INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS"

Transcrição

1 INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares de Assuncao Michelle Andrade

2 INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares de Assunção Michelle Andrade Universidade de Brasília Programa de Pós-Graduação em Transportes RESUMO O excessivo número de acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras vem sendo tratado de forma especial por parte dos órgãos responsáveis pelas rodovias, no intuito da redução dos acidentes. É necessário que a segurança viária seja tratada da fase de planejamento até a fase de operação da rodovia para evitar futuras revisões, o que resulta em gastos extras. E para embasar os aspectos de segurança viária ainda nas fases iniciais de projeto, destaca-se a experiência internacional de auditoria de segurança viária (ASV), que auxilia os profissionais a avaliar a segurança viária nos projetos rodoviários. Assim, a presente pesquisa visa elaborar um instrumento de ASV para ser aplicado no estudo de viabilidade, projeto básico e projeto executivo com vista a segurança viária. 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Saúde, em 2011, registrou óbitos no Brasil e feridos hospitalizados em 2012, em decorrência de acidentes de trânsito. O Brasil ocupa a quinta posição no ranking de países que registram mais óbitos relacionados a acidentes de trânsito (VIAS SEGURAS, 2014). Em 2009, a Organização Mundial de Saúde (OMS) registrou 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países e, se nenhuma ação mundial for empreendida, este número poderá chegar a 1,9 milhão de mortes até 2020 (ONU, 2010). Com esses resultados, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o período de 2011 a 2020 como a Década Mundial de Ação de Segurança no Trânsito, com objetivo de desenvolver ações para a redução de 50% de mortes em acidentes de trânsito em 10 anos. No Brasil, os principais órgãos e entidades relacionados ao trânsito foram solicitados para elaborar uma proposta de Plano Nacional de Redução de Acidentes para a Década O qual é um conjunto de medidas que visa contribuir para a redução das taxas de mortalidade e lesões por acidentes de trânsito no Brasil, com os objetivos e metas, organizados segundo seis pilares estratégicos: gestão, fiscalização, educação, saúde, segurança viária e segurança veicular a curto, médio e longo prazo (DENATRAN, 2011). Para redução de acidentes no Brasil é necessário ações pró ativas e uma ação considerada e a técnica de auditoria de segurança viária (ASV) que surgiu no final do século XX, com significativos resultados nos países como Austrália e Nova Zelândia. A ASV é definida como uma análise formal, do ponto de vista da segurança no trânsito, de uma via, elemento viário ou esquema de circulação, existente ou projetado, por uma equipe de examinadores qualificados e independentes. A ASV pode ser aplicada nas diversas fases que incluem a realização de uma obra viária (estudo de viabilidade, projeto preliminar, projeto definitivo, antes da abertura ao tráfego e depois da abertura ao tráfego (Ferraz et al., 2012). Há concordância por parte dos especialistas que, quanto mais cedo o projeto for auditado, maior o ganho de segurança final. Se um conceito ou tratamento apropriado é identificado na fase de viabilidade, melhor, é muito difícil e, muitas vezes, impossível de remover problemas de segurança em fases posteriores do projeto, uma vez que o tráfego está circulando na via. 1

3 Auditoria precoce também pode levar a eliminação precoce de problemas e, portanto, minimização do tempo desperdiçado em fases posteriores de projeto (Bagi e Kumar, 2012). Assim, o presente projeto propõe a elaboração de um instrumento de ASV para projetos rodoviários adaptados a realidade brasileira, com vista à segurança viária. 2. OBJETIVOS Este projeto de dissertação tem como objetivo geral a elaboração de um instrumento de ASV adaptado à realidade brasileira com vista à segurança viária para ser aplicado em projetos rodoviários nas fases de Estudo de Viabilidade, Projeto Básico e Projeto Executivo para a mitigação de acidentes de trânsito. Os objetivos específicos deste projeto de dissertação são: a) Identificar e analisar a abrangência dos instrumentos existentes de ASV com uso nas fases de projetos; b) identificar os tópicos importantes para segurança viária e definir os tópicos a serem usados no instrumento de ASV nas fases de projetos de rodovias brasileiras; c) Materializar o instrumento de ASV para a aplicação nas fases de projeto rodoviário. 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 Acidente de Trânsito Ao considerar a circulação viária tanto urbana quanto rural, nos últimos tempos, é visível que os cenários tornaram-se problemas graves para a sociedade, tais como: o acidente de trânsito, o congestionamento e a poluição ambiental. Entretanto, entre esses problemas o acidente de trânsito é considerado o mais grave, pois representa grandes perdas humanas, em termos ferimentos e fatalidades. Bem como perdas econômicas significativas (Panitz, 1999). A Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, apresenta um conceito abrangente de acidente de trânsito definindo como todo evento não premeditado de que resulte dano em veículo ou na carga e/ou lesões em pessoas e/ou animais, em que pelo menos uma das partes está em movimento nas vias terrestres ou áreas abertas ao público (ABNT, 1989). 3.2 Segurança Viária Sinay & Tamayo (2005), em sua interpretação mais ampla, descrevem a segurança viária como sendo o conjunto de condições e fatores interligados que propiciam a circulação e interação dos diferentes elementos do tráfego na via sob níveis aceitáveis de risco e de forma suficientemente segura. 3.3 Projetos Rodoviários Importante destacar as definições de estudo de viabilidade, projeto básico e projeto executivo. O DNIT (2006) menciona que Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental de rodovias é o conjunto de estudos a serem desenvolvidos para a avaliação dos benefícios sociais e econômicos decorrentes dos investimentos, tanto em implantação de novas rodovias quanto aos melhoramentos de rodovias existentes. Para o DNER (1997), defini projeto básico e projeto executivo da seguinte forma: 2

4 PROJETO BÁSICO 1) Projeto que reúne as descrições técnicas necessárias e suficientes à contratação da execução da obra. 2) Conjunto de elementos que define a obra ou serviço, ou o complexo das obras ou serviços, objeto da licitação e que possibilite a estimação do custo final e do prazo de execução. PROJETO EXECUTIVO Projeto que reúne os elementos necessários e suficientes e à execução completa da obra, detalhando o projeto básico. ANTT (2005) em sua Resolução 1187/2005, Capítulo 1 Dos Conceitos e Definições, Art. 2º destaca-se projeto básico e projeto executivo: PROJETO BÁSICO: Conjunto de elementos necessários e suficientes, com grau de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição do prazo de execução. PROJETO EXECUTIVO: de obra, inclusive as peças, os diagramas e outros elementos elucidativos necessários à sua execução, de acordo com as normas pertinentes. 3.3 Auditoria de Segurança Viária A ASV visa identificar as deficiências de segurança da via que possam vir a causar acidentes, e o objetivo é: evitar a ocorrência ou reduzir a severidade dos acidentes; diminuir a correção de trabalhos futuros nas rodovias; reduzir os custos com os acidentes, com manutenção da infraestrutura e com modificações propostas relativas à segurança viária após a construção da rodovia; e difundir o conceito e a importância dessa segurança nas equipes de planejadores, projetistas, construtores e mantenedores (Pedroso et al, 2005 apud De Souza, 2012). A ASV segundo Ferraz, et. al, (2012), é empregada para designar a análise formal do ponto de vista da segurança no trânsito, de uma via, elemento viário ou esquema de circulação, existente ou projetado, por uma equipe de examinadores qualificados e independentes. Assim, pode-se citar que a ASV é uma técnica que usa procedimentos para fins preventivos da segurança viária, de forma sistemática, para a verificação independente para as melhorias dos aspectos relacionados à segurança viária, com vista à segurança dos usuários da rodovia. 4. METODOLOGIA A pesquisa será realizada de acordo com as etapas a seguir apresentadas. a) Primeira Etapa: revisão bibliográfica sobre acidente de trânsito, segurança viária, projetos rodoviários nas fases de estudo de viabilidade, projeto básico e projeto executivo e técnica de auditoria de segurança viária nos âmbitos nacional e internacional. b) Segunda Etapa: revisão e análise das listas de ASV existentes nacional e internacionalmente, para subsidiar a elaboração do instrumento de ASV neste trabalho. c) Terceira Etapa: identificação das especificidades brasileiras em acidentes de trânsito relacionados à via. d) Quarta Etapa: elaboração dos instrumentos de ASV para aplicação nas fases de estudo de viabilidade, projeto básico e projeto executivo, considerando as especificidades brasileiras. 3

5 e) Quinta Etapa: submissão do instrumento de ASV elaborado aos profissionais que atuam na elaboração e análise de projetos rodoviários para avaliação da consistência do instrumento. f) Sexta Etapa: análise das considerações dos profissionais, para o aprimoramento do instrumento. Faz parte dessa etapa a revisão do instrumento proposto para sua finalização. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa está em andamento e, até a ocasião, definiu-se o instrumento de ASV adaptado, de modelos internacionais, à realidade brasileira, nas fases de estudo viabilidade, projeto básico e projeto executivo. Foi adaptado à realidade brasileira, uma vez que algumas situações são tipicamente brasileiras. No Brasil, os estudos são peculiares e até a inexistência de instrumentos para serem usados nas fases de projetos. Pretende-se que instrumento elaborado possa contribuir para a redução dos acidentes de trânsito no Brasil, devido o instrumento elencar tópicos relevantes sobre a segurança viária, que muitas vezes passam despercebidos e até mesmo não propostos nos projetos. Projetos não auditados podem possuir pontos críticos, que poderia ser detectados ainda na fase de projetos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTT (2005) Agência Nacional de Transporte Terrestre. Resolução nº 1187, de 09 de novembro de Dispõe sobre os procedimentos de execução de obras e serviços pelas concessionárias nas rodovias federais reguladas pela ANTT. BAGI, A. S.; KUMAR, D. N. (2012) Road Safety Audit, IOSR Journal of Mechanical and Civil Engineering. ISSN: Volume 1, Issue 6 (July-August), PP DE SOUZA, M. L. R. (2012). Procedimento para avaliação de projetos de rodovias rurais visando a segurança viária. Dissertação de Mestrado em Transportes, Publicação T.DM 005/2012. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 206 p. DENATRAN (2011) Departamento Nacional de Trânsito, Década de Ação pela Segurança no Trânsito Disponível em Instituto%20de%20Engenharia%20SP.pdf. Acesso em 10/12/2013 e 10/01/2014. DNER (1997) Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico. Divisão de Capacitação Tecnológica. Glossário de termos técnicos rodoviários. Rio de Janeiro. DNIT (2006) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Diretrizes Básicas para Estudos e Projetos Rodoviários: escopos básicos / instrução de serviço. Publicação 726. Instituto de Pesquisas Rodoviárias. 484p. Brasília. FERRAZ, C., RAIA JR., A., BEZERRA, B., BASTOS, T., RODRIGUES, K. (2012) Segurança Viária. São Carlos: Suprema Gráfica e Editora LTDA, 321 p. PUNITZ, M. A. (1999) A Segurança Viária e o Fator Humano. Verificação da presença de Álcool Direção. No Sistema de Transporte Rodoviário do RGS. Dissertação (Mestre em Engenharia). Universidade Federal de Rio Grande do Sul. Porto Alegre/RS. RODRIGUES, J. L. F. (2010). Aplicações da técnica de auditoria de segurança viária em segmentos viários no estado de São Paulo avaliação crítica de reflexões. 119p. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas. SINAY, M. C. F. e TAMAYO, A. S. (2005) Segurança Viária: Uma Visão Sistémica. In: Rio de Transportes III, Rio de Janeiro. VIAS SEGURAS (2014) Estatísticas Nacionais de Acidentes de Trânsito. Disponível em: viasseguras.com/layout/set/print/os_acidentes/estatisticas/estatisticas_nacionais. Acesso em: 10/01/2014. Lucinei Tavares de Assunção Michelle Andrade Programa de Pós-Graduação em Transportes. Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro. Asa Norte, Anexo SG-12, 1º andar, Brasília - DF, Brasil. 4

CÁLCULO DO CUSTO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE CE

CÁLCULO DO CUSTO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE CE CÁLCULO DO CUSTO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE CE Patrícia Frota Macêdo 1 Marcos José Timbó Lima Gomes 2 RESUMO: A acidentalidade no trânsito é um problema que assola todo

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE TRANSPORTES URBANOS de acordo com o Edital do concurso da Secretaria Municipal de Transporte do Rio de

Leia mais

ACIDENTES RODOVIÁRIOS José Manuel Santos e Sandra Pinheiro (ULHT TERCUD) Luís Carvalho (SMPCA)

ACIDENTES RODOVIÁRIOS José Manuel Santos e Sandra Pinheiro (ULHT TERCUD) Luís Carvalho (SMPCA) CAMPANHA LOCAL UN ISDR 2010 2015 SEMPRE EM MOVIMENTO, AMADORA É RESILIENTE! ACIDENTES RODOVIÁRIOS 2000 2010 José Manuel Santos e Sandra Pinheiro (ULHT TERCUD) Luís Carvalho (SMPCA) ACIDENTES RODOVIÁRIOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DISPOSITIVOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES: ESTUDO DE CASO DE INTERVENÇÕES NA RODOVIA MG 050 Rogério D Avila UFMG - Brasil Guilherme Cardoso

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

DER/PR SRNORTE. Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples

DER/PR SRNORTE. Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples DER/PR SRNORTE Sinalização Horizontal de Curvas à Direita em Rodovias de Pistas Simples Engº Alex Severo Alves Mar - 2010 GERENCIAMENTO DE OPERAÇÃO DA VIA Outra Verdade Inconveniente Desde o advento do

Leia mais

Aula 19. Segurança de trânsito (parte 1 de 4)

Aula 19. Segurança de trânsito (parte 1 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 19 Segurança de trânsito (parte 1 de 4) Queda de avião em setembro de 2.006, com 154 mortos

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

Programação Semana Nacional de Trânsito

Programação Semana Nacional de Trânsito Programação Semana Nacional de Trânsito Dia 18 de setembro Domingo Motoceata Concentração: Parque da Lajinha Horário: 10h Show de Bandas. Dia 19 de setembro Segunda-feira Solenidade de Abertura Local:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA DAS RODOVIAS FEDERAIS 020 e 040 NA RIDE-DF

AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA DAS RODOVIAS FEDERAIS 020 e 040 NA RIDE-DF AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA DAS RODOVIAS FEDERAIS 020 e 040 NA RIDE-DF Gabriel Andrade Lanzaro Michelle Andrade Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Universidade de Brasília RESUMO Devido ao

Leia mais

ATIVIDADE SOCIAL....Mas conta também com os

ATIVIDADE SOCIAL....Mas conta também com os ATIVIDADE SOCIAL O TRÂNSITO SEGURO CONTA COM VOCÊ......Mas conta também com os AGENTES DE TRÂNSITO!!! AGENTES DE TRÂNSITO: SAMU AMC DETRAN ETUFOR POLÍCIA RODOVIÁRIA O que é o SAMU? Serviço de Atendimento

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Comparativo 2003-2012 Julho de 2014 Relatório comparativo 2003/2012 Comentários sobre o período de 10 anos considerado Este relatório apresenta os

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E SEGURANÇA NAS ESTRADAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E SEGURANÇA NAS ESTRADAS TRANSPORTE RODOVIÁRIO E SEGURANÇA NAS ESTRADAS Transporte Rodoviário e Segurança nas estradas Ramon Garcia de Alcaraz Engenheiro civil com especialização em transportes 27 anos de experiência no setor

Leia mais

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008 DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR PROGRAMA DE SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Brasília Setembro de 2008 Sumário 1. Características do Problema

Leia mais

Os Impactos e Custos dos Acidentes de Trânsito para a Previdência Social ( )

Os Impactos e Custos dos Acidentes de Trânsito para a Previdência Social ( ) Os Impactos e Custos dos Acidentes de Trânsito para a Previdência Social (2003 2012) Estudo desenvolvido por equipe técnica da Fundação de Apoio a Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Cultura FAPETEC para a

Leia mais

Ins$tuto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Agosto de 2015

Ins$tuto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Agosto de 2015 Ins$tuto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenadora e Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho Data: Agosto de 2015 Mortalidade no Trânsito 33 anos de mortes no Brasil 1980-2013 Mortes

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

DOSSIER 2016 FUNDACIÓN MAPFRE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PARA AS CRIANÇAS EM AUTOMOVEIS EM ESPANHA E AMÉRICA LATINA: CADEIRAS DE CRIANÇA 2016.

DOSSIER 2016 FUNDACIÓN MAPFRE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PARA AS CRIANÇAS EM AUTOMOVEIS EM ESPANHA E AMÉRICA LATINA: CADEIRAS DE CRIANÇA 2016. DOSSIER 2016 FUNDACIÓN MAPFRE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PARA AS CRIANÇAS EM AUTOMOVEIS EM ESPANHA E AMÉRICA LATINA: CADEIRAS DE CRIANÇA 2016. RESUMO EXECUTIVO Resumo executivo Resumo de dados em Espanha Em

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS DE INFRAESTRUTURA NA SEGURANÇA VIÁRIA

INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS DE INFRAESTRUTURA NA SEGURANÇA VIÁRIA INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS DE INFRAESTRUTURA NA SEGURANÇA VIÁRIA Paola Mundim de Souza José Aparecido Sorratini Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Civil Programa de Pós-Graduação

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Brasília, 2014 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRÂNSITO

CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRÂNSITO Realização: CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRÂNSITO Porto Alegre/RS, 17 a 20 de julho de 2012. Prof.ª Me. Ivanise Rotta Chefe da Divisão de Educação para o Trânsito ivaniserotta@gmail.com Agetran +55 (67)

Leia mais

Venda a peso e limite legal. Gustavo Lanna Diretor Comercial

Venda a peso e limite legal. Gustavo Lanna Diretor Comercial Venda a peso e limite legal Gustavo Lanna Diretor Comercial A EMPRESA Situada em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a Martins Lanna tem mais de 35 anos de experiência na produção de agregados

Leia mais

ICTs and improving road safety

ICTs and improving road safety ICTs and improving road safety 17 de Maio de 2013 Fundação Portuguesa das Comunicações Patrocinadores Globais APDSI Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária- O Papel das TICs no seu desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575

A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S/A A Experiência da MRV na Implantação da NBR 15575 REALIZAÇÃO Flávio Paulino de Andrade e Silva

Leia mais

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Porto 15/05/2014. Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Porto 15/05/2014 Jorge Jacob Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária SUMÁRIO: Código da Estrada Revisto principais alterações em vigor desde 1 de janeiro de 2014 Panorâmica da sinistralidade

Leia mais

Relatório de Desempenho Trimestral de Resultados 3T2015

Relatório de Desempenho Trimestral de Resultados 3T2015 Relatório de Desempenho Trimestral de Resultados 3T2015 A Concepa foi constituída em 1997 pela Construtora Triunfo e pela SBS Engenharia e Construções. A concessão foi outorgada pelo Governo Federal, em

Leia mais

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Horizontal Circular

Estrada de Rodagem Curvas Concordância Horizontal Circular Estrada de Rodagem Curvas Concordância Horizontal Circular Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 9941-3300 1 Histórico No início do transporte rodoviário, as rodovias proporcionavam

Leia mais

IDT FIESP. Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte

IDT FIESP. Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte IDT FIESP Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte Brasil: 191 milhões de habitantes 8,5 milhões km² PIB R$ 4,4 trilhões A infraestrutura de transportes do Brasil é adequada: Ao tamanho

Leia mais

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas SALVANDO VIDAS A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas MARTA OBELHEIRO COORDENADORA DE PROJETOS DE SAÚDE E SEGURANÇA VIÁRIA DO WRI BRASIL CIDADES SUSTENTÁVEIS Um produto do WRI

Leia mais

Propostas de melhorias viárias para o estado do Rio de Janeiro

Propostas de melhorias viárias para o estado do Rio de Janeiro Propostas de melhorias viárias para o estado do Rio de Janeiro Engº Francisco Filardi 2016 PROJETO 2014 PROPOSTA 1 Ligação Linha Vermelha - Maracanã (Tijuca, Vila Isabel, Grajaú e Méier) Autores do projeto

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 Plano de Ensino e Aprendizagem 2 3 Objetivos CONTEÚDO Se preparar para o inicio de um projeto Acompanhamento projeto Controles Métricas

Leia mais

CUSTOS RELACIONADOS A ACIDENTES DE TRÂNSITO

CUSTOS RELACIONADOS A ACIDENTES DE TRÂNSITO CUSTOS RELACIONADOS A ACIDENTES DE TRÂNSITO A mobilidade é um dos elementos fundamentais no seio da sociedade. As pessoas precisam deslocar-se para exercer suas atividades sociais. Portanto, não há sociedade

Leia mais

Acidente de Trânsito em Macapá. Acidentes em Macapá Março/2012

Acidente de Trânsito em Macapá. Acidentes em Macapá Março/2012 Acidente de Trânsito em Macapá Acidentes com vítima 83 25% Acidentes sem vítima 237 73% Acidentes com vítima fatal 6 2% Total 326 total de acidentes ocorridos em Macapá. Fonte: BPTRAN Acidentes em Macapá

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO - Proen Av. José de Sá Maniçoba, s/nº. Centro - Caixa Postal 252 56304-205 - Petrolina-PE Telefone: (87) 21016758.

Leia mais

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico 1997... 2001... 2003 2004 2005 2006 2007 2008 BR CTB Estatuto da Cidade

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

CAPÍTULO 01 CONCEITOS BÁSICOS DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 CONCEITOS BÁSICOS DE TRÁFEGO Estudos de Tráfego Prof. Pedro Akishino Universidade Federal do Paraná (UFPR) Cap 1 CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS DE TRÁFEGO VOLUME DE TRÁFEGO É o número de veículos que passam por uma determinada seção

Leia mais

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços

Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Importância e Oportunidades para o Desenvolvimento da Indústria de Serviços Modais de Transporte no Brasil Características dos Modais Modal Ferroviário Maior concentração das ferrovias no Brasil As ferrovias

Leia mais

CISER adota novo conceito tecnológico em sua arquitetura de TI

CISER adota novo conceito tecnológico em sua arquitetura de TI CISER adota novo conceito tecnológico em sua arquitetura de TI MAIO/2016 Perfil A CISER Parafusos e Porcas é a maior fabricante de fixadores da América Latina. Tem capacidade produtiva de 6 mil toneladas/mês

Leia mais

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA

TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV TRANSFERÊNCIA NCIA DE TECNOLOGIA Seminário sobre o Trem de Alta Velocidade Federaçã ção o das Indústrias do Estado de São S o Paulo FIESP Agência Nacional de Transportes terrestres

Leia mais

Conheça a NBR ABNT 7503/08 para o transporte de produtos perigosos. NBR ABNT 7503/08

Conheça a NBR ABNT 7503/08 para o transporte de produtos perigosos. NBR ABNT 7503/08 Conheça a NBR ABNT 7503/08 para o transporte de produtos perigosos. NBR ABNT 7503/08 As orientações fornecidas abaixo obedecem à Norma NBR ABNT 7503/08, e especificam as características e dimensões da

Leia mais

Equipe Técnica. Governo do Estado do Amapá Departamento Estadual de Trânsito Coordenadoria Técnica Núcleo de Engenharia

Equipe Técnica. Governo do Estado do Amapá Departamento Estadual de Trânsito Coordenadoria Técnica Núcleo de Engenharia Equipe Técnica Benedito Costa e Silva Agente Administrativo Leonidas da Rosa Luz Técnico em Infraestrutura Denyson Wasley Santiago Técnico em Infraestrutura Charles Oliveira da Silva Estágiario Agradecimentos

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras DETG 5,69 5,39 4,92 4,83 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Importância da mobilidade urbana Aumento

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CALÇADAS VERDES. LILIAN SARROUF CBCS Conselho Brasileiro de Construção Sustentável 22 setembro de 2009

SUSTENTABILIDADE E CALÇADAS VERDES. LILIAN SARROUF CBCS Conselho Brasileiro de Construção Sustentável 22 setembro de 2009 SUSTENTABILIDADE E CALÇADAS VERDES LILIAN SARROUF CBCS Conselho Brasileiro de Construção Sustentável 22 setembro de 2009 SUSTENTABILIDADE ACESSIBILIDADE: quem utiliza? Como utiliza? DESEMPENHO: a que se

Leia mais

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa 19 2 15 51 2 50 50 9 2 12 Valores citados em% 0 5 Sempre Délhi 9 1 5 50 5 Ocasionalmente Nunca

Leia mais

ESTUDO DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE RODOVIAS BRASILEIRAS

ESTUDO DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE RODOVIAS BRASILEIRAS ESTUDO DE ACIDENTES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE RODOVIAS BRASILEIRAS Wellington Vicente Almeida dos Santos Graduado em Engenharia Civil pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro,

Leia mais

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ

COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ COMPETITIVIDADE DOS FRETES FERROVIÁRIOS: RIOS: OS CASOS DO AÇÚCAR E DO ETANOL COM DESTINO PARA O PORTO DE PARANAGUÁ José Vicente Caixeta Filho Professor Titular Depart. de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES 16 TÍTULO: SISTEMA ESPECIALISTA PARA MAPEAMENTO DE FALHAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES): AIRTON

Leia mais

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão J. Martins, P. Laranjeira, M. Rebelo, M. Lopes CIICESI, ESTG, Politécnico do Porto ICSLM Congress 24-11-2016, Covilhã, Portugal INTRODUÇÃO

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

APIMEC DF EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Setembro de 2014

APIMEC DF EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Setembro de 2014 APIMEC DF EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Setembro de 2014 Estrutura Societária Ativos Atuais Desempenho Financeiro Consolidado Desempenho Acionário e Responsabilidade Socioambiental Oportunidades

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.699, DE 2012

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.699, DE 2012 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.699, DE 2012 Dispõe sobre a atualização periódica dos mapas dos sistemas de navegação para dispositivos de sistema de posicionamento

Leia mais

Departamento de Estradas de Rodagem

Departamento de Estradas de Rodagem Departamento de Estradas de Rodagem Planos e Ações Transporte Rodoviário de Carga MISSÃO Administrar o sistema rodoviário estadual, sua integração com as rodovias municipais e federais e sua interação

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos...

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos... ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 2014... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo os distritos... 6 4. Vítimas segundo a natureza do acidente... 7 5. Vítimas

Leia mais

Universidade Federal do Piauí PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO. Guia Acadêmico UFPI 2010

Universidade Federal do Piauí PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO. Guia Acadêmico UFPI 2010 PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO Guia Acadêmico UFPI 2010 Dados Pessoais Críticas e Sugestões Órgãos da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Profª. Drª. Guiomar de Oliveira Passos Arquiteta Lourdes

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL E SUA IMPORTÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM OBRAS RODOVIÁRIAS Heberton Júnior dos Santos (*), Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

Gestão Ambiental 21 de Outubro de 2010

Gestão Ambiental 21 de Outubro de 2010 Gestão Ambiental 21 de Outubro de 2010 Ponte NovaDutra ViaLagos RodoNorte AutoBAn ViaOeste RodoAnel Renovias SPVias ViaQuatro CCR Actua CCR Engelog CCR EngelogTec STP Controlar Sustentabilidade - oportunidade

Leia mais

EXPECTATIVA E INTER RELACIONAMENTO DOS PLAYERS

EXPECTATIVA E INTER RELACIONAMENTO DOS PLAYERS EXPECTATIVA E INTER RELACIONAMENTO DOS PLAYERS Eventos de Sinistro por Meses no Ano Jan 6% Fev 6% M ar 7% Abr 7% Mai 6% Jun 6% Jul 8% Ago 10% Set 11% Out 11% Nov 12% Dez 10% 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% 14%

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos...

ÍNDICE DEFINIÇÕES Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via Vítimas segundo os distritos... ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 2014... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo os distritos... 6 4. Vítimas segundo a natureza do acidente... 7 5. Vítimas

Leia mais

COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM PSICOLOGIA DE TRÂNSITO

COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM PSICOLOGIA DE TRÂNSITO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM PSICOLOGIA DE TRÂNSITO Especialização Lato Sensu em Psicologia de Trânsito 1.1 Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Grande área: Saúde Subárea: Psicologia de Trânsito 1.2

Leia mais

Ana Carolina Soares Bertho. Doutoranda em Demografia - Unicamp

Ana Carolina Soares Bertho. Doutoranda em Demografia - Unicamp Ana Carolina Soares Bertho Doutoranda em Demografia - Unicamp Campinas, 27 de outubro de 2011 De acordo com a OMS, 1,2 milhões de pessoas morrem a cada ano nas ruas e estradas de todo o mundo. Entre 20

Leia mais

009. Artes Visuais. PROVA DE HABILIDADES (14 horas) VESTIBULAR Confira seus dados.

009. Artes Visuais. PROVA DE HABILIDADES (14 horas) VESTIBULAR Confira seus dados. VESTIBULAR 2012 PROVA DE HABILIDADES 13.12.2011 (14 horas) Assinatura do Candidato 009. Artes Visuais Confira seus dados. Assine com caneta de tinta azul ou preta apenas nos locais indicados. Qualquer

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM Vítimas por mês Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de BRAGANÇA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

Objetivo: Estimar o perfil dos usuários das linhas de ônibus com destino ou origem na Rodoviária de Parnaíba.

Objetivo: Estimar o perfil dos usuários das linhas de ônibus com destino ou origem na Rodoviária de Parnaíba. Ficha técnica Objetivo: Estimar o perfil dos usuários das linhas de ônibus com destino ou origem na Rodoviária de Parnaíba. Período de coleta de dados: 29 de maio a 29 de junho de 2014. Local de coleta:

Leia mais

Notas de aula de Estradas (parte 13)

Notas de aula de Estradas (parte 13) 1 Notas de aula de Estradas (parte 13) Hélio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula 1 Alinhamento horizontal 2 Alinhamento vertical 3 Faixas auxiliares para veículos lentos em rampa 4 Coordenação (ou

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INFLUÊNCIA DE SER UM PRODUTO DE EMPRESA CONSIDERADA ECOLOGICAMENTE CORRETA, NA DECISÃO DE

Leia mais

A educação como um dos pilares para a segurança no trânsito Rosely Fantoni

A educação como um dos pilares para a segurança no trânsito Rosely Fantoni A educação como um dos pilares para a segurança no trânsito Rosely Fantoni OMS 1 Doenças coração 2 Doenças cerebovasculares 3 Infecções respiratórias 4 Doenças pulmonares crônicas 5 Diarréia 6 HIV/AIDS

Leia mais

Eficiência Energética e Emissões Transporte de cargas

Eficiência Energética e Emissões Transporte de cargas Renovação de Frota no Brasil e Qualidade da Infraestrutura Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Rio de Janeiro, dezembro de 2012. Marilei Menezes Coordenadora de Projetos Especiais Confederação

Leia mais

Junho de Principais Indicadores de Sinistralidade Continente. Observatório de Segurança Rodoviária

Junho de Principais Indicadores de Sinistralidade Continente. Observatório de Segurança Rodoviária Junho de 2010 Principais Indicadores de Sinistralidade Continente Observatório de Segurança Rodoviária ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 EVOLUÇÃO 2001-2010... 4 1. Acidentes com vítimas no período de Janeiro a Junho...

Leia mais

Projeto Vida no Trânsito

Projeto Vida no Trânsito Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não Transmissíveis Projeto Vida no Trânsito Cheila Marina de Lima

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

O Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal

O Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal O Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal Arlindo Alegre Donário Ricardo Borges dos Santos 17 de abril de 212 1 Study quality is used synonymously with validity. Validity denotes the

Leia mais

Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil

Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil Milene Corrêa Zerek Capraro O artigo objetiva contribuir para o desenvolvimento da

Leia mais

para Produtos para Saúde

para Produtos para Saúde Programas de Avaliação da Conformidade para Produtos para Saúde São Paulo, 07 de junho de 2011 Andréia Quintana Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade Diretoria da Qualidade Inmetro Quem Somos

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS BRASILEIROS LUCINEI TAVARES DE ASSUNÇÃO

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS BRASILEIROS LUCINEI TAVARES DE ASSUNÇÃO l INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS BRASILEIROS LUCINEI TAVARES DE ASSUNÇÃO ORIENTADORA: MICHELLE ANDRADE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Determinação Volume Tráfego

Determinação Volume Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Determinação Volume Tráfego 2 1 - VMDa (AADT) - Volume médio diário

Leia mais

ATENÇÃO: O envio dos trabalhos deve ser feito até 30/11/2016

ATENÇÃO: O envio dos trabalhos deve ser feito até 30/11/2016 II Congresso Brasileiro da Associação Nacional dos Detrans Instruções para submissão de trabalhos técnicos O envio dos resumos dos trabalhos deve ser feito exclusivamente pelo site www.congressoand.com

Leia mais

Relatório da Frota Circulante de 2016

Relatório da Frota Circulante de 2016 I Frota circulante total O Relatório da Frota Circulante, elaborado pelo Sindipeças com dados até 2015, apontou aumento de 2,5% na frota de autoveículos brasileira, em comparação com 2014, registrando

Leia mais

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS LUIZMIGUEL.BARROS@YAHOO.COM.BR O QUE É TOPOGRAFIA??? Grego Português Topos Lugar, ambiente Graphen

Leia mais

Cooperação Técnica em Estudos e Soluções Destinadas à Segurança de Túneis Rodoviários 22/05/2013

Cooperação Técnica em Estudos e Soluções Destinadas à Segurança de Túneis Rodoviários 22/05/2013 Cooperação Técnica em Estudos e Soluções Destinadas à Segurança de Túneis Rodoviários 22/05/2013 Secretaria de Segurança Pública Objetivo Discutir as melhores técnicas de segurança nos túneis viários,

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DUPLICAÇÃO DE UMA RODOVIA NO TIPO E GRAVIDADE DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO: ESTUDO DE CASO NA RODOVIA SC-401.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DUPLICAÇÃO DE UMA RODOVIA NO TIPO E GRAVIDADE DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO: ESTUDO DE CASO NA RODOVIA SC-401. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DUPLICAÇÃO DE UMA RODOVIA NO TIPO E GRAVIDADE DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO: ESTUDO DE CASO NA RODOVIA SC-401. Carla Cristina de Oliveira Werchatzer Antonio Fortunato Marcon Lenise

Leia mais

BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497

BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497 V Workshop Rodovias Federais Região do Triângulo BR 050, BR 365, BR 452 e BR 497 Realização Apoio Câmaras Temáticas do CREAMG Conceito: esferas técnicas de articulação e planejamento do CREAMG, no intuito

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PERMANGANATO DE POTÁSSIO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (0XX11)

Leia mais

Acidentes de trânsito e Álcool

Acidentes de trânsito e Álcool O CUSTO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO CAUSADOS POR ABUSO DO ÁLCOOL NA CIDADE DE PORTO ALEGRE BRASIL Tanara Sousa, Esmeralda Correa, Marianne Stampe, Sabino Pôrto Jr, Flávio Pechansky, Raquel de Boni Acidentes

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Profa. Adriana Goulart dos Santos O estudo de materiais que são normalmente empregados como subleito, como reforço de subleito

Leia mais

Relatório da Frota Circulante 2017

Relatório da Frota Circulante 2017 I Frota circulante total O Relatório da Frota Circulante, elaborado pelo Sindipeças com dados até 2016, apontou aumento de 0,7% na frota de autoveículos brasileira, em comparação com 2015, registrando

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AVALIAR AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DE VIAS COLETORAS E ARTERIAIS URBANAS

PROCEDIMENTO PARA AVALIAR AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DE VIAS COLETORAS E ARTERIAIS URBANAS PROCEDIMENTO PARA AVALIAR AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DE VIAS COLETORAS E ARTERIAIS URBANAS Amílcar Sampedro Tamayo¹, Vânia Barcellos Gouvêa Campos² 1) COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro e 2) Pós-graduação

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2014 Julho/2016 Relatório Geral 2014 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 26 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais