CRISTIANO ANDRE POTT Engenheiro Agrônomo. Orientadora: Dra. Isabella Clerici De Maria. Agronômico para obtenção do título de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRISTIANO ANDRE POTT Engenheiro Agrônomo. Orientadora: Dra. Isabella Clerici De Maria. Agronômico para obtenção do título de"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO BÁSICA DE ÁGUA NO SOLO POR MEIO DE INFILTRÔMETROS DE ASPERSÃO, DE PRESSÃO E DE TENSÃO, EM TRÊS SOLOS DO ESTADO DE SÃO PAULO CRISTIANO ANDRE POTT Engenheiro Agrônomo Orientadora: Dra. Isabella Clerici De Maria Dissertação apresentada ao Instituto Agronômico para obtenção do título de Mestre em Agricultura Tropical e Subtropical - Área de Concentração em Gestão de Recursos Agroambientais. Campinas Estado de São Paulo Setembro de 2001

2 ii Senhor A terra é vasta e pode sustentar a todos. O próprio deserto, cuja aridez parece, implacavelmente, estéril, pode fazer brotar a vida. Basta que o domemos, carinhosamente. Mas não basta, Senhor, tratar a terra, preservá-la da erosão, que corrói suas entranhas, cicatrizar seus ferimentos, para que ela produza mais frutos, se a colheita é feita por aqueles que jamais semearam. Milhares de homens padecem de fome. Será que a terra lhe nega o pão, mostrando-se insensível aos seus desesperados apelos? Senhor, dai-me a necessária flexibilidade de sentimentos para que eu seja generoso como a seiva que sobe e alimenta a planta. E que a semente depositada sobre meu coração germine, cresça e frutifique abundantemente Oração do Agrônomo (Eng. M. A. Manfio) Aos meus pais Neusa e Eugenio A minha esposa Deise DEDICO

3 iii AGRADECIMENTOS A Deus, pela vida. Ao Instituto Agronômico, pela oportunidade de realização do curso. À FAPESP pela concessão da bolsa de estudos e financiamento do projeto. Ao Dr. Altino Aldo Ortolani, pela concretização do Curso de Pós-Graduação do Instituto Agronômico. À Dra. Isabella Clerici De Maria, pela amizade e orientação. À Dra. Sonia Carmela Falci Dechen, pela amizade, apoio e sugestões. Às técnicas de laboratório, Luzia Aparecida Felisbino da Silva e Regina Célia Batista Moretti pelo auxílio nos trabalhos de Laboratório. Ao técnico agrícola Márcio Fernando Mazini, pelo auxílio nos trabalhos de campo. Ao pessoal de campo, Antônio, Reginaldo, Carlos e João pelo auxílio nas atividades de campo. Ao Dr. Sidney Rosa Vieira, pela amizade e sugestões. Ao Dr. Armando Conagim, pela amizade e auxílio nas análises estatísticas. Ao Dr. Pedro Roberto Furlani, pela confiança e amizade. A todas as pessoas que contribuíram de uma forma ou de outra na realização dos experimentos de Campinas, Campos Novos e Pindorama. A minha esposa e colega de profissão, Deise Maria Feltrin, pelo carinho, amor e companheirismo. À Ana, Thuani, Marinho, Vitor, Daniele, Felipe, Marilene, Waldomiro e Elda, pelo carinho e amizade. Aos meus pais, Neusa e Eugenio, e irmãos Mariane e Juliano, que apesar de distantes, estão sempre presentes.

4 iv SUMÁRIO Página LISTA DE QUADROS...vii LISTA DE FIGURAS...viii LISTA DE EQUAÇÕES...x RESUMO...xi ABSTRACT...xii 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Velocidade de Infiltração Básica (VIB) Importância dos valores de VIB Métodos para determinação da infiltração Infiltrômetro de aspersão Permeâmetro Infiltrômetro de tensão Infiltrômetro de pressão MATERIAL E MÉTODOS Áreas experimentais LATOSOLO VERMELHO eutroférrico típico textura argilosa LATOSSOLO VERMELHO distrófico típico textura média ARGISSOLO VERMELHO AMARELO distrófico típico textura arenosa/média Tratamentos Infiltrômetro de aspersão Permeâmetro Infiltrômetro de tensão Infiltrômetro de pressão...18

5 v 3.3 Delineamento Experimental Determinações Densidade e Porosidade Granulometria Argila dispersa em água Matéria Orgânica Estabilidade de agregados Umidade do Solo Cobertura do solo Análise dos resultados RESULTADOS E DISCUSSÃO Valores de velocidade de infiltração básica Valores dos atributos dos solos Valores de correlação entre os métodos e os atributos do solo Utilização dos métodos Infiltrômetro de aspersão Permeâmetro Infiltrômetro de tensão Infiltrômetro de pressão CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXOS Valores de VIB nas parcelas do infiltrômetro de aspersão Valores de VIB nas parcelas do permeâmetro Valores de VIB nas parcelas do infiltrômetro de tensão Valores de VIB nas parcelas do infiltrômetro de pressão Valores de densidade do solo e porosidade total nos dez blocos e três experimentos... 57

6 vi 7.6 Valores de macroporosidade e microporosidade do solo nos dez blocos e três experimentos Valores dos teores de argila e silte nos dez blocos e três experimentos Valores dos teores de areia grossa e areia fina nos dez blocos e três experimentos Valores dos teores de argila dispersa em água e grau de dispersão da argila nos dez blocos e três experimentos Valores de classe de agregados e diâmetro médio ponderado (mm), da camada de 0 5 cm de profundidade nos dez blocos e três experimentos Valores dos teores de matéria orgânica e densidade de partículas nos dez blocos e três experimentos Valores da cobertura do solo e umidade inicial do solo nos dez blocos e três experimentos Quadro da análise da variância conjunta dos experimentos, com os dados transformados para log (VIB) Coeficientes de variação dos valores de VIB obtidos com os quatro métodos, nos três tipos de solo, e na análise conjunta dos experimentos Coeficientes de variação dos valores de VIB com transformação logarítmica, obtidos com os quatro métodos, nos três tipos de solo, e na análise conjunta dos experimentos

7 vii LISTA DE QUADROS Página Quadro 1. Valores de velocidade de infiltração básica (VIB) Quadro 2. Valores médios de densidade do solo (Ds), densidade de partícula (Dp), porosidade total (PT), macroporosidade (Macro) e microporosidade (Micro), matéria orgânica (MO) Quadro 3. Valores médios (10 repetições) de argila (ARG), silte (SIL), areia grossa (AG), areia fina (AF), areia total (AT), argila dispersa em água (ADA) e grau de dispersão da argila (GD) Quadro 4. Valores médios (10 repetições) da cobertura do solo do infiltrômetro de aspersão, classe de agregados e diâmetro médio ponderado (DMP) Quadro 5. Correlações (r) entre os métodos de determinação da VIB versus densidade do solo (Ds), densidade de partícula (Dp), porosidade total (PT), macroporosidade (Macro) e microporosidade (Micro) e matéria orgânica (MO) Quadro 6. Correlações (r) entre os métodos de determinação da VIB versus argila (ARG), silte (SIL), areia grossa (AG), areia fina (AF), areia total (AT), argila dispersa em água (ADA) e grau de dispersão da argila (GD) Quadro 7. Correlações entre os métodos de determinação da VIB versus cobertura do solo, classe de agregados e diâmetro médio ponderado (DMP) Quadro 8. Correlações lineares e múltiplas entre os métodos de determinação da VIB e os atributos dos solos, na profundidade de 0-15 cm... 43

8 viii LISTA DE FIGURAS Página Figura 1 Figura 2. Esquema do infiltrômetro de aspersão Infiltrômetro de aspersão em funcionamento no campo (a), parcela de coleta da chuva (b), calha coletora de enxurrada (c), calibração do infiltrômetro de aspersão no laboratório Figura 3. Figura 4. Figura 5. Figura 6. (d) Esquema do permeâmetro Permeâmetro em funcionamento no campo (a), detalhe (b) Esquema do infiltrômetro de tensão Infiltrômetro de tensão em funcionamento no campo (a), nivelamento do Figura 7. Figura 8. Figura 9. terreno (b), colocação da areia (c), areia nivelada (d) Esquema do infiltrômetro de pressão Infiltrômetro de pressão no campo (a), detalhe do anel (b) Exemplo de um bloco experimental com dimensões de 7,5m por 1,5 m, contendo quatro parcelas. No centro de cada bloco está localizada a trincheira para a coleta de amostras deformadas e indeformadas de solo Figura 10. Distribuição dos dados originais de velocidade de infiltração básica Figura 11. Distribuição dos valores de velocidade de infiltração básica com transformação logarítmica Figura 12. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de aspersão e a taxa de cobertura do solo Figura 13. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de aspersão e os teores de silte do solo Figura 14. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de aspersão e os teores de areia grossa do solo Figura 15. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o permeâmetro e os valores de densidade do solo Figura 16. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o permeâmetro e os valores de porosidade total do solo Figura 17. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de pressão e os valores de densidade do solo Figura 18 Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de 36

9 ix pressão e os valores de porosidade total do solo... Figura 19. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o permeâmetro e os teores de argila do solo Figura 20. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o permeâmetro e os teores de silte do solo Figura 21. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de pressão e os teores de argila do solo Figura 22. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de pressão e os teores de areia total do solo Figura 23. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de tensão e os valores de porosidade total do solo Figura 24. Correlação simples dos valores da VIB obtidos com o infiltrômetro de tensão e os valores de macroporosidade do solo... 41

10 x LISTA DE EQUAÇÕES Página Equação 1. Equação 2. Equação 3. Equação 4. Equação 5. Equação 6. Equação 7. Velocidade de infiltração básica com infiltrômetro de aspersão... Velocidade de infiltração básica com permeâmetro... Velocidade de infiltração básica com infiltrômetro de tensão... Velocidade de infiltração básica com infiltrômetro de pressão... Densidade do solo... Porosidade total... Grau de dispersão

11 xi RESUMO Vários são os métodos para determinação da velocidade de infiltração básica (VIB) do solo. Porém, para utilização dos resultados é importante conhecer como cada método interage com os atributos do solo. Assim, o objetivo deste trabalho foi de avaliar quatro métodos de determinação da VIB em função do tipo de solo sob sistema de plantio direto. Foram realizados três experimentos em solos do Estado de São Paulo, em Campinas, Campos Novos Paulista e Pindorama, em solos Latossolo textura argilosa, Latossolo textura média e Argissolo textura arenosa/média, respectivamente, entre setembro e novembro de Utilizaram-se um infiltrômetro de aspersão, um permeâmetro, um infiltrômetro de tensão e um infiltrômetro de pressão para determinação da VIB. Verificou-se que os métodos comportaram-se diferentemente em relação ao tipo de solo, e que os menores valores de VIB foram determinados com o infiltrômetro de aspersão. Constatou-se que no infiltrômetro de pressão e no permeâmetro o movimento de água foi governado pela estrutura do solo e no infiltrômetro de aspersão, onde é considerado o impacto das gotas de chuva, o processo de infiltração foi regido principalmente pela taxa de cobertura e pelas características granulométricas do solo. Já o infiltrômetro de tensão foi o único equipamento que obteve relação com a macroporosidade do solo.

12 xii ABSTRACT Evaluation of infiltration rates with constant head permeameter, pressure infiltrometer, sprinkler infiltrometer and disk permeameter, in three soils of São Paulo State There are different methods for assessing data on infiltration rates, but it is important to know how these methods interact with to soil properties. The objective of this paper was to analyze four methods for infiltration measurements in different soil types cultivated with annual crop and no tillage system. Field experiments were performed on three sites, Campinas, Campos Novos Paulista e Pindorama, in São Paulo State, on soils Eutrudox, Hapludox and Hapladult, respectively. The measurements of infiltration rates were completed from September to November The methods evaluated were: constant head permeameter, pressure infiltrometer, sprinkler infiltrometer with single nozzlee and disk permeameter. The results indicated that the methods produced different values for infiltration rates and have different behavior in function of soil properties. The sprinkler infiltrometer presented the minor values for infiltration rates. With permeameter and pressure infiltrometer water movement into the soil was determined by soil structure and with sprinkler infiltrometer the process was controlled by soil cover and soil particle size. Only with the disk permeameter the water movement into the soil was determined by the soil macroporosity.

13 1 1.INTRODUÇÃO A infiltração de água no solo é o processo de entrada de água através da superfície do solo. A taxa de entrada de água no solo decresce com o tempo em função do umedecimento do perfil assumindo um valor mínimo constante denominado de velocidade de infiltração básica (VIB). Em estudos hidrológicos, nos países tropicais, a chuva é o tipo de precipitação mais importante porque pode causar erosão. O conhecimento da resposta do solo à chuva é fundamental na escolha do sistema de manejo adequado, com vistas à redução da erosão e manutenção do potencial produtivo do solo. Assim, é necessário compreender os processos envolvidos na infiltração, no escorrimento superficial de água e na erosão do solo. A água da chuva exerce ação erosiva sobre o solo mediante o impacto da gota de chuva, a qual cai com velocidade e energia cinética variável (BERTONI e LOMBARDI NETO, 1990). Parte dessa água infiltra no solo e outra escorre sob a forma de enxurrada, ocasionando erosão, com intensidade variável, dependendo do tipo de solo e do tipo de sistema de manejo utilizado. No estudo e dimensionamento de projetos agrícolas, tais como drenagem de superfície, irrigação e engenharia de conservação de solo e água, os valores corretos de velocidade de infiltração são fundamentais e devem ser determinados preferencialmente sob condições de precipitação, que consideram a energia cinética das gotas e a formação do encrostamento superficial, que podem ocorrer em condições de chuva natural (ALVES SOBRINHO, 1997). Em condições em que o solo apresenta grande suscetibilidade à erosão hídrica, as medições de infiltração deveriam ser avaliadas sob condições de precipitação (SIDIRAS e ROTH, 1987). Métodos que não consideram o impacto da gota da chuva podem superestimar a infiltração da água originando problemas no dimensionamento de projetos de irrigação e drenagem, bem como o subdimensionamento de projetos

14 2 conservacionistas, gerando problemas de erosão do solo. Diferenças entre os valores da VIB obtidos por diferentes métodos, já foram relatadas por diversos autores principalmente utilizando infiltrômetros de aspersão ou simuladores de chuva e infiltrômetro de anéis concêntricos (SIDIRAS e ROTH, 1987; BRITO et al., 1996; LEVIEN et al. 2000). Porém, trabalhos comparando permeâmetros, infiltrômetros de tensão e infiltrômetros de pressão com infiltrômetros de aspersão, que pode ser considerado com um método ideal para determinação da VIB, são mais escassos. A necessidade de saber como os diferentes métodos de determinação da VIB atuam em função do tipo de solo no sistema de plantio direto também é importante, pois os métodos podem interagir diferentemente em relação aos atributos do solo. Assim, algumas hipóteses foram testadas: (i) que o método do infiltrômetro de aspersão determina os menores valores de VIB, mesmo no sistema de plantio direto em que o solo encontra-se protegido por resíduos culturais; (ii) que o efeito da infiltração depende do tipo de solo, em função do seu potencial de formação de selamento, que poderia ser verificado pelos teores de argila dispersa em água; e (iii) que o método de determinação da infiltração depende da estrutura do solo, avaliada por meio de valores de porosidade e densidade do solo. Em função das hipóteses levantadas, os objetivos desse trabalho foram (i) comparar quatro métodos de avaliação da VIB em diferentes tipos de solo sob plantio direto, e (ii) verificar relações entre os métodos de determinação da VIB e os atributos do solo.

15 3 2.REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Velocidade de Infiltração Básica (VIB) Segundo AMERMAN (1983), a definição de infiltração de água no solo foi feita por Horton em 1933 como sendo o processo pelo qual a água penetra no solo, umedecendoo. AMERMAN (1983) registra que, atualmente, a infiltração é expressa como o processo pelo qual a água atravessa a interface ar-solo. Durante uma chuva, parte da água pode infiltrar e parte pode escorrer sobre a superfície do solo (LIBARDI, 1995). BERTONI e LOMBARDI NETO (1990) afirmam que quanto maior a velocidade de infiltração, menor a intensidade de enxurrada na superfície, e conseqüentemente, menor a erosão do solo. ROTH et al. (1985) relatam que a determinação da infiltração é de fundamental importância, pois existe uma relação direta entre erosão e infiltração de água no solo. O processo de infiltração ocorre porque a água, da chuva ou da irrigação, na superfície do solo tem potencial total aproximadamente nulo e a água do solo tem potencial negativo, potencial este tanto mais negativo quanto mais seco estiver o solo. É estabelecido então um gradiente de potencial total, que é a soma dos potenciais gravitacional e matricial. No início da infiltração, quando o solo está relativamente seco, o potencial matricial é relativamente grande em relação ao potencial gravitacional. Ao longo do tempo de infiltração, com o umedecimento do solo e redução do potencial matricial, o gradiente de potencial total passa a ser igual ao potencial gravitacional (REICHARDT, 1987). Por isso o processo de infiltração é um processo desacelerado (REICHARDT, 1987; BERTONI e LOMBARDI NETO, 1990; LIBARDI, 1995; ARAÚJO FILHO e RIBEIRO, 1996) que assume um valor constante após um determinado tempo, denominado de velocidade de infiltração básica. Existem vários fatores que condicionam o movimento da água no solo, relatados

16 4 por diversos autores, como a porosidade (PERROUX e WHITE, 1988; EVERTS e KANWAR, 1992), a densidade do solo (SALES et al., 1999), a cobertura do solo (SIDIRAS e ROTH, 1987; ROTH et al. 1988), a textura e o grau de agregação do solo (BERTONI e LOMBARDI NETO, 1990), o selamento superficial (ROSE, 1962; REICHERT et al., 1992; CHAVES et al., 1993), a umidade inicial (ARAÚJO FILHO e RIBEIRO, 1996), a matéria orgânica, a estrutura e a variabilidade espacial do terreno (KLAR, 1984). 2.2Importância dos valores de VIB Valores de VIB são fundamentais no dimensionamento de projetos agrícolas de irrigação, drenagem e conservação do solo e da água (PRUSKI, 1993; ALVES SOBRINHO, 1997) e importantes na caracterização da estrutura do solo. PRUSKI (1993) obteve equações que possibilitam determinar, em regiões onde a relação intensidade-duração-freqüência das precipitações é conhecida, a lâmina e a vazão máximas de escoamento superficial em solos sob condições agrícolas, a partir do conhecimento da velocidade de infiltração básica da água no solo. São necessários, entretanto, equipamentos práticos adequados para determinação da velocidade de infiltração básica em condições de campo, considerando os efeitos de precipitação sobre o solo. ARAÚJO FILHO e RIBEIRO (1996) relatam a importância dos valores de velocidade de infiltração básica na escolha de métodos e sistemas de irrigação. Segundo CABEDA (1984) a taxa de infiltração de água no solo é isoladamente a propriedade que melhor reflete as condições físicas do solo, sua qualidade e estabilidade estrutural. ISLAN e WEIL (2000) indicam a permeabilidade do solo à água como um atributo para avaliação da qualidade do solo e ARZENO (1990) destaca a capacidade de infiltração de água no solo como um atributo eficaz para avaliação de manejos de solo. 2.3Métodos para determinação da infiltração Vários são os métodos para determinação dos valores de VIB no campo. Entre eles tem-se os infiltrômetros de aspersão ou simuladores de chuva (ROTH et al., 1985; CHAVES et al., 1993; ALVES SOBRINHO, 1997), os permeâmetros (ELRICK et al., 1989;

17 5 REYNOLDS et al., 1992; VIEIRA, ), os infiltrômetros de tensão ou permeâmetros de disco (PERROUX e WHITE, 1988; REYNOLDS e ELRICK, 1991; BORGES et al., 1999), os infiltrômetros de pressão (REYNOLDS e ELRICK, 1990; ELRICK e REYNOLDS, 1992; CASTRO, 1995) e os infiltrômetros de anéis concêntricos (SIDIRAS e ROTH, 1987; ANJOS et al., 1994; ARAÚJO FILHO e RIBEIRO, 1996; BRITO et al., 1996). Segundo ALVES SOBRINHO (1997) o valor da velocidade de infiltração básica apresenta grande dependência do método utilizado em sua determinação. SIDIRAS e ROTH (1987) estudaram a taxa de infiltração em Latossolo roxo distrófico, em sistemas de cultivo convencional, cultivo mínimo e plantio direto, com o auxílio de um infiltrômetro de anéis concêntricos e um simulador de chuva. Os autores verificaram que sob cultivo convencional, as maiores taxas de infiltração foram obtidas com infiltrômetro de anéis concêntricos, enquanto que no sistema plantio direto, a maior taxa de infiltração ocorreu com simulador de chuva. BRITO et al. (1996) analisaram dois métodos de determinação da velocidade de infiltração básica, usando infiltrômetros de aspersão e de anéis concêntricos, em condições de solo nu e cobertura morta. Os resultados obtidos mostram infiltração superior no método do infiltrômetro de anéis concêntricos, em relação ao infiltrômetro de aspersão. A maior velocidade de infiltração com o infiltrômetro de anéis no solo descoberto, foi devida à não desagregação do solo pelo impacto da gota, não formando selamento superficial. PRUSKI et al. (1997), em um experimento com Latossolo roxo distrófico, utilizando infiltrômetros de anéis e quatro combinações diferentes de intensidade e duração de precipitação obtidas com infiltrômetro de aspersão tipo simulador de chuva, verificaram que a velocidade de infiltração com infiltrômetro de anéis foi superior em relação aos demais tratamentos. A velocidade de infiltração diminuiu com o número de aplicações de água ao solo e com o aumento da precipitação total aplicada, independente da intensidade da precipitação. BOERS et al. (1992) compararam a taxa de infiltração com um infiltrômetro de aspersão, um infiltrômetro de anéis concêntricos e um permeâmetro em pesquisas de erosão na Nigéria. Esses autores concluíram que o infiltrômetro de aspersão foi o único

18 6 cujos resultados podem ser aplicados em pesquisas de erosão. Já o infiltrômetro de anéis concêntricos produziu elevadas taxas de infiltração. Os autores consideraram o permeâmetro como um equipamento capaz de distinguir a variação espacial dos valores de infiltração, mas cujos valores de infiltração são superiores aos do infiltrômetro de aspersão Infiltrômetro de aspersão A taxa de infiltração de água no solo é geralmente determinada com o método do infiltrômetro de anéis. Contudo, segundo SIDIRAS e ROTH (1987), devido à alta suscetibilidade à erosão hídrica dos solos brasileiros, o método do infiltrômetro de anéis concêntricos pode gerar resultados contraditórios de infiltração, podendo-se obter melhores resultados por meio de um simulador de chuva. SIDIRAS e ROTH (1987) verificaram que os valores da velocidade de infiltração, determinados por meio de infiltrômetros de anéis concêntricos, os quais não levam em consideração a energia de impacto das gotas de água sobre a superfície do solo, são maiores do que os valores obtidos pela aplicação de água por aspersão. IRURTIA e MON (1994) comentam que quando são utilizados aparelhos que aplicam a água em forma de gota, assemelhando-se às condições da chuva natural, ocorre a formação de crostas superficiais, as quais diminuem consideravelmente a infiltração. Os simuladores de chuva ou infiltrômetros de aspersão são equipamentos que aplicam água por aspersão, apresentando intensidade de precipitação constante e superior à velocidade de infiltração da água no solo, exceto durante um curto período de tempo logo após o início do ensaio. Alguns simuladores permitem controlar a intensidade de precipitação, tamanho e velocidade de impacto das gotas sobre a parcela de solo em que se deseja estudar as características de infiltração, escoamento superfícial e produção de sedimento (ALVES SOBRINHO, 1997). De acordo com LOMBARDI NETO et al. (1979), ROTH et al. (1985) e ALVES SOBRINHO (1997), um infiltrômetro de aspersão deve atender alguns critérios: (a) produzir gotas de

19 7 diâmetro médio similar àquele da chuva natural; (b) apresentar velocidade de impacto das gotas no solo o mais próximo possível da velocidade terminal das gotas de chuva; (c) produzir precipitação com energia cinética próxima a da chuva natural; (d) possibilitar o controle da intensidade de precipitação; (e) promover distribuição uniforme da precipitação sobre a parcela experimental em estudo; (f) aplicar água de modo contínuo numa parcela experimental com área adequada ao processo em estudo; (g) ser portátil e fácil de operar no campo Permeâmetro O permeâmetro é um equipamento para determinação da infiltração de água no solo, da condutividade hidráulica saturada, do potencial matricial e da sortividade (REYNOLDS e ELRICK, 1985; ELRICK et al., 1989, ELRICK e REYNOLDS, 1992; VIEIRA, ). VIEIRA ( ) relata que medições com o permeâmetro podem ser usadas para avaliar os efeitos do manejo do solo. Castro (1995) ressalta a possibilidade da utilização de um grande número de determinações com o permeâmetro, principalmente devido à simplicidade e rapidez do método. WU et al. (1992), comparando diferentes sistemas de manejo do solo, avaliando a infiltração de água no solo através de um Permeâmetro de Guelph, observaram que no sistema plantio direto os poros conduzem água mais eficientemente do que no preparo convencional. Mesmo assim, o sistema plantio direto apresentando menor porosidade total, pode apresentar condutividade hidráulica igual ou superior à do preparo convencional Infiltrômetro de tensão O Infiltrômetro de tensão ou permeâmetro de disco é um equipamento que além da determinação da infiltração e da condutividade hidráulica do solo saturado pode determinar o movimento da água no solo não saturado (ELRICK e REINOLDS, 1992; BORGES et al., 1999). Segundo PERROUX e WHITE (1988), o infiltrômetro de tensão ou permeâmetro de disco é uma promissora alternativa para quantificação de macroporos

20 8 do solo. GHIBERTO (1999) avaliou diferentes métodos para obtenção da infiltração: método do permeâmetro de carga constante, condutividade hidráulica a partir da curva de retenção de água no solo, método do perfil instantâneo, métodos de avaliação da umidade e o método do infiltrômetro de tensão. O autor verificou que o infiltrômetro de tensão mostrou-se útil em baixas tensões, onde os outros métodos foram mais problemáticos. Por sua simplicidade instrumental e infra-estrutura necessária, o infiltrômetro de tensão mostrou-se uma ferramenta satisfatória para o levantamento dos parâmetros dos modelos de infiltração Infiltrômetro de pressão Os infiltrômetros de pressão são equipamentos que medem a infiltração de água no solo por meio de um único anel cilíndrico, com carga hidráulica controlada (ELRICK e REYNOLDS, 1992). Esse método ainda é pouco utilizado. Geralmente é utilizado o infiltrômetro de anéis concêntricos, onde há alguma variação da carga hidráulica durante o processo de infiltração. Essa variação da carga hidráulica, porém, influencia os resultados obtidos (REYNOLS e ELRICK, 1990). Além da VIB, este equipamento também permite determinar a condutividade hidráulica do solo saturado no campo (REYNOLDS e ELRICK, 1990; ELRICK e REYNOLDS, 1992). VIEIRA ( ) recomenda a utilização de um permeâmetro modelo IAC para controlar a carga hidráulica dentro do anel do infiltrômetro de pressão. CASTRO (1995) utilizou um infiltrômetro de pressão (com auxílio de um permeâmetro na superfície do solo) para avaliar diferentes sistemas de manejo em um Latossolo Roxo. O autor verificou maior taxa de infiltração de água no solo com o infiltrômetro de pressão do que quando realizadas medições de infiltração nas profundidades de 20 e 40 cm com o permeâmetro.

21 9 3.MATERIAL E MÉTODOS 3.1Áreas experimentais Foram realizados três experimentos de campo em solos do Estado de São Paulo, onde os locais foram escolhidos em função das diferentes classes texturais dos solos LATOSOLO VERMELHO eutroférrico típico textura argilosa O experimento foi conduzido no Núcleo Experimental de Campinas do Instituto Agronômico (IAC), no município de Campinas, SP, localizado na latitude sul e longitude oeste. O clima da região é do tipo Cwa, tropical úmido com estação chuvosa distinta no verão e seco no inverno, segundo classificação de Köppen (SETZER, 1966). O solo da área experimental é um LATOSSOLO VERMELHO eutroférrico típico textura argilosa (Latossolo textura argilosa). O sistema plantio direto foi implantado na área em 1996 com a sucessão de culturas aveia no inverno e soja no verão LATOSSOLO VERMELHO distrófico típico textura média O experimento foi conduzido na propriedade agrícola dos Srs. José Roberto Borges e Lúcio Borges, no município de Campos Novos Paulista, localizada na latitude sul e longitude oeste. O clima da região é do tipo Cwa, tropical úmido com estação chuvosa no verão e seco no inverno, segundo classificação climática de Köppen (SETZER, 1966). O solo da área experimental é um LATOSSOLO VERMELHO distrófico típico textura média (Latossolo textura média). O sistema plantio direto foi instalado na área em 1995, com a sucessão soja na primavera e milho no outono.

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas CULTÍVO MÍNIMO E PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Orlando Melo de Castro * INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se procurado desenvolver sistemas de manejo

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO

VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANÉIS CONCÊNTRICOS EM LATOSSOLO VERMELHO DE CERRADO João Angelo Silva Nunes 1, Marcos Henrique Dias Silveira 2, Tonny José Araújo da Silva 2, Priscilla

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E EROSÃO HÍDRICA, SOB CHUVA SIMULADA, EM SISTEMA DE INTEGRAÇÃO AGRICULTURA-PECUÁRIA

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E EROSÃO HÍDRICA, SOB CHUVA SIMULADA, EM SISTEMA DE INTEGRAÇÃO AGRICULTURA-PECUÁRIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE DOURADOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E EROSÃO HÍDRICA, SOB CHUVA SIMULADA, EM SISTEMA DE INTEGRAÇÃO AGRICULTURA-PECUÁRIA

Leia mais

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8 EFEITO DO PISOTEIO ANIMAL, NO TERCEIRO ANO CONSECUTIVO, SOBRE ALGUMAS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DO MILHO EM SOLO SOB PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL. Carlos Alberto Scapini, Madalena Boeni,

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III COMPACTAÇÃO DE SOLOS Selma Simões de Castro 2012-2 Conceitos COMPACTAÇÃO 1. Compressão do solo não saturado durante a qual há aumento de

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO NA CAPACIDADE DE CAMPO E NO PONTO DE MURCHA PERMANENTE COM BASE EM ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO CAMILA CRISTINA ALVARENGA 1, CARLOS ROGÉRIO DE MELLO 2 ; LÉO FERNANDES ÁVILA

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo Prof. Dr. Marcilio Vieira Martins Filho Diagramação: Dr. Diego Silva Siqueira Hidrologia: Infiltração

Leia mais

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO

PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO PERFIS DE PRECIPITAÇÃO PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PERDAS DE SOLO E ÁGUA, EM SEROPÉDICA, SOB DIFERENTES PADRÕES DE PRECIPITAÇÃO Daniel Fonseca de Carvalho, D.S. Prof. Associado I DE/IT/UFRRJ a) Determinação

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Gubiani, P. I. 1 ; Reinert, D. J. 1 ; Reichert, J. M. 1 ; Gelain, N. S. 1 ; Oliveira,

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS

DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina : Solos DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Densidade de Partícula Dp (densidade real) É a relação

Leia mais

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE Mírya Grazielle Torres Portela (Bolsista CNPq); Laércio Moura dos Santos Soares

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO Mauricio Viero Rufino 1 ; Jorge Wilson Cortez 2 ; Paulo Henrique Nascimento de Souza 3 ; Renan Miranda Viero 3 ; Eduardo

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO

AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO Ricardo Bezerra Hoffmann (1) ; Dayane Valentina Brumatti (2) ; Moacir Caetano do Couto Junior (3) ; Guilherme Bongiovani Tavares

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG.

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG. VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Cássio Rodrigues Moreira 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Recebido em: 04/05/2012 Aprovado em: 15/06/2012 Publicado em: 30/06/2012

Recebido em: 04/05/2012 Aprovado em: 15/06/2012 Publicado em: 30/06/2012 DETERMINAÇÃO DA INFILTRAÇÃO E VELOCIDADE DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE INFILTRÔMETRO DE ANEL EM SOLO DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE RONDONÓPOLIS-MT Eliane Aparecida Antunes Fagundes 1, Marcio Koetz

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Silvio Tulio Spera 1, Henrique Pereira dos Santos 2, Renato Serena Fontaneli 3, Georgia Luiza Maldaner 4

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES MANEJOS

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES MANEJOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES MANEJOS FABRÍCIO DE MENEZES TELO SAMPAIO 1 ; MOZART MARTINS FERREIRA 2 ; ALBERTO CARDOSO ALMEIDA 3 ; STÉLIO MAIA MENEZES 4. RESUMO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA

AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO ATRAVÉS DE FUNÇÕES NÃO LINEARES EM PARAGOMINAS-PA Carlos José Capela Bispo 1 Renata Silva de Loureiro 2 Edson José Paulino da Rocha 3 RESUMO O experimento foi realizado

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 6 Água no Solo ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 6 Água no Solo ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 6 Água no Solo ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Fluxo de água no solo A água se desloca em resposta

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Edner Betioli Junior 1, Wagner Henrique Moreira 1, Marco

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA ROTEIRO GERAL DE MEDIÇÕES DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-HÍDRICAS DE SOLOS ANTENOR

Leia mais

Created by Neevia Document Converter trial version http://www.neevia.com Created by Neevia Document Converter trial version

Created by Neevia Document Converter trial version http://www.neevia.com Created by Neevia Document Converter trial version UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FÍSICA SILVANA TRAVINSKI FERREIRA AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA DO SOLO SATURADO

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico)

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico) XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo Estudo comparativo de métodos para a determinação da curva de retenção de água em um Neossolo Quartzarênico 1 PATRICIA DOS SANTOS NASCIMENTO (1), LUÍS HENRIQUE

Leia mais

Propriedades física do solo

Propriedades física do solo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS Propriedades física do solo Dalvan José Reinert e José Miguel Reichert Santa Maria, Maio de 2006 1 Propriedades físicas do solo Os solos minerais

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

ESTADO DE COMPACTAÇÃO E SISTEMA RADICULAR DO MILHO INDUZIDOS POR PASTEJO E PREPARO DO SOLO.

ESTADO DE COMPACTAÇÃO E SISTEMA RADICULAR DO MILHO INDUZIDOS POR PASTEJO E PREPARO DO SOLO. ESTADO DE COMPACTAÇÃO E SISTEMA RADICULAR DO MILHO INDUZIDOS POR PASTEJO E PREPARO DO SOLO. Vanderlei Rodrigues da Silva, Dalvan José Reinert, José Miguel Reichert, Demetrius Francisco Borges, Flávio Fontinelli.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

Effects of time of adoption of no-tillage on physical attributes of a clayey Oxisol

Effects of time of adoption of no-tillage on physical attributes of a clayey Oxisol 165 Efeitos do tempo de adoção do sistema plantio direto em atributos físicos de um Latossolo argiloso Helton Aparecido Rosa 1, Gustavo Veloso 1, Deonir Secco 1, Guilherme Gabriel Ruffato 1, Leandro César

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 5 Água subterrânea Introdução a Hidrologia de Florestas A. Introdução. Água que entra no regolito divide-se em umidade do solo na zona

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO CURSO: PPGA DISCIPLINA: MAPEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DO SOLO Adaptado de Solos do Brasil (Benjamim Pereira Vilela e Selma Simões de Castro) PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO Maria Harumi Yoshioka (Acadêmica do Curso de Engenharia Florestal/UFPR) Marcelo Ricardo de Lima (Prof. Doutorando do DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL

ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL Afranio Almir RIGHES Engº Agrônomo, UFSM, Campus Universitário, Camobi, 97105-900 Santa Maria RS Brasil, righes@ccr.ufsm.br Sandra Maria

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Caracterização física de um Nitossolo Vermelho do Extremo Oeste Catarinense sob diferentes sistemas de uso 1

Caracterização física de um Nitossolo Vermelho do Extremo Oeste Catarinense sob diferentes sistemas de uso 1 CLAUDIA KLEIN, MARCIO LUIS VIEIRA, VILSON ANTONIO KLEIN Caracterização física de um Nitossolo Vermelho do Extremo Oeste Catarinense sob diferentes sistemas de uso 1 Claudia Klein 2, Marcio Luis Vieira

Leia mais

COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MODELO HIPSOMÉTRICO COM O CENSO DAS ALTURAS OBTIDAS COM HIPSOMETROS.

COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MODELO HIPSOMÉTRICO COM O CENSO DAS ALTURAS OBTIDAS COM HIPSOMETROS. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 11 FEVEREIRO DE 2008 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA ACEG FACULDADE DE AGRONOMIA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA TAXA DE INFILTRAÇÃO ESTÁVEL DE ÁGUA EM SOLO DE CERRADO NATIVO RESUMO

DETERMINAÇÃO DA TAXA DE INFILTRAÇÃO ESTÁVEL DE ÁGUA EM SOLO DE CERRADO NATIVO RESUMO Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.7, nº. 1, p. 17-26, 2013 ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br DOI: 10.7127/rbai.v7n100097 Protocolo 097.12 21/09/2012

Leia mais

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL D. R. C. Feitosa 1 ; E. A. A. Barbosa 2 ; F. P. de Deus 3 ; M. D. Ribeiro 4 ; N. F. Tuta 4 ; E. E. Matsura 5 RESUMO:

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

2 Conservação do solo

2 Conservação do solo 2 Conservação do solo 1 2.1 Agentes causadores de erosão A erosão é um processo que se traduz na desagregação, transporte e deposição do solo. Pode ser causada por: - Água: é a mais importante em nossas

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil SILVEIRA, P. M.; STONE, L. F. PROFUNDIDADE DE AMOSTRAGEM DO SOLO SOB PLANTIO DIRETO

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1

ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1 ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1 BELLINASO, Roque Junior Sartori 2 ; SANTOS, Danilo Rheinheimer dos

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE AGREGADOS EM LATOSSOLOS E ARGILOSSOLOS SOB DIFERENTES TIPOS DE USO EM CIDADE GAÚCHA- PARANÁ- BRASIL

AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE AGREGADOS EM LATOSSOLOS E ARGILOSSOLOS SOB DIFERENTES TIPOS DE USO EM CIDADE GAÚCHA- PARANÁ- BRASIL AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE AGREGADOS EM LATOSSOLOS E ARGILOSSOLOS SOB DIFERENTES TIPOS DE USO EM CIDADE GAÚCHA- PARANÁ- BRASIL RESUMO H. Silveira (*) W. A. Carvalho (*) O presente trabalho foi desenvolvido

Leia mais

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*)

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) Bruno Gonçalves dos Santos (UFG / bgssantos@yahoo.com.br), Vladia Correchel (UFG), Patrícia

Leia mais

ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO 1

ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 1 ASPECTOS GERAIS Adonai Gimenez Calbo & Washington L.C. Silva O sistema gasoso de controle de irrigação foi patenteado pela Embrapa e é usualmente denominado por sua marca registrada, Irrigas.

Leia mais

Pavimentos Permeáveis

Pavimentos Permeáveis PRÁTICA RECOMENDADA PR- Sistemas construtivos Pavimentos Permeáveis Conceitos e Requisitos para Pavimentos Intertravado Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Roteiro Introdução Objetivos Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusões

Leia mais

INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA.

INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA. INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA. Francielly de Oliveira Pedralino (*), Bruno da Silva Barbosa, Ian Felipe Cabral, Laudyana Aparecida Costa

Leia mais

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Maria Elizabeth da Costa Vasconcellos 1 Paula Cristina de Oliveira Klefens 2 Cezar Francisco Araujo Junior

Leia mais