OS DESAFIOS DE EFETIVAÇÃO DA TEORIA NA SISTEMATIZAÇÃO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DESAFIOS DE EFETIVAÇÃO DA TEORIA NA SISTEMATIZAÇÃO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL"

Transcrição

1 1 OS DESAFIOS DE EFETIVAÇÃO DA TEORIA NA SISTEMATIZAÇÃO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL Daniela Cristina Mazzini Santiago 1 Nayla Cristiana Beraldo Gonçalves 2 RESUMO O presente artigo é fruto de algumas inquietações, adquiridas ao longo do primeiro semestre de 2012, onde cursamos uma disciplina eletiva, ofertada no curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), cujo tema era A instrumentalidade do Serviço Social. Aqui, procuramos tecer uma discussão, a partir da nossa vivência enquanto graduandas, sobre as dificuldades que muitos assistentes sociais têm de efetivar na prática profissional a dimensão teórica adquirida no período de formação. A proposta de análise dos desafios de apropriação do debate teórico-metodológico na sistematização da prática é aqui apresentada, a partir do conteúdo trabalhado nas aulas, onde foi observado que a mesma está em consonância com o Código de Ética do Assistente Social de 1993, a Lei de Regulamentação Profissional (Lei de Nº 8.662/93) e as Diretrizes Curriculares para a Formação Profissional de Serviço Social da ABEPSS (1996), pois estes formam um conjunto importantíssimo de ferramentas que buscam fortalecer nosso Projeto Ético-político. O objetivo desta discussão é contestar a falácia que teoria é uma coisa e prática é outra, quando na verdade o que aprendemos nessa disciplina é que teoria e prática se complementam. Para isto, nossa reflexão procura traçar um caminho de entendimento dessa dicotomia, fruto da precarização e sucateamento do ensino universitário, e seus rebatimentos no cotidiano destes profissionais. Palavras-chave: assistentes sociais, exercício profissional, sistematização da prática, projeto ético-político. 1 Acadêmica do 3º período do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP. 2 Acadêmica do 3º período do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto UFOP e bolsista do Centro de Difusão do Comunismo (CDC UFOP) coordenado pelo prof. Dr. André Mayer.

2 2 1- INTRODUÇÃO A formação e o exercício profissional do assistente social se consolidam em meio a uma rede de situações e vertentes complexas que sustentam a sociedade contemporânea. A conjunção globalização/neoliberalismo, a atual configuração de reestruturação do capitalismo potencializada pela flexibilidade e pela lógica da financeirização 3 e a redução dos investimentos por parte do Estado em serviços públicos, expressam algumas das particularidades da cena contemporânea. Diante deste contexto é colocado para o assistente Social, novas demandas na sua atuação profissional conforme aponta Iamamoto (2010, p.4). Neste sentido, a reflexão da autora contribui para compreender quais são as novas exigências colocadas ao Serviço Social brasileiro contemporâneo, trazendo elementos que demonstram uma preocupação da categoria em respondê-las. Portanto, ao assistente social cabe o desafio de se qualificar, para que assim desenvolva uma atuação interventiva e investigativa adequada. Com a finalidade de responder a tais demandas a partir de uma perspectiva de totalidade, tendo assim, os subsídios para a compreensão da estrutura social, bem como a dinâmica e complexidade do movimento real dos usuários que recorrem à prestação dos seus serviços. O assistente social atua diretamente com a contradição existente entre o capital e o trabalho. E é nesse terreno de disputas (IAMAMOTO, 2010, p.160) e tensão entre reprodução das desigualdades e produção da rebeldia e resistência, que a categoria de assistentes sociais trabalha, interferindo diretamente nas relações sociais cotidianas e no atendimento às variadas expressões da questão social. 3 Fenômeno que marca a fase contemporânea do capitalismo resultante (...) da superacumulação e, ainda, da queda das taxas de lucro dos investimentos industriais registradas entre os anos setenta e meados dos oitenta. (NETTO, BRAZ, 2007, p.241) Esse processo é umbilicalmente ligado à concentração do sistema bancário e financeiro. Com a financeirização entra em cena um grupo de capitalistas que não investem mais na produção, mas se dedica simplesmente em sugar os seus ganhos, os chamados capitalistas rentistas.

3 3 O caráter prático-interventivo da profissão busca efetivar os direitos de cidadania 4 dos usuários. O Serviço Social por ser uma profissão de caráter prático-interventivo que consolida sua prática na operacionalização do nexo entre as instituições sociais e os serviços que estas devem prestar, além de atender aos usuários com necessidades e demandas na busca pelo acesso aos direitos e serviços; entendemos que a questão racial se relaciona com as várias formas de produção e reprodução do capital, das relações sociais, das condições de vida, de cultura e de riqueza. O Movimento de Reconceituação ou Renovação 5 do Serviço Social ofereceu a possibilidade de um aprofundamento teórico-metodológico, principalmente quando ocorre uma maior aproximação dos assistentes sociais com a tradição marxista e a obra marxiana, o que potencializou romper com as bases conservadoras que sustentavam o Serviço Social. Porém, é preciso sempre buscar alternativas que ampliem o debate da profissão com a teoria marxista, na tentativa de romper com segmentos conservadores que ainda existem no interior da categoria que inclusive acreditam e defendem o jargão, que na prática a teoria é outra. O desafio que está posto diante das relações complexas que perpassam a realidade social consiste em proporcionar uma formação política, ética e crítica de qualidade aos assistentes sociais para que consigam no cotidiano profissional atender satisfatoriamente as demandas que lhe são colocadas. Entretanto, o profissional não deve se limitar apenas em respondê-las, é necessário que as compreenda criticamente, para que tenha as condições cabíveis para efetivar a sua intervenção na realidade apresentada e também consiga enfrentá-la de forma eficiente. Assim, fica nítido que o profissional deve conter um arcabouço teórico-metodológico sólido (conhecimento teórico e interventivo) para enfrentar os complexos reais presentes na sociedade contemporânea. 4 Para Coutinho (1997), cidadania é entendida como a capacidade conquistada por alguns indivíduos, ou por todos de usufruírem dos bens socialmente produzidos, ou seja, é um processo de busca pela apropriação dos bens sociais pelo conjunto dos cidadãos. 5 Conforme NETTO (2004, p. 131), entendemos por renovação o conjunto de características novas que, no marco das constrições da autocracia burguesa, o Serviço Social articulou, à base do rearranjo de suas tradições e da assunção do contributo de tendências do pensamento social contemporâneo, procurando investir-se como instituição de natureza profissional dotada de legitimação prática, através de respostas a demandas sociais e da sua sistematização, e de validação teórica, mediante a remissão às teorias e disciplinas sociais.

4 4 A realidade apresentada pela população usuária, principalmente os grupos sociais menos favorecidos, é permeada por muitos conflitos e situações que necessitam de certo cuidados. Por isso, a importância do profissional está atualizado, acompanhando as mudanças sociais e questionando as demandas institucionais, pois assim, certamente não se limitará a uma reprodução mecânica de técnicas e instrumentos, contribuindo para a promoção de mudanças significativas no cotidiano dos usuários. Um dos problemas decorrentes no universo do Serviço Social é a dificuldade que muitos profissionais têm de associar e utilizar a teoria aprendida durante a formação na prática profissional. São muitos os assistentes sociais que no exercício profissional deixam de lado o conhecimento teórico crítico adquirido, e passam a nortear suas ações apenas e simplesmente pelas experiências vivenciadas no cotidiano profissional. Claro que não estamos atribuindo à teoria o poder mágico de solucionar todos os problemas sociais advindos da lógica de organização capitalista através de conceitos préformulados, mas, também destacamos que a prática não deve ser vista como algo que possui um caráter exclusivamente pragmático aos desafios colocados a esta profissão. Torna-se necessário a utilização das duas dimensões, pois, uma está umbilicalmente ligada na outra quando se trata de Serviço Social, uma vez, que ambas em consonância possibilitam a abertura de um leque de possibilidades de entendimento e intervenção no contexto sócio-histórico apresentado. Este trabalho, portanto, visa refletir justamente sobre os desafios e dificuldades que o assistente social se esbarra para a utilização da dimensão teórico-metodológica no seu fazer profissional e também as consequências que isso acaba implicando na profissão como, por exemplo, a aceitação por muitos que compõem a categoria do equívoco de que na prática a teoria é outra. 2- A sistematização da prática do Assistente Social

5 5 Os assistentes sociais atuam nas múltiplas expressões da questão social 6 que tem a gênese da sua produção e reprodução no desenvolvimento capitalista. A natureza do trabalho do assistente social é marcada pela inserção e prestação de serviços sócioassistenciais nas instituições públicas e privadas tendo como bojo de trabalho as expressões da questão social vivenciadas pelos sujeitos sociais no trabalho, na família, na assistência social. O Serviço Social no Brasil afirma-se como profissão, estreitamente integrado ao setor público em especial, diante da progressiva ampliação do controle e do âmbito da ação do Estado junto à sociedade civil. Vincula-se, também, a organizações patronais privadas, de caráter empresarial, dedicadas às atividades produtivas propriamente ditas e à prestação de serviços sociais a população. A profissão se consolida, então, como parte integrante do aparato estatal e de empresas privadas, e o profissional, como um assalariado das mesmas. (CARVALHO, IAMAMOTO, 2011, p.86) Cabe ressaltar que o exercício da prática não é tão simples como parece, são inúmeras as dificuldades que emergem da sociedade capitalista, que o assistente social se depara no seu cotidiano profissional. Ao ser chamado a implementar e viabilizar os direitos sociais aos cidadãos, vê-se impossibilitado de efetivar as suas ações de maneira eficaz por depender inteiramente de recursos institucionais, condições de trabalho - que estão cada vez mais escassas - para operar as políticas sociais. Condições dignas de trabalho são o mínimo para a efetivação do trabalho profissional, pois assim, seria possível oferecer um atendimento mais viável aos usuários, permitindo a criação de vínculos de reconhecimento civil diante da problemática apresentada. Como conseguir que os usuários acreditem na instituição se ela os submete a situações desconfortantes? Como atender satisfatoriamente os problemas trazidos pelo usuário se a própria instituição prestadora dos serviços solicitados não os trata com dignidade? O entendimento da realidade para a efetivação da prática não foi e nunca será uma tarefa fácil, pois a realidade é densa, heterogênea, complexa. A consolidação da 6 Conjunto das desigualdades sociais e das lutas provenientes da lógica de organização capitalista, onde a produção é cada vez mais social e o produto cada vez mais privado. Nas palavras de Iamamoto, Carvalho (2011 p. 77), A questão social não é senão as expressões do processo de formação e desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário político da sociedade, exigindo seu reconhecimento como classe por parte do empresariado e do Estado.

6 6 dimensão interventiva do assistente social depende de fatores sócio-históricos, políticos, econômicos e culturais que são externos ao universo do Serviço Social. Como ressalta Iamamoto (2011), é imprescindível para o Serviço Social reconhecer as determinações e limitações históricas da realidade social para que não caia no equívoco de atribuir a profissão um caráter fatalista e messiânico. A sistematização da prática profissional dos assistentes sociais engloba todo o processo de organização do arsenal teórico metodológico e técnico instrumental que demarcam a ação profissional. Ela constitui uma fase de extrema importância para as elaborações e publicações teóricas do Serviço Social. Netto (1989), ao traçar um debate sobre a significação da sistematização da prática para a profissão, destaca duas alternativas de compreensão da mesma, tomando como base dois modos de entender o Serviço Social. Primeiro (...) como profissão cujo fundamento elementar é um espaço sócioocupacional circunscrito pela divisão social do trabalho própria da sociedade burguesa consolidada e madura; segundo, como profissão cujo fundamento elementar é um corpus teórico e metodológico particular e autônomo. Na primeira alternativa, a sistematização (da prática) aparece como uma dupla requisição: de uma parte, é a condição para otimizar a própria intervenção prática, organizando e generalizando a experiência dos assistentes sociais e cristalizando pautas de procedimento profissional, reconhecidas como tais e transmissíveis via formação institucional; de outra, e fundamentalmente, é o passo compulsório para a fundação profissional, viabilizando o recorte de um objeto em função do qual a elaboração teórica desenvolveria o seu movimento de constituição de um saber específico. (NETTO, 1989, p. 150). Sistematizar o fazer profissional, é um componente de suma importância para o trabalho do assistente social, pois o auxilia na identificação dos limites, desafios e possibilidades das demandas sócio-institucionais que lhe são colocadas a partir da dinâmica do ser social. É uma espécie de recurso que permite efetivar a compreensão das relações sociais e do movimento da realidade, além de possibilitar a consolidação de alternativas profissionais. Sistematização da prática não significa, portanto, apenas a elaboração de dados e informações burocráticas, e muito menos uma perspectiva redentorista do trabalho profissional, mas é um processo que contribui ativamente para a construção de uma

7 7 reflexão e postura crítica-investigativa diante da materialização das respostas institucionais e das políticas sociais. As competências ético-político, teórico-metodológico e técnico-operativo de domínio do assistente social possibilitam a concretização das finalidades profissionais, utilizando os instrumentos e técnicas necessários para o processo de intervenção profissional. Entretanto, o assistente social não deve ser apenas um profissional apto a lidar com os instrumentos de trabalho, até porque o objetivo a ser alcançado é muito mais importante do que a instrumentalidade. Sua prática não está fundamentada em manuais de instruções repetitivos e mecânicos, mas na capacidade criativa e sólida de desempenhar as atribuições privativas estabelecidas pela Lei 8662/93 que regulamenta a profissão. (...) as possibilidades estão dadas na realidade, mas não são automaticamente transformadas em alternativas profissionais. Cabe aos profissionais apropriarem-se dessas possibilidades e, como sujeitos, desenvolvê-las transformando-as em projetos e frentes de trabalho. (IAMAMOTO, 2011, p.21) Em suma, é justamente a formação qualificada nas suas dimensões teórica, ética e técnica que permite o diálogo do assistente social com as demandas que lhe são colocadas, e também com outros profissionais, deixando de exercer apenas o papel de executor terminal de políticas públicas, além de permitir um distanciamento para identificar precisamente o que se encontra em causa. Quando o profissional simplesmente segue o ritmo de deixar as coisas ao léu não consegue garantir o fazer na íntegra, por isso, a necessidade de executar as ações vinculadas a uma reflexão teórica, pois a sistematização da prática do assistente social precisa de uma teoria, no caso marxista que norteie os seus caminhos. Essa questão adentra umas das discussões que se encontram em debate no Serviço Social: a necessidade de articulação da prática com a teoria. 3- A dicotomia teoria/prática uma falácia na profissão de Serviço Social Para a compreensão da cisão entre teoria e prática no âmbito do Serviço Social é necessário esclarecermos o que vem a ser teoria e prática nessa dicotomia. A teoria como

8 8 um conjunto de conhecimentos, procedimentos, instrumentos, que propõe a explicação da realidade social, além de oferecer as possíveis respostas para suas questões. E a prática como o meio pelo qual se concretiza a intervenção e ação na realidade apresentada. (GUERRA, 2011) Infelizmente tendo como pano de fundo a precarização, a mercantilização do ensino superior e as exigências do mercado, a tendência que vem marcando o exercício profissional de muitos assistentes sociais é o de considerar a teoria como algo inútil, desnecessário, débil para a materialização das ações interventivas. Interligada a concepção que a prática representa por si só tudo aquilo que o profissional necessita para sistematizar a sua intervenção. (...) na prática, o fazer profissional não é o fazer profissional que é transmitido durante o processo de formação, para o qual requer o acionamento de recursos teórico-metodológicos, ético-políticos e técnico-operativos. (COELHO, 2011, p.28) Para muitos profissionais na prática a teoria é outra (...) não no sentido de reconhecer que uma outra lógica ou racionalidade esteja presente no espaço sócio-ocupacional, mas porque o conhecimento válido é aquele que advém de sua experiência como sujeito singular que anuncia a verdade de um objeto singular. (COELHO, 2011, p.27) Isso é totalmente incompatível, pois subestima que a teoria é fruto de experiências práticas na área de atuação, caindo no velho equívoco de dizer que só se aprende na prática. A teoria não nasce da prática, mas de uma intensa reflexão sobre ela. Nesse sentido, a teoria no exercício profissional é descolada para segundo plano. Não é de se estranhar que em uma sociedade marcada pela divisão de classes de uma lado a burguesia (capitalistas) que possui a propriedade privada dos meios de produção e que materializa o processo produtivo por meio da exploração da massa trabalhadora, e de outro o proletariado (trabalhadores) que dispõe apenas da força de trabalho como meio de sobrevivência que seja favorável para o próprio sistema capitalista a separação entre teoria e prática. Para o capitalismo é importantíssimo que as pesquisas investigativas se limitem a aparência, tendo assim, condições para dar continuidade a seus processos de produção e acumulação. Essa cisão teoria/prática potencializa a alienação e a reificação das relações sociais.

9 9 O cotidiano profissional é permeado por inúmeras armadilhas, sendo que o assistente social deve estar apto a identificá-las. Por isso, que o profissional deve tomar posse de um conhecimento intelectual e teórico que viabilize uma postura criativa, crítica, questionadora para execução de suas atividades interventivas. Pois o conhecimento é uma alavanca poderosa para aqueles que estudam ou atuam na realidade, pois oferece as bases para propostas de mudança e transformação. O trabalho profissional muitas vezes, é marcado por distorções influenciadas pela leitura vaga da realidade e a falta de um debate e racionalidade crítica para nortear as respostas profissionais. O assistente social assim como qualquer outro trabalhador humano para concretizar o seu trabalho precisa prefigurar a sua finalidade, sendo necessário à utilização de instrumentos teórico-metodológicos, por isso, que pensar na separação da teoria aprendida durante a formação profissional na prática do exercício profissional é inaceitável. Este profissional ao se deparar com a realidade trazida pelo usuário, deve automaticamente fazer uma reflexão que o usuário que se encontra em atendimento é fruto da miserabilidade e coisificação das relações sociais que regem a sociedade capitalista. Diante da realidade complexa marcada por diversas expressões da questão social, da atuação do Estado neoliberal 7 por meio de suas políticas sociais minimalistas e assistencialistas, a prática não consegue produzir nela mesmo um saber teórico. Existe uma real e efetiva sintonia entre a teoria e a prática, por isso, que a dicotomia teoria/prática pregada e vivida por profissionais do Serviço Social é literalmente uma falácia, que se fundamenta em uma ideia fragmentada e sem sustentabilidade. Ao discutir sobre esse tema nos deparamos com algumas inquietações, tais como: qual o motivo que conduz a negação da teoria na prática profissional? Qual a importância da teoria na sistematização da prática do assistente social? Porque a necessidade de fundamentar a 7 Pode ser considerado como Estado mínimo que tem a tendência de diminuir os gastos sociais e desestruturar os movimentos organizativos dos trabalhadores. Confluindo sempre rumo aos interesses do grande capital.

10 10 prática a partir de um arcabouço teórico metodológico? Quais as consequências que esse faço dilema implica para a profissão de Serviço Social? 4- As implicações e consequências da falácia na prática a teoria é outra no exercício profissional do Assistente Social A suposição do jargão na prática a teoria é outra como estamos apresentando não passa de um falso dilema. Não existe separação entre prática e teoria. A teoria perde a sua razão de existência se não tiver uma prática interventiva que proporcione uma ação transformadora. Do mesmo modo, a intervenção não tem como se efetivar sem um embasamento teórico. O entendimento dessa relação entre a teoria e a prática, que inclusive é indissociável no Serviço Social, é muito importante. Porém, o que vem se concretizando em diversas situações profissionais são perspectivas postuladas em um viés totalmente diferente. São muitos os desafios e as dificuldades que aparecem para os assistentes sociais no exercício profissional, e isso nós não podemos negar. O problema é que muitos destes profissionais esvaziam a práxis profissional por não articulá-la ao conhecimento teórico, que no caso do Serviço social é o método crítico dialético, pois oferece uma análise da realidade na sua totalidade, criando assim, as bases necessárias para uma possível transformação. A complexidade faz com que muitos achem que a realidade apresentada pelo usuário é totalmente desconexa do que foi visto no campo da formação. E isso é gravíssimo, pois cabe ao profissional que teve um período relativamente considerável de formação fazer uma reflexão e perceber que todo o conhecimento teórico adquirido se concretiza no momento em que se atende a população usuária. Essa dicotomia teoria/prática atribui consequências extremamente negativas para profissão. Um profissional que acredita que a sua prática é suficiente para a efetivação das suas intervenções no que está sendo apresentado, contribui para o tratamento pulverizado e naturalizado das expressões da questão social. Além de oferecer resultados frágeis e insuficientes no atendimento aos usuários. Entretanto, ele também não pode

11 11 cair no erro de pensar que a teoria, é um manual que oferece todas as medidas que proporcionam a solução dos problemas sociais advindo da ordem capitalista. Todas essas implicações colocam em xeque a discussão no interior da categoria de encontrar alternativas que possibilitem a desmistificação desse falso dilema. Diante da conjuntura que vem sendo apresentada que inclusive engloba os desafios de vincular a teoria adquirida no período de formação na sistematização da prática dos assistentes sociais, nos conduz a perceber a necessidade de um projeto de formação consistente para os estudantes de Serviço Social. Como ressalta a Iamamoto (2011), um projeto que esteja vinculado à defesa de uma sociedade para além do capital e que possibilite os assistentes sociais aproximarem das classes subalternas e apostarem ativamente nas lutas sociais. Formar profissionais qualificados, com relevante gabarito político, ético, metodológico e interventivo, significa apontar-lhes caminhos e ensinar-lhes a aprender, pela convivência permanente com a teoria, a história, a pesquisa e o cotidiano das práticas (...) (IAMAMOTO, 2011, p.252) Essa ideia apresentada pela autora chama atenção para o fato de que o projetoético político defendido pela categoria que é uma construção permanente e cotidiana das entidades representativas e dos assistentes sociais em torno de uma perspectiva ética, teórica e política, se encontra entrelaçado com uma luta por um projeto societário anticapitalista. Tendo como bojo o referencial teórico marxista e a obra marxiana a análise presente neste trabalho se baseia em um levantamento bibliográfico a cerca das publicações referentes ao tema. O que nos permitiu contextualizá-lo a partir dos dados e informações, alcançando assim, uma compreensão efetiva sobre as dimensões que englobam a teoria e a prática no Serviço Social. Adotamos textos de pesquisadores que se dedicam há muito tempo a essa discussão como a Guerra (2011), e a Santos (2006), entre outros que de maneira precisa também contribui para o debate.

12 12 5- Considerações Finais A relação entre teoria e prática é marcada por um movimento de vai e vem. Na ótica marxista elas são duas unidades de contrário que apesar de possuírem autonomia, se completam, se questionam, se superam. A discussão exposta neste artigo configura uma análise da problemática que envolve um dos mais conhecidos dilemas do Serviço Social: na prática a teoria é outra? Claro que a discussão é ampla e não tem como retratá-la toda aqui. O nosso objetivo foi apresentar de forma bem sucinta algumas ideais que perpassam os desafios e dificuldades dos profissionais de utilizarem a teoria no cotidiano de sua prática. Esperamos ter conseguido mostrar a significação da teoria e da prática e consequentemente a relação existente entre ambas em uma profissão interventiva como o Serviço Social. Os desafios postos a profissão são muitos. O contexto atual de crise liderada pelo neoliberalismo implica tempos de barbárie e injustiça social. Assim, torna-se extremamente necessário que os assistentes sociais se engajem na luta guiada pelo projeto ético-político de defesa e comprometimento com as necessidades das classes subalternas, fortalecendo o projeto de sociedade contra-hegemônico. O caminho de superação da dicotomia teoria/prática certamente se dará por meio de uma relação intrínseca entre as Universidades, docentes, profissionais, supervisores de estágios, estudantes, organizações representativas da profissão, espaços sócioocupacionais, reconhecendo e defendendo a necessidade de articulação da teoria com a prática no Serviço Social, para que a profissão venha oferecer uma intervenção de qualidade e contribuir para a transformação da realidade. Com isso, poderemos sempre reconstruir a história da nossa profissão em nosso país e possibilitar o aperfeiçoamento da instrumentalidade utilizada pelos profissionais para que a sistematização da prática se efetive trazendo respostas eficazes para a população usuária. Cabe ressaltar, que tais inquietações não se encerram por aqui, pois, sabemos que muitas são as discussões acerca desta temática, uma vez, que compreendemos a importância de debates como este para a nossa formação profissional, e posteriormente nossa prática.

13 13 REFERÊNCIAS CARVALHO, Raul de, IAMAMOTO, Marilda V. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 34. ed. São Paulo: Cortez, COELHO, Marilene A. Imediaticidade na prática profissional do assistente social. In: Serviço Social: temas, textos e contextos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, COUTINHO, Carlos Nelson. Notas sobre cidadania e modernidade. Revista Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v.1, n.1, 1997, (p ). GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do Serviço Social. 9. ed. São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação. 21. ed. São Paulo: Cortez, Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Editora Cortez, LUSTOSA, Maria das Graças. MENEZES, Maria Thereza. Reflexões sobre o ensino da prática no Serviço Social e os impasses para a consolidação do Projeto ético-político. In: Serviço Social: temas, textos e contextos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, Ditadura e serviço social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós ed. São Paulo: Cortez, BRAZ Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, Notas para a discussão da sistematização da prática em Serviço Social. Cadernos ABESS. São Paulo: Cortez, n. 3. SANTOS, Cláudia Mônica dos. Instrumentos e Técnicas: intenções e tensões na formação profissional do assistente social. In: Libertas. Juiz de Fora: Faculdade de Serviço Social da UFJF, v.4 e 5, n. especial, Os instrumento e técnicas: mitos e dilemas na formação profissional do assistente social no Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Rio de janeiro, 2006.

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social

Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social Retomando a Temática da Sistematização da Prática em Serviço Social Por Tomando por base as profissões liberais e aquelas que atuam no âmbito do aparato estatal prestador de serviços, cuja formação de

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

Instrumentalidade, estratégias e táticas no âmbito do SUAS

Instrumentalidade, estratégias e táticas no âmbito do SUAS MINICURSO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL PARA ASSISTENTES SOCIAIS E GRADUANDOS Instrumentalidade, estratégias e táticas no âmbito do SUAS Luciana Gonçalves Pereira de Paula Cuiabá 2015 1 A Descentralização

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Serviço Social e Projeto Ético-político: desafios à categoria profissional 1 Mileni Alves Secon 2 1- Introdução: O Serviço Social e contradição

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADSSMT01 A INSERÇÃO DOS ALUNOS NOS CAMPOS DE ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL - UFPB /BRASIL Ana Karolynne de Lima Freitas (1), Dalliana Ferreira Brito (1), Flávio

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade

As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade I CONGRESSO INTERNACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS As dimensões teórico-metodológica, ético-política e técnicooperativa: particularidades e unidade Sofia Laurentino

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos?

O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos? 1 O SERVIÇO SOCIAL E SUA IMAGEM SOCIAL: ajuda ou defesa de direitos? Carolina Lima Chagas. Assistente Social 1 Fátima da Silva Grave Ortiz. Doutora em Serviço Social 2 Mariana Fernandes Alcoforado Beltrão

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição ASSISTENTE

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social

A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social Luciana Gonçalves Pereira de Paula O debate sobre a dimensão técnico-operativa do Serviço Social

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL Professora Necilda de Moura Santana Discutir a questão do processo de supervisão na formação profissional do assistente social requer

Leia mais

Formulação de projeto de trabalho profissional

Formulação de projeto de trabalho profissional Formulação de projeto de trabalho profissional Berenice Rojas Couto Professora de Política Social nos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da PUCRS/Rio Grande do Sul. 0 1

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Boschetti, (seminário anual de Serviço Social, maio de 2008).

Boschetti, (seminário anual de Serviço Social, maio de 2008). O estágio supervisionado na formação profissional do Assistente Social: estudo realizado no curso de serviço social da Fundação Educacional de Fernandópolisem 2008 1 Eliane Marques de Menezes Amicucci

Leia mais

Período: 1º Curso: Serviço Social Disciplina: FILOSOFIA (5279) Carga Horária: 60h EMENTA

Período: 1º Curso: Serviço Social Disciplina: FILOSOFIA (5279) Carga Horária: 60h EMENTA 1 Período: 1º Disciplina: FILOSOFIA (5279) Filosofia: origem e conceito. Noções introdutórias: problema, reflexão, crítica, ideologia, teoria e práxis. Homem e sociedade: dimensão antropológica, social

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica

Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Mini-curso: Processo de Trabalho do Assistente Social na área Sociojurídica Facilitadoras: Profª Esp. Assistente Social Maria do Amparo Gomes Barro Assistente Social Esp. Ana Margarida Participação especial:

Leia mais

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL

SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES COM A FORMAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL Janaina da Silva Feitoza Estudante de Serviço Social AEMS Fernando Guimarães Oliveira da Silva Prof. Esp. do

Leia mais

A Política de Educação Permanente do conjunto [CFESS- CRESS] na UFRN: um debate possível

A Política de Educação Permanente do conjunto [CFESS- CRESS] na UFRN: um debate possível I CONGRESSO INTERNACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Chrislayne Caroline dos Santos Nascimento (1) (1) Programa de Pós Graduação em Serviço Social, UFRN, Brasil. E-mail:

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013.

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. 86 Artigo original A PRÁXIS PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1

PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1 PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ÂMBITO ESCOLAR 1 BERNARDON, Andressa 2 ; EHRHARDT, Daiane 3 ; PRETTO, Deise 4. 1 Trabalho de Pesquisa Bibliográfica 2 Professora do curso de Serviço Social

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL 1 A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL Suênya Thatiane Souza de Almeida 1. RESUMO O presente estudo visa fazer uma reflexão crítica sobre os novos desafios

Leia mais

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA 118 Introdução A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA Ana Flavia Luca de Castro Uni-FACEF Bianca Nogueira Mattos Uni-FACEF Eliana Bolorino Canteiro Martins Uni-FACEF Iara

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa Projeto Reconstruindo o fazer profissional : uma análise acerca de sua efetivação RESUMO:

Leia mais

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO

PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E ENSINO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL RESUMO CARIAGA, Maria Helena BURGINSKI, Vanda Micheli Esse trabalho busca realizar algumas reflexões acerca do projeto ético-político

Leia mais

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Daniel Silva Basílio 1 Lesliane Caputi 2 Eixo temático: 10. Educação Resumo: O presente texto traz para reflexões a interlocução histórica

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DO PROJETO ÉTICO- POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL

FORMAÇÃO CONTINUADA: ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DO PROJETO ÉTICO- POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 FORMAÇÃO CONTINUADA: ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DO PROJETO ÉTICO- POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL Maria Angelina Baía de Carvalho de Almeida Camargo 1 Elaine Sardinha Lopes 2 Aline de Jesus Oliveira 3 RESUMO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º A nova matriz será implantada a partir do 1 semestre do ano letivo de 2011.

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º A nova matriz será implantada a partir do 1 semestre do ano letivo de 2011. RESOLUÇÃO CONSEPE 64/2010 ALTERA A MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO, CAMPUS SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão

A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão A predominância do sexo feminino na profissão do Serviço Social: uma discussão em torno desta questão Adriéli Volpato Craveiro 1 Jéssica Gomes do Vale Cabrerisso Machado 2 RESUMO: A profissão do Serviço

Leia mais

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL Débora Begati Viana 1 Rafaela Marangon Dia 2 RESUMO O artigo em questão

Leia mais

O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO.

O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO. O ASSISTENTE SOCIAL COMO TRABALHADOR E O PROJETO PROFISSIONAL CRÍTICO. Aurora Amelia Brito de Miranda 1 RESUMO Na primeira parte deste trabalho, retomo a discussão efetivada por Iamamoto (1982 e 2007)

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1

CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 CDJA: UM NOVO CAMPO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO TJDFT Thaís Botelho Corrêa 1 O estágio supervisionado é o momento reservado para o aluno de graduação experimentar e exercitar a prática profissional

Leia mais

O sistema de proteção social e a previdência social brasileira ( Breve considerações) previdência social brasileira

O sistema de proteção social e a previdência social brasileira ( Breve considerações) previdência social brasileira O sistema de proteção social e a ( Breve considerações) O sistema de proteção social, particularmente a seguridade social, na sociedade capitalista, foi construído como exigência histórica resultante da

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS QUESTÃO: 22 Ver bibliografia do concurso: IAMAMOTO, Marilda. & CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil. Esboço de uma interpretação históricometodológica. 14ªed. São Paulo, Cortez,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS Autoras: Eliana Andrade da Silva(DESSO-UFRN) e Priscilla Gracia do Nascimento (UFRN) RESUMO Esta investigação objetiva

Leia mais

classe, etnia e gênero. A partir das escolhas que o fundam, tal projeto afirma a defesa intransigente dos direitos humanos e a recusa do arbítrio e

classe, etnia e gênero. A partir das escolhas que o fundam, tal projeto afirma a defesa intransigente dos direitos humanos e a recusa do arbítrio e A questão da instrumentalidade do Serviço Social Professora Dra. Odária Battini Texto de apoio para discussões na disciplina de Metodologia de Serviço Social-2001 Na história do serviço social no Brasil,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27 7//1 19:7 Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: 19 Serviço Social Currículo: 9/1 1 FIL.1.-9 Filosofia e Teoria do Conhecimento II Ementa: Correntes filosóficas que subsidiam as Ciências Sociais:

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

Trabajo en la contemporaneidad, cuestión social y trabajo social Trabajo social, identidad profesional, autonomia

Trabajo en la contemporaneidad, cuestión social y trabajo social Trabajo social, identidad profesional, autonomia Considerações sobre identidade e autonomia profissionais nas ONGS no Brasil desafios ou possibilidades? Janaína Lopes do Nascimento Duarte 1 jana.lopesduarte@gmail.com Modalidad de trabajo: Eje temático:

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

APRESENTAÇÃO O PROJETO

APRESENTAÇÃO O PROJETO O PROJETO APRESENTAÇÃO A comunidade do serviço social está em expressivo crescimento no pais. Em 2011, haviam 108.893 assistentes sociais inscritos ativos e, segundo dados do MEC, estimase que em 2012

Leia mais

Magistério, Direção e Supervisão Acadêmica

Magistério, Direção e Supervisão Acadêmica Magistério, Direção e Supervisão Acadêmica Ney Luiz Teixeira de Almeida Professor assistente da Faculdade de Serviço Social/ UERJ Magistério, Direção e Supervisão Acadêmica Introdução O exercício de funções

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005*

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* Ratifica o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Serviço Social, em implantação a partir do ano letivo de 2002. CONSIDERANDO a Lei n.º 9394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE SÃO SALVADOR CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL Salvador 2013 1 DIRETOR GERAL Gilberto Carvalho Martins DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

EMENTAS LEGISLAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL

EMENTAS LEGISLAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL EMENTAS LEGISLAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL As aulas de Legislação no Serviço Social visam a oferecer ao aluno, de forma didática, dinâmica e contemporânea, acesso ao conteúdo jurídico de relevância para a atuação

Leia mais

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO

JOZIANE FERREIRA DE CIRILO JOZIANE FERREIRA DE CIRILO ÉTICA PROFISSIONAL: desafios e possibilidades para a materialização da práxis do Serviço Social no cotidiano da Previdência Social RESUMO Este artigo tem como finalidade, refletir

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 4 Regulamento de Estágio do Curso de Serviço Social DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio Supervisionado, previsto no Currículo do Curso de Serviço Social será desenvolvido de acordo com as normas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO Evelyn Secco Faquin Resumo: O presente trabalho tem como objeto o Serviço Social brasileiro,

Leia mais

A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA

A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA 1 A FRAGILIZAÇÃO DA REDE TERRITORIALIZADA DE PROTEÇÃO À PESSOA IDOSA E OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE: UMA RELAÇÃO TEÓRICO- PRÁTICA Graziela Milani Leal * Resumo: O presente trabalho pretende refletir

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: relato de experiência de estágio na Coordenação de Atenção a Dependentes Químicos do estado do Piauí

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: relato de experiência de estágio na Coordenação de Atenção a Dependentes Químicos do estado do Piauí O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: relato de experiência de estágio na Coordenação de Atenção a Dependentes Químicos do estado do Piauí Magali Sampaio de Castro 1 Jakelinne Lopes de Sousa Miranda 2 Resumo: Este

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO BRASIL: um estudo de suas tendências históricas Severina Irene Tomaz Ferreira 1, Dalliana Grisi Ferreira Brito 2, Débora Suelle Marcelino de Miranda 3 1

Leia mais

O serviço social na assistência estudantil:

O serviço social na assistência estudantil: fonaprace 25 anos O serviço social na assistência estudantil: reflexões acerca da dimensão político-pedagógica da profissão Clara Martins do Nascimento Ana Cristina Brito Arcoverde Introdução O presente

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais