,20 100,000% 0,955% ATIVO Pela análise ao Balanço Consolidado, verifica-se um crescimento do Ativo Total em cerca de 0,955%. O Imobilizado (Ativo Fixo), apresenta um crescimento de 2,078%. Este aumento resultou da inclusão no Ativo do Município de Alcácer do Sal de bens do domínio público não inventariados nem valorizados em anos anteriores e no registo de outros bens adquiridos durante o ano de Em contrapartida o Ativo Circulante apresentou um decréscimo de 11,138% face a As dívidas de Terceiros de Curto Prazo, nomeadamente a conta 21 Clientes apresenta um montante líquido de ,92 (contra o valor de 2011 que totalizava ,07 ), correspondente ao total dos documentos para cobrança em 31/12/2012, refletindo um decréscimo de 40,903% face ao ano anterior. O valor de disponibilidades apresentava em 31/12/2011 um valor de ,90. Face ao ano anterior verifica-se um crescimento de 15,653%. Os Acréscimos e diferimentos apresentam um valor de ,54 e incluem os acréscimos de proveitos ( ,66 ) relativos a receitas de 2012 que o município só irá receber em 2013, nomeadamente águas, impostos diretos, etc.. Face a 2011, verifica-se uma variação nesta rubrica de 98,899%. 3

15 PASSIVO Ao nível do Passivo, é de destacar a diminuição dos empréstimos de médio e longo prazo no montante de ,43, representando uma redução de 23,612% face a As dívidas a terceiros a curto prazo, diminuíram 37,917% ( ,70 ) face ao ano passado. Os Acréscimos de Custos, apresentam um valor de ,95 e incluem custos de 2012 cujo pagamento só serão efectuados em 2013 como por exemplo os subsídios de férias a liquidar. Os Proveitos diferidos, que totalizam ,28 são constituídos fundamentalmente pelo registo dos subsídios ao investimento. Esta conta é movimentada a crédito pelo recebimento das comparticipações externas em investimentos do municípios e a débito pelo valor proporcional à amortização do bem financiado, aquando do registo do proveito. 3.2 Análise à Demonstração de Resultados A Demonstração de Resultados tem como objectivo aferir o grau de eficiência económica atingido, de forma a analisar a capacidade do grupo municipal em gerar fluxos de caixa. Os proveitos e ganhos operacionais totais ascendem a ,99 e os custos operacionais a ,14, dando origem a um resultado operacional negativo de ,15. Os Impostos e taxas face ao ano transacto apresentam um decréscimo de 15,703% ( ,21 ). Os custos operacionais ascendem a ,14, sendo as rubricas com maior peso os custos com pessoal e os fornecimentos e serviços externos. Os Resultados Financeiros apresentam um valor ,26, aumentando 42,775% relativamente a Balanço Consolidado Mapa do balanço consta no dossiê dos documentos de prestação de contas 5 - Demonstração de Resultados Consolidada Mapa da demonstração de resultados consta no dossiê dos documentos de prestação de contas 4

16 6 - Anexo ao Balanço Consolidado e à Demonstração de Resultados Consolidados Este anexo foi elaborado de acordo com a Portaria nº 474/2010 de 15 de junho, sendo que nos pontos mencionados na mesma que não são aplicáveis ao exercício estão identificados com a notação Não aplicável/não existe Informações relativas às entidades incluídas no perímetro de consolidação Denominação da Entidade Sede Social Fundamentação de inclusão Município de Alcácer do Sal EMSUAS Empresa Municipal de Serviços Urbanos de Alcácer do Sal, E.M. Largo Pedro Nunes Alcácer do Sal Rua da República, nº 68 2ºA Alcácer do Sal Entidade-Mãe, sujeita a elaboração de contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro As contas dos municípios que detenham a totalidade do capital de entidades do sector empresarial local (SEL) devem incluir as contas consolidadas, nos termos do disposto no nº 1 do artigo 46º da Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro O número de trabalhadores ao serviço durante o exercício de 2012 foram os seguintes: - EMSUAS 98 funcionários - Município de Alcácer do Sal 342 funcionários Assim, o grupo municipal empregou 440 funcionários no exercício económico em análise Informações relativas à imagem verdadeira e apropriada a) Descrição dos casos em que a aplicação das normas de consolidação não seja suficiente para que as demonstrações financeiras consolidadas deem uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira e dos resultados do conjunto das entidades incluídas na consolidação; Não aplicável/não existe b) Identificação das situações relacionadas com o afastamento da aplicação das normas de consolidação, efectuadas para se obter a necessária imagem e apropriada, com indicação das respectivas razões e dos seus efeitos no balanço e demonstração dos resultados consolidados; c) Indicação das alterações ocorridas, no decurso do exercício, na composição do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação, com fundamentação do facto de se tratar ou não de uma alteração significativa; Informações relativas aos procedimentos de consolidação a) Identificação e fundamentação de todos os movimentos extra contabilísticos efectuados para efeitos de consolidação, nomeadamente no que respeita à eliminação dos investimentos financeiros e das operações reciprocas; Os mapas auxiliares de consolidação do Balanço e da Demonstração de Resultados Consolidados, constam do dossier de consolidação; b) Discriminação da rubrica diferenças de consolidação, com indicação dos métodos de cálculo adoptados e explicitação das variações significativas relativamente ao exercício anterior; O sistema utilizado pelo Município para proceder à consolidação de contas consiste na soma linha a linha dos balanços e das demonstrações dos resultados das entidades pertencentes ao grupo público, adicionando rubricas idênticas de ativos, passivos, fundos próprios/capital próprio, custos, proveitos, pagamentos e recebimentos, eliminada que estejam as operações de transferência e subsídios efectuados entre as entidades, ou seja, a eliminação das operações recíprocas (artigo nº 6.1 da portaria acima mencionada). Sendo o valor da participação da entidade mãe igual ao valor da fracção dos capitais próprios da Empresa municipal, não há lugar ao reconhecimento de qualquer diferença de consolidação. 5

17 c) Justificação dos casos excepcionais em que não se tenha adoptado o princípio da consistência na consolidação e avaliação dos seus efeitos no património, na posição financeira e nos resultados do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação;. d) Descrição dos acontecimentos importantes relacionados com o património, a posição financeira e os resultados de uma entidade incluída no perímetro de consolidação que tenham ocorrido entre a data do balanço dessa entidade e a data do balanço consolidado; e) Informações que tornem comparáveis os sucessivos conjuntos de demonstrações financeiras no caso de se alterar significativamente, no decurso do exercício, a composição do conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação;. f) Indicação dos montantes dos ajustamentos excepcionais de valor dos ativos feitos exclusivamente para fins fiscais e não eliminados da consolidação, juntamente com as razões que o determinaram;. g) Opção usada pelo conjunto das entidades incluídas no perímetro de consolidação quanto à contabilização das participações em entidades de natureza empresarial; Informações relativas ao endividamento de médio e longo prazo: a) - Descrição do endividamento consolidado de médio e longo prazo (artigo 46º, nº1, da LFL), desagregado por rubrica patrimonial, de acordo com o seguinte mapa: Endividamento consolidado de médio e longos prazos Código Dividas a terceiros de médio/longo prazo Eliminação de Grupo Designação das contas Município de Alcácer do Sal EMSUAS, SA Total Créditos / dívidas recíprocos Público consolidado = = ,64 0, ,64 0, ,64 Total ,64 0, ,64 0, ,64 6

18 b) Montante total das dívidas a terceiros apresentadas no balanço consolidado e que se vençam nos quatros anos seguintes à data do balanço, desagregado por rubrica patrimonial. Código Designação das contas Grupo Público consolidado , , , , , , , , , , ,00 Total ,20 7

19 6.5 - Informações sobre saldos e fluxos financeiros: de Saldos e fluxos financeiros entre entidades do grupo público Município de Alcácer do Sal / EMSUAS SA Tipo Obrigações / pagamentos Direitos / recebimentos Obrigações Anulações Direitos Anulações Saldo Pagamentos Saldo Recebimentos Fluxos constituídas no no Saldo final constituídos do Inicial do exercício Inicial do exercício exercício exercício no exercício exercício 6 = (2+3) (4+5) 8 Saldo final 11 = (7+8) - (9+10) Transferências Subsídios 0, ,65 0, ,65 0,00 0, ,65 0, ,65 0,00 Empréstimos Relações Comerciais , ,02 0, , , , ,02 0, ,28 Participações do capital em numerário Participações do capital em espécie outros Total , ,67 0, , , , ,67 0, , , Informações relativas a compromissos: a) Montante global dos compromissos financeiros que não figurem no balanço consolidado, no caso em que a sua indicação seja útil para a apreciação da situação financeira do conjunto das entidades compreendidas no perímetro de consolidação, incluindo, relativamente às entidades que adoptem o POCAL, a discriminação, por agrupamento económico, dos valores que devem ser reflectidos nas contas da classe 0 relativas aos compromissos para exercícios futuros; Não aplicável/ não existem b) Descrição das responsabilidades das entidades incluídas no perímetro de consolidação por garantias prestadas, desdobrando-as de acordo com a sua natureza e mencionado expressamente as garantias reais, com indicação da norma legal habilitante Informações relativas a políticas contabilísticas a) Critérios de valorimetria aplicados às várias rubricas das demonstrações financeiras consolidadas e os métodos utilizados no cálculo dos ajustamentos de valor, designadamente no que diz respeito às amortizações, aos ajustamentos e às provisões:»» Imobilizações Os critérios valorimétricos utilizados pelas entidades do Grupo Municipal, ao nível dos bens do ativo imobilizado, foram o custo de aquisição ou custo de produção; Nos casos em que não é conhecido o valor de aquisição ou produção, procede-se à devida avaliação, segundo os critérios técnicos adequados. O método das quotas constantes foi o método utilizado no cálculo das amortizações. O Município ainda não possui um sistema de contabilidade analítica que permita aferir custos internos a imputar ao imobilizado em curso, sob a forma de trabalhos para a própria autarquia. Os bens em curso são considerados completos com informação da conta final de empreitada.»» Investimentos Financeiros: As participações de capital em Empresas são valorizadas pelo custo de aquisição. 8

20 »» Existências: As existências são valorizadas ao custo de aquisição. O critério valorimétrico utilizado na determinação do custo de saída de existências foi o custo médio ponderado. Não se verificaram factos relevantes para serem constituídas provisões para depreciação de existências»» Dividas de e a terceiros As dívidas de e a terceiros são expressas pelas importâncias constantes dos documentos que as titulam. No que às dívidas a terceiros diz respeito, não se registaram factos patrimoniais relevantes para que se constituíssem provisões para riscos e encargos.»» Provisões As provisões são calculadas de acordo com o princípio da prudência.»» Disponibilidades As disponibilidades em caixa e depósitos em instituições financeiras foram expressas pelos montantes dos meios de pagamento e dos saldos de todas as contas de depósito, respectivamente. O saldo de caixa expresso no balanço corresponde à existência física na tesouraria. Os depósitos em instituições financeiras correspondem aos saldos registados nas contas correntes com instituições de crédito e aos valores expressos no resumo diário de tesouraria. As divergências verificadas entre saldos destas contas e os respectivos extractos bancários, forma devidamente reconciliadas. b) Cotações utilizadas para conversão em euros dos elementos incluídos nas demonstrações financeiras consolidadas que sejam ou tenham sido originariamente expressos em moeda estrangeira diferente. Não aplicável Informações relativas a determinadas rubricas: a) Comentário das rubricas despesas de instalação e despesas de investigação de desenvolvimento. b) Indicação dos custos suportados no exercício e respeitantes a empréstimos obtidos para financiar imobilizações, durante a construção, que tenham sido capitalizados nesse período;. c) Montante dos ajustamentos de valor dos ativos abrangidos na consolidação que tenham sido objecto de amortizações e de provisões extraordinárias, feitas exclusivamente para fins fiscais, indicando os motivos que os justificaram;. d) Indicação global, por categoria de bens, das diferenças materialmente relevantes, entre os custos de elementos do ativo circulante, calculados de acordo com os critérios valorimétricos adaptados, e os respectivos preços de mercado;. e) Fundamentação das circunstâncias especiais que justificaram a atribuição a elementos do ativo circulante de um valor inferior ao mais baixo do custo ou do preço do mercado;. 9

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 3 2. Relatório... 4 3. Receitas... 4 4. Receitas Próprias... 6 5. Transferências... 6 6. Despesas... 8 7. Encargos de Funcionamento... 9 8. Rácios

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

Contabilidade Financeira aos Sabados

Contabilidade Financeira aos Sabados Contabilidade Financeira aos Sabados 1 Com: 2 Técnico de Conta nº 3211 3 Modulo I Contabilidade Geral História e Noção O Património A Conta Demostrações Financeiras 4 Aula nº 3 A CONTA 5 Sumário: A Conta

Leia mais

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< 47 >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2016 Dando cumprimento ao disposto na

Leia mais

O R D E M D O S A D V O G A D O S

O R D E M D O S A D V O G A D O S Códigos das contas A CE POC Custos e perdas O R D E M D O S A D V O G A D O S 2.a) CMVMC 672,00 1.302,00 2.b) 62 Fornecim.e servicos externos... 178.739,79 178.053,76 3 Custos com o pessoal: 179.411,79

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS Anexo à Instrução nº 4/96 VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS 1. ELEMENTOS PARA PUBLICAÇÃO OFICIAL 1.1. Balanço de situação, relativo à actividade global, evidenciando os resultados provisórios, reportado

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira II

Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira II Inventario Permanente Universidade Metodista de Angola Contabilidade Financeira II Iº Ano, Turmas A e B, manhã Exercicio Pratico nº 5 Elementos do Balanco da empresa Kibonda Lda, aos 31/12/2009 Descricao

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1 CAPÍTULO 7 Aneo As contas dos fundos devem dar uma imagem verdadeira e apropriada da sua situação financeira e dos resultados das operações. Ao proporcionarem uma informação de grande síntese, a simples

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

CAPÍTULO 7 Anexo. Nota 1

CAPÍTULO 7 Anexo. Nota 1 CAPÍTULO 7 Aneo As contas dos fundos devem dar uma imagem verdadeira e apropriada da sua situação financeira e dos resultados das operações. Ao proporcionarem uma informação de grande síntese, a simples

Leia mais

A prestação de contas no SIIAL

A prestação de contas no SIIAL CCDRC e os Municípios da Região Centro Sessão de análise e debate A prestação de contas no SIIAL Sistema Integrado de Informação da Administração Local CCDRCentro 31 de janeiro de 2012 - Metodologia de

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e nove do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ACTIVIDADES ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 C. COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA POR CLASSES DE ACTIVOS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Pertencem ao exercício financeiro: I as receitas nele arrecadadas II as despesas nele legalmente empenhadas

Pertencem ao exercício financeiro: I as receitas nele arrecadadas II as despesas nele legalmente empenhadas TRT 4ª REGIÃO ANALI STA JUDI CIÁRIO ÁREA CONTABI LIDADE AGOSTO 2006 P ROVA 1 P rof. Alexandre Vasconcelos w w w.editoraferreira.com.br 39) Contabilidade orçamentária no momento do empenho é fato que denota

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Execução Orçamental. Receita

Execução Orçamental. Receita Relatório de Gestão No presente relatório, elaborado em conformidade com o estabelecido no ponto 13 do POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, visa-se de forma precisa, clara e sintética

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 901.192,95 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 829.974,24 Operações de Tesouraria 71.218,71 5.350.287,99 Receitas Correntes 4.993.147,29 01 Impostos

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e oito do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17 Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Jun-17 O Preçário completo do Banco Invest, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

PROVA CONTADOR AGU NCE/UFRJ 19/11/2006 COMENTÁRIOS PARTE 2

PROVA CONTADOR AGU NCE/UFRJ 19/11/2006 COMENTÁRIOS PARTE 2 PROVA CONTADOR AGU NCE/UFRJ 19/11/2006 PARTE 2 66 Sobre as Despesas Extra Orçamentárias, é correto afirmar que: (A) são contabilizadas no Balanço Orçamentário, no grupo das Despesas Extra Orçamentárias;

Leia mais

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais:

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais: LEC110 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO 1 DADOS 1. A EMPRESA A é uma unidade industrial transformadora que, sem qualquer outra participação de capital, constituiu há vários

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS)

COMUNICADO DE FACTO RELEVANTE IMPACTO DA TRANSIÇÃO PARA AS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATO FINANCEIRO (IFRS) SONAE INDÚSTRIA - SGPS, S.A. - Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia, Portugal Capital Social: 700 000 000 Matriculada na C. R. C. da Maia sob o nº 1067 Pessoa Colectiva nº 500 204 128

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA

Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA Publicado no Diário da República, I Série, nº 102, de 22 de Junho AVISO N.º 08/2016 ASSUNTO: RISCO DE TAXA DE JURO NA CARTEIRA BANCÁRIA Considerando a importância do acompanhamento do risco de taxa de

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

Frequência de Contabilidade Financeira I

Frequência de Contabilidade Financeira I Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 10,00 valores 1.ª Teste A Frequência de Ana Paula Matias, Cristina Estevão e Francisco Antunes N.º: Prova: Frequência Data: 2010 12 17 Comprovativo de

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

Directora: Joana da Fonseca Cordeiro dos Santos

Directora: Joana da Fonseca Cordeiro dos Santos REPÚBLICA DE ANGOLA ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2011 BALANÇO DA EXECUÇÃO DO III TRIMESTRE LUANDA, OUTUBRO DE 2011 Ministério das Finanças Ministro: Carlos Alberto Lopes Secretária de Estado das Finanças:

Leia mais

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho

ii. Fundo de Acidentes de Trabalho ii. Fundo de Acidentes de Trabalho Actividade Desenvolvida A actividade do FAT durante o ano 2007 centrou-se na análise e manutenção dos processos de indemnizações devidas por acidente de trabalho, de

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 ATIVO 9.854.457,63 ATIVO CIRCULANTE 9.658.703,72 Disponível Vinculado C/C Bancária 4.989.235,75 Créditos a Receber do Exercício 4.635.067,97 Demais Créditos e Valores a Curto

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 6215- Código das Contas e Normas Contabilísticas Objetivos Gerais Identificar e movimentar as contas das classes 1 a 8 do Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira Documentação avulsa de apoio 2007/2008 Contabilidade O que é? Ciência? Técnica? Instrumento? uma boa solução, como sistema

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 674.613,26 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 268.351,04 Operações de Tesouraria 406.262,22 12.859.762,56 Receitas Correntes 9.296.958,84 01 Impostos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova

IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova IDN - Incubadora de Empresas de Idanha-a-Nova Formulário de Candidatura N.º de Processo Data de Entrada Denominação Social Pessoa a contactar Nome: Função: Telefone Fax Ass: IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR/EMPRESA

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.082.354,28 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 521.480,07 Operações de Tesouraria 560.874,21 10.258.992,46 Receitas Correntes 8.628.274,56 01 Impostos

Leia mais

Relatório de Execução Orçamental

Relatório de Execução Orçamental Erasa Relatório de Execução Orçamental 1º Semestre 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 3 2. Execução da Receita por Rubricas... 4 3. Execução da Despesa por Rubricas... 5 4. Anexos... 7 4.1 Balanço 30

Leia mais

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS Caso Prático nº 4 Determinação da Matéria Colectável Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadora: Dra. Susana Rodrigues Formanda:

Leia mais

Tópico 3. Classificação econômica da Receita. Conceitos e estágios da receita.

Tópico 3. Classificação econômica da Receita. Conceitos e estágios da receita. Tópico 3. Classificação econômica da Receita. Conceitos e estágios da receita. 1. (CGU/2008/Área geral) Sobre os conceitos e classificações relacionados com Receita Pública, assinale a opção correta. a)

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 342.505,09 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 291.458,83 Operações de Tesouraria 51.046,26 13.407.175,15 Receitas Correntes 7.217.689,82 01 Impostos

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Caso Prático Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Caso Prático (2005) A... Casado com B..., com 1 dependente Cat.. A - Rendimentos de Trabalho Dependente B.. auferiu rendimentos

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB)

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQS PERGUNTAS FREQUENTES Na sequência da implementação do Regime Jurídico da Contribuição Especial sobre as Operações Bancárias (CEOB),

Leia mais

PRESTAÇÃO CONTAS 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

PRESTAÇÃO CONTAS 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA PRESTAÇÃO CONTAS 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Principais números 1 Situação económica Em M 2014 2013 % Total de Proveitos e Ganhos Total de Custos e Perdas Resultado Líquido do Exercício 556,7 566,3-1,7%

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 809.124,29 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 550.398,68 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 258.725,61 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA

ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA FREGUESIA DE SANTA BÁRBARA MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2016 POCAL Datas das Deliberações Junta de Freguesia Assembleia de Freguesia 10-12-2015 18-12-2015

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior.

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior. Amândio de Sousa Rodrigues Norberto Presidente da Mesa da Assembleia Geral Da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim CONVOCATÓRIA Em cumprimento do artigo 31º do Compromisso desta Santa Casa, convoco

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.393.875,77 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 927.571,50 Operações de Tesouraria 466.304,27 15.021.298,43 Receitas Correntes 11.847.256,01 01 Impostos

Leia mais

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL

CODIGO D E S C R I C A O SALDO ANTERIOR DEBITO CREDITO SALDO ATUAL BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL 01/04/12 ATE 30/04/12 EM REAIS Hora...: 09:29:59 Emissao: 25/05/12 1 ATIVO 133.912.120,12 D 19.633.256,52 22.785.639,08 130.759.737,56 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 52.720.618,36

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública Resumo Aula-tema 03: Receita Pública A fim de fazer face às próprias necessidades de manutenção e investimentos, o Estado dispõe de recursos ou rendas que lhe são entregues pela contribuição da coletividade.

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Código Saldo da gerência anterior Débitos Parcial Importâncias Total De Dotações orçamentais do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 311 do Programa 001 -Medida 001 -Fonte Financiamento 311 do

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

DlRECTIVA N 2/DSB/2004

DlRECTIVA N 2/DSB/2004 DlRECTIVA N 2/DSB/2004 ASSUNTO: MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PÚBLICA Procedimentos de contabilização. Havendo necessidade de se clarificar a metodologia de registo contabilístico das operações com Títulos

Leia mais

Freguesia de Norte Pequeno

Freguesia de Norte Pequeno Mapa do Orçamento de Receita (Inicial) Ano de 2016 Orçamento de Receita - Previsões Iniciais Data: 29-10-2016 Ano: 2016 (unidade: euros) 01.... 01.02... Código Designação Montante Receitas Correntes Impostos

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura Formulário de Candidatura Finicia do Concelho de Vila Nova de Cerveira (a preencher pela XXX) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 3 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Económica 4 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Orgânica 6

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO Legislação Societária CIRCULANTE Numerário disponível 8.081 6.646 Consumidores e revendedores 83.995 67.906 Devedores

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Rodrigo Pereira 01/02/2017 Fonte: CPC-03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários

Leia mais

Página 1 de 4. RECEITAS FINANCEIRAS ,44 Receitas Financeiras ,44

Página 1 de 4. RECEITAS FINANCEIRAS ,44 Receitas Financeiras ,44 Página 1 de 4 RECEITA BRUTA 12.320.298,76 RECEITA COM ASSOCIADOS 2.994.573,38 Anuidade Sequeiro 2.626.754,05 Anuidade Pastagem 29.981,23 Anuidade Sócio Diferenciado 113.824,32 Anuidade de Irrigante 224.013,78

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA Prof. Mauricio Pocopetz OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer: a contabilização de investimentos em coligadas e em controladas; e definir

Leia mais

PÁG. 1 SECRETARIA EXECUTIVA - DEPTO. DE COORD. E GOVERNANÇA DAS EMPRESAS ESTATAIS CÓDIGO DA EMPRESA: Programado NOV (B) Programado DEZ (C)

PÁG. 1 SECRETARIA EXECUTIVA - DEPTO. DE COORD. E GOVERNANÇA DAS EMPRESAS ESTATAIS CÓDIGO DA EMPRESA: Programado NOV (B) Programado DEZ (C) PÁG. 1 Descrição Rubr. Último Aprovado Programado NOV (B) Programado DEZ (C) NOV (D) DEZ (E) (D/A) (E/A) DICOR RECEITAS 110000 24.408.579 44.651.537 24.408.579 20.469.007 21.799.516 0,84 0,89 SUBSIDIO

Leia mais

Anexo ao balanço e à demonstração de resultados consolidados referente ao exercício económico de 2007

Anexo ao balanço e à demonstração de resultados consolidados referente ao exercício económico de 2007 12.3.2.3 - Anexo ao balanço e à demonstração de resultados consolidados referente ao exercício económico de 2007 I Informações relativas às entidades incluídas na consolidação e outras 1- Relativamente

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2296 Diário da República, 1.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 47/2015 Primeiro orçamento suplementar da Assembleia da República para 2015

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

Quarta-feira, 15 de abril de nº Ano XIX - Caderno C esta edição tem 32 páginas CONTA DESCRIÇÃO SDO. ANTERIOR DÉBITO CRÉDITO SDO.

Quarta-feira, 15 de abril de nº Ano XIX - Caderno C esta edição tem 32 páginas CONTA DESCRIÇÃO SDO. ANTERIOR DÉBITO CRÉDITO SDO. Imprensa Oficial da Estância de Atibaia esta edição tem 32 páginas ANDRE ASSESSORIA CONTABIL LTDA BALANCETE ANALíTICO 0472 APM DA EMEIF FELIPE PATACHO CALLEGARI CNPJ: 86.872.884/0001-90 FOLHA: 000001 DATA:

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 2.976.969,19 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 2.953.436,80 Operações de Tesouraria 23.532,39 8.777.665,78 Receitas Correntes 5.115.251,25 01 Impostos

Leia mais

RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO. Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016.

RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO. Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016. RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016. 1. Em cumprimento ao disposto no inciso VI, 2º do art. 11 da Resolução

Leia mais

II Demonstrações Financeiras

II Demonstrações Financeiras R ELATÓRIO E CONTA DE GERÊNCIA II Demonstrações Financeiras R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 1 1 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 1 5 - Balanço...

Leia mais

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas Unidade IV Unidade IV 4 PARTIDAS DOBRADAS DÉBITO E CRÉDITO Método das partidas dobradas Em qualquer operação há um débito e um crédito de igual valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.573.848,58 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.473.345,39 Operações de Tesouraria 100.503,19 4.373.164,92 Receitas Correntes 4.095.399,19 01 Impostos

Leia mais