ESTUDO DE CASO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CRAS DE NAVIRAÍ-MS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CASO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CRAS DE NAVIRAÍ-MS"

Transcrição

1 ESTUDO DE CASO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CRAS DE NAVIRAÍ-MS RESUMO Elis Andréa Pimentel Medina 1 Ana Carolina da Silva Monteiro 2 O Centro de Referência de Assistência Social - CRAS, local responsável por manter a proteção social básica nos territórios onde estão situados, executa ações e oferece serviços que desenvolvem potencialidades, fortalecem vínculos e possibilitam o acesso aos direitos de cidadania. Ciente disso, esta pesquisa, de base empírica, objetiva identificar impactos e fragilidades que levaram 10 famílias, membros do grupo de beneficiários do Programa Bolsa Família, atendidas no CRAS II, do município de Naviraí (MS), a descumprir condicionalidades referentes à educação de seus filhos. Os dados foram coletados por meio de observação participante, entrevistas semiestruturadas e aplicação de questionários. Palavras-chave: CRAS; Programa Bolsa Família; Condicionalidades; Irregularidades. 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa, de base empírica, preocupou-se em identificar os impactos e as fragilidades que levaram 10 famílias participantes do grupo de beneficiários do Programa Bolsa Família (PBF), atendidas no Centro de Referência de Assistência Social CRAS II, no município de Naviraí (MS), a descumprir condicionalidades referentes à educação de seus filhos. Além disso, objetiva-se compreender quais razões levam os beneficiários ao descumprimento de condicionalidades, a fim de se propor mecanismos para que as famílias acompanhadas saiam dessa situação de vulnerabilidade e de irregularidade perante o PBF. A pesquisa foi realizada com a escolha de dez famílias que foram acompanhadas no referido Centro, por um tempo de seis meses. As entrevistas aconteceram com o consentimento dos participantes, de forma individualizada e sigilosa. Mediante acesso das 1 Assistente Social formada pela UNIGRAN Universidade da Grande Dourados, Especialista em Políticas Públicas com Ênfase em Saúde da Família. Atua no CRAS Centro de Referência da Assistência Social em Naviraí MS. Artigo do Eixo 1. 2 Servidora técnico-administrativa em Educação na UFMS. Bacharel em Comunicação Social Jornalismo (2000, UFMS), Mestre em Comunicação (2015, UFMS). Tutora e orientadora do Curso de Especialização em Educação, Pobreza e Desigualdade Social.

2 informações, foi feita análise dos dados e verificação dos motivos das irregularidades dessas famílias selecionadas com o Programa. A pesquisa verificou quais as razões de crianças e adolescentes faltarem muitas vezes às aulas, a ponto de a família descumprir condicionalidades do PBF, e fazer com que a educação e a situação econômica dos envolvidos sejam prejudicadas. Partiu-se do princípio de que para se entender a pobreza não é possível defini-la de modo único e universal. Percebe-se que há situações de muita carência, diante das quais o indivíduo não consegue manter um padrão digno de sobrevivência, conforme o contexto histórico presente (BARROS, HENRIQUE, MENDONÇA, 2000, p.124). Assim, o contexto histórico mostra que a abordagem conceitual da pobreza absoluta requer que possamos, inicialmente, construir uma medida invariante no tempo das condições de vida dos indivíduos em uma sociedade. (BARROS, HENRIQUE, MENDONÇA, 2000, p. 124). Entre 2004 e 2013, os índices de pobreza no Brasil caíram de 20% para 9% da população e de 7% para 4% no caso da pobreza extrema. No entanto, os principais aspectos ou perfis da pobreza continuam os mesmos: ela está mais presente no meio rural e nas regiões Norte e Nordeste do Brasil (SOARES, 2016, p. 1). O Programa Bolsa Família foi criado em 2003, pelo governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), para se configurar em uma ação política social que atendesse famílias em situação social vulnerável de pobreza e extrema pobreza. Segundo Weissheimer (2006 apud STECHI 2013), o Bolsa Família é um programa federal de transferência condicionada de renda para famílias que estão em situação de pobreza e extrema pobreza, e se fundamenta em dois objetivos: combater a miséria e a exclusão social; e promover a emancipação das famílias atendidas pelo benefício. Ressalta-se que o acompanhamento prioritário feito pelo CRAS (STECHI, 2013, p. 169) contempla justamente os indivíduos naquela condição socioeconômica altamente desfavorável ao seu desenvolvimento humano e cidadão. O Centro de Referência de Assistência Social-CRAS atua com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário, visando à orientação e ao convívio sociofamiliar e comunitário. Neste sentido, é responsável pela oferta do Programa de Atenção Integral às Famílias. A equipe do CRAS deve prestar orientação, informação, articular com as redes garantindo o direito à cidadania, valorizar as Trabalho de Conclusão de Curso 2

3 particularidades de cada família, e, principalmente, combater a exclusão social (BRASIL, 2004). Stechi (2013) menciona que o CRAS, por ser um centro que é porta de entrada para o Sistema Único da Assistência Social - SUAS, atende famílias em maior vulnerabilidade e um dos públicos-alvo são justamente as famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família em descumprimento de condicionalidades. O Manual de Orientação do CRAS apresenta as seguintes atuações deste centro, conforme a tipificação de serviços do SUAS: Fortalecer a função protetiva da família, contribuindo na melhoria da sua qualidade de vida; Prevenir a ruptura dos vínculos familiares e comunitários, possibilitando a superação de situações de fragilidade social vivenciadas; Promover aquisições sociais e materiais às famílias, potencializando o protagonismo e a autonomia das famílias e comunidades; Promover acessos a benefícios, programas de transferência de renda e serviços socioassistenciais, contribuindo para a inserção das famílias na rede de proteção social de assistência social; Promover acesso aos demais serviços setoriais, contribuindo para o usufruto de direitos; Apoiar famílias que possuem, dentre seus membros, indivíduos que necessitam de cuidados, por meio da promoção de espaços coletivos de escuta e troca de vivências familiares (BRASIL, 2009, p. 7). Stechi (2013) destaca ainda que as famílias que descumprem com o programa devem ser acompanhadas pela equipe de referência do CRAS para identificar quais os motivos que crianças e/ou adolescentes do grupo familiar estão faltosos na escola. O objetivo é fazer com que, além da garantia de renda, as pessoas em situação de vulnerabilidade tenham acesso à educação e à saúde, pois, dessa forma, poderão amenizar as condições precárias de sua sobrevivência. Para fins didáticos e de normatização, este artigo está estruturado em três partes. Esta Introdução, que apresenta e delimita o assunto abordado. O Desenvolvimento que está dividido em três seções, e trata: da abordagem do universo da pesquisa; da caracterização das famílias entrevistadas; explicita os dados coletados; analisa e discute as constatações observadas. E na última parte, as Considerações Finais, cuja proposta é indicar possíveis soluções ou intervenções para que o quadro de descumprimento de condicionalidades das famílias analisadas seja revertido. Trabalho de Conclusão de Curso 3

4 2 DESENVOLVIMENTO O cidadão é a uma figura histórica e teórica na sociedade, desta forma, a sociedade entende tais indivíduos como atores indispensáveis para a democracia. Pois, democracia é um conjunto de direitos que tornam o cidadão o protagonista da sociedade na qual está inserido. Convém, por isso, lembrarmos que a existência da cidadania como situação histórica supõe, necessariamente, um complexo de condições políticas, sociais, econômicas e culturais. Por exemplo, se uma sociedade não garante que todas as pessoas tenham as mesmas oportunidades de acesso ao bemestar, à cultura e à educação em sentido amplo, tal sociedade apresenta déficits enormes de democratização de sua estrutura social e política. Isso contamina, de forma nociva, o convívio cívico do corpo social, pois o hábito de conviver com a injustiça, o desrespeito e a desigualdade torna todos(as) os(as) habitantes de uma nação embrutecidos(as) e insensíveis à dor do outro (PINZANI, REGO, 2015,p. 9). Quando cidadãos têm seus direitos violados e excluídos e veem sua capacidade de escolha e de decisão sobre sua vida serem injustamente retirados, o que se percebe é a manifestação de uma sociedade injusta social, econômica e politicamente. Conforme Pinzani e Rego (2015, p. 13), existem pesquisas que apresentam dados que os pobres, exatamente por serem pobres, têm dificuldade de ter voz, isto é, de formular, organizar e, sobretudo, expressar suas necessidades, transformando-as em demandas por justiça. Neste contexto, são considerados pessoas incapazes de expressar suas necessidades, sem direito de voz. Para eles, o Estado e as demais instituições públicas são surdos e mudos aos seus problemas de cidadania e não exercem sua função de garantia de direitos. A pobreza, evidentemente, não pode ser definida de forma única e universal. Contudo, podemos afirmar que se refere a situações de carência em que os indivíduos não conseguem manter um padrão mínimo de vida condizente com as referências socialmente estabelecidas em cada contexto histórico (BARROS, HENRIQUE, MENDONÇA, 2000, p. 124). Desta forma, entende-se a necessidade de serem criadas medidas que mudem as condições de vida de indivíduos que sobrevivem de forma precária e vulnerável. Uma estratégia para reduzir a pobreza é o investimento do poder público, como por exemplo, pelo Programa Bolsa Família, que visa diminuir a desigualdade, investindo em uma transferência Trabalho de Conclusão de Curso 4

5 de renda igualitária, ou, pelo menos, que supra as necessidades básicas desta sociedade desigual. 2.1 PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E EDUCAÇÃO Nosso país se encontra num momento de desenvolvimento que não consegue atender a necessidades básicas de uma grande parte da população, dessa forma a distribuição de renda torna-se desigual. Essa má distribuição gera desempregos e se torna barreira para um melhor desenvolvimento social (BRANDÃO, 2010). Como num círculo vicioso, a renda familiar se torna insuficiente para manter o sustento da família que, em muitos casos, por si só, não consegue sair da situação de vulnerabilidade socioeconômica. Diante de tal situação, a alternativa que o Governo Federal encontrou foi implantar Programas de Transferência Condicionada de Renda (PTCR), de forma direta, para famílias que se caracterizassem como pobres ou extremamente pobres, para amenizar o cenário de exclusão no qual estão inseridas (BRANDÃO, 2010). O Programa Bolsa Família (PBF), criado em 2003 pela Medida Provisória 132, sancionado pela Lei nº , de 09 de janeiro de 2004 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004, é um programa de transferência de renda com condicionalidades, direcionado às famílias em situação de pobreza com renda per capita de até R$ 140 inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (AGATTE, ANTUNES, 2014, p. 36). O Programa Bolsa Família é uma parte muito importante da gestão de políticas públicas, um sistema de proteção social que proporciona acesso a direitos e garante que necessidades básicas dos cidadãos sejam supridas (AGATTE, ANTUNES, 2014, p. 36). Um dos objetivos do PBF é aliar a política de transferência de renda com a garantia de direitos a crianças, adolescentes e jovens que se encontram em situação vulnerável. Usa-se o programa como estratégia para manter crianças, adolescentes e jovens na escola, garantindo-lhes estudo gratuito e superação das necessidades básicas para sobrevivência (LEITE, 2015, p. 14). Trabalho de Conclusão de Curso 5

6 2.2 PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E CONDICIONALIDADES O Programa Bolsa Família tem como objetivo garantir o combate à pobreza por meio de condicionalidades, que são compromissos assumidos pelas famílias para receber o benefício, e em contra partida, o governo realiza a transferência do benefício. Desta forma, o beneficiário assume compromisso em cumprir tais condicionalidades que estão relacionadas à saúde, quais sejam: manter acompanhamento de gestantes (pré-natal), nutrizes e menores de sete anos de idade (vacinação). E na educação, se condiciona na matrícula e frequência escolar para crianças e adolescentes, responsabilizando assim, os municípios com garantia de serviços de saúde e educação (ESTRELLA, RIBEIRO, 2008). Caso estas condicionalidades não sejam cumpridas, aos beneficiários são atribuídas penalidades, primeiramente por meio de advertência, que em nada compromete o benefício. A reincidência causa o bloqueio do benefício por 30 dias. Caso haja uma terceira vez, o benefício é suspenso por 60 dias e se os descumprimentos continuarem, o benefício é cancelado (MDS, 2014). O cumprimento das condicionalidades deve ser monitorado e avaliado pelo Governo Federal, por meio de índices criados especialmente para isso e agregados em um indicador global, o índice de gestão descentralizada (IGD) (ESTRELLA, RIBEIRO, 2008, p. 626). Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), no bimestre de junho e julho de 2014, dos 17,6 milhões de crianças e adolescentes beneficiários em idade escolar, 15,6 milhões foram acompanhados (88,6%). Destes, 96,1% cumpriram as condicionalidades de educação. No momento do registro do acompanhamento de educação, é possível indicar no sistema o motivo que gerou a baixa frequência. Esses motivos foram previamente estabelecidos e constam em uma lista elaborada pelo Ministério da Educação e pelo MDS. Os motivos que justificam a baixa frequência podem gerar ou não efeitos no benefício da família. Entre os 3,9% beneficiários que não cumpriram a condicionalidade, 26,4% apresentaram baixa frequência por motivos justificados, que não geraram efeitos no benefício. O restante apresentou motivos que implicam efeitos no benefício, ou seja, podem comprometer a continuidade do pagamento do benefício. Trabalho de Conclusão de Curso 6

7 São exemplos de motivos justificados na educação: a) ausência por questão de saúde do aluno; b) doença ou morte na família; c) inexistência de oferta de serviços educacionais; d) fatos que impedem o deslocamento à escola; e) inexistência de serviço educacional à pessoa com deficiência. Ainda segundo o MDS, no primeiro semestre de 2014, 8,8 milhões de famílias beneficiárias foram acompanhadas nas condicionalidades de saúde, o equivalente a 73,32% do público com perfil para acompanhamento, que era cerca de 12 milhões. Das 5,3 milhões de crianças acompanhadas, 98,7% haviam cumprido o calendário de vacinação e 98,6% das gestantes localizadas estavam com o pré-natal em dia. E assim, percebe-se que por meio das condicionalidades o acesso às condições básicas de vida é garantido. A transferência da renda reforça o acesso à saúde e à educação de famílias em situação de vulnerabilidade. 2.3 FAMÍLIA E POLÍTICA DE BOLSA ASSISTÊNCIA SOCIAL A Política de Assistência Social se conceitua em uma gestão que visa ofertar serviços, programas, projetos e benefícios, para atender famílias, seus membros e todo um território, de forma prioritária, analisando toda forma de necessidade e sua complexidade (BRASIL, 2004, p.39). E estes serviços são executados diretamente pelos CRAS Centros de Referência da Assistência Social, que estão localizados no território de abrangência com maior índice de vulnerabilidade social, atendendo as famílias que ali residem (BRASIL, 2004, p.35). O CRAS é responsável por acompanhar famílias que estão em descumprimento com o Programa na área de educação, e a partir de uma listagem, desenvolve este atendimento e visa (BRASIL, 2012, p.32): promover o acompanhamento dessas famílias, realizando uma reflexão sobre os direitos das crianças e adolescentes à educação; as responsabilidades das famílias em garantir tais direitos, identificando quais os obstáculos para o cumprimento de tais responsabilidades e traçando estratégias para sua superação (BRASIL, 2012, p. 32). O Manual de Orientações Técnicas do PAIF - Programa de Proteção Integral à Família nos apresenta o trabalho e atendimento com as famílias beneficiárias do PBF, e seu Trabalho de Conclusão de Curso 7

8 acompanhamento. Portanto, pode-se perceber a importância e atuação da equipe técnica de um CRAS junto às famílias. Stechi (2015, p. 79) reforça que o acompanhamento feito em cada CRAS, é realizado por uma equipe técnica, que constata grande risco de vulnerabilidade, com intuito de desenvolver ações preventivas e de fortalecimento de vínculo familiar e comunitário. Dentre os profissionais que compõem a equipe de trabalho no CRAS, está o Assistente Social que atua diretamente com as demandas sociais no interior dos Centros de Referência de Assistência Social, intervindo através de seu papel profissional (CORONEL, 2011, p. 1). Neste cenário, o Assistente Social atua intervindo nas expressões da questão social destes indivíduos, realiza orientações individualmente e em grupo, avalia, coordena e organiza programas, projetos sociais, priorizando o bem-estar dos cidadãos. Este profissional também possui a responsabilidade de administrar e propor os benefícios sociais, planejar e desenvolver pesquisas para compreensão da realidade social (CORONEL, 2011, p.1). Ainda, busca manter garantido o direito de cidadania e fortalecer os vínculos familiares e comunitários daqueles que cuida (CORONEL, 2001, p.1) Figura 1. Síntese do fluxo do acompanhamento familiar realizado pelas equipes de Assistência Social Fonte: Site https://wwp.org.br Trabalho de Conclusão de Curso 8

9 2.4 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA E DADOS ENCONTRADOS A seguir, neste estudo serão revelados: o universo sociogeográfico da pesquisa; a caracterização socioeconômica das famílias entrevistadas; a situação e as estratégias que cada uma das 10 famílias adota para cumprir as condicionalidades de educação e saúde que lhe são impostas para que continuem recebendo o benefício do Programa Bolsa Família; e o papel do CRAS de Naviraí e do Assistente Social neste cenário local de atendimento às famílias CARACTERIZAÇÃO TERRITORIAL O município de Naviraí está localizado ao sul do estado de Mato Grosso do Sul e possui uma população aproximada de habitantes. Localiza-se a 356km da capital do Estado, conforme dados do IBGE (2016). Segundo dados retirados da página de aplicações do MDS (2016), a última atualização de tais informações foi feita em junho do ano corrente, desta forma, Naviraí possui famílias inscritas no Cadastro Único. Este cadastro recebe informações sobre a situação socioeconômica de pessoas de baixa renda, cujos dados permitem conhecer melhor a situação da população brasileira e selecionar famílias a serem beneficiárias do Programa Bolsa Família. De acordo com dados do MDS (2016), em outubro de 2016, constam no Cadastro que famílias recebem o benefício do Programa Bolsa Família em Naviraí (MS), o que representa 84,7% da população considerada pobre no município. Além, disso, as transferências são feitas com valor médio de R$ 139,48, e o total de pagamento realizado pelo município foi de R$ ,00 (MDS, 2016). No site da Prefeitura do município de Naviraí (2016), encontram-se também dados a respeito das potencialidades do local, como a economia baseada na atuação de empresas, a Usinavi (usina de cana e açúcar), a Copasul (algodão, soja e milho) e os frigoríficos do grupo Bertin. Destacam-se as empresas de malharias Kriswill e Lênix, a fábrica de bicicletas ColliByke, o Café Naviraí, a Erva Mate Campanário, a Reciplast e a única empresa presente no Centro-Oeste, a Coalho Brasil. Diante do exposto, o município citado possui regiões com presença de grandes vulnerabilidades sociais, que são atendidas pelos serviços de dois CRAS, denominados de Trabalho de Conclusão de Curso 9

10 CRAS I e CRAS II. E para a realização desta pesquisa o CRAS selecionado foi o II, por se caracterizar o local de fala da pesquisadora, onde ela atua profissionalmente e tem proximidade com o público-alvo da pesquisa. O CRAS II abrange territorialmente três bairros, com capacidade aproximada para atender famílias em situação de pobreza. Sua equipe é composta por uma assistente social, uma psicóloga, uma pedagoga, um motorista, um técnico-administrativo, um servidor responsável pelos serviços gerais e um estagiário atuando na recepção. A pesquisadora deste trabalho compõe a equipe como assistente social e atua diretamente com as famílias atendidas no centro, particularmente atende as famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família em descumprimento de condicionalidades Caracterização dos dados encontrados Como mencionado na Introdução deste artigo, esta pesquisa tem como objetivo identificar impactos e fragilidades que levaram 10 famílias membros do grupo de 50 beneficiários do Programa Bolsa Família, atendidas no CRAS II, do município de Naviraí (MS), a descumprirem condicionalidades referentes à educação de seus filhos. O perfil das famílias foi traçado por meiode ações realizadas em grupos de reuniões socioeducativas que acontecem no CRAS-II, para famílias beneficiárias do PBF. Os dados foram coletados por meio de entrevistas com questões semiestruturadas direcionadas a 10 famílias que encontram-se em descumprimento com o Programa Bolsa Família, e por sua vez, também são participantes do grupo de beneficiários do PBF realizado no CRAS II. A entrevista foi realizada pela pesquisadora e aconteceu dentro da sala do CRAS- II, com autorização e consentimento do participante num período de 10 horas, durante o mês de outubro de 2016 Para construir o perfil de cada família, foram utilizados os indicadores a seguir, a fim de verificar quais os impactos causados pelo descumprimento das condicionalidades do Bolsa Família sobre a vida das famílias beneficiárias investigadas. A pesquisa está dividida em duas etapas essenciais para a análise: (1) dados territoriais, de vida e de trabalho; e (2) relação entre Assistência Social e usuários. Trabalho de Conclusão de Curso 10

11 2.4.3 CARACTERIZAÇÃO ETAPA 1- DADOS TERRITORIAIS, DE VIDA E DETRABALHO Neste primeiro momento, foram levantados dados acerca do gênero do responsável familiar, ou seja, do titular do benefício. Das 10 entrevistas realizadas, em todas, o responsável se declarou ser do sexo feminino. Gráfico 1 - Gênero das entrevistadas 0% 0 Fonte: MEDINA, 2016 Como apresenta o Gráfico 1, em 100% das entrevistas a responsável por tomar conta da família é a mãe, aquela que também garante que a família permaneça no programa e faz com que se cumpram as condicionalidades. Gênero 100% Masculin o O Gráfico 2 mostra o perfil da faixa etária destas mulheres: 20% delas têm entre 20 e 30 anos; 40%entre 31 e 40 anos; 30% entre 41 e 50 anos; e 10% entre 50 e 60 anos. Pode-se perceber que a maioria está entre as idades de 31 e 40 anos. Gráfico 2 Faixa Etária Faixa Etária 10% 30% 20% 40% 20 a 30 anos 31 a 40 anos 41 a 50 anos 51 a 60 anos Fonte: MEDINA, 2016 Trabalho de Conclusão de Curso 11

12 Em relação à raça, buscou-se identificar este quesito na pesquisa, e conforme o Gráfico 3, 10% das entrevistadas responderam se considerar brancas, outros 10% se consideram negras, 80% das responsáveis familiares se consideram pardas e nenhuma se considera de cor amarela. Gráfico 3 Raça Raça 0% 10% 10% Branca 80% Negra Parda Fonte: MEDINA, 2016 Sobre o estado civil das entrevistas, é possível afirmar, pelo que consta no Gráfico 4, que 50% são solteiras, 40% possuem união estável, 10% são casadas e nenhuma é divorciada. Gráfico 4 Estado Civil Estado Civil 0% 40% 10% 50% Solteiro (a) Casado (a) Divorciado (a) Fonte: MEDINA, 2016 O que nos chama a atenção é o percentual de mulheres solteiras, isso significa que durante a criação dos filhos não está presente a figura paterna, algo complexo na vida Trabalho de Conclusão de Curso 12

13 dessas mulheres e consequentemente na de crianças e adolescentes que convivem com esta situação. Em relação à moradia, o gráfico abaixo mostra que 60% das entrevistadas residem com suas famílias em casa própria, porém, a porcentagem de famílias residindo em casa de aluguel, cedida, e outras formas de moradia, como barraco e de favor, é preocupante, pois, mesmo com o benefício possuem dificuldades de superar a situação em que vivem. Gráfico 5 Moradia Moradia 10% 10% 20% 60% Própria Alugada Cedida Outros Fonte: MEDINA, 2016 As famílias pesquisadas apresentam-se numerosas, como é possível verificar no Gráfico 6. A média da composição familiar é de 5 a 7 pessoas morando na mesma casa, representando 50% das famílias entrevistadas, mesmo com esse dado, ainda verifica-se que 20% das famílias residem entre 8 e 10 pessoas na mesma residência. Muitas vezes, são famílias numerosas, compostas de pais, filhos, netos, sobrinhos. Gráfico 6 Composição Familiar Trabalho de Conclusão de Curso 13

14 Composição Familiar 0% 20% 50% 30% 2 a 4 pessoas 5 a 7 pessoas 8 a 10 pessoas 10 + Fonte: MEDINA, 2016 Procurou-se também identificar a situação socioeconômica das famílias entrevistadas, conforme revela o Gráfico 7. Constatou-se que em 60% delas, algum membro trabalha para complementar a renda, por sua vez, estes trabalhos acontecem informalmente, são diárias como doméstica e trabalhos braçais para os homens. Dentro destes 60% encontram-se famílias que recebem algum tipo de benefício previdenciário, que se entende como renda extra ao Bolsa Família. Ainda, os números de famílias que estão fora do mercado de trabalho são preocupantes, pois, 40% possuem o benefício do PBF como única renda, o que, em muitas vezes,é insuficiente para manter todas as despesas da família. Gráfico 7 Mercado de Trabalho Mercado de Trabalho 0% 40% 60% Sim Não Fonte: MEDINA, 2016 Trabalho de Conclusão de Curso 14

15 Um dado importante levantado acerca da renda diz respeito ao recebimento de outro benefício de transferência de renda advindo do governo estadual e/ou federal que a família venha a possuir. Metade das famílias confirmou receber outro auxílio, enquanto a outra metade recebe apenas recursos do Programa Bolsa Família. Ao serem indagadas sobre o tempo de recebimento do benefício, 60% das entrevistadas relatam receber a transferência de renda entre 4 e 7 anos, 30% recebem de 0 a 3 anos, e 1% recebem há mais de 8 anos. Com relação aos descumprimentos do programa, as famílias responderam sobre a frequência escolar de seus dependentes. Algumas das entrevistadas relataram problemas com o fato de alguns de seus filhos irem à escola. Disseram que os filhos adolescentes não querem mais estudar, sem apresentar motivo plausível para tal atitude. Do total de famílias entrevistadas, 50% possuem filhos que se evadiram da escola, e por este motivo encontram-se em descumprimento com o programa. Os outros 50% mencionaram que os filhos estão frequentando a escola, porém obtiveram faltas no decorrer do ano por diversos motivos, como problemas de saúde e até falta de vontade dos filhos. Diante do exposto, considerou-se relevante saber a escolaridade das responsáveis familiares. Identificou-se que 90% das entrevistadas possuem o ensino fundamental incompleto e 10% nunca estudou. Pode-se destacar que a maioria das crianças/adolescentes pertencentes às famílias entrevistadas que pararam de estudar, estão cursandoo mesmo ciclo de ensino que suas genitoras interromperam CARACTERIZAÇÃO ETAPA 2 RELAÇÃO ENTRE ASSISTÊNCIA SOCIAL E USUÁRIOS Para construir o perfil das famílias beneficiárias também foi utilizado um conjunto de informações acerca da relação dos beneficiários com a Assistência Social, em forma de questionário com questões abertas e objetivas. Procurou-se saber: como a família define o Programa Bolsa Família; se recebeu ou recebe informações a respeito dos critérios do programa; verificar se as famílias são acompanhadas quanto às suas condicionalidades; investigar sobre o conhecimento da família acerca das condicionalidades, se estão sendo cumpridas e em que situação do descumprimento encontram-se no momento. Também considerou-se importante ressaltar as Trabalho de Conclusão de Curso 15

16 razões que levaram tais famílias a descumprirem as condicionalidades e qual impacto o não recebimento do benefício causaria a estas famílias. Na fala das entrevistadas, pôde-se perceber que a definição de BF é sinônimo de algo bom, que ajuda a comprar comida para os filhos, material para escola, roupas, calçados, etc. Nos chamou a atenção a fala de uma mãe: O Bolsa Família representa tudo, se não tivesse o BF não sei o que ia fazer. Ao serem questionadas se receberam ou recebem informações sobre os critérios do programa, 80% responderam que sim, e 20% disseram não. Das respostas afirmativas, ainda complementaram que os critérios são de não deixar os filhos faltarem na escola e levalos à pesagem ao posto de saúde. Sobre os acompanhamentos dos descumprimentos, 40% das entrevistadas responderam que sempre recebem tal atendimento, outros 40% responderam que quase sempre são acompanhadas e 20% relatam que raramente. As mulheres que informaram que recebem acompanhamento, disseram que o atendimento é realizado pelo CRAS e pelo Posto de Saúde. Ao serem questionadas se sabem o que são as condicionalidades, 90% responderam que sim, e 10% não. Das respostas afirmativas, disseram que condicionalidades é não faltar na escola, levar as crianças na pesagem, manter em dia a carteira de vacina. Já a resposta negativa, informou não se lembrar de tal critério. Outro fator importante na pesquisa foi saber destas famílias se estão cumprindo com as condicionalidades, 80% delas responderam que sim, estão cumprindo e 20% disseram que não. Mesmo encontrando-se em descumprimento, todas disseram que fazem o possível para cumprir, pois precisam muito do benefício. Das famílias entrevistadas, 70% estão com o benefício em advertência e 30% com o benefício bloqueado. Todos os descumprimentos são relacionados às faltas escolares, 50% delas são por motivo dos filhos não quererem ir à escola, 40% por motivo de doença e no caso de 10%, a mãe fez a vontade do filho e permitiu que faltasse. Para finalizar, foram questionadas sobre quais impactos o não recebimento do benefício causaria em sua família. Todas responderam que prejudicaria muito, que esse dinheiro complementa a renda para não faltar comida em casa. Pode-se obter a seguinte resposta: prejudica em tudo, atrasa a água, luz, pois, precisa comprar outras coisas no lugar. Trabalho de Conclusão de Curso 16

17 3 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Para apresentar os resultados encontrados no presente estudo, que se objetivou identificar os impactos e fragilidades que levaram 10 famílias membros do grupo de beneficiários do Programa Bolsa Família, atendidas no CRAS II, do município de Naviraí (MS), a descumprir condicionalidades referentes à educação de seus filhos, sugere-se a necessidade de informar alguns dados relevantes. Percebe-se que as pessoas de referência familiar são sempre mulheres, com isso, entende-se que são elas que cuidam da educação dos filhos, e por sua vez, também mantêm as despesas da casa. E ao observar quais motivos levam as crianças e adolescentes a faltarem na escola e, muitas vezes, até evadir-se, estão relacionados a doenças e por não quererem permanecer com estudos, sem razões plausíveis. Acredita-se que pelo fato de em algumas famílias não haver a figura paterna, de possuírem uma composição familiar numerosa, da baixa escolaridade do genitor, essas seriam circunstâncias que refletem nos filhos e geram o círculo vicioso da pobreza. Já que todas as famílias entrevistadas encontram-se em descumprimento com o BF, percebeu-se a importância em identificar nestas famílias qual impacto traria a suspensão do benefício. Em unanimidade ressaltaram que iria fazer muita falta, que este auxílio ajuda muito, para não deixar faltar principalmente o alimento aos seus filhos. 2. CONSIDERAÇÕES FINAIS O Programa Bolsa Família surgiu para levar às famílias brasileiras que se encontram em situação de pobreza um auxílio por meio de transferência de renda, com o intuito de ofertar uma condição mínima de vida, saúde, educação, dignidade. E para assegurar que estas famílias sejam atendidas financeiramente, existe a contrapartida do beneficiário e de seus dependentes. Os filhos devem ser mantidos matriculados na escola, os pais devem se preocupar com a saúde das crianças e jovens estudantes, manter pesagens, carteira de vacinação e pré-natal em dia. Desta forma, se alcançaria o objetivo do PBF, contudo nem todos os beneficiários conseguem seguir os critérios impostos por esta política pública. Como apresentado nesta Trabalho de Conclusão de Curso 17

18 pesquisa, que visa apresentar os descumprimentos dos critérios na área da educação, pois muitos beneficiários não conseguem permanecer em regularidade com o programa. Mesmo diante de todas as circunstâncias que levaram estas famílias a tal irregularidade, pode-se destacar que todas demonstram-se interessadas e esforçadas a lutar para que isso não ocorra mais, acreditam que somente os estudos podem ofertar um futuro melhor para seus filhos, e com o recebimento do benefício podem garantir que estas crianças e adolescente vão à escola alimentados, bem vestidos, com calçados e material escolar, além de tudo, motivados. 4 REFERÊNCIAS AGATTE, Juliana Picoli. ANTUNES, Marcos Maia. Condicionalidade de Educação do Programa Bolsa Família: Concepção E Organização De Acompanhamento. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate, BARROS, Ricardo Paes de., HENRIQUES, Ricardo., MENDONÇA, Rosane. Desigualdade e Pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista Brasileira de Ciências Sociais Vol. 15, fev BRANDÃO, Gilberto. A Origem e Importância do Programa Bolsa Família. Disponível em: 15 de novembro de Acesso em: 28/09/2016. BRASIL. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social PNAS e Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Brasília, Novembro Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações Técnicas sobre o PAIF, vol. 2, 1. ed., Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Bolsa Família. Disponível em: Acesso em: 25/10/2016..Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. RI Bolsa Família e Cadastro Único. Disponível em: <aplicações.mds.gov.br/sagi/riv3/geral/relatório.php#contato da Gestão Municipal>. Acesso em: 26/10/2016. CORONEL, Priscila. Papel do Assistente Social CRAS e CREAS Trabalho de Conclusão de Curso 18

19 ESTRELLA, Juliana. RIBEIRO, Leandro Molhano. Qualidade de gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família: uma discussão sobre o índice de gestão descentralizada. Revista de Administração Pública Rio de Janeiro, IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: Acesso em: 26/10/2016. LEITE, Lucia Helena Alvarez. Escola: Espaços e Tempos de Reprodução e Resistência da Pobreza. Educação, Pobreza e Desigualdade Social. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Módulo III, PINZANI, Alessandro. REGO, Walquiria Leão. Pobreza e Cidadania. Educação, Pobreza e Desigualdade Social. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Módulo I, PREFEITURA MUNICIPAL DE NAVIRAÍ. Disponível em:<http://www.navirai.ms.gov.br/pagina/paginas/5-potencialidades-do-municipio>. Acesso em: 26/10/2016. SOARES, S.; et al Perfil da pobreza: Norte e Nordeste rurais. IPC-IG Working Paper No Brasília: International Policy Centre for Inclusive Growth. STECHI, Tatiana de Oliveira. O Programa Bolsa Família e suas Condicionalidades: Entre o Direito e o Dever. Universidade Estadual de Londrina, WWP: Word Without Poverty. Descumprimentos das Condicionalidades do Bolsa Família. Disponível em: https://wwp.org.br/sites/default/files/2%20condicionalidade_do_programa_bo LSA_FAMILIA_DESCUMPRIMENTO%20-%20Portugu%25EAs.pdf. Acesso em: 03/ Trabalho de Conclusão de Curso 19

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL- CRAS JARDIM CARVALHO PONTA GROSSA- PARANÁ PACHECO, Flávia Sacchelli (estágio I), e-mail: flavia_sacchelli@yahoo.com.br PUCHTA, Tiago Messias Torres (estágio

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR.

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. MARTINS, Mayara Lucia (Estágio I), e-mail: mayamartins1993@hotmail.com.

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOVO HORIZONTE, CARAMBEÍ PR

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOVO HORIZONTE, CARAMBEÍ PR VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOVO HORIZONTE, CARAMBEÍ PR RUPPEL. ANGELA MARIA 1 PEREIRA. TÁSSIA² SOUZA. C. D. S³ Resumo: Este trabalho pretende apresentar

Leia mais

MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL ACOMPANHAMENTO E ATENDIMENTO FAMILIAR Configura-se como um ato Configura como um processo continuado ACOMPANHAMENTO FAMILIAR ACOMPANHAMENTO FAMILIAR O QUE

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA Foco prioritário de ação da Política de Assistência Social é a família MATRICIALIDADE SOCIOFAMILIAR Olhar para a família não pelo que lhe falta, mas por sua riqueza. CRAS X CREAS

Leia mais

EDUCADOR SOCIAL SITE: FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE

EDUCADOR SOCIAL SITE:  FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE EDUCADOR SOCIAL SITE: WWW.CARITASPORTOALEGRE.ORG FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA - PR VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL GARCIA, Andressa de Oliveira 1. TRENTINI, Fabiana Vosgerau 2. CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGO CENTRO DE REFERÊNCIA ASSISTÊNCIA SOCIAL VILA ROSA - PALMEIRA -

Leia mais

Explicando o Bolsa Família para Ney Matogrosso

Explicando o Bolsa Família para Ney Matogrosso Pragmatismo Político, 14 de maio de 2014 Explicando o Bolsa Família para Ney Matogrosso Criticado por Ney Matogrosso e peça da campanha de Aécio, Campos e Dilma, benefício é pago para 14 milhões de famílias.

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES: UM OLHAR SOBRE O TERRITÓRIO DE ABRANGÊNCIA DO CRAS VILA OPERÁRIA-PARANAVAÍ/PR Gabriela Santana de Andrade- (Acadêmica) Unespar/Campus de Paranavaí gabi_santanaandrade@hotmail.com

Leia mais

Município: CAROLINA / MA

Município: CAROLINA / MA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016

POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016 1 POLÍTICAS PÚBLICAS: PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DE RECURSOS REFERENTE AO MÊS DE ABRIL/2016 SANTOS, Eliane Silva dos 1 Eixo Temático: Política Pública do Meio Ambiente e Segurança Alimentar

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Nota Técnica elaborada em 28.08.07 pela CGPAN/DAB/SAS. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Acompanhamento

Leia mais

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Pilares: Constituição Federal Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Política Nacional

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único para Programas Sociais Definição Instrumento de identificação

Leia mais

1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DO MUNICÍPIO DE GAVIÃO - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Gavião, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Este documento foi assinado digitalmente por certificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica PROTEÇÃO SOCI AL BÁSI CA - PSB Centro de Referência da Assistência Social CRAS Organização da Rede Socioassistencial

Leia mais

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO 1º MÓDULO SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO Profª Dione Menz 2016 HISTÓRICO - SUAS Sistema Único da Assistência Social é fruto de quase duas décadas de debates e coloca em prática os preceitos

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 028/2015

NOTA TÉCNICA N o 028/2015 NOTA TÉCNICA N o 028/2015 Brasília, 07 de dezembro de 2015. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Condicionalidades e Processos Administrativos do Programa Bolsa Família. REFERÊNCIAS: Medida Provisória

Leia mais

RESULTADOS DO ACOMPANHAMENTO DE CONDICIONALIDADES DO BOLSA FAMÍLIA

RESULTADOS DO ACOMPANHAMENTO DE CONDICIONALIDADES DO BOLSA FAMÍLIA RESULTADOS DO ACOMPANHAMENTO DE S DO BOLSA FAMÍLIA Em continuidade aos textos introdutórios sobre condicionalidades da Newsletter 3, esta série aprofunda a discussão, apresentando os principais resultados

Leia mais

CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados

CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados Departamento de Condicionalidades (SENARC/MDS) Brasília, 02 de abril de 2014 DIMENSÕES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Transferência

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Acrescenta os parágrafos 18, 19, 20, 21 e 22 ao artigo 2º da lei nº 10.836, de 09 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, visando possibilitar

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Tiago Falcão Secretário da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL Grupo de pesquisa: Gestão e Organização Angélica Caetane Pelizza - Acadêmica

Leia mais

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção à Saúde Área Técnica de Saúde da Criança e Adolescente Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta SENARC/MDS/SAS/MS nº 11 Brasília, 18 de novembro de 2011. 1 INTRODUÇÃO Assunto: Divulga informações e procedimentos sobre a implantação do Benefício Variável destinado a

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 DIMENSÕES EXAMINADAS: a clareza e compartilhamento dos

Leia mais

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS e Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL COMO DEFESA DE DIREITOS 1

VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL COMO DEFESA DE DIREITOS 1 VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL COMO DEFESA DE DIREITOS 1 Izabela Barbosa Vasconcelos, Marília Gonçalves Dal Bello 2 RESUMO: O presente trabalho tem como foco discutir a vigilância socioassistencial na política

Leia mais

O que é o Cadastro Único?

O que é o Cadastro Único? O que é o Cadastro Único? Instrumento de identificação e caracterização socioeconômica das famílias brasileiras de baixa renda. Porta de entrada para mais de 30 programas sociais do Governo Federal. Foco

Leia mais

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) O que é o SCFV? É realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF CRAS O Centro de Referência da Assistência Social é uma unidade publica estatal que atende em áreas específicas com maior vulnerabilidade social. Oferece serviços destinados á família, dentre eles, o Programa

Leia mais

IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA EVASÃO ESCOLAR, FREQUÊNCIA, APROVAÇÃO E DEFASAGEM IDADE-SÉRIE DOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO/MG

IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA EVASÃO ESCOLAR, FREQUÊNCIA, APROVAÇÃO E DEFASAGEM IDADE-SÉRIE DOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO/MG IMPACTOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA EVASÃO ESCOLAR, FREQUÊNCIA, APROVAÇÃO E DEFASAGEM IDADE-SÉRIE DOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE POÇO FUNDO/MG Leonardo R. de PAIVA 1 ; José Pereira da SILVA Jr 2 ; Katia

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA

PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA PRÁTICA PROFISSIONAL E DASAFIOS DO COTIDIANO NO CREAS CRIANÇA E ADOLESCENTES (SENTINELA) NO MUNICIPIO DE PONTA GROSSA BARTMEYER, Tania (estagio I), e-mail: taniabartmeyer@hotmail.com VALIGURA, Maristela

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação 2º Naviraí Motorcycle

Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação 2º Naviraí Motorcycle Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação 2º Naviraí Motorcycle Naviraí, Agosto de 2017 1. Introdução A satisfação dos clientes possui um papel fundamental nos estágios iniciais do relacionamento.

Leia mais

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Rodrigo Lofrano Coordenador-Geral de Acompanhamento das Condicionalidades Decon/Senarc/MDS Brasília, 19 de agosto de 2015 As três dimensões do Programa

Leia mais

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES www.cursosabrafordes.com.br DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social

Leia mais

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

Município: TAILÂNDIA / PA

Município: TAILÂNDIA / PA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL

EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL REAVALIAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS DO BENEFÍCIO PERMANENTE 2014 A Diretoria Geral

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS 1 ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS Cristina Ionácy Rodrigues e Souza 1 INTRODUÇÃO Ao fomentar que a assistência social é uma política que junto com as políticas setoriais,

Leia mais

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014 Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 2 de abril de 2014 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão? Qual o desenho básico do programa? Que desafios

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS Assunto: Síntese do 1º. Relatório contendo os Principais Resultados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Bolsa Família 2ª Rodada AIBF II Data: 04 de agosto de 2010

Leia mais

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social.

Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Ministério do Políticas Públicas Intersetoriais - A Relação Intersetorial na Consolidação da Proteção Social. Rômulo Paes Secretário Executivo do Ministério do Combate à Fome Rio de Janeiro, 30 de novembro

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Bolsa Família na ótica dos direitos humanos Clóvis Roberto Zimmermann Políticas Sociais e os direitos Euzéby (2004) assim como Kaufmann (2003), Abramovich (2005)

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESGATE HISTÓRICO Assistência Social enquanto política pública de direitos. Relevante marco no processo histórico de construção de um sistema de

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Quem são os usuários da Assistência

Leia mais

VIII Jornada de estágio de Serviço Social.

VIII Jornada de estágio de Serviço Social. VIII Jornada de estágio de Serviço Social. CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA DIVISÃO DE GESTÃO DE BENEFICIOS DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA. *ALMEIDA, Ana Beatriz Baggio

Leia mais

Município: OURO PRETO / MG

Município: OURO PRETO / MG Município: OURO PRETO / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado em junho de 2011 com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Ana Lúcia Monteiro Organização Internacional do Trabalho 28 de outubro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais

MULHERES, MÃES DOS ADOLESCENTES EM MEDIDA SÓCIOEDUCATIVA : RELAÇÕES JUNTO AO SERVIÇOS DE EDUCAÇÃODE ALTO PARANÁ

MULHERES, MÃES DOS ADOLESCENTES EM MEDIDA SÓCIOEDUCATIVA : RELAÇÕES JUNTO AO SERVIÇOS DE EDUCAÇÃODE ALTO PARANÁ MULHERES, MÃES DOS ADOLESCENTES EM MEDIDA SÓCIOEDUCATIVA : RELAÇÕES JUNTO AO SERVIÇOS DE EDUCAÇÃODE ALTO PARANÁ Izabela Barbosa Vasconcelos e-mail: izabela-vasconcelos@hotmail.com Marília Gonçalves Dal

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NO CREAS: ENTREVISTA COM A ASSISTENTE SOCIAL DO CREAS Brenda de Oliveira Dias, brendadiasoliveira3@gmail.com Débora dos Santos Marques, dmarx670@yahoo.com.br Gabriela Machado

Leia mais

Eixo temático: Política Social e Trabalho

Eixo temático: Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 A COMPREENSÃO DO CONCEITO VULNERABILIDADE SOCIAL PELOS TRABALHADORES DA POLITICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Aluna Gabriela Nunes da Silva PIC (PIBIC/Fundação Araucária) Unespar/Campus Paranavaí,

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PRIORIDADES E METAS PARA A GESTÃO MUNICIPAL DO SUAS PARA O QUADRIÊNIO 2014/2017 André YoSan Analista de Políticas Sociais Coordenador-Geral Substituto Coordenação-Geral

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 25/2017, DE 19 DE ABRIL DE 2017.

PROJETO DE LEI Nº 25/2017, DE 19 DE ABRIL DE 2017. PROJETO DE LEI Nº 25/2017, DE 19 DE ABRIL DE 2017. AUTORIZA A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFISSIONAL PARA ATUAR NA EQUIPE DE REFERÊNCIA DO CRAS/PAIF, ABRE CRÉDITO ESPECIAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O PREFEITO

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

Cadastro Único para Políticas Sociais

Cadastro Único para Políticas Sociais Cadastro Único para Políticas Sociais O que é o Cadastro Único? Políticas Universais Saúde Políticas Contributivas Políticas nãocontributivas e seletivas Educação Previdência Social Cadastro Único O que

Leia mais

UNIDADES ASSISTÊNCIAIS:

UNIDADES ASSISTÊNCIAIS: UNIDADES ASSISTÊNCIAIS: - SEDE ADMINISTRATIVA Avenida São João Evangelista, S/N, Engenheiro Pedreira, centro, Japeri. Telefone: (21) 2664-1635 SECRETÁRIO: REGINALDO ALMEIDA SANTOS JUNIOR SUB SECRETÁRIO:

Leia mais

ANEXO III PROCURAÇÃO SIMPLES

ANEXO III PROCURAÇÃO SIMPLES ANEXO III PROCURAÇÃO SIMPLES Eu,, filho de (nome da mãe) e de (nome do pai), nascido(a) no dia do mês de de (ano), na cidade de, Estado, portador(a) do documento de identidade nº expedido pela em / /,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS Contextualização: o Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria (BSM) é um grande esforço

Leia mais

PROBLEMAS BRASILEIROS. Prof. JÚLIO CÉSAR GABRIEL.

PROBLEMAS BRASILEIROS. Prof. JÚLIO CÉSAR GABRIEL. PROBLEMAS BRASILEIROS Prof. JÚLIO CÉSAR GABRIEL http://br.groups.yahoo.com/group/atualidadesconcursos Pobreza elevada de uma grande parte da população Péssima distribuição de renda O Brasil possui uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS HISTÓRICO DO PETI PETI Contexto histórico

Leia mais

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA Secretaria Munic. de Assistência Social Estrutura Ponta Grossa é considerada pelo Sistema Único de Assistência Social como município de

Leia mais

O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social.

O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social. CRAS - Centro de Referência da Assistência Social O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social. Profª. Iracema Ferreira Site: www.aprimore.net

Leia mais

P O R G O R G A R M A A M A B O B L O S L A S A F A F M A Í M L Í I L A

P O R G O R G A R M A A M A B O B L O S L A S A F A F M A Í M L Í I L A PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Acompanhamento da Frequência Escolar de Crianças e Jovens em Vulnerabilidade - Condicionalidade Educação do Programa Bolsa Família 2003 -Governo Federal unifica, no Programa Bolsa-Família,

Leia mais

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho

A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA. Eixo Temático - Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 A AUTONOMIA DA MULHER BENEFICIÁRIA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA Anna Flávia Gouvêa Falavinha, anaflaviagf@hotmail.com; Fernanda Balestri Neves, nanda_balestri@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela

Leia mais

EDITAL Nº 014/ PROEX/IFMS

EDITAL Nº 014/ PROEX/IFMS EDITAL Nº 014/2013 - PROEX/IFMS PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRONATEC CURSOS DE FORMAÇAO INICIAL E CONTINUADA (FIC) NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

Plano de Trabalho Federal. Proteção Social Especial de Alta Complexidade. Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos

Plano de Trabalho Federal. Proteção Social Especial de Alta Complexidade. Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos 1 Plano de Trabalho 2016 Federal Proteção Social Especial de Alta Complexidade Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos I - Identificação: Dados da Conveniada: Fundação Mansão Ismael Endereço:

Leia mais

Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Empoderando vidas. Fortalecendo nações. INTRODUÇÃO O Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil baseia-se exclusivamente nos Censos Demográficos, realizados de 10 em 10 anos, pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família 2014 DIAGNÓSTICO SOCIOASSISTENCIAL Programa Bolsa Família Gerência de Monitoramento e Avaliação GMA Vigilância Socioassistencial Sumário 1. PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM PERNAMBUCO... 3 2. ACOMPANHAMENTO PELO

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais PERFIL DAS MULHERES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE PARANAVAÍ-PR Aline Lopes de Sousa (Acadêmica) - Unespar/Campus de Paranavaí aline1.sousa@hotmail.com Priscila de Lima Santana (Acadêmica) - Unespar/Campus

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ GOVERNO MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE

ESTADO DO CEARÁ GOVERNO MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE FUNDO MUNICIPAL DE COMBATE À POBREZA - FMCP CARTÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PROGRAMA CARTÃO ALIMENTAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO - FMCP Nº 001/2015 SÃO GONÇALO DO AMARANTE-CE, 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Convocação

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS

PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL 1. Centro de Referência Especializado de Assistência Social CREAS Coordenadora: Vera Lúcia Rodrigues Renó Endereço: Rua José Hamilcar congro Bastos 235 Santo André-Três Lagoas/MS

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação da FEJUNAV

Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação da FEJUNAV Pesquisa de Opinião Pública: Nível de Satisfação da FEJUNAV Naviraí, Junho de 2017 1. Introdução A satisfação dos clientes possui um papel fundamental nos estágios iniciais do relacionamento. Se as experiências

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

Os vieses no cadastramento do Bolsa Família

Os vieses no cadastramento do Bolsa Família FURTADO, Ariandeny [1] PEREIRA, Fernando Marcello Nunes [2] TOMÉI, Maria Cristina da Mota [3] FURTADO, Ariandeny; PEREIRA, Fernando Marcello Nunes; TOMÉI, Maria Cristina da Mota. Os vieses no cadastramento

Leia mais

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA Direitos Sociais 1988: Promulgação da Constituição Federal; A Assistência Social passou a integrar o Sistema de Seguridade Social,

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS

METODOLOGIA RESULTADOS Popularização de Kefir no Recôncavo da Bahia: um Relato de Experiência Edleuza Oliveira Silva, i Adna de Oliveira Barbosa, Carla Alves Barbosa ii, Ferlando Lima Santos iii, INTRODUÇÃO Embora o kefir seja

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA SOCIAL? POLÍTICA EDUCACIONAL? UM RETRATO DO PROGRAMA NACIONAL BOLSA ESCOLA

POLÍTICA PÚBLICA SOCIAL? POLÍTICA EDUCACIONAL? UM RETRATO DO PROGRAMA NACIONAL BOLSA ESCOLA POLÍTICA PÚBLICA SOCIAL? POLÍTICA EDUCACIONAL? UM RETRATO DO PROGRAMA NACIONAL BOLSA ESCOLA Egesleine De Nez A variada gama de realidades, com suas características peculiares e diversificada complexidade,

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI URUÇUÍ PI, 02 DE FEVEREIRO DE 2015 DIRETORIA GERAL Miguel Antônio Rodrigues DITERORIA DE ENSINO Dayonne Soares dos Santos

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais