Resumo RELAÇÕES ENTRE LITERATURA X HISTÓRIA. Antonio Sérgio Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo RELAÇÕES ENTRE LITERATURA X HISTÓRIA. Antonio Sérgio Ferreira"

Transcrição

1 RELAÇÕES ENTRE LITERATURA X HISTÓRIA Antonio Sérgio Ferreira (http: //lattes.cnpq.br/ 301A388F093C24DAD2A7D5B7B5CAB3E4) Resumo A literatura tem se servido da história para elaborar seu complexo ambiente de múltiplas possibilidades e, a partir dessa intersecção, surge o chamado romance histórico amplamente difundido no século XIX. O presente trabalho visa a lançar uma luz no que disseram alguns teóricos sobre o assunto: Geórg Lukács, Linda Hutcheon, Maria Teresa de Freitas, Roland Barthes e outros. Palavras-chave: literatura, romance histórico. Abstract Literature has made use of History to elaborate its complex ambient of multiple possibilities and from this intersection appears the Historical Novel thoroughly spread in the 19 th century. The present work seeks to throw a light on what some theoretical authors such as: Geórg Lukács, Linda Hutcheon, Maria Teresa de Freitas, Roland Barthes and others, said on the subject. Key-words: literature, historical novel Distinguir os campos de atuação da Literatura e da História constitui-se em questão proposta desde a Grécia Antiga e tem suscitado diferentes entendimentos entre os teóricos. A dificuldade na diferenciação dos campos de estudo principia na própria limitação terminológica que, frequentemente, afeta as ciências humanas. Neste caso, por um lado, o mesmo termo - "história" - serve para designar os acontecimentos históricos, sua determinação, a análise de suas relações e o registro escrito ou oral de tudo isso. Por outro, uma única palavra - "literatura" - designa a produção de textos ficcionais de todo tipo, bem como o estudo e a análise desse fenômeno. Ou seja, ambos os termos já possuem, isoladamente considerados, um escopo complexo em que se reúnem uma ciência e seu próprio objeto. Ao confrontá-los avultam dois aspectos essenciais que tornam a determinação de seus campos de atuação uma zona cinzenta: o primeiro decorrente da constatação de que os textos literários são fatos históricos (dentro do sentido História e estória) e o segundo que trata da apropriação pela História de um

2 instrumento característico da Literatura - o discurso. Os textos literários são fatos históricos - uma vez que quem os escreveu estava historicamente posicionado e influenciado pelo momento - e, ao mesmo tempo, muitas vezes são representações da História. Por isso, é praticamente impossível pensar em textos literários sem considerar o contexto histórico em que surgiram e a partir do qual ganham seu significado último. A historicidade da Literatura é, assim, relativa à sua própria essência e, de certo modo, todo romance é histórico no sentido de estar relacionado a um determinado contexto fático espaço-temporal. Essa relação, no entanto, deve ser superada na medida em que a Literatura só se firma historicamente quando transcende sua própria historicidade. Outro ponto de contato entre Literatura e História nasce do fato de que todo texto se subordina a uma categoria mais ampla, o discurso. Isso permite entender que o historiador se serve de um instrumento que pertenceria prioritariamente ao universo da literatura e permite-nos considerar a historiografia como um discurso menor, já que o texto historiográfico aponta para a univocidade, contra a equivocidade própria do texto literário. Nesse sentido, Aristóteles em sua obra Poética, contrapõe duas formas básicas de narrativa: a histórica e a poética. A primeira tem por objeto o dado concreto e inscreve-se no domínio da realidade efetiva, da experiência empiricamente verificável. A segunda, pelo contrário, é definida como uma realidade demarcada do mundo objetivo e transportada para o reino do possível: "Não é obra de um poeta dizer o que aconteceu, mas o que poderia acontecer, e o que é possível acontecer, segundo o que é verossímil e necessário" (Aristóteles, 2001, p. 252). A ficção surge, portanto, no pensamento de Aristóteles, como o território da verossimilhança, ou seja, daquilo que sem ser real é possível de se crer que tenha ou possa ter acontecido. O verossímil não é mais, portanto, que uma analogia do verdadeiro, e por isso pode-se dizer que a ficção é a capacidade de um fazer-crer, mercê do qual o artifício é tomado como um testemunho autêntico sobre a realidade e a vida. Ou seja, a arte da ficção manifesta-se como arte da ilusão. Analisando a mesma temática, Hegel sustenta que o poeta pode corrigir a História, concluindo que a Ficção é mais significativa que esta, pois constrói um universo funcional sem acidentalidades. Para o autor, a Ficção pode chegar à substância íntima da coisa, o que não pode ser alcançado pela História, que está comprometida com as classes dominantes. A Literatura seria, portanto, o microcosmo capaz de representar o

3 macrocosmo, ao passo que a História prende-se a fatos específicos de uma determinada época. Roland Barthes (1988, p.115) em seu Discurso da História a respeito da narrativa historiográfica diz que essa narração difere realmente, por algum traço específico, por uma pertinência indubitável, da narração imaginária, tal como se pode encontrar na epopéia, no romance, no drama. Barthes, no mesmo estudo, ainda aponta que: Em nível de discurso, a objetividade - ou carência dos signos do enunciante aparece assim como uma forma particular de imaginário, o produto do que se poderia chamar de ilusão referencial, visto que o historiador pretende deixar o referente falar por si só. (1988, p.119) Barthes sinaliza que História e Literatura se opõem radicalmente, pois, segundo ele, a História tem compromisso com a verdade, verdade essa conforme a visão do Historiador sobre o que deve ou não ser registrado. No discurso histórico da nossa civilização, o processo de significação visa sempre a preencher o sentido da História: o historiador é aquele que reúne menos fatos do que significantes e os relata, quer dizer, organiza-os com a finalidade de estabelecer um sentido positivo e de preencher o vazio da série pura. (1988, 154). Por sua vez, o discurso ficcional leva em conta, basicamente, a verossimilhança. Maria Teresa de Freitas (1989, p.109) discute a questão dos limites entre Literatura e História e aponta que: Os limites entre a representação e a criação sendo tênues, História e Romance freqüentemente se confundem, e a fragilidade de fronteira entre esses dois instrumentos de conhecimento do homem coloca alguns problemas que merecem estudos. Existe uma certa correspondência, ainda que em níveis variáveis, entre evolução histórica e evolução literária, como exemplo, é sabido que as grandes mudanças da História provocam, em geral, importantes inovações em Literatura, e o florescimento do célebre romance histórico da era romântica, no século XIX, representa o coroamento de uma evolução, trazida pela Revolução Francesa, que fez da burguesia uma classe encarregada de uma missão histórica (FREITAS, 1989, p.109), e a fecundidade literária coincide com os períodos de maior intensidade histórica.

4 A atração que os temas da História exercem sobre escritores e poetas gera a literatura de ficção, mitos, epopéia antiga, canções de gesta. E, finalmente o romance, nascido em fins da Idade Média, seria, segundo inúmeros teóricos da Literatura, o herdeiro direto da epopéia. A palavra em si designava de início, simplesmente qualquer obra traduzida do latim, língua erudita, para o romano, língua vulgar; assim, em fins do século XII, o termo romance englobava um conjunto de narrativas de aventuras heróicas em verso (Freitas, 1989, 110). A autora ainda afirma que, desde o nascimento do gênero denominado romance, existira aquela apropriação da matéria histórica, que é visível pela insegurança material e intelectual, que dominava os homens da Idade Média e levava-os a se apoiar em fontes seguras para suas criações ao lado da verdade religiosa, já dominante. O verdadeiro romance que se apropria da matéria histórica como mote de sua criação surge no Século XIX: O século XIX é o século da História: mudanças radicais ocorrem, acontecimentos grandiosos se acumulam, o ritmo de vida se acelera; ele será também o século do romance histórico. Os laços entre Literatura e História se estreitam e se realizam plenamente nessa nova forma romanesca: de um lado, a sensibilidade romântica povoa a História de curiosidades e de horizontes novos; do outro, a grandiosidade histórica invade a Literatura romanesca oferecendo-lhe rica e variada escolha de temas e de personagens. (FREITAS, 1989, p.111). Freitas ainda salienta que, nesse momento, as interações entre os dois campos de conhecimento se mesclam e a distinção entre ambas as disciplinas torna-se praticamente impossível. A partir da segunda metade do século XIX, com o advento das teorias positivistas no campo da História transformando-a em Ciência autônoma e isolada a preocupação com o rigor na utilização dos documentos, e a busca obsessiva de objetividade no tratamento dos temas, opõe diametralmente a pesquisa histórica à livre invenção romanesca (FREITAS, 1989, p.111). Freitas coloca que a corrente positivista também atingiu a Literatura permitindo mais uma vez a estreita comunicação entre ambos os universos: Paralelamente, no entanto, também a Literatura se deixa contaminar pelo espírito positivista, que se imporá, sobretudo nos postulados da escola naturalista: o

5 romance torna-se aí uma espécie de demonstração prática de teorias científicas, redigido a partir de documentos autênticos, e com o objetivo de descrever objetivamente a realidade exterior. A busca de exatidão e de fidelidade ao real será então uma preocupação comum aos dois domínios, que continuam, portanto a se relacionar estreitamente. (FREITAS, 1989, p. 112). A utilização da matéria histórica como tema da obra romanesca trata-se especificamente de uma realidade qualquer no universo histórico; um acontecimento, uma situação, uma personagem, que transforma em parte integrante de sua estrutura interna, uma realidade estética. Freitas apresenta duas maneiras fundamentais de se encararem as relações entre Literatura e História: No primeiro caso, enfatiza-se a possibilidade de se assimilar a obra literária ao contexto histórico em que ela foi produzida; no segundo, trata-se da apropriação pela Literatura da temática da História. São duas perspectivas de análise que obviamente não se excluem, mas que exigem abordagens e instrumentos analíticos específicos, conforme se esteja numa outra perspectiva. O estudo da integração ou, mais exatamente, da interação da obra literária com o contexto no qual ela se insere, parte da análise comparativa das duas séries numa visão totalizante e evolutiva, que leva a explicações sociológicas de caráter amplo, podendo ser aplicada a toda e qualquer produção literária de determinada época. Já o exame da obra de ficção que utiliza um assunto histórico como tema de sua trama é mais específico, e apresenta problemas particulares e aspectos polêmicos que merecem uma análise mais profunda.[...] Isso significa que não se trata do problema de ficções literárias que apenas aludem a situações históricas com objetivos os mais diversos, nem das que simplesmente situam sua intriga num determinado contexto sócio-histórico, que lhe serve de pano de fundo, numa preocupação de dar maior realismo ao texto ou de retratar certos aspectos da sociedade no momento em questão. Trata-se especificamente do romance que toma uma realidade qualquer do universo histórico um acontecimento, uma situação, uma personagem -, e a transforma em sua própria matéria, ou seja, em parte integrante de sua estrutura interna, fazendo dela uma realidade estética. (FREITAS, 1989, pp ). A arte não tem por objetivo representar o universo, é uma modalidade do imaginário, e o imaginário não reproduz a realidade exterior, mas a transforma, e transfigura-a, segundo Freitas, porque ela apresenta não o real, mas o possível, e a tarefa do poeta não é contar efetivamente o que aconteceu, mas aquilo que poderia acontecer. Retomando Aristóteles, a poesia representa o possível não somente segundo o verossímil (aquilo que poderia eventualmente acontecer), mas também segundo o necessário (aquilo que pode vir a acontecer).

6 O fato é que algumas obras literárias podem ser consideradas como aparelhos registradores de insatisfações vagas, de temores difusos, de desejos e aspirações de um grupo social ainda não formulados. [...] dos romances que se apoderam da matéria histórica, os que melhor traduzem os motivos sociais e históricos não são aqueles que retratam de maneira escrupulosa exata os acontecimentos, mas sim aqueles que exprimem o que falta a um grupo, que mostram as possibilidades subjacentes de determinadas situações ou acontecimentos, e tentam assim fazer com que as virtualidades inerentes a uma época passem da potencialidade ao ato. Estudar as relações entre Literatura e História não significa, pois buscar apenas o reflexo de uma na outra. Mais do que a imagem, a Literatura seria antes o imaginário da História. Isso significa que, se Literatura e História não são independentes uma da outra, elas tampouco são ligadas por uma relação mecânica de causa e efeito. (FREITAS, 1989, p.115). Freitas diz: Presença da História no romance e não influência da História sobre ele, é o que deve guiar o estudo fecundo das relações entre Literatura e História (1989, 115). A autora aponta, ainda, a existência de duas contradições, o confronto das duas realidades, uma fictícia, outra verídica, e esse confronto possibilita a criação de um outro plano de realidade que transcende de ambas. A História é assim transformada em meio de criação de uma realidade alternativa, a artística. A primeira contradição constitui justamente a característica específica que distingue esse tipo de texto literário dos demais, e que nos permite situar a questão da viabilidade da análise comparativa. Qualquer romance que se pretenda realista em oposição ao fantástico, que pertence a uma outra natureza dos fatos ou representativo - em oposição ao auto-representativo, que remete apenas a si mesmo -, inscreve-se no campo da realidade exterior, e retrata uma situação possível de acontecer, que será mais ou menos conforme a idéia que convencionalmente se tem do real; todavia, essa situação é tida como fictícia pelo leitor ainda que ela tenha sido efetivamente real para o escritor, o que em nada muda o estatuto do texto de ficção.[...]. A segunda contradição acima colocada leva-nos ao problema dos objetivos do texto literário. Se a narrativa em geral vive de uma perpétua ambigüidade entre diferentes ordens de realidade, se ela é sempre o resultado de um jogo entre a realidade imaginada (a ficção) e a realidade concreta (o referente exterior), o romance sobre a História repousará sobre um duplo jogo: um entre ficção e realidade dentro da narrativa que é o que constitui seu universo imaginário interior, sua diegese, e outro entre essa diegese híbrida, misto de ficção e realidade, e a realidade exterior de existência comprovada à qual ela remete. Esse duplo jogo, pelo simples fato de ser intencional por parte do autor, terá certamente um significado específico [...] o texto literário que se apodera de uma série histórica terá com certeza um significado distinto daquele que possui o texto histórico, tentará passar um conhecimento de outra natureza, uma verdade de outra ordem. (FREITAS, 1989, ).

7 Freitas (1986, p.14), em outro estudo intitulado Literatura e História, fala de técnicas de autentificação do discurso histórico na Literatura. Por técnicas de autenticação entendem-se aqui as referências ou pontos de ligação históricos que inscrevem a narrativa de ficção numa realidade extratextual reconhecível. Trata-se, no caso em questão, dos elementos históricos principais, autentificando-os duplamente já que os colocam num contexto igualmente concreto. São marcas que quando utilizadas no discurso literário, têm como objetivo atribuirlhe um cunho realista (FREITAS, 1986, p.14). Freitas retoma um artigo de Phillipe Hamon, Un discours contraint (in Poétique 16) e aponta como características do discurso realista: a Localização Espacial, a Datação, a Cronologia Longa, os Personagens Históricos, as Entidades e as Referências Históricas, a Utilização de Documentos e as Notas de Rodapé. A autora ainda afirma que: A utilização dessas técnicas vem, portanto, juntar-se aos demais elementos históricos dos romances [...]. Submetidos assim a prova da verdade, os romances revelam-se de grande valor documental no que diz respeito a seu conteúdo histórico. (Freitas, 1986, p.21). A proposta de Freitas só é possível a partir de estudos anteriores de Lukács e Hutcheon que analisaremos na sequência Geórg Lukács e Linda Hutcheon variações sobre o mesmo tema Muito se tem falado e teorizado a respeito do romance histórico, porém, ninguém talvez, tenha se debruçado com tamanha dedicação sobre o gênero como Lukács e Hutcheon. A visão de Lukács sobre o romance histórico iniciado por Walter Scott no século XIX lança as bases de uma definição teorizadora sobre o assunto. Já na pós-modernidade Linda Hutcheon teoriza sobre o romance histórico retomando o pressuposto de Lukács e atualizando as visões sobre o gênero, chamando-o

8 de metaficção historiográfica. Este capítulo trata, portanto, das visões de ambos os críticos e teóricos do assunto. Para falar sobre a teoria de Lukács, foram escolhidos três textos fundamentais: o estudo de Letizia Zini Antunes - Teoria da narrativa: o romance como epopéia burguesa, o texto de Jacques Ménard: Lukács et la théorie du roman historique tradução de Fábio Lucas Pierini e do próprio Lukács: The historical Novel. Sobre a teoria de Linda Hutcheon foi escolhido o pressuposto do livro Poética do Pós-Modernismo. A respeito do pensamento de Lukács, Antunes toma como base a obra A teoria do romance, escrita em 1915, no qual Lukács aceita plenamente a concepção de Hegel segundo a qual o romance é um produto literário típico da sociedade burguesa; o considera a expressão típica da cisão entre o eu e o mundo, que é o aspecto fundamental dessa sociedade. Lukács retoma também a comparação hegeliana entre o romance e a epopeia clássica grega para mostrar a diferença essencial que existe entre eles. Na grande epopeia homérica o indivíduo se encontra numa relação orgânica com a sociedade à qual pertence e aprende intuitivamente o sentido da vida. Para Homero como para seus heróis, o transcendente está ligado indissoluvelmente à existência terrena (ANTUNES, 1998, p.182). Ainda salienta que na vida moderna: [C1] Comentário: Está retomando pensamento ou obra? [...] é caracterizada por uma cisão profunda e sofrida entre a essência e a substância, entre o eu e o mundo, entre a vida e o seu significado. A volta ao mundo grego é impossível, uma vez que a grecidade e a época moderna são duas etapas historicamente distintas da vida do espírito. (ANTUNES, 1998, p. 182). Antunes afirma ainda que, de acordo com Lukács, o romance é a representação artística típica da condição moderna de alienação, a epopeia de uma época em que o sentido da vida não é mais conhecido intuitivamente. Ao contrário da epopeia que apresenta a história de uma comunidade, o romance apresenta a história de um indivíduo. A atuação desse herói problemático está ligada ao conhecimento de que nunca alcançará seu objetivo porque, nas condições sociais burguesas, não há possibilidade de reconciliação entre o eu e a sociedade (ANTUNES, 1998, p. 183). No romance o sujeito assume seus valores pessoais e, portanto, entra em conflito com a sociedade que o originou. Há uma tentativa desesperada de recompor a perda de sentido da vida social, de tentar se reconciliar com a sociedade, mas essa reconciliação é impossível. O herói será sempre um inadaptado devido à desproporção que existe entre as aspirações da

9 alma e a objetividade da organização social (ANTUNES, 1998, p. 183). Há uma diferença entre as concepções de romance: para Hegel o romance deve indicar o caminho da reconciliação entre o indivíduo e o mundo burguês, ao passo que para Lukács essa reconciliação é impossível. Lukács diz que as características formais do romance manifestam as contradições inerentes ao desenvolvimento do modo de produção capitalista, que é a base material da civilização burguesa e, portanto, também de sua arte (apud ANTUNES, 1998, p.185). Para ele o romance só adquire suas características peculiares na burguesia, pois um é reflexo do outro e vice-versa. Antunes aponta que, segundo Lukács, algumas destas contradições seriam o caráter antagônico das classes sociais e o caráter fetichizado das relações humanas, existindo um contraste inconciliável entre a vida individual e a vida social. (ANTUNES, 1998, p. 185). A autora segue dizendo que, embora a vida capitalista liberta das relações opressoras, acaba produzindo a degradação social do homem. Para Lukács a história da literatura como da arte em geral não apresenta um desenvolvimento isolado da História Material, uma vez que o processo de produção humana leva ao desenvolvimento de forças produtivas. Antunes, tratando do pressuposto de Lukács, afirma que um dos produtos da sociedade é o Romance: narrativa que apresenta traços similares aos da epopeia clássica: [...] o que a moderna sociedade produz é o romance, uma forma nova de narrativa épica que apresenta, no entanto, afinidades formais com a epopéia clássica, tais como: a amplidão do material representado; a subordinação da representação ao princípio da representação plástica, de maneira que fatos e homens aparecem como figuras vivas da realidade objetiva; a representação, através da ação encarnada em indivíduo, das relações do homem com a natureza e a sociedade, quer dizer, não somente da consciência que o homem tem delas.(antunes, 1998, pp ). Antunes, ainda referindo-se à obra de Lukács, aponta que desde o surgimento do romance, percebe-se uma contradição que impossibilita a plena realização do mesmo: [...] o romance é marcado, desde seu aparecimento, no séc. XVI, por uma contradição essencial, que provém do fato de ele ser a epopéia de uma sociedade prosaica, ou seja, organizada racionalmente, que não apresenta as condições materiais para a criação épica plena, por ser uma sociedade baseada no

10 antagonismo econômico das classes.(antunes, 1998, p.187). Em seu livro, The Historical Novel, Lukács faz um estudo minucioso sobre o gênero narrativo iniciado por Scott. Para compreender o romance histórico, precisa-se quebrar com a lenda reacionária do Romantismo que nega ao Século das Luzes qualquer importância, pois a Revolução Francesa, é sem dúvida, a grande mola propulsora das transformações ocorridas na Europa sócio-culturalmente. É necessário conhecer os eventos de antes e depois da Revolução Francesa para poder entender quais foram as bases sociais e ideológicas para o surgimento do romance histórico. As guerras napoleônicas fazem surgir, não apenas na França, mas também em toda Europa, um senso de nacionalidade até então não experimentado. A vontade de ter de volta sua independência e autonomia é o fator que desencadeia esse reavaliar do passado em que a busca do passado histórico significava também buscar uma identidade e orgulho nacionais. O homem desse período sente que sua história nacional faz parte de um contexto muito maior. A tendência de uma consciência histórica atinge seu pico com a queda de Napoleão no tempo da Restauração e o espírito do historicismo acaba sendo reacionário como forma de legitimar o processo de auto-afirmação pelo qual passavam as sociedades europeias do século XIX. Surge, então, uma reação contrária ao Século das Luzes e às ideias da Revolução Francesa, levando a um período pré-revolucionário como forma de negar os eventos do presente. Lukács aponta que o que realmente interessa na análise do romance histórico é o período depois da Revolução Francesa, pois, foi apenas a partir desse evento histórico que as nacionalidades se firmaram e somente com o final do Iluminismo é que a problematização da História passa a ser um objeto da Literatura. Por outro lado, o Iluminismo alemão provoca uma reação contra as condições sociais do país e promove uma volta ao passado histórico como fonte de renascimento nacional. Lukács segue dizendo que essa volta ao passado histórico faz surgir um pseudohistoricismo que promove a volta à Idade Média sob a justificativa de que a sociedade à época medieval era mais idílica e harmoniosa. Ménard, sobre o trabalho de Lukács, aponta que a constituição do romance

11 histórico parte de determinações históricas precisas e que esta significaria uma fuga para o passado, e talvez um repúdio ao presente. Lukács ainda vê que a ligação entre passado e presente encontra-se diluída ou até mesmo diminuída na narrativa: A constituição do romance histórico como gênero responde a determinações históricas precisas. A representação histórica torna-se uma fuga para o passado e, implicitamente ou não, um repúdio ao presente. A ligação entre passado presente não é mais corretamente estabelecida por uma relação de correspondência, a perspectiva histórica encontra-se por isso diminuída, até mesmo aniquilada. Esse afastamento fundamental, esse corte entre um presente recusado e um passado que se tornou doravante estranho exprime-se no exotismo, numa história reduzida ao cenário, ao figurino...não é, pois, uma forma particular de fidelidade à história, que erigiria o romance histórico como gênero, mas, pelo contrário, uma falta de fidelidade à história, sejam quais forem suas justificativa metafísicas ou estéticomorais, historicamente determinada por condições objetivas ou subjetivas: A questão propriamente dita do romance histórico enquanto gênero independente surge apenas se a ligação correta e adequada com a compreensão justa do passado falha, se ainda não existe mais.(menárd, s/d, p.02). Para Lukács o romance histórico se define através de uma perspectiva histórica, através da qual o leitor seleciona o que seria importante e significativo para a compreensão da obra, pois ela define um certo tipo de relação com o real, afirmando-se como concreta. O autor afirma, ainda, que o processo de criação do romanesco que leva a uma perspectiva histórica exige a representação de tipos histórico-sociais é o centro da criação realista da literatura. Um tipo-histórico só é significante ao trazer em si marcas reais do processo evolutivo histórico. Ao dedicar-se ao processo de feitura do texto, tanto o romancista quanto o historiador tentam captar o momento histórico ao qual estão vinculados, porém, há de se notar que a perspectiva histórica não apenas relata os fatos, mas os torna vivos poeticamente, escolhendo momentos decisivos na vida da coletividade, ela concentra para caracterizar. Lukács aponta que a totalidade histórica se prende especificamente aos fundamentos materiais da vida num dado período, levando em consideração destinos individuais em relação com o social. Ainda para ele, a História, como decalque de uma realidade, está presente em dois níveis do romance: intervindo nas perspectivas estéticas e como totalidade suscetível de ser refletida. [C2] Comentário: Parece que está faltando a conjunção e.

12 Portanto, para Lukács, o romance histórico é o conhecimento que se serve do presente para analisar e representar o passado. É uma poderosa arma para o progresso humano e cumpre sua tarefa que é restaurar forças motivadoras da história humana. Trata, pois, de demonstrar através de meios poéticos, os momentos históricos e seus personagens, estruturando o amplo fundamento vital dos acontecimentos históricos em seu entrelaçamento e complexidade, em seus variados efeitos recíprocos com as personagens atuantes. O tratamento do fato histórico na narrativa ficcional estabelecido por Lukács acaba tomando outros rumos na pós-modernidade, uma vez que surge uma intenção questionadora acerca dos fatos e fontes históricas e até mesmo da própria disciplina História. Portanto, o pós-moderno realiza dois movimentos simultâneos. Ele reinsere os contextos históricos como sendo significantes, e até determinantes, mas ao fazê-lo, problematiza toda a noção de conhecimento histórico. Esse é mais um dos paradoxos que caracterizam todos os atuais discursos pós-modernos. (HUTCHEON, 1991, p.122). A pós-modernidade aponta que não existe apenas uma Verdade única e exclusiva e sim várias Verdades no plural e que não existe falsidade por si só, mas sim verdades alheias. As obras pós-modernas questionam livremente a arte, no sentido de elas inserirem valores atemporais e universais, questionando também a individualidade das narrativas em nome da multiplicidade e da disparidade.(hutcheon, 1991, 123). Hutcheon diz que a nova história literária não é uma mera tentativa de preservar e transmitir um cânone ou uma tradição de pensamento; ela mantém uma relação problemática e questionadora com a história e a crítica literária (HUTCHEON, 1991, p. 125). Segundo ela, ao narrar uma história ou ficção, há uma recíproca contaminação dos elementos de ambos os campos de conhecimento, questionando, portanto, a neutralidade, impessoalidade e transparência, típicas da historiografia. Hutcheon chama de metaficção historiográfica as obras que exploram e questionam os conhecimentos históricos presentes na narrativa ficcional: A metaficção historiográfica refuta os métodos naturais, ou de senso comum, para distinguir ente o fato histórico e a ficção. Ela recusa a visão de que apenas a história tem uma pretensão à verdade, por meio do questionamento da base dessa pretensão na historiografia e por meio da afirmação de que tanto a história como a ficção são discursos, construtos humanos, sistemas de significação, e é a partir

13 dessa identidade que as duas obtêm sua principal pretensão à verdade.(hutcheon, 1991, p. 127). Há uma busca sistematizada de reorganização do novo, revisitação do que já está pronto. Deslocar os fatos de lugar para atribuir-lhes um novo significado, claro, sob um ponto de vista crítico. Hutcheon diz que toda a realocação é necessariamente paródica e toda paródia é ambígua, porque a paródia apresenta a reverência e a recusa. As obras pós-modernas inquirem sobre o deslocamento histórico, suas relações com a realidade que produziu o fato no passado. Surge um movimento de presentificação do passado. O pós-moderno olha para o passado com os olhos do presente, inquirindo sobre a dita verdade por detrás dos fatos expressos. Para Hutcheon o romance pós-moderno está inserido numa postura inquisidora mais ampla sobre a representação: ficção/história, particular/geral e presente/passado. Segundo ela, há uma contradição nessa postura, uma vez que desassociar uma das partes da dicotomia acima se torna impossível, o pós-moderno propõe-se, então, a explorar ambos. Hutcheon reconhece as relações de proximidade entre História e Ficção: Naturalmente, a história e a ficção sempre foram conhecidas como gêneros permeáveis. [...] Não surpreende que tenha havido coincidências de preocupações e até influências recíprocas entre os dois gêneros. No século XVII, o núcleo desses pontos em comum em termos de preocupação inclinava-se a ser a relação entre a ética (não factualidade) e a verdade na narrativa. (HUTCHEON, 1991, p. 143) Hutcheon pensa que a metaficção historiográfica procura desmarginalizar o literário através do confronto aniquilador com o histórico. Para ela, Ficção e História diferem em suas estruturas, e caberia, portanto, à ficção pós-moderna [sugerir] que reescrever ou reapresentar o passado na ficção e na história é em ambos os casos revelá-lo ao presente, impedi-lo de ser conclusivo e teleológico (HUTCHEON, 1991, p. 147) Hutcheon assume a importância de Lukács no processo de formulação do romance histórico, porém alega que a validade dele reserva-se exclusivamente aos romances do século XIX. Segundo ela, Lukács pensa no romance como síntese da História, criando um microcosmo capaz de sintetizar a História. Enquanto Lukács concebe uma visão edificante do herói, o herói-tipo, capaz de encarnar as determinantes essenciais em termos sociais e humanos, a ficção pós-

14 moderna valoriza os ex-cêntricos (marginalizados, periféricos), até mesmo os personagens com registro histórico assumem um status deferente, particularizado: Lukács achava que o romance histórico poderia encenar o processo histórico por meio da apresentação de um microcosmo que generaliza e concentra (1962, 39). Portanto, o protagonista deveria ser um tipo, uma síntese do geral e do particular, de todas as determinantes essenciais em termos sociais e humanos. A partir dessa definição, fica claro que os protagonistas da metaficção historiográfica podem ser tudo menos tipos propriamente ditos: são os excêntricos, os marginalizados, as figuras periféricas da história ficcional. (HUTCHEON, 1991, 151) De acordo com Hutcheon, para Lukács, o romance histórico dá pouca relevância ao detalhe, que ele considerava como sendo um simples meio de obter a veracidade histórica, para deixar concretamente clara a necessidade histórica de uma situação concreta (HUTCHEON, 1991, pp ). Hutcheon por sua vez afirma que a ficção pós-moderna apresenta duas formas de contestar essa característica. Primeiramente, a metaficção historiográfica se aproveita das verdades e das mentiras do registro histórico (HUTCHEON, 1991, p.152), romanceando ou falsificando determinados fatos históricos a fim de ressaltar as possíveis falhas mnemônicas da história registrada (HUTCHEON, 1991, p. 152). Em segundo lugar, percebe-se a forma como a ficção pós-moderna se apropria do fato histórico com uma fonte de verificação palpável do mundo ficcional. O deslocamento de personagens historicamente abonados em papéis secundários, para Lukács, ainda representa uma terceira característica do romance histórico a fim de legitimar o universo ficcional criado pelo autor, estabelecendo uma ponte entre ficção e história. Hutcheon afirma que as relações entre Ficção e História merecem um estudo mais aprofundado, principalmente no que diz respeito a questões que giram em torno da natureza da identidade e da subjetividade: a questão da referência da representação; a natureza intertextual do passado; e as implicações ideológicas do ato de escrever sobre a história (HUTCHEON, 1991, p. 156). A teórica de literatura segue dizendo que as metaficções historiográficas são marcadas por duas formas de narração: múltiplos pontos de vista ou a presença de um narrador onipotente. Ela ainda afirma que: No entanto, não encontramos em nenhuma dessas formas um indivíduo confiante em sua capacidade de conhecer o passado com um mínimo de certeza. Isso não é uma transcendência em relação à história, mas sim uma inserção problematizada da subjetividade na história. (HUTCHEON, 1991, p.156)

15 Para Hutcheon uma das formas mais contundentes de trazer o passado histórico para dentro do texto presente é através da paródia. Para ela: No rastro dos recentes ataques feitos pela teoria literária e filosófica contra o fechamento formalista do modernismo, a ficção pós-moderna certamente procurou abrir-se para a histrória, para aquilo que Edward Said (1983) chama de mundo. Porém, parece ter verificado que já não pode fazê-lo de forma sequer remotamente inocente, e portanto aquelas paradoxais metaficções historiográficas antiinocentes se situam dentro do discurso histórico, embora se recusem a ceder sua autonomia como ficção. E é uma espécie de paródia seriamente irônica que muitas vezes permite essa duplicidade contraditória: os intertextos da história assum um status paralelo na reelaboração paródica do passado textual do mundo e da literatura. A incorporação textual desses passados intertextuais como elemento estrutural constitutivo da ficção pós-modernista funciona como uma marcação formal da historicidade tanto literária como mundana. (HUTCHEON, 1991, p. 163) A paródia intertextual serviria, portanto, como marco da presença do passado no texto literário presente, mas esse passado só pode ser conhecido através do próprio texto literário ou histórico. Para Hutcheon, a metaficção historiográfica questiona qualquer conceito realista de representação, mas também quaisquer afirmações textualistas ou formalistas ingênuas sobre a total separação entre a arte e o mundo (HUTCHEON, 1991, 165). Hutcheon afirma que a intertextualidade substitui o relacionamento autor-texto, que foi contestado, por um relacionamento entre o leitor e o texto, que situa o locus do sentido textual dentro da história o próprio discurso (HUTCHEON, 1991, 166), ela ainda segue dizendo que uma obra literária já não pode ser considerada original; se fosse, não poderia ter sentido para seu leitor. É apenas como parte de discursos anteriores que qualquer texto obtém sentido e importância (HUTCHEON, 1991, p.166). De acordo com ela, o pós-modernismo: [...] procura nitidamente combater o que acabou sendo considerado como o potencial do modernismo para o isolacionismo que separava a arte e o mundo, a literatura e a história. Porém, muitas vezes ele o faz utilizando contra si mesmas as próprias técnicas do esteticismo modernista. Mantém-se cuidadosamente a autonomia da arte: a auto-reflexividade metaficcional chega a enfatizá-la. Contudo, por meio da intertextualidade aparentemente introvertida outra dimensão é acrescentada pela utilização das irônicas inversões da paródia: a relação crítica da arte com o mundo do discurso e, por intermédio deste, com a sociedade e a política. Tanto a história como a literatura proporcionam os intertextos nos romances aqui examinados, mas não se cogita nenhuma hierarquia, implícita ou

16 não. Ambas fazem parte dos sistemas de significação de nossa cultura, e aí está seu sentido e seu valor.(hutcheon, 1991, p.182). BIBLIOGRAFIA ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Ediouro, BARTHES, Roland. O discurso da História. In: O Rumor na Língua. São Paulo, Brasiliense: EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: Uma Introdução. São Paulo: Martins Fontes, FREITAS, Maria Teresa de. Literatura e História. São Paulo: Atual, Romance e História. Uniletras Ponta Grossa, n.11, dez HEGEL, Georg Friedrich. Filosofia da história. Brasília: Universidade de Brasília, HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Rio de Janeiro: Imago,1991. LUKÁCS, Georg. The Historical Novel. Nebraska: Nebraska University, RIBEIRO, José A. Pereira. O romance histórico na literatura brasileira. São Paulo: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia / Conselho Estadual de Cultura, (Coleção Ensaio, 86). Sobre o Autor. Antonio Sérgio Ferreira possui graduação em Letras pelo Centro Universitário Barão de Mauá (1993), graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (2006) e mestrado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004). Atualmente é professor no Ensino Fundamental da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto e no Ensino Superior da Faculdade Semar/Unicastelo - Sertãozinho. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: comparativismo, literatura x história, literatura x outras artes, literatura x cinema, literatura x música, século XIX e semiótica.

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 2 º. ano Disciplina: Historia da Formação dos Países Latino Americanos Profª Lidia M.

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail.

Luciene Araújo de ALMEIDA (PG/FL/UFG) luayaba@gmail.com Orientadora: Marilúcia Mendes RAMOS (D/FL/UFG) profamariluciaramos@gmail. A formação da identidade nacional brasileira em Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro, e o (re)contar da história Angolana na Gloriosa Família, de Pepetela Palavras - chave: história; literatura

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ. Autora (Aluna) Ludmila Maurer

CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ. Autora (Aluna) Ludmila Maurer ENSAIO LETRAS CEM ANOS DE SOLIDÃO, DE GABRIEL G. MARQUEZ Autora (Aluna) Ludmila Maurer Orientadora: Professora Ana Lúcia Barbosa de Moraes, da Universidade Estácio de Sá - Campus Nova Friburgo Resumo:

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG DISCIPLINAS DAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Área de concentração: TEORIA DA LITERATURA - NÍVEL MESTRADO DISCIPLINAS CRÉDITOS

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Alexandre Nícolas Rennó 1 nikitakadao@yahoo.com.br Cintia Pereira dos Santos 2 cintiapsgeo@gmail.com PODE EXISTIR

Leia mais