UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JAIR MANOEL DA SILVA JUNIOR EDIFÍCIOS CLASSIFICADOS COMO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JAIR MANOEL DA SILVA JUNIOR EDIFÍCIOS CLASSIFICADOS COMO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JAIR MANOEL DA SILVA JUNIOR EDIFÍCIOS CLASSIFICADOS COMO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO SÃO PAULO 2008

2 ii JAIR MANOEL DA SILVA JUNIOR EDIFÍCIOS CLASSIFICADOS COMO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professor MSc. Engº. Célio Daroncho SÃO PAULO 2008

3 iii JAIR MANOEL DA SILVA JUNIOR EDIFÍCIOS CLASSIFICADOS COMO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO Trabalho em: de de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Professor MSc. Engº. Célio Daroncho Nome do professor(a) da banca Comentários:

4 iv Em primeiro lugar, este trabalho é dedicado a Deus, meus pais, minha família e a todos que contribuíram e participaram da minha vida acadêmica, pessoal e profissional.

5 v AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que me apoiaram nesta árdua jornada repleta de objetivos e desafios que depois de cumpridos e conquistados me preencheram de satisfação e boas lembranças. Quero agradecer principalmente a Deus, aos meus pais, a minha família, aos meus amigos, companheiros profissionais, aos meus professores e ao meu orientador que me auxiliaram no desenvolvimento deste trabalho que conclui um dos mais importantes e fundamentais estágios da minha vida.

6 vi RESUMO O aquecido mercado imobiliário e a verticalização extrema nas grandes cidades brasileiras provocam um determinado acúmulo de moradores, trabalhadores, empresas, comércio e veículos em regiões pontuais da mancha urbana, conseqüentemente, acontecem distúrbios no trânsito local e global dos bairros, devido ao estado precário das vias e do transporte coletivo. Visando a diminuição dos impactos no sistema viário, os órgãos públicos classificam certos edifícios a partir do seu tipo e características como Pólos Geradores de Tráfego, ou seja, passam a analisar de forma mais específica estes empreendimentos através dos seus procedimentos de aprovação, normas e exigências de compensações para melhorias nos sistemas viários locais com recursos do empreendedor. Entretanto, as verbas e recursos arrecadados pela prefeitura em operações urbanas e outros tipos de programa de arrecadação de verba local priorizam na maioria das vezes os investimentos na melhoria do transporte particular e não do coletivo, que é a solução mais efetiva para os problemas de tráfego nas cidades. É possível, identificar este sistema no estudo de caso (Edifício Central Park Alto de Pinheiros), pois durante a sua aprovação na SMT, foram solicitadas melhorias no viário local e não investimentos no transporte coletivo. Palavras Chave: pólos geradores de tráfego, operação urbana, distrito de Pinheiros.

7 vii ABSTRACT The extraordinary situation of the real state and the increase of the number of buildings in the big Brazilian cities have accumulated citizens, workers, companies and vehicles in strategical places of the urban areas, consequently the local traffic is damaged due to the low quality of the roads and the inefficient public transport. For this reason, the public departments of the cities have been classifying some buildings, depending on their characteristics, as traffic-generating poles. The public departments analyze this kind of building in a specific way and only issue the necessary permits when the undertakers follow standards and compensate the local transport system for the impacts of their projects. However, the money created during the compensations is invested in the private transport and not in the public transport system that is one of the best solutions for the traffic problems of the city. It is possible to identify this situation in the study presented at this report (Central Park Building), because during its analyses in the SMT (traffic department of São Paulo), it was demanded compensations in the local private transport system. Key Words: traffic-generating pole, urban operation, Pinheiros district.

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Processo de Atração e Produção de Viagens...7 Figura 5.2 Perfis das viagens motorizadas ao longo do dia...8 Figura 5.3 Método proposto pelo departamento de transportes dos EUA...17 Figura 5.4 Etapas do método proposto pela metodologia espanhola...19 Figura 5.5 Análise de impacto no sistema viário pela metodologia paulistana...20 Figura 6.1 Edifício Central Park Alto de Pinheiros...30 Figura 6.2 Terreno do Edifício Central Park Alto de Pinheiros...31 Figura 6.3 Entrada do Empreendimento Central Park...31 Figura 6.4 Avenida Faria Lima...33 Figura 6.5 Cruzamento da av. Faria Lima com a av. Juscelino Kubitschek...34 Figura 6.6 Cruzamento da av. Pedroso de Moraes com a rua Ferreira de Araújo..35 Figura 6.7 Operação Urbana Faria Lima...36 Figura 6.8 Guia rebaixada com piso referencial podotátil...39 Figura 6.9 Locais da implantação e complementação de guias rebaixadas...39 Figura 6.10 Cruzamentos com implantação de iluminação noturna...40

9 ix LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Valores definidores de PGT recomendados para São Paulo...6 Tabela 5.2 Composição dos Cenários Modelados...13 Tabela 6.1 Distribuição das Vagas de Estacionamento...32 Tabela 6.2 Número mínimo de vagas definido pela CD...37 Tabela 7.1 Número de vagas da CD X Número de vagas do PGT...44

10 x LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AET CD CET EMDEC EMURB FHWA IDH ITE ITS PGT PPH PPP SMT TRAD UFRGS USDOT Área Especial de Tráfego Certidão de Diretrizes Companhia de Engenharia de Tráfego Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas Empresa Municipal de Urbanização Federal Highway Administration Índice de Desenvolvimento Urbano Impact Traffic Evaluation Institute of Transportation Studies Pólo Gerador de Tráfego Porcentagem de Pico-horário Parceria Público - Privada Secretaria Municipal de Transportes Termo de Recebimento e Aceitação Definitivo Universidade Federal do Rio Grande do Sul U.S. Department of Transportation

11 xi LISTA DE SÍMBOLOS C Km 2 m m 2 V Capacidade Quilômetro Quadrado Metro Metro Quadrado Volume

12 xii SUMÁRIO p. 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO Classificação Produção de Viagens Comportamento do Tráfego após a Implantação de um PGT Montagem da rede viária Alocação do tráfego Levantamento do tráfego existente Avaliação dos cenários Impactos no Sistema Viário Análise dos impactos Metodologia americana de análise de impactos Metodologia espanhola de análise de impactos Metodologia paulistana de análise de impactos Metodologia Grando de análise de impactos Metodologia Goldner de análise de impactos Metodologia de Menezes de análise de impactos Ações Mitigadoras... 24

13 xiii Processo de mitigação dos impactos no tráfego Metodologias para mitigação dos impactos Intervenções benéficas na infra-estrutura do pólo gerador Intervenções benéficas na capacidade da rede viária Ações econômicas / financeiras Transporte público Aprovação Certidão de diretrizes Metodologia para análise dos PGT s Termo de recebimento e aceitação definitivo ESTUDO DE CASO Características do empreendimento Distrito de Pinheiros Aprovação do Projeto Amenização de Impactos ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A... 1 ANEXO B... 2 ANEXO C... 3 ANEXO D... 4

14 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais, o aumento da densidade populacional em várias regiões do país é encarado como um desafio por toda a sociedade, pois este sistema exerce forte influência nos aspectos urbanísticos e funcionais de um município. A partir deste processo, surge a verticalização como uma forma de comportar a crescente população que reside e se relaciona com as cidades, entretanto, sem um adequado e eficiente sistema de planejamento, este fenômeno pode causar impactos negativos no sistema viário urbano, afetando a economia, dinâmica e estrutura de um determinado local. A verticalização no Brasil vem sendo impulsionada pela excelente situação do mercado imobiliário nacional e pelo déficit habitacional. Sendo assim, inúmeras edificações comerciais e residenciais surgem em quantidades e dimensões cada vez maiores. Porém, o sistema viário urbano não está preparado de imediato para comportar o grande número de pessoas que se aglomeram em decorrência destes empreendimentos. Os órgãos públicos, visando à minimização dos impactos causados por estes edifícios, decidiram encarar estas construções de uma forma específica, impondo condições e regras diferenciadas para a implantação destes projetos. A partir de certos parâmetros, as instituições públicas classificam um edifício como pólo gerador de tráfego e vinculam sua aprovação a certas diretrizes de projeto, que devem ser seguidas para tornar o planejamento, uma ação eficiente no controle da dinâmica urbana, em termos de sistema viário e deslocamento da população.

15 2 2 OBJETIVOS Este trabalho visa demonstrar os principais aspectos de um edifício classificado como pólo gerador de tráfego PGT, considerando um sistema viário urbano. 2.1 Objetivo Geral O foco geral desta pesquisa é destacar a definição e a classificação de um pólo gerador de tráfego perante a legislação específica e aos órgãos públicos responsáveis por esta área dentro de um plano municipal. 2.2 Objetivo Específico Este estudo visa principalmente esquematizar os procedimentos de aprovação legal de um pólo gerador de tráfego na Secretaria Municipal de Transportes e conseqüentemente seu projeto de compensação, além de demonstrar os impactos resultantes de tal edifício e as ações mitigadoras necessárias na sua área de atuação ou influência.

16 3 3 MÉTODO DE TRABALHO Para a elaboração das fases e estágios constituintes deste trabalho acadêmico serão utilizados artigos e matérias provenientes de revistas, publicações, jornais e periódicos específicos, além de consultas em livros, websites, monografias, teses, palestras e estudos desenvolvidos por profissionais ou empresas relacionadas com o assunto. Além disso, observações e materiais recolhidos em campo serão fundamentais para relacionar a teoria e a prática presentes nesta pesquisa, possibilitando também um excelente entendimento e uma interpretação técnica do estudo de caso que por sua vez demonstrará o cenário real e cotidiano do tema em questão.

17 4 4 JUSTIFICATIVA A abordagem deste tema é fundamental para o cenário atual que todas as regiões do país, mais especificamente as grandes cidades, vivem, pois o aumento da verticalização urbana decorrente do denominado boom imobiliário, provoca números recordes de congestionamento nas vias saturadas das cidades. O tema abordado é um aspecto de extrema importância durante a execução de um projeto de implantação de um edifício, pois um PGT exerce uma forte influência na região onde é construído e para minimizar os efeitos negativos, os arquitetos, engenheiros, gestores, além dos demais profissionais, devem cada vez mais dominar todos os aspectos deste assunto para conciliar as exigências públicas com os interesses privados considerando os impactos no sistema viário urbano.

18 5 5 PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO De acordo com a UFRGS (2008) os Pólos Geradores de Tráfego - PGT são as edificações cujas características (usos e porte) geram consideráveis interferências no tráfego local e grande demanda de áreas para estacionamentos ou garagens. Como exemplos de PGT, podem-se citar: shopping centers, supermercados, grandes empreendimentos residenciais, hotéis, centro de convenções, teatros, edifícios comerciais, escolas, portos e aeroportos. É importante ressaltar que, cada vez mais, os novos PGT s vêm se caracterizando como empreendimentos que são constituídos por combinações diversificadas de estabelecimentos. Além disso, para uma análise crítica e técnica de um PGT é importante considerar três conceitos constituintes do seu sistema: os tipos de desenvolvimento de atividades no empreendimento, a respectiva produção de viagens e a consecutiva geração de tráfego. 5.1 Classificação De forma geral, os PGT s podem ser classificados a partir de sua natureza e a determinada intensidade das atividades neles desenvolvidas. Em relação à natureza, os PGT s contemplam: shopping centers, estabelecimentos acadêmicos, lojas de departamento, hipermercados, clínicas, hospitais, pronto-socorros, maternidades, ginásios esportivos, estádios, hipódromos, autódromos, academias, hotéis, motéis, cinemas, restaurantes, teatros, templos, auditórios, igrejas, indústrias, oficinas, empreendimentos residenciais, edifícios comerciais, pavilhões para feiras e exposições, parques, zoológicos, entrepostos, terminais atacadistas, portos, aeroportos, rodoviárias e estacionamentos (Portugal & Goldner, 2003). Já o ITE - Impact Traffic Evaluation, estabeleceu dez categorias de edificações: escritório, industrial/agrícola, portuário/terminal, residencial, saúde, institucional, hotéis/motéis, recreacional, comércio e serviços, sendo que cada categoria está dividida em atividades que somadas totalizam 120 (Portugal & Goldner, 2003).

19 6 Segundo Portugal & Goldner (2003), a partir da intensidade (magnitude do provável impacto sofrido pelo sistema viário), a CET-SP (Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo) dividiu os PGT S em duas categorias: os micropólos, cujos impactos isolados não são tão consideráveis, mas quando agrupados são significativos, e os macropólos, edifícios individualizados, cujos impactos gerados são maiores e expressivos, e demandam, consequentemente, uma atenção específica e especial. A CET-SP estabeleceu, através de determinadas dimensões, área computável e número de vagas (Tabela 5.1), o porte a partir do qual um empreendimento é classificado ou não como pólo gerador de tráfego. Tabela 5.1 Valores definidores de PGT recomendados para São Paulo Atividade Área Computável (m 2 ) Capacidade Habitação 500 veículos Prestação de Serviços de Saúde Prestação de Serviços de Educação Locais de Reunião, Atividades e Serviços Públicos de Caráter Especial e Atividades Temporárias 500 pessoas Prática de Exercício Físico ou Esporte (CET, 2008 b) Se o edifício for não residencial, a CET-SP o classifica como PGT se ele possuir mais 200 vagas ou mais de 80 vagas, se o empreendimento estiver em Áreas Especiais de Tráfego (Centro, Jardins, Pinheiros, Avenida Angélica, Avenida Washington Luiz).

20 7 A AET (área especial de tráfego) é um local que de acordo com a prefeitura de São Paulo e seus respectivos órgãos municipais competentes (lei nº , de 13 de julho de 1987 Anexo A) possui sua capacidade viária saturada. De acordo com Portugal & Goldner (2003), a partir do número de viagens geradas, também é possível definir um pólo gerador de tráfego. O Report on traffic access and impact studies and impact for site development feito pelo ITE em 1989 recomenda, como fator chave para necessidade de estudo, a geração de um número igual ou superior a 100 viagens veiculares para a ou a partir da edificação durante o período de pico nas vias locais. Tal conceito se justifica considerando que 100 veículos/hora representam uma magnitude que pode mudar o nível de serviço nas aproximações das interseções existentes. Além disso, faixas de giro à esquerda ou direita podem ser solicitadas para acomodar de forma satisfatória o tráfego local sem prejudicar o fluxo direto. 5.2 Produção de Viagens Se tratando de PGT s, a geração deve ser interpretada como o sistema de produção e atração de viagens (Figura 5.1), ou seja, um empreendimento residencial gera viagens, na medida em que as unidades habitacionais abrigam residentes no período da noite. Já as escolas, hospitais e centros de convenção atraem viagens (UFRGS, 2008). Figura 5.1 Processo de Atração e Produção de Viagens (UFRGS, 2008) A respectiva previsão de demanda causada pelo empreendimento é essencial, seja para determinar a sua devida viabilidade econômica, seja para dimensionar suas

21 8 instalações e definir suas necessidades de espaço viário e de sistemas de transportes, fundamentais para os deslocamentos e as viagens trazidas ao o local devido ao novo PGT (Portugal & Goldner, 2003). A geração de viagens contempla a estimada quantificação de viagens (pessoas ou veículos) que serão produzidas ou atraídas por uma determinada edificação, por unidade de tempo (hora ou dia). Através da observação de empreendimentos nacionais e internacionais, foram produzidos modelos que estimam a geração de viagens (Figura 5.2). Geralmente, estes modelos consideram principalmente, as viagens por automóvel que influenciam drasticamente na capacidade da malha viária (UFRGS, 2008). A partir do gráfico, é possível verificar que o pico de saída de automóveis (linha verde) acontece entre as 7 e as 8 da manhã e o pico de chegada (linha vermelha) acontece entre as 17 e 19 horas. No período do começo da manhã e do final da tarde acontecem os maiores fluxos de veículos do dia (linha preta). Figura 5.2 Perfis das viagens motorizadas ao longo do dia (UFRGS, 2008). Existem variados fatores que afetam a geração de viagens (UFRGS, 2008). Entre eles, pode se destacar: Porte do empreendimento; Tipologia dos estabelecimentos constituintes do empreendimento; Localização da edificação; Condições de acessibilidade;

22 9 Características sócio-econômicas do local ou região; Uso do solo da região; Existência e respectiva proximidade de empreendimentos concorrentes. De acordo com a UFRGS (2008), a Cybis et al. em 1999 propôs que a etapa de geração deveria considerar que: Cada uma das edificações constantes dos empreendimentos possui um potencial diferente de geração de viagens; Os horários de pico dos variados estabelecimentos carregam mais intensamente o sistema viário em períodos diversificados; A rede viária demonstra variação de fluxos no decorrer do dia, da semana e do mês, devendo-se assim, verificar a pior situação decorrente da combinação do tráfego existente (original) mais o tráfego gerado que afete de forma mais intensa a rede viária; Certa proporção de viagens atraídas pela edificação origina-se do fluxo que já está presente na rede viária. Segundo a UFRGS (2008), no caso de shopping centers (edificações que deram início ao conceito de PGT), dois modelos de geração desenvolvem a estimativa do total de veículos atraídos durante a hora pico. O mais antigo é o modelo da CET de 1983, que considera que o tempo médio de permanência dos automóveis nos shoppings centers é de aproximadamente uma hora. A partir da devida importância adquirida por este tipo de empreendimento na vida da sociedade brasileira durante a última década, observa-se que o tempo médio de utilização do estacionamento aumentou para duas horas ou mais. O outro modelo de geração é o de Goldner produzido em 1994, desenvolvido através de dados de quinze shoppings centers nacionais. Como variável analisada para o número de viagens geradas, o modelo de Goldner, utiliza a área bruta locável do shopping center (área destinada à locação das lojas). Entretanto o modelo da CET adota a área construída computável do imóvel (área física construída, excluindo terraços, garagens, certas áreas descobertas).

23 10 A literatura nacional não apresenta uma quantidade significativa de estudos aprofundados referentes a uma diversificada quantidade de PGT s. Por este motivo, na ausência de valores nacionais, vários especialistas utilizam-se de taxas de geração citadas pela Federal Highway Administration - FHWA dos EUA. Entretanto, é válido ressaltar que o padrão de geração de viagens por veículos por domicílio nos EUA é superior ao padrão do Brasil (UFRGS, 2008). De acordo com a UFRGS (2008), Goldner classifica as viagens decorrentes de empreendimentos comerciais em três grupos: Viagens primárias: a parada no empreendimento é o principal motivo da viagem; Viagens desviadas: a parada no empreendimento demanda pequena alteração da rota; Viagens não desviadas: a parada no empreendimento não solicita alteração da rota. Em termos de carregamento da rede, a principal preocupação é referente às viagens primárias. Dados dos EUA indicam que, para grandes edificações, o número de viagens primárias é de aproximadamente 70% (UFRGS, 2008). 5.3 Comportamento do Tráfego após a Implantação de um PGT É fundamental estimar o comportamento do tráfego local após a implantação de um PGT para decidir se há ou não à necessidade de ações mitigadoras. Sendo assim, deve-se executar simulações que compreendem (UFRGS, 2008): Apresentação da situação atual através da montagem de uma rede viária; Avaliação das condições de circulação na atual rede viária; Avaliação das condições de circulação na atual rede viária com o tráfego novo gerado pelo PGT; Execução de alterações na atual rede viária de forma a torná-la satisfatória ao futuro tráfego gerado e ao devido crescimento natural do tráfego no local de influência do PGT.

24 Montagem da rede viária Segundo a UFRGS (2008), uma rede viária é uma representação feita de forma simples da malha viária existente. A determinação do nível do detalhamento necessário para uma representação da rede viária dependerá dos dados complementares de tráfego disponíveis na cidade. Por exemplo, se uma cidade possui uma matriz origem/destino, presumi-se que o analista ou técnico utilize algum pacote computacional focado em planejamento de transportes. Entretanto, quando não houver dados históricos coletados para a cidade, o técnico deve abrir mão de sistemas mais simplificados. Com a existência de certa matriz origem/destino, normalmente a rede viária será constituída de quatro tipos de arcos (UFRGS, 2008): Vias principais: vias com maior capacidade por onde flui a maior quantidade dos automóveis; Vias secundárias: vias com a capacidade e a velocidade inferiores que se articulam com um sistema viário principal; Vias projetadas: vias que não existem originalmente, porém serão analisadas em cenários alternativos; Conectores: certas ligações virtuais que possuem como objetivo carregar o fluxo que chega e parte de uma certa zona de tráfego na rede viária Alocação do tráfego Visando a avaliação das condições de circulação na rede viária atual é necessário sujeitar esta rede ao fluxo do tráfego. Essa etapa de simulação do modelo é chamada de alocação do tráfego. Para o entendimento do processamento da alocação, é necessário raciocinar com base no comportamento de um motorista. Em uma determinada cidade, existem diversas rotas viárias possíveis que ligam um ponto de origem a um outro ponto de destino. Quando se escolhe uma rota para a realização do deslocamento, um motorista usa o seu conhecimento prévio sobre condições de circulação. Usualmente a escolha é focada na rota que provoca um menor custo generalizado (total dos custos verificados pelo motorista, como por

25 12 exemplo, tempo ou combustível). Se de alguma forma todos utilizassem certa rota de forma a congestioná-la, certamente outra rota mais longa geraria um menor custo generalizado. Sendo assim, nem todos os motoristas escolheriam uma mesma rota, tendendo a ocorrência de um determinado equilíbrio (UFRGS, 2008). De acordo com a UFRGS (2008), modelos de alocação de tráfego, quando estudam de forma simultânea o sistema de escolha de diferentes motoristas que se deslocam em diversificados pontos de origem e destino, visam o equilíbrio global de circulação na rede. Para rodar um modelo de alocação, é preciso sobrepor uma matriz origem/destino às condições que a rede viária impõe. A alocação do tráfego não pode ser considerada um processo comum, além disso, a sua aplicação demanda o uso de algum dos diversos pacotes comerciais a disposição no mercado. Cybis et al afirma que os modelos simuladores de tráfego obtém, por exemplo, (UFRGS, 2008): As relações Volume / Capacidade (V/C) para os vários trechos de uma rede viária, permitindo a identificação dos mais críticos; Os tempos de viagem, conseqüentemente, são possíveis também as obtenções das velocidades dos deslocamentos entre diversos pares de origem e destino Levantamento do tráfego existente Visando a medição do tráfego existente, são realizadas contagens volumétricas classificadas nas diversas interseções principais de uma rede viária da área que o PGT influencia, durante os momentos mais críticos impostos pela edificação (UFRGS, 2008). A contagem do tráfego existente visa atingir três objetivos (UFRGS, 2008): Determinação do fluxo atual que se movimenta nas interseções primeiro objetivo das contagens e que visa auxiliar os dois próximos objetivos; Ajuste da matriz origem/destino para a atual situação diversas vezes essas matrizes foram estimadas para os anos anteriores e as contagens

26 13 proporcionaram, através de certo procedimento matemático dos programas computacionais de alocação, a regulagem das matrizes de forma a melhor demonstrar a atual situação vigente; Calibração do modelo de alocação estes modelos possuem diversos parâmetros que devem ser regulados de forma a imitar as condições de tráfego observadas na rede Avaliação dos cenários Os cenários apresentam uma combinação entre a rede viária e o padrão de demanda. O padrão de demanda por sua vez, é o resultado da combinação entre as projeções de tráfego existente e as novas viagens adicionais provocadas pelo PGT (UFRGS, 2008). No exemplo demonstrado (Tabela 5.2), a rede R1 é a existente. As demais, de R2 a R4, possuem alterações como alargamentos, novas avenidas, mudanças de operação das interseções. O cenário I reproduz a atual situação vigente antes da operação do PGT (UFRGS, 2008). O cenário I permite a calibração do modelo de alocação. Já o cenário II permite a avaliação do que aconteceria se o PGT fosse operado sem que ocorressem modificações no sistema viário. A partir do cenário III, diversas redes viárias são testadas. No cenário III, é avaliado o desempenho das alterações propostas na rede viária a partir do início da operação do PGT (UFRGS, 2008). Os cenários IV a VI convivem com os futuros efeitos (horizonte de estudo de 10 anos) decorrentes do PGT e do desenvolvimento natural do tráfego na área de influência da edificação (UFRGS, 2008).

27 14 Tabela 5.2 Composição dos Cenários Modelados Cenários Ano Atual sem Complexo Padrões de Demandas Ano Atual com Complexo + 10 Anos com Complexo I X X II X X III X X IV X X Redes Viárias R1 R2 R3 R4 V X X VI X X (UFRGS, 2008) Estes cenários necessitam ser avaliados com a utilização de simulação do tráfego. Essa é uma etapa trabalhosa durante a análise, pois demanda uma montagem de alternativas redes viárias com um processo iterativo. Por exemplo, o projeto de uma rede viária futura poderá apresentar o alargamento do trecho viário. Se a execução de um modelo de simulação de tráfego demonstrar uma baixa eficácia desta medida, o técnico deverá modificar a rede viária. Esse processo prosseguirá até que se atinja uma rede viária satisfatória (UFRGS, 2008). Segundo a UFRGS (2008) o estudo dos cenários deve concluir pela apresentação de obras viárias necessárias e das consecutivas alterações na circulação de tráfego que amenizem as conseqüências da implantação e operação do PGT. Em determinados casos, quando for impossível ou não for viável a implantação de medidas mitigadoras, a avaliação pode concluir para a não implantação do PGT. 5.4 Impactos no Sistema Viário Um PGT certamente provoca uma grande alteração em todos os sentidos nas características de uma região, incluindo o sistema viário e os transportes atuantes no local. Lane et al. considerou em 1980 que os impactos em transportes possuem classificações dividas em sociais, econômicos e ambientais (Portugal & Goldner, 2003).

28 15 No contexto social, pode-se destacar (Portugal & Goldner, 2003): A coesão comunitária: envolve as interações de uma pessoa ou grupo de indivíduos com uma determinada vizinhança e a forma como essas relações são observadas; A acessibilidade aos serviços e facilidades: compreende o acesso para os sistemas de transportes, analisados através de uma impedância que pode ser apresentada pela duração e custo de uma viagem, que influencia no uso de solo e qualidade de vida; Remoção das pessoas: contempla as peculiaridades como tipo e número de indivíduos removidos, a probabilidade de obtenção da área para o devido assentamento das populações atingidas e as respectivas conseqüências psicológicas da remoção. Segundo Portugal & Goldner (2003), dentro do contexto econômico, são relevantes: Condições de emprego, renda e determinação das atividades econômicas: são medidos através das variações provocadas por certa alternativa de transporte nas atividades econômicas; Aspectos residenciais: envolvem alterações na localização, quantidade e qualidade das habitações de um local ou região, em função, das mudanças causadas nas faixas de domínio e nos níveis de segregação e controle; Impactos fiscais: se relacionam com os respectivos níveis de arrecadação, ou seja, os impostos territoriais (IPTU) e aqueles ligados ao nível de valorização da área, decorrentes das intervenções nos sistemas de transportes locais; Planejamento regional: referente as interferência nos processos globais de planejamento, analisando conflitos com os demais planos em operação ou em fase projeto; Verbas e condições de energia relacionadas à demanda energética e de materiais utilizados no setor de transportes, nas fases de projeto, execução e operação do sistema. De acordo com Portugal & Goldner (2003), os impactos ambientais estão relacionados ao ambiente construído, estética visual, valores históricos,

29 16 ecossistemas variados (terrestres e aquáticos), condições da qualidade do ar e níveis de ruído. Lima Jr. em 1999, apontou os principais pontos ligados ao meio ambiente: Alteração nas condições de vida e satisfação das demandas humanas; Ampliação dos níveis de contaminação e poluição; Alteração dos padrões de equanimidade na distribuição de renda local e o acesso aos devidos recursos naturais; Influência direta nos padrões culturais, políticos, sociais e demográficos Análise dos impactos A análise e o estudo de impacto no tráfego tornaram-se uma exigência nas áreas urbanas, visando à monitoração do crescimento desarranjado e sem controle do fluxo de veículos. Esta verificação deve revelar todas as precariedades que necessitam ser corrigidas. Em certos casos, as deficiências são críticas ao ponto de haver a necessidade de mudanças no projeto da edificação, como inclusão de faixas adicionais, faixas de pedestres, novas programações semafóricas, entre outros (Giustina & Cybis, 2003). Os principais focos da análise de impactos são: determinação das condições do tráfego existentes na rede que abrange o novo empreendimento, estimativa do tráfego que será adicionado pelo PGT, avaliação do efeito do tráfego na infraestrutura viária atual e futura, além da identificação das melhorias a serem executadas na infra-estrutura viária próxima a edificação. Hokao e Mohamed em 1999 afirmaram que o estudo dos impactos é dividido em fases estruturadas de forma que os objetivos sejam atingidos, as fases citadas são: descrição do empreendimento e das rotas de acesso, detalhamento das situações atual e futura do tráfego local, estimativa do tráfego adicionado pelo empreendimento a ser implantado, análise dos possíveis impactos no tráfego e na determinada capacidade viária, recomendações de melhorias para amenizar o impacto e análise do grau de satisfação da administração local (Giustina & Cybis, 2003).

Metodologias de análise para estudos de impactos de Pólos Geradores de Tráfego

Metodologias de análise para estudos de impactos de Pólos Geradores de Tráfego Metodologias de análise para estudos de impactos de Pólos Geradores de Tráfego Cristiano Della Giustina (PPGEP-UFRGS) Helena Beatriz Bettella Cybis (PPGEP-UFRGS) Resumo O desenvolvimento dos centros urbanos

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos.

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos. Medidas Mitigatórias para Polos Geradores de Tráfego. Rovana Reale; Júlio Cezar Miranda; Isabel Cristina Guimarães Haifuch; Lúcia de Borba Maciel EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação (Porto

Leia mais

Análise de um polo gerador de tráfego, edifício misto (lojas comerciais e de escritórios) de Belo Horizonte

Análise de um polo gerador de tráfego, edifício misto (lojas comerciais e de escritórios) de Belo Horizonte Planejamento e concepção de sistemas / PGTs AN P Análise de um polo gerador de tráfego, edifício misto (lojas comerciais e de escritórios) de Belo Horizonte Túlio Silveira Santos E-mail: tulio.santos@transportes.mg.gov.br

Leia mais

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades

PGT - 1* para AUTOMÓVEIS. 1 vaga / unid com área 150 m² 1 vaga / unid c/ área 150 m² 2 vagas / unidade 1 vaga / 5 unidades USO para AUTOMÓVEIS PGT - 1* para AUTOMÓVEIS para BICICLETAS para MOTOCICLETAS Residências Unifamiliares 1 vaga/ unidade - - - 1 vaga / unidade Condomínios Unifamiliares - 2 vagas / unidade 1 vaga de visitante

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS

ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS José Ap. Sorratini, Márcia Helena Macedo e Alex de Vasconcelos Pineli Alves RESUMO Estabelecimentos de ensino de nível

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná

Prefeitura do Município de Londrina Estado do Paraná Ofício nº./2014-gab. Londrina, A Sua Excelência, Senhor Rony dos Santos Alves Presidente da Câmara Municipal Londrina - Pr Assunto: Encaminha Projeto de Lei Altera os incisos I, II e III do art. 3º, da

Leia mais

PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO

PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO LUIZ CARLOS NASCIMENTO PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. SÃO PAULO 2005 LUIZ

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1:

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1: SP 24/11/79 NT 049/79 Modelo de Simulação de tráfego Urbano UTCS 1 Eng.º Sérgio Michel Sola Introdução Um modelo desenvolvido pela Federal Highway Administration (FHWA) no início da década de 70, denominado

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS DE PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO

QUANTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS DE PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO QUANTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS DE PÓLOS GERADORES DE TRÁFEGO André Bresolin Pinto Logit Mercosul Porto Alegre Mara Chagas Diógenes Luis Antonio Lindau Laboratório de Sistemas de Transportes - LASTRAN Programa

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Dia Mundial sem Carro Divulgação Preliminar dos Resultados das Pesquisas Parte I Visão

Leia mais

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas?

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Uma contribuição - INCT Observatório das Metrópoles - Projeto: Metropolização e Mega-eventos: os impactos da Copa do Mundo/2014

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Governo Estadual RS 509

Governo Estadual RS 509 1 - RODOVIAS / TRAVESSIA URBANA Governo Federal BR 158, BR 287 e BR 392 Governo Estadual RS 509 Governo Municipal Av. Helvio Basso 2 - MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade Urbana TR está pronto.

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO 6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO Este capítulo apresenta uma metodologia para a elaboração de projeto de sinalização de orientação de destino cujas placas são tratadas nos itens 5.2, 5.4,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI MUNICIPAL N.º 3.464, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 ANEXO 2 CATEGORIAS DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO Residências Unifamiliares RU Compreendendo: a) residências unifamiliares isoladas; b) residências unifamiliares agrupadas, geminadas ou em série; c) condomínios

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS

SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS SÃO PAULO GANHA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE PARA REDUZIR ATROPELAMENTOS Em 2010, a cidade de São Paulo registrou 7.007 atropelamentos resultando na morte de 630 pedestres. Apesar de representar uma

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE

ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE Ary Ferreira da Silva Sabrina Câmara de Morais ANÁLISE DO PADRÃO DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (SEMOC) Implantação 11 de dezembro,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Planejamento Urbano

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Planejamento Urbano Instituto Tecnológico de Aeronáutica Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Planejamento Urbano São José dos Campos, 13 de

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

POLOS GERADORES DE VIAGENS: CARACTERIZAÇÃO DOS PERCENTUAIS DAS CATEGORIAS DE VIAGENS GERADAS POR UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

POLOS GERADORES DE VIAGENS: CARACTERIZAÇÃO DOS PERCENTUAIS DAS CATEGORIAS DE VIAGENS GERADAS POR UM EMPREENDIMENTO COMERCIAL NA CIDADE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Flavia Manica POLOS GERADORES DE VIAGENS: CARACTERIZAÇÃO DOS PERCENTUAIS DAS CATEGORIAS DE VIAGENS GERADAS

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução O Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS) é um evento organizado pela

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

Consulta Pública PROPOSTAS

Consulta Pública PROPOSTAS Consulta Pública POLÍTICA DE LOGÍSTICA URBANA DE BELO HORIZONTE - 2015 PBH BHTRANS / outubro 2015 PROPOSTAS 1. Causas básicas do caos urbano 1. Desequilíbrio entre a oferta e a demanda do uso da estrutura

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

SP 09/94 NT 183/94. Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio. Luciana Soriano Barbuto

SP 09/94 NT 183/94. Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio. Luciana Soriano Barbuto SP 09/94 NT 183/94 Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio Engª Luciana Soriano Barbuto 1. Introdução A Prefeitura de SP visando a melhorar a

Leia mais

Taxas de geração de viagens para instituições privadas de ensino superior de Uberlândia, MG

Taxas de geração de viagens para instituições privadas de ensino superior de Uberlândia, MG Faculdade de Engenharia Civil Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Taxas de geração de viagens para instituições privadas de ensino superior de Uberlândia, MG ANA FLÁVIA

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 EMPREENDIMENTOS DE USO MISTO Profa.Dra.Eliane Monetti Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Empreendimentos de uso misto

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais