:RA. - DOPSB A POLÍTICA PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ":RA. - DOPSB A POLÍTICA PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO"

Transcrição

1 PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO A POLÍTICA DOPSB Tópicoe para d.iacassão - 3 ORGANIZADO POR RODRIGO ROLLEMBERG EDITADO PELO GABINETE DO SENADOR JAMIL HADDAD- PSBIR] BRASÍLIA :RA. -

2 Imagens do Comfc1o da F'mnre BroSJJ Popular na CandeUTIB, Rlode}aneuo - J()-11 89

3 U Congresso Nllcional do PS8 realiudo em 9 de JUIIho de 1989

4 IN'I'RODUÇ.AO Para qu&squer brasileuos que pensem o BiaSI..l, há dois pólos de salvação: ou reqwntamos a ponta do saber, do conhecer, do fazer, do produzir, do consumir, do gozar. ou - sacnficadamente - buscamos difund!.r as bases de um saber, conhecer, fazer, produztr, COllSUlllll", gozar de que não se excluam as grandes massas de nossa população, não apenas agora, senão que ao longo dos nossos Já quase cmco séculos de existência. Até agora, o Brasil tem sido. para um mjnimo percentual de sua população. um paral.so-explorando o unenso resto da população, assocjando-se aos seus próprios exploradores de fora. Por isso mesmo, o Brasil tem sido, para as suas grandes massas. de Inches. de negros. de brancos. de mestiços - 8SSOC1ados num denominador comum que é a indigênota ou a miséria - um mfemo, cujo preço tem Sido uma médta de vida 1nfame, a quase total ausêncla de saúde, a lhleratação geral a carência de abngo, a fome ou a subnutrição. Os regimes que têm existido neste pajs - do colomalismo ongínal ao colorualisrno moderno. cha mem-se eles colôma. monarquia, repúbllca velha, república nova, nova república - têm manlldo a estrutura de miséria geradora de nquez.as maravilhosas para exploradores seletos internos e externas. 9

5 Só o soctalismo pode mudar esse quadro, já que o acesso ao abundantismo burguês, capaz de propiciar sobras para a sua população, veda às burguesias coloniais modernas o acesso à sua ordem, razáo por que três quartos da humanidade têm as caracterlsticas do Brasil inferno. É óbvio que o Brasd paraiso não tem condições nem mentais nem materiais de mudar o estado de coisas, assim como o Mundoparaíso. como capitalismo civilizado ou selvagem, não tem condições mentajs nem matenais de mudar o estado de cotsas uruversal. Só o socialismo saberá resolver, I) a salvação de nossa infâncl8, base de nosso futuro, pela escolarização" aj1mentação, mstrução. abrigo - a exemplo do que tem ocorrido miraculosamente, em todos os sociahsmo.s, rerus ou tdeals; 2) a redenção de todas as classes sociais, to~das, de itúcio, cooperadoras. para em breve serem construtoras de uma sociedade mais JUSta; 3) a inserção das forças annadas na construção do bem comum, fazendo delas. em lugar de privileg~ados grupos de poder burguês mancomunado com o capital estrangeiro e eixo e centro da perduração interna qq padrão de miséria das. grandes massas, uma força viva de transformação e progresso soc1al; 4) a tmplantação de uma estrutura polltica de que todos os brasileiros possam efetivamente participar, sem que o poder econômico dorrune a representação política mercenariamente, fazendo de nossos constituintes e legisladores!iteres em mãos das conveniências e ditames e ordens do capltal!smo ctv!lizado e selvagem: 5) a instauração da justiça social, graças à QUlll tanto os chamados margmais, em verdade constlluidos pela miséna como massa de manobra para mttmidar o povo no seu desejo de igualitarismo e justiça. quanto os çrjrrunosos de colarinho-branco possam ser erradicados da paisagem lo

6 soctal. com iguais pesos e medidas. através da SOCJalt.Zação da unensa majona dos seus mtegrantes a uma vtda comum e soclal mrus equàrume, mais JuSta, mais harmôruca; 6) a unplanlação de uma ordem econôrruca em que os que trabalharem para a produção material e espliítual de mteresse comum para o bem comum terão garanuda a sua soorevwêncta decorosa, sem riscos de desempregos. de rruséria, de mchgêncta. de tgnorâncta, de obscurantismo, de pobctaltsmo, de opressão. de 1nturudação, de medo; 7) a tomada de consctêneta colellva de que, para tanto, cenas pnondades têm que ser soctalmente assumidas com clareza e rutidez, como. por exemplo, a necesstdade de uma racionalização da produção, de ~ lurutação das benesses para os cartolas e os altos da piiãrrude através da exclusão das mordomtas e propmas, garantindo-se a todos sem dl.scliminaçoes, um dtstril::lutivlsltlo mlnimo que conespenda a cada um segundo sua efetiva parllcjpaç4o na construção do todo; 8) a chvulgação do prazer de VJver. pela parocjpação crescente soctalmente Igualitária dos bens da cultura espintual - não transformada em mercadona dos me10s de comumcaçáo de massa monopollt.ados pela ordem burguesa que avllta até as emoções. os sentunentos. os sonhos, as tlusões, as esperanças, tornados mercadonas de alta lucranvidade para os monopólios e de alta degradação ética dos usuános VJtLmados. 11

7 SOCIAUSMO E UBERDADE Río de Janeiro 1990

8 Copyrigt by Antônio Houaiss Roberto Átila Amaral Vteíra

9 Roberto Amaral: jornalista. escritor, professor da PUCJRJ, Se<:retário-geral da Comissão Exe<:utiva Nacional do Partido Socialista Brasileiro. Antonio Hou la: escrtor, filólogo, encidopedista, ex-presidente do Partido Soclallsta Brasileiro, membro do Diretório Nacional dopsb

10 Apresentação UMA REFLEXÃO OPORTUNA E NECESSARIA Se a lição é a essência do$ partidos, como dizia Balzac, ljs Idéias são o motor de cadij IJÇ6o conseqüente. Om projeto de verdadeira transformijçiío scc:jal deve estar sempre emôij SIJdo em re/jexões que correspondam ao esp1ritc e ~s necessidijdes de um povo em delermmltd8 época Sem ISSO, qualquer sist6n.j politico, por mijis consenso que obtenha d4 ~. 'desembocll em distorções /rustrljiites. O socil"i5mo represenlil o mais 8V811Ç6do SIStefTI8 para se a/cançijr as transformações exigidas pela sociedade brbsi' feira nestij sua prolongijdij crise, gerada e BgrlJvlJdlJ pelo cbpítiji/smo. São as crises, porem, que germinam Idéias no VBS. PaSSIJdas as circunstlnc!bs que as motivaram. essijs idei6s permip!ecem. como ~ançb para as ger"f(>es segumtes. Estes escrftos de Roberto Nnaral e AntôniO Houaiss configuram a/gumijs d.js preo<:upações fund.jnientais do pensamento socia/isui contemporâneo. Questões como estrlltégib partidária. con}únturb nacional. ideologia ''pós-moderna ; os desafios dlj pollticl1 de Frente, as mudanças no Leste Europeu são aqui discut/d/js em lingubgem clljra, por vezes lrónk:a, e sempre em busca de respostas que, sem 9

11 a pretensão de serem definitivas, possam contribuir para enriquecer o debate entre as esquerdas. {Jm trabalho utíl não so para os militantes do Partido Socia/istlf BrlJSileiro, mas para todos aqueles interessados em aprofundar seus conhecimentos teóricos. Pensar nosso Futuro é também re Retir sobre nosso passado, de modo a evitarmos reincidir em erros fatais. Considerando que só nos últimos dez anos a produção teorica marxistlf brasileira pôde voltar a ser publicada e discu tida abertamente no País. cada texto deste é também a reafirmação da maior das liberdades, que é a de pensamento e expressão. Sem isso, qualquer reflexão se perde no tempo. Num momento em que desfrutamos dessa liberdade e vemos todo o arcabouço doutrinário socialista sendo rea valiado, ler estes textos é mais do que oportuno, pois sinteti zam a perplexidade e também a convicção de que, embora os caminhos possam ser vários. nosso objetivo é comum, e será atingido, caso tenhllmos organização, disciplina e ideias. J#f/L HM>D.A.D Presidente Nacional do PSB 10

12 lntrodução Nosso Partido atravessa momento singular de sua história. De um lado. pela primeira vez desde sua reestruturação, em está preparado para Intervir no processo eleitoral organizado em praticamente todos os Estados da Federa çào; e em todas essas unidades vê-se desafiado a apresentar resultados que materializem, do ponto-de-vista eleitoral, os avanços obtidos no plano político. De outro lado, a trajetória do socialismo atravessa seu maior desafio histórico. O desmoronamento da burocracia nos países do leste europeu toma vital a necessidade de aprofundar o debate político, econõmico e doutrinário sobre o futuro do socialismo, li luz de uma experiência que. se rica em erros, não foi menos rica de ensinamentos. No plano nacional, este será o primei ro desafio eleitoral a que se submetem as esquerdas depois das eleições de 1989, as primeiras realizadas sob o Governo Collor. e sob sua previsível ofensiva. Nada obstante um ou outro abalo, o Governo Collor manteve até aqui intacto o sistema de forças que assegurou sua eleição e ampliou seu apoio padamentar, com a adesão dos governistas de sempre. Seu projeto de governo continua em plena Implantação: a internacionalização da economia. precedida de sua desnacionalização, o nome real da privati zação; o desmantelamento da Infra-estrutura estatal, e a con 11

13 ~ente desorganização da produção industrial; o arrocho salarial, o desempr~o. a recessão, a estagnação econõmlca, como preço ao combate à inflação. No plano político, prossegue a tentativa de implantação de um governo autoritário. fundado. no desrespeito ollmpico ao Congresso e aojudiciá rio. cujas prerrogativas constitucionais forceja por derrog<~r. Estamos em race de um governo de direita, antipovo, e antinação. Cumpre-nos combatê-lo sem tréguas. O I e 11 Congressos Nacionais do PSB já refletirem. parcialmente é verdade, as interrogações sobre o futuro da esquerda e do socialismo. Essa discussão deve ser vertk:alizada. atingir a todas as instâncias partidárias e orientar nossa participação no pr6lcimo pleito. Ou engajamos o Partido nessa luta - a um s6 tempo teórica, política e doutrinária. e prática - ou perderemos a oportunidade histórica de nos consolidarmos como corrente socialista, democrática e libertária em nosso País. O PSB. nesses cinco anos de sua reorganização. vem-se impondo como Partido de esquerda, reconhecido como tal, respeitado pela coerência, pela firmeza e pela lucidez de sua prática. Desde sua reorganização. o Partido tem como objetivo político, expresso em todos os seus documentos mais importantes, em todos os seus Congressos e reuniões de suas instâncias dirigentes, a Frente de Esquerda. Para a consolidação partidária. há que destacar dois momentos da maior relevância histórica, a saber: a Constituinte e, nela. a participação destacada e honrosa de nossos parlamentares e a constituição e desempenho da Frente Brasil-Popular. Compreendemos que, se, historicamente, é desarrazoado defender a organi:tação de um único partido de proposta socialista, é, em contrapartida, imperioso que esses partidos atuem de forma unitária, concertados nas frentes polítí<:as e nas frentes eleitoraís. Defendemos a frente parlamentar e popular de oposição ao Governo Collor. int~rada não apenas pelos partidos sociahstas. mas por todos os partidos 12

14 de esquerda e os partidos e setores dos demais partidos democráticos que a ela queiram aderir. Defendemos a Frente de esquerda e popular para as eleições de 1990, como jâ havíamos defendido sua constituição no pleito presidencial. A frente política dos partidos de esquerda é forma eficiente de assegurar a diferença, manter a singularidade das diversas formações políticas, é a forma mais inteligente de conciliar a unidade ne diversidade de opiniões e de idéias e projetos, mas é acima de tudo a unica forma de enfrentar a unidade da direita. Paralelamente, consideramos também que es5a Frente não deve restringir-se ao plano puramente eleitoral e conjun tural. Lembre-se que em outubro de 1987, em nosso I Con gresso, quando lançamos a idéia da Frente-Brllsil, retomad11 com toda força na memorável reunião do Diretório Nacional de dezembro de 1988, consolidada pelo documento de Teresopolis (fevereiro de 1989), afirmavamos o entendimento de que aquela F rente deveria constituir-se em projeto político de largo alcance, um "compromisso histórico" reunindo operários. camponeses, partidos e forças de esquerda, além de todas as demais forças políticl!s comprometidas com a transformação da sociedade brasileira. Até aqui não conseguimos convencer nossos aliados e custa mesmo manter a Frente, encerrado o processo elei tora! de Em que pese todas as dificuldades e incompreensões, respaldados na experiência recente, mantemos nossa decisão de sustentar e ampliar a F rente. A base dessa ampliação é oferecida pelas forças políticas e sociais que apoiaram nossas candidaturas no segundo turno das eleições presidenciais, llinda que algumas dessas forças tenham adotado posições dubias. quando do enfrentamento político. naquela conjuntura, e agora na oposição ao Govemo Collor. Consíde ramos, porém, que nosso papel é o de aproximar do campo popular essas forças políticas. 13

15 As dificuldades acima descritas, de entendimento no plano nacional, têm sido superadas pela prática política nos Estados nestas eleições. Em todas as composições tem prevalecido a politíca de Frente, frente de esquerda e popular, e em muitos Estados foi reproduzida a Frente do segundo turno das eleições presidenciais. É preciso compreender que neste período histórico da sociedade brasileira, o objetivo tático dos socialistas - não somente no plano da resistência à vaga neoliberal, como no justo plano da construção e consolidação do PSB - deve ser a eleição de uma bancada parlamentar numerosa, militante e comprometidà com a transformação social e a democracia. É preciso eleger parlamentajes que não sejam simples adornos de estruturas partidárias formais, mas, slm, porta-vozes orgânicos de uma corrente política da sociedade, que luta pela superação dessa sociedade, ora fundada na desigualdade e na exploração do homem pelo homem. A estratégia do PSB deve ser a formação da Frente de esquerda; o projeto tático eleitoral deve ser a eleição do maior número possível de parlamentares. É preciso, porém, ter bastante clareza quanto ao caráter do Governo que nos incumbe enfrentar; uma nova direita supostamente neoliberal e falsamente modernizante que rompe a coalizão clássica entre o setor industrial e a oligarquia rural, cujos vínculos com o Estado burocrático e militarizado por tantas décadas temos denunciado. Não se deve, todavia, apostar, no médio prazo, em fraturas de interesses no sistema governante; essa direita fátâ tantás concessões mútuas quantas forem necessárias para garantir o projeto que vislumbra em seu horiz.onte. Mais do que nunca inexistem contradições entre o projeto nacional burguês e o capitalismo internacional, entre o chamado capital nacional e os interesses das grandes multinacionais ou do capital financeiro internacional. O Governo Collor é o amálgama de tudo isso. 14

16 Sem nenhum catastrofismo, é preciso ter presente que o espaço de resistêncja e avanço da luta popular está hoje muito mais reduzido do que estava há alguns meses, particularmente no período final do processo eleitoral de Vivemos uma nova realidade que põe de manifesto o novo papel a ser exercido no Parlamento pelos partidos de esquerda e forças democráticas. Nosso papel, todavia, não se encerrará na resistência parlamentar legislativa aos projetos da direita. Relembre-se que a próxima legislatura exercerá, em todos os níveis, a grave tarefa da revisão constitucional (1933). Não é preciso ser pitonisa para prever o que nos aguarda: ação concertada de todos os reacionários para derrogar as poucas conquistas alcançadas pelos trabalhadores e democratas no texto constitucional de Cumpre-nos também essa resistência. E eis uma razão a mais para a decisão de privilegiar os pleitos proporcionais. Essa resistência. todavia. só se revelará possivel, isto é. minimamente eficiente, se formos capazes de agregar, à ação parlamentar futura, a atuação da maitãncia. Este objetivo-e a precedê-lo temos ainda a formação de nossa miütância - deve ser perseguido pelo partido com todos os seus recursos. Uma última questão, tema aliás a ser discutido em nosso próximo Congresso, é a unidade orgânica da esquerda socialista, proposta pelo PSB. Propõe o nosso Pé!rtido que, respeitado o pluralismo como uma das características da formação histórica da esquerda brasileira, as correntes socialistas trabalhem no sentido de sua unidade orgânica. Decida-se o projeto, as fórmulas virão como conseqüência. Os artigos que compõem este volume procuram discutir essas questões e, como pano de fundo, a chamada ''crise" do leste europeu, ou a "crise" do socialismo. Ou ainda, como quer a direita, a morte do socialismo, o enterro da história, o ftm do marxismo. Parecem-nos, todas essas, ques- 15

17 tões da maior atualidade. Se esses artigos estunularem a discussão dos militantes, estaremos pagos, e bem pagos. Rio, )Unho de Roberto Amaral Antônio Houalss, 16

18 Alguns destes textos foram publicados em jor nais: Esquerda, 1-0u ver, veremos (O Povo, Fortaleza, 11,3,90), Os socladstas e a nova ordem partidária (Jornal do Brasil, RJo de Janeiro, ), O leste europeu e os socjallstas brasllekos ( A Voz da Unidade, malo/1990), A prop6sito de "o socialsmo mor reu" Folha de S. Paulo, ) e A unidade org8 níca da esquerda socialista (Jomal de Brasil/a, ). 17

19 ESQUERDA. VOU VER; VEREMOS O pleito presidencial, recém-conduido, se oferece aos exegetas. A vitória e a derrota, seus autores e seus culpados, aguardam a sanha dos explicadores. Neste artigo pretendemos tão-simplesmente, assinalar duas de suas principais características, a saber: a) a fixação do debate (e do voto) ideológíco, quando tanto se anunciava sua morte; b) a emergência e renovação de dois velhos grupamentos políticos: a esquerda e a direita. A NOVA ESQUERDA Da esquerda digamos, inicialmente, que, pela vez primeira em nossa história, disputou com a direita a Presidência da República, concorrendo com quadro próprio, hão mais tão-só para firmar posição, como em mas, já agora, para ganhar, e quase ganhando. De forma Inédita, vimos realizada uma política de alianças partidárias sem que tenha cabido à esquerda (como em em 1955 e em 1960) simplesmente pendurar-se à cauda do projeto conservador. Pela primeira vez a esquerda se uniu, e não foi na cadeia... Hâ uma esquerda nova pensando o socialismo a partir da realidade brasileira, despida de modelos acabados, seja de Partido, seja de Revolução. Essa nova esquerda aprendeu, 19

20 e parece haver incorporado ao seu ldeário, que a liberdade é elemento essencial do humanismo socialista. Essa esquerda aprendeu, também, que o pluralismo partidário é uma imposição da democracia e que, assim, não há como construir em nosso País. seja para aceder ao poder, seja para administrá-lo, uma política de partido único ou partido hegemônico; a revolução socialista e democrática, necessariamente democrática tanto quanto revolucionária, consagradom do humanismo e da liberdade, só se viabilizará com a construção coletiva de todos os partidos de esquerda concertados em uma frente ampla. A esquerda aprendeu que nenhum de seus partidos crescerá simplesmente aditando-se a substância de outros partidos de esquerda, mas que todos crescerão se todos puderem crescer conjuntamente, respeitadas as diversas e naturais potencialidades que podem levar esse ou aquele partido a melhor aproveitar as condições objetivas. Sem nenhum trocadilho perverso: cai por terra a política do Partid8o de esquerda, substitulda pelo pluripartidarismo também na esquerda, concertado na Frente, de que é exemplo histórico a composição do palanque do comício com o qual, no Rio de Janeiro, Lula encerrou sua campanha eleitoral. Não se suponha, todavia, que o crescimento das esquerdas e dos partidos de esquerda seja um determinismo; ele haverá de ser buscado mediante uma política concreta, que não descarte as condições subjetivas de avanço sem o que de nada va.lerão as condições objetivas hoje favoráveis. Parecem-nos criadas todas as condições para que cada partido de esquerda elabore sua própria política de crescimento, desde que essas políticas não sejam antípodas entre si; ao contrário - e daí dependerá o crescimento das esquerdas -, essas políticas devem ser complementares entre si para que se revelem convergentes e jamais errem, como tanto no passado, na identtficaçiio do inimigo comum ou prindpal; ao contrário do enfraquecimento dos partidos de esquerda, 20

21 o pr~cesso histórico está a indicar a sobrevivência das siglas convrvendo em uma grande Frente, A NOVA DIRErrA Com o risco de toda redução histórica, podemos afirmar que o modelo de desenvolvimento econômico brasileiro, posto a cabo principalmente a partir da Revolução de 1930, teve, entre outras características - como o processo de wbanização acelerada - a concentração de poderes nas mãos do Estado, não apenas como agente do desenvol ~mento mesmo antes das prãticas do planejamento, mas, tgualmente. como projeto de um incipiente capital nacional, que, de um lado, exigia desse Estado-paternalista mais e sempre mais proteção em face de sua dependência diante do capitalismo internacional, e, de outro, requeria essa mesma proteção em face das regras mesmas da economia de mercado. de cuja sobrevivência dependia. Dal resultou, no Estado burocrático-autoritário brasileiro, a criação de um capitalismo burocratico-cartorial, dependente externamente, engendrando uma economia que, de mercado, recusava todos os riscos da chamada livre iniciativa. Essa economia, para sobreviver, dependia de um Estado forte, armado de poderes políticos e econômicos que pudessem assegurar aos capitalistas, de par com a conservação da propriedade mesmo improdutiva, os lucros, estes vacinados contra as intempéries naturais do capitalismo e assim, as regras cegas do mercado (livre) foram substituídas pelas regras certas do Estado-burocrático administrando a economia cartorial, donde os subsídios, as reservas de mercado, a criação de infra-estrutura e de estatais destinadas a possibilitar não só os serviços e a base da produção, mas o lucro empresarial da produção industrial e mercantil privadas, dependentes dos custo59s investimentos sennpre evitados pelo capital nacional. A correspondência, no plano polllico, desse Estado Leviatã seria a aliança do capitalismo (ainda ligado às oligar- 21

22 quias as mais atrasadas, inclusive rurais) com o militarismo, donde os seguidos golpes-de-est1tdo substituindo a disputa eleitoral. Nesse Brasil. em que pese ao papel desempenhado pela UDN e pelo PSD, e mais recentemente pelo PDS e pelo PFL., o partido do Cl!lpitalillrno cartorial, notadamente industria.l e financeiro, têm sido as Forças Armadas, pois só um regime de força, mesmo quando em legalidade - fofmal como os regimes que se seguiram a 1964-poderia e pode garantir a sobrevivência de um governo voltado a assegurar a acumulação do lucro ao lado da redução dos salários, com uma brutal concentração de renda. POf isso mesmo, convivemos com o desamor da burguesia brasileira pela vida partidária e, dela decorrente, a fragilidade de nossos partidos, nenhum dos quais conseguiu mais de uma geração de sobrevivência continuada. O desenvolvimento da economia. resultado dos investimentos estatais (muitos derivados de empréstimos externos) possibilitou o aparecimento de uma burguesia (mas também de um proletariado e de amplas camadas assalariadas) que Já se dispõe a apartar-se do Estado, mais precisamente, a livrar-se de seu controle e mais dele, porém. utilizar-se, na medida em que dele se autonomiza, para melhor continuar a geri-lo. Por isso, já agore, depois da administração burocrático-autoritária, o "novo" capitalismo se revela neoliberal, e, assim, vem requerer mais claramente a privatização do Estado, mediante seu gradual afastamento da economia, cedendo as estatais - que haviam palmilhado o caminho do desenvolvimento capitalista moderno - isto é, seu próprio espaço. para que, em substituição a elas, reclamando lucro ou condenando a "estatização'', opere a "livre iniciativa". Para tal, porém, o capitalismo, a chamada iniciativa privada, teve de, por longos anos, ser antes cevado pela política clientelista, que associava o arrocho salarial, o crédito privilegiado, as taxas de câmbio favoráveis, a reserva de mercado até para multina- 22

23 c:ionels, os incentivos ftscais e. no caso dos bancos, um verdadeiro seguro contns perdas e má gestão. Após um mercantilismo agrário caduco (mas subsistente na exportação de produtos forrageiros a preço da fome interna), após um industrialismo montado sobre uma capitalização cafeeira nativa, após um capitalismo explodido provindo de uma dívida externa que relança o País ao mais baíxo do Terceiro Mundo, um neocapitalismo tardio se afigura como a nova direita dita "neoliben~ l " que emerge vitoriosa do pleito. Seu projeto é a modemizliçáo da economia mediante concessões jâ anunciadas à interdependência crescente da economia, que, nos termos do desequilibrio econômico internamodernoso dessa nova direita fosse aspecto positivo nos quadros da política tradicional brasileira acostumada à sucessão da mesmice, não se poderia omitir a sobrevivência de outros setores da direita brasileira, mais atrasados, ligados às Forças Armadas e às oligarquias clássicas da História desse País. viciados no golpe de Estado e no paternalismo estatal O cenário, todavia, não está completo: entre uma e outra direitas, entre a nova direita e a esquerda nova emergiram. igualmente fortes, um novo proletariado e novas camadas assalariadas, principalmente urbanas, que deram o contorno eleitoral da maioria das regiões metropolitanas com sua clara opção pela proposta representada pela candidatura da Frente Brasil-Popular, que se legitima como seu real representante. Essa realidade, no que se confirme. poderá consolidar o pluralismo partidário, consolidando também a disputa eleitoral. ensejadora, no futuro, de real altemãnc:ia no poder substitutiva dos diktijtes dos quartéis. A FRENTE BRASIL-POPULAR A política recente oferece lição que haverá de ser conservada oor todos os democratas: a Constituição. pela vez. 23

24 primeira em toda a história republicana, de uma frente política com hegemonia da esquerda, assegurou a vitória de seu candidato no primeiro turno. Mais do que uma frente de partidos, a Frente Brasil-Popular se consolidou em frente realmente popular e democrática, na medida em que sua legitimação se deu pelo concurso da mílitânda que se ante<:l pou às decisões das lideranças partidárias. A experiência indica não apenas o acerto daquela políti ca, mas a necessidade de sua consolidação. em 1990, no embate social e sindical Aponta para sua consolidação, mas aponta igualmente para sua ampliação. O palanque do segundo turno é o rumo. 24

25 OS SOCIALISTAS E A NOVA ORDEMPARTID.ÁRIA O Brasil parece, finalmente, dirigir-se para a construção de um efetivo sistema de partidos que se fortalece. promete fortalecer-se, na medida em que, com ele, o sistema democrático-representativo se fortalece na expectativa de uma nova história de pleitos sucessivos seguidos de posses sucessivas, de mandatos respeitados, isto é, simplesmente urna democracia sem pronunciamentos militares, sem renúncias intempestivas, sem golpes-de-estado. Ainda não se fala, vê-se, em uma sociedade minimamente justa e só minimamente corrupta e perdulária. Isto fica para um outro futuro. Para o presente de agora, o hoje, exige-se o máximo de engenho e arte para organizar os partidos e aquelas forças políticas que, sem cederem esse mínimo, querem almejar ao máximo. E o quase máximo viável nas condições dadas esteve em nossas mãos e por muito pouco não nos foi possível reter aquela que certamente seria a mais importante conquista popular-institucional de nosso País. A força acumulada. nada obstante o grande avanç-o, mostrou-se, porém, ainda incapaz de promover a virada que a História do País aguarda há pelo menos um século. O avanço do 25

26 processo oemocrátlco entre nós. demonstrando, na prática, a possibilidade de uma real alternância de poder, bem como os felizes eventos do leste europeu, reatualizaram, na esquerda socialista. as teses em torno das vias democráticas de conquista do poder, e, com elas. inevitavelmente, o caráter e a conformação dos nossos partidos. A lição da História parece apontar para a estratégia da unidade orgânica - vocativa, não compulsória - da esquerda socialista. Para tal futuro, revela-se como etapa presente, fundamental e inafastável, o fortalecimento dos partidos e da política de alianças e frente, cujo grande e pedagógico êxito foi a constituição da Frente Brasil-Popular e a vitória de Lula e Bisol no primeiro tumo. Nos Estados e nas próximas eleições, essa política certamente será aprofundada e sempre que possível ampliada, e, se o for, inevita velmente formaremos uma grande bancada progressista em condições de defender as conquistas populares. em face do que promete o futuro governo. (Nenhuma estratégia de curto prazo, este entendido como as eleições de outubro-novembro próximos, todavia, deve apostar, tâo só, no prematuro fracasso popular do novo governante. cuja capacidade de administrar apoios. tanto quanto sua identidade com o projeto do capitalismo, em suas diversas versões. não devem ser subestimadas. Pensamos mesmo que grandes serão nossas dificuldades eleitorais, no primeiro enfrentamento. Daí. sobre todas as questões estratégicas impõe-se ainda mais a pol1tica de coligações e de frente popular e de esquerda, instrumento indispensável seja para assegurarmos a representação popular, seja para assegurarmos o êxito do movimento nacional de oposição ao próximo governo.) A experiência político-partidária brasileira, a partir de revelou as virtudes. poucas. e os defeitos, muitos, do bipartidarismo - jã que. fora dos dois autorizados. isto é, compelidos a existir, pelo regime, os partidos que tentavam 26

27 :.vbreviver fora da ilharga militar tiveram de resguardar-se à clandestinidade, conservada até A Arena, pôde, assim, num dado momento t}_e euforia ufanista fascist6ide, dizer que era o maior partido do mundo ocidental (estigma que mais tarde, mas mais cedo do que se esperava, alcançou o PMDB): os políticos, toda a burguesia - com sua indústria, seu comércio, seus serviços - estavam nela presentes, ex olfido, porque, no essencial, quem estava mesmo era a vontade do poder militar que se alçara a gestor ditatorial do País. Esse unanlmismo, per rém, era falso - e o MDB, depois PMDB, foi prova disso, crescente. Prova, inclusive. da inconsistência das filiações compulsórias e das composições doutrinárias gelatinosas: o MDB chegou a ter, contemporaneamente, em seus quaaos. parlamentares tão díspares como Amaral Netto e Doute! de Andrade; Tancredo Neves, certa feita, desgostoso da companhia de Miguel,Vraes, aliou-se a Magalhães Pinto, autonomeado comandante civil do golpe de 64 (lembramse?) para fazer o efêmero PP, do qual sairia para re-reunir se no MDB rebatizado de PMDB, com os companheiros de jornada, para, eleito senador e em seguida governador, eleger-se também Presidente da República com os votos dos dissidentes do PDS, que fundaram o PFL, que indicou o vice da chapa do PMDB, o futuro presidente aleatório. o ex-presidente do PDS.- Aliâs, esse vaivém nas siglas sem caráter comportou e ainda tanto comporta outras composições-recomposições s6 aparentemente esdrúxulas, aqui lembradas. algumas delas, meramente pelo seu vezc paradigmãtico: assim, enquanto Tancredo (retomamos àquela mesma saga) saía do MDB para o infausto PP, seu colega Amaral Peíxoto (seu colega de Governo Vargas, seu colega de PSD e seu colega de MDB) saia do oposicionista MDB para o governista PDS. de quem, de imediato. seu genro. deputado federal eleito pelo MDB. seria candidato, e candi dato do General Figueiredo ao governo fluminense (1982); 27

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ!

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! A Igreja e as eleições O presente texto tem como objetivo animar e orientar os membros das nossas comunidades, e a população em geral, a respeito da participação

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL Luiz Carlos Bresser-Pereira Intervenção no VI Fórum da Reforma do Estado. Rio de Janeiro, 1º. de outubro de 2007. Sumário. A democracia permitiu que os trabalhadores

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Entendendo a Reforma Política no Brasil

Entendendo a Reforma Política no Brasil Entendendo a Reforma Política no Brasil 1- Introdução As manifestações de junho de 2013 trouxeram a tona o questionamento da representatividade do sistema político e eleitoral brasileiro, mostrando a necessidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

PACTO SOCIAL AMEAÇADO

PACTO SOCIAL AMEAÇADO PACTO SOCIAL AMEAÇADO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 26.03.1981 A elevação decisiva das taxas de inflação e a configuração clara de uma recessão econômica nos dois primeiros meses de 1981

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 22 O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 The Brazilian Democratic Movement Party (PMDB) and the challenges of the elections of 2010 Eliseu Padilha Deputado Federal (PMDB RS) e Presidente da Comissão

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

A condição de Senador da oposição, não nos priva de todo, da

A condição de Senador da oposição, não nos priva de todo, da O livro "Brasil: O País do Futuro" foi escrito pelo romancista histórico Stephan Zweig, em... Mesmo sob a perspectiva de um estrangeiro, foragido do nazismo, numa época de ufanismo nacionalista, a obra

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

Democracia e crise de representação

Democracia e crise de representação Democracia e crise de representação Roberto Amaral O pressuposto de nossas reflexões é este: na crise política, o relevante é a crise da representação, que se agrava a cada pleito. O alarma, portanto,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

TEXTO 2. ELEIÇÕES 2014 E O GIGANTE ATORDOADO : ou quem tem medo de partido? Vinícius Teixeira Santos *

TEXTO 2. ELEIÇÕES 2014 E O GIGANTE ATORDOADO : ou quem tem medo de partido? Vinícius Teixeira Santos * TEXTO 2 ELEIÇÕES 2014 E O GIGANTE ATORDOADO : ou quem tem medo de partido? Vinícius Teixeira Santos * As manifestações de junho de 2013 geraram muitas expectativas em relação às possibilidades de mudanças

Leia mais

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO 5.11.05 O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Primeira versão, 5.11.2005; segunda, 27.2.2008. No século dezessete, Hobbes fundou uma nova teoria do Estado que

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição

Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição Transição política e reconstrução sindical no Brasil Adhemar Lopes de Almeida * Aparticipação do movimento sindical brasileiro no processo de transição política e reorganização sindical pode ser divida

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

ELEIÇÕES DE 2012: REFLEXÕES SOBRE O ATUAL PROCESSO ELEITORAL O CASO DO SETOR SAÚDE. (Versão Preliminar)

ELEIÇÕES DE 2012: REFLEXÕES SOBRE O ATUAL PROCESSO ELEITORAL O CASO DO SETOR SAÚDE. (Versão Preliminar) ELEIÇÕES DE 2012: REFLEXÕES SOBRE O ATUAL PROCESSO ELEITORAL O CASO DO SETOR SAÚDE Nelson Rodrigues dos Santos 22/09/2012 (Versão Preliminar) Parece haver algo diferente no conjunto das análises e debates

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

socialismo sem feminismo

socialismo sem feminismo Não há socialismo sem feminismo As mulheres do PT se organizam internamente desde a fundação do partido. Apesar da política de cotas, de avanços programáticos e de representarem 43% do total de filiados,

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 51 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.5 PODERES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE!

PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! PSOL NASCENTE, HELOÍSA PRESIDENTE! Uma síntese das resoluções tomadas, a partir de rico debate, pela 1ª Conferência Nacional do Partido Socialismo e Liberdade, realizada em Brasília, nos dias 26, 27 e

Leia mais

Considerações sobre a democracia e alguns dos obstáculos à sua concretização

Considerações sobre a democracia e alguns dos obstáculos à sua concretização Considerações sobre a democracia e alguns dos obstáculos à sua concretização Marilena Chaui Estamos acostumados a aceitar a definição liberal da democracia como regime da lei e da ordem para a garantia

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

Partidos Políticos do Brasil

Partidos Políticos do Brasil Partidos Políticos do Brasil Fonte: http://www.suapesquisa.com/partidos/ INTRODUÇÃO 04.06.2012 Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura

Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura João Machado Borges Neto * I O PT publicou, em parceria com o Instituto Lula e a Fundação Perseu Abramo, em fevereiro deste ano, o folheto O Decênio

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

O PT e a lenda do Boto cor de rosa

O PT e a lenda do Boto cor de rosa O PT e a lenda do Boto cor de rosa De: Francisco Uribam Xavier de Holanda O PT e a lenda do Boto cor de rosa. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. Por: André Haguette Ph.D. Professor Titular em

Leia mais

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO!

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! Jorge Luiz Souto Maior (*) Tenho percebido que a discussão em torno das cooperativas de trabalho possui dois momentos: o primeiro, pelo qual o intérprete se posiciona

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Data: 08.11.2009 Duração: 05 horas Conhecimentos Específicos: Matemática: 01 a 05 Redação História: 06 a 10 Coloque,

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

ENTREVISTA - Armínio Fraga Neto FOLHA 18/02/2001

ENTREVISTA - Armínio Fraga Neto FOLHA 18/02/2001 ENTREVISTA - Armínio Fraga Neto FOLHA 18/02/2001 O presidente do Banco Central, Armínio Fraga, disse à Folha que acelerar demais a economia pode levar a uma "derrapagem, uma colisão, uma ressaca, que nós

Leia mais

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação Democracia Burguesa e Apatia Política Luciano Cavini Martorano 1 Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação popular e a plenitude da transformação social, o socialismo deveria

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937

criação da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1937 História da ENESSO No Brasil, desde o período colonial podemos observar a participação dos estudantes na política do país, mesmo não possuindo um caráter organizado que só aconteceria no século XX. A primeira

Leia mais